CONDIÇÕES GERAIS. Introdução

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONDIÇÕES GERAIS. Introdução"

Transcrição

1 CONDIÇÕES GERAIS Introdução A criação da Classe de Dança da Associação Equestre de Viana do Alentejo, resultam da cessação da actividade na Casa do Benfica em Viana do Alentejo, por vontade das alunas e respectivos encarregados de educação, onde as modalidades de Ballet e Sevilhanas eram praticadas, passando desde Junho de a fazer parte da Associação Equestre de Viana do Alentejo, para onde transitaram sem quaisquer activos, sendo para o efeito criada uma secção. Do Funcionamento 1. A Classe de Dança da Associação Equestre de Viana do Alentejo, funcionará e forma autónoma da Associação, ainda que em consonância com a mesma. 2. A prática das modalidades inerentes à Classe, funcionará em sala cedida para o efeito pela Câmara Municipal de Viana do Alentejo no Pavilhão Desportivo. 3. O objectivo desta classe é o de proporcionar e fomentar a aprendizagem e a prática de Ballet e 1

2 Sevilhanas ou qualquer outra dança que se venha a introduzir nesta classe. 4. Toda a relação entre coordenação, aprendizagem e transmissão de conhecimentos, terá por base princípios de igualdade de tratamento para com todas as alunas, professora(s) e colaboradores, sem os quais será posto em causa o bom funcionamento da Classe. 5. A Classe de Dança assegurará o seu pleno funcionamento, nomeadamente nos aspectos administrativos, financeiros, logísticos, entre outros, através da acção dos colaboradores, de todos os encarregados de educação e dos responsáveis da Associação Equestre, denominados para esse efeito, sendo esse trabalho de cariz voluntário e não remuneratório. 6. A Classe de Dança terá uma conta bancária exclusivamente para seu usufruto, onde serão depositados os valores das mensalidades pagas pelas alunas, e de onde sairão os montantes necessários para pagar quaisquer despesas relacionadas com as modalidades, nomeadamente despesas administrativas, com a(s) professora(s), alunas e outras que se considerem oportunas. 2

3 Das Alunas e Professora(s) 7. A idade mínima para a frequência da modalidade de Ballet, é de 4(quatro) anos. No caso de crianças com idade inferior à referida, a sua inscrição ficará ao critério da(s) professora(s). 8. Para frequentar cada uma das modalidades da Classe de Dança, as alunas deverão pagar mensalmente, em dia a fixar, um valor que será estipulado anualmente e comunicado aos encarregados de educação em reunião a realizar no início de cada ano lectivo, iniciando-se as actividades no decorrer do mês de Setembro. 9. A Classe de Dança da Associação Equestre possui um seguro de acidentes pessoais, que abrangerá todas as alunas, em caso de acidente durante as aulas. O mesmo será pago por cada aluna no acto do pagamento da primeira mensalidade. 10. Os horários a fixar para a prática das modalidades, decorrerão de uma reunião de coordenação entre a Classe de Dança, a Professora, a Câmara Municipal e outras entidades interessadas na sala de dança, tendo sempre em consideração os horários escolares e as actividades extra-curriculares das alunas de cada grupo. 11. As alunas deverão ser assíduas e pontuais. 3

4 12. As aulas terão duração de 50 (cinquenta) minutos. 13. As interrupções das aulas coincidirão com o calendário escolar, e deverão ser comunicadas aos encarregados de educação no inicio de cada ano lectivo. 14. Independentemente das interrupções das aulas, as mensalidades das alunas deverão ser sempre pagas na íntegra, o que corresponderá a 10 (dez) mensalidades. 15. Os pagamentos das mensalidades deverão estar em dia, salvo justificação em contrário e aceite pela Classe de Dança. 16. A roupa necessária, durante as aulas, para a prática quer do Ballet quer das Sevilhanas ou qualquer outra modalidade que venha a ser praticada, é comprada por cada aluna, e deverá ser adequada às modalidades praticadas. A decisão da compra e uniformidade da roupa será da responsabilidade da Professora(s), tendo sempre em conta a opinião dos encarregados de educação. 17. Sempre que houver disponibilidade financeira, os figurinos necessários para os espectáculos das modalidades, poderão vir a ser adquiridos pela Classe de Dança da Associação Equestre. 4

5 18. As alunas deverão apresentar-se sempre equipadas com o fato de apresentação da Classe de Dança (Maillot, saia e casaco pretos, collans rosa e sapatilhas), e devidamente penteadas (com cabelo apanhado ou rede no cabelo caso este seja curto). 19. Sempre que ocorra algum problema com a pratica das modalidades, quer a(s) professora(s), quer as alunas, quer os encarregados de educação, deverão tentar resolvê-lo juntos dos coordenadores da Classe de Dança. 20. As admissões ou readmissões de alunas serão sempre feitas no final de cada ano lectivo, em dias e horas afixados em locais públicos. Excepcionalmente poderão acontecer admissões sempre que solicitadas por encarregados de Educação junto dos coordenadores da Classe de Dança e depois das alunas serem avaliadas pela(s) professora(s). 21. É da competência da(s) Professora(s) marcar as presenças no início de cada aula. 22. Sempre que haja alunas que faltem muito, sem justificação, caberá à(s) Professora(s) decidir da sua continuidade e presença nas apresentações públicas. 23. À(s) professora(s) caberá preparar as alunas para uma apresentação Pública no final de cada ano lectivo e para outras que se considerem oportunas. 5

6 24. No inicio do ano lectivo serão definidas e comunicadas aos encarregados de educação as datas das apresentações referidas no número anterior. 25. Sempre que haja necessidade de aulas extra, antes das apresentações, caberá aos coordenadores da Classe de Dança solicitar atempadamente todo o apoio técnico e logístico à Câmara Municipal ou outras entidades. 26. Deverão os coordenadores da Classe de Dança, reunir atempadamente com a(s) professora(s) a fim de se decidir o que será necessário para a concepção da apresentação pública de final do ano lectivo. 27. A(s) professora(s) deverão ser remuneradas mensalmente no último dia de cada mês. 28. Independentemente das interrupções lectivas, a(s) professora(s) receberão integralmente a sua remuneração. 29. Sempre que surjam solicitações de apresentação das Classes de Ballet e/ou Sevilhanas, estas deverão ser analisados pelos coordenadores e pela(s) professora(s), para saber da possibilidade da aceitação das mesmas. 6

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA REGULAMENTO INTERNO DA ESCOLA DE MUSICA Artigo 1º Objecto A Associação Cultural Musimax é uma Escola do Ensino Artístico Especializado em Música, e tem como principal objecto o ensino da música. Artigo

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO ATELIER DE ARTES PLÁSTICAS

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO ATELIER DE ARTES PLÁSTICAS NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO ATELIER DE ARTES PLÁSTICAS O Atelier de Artes Plásticas é um serviço que se encontra ao dispor de todos os interessados, visando instruí-los e dotá-los das ferramentas básicas

Leia mais

da Universidade Sénior de Alfândega da Fé

da Universidade Sénior de Alfândega da Fé Regulamento Interno da Universidade Sénior de Alfândega da Fé Capítulo I Natureza e Âmbito Artigo 1º Âmbito 1- O presente regulamento disciplina a criação e funcionamento da Universidade Sénior de Alfândega

Leia mais

CENTRO DE APOIO AO ESTUDO

CENTRO DE APOIO AO ESTUDO CENTRO DE APOIO AO ESTUDO CLUBE JOVEM DO LUMIAR 1 Capitulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito 1 - O presente regulamento enuncia as normas regulamentares de funcionamento do Centro de Apoio ao Estudo

Leia mais

Regulamento de Matrículas, Inscrições e Propinas

Regulamento de Matrículas, Inscrições e Propinas Regulamento de Matrículas, Inscrições e Propinas I - Matrículas 1. A matrícula é o acto administrativo, a realizar no início de cada ano lectivo e que confere ao estudante o direito a ingressar no estabelecimento

Leia mais

Regulamento Financeiro

Regulamento Financeiro Regulamento Financeiro 01/10/2014 Conteúdo Enquadramento... 3 1 Cursos de estudos superiores profissionalizantes-cesp... 3 1.1 Matrícula... 3 1.2 Propina... 3 1.3 Seguro Escolar... 4 1.4 Penalizações...

Leia mais

1. Princípios e Normas Gerais. As Escolas Academia AROUND THE FUTURE orientam-se pelos seguintes princípios gerais:

1. Princípios e Normas Gerais. As Escolas Academia AROUND THE FUTURE orientam-se pelos seguintes princípios gerais: Regulamento Interno Escolas I. INTRODUÇÃO O regulamento interno das Escolas Academia de Futebol AROUND THE FUTURE é o documento que define o seu regime de funcionamento bem como os direitos e os deveres

Leia mais

Actividades de Enriquecimento Curricular Regimento

Actividades de Enriquecimento Curricular Regimento Actividades de Enriquecimento Curricular Regimento 2010-2011 REGIMENTO DAS ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR Considerando a importância do desenvolvimento de Actividades de Enriquecimento Curricular

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA PISCINA DE BARROSELAS

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA PISCINA DE BARROSELAS REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA PISCINA DE BARROSELAS As instalações da Piscina de Barroselas constituem património municipal e visam contribuir para o desenvolvimento desportivo do concelho em geral e

Leia mais

I - Funcionamento das Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF) integradas no calendário escolar a definir pelo Ministério da Educação.

I - Funcionamento das Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF) integradas no calendário escolar a definir pelo Ministério da Educação. INTRODUÇÃO As Atividades de Animação e de Apoio à Família, no âmbito da Educação Pré- Escolar, são uma resposta direta às necessidades das famílias e encontra-se consubstanciada em todos os tempos que

Leia mais

NIB Transferência: NOTAS: CENTRO DE APOIO AO ESTUDO

NIB Transferência: NOTAS: CENTRO DE APOIO AO ESTUDO 7 NOTAS: NIB Transferência: 0010 0000 3434 9410 0063 0 REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE APOIO AO ESTUDO RAÍZES ASSOCIAÇÃO DE APOIO À CRIANÇA E AO JOVEM 2013/2014 Capitulo I Disposições Gerais 1 Artigo 1º

Leia mais

Atividades Extracurriculares 2015/16

Atividades Extracurriculares 2015/16 Atividades Extracurriculares 2015/16 As Atividades Extracurriculares têm carácter facultativo e de natureza lúdica, desportiva e cultural, visando a utilização criativa e formativa dos tempos livres do

Leia mais

Regulamento de Cooperação CAPÍTULO I. Da Natureza, Objecto e Objectivos da RBA. Artigo 1º. Natureza. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º.

Regulamento de Cooperação CAPÍTULO I. Da Natureza, Objecto e Objectivos da RBA. Artigo 1º. Natureza. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º. Regulamento de Cooperação A rede de Bibliotecas de Arraiolos adiante designada RBA, foi criada pelo acordo de cooperação número oitenta e cinco de dois mil e onze e pelo protocolo assinado entre a Câmara

Leia mais

GTMMI, Lda. Regulamento Geral de Formações

GTMMI, Lda. Regulamento Geral de Formações GTMMI, Lda. Regulamento Geral de Formações Objectivo Para além da prática clínica como actividade principal, o GTMMI desenvolve também actividades no âmbito da formação contínua e pós-graduada. Este presente

Leia mais

Associação Coro de Santo Amaro de Oeiras. Secção Centro de Estudos Musicais. Regulamento Interno

Associação Coro de Santo Amaro de Oeiras. Secção Centro de Estudos Musicais. Regulamento Interno NOTA INTRODUTÓRIA Esta Secção da Associação Coro de Santo Amaro de Oeiras, adiante sempre designada CENTRO DE ESTUDOS MUSICAIS (CEM), iniciou a sua atividade no ano letivo 2010/2011, tendo sido ratificada

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA NOS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO CONCELHO DE ALPIARÇA

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA NOS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO CONCELHO DE ALPIARÇA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA NOS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO CONCELHO DE ALPIARÇA O presente documento tem por objecto a regulamentação

Leia mais

Artigo 1º Âmbito. Artigo 2º Inscrições

Artigo 1º Âmbito. Artigo 2º Inscrições Preâmbulo O Programa de Generalização do Fornecimento de Refeições Escolares aos Alunos do 1º CEB e a Componente de Apoio à Família (CAF) procuram dar hoje uma resposta direta às necessidades das famílias

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO MUNICÍPIO DE ALJEZUR CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO Âmbito e objectivos Artigo 1.º 1 - A Câmara Municipal de Aljezur atribui bolsas de estudo aos alunos residentes no

Leia mais

Regulamento escola duluténis

Regulamento escola duluténis Regulamento escola duluténis Atestado Médico ou Termo de Responsabilidade ou Inscrição na Federação Portuguesa de Ténis e Seguro Desportivo: no acto da inscrição, é obrigatório a entrega de Atestado Médico

Leia mais

Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos

Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos Estatutos Capítulo I (Princípios Gerais) Art.º1 (Denominação, Natureza e Duração) É constituída por tempo indeterminado,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO /

REGULAMENTO INTERNO / REGULAMENTO INTERNO 91 349 8992 / 96 272 1222 geral@astuciasaber.com www.astuciasaber.com 1 Índice Objectivos... 3 Funcionamento APOIO ESCOLAR... 3 Funcionamento EXPLICAÇÕES... 3 Actividades Extra... 3

Leia mais

REGULAMENTOS DA ESCOLA LXTRIATHLON

REGULAMENTOS DA ESCOLA LXTRIATHLON REGULAMENTOS DA ESCOLA LXTRIATHLON SETEMBRO 2016 NORMAS DE CONDUTA A OBSERVAR POR TODOS OS AGENTES LIGADOS À MODALIDADE NO CLUBE 1. INTRODUÇÃO Consideram-se agentes os atletas, pais, técnicos, dirigentes

Leia mais

Projecto de Regulamento. Oficina de Teatro Eç'agorA

Projecto de Regulamento. Oficina de Teatro Eç'agorA Projecto de Regulamento Oficina de Teatro Eç'agorA Preâmbulo O teatro, para além da sua vertente lúdica, é um excelente mecanismo para estimular o nosso autoconhecimento, o interrelacionamento e a capacidade

Leia mais

BÚZIOS ESCOLA DE NATAÇÃO. Pessoa Colectiva de Utilidade Pública

BÚZIOS ESCOLA DE NATAÇÃO. Pessoa Colectiva de Utilidade Pública BÚZIOS ESCOLA DE NATAÇÃO Pessoa Colectiva de Utilidade Pública Por Despacho do Sr. Primeiro Ministro em 10 de Maio de 2000, Publicado em D.R. II Série - nº 125, em 30 de Maio de 2000 REGULAMENTO UTENTES

Leia mais

REGULAMENTO DA SALA DE ESTUDO ACOMPANHADO. Nota justificativa

REGULAMENTO DA SALA DE ESTUDO ACOMPANHADO. Nota justificativa REGULAMENTO DA SALA DE ESTUDO ACOMPANHADO Nota justificativa A elevada taxa de insucesso escolar resulta, em grande parte, da ausência ou uso inapropriado de estratégias de estudo e pela não existência

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA. Regulamento da Componente de Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA. Regulamento da Componente de Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA Cursos de Especialização Tecnológica Regulamento da Componente de Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica A componente de formação em contexto

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO. Serviços Académicos. Assunto: TABELA DE PROPINAS, TAXAS E EMOLUMENTOS a vigorar no ano lectivo 2016/2017

ORDEM DE SERVIÇO. Serviços Académicos. Assunto: TABELA DE PROPINAS, TAXAS E EMOLUMENTOS a vigorar no ano lectivo 2016/2017 DE: Direcção PARA: Serviços Académicos DATA: 14-04-2016 N.º: 2016003 Assunto: TABELA DE PROPINAS, TAXAS E EMOLUMENTOS a vigorar no ano lectivo 2016/2017 Por deliberação da Direcção da CEU-Cooperativa de

Leia mais

Câmara Municipal de Mealhada

Câmara Municipal de Mealhada Câmara Municipal de Mealhada Normas de funcionamento dos serviços da Componente de Apoio à Família nos Estabelecimentos de Educação Pré-Escolar do Município da Mealhada NORMAS DE FUNCIONAMENTO DOS SERVIÇOS

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURA E DESPORTO DA BRANDOA (ABCD) INSTITUIÇÃO PARTICULAR DE SOLIDARIEDADE SOCIAL ( IPSS) PRÉ-PROLONGAMENTO REGULAMENTO INTERNO

ASSOCIAÇÃO CULTURA E DESPORTO DA BRANDOA (ABCD) INSTITUIÇÃO PARTICULAR DE SOLIDARIEDADE SOCIAL ( IPSS) PRÉ-PROLONGAMENTO REGULAMENTO INTERNO PRÉ-PROLONGAMENTO REGULAMENTO INTERNO 1. INTRODUÇÃO A Associação de Cultura e Desporto da Brandoa (A.B.C.D.) foi fundada em 09/02/1987, é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (I.P.S.S.) com

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PESO DA RÉGUA

CÂMARA MUNICIPAL DE PESO DA RÉGUA CÂMARA MUNICIPAL DE PESO DA RÉGUA UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DO PAVILHÃO DESPORTIVO MUNICIPAL REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art.l - O Pavilhão Desportivo Municipal de Peso da Régua fica

Leia mais

REGULAMENTO DA COLÓNIA DE FÉRIAS INFANTIL MUNICIPAL PREÂMBULO

REGULAMENTO DA COLÓNIA DE FÉRIAS INFANTIL MUNICIPAL PREÂMBULO PREÂMBULO Procurar respostas sociais dirigidas a utentes dos diferentes grupos etários e à família, significa responder a necessidades humanas (psicológicas, afectivas, sociais, ) por forma a prevenir,

Leia mais

Capítulo I Natureza e fins. Artigo 1.º Denominação e duração

Capítulo I Natureza e fins. Artigo 1.º Denominação e duração Capítulo I Natureza e fins Artigo 1.º Denominação e duração A Associação, sem fins lucrativos, denominada INTERVIVER ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE, DO BEM-ESTAR E DA PAZ é constituída por tempo indeterminado.

Leia mais

ROSÁRIO. Regulamento Interno CAPÍTULO III DOS EDUCADORES. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Porto

ROSÁRIO. Regulamento Interno CAPÍTULO III DOS EDUCADORES. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Porto ROSÁRIO Colégio de Nossa Senhora do Rosário Porto Regulamento Interno CAPÍTULO III DOS EDUCADORES Edição: maio 2016 Capítulo III Dos Educadores Edição maio de 2016 Índice do Capítulo III Secção I Docentes

Leia mais

Artigo 1º Âmbito. Artigo 2º Inscrições

Artigo 1º Âmbito. Artigo 2º Inscrições Preâmbulo As Atividades de Animação e Apoio à Família (AAAF) procuram dar hoje uma resposta direta às necessidades das famílias das crianças que frequentam a Educação Pré-Escolar. Estas atividades socioeducativas

Leia mais

Centro Bem Estar Social Padre Tobias. Colónia de Férias Regulamento Interno

Centro Bem Estar Social Padre Tobias. Colónia de Férias Regulamento Interno Centro Bem Estar Social Padre Tobias Colónia de Férias Regulamento Interno Regulamento Interno Colónia de Férias Disposições Gerais Capítulo I Art.º 1º - Âmbito A Colónia de Férias Padre pertence ao Centro

Leia mais

Espaço Jovem REGULAMENTO

Espaço Jovem REGULAMENTO Espaço Jovem REGULAMENTO ARTIGO 1.º - OBJETO O presente Regulamento define as condições de funcionamento do Espaço Jovem da Junta de Freguesia do Beato, que fica subordinado hierarquicamente ao pelouro

Leia mais

Câmara Municipal das Caldas da Rainha REGULAMENTO AEC 2011/201

Câmara Municipal das Caldas da Rainha REGULAMENTO AEC 2011/201 Câmara Municipal das Caldas da Rainha REGULAMENTO AEC 2011/201 /2012 Considerando a importância do desenvolvimento de atividades de enriquecimento curricular no 1º ciclo do ensino básico para o desenvolvimento

Leia mais

Fundação Escola Gest ESCOLA PROFISSIONAL DE HOTELARIA DE MANTEIGAS Centro De Férias Da Sicó - Senhora De Fátima Manteigas

Fundação Escola Gest ESCOLA PROFISSIONAL DE HOTELARIA DE MANTEIGAS Centro De Férias Da Sicó - Senhora De Fátima Manteigas ESTATUTOS DA EPHM Artigo 1.º A Escola Profissional de Hotelaria de Manteigas, adoptou esta designação aquando da sua criação, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 26/89 de 21 de Janeiro, por Contrato Programa

Leia mais

Regulamento Interno. Centro de Estudos e Atividades

Regulamento Interno. Centro de Estudos e Atividades Regulamento Interno Centro de Estudos e Atividades Índice Objetivos... 3 Funcionamento ESTUDO ACOMPANHADO... 3 Funcionamento EXPLICAÇÕES... 3 Atividades Extra... 3 Atividades de FÉRIAS... 4 Calendarização

Leia mais

Regulamento Interno. Centro de Estudos e Atividades

Regulamento Interno. Centro de Estudos e Atividades Regulamento Interno Centro de Estudos e Atividades Índice Objetivos... 3 Funcionamento ESTUDO ACOMPANHADO... 3 Funcionamento EXPLICAÇÕES... 3 Atividades Extra... 3 Atividades de FÉRIAS... 4 Calendarização

Leia mais

Normas de utilização do Pavilhão Desportivo

Normas de utilização do Pavilhão Desportivo CÂMARA MUNICIPAL DE REDONDO Normas de utilização do Pavilhão Desportivo CAPÍTULO I DA ADMINISTRAÇÃO, DO FUNCIONAMENTO, DA UTILIZAÇÃO E DA CEDÊNCIA Artigo 1º. O Pavilhão Desportivo é um meio que tem como

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PESO DA RÉGUA

CÂMARA MUNICIPAL DE PESO DA RÉGUA CÂMARA MUNICIPAL DE PESO DA RÉGUA UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DO PAVILHÃO DESPORTIVO MUNICIPAL REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art.l - O Pavilhão Desportivo Municipal de Peso da Régua fica

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES EXTRACURRICULARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES EXTRACURRICULARES Externato Marista de Lisboa REGULAMENTO DAS ATIVIDADES EXTRACURRICULARES APROVADO PELA DIRECÇÃO APÓS PARECER DO CONSELHO DE COORDENADORES 9 SETEMBRO DE 2017 Preâmbulo As atividades extracurriculares e

Leia mais

Ano Preparatório para Ingresso nos Cursos da ESTSetúbal/IPS REGULAMENTO

Ano Preparatório para Ingresso nos Cursos da ESTSetúbal/IPS REGULAMENTO Ano Preparatório para Ingresso nos Cursos da ESTSetúbal/IPS REGULAMENTO INTRODUÇÃO O Curso Ano Preparatório para Ingresso nos Cursos da ESTSetúbal/IPS 2006/07 regese pelo presente Regulamento, sendo condição

Leia mais

ACADEMIA NACIONAL SUPERIOR DE ORQUESTRA. Ano lectivo de 2013/2014 REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO. Capítulo I Disposições Gerais

ACADEMIA NACIONAL SUPERIOR DE ORQUESTRA. Ano lectivo de 2013/2014 REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO. Capítulo I Disposições Gerais ACADEMIA NACIONAL SUPERIOR DE ORQUESTRA Ano lectivo de 2013/2014 REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1 Objecto O presente Regulamento disciplina a atribuição de Bolsas

Leia mais

Instituto Politécnico da Guarda Escola Superior de Turismo e Hotelaria. Regulamento de Estágios CURSO DE GESTÃO HOTELEIRA REGULAMENTO

Instituto Politécnico da Guarda Escola Superior de Turismo e Hotelaria. Regulamento de Estágios CURSO DE GESTÃO HOTELEIRA REGULAMENTO Instituto Politécnico da Guarda Escola Superior de Turismo e Hotelaria Regulamento de Estágios CURSO DE GESTÃO HOTELEIRA REGULAMENTO OBJECTIVOS DO ESTÁGIO CURRICULAR Os Estágios do Plano Curricular da

Leia mais

Regulamento de Estágios CET- Cursos Especialização Tecnológica

Regulamento de Estágios CET- Cursos Especialização Tecnológica Regulamento de Estágios CET- Cursos Especialização Tecnológica A Objectivos dos Estágios 1) Os Estágios que integram a componente de formação em contexto de trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições Gerais

CAPÍTULO I Disposições Gerais CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1º Âmbito de Aplicação 1. Têm direito aos benefícios de ordem económico-social previstos no presente regulamento ou que venham a ser concedidos por este Centro: a.

Leia mais

FUTSAL (Certificado ISO 9001/2008)

FUTSAL (Certificado ISO 9001/2008) FUTSAL (Certificado ISO 9001/2008) Objetivos: Promover o aprendizado e o aperfeiçoamento do aluno nos fundamentos básicos e conhecimento das regras, oferecendo-lhe a oportunidade de praticar a modalidade

Leia mais

PROTOCOLO DE ESTÁGIO DE VERÃO

PROTOCOLO DE ESTÁGIO DE VERÃO PROTOCOLO DE ESTÁGIO DE VERÃO Entre: *** com sede na..., pessoa colectiva nº..., matriculada na Conservatória do Registo Comercial de... sob o nº..., com o capital social de Euros..., de ora em diante

Leia mais

REGULAMENTO DA COMPONENTE SÓCIO-EDUCATIVA DE APOIO À FAMÍLIA NOS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

REGULAMENTO DA COMPONENTE SÓCIO-EDUCATIVA DE APOIO À FAMÍLIA NOS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR ARTIGO 1º Objecto 1- O presente regulamento tem por objecto definir o funcionamento dos serviços da componente de apoio à família, no âmbito de: a) Fornecimento de almoço b) Prolongamento de horário 2-

Leia mais

Instituto Superior Politécnico Metropolitano de Angola IMETRO REGULAMENTO DO PAGAMENTO DE PROPINAS

Instituto Superior Politécnico Metropolitano de Angola IMETRO REGULAMENTO DO PAGAMENTO DE PROPINAS Instituto Superior Politécnico Metropolitano de Angola IMETRO 2016 Capítulo I. DEFINIÇÕES 1. Considera-se Propina, a importância mensal paga pela prestação dos serviços de ensino, e que condicionam a frequência

Leia mais

Normas Internas de Funcionamento do Serviço de Componente de Apoio à Família da Educação Pré-Escolar e do 1.º Ciclo do Ensino Básico.

Normas Internas de Funcionamento do Serviço de Componente de Apoio à Família da Educação Pré-Escolar e do 1.º Ciclo do Ensino Básico. Normas Internas de Funcionamento à Família da Educação Pré-Escolar e Preâmbulo De acordo com o consagrado na Lei n.º 159/99, de 14 de setembro, os municípios possuem atribuições no domínio da educação

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO DESPORTIVO MUNICIPAL DE VILA PRAIA DE ÂNCORA (PELOURO DO DESPORTO)

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO DESPORTIVO MUNICIPAL DE VILA PRAIA DE ÂNCORA (PELOURO DO DESPORTO) REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO DESPORTIVO MUNICIPAL DE VILA PRAIA DE ÂNCORA (PELOURO DO DESPORTO) 1993 1 REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO A prática do desporto para todos é uma divisa de essência social

Leia mais

Capítulo I. Definição, Objecto e Objectivos da RBAL. Cláusula 1.ª. Definição. Cláusula 2.ª. Objecto. Cláusula 3.ª. Objectivos

Capítulo I. Definição, Objecto e Objectivos da RBAL. Cláusula 1.ª. Definição. Cláusula 2.ª. Objecto. Cláusula 3.ª. Objectivos PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Preâmbulo A Rede de Bibliotecas de Alcochete, adiante designada RBAL, visa a prossecução de uma dinâmica de trabalho colaborativo quer ao nível da organização, gestão e disponibilização

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO / PROJECTO CURRICULAR

REGULAMENTO DE ESTÁGIO / PROJECTO CURRICULAR REGULAMENTO DE ESTÁGIO / PROJECTO CURRICULAR 1. OBJECTO 1.1. O presente regulamento estabelece os princípios orientadores e os procedimentos relativos ao estágio/projecto para a obtenção do grau de licenciado

Leia mais

TAXAS, PROPINAS E EMOLUMENTOS. Regimento

TAXAS, PROPINAS E EMOLUMENTOS. Regimento TAXAS, PROPINAS E EMOLUMENTOS Regimento Documento que regula a aplicação das taxas, propinas e emolumentos dos serviços praticados no Agrupamento de Escolas de Carnaxide. INDICE INTRODUÇÃO... 3 Artigo

Leia mais

JUDÔ - (Certificado ISO 9001/2008)

JUDÔ - (Certificado ISO 9001/2008) JUDÔ - (Certificado ISO 9001/2008) Objetivos: Promover e desenvolver a prática do judô, contribuindo para a formação integral da criança, proporcionando-lhe melhor qualidade de vida. No tatame, o aluno

Leia mais

Guia do Encarregado de Educação

Guia do Encarregado de Educação Guia do Encarregado de Educação Ano letivo 2011/2012 Calendário Escolar pode ser consultado sítio Web da escola. Prazos de reclamação: Avaliação: 3 dias úteis após a afixação das pautas Turmas: 3 dias

Leia mais

Centro de Apoio Escolar e Pedagógico Saber Aprender

Centro de Apoio Escolar e Pedagógico Saber Aprender Regulamento Interno Competências: 1- Garantir o ambiente físico e adequado, proporcionando as condições para o desenvolvimento das actividades, num clima calmo, agradável e acolhedor; 2- Na sequencia do

Leia mais

REGULAMENTO DA SALA DE ESTUDO

REGULAMENTO DA SALA DE ESTUDO REGULAMENTO DA SALA DE ESTUDO I. Disposições Gerais: Artigo 1º Objeto 1. O presente documento regulamenta a organização e o funcionamento da Sala de Estudo (SE) do Colégio São Filipe (CSF). Artigo 2º Âmbito

Leia mais

Câmara Municipal de Felgueiras. Taxas de utilização das Piscinas Municipais

Câmara Municipal de Felgueiras. Taxas de utilização das Piscinas Municipais 1. PISCINAS 1.1. Entrada com direito a banho livre - 90 minutos 1.1.1. Adulto ( maiores de15 anos ) 2,00 2,20 1.1.2. Criança (até 15 anos) 1,50 1,50 1.1.3. Crianças até 5 anos devidamente acompanhadas,

Leia mais

Programa Eco-Escolas. Direcção Regional do Ambiente. III Encontro Regional de Eco-Escolas Calheta 2 de Outubro de 2009

Programa Eco-Escolas. Direcção Regional do Ambiente. III Encontro Regional de Eco-Escolas Calheta 2 de Outubro de 2009 Programa Eco-Escolas Direcção Regional do Ambiente III Encontro Regional de Eco-Escolas Calheta 2 de Outubro de 2009 Programa Eco-EscolasEscolas A metodologia do Programa Eco-Escolas envolve a adopção

Leia mais

MUNICÍPIO DE VALPAÇOS PREÂMBULO

MUNICÍPIO DE VALPAÇOS PREÂMBULO REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PREÂMBULO Nos termos do artigo 235.º n.º 2 da Constituição da República Portuguesa, as Autarquias são pessoas colectivas territoriais dotadas de

Leia mais

Regulamento do Centro de Convívio Sénior da Junta de Freguesia de Odivelas CAPÍTULO I

Regulamento do Centro de Convívio Sénior da Junta de Freguesia de Odivelas CAPÍTULO I Regulamento do Centro de Convívio Sénior da Junta de Freguesia de Odivelas CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Noção) 1. O Centro de Convívio Sénior da Junta de Freguesia de Odivelas consiste numa

Leia mais

REGIMENTO DO CORAL DA FACULDADE ASCES

REGIMENTO DO CORAL DA FACULDADE ASCES REGIMENTO DO CORAL DA FACULDADE ASCES DO CORAL DA ASCES Art. 1 o. O Coral da Faculdade Asces é uma atividade de extensão que exerce atividade de caráter artístico e cultural. É formado por alunos, ex-alunos,

Leia mais

Artigo 3.º (Regimes) 1 As empresas poderão usufruir do serviço do ninho de empresas no regime residente e no regime apartado.

Artigo 3.º (Regimes) 1 As empresas poderão usufruir do serviço do ninho de empresas no regime residente e no regime apartado. Regulamento do Ninho de Empresas do Conhecimento e Tecnologias da Informação (1.ª Revisão) Artigo 1.º (Âmbito) O presente regulamento define as condições para a utilização do serviço de Ninho de Empresas

Leia mais

Regulamento de Funcionamento da Creche e Jardim-de-infância

Regulamento de Funcionamento da Creche e Jardim-de-infância Regulamento de Funcionamento da Creche e Jardim-de-infância Aprovado em Reunião de Executivo de 20 de Setembro de 2010 Aprovado em Assembleia de Freguesia a de de Regulamento Interno da Creche e Jardim-de-infância

Leia mais

CURSO DE TREINADORES DE GRAU Regulamento do Curso

CURSO DE TREINADORES DE GRAU Regulamento do Curso CURSO DE TREINADORES DE GRAU 3-2015 Regulamento do Curso 1 -ORGANIZAÇÃO O Curso de Treinadores de Grau 3 2015 é da responsabilidade da Federação de Andebol de Portugal, através do seu Departamento de Formação,

Leia mais

Natação Sporting Clube Campomaiorense

Natação Sporting Clube Campomaiorense Regulamento Interno Natação Sporting Clube Campomaiorense CAPITULO PRIMEIRO (ORGANIZAÇÃO ORGANIZAÇÃO) 1. Este regulamento interno destina-se a todos os atletas, pais e aos respetivos técnicos da escola

Leia mais

ESCOLA DE DANÇA DO ORFEÃO DE LEIRIA (EDOL)

ESCOLA DE DANÇA DO ORFEÃO DE LEIRIA (EDOL) ESCOLA DE DANÇA DO ORFEÃO DE LEIRIA (EDOL) ANO LETIVO 2016/2017 A Escola de Dança do Orfeão de Leiria (EDOL) vem por este meio prestar algumas informações relativas ao ano letivo 2016/2017, que se inicia

Leia mais

Regulamento competição

Regulamento competição ASSOCIAÇÃO DE DANÇA CULTURA E ARTE URBAN XPRESSION Regulamento competição Rua Bento Jesus Caraça, 20 B, 8005-182 Montenegro Faro 916252085 965443606 associacaourbanxpression@gmail.com www.urbanxpression.pt

Leia mais

Capítulo II Inscrições e Desistências

Capítulo II Inscrições e Desistências Capítulo I Funcionamento da Escola de Música Marista 1. A Escola de Música Marista (E.M.M) é dirigida por um coordenador, nomeado pela Direção do Externato Marista. É função desse coordenador dirigir a

Leia mais

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS Janeiro 2017 ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS O Orçamento Participativo das Escolas tem como objetivos contribuir para as comemorações do Dia do Estudante e estimular a participação cívica e democrática

Leia mais

Regulamento da Academia de Judo de Avenidas Novas

Regulamento da Academia de Judo de Avenidas Novas Regulamento da Academia de Judo de Avenidas Novas Nota justificativa Considerando que a atividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a saúde e bemestar da população; Considerando que a

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE CONVÍVIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE CONVÍVIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de aplicação O Centro de Convívio da Misericórdia de Machico é uma valência administrada pela Santa Casa da Misericórdia

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DA BOBADELA. Estatutos. CAPÍTULO I Constituição, sede, natureza, objectivo

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DA BOBADELA. Estatutos. CAPÍTULO I Constituição, sede, natureza, objectivo ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DA BOBADELA Estatutos CAPÍTULO I Constituição, sede, natureza, objectivo ARTIGO 1º Constituição A Associação de Pais e Encarregados

Leia mais

Contatos da Junta de Freguesia do Beato: Morada: Rua de Xabregas, n.º 67, 1º andar Telefone: Fax:

Contatos da Junta de Freguesia do Beato: Morada: Rua de Xabregas, n.º 67, 1º andar Telefone: Fax: Contatos da Junta de Freguesia do Beato: Morada: Rua de Xabregas, n.º 67, 1º andar Telefone: 21 868 11 07 Fax: 21 868 64 80 E-mail: geral@jf-beato.pt Vigora após aprovação do Executivo desta Autarquia

Leia mais

Município de Vila Nova de Poiares Natal em Atividade. MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES CÂMARA MUNICIPAL DAG Desporto, Juventude e Associativismo

Município de Vila Nova de Poiares Natal em Atividade. MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES CÂMARA MUNICIPAL DAG Desporto, Juventude e Associativismo MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES CÂMARA MUNICIPAL DAG Desporto, Juventude e Associativismo NATAL EM ATIVIDADE NORMAS GERAIS DE FUNCIONAMENTO Nota introdutória A Câmara Municipal pretende desenvolver programas

Leia mais

Tabela de Preços - Ano Letivo 2013/2014 SERVIÇOS OBRIGATÓRIOS. Inscrição/Matrícula (novos alunos)...150,00

Tabela de Preços - Ano Letivo 2013/2014 SERVIÇOS OBRIGATÓRIOS. Inscrição/Matrícula (novos alunos)...150,00 Tabela de Preços - Ano Letivo 2013/2014 SERVIÇOS OBRIGATÓRIOS Matrícula/Renovação de Frequência Inscrição/Matrícula (novos alunos).....150,00 (inclui seguro escolar, 1.ª via do cartão de aluno, 1.º via

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO TEMPORÁRIA DE JOVENS

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO TEMPORÁRIA DE JOVENS REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO TEMPORÁRIA DE JOVENS Não queremos jovens "fracotes", jovens que estão por ai e nada mais, que nem sim nem não. Não queremos jovens que se cansam rápido e que

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA

CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA REGULAMENTO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO E ANEXOS INTRODUÇÃO 1. O Pavilhão Gimnodesportivo é um local destinado unicamente à prática desportiva, ao serviço das populações, sendo as

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO

PROJETO DE REGULAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO PROJETO DE REGULAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO PROJETO DE REGULAMENTO 1.INTRODUÇÃO A prática regular e sistemática de atividades de animação gera significativas melhorias quer

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE EQUIPAMENTOS DESPORTIVOS. Preâmbulo

REGULAMENTO MUNICIPAL DE EQUIPAMENTOS DESPORTIVOS. Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DE EQUIPAMENTOS DESPORTIVOS Preâmbulo Uma das funções da Câmara Municipal é garantir, no âmbito das suas atribuições e competências, a generalização da prática da actividade física

Leia mais

Regulamento Interno. Centro de Estudos e Atividades

Regulamento Interno. Centro de Estudos e Atividades Regulamento Interno Centro de Estudos e Atividades Regulamento Interno CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito 1 - O presente regulamento enuncia as normas regulamentares de funcionamento da Academia

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPÍTULO I

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPÍTULO I CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Âmbito de aplicação O Centro de Convívio, é uma das Respostas Sociais da Santa Casa da Misericórdia de Ferreira do Zêzere, Instituição Privada de Direito Canónico com sede

Leia mais

Regulamento da Componente de Apoio à Família. Regulamento da Componente de Apoio à Família. Preâmbulo

Regulamento da Componente de Apoio à Família. Regulamento da Componente de Apoio à Família. Preâmbulo Regulamento da Componente de Apoio à Família Preâmbulo De acordo com a Lei n.º 5/97, de 10 de Fevereiro, a educação pré-escolar constitui a primeira etapa da educação básica, sendo complementar da acção

Leia mais

CARTA DOS DIREITOS E DEVERES COMUNIDADE EDUCATIVA

CARTA DOS DIREITOS E DEVERES COMUNIDADE EDUCATIVA MMA CARTA DOS DIREITOS E DEVERES CENTRO SOCIAL NOSSA SENHORA DO AMPARO Aprovado em Reunião de Direção a 07 /01 /2014 INTRODUÇÃO O CSNSA focaliza todo o seu trabalho no cliente, individualizando e personalizando

Leia mais

ESTATUTOS DA SECÇÃO DE MODELISMO DO MOTOCLUBE DE ALMODÔVAR SEDE DIRECÇÃO. A DIRECÇÃO da secção é composta pelos seguintes sócios fundadores:

ESTATUTOS DA SECÇÃO DE MODELISMO DO MOTOCLUBE DE ALMODÔVAR SEDE DIRECÇÃO. A DIRECÇÃO da secção é composta pelos seguintes sócios fundadores: ESTATUTOS DA SECÇÃO DE MODELISMO DO MOTOCLUBE DE ALMODÔVAR SEDE A secção de modelismo do Motoclube de Almodôvar é uma secção autónoma do Motoclube de Almodôvar devendo no entanto respeitar os princípios

Leia mais

DESPACHO. Em anexo é republicado o Regulamento nº 10/2012 com a nova redação, agora como Regulamento nº 10/2013. O PRESIDENTE DA ESTeSL

DESPACHO. Em anexo é republicado o Regulamento nº 10/2012 com a nova redação, agora como Regulamento nº 10/2013. O PRESIDENTE DA ESTeSL DESPACHO N.º 12/2013 Data: 2013/03/08 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e não Docente ASSUNTO: Alteração ao Regulamento nº 10/2012. A recente revisão do Regulamento do Ciclo de Estudos Conducente

Leia mais

3470 Diário da República, 2.ª série N.º 39 23 de fevereiro de 2017 3 Nos casos em que o encarregado de educação não seja nenhum dos progenitores, terá de ser apresentado documento comprovativo de que a

Leia mais

REGIME DE FALTAS. I Marcação de faltas

REGIME DE FALTAS. I Marcação de faltas REGIME DE FALTAS 1 I Marcação de faltas 1. É obrigatória a marcação de faltas sempre que o aluno não se encontrar presente. a) A obrigatoriedade da marcação de faltas aplica-se a todas as atividades curriculares

Leia mais

Regulamento Campo de Férias

Regulamento Campo de Férias Regulamento Campo de Férias Julho Agosto REGULAMENTO Campo de férias Nos meses de julho e agosto, o Colégio do Castanheiro oferece programas de campos de férias para crianças e jovens a partir dos três

Leia mais

REGULAMENTO. Praia de Carcavelos Bar do Moinho / Praia da Cresmina, Guincho (Junto ao Restaurante Meste Zé)

REGULAMENTO. Praia de Carcavelos Bar do Moinho / Praia da Cresmina, Guincho (Junto ao Restaurante Meste Zé) REGULAMENTO 1 Princípios Gerais Este regulamento tem como objectivo definir as principais linhas orientadoras que regem a Wanted Surf School, para que os alunos e pais saibam quais os seus deveres e direitos,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Quadriénio 2009/2013 ÍNDICE PREÂMBULO...3 Artigo 1º OBJECTO E ÂMBITO...4 Artigo 2º -COMPOSIÇÃO...4 Artigo 3º -QUADRO DE COMPETÊNCIAS...4 Artigo

Leia mais

Município de São Pedro do Sul. Regulamento de Acção Social Escolar 1º Ciclo do Ensino Básico e Transportes Escolares

Município de São Pedro do Sul. Regulamento de Acção Social Escolar 1º Ciclo do Ensino Básico e Transportes Escolares Município de São Pedro do Sul Regulamento de 1º Ciclo do Ensino Básico e Transportes Escolares O presente regulamento tem como objectivo regulamentar e uniformizar procedimentos para a atribuição de auxílios

Leia mais

EDITAL Nº 002/2016 SELEÇÃO DE LICENCIANDOS PARA O PROGRAMA DE MONITORIA DE SUPORTE DE APRENDIZAGEM

EDITAL Nº 002/2016 SELEÇÃO DE LICENCIANDOS PARA O PROGRAMA DE MONITORIA DE SUPORTE DE APRENDIZAGEM INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALAGOAS CAMPUS MACEIÓ DIRETORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE FORMAÇÃO GERAL EDITAL Nº 002/2016 SELEÇÃO DE LICENCIANDOS PARA O PROGRAMA DE MONITORIA

Leia mais

Normas de Funcionamento do Programa de Apoio à Família da Educação Pré-Escolar do Concelho de Santa Maria da Feira. Introdução

Normas de Funcionamento do Programa de Apoio à Família da Educação Pré-Escolar do Concelho de Santa Maria da Feira. Introdução Normas de Funcionamento do Programa de Apoio à Família da Educação Pré-Escolar do Concelho de Santa Maria da Feira Introdução A Lei de Bases do Sistema Educativo estabelece que um dos objectivos da educação

Leia mais

Serviços de Saúde e Bem-estar REGULAMENTO INTERNO

Serviços de Saúde e Bem-estar REGULAMENTO INTERNO Serviços de Saúde e Bem-estar REGULAMENTO INTERNO Verão 2016 REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO EGOlias ATELIER DE SAÚDE ARTIGO 1º Denominação e Natureza 1. O EGOlias Atelier de Saúde é um programa

Leia mais

PROJETO MULTIPLICADORES

PROJETO MULTIPLICADORES PROJETO MULTIPLICADORES 1. CONCEITO E CAMPO DE APLICAÇÃO Tendo em vista a gama de conhecimento existente entre profissionais no ramo da confecção e a constante necessidade de desenvolvimento e compartilhamento

Leia mais