PROVIMENTO CCI nº 03 /2010 SEC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROVIMENTO CCI nº 03 /2010 SEC"

Transcrição

1 PROVIMENTO CCI nº 03 /2010 SEC Disciplina e uniformiza as rotinas visando ao aperfeiçoamento do procedimento de interceptação de comunicações telefônicas e de sistemas de informática e telemática nos órgãos jurisdicionais das comarcas do interior. A DESEMBARGADORA LÍCIA DE CASTRO LARANJEIRA CARVALHO, CORREGEDORA DAS COMARCAS DO INTERIOR DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições legais e regimentais, com base no art.90, inciso VII, combinado com o art.88, ambos do Regimento Interno do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia, CONSIDERANDO a edição, pelo Conselho Nacional de Justiça - CNJ, da Resolução n.º 59, de 09 de setembro de 2008, que disciplina e uniformiza as rotinas visando ao aperfeiçoamento do procedimento de interceptação de comunicações telefônicas e de sistemas de informática e telemática nos órgãos jurisdicionais do Poder Judiciário, a que se refere a lei n.º 9.296, de 24 de julho de 1996; CONSIDERANDO a necessidade de conferir maior amplitude possível em sua aplicação, a partir da informação e divulgação da citada disciplina no âmbito das comarcas do interior do Estado da Bahia; CONSIDERANDO que o art.11 da Resolução n.º 59/08 remete às Corregedorias Estaduais de Justiça a competência para definir modelos padronizados de ofícios a serem expedidos às operadoras em cumprimento à decisão judicial que deferir medida cautelar sigilosa; CONSIDERANDO, por fim, a necessidade de detalhar as rotinas pertinentes ao procedimento de interceptação de comunicações telefônicas e de sistemas de informática e telemática nos órgãos jurisdicionais do Poder Judiciário; RESOLVE: Art.1º - As rotinas de distribuição, registro e processamento das medidas cautelares de caráter sigiloso em matéria criminal, cujo objeto seja a interceptação de comunicações telefônicas, de sistemas de informática e telemática, no âmbito das comarcas do interior, observarão a disciplina estabelecida na Resolução nº 59, de 09 de setembro de 2008, do Conselho Nacional de Justiça, acrescida das orientações complementares de que trata este Provimento.

2 Art.2º - Os pedidos de interceptação de comunicação telefônica, telemática ou de informática, formulados em sede de procedimento investigatório, bem como em sede de instrução processual penal, serão encaminhados ao setor de distribuição da respectiva Comarca, se houver, em envelope lacrado contendo o pedido e documentos necessários. 1º. Na parte exterior do envelope a que se refere o caput, será colada uma folha de rosto contendo somente as seguintes informações: a) "Medida cautelar sigilosa", b) Delegacia de origem ou órgão do Ministério Público, c) Comarca de origem da medida. 2º. É vedada a indicação do nome do requerido, da natureza da medida ou qualquer outra anotação na folha de rosto referida no parágrafo primeiro. Art.3º - Outro envelope menor, também lacrado, contendo em seu interior apenas o número e o ano do procedimento investigatório e a indicação da tipificação do delito investigado, deverá ser anexado ao envelope lacrado referido no artigo 2º. Art.4º - O setor de distribuição local e o Plantão Judiciário, quando e onde instalado, não receberão os envelopes que não estejam devidamente lacrados na forma prevista nos artigos 2º e 3º, cumprindo à Direção do Fórum local a devida fiscalização. Art.5º - Recebidos os envelopes e conferidos estarem devidamente lacrados, o responsável pela distribuição e, na sua ausência, o seu substituto, deslacrará o envelope menor e efetuará a distribuição, cadastrando no sistema informatizado apenas o número do procedimento investigatório e a delegacia ou o órgão do Ministério Público de origem. Art.6º - A autenticação da distribuição será realizada na folha de rosto do envelope mencionado no artigo 2º, ou seja, no envelope lacrado contendo o pedido e documentos. Art.7º - Feita a distribuição através do sistema informatizado, a medida cautelar sigilosa será remetida ao Juízo competente, imediatamente, sem violação do lacre do envelope mencionado no artigo 2º, ou seja, o envelope lacrado contendo o pedido e documentos. 1º. Recebido o envelope lacrado, referido no artigo 2º, pela serventia do Juízo competente, o Escrivão ou responsável pelo expediente deverá imediatamente abrir conclusão no sistema SAIPRO, localizando a medida no sistema através dos dados constantes da capa do envelope mencionado no artigo 2º, letras "a", "b" e "c", ou seja, "Medida cautelar sigilosa", "Delegacia de origem ou órgão do Ministério Público", "Comarca de origem da medida", sem romper o lacre.

3 2º. Somente o magistrado ou serventuários por ele autorizados e cadastrados nos termos previstos no artigo 8º, parágrafo único, poderão abrir o envelope, após o que o serventuário autorizado fará imediata conclusão, nos autos, para a apreciação do pedido, devendo, ainda, mediante acesso ao sistema SAIPRO, dar andamento ao processo, observada sua qualificação como sigiloso. Art.8º - Aberta a conclusão ao Juiz, o envelope lacrado será encaminhado imediatamente ao Magistrado ou aos serventuários autorizados, ouvido, sempre que for o caso, o Ministério Público. Parágrafo único. O magistrado, mediante portaria, indicará o nome e a matrícula do escrivão e do(s) funcionário(s) autorizado(s) a movimentar o sistema, na hipótese prevista neste Provimento, comunicando a edição do citado ato, bem como suas eventuais alterações, à Corregedoria das Comarcas do Interior, sempre por intermédio da SERP, que, por sua vez, informará, oportunamente, o setor competente no âmbito da Secretaria de Informática da Presidência do Tribunal de Justiça. Art.9º - Realizada a autuação da medida cautelar sigilosa pelo magistrado ou serventuários por ele autorizados e cadastrados, é obrigatório o preenchimento dos demais dados constantes no sistema SAIPRO, bem como quaisquer outras alterações supervenientes. 1º. Qualquer complementação ou alterações de dados no cadastramento da medida cautelar sigilosa junto ao sistema SAIPRO somente poderá ser realizada pelo magistrado ou serventuários por ele autorizados e cadastrados. 2º. As informações relativas às medidas cautelares sigilosas, atualizadas e completadas pelo magistrado ou serventuários por ele autorizados e cadastrados, não ficarão disponíveis para consulta pública nos terminais de auto-atendimento, na internet ou nos distribuidores, e somente o Juiz e os serventuários autorizados terão acesso aos dados sigilosos. 3º. Verificando o magistrado que não se trata de pedidos de interceptação de comunicação telefônica, telemática ou de informática, nos termos do artigo 1º, deverá o mesmo desabilitar o processo como sigiloso no sistema informatizado de controle de processos. 4º. Os processos referidos neste Provimento deverão, tanto quanto possível, ser armazenados em armários fechados com chave e de acesso restrito ao magistrado e ao(s) servidor(es) por este autorizados. Art.10 - É obrigatório o preenchimento completo da tela "medidas sigilosas" constante no menu do sistema SAIPRO, salvo na hipótese de declínio de competência. 1º. O preenchimento da tela "medidas sigilosas" constante no menu do sistema SAIPRO é obrigatório.

4 2º. Deferida ou indeferida a medida cautelar sigilosa o andamento processual no sistema somente será autorizado, após o preenchimento de todos os campos do cadastramento das "medidas sigilosas" no sistema SAIPRO; enquanto não preenchidos todos os campos, o processo não poderá ser movimentado no sistema, e conseqüentemente não será permitida a baixa da conclusão lançada. Art.11 - As remessas e devoluções dos autos serão realizadas em envelopes lacrados tanto pelo remetente como por seu destinatário, assim como os ofícios e outras peças pertinentes enviados a outros órgãos, vedada a expedição de carta precatória para os fins deste Provimento. Art.12 - Durante o Plantão Judiciário as medidas cautelares sigilosas apreciadas, independentemente do seu deferimento, deverão ser encaminhadas pelos servidores do Plantão ao setor de distribuição da respectiva Comarca, devidamente lacradas. 1º. As medidas cautelares sigilosas previstas neste Provimento que forem apreciadas durante o período de atuação do Plantão Judiciário deverão ser lançadas no sistema informatizado pelo magistrado ou serventuários por ele autorizados e cadastrados, devendo ser resguardado o sigilo das informações lançadas no mesmo. 2º. Na Ata do Plantão Judiciário constará, apenas, a existência da distribuição de "medida cautelar sigilosa", sem qualquer outra referência e não será arquivado no Plantão Judiciário nenhum ato referente à medida. Art.13 - Os ofícios expedidos em cumprimento à decisão judicial que defere a medida cautelar sigilosasomente deverão ser gerados no âmbito do sistema SAIPRO, observandose, rigorosamente, o modelo ali disponibilizado, com inserção de dados colhidos no próprio sistema por Magistrados e funcionários autorizados e cadastrados, ficando expressamente vedada a confecção de ofícios em qualquer outra forma ou editor de textos, exceto nas comarcas ainda não integradas ao SAIPRO, se houver. 1º. Em caso de impossibilidade de geração do ofício através do sistema SAIPRO, fica autorizada a expedição direta do documento, desde que adotado, estritamente, o modelo disponibilizado no referido sistema eletrônico, observada, ainda, a imperiosidade do respectivo registro eletrônico, ainda que posterior, da edição e expedição do documento. 2º. Os ofícios gerados no sistema SAIPRO deverão conter, obrigatoriamente, os seguintes dados: I - número do ofício gerado exclusivamente no sistema; II - número do protocolo; III - data da distribuição; IV- tipo de ação; V - número do inquérito; VI - órgão postulante da medida (Delegacia de origem ou Ministério Público);

5 VII - número dos telefones que tiveram a interceptação ou quebra de dados deferida; VIII - a expressa vedação de interceptação de outros números não discriminados na decisão; IX - advertência de que o ofício resposta deverá indicar o número do protocolo do processo ou do Plantão Judiciário, sob pena de recusa de seu recebimento pela Distribuição; X - advertência da regra contida no artigo 10, da Lei nº /96. 3º. Os ofícios de que trata este artigo serão assinados pela autoridade judiciária competente e serão obrigatoriamente instruídos com cópia da decisão que determinou a diligência no âmbito da medida cautelar sigilosa. Art.14 Eventuais pedidos de prorrogação de prazo de medidas cautelares sigilosas anteriormente deferidas deverão ser instruídos com áudios (CD ou DVD) do inteiro teor das comunicações interceptadas, transcrições das conversas relevantes à apreciação do pedido de prorrogação e o relatório circunstanciado das investigações com seu resultado. Parágrafo único: O pedido de prorrogação, assim como os documentos referidos no caput deste artigo, serão entregues pessoalmente ao Magistrado competente, ou ao servidor por ele indicado, pela autoridade responsável pela investigação, ou seu representante expressamente autorizado. Art.15 O magistrado ou serventuários por ele autorizados e cadastrados ficarão responsáveis pela fidelidade dos dados lançados no sistema, que deverão corresponder necessariamente à realidade dos autos, não se permitindo nenhuma omissão ou lançamento parcial dos dados. Art.16 - A não inserção no sistema SAIPRO de quaisquer dos dados exigidos neste Provimento, assim como a inobservância das rotinas nele instituídas ensejará responsabilização administrativa. Art.17 Cumprirá à Secretaria de Informática da Presidência do Tribunal de Justiça adotar, por intermédio do Setor competente, as medidas necessárias ao cumprimento deste Provimento, adaptando o sistema SAIPRO às necessidades geradas a partir da sua edição e vigência. Art.18 Mensalmente, os Juízos investidos de competência criminal informarão diretamente no site do Conselho Nacional de Justiça os dados relativos ao Sistema Nacional de Controle de Interceptações Art.19 - Este provimento entrará em vigor no prazo de 30 (trinta) dias, contados do primeiro dia útil seguinte à data de sua disponibilização no Diário da Justiça Eletrônico.

6 Parágrafo único: A Secretaria de Informática do Tribunal de Justiça disporá de igual prazo para proceder às alterações e adaptações necessárias no sistema SAIPRO, de modo a atender e viabilizar o cumprimento de todas as orientações procedimentais instituídas por este Provimento. Salvador, 08 de novembro de 2010 Desa. Lícia de Castro Laranjeira Carvalho Corregedora das Comarcas do Interior

Estado da Bahia. A DESEMBARGADORA IVETE CALDAS FREITAS SILVA MUNIZ, CORREGEDORA-GERAL DA JUSTIÇA E O DESEMBARGADOR

Estado da Bahia. A DESEMBARGADORA IVETE CALDAS FREITAS SILVA MUNIZ, CORREGEDORA-GERAL DA JUSTIÇA E O DESEMBARGADOR PROVIMENTO CONJUNTO Nº CGJ/CCI-011/2013 Dispõe sobre o Serviço de Protocolo Postal no âmbito do Poder Judiciário do Estado da Bahia. A DESEMBARGADORA IVETE CALDAS FREITAS SILVA MUNIZ, CORREGEDORA-GERAL

Leia mais

PROVIMENTO Nº 32 / 2016

PROVIMENTO Nº 32 / 2016 PROVIMENTO Nº 32 / 2016 Altera a Consolidação Normativa da Corregedoria Geral da Justiça - Parte Judicial para estabelecer as rotinas que devem ser adotadas pelo Departamento de Depósito Público, para

Leia mais

PORTARIA Nº 2.087/CGJ/2012 (Alterada pelas Portarias nº 2.124/CGJ/2012 e nº 2.222/CGJ/2012)

PORTARIA Nº 2.087/CGJ/2012 (Alterada pelas Portarias nº 2.124/CGJ/2012 e nº 2.222/CGJ/2012) PORTARIA Nº 2.087/CGJ/2012 (Alterada pelas Portarias nº 2.124/CGJ/2012 e nº 2.222/CGJ/2012) Institui o Banco Estadual de Mandados de Prisão BEMP na Justiça de Primeira Instância do Estado de Minas Gerais

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO N. 1 DE 10 DE FEVEREIRO DE 2010. Regulamenta o processo judicial eletrônico no âmbito do Superior Tribunal de Justiça. O PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA, no uso das atribuições que

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO CORREGEDORIA REGIONAL PORTARIA Nº T2-PTC-2011/00404 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011.

PODER JUDICIÁRIO CORREGEDORIA REGIONAL PORTARIA Nº T2-PTC-2011/00404 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011. PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL - 2ª REGIÃO CORREGEDORIA REGIONAL PORTARIA Nº T2-PTC-2011/00404 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011. O Doutor ANDRÉ FONTES, Corregedor-Regional da Justiça

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.396 INSTRUÇÃO Nº 958-26.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Dias Toffoli Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre a apuração de crimes eleitorais.

Leia mais

o DESEMBARGADOR GILBERTO PASSOS DE FREITAS, Corregedor Geral da Justiça do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais;

o DESEMBARGADOR GILBERTO PASSOS DE FREITAS, Corregedor Geral da Justiça do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais; Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo Página I de 5 ( (~ PORTAL 00,.., Tribunal de Justiça do Estado de SAO PAULO TJ Notícias I Institucional I Links Jurídicos I TJ Responde PROVIMENTO CG. N 09/2006

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.363 INSTRUÇÃO Nº 1160-71.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Arnaldo Versiani Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre a apuração de crimes

Leia mais

PROVIMENTO N.º 003/2013 CCI

PROVIMENTO N.º 003/2013 CCI Diário n. 903 de 26 de Fevereiro de 2013 CADERNO 1 - ADMINISTRATIVO > CORREGEDORIA DAS COMARCAS DO INTERIOR > GABINETE PROVIMENTO N.º 003/2013 CCI Regulamenta a Central de Cumprimento de Mandados da Comarca

Leia mais

RESOLUÇÃO N XXXXXXX INSTRUÇÃO N xxx-xx.20xx CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL.

RESOLUÇÃO N XXXXXXX INSTRUÇÃO N xxx-xx.20xx CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. RESOLUÇÃO N XXXXXXX INSTRUÇÃO N xxx-xx.20xx6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Dias Toffoli. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. Dispõe sobre a apuração de crimes

Leia mais

Protocolo Judicial de 1º Grau

Protocolo Judicial de 1º Grau PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade PROCEDIMENTO 45 Protocolo Judicial de 1º Grau Elaborado por: Ronaldo Gomes Pereira

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ CORREGEDORIA DA JUSTIÇA DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ CORREGEDORIA DA JUSTIÇA DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ CORREGEDORIA DA JUSTIÇA DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM PROVIMENTO Nº 002/2009 Estabelece normas para a distribuição de títulos de crédito apresentados

Leia mais

Caxias do Sul, novembro de 2016

Caxias do Sul, novembro de 2016 www.cri-rs.com.br Caxias do Sul, novembro de 2016 Comissão de Registro Eletrônico Colégio Registral Dr. Adriano Damásio - Herval; Dr. Cassiano Teló de Lima - Soledade; Dr. Cláudio Nunes Grecco - Bom Retiro

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2014 Dispõe sobre os procedimentos de emissão e homologação da Certidão de Tempo de Contribuição CTC. O DIRETOR-PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº JFRJ-PGD-2014/00008 de 12 de dezembro de 2014

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº JFRJ-PGD-2014/00008 de 12 de dezembro de 2014 PORTARIA Nº JFRJ-PGD-2014/00008 de 12 de dezembro de 2014 O JUIZ FEDERAL - DIRETOR DO FORO E CORREGEDOR PERMANENTE DOS SERVIÇOS AUXILIARES DA - SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências.

Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. Resolução nº 121, de 5 de outubro de 2010 Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

JUSTIÇA FEDERAL. Atualizado em 09/11/2016. Custas Judiciais

JUSTIÇA FEDERAL. Atualizado em 09/11/2016. Custas Judiciais JUSTIÇA FEDERAL Atualizado em 09/11/2016 Custas Judiciais Atenção: As custas devem ser recolhidas por meio de GRU exclusivamente na Caixa Econômica Federal. Informações importantes para a emissão de GRU

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 047/2009

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 047/2009 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 047/2009 Aprova o Regulamento de Registro de Diplomas na Universidade de Taubaté. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº R- 023/2009, aprovou e eu promulgo

Leia mais

PROVIMENTO Nº 004 / 2007

PROVIMENTO Nº 004 / 2007 ESTADO DO PIAUÍ PODER JUDICIÁRIO CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA PROVIMENTO Nº 004 / 2007 Dispõe sobre as hipóteses de consulta, vista, retirada, devolução de autos e extração de cópias reprográficas de

Leia mais

JUSTIÇA FEDERAL. Atualizado em 02/06/2016. Custas Judiciais

JUSTIÇA FEDERAL. Atualizado em 02/06/2016. Custas Judiciais JUSTIÇA FEDERAL Atualizado em 02/06/2016 Custas Judiciais Atenção: As custas devem ser recolhidas por meio de GRU exclusivamente na Caixa Econômica Federal. Informações importantes para a emissão de GRU

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 31, DE 14 DE NOVEMBRO DE 2002

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 31, DE 14 DE NOVEMBRO DE 2002 SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 31, DE 14 DE NOVEMBRO DE 2002 Baixa instruções para análise do requerimento de autorização de saque do FGTS de contas vinculadas, em nome de empregadores,

Leia mais

ATO Nº 1, DE 28 FEVEREIRO DE TÍTULO I DA PROCURADORIA JURÍDICA TÍTULO II DA ESTRUTURA

ATO Nº 1, DE 28 FEVEREIRO DE TÍTULO I DA PROCURADORIA JURÍDICA TÍTULO II DA ESTRUTURA ATO Nº 1, DE 28 FEVEREIRO DE 2003. Disciplina os serviços internos da Procuradoria Jurídica da Fundação Universidade de Brasília, define competências e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DA FUNDAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO MPC-MG Nº 001, DE 11 DE MAIO DE 2011

RESOLUÇÃO MPC-MG Nº 001, DE 11 DE MAIO DE 2011 RESOLUÇÃO MPC-MG Nº 001, DE 11 DE MAIO DE 2011 Revogada pela RMPC 2/11 O Procurador-Geral do Ministério Público de Contas, com fundamento direto nos artigos 32 e 119 da Lei Complementar nº 102, de 17 de

Leia mais

Agente Regulado: pessoa física ou jurídica submetida ao controle e fiscalização da Anvisa.

Agente Regulado: pessoa física ou jurídica submetida ao controle e fiscalização da Anvisa. página 1/6 RESOLUÇÃO-RDC Nº 124, DE 13 DE MAIO DE 2004 Dispõe sobre os procedimentos gerais para utilização dos serviços de protocolo de correspondências e documentos técnicos no âmbito da ANVISA e sobre

Leia mais

CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA

CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA PROVIMENTO Nº 157 Alteram-se os procedimentos para os registros dos atos nos Serviços de Registro Civil de Pessoas Naturais e de Tabelionato de Notas. O Desembargador LEONARDO LUSTOSA, Corregedor- Geral

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 77, DE 14 DE SETEMBRO DE 2004

CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 77, DE 14 DE SETEMBRO DE 2004 CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 77, DE 14 DE SETEMBRO DE 2004 Regulamenta o artigo 8º da Lei Complementar nº 75, de 20 de maio de 1993, disciplinando, no âmbito do Ministério

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS PROGEP COORDENAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS PROGEP COORDENAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS PROGEP COORDENAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 03/2014 Estabelece os procedimentos a serem

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2008

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PRÓ-REITORIA ADMINISTRATIVA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2008 O Pró-Reitor de Administração da Fundação Universidade Federal do Rio Grande,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 06/2016

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 06/2016 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 06/2016 Dispõe sobre os prazos e demais regras técnicas relativas à alimentação do Sistema de Licitações e Contratos LicitaCon pelos órgãos e entidades jurisdicionados do Tribunal

Leia mais

Assim, fica revogada a Portaria nº 550, de 12/03/2010 que, até então, Estabelecia as instruções para prorrogação do contrato de Trabalho temporário.

Assim, fica revogada a Portaria nº 550, de 12/03/2010 que, até então, Estabelecia as instruções para prorrogação do contrato de Trabalho temporário. DEPARTAMENTO JURÍDICO ORIENTAÇÃO CONTRATO DE TRABALHO TEMPORÁRIO FOI PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO DE 03/07/14 A PORTARIA Nº 789 DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO que Estabelece Instruções para

Leia mais

GERIR O TRÂMITE DE EXPEDIENTES 1 OBJETIVO

GERIR O TRÂMITE DE EXPEDIENTES 1 OBJETIVO Proposto por: Serviço de Mensageria () Analisado por: Diretor do Departamento de Infraestrutura Operacional (DEIOP) Aprovado por: Diretor Geral da Diretoria- Geral de Logística (DGLOG) 1 OBJETIVO Estabelecer

Leia mais

T R I B U N A L D E J U S T I Ç A

T R I B U N A L D E J U S T I Ç A RESOLUÇÃO Nº 94 de 21 de outubro de 2013. Dispõe sobre a suspensão do expediente forense no período de 20.12.2013 a 06.01.2014. O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ, por seu colendo Órgão Especial,

Leia mais

PROVIMENTO N 23/2009/CGJ

PROVIMENTO N 23/2009/CGJ PROVIMENTO N 23/2009/CGJ Dispõe sobre a implantação do Protocolo Judicial Expresso através do sistema de auto-atendimento, no âmbito do Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso. O EXCELENTÍSSIMO SENHOR

Leia mais

2009, que criou o Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema

2009, que criou o Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema &00t06dfu> t-sracã&zczcaí Ze&táipa RESOLUÇÃO 214, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2015 Dispõe sobre a organização e o funcionamento dos Grupos de Monitoramento e Fiscalização (GMF) nos Tribunais de Justiça dos Estados,

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL PODER JUDICIÁRIO MALOTE DIGITAL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL PODER JUDICIÁRIO MALOTE DIGITAL REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL PODER JUDICIÁRIO MALOTE DIGITAL Tipo de documento: Informações Processuais Código de rastreabilidade: 40420162019974 Nome original: 700002194190 - e-proc.pdf Data: 14/07/2016

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PESQUEIRA CCI - Controladoria de Controle Interno

PREFEITURA MUNICIPAL DE PESQUEIRA CCI - Controladoria de Controle Interno SISTEMA DE CONTROLE INTERNO - SCI INSTRUÇÕES NORMATIVAS SCC Nº 001/2010-1 Aprovação em: 09/03/2010 Versão: 001 Ato de Aprovação: IN SCC n. 001/2010 Unidade Responsável: Sistema de Controle de Comunicação

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DECRETO JUDICIÁRIO Nº /2016

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DECRETO JUDICIÁRIO Nº /2016 DECRETO JUDICIÁRIO Nº /2016 O PRESIDENTE DO DO ESTADO DO PARANÁ e o CORREGEDOR-GERAL DA JUSTIÇA, no uso das atribuições que lhes são conferidas pelos artigos 14 e 15 da Lei nº 14.277/2003 e nos termos

Leia mais

Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 99 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2008(*) Dispõe sobre controle de importações e exportações de substâncias

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA DESIGNAÇÃO DE PROFESSOR COORDENADOR

PROCEDIMENTOS PARA DESIGNAÇÃO DE PROFESSOR COORDENADOR GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO - REGIÃO NORTE 1 Rua Faustolo nº 281 Água Branca CEP: 05041-000 São Paulo SP Telefone: 3868-9758 E-mail: dent1crh@educacao.sp.gov.br

Leia mais

JOÃO MARTINS DIAS Reitor e Presidente do Conselho Superior do IFAM

JOÃO MARTINS DIAS Reitor e Presidente do Conselho Superior do IFAM RESOLUÇÃO Nº. 15 - CONSUP/IFAM, de 10 de junho de 2011. Estabelece normas para a entrega da declaração de bens e valores dos servidores efetivos ocupantes de cargos de direção ou funções gratificadas no

Leia mais

VADE MECUM. Corregedoria Nacional do Ministério Público. CNMP SAFS, Quadra 2, Lote 3 Brasília, Distrito Federal

VADE MECUM. Corregedoria Nacional do Ministério Público. CNMP SAFS, Quadra 2, Lote 3 Brasília, Distrito Federal CNMP SAFS, Quadra 2, Lote 3 Brasília, Distrito Federal Telefone: (61) 3366-9100 Fax: (61) 3366-9151 Email: corregedoria@cnmp.mp.br VADE MECUM Corregedoria Nacional do Ministério Público 1ª Edição Atualizada

Leia mais

Deliberação do Conselho da Escola da Defensoria Pública do Estado de São Paulo nº 09, de 6 de agosto de 2015.

Deliberação do Conselho da Escola da Defensoria Pública do Estado de São Paulo nº 09, de 6 de agosto de 2015. Deliberação do Conselho da Escola da Defensoria Pública do Estado de São Paulo nº 09, de 6 de agosto de 2015. (Publicada no DOE de 13 de agosto de 2015, Caderno Executivo - Seção I, pg. 60) Institui os

Leia mais

Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. CAMPO GRANDE-MS, 6 DE MAIO DE 2015.

Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. CAMPO GRANDE-MS, 6 DE MAIO DE 2015. GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA- SEJUSP/MS AGÊNCIA ESTADUAL DE ADMINISTRAÇÃO DO SISTEMA PENITENCIÁRIO-AGEPEN/MS PORTARIA AGEPEN Nº 4, DE 6 DE

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010)

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010) RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010) Dispõe sobre o pedido e a utilização das interceptações telefônicas, no âmbito do Ministério Público, nos

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MATO GROSSO

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MATO GROSSO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MATO GROSSO PROVIMENTO Nº 12/2012 Expede instruções sobre a atualização da situação dos eleitores portadores de necessidades especiais no Cadastro Nacional de Eleitores e

Leia mais

Portaria CAT 53, de

Portaria CAT 53, de Publicado no D.O.E. (SP) de 25/05/2013 Portaria CAT 53, de 24-05-2013 Disciplina a atribuição, por regime especial, da condição de sujeito passivo por substituição tributária, conforme inciso VI do artigo

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo ATUALIZADO EM 20/07/2012 JUSTIÇA ESTADUAL. Lei nº /2003

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo ATUALIZADO EM 20/07/2012 JUSTIÇA ESTADUAL. Lei nº /2003 ATUALIZADO EM 20/07/2012 JUSTIÇA ESTADUAL Lei nº. 11.608/2003 Despesas com porte de remessa e retorno de autos Porte de Remessa e Retorno de Autos Porte de Retorno Agravo de Instrumento R$ 25,00 por volume

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA Ato Normativo nº 978/2016-PGJ, de 05 de setembro de 2016 (Protocolado nº 122.

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA Ato Normativo nº 978/2016-PGJ, de 05 de setembro de 2016 (Protocolado nº 122. A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA Ato Normativo nº 978/2016-PGJ, de 05 de setembro de 2016 (Protocolado nº 122.738/16-MP) Disciplina o procedimento preparatório eleitoral no âmbito do Ministério

Leia mais

ANEXO II - Instrução Normativa nº 008/2009/GAB/CRE

ANEXO II - Instrução Normativa nº 008/2009/GAB/CRE ANEXO II - Instrução Normativa nº 008/200/GAB/CRE MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DO RELATÓRIO DE MOVIMENTAÇÃO DE ÁLCOOL CARBURANTE E DE BIODIESEL B100 COM DESTINO À ZFM E EM TRÂNSITO PELO ESTADO

Leia mais

PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 584, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014

PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 584, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014 PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 584, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014 O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA - INEP, no uso das atribuições que

Leia mais

DOS LIMITES DA JURISDIÇÃO NACIONAL E DA COOPERAÇÃO INTERNACIONAL CAPÍTULO I DOS LIMITES DA JURISDIÇÃO NACIONAL

DOS LIMITES DA JURISDIÇÃO NACIONAL E DA COOPERAÇÃO INTERNACIONAL CAPÍTULO I DOS LIMITES DA JURISDIÇÃO NACIONAL Em virtude do novo Código de Processo Civil (Lei 13.105, de 16.3.15, que entrará em vigor em 17.3.16, passará a vigorar as novas disposições sobre a Competência Internacional, conforme os artigos abaixo

Leia mais

ASSUNTOS PARA OS ENCONTROS ADMINISTRATIVOS

ASSUNTOS PARA OS ENCONTROS ADMINISTRATIVOS ASSUNTOS PARA OS ENCONTROS ADMINISTRATIVOS DIRSUP DIRETORIA EXECUTIVA DE SUPORTE Á PRESTAÇÃO JURISDICIONAL 1 APRESENTAÇÃO: NOME Sonia Maria Mancini CARGO Diretor Executivo da Dirsup Res. 520/2007 SETORES

Leia mais

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 Dispõe sobre a regulamentação e a metodologia da inteligência de sinais a ser utilizada no âmbito do Ministério Público do Estado de Goiás. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Instrução Normativa REITORIA nº 01, de 07 de janeiro de

Leia mais

Banco de Boas Práticas do Poder Judiciário cearense Boas Práticas de Gestão de outras instituições

Banco de Boas Práticas do Poder Judiciário cearense Boas Práticas de Gestão de outras instituições Banco de Boas Práticas do Poder Judiciário cearense Boas Práticas de Gestão de outras instituições Informações gerais sobre a prática Título Teletrabalho (Home office) no âmbito do TJSP Unidade de implantação

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 015/98 DA CONGREGAÇÃO DA ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS

RESOLUÇÃO nº 015/98 DA CONGREGAÇÃO DA ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS RESOLUÇÃO nº 015/98 DA CONGREGAÇÃO DA ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS A Congregação da Escola de Farmácia e Odontologia de Alfenas, no uso de suas atribuições regimentais e tendo em vista o

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010.

PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010. PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010. EMENTA: Regulamenta a concessão e o pagamento de auxílio funeral no

Leia mais

INSTRUÇÕES BACEN JUD DIRETORIA-GERAL JUDICIÁRIA 2º GRAU

INSTRUÇÕES BACEN JUD DIRETORIA-GERAL JUDICIÁRIA 2º GRAU INSTRUÇÕES BACEN JUD DIRETORIA-GERAL JUDICIÁRIA 2º GRAU Acesso e navegação O acesso ao sistema é feito por intermédio do endereço internet www.bcb.gov.br, no qual está disponibilizado link de acesso ao

Leia mais

Provimento nº 579/97

Provimento nº 579/97 Provimento nº 579/97 Disciplina o sistema de Plantão Judiciário nas comarcas que especifica O CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA, no uso de suas atribuições, Considerando a necessidade de melhor disciplinar

Leia mais

TEXTO INTEGRAL RESOLUÇÃO 33

TEXTO INTEGRAL RESOLUÇÃO 33 TEXTO INTEGRAL RESOLUÇÃO TJ/OE/RJ Nº 33/2014* RESOLUÇÃO 33 Consolida as normas sobre a prestação jurisdicional ininterrupta, por meio de plantão judiciário permanente, e estabelece regras transitórias

Leia mais

1. REDISTRIBUIÇÃO ENTRE VARAS

1. REDISTRIBUIÇÃO ENTRE VARAS Procedimento Operacional Padrão nº 4 REDISTRIBUIÇÃO DE PROCESSOS Este Procedimento Operacional Padrão descreve as ações que deverão ser adotadas pelos servidores para a redistribuição de processos entre

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROCESSO SELETIVO PARA AS FUNÇÕES DE CONCILIADOR CRIMINAL NO ÂMBITO DOS JUIZADOS ESPECIAIS DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO

Leia mais

REGULAMENTO Art. 1º 1º- entende-se como beneficiários descendentes de primeiro grau em linha reta ascendentes de primeiro grau em linha reta 2º-

REGULAMENTO Art. 1º 1º- entende-se como beneficiários descendentes de primeiro grau em linha reta ascendentes de primeiro grau em linha reta 2º- REGULAMENTO Art. 1º - O programa de Assistência Jurídica da Asttter é de utilização exclusiva dos associados titulares e seus beneficiários a quem concederem autorização. 1º- Para fins deste regulamento,

Leia mais

REGULAMENTO DA POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E GUARDA DO ACERVO ACADÊMICO DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB

REGULAMENTO DA POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E GUARDA DO ACERVO ACADÊMICO DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB REGULAMENTO DA POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E GUARDA DO ACERVO ACADÊMICO DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB Estabelece a Política para Manutenção e Guarda do Acervo Acadêmico da Escola de Direito de Brasília

Leia mais

DA expedição da guia de recolhimento

DA expedição da guia de recolhimento PROVIMENTO Nº. 02/2007 Dispõe sobre a execução de penas privativas de liberdade na Região Metropolitana de Belém. A Excelentíssima Senhora Desembargadora Luzia Nadja Guimarães Nascimento Corregedora Geral

Leia mais

Da Solicitação. Do Prazo

Da Solicitação. Do Prazo ORIENTAÇÕES CONJUNTAS DO COLÉGIO NOTARIAL DO BRASIL SEÇÃO SÃO PAULO E DA ASSOCIAÇÃO DOS REGISTRADORES DE PESSOAS NATURAIS SOBRE O PROVIMENTO DA EGRÉGIA CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

RESOLUÇÃO CFESS Nº 548, de 23 de março de 2009

RESOLUÇÃO CFESS Nº 548, de 23 de março de 2009 RESOLUÇÃO CFESS Nº 548, de 23 de março de 2009 EMENTA: Institui procedimentos que deverão ser adotados no processamento das denúncias éticas que forem objeto de DESAFORAMENTO, conforme previsão do artigo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Reorganiza as atribuições gerais e as classes dos cargos da Carreira Policial Federal, fixa a remuneração e dá outras providências.

Leia mais

Essa Rotina Administrativa (RAD) se aplica à Secretaria do Conselho da Magistratura (SECCM), passando a vigorar a partir de 07/02/2014

Essa Rotina Administrativa (RAD) se aplica à Secretaria do Conselho da Magistratura (SECCM), passando a vigorar a partir de 07/02/2014 Proposto por: Equipe da Secretaria do Conselho da Magistratura (SECCM) ATENDER BALCÃO Analisado por: Representante da Administração Superior (RAS) Aprovado por: Secretaria do Conselho da Magistratura (SECCM)

Leia mais

11/07/2013. Ana Amelia Menna Barreto REGULAMENTAÇÃO. Resolução 14/2013. Obrigatoriedade do peticionamentoeletrônico. Ana Amelia Menna Barreto

11/07/2013. Ana Amelia Menna Barreto REGULAMENTAÇÃO. Resolução 14/2013. Obrigatoriedade do peticionamentoeletrônico. Ana Amelia Menna Barreto SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA REGULAMENTAÇÃO Resolução 14/2013 Obrigatoriedade do peticionamentoeletrônico 1 1ª FASE -Outubro de 2013 Conflito de competência, mandado de segurança, reclamação, sentença

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos referentes ao Processamento de Licença Prêmio e Férias.

Estabelecer critérios e procedimentos referentes ao Processamento de Licença Prêmio e Férias. Proposto por: Analisado por: Chefe do Serviço de Lotação, Diretor da Divisão de Pessoal Movimentação e Designação (DIPES) (SELOD) ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet Aprovado por: Diretorl da

Leia mais

PARECER SOBRE A NECESSIDADE DE TORNAR OBRIGATÓRIA A DATA EFETIVA DO TRÂNSITO EM JULGADO DE SENTENÇAS EM CERTIDÕES CARTORÁRIAS DA JUSTIÇA FEDERAL.

PARECER SOBRE A NECESSIDADE DE TORNAR OBRIGATÓRIA A DATA EFETIVA DO TRÂNSITO EM JULGADO DE SENTENÇAS EM CERTIDÕES CARTORÁRIAS DA JUSTIÇA FEDERAL. PARECER SOBRE A NECESSIDADE DE TORNAR OBRIGATÓRIA A DATA EFETIVA DO TRÂNSITO EM JULGADO DE SENTENÇAS EM CERTIDÕES CARTORÁRIAS DA JUSTIÇA FEDERAL. Considerando a necessidade de orientar e padronizar os

Leia mais

PROVIMENTO Nº 12/2015

PROVIMENTO Nº 12/2015 PROVIMENTO Nº 12/2015 Dispõe sobre o protesto de Certidões de Dívidas Judiciais e dá outras providências. A Corregedora-Geral da Justiça, Desembargadora Regina Ferrari, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

Deliberação nº 797/2012

Deliberação nº 797/2012 Deliberação nº 797/2012 A PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO PARANÁ CRF-PR, no uso das atribuições legais que lhe são conferidas pela Lei nº 3.820/60 e pelo artigo 2º, XI do Regimento

Leia mais

REGISTRO DE IMÓVEIS COMARCA DE XAXIM - SC

REGISTRO DE IMÓVEIS COMARCA DE XAXIM - SC REGISTRO DE IMÓVEIS COMARCA DE XAXIM - SC MANUAL DO USUÁRIO INOVAÇÕES E MELHORIAS NA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS PUBLICIDADE AUTENTICIDADE SEGURANÇA E EFICÁCIA DOS ATOS JURÍDICOS OFÍCIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO PROVIMENTO Nº T2-PVC-2012/00012 DE 16 DE AGOSTO DE 2012.

PODER JUDICIÁRIO PROVIMENTO Nº T2-PVC-2012/00012 DE 16 DE AGOSTO DE 2012. PROVIMENTO Nº T2-PVC-2012/00012 DE 16 DE AGOSTO DE 2012. Dispõe sobre distribuição e redistribuição de feitos aos novos Gabinetes das Novas Turmas Recursais dos Juizados Especiais Federais na Segunda Região.

Leia mais

PROVIMENTO CG N 19/2012

PROVIMENTO CG N 19/2012 PROVIMENTO CG N 19/2012 Dispõe sobre a instituição, gestão e operação da Central de Informações do Registro Civil (CRC). O Desembargador JOSÉ RENATO NALINI, Corregedor Geral da Justiça do Estado de São

Leia mais

Normas e Procedimentos para gerenciamento de processos administrativos no âmbito da Administração Pública Federal. Legislações do SLTI/MPOG:

Normas e Procedimentos para gerenciamento de processos administrativos no âmbito da Administração Pública Federal. Legislações do SLTI/MPOG: Normas e Procedimentos para gerenciamento de processos administrativos no âmbito da Administração Pública Federal Legislações do SLTI/MPOG: Portaria nº 05 de 19/12/2002 Portaria nº 03 de 16/05/2003 Portaria

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPE Nº 021, DE 19 DE JULHO DE 2016.

RESOLUÇÃO CEPE Nº 021, DE 19 DE JULHO DE 2016. RESOLUÇÃO CEPE Nº 021, DE 19 DE JULHO DE 2016. APROVA REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA DE DISCENTES DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU, DA UEPG. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, no uso

Leia mais

:AÉCIO NEVES DA CUNHA :CLÉSIO SOARES DE ANDRADE :EUGÊNIO PACELLI DE OLIVEIRA :EDUARDO DA COSTA PAES

:AÉCIO NEVES DA CUNHA :CLÉSIO SOARES DE ANDRADE :EUGÊNIO PACELLI DE OLIVEIRA :EDUARDO DA COSTA PAES INQUÉRITO 4.246 DISTRITO FEDERAL RELATOR : MIN. GILMAR MENDES AUTOR(A/S)(ES) :MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROC.(A/S)(ES) :PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA :AÉCIO NEVES DA CUNHA ADV.(A/S) :JOSÉ EDUARDO RANGEL

Leia mais

PORTARIA CG/SIC/ADG Nº 99 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011

PORTARIA CG/SIC/ADG Nº 99 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011 PORTARIA CG/SIC/ADG Nº 99 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a instrução processual e procedimentos inerentes à apresentação à Auditoria Geral da Prestação de Contas dos Responsáveis por Almoxarifado

Leia mais

PROVIMENTO Nº 22, DE 28 DE SETEMBRO DE 2015.

PROVIMENTO Nº 22, DE 28 DE SETEMBRO DE 2015. PROVIMENTO Nº 22, DE 28 DE SETEMBRO DE 2015. Reformula a emissão de Certidões Judiciais Cíveis e Criminais, inclusive por meio eletrônico, no âmbito da 1ª Instância do Poder Judiciário do Estado de Alagoas

Leia mais

Manual de Andamento de Remessa ao Tribunal de Justiça

Manual de Andamento de Remessa ao Tribunal de Justiça Manual do Usuário Manual de Andamento de Remessa ao Tribunal de Justiça DCP Processo Eletrônico Template Versão 1.1 SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Remessa de Processo ao Tribunal de Justiça... 5 3. Consulta

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2015 Estabelece os critérios de concessão de acesso ao Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse (SICONV) e revoga a Instrução Normativa nº 11,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 97/2008

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 97/2008 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 97/2008 Assunto: Estabelece normas para atividades dos representantes de turma. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão do

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE BIOSSEGURANÇA RESOLUÇÃO Nº 1, DE 29 DE JANEIRO DE Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Biossegurança - CNBS.

CONSELHO NACIONAL DE BIOSSEGURANÇA RESOLUÇÃO Nº 1, DE 29 DE JANEIRO DE Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Biossegurança - CNBS. CONSELHO NACIONAL DE BIOSSEGURANÇA RESOLUÇÃO Nº 1, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Biossegurança - CNBS. A PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE BIOSSEGURANÇA -

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 18/05 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV 2.3 PROCEDIMENTO DA LEI DE DROGAS (Lei 11.343/06) - Procedimento Previsto nos artigos 54 a 59 da

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº B DE 1997 EMENDA DE REDAÇÃO Nº 1

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº B DE 1997 EMENDA DE REDAÇÃO Nº 1 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.405-B DE 1997 Altera a Lei nº 8.935, de 18 de novembro de 1994, para dispor sobre o provimento da titularidade da delegação

Leia mais

ROTEIRO Peticionamento eletrônico no 2º grau Cível TJ/RJ

ROTEIRO Peticionamento eletrônico no 2º grau Cível TJ/RJ ROTEIRO Peticionamento eletrônico no 2º grau Cível TJ/RJ O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro editou o Ato Normativo Conjunto 12/2013 estabelecendo as normas, orientações e procedimentos para o peticionamento

Leia mais

SEI! Nº

SEI! Nº SEI! Nº 0051068-88.2015.8.16.6000 1. Diante da solicitação contida no despacho nº 0404968, o Departamento de Tecnologia da Informação e da Comunicação-DTIC informou que na atualização do sistema Projudi

Leia mais

TEMA 1 : Prisão Preventiva para evitar a dissipação do dinheiro desviado (arts. 16 do PL) CPP PL 4.850/16 SUBSTITUTIVO Art (...

TEMA 1 : Prisão Preventiva para evitar a dissipação do dinheiro desviado (arts. 16 do PL) CPP PL 4.850/16 SUBSTITUTIVO Art (... CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSULTORIA LEGISLATIVA ÁREA XXII - DIREITO PENAL, PROCESSUAL PENAL E PROCEDIMENTOS INVESTIGATÓRIOS PARLAMENTARES COMISSÃO ESPECIAL PL 4.850/16 10 MEDIDAS CONTRA A CORRUPÇÃO MEDIDA

Leia mais

OFÍCIO-CIRCULAR Nº 126/2015 Vitória/ES, 17 de abril de Aos MM. Juízes de Direito do Estado do Espírito Santo.

OFÍCIO-CIRCULAR Nº 126/2015 Vitória/ES, 17 de abril de Aos MM. Juízes de Direito do Estado do Espírito Santo. OFÍCIO-CIRCULAR Nº 126/2015 Vitória/ES, 17 de abril de 2015. Aos MM. Juízes de Direito do Estado do Espírito Santo. O Exmo. Sr. Desembargador Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Espírito Santo, no

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 5/2003

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 5/2003 INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 5/2003 Dispõe sobre o limite máximo mensal de encadernações e tiragem de cópias a serem extraídas pelo Setor de Reprografia e Xerox da Seção de Serviços Gerais. O Presidente do

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.745, DE 2006

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.745, DE 2006 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.745, DE 2006 Altera dispositivos da Lei nº 7.347, de 24 de julho de 1985, para instituir o controle judicial sobre os inquéritos civis,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 38, DE 23 DE OUTUBRO DE 2002

RESOLUÇÃO Nº 38, DE 23 DE OUTUBRO DE 2002 INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA Conselho Diretor RESOLUÇÃO Nº 38, DE 23 DE OUTUBRO DE 2002 O CONSELHO DIRETOR DO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA, autarquia

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 15 DE ABRIL DE 2003

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 15 DE ABRIL DE 2003 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 15 DE ABRIL DE 2003 As importações de vegetais, seus produtos, derivados e partes, subprodutos,

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES DECRETO JUDICIÁRIO Nº 1779/ 2013. Dispõe sobre a concessão de férias aos servidores do Quadro Único de Pessoal do Poder Judiciário do Estado de Goiás, o pagamento das vantagens dela decorrentes, sua marcação

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N 001/2016-CGMP

RECOMENDAÇÃO N 001/2016-CGMP RECOMENDAÇÃO N 001/2016-CGMP O CORREGEDOR-GERAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ, com fundamento nos artigo 17, inciso IV, da Lei Federal n 8.625/93 e no artigo 36, inciso IV, da Lei Complementar

Leia mais

CORREGEDORIA-GERAL DA JUSTIÇA PROVIMENTO Nº 15, DE 11 DE JUNHO DE 2012.

CORREGEDORIA-GERAL DA JUSTIÇA PROVIMENTO Nº 15, DE 11 DE JUNHO DE 2012. PROVIMENTO Nº 15, DE 11 DE JUNHO DE 2012. Disciplina a execução das medidas socioeducativas de liberdade assistida e prestação de serviços à comunidade, bem como as de internação e de semiliberdade nas

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 100, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Define os procedimentos de indicação dos representantes do

Leia mais