O PROCESSO HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E SUAS IMPLICAÇÕES: DESAFIOS E POSSIBILIDADES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PROCESSO HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E SUAS IMPLICAÇÕES: DESAFIOS E POSSIBILIDADES"

Transcrição

1 1 O PROCESSO HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E SUAS IMPLICAÇÕES: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Maria Cristina L. P. Lopes UCDB Arlinda Cantero Dorsa UCDB Blanca Martín Salvago UCDB Cláudio Zarate Sanavria UCDB Jeferson Pistori UCDB Introdução Para entender a Educação a Distância (EAD) hoje, precisamos conhecer a sua história: sua origem, seu passado, sua evolução, e, por conseqüência, suas implicações, desafios e possibilidades atuais. Portanto, discutimos inicialmente a EAD no Brasil e no mundo nos remontando às datas e aos acontecimentos mais marcantes dessa história: cursos por correspondência, experiências radiofônicas e utilização de programas de televisão em projetos educativos, e a inserção das Tecnologias da Informação e da Comunicação no contexto educacional. Em seguida, focamos a EAD em uma Instituição de Ensino Superior de Mato Grosso do Sul (Universidade Católica Dom Bosco - UCDB): sua história, particularidades e proposta pedagógica. Por fim, centramos nossa discussão nos desafios que a EAD enfrenta: novas formas de enxergar o currículo, a integração da modalidade presencial e a distância, o processo de ensino e de aprendizagem com foco na interação e colaboração e a formação do professor em uma sociedade em processo de digitalização. A EAD no Brasil e no mundo Para entendermos melhor o atual contexto da Educação a Distância, é necessário que analisemos, em princípio, o seu processo histórico de construção e evolução. Segundo Barros (2003), os primeiros indícios de utilização da Educação a Distância remontam ao século XVIII,

2 2 quando um curso por correspondência foi oferecido por uma instituição de Boston (EUA). A partir de então, é possível estabelecermos uma cronologia da evolução da EAD no mundo. As primeiras experiências com EAD no século XIX, apresentam uma concentração maior na Europa, com o oferecimento de cursos por correspondência na Suécia, Reino Unido e Espanha, além dos Estados Unidos. No início do século XX, países como Austrália, Alemanha, Noruega, Canadá, França e África do Sul começam a vivenciar suas primeiras experiências com esse tipo de ensino. Entretanto, apenas na segunda metade do século XX é que a EAD começou a se fortalecer e a se estabelecer como uma importante modalidade de ensino. Em 1969, na Inglaterra, é autorizada a abertura da British Open University, considerada como um importante acontecimento dentro da evolução da EAD por trazer inovações nos instrumentos de comunicação entre professores e alunos, assim como na recepção e envio dos materiais educativos. Para Barros (2003), esta instituição é pioneira no que hoje entendemos como ensino superior a distância. Segundo Litwin (2001, p. 15), a Open University [...] mostrou ao mundo uma proposta com um desenho complexo, a qual conseguiu, utilizando meios impressos, televisão e cursos intensivos em períodos de recesso de outras universidades convencionais, produzir cursos acadêmicos de qualidade. [...] A Open University transformou-se em um modelo de ensino a distância. Litwin (2001) e Barros (2003) também citam a criação da Universidade Nacional de Educação a Distância, na Espanha, em 1972, que surgiu com idéias atrativas para estudantes de graduação e pós-graduação do mundo inteiro, com grande parcela de alunos latino-americanos. Na América Latina, países como Costa Rica, Venezuela, El Salvador, México, Chile, Argentina, Bolívia e Equador também implementaram programas de Educação a Distância, como aponta Barros (2003). Litwin (2001) afirma que instituições como a Universidade Aberta da Venezuela e a Universidade Estatal a Distância da Costa Rica, ambas criadas em 1977, adotaram o modelo da British Open University de produção e implementação. No Brasil, o desenvolvimento da EAD tem seu início no século XX, em decorrência do iminente processo de industrialização cuja trajetória gerou uma demanda por políticas educacionais que formassem o trabalhador para a ocupação industrial. Dentro desse contexto, a Educação a Distância surge como uma alternativa para atender à demanda, principalmente através de meios radiofônicos, o que permitiria a formação dos trabalhadores do meio rural sem a necessidade de deslocamento para os centros urbanos.

3 3 A história da educação a distância no Brasil esteve sempre ligada à formação profissional, capacitando pessoas ao exercício de certas atividades ou ao domínio de determinadas habilidades, sempre motivadas por questões de mercado. A partir dos anos 30, as políticas públicas viram na Educação a Distância uma forma de atingir uma grande massa de analfabetos sem permitir que houvesse grandes reflexões sobre questões sociais. Com o estabelecimento do Estado Novo, em 1937, a educação passou a ter o papel de adestrar o profissional para o exercício de trabalhos essenciais à modernização administrativa. Dentro deste contexto de formação profissional, surgem o Instituto Rádio-Técnico Monitor em 1939, e o Instituto Universal Brasileiro, em 1941, como aponta Nunes (1992). Foram várias experiências radiofônicas até a implantação da televisão no Brasil, nos anos 50, que possibilitou o desenvolvimento de idéias relacionadas ao uso deste novo meio de comunicação na educação. Dessa maneira, nos anos 60, surgem as televisões educativas. Já na década de 70, a Educação a Distância começa a ser usada na capacitação de professores através da Associação Brasileira de Teleducação (ABT) e o MEC, através dos Seminários Brasileiros de Tecnologia Educacional. Ainda no contexto do rádio, é criado em 1973 o Projeto Minerva, que disponibilizou cursos para pessoas com baixo poder aquisitivo. Na mesma época surge o Projeto Sistema Avançado de Comunicações Interdisciplinares (SACI) que, dentro de uma perspectiva de uso de satélites, chegou a atender alunos entre os anos de 1973 e Em 1978 é criado o Telecurso 2º grau, através de uma parceria da Fundação Padre Anchieta e Fundação Roberto Marinho. Seu foco era a preparação de alunos para exames supletivos de 2º grau. Já em 1979 temos a criação da Fundação Centro Brasileiro de Televisão Educativa (FCTVE), utilizando programas de televisão no projeto Movimento Brasileiro de Alfabetização (MOBRAL). Neste mesmo ano, a Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Ensino Superior (CAPES) faz experimentos de formação de professores do interior do país através da implementação da Pós-Graduação Experimental a Distância. Já em 1984, em São Paulo, é criado o Projeto Ipê, com o objetivo de aperfeiçoar professores para o Magistério de 1º e 2º graus. Na década de 90 temos, em 1995, a reformulação do Telecurso 2º Grau, que passa a se chamar Telecurso 2000, incluindo nesse o curso técnico de mecânica. Nessa mesma década, surge o projeto Um Salto para o Futuro que objetivava o aperfeiçoamento de professores das séries iniciais.

4 4 Em 1995, também é criada a Secretaria de Educação a Distância (SEED/MEC) que desenvolveu e implantou, em 2000, um curso a distância vinculado ao Projeto TV Escola, também objetivando a formação de professores. Ainda nos anos 90, podemos citar a criação do Canal Futura, uma iniciativa de empresas privadas para a criação de um canal com programas exclusivamente educativos. Para Barros (2003), assim como as exigências educacionais sofreram grandes alterações advindas das mudanças nas relações de trabalho com a Revolução Francesa e a Revolução Industrial, hoje vivenciamos a revolução das tecnologias, mais especificamente das tecnologias da informação, que mais uma vez afeta as relações de trabalho, e isso certamente se reflete na educação. Duas tendências educacionais se firmaram no Brasil, no contexto da Educação a Distância, segundo Barros (2003, p. 52): [...] a universalização das oportunidades e a preparação para o universo do trabalho. Autores como Nunes (1992) observam que, em todo o seu processo histórico, a Educação a Distância sofreu todo um processo de transformação, principalmente no que diz respeito ao preconceito sofrido por essa modalidade. Aos poucos, a Educação a Distância está perdendo o estigma de ensino de baixa qualidade, emergencial e ineficiente na formação do cidadão. Mas, como toda modalidade de ensino, não se constitui na solução para todos os problemas. Atualmente vivenciamos novos desafios, principalmente no que diz respeito ao impacto nas novas tecnologias na Educação a Distância. EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA EAD-UCDB: ESTUDO DE CASO O ano de 1996 foi um marco importante para toda a educação brasileira, mais precisamente, o dia 20 de dezembro de 1996, no qual a lei foi sancionada pelo presidente da república. Esta lei, que ficou mais conhecida como Lei de Diretrizes e Bases (LDB), estabeleceu as diretrizes e bases da educação nacional. Para a Educação a Distância, esta lei teve muita importância, e mesmo não abrangendo aspectos necessários de regulamentação da modalidade, assinalou que a mesma deveria ser uma realidade próxima à educação brasileira, inclusive indicando tratamento diferenciado que incluía: custos de transmissão reduzidos em canais comerciais de radiodifusão sonora e de sons e

5 5 imagens; concessão de canais com finalidades exclusivamente educativas e reserva de tempo mínimo, sem ônus para o Poder Público, pelos concessionários de canais comerciais. Mas de fato, mesmo tendo diversos decretos e portarias emitidas, a consolidação da regulamentação da EAD veio através do decreto de 19 de dezembro de Há ainda alguns aspectos que precisam ser reconsiderados, mas já foi possível que as instituições de ensino pudessem desenvolver seus programas e cursos de maneira mais regulamentada e com alguns parâmetros de qualidade pré-definidos. Destacamos como ponto positivo deste decreto, a definição de competências de regulação e a equiparação de validade dos cursos na modalidade EAD com os cursos presenciais. Para exemplificar a utilização da EAD no ensino superior, descrevemos a experiência de quase 10 anos de Educação a Distância na Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). A UCDB desenvolve e propaga conhecimento em todas as grandes áreas da ciência. Ela oferece atualmente mais de 40 cursos de graduação e vários cursos de pós-graduação presenciais e a distância. A instituição tem aproximadamente estudantes, em três campi e 12 pólos de apoio presencial no Brasil, contando com mais de funcionários, sendo aproximadamente a metade destes, professores. A proposta pedagógica da UCDB para o desenvolvimento de cursos na modalidade a distância é fundamentada no estímulo ao aprendizado interativo, cooperativo e na autoaprendizagem, utilizando para isso uma combinação de mídias, priorizando a Internet e promovendo a autonomia acadêmica de forma responsável e criativa. Ao longo dos cursos, o aluno deverá estabelecer uma rotina de estudos, mantendo uma interação constante com o professor, tutor e colegas, para tirar dúvidas, trocar impressões, pedir orientações, partilhar experiências, visando sempre a construção cooperativa do conhecimento. No Quadro 1, apresentamos um pouco da história de EAD na UCDB, e vale comentar que o processo de utilização da EAD se assemelha bastante com as demais universidades do país, iniciando com a experimentação em laboratório de ensino, ofertando depois cursos de extensão acadêmica, pós-graduação lato sensu e cursos de graduação, nesta seqüência. Ano Acontecimento 1998 Um grupo de professores, das áreas de informática e licenciatura em

6 6 matemática, inicia estudos sobre a utilização de novas tecnologias de informação e comunicação no contexto de sala de aula presencial. Pesquisando, dentre outras coisas, a utilização de ferramentas de autoria e de apoio ao trabalho cooperativo para a criação de ambientes multimídias com o uso do computador como instrumento principal neste contexto. As experiências aconteciam nos laboratórios de informática da instituição Com os estudos e pesquisas caminhando para a descoberta da EAD na UCDB, neste ano foi constituído um grupo de estudos e de pesquisa denominado Grupo de Educação a Distância - GEAD, com o objetivo de estudar as metodologias e ferramentas para uso em cursos a distância. O grupo era composto pelas pessoas que estudavam as tecnologias de comunicação e informação, mais alguns professores das áreas de letras e pedagogia. Neste ano, foi criado o laboratório de educação a distância, onde eram feitos experimentos com mídias para a construção de cursos on-line. O curso Formação do Professor para o Uso das Novas Tecnologias foi oferecido à comunidade acadêmica a distância. Visando o oferecimento de cursos de graduação a distância, foi criada a Coordenadoria de Educação a Distância, órgão ligado à Pró-reitoria Acadêmica e aprovado pelo Conselho Universitário (CONSU), que iniciou os trabalhos para a oferta de cursos superiores a distância. Neste mesmo ano, a UCDB assina convênio de cooperação e intercâmbio científico e tecnológico com as universidades que constituem a Comunidade Virtual de Aprendizagem da Rede de Instituições Católicas de Ensino Superior CVA-RICESU. A oferta de cursos de extensão acadêmica se fortaleceu e, neste mesmo ano, foi feita a solicitação ao MEC da autorização para oferta de cursos superiores na modalidade EAD. Dois projetos pedagógicos de curso foram enviados, Administração Pública e Administração em Agronegócio, com parte do material didático a ser utilizado já pronto e testado A UCDB recebe a visita da Comissão de Avaliação do MEC para

7 7 credenciamento no oferecimento de cursos superiores a distância A UCDB é credenciada para ofertar cursos superiores a distância, através dos convênios firmados com a Missão Salesiana em todo Brasil e a CVA- RICESU (Portaria Ministerial Nº. 550, de 25 de Fevereiro de 2005). A Coordenadoria de Educação a Distância é transformada em Diretoria Acadêmica de Educação a Distância, com representatividade nos Conselhos de Ensino, Pesquisa e Extensão e Conselho Universitário. E neste mesmo ano, foi criado o GETED - Grupo de Pesquisa e Estudos em Tecnologia Educacional e EAD da UCDB, registrado como grupo de pesquisa no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Consolidação da utilização de 20% da carga-horária dos currículos dos cursos presenciais, com a utilização de metodologia a distância. Foi instituída a utilização de algumas disciplinas nos currículos dos alunos dos cursos presenciais, utilizando totalmente a EAD. Quadro 1 - Histórico-descritivo da evolução da EAD na UCDB Atualmente a Educação a Distância da UCDB atua em cinco áreas de oferta: Graduação: Os cursos de Graduação na EAD têm como orientação uma aprendizagem ativa, onde os acadêmicos são o centro do processo de ensino-aprendizagem. O professor tem um papel fundamental como mediador e motivador, sendo o responsável pelo processo de ensinoaprendizagem. Pós-Graduação: Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu em nível de especialização são voltados às expectativas de aprimoramento acadêmico e técnico-profissional com caráter de educação continuada. Extensão/capacitação: A EAD oferece, também, cursos de Extensão para atualização e qualificação profissional de nível básico, em várias áreas de atuação para a comunidade em geral, promovendo a difusão dos conhecimentos gerados pela comunidade acadêmica. Cursos Corporativos: A EAD está aberta para o oferecimento de cursos em convênio com órgãos públicos e privados, empresas e universidades que tiverem interesse na capacitação e formação continuada de seus membros colaboradores.

8 8 Apoio ao Ensino Presencial: A EAD oferece apoio logístico e pedagógico para oferecimento de disciplinas na modalidade a distância e semi-presencial em diferentes cursos da universidade. O perfil dos alunos que estudam nos curso de graduação a distância da UCDB é indicado com a ajuda da Figura 1. Figura 1 - Perfil dos alunos de EAD na UCDB Podemos notar que mais de 40% dos alunos estão acima dos 40 anos de idade, não moram nas capitais e são de predominância masculina. Esta análise foi feita levando em consideração os cursos de Administração e Ciências Contábeis, motivo pelo qual o perfil indica faixa etária tão elevada, porém, a média etária nacional está em torno de 30 anos. Isso mostra que a EAD está diretamente ligada ao aprendizado ao longo da vida e à inclusão social. O modelo de EAD adotado pela UCDB busca construir uma Comunidade Virtual de Aprendizagem (CVA). Na figura 2, apresentamos a mudança de paradigma que se faz necessária para uma educação a distância de qualidade.

9 9 Figura 2 - Construção da Comunidade Virtual de Aprendizagem Por meio desta breve apresentação, podemos perceber que, se comparado com a história e a experiência que a instituição tem de ensino presencial, a educação a distância está apenas começando e, mesmo assim, já mostra indícios de inovações, de novas perspectivas e, também, desafios. Por isso, a seguir apresentamos os principais desafios que merecem uma maior reflexão e discussão. FLEXIBILIDADE NO ENSINAR E NO APRENDER: O PRIMEIRO DESAFIO Uma das grandes vantagens da EAD é a flexibilidade, característica que faz com que essa modalidade seja atrativa para os que buscam escapar dos moldes convencionais da educação. Quando se fala em flexibilidade, pensa-se em primeiro lugar na flexibilidade de tempo e espaço, pelo fato do aluno poder acessar e estudar no lugar e tempo desejado. Além disso, há a possibilidade do aluno estabelecer o próprio ritmo de estudo, abreviando ou alongando o tempo considerado como ideal para os cursos presenciais. É uma abertura real que começa a se concretizar na vida acadêmica na modalidade a distância. Outra possibilidade que se abre como desafio para o futuro é a flexibilidade no sentido de deixar que o aluno possa fazer disciplinas em outras Instituições, com outros professores, enriquecendo seu currículo com o que tem de melhor na sua área de formação. Estamos a

10 10 caminho de uma educação sem fronteiras mesmo. Talvez seja sonhar, mas, não faz tanto tempo, poucos sonhavam que seria possível estudar uma graduação sem necessidade de freqüentar as carteiras de uma Universidade. Com essa nova flexibilidade, o conceito de grade curricular abre espaço a outros conceitos mais dinâmicos que permitem uma maior abertura e liberdade ao processo educacional. Se procurarmos a palavra matriz no dicionário Aurélio, vemos que as duas primeiras definições são: lugar onde algo se gera ou cria, aquilo que é fonte, origem, base, etc.. Portanto, a palavra matriz evoca as idéias de criação e geração que norteiam uma concepção mais abrangente, flexível e dinâmica de currículo, não devendo ser uma coisa fechada, engessada. A Matriz Curricular deve ser um referencial que oriente a formação dos acadêmicos de cada área do conhecimento. Os eixos temáticos e as atividades integradoras e interdisciplinares permitem uma abertura nesse sentido. Sendo assim, há espaço para contemplar, além das disciplinas básicas e específicas da profissão, experiências vividas, contextos culturais diferenciados, necessidades específicas das regiões e dos próprios alunos. Toda essa abertura traz diversidade e riqueza que não pode permanecer limitada ao contexto da EAD, pois é possível otimizar o contexto da educação presencial utilizando toda essa flexibilidade. E é nesse contexto que a integração da modalidade presencial e a distância se apresenta como um desafio no sentido de poder alcançar uma educação com qualidade, com foco na formação integral do indivíduo. INTEGRAÇÃO DAS DUAS MODALIDADES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA: O SEGUNDO DESAFIO Quase todos nós conhecemos a educação presencial, mas poucos conhecem a modalidade a distância. Porém, este panorama está mudando devido à inclusão das TICs (Tecnologias de Informação e Comunicação) na educação convencional: os alunos dos cursos presenciais estão tendo a oportunidade de conhecer as possibilidades que oferecem as novas tecnologias no contexto educacional. Como afirma Moran,

11 11 Estamos caminhando para uma aproximação sem precedentes entre os cursos presenciais (cada vez mais semi-presenciais) e os a distância. Os presenciais terão disciplinas parcialmente a distância e outras totalmente a distância. [...] Teremos inúmeras possibilidades de aprendizagem que combinarão o melhor do presencial (quando possível) com as facilidades do virtual. Em poucos anos dificilmente teremos um curso totalmente presencial (MORAN, 2005: pp.19-20). Estamos caminhando para formas de gestão mais flexíveis e menos centralizadas, mesmo que, como Moran (2006) alerta, o processo de mudança na educação não seja fácil nem uniforme. Do mesmo jeito que na sociedade a integração das tecnologias acontece de maneira desigual, na educação também existe desigualdade de possibilidades, pois nem todos têm acesso aos recursos tecnológicos que poderiam democratizar a informação e a educação. Por outro lado, temos que dizer que também é difícil se adaptar a novos modelos educacionais, deixando para trás os velhos paradigmas e padrões conhecidos. E essa resistência não é só no sentido do preconceito ou do receio que pode se sentir perante o novo, o desconhecido. A proposta de novos paradigmas educacionais centrados na figura do aluno mais do que no professor, na aprendizagem mais do que no ensino, ainda provoca desconfiança em alunos e professores. Num diálogo entre as duas modalidades, a educação começa a reconfigurar-se e os envolvidos alunos e professores- começam a perceber que a aula pode continuar fora do espaço físico escolar. Por exemplo, o uso de um fórum de discussão pode se configurar como uma sala de construção de conhecimento. Essa ferramenta propicia um espaço de discussão em que todos se posicionam, refletem e argumentam, num fluxo que na modalidade presencial se torna difícil, pois o tempo de reflexão, leitura e fala é diferente (SCHERER, s.d.). A aproximação das duas modalidades fará com que no futuro não se faça mais essa distinção radical entre cursos a distância e cursos presenciais como modalidades distantes e, às vezes, até contrárias na metodologia e na proposta educacional. Poderemos falar de híbridos, isto é, teremos uma nova modalidade que consistirá na integração das duas agora existentes, pegando o melhor dos modelos atuais. Os conceitos de presencial e a distância sofrerão tais remodelações que se tornarão rapidamente obsoletos (MORAN, s.d.). O momento atual que estamos vivendo de separação das duas modalidades faz parte de um processo, mas representa apenas a fase inicial do mesmo. Ainda há muito caminho a trilhar e a tendência é a convergência e integração: os cursos presenciais usarão de momentos virtuais

12 12 para enriquecer e diversificar a aprendizagem, como mais um recurso entre tantos; e os cursos a distância poderão usar de momentos presenciais quando a especificidade do curso assim o exigir. Ainda de acordo com Moran, Com o aumento do acesso dos alunos à Internet, poderemos flexibilizar bem mais o curriculum, combinando momentos de encontro numa sala de aula, com outros de aprendizagem individual e grupal. Aprender a ensinar e a aprender integrando ambientes presenciais e virtuais é um dos grandes desafios que estamos enfrentando atualmente na educação no mundo inteiro (MORAN, s.d.). O próprio MEC acredita na integração da educação presencial e a educação a distância, pois permite que 20% da carga horária total do curso seja a distância, abrindo novas possibilidades de aumento desse percentual para 50%, minimizando a distinção entre as duas modalidades. O que na verdade se prioriza é a qualidade da educação, independente da modalidade que prevaleça. INTERAÇÃO E COLABORAÇÃO NO ENSINAR E NO APRENDER: O TERCEIRO DESAFIO O uso de material impresso ainda é usado como suporte quase que exclusivo na EAD. Segundo Scherer (s.d.), a EAD continua reduzida para muitos a um ensino por tutoria utilizando material impresso, apesar das possibilidades de uso das diferentes tecnologias desenvolvidas com o avanço das ciências. Tanto se privilegia o ensino nestas práticas, que fica difícil falar em educação, pois o design dos cursos continua centrado na instrução, na leitura, numa troca restrita a perguntas e repostas entre alunos e professores, numa relação que prioriza o resultado e não o processo. Quando falamos em educação, independente de onde esta ocorra, é necessário pensarmos que nossa intenção é educar, educar seres humanos. O que isto significa? Significa que estamos dialogando com seres que pensam, sentem, fazem e são. Seres que já pensavam antes de entrarem na escola ou no espaço para o qual foram para aprender e ensinar. Como podem eles ensinar, se foram aprender? A Educação a Distância pode ocorrer por meio de diferentes modalidades: material impresso, TV, CD, Internet, entre outros.

13 13 Porém um dos principais fatores de crescimento e aceitação da EAD como forma eficaz de aprendizado é o uso de tecnologia para permitir uma maior interatividade, tanto com o professor quanto com os colegas de uma turma virtual. [...] Por se tratar de um método de ensino em que é outorgado ao aluno um alto grau de autonomia, tem a vantagem de permitir o controle do ritmo e, até certo ponto, do direcionamento do aprendizado. Porém, quando a EAD não conta com ferramentas de comunicação e interatividade eficientes, esta autonomia é acompanhada por um forte efeito de dispersão, onde o aluno se sente sozinho no processo de aprendizado, sem apoio facilitado e sem referência (FARIAS, 2007). Neste sentido, a Universidade Católica Dom Bosco, oferece Educação a Distância integrando várias mídias, com o intuito de facilitar a interação: material didático impresso, ambiente virtual de aprendizagem, aulas audiovisuais, vídeo-aulas, etc. Figura 3 Material didático utilizado no processo de ensino-aprendizagem Um dos maiores desafios da educação é sair de uma aula linear, passiva e individual, tendo o professor como o detentor do conhecimento e responsável do processo educacional, trabalhar a motivação dos alunos, não transformar a sala de aula virtual em modelos de conteúdos feitos para assimilar e repetir. Moran reforça este conceito quando afirma que: É difícil manter a motivação no presencial e muito mais no virtual, se não envolvermos os alunos em processos participativos, afetivos, que inspirem confiança. Os cursos que se limitam à transmissão de informação, de conteúdo, mesmo que estejam brilhantemente produzidos, correm o risco da desmotivação

14 14 a longo prazo e, principalmente, de que a aprendizagem seja só teórica, insuficiente para dar conta da relação teoria/prática. Em sala de aula, se estivermos atentos, podemos mais facilmente obter feedback dos problemas que acontecem e procurar dialogar ou encontrar novas estratégias pedagógicas. No virtual, o aluno está mais distante, normalmente só acessível por , que é frio, não imediato, ou por um telefonema eventual, que embora seja mais direto, num curso à distância encarece o custo final (MORAN, s.d.: p.3). Silva (2006) aborda as exigências da cibercultura referentes à prática docente, à aprendizagem significativa, à implementação de um conjunto diverso de estratégias para criar e partilhar on-line soluções que podem ser elaboradas pelos professores com seus alunos. Na concepção da autora, isto significa sair da velha sala de aula presencial para uma interface hipertextual, hipermediática e interativa. Outra exigência seria a proposta de construção do conhecimento com o uso correto da tecnologia de informação e comunicação (TIC), coisa que não se garante com o simples acesso. Sendo assim, fica claro que o interesse pelo ambiente de aprendizagem é de suma importância para a efetivação dos cursos, desde que ele propicie a interação feita por meio de uma postura de relacionamento entre professor e aluno. O que é efetivamente esta interação? A palavra interação acontece na ação realizada entre duas ou mais pessoas ou coisas e que mesmo realizadas de formas diferentes, possuem a mesma finalidade: comunicar-se. Já a palavra interatividade contém significações diversas. Por exemplo, Amstel (2003) classifica a interatividade como um canal de mão dupla onde um sujeito ajuda o outro para realizar uma ação conjunta. Para Silva (s.d.), a interatividade é um conceito de comunicação e não de informática. Assim como os dois autores citados, Lévy (1999: p. 82) caracteriza a interatividade como a necessidade de um novo trabalho de observação, de concepção e avaliação dos modos de comunicação. Esses três autores concordam com o fato de que interatividade implica uma ação e para que haja essa ação deve ter uma boa comunicação não se limitando às tecnologias digitais. Silva faz uma crítica à banalização da expressão interatividade quando afirma que: Há uma crescente utilização do adjetivo interativo para qualificar qualquer coisa (computador e derivados, brinquedos eletrônicos, eletrodomésticos, sistema bancário on-line, shows, teatro, estratégias de propaganda e marketing,

15 15 programas de rádio e tv, etc.), cujo funcionamento permite ao usuárioconsumidor-espectador-receptor algum nível de participação, de troca de ações e de controle sobre acontecimentos. Podemos dizer então que há uma indústria da interatividade em franco progresso acenando para um futuro interativo. Há, certamente, a banalização decorrente do seu uso indiscriminado como argumento de venda. No entanto, o adjetivo interativo qualifica oportunamente a modalidade comunicacional emergente no último quarto do século XX. Qualifica a nova relação emissão-mensagem-recepção, diferente daquela que caracteriza o modelo unidirecional próprio da mídia de massa (rádio, cinema, imprensa e tv) baseado na transmissão. A interatividade, em cursos a distância, não consiste apenas em trocar informações e/ou obter conhecimento, mas também em exercer um convício virtual. Notamos que um simples Bom dia e Obrigada sempre estimula o aluno a continuar sua caminhada. É por isso que a interatividade está em todo lugar, de várias formas, mas visando a comunicação entre duas ou mais coisas e/ou pessoas. Segundo Lopes & Salvago (2005): A interatividade assinala muito mais um problema: a necessidade de um novo trabalho de observação, de concepção e de avaliação dos modos de comunicação do que uma característica simples e unívoca atribuível a um sistema específico. Acreditamos que não basta dispor das novas tecnologias para garantir a interatividade e sim de disposição em engajar-se nas atividades propostas, espírito aberto às discussões e envolvimento no curso como um todo. Moran (s.d.) assinala que as tecnologias interativas, sobretudo, vêm evidenciando, na educação a distância, o que deveria ser o cerne de qualquer processo de educação: a interação e a interlocução entre todos os que estão envolvidos nesse processo. Já Scherer (s.d.) considera um desafio para os formadores transformarem a ação de ensinar em uma ação de aprender, em criação de possibilidades para a construção do conhecimento, abandonando a transferência deste para os alunos. Ou seja, todos são aprendizes no processo, pois não há docência sem discência, enquanto aprendemos também ensinamos e enquanto ensinamos também aprendemos, apesar das diferenças entre alunos e professores, nenhum se reduz à condição de objeto, um do outro. Aprender uns com os outros, construir conhecimento juntos e partilhar experiências são ações que vão ao encontro dos quatro pilares da educação para o século XXI, sugeridos por Delors et al. (1998): aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a ser e aprender a conviver.

16 16 Centrados no aprender a conviver, podemos focar a questão da colaboração. A concepção colaborativa no ensinar e no aprender mediada pelas tecnologias pode tirar as pessoas do isolamento. Segundo Kenski (2003: p.112), a criação de ambientes virtuais tecnologicamente apropriados para a realização de atividades educacionais precisa ser complementada com ações que tirem as pessoas do isolamento e as encaminhem para atividades em grupo, em que possam atuar de forma colaborativa. Com a colaboração de cada um para a realização de atividades de aprendizagem, formam-se laços e identidades sociais. Assim, criam-se grupos que, além dos conteúdos específicos, aprendem regras e formas de convivência e sociabilidade que persistem no plano virtual e fora dele. Ao contrário do que alguns acreditam, as atividades colaborativas não desconsideram o individual e sim o somatório das individualidades em que cada um é um centro (Lévy: 1999) que pode contribuir para a construção dos saberes. Além da construção individual dos saberes, o aprender e viver juntos é uma possibilidade de colaboração, como diz Scherer (s.d.): Um dos sentidos da criação e utilização de ambientes virtuais é a oportunidade de respeitar diferentes formas de aprender e viver juntos, possibilitando a criação de comunidades de aprendizagem que possam existir enquanto houver interesse do grupo em aprender juntos. Este aprender juntos envolve colaboração e cooperação entre os sujeitos da comunidade, envolve ume star disposto a viver em um espaço aberto, possibilitando fluxos contínuos entre as suas e as outras histórias, saberes, certezas e dúvidas presentes no grupo ou provocadas por outras pessoas conectadas àquele ambiente. É estar dispostos a desequilibrar-se em suas certezas e contribuir com os equilíbrios cognitivos dos seres do grupo, seja num processo de colaboração ou num processo de cooperação. Nesse desequilibrar-se, o professor necessita lidar com uma nova forma de ensinar e de aprender, ou seja, necessita uma formação para exercer posturas pedagógicas que estejam de acordo com a realidade do contexto atual. FORMAÇÃO DO PROFESSOR NA ERA TECNOLÓGICA: QUARTO DESAFIO Estamos vivendo em uma sociedade em processo de digitalização. E, sendo assim, o professor também está inserido nesse contexto e precisa familiarizar-se com as novidades que o circundam. Um novo desafio aflora: a formação do professor em plena era tecnológica. As

17 17 tecnologias fazem, cada vez mais, parte de nossas vidas e o desafio passa a ser a implementação de propostas de ensino e de aprendizagem que integrem muito mais do que simples recursos tecnológicos, mas que propiciem novas práticas pedagógicas. Segundo Lopes (2005), é importante que se inclua um componente crítico-reflexivo na capacitação do docente para que este saiba por quê, para quê, quando e como usar a tecnologia no processo educacional: uma formação tecnológica. Para a autora, a formação tecnológica deve ser um processo continuado, com potencial ilimitado de expansão e entendimento, desenvolvimento, crescimento contínuo, em que se vislumbrem novas formas de interação, de acesso à informação e de canais de exposição que promovam a construção do conhecimento. O professor continua tendo papel fundamental no processo ensino-aprendizagem e, por isso mesmo, torna-se necessário que passe por um processo de formação e desenvolvimento tecnológico que o leve a pensar de forma mais abrangente, manuseando as novas tecnologias, interpretando-as, aplicando-as quando for necessário, lidando com novas linguagens e formas de comunicação, propondo e solucionando problemas também com a mediação de recursos tecnológicos. Muito mais do que codificar e decodificar símbolos, a formação tecnológica do professor requer novas habilidades, novas formas de engajamento e comprometimento, novos processos para compreender o mundo e nele atuar. Portanto, já não é suficiente saber ler e escrever para se compreender o mundo; hoje se faz também necessário, ler e escrever digitalmente, conhecer e saber utilizar as tecnologias que estão inseridas no contexto do nosso dia-a-dia e seus respectivos códigos. Um novo paradigma educacional aflora (Moraes, 1997) em que as pessoas precisam estar preparadas para aprender umas com as outras e ao longo da vida, podendo intervir, adaptar-se e criar novos cenários, um paradigma em que a visão de fragmentação vem sendo superada pela concepção de uma sociedade do conhecimento, propondo a totalidade, reassumindo o todo. Esses são os nossos desafios se almejamos aprimorar e dar qualidade às nossas práticas educacionais, às nossas inter-relações pessoais e por que não, às nossas vidas em termos gerais nas suas múltiplas facetas.

18 18 CONSIDERAÇÕES FINAIS A maioria dos professores da modalidade a distância já foi professor no ensino presencial e, quando esse professor inicia sua prática na EAD, traz consigo todas as experiências acumuladas ao longo dos anos de docência. Isso, em princípio, é muito bom, pois no passado houve aprendizado que deve ser contemplado no novo contexto. Porém, é necessário lembrar que não basta repetir as mesmas metodologias, práticas, conceitos, sem se adaptar às características e especificidades da nova modalidade. Nesse sentido, é fundamental que as instituições mantenham um programa de capacitação continuada dos professores para oportunizar um espaço de discussão, reflexão dos novos desafios. A EAD pode e deve trazer contribuições significativas para a educação em geral a partir do momento em que começamos a refletir, discutir, repensar e reelaborar nossas práticas educacionais, nossas experiências, nossos paradigmas, nossas interações e inter-relações professor e aluno. As possibilidades que a EAD pode nos propiciar são: a flexibilização de espaço e de tempo; o acesso a um grande número de informações; a possibilidade de comunicação em tempo real; a troca de experiências entre pessoas que vivem em espaços físicos diferenciados e distantes; a chance de uma inclusão educacional, social e digital; a construção do conhecimento de maneira partilhada; e, o protagonismo dos participantes do processo na história. É claro que há necessidade de abertura de espírito, envolvimento, responsabilidade, organização, pesquisa e principalmente criticidade para saber optar pela melhor e mais adequada maneira de ensinar e de aprender, dependendo do contexto em que nos situamos. Podemos perceber que a História é fundamental, pois por meio do curso dos acontecimentos e dos fatos históricos da EAD começamos a entender suas origens e seu progresso e nos posicionarmos melhor diante das novas possibilidades e dos novos desafios que ela nos propõe. REFERÊNCIAS AMSTEL, F. V. De usuário a co-criador. Disponível em Acesso em 6 ago

19 19 BARROS, D. M. V. Educação a Distância e o Universo do Trabalho. Bauru-SP: EUDSC, DELORS, J. et al. Educação, um tesouro a descobrir Relatório para Unesco da Comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI. São Paulo: Cortez/Unesco, FARIAS, G. O impacto do e-learning na EAD. Disponível em Acesso em 12 ago KENSKI, V. M. Tecnologias e Ensino Presencial e a Distância. Campinas: Papirus, LÉVY, P. Cibercultura. Rio de Janeiro: Ed. 34, LITWIN, E. (org.). Educação a Distância: Temas para o debate de uma nova agenda educativa. Fátima Murad (trad.). Porto Alegre: Artmed, LOPES, M. C. L. P. Formação Tecnológica: um fenômeno em foco. Série-Estudos: Periódicos do Mestrado em Educação da UCDB, nº19, p , jan. /jun., LOPES, M. C. L. P. e SALVAGO, B. M. Uma experiência de interatividade em um curso de formação tecnológica do professor na modalidade a distância. Ideação (Cascavel), v. 7, p , MORAES, M. C. O paradigma educacional emergente. Campinas: Papirus MORAN, J. M. Educação Inovadora na Sociedade da Informação. Disponível em Acesso em 6 ago Tendências da Educação online no Brasil Disponível em Acesso em 6 ago A integração das tecnologias na educação. Disponível em Acesso em 6 ago NUNES, I. B. Educação a Distância e o Mundo do Trabalho. Revista Tecnologia Educacional, n. 107, p , jul./ago., In: LOBO NETO, Francisco José da Silveira (org.). Educação a

20 20 Distância: referências e trajetórias. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Tecnologia Educacional; Brasília: Plano, SCHERER, S. O Ensino e a Aprendizagem na Graduação: um processo híbrido presencial/virtual. Disponível em Acesso em 6 ago SILVA, A. M. P. da. Processos de ensino-aprendizagem na Era Digital. Texto da Biblioteca Online de Ciências da Comunicação. Disponível em: Acesso em 6 ago SILVA, M. Sala de Aula Interativa: A Educação Presencial e a Distância em Sintonia com a Era Digital e com a Cidadania. Disponível em Acesso em 6 ago

A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO

A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 624 A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Fabiane Carniel 1,

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: BREVE DIAGNÓSTICO. Prof. RUBENS A. OLIVEIRA

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: BREVE DIAGNÓSTICO. Prof. RUBENS A. OLIVEIRA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: BREVE DIAGNÓSTICO Prof. RUBENS A. OLIVEIRA Evolução EAD no mundo: Séc. XVIII: experiência em Boston (USA) curso de correspondência. Séc. XIX (1830-40): concentração maior na Europa

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1

PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1 PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1 Elaine Turk Faria 1 O site do Ministério de Educação (MEC) informa quantas instituições já estão credenciadas para a Educação

Leia mais

Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem

Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem Temos literatura abundante sobre comunidades de aprendizagem, sobre a aprendizagem em rede, principalmente na aprendizagem informal. A sociedade conectada

Leia mais

1923 Fundação da Rádio Sociedade do Rio de Janeiro. 1936 Doação da Radio Sociedade do Rio de Janeiro ao Ministério da Educação e Saúde.

1923 Fundação da Rádio Sociedade do Rio de Janeiro. 1936 Doação da Radio Sociedade do Rio de Janeiro ao Ministério da Educação e Saúde. BREVE HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO BRASIL 1923 Fundação da Rádio Sociedade do Rio de Janeiro. 1936 Doação da Radio Sociedade do Rio de Janeiro ao Ministério da Educação e Saúde. 1937 Criação do

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO 2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO Maria do Rozario Gomes da Mota Silva 1 Secretaria de Educação do

Leia mais

TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO E DA INFORMAÇÃO: novos desafios para o educador

TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO E DA INFORMAÇÃO: novos desafios para o educador TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO E DA INFORMAÇÃO: novos desafios para o educador Maceió AL, maio/2009 Luis Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas lpmercado@oi.com.br Categoria: B- Conteúdos e

Leia mais

O PLANEJAMENTO E OS USOS DE AULAS ONLINE EM UM CURSO DE LICENCIATURA PRESENCIAL: REFLEXÕES EM ANDAMENTO

O PLANEJAMENTO E OS USOS DE AULAS ONLINE EM UM CURSO DE LICENCIATURA PRESENCIAL: REFLEXÕES EM ANDAMENTO O PLANEJAMENTO E OS USOS DE AULAS ONLINE EM UM CURSO DE LICENCIATURA PRESENCIAL: REFLEXÕES EM ANDAMENTO Resumo Ana Paula Gonzatto 1 - UNICENTRO Jamile Santinello 2 - UNICENTRO Grupo de Trabalho - Comunicação

Leia mais

Categoria: A Estratégicas e políticas. Setor Educacional: 5 Educação continuada em geral. Natureza: B Descrição de projeto em andamento

Categoria: A Estratégicas e políticas. Setor Educacional: 5 Educação continuada em geral. Natureza: B Descrição de projeto em andamento FORMAÇÃO CONTINUADA NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA EXPERIÊNCIA EM CURITIBA Maio/2007 Eloina de Fátima Gomes dos Santos Prefeitura Municipal de Curitiba eloinas@curitiba.org.br Cíntia Caldonazo

Leia mais

Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB

Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB Unidade 2 Unidade 2 Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB Nesta Unidade, será apresentada a legislação brasileira de EaD e suas implicações institucionais no sistema da Universidade

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Recife PE - Abril 2010 Ivanda Maria Martins Silva - UFRPE martins.ivanda@gmail.com Categoria (Conteúdos e Habilidades) Setor Educacional (Educação

Leia mais

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Pedagógica Pós-graduação Epidemiologia Como surgiu a EAD O

Leia mais

Educação a Distância:

Educação a Distância: Educação a Distância: Repensando o Fazer Pedagógico Vânia Rita Valente A Educação a distância não é um processo novo, existem exemplos de sua utilização desde o século XIX 1. O grande desenvolvimento das

Leia mais

PROJETO DISCIPLINAS SEMIPRESENCIAIS

PROJETO DISCIPLINAS SEMIPRESENCIAIS PROJETO DISCIPLINAS SEMIPRESENCIAIS FACULDADE CASTELO BRANCO Portaria MEC nº 304, de 16/04/2008 D.O.U de 17/04/2008 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 02 2 JUSTIFICATIVA... 04 3 OBJETIVOS... 06 4 PROPOSTA PEDAGÓGICA...

Leia mais

O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA DA UFPB VIRTUAL E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO

O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA DA UFPB VIRTUAL E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA DA UFPB VIRTUAL E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO Clebiana Dantas Calixto clebianageo@hotmail.com (Autora e professora da Educação Básica)

Leia mais

DIFICULDADES RELATADAS POR ALUNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CURSOS PRESENCIAIS MEDIADOS POR TECNOLOGIA

DIFICULDADES RELATADAS POR ALUNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CURSOS PRESENCIAIS MEDIADOS POR TECNOLOGIA DIFICULDADES RELATADAS POR ALUNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CURSOS PRESENCIAIS MEDIADOS POR TECNOLOGIA NATIVIDADE *, George george7@terra.com.br LIMA **, Katia katiamlima@uol.com.br VOSGERAU ***, Dilmeire Sant

Leia mais

INTERAÇÃO: PILAR DA EAD CONTEMPORÂNEA

INTERAÇÃO: PILAR DA EAD CONTEMPORÂNEA INTERAÇÃO: PILAR DA EAD CONTEMPORÂNEA Autor(a): Carmem Lúcia de Oliveira Marinho Coautor(es): Bernadete Cordeiro Moreira Pessanha Email: carmemmarinho@yahoo.com.br Introdução O ser humano é um ser social

Leia mais

UNIDADE 1 CONVERSANDO SOBRE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

UNIDADE 1 CONVERSANDO SOBRE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA UNIDADE 1 CONVERSANDO SOBRE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Dupla delícia O livro traz a vantagem de a gente poder estar só e ao mesmo tempo acompanhado. (Mário Quintana) Apresentação Olá, neste curso você terá noções

Leia mais

O que é educação a distância (*)

O que é educação a distância (*) O que é educação a distância (*) José Manuel Moran Professor da Universidade Bandeirante e das Faculdades Sumaré-SP Assessor do Ministério de Educação para avaliação de cursos a distância jmmoran@usp.br

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Andréa Tonini José Luiz Padilha Damilano Vera Lucia Marostega Universidade Federal de Santa Maria RS RESUMO A UFSM vem ofertando Cursos de Formação

Leia mais

Educação a Distância: Opção Estratégica para Expansão do Ensino Superior Anaci Bispo Paim

Educação a Distância: Opção Estratégica para Expansão do Ensino Superior Anaci Bispo Paim Educação a Distância: Opção Estratégica para Expansão do Ensino Superior Anaci Bispo Paim Conselheira do Conselho Nacional de Educação Câmara de Educação Superior EAD NO BRASIL 1ª Fase: Década de 60 Ensino

Leia mais

RESISTÊNCIA X ACEITAÇÃO DA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE UMA FACULDADE TECNOLÓGICA EM FORTALEZA-CE

RESISTÊNCIA X ACEITAÇÃO DA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE UMA FACULDADE TECNOLÓGICA EM FORTALEZA-CE 1 RESISTÊNCIA X ACEITAÇÃO DA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE UMA FACULDADE TECNOLÓGICA EM FORTALEZA-CE Fortaleza CE, 01 de maio de 2014 Luciana Rodrigues Ramos Duarte Faculdade Ateneu

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Carla de Araújo 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo: Tendo em vista as

Leia mais

Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores

Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores Prof. Dr. Luís Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas Conteúdos Cenário das práticas pedagógicas

Leia mais

Educação inovadora na Sociedade da Informação. José Manuel Moran (*)

Educação inovadora na Sociedade da Informação. José Manuel Moran (*) Educação inovadora na Sociedade da Informação José Manuel Moran (*) Abstract: É um desafio aprender a gerenciar o processo de aprendizagem, presencial e a distância, na transição para a Sociedade da Informação.

Leia mais

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO Natália Aguiar de Menezes 1 RESUMO: Observa-se que com o passar dos anos o ensino superior

Leia mais

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006).

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006). 1 FORMAÇÃO E AÇÃO DO DOCENTE ONLINE RODRIGUES, Tatiana Claro dos Santos UNESA taticlaro@globo.com GT-16: Educação e Comunicação Agência Financiadora: CAPES Introdução As tecnologias da informação e comunicação

Leia mais

Desafios e vantagens da Educação a distância para uma aprendizagem significativa na Universidade

Desafios e vantagens da Educação a distância para uma aprendizagem significativa na Universidade Desafios e vantagens da Educação a distância para uma aprendizagem significativa na Universidade José Walter Fagundes de Souza Filho RESUMO Conhecer e analisar fatores que interferem de forma positiva

Leia mais

ENSINO DIGITAL E INOVAÇÃO: PANORAMA EAD FURG POSSIBILIDADES E DESAFIOS

ENSINO DIGITAL E INOVAÇÃO: PANORAMA EAD FURG POSSIBILIDADES E DESAFIOS ENSINO DIGITAL E INOVAÇÃO: PANORAMA EAD FURG POSSIBILIDADES E DESAFIOS Profa. Dra. Ivete Martins Pinto Secretária Geral de Educação a Distância Coordenadora UAB/FURG Presidente da Associação Universidade

Leia mais

Sistema de Gestão de Aulas

Sistema de Gestão de Aulas Sistema de Gestão de Aulas criando cultura para o Ensino a Distância e melhorando o processo ensino-aprendizagem pela internet RICARDO CREPALDE* RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a experiência

Leia mais

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Maria Elisabette Brisola Brito Prado 1 Nos últimos anos, a educação a distância via telemática ganhou uma nova dimensão,

Leia mais

A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES

A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES 1 A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES São Paulo SP 04/2015. Juliana Moraes Marques Giordano USP julianagiordano@usp.br 2.1.1. Classe: Investigação Científica

Leia mais

A Prática Educativa na EAD

A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD Experiências na tutoria em EAD Disciplina de Informática Educativa do curso de Pedagogia da Ufal nos pólos de Xingó, Viçosa e São José da Laje (2002-2004).

Leia mais

ANÁLISE DA IMPLEMENTAÇÃO DE DISCIPLINAS NA MODALIDADE SEMI-PRESENCIAL EM UM CURSO DE PEDAGOGIA MAIO, 2008

ANÁLISE DA IMPLEMENTAÇÃO DE DISCIPLINAS NA MODALIDADE SEMI-PRESENCIAL EM UM CURSO DE PEDAGOGIA MAIO, 2008 1 ANÁLISE DA IMPLEMENTAÇÃO DE DISCIPLINAS NA MODALIDADE SEMI-PRESENCIAL EM UM CURSO DE PEDAGOGIA MAIO, 2008 Simone Braz Ferreira Gontijo Faculdade JK simonegonti@gmail.com Cristina Mosquetta de Morais

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

ANÁLISE DESCRITIVA DO POLO PRESENCIAL DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL EM ITAPEVI/SP

ANÁLISE DESCRITIVA DO POLO PRESENCIAL DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL EM ITAPEVI/SP CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X ANÁLISE DESCRITIVA DO POLO PRESENCIAL DA UNIVERSIDADE ABERTA

Leia mais

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD?

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD? Módulo 1. Introdução Cada vez mais o mundo social e do trabalho necessitam de sujeitos capazes de fazer a diferença através de suas ações e atitudes. A utilização do ambiente virtual, como meio de interação

Leia mais

ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL

ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL Resumo Cláudia Luíza Marques 1 - IFB Grupo de Trabalho - Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não contou com

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Suzana Aparecida Portes FC UNESP- Bauru/SP E-mail: suzanaapportes@gmail.com Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani FC UNESP- Bauru/SP E-mail:

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

CALENDÁRIO - PED TECNOLOGIAS EM ENSINO A DISTÂNCIA Grupo 097 - Junho/2012

CALENDÁRIO - PED TECNOLOGIAS EM ENSINO A DISTÂNCIA Grupo 097 - Junho/2012 informações: 1.º 2.º 3.º CALENDÁRIO - PED TECNOLOGIAS EM ENSINO A DISTÂNCIA Grupo 097 - Junho/2012 Estrutura do Calendário Antes de utilizar o Calendário do Curso, leia atentamente o Manual do Aluno de

Leia mais

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba 1 Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba Sílvia Helena Santos Vasconcellos 1 Resumo O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: Graduados em nível superior que atuam ou pretendem atuar na docência em instituições de ensino superior.

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: Graduados em nível superior que atuam ou pretendem atuar na docência em instituições de ensino superior. A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE DO PROFESSOR TUTOR NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

O TRABALHO DOCENTE DO PROFESSOR TUTOR NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Resumo O TRABALHO DOCENTE DO PROFESSOR TUTOR NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Alecia Saldanha Manara- UNISC- gringamanara@yahoo.com.br Indiara Freitas- UNISC- indi.enfa@hotmail.com As novas tecnologias, principalmente

Leia mais

Educação e Mão de Obra para o Crescimento

Educação e Mão de Obra para o Crescimento Fórum Estadão Brasil Competitivo: Educação e Mão de Obra para o Crescimento Maria Alice Setubal Presidente dos Conselhos do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária Cenpece

Leia mais

ESTUDO DA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR NA CIDADE DE PORTO VELHO

ESTUDO DA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR NA CIDADE DE PORTO VELHO ESTUDO DA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR NA CIDADE DE PORTO VELHO Porto Velho - RO - 03/2010 Sara Luize Oliveira Duarte, Universidade de Taubaté, saralod@msn.com Walace

Leia mais

EAD: O PROFESSOR E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

EAD: O PROFESSOR E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EAD: O PROFESSOR E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Mônica Alves de Faria (*) Universidade Salgado de Oliveira papisam@bol.com.br Regina Coeli da Silveira e Silva, Ph.D. (**) Universidade Salgado de Oliveira silvaregina@globo.com

Leia mais

OS RECURSOS TECNOLÓGICOS APLICADOS AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL

OS RECURSOS TECNOLÓGICOS APLICADOS AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL OS RECURSOS TECNOLÓGICOS APLICADOS AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL Emanoel Lopes Ferreira Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES emanoel_l@yahoo.com.br.

Leia mais

Apresentação. Educação a Distância

Apresentação. Educação a Distância Apresentação Educação a Distância Educação a distância em Ciências Contábeis é Viável Dr. Francisco Villa Ulhôa Botelho Tópicos 1. Terminologias, modelos e mitos 2. O Contexto da EaD 3. Promessas e desafios

Leia mais

CURSO ONLINE DE ESPANHOL PARA A EJA

CURSO ONLINE DE ESPANHOL PARA A EJA CURSO ONLINE DE ESPANHOL PARA A EJA Porto Alegre - RS - Maio 2012 Jozelina Silva da Silva UFRGS/ UAB SESI jozelinasilvadasilva@gmail.com Categoria: C Setor Educacional: 1 Classificação das Áreas de Pesquisa

Leia mais

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD 1 FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD Elisangela Lunas Soares UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar elisangela.soares@unicesumar.edu.br Alvaro Martins Fernandes Junior UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar

Leia mais

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA Guilherme Garcez Cunha, UNIPAMPA Campus Dom Pedrito, guilhermecunha@unipampa.edu.br; Franciele B. de O. Coelho,

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE*

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* 1 O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* Resumo Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária CESB (Curso de Espanhol Básico) para

Leia mais

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA Rose Madalena Pereira da Silva Prof. da Educação Básica e Pós graduanda em Educação e Novas Tecnologias Sara Ingrid Borba Mestra em

Leia mais

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior Janaína Batista da Silva Larissa Horrara de Almeida Leonardo Lopes Liliana Oliveira Palhares da Silva Luciana

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS)

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS) A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS) Isléia Rössler Streit Universidade de Passo Fundo istreit@upf.br Resumo: A evolução tecnológica das últimas duas

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Iolene Mesquita Lobato Universidade Federal de Goiás Comunicação Formação e profissionalização docente O presente trabalho

Leia mais

A MODALIDADE SEMIPRESENCIAL NA PERCECPÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR

A MODALIDADE SEMIPRESENCIAL NA PERCECPÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR Revista Digital Simonsen 174 Como citar: SERPA, Joyce. A modalidade semipresencial na percecpção dos alunos do ensino superior. In: Revista Digital Simonsen. Rio de Janeiro, n.3, Nov. 2015. Disponível

Leia mais

XVII SEMINÁRIO NACIONAL DE ENSINO DA MEDICINA VETERINÁRIA. 13 a 15 de agosto de 2008 Brasília - DF

XVII SEMINÁRIO NACIONAL DE ENSINO DA MEDICINA VETERINÁRIA. 13 a 15 de agosto de 2008 Brasília - DF XVII SEMINÁRIO NACIONAL DE ENSINO DA MEDICINA VETERINÁRIA 13 a 15 de agosto de 2008 Brasília - DF MODELOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EaD Informática como ferramenta pedagógica no ensino da Medicina Veterinária

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana

Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana O IDIE - Instituto para o Desenvolvimento e Inovação Educativa, especializado em

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas:

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

USO DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS.

USO DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS. USO DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS. Elaine Jesus Alves UFT elainealves@uft.edu.br Introdução

Leia mais

José Moran Orientador de Projetos Educacionais Inovadores com metodologias ativas

José Moran Orientador de Projetos Educacionais Inovadores com metodologias ativas Desafios que as tecnologias digitais nos trazem José Moran Orientador de Projetos Educacionais Inovadores com metodologias ativas nas modalidades presencial e a distância Do livro Novas Tecnologias e Mediação

Leia mais

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Sumário Apresentação O papel do Aluno Ambiente Virtual de Aprendizagem Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Dúvidas 3 5 6 9 10 11 14

Leia mais

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA Ronaldo Vieira Cabral Abdias de Brito Aguiar Júnior José Sidney Nunes de Araújo Resumo: A parte das

Leia mais

A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO E O PROCESSO DE INTERAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO E O PROCESSO DE INTERAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 13 A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO E O PROCESSO DE INTERAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Marcia Maria Previato de Souza Professora do Centro Universitário de Maringá PR marciapreviato@cesumar.br João Luiz Gasparin

Leia mais

A DIDÁTICA ONLINE NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR: o curso de Pedagogia a distância -UFJF em destaque

A DIDÁTICA ONLINE NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR: o curso de Pedagogia a distância -UFJF em destaque A DIDÁTICA ONLINE NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR: o curso de Pedagogia a distância -UFJF em destaque Ana Carolina Guedes Mattos 1 Luciana de Almeida Cunha 2 Priscila Silva Schröder 3 Adriana Rocha Bruno (orientadora)

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS Aline Passos Amanda Antunes Ana Gabriela Gomes da Cruz Natália Neves Nathalie Resende Vanessa de Morais EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS Trabalho apresentado à disciplina online Oficina

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E AS NOVAS TECNOLOGIAS E A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: DA TEORIA À PRÁTICA

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E AS NOVAS TECNOLOGIAS E A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: DA TEORIA À PRÁTICA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E AS NOVAS TECNOLOGIAS E A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: DA TEORIA À PRÁTICA Polyana Marques Lima Rodrigues 1 - UFAL Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 - UFAL Grupo de Trabalho

Leia mais

Prof.ª Dr.ª do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Prof.ª Dr.ª do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TICs) NO CONTEXTO DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL (UAB) E O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (UFSM) AVINIO, Carina

Leia mais

Ciência, Educação e Tecnologia Tecnologia e Educação: Possibilidades Pedagogia Portal do Professor Objetivo

Ciência, Educação e Tecnologia Tecnologia e Educação: Possibilidades Pedagogia Portal do Professor Objetivo Ciência, Educação e Tecnologia Teleaula 6 Profa. Mônica Caetano Vieira da Silva tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Tecnologia e Educação: Possibilidades Pedagogia Portal do Professor

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB

PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB Introdução Jacqueline Liedja Araújo Silva Carvalho Universidade Federal

Leia mais

Projeto de Design Instrucional

Projeto de Design Instrucional Projeto de Design Instrucional Curso: Educação Financeira Modalidade: EaD on-line o que é Design Instrucional? A ação institucional e sistemática de ensino, que envolve o planejamento, o desenvolvimento

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD): LIMITES E POSSIBILIDADES DA CRIAÇÃO DE UM NOVO MODELO PEDAGÓGICO

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD): LIMITES E POSSIBILIDADES DA CRIAÇÃO DE UM NOVO MODELO PEDAGÓGICO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD): LIMITES E POSSIBILIDADES DA CRIAÇÃO DE UM NOVO MODELO PEDAGÓGICO Eva Karolina Pereira Santos Isabela Almeida Valadares Marina Santos Silva Pedro Henrique Branco de Oliveira

Leia mais

APERFEIÇOAMENTO EM EAD E CONTINUADA: ANALISANDO A EXPERIÊNCIA DE PROFESSOR-TUTOR. Guarapuava- PR Abril/2012

APERFEIÇOAMENTO EM EAD E CONTINUADA: ANALISANDO A EXPERIÊNCIA DE PROFESSOR-TUTOR. Guarapuava- PR Abril/2012 1 APERFEIÇOAMENTO EM EAD E CONTINUADA: ANALISANDO A EXPERIÊNCIA DE PROFESSOR-TUTOR Guarapuava- PR Abril/2012 CATEGORIA: Pesquisa e Avaliação Setor Educacional: Educação Continuada em Geral Classificação

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

OS MIGRANTES DIGITAIS E SUA APRENDIZAGEM NOS CURSOS A DISTÂNCIA Verônica Danieli de Lima 1 José Alexandre Barbosa Pinto 2

OS MIGRANTES DIGITAIS E SUA APRENDIZAGEM NOS CURSOS A DISTÂNCIA Verônica Danieli de Lima 1 José Alexandre Barbosa Pinto 2 OS MIGRANTES DIGITAIS E SUA APRENDIZAGEM NOS CURSOS A DISTÂNCIA Verônica Danieli de Lima 1 José Alexandre Barbosa Pinto 2 Resumo: Este trabalho tem como objetivo geral analisar o desempenho de migrantes

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

Ensino de Enfermagem. Aprendizagem (AVA) Claudia Prado claupra@usp.br. Maria Madalena Januário Leite. Heloisa Helena Ciqueto Peres

Ensino de Enfermagem. Aprendizagem (AVA) Claudia Prado claupra@usp.br. Maria Madalena Januário Leite. Heloisa Helena Ciqueto Peres Escola de Enfermagem Ensino de Enfermagem em Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Heloisa Helena Ciqueto Peres Maria Madalena Januário Leite Claudia Prado hhcperes@usp.br marimada@usp.br claupra@usp.br

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

GESTÃO DE CURSOS COM BASE NA PORTARIA 4059/04: ELEMENTOS ESSENCIAIS PARA A IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA SEMIPRESENCIAL EM IES

GESTÃO DE CURSOS COM BASE NA PORTARIA 4059/04: ELEMENTOS ESSENCIAIS PARA A IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA SEMIPRESENCIAL EM IES 1 GESTÃO DE CURSOS COM BASE NA PORTARIA 4059/04: ELEMENTOS ESSENCIAIS PARA A IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA SEMIPRESENCIAL EM IES Maio 2008 Ana Célia Furtado Orsano de Sousa FSA - ana_orsano@hotmail.com Jacques

Leia mais

Um modo de ser. em educação a distância. dinâmica do meio educacional

Um modo de ser. em educação a distância. dinâmica do meio educacional dinâmica do meio educacional 1 :: marilú fontoura de medeiros professora doutora em Educação/UFRGS Um modo de ser em educação a distância Percorrer o atual contexto da Educação a Distância é trilhar um

Leia mais

Introdução a EaD: Um guia de estudos

Introdução a EaD: Um guia de estudos MÓDULO BÁSICO PROFESSORES FERNANDO SPANHOL E MARCIO DE SOUZA Introdução a EaD: Um guia de estudos Realização: guia de estudo SUMÁRIO UNIDADE 1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1.1 Entendendo a EaD 5

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA

UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA 1 UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA Resumo. Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa realizada nas Instituições de Ensino

Leia mais

Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio

Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio João Victor Maceno Lacerda 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância Resumo: Neste

Leia mais

TÍTULO FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PARA PROFESSORES DO ENSINO PROFISSIONALIZANTE DA REDE PÚBLICA FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

TÍTULO FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PARA PROFESSORES DO ENSINO PROFISSIONALIZANTE DA REDE PÚBLICA FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL TÍTULO FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PARA PROFESSORES DO ENSINO PROFISSIONALIZANTE DA REDE PÚBLICA FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Modalidade do Trabalho: Comunicação Oral. Área: Formação de Professores

Leia mais

Interatividade na docência e aprendizagem online

Interatividade na docência e aprendizagem online Interatividade na docência e aprendizagem online ou a pedagogia do parangolé Marco Silva EDU/UERJ Educar em nosso tempo conta com uma feliz coincidência histórica: a dinâmica comunicacional da cibercultura,

Leia mais

Educação além dos limites da sala de aula

Educação além dos limites da sala de aula Educação além dos limites da sala de aula Como a Brightspace passou a fazer parte da vida de 20.000 alunos da Universidade Tiradentes Visão Geral Com mais de 50 anos de tradição e reconhecido pioneirismo

Leia mais

TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS

TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS O que é mesmo Educação a Distância (EAD)? Você está fazendo um curso a distância, mas já parou para pensar no conceito

Leia mais