Tecnologias para a EAD

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tecnologias para a EAD"

Transcrição

1 Tecnologias para a EAD Via Internet Mário Sérgio da Silva Brito 62 A educação a distância (EAD) pode e tem sido realizada por diversos meios, seja rádio, correio, telefone, televisão, dentre outros. No entanto, o sucesso dos cursos não depende unicamente da tecnologia empregada, assim como, muitas experiências atuais não obtêm o êxito esperado devido a diversos fatores alheios ao meio tecnológico utilizado. Entretanto, não se pode negar que o surgimento de novas tecnologias de informação e comunicação (NTIC), originadas na década de 60 e consolidadas nos anos 90, têm corroborado sensivelmente para o crescimento do ensino a distância. As NTIC provocaram uma revolução não somente no campo da educação, mas também influenciaram todo o estilo de vida da sociedade do final do século XX. A característica principal que impulsionou sua aplicação na EAD foi a possibilidade de manter, de forma fácil e rápida, a interação professor-aluno. A mediação desta interação pode ser realizada por diversos métodos e técnicas que se utilizam de abordagens síncronas e assíncronas. As abordagens síncronas são aquelas onde professor e aluno devem estar utilizando o meio no mesmo instante. Já nas assíncronas, a interação pode se dar independente da presença de ambos, podendo ser realizada em momentos distintos. As abordagens síncronas têm como vantagem a possibilidade de interação em tempo real, não sendo necessário esperar para obter respostas ou realizar

2 discussões. Entretanto, sua utilização é limitada, não somente porque encontram mais empecilhos tecnológicos para serem implementadas, como sempre haverá problemas de compatibilidade de horários, além das restrições de tempo do próprio professor que não poderá estar o tempo inteiro disponível para este tipo de interação. Como síncronas, podem ser citadas as interações mediadas por chat (batepapo), telefone e videoconferência. Como no modelo assíncrono não há necessidade da presença dos atores do processo ensino-aprendizagem no mesmo momento, torna-se mais flexível a interação entre eles. A possibilidade de o aluno enviar suas dúvidas a qualquer momento e o professor poder respondê-las sem a preocupação da iminência do final da aula estabelece uma dinâmica importante para o desempenho dos alunos e os estimula a criarem questões bem elaboradas, colaborando para a sistematização de suas dúvidas e uma melhor organização de seus questionamentos acerca do tema em estudo. Como exemplos do modelo assíncrono, podem ser citados o correio eletrônico ( ), os fóruns de discussão, o correio, a televisão, as páginas web, as listas de discussão, dentre outros. Entretanto, segundo Romani e Rocha (2001), há que se levantar alguns pontos que podem interferir na efetividade dos mecanismos baseados em abordagem assíncrona: tempo de resposta: é preciso que as questões e/ ou considerações efetuadas pelo aluno sejam prontamente respondidas, sob pena de desmotivar o aluno; sobrecarga do professor: caso não seja realizado um planejamento adequado, o professor pode ser inundado por um mar de perguntas e/ou considerações. Dessa forma, será incapaz de responder a todos, além de causar um retardo no tempo de resposta aos alunos; motivação do aluno: é preciso estar atento a procedimentos que mantenham o aluno com um nível 63

3 64 de motivação elevado, colaborando assim para que se sinta cada vez mais impelido a interagir com o professor e com os demais alunos. É preciso que ele perceba que suas questões são importantes e que sua colaboração é extremamente relevante para o crescimento do grupo como um todo. Vencer a timidez do aluno é uma difícil tarefa que permeia o processo de ensino-aprendizagem em qualquer metodologia, seja ela a distância ou presencial; sistematização de questões: deve ser uma preocupação constante dos envolvidos no curso, pois questões evasivas serão menos compreendidas pelo professor, interferindo no tempo de resposta, e poderão não ter o resultado que o aluno esperava, interferindo em sua motivação; sistematização das respostas: o professor também deverá estar preparado para responder de forma clara o objeto de dúvida do aluno. De sua clareza e objetividade dependerá a motivação do aluno, pois saberá que pode contar com o apoio da equipe de ensino nos momentos em que tiver dificuldades; Para melhor entender as tecnologias de EAD e compreender suas características positivas e negativas, serão apresentadas a seguir algumas tecnologias utilizadas atualmente. Serão primariamente enfocados os mecanismos de comunicação e informação disponíveis na Internet, visto que as demais tecnologias, como televisão, rádio, CD-ROM, dentre outras, não fazem parte do escopo deste trabalho. Logicamente não se descarta a importância destes meios para a elaboração de experiências em EAD, muito menos se questiona ou põe em xeque a possibilidade de sucesso ou a qualidade de cursos realizados com estas tecnologias.

4 Internet A Internet tem se mostrado como um meio natural para a difusão da EAD em todo o mundo. O motivo principal é a diversidade de ferramentas de interação que possui. Ademais, seu baixo custo e a popularização alcançada desde a década de noventa, fez com que aos poucos fosse se tornando parte indispensável na vida das pessoas. É claro que há muito o que evoluir não somente no aspecto tecnológico, mas sobretudo no que diz respeito à sua democratização, permitindo o acesso de camadas da população de baixa renda. Bittencourt (1999) acrescenta, como vantagens da Internet, a possibilidade do rompimento de barreiras geográficas de espaço e tempo, permitindo ainda o compartilhamento de informações em tempo real, o que apóia o estabelecimento de cooperação e comunicação entre grupos de indivíduos. Outro ponto positivo da Internet é a disponibilidade de mecanismos de mediação síncronos ou assíncronos, que podem ser utilizados ao mesmo tempo, ou não. A combinação destes mecanismos torna a Internet um meio flexível e dinâmico para o estabelecimento da EAD. Buscaremos relacionar aqueles mecanismos que mais têm sido utilizado. HTML A Hypertext Markup Language (HTML) é uma linguagem criada para a manipulação e exibição de hipertextos disponíveis em todos os servidores da Internet. Por meio dela, é possível se realizar a interligação entre documentos com o auxílio de links (Bittencourt, 1999). A HTML se apresenta como um dos principais mecanismos de apoio a EAD na Internet, visto que sua utilização permite a disponibilização do material didático necessário para o desenvolvimento das aulas, criando apostilas on-line que podem ser utilizadas pelos alunos. Entretanto, suas possibilidades vão muito além da simples 65

5 66 apresentação de documentos, que em conjunto com outras linguagens como Java, VBscript, PHP, JavaScript, dentre outras, permite o acesso a diversas outras ferramentas que surgiram originalmente independentes e hoje se encontram integradas a uma página HTML. Dessa forma, o usuário tem uma maior diversidade de recursos, com dispositivos de interface semelhantes, e o administrador de um curso de EAD pode contar com inúmeras ferramentas administrativas para gerenciar o curso e permitir maior interação entre professor e aluno. É mediante a integração da HMTL com outras linguagens e com Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD) que são construídos os ambientes virtuais proporcionando ao aluno a sensação de estar em um Campus Virtual. Os documentos HTML são apresentados e manipulados por aplicativos desenvolvidos para possibilitar a navegação entre as páginas, denominados de Browsers ou Navegadores. Diversos navegadores estão disponíveis na Internet, possibilitando uma grande variedade de recursos, além de possibilitar a integração com Plugins, que permitem adicionar novas funções ao navegador advindas de outros produtos ou fabricantes, tais como o Macromedia Flash, que permite a visualização de conteúdo animado no navegador. Como ratificado por Laudon e Laudon (1999) e Goldwein (1998), o , correio eletrônico, é um dos serviços mais utilizados na Internet. Com ele é possível enviar correspondências em texto, ou com arquivos de quaisquer tipos anexados (por exemplo imagens ou textos), para qualquer pessoa de forma assíncrona. O causou grande impacto nas relações de comunicação entre pessoas e organizações, reduzindo substancialmente os custos com a comunicação e aumentando a velocidade de transmissão da informação. Antes a comunicação era realizada basicamente por telefone

6 e correios, o que acarretava em altos gastos com ligações de longa distância e na espera durante dias para que algum documento fosse enviado via correios, quando estes não eram extraviados. Tem se tornado comum nos mais diversos campos e com variados objetivos, podendo tanto ser utilizado para o envio de uma simples mensagem para um amigo, como para o envio de propagandas em malas diretas contendo recursos gráficos sofisticados, como animações em Flash. Na EAD, o exerce um papel fundamental, pois é responsável pela interface entre alunos-professores, alunosalunos e professores-professores, ou seja de um modo geral, engloba todos que estão envolvidos com o curso ou com a administração do ambiente virtual, fazendo questionamentos, comentários ou sugestões. Entretanto, sua utilização deve ser exercida com cuidado, pois pode se tornar em um instrumento de desmotivação do aluno caso não sejam observados certos aspectos como os citados anteriormente: tempo de resposta; sobrecarga do professor; sistematização de questões; e sistematização de respostas (Romani; Rocha, 2001). Fórum Os fóruns representam discussões assíncronas realizadas por meio de um quadro de mensagens, que dispõe de diversos assuntos e temas sobre os quais o usuário pode emitir sua opinião, sendo possível ainda, contra-argumentar opiniões emitidas por outros usuários formando uma cadeia dinâmica de debates. Um fórum pode ser classificado por assuntos e as mensagens relacionadas em ordem cronológica, mantendo uma organização hierárquica das mensagens, podendo identificar a seqüência da discussão e a que assunto estão relacionadas (Fischer, 2000). Ao estabelecer uma gama variada de temas que podem ser acessadas a qualquer momento, os fóruns se tornam uma ferramenta importante para o desenvolvimento 67

7 68 da EAD. Além de emitir opinião, o aluno pode utilizá-los para o esclarecimento de dúvidas, mediante a leitura do que já tenha sido abordado pelos demais membros do grupo. Porém, como as demais ferramentas disponíveis para a EAD, a utilização do fórum necessita de certos cuidados, pois, em muitos casos, o aluno não se sente motivado a participar do fórum, ou apresenta timidez em expor suas idéias ao grupo por escrito. Esta afirmação é ratificada por estudo de Giannella, Salles e Struchiner, que aponta o fórum como uma ferramenta muito rica para a construção colaborativa de conhecimento, onde tanto alunos como professores podiam sugerir temáticas e incluir comentários livremente (2001: 30), e apesar disso comprova um baixo número de contribuições em um fórum. Santanché (2001) apresenta como possíveis razões para a baixa participação dos alunos em fóruns a dificuldade de organização de debates que seguem uma metodologia e a falta de objetividade dos participantes de um debate. No entanto, destaca que a solução para o problema pode advir da estimulação do aluno pelo professor ou de inovações metodológicas na concepção das ferramentas de fórum, tais como a one minute essay, a recitation-style e a confrontation and debate, propostas por Jackson e Madison e implementadas pelo ambiente de EAD POLIS. A estratégia de confrontação e debate chama a atenção pela estimulação do aluno. Neste modelo, o aluno é solicitado a escolher entre duas alternativas relacionadas a um tema. Em seguida deve comentar a razão pela qual escolheu determinada alternativa. Após a primeira interação, o sistema apresenta um comentário de outro aluno que anteriormente defendeu a outra alternativa como resposta e pede que ele comente a posição daquele aluno. Após analisar e comentar as posições de seus colegas, o aluno poderá decidir se deseja manter sua opinião inicial ou modificar sua posição acerca do tema justificando sua decisão.

8 Este mecanismo é apenas um exemplo de como podem ser criadas alternativas para a melhoria da motivação e participação do aluno. Novas formas e modelos podem ser criados ou adaptados para a solução deste problema. É claro que não depende apenas de ferramentas tecnológicas. A metodologia utilizada pelo professor será fundamental para se alcance sucesso na utilização do fórum na EAD. Chat O Chat, mais conhecido no Brasil como bate-papo, é outra ferramenta que pode ser aplicada a EAD, tendo como objetivo principal o estabelecimento de discussões síncronas por via textual (Fischer, 2000). Os participantes do chat, identificados por pseudônimos, podem enviar e ler mensagens, estabelecendo uma discussão em grupo e, ainda, trocar mensagens de forma reservada e particular. Esta possibilidade de conversar on-line pode ser utilizada com diversos objetivos na EAD: esclarecimento de dúvidas, discussões ou debates, dentre outros. No entanto, existe grande possibilidade de apresentar desmotivação e/ou desvio do objetivo pretendido. Como o mecanismo é aberto, ou seja, não existe controle de software sobre o que será discutido, ou mesmo na ordem da discussão, muitos alunos podem perder o estímulo em participar da discussão ou desviar o papo para um assunto adverso à finalidade do encontro. Muitos alunos podem, ainda, sentir-se inibidos a emitir opiniões, seja por receio de expor suas idéias ao grupo e ser repreendido ou chacoteado, ou simplesmente pela falta de experiência com o ambiente utilizado, ou por não conseguir acompanhar o ritmo ágil e de certa forma desordenado de uma seção de chat. Assim, o professor exerce um papel fundamental para o bom aproveitamento deste instrumento. Ele deve estar atento para identificar os alunos que não estão participando e instigá-los a se expressar, com o cuidado de não parecer 69

9 70 uma obrigatoriedade, o que poderia provocar maior retração por parte do aluno. É preciso, ainda, que o professor esteja atento a desvios na discussão, emitindo considerações que levem o grupo a retomar o objetivo pretendido. Para que o professor possa melhor desempenhar sua função de coordenador de debates ou discussões em chats, é preciso que a ferramenta utilizada lhe forneça uma série de informações gerenciais que o auxiliem na identificação de possíveis problemas. Dentre as possibilidades gerenciais estão o controle de autorização, permitindo acesso apenas a alunos de uma turma, quando necessário; saber a freqüência de intervenção dos participantes; excluir da sala usuários que não respeitem as normas estabelecidas; saber quais alunos estão realizando conversas paralelas, pois a depender da freqüência isto pode interferir no debate do grupo; além de várias outras possibilidades que auxiliem o professor na tarefa de coordenar a discussão (Fischer, 2000). Outro aspecto importante é a possibilidade de armazenar toda a discussão realizada e disponibilizar o conteúdo para que um aluno que não participou do evento possa se inteirar do que foi discutido, ou para que algum membro do grupo possa examinar com mais cuidado a discussão realizada. É importante ainda para que o professor analise o andamento e qualidade da discussão e o comportamento dos alunos, podendo, assim, traçar novas metodologias a serem utilizadas nestes encontros, além de observar o nível de conhecimento exposto pelos alunos, identificando fatores positivos e negativos que podem ou devem ser explorados durante a realização do curso. Uma opção muito comum é a utilização dos chats no próprio navegador de Internet, desenvolvidos em linguagens como o java, php, asp e outras, possibilitando assim uma interface de maior familiaridade aos usuários. Dessa forma, é possível a integração de sistemas de chat no próprio ambiente virtual no qual o curso será desenvolvido,

10 restringindo a utilização a participantes do curso, ou convidados. Os sistemas de chat existentes dispõem de várias alternativas de interface visando minimizar a sensação de distância e impessoalidade destes sistemas. Nesse sentido, Carneiro (2002) e Andrade e Beiler (1999) apresentam alguns destes produtos como o Microsoft Chat, que usa a metáfora de histórias em quadrinhos para o desenvolvimento da discussão, onde o usuário escolhe um personagem que o represente e se expressa com o auxílio de balões, que podem representar pensamentos, cochicho ou fala normal. Os personagens podem ainda exprimir emoções faciais, selecionando uma dentro da coleção de ícones que as representam. Figura 1 - Interface do Microsof Chat (Carneiro, 2002) 71 De forma semelhante, o The Palace (Fig. 2), a conversação é realizada por meio de balões, com os participantes dispostos em uma sala virtual e representados por ícones, denominados de avatares. Figura 2 - Interface do The Palace (Andrade; Beiler, 1999)

11 72 Lista de Discussão As listas de discussão são particularmente interessantes para a realização de cursos a distância, pois possibilitam o envio de correspondências eletrônicas a um único endereço, sendo repassadas a um grupo de endereços previamente cadastrados em um Servidor de Listas. Assim, reduz-se sensivelmente o esforço no envio de mensagens para o grupo e possibilita que qualquer membro do grupo possa enviar dúvidas ou comentários que deseja compartilhar com todo os integrantes. As listas de discussão podem ser livres ou moderadas, ou seja, as mensagens enviadas podem estar sujeitas à aprovação de uma pessoa, chamada de moderador, que irá decidir se o conteúdo da mensagem deve ou não ser repassado para o grupo. Dessa forma, evita-se que circule na lista informações que não dizem respeito a seu objetivo, pois sem controle a lista seja sobrecarregada com mensagens diversas, fazendo com que os usuários tenham suas caixas de mensagens lotadas com grande número de correspondências, causando-lhe transtorno no recebimento e tempo leitura de tais mensagens. Entretanto, a moderação reserva um trabalho extra ao professor, que pode preferir uma alternativa mais simples, deixando a lista sem restrições, apenas estabelecendo normas de conduta na utilização da lista. Realidade Virtual Segundo Whatis, a realidade virtual pode ser definida como a simulação de um ambiente real ou imaginário que pode ser visualizado em três dimensões, podendo fornecer uma experiência visual interativa em tempo real com sons, sensações táteis e outras formas de interação (2001:1), gerando assim uma percepção da realidade nos usuários desta tecnologia. Esta interface possibilita que, por meio de movimentos naturais e tridimensionais do corpo, o usuário manipule e

12 visualize objetos e dados em tempo real com a utilização de dispositivos como capacete de visualização e controle, luva, dentre outros. Na Internet, vem sendo implementada basicamente pela Virtual Reality Modeling Language (VRML), ou Linguagem para Modelagem em Realidade Virtual, que permite que um desenvolvedor distribua ambientes virtuais na Web, possibilitando a manipulação de objetos tridimensionais. Sua principal restrição para a Internet é ainda a largura de banda, além do custo de acessórios e equipamentos, caso pretenda reproduzir sensações não visuais. Logo, a utilização da realidade virtual na EAD ainda é mais uma promessa que uma realidade. Porém, não se pode negar as perspectivas que esta tecnologia irá introduzir no ensino a distância, como também seu potencial para aplicação no ensino presencial (Santanché, 2001). Videoconferência A videoconferência é definida por Oliveira (1996) como um conjunto de facilidades de telecomunicações que permite aos participantes, em duas ou mais localidades distintas, estabelecer uma comunicação bidirecional mediante dispositivos eletrônicos de comunicação, enquanto compartilham, simultaneamente, seus espaços acústicos e visuais, tendo a impressão de estarem todos em um único ambiente. A videoconferência é uma das melhores ferramentas de abordagem síncrona, pois possibilita o uso de imagem e som em tempo real e é a única que possibilita a explorar a linguagem corporal, a qual é responsável por 80% das impressões do indivíduo durante uma interação (Musey apud Fischer, 2000). Entretanto, este sistema ainda não pôde se tornar uma realidade popular devido a seu alto custo e à falta de uma infra-estrutura de telecomunicações adequada (Cardoso Neto, 2001). 73

13 74 A videoconferência pode ser oferecida por meio das salas de videoconferência ou por meio do computador, cujas conexões podem ou não ser realizadas pela Internet. Essas salas são formadas por auditórios equipados com TV s, câmeras de vídeo e consoles de controle. As soluções por computador são compostas por modem, placa processadora de som e imagem, uma pequena câmera e um microfone, além do software para videoconferência (Cardoso Neto, 2001). Esta solução apesar de mais barata e acessível, possui mais limitações, principalmente devido a baixa largura de banda disponível para transmissão de imagem e som via Internet. Muitas vezes, os que optam por utilizar videoconferência via Internet são obrigados a limitar o uso dos recursos disponíveis, tais como utilizar somente o áudio, sem imagens, ou estabelecer mecanismos de controle, tais como, só o professor transmite imagens e os alunos transmitem apenas áudio. Muitas outras estratégias podem ser adotadas para viabilizar o seu uso enquanto não se dispõe de infra-estrutura mais adequada para seu funcionamento. Os sistemas de videoconferência dispõem de outras ferramentas que facilitam a interação entre os participantes, fazendo com que se tornem ambientes mais completos e interativos. Com este intuito, as salas de videoconferência também dispõem de computadores, além de outros equipamentos como as câmeras digitalizadoras de documentos, onde um documento colocado sobre ela pode ser visualizado por todos os participantes da conferência. Podem ser apontados como vantagens da videoconferência em relação ao ensino presencial (Carneiro, 2001, Fischer, 2000): aumento da motivação dos alunos; amplia a capacidade de comunicação e apresentação; agilidade e aumento da produtividade, pois permite maior interação entre os participantes;

14 economia de recursos, com a redução dos gastos com viagens; economia de tempo, evitando o deslocamento físico para um local especial; comodidade de estar em mais de um lugar ao mesmo tempo, pois permite a comunicação simultânea entre pessoas distantes umas das outras; resolução parcial de problemas de planejamento e agendamento de encontros, aulas ou reuniões, pois não é necessário deslocamento pelos participantes, resultando em praticidade; mais um recurso de pesquisa, já que a reunião pode ser gravada e disponibilizada posteriormente; visualização de documentos e alteração pelos integrantes do diálogo em tempo real; compartilhamento de aplicações; compartilhamento de informações (transferência de arquivos). Na Internet, a videoconferência traz ao modelo de EAD alguns avanços relacionados à tão criticada impessoalidade existente nas demais ferramentas. Ela permite estabelecer um contato visual entre o alunos e professores, deixando este de ser um mero referencial simbólico que faz contato por cartas eletrônicas para desenvolver a personificação dos indivíduos envolvidos na interação. É claro, como já foi dito, existem limitações tecnológicas e estruturais para um bom funcionamento da videoconferência. Se não forem tomados os cuidados necessários, pode se tornar em um instrumento de desmotivação do aluno, visto que tentará falar com o professor e apenas verá uma imagem intercalada por uma seqüência de outras imagens que apenas sugerem a ocorrência de algum movimento e sons que de tão interrompidos se torna impossível produzir um significado compreensível. 75

15 Alguns softwares para videoconferência via Internet já estão disponíveis para uso, tais como: Cu-SeeMe da desenvolvido por Tim Dorcey na Universidade de Cornell, EUA; o NV, desenvolvido por Ron Frederick na Xerox PARC, EUA; o VIC, desenvolvido por Steven McCane e Van Jacobson no Lawrence Berkeley Laboratory e University of California, Berkeley, EUA; o IVS, desenvolvido por Thierry Turletti no Inria, Sophia-Antipolis, França; o sistema do MCRLab, desenvolvido por Louis Lamond e Grant Henderson na Universidade de Ottawa, Canadá; o TVS do Laboratório TeleMídia, PUC-Rio; e o NetMeeting, da Microsoft (Oliveira, 1996). Os softwares de videoconferência para Internet são geralmente baseados em uma interface que apresenta as imagens daqueles que estão conectados no momento. A maioria disponibiliza ainda outras ferramentas adicionais como um chat (bate-papo) para a interação via texto. Este recurso é fundamental para superar obstáculos de comunicação, substituindo parte do que seria dito, em áudio, por textos. 76 Quadro Branco Quadro Branco é uma ferramenta que possibilita transcender às limitações impostas pela interface de texto para a discussão e difusão de idéias entre participantes de um curso on-line. Muitos assuntos e conceitos não podem ser compreendidos rapidamente por meio de texto escrito, por voz, ou até mesmo mediante gestos transmitidos por vídeo. Em situações presenciais, isto também acontece, sendo necessário a utilização de outros recursos. Desenhando esquemas e/ou gráficos em papel ou em um quadro, é possível elucidar estes casos, proporcionando visualmente uma seqüência lógica para o fluxo das informações que se quer transmitir. Nesse sentido, o Quadro Branco busca reproduzir esta situação com uma janela em branco, onde se pode escrever, desenhar, colar dados e

16 imagens, cujo conteúdo é propagado para os demais participantes dispersos geograficamente. A utilização de um Quadro Branco eletrônico possui características que precisam ser observadas, algumas precisam de suporte tecnológico, enquanto outras podem ser resolvidas com o estabelecimento de normas e regras de utilização: quem pode escrever: deve-se decidir se todos os usuários poderão escrever no quadro. Isto pode gerar confusão, pois dificulta saber quem escreveu o quê, e a seqüência com que as informações foram adicionadas, já que os usuários estão dispersos geograficamente. Uma solução simples, mas que diminui a interação, é permitir que apenas o professor possa escrever no quadro; quando escrever: o professor pode autorizar o aluno a usar o quadro quando este solicitar, garantindo assim maior clareza das informações. Como solução tecnológica, pode-se usar um mecanismo de controle da caneta, que o professor liberaria, quando necessário, para um dos participantes; controle de cores: o estabelecimento de uma cor de caneta para cada participante possibilitaria a identificação do conteúdo com o seu autor. Entretanto, em um número não muito grande, pode gerar uma certa confusão visual com o excesso de informações; controle do apagador: deve-se definir quem detém o controle do apagador, pois este pode interferir no desenvolvimento de idéias de outros participantes. Com o controle de cores, cada participante poderia apagar conteúdo escrito com sua cor. Com a definição de normas, ou com a criação de suportes tecnológicos, o quadro branco se constitui como uma ferramenta excelente para a apresentação ou discussão de idéias em grupo. Claro, que seus resultados, vão depender bastante da forma como será utilizado, mas isto é uma 77

17 característica comum a todas as tecnologias educacionais disponíveis. Outras Tecnologias Uma gama variada de tecnologias estão disponíveis nos diversos cursos e ambientes de EAD existentes em todo o mundo, sendo impossível catalogar toda sua extensão. Entretanto, na seqüência deste estudo serão apresentados alguns ambientes de EAD, que reúnem várias tecnologias em um único website, possuindo ainda características necessárias para o gerenciamento do curso, como por exemplo, funções administrativas de um curso. 78 Ambientes de EAD Ambientes de EAD, denominados por Fischer (2000) como Sistemas de Gerenciamento para a EAD (SGEAD), são ferramentas que possibilitam a criação, administração e manutenção de cursos a distância, ofertando diversos recursos de interação que visam proporcionar o fácil estabelecimento de comunicação, síncrona ou assíncrona, entre os envolvidos no processo de ensino, bem como sua relação com o conteúdo didático disponível. Apesar de não ser fator preponderante para o sucesso de cursos a distância (Sherry, 1996), o oferecimento de bons e diversos recursos de interação permite ao professor uma maior flexibilidade para definir a metodologia que será utilizada para o desenvolvimento do curso. Não é preciso que o professor lance mão de todas as alternativas disponíveis, entretanto, para cada situação, ou seja, para cada público, objetivo, área de conhecimento ou conteúdo a ser abordado, o professor poderá ter ferramentas disponíveis para dar suporte às necessidades de aprendizagem dos alunos. Existem diversos ambientes de EAD, dentre proprietários e gratuitos, que se utilizam de várias ferramentas de comunicação e interação, alguns baseados

18 em uma tecnologia simples, outros mais sofisticados. Para maior compreensão de como estes ambientes funcionam, a seguir serão apresentados alguns deles, ressaltando suas principais características. Aulanet O Aulanet é um ambiente desenvolvido pelo Laboratório de Engenharia de Software (LES), do Departamento de Informática da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RIO), com apoio do CNPq. Desde o início de seu projeto, em 1997, o Aulanet tem conquistado grande espaço, sendo utilizado por diversas instituições brasileiras e internacionais, tendo mais de 4 mil cópias distribuídas. Apesar de ser um software de distribuição gratuita, é representado e distribuído, exclusivamente, pela empresa Eduweb (http:// Segundo Lucena et al (1999), o ambiente foi concebido com o objetivo de proporcionar a manipulação de cursos por usuários leigos, não necessitando que o autor seja um expert em informática. Assim, com uma interface mais amigável, o Aulanet pode proporcionar uma transição da sala de aula convencional para a sala de aula virtual de maneira mais tranqüila, possibilitando, também, sua utilização como ferramenta de apoio a cursos presenciais (Fischer, 2000). O Aulanet prevê a existência de três grupos de usuários: o administrador: que desempenha as funções administrativas, gerenciamento do cadastro de alunos e professores, configuração da interface, dentre outras; o professor: que cria os cursos a serem ministrados, gerencia o conteúdo, controla a agenda do curso, dentre outras funções. É possível ainda existir outros professores, co-autores, no mesmo curso; o aluno: é o usuário final do curso, que pode acessar o conteúdo disponibilizado pelo professor, interagir com os 79

19 80 demais usuários por meio de ferramentas de comunicação disponíveis no ambiente, além de poder receber o status de co-autor e colaborar com o professor na produção de material. Estes usuários interagem entre si e com o ambiente por meio de ferramentas disponíveis em mecanismos definidos pelo sistema como de comunicação, cooperação e coordenação. Elas são definidas pelo professor durante a configuração de cada curso, indicando quais recursos estarão ou não disponíveis àquele curso, de acordo com as necessidades instrucionais de cada público alvo e/ou área de estudo. Mecanismos de Comunicação: Com eles é realizada a comunicação entre professores e alunos e entre alunos. Este mecanismo dispõe de ferramentas de comunicação assíncrona, tais como: o ; o grupo de discussão, semelhante a uma lista de discussão, onde é possível o envio de mensagens que são distribuídas para todos os membros do curso e, ainda, armazenadas no ambiente, podendo ser acessadas no futuro; o grupo de interesse, onde a discussão se dá no sistema de fóruns de discussão. Para a comunicação síncrona, existem as ferramentas de debate, onde a interação entre os participantes pode ser realizada por meio de ferramentas de texto, com o uso de chat (bate papo), ou pelo software de videoconferência CuSeeMe. Mecanismos de Coordenação: são aqueles voltados ao planejamento de tarefas e à avaliação, tais como: a agenda do curso, onde se divulgam os eventos do curso, como as sessões de chat, datas de provas, trabalhos e exercícios; as notícias do curso, onde são apresentadas outras notícias relativas ao curso ou à temática estudada, informes, dentre outras; as provas, os exercícios e os trabalhos, que permitem ao professor definição e configuração dos instrumentos de avaliação do curso. As provas são gerenciadas por uma ferramenta de criação e correção automática, possibilitando a avaliação formativa do aluno.

20 Mecanismos de Cooperação: de onde provêm o instrumental pedagógico que será disponibilizado ao aluno pelo professor, tais como: transparências, representadas por apresentações em Powerpoint; apresentação gravada, disponibilizando arquivos do tipo RM, de conteúdo previamente gravado e convertido para o referido formato; texto de aula, permitindo a utilização de textos no formato HTML ou PDF; livros textos no formato HTML; bibliografia, apresentando a bibliografia, ou URL, como material de referência do curso; demonstração, exibindo demonstrações sobre a área de estudo em forma de figuras (formatos GIF ou JPG) ou vídeos (formatos RM, AVI ou MOV); co-autoria de professor, onde o professor, autor do curso, pode convidar outros professores para se tornarem co-autores do curso, podendo publicar materiais nos formatos já descritos anteriormente; co-autoria de alunos, onde o professor pode indicar alunos para publicarem material instrucional no curso, devendo ser certificado pelo professor antes da publicação. O aprendiz irá acessar o curso pela interface de aluno, onde após indicar o curso que deseja assistir, será apresentada uma janela com as informações do curso, contendo ementa, descrição e imagem do curso, ou seja, a tela de apresentação inicial do curso e, ainda, uma segunda janela simbolizando um controle remoto, onde o aluno poderá ter acesso aos mecanismos de comunicação, cooperação e coordenação selecionados e configurados pelo professor. Com todas suas facilidades e serviços, o Aulanet se constitui um bom ambiente para a EAD. É claro que pode, deve e vem sendo otimizado mediante atualizações periódicas realizadas pela empresa Eduweb, detentora do código do ambiente, acrescentando novas opções e atendendo expectativas apresentadas pelos usuários. 81 WebCT Desenvolvido pela University of British Columbia, no Canadá, é uma ferramenta voltada à construção de

Tecnologias na escola. Como explorar o potencial das tecnologias de informação e comunicação na aprendizagem

Tecnologias na escola. Como explorar o potencial das tecnologias de informação e comunicação na aprendizagem Tecnologias na escola Como explorar o potencial das tecnologias de informação e comunicação na aprendizagem FRONTEIRAS DO PENSAMENTO Planejamento Cultural Telos Empreendimentos Culturais Produção Executiva

Leia mais

PRESENCIAL OU A DISTÂNCIA: A MODALIDADE DE ENSINO INFLUENCIA NA APRENDIZAGEM? CLASSROOM OR DISTANCE LEARNING: DOES THE MODALITY INFLUENCE ON LEARNING?

PRESENCIAL OU A DISTÂNCIA: A MODALIDADE DE ENSINO INFLUENCIA NA APRENDIZAGEM? CLASSROOM OR DISTANCE LEARNING: DOES THE MODALITY INFLUENCE ON LEARNING? PRESENCIAL OU A DISTÂNCIA: A MODALIDADE DE ENSINO INFLUENCIA NA APRENDIZAGEM? CLASSROOM OR DISTANCE LEARNING: DOES THE MODALITY INFLUENCE ON LEARNING? Recebido em: 18/11/2012 Aprovado em: 21/02/2013 Avaliado

Leia mais

Formação do Instrutor e seus Recursos Uma introdução ao seu conteúdo e usos para Arquivistas e Gestores de arquivos

Formação do Instrutor e seus Recursos Uma introdução ao seu conteúdo e usos para Arquivistas e Gestores de arquivos Formação do Instrutor e seus Recursos Uma introdução ao seu conteúdo e usos para Arquivistas e Gestores de arquivos Margaret Crockett e Janet Foster Tradução: Gak, Luiz Cleber, Gak Igor, e Bellesse, Julia

Leia mais

INFORMÁTICA LUCIANA MARIA ALLAN SALGADO

INFORMÁTICA LUCIANA MARIA ALLAN SALGADO INFORMÁTICA LUCIANA MARIA ALLAN SALGADO 1 O PAPEL DA INFORMÁTICA NO DIA-A-DIA 2 A INFORMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO 3 UMA FERRAMENTA PARA NOVAS ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM 4 A INFORMÁTICA NOS PROJETOS

Leia mais

O que é Design de Interação?

O que é Design de Interação? CAPÍTULO 1 O que é Design de Interação? 1.1 Introdução 1.2 Um bom e um mau design 1.2.1 O que projetar 1.3 O que é design de interação? 1.3.1 Breve história do design de interação 1.3.2 Trabalhando juntos

Leia mais

Capítulo 1 Introdução aos Sistemas de Informação nas Empresas

Capítulo 1 Introdução aos Sistemas de Informação nas Empresas Capítulo 1 Introdução aos Sistemas de Informação nas Empresas 1.1 Por que as empresas precisam da TI 1.1.1 Por que os Sistemas de Informação São Importantes Entender a administração e o uso responsável

Leia mais

VISÃO ANALÍTICA DA INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO NO BRASIL: A questão da formação do professor. José Armando Valente. Fernando José de Almeida

VISÃO ANALÍTICA DA INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO NO BRASIL: A questão da formação do professor. José Armando Valente. Fernando José de Almeida Revista Brasileira de Informática na Educação Número 1 1997 VISÃO ANALÍTICA DA INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO NO BRASIL: A questão da formação do professor José Armando Valente NIED-UNICAMP / PUC-SP Fernando

Leia mais

O USO DOS COMPUTADORES E DA INTERNET NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE CAPITAIS BRASILEIRAS

O USO DOS COMPUTADORES E DA INTERNET NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE CAPITAIS BRASILEIRAS O USO DOS COMPUTADORES E DA INTERNET NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE CAPITAIS BRASILEIRAS Relatório Final 2009 Estudo realizado pelo IBOPE Inteligência e pelo LSI-Tec sob encomenda da Fundação Victor Civita. A

Leia mais

ENAP Estudos de Caso. Como escrever e usar estudos de caso para ensino e aprendizagem no setor público. Andrew Graham. Separata

ENAP Estudos de Caso. Como escrever e usar estudos de caso para ensino e aprendizagem no setor público. Andrew Graham. Separata ENAP Estudos de Caso Como escrever e usar estudos de caso para ensino e aprendizagem no setor público Andrew Graham Separata ENAP Estudos de caso Como escrever e usar estudos de caso para ensino e aprendizagem

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Fundamental PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL CONTINUADO PARÂMETROS EM AÇÃO EDUCAÇÃO INFANTIL

Ministério da Educação Secretaria de Educação Fundamental PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL CONTINUADO PARÂMETROS EM AÇÃO EDUCAÇÃO INFANTIL Ministério da Educação Secretaria de Educação Fundamental PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL CONTINUADO PARÂMETROS EM AÇÃO EDUCAÇÃO INFANTIL Brasília 1999 Secretaria de Educação Fundamental Iara

Leia mais

4º C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional [ ] Por que investir em Comunicação Interna

4º C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional [ ] Por que investir em Comunicação Interna 4º C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional [ ] Por que investir em Comunicação Interna 2 C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional Por que investir em Comunicação Interna PREFÁCIO Em pouco mais

Leia mais

SOFTWARE EDUCACIONAL: A IMPORTÂNCIA DE SUA AVALIAÇÃO E DO SEU USO NAS SALAS DE AULA

SOFTWARE EDUCACIONAL: A IMPORTÂNCIA DE SUA AVALIAÇÃO E DO SEU USO NAS SALAS DE AULA FACULDADE LOURENÇO FILHO ROMMEL XENOFONTE TELES DE MORAIS SOFTWARE EDUCACIONAL: A IMPORTÂNCIA DE SUA AVALIAÇÃO E DO SEU USO NAS SALAS DE AULA FORTALEZA 2003 1 ROMMEL XENOFONTE TELES DE MORAIS SOFTWARE

Leia mais

O PROCESSO HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E SUAS IMPLICAÇÕES: DESAFIOS E POSSIBILIDADES

O PROCESSO HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E SUAS IMPLICAÇÕES: DESAFIOS E POSSIBILIDADES 1 O PROCESSO HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E SUAS IMPLICAÇÕES: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Maria Cristina L. P. Lopes UCDB Arlinda Cantero Dorsa UCDB Blanca Martín Salvago UCDB Cláudio Zarate Sanavria

Leia mais

Sistema de Informações Executivas: Suas Características e Reflexões sobre sua Aplicação no Processo de Gestão

Sistema de Informações Executivas: Suas Características e Reflexões sobre sua Aplicação no Processo de Gestão 6 APLICAÇÕES SOCIAIS DAS SOCIEDADES COOPERATIVAS: UM modelo DE DEMONSTRAÇÃO CONTÁBIL Sistema de Informações Executivas: Suas Características e Reflexões sobre sua Aplicação no Processo de Gestão Ilse Maria

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Teoria e Prática Douglas Rocha Mendes Novatec Capítulo 1 Introdução às Redes de Computadores O Capítulo 1 apresenta uma introdução a redes de computadores explanando sobre sua evolução,

Leia mais

Diretrizes de políticas para a aprendizagem móvel

Diretrizes de políticas para a aprendizagem móvel Diretrizes de políticas para a aprendizagem móvel Diretrizes de políticas da UNESCO para a aprendizagem móvel A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) concede esta

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE SISTEMAS DE BANCO DE DADOS CLIENTE/SERVIDOR

UM ESTUDO SOBRE SISTEMAS DE BANCO DE DADOS CLIENTE/SERVIDOR ENIO KILDER OLIVEIRA DA SILVA UM ESTUDO SOBRE SISTEMAS DE BANCO DE DADOS CLIENTE/SERVIDOR ASPER - ASSOCIAÇÃO PARAIBANA DE ENSINO RENOVADO FACULDADE PARAIBANA DE PROCESSAMENTO DE DADOS CURSO SUPERIOR DE

Leia mais

O CAD APLICADO AO PROJETO DO PRODUTO: O PONTO DE VISTA DOS DESIGNERS INDUSTRIAIS. Francisco Duarte Magalhães Silva

O CAD APLICADO AO PROJETO DO PRODUTO: O PONTO DE VISTA DOS DESIGNERS INDUSTRIAIS. Francisco Duarte Magalhães Silva O CAD APLICADO AO PROJETO DO PRODUTO: O PONTO DE VISTA DOS DESIGNERS INDUSTRIAIS Francisco Duarte Magalhães Silva Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção,

Leia mais

Professores em rede: demandas de formação continuada docente para a inserção das tecnologias de informação e comunicação na prática pedagógica

Professores em rede: demandas de formação continuada docente para a inserção das tecnologias de informação e comunicação na prática pedagógica Professores em rede: demandas de formação continuada docente para a inserção das tecnologias de informação e comunicação na prática pedagógica Maestros en línea: Demandas de formación contínua para la

Leia mais

AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM: POR AUTORIAS LIVRES, PLURAIS E GRATUITAS i

AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM: POR AUTORIAS LIVRES, PLURAIS E GRATUITAS i SANTOS. Edméa Oliveira. Ambientes virtuais de aprendizagem: por autorias livre, plurais 1 e AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM: POR AUTORIAS LIVRES, PLURAIS E GRATUITAS i Edméa Oliveira dos Santos 1 Resumo

Leia mais

$% &&' ()*%+*%,& &%&+- *'.%&&+++&

$% &&' ()*%+*%,& &%&+- *'.%&&+++& $/% 01' +&*%+* & &%&+0%&-&++2 +&%0& *'!"#$%&'() $"*!"+,,!- (,,!-!-) (!"!"./!-,,,!-,!"0) ",!-$%!",,!-)0,!-$%,,!- 1(,)!-,!,!-,12 3,# &)4,5,,1!" () ++ %1% $16#%$&,)% (,1,,,7 1) 2 16 116117 2 16,,7 6)%62 1,,

Leia mais

LEONARDO DA SILVA TONINI O MODELO OOHDM APLICADO NO ENSINO DA PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS NA UFLA

LEONARDO DA SILVA TONINI O MODELO OOHDM APLICADO NO ENSINO DA PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS NA UFLA LEONARDO DA SILVA TONINI O MODELO OOHDM APLICADO NO ENSINO DA PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS NA UFLA LAVRAS - MG 2013 LEONARDO DA SILVA TONINI O MODELO OOHDM APLICADO NO ENSINO DA PROGRAMAÇÃO ORIENTADA

Leia mais

POSICIONAMENTO DOS PROFESSORES DO PROEJA FRENTE AO USO DOS RECURSOS TECNOLÓGICOS PRESENTES NA ESCOLA

POSICIONAMENTO DOS PROFESSORES DO PROEJA FRENTE AO USO DOS RECURSOS TECNOLÓGICOS PRESENTES NA ESCOLA POSICIONAMENTO DOS PROFESSORES DO PROEJA FRENTE AO USO DOS RECURSOS TECNOLÓGICOS PRESENTES NA ESCOLA Alline Favro (UTFPR - PG), allinefavro@yahoo.com.br Resumo: Aborda-se, neste estudo, a posicionamento

Leia mais

Análise e Projeto Orientado a Objeto Usando UML

Análise e Projeto Orientado a Objeto Usando UML Análise e Projeto Orientado a Objeto Usando UML Lorena Borges Moreira Uberlândia, Dezembro/2000. Análise e Projeto Orientado a Objeto Usando UML Lorena Borges Moreira Monografia apresentada ao Curso de

Leia mais

Valor Patrimonial da Marca (brand equity): Um Estudo com Base nos Quatro Fatores-Chave de David Aaker numa Instituição do Terceiro Setor

Valor Patrimonial da Marca (brand equity): Um Estudo com Base nos Quatro Fatores-Chave de David Aaker numa Instituição do Terceiro Setor Valor Patrimonial da Marca (brand equity): Um Estudo com Base nos Quatro Fatores-Chave de David Aaker numa Instituição do Terceiro Setor 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1.1 Introdução Acompanhar algumas tendências

Leia mais

Ambiente de Desenvolvimento Web Autoconfigurável para Robótica Educacional

Ambiente de Desenvolvimento Web Autoconfigurável para Robótica Educacional UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO Ambiente de Desenvolvimento

Leia mais

NMC. Horizon Report > Edição Ensino Superior 2013

NMC. Horizon Report > Edição Ensino Superior 2013 NMC Horizon Report > Edição Ensino Superior 2013 O NMC Horizon Report é uma fonte imparcial de informação que ajuda líderes da educação, administradores, responsáveis políticos e outros a compreender facilmente

Leia mais

AS FERRAMENTAS DO ENSINO A DISTÂNCIA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A EFICÁCIA NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DO ALUNO

AS FERRAMENTAS DO ENSINO A DISTÂNCIA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A EFICÁCIA NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DO ALUNO Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 21 2/2009 ISSN 1517-8471 Páginas 84 à 91. AS FERRAMENTAS DO ENSINO A DISTÂNCIA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A EFICÁCIA NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DO ALUNO Marina Hideko

Leia mais

O USO DO COMPUTADOR COMO FERRAMENTA DE MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA NO SISTEMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO GOIATUBA GOIÁS

O USO DO COMPUTADOR COMO FERRAMENTA DE MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA NO SISTEMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO GOIATUBA GOIÁS O USO DO COMPUTADOR COMO FERRAMENTA DE MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA NO SISTEMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO GOIATUBA GOIÁS Alzair Eduardo Pontes Alzairpontes @hotmail.com Programa De Pós-Graduação Em Administração, Universidade

Leia mais