Análise da Mobilidade das Famílias Portuguesas ESTUDO QUANTITATIVO. Análise da Mobilidade das Famílias Portuguesas. APEME MAIO de 2008.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise da Mobilidade das Famílias Portuguesas ESTUDO QUANTITATIVO. Análise da Mobilidade das Famílias Portuguesas. APEME MAIO de 2008."

Transcrição

1 ESTUDO QUANTITATIVO Análise da Mobilidade das Famílias Portuguesas Análise da Mobilidade das Famílias Portuguesas APEME MAIO de 2008

2 OBJECTIVOS OBJECTIVOS Com o presente estudo pretendeu-se identificar e quantificar os níveis de mobilidade das famílias portuguesas, isto é, a prática de exercício e actividades ao ar livre em contexto familiar, bem como a relevância e predisposição para o desenvolvimento das mesmas. OBJECTIVOS ESPECÍFICOS: 1. Atitudes relativamente à prática de exercício físico em família 1.1 Interesse e relevância da actividade física em família 1.2 Motivações e inibições para a prática de exercício físico em família 1.3 benefícios perceptivos deste tipo de actividades 2. Comportamentos de exercício físico e actividades ao ar livre 2.1 Prática actual de exercício físico (individual e em família / grupo) 2.2 Tipo de actividades praticadas 2.3 Eventuais acompanhantes na prática desportiva 2.4 Regularidade e frequência da prática de exercício físico 2.5 Locais onde praticam estas actividades

3 OBJECTIVOS OBJECTIVOS 3. Avaliação da oferta actual de infra-estruturas de apoio ao exercício físico e actividades ao ar livre 3.1 Avaliação da oferta considerando a zona envolvente de residência 3.2 Responsáveis perceptivos pela implementação / manutenção de espaços para a prática desportiva 3.3 Avaliação da oferta a nível nacional 3.4 Relevância da oferta de equipamentos na perspectiva de mobilizar e motivar para a prática de exercício físico 4. Expectativas face à prática de exercício físico e actividades de ar livre no futuro 4.1 Permeabilidade a um maior desenvolvimento de actividades desportivas em família 4.2 Elementos de motivação para uma maior prática de exercício físico 4.3 Tipo de actividades / equipamentos mais valorizados 4.4 Intenções de utilização de eventuais espaços ao ar livre, caso existissem perto da respectiva área de residência

4 METODOLOGIA METODOLOGIA NATUREZA DO PROJECTO Estudo Quantitativo UNIVERSO Casais com idades entre os 25 e os 45 anos, com filhos, residentes em Portugal MÉTODO DE RECOLHA DE INFORMAÇÃO Entrevistas Telefónicas, suportadas por sistema CATI (Computer Assisted Telephone Interview). As entrevistas tiveram uma duração de, aproximadamente, 15 minutos. O trabalho de campo decorreu entre o dia 18 de Abril e 5 de Maio de Estiveram envolvidos neste projecto uma equipa de 54 entrevistadores. AMOSTRA Realizaram-se 1203 entrevistas, com quotas de selecção nas variáveis sexo e região, considerando uma distribuição proporcional ao Universo. TRATAMENTO DOS DADOS Após verificação e validação dos questionários procedeu-se à análise estatística, com recurso a análises descritivas.

5 AMOSTRA AMOSTRA Sexo Masculino 48% Feminino 52% Idade anos 32% anos 68% Região Norte 35% Centro 17% Lisboa e Vale do 33% Tejo Alentejo 5% Algarve 4% Madeira 3% Açores 3% Nº de Filhos 1 48% 2 45% 3 ou mais 7% Idade dos filhos 0 a 2 anos 20% 3 a 5 anos 25% 6 a 10 anos 33% 11 a 13 anos 14% 14 a 17 anos 13% 18 ou mais anos 8% TOTAL DE ENTREVISTADOS = 1203

6 A AVALIAÇÃO DA OFERTA ACTUAL DE ESPAÇOS DESPORTIVOS AO AR LIVRE

7 A AVALIAÇÃO A AVALIAÇÃO DA OFERTA DA OFERTA DE ESPAÇOS DE ESPAÇOS AO AO AR AR LIVRE LIVRE 57% dos entrevistados concordam com a afirmação DE UMA FORMA GERAL AS CIDADES PORTUGUESAS NÃO TÊM CONDIÇÕES PARA A PRÁTICA DE EXERCÍCIO E ACTIVIDADES AO AR LIVRE 66% dos entrevistados concordam com a afirmação UMA DAS PRINCIPAIS RAZÕES PORQUE AS CRIANÇAS PORTUGUESAS COMEÇAM A TER PROBLEMAS DE OBESIDADE É O FACTO DE NAS CIDADES NÃO HAVER ESPAÇOS AO AR LIVRE ONDE POSSAM CORRER E BRINCAR (n=1203)

8 A AVALIAÇÃO DA OFERTA DE ESPAÇOS AO AR LIVRE (LOCAIS) A AVALIAÇÃO DA OFERTA DE ESPAÇOS AO AR LIVRE (LOCAIS) AVALIAÇÃO DA OFERTA ACTUAL Em que medida é que considera que a sua cidade / zona está bem servida de equipamentos desportivos de ar livre (parques, ciclovias, jardins, etc) 69% 6% 25% 36% 22% 11% Muito bem servida Bem servida Razoavel mente servi da Mal servida Muito mal servida (n=1203) Região Norte e Madeira com avaliações mais positivas PERCEPÇÕES ACERCA DA RESPONSABILIDADE Na sua opinião a quem se deve essa situação? Avaliação positiva Autarquias 87% Administração Central 14% Entidades privadas 6% Avaliação moderada Autarquias 84% Administração Central 15% Entidades privadas 3% Avaliação negativa Autarquias 90% Administração Central 20% Entidades privadas 3% (n=372) (n=432) (n=394)

9 A RELEVÂNCIA DA A RELEVÂNCIA OFERTA DE ESPAÇOS DA OFERTA AO DE AR ESPAÇOS LIVRE PARA AO AR LIVRE PARA A PROMOÇÃO A PROMOÇÃO DO DO EXERCÍCIO FÍSICO 70% dos entrevistados concordam com a afirmação O PROBLEMA DE NÃO SE PRATICAREM MAIS ACTIVIDADES DESPORTIVAS E DE AR LIVRE NÃO É A FALTA DE ESPAÇOS, MAS SIM AS MENTALIDADES E ATITUDES DOS PORTUGUESES FACE A ESTE TEMA Contudo 90% dos entrevistados concordam com a afirmação PARA MUDAR MENTALIDADES E LEVAR A QUE AS PESSOAS PRATIQUEM MAIS EXERCÍCIO FÍSICO É NECESSÁRIO, ANTES DE TUDO, QUE SE CRIEM AS CONDIÇÕES PARA TAL (n=1203)

10 A RELEVÂNCIA E A PREDISPOSIÇÃO PARA UM MAIOR DESENVOLVIMENTO DE ACTIVIDADES DESPORTIVAS AO AR LIVRE

11 AS PRIORIDADES NO MOMENTO ACTUAL AS PRIORIDADES NO MOMENTO ACTUAL Gostaria de começar por lhe referir um conjunto de aspectos e gostaria que me dissesse qual ou quais os que considera que seriam mais relevantes actualmente na sua vida. Utilize, por favor, uma escala de 1 a 10, em que 1 corresponde a nada relevante e 10, muitíssimo relevante. (n=1203)

12 AS INTENÇÕES AS INTENSÕES FACE FACE À ADESÃO À ADESÃO A ESPAÇOS A ESPAÇOS DE DE AR AR LIVRE LIVRE 83% dos entrevistados concordam com a afirmação SE TIVESSE UM ESPAÇO AO AR LIVRE PERTO DE MIM TENHO A CERTEZA QUE TENDERIA A PRATICAR MAIS ACTIVIDADES DE AR LIVRE COM A MINHA FAMÍLIA 80% dos entrevistados concordam com a afirmação SE TIVESSE UM ESPAÇO AO AR LIVRE ONDE PUDESSE PRATICAR ACTIVIDADES DESPORTIVAS PERTO DE MIM TENHO A CERTEZA QUE ACABARIA POR FAZER MAIS EXERCÍCIO FÍSICO (n=1203)

13 AS CONSEQUÊNCIAS PERCEPTIVAS CONSEQUÊNCIAS DO USUFRUTO DOS PERCEPTIVAS ESPAÇOS DO AO USUFRUTO AR LIVRE DOS ESPAÇOS AO AR LIVRE 72% dos entrevistados concordam com a afirmação SE TIVESSE OPORTUNIDADE DE FREQUENTAR ESTE TIPO DE ESPAÇOS, PENSO QUE ACABARIA POR PASSAR MAIS TEMPO COM A FAMÍLIA (n=1203)

14 EXPECTATIVAS FACE A EVENTUAIS NOVOS ESPAÇOS DESPORTIVOS AO AR LIVRE

15 IMPORTÂNCIA ATRIBUÍDA A EVENTUAIS A IMPORTÂNCIA NOVOS ATRIBUÍDA ESPAÇOS A EVENTUAIS AO AR LIVRE NOVOS ESPAÇOS AO AR LIVRE Para terminar até que ponto seria importante para si ter acesso a um espaço ao ar livre onde pudesse praticar exercício físico e passar algum tempo livre com a sua família? (n=1203)

16 TIPO TIPO DE DE EQUIPAMENTOS MAIS MAIS VALORIZADOS NUM ESPAÇO ESPAÇO DESPORTIVO DESPORTIVO AO AR AO LIVRE AR LIVRE E que tipo de equipamentos seriam mais vantajosos para este espaço? Utilize, por favor, uma escala de 1 a 10, em que 1 corresponde a nada importante Em espontâneo (n=1203)

17 INTENÇÕES DE UTILIZAÇÃO INTENÇÕES DE EVENTUAIS DE UTILIZAÇÃO NOVOS ESPAÇOS DE EVENTUAIS AO AR NOVOS LIVRE ESPAÇOS AO AR LIVRE Até que ponto acha que poderia utilizar este tipo de espaços conjuntamente com a sua família? (n=1203)

18 PRINCIPAIS PRINCIPAIS BENEFICIÁRIOS DE DE ESPAÇOS AO AO AR AR LIVRE Vamos supor que perto de si se iria construir um parque com equipamentos desportivos e de lazer para adultos e crianças. Na sua opinião quais os membros da sua família que iriam utilizar mais este espaço? (n=1203)

19 PRINCIPAIS CONCLUSÕES DO ESTUDO

20 ESPAÇOS PARA ACTIVIDADE AO AR LIVRE 69% considera que a sua cidade/zona não está bem servida de equipamentos desportivos ao ar livre 98% considera muito importante ter acesso a um espaço ao ar livre onde pudesse praticar exercício físico e passar o tempo livre com a família 83% concordam que se tivessem um espaço ao ar livre perto da sua residência, praticariam mais actividade ao ar livre com a família 72% refere que se tivessem oportunidade de frequentar este tipo de espaços, passariam mais tempo com a família

21 RESPONSABILIDADE PARA A CRIAÇÃO DOS ESPAÇOS 90% considera que para mudar mentalidades e levar as pessoas a praticarem mais exercício físico é necessário, antes de tudo, que se criem as condições para tal 90% considera que esta responsabilidade é das autarquias

22 PRIORIDADES DOS INQUIRIDOS 1ª - Mais tempo para a família (94%) 2ª - Mais dinheiro (89%) 7ª - Emprego estável (77%) 8ª - Viajar para o estrangeiro (70%)

23 EQUIPAMENTOS MAIS VALORIZADOS Parque Infantil (85%) Circuito Manutenção Seniores (84%)

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS MARÇO DE 2014 JOB0311 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO O principal objetivo desse projeto é levantar a intenção de voto do eleitorado acerca

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária acentuou tendência crescente

Valor médio de avaliação bancária acentuou tendência crescente Dez-14 Jan-15 Fev-15 Mar-15 Abr-15 Mai-15 Jun-15 Jul-15 Ago-15 Set-15 Out-15 Nov-15 Dez-15 Inquérito à Avaliação Bancária na Dezembro de 2015 25 de janeiro de 2016 Valor médio de avaliação bancária acentuou

Leia mais

Eleições 2016 São Paulo

Eleições 2016 São Paulo Eleições 06 São Paulo JOB 6_068 Pesquisa registrada no Tribunal Regional Eleitoral sob o protocolo SP-00908/06 Perfil da Amostra Especificações Técnicas - Pesquisa Quantitativa - Objetivo Levantar um conjunto

Leia mais

Comportamento empreendedor dos alunos em uma Instituição de Ensino Superior. Cristiane Bertolino

Comportamento empreendedor dos alunos em uma Instituição de Ensino Superior. Cristiane Bertolino Comportamento empreendedor dos alunos em uma Instituição de Ensino Superior Cristiane Bertolino Problema de pesquisa A partir da década de 1990 Visão renovada da empreendedorismo Promover o desenvolvimento

Leia mais

Regulamento do Cartão Jovem Municipal Nota justificativa

Regulamento do Cartão Jovem Municipal Nota justificativa Regulamento do Cartão Jovem Municipal Nota justificativa Considerando que o Município do Barreiro tem como princípio o bem-estar, a realização pessoal e a plena participação social dos jovens. Considerando

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS NOVEMBRO/ DEZEMBRO DE 2013 JOB2726-13 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL Trata-se de uma pesquisa de acompanhamento

Leia mais

BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes dos portugueses perante Leitura e o Plano Nacional de Leitura

BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes dos portugueses perante Leitura e o Plano Nacional de Leitura BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes dos portugueses perante Leitura e o Plano Nacional de Leitura António Firmino da Costa Elsa Pegado Patrícia Ávila CIES-ISCTE 2008 BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes

Leia mais

Detalhamento da Pesquisa

Detalhamento da Pesquisa Projeto Voluntariado Brasil 2011 Job 11/0274 09/12/2011 Detalhamento da Pesquisa Contexto: Estudo geral: Estudo específico: Contribuir com a produção de conhecimento em 2001+10, marcando os 10 anos do

Leia mais

GRUPO 4 MOBILIDADE E TRANSPORTES

GRUPO 4 MOBILIDADE E TRANSPORTES GRUPO 4 MOBILIDADE E TRANSPORTES Medidas Propostas Impacto no Município Plano de mobilidade sustentável para os funcionários da autarquia Formação em eco-condução para os gestores de frotas, motoristas

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE BUROCRACIA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE BUROCRACIA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE BUROCRACIA DEZEMBRO DE 2008 JOB12-9 OBJETIVO LOCAL ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA Levantar junto aos eleitores da área em estudo opiniões relacionadas a burocracia

Leia mais

Importância das Marcas

Importância das Marcas Importância das Marcas Dihego Pansini de Souza A marca de uma empresa se coloca como um bem intangível, mas, sem dúvida alguma, é um importante diferencial. Na dinâmica atual do mercado já não é mais possível

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL Rui D. Camolino Lisboa, 9 de Julho 2008 1 AGENDA Projecto MATISSE Conclusões do Projecto A Contribuição da Associação ITS

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PELAS FAMÍLIAS 2001

UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PELAS FAMÍLIAS 2001 Informação à Comunicação Social 15 de Março de 22 UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PELAS FAMÍLIAS 21 No terceiro trimestre de 21, cerca de um quarto das famílias portuguesas - 24%

Leia mais

PROMOÇÃO NOVOS RUMOS

PROMOÇÃO NOVOS RUMOS PROMOÇÃO NOVOS RUMOS ERA UMA VEZ TUDO COMEÇOU DE FORMA INÉDITA por um debate lançado pelo SET sobre o futuro modelo de Promoção Turística RESPOSTA TAMBÉM INÉDITA CTP e associadas AHP, APAVT, AHRESP, APHORT,

Leia mais

ZA5223. Flash Eurobarometer 290 (Attitudes of Europeans Towards the Issue of Biodiversity, wave 2) Country Specific Questionnaire Portugal

ZA5223. Flash Eurobarometer 290 (Attitudes of Europeans Towards the Issue of Biodiversity, wave 2) Country Specific Questionnaire Portugal ZA5223 Flash Eurobarometer 290 (Attitudes of Europeans Towards the Issue of Biodiversity, wave 2) Country Specific Questionnaire Portugal FLASH 290 BIODIVERSITY Q1. Já alguma vez ouviu falar no termo biodiversidade?

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica o que investigam as nossas Universidades? André Mascarenhas

Avaliação Ambiental Estratégica o que investigam as nossas Universidades? André Mascarenhas o que investigam as nossas Universidades? André Mascarenhas MSc Engenharia do Ambiente Área de especialização Avaliação e Gestão Ambiental Faculdade de Ciências e Tecnologia - Universidade do Algarve 1

Leia mais

Fichas técnicas das fontes de informação

Fichas técnicas das fontes de informação Fichas técnicas das fontes de informação Inquérito a Turistas Abril de 2015 Inquérito referente ao Período de Inverno, elaborado pelo Turismo de Portugal. Universo Constituído pelos turistas residentes

Leia mais

RESULTADOS RELATIVOS A GONDOMAR INDICADORES DO «CIDADES»

RESULTADOS RELATIVOS A GONDOMAR INDICADORES DO «CIDADES» RESULTADOS RELATIVOS A GONDOMAR INDICADORES DO «CIDADES» INDICADOR TOTAL QUE ASSINALA O ITEM (N) % NO TOTAL DE INQUIRIDOS Os espaços públicos estão limpos? 28 46% Os espaços públicos são agradáveis? 31

Leia mais

CAF Estrutura Comum de Avaliação para a Qualidade Total das Administrações da União Europeia

CAF Estrutura Comum de Avaliação para a Qualidade Total das Administrações da União Europeia QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO Pais/Encarregados de Educação CAF Estrutura Comum de Avaliação para a Qualidade Total das Administrações da União Europeia Agrupamento de Escolas de Arganil 2º/3º CEB e Secundário

Leia mais

Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio Formulário de candidatura Boas Práticas

Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio Formulário de candidatura Boas Práticas Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio Formulário de candidatura Boas Práticas 1. Identificação do Candidato 1.1. Nome da pessoa/organização: 1.2. Número de identificação (BI ou CC): de / / ou

Leia mais

A Pegada de Carbono do Vinho Alentejano:

A Pegada de Carbono do Vinho Alentejano: : Exemplo de valorização da sustentabilidade Colóquio A Sustentabilidade do setor vitivínicola: Que desafios? @ Lisboa Instituto da Vinha e do Vinho 31-01-2012 bcaldeira@consulai.com TEMAS A ABORDAR ENQUADRAMENTO

Leia mais

BALANÇO E PERSPECTIVAS SOBRE A MOBILIDADE ELÉCTRICA EM PORTUGAL

BALANÇO E PERSPECTIVAS SOBRE A MOBILIDADE ELÉCTRICA EM PORTUGAL BALANÇO E PERSPECTIVAS SOBRE A MOBILIDADE ELÉCTRICA EM PORTUGAL 4. CONFERÊNCIA DA MOBILIDADE URBANA Preparar a Cidade para a Mobilidade do Futuro: Dos Modos Suaves à Mobilidade Eléctrica 17 de Setembro

Leia mais

Escola Secundária de Pinheiro e Rosa. Curso Tecnológico de Desporto. Estágio 12º G

Escola Secundária de Pinheiro e Rosa. Curso Tecnológico de Desporto. Estágio 12º G 12º G Realizado por: Priscila Domingos nº 17 Professor responsável: André Ramos 2010/2011 Índice 1) Introdução... 4 2) Objectivos do... 5 2.1) Objectivos Gerais... 5 2.2) Objectivos Específicos... 5 3)

Leia mais

#PESQUISA CONEXÃO ABAP/RS E O MERCADO PUBLICITÁRIO GAÚCHO NOVEMBRO DE 2015

#PESQUISA CONEXÃO ABAP/RS E O MERCADO PUBLICITÁRIO GAÚCHO NOVEMBRO DE 2015 #PESQUISA CONEXÃO ABAP/RS E O MERCADO PUBLICITÁRIO GAÚCHO NOVEMBRO DE 2015 Metodologia e Perfil da Amostra Quem entrevistamos, como e onde? Perfil Objetivos Tomadores de decisão em Agências de Propaganda

Leia mais

ITECONS. Reabilitação energeticamente eficiente de edifícios urbanos

ITECONS. Reabilitação energeticamente eficiente de edifícios urbanos ITECONS Reabilitação energeticamente eficiente de edifícios urbanos Empresa 18 anos de atividade Cerca de 400 obras realizadas na região centro, Lisboa, Algarve e Trás-os-montes 85 % das obras realizadas

Leia mais

FURG ICEAC UAB Especialização em Gestão Pública Municipal. Disciplina Indicadores Socioeconômicos na gestão pública.

FURG ICEAC UAB Especialização em Gestão Pública Municipal. Disciplina Indicadores Socioeconômicos na gestão pública. FURG ICEAC UAB Especialização em Gestão Pública Municipal Disciplina Indicadores Socioeconômicos na gestão pública Fonte de dados Prof. Tiarajú A. de Freitas Fonte de dados Os indicadores socioeconômicos

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO. Nº trabalhadores. Morada. Código Postal. Pessoa de contacto. Tel.

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO. Nº trabalhadores. Morada. Código Postal. Pessoa de contacto. Tel. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO Empresa. Inserir texto Morada. Nº trabalhadores. Inserir texto Código Postal. Inserir texto E-mail. Inserir texto Pessoa de contacto.

Leia mais

O CONCEITO DO ENDIVIDAMENTO E AS CONSEQUÊNCIAS DA INADIMPLÊNCIA

O CONCEITO DO ENDIVIDAMENTO E AS CONSEQUÊNCIAS DA INADIMPLÊNCIA O CONCEITO DO ENDIVIDAMENTO E AS CONSEQUÊNCIAS DA INADIMPLÊNCIA Fevereiro 2016 INTRODUÇÃO 79,0% dos brasileiros têm concepção equivocada sobre o que é estar endividado 20,2% Compreende o significado real

Leia mais

Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22

Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22 Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22 As tabelas de frequências e os gráficos constituem processos de redução de dados, no entanto, é possível resumir de uma forma mais drástica esses dados

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS E APLICAÇÕES PROF. SILVIA FLORES ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ORÇAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS E APLICAÇÕES PROF. SILVIA FLORES ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ORÇAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS E APLICAÇÕES PROF. SILVIA FLORES ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ORÇAMENTO É um plano administrativo que cobre todas as operações da empresa, para um período de

Leia mais

Mini MBA Gestão Avançada

Mini MBA Gestão Avançada Mini MBA Gestão Avançada FORMAÇÃO PARA EXECUTIVOS Gestão Curso FEXMMBA 10 Dia(s) 66:00 Horas Introdução Os Cursos de Formação para Executivos, promovidos pela Actual Training, têm por finalidade responder

Leia mais

SAÚDE MENTAL, PESQUISAS E PROGRAMAS

SAÚDE MENTAL, PESQUISAS E PROGRAMAS Seminário Motivações para o Início e o Fim do Consumo de Drogas: uma análise das comunidades virtuais relacionadas ao tema SAÚDE MENTAL, PESQUISAS E PROGRAMAS Arthur Guerra de Andrade Coordenação da Área

Leia mais

OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL. Resultados Quantitativos

OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL. Resultados Quantitativos OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL Resultados Quantitativos Outubro 2008 1 METODOLOGIA FICHA TÉCNICA Total da Amostra: 606 Entrevistas telefónicas, realizadas por CATI (computer assisted telephone interview).

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

Perguntas e Respostas Frequentes

Perguntas e Respostas Frequentes Perguntas e Respostas Frequentes (Portaria n.º 644-A/2015, de 24 de agosto) Ano letivo 2015/2016 Relativas a AEC: P1: Nos casos em que os agrupamentos/escolas não agrupadas sejam as entidades promotoras

Leia mais

Março/2016 Março/2016

Março/2016 Março/2016 São Paulo 2030 Março/2016 Março/2016 2 de 80 OBJETIVO Mapear as opiniões e as percepções dos moradores da cidade da São Paulo em relação a temas do cotidiano e à prestação de políticas públicas, bem como

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA O RISCO NA CIDADE DE LISBOA

A EDUCAÇÃO PARA O RISCO NA CIDADE DE LISBOA A EDUCAÇÃO PARA O RISCO NA CIDADE DE LISBOA CORONEL JOAQUIM LEITÃO DIRECÇÃO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL E SOCORRO REGIMENTO DE SAPADORES BOMBEIROS A EDUCAÇÃO PARA O RISCO NA CIDADE DE LISBOA RISCOS NA

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Psicologia Clínica 3. Ciclo

Leia mais

Ciências atuariais aplicadas à previdência

Ciências atuariais aplicadas à previdência Ciências atuariais aplicadas à previdência Máris Caroline Gosmann Prof. Coordenadora do Curso de Ciências Atuariais da UFRGS Atuária, Economista e Nutricionista Mestre em Atuária PESQUISAS CEGOV: Centro

Leia mais

Transições familiares Processos biológicos X psicológicos adaptativos Bárbara Figueiredo bbfi@psi.uminho.pt

Transições familiares Processos biológicos X psicológicos adaptativos Bárbara Figueiredo bbfi@psi.uminho.pt Transições familiares Processos biológicos X psicológicos adaptativos Bárbara Figueiredo bbfi@psi.uminho.pt Background: Processos biológicos e psicológicos (comportamentos, emoções e representações) colaboram

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO Manual de GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia

Leia mais

SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas. Barreiras 60m barreiras 80m barreiras (F) 100m barreiras (M) 250m barreiras Meio-Fundo

SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas. Barreiras 60m barreiras 80m barreiras (F) 100m barreiras (M) 250m barreiras Meio-Fundo PROGRAMA DE PROVAS DOS ESCALÕES JOVENS VERSÃO FINAL (Infantis, Iniciados e juvenis) SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas 60m 150m 4x 60m 80m 250m 4x 80m 100m 200m 300m 4x 100m Barreiras

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Évora, 9 de setembro de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo

Leia mais

Educador Ambiental. Curso de Formação. Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com

Educador Ambiental. Curso de Formação. Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com 1 Curso de Formação Educador Ambiental 2009 Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com 2 Curso de Formação: Educador Ambiental Índice: 1 Apresentação da entidade formadora e de Coordenação do Curso 2

Leia mais

Contamos consigo para levar a nossa Energia mais longe...

Contamos consigo para levar a nossa Energia mais longe... Contamos consigo para levar a nossa Energia mais longe... Responsabilidade Social na Galp Energia Responsabilidade Social na Galp Energia COLABORADORES ESPECIALISTAS PÚBLICO EM GERAL A Galp Energia foi

Leia mais

[DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO]

[DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO] [DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO] INDICADOR REGIONAL DE LISBOA LISBON INDEX A Comissão Europeia (CE) divulgou recentemente os resultados de um novo índice que produziu o Indicador Regional de Lisboa

Leia mais

Economia da SHT. Custos e benefícios da segurança

Economia da SHT. Custos e benefícios da segurança Metodologia de Diagnóstico e Elaboração de Relatório FASHT Economia da SHT Prof. Cesaltina Pires cpires@uevora.pt Custos e benefícios da segurança Benefício de aumentar a segurança: Redução na probabilidade

Leia mais

RESULTADOS RELATIVOS A ALFÂNDEGA DA FÉ INDICADORES DO «CIDADES» (N = 314)

RESULTADOS RELATIVOS A ALFÂNDEGA DA FÉ INDICADORES DO «CIDADES» (N = 314) RESULTADOS RELATIVOS A ALFÂNDEGA DA FÉ INDICADORES DO «CIDADES» (N = 314) INDICADORES N % do total Os espaços públicos estão limpos? 240 77,92% Os espaços públicos são agradáveis? 256 83,12% Os espaços

Leia mais

Ciclo Completo de Gestão de Recursos Humanos

Ciclo Completo de Gestão de Recursos Humanos Gestão de Recursos Humanos Ciclo Completo de Gestão de Recursos Humanos Ciclo Completo de Gestão de Recursos Humanos Gestão de Recursos Humanos Ref #GRH090 Nº Horas: 48 h Nº de Dias: 8 dias Hora de Início:

Leia mais

Impacte da Lei de Prevenção do Tabagismo* na população de Portugal Continental

Impacte da Lei de Prevenção do Tabagismo* na população de Portugal Continental Impacte da Lei de Prevenção do Tabagismo* na população de Portugal Continental * Lei n.º 37/2007, de 14 de Agosto Direcção-Geral da Saúde com a colaboração do INSA Acompanhamento estatístico e epidemiológico

Leia mais

União das Freguesias de Aljustrel e Rio de Moinhos

União das Freguesias de Aljustrel e Rio de Moinhos União das Freguesias de Aljustrel e Rio de Moinhos Regulamento Do Serviço Vamos até Si 2014. Regulamento do serviço Vamos Até Si 1 Regulamento do Serviço Vamos até Si Preâmbulo Vamos até si é um serviço

Leia mais

PROPRIEDADE (Shavell 2-7, Cooter 4-5)

PROPRIEDADE (Shavell 2-7, Cooter 4-5) PROPRIEDADE (Shavell 2-7, Cooter 4-5) Existência de direitos de propriedade Partilha de Direitos de propriedade Público vs Privado Transferência de direitos Propriedade pública Intervenção pública Propriedade

Leia mais

4. Análise de Tarefas

4. Análise de Tarefas Interacção com o Utilizador 4. Análise de Tarefas Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Identificar necessidades e problemas dos utilizadores Avaliar solução Conceber uma solução Prototipar

Leia mais

LISTA DOCUMENTOS E REGISTOS ISO 22000:2005

LISTA DOCUMENTOS E REGISTOS ISO 22000:2005 4.1. Requisitos Gerais 4.2. Requisitos da Documentação 4.2.1 4.2.2. Controlo de Documentos Definição do Âmbito SGSA (Manual SGSA...) Controlo processos subcontratados (Instruções, contratos cadernos de

Leia mais

Regulamento para a Atribuição de Equipamentos de Comunicações Móveis do Instituto Politécnico de Leiria (IPL)

Regulamento para a Atribuição de Equipamentos de Comunicações Móveis do Instituto Politécnico de Leiria (IPL) Regulamento para a Atribuição de Equipamentos de Comunicações Móveis do Instituto Politécnico de Leiria (IPL) Considerando: a) O Decreto-Lei n.º 14/2003, de 30 de Janeiro, que regulada a matéria respeitante

Leia mais

CONTRIBUTO E PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À LEI DO CINEMA PELA ASSOCIAÇÃO DE PRODUTORES DE CINEMA

CONTRIBUTO E PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À LEI DO CINEMA PELA ASSOCIAÇÃO DE PRODUTORES DE CINEMA NOTA PRÉVIA ESTE CONTRIBUTO DA APC É COMPLEMENTAR DO QUE ESTA ASSOCIAÇÃO SUBSCREVEU EM CONJUNTO COM OUTRAS ASSOCIAÇÕES E NÃO SE TRATA DE UMA PROPOSTA DE LEI NOVA MAS SIM UMA ANÁLISE À PROPOSTA DE LEI DA

Leia mais

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Capítulo I Âmbito Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define o regime de acesso aos apoios concedidos pelo Programa Operacional de Assistência Técnica

Leia mais

SUPERMERCADOS: AS MUDANÇAS NA ROTINA DO CONSUMIDOR DA GRANDE VITÓRIA

SUPERMERCADOS: AS MUDANÇAS NA ROTINA DO CONSUMIDOR DA GRANDE VITÓRIA SUPERMERCADOS: AS MUDANÇAS NA ROTINA DO CONSUMIDOR DA GRANDE VITÓRIA Simone Vermeuln Desde 2009, os supermercados em todo o Espírito Santo não abrem as suas portas aos domingos. Na época em que foi estabelecido

Leia mais

UM CASO DE UTILIZAÇÃO DA ABORDAGEM PROSPECTIVA VOLTADA PARA INSTITUIÇÕES DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO

UM CASO DE UTILIZAÇÃO DA ABORDAGEM PROSPECTIVA VOLTADA PARA INSTITUIÇÕES DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO UM CASO DE UTILIZAÇÃO DA ABORDAGEM PROSPECTIVA VOLTADA PARA INSTITUIÇÕES DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO ROTEIRO Atitude estratégica e Cenários. Síntese da abordagem metodológica utilizada. Projeto para a

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA PLANO DE ATIVIDADES 2012 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA DESENVOLVIMENTO DA PRÁTICA DESPORTIVA ALTO RENDIMENTO E SELEÇÕES NACIONAIS FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS MARKETING, COMUNICAÇÃO & IMAGEM 1.-

Leia mais

Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra

Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra WORKSHOP Combustíveis e veículos alternativos Práticas correntes e futuras linhas de orientação política para o transporte de passageiros (Projecto Alter-Motive) Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra

Leia mais

FACULDADE LUCIANO FEIJÃO COMISSÃO DE ÉTICA EM USO DE ANIMAIS CEUA PROTOCOLO PARA USO DE ANIMAIS EM AULAS PRÁTICAS IDENTIFICAÇÃO

FACULDADE LUCIANO FEIJÃO COMISSÃO DE ÉTICA EM USO DE ANIMAIS CEUA PROTOCOLO PARA USO DE ANIMAIS EM AULAS PRÁTICAS IDENTIFICAÇÃO Página 1 N o CEUA FACULDADE LUCIANO FEIJÃO CEUA IDENTIFICAÇÃO (deve ser submetido um protocolo para cada aula) Disciplina(s) e curso(s) em que esta aula será ministrada: Nível: PROFESSOR RESPONSÁVEL Nome:

Leia mais

Administração Pública Central Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação Resultados 2000

Administração Pública Central Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação Resultados 2000 Administração Pública Central Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação Resultados 2000 NOTA TÉCNICA Universo de referência Organismos da Administração Pública Central Realização

Leia mais

Aula 3 Distribuição de Frequências.

Aula 3 Distribuição de Frequências. 1 Estatística e Probabilidade Aula 3 Distribuição de Frequências. Professor Luciano Nóbrega Distribuição de frequência 2 Definições Básicas Dados Brutos são os dados originais que ainda não foram numericamente

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PROFISSONAIS PLANIFICAÇÃO

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PROFISSONAIS PLANIFICAÇÃO NÚMERO DE SESSÕES 5 DURAÇÃO DAS SESSÕES 1,5 Hora DESTINATÁRIOS Indivíduos em situação de desemprego, que apresentam défice de competências profissionais CONTEÚDOS DO PROGRAMA 1- BALANÇO PESSOAL - Apresentação

Leia mais

Planeamento. Avaliação

Planeamento. Avaliação Planeamento e Avaliação Planeamento e Avaliação Definição de Planeamento Fases de Planeamento Plano vs Projecto Relatório O quê? PLANEAMENTO Planear uma actividade, evento ou projecto, significa responder

Leia mais

Meditação Laica Educacional uma experiência de transformação. Professor Marcelo Galvan Escola Municipal Presidente Antônio Carlos 9ª CRE

Meditação Laica Educacional uma experiência de transformação. Professor Marcelo Galvan Escola Municipal Presidente Antônio Carlos 9ª CRE Meditação Laica Educacional uma experiência de transformação Professor Marcelo Galvan Escola Municipal Presidente Antônio Carlos 9ª CRE RESUMO O presente trabalho apresenta os resultados da aplicação da

Leia mais

Provimento Emergencial

Provimento Emergencial Ampliação e Melhoria da Infraestrutura Provimento Emergencial Formação para o SUS VÍDEO Ampliação e Melhoria da Infraestrutura Recursos aprovados para 26.00 mil obras de construção, ampliação e reforma

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE TÉNIS DE MESA DE LISBOA CAMPEONATO DISTRITAL DE EQUIPAS SENIORES MASCULINOS DIVISÃO 2. 1.ª Volta

ASSOCIAÇÃO DE TÉNIS DE MESA DE LISBOA CAMPEONATO DISTRITAL DE EQUIPAS SENIORES MASCULINOS DIVISÃO 2. 1.ª Volta CAMPEONATO DISTRITAL DE EQUIPAS SENIORES MASCULINOS DIVISÃO 2 CALENDÁRIO DE JOGOS 2015 2016 NO CLUBE NO CLUBE 1 Progresso Clube B 6 SR São Marcos B 2 Desportivo Monte Real B 7 Câmara Lisboa Clube B 3 CCD

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ELEIÇÕES 2016

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ELEIÇÕES 2016 PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ELEIÇÕES 2016 DEZEMBRO DE 2015 JOB1629 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO O principal objetivo desse projeto é levantar opiniões sobre as eleições municipais

Leia mais

JOVEM AGRICULTOR/JOVEM EMPRESÁRIO RURAL

JOVEM AGRICULTOR/JOVEM EMPRESÁRIO RURAL JOVEM AGRICULTOR/JOVEM EMPRESÁRIO RURAL AJAP Associação dos Jovens Agricultores de Portugal José Firmino B. Cordeiro 21/01/11 Idanha-a-Nova Estrutura Jovens Agricultores / Jovens Empresários Rurais Considerações

Leia mais

PROGRAMA. Curso: Administração 2012/1 Disciplina: Psicologia Aplicada a Administração. Carga Horária: 60 horas

PROGRAMA. Curso: Administração 2012/1 Disciplina: Psicologia Aplicada a Administração. Carga Horária: 60 horas UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas Departamento de Administração Av. Fernando Ferrari, 514 - Campus Universitário - Goiabeiras CEP. 29075.910 -ES Brasil- Tel.

Leia mais

PRÊMIO GESTÃO AMBIENTAL NO BIOMA AMAZÔNIA. 1 a Edição 2015/2016 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO

PRÊMIO GESTÃO AMBIENTAL NO BIOMA AMAZÔNIA. 1 a Edição 2015/2016 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO PRÊMIO GESTÃO AMBIENTAL NO BIOMA AMAZÔNIA 1 a Edição 2015/2016 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Realização Apoio Forneça as informações a seguir para participar da 1ª edição 2015/2016 do Prêmio Gestão Ambiental

Leia mais

ZA5617. Flash Eurobarometer 334 (Survey on the Attitudes of Europeans Towards Tourism in 2012) Country Questionnaire Portugal

ZA5617. Flash Eurobarometer 334 (Survey on the Attitudes of Europeans Towards Tourism in 2012) Country Questionnaire Portugal ZA567 Flash Eurobarometer 334 (Survey on the Attitudes of Europeans Towards Tourism in 0) Country Questionnaire Portugal FL334 - European's Attitudes towards Tourism - PT D Poderia dizer-me a sua idade?

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CANCRO: 4/2/2015 ONCOLOGIA NA RAM - RELATÓRIO INFOGRÁFICO

DIA MUNDIAL DO CANCRO: 4/2/2015 ONCOLOGIA NA RAM - RELATÓRIO INFOGRÁFICO 1. CARACTERIZAÇÃO DA MORTALIDADE 1.1 Principais causas de morte, 2010-2013, RAM 1.2 Taxa de mortalidade padronizada (/100.000 hab), Região (RAM, RAA e Portugal), 2009 a 2012 Fonte: Estatísticas da Saúde,

Leia mais

Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos (LRH)

Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos (LRH) UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos (LRH) Maputo, Julho de 2015

Leia mais

CONTRIBUTOS DA NOVA REGULAMENTAÇÃOPARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFÍCIOS. alinedelgado@quercusancn.org quercus@quercus.pt www.quercus.

CONTRIBUTOS DA NOVA REGULAMENTAÇÃOPARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFÍCIOS. alinedelgado@quercusancn.org quercus@quercus.pt www.quercus. CONTRIBUTOS DA NOVA REGULAMENTAÇÃOPARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFÍCIOS Quercus alinedelgado@quercusancn.org quercus@quercus.pt www.quercus.pt Directiva 2002/91/CE, de 16 de Dezembro de 2002 : -Aumentar

Leia mais

Etiquetagem Energética de Elevadores ABRIL 2015

Etiquetagem Energética de Elevadores ABRIL 2015 Etiquetagem Energética de Elevadores ABRIL 2015 Conteúdos Os elevadores em Portugal O Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos (SEEP) A etiquetagem energética de elevadores Aderir ao SEEP Próximos

Leia mais

7as JORNADAS DE CLIMATIZAÇÃO Lisboa, 8 de Novembro de 2007

7as JORNADAS DE CLIMATIZAÇÃO Lisboa, 8 de Novembro de 2007 7as JORNADAS DE CLIMATIZAÇÃO Lisboa, 8 de Novembro de 2007 1 Se se fecham cozinhas e restaurantes por falta de limpeza, como nos podemos permitir essa falta de limpeza no ar que respiramos todos os dias

Leia mais

Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação. Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015

Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação. Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015 Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015 Conceito Política de Comunicação é o conjunto sistematizado de princípios, valores,

Leia mais

IX CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CMDCA CAMPINAS II ENCONTRO ESTADUAL DE GESTORES MUNICIPAIS DE CONVÊNIO

IX CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CMDCA CAMPINAS II ENCONTRO ESTADUAL DE GESTORES MUNICIPAIS DE CONVÊNIO II ENCONTRO ESTADUAL DE GESTORES MUNICIPAIS DE CONVÊNIO FUNDO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE FIA O Estatuto da Criança e Adolescente - ECA estabelece a Política de Atendimento a Criança e Adolescente:

Leia mais

Estatística Lousã, 07 de Março de 2008

Estatística Lousã, 07 de Março de 2008 Estatística Lousã, 07 de Março de 08 A estatística é um ramo da Matemática que nos ajuda a recolher, organizar e interpretar dados para tirar conclusões e fazer previsões. Recolha, organização e representação

Leia mais

FICHA TÉCNICA PARA O DEPÓSITO DE SONDAGEM (de acordo com o artigo 6º da Lei nº 10/2000 de 21 de Junho)

FICHA TÉCNICA PARA O DEPÓSITO DE SONDAGEM (de acordo com o artigo 6º da Lei nº 10/2000 de 21 de Junho) FICHA TÉCNICA PARA O DEPÓSITO DE SONDAGEM (de acordo com o artigo 6º da Lei nº 10/2000 de 21 de Junho) 1. Entidade responsável pela realização da sondagem: - EUROSONDAGEM Estudos de Opinião, S. A. - Av.

Leia mais

Regulamento das Bolsas PARSUK Xperience 2014

Regulamento das Bolsas PARSUK Xperience 2014 Regulamento das Bolsas PARSUK Xperience 2014 1. Parte 1 Objectivos, valor e designação das bolsas 1.1. O programa PARSUK Xperience pretende dar a oportunidade a alunos de licenciatura ou mestrado em Portugal

Leia mais

Proposta do Projeto de Desenvolivmento

Proposta do Projeto de Desenvolivmento Kara Miller RA: 074652 Métodos e Técnicas de Pesquisa em Midialogia Professor José A. Valente Introdução: Proposta do Projeto de Desenvolivmento Agradecer a alguém é algo que muitas pessoas fazem sem pensar.

Leia mais

O QUE PENSAM OS PORTUGUESES SOBRE O ESTADO SOCIAL? Resultados de um inquérito por questionário

O QUE PENSAM OS PORTUGUESES SOBRE O ESTADO SOCIAL? Resultados de um inquérito por questionário O QUE PENSAM OS PORTUGUESES SOBRE O ESTADO SOCIAL? Resultados de um inquérito por questionário O Inquérito Este inquérito analisa atitudes sociais sobre o Estado Social em Portugal. A informação recolhida

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO - TOR/OEI/MEC/FNDE/DIPRO/

Leia mais

Edital. Ref. 484.5/2016 Pág. 1/5

Edital. Ref. 484.5/2016 Pág. 1/5 Universidade de Évora Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade de Lisboa - Instituto Superior de Ciências Sociais e Poĺıticas Universidade de Lisboa - Instituto

Leia mais

Sondagem O Futuro da ADSE

Sondagem O Futuro da ADSE Sondagem ADSE Junho 2016 Sondagem O Futuro da ADSE Com o apoio científico da 1 Metodologia 1 FICHA TÉCNICA DESTINADA A PUBLICAÇÃO E ELABORADA DE ACORDO COM UM MODELO PROPOSTO À ERC PARA A IMPRENSA FICHA

Leia mais

DOCUMENTO METODOLÓGICO

DOCUMENTO METODOLÓGICO DOCUMENTO METODOLÓGICO Operação Estatística Estatísticas dos Centros de Arbitragem Código: 486 Versão: 1.0 Abril de 2010 1 INTRODUÇÃO A operação estatística relativa aos Centros de Arbitragem tem como

Leia mais

Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes

Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes Nesta aula iremos aprender sobre o conceito, as causas e as consequências da obesidade e a importância da atividade física para a prevenção e controle desta

Leia mais

Adaptação com Base na Comunidade Lista de Controlo do Plano de Implementação do Projecto

Adaptação com Base na Comunidade Lista de Controlo do Plano de Implementação do Projecto Adaptação com Base na Comunidade Lista de Controlo do Plano de Implementação do Projecto Contexto do Projecto Contexto Ambiental Descrever as calamidades climáticas presentes (eventos e condições) afectando

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular BIOMECÂNICA I Ano Lectivo 2016/2017

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular BIOMECÂNICA I Ano Lectivo 2016/2017 Programa da Unidade Curricular BIOMECÂNICA I Ano Lectivo 2016/2017 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular BIOMECÂNICA

Leia mais

Prioridades de capacitação em saúde da comunidade nos cuidados de saúde primários: um estudo com os ACES de Almada Seixal e Cascais

Prioridades de capacitação em saúde da comunidade nos cuidados de saúde primários: um estudo com os ACES de Almada Seixal e Cascais Prioridades de capacitação em saúde da comunidade nos cuidados de saúde primários: um estudo com os ACES de Almada Seixal e Cascais Capacitação em saúde como prioridade A capacitação dos cidadãos em saúde

Leia mais

09/04/2014 GECE - UFF

09/04/2014 GECE - UFF 09/04/2014 GECE -UFF 1 Análise Macroeconômica www.vitorwilher.com 2 Sumário Algumas provocações Por que capitalismo de Estado? Um pouco de economia Um pouco de conjuntura brasileira Algumas correlações

Leia mais

14º Encontro CEAR PERSPECTIVA REGULAMENTAR EM MATÉRIA DE PUBLICIDADE E TRANSPARÊNCIA MEDICAMENTOS E PRODUTOS DE SAÚDE

14º Encontro CEAR PERSPECTIVA REGULAMENTAR EM MATÉRIA DE PUBLICIDADE E TRANSPARÊNCIA MEDICAMENTOS E PRODUTOS DE SAÚDE PERSPECTIVA REGULAMENTAR EM MATÉRIA DE PUBLICIDADE E TRANSPARÊNCIA MEDICAMENTOS E PRODUTOS DE SAÚDE Ricardo Coimbra 11 de Dezembro de 2014 Hotel Real Palácio, Lisboa Agenda A Sociedade e a IF Enquadramento

Leia mais

Técnicas Laboratoriais Ensaios Destrutivos

Técnicas Laboratoriais Ensaios Destrutivos UFCD 5817 09-02-2015 Técnicas Laboratoriais Ensaios Destrutivos Reflexão Nesta UFCD começamos por abordar os diferentes tipos de ensaios destrutivos, interpretar as normas e tabelas para cada um dos ensaios

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 95/VIII COMBATE À INSEGURANÇA E VIOLÊNCIA EM MEIO ESCOLAR

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 95/VIII COMBATE À INSEGURANÇA E VIOLÊNCIA EM MEIO ESCOLAR PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 95/VIII COMBATE À INSEGURANÇA E VIOLÊNCIA EM MEIO ESCOLAR A preocupação com o aumento e as características dos múltiplos episódios de violência vividos na e pela comunidade escolar

Leia mais

Relatório de Actividades. Ano 2006. Rede Social de Lagos

Relatório de Actividades. Ano 2006. Rede Social de Lagos Relatório de Actividades Ano 2006 Rede Social de Lagos Núcleo Executivo e CLAS- Conselho Local de Acção Social Núcleo Executivo - 27 Reuniões de Trabalho Actividades (Trabalho de planificação, concepção,

Leia mais