INSTALAÇÃO DE PAINÉIS FOTOVOLTAICOS NO IFC CAMPUS LUZERNA PARA PESQUISAS EM ENERGIAS RENOVÁVEIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTALAÇÃO DE PAINÉIS FOTOVOLTAICOS NO IFC CAMPUS LUZERNA PARA PESQUISAS EM ENERGIAS RENOVÁVEIS"

Transcrição

1 INSTALAÇÃO DE PAINÉIS FOTOVOLTAICOS NO IFC CAMPUS LUZERNA PARA PESQUISAS EM ENERGIAS RENOVÁVEIS Autores: Felipe JUNG, Renan BALAN, Tiago DEQUIGIOVANI, Jessé de PELEGRIN, Marcos FIORIN Identificação autores: Estudante de Graduação de Engenharia de Controle e Automação Bolsista Interno, Estudante de Graduação de Engenharia de Controle e Automação Bolsista Interno, Professor orientador IFC-Campus Luzerna, Professor colaborador IFC-Campus Luzerna, Professor colaborador IFC-Campus Luzerna. Introdução Com o crescimento populacional, a demanda de energia elétrica brasileira vem crescendo ano após ano. Por possuir uma matriz energética extremamente dependente de apenas uma fonte de energia, a energia hidráulica, o Brasil fica vulnerável a períodos de crise, e os atuais períodos de seca evidenciam essa realidade. Crises energéticas impulsionam a maioria dos países a uma frenética busca por novas soluções em tecnologias e equipamentos que utilizem fontes de energias renováveis, como energia solar, eólica, biomassa. No Brasil, recentemente foram aprovadas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), regras que permitem ao consumidor final instalar pequenos geradores em sua unidade consumidora. Dessa maneira a Aneel pretende incentivar o uso de mini e microgeradores que utilizem fontes de energias limpas e renováveis. O sol é a maior fonte de energia de nosso planeta, e parte desta energia pode ser aproveitada para a geração de eletricidade, podendo gerar, só no Brasil, cerca de 25 TWh por ano (Alves et al, 2014), e de diferentes maneiras. Dentre elas, está a conversão direta da energia solar em energia elétrica, que ocorre pelos efeitos da radiação solar sobre semicondutores instalados em placas fotovoltaicas. Nelas, os fótons contidos na luz solar são convertidos em energia elétrica devido a excitação dos elétrons na presença da luz solar. O Instituto Federal Catarinense campus Luzerna possui seis placas solares que estavam em desuso até o início dos projetos de pesquisa e extensão do ano de 2015 em Luzerna. Dois dos projetos aprovados no início deste ano se dedicam a estudar e pesquisar essas placas e suas aplicações. Portanto, o principal objetivo deste trabalho é instalar nas dependências do campus de Luzerna algumas das células fotovoltaicas para que possa se dar início a estudos sobre essa tecnologia, que vem se tornando mais importante a cada ano. Complementarmente, será feita uma primeira medição da energia gerada por essas células a fim de conhecer alguns dos dados importantes referentes ao potencial de geração fotovoltaica dessas placas em Luzerna.

2 Material e Métodos O desenvolvimento deste trabalho consiste em, primeiramente, fixar as placas solares no telhado do bloco de ensino do IFC Luzerna. Para isso, deve-se desenvolver um suporte para ser fixo na estrutura do prédio e de forma que as placas solares sejam fixas neste. Em seguida, devem-se passar os cabos que serão ligados às placas solares. Os dados fornecidos pelo fabricante das placas solares são apresentados na Tabela 1. Esses dados serão importantes para a escolha dos condutores que conduzirão a energia gerada das placas até o laboratório. Também são interessantes a fim de comparação com os dados que serão adquiridos em laboratório. Tabela 1: Dados das células fotovoltaicas Irradiação e temperatura da célula 1000 W/m 2 25 o C 800 W/m 2 45 o C Potência máxima 240 W 172 W Tensão máxima 29,8 V 26,7 V Corrente máxima 8,06 A 6,45 A Fonte: Kyocera [200-?]. As placas solares são conectadas em paralelo (BRAGA, 2008), de forma que a corrente gerada por cada uma delas se some e a tensão permaneça a mesma. Também deve ser conectado em série a essas placas um diodo de proteção que não permita que, se uma ou mais células não estiver gerando energia, a corrente passe pelas mesmas no sentido reverso, fazendo com que estas consumam energia, o que pode vir a danificá-la. Os cabos conectados às placas solares devem ser passados até o laboratório de eletrônica, onde, inicialmente, as pesquisas serão realizadas. Assim que o sistema estiver conectado e pronto para gerar energia, uma carga com valor adequado será conectada aos terminais positivo e negativo das células fotovoltaicas para fazer uma medição da potência gerada durante um determinado período de tempo. Essa medição será adquirida com um multímetro Minipa ET-2940 conectado a um computador através do software de aquisição de dados do próprio multímetro Bs86x Data Logging System

3 Resultados e discussão Primeiramente, foi definido a instalação de 4 das 6 placas presentes na instituição. Para instalar as placas solares no telhado do IFC foi necessário construir um suporte. Esse suporte foi feito utilizando calhas galvanizadas e barras roscadas e ele foi preso na própria estrutura do telhado. Como as quatro placas fotovoltaicas foram conectadas em paralelo, a corrente total do circuito à potência nominal deve chegar a 32 A, portanto, o condutor passado deve suportar essa corrente. Foi escolhido utilizar dois condutores de área de seção transversal de em paralelo para o terminal positivo e também para o terminal negativo. Cada um desses condutores tem capacidade de condução de corrente de 24 A, portanto, são adequados para a aplicação. As células fotovoltaicas foram instaladas no telhado do bloco de ensino do IFC como mostra a Figura 1. Figura 1: Placas Fotovoltaicas instaladas no IFC. Fonte: Próprio Autor (2015) Também foi conectado um diodo de 6 A em série com cada um dos painéis fotovoltaicos para evitar que os mesmos consumam energia se, por uma falha, ou uma sombra incidente em apenas parte das células, não estiverem gerando energia. Com os painéis fixos e os condutores instalados no laboratório de eletrônica do bloco de ensino do instituto, foi conectada uma carga de 2,8 para realizar uma medição da geração fotovoltaica desses painéis. O sistema de geração fotovoltaica, conectada a tal carga e sendo medida com o sistema de aquisição mencionado na seção de material e métodos, pode ser visualizado na Figura 2.

4 Figura 2 - Instalação da carga conectada à rede fotovoltaica. Fonte: Próprio autor, 2015 A Figura 3 mostra os gráficos dos dados coletados entre os dias 02 e 05 de agosto de Os gráficos mostram os valores de tensão, Figura 3(a) e, potência, Figura 3(b), gerada pelas células fotovoltaicas durante esses dias com carga resistiva de 2,8, o que representa uma potência drenada de até 270 W para uma tensão de 27,5 V. (a) Tensão gerada pelas células fotovoltaicas (b) Potência gerada pelas células fotovoltaicas Figura 3: Dados adquiridos nos dias 02 a 05 de agosto de Fonte: Autor Próprio (2015)

5 Pelos gráficos, observa-se que a tensão que os painéis fornecem é próxima a 27 V, porém ela decai facilmente para menos de 20 V. Também se observa que existe bastante oscilação na energia gerada, principalmente no período da tarde. Esse decaimento ocorre devido a sombras que incidem sobre os painéis causados por nuvens. Conclusão Este trabalho apresentou a instalação de quatro painéis fotovoltaicos nas instalações do IFC Luzerna. As células foram instaladas e estão à disposição dos projetos de pesquisa que estão sendo desenvolvidos no campus. Com o resultado obtido neste trabalho, o instituto pode ampliar a linha de pesquisa referente às fontes de energia renováveis, que é uma ampla área de engenharia e que, cada vez mais, vem tomando espaço no cenário energético brasileiro e mundial. Referências ALVES, Gustavo; MORAES, Luciano; MARAFÃO, Fernando; Serni, Paulo; SIMÕES, Marcelo. Energia Solar no Brasil: Legislação, Políticas Públicas e Desafios para a Instalação de Sistemas Fotovoltaicos e Termossolares. O Setor Elétrico, Ed. 104, pg 72-83, Setembro de ANEEL. Atlas: Energia Solar: Disponível em: < Acesso em 14 mar BRAGA, RENATA P. Energia Solar Fotovoltaica: Fundamentos E Aplicações. Nov pg. - Universidade Federal Do Rio De Janeiro, Escola Politécnica, Departamento De Engenharia Elétrica. Disponível em: < Acesso em: 14 mar KYOCERA, High efficiency multicrystal photovoltaic module Datasheet. Disponível em: < > Acesso em 06 set. 2015

Para o desenvolvimento deste projeto foram necessários os equipamentos descritos

Para o desenvolvimento deste projeto foram necessários os equipamentos descritos DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE GERAÇÃO DE ENERGIA UTILIZANDO BICICLETAS PROPOSTA DE PROJETO INTEGRADOR Autores: Felipe JUNG¹, Marina PADILHA¹, Otávio R. SOUZA¹, Renan Jr. BALAN¹, Jessé de PELEGRIN², Marcos

Leia mais

Exercício Etapa 4 PEA 2200 / PEA Etapa 4 - Sistema fotovoltaico

Exercício Etapa 4 PEA 2200 / PEA Etapa 4 - Sistema fotovoltaico Exercício Etapa 4 PEA 2200 / PEA 3100 Etapa 4 - Sistema fotovoltaico Objetivo Essa etapa do Seminário tem a função de realizar uma avaliação técnicaeconômica da implantação de um sistema fotovoltaico nas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7051 Materiais Elétricos - Laboratório

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7051 Materiais Elétricos - Laboratório UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7051 Materiais Elétricos - Laboratório EXPERIÊNCIA 05 DIODOS DE JUNÇÃO PN E FOTODIODOS 1 INTRODUÇÃO O objetivo desta aula,

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE CONVERSOR CC-CC PARA APLICAÇÃO EM PAINÉIS FOTOVOLTAICOS

RESULTADOS PARCIAIS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE CONVERSOR CC-CC PARA APLICAÇÃO EM PAINÉIS FOTOVOLTAICOS RESULTADOS PARCIAIS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE CONVERSOR CC-CC PARA APLICAÇÃO EM PAINÉIS FOTOVOLTAICOS Autores: Felipe JUNG, Tiago DEQUIGIOVANI, Jessé de PELEGRIN, Marcos FIORIN Identificação autores:

Leia mais

EFICIÊNCIA DAS PLACAS FOTOVOLTAICAS RELACIONADO A LIMPEZA

EFICIÊNCIA DAS PLACAS FOTOVOLTAICAS RELACIONADO A LIMPEZA EFICIÊNCIA DAS PLACAS FOTOVOLTAICAS RELACIONADO A LIMPEZA Marcos Henrique Campos Duarte marcosdetroit@hotmail.com Luciano Brandão luciano_brandao_@hotmail.com Vithor Lucas Machado Cardoso vithorml@gmail.com

Leia mais

ENERGIA SUSTENTÁVEL E INTELIGENTE

ENERGIA SUSTENTÁVEL E INTELIGENTE ENERGIA SUSTENTÁVEL E INTELIGENTE Informativos Você já reparou que o mundo mudou, mas a forma como produzimos e consumimos energia, continua praticamente igual há 50 anos? Ainda dependemos de grandes usinas

Leia mais

APLICAÇÕES DE ENERGIA FOTOVOLTAICA PARTE I

APLICAÇÕES DE ENERGIA FOTOVOLTAICA PARTE I UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA APLICAÇÕES DE ENERGIA FOTOVOLTAICA PARTE I PROF. Dr. RENÉ PASTOR TORRICO BASCOPÉ (PET-DEE-UFC) INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Efeito Fotovoltaico

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DO PRIMEIRO SISTEMA FOTOVOLTAICO CONECTADO À REDE ELÉTRICA E INTEGRADO À EDIFICAÇÃO DA AMAZÔNIA BRASILEIRA

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DO PRIMEIRO SISTEMA FOTOVOLTAICO CONECTADO À REDE ELÉTRICA E INTEGRADO À EDIFICAÇÃO DA AMAZÔNIA BRASILEIRA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DO PRIMEIRO SISTEMA FOTOVOLTAICO CONECTADO À REDE ELÉTRICA E INTEGRADO À EDIFICAÇÃO DA AMAZÔNIA BRASILEIRA Eng. Gilberto Figueiredo Dr. Wilson Macêdo Eng. Alex Manito

Leia mais

Aula 01 Painel Fotovoltaico

Aula 01 Painel Fotovoltaico Aula 01 Painel Fotovoltaico Prof. Heverton Augusto Pereira Universidade Federal de Viçosa - UFV Departamento de Engenharia Elétrica - DEL Gerência de Especialistas em Sistemas Elétricos de Potência Gesep

Leia mais

CANTEIRO DE OBRA SUSTENTÁVEL: A ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO ALTERNATIVA PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM OBRAS DE MÉDIO PORTE.

CANTEIRO DE OBRA SUSTENTÁVEL: A ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO ALTERNATIVA PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM OBRAS DE MÉDIO PORTE. CANTEIRO DE OBRA SUSTENTÁVEL: A ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO ALTERNATIVA PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM OBRAS DE MÉDIO PORTE. 1 João Flavio Legonde Sost 2, Luis Cesar Da Cruz De Souza 3, João Pedro

Leia mais

Experiência 07 Diodos de Junção PN e Fotodiodos

Experiência 07 Diodos de Junção PN e Fotodiodos Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Materiais Elétricos EEL 7051 Professor Clóvis Antônio Petry Experiência 07 Diodos de Junção PN e Fotodiodos Fábio

Leia mais

ENERGIA EÓLICA NO BRASIL

ENERGIA EÓLICA NO BRASIL ENERGIA EÓLICA NO BRASIL MICROGERAÇÃO DISTRIBUIDA Eng. Mec. Egberto Rodrigues Neves SÃO PAULO MAIO 2016 Energia Eólica A Geração eólica : destaque na mídia. Grande porte ou grandes empreendimentos: Parques

Leia mais

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 5: Divisores de tensão. Alunos: 2-3-

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 5: Divisores de tensão. Alunos: 2-3- Campus SERRA COORDENADORIA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Disciplinas: Circuitos em Corrente Contínua Turma: AN1 Professor: Vinícius Secchin de Melo Roteiro para experiências de laboratório AULA 5: Divisores

Leia mais

Sumário. Do Sol ao aquecimento. Energia do Sol para a Terra 22/04/2014

Sumário. Do Sol ao aquecimento. Energia do Sol para a Terra 22/04/2014 Sumário Do Sol ao Aquecimento Unidade temática 1 Equilíbrio térmico Lei zero da termodinâmica. Temperatura média da Terra. - Potência da radiação proveniente do Sol. - Potência da radiação emitida pela

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA CONECTADA À REDE

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA CONECTADA À REDE Junho - 2015 ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA CONECTADA À REDE Fernando Medeiros & Roseli Doreto EnergyBras Energias Renováveis ASPECTOS GERAIS DA TECNOLOGIA FOTOVOLTAICA Conceitos Básicos da Tecnologia Fotovoltaico

Leia mais

PROJETO E DESENVOLVIMENTO DO CONVERSOR BUCK PARA CONTROLE DE CARGA EM BATERIAS

PROJETO E DESENVOLVIMENTO DO CONVERSOR BUCK PARA CONTROLE DE CARGA EM BATERIAS PROJETO E DESENVOLVIMENTO DO CONVERSOR BUCK PARA CONTROLE DE CARGA EM BATERIAS Autores : Daniela Iagher DILDEY, Samuel dos Anjos PINHEIRO, Tiago DEQUIGIOVANI. Identificação autores: Bolsista IFC /FAPESC;

Leia mais

A Energia solar. Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia solar 1

A Energia solar. Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia solar 1 A Energia solar Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia solar 1 Forma de aproveitamento Quase todas as fontes de energia hidráulica, biomassa, eólica, combustíveis fósseis e energia

Leia mais

MEDIÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DE UM PAINEL SOLAR FOTOVOLTAICO

MEDIÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DE UM PAINEL SOLAR FOTOVOLTAICO Centro de Tecnologia e Ciências Faculdade De Engenharia MEDIÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DE UM PAINEL SOLAR FOTOVOLTAICO Relatório de Iniciação Científica Aluno: Aline Damm da Silva Falcão, graduanda em Engenharia

Leia mais

Eletricidade Aplicada

Eletricidade Aplicada Eletridade Aplicada Eletricidade Aplicada Aula 21 Fabio L. Tomm fabiotomm@gmail.com Prova 2 23/11 Prova Substitutiva de uma das Provas 30/11 Trabalho de levantamento do seu consumo residencial, do esquema

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE TEMPERATURA RESULTADOS PRÁTICOS

SISTEMA DE CONTROLE DE TEMPERATURA RESULTADOS PRÁTICOS SISTEMA DE CONTROLE DE TEMPERATURA RESULTADOS PRÁTICOS Jung, Felipe 1 ; Padilha, Marina 1 ; Souza, Otávio Rafael de 1 ; Balan, Renan Jr. 1 ; Fiorin, Marcos 2 ; Dequigiovani, Tiago 2 1,2 Instituto Federal

Leia mais

Sistemas de Energia Solar e Eólica Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita

Sistemas de Energia Solar e Eólica Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Sistemas de Energia Solar e Eólica Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Especificações dos Módulos Fotovoltaicos Comerciais Sistemas de Energia Solar e Eólica Identificação e informações gerais Módulo

Leia mais

Plano de Aula Conversão de Energia Solar em Energia Elétrica

Plano de Aula Conversão de Energia Solar em Energia Elétrica 1 Plano de Aula Conversão de Energia Solar em Energia Elétrica Tema: Conversão de Energia Solar em Energia elétrica Professor: Carine Heck e Karine S. Coelho Disciplina: Física Série, Nível: 2º ano do

Leia mais

Aproveitamento da energia eólica. Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia eólica 1

Aproveitamento da energia eólica. Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia eólica 1 Aproveitamento da energia eólica Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia eólica 1 Formas de aproveitamento Denomina-se energia eólica a energia cinética contida nas massas de ar em movimento

Leia mais

Guia de Aulas Práticas de Eletrônica Analógica e Digital AULA PRÁTICA 05 CIRCUITOS A DIODOS. 1. OBJETIVOS: Estudar diversas aplicações para os diodos

Guia de Aulas Práticas de Eletrônica Analógica e Digital AULA PRÁTICA 05 CIRCUITOS A DIODOS. 1. OBJETIVOS: Estudar diversas aplicações para os diodos AULA PRÁTICA 05 CIRCUITOS A DIODOS 1. OBJETIVOS: Estudar diversas aplicações para os diodos 2. PRÉ-REQUISITOS: Capítulo 2 do livro texto. 3. RESUMO TEÓRICO: O diodo, apesar de ser o dispositivo semicondutor

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE MOTOR STIRLING MOVIDO A ENERGIA SOLAR

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE MOTOR STIRLING MOVIDO A ENERGIA SOLAR TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE MOTOR STIRLING MOVIDO A ENERGIA SOLAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI BLUMENAU

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO 22 4.2 Experimento 2: Resistência e Resistores, Voltagem, Corrente e Lei de Ohm 4.2.1 Objetivos Fundamentar os conceitos de resistência e resistor. Conhecer o código de cores, utilizado para especificar

Leia mais

Encontro de negócios da construção pesada. Apresentação: Organização:

Encontro de negócios da construção pesada. Apresentação: Organização: Encontro de negócios da construção pesada Apresentação: Organização: Objetivo Apresentar novas tecnologias que possam auxiliar as empresas da construção pesada na busca de redução nas despesas operacionais

Leia mais

Laboratório de Energia Solar UFRGS

Laboratório de Energia Solar UFRGS RELATÓRIO TÉCNICO LABSOL UFRGS Nº 11/15 PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM ENSAIO DE MÓDULO FOTOVOLTAICO CANADIAN SOLAR CS6X 310P Solicitante: CANADIAN SOLAR BRASIL SERVIÇOS DE CONSULTORIA EM ENERGIA SOLAR

Leia mais

ENTRETENIMENTO PRODUTIVIDADE

ENTRETENIMENTO PRODUTIVIDADE O que é Energia Solar Fotovoltaica? É a conversão de radiação solar em eletricidade por meio de painéis feitos de células de silício. ENERGIA EMITIDA PELO SOL Diariamente toneladas de energia chegam ao

Leia mais

Curso Técnico em Eletrônica Subsequente CAMPUS FLORIANÓPOLIS Instrumentos Regulatórios: Resolução CEPE/IFSC nº 27, de 19 de junho de 2015.

Curso Técnico em Eletrônica Subsequente CAMPUS FLORIANÓPOLIS Instrumentos Regulatórios: Resolução CEPE/IFSC nº 27, de 19 de junho de 2015. Curso Técnico em Eletrônica Subsequente CAMPUS FLORIANÓPOLIS Instrumentos Regulatórios: Resolução CEPE/IFSC nº 27, de 19 de junho de 2015. GRADE CURRICULAR Módulo 1 Carga horária total: 320h Eletricidade

Leia mais

Metrologia 30 Não há Eletricidade 60 Não há Tecnologia dos Materiais I 30 Não há

Metrologia 30 Não há Eletricidade 60 Não há Tecnologia dos Materiais I 30 Não há Curso Técnico Subsequente em Eletromecânica Técnico em Eletromecânica CÂMPUS LAGES MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 285h Introdução à Eletromecânica 15 Não há Qualidade, meio ambiente,

Leia mais

Energia Fotovoltaica

Energia Fotovoltaica Róbson Rodrigues, Felipe Martins e Huendell Steinmetz Turma: Informática Tarde Energia Fotovoltaica Escolhemos esta energia, pois é uma energia limpa e renovável, se ser necessário a manutenção do equipamento.

Leia mais

CONTROLE CHOPPER PARA ACIONAMENTO DE UM MOTOR PMDC

CONTROLE CHOPPER PARA ACIONAMENTO DE UM MOTOR PMDC CONTROLE CHOPPER PARA ACIONAMENTO DE UM MOTOR PMDC João Vitor Busquim Braga (PIBIC-EM/CNPq), Marcelo Favoretto Castoldi (Orientador), e-mail: joaovitorbb2@hotmail.com, marcastoldi@utfpr.edu.br. Universidade

Leia mais

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO LABORATÓRIO MÓDULO I ELETRICIDADE BÁSICA TURNO NOITE CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CARGA HORÁRIA EIXO TECNOLÓGICO CONTROLE

Leia mais

Dispositivos de proteção recomendados e dimensões dos condutores

Dispositivos de proteção recomendados e dimensões dos condutores Instalação e configuração Dispositivos de proteção recomendados e dimensões dos condutores Planeamento Planeamento FV É da responsabilidade do técnico de instalação determinar e estabelecer a proteção

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ENERGIA E AMBIENTE LABORATÓRIO DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS Roberto Zilles INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS

Leia mais

Energia solar. É a solução para seu comércio. Economize e preserve o meio ambiente. davantisolar.com.br

Energia solar. É a solução para seu comércio. Economize e preserve o meio ambiente. davantisolar.com.br Energia solar É a solução para seu comércio. Economize e preserve o meio ambiente. Conquiste sua independência energética com a A Davanti Solar é uma empresa brasileira comprometida em levar mais autonomia

Leia mais

Sistemas de Energia Solar e Eólica Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita

Sistemas de Energia Solar e Eólica Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Sistemas de Energia Solar e Eólica Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Dispositivos para a Conversão Fotovoltaica Sistemas de Energia Solar Fotovoltaica 2 Conversão Fotovoltaica A energia solar pode

Leia mais

Geração de Energia Elétrica - Hidrelétricas. SIE Sistemas de Energia Professora Camila Bastos Eletroeletrônica Módulo 8

Geração de Energia Elétrica - Hidrelétricas. SIE Sistemas de Energia Professora Camila Bastos Eletroeletrônica Módulo 8 Geração de Energia Elétrica - Hidrelétricas SIE Sistemas de Energia Professora Camila Bastos Eletroeletrônica Módulo 8 Introdução A energia elétrica é produzida através de outras formas de energia; O Atlas

Leia mais

INTRODUÇÃO. São propostas as práticas que deverão ser feita em 1 dia de aula prática (uma aula com duração de 50 minutos).

INTRODUÇÃO. São propostas as práticas que deverão ser feita em 1 dia de aula prática (uma aula com duração de 50 minutos). INTRODUÇÃO Este guia foi desenvolvido para as aulas práticas de Eletrônica e Instrumentação do Curso de Graduação em Engenharia Mecânica da Universidade Kroton/Anhanguera. São propostas as práticas que

Leia mais

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 4: Retificadores. Alunos: 2-3-

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 4: Retificadores. Alunos: 2-3- Campus SERRA COORDENADORIA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Disciplinas: ELETRÔNICA BÁSICA e ELETRICIDADE GERAL Turmas: AM1 e AN1 - Período: 2012-1 Professores: Bene Regis Figueiredo Tatiane Policario Chagas Vinícius

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE PROCESSOS PARA LEVANTAMENTO PRÁTICO DAS CURVAS CARACTERÍSTICAS DE PAINÉIS FOTOVOLTAICOS

DETERMINAÇÃO DE PROCESSOS PARA LEVANTAMENTO PRÁTICO DAS CURVAS CARACTERÍSTICAS DE PAINÉIS FOTOVOLTAICOS DETERMINAÇÃO DE PROCESSOS PARA LEVANTAMENTO PRÁTICO DAS CURVAS CARACTERÍSTICAS DE PAINÉIS FOTOVOLTAICOS Jaqueline Oliveira Rezende, Sebastião Camargo Guimarães Júnior Universidade Federal de Uberlândia,

Leia mais

Fundamentos de Eletrônica

Fundamentos de Eletrônica 6872 - Fundamentos de Eletrônica Elvio J. Leonardo Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação 2014 Roteiro Revisão Matemática Função matemática, função

Leia mais

Taller de trabajo: Energía Solar Integración y despacho: desafíos para la región

Taller de trabajo: Energía Solar Integración y despacho: desafíos para la región MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Taller de trabajo: Energía Solar Integración y despacho: desafíos para la región Ing. Cristiano Augusto Trein, Ph.D. Ministério de Minas e Energia cristiano.trein@mme.gov.br

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO KIT CPLD_EE01

APRESENTAÇÃO DO KIT CPLD_EE01 APRESENTAÇÃO DO KIT CPLD_EE01 O kit CPLD_EE01 foi desenvolvido para alunos de cursos técnicos, engenharia e desenvolvedores na área de circuitos digitais, o mesmo conta com alguns módulos que podem ser

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1

ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1 ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1 Felipe Alex Trennepohl 2, Leandro Becker Kehler 3. 1 Estudo realizado para a

Leia mais

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Ricardo Cassiano Fagundes

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Ricardo Cassiano Fagundes Curso: Ciências da computação Disciplina: Física aplicada a computação Professor: Benhur Borges Rodrigues Relatório experimental 02: Medida de tensão contínua e medida de tensão alternada; Grupo: Ederson

Leia mais

MICRO INVERSOR SOLAR GRID TIE

MICRO INVERSOR SOLAR GRID TIE INVERSOR "NORMAL" VS. MICRO-INVERSOR MICRO INVERSOR SOLAR GRID TIE O Micro-Inversor é simplesmente um inversor solar grid tie miniaturizado, dimensionado para atender painéis solares individualmente em

Leia mais

Capítulo 1 Introdução

Capítulo 1 Introdução Capítulo 1 Introdução 1.1. Acesso sem fio Existem diversos tipos de acesso sem fio [1], dependendo do tipo de aplicação implementada. Sistemas sem fios podem ser usados de forma a permitir mobilidade ao

Leia mais

Energia Eólica. Elbia Melo. Presidente Executiva

Energia Eólica. Elbia Melo. Presidente Executiva Energia Eólica Elbia Melo Presidente Executiva 05/08/2013 Energia Eólica no Mundo Grande Porte 2 Ranking 1 China 75,56 2 EUA 60,01 3 Alemanha 31,33 4 Espanha 22,80 5 Índia 18,42 6 Reino Unido 8,45 7 Itália

Leia mais

Objeto de aprendizagem

Objeto de aprendizagem 3ª Ciências 4º Ano E.F. Objeto de aprendizagem O que é eletricidade? - Interação entre ímãs e entre cargas elétricas forças de atração e de repulsão. Perceber a existência de cargas elétricas. Objetivos

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS 2016.1 1 PERÍODO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE FÍSICA DISCIPLINA: REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DISCIPLINA:

Leia mais

1. SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS

1. SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS 35088-(36) Diário da República, 2.ª série N.º 234 3 de dezembro de 2013 Despacho (extrato) n.º 15793-H/2013 Nos termos e para os efeitos do Decreto -Lei n.º 118/2013, de 20 de agosto e respetiva regulamentação,

Leia mais

Notas de Aplicação. Recomendações Técnicas para instalação de CLP s. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Recomendações Técnicas para instalação de CLP s. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Recomendações Técnicas para instalação de CLP s HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.0021 Versão 1.01 novembro-2013 HI Tecnologia Recomendações Técnicas para instalação de CLP

Leia mais

LABSOL Laboratório de Energia Solar UFRGS

LABSOL Laboratório de Energia Solar UFRGS RELATÓRIO TÉCNICO LABSOL/UFRGS Nº 002/12 PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM ENSAIO DE MÓDULO FOTOVOLTAICO TALESUN TP672M 295 Solicitante: MES ENERGIA SOLUÇÕES EM ENERGIAS ALTERNATIVAS E RENOVÁVEIS LTDA.

Leia mais

Sistema autônomo para eficientização na produção de energia elétrica através da luz solar

Sistema autônomo para eficientização na produção de energia elétrica através da luz solar Sistema autônomo para eficientização na produção de energia elétrica através da luz solar "Através do módulo Compact Field Point, o sistema realiza leituras de tensão e corrente nos pontos de medição estabelecidos

Leia mais

Aula 17. Página 1 de 10

Aula 17. Página 1 de 10 ula 17 1. (Fuvest 01) Energia elétrica gerada em Itaipu é transmitida da subestação de Foz do Iguaçu (Paraná) a Tijuco Preto (São Paulo), em alta tensão de 750 kv, por linhas de 900 km de comprimento.

Leia mais

GREEN ENERGY. AMRTEC Tecnologia, Importação e Exportação Ltda. PAINEL FOTOVOLTAICO

GREEN ENERGY. AMRTEC Tecnologia, Importação e Exportação Ltda.  PAINEL FOTOVOLTAICO GREEN ENERGY AMRTEC Tecnologia, Importação e Exportação Ltda. www.amrtec.com.br PAINEL FOTOVOLTAICO LINHAS WS-SLP10.12 e WS-SLP15.12 a empresa A AMRTEC é uma provedora de alta tecnologia e serviços diferenciados

Leia mais

Manual do técnico/usuário:

Manual do técnico/usuário: Manual do técnico/usuário: Produto: Placa I/O Semáforo PLACA VERSÃO 1 Versão deste manual: 1 Revisão deste manual: 0 Data do manual: 08/08/2009 M.c.u Tecnologia www.mcu.com.br 1 Histórico de Revisões:

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 5

Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 5 Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 5 1 Título Prática 4 Circuitos retificadores 2 Objetivos Estudo e montagem de diferentes circuitos retificadores. 3 Fundamentos

Leia mais

Associação de Resistores

Associação de Resistores Associação de Resistores Objetivo: Medir a corrente elétrica e a diferença de potencial em vários ramos e pontos de um circuito elétrico resistivo. Materiais: (a) Três resistências nominadas R 1, R 2 e

Leia mais

FORMULÁRIO 2 : MATRIZ CURRICULAR CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA ATIVIDADES ACADÊMICAS INTEGRANTES DO CURSO

FORMULÁRIO 2 : MATRIZ CURRICULAR CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA ATIVIDADES ACADÊMICAS INTEGRANTES DO CURSO 1º 2º 3º 4º 5º DCC003 ALGORITMOS E ESTRUTURA DE DADOS I M DIS 4 60 60 0 OB OB OB OB OB OB EEE001 INTRODUÇÃO À ENGENHARIA ELÉTRICA M DIS 1 15 15 0 OB OB OB OB OB OB EEEnn1 INTRODUÇÃO AO PROJETO DE ENGENHARIA

Leia mais

Cap. 3 Resistência Elétrica e Lei de Ohm

Cap. 3 Resistência Elétrica e Lei de Ohm Cap. 3 Resistência Elétrica e Lei de Ohm Instituto Federal Sul-rio-grandense Curso Técnico em Eletromecânica Disciplina de Eletricidade Básica Prof. Rodrigo Souza 3.1 Resistência Elétrica Resistência Elétrica

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ENERGIA E AMBIENTE RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 78099

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ENERGIA E AMBIENTE RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 78099 INSTITUTO DE ENERGIA E AMBIENTE Av. Prof. Luciano Gualberto, 1289 Cidade Universitária Butantã CEP 05508-010 São Paulo SP BRASIL www.iee.usp.br CNPJ: 63.025.530/0042-82 Inscrição Estadual: isento 1 de

Leia mais

GABINETE VEREADOR ALIPIO RODRIGUES EXIMO. SENHOR PRESIDENTE DA CAIVIARA MUNICIPAL DE FORTALEZA:

GABINETE VEREADOR ALIPIO RODRIGUES EXIMO. SENHOR PRESIDENTE DA CAIVIARA MUNICIPAL DE FORTALEZA: PROJETO DE INDICAÇÃO N. n v Dispõe sobre o uso obrigatório de placas solares nos prédios da administração pública direta e indireta, como produção de energia alternativa renovável. EXIMO. SENHOR PRESIDENTE

Leia mais

Aula 9 Dispositivos semicondutores Diodos e aplicações

Aula 9 Dispositivos semicondutores Diodos e aplicações ELETRICIDADE Aula 9 Dispositivos semicondutores Diodos e aplicações Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 2 Material semicondutor Alguns materiais apresentam propriedades de condução

Leia mais

A aposta em investimento em energias renovaveis em STP

A aposta em investimento em energias renovaveis em STP A aposta em investimento em energias renovaveis em STP I. Apresentação da HET - Service Lda. II. Situação das energias renováveis III.Possibilidade de Investimentos em E.R. Privado Estatal IV.Barreiras

Leia mais

CONTROLADOR DE CARGA CTL-100

CONTROLADOR DE CARGA CTL-100 Manual do usuário Série: A MAN-DE- Rev.: 01.01-10 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso. Para garantir o uso correto e eficiente, é imprescindível a leitura completa deste manual para um bom entendimento

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Novembro 2016

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Novembro 2016 BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Novembro 2016 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL O outono de 2016 tem-se caracterizado por temperaturas ligeiramente acima da média e uma produtibilidade

Leia mais

Um circuito DC é aquele cuja alimentação parte de uma fonte DC (do inglês Direct Current), ou em português, CC (corrente contínua).

Um circuito DC é aquele cuja alimentação parte de uma fonte DC (do inglês Direct Current), ou em português, CC (corrente contínua). Um circuito DC é aquele cuja alimentação parte de uma fonte DC (do inglês Direct Current), ou em português, CC (corrente contínua). Como vimo anteriormente, para que haja fluxo de corrente pelo circuito,

Leia mais

SOLAR FOTOVOLTÁICO EN FOTOVOLTAIC SYSTEM

SOLAR FOTOVOLTÁICO EN FOTOVOLTAIC SYSTEM PT SOLAR FOTOVOLTÁICO EN FOTOVOLTAIC SYSTEM SOLAR FOTOVOLTÁICO 2015 ÍNDICE 3 3 4 5-7 7 VANTAGENS INVESTIMENTO COMPONENTES KITS SOLARES EX1IB350W EX 2IB800W EX1N500W EX2N750W EX2N100W ESTRUTURAS 2 POUPANÇA

Leia mais

Da COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, MEIO AMBIENTE E TURISMO, sobre o Projeto de Lei no 547,

Da COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, MEIO AMBIENTE E TURISMO, sobre o Projeto de Lei no 547, Da COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, MEIO AMBIENTE E TURISMO, sobre o Projeto de Lei no 547, de 2015, que "Dispõe sobre a obrigatoriedade de as concessionárias de

Leia mais

Fonte Bivolt 24 Vdc / 5 A

Fonte Bivolt 24 Vdc / 5 A Descrição do Produto A fonte de alimentação é uma solução para aplicações de uso geral no que se refere a alimentação de controladores programáveis, sensores e comando de quadro elétricos. Tem uma saída

Leia mais

ENERGIA. origem do grego érgon, que significa trabalho. Assim, en + érgon queria dizer, na Grécia Antiga, em trabalho, em atividade, em ação.

ENERGIA. origem do grego érgon, que significa trabalho. Assim, en + érgon queria dizer, na Grécia Antiga, em trabalho, em atividade, em ação. ENERGIA origem do grego érgon, que significa trabalho. Assim, en + érgon queria dizer, na Grécia Antiga, em trabalho, em atividade, em ação. A mais antiga forma de energia é a produzida pelos músculos

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURRÍCULO PLENO BACHARELADO 1 CICLO/MÓDULO A Ciências Exatas I Cálculo Diferencial 06 0 06 120 Desenho Técnico 0 02 02 40 Física I Mecânica da Partícula 04 02 06 120 Projeto

Leia mais

PRINCÍPIOS E APLICAÇÕES

PRINCÍPIOS E APLICAÇÕES Energia Solar PAINEL SOLAR PRINCÍPIOS E APLICAÇÕES ENERGIA SOLAR FOTOTÉRMICA Etapas de um Projeto de Sistemas de Aquecimento Solar Os sistemas de aquecimento solar podem ser classificados quanto ao modo

Leia mais

ENTENDA OS BENEFÍCIOS E COMO FUNCIONA UMA MINI-USINA SOLAR RESIDENCIAL

ENTENDA OS BENEFÍCIOS E COMO FUNCIONA UMA MINI-USINA SOLAR RESIDENCIAL Veículo: Site Ciclo Vivo Data: 07/10/2016 ENTENDA OS BENEFÍCIOS E COMO FUNCIONA UMA MINI-USINA SOLAR RESIDENCIAL É possível produzir energia até mesmo em duas chuvosos ou nublados. 7 de outubro de 2016

Leia mais

CURSO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Autorizado pela Portaria nº de 25/08/10 D.O.U de 27/08/10 Componente Curricular: Energia e Instalações Elétricas

CURSO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Autorizado pela Portaria nº de 25/08/10 D.O.U de 27/08/10 Componente Curricular: Energia e Instalações Elétricas CURSO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 D.O.U de 27/08/10 Componente Curricular: Energia e Instalações Elétricas Código: ENGP 579 Pré-requisito: Período Letivo: 2016.2

Leia mais

Tecnologias de Operação e Controle de Aerogeradores. Eng. Antonio Carlos de Barros Neiva MSc., MBA

Tecnologias de Operação e Controle de Aerogeradores. Eng. Antonio Carlos de Barros Neiva MSc., MBA Tecnologias de Operação e Controle de Aerogeradores Eng. Antonio Carlos de Barros Neiva MSc., MBA a.neiva@gmail.com Sumário Fundamentos de energia eólica Aerodinâmica aplicada Geradores e sistemas acessórios

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Em 2014, de acordo com a International Renewable Energy Agency (IRENA), a fonte biomassa apresentou 80.227

Leia mais

VOLT-AMPERÍMETRO GAUSS VA 600. Manual do Usuário.

VOLT-AMPERÍMETRO GAUSS VA 600. Manual do Usuário. VOLT-AMPERÍMETRO GAUSS VA 600 Manual do Usuário www.gauss.ind.br Caro Cliente, Parabéns por adquirir um produto GAUSS! O volt-amperímetro VA600 foi desenvolvido dentro dos mais exigentes padrões de qualidade

Leia mais

Proposta de projeto utilizando armazenamento no sistema distribuição de energia elétrica

Proposta de projeto utilizando armazenamento no sistema distribuição de energia elétrica Proposta de projeto utilizando armazenamento no sistema distribuição de energia elétrica Workshop Internacional de Armazenamento de Energia: tecnologias, projetos e regulação Brasília, 31 de março de 2016

Leia mais

Implantação de sistema fotovoltaico

Implantação de sistema fotovoltaico Implantação de sistema fotovoltaico AUTORES: Julia Stacke Monica Gineli Paulo H. Dias de Borba Thalysson Barbosa dos Santos UNEMAT Universidade do Estado do Mato Grosso Campus de Sinop Engenharia Elétrica

Leia mais

W = V x A. Desta forma, tendo dois valores de grandeza, poderemos calcular o terceiro.

W = V x A. Desta forma, tendo dois valores de grandeza, poderemos calcular o terceiro. Dimensionamento do Sistema Solar O dimensionamento do sistema solar é simples quando se aplica uma voltagem e alguns pontos de consumo. O conhecimento básico de alguns valores e grandezas são necessários

Leia mais

Prepare a sua construção para a instalação de energia solar

Prepare a sua construção para a instalação de energia solar Prepare a sua construção para a instalação de energia solar Se você está na fase de planejamento de sua construção, existem alguns pontos que devem ser previstos em seu projeto para facilitar a instalação

Leia mais

ENERGIA SOLAR EDP AGORA MAIS DO QUE NUNCA, O SOL QUANDO NASCE É PARA TODOS MANUAL DO UTILIZADOR

ENERGIA SOLAR EDP AGORA MAIS DO QUE NUNCA, O SOL QUANDO NASCE É PARA TODOS MANUAL DO UTILIZADOR AGORA MAIS DO QUE NUNCA, O SOL QUANDO NASCE É PARA TODOS MANUAL DO UTILIZADOR A ENERGIA DO SOL CHEGOU A SUA CASA Com a solução de energia solar EDP que adquiriu já pode utilizar a energia solar para abastecer

Leia mais

b) átomos do dielétrico absorvem elétrons da placa negativa para completar suas camadas eletrônicas externas;

b) átomos do dielétrico absorvem elétrons da placa negativa para completar suas camadas eletrônicas externas; GOIÂNIA, _28 / 10 / 2016 PROFESSOR: Jonas Tavares DISCIPLINA: Física SÉRIE: 3º ALUNO(a): L1 4º Bim Data da Prova: 28/10/2016 No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012. Secretaria de Energia Elétrica SEE

GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012. Secretaria de Energia Elétrica SEE GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012 Secretaria de Energia Elétrica SEE MODELO ATUAL DO SETOR ELÉTRICO PILARES SEGURANÇA ENERGÉTICA UNIVERSALIZAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FEELT FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CLÁUDIO JOSÉ DE OLIVEIRA JÚNIOR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FEELT FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CLÁUDIO JOSÉ DE OLIVEIRA JÚNIOR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FEELT FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CLÁUDIO JOSÉ DE OLIVEIRA JÚNIOR MÁQUINAS SÍNCRONAS (2º RELATÓRIO PARALELISMO DE ALTERNADORES) UBERLÂNDIA MG 2013 INTRODUÇÃO O paralelismo

Leia mais

Desenvolvimento de um sistema de irrigação automático

Desenvolvimento de um sistema de irrigação automático Desenvolvimento de um sistema de irrigação automático Orientador: Rodrigo Grassi Martins Coorientador: Rodrigo do Prado Costa Alunos: Daruick Fagundes da Silva Cunha Gabriel Resende Miranda Marcossuel

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURRÍCULO PLENO BACHARELADO 1 CICLO/MÓDULO A Ciências Exatas I Álgebra Linear 02 0 02 40 Cálculo Diferencial e Integral I 04 0 04 80 Cálculo Vetorial e Geometria Analítica

Leia mais

Circuitos Elétricos Simples

Circuitos Elétricos Simples Circuitos Elétricos Simples Circuitos elétricos que contém apenas resistores e fontes. A corrente elétrica se move sempre no mesmo sentido, ou seja, são circuitos de corrente contínua. Circuitos com mais

Leia mais

Coelba - Grupo Neoenergia No. DO CONTRATO ANEXO 1 PARTE 2 PROJETO BÁSICO

Coelba - Grupo Neoenergia No. DO CONTRATO ANEXO 1 PARTE 2 PROJETO BÁSICO ANEXO 1 PARTE 2 PROJETO BÁSICO SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ÁREAS PROPOSTAS PARA INSTALAÇÃO DOS MÓDULOS FOTOVOLTAICOS... 4 3 FIXAÇÃO DOS MÓDULOS FOTOVOLTAICOS... 6 3.1 Fixação dos fotovoltaicos nas estruturas

Leia mais

Transdutor Digital MKM-01

Transdutor Digital MKM-01 [1] Introdução O Transdutor é um instrumento digital microprocessado, para instalação em fundo de painel, que permite a medição de até 33 parâmetros elétricos em sistema de corrente alternada (CA). Para

Leia mais

CONCESSIONÁRIAS DE ENERGIA APLICAÇÕES

CONCESSIONÁRIAS DE ENERGIA APLICAÇÕES CONCESSIONÁRIAS DE ENERGIA APLICAÇÕES CONTEÚDO 03 VISÃO GERAL TECNOLOGIA: COMUNICADOR MANUTENÇÃO MONITORAMENTO 04 ROTEADOR 10 PREDITIVA 11 DE VARIÁVEIS 12 EMS - ENERGY MANAGEMENT SYSTEMS 02 VISÃO GERAL

Leia mais

ELETRÔNICA BÁSICA - LISTA DE EXERCÍCIOS - DIODOS SEMI CONDUTORES

ELETRÔNICA BÁSICA - LISTA DE EXERCÍCIOS - DIODOS SEMI CONDUTORES 1 1. O setor automotivo tem ajudado o mercado de semicondutores a aumentar seu faturamento e a diminuir a dependência de seus clientes principais: as indústrias de telefones celulares, de eletrônicos e

Leia mais

MII 2.1 MANUTENÇÃO DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS ANALÓGICOS RETIFICAÇÃO

MII 2.1 MANUTENÇÃO DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS ANALÓGICOS RETIFICAÇÃO MII 2.1 MANUTENÇÃO DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS ANALÓGICOS RETIFICAÇÃO Contextualização Retificação Muitos circuitos eletrônicos necessitam de corrente contínua para operar. Porém, as companhias de energia

Leia mais

Corrente elétricas. i= Δ Q Δ t [ A ]

Corrente elétricas. i= Δ Q Δ t [ A ] Corrente elétricas A partir do modelo atômico de Bohr, que o define pela junção de prótons, nêutrons e elétrons, é possível explicar a alta condutividade dos metais, devida à presença dos elétrons livres.

Leia mais

NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015

NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015 CT-63 NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015 Norma Técnica da AES Eletropaulo Diretoria de Planejamento, Engenharia

Leia mais

Impacto da Temperatura na Geração Solar

Impacto da Temperatura na Geração Solar Impacto da Temperatura na Geração Solar Gustavo Jorge Silva Universidade Federal de Itajubá Campus Itabira Itabira, Brasil gustavo.jorge09@gmail.com Waner Wodson A. G. Silva Universidade Federal de Itajubá

Leia mais