WILSON DUTRA SAMPAIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "WILSON DUTRA SAMPAIO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA USO DE TDMoIP COMO ALTERNATIVA PARA BROADCASTING EM APLICAÇÕES IPTV WILSON DUTRA SAMPAIO ORIENTADOR: DOUTOR PAULO HENRIQUE PORTELA DE CARVALHO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM ENGENHARIA ELÉTRICA PUBLICAÇÃO PPGENE.DM 283 A/06 BRASÍLIA/DF: OUTUBRO /2006

2 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA USO DE TDMoIP COMO ALTERNATIVA PARA BROADCASTING EM APLICAÇÕES IPTV WILSON DUTRA SAMPAIO DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE. APROVADA POR: Prof o Paulo Henrique Portela de Carvalho, Docteur, ENE/UnB (Orientador) Rodrigo Pinto Lemos, Doutor, EEE, UFG (Examinador Externo) Paulo Roberto de Lira Gondim, Doutor, ENE/UnB (Examinador Interno) BRASÍLIA, 30 DE OUTUBRO ii

3 FICHA CATALOGRÁFICA SAMPAIO, WILSON DUTRA Uso de TDMoIP como alternativa para broadcasting em aplicações IPTV [Distrito Federal] xxii, 253p.,297 mm (ENE/FT/UnB, Mestre, Engenharia Elétrica, 2006). Dissertação de Mestrado Universidade de Brasília. Faculdade de Tecnologia. Departamento de Engenharia Elétrica. 1. TDM sobre IP 2. Emulação de Circuitos 3. Convergência de Redes 4. Transmissão Digital de Vídeo 5. IPTV 6. Vídeo on-demand I. ENE/FT/UnB II. Título (série) REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA SAMPAIO, WILSON DUTRA (2006). Uso de TDMoIP como alternativa para broadcasting em aplicações IPTV, Dissertação de Mestrado. Publicação PPGENE.DM-283 A/06. Departamento de Engenharia Elétrica, Universidade de Brasília, Brasília, DF, 190 p. CESSÃO DE DIREITOS AUTOR: Wilson Dutra Sampaio TÍTULO: Uso de TDMoIP como alternativa para broadcasting em aplicações IPTV GRAU: Mestre ANO: 2006 É concedida à Universidade de Brasília permissão para reproduzir cópias desta dissertação de mestrado e para emprestar ou vender tais cópias somente para propósitos acadêmicos e científicos. O autor reserva outros direitos de publicação e nenhuma parte dessa dissertação de mestrado pode ser reproduzida sem autorização por escrito do autor. Wilson Dutra Sampaio QRSW4 BL A-3 - Apto 306, Setor Sudoeste Brasília DF - Brasil iii

4 AGRADECIMENTOS À Brasil Telecom e aos meus gerentes e diretores ao longo dos últimos três anos, pelo apoio e flexibilização no horário de trabalho, que me proporcionaram essa grande oportunidade de enriquecimento pessoal e profissional. Ao meu orientador Paulo Henrique Portela de Carvalho, pelo apoio durante a execução do trabalho e pela grande paciência, aceitando que o trabalho fosse conduzido dentro do ritmo possível em função das atividades da Brasil Telecom. Aos colegas do LabCom Roque, Georges, Priscila, Martin e Eduardo, pela ajuda com os equipamentos, configuração das redes e utilização das instalações, além do companheirismo e da convivência diária. Aos graduandos Diego, Fabrício, Márcio, Sérgio e Breno, pelo apoio na configuração dos roteadores, desenvolvimento das classes e rotinas em Java e utilização do Analisador. À RAD do Brasil, na pessoa do Sr. Oscar Calderón Prager, pela cessão dos equipamentos IP-mux para demonstração, bem como acesso à documentação associada. iv

5 Para Julhiana e Viviani, cada uma na sua época, que se viram privadas de mim por tanto tempo e de tantas formas durante a realização desse trabalho. v

6 RESUMO USO DE TDMoIP APLICAÇÕES IPTV COMO ALTERNATIVA PARA BROADCASTING EM Autor: Wilson Dutra Sampaio Orientador: Paulo Henrique Portela de Carvalho Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica Brasília, outubro de 2006 O presente trabalho estuda as tecnologias de emulação de circuitos TDM sobre redes de pacotes, desenvolvidas como alternativa às aplicações VoIP para preservar os investimentos nas redes atuais. Com base nesse estudo, é proposta a utilização de circuitos TDM emulados como alternativa de baixo custo para transmissão vídeo digital, caracterizando uma aplicação IPTV com características diferentes das usuais. Em seu desenvolvimento, são propostos novos mecanismos para o seqüenciamento de pacotes e a recuperação do relógio de transmissão no receptor, que são descritos e validados através de simulação no MatLab e Simulink, bem como parcialmente implementados através de uma aplicação desenvolvida em Java, submetida à avaliação experimental na rede IP do LabCom/UnB. O trabalho apresenta também os resultados experimentais obtidos com a utilização de uma aplicação comercial TDMoIP, desenvolvida pela RAD, utilizada para emular um circuito E1 no entroncamento de uma central de comutação Trópico-RA, analisado sob diversas condições, incluindo o ponto de vista da central em relação à qualidade do enlace e o estudo comparativo com a aplicação Java desenvolvida. vi

7 ABSTRACT TDMoIP AS AN ALTERNATIVE FOR BROADCASTING IN IPTV APPLICATIONS Author: Wilson Dutra Sampaio Supervisor: Paulo Henrique Portela de Carvalho Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica Brasília, outubro de 2006 This work presents new technologies for TDM emulation over packet networks, as an alternative to VoIP applications, saving network investments. After that, it proposes TDM pseudo-wires as an option to reduce digital video transmission costs, introducing a new kind of IPTV application. The work proposes new algorithms to improve solutions to TDM over IP main challenges: packet-sequence processing and clock-recovery at receiver. These algorithms are described and implemented using simulation at MatLab and Simulink, and tested using a simple Java-based application to deploy TDM over IP on a real network at LabCom/UnB. Moreover, it also presents experimental results from a commercial solution for TDMoIP technology, developed by RAD Data Communications, Inc. and used to deploy trunk E1 circuits for a Trópico-RA voice switch, in several conditions, analyzing pseudo-wire behavior and link quality as viewed by that switch. Finally, this work provides a comparison between that and proposed solution. vii

8 SUMÁRIO 1 - INTRODUÇÃO E MOTIVAÇÕES EMULAÇÃO DE CIRCUITOS TDM EM REDES IP A EMULAÇÃO DE CIRCUITOS EM REDES DE PACOTES O conceito de emulação de circuitos em redes de pacotes Modelo de referência PWE3 para sincronização de rede As diversas propostas de emulação de circuitos TDM sobre PSN SERVIÇOS TDM SOBRE IP Diferenças essenciais entre as redes TDM e redes IP Transporte de serviços TDM através de redes IP Implementação de pseudo-circuitos TDM PROPOSTA DE EVOLUÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO TDMOIP A Implementação TDMoIP da RAD O novo mecanismo proposto para seqüenciamento de pacotes O mecanismo alternativo proposto para sincronização TDM COMPARAÇÃO ENTRE AS TECNOLOGIAS TDMOIP E VOIP Semelhanças entre as tecnologias Sensibilidade às perdas de pacotes Eficiência de utilização da largura de banda Complexidade computacional Latência e requisitos para transporte do tráfego de voz PRINCIPAIS APLICAÇÕES TDM SOBRE IP E ETHERNET Entroncamento de voz e extensão de circuitos Circuitos E1/T1 sobre redes de pacotes como rede de acesso local Serviços de linha dedicada E1/T1 sobre redes de pacotes Backbone para redes móveis sobre rede se pacotes viii

9 3 - ALTERNATIVA TDMoIP PARA BROADCASTING IPTV A TRANSMISSÃO DE VÍDEO DIGITAL OS PADRÕES DE CODIFICAÇÃO DE VÍDEO Os padrões H.261 e MPEG O padrão H.262 ou MPEG-2 Vídeo O padrão H O padrão H.264 ou MPEG-4 Vídeo SERVIÇOS IPTV: CARACTERÍSTICAS E REQUISITOS TECNOLOGIAS PARA TRANSMISSÃO IPTV E VoD ADEQUAÇÃO TDMOIP PARA TRANSMISSÃO DE VÍDEO Fragmentação do fluxo de vídeo em pacotes Absorção de PDV na transmissão IPTV Sincronização dos receptores na transmissão IPTV IMPLEMENTAÇÃO E RESULTADOS EXPERIMENTAIS MODELAGEM TDMoIP UTILIZANDO MATLAB E SIMULINK Modelagem TDMoIP no MatLab e Simulink Simulação MatLab do algoritmo de seqüenciamento de pacotes Simulação Simulink do PLL para sincronização do receptor EXPERIMENTAÇÃO TDMoIP NA REDE LABCOM/UnB Definição da topologia e configuração da rede LabCom Estudo e configuração dos equipamentos RAD IPmux Estudo e configuração da central Trópico-RA Ensaios de desempenho TDMoIP IMPLEMENTAÇÃO TDMOIP EM JAVA Desenvolvimento das ferramentas de transmissão e recepção Ensaios de desempenho TDMoIP ANÁLISE DOS RESULTADOS EXPERIMENTAIS Desempenho do algoritmo de seqüenciamento de pacotes Desempenho do PLL para sincronização do receptor Desempenho do IPMux-11 na emulação de um enlace TDM Análise comparativa ente IPmux-11 e aplicação Java ix

10 5 CONCLUSÕES E TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE A ARQUITETURA PWE3... A1 A.1 - TERMINOLOGIA UTILIZADA NA ARQUITETURA PWE3... A1 A.2 - PROTOCOLOS UTILIZADOS NA ARQUITETURA PWE3... A9 A.3 - TIPOS DE FLUXOS DE DADOS NA ARQUITETURA PWE3... A10 A.4 - PILHA DE PROTOCOLOS NA ARQUITETURA PWE3... A13 A.5 - DETECÇÃO DE ERROS EM PWE3... A22 A.6 - CONGESTIONAMENTO EM PWE3... A23 A.7 - PLANO DE CONTROLE DA ARQUITETURA PWE3... A24 A.8 - IMPLEMENTAÇÃO DA ARQUITETURA PWE3 SOBRE IP... A25 APÊNDICE B REQUISITOS PWE3... A29 B.1 - REQUISITOS GERAIS PARA PWE3... A29 B.2 - REQUISITOS PARA PWE3 EMULANDO SERVIÇOS TDM... A35 APÊNDICE C ESPECIFICAÇÕES TDMoIP... A41 C.1 SUBCAMADA DE ENCAPSULAMENTO... A41 C.2 SUBCAMADA DE ADAPTAÇÃO... A52 C.3 SERVIÇOS TDM EMULADOS... A60 C.4 GERENCIAMENTO DE FALHAS... A64 APÊNDICE D PROCESSAMENTO DO NÚMERO DE SEQÜENCIA... A69 APÊNDICE E LISTAGEM DE FUNÇÕES MATLAB... A73 E.1 FUNÇÃO PARA SIMULAÇÃO DE PACOTES COM O ALGORITMO IETF... A73 E.2 FUNÇÃO PARA SIMULAÇÃO DE PACOTES COM O NOVO ALGORITMO... A75 x

11 LISTA DE TABELAS Tabela Escala de notas da avaliação subjetiva MOS... 1 Tabela Custos mensais dos produtos Brasil Telecom para voz e dados Tabela Comparação entre as propostas para transporte TDM sobre PSN Tabela Duração das amostras TDM para cada tamanho do pacote de dados Tabela Amostras de voz por tecnologia e codificador utilizado Tabela Overhead e taxa efetiva por tecnologia e codificador utilizado Tabela Efeito do atraso na qualidade do sinal de voz Tabela Especificações de latência máxima para redes públicas e privadas Tabela Latência fixa por tecnologia e codificador utilizado Tabela Comparação de requisitos PWE3 com relação a VoIP Tabela Overhead na PSN x tamanho dos pacotes na tecnologia SAToP Tabela Overhead na PSN x tamanho dos pacotes na tecnologia TDMoIP Tabela Matriz de simulação da transmissão de pacotes através da PSN Tabela Equivalência entre parâmetros experimentais e os utilizados no PLL Simulink Tabela Regras de Zieger-Nichols em malha fechada para ajuste de controladores PID Tabela Configuração de parâmetros para os gateways IPmux Tabela Registro de eventos do IPmux-11, acesso HTTP Tabela Regime de ocupação do tráfego concorrente Tabela Condições de alarme para enlaces PCM na Trópico-RA Tabela Comparação perdas efetivas de pacote nos dois algoritmos simulados Tabela Duração dos dados TDM e quantidade de pacotes para PDUs AAL Tabela Comparação do desempenho entre o IPmux-11 e a aplicação Java xi

12 LISTA DE FIGURAS Figura Penetração das tecnologias de comunicação na população mundial (%) 5 Figura Penetração das tecnologias de comunicação nos domicílios brasileiros... 5 Figura Broadcasting de TV utilizando uma rede IP... 6 Figura Interconexão de PBXes e LANs, utilizando um backbone IP... 7 Figura Modelo de referência CES sobre PSN... 9 Figura Comunicação entre dois telefones convencionais usando VoIP Figura Comunicação entre dois telefones convencionais usando TDMoIP Figura Modelo de referência PWE3 para sincronização de rede Figura Cenário de rede sincronizada pelo PE Figura Cenário de rede sincronizada pelo CE Figura Cenário de sincronização relativa Figura Cenário de sincronização adaptativa Figura Correntes da emulação TDM sobre redes de pacote Figura Acomodação da variação no atraso dos pacotes pelo jitter buffer Figura Recuperação do relógio no destino pelo método síncrono Figura Recuperação do relógio no destino pelo método relativo SRTS Figura Recuperação do relógio no destino pelo método adaptativo utilizando timestamp através do protocolo RTP Figura Recuperação do relógio no destino pelo método adaptativo utilizando a ocupação, no tempo, do jitter buffer Figura Esquemas de sincronização para gateways TDMoIP RAD Figura Ilustração do mecanismo de seqüenciamento proposto Figura Exemplo de reconfiguração dinâmica do jitter buffer Figura Mecanismo de recuperação do relógio baseado em timestamp e PLL Figura Recuperação do relógio no receptor pelo método adaptativo proposto Figura Entroncamento TDM convencional Figura Entroncamento de serviços através de VoIP Figura Entroncamento IP estático utilizando TDMoIP xii

13 Figura Entroncamento IP com comutação utilizando TDMoIP Figura Entroncamento IP utilizando TDMoIP com interoperabilidade 75 VoIP... Figura Utilização de metroethernet como rede de acesso multi-serviços Figura Serviços de linha dedicada sobre redes de dados Figura Backbone IP para uma rede móvel celular Figura Acesso IPTV numa configuração triple play Figura Modelo convencional ponto a ponto para transmissão IPTV Figura Alternativa de broadcasting IPTV usando TDMoIP e multicast Figura Esquema usual para controle de qualidade em IPTV Figura Proposta de controle de qualidade baseado exclusivamente no receptor.. 99 Figura Histograma de freqüências na medição do RTT entre o LabCom/UnB e os sítios Internet das universidades federais e portais dos governos estaduais brasileiros Figura Gráfico da simulação MatLab, apresentando os pacotes transmitidos (azul) e recebidos (verde) Figura Gráfico da simulação MatLab, apresentando os instantes de transmissão (azul) e recepção (verde) de cada pacote Figura Gráfico da simulação MatLab utilizando o algoritmo proposto pelo IETF para seqüenciamento, apresentado no Apêndice A Figura Gráfico da simulação MatLab utilizando o novo mecanismo proposto de gravação no jitter buffer para seqüenciamento Figura Princípio de operação da sincronização adaptativa usando PLL Figura Diagrama de blocos do PLL em malha fechada Figura Diagrama de blocos do filtro EWMA duplo Figura Diagrama de blocos do controlador PID Figura Diagrama de blocos do DCO Figura Operação do PLL na recuperação do sincronismo no receptor Figura Implementação do PLL com filtro EWMA no Simulink Figura Evolução do erro entre T(n) e R(n) para o filtro EWMA no Simulink Figura Evolução do erro T(n) - R(n) para o filtro EWMA c/desvio de 7,5Hz Figura Sinal de controle para o filtro EWMA c/desvio de 7,5Hz xiii

14 Figura Implementação do PLL com o controlador PID proposto no Simulink Figura Evolução do erro T(n) - R(n) para o controlador PID c/desvio de 7,5Hz 131 Figura Sinal de controle para o controlador PID c/desvio de 7,5Hz Figura Modelo conceitual do ambiente experimental Figura Topologia da plataforma de testes PWE Figura Tela principal da ferramenta Analisador, do LabCom/UnB Figura Gateway IPmux-11 da RAD utilizado nos testes Figura Tela de configuração do gateway IPmux-11 utilizado nos testes Figura Central Trópico-RA utilizada nos testes para geração de feixe E Figura Caminho utilizado pelos pacotes no pseudo-circuito TDM Figura Desempenho de um pseudo-circuito E1 para enlaces de 4Mbps Figura Desempenho de um pseudo-circuito E1 para enlaces de 6Mbps Figura Desempenho de um pseudo-circuito E1 para enlaces de 8Mbps Figura Desempenho de um pseudo-circuito E1 para enlaces de 10Mbps Figura Desempenho de um pseudo-circuito E1 para 48 octetos por pacote Figura Desempenho de um pseudo-circuito E1 para 240 octetos por pacote Figura Desempenho de um pseudo-circuito E1 para 720 octetos por pacote Figura Desempenho de um pseudo-circuito E1 para 1440 octetos por pacote Figura Diagrama de blocos do Mux-IP PC Figura Telas das aplicações Mux-IP PC Figura Ensaio comparativo entre IPmux-11 e Mux-IP PC Figura Desempenho do IPmux-11 no teste comparativo Figura Desempenho do Mux-IP PC no teste comparativo Figura A.1 - Multi-quadro com 16 quadros e sinalização CAS... A6 Figura A.2 - Utilização do canal 16 para sinalização CCS de um feixe E1... A7 Figura A.3 - Modelo lógico da pilha de protocolos PWE3... A9 Figura A.4 - Modelo de referência para a pilha de protocolos PWE3... A14 Figura A.5 - Detalhamento da camada de encapsulamento PWE3... A15 Figura A.6 - Arquitetura PWE3 sobre uma rede IP... A25 Figura A.7 - Arquitetura PWE3 sobre rede MPLS com palavra de controle... A26 Figura B.1 - Modelo de referência PWE3... A30 Figura B.2 - Cenário original: pseudo-circuito PE a PE... A31 xiv

15 Figura B.3 - Cenário alternativo: pseudo-circuito CE a CE... A32 Figura C.1 - Formato geral de um pacote TDMoIP... A41 Figura C.2- Palavra de controle TDMoIP de 32 bits... A42 Figura C.3 - Formato de um pacote TDMoIP sobre UDP/IP... A45 Figura C.4 - Formato de um pacote TDMoIP sobre MPLS... A48 Figura C.5 - Formato de um pacote TDMoIP sobre Ethernet... A50 Figura C.6 - Estrutura AAL1 de 48 octetos...a54 Figura C.7- Exemplo de alocação dos canais TDM nos octetos das PDUs AAL1 para emulação de circuitos estruturada... A55 Figura C.8 - Estrutura de uma P-format PDU AAL1 para emulação de circuitos estruturada... A56 Figura C.9 - Exemplo de alocação de canais nos octetos das PDUs AAL1... A57 Figura C.10- PDUs AAL1 dentro do s pacotes TDMoIP... A58 Figura C.11- Hierarquia digital plesiócrona... A61 Figura C.12- Fluxo TDM estruturado com canalização... A62 Figura C.13- Hierarquia digital síncrona... A63 Figura C.14- Configuração típica de uma rede TDMoIP... A65 xv

16 LISTA DE NOMENCLATURAS E SIGLAS 3G AC ADPCM ADSL AIS ANATEL ANSI ATM ATMF AU AUG AVC BE BSC BSC BTS C ++ CA CAS CBR CCS CD CE CES CESoPSN CODEC Terceira Geração das Redes Móveis Attachment Circuit Circuito de Acesso Adaptive Differential Pulse Code Modulation Modulação por Código de Pulsos Diferencial Adaptativa Asyimmetric Digital Subscriber Line Linha Digital de Assinante Assimétrica Alarm Indication Signal - Sinal de Indicação de Alarme Agência Nacional de Telecomunicações American National Standards Institute Instituto Nacional de Padrões dos Estados Unidos da América Assyncronous Transfer Mode - Modo de Transferência Assíncrono Asynchronous Mode Transfer Forum Fórum de discussão para ATM Administrative Unit Unidade Administrativa (SDH) Administrative Unit Group Grupo de Unidades Administrativas (SDH) Advanced Vídeo Coding Codificação Avançada de Vídeo Best Effort Melhor Esforço Binary Synchronous Communication Comunicação Binária Síncrona Base Station Controller - Controlador de Estação Base Base Transceiver Station - Estação Base Transceptora de rádio Linguagem de Programação C orientada a objetos Corrente Alternada Channel-Associated Signaling Sinalização por Canal Associado Constant Bit Rate Taxa de Bits Constante Common Channel Signaling Sinalização por Canal Comum Compact Disc Disco Compacto Customer Edge Equipamento Cliente Circuit Emulation Services Serviços de Emulação de Circuitos Circuit Emulation Services over Packet-Switched Network Serviços de Emulação de Circuitos sobre Redes Comutadas em Modo Pacotes COder/DECoder Codificador/Decodificador de Sinais de Voz e Vídeo xvi

17 CRC Cyclic Redundancy Check Verificação de integridade de dados através de Código de Redundância Cíclica CS-ACELP Conjugate Structure Algebraic Code-Excited Linear Prediction Preditor Linear Excitado por Código Algébrico de Simetria Complementar CSN Circuit-Switched Network Rede Comutada em Modo Circuitos CW Control Word Palavra de Controle TDMoIP DCO DSL DSLAM DSP DTH DVB DVD EILD ENE EWMA FAS FDM FLL FM FR FT FXO FXS Digitally Controlled Oscillator Oscilador Controlado Digitalmente Digital Subscriber Line Linha de Assinante Digital Digital Subscriber Line Access Module Módulo de Acesso para Linha de Assinante Digital Digital Signal Processor Processador Digital de Sinais Direct-To-Home Direto para Casa (TV por assinatura) Digital Video Broadcasting Difusão de Vídeo Digital Digital Versatile Disk Disco Versátil Digital Exploração Industrial de Linha Dedicada Departamento de Engenharia Elétrica/UnB Exponencially Weighted Moving Average Média Móvel Exponencialmente Ponderada ou Alisamento Exponencial Frame Alignment Signal Sinal de Alinhamento de Quadro (TDM) Frequency Division Multiplexing Multiplexação por Divisão de Freqüência Frequency-Locked Loop Enlace de Freqüência Capturada Freqüência Modulada Frame Relay Protocolo de Chaveamento de Quadros Faculdade de Tecnologia/UnB Foreign exchange Office Interface de linha analógica para operadora Foreign exchange Subscriber Interface de linha analógica para assinante G.114 Recomendação ITU-T que define os valores aceitáveis para o atraso em redes de comunicação de voz, orientado a redes públicas nacionais G.131 Recomendação ITU-T que caracteriza e define as necessidades de controle de eco em redes de comunicação de voz. G.702 Recomendação ITU-T que especifica a estrutura de taxas de bits da hierarquia digital PDH G.703 Recomendação ITU-T que especifica as características físicas e elétricas das interfaces digtais PDH para taxas até 140 Mbps G.704 Recomendação ITU-T que especifica as estruturas síncronas de quadro utilizadas nas interfaces G.703 até 45 Mbps G.706 Recomendação ITU-T que especifica os procedimentos de alinhamento de quadro e cálculo de CRC relacionados às estruturas básicas de quadro definidas pela recomendação G.704 xvii

18 G.707 Recomendação ITU-T que especifica as taxas de bits das interfaces utilizadas pelos nós da hierarquia digital SDH G.711 Recomendação ITU-T que especifica a codificação PCM para freqüências de voz, utilizando taxa de 64 kbps G Recomendação ITU-T que especifica um codificador de voz de dupla taxa para comunicações multimídia, transmitindo a 5,3 kbps e 6,3 kbps G.726 Recomendação ITU-T que especifica a codificação ADPCM para freqüências de voz, utilizando taxas de 40 kbps, 32 kbps ou 16 kbps G.729 Recomendação ITU-T que especifica a codificação de voz a taxas de 8 kbps, utilizando o algoritmo CS-ACELP. G.751 Recomendação ITU-T que especifica os equipamentos de multiplexação digital TDM operando com taxas de 3 a. ordem (34,368 Mbps) e 4 a.ordem (139,264 Mbps), utilizando justificação positiva G.775 Recomendação ITU-T que especifica os critérios para a detecção e liberação dos defeitos indicados pelas condições LOS e AIS G.810 Recomendação ITU-T que apresenta as definições e a terminologia utilizada para redes de sincronismo G.823 Recomendação ITU-T que especifica o controle do jitter e ander em redes digitais baseadas na hierarquia digital PDH, para taxas de 2,048 Mbps (E1) G.824 Recomendação ITU-T que especifica o controle do jitter e ander em redes digitais baseadas na hierarquia digital PDH, para taxas de 1,544 Mbps (T1) G.826 Recomendação ITU-T que especifica os objetivos e parâmetros de performance de erros para circuitos digitais internacionais operando a taxa de bits constante (CBR), na taxa primária (E1/T1) ou acima desta GW Gateway Equipamento de controle e/ou acesso de uma rede ou serviço H.248 Recomendação ITU-T que define o protocolo de comunicação entre media gateways e o media gateway controller, também conhecido como MEGACO em função de seu desenvolvimento cooperativo com a IETF H.261 Recomendação ITU-T para codificação de vídeo em sistemas audiovisuais de faixa estreita H.262 Designação ITU-T para o padrão MPEG-2 de vídeo: codificação genérica para imagens em movimento e informação de áudio associada H.263 Recomendação ITU-T para codificação otimizada de vídeo para uso com taxas de bits inferiores àquelas tipicamente utilizadas em H.261 H.264 Recomendação ITU-T para codificação avançada de vídeo para serviços audiovisuais genéricos H.323 Recomendação ITU-T para serviços de comunicação multimídia baseados em pacotes, incluindo videoconferência HDLC High-Level Data Link Control Controle de Enlace de Dados de Alto Nível HDSL High-bit-rate Digital Subscriber Line Linha Digital de Assinante de para Altas taxas de bits, de características simétricas HTTP HiperText Transfer Protocol Protocolo de Transferência de HiperTexto IANA IBGE Internet Assigned Numbers Authority Autoridade de Associação de Números para Internet Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística xviii

19 ICMP Internet Control Message Protocol Protocolo Internet de Mensagens de Controle IEEE Institute of Electrical and Electronics Engineers Instituto dos Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos IETF Internet Engineering Task Force Força Tarefa para Engenharia da Internet ilbc Internet Low Bit-rate CODEC Codificador/Decodificador Internet a Baixas Taxas IP Internet Protocol Protocolo de Internet IPTV ISDN ISO ISUP ITU-T IWF HDTV JVT LABCOM LAPB LAN LDP LEMOM LER LOS LSR MAN MEF MEGACO MGC MGCP MOS Internet Protocol TeleVision Televisão baseada em Protocolo de Internet Integrated Services Digital Network Rede Digital de Serviços Integrados International Organization for Standardization Organização Internacional para Padronização Integrated Services User Part Protocolo de Sinalização para Usuário de Serviços Integrados (SS7) International Telecommunications Union Telecommunication Standardization Sector União Internacional de Telecomunicações Setor de Padronização para Telefocomunicações InterWorking Function Função de Interoperabilidade High-Definition TeleVision Televisão de Alta Definição Joint Vídeo Team Equipe Conjunta de Vídeo Laboratório de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações do Departamento de Engenharia Elétrica/UnB Link Access Procedure Balanced Procedimento Balanceado de Acesso para Enlace de Dados Local Area Network Rede Local Label Distribution Protocol Protocolo de Distribuição de Etiquetas Laboratório de Estruturas de Microondas e Ondas Milimétricas Label Edge Router Roteador de Borda MPLS Loss of Signal Perda de Sinal (TDM) Label-Switching Router Roteador de Comutação de Etiquetas MPLS Metropolitan Area Network Rede Metropolitana Metro Ethernet Forum Fórum de discussão para Ethernet Metropolitana MEdia GAteway COntrol Protocolo de Controle de MGC Media Gateway Controller Controlador de Gateways de Mídia Media Gateway Control Protocol Protocolo de Controle de MGC Mean Opinion Score Pontuação pela Opinião Média MP-ACELP Multi Pulse Algebraic Code-Excited Linear Prediction Preditor Linear Excitado por Código Algébrico Multi-pulsos xix

20 MP3 MPEG MPLS MP-MLQ MTU MUX NEA NS NSP NTSC ONG ONU OOF OSPF PABX PBX PAL PC PCM PCS PDV PE PESQ PDH PDU PID PLC PLL PNAD Ppm MPEG-1 Audio Layer 3 Camada 3 de Áudio do Padrão MPEG-1 Moving Picture Experts Group Grupo de Especialistas em Imagens em Movimento (Vídeo) Multi-Protocol Label Switching Protocolo de Comutação de Etiquetas Multiprotocolos Multi Pulse Maximum Likelihood Quantization Quantização pela Máxima Semelhança Multi-pulsos Maximum Transmission Unit Unidade Máxima de Transmissão MUltipleX Equipamento de Multiplexação Número Equivalente de Assinante Número de Seqüência Native Service Processing Processamento de Serviço Nativo National Television Systems Committee Comitê Nacional de Sistemas de Televisão, padrão norte-americano para televisão em cores Organização Não-Governamental Organização das Nações Unidas Out of Frame Alignment Synchronization Ausência de Sincronismo de Quadros Open Shortest Path First Primeiro pelo Caminho Livre Mais Curto Private Automatic Branch exchange Equipamento Automático de Comutação Privada Private Branch exchange Equipamento de Comutação Privada Phase-Alternating Line Linha de Fase Alternada, padrão europeu para televisão em cores Personal Computer Computador Pessoal ou Microcomputador Pulse Code Modulation Modulação por Código de Pulsos Ponto de Controle de Sinalização (SS7) Packet Delay Variation Variação no Atraso dos Pacotes Provider Edge Equipamento Provedor Perceptual Evaluation of Speech Quality Avaliação Perceptiva da Qualidade de Voz Plesiochronous Digital Hierarchy Hierarquia Digital Plesiócrona Protocol Data Unit Unidade de Dados de Protocolo Controle Proporcional, Integral e Derivativo Packet-Loss Concealment Mitigação de Perdas de Pacote Phase-Locked Loop Enlace de Fase Capturada Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Partes por milhão xx

21 PSN Packet-Switched Network Rede Comutada em Modo Pacotes PTS Ponto de Transferência de Sinalização (SS7) PW Pseudo-Wire Pseudo-Circuito PWE3 Pseudo-Wire Emulation Edge-to-Edge Emulação Fim a Fim de Pseudo- Circuitos QoS Quality of Service Qualidade de Serviço RAI Remote Alarm Indication Sinal de Indicação de Alarme Remoto RDI Remote Defect Indication Sinal de Indicação de Defeito Remoto REMAV Rede Metropolitana de Alta Velocidade RFC Request for Comments Nomenclatura dos Padrões IETF RNP Rede Nacional de Pesquisa RTFC Rede Telefônica Fixa Comutada RTP Real Time Protocol Protocolo para Dados em Tempo Real RTCP Real Time Control Protocol Protocolo de Controle para Dados em Tempo Real RTSP Real Time Streaming Protocol Protocolo de Transmissão de Vídeo em Tempo Real RTT Round-Trip Time Tempo de ida e volta Rx Receptor SAT Structure-Agnostic Transport Transporte sem Consciência da Estrutura SAToIP Structure-Agnostic Transport over Internet Protocol Transporte sem Consciência da Estrutura sobre Protocolo de Internet SDH Synchronous Digital Hierarchy Hierarquia Digital Síncrona SECAM SÉquentiel Couleur Á Mémoire Cor seqüencial com Memória, padrão francês para televisão em cores SIGTRAN SIGnaling TRANsport Protocol Protocolo de Transporte de Sinalização SG Signaling Gateway Gateway de Sinalização SIP Session Iniciation Protocol Protocolo de Iniciação de Sessão SMP Serviço Móvel Pessoal SNA Synchronous Network Architecture Arquitetura de Rede Síncrona SOHO Small Office/Home Office Pequeno Escritório/Escritório Doméstico SONET Synchronous Optical Network Rede Óptica Síncrona SS7 Signaling System Number 7 Sinalização por Canal Comum Número 7 STM Syncronous Transport Module Módulo de Transporte Síncrono STS Synchronous Transport Signal Sinal de Transporte Síncrono TDM Time Domain Multiplexing Multiplexação no Domínio do Tempo xxi

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Introdução ao VoIP Codecs

Introdução ao VoIP Codecs Introdução ao VoIP Codecs Carlos Gustavo A. da Rocha Introdução ao VoIP Relembrando Telefonia analógica usa frequências captadas como voz humana na faixa de 0 a 4000Khz Para digitalizar a voz é necessário

Leia mais

Fundamentos de Rede. Aula 01 - Introdução e Redes

Fundamentos de Rede. Aula 01 - Introdução e Redes Fundamentos de Rede Aula 01 - Introdução e Redes Contextualização Séculos XVIII e XIX - Revolução Industrial máquinas mecânicas, taylorismo, fábricas hierarquia, centralização da decisão, mainframes Séculos

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

A CONVERGÊNCIA DE DADOS E VOZ NA PRÓXIMA GERAÇÃO DE REDES. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

A CONVERGÊNCIA DE DADOS E VOZ NA PRÓXIMA GERAÇÃO DE REDES. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com A CONVERGÊNCIA DE DADOS E VOZ NA PRÓXIMA GERAÇÃO DE REDES Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução A convergência, atualmente um dos temas mais discutidos na indústria de redes,

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: Rodrigo Caetano Filgueira Tecnologias WAN TECNOLOGIAS WAN Quando uma empresa cresce e passa a ter instalações em várias localidades, é necessário interconectar as redes

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 6 LPCD, Redes IP/MPLS, VPN e Frame Relay Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral MPLS significa Multi Protocol Label Switching. OMPLSé um mecanismo eficiente i de encapsulamento em hardware

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

Cliente/Servidor. Aplicações Cliente/Servidor em Redes de Alta Velocidade Autora: Graça Bressan/LARC 2000 GB/LARC/PCS/EPUSP

Cliente/Servidor. Aplicações Cliente/Servidor em Redes de Alta Velocidade Autora: Graça Bressan/LARC 2000 GB/LARC/PCS/EPUSP Cliente/Servidor Aplicações Cliente/Servidor em Redes de Alta Velocidade Autora: Graça Bressan Graça Bressan/LARC 1998 GB/LARC/PCS/EPUSP CS 11-1 Evolução das Tecnologias Computação Redes de comunicação

Leia mais

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1 Redes de Computadores e Teleinformática Zacariotto 4-1 Agenda da aula Introdução Redes de computadores Redes locais de computadores Redes de alto desempenho Redes públicas de comunicação de dados Computação

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti UNIDADE II Metro Ethernet Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti Metro Ethernet é um modo de utilizar redes Ethernet em áreas Metropolitanas e geograficamente distribuídas. Esse conceito surgiu pois, de

Leia mais

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE.

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. 1. INTRODUÇÃO AO ATM O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. O Protocolo ATM vem se tornando a cada dia que passa o mas importante no meio das Telecomunicações Mundiais. Tudo leva a crer que desempenhará

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama

Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama Fundamentos Prof. Dr. S. Motoyama 1 Tipos de Comunicação - Difusão: Rádio e TV - Pessoa-a-Pessoa: Telefonia - Máquina-a-Máquina: Computadores Difusão: Rádio e TV Receptor Receptor Receptor Transmissor

Leia mais

TECNOLOGIA DE ACESSO A REDES Prof. André Ciriaco andreciriaco@hotmail.com Aula 02 Objetivo da Aula Apresentação da Atividade PO última aula 1.5. Redes WAN Conceitos 1.5.1 Redes Wan -História 1.5.2 Elementos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDE PÚBLICA x REDE PRIVADA Rede Pública Circuitos compartilhados Rede Privada Circuitos dedicados Interligação entre Dispositivos

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

Revisão de Literatura

Revisão de Literatura Revisão de Literatura VoIP é um conjunto de tecnologias que usa a Internet ou as redes IP privadas para a comunicação de Voz, substituindo ou complementando os sistemas de telefonia convencionais. A telefonia

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Aula 1 Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 1 Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama Aula 1 Fundamentos Prof. Dr. S. Motoyama 1 O que é uma Rede de Computadores? Vários tipos de redes: Redes Telefônicas Redes de Satélites Redes Celulares Redes de TV a cabo Internet e intranets Rede Privada

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP?

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? Convergência ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? O negócio Presença universal do IP Maturação da tecnologia Passagem para a rede de dados

Leia mais

Um Pouco de História

Um Pouco de História Telefonia IP Um Pouco de História Uma Breve Introdução às Telecomunicações Telefonia Tradicional Conversão analógica-digital nas centrais (PCM G.711) Voz trafega em um circuito digital dedicado de 64 kbps

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. MPLS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo atuado nas

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 7 Metro Ethernet Sumário IEEE 802.3ae 10 Gbit/s Ethernet - Metro

Leia mais

Técnico em Informática. Redes de Computadores 2ºE1/2ºE2

Técnico em Informática. Redes de Computadores 2ºE1/2ºE2 Técnico em Informática Redes de omputadores 2ºE1/2ºE2 SUMÁRIO 2.1 Introdução 2.2 Vantagens do Modelo de amadas 2.3 Modelo de inco amadas 2.4 Funções das amadas 2.5 Protocolos de Rede 2.6 Arquitetura de

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

1 Introdução. 1.1. Motivação

1 Introdução. 1.1. Motivação 15 1 Introdução Esta dissertação dedica-se ao desenvolvimento de um analisador de erro para Redes Ópticas através da utilização de circuitos integrados programáveis de última geração utilizando taxas que

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

Voz sobre ATM. Prof. José Marcos C. Brito

Voz sobre ATM. Prof. José Marcos C. Brito Voz sobre ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Camada de adaptação Voz não comprimida (CBR) AAL 1 Voz comprimida (VBR) AAL 2 Para transmissão de voz sobre a rede ATM podemos utilizar a camada de adaptação

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E Prof. Luís Rodolfo Unidade I REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO C Redes de computadores e telecomunicação Objetivo: apresentar os conceitos iniciais e fundamentais com relação às redes de computadores

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Asterisk, usando R2/MFC. DigiVoice Tecnologia em Eletrônica Ltda.

Asterisk, usando R2/MFC. DigiVoice Tecnologia em Eletrônica Ltda. Asterisk, usando R2/MFC DigiVoice Tecnologia em Eletrônica Ltda. Por que R2/MFC? Não é uma opção, mas a sinalização predominante para troncos digitais E1 nas centrais telefônicas no Brasil. É uma evolução

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de e-systems: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global: Comunicações

Leia mais

Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Software

Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Software Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Software Disciplina: Redes de Computadores 2. Arquiteturas de Redes: Modelo em camadas Prof. Ronaldo Introdução n Redes são

Leia mais

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS Redes remotas Prof.Francisco Munhoz X.25 Linha de serviços de comunicação de dados, baseada em plataforma de rede, que atende necessidades de baixo ou médio volume de tráfego.

Leia mais

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Introdução ao MPLS Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Algar Telecom 60 anos de atuação Mais de 1,5 mil associados Mais de 1 milhão de clientes Companhia de capital aberto* Backbone 13 mil km de rede óptica

Leia mais

Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro

Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Arquiteturas de Redes Organizações de padronização Modelos de referência Modelo OSI Arquitetura IEEE 802 Arquitetura

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Redes II ISDN e Frame Relay

Redes II ISDN e Frame Relay Redes II ISDN e Frame Relay Súmario 1. Frame Relay 02 1.1 Introdução 02 1.2 Velocidade 03 1.3 A Especificação X.25 03 1.3.1 Nível de Rede ou pacotes 03 1.3.2 Nível de Enlace ou de Quadros 04 1.3.3 Nível

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO, HISTÓRIA, EQUIPAMENTOS E TIPOS DE REDES Prof. José Wagner Bungart CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Definição de Redes de Computadores e Conceitos

Leia mais

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.)

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Unidade 3 3.1 Introdução 3.2. Definições 3.3. Motivações 3.4. Problemas 3.5. Desafios 3.6. Padronização e Arquitetura 3.7. Gerência

Leia mais

Veremos os seguintes tópicos relacionados ao projeto de redes corporativas: Tecnologias para o Acesso Remoto

Veremos os seguintes tópicos relacionados ao projeto de redes corporativas: Tecnologias para o Acesso Remoto Seleção de Tecnologias e Dispositivos para Redes Corporativas Veremos os seguintes tópicos relacionados ao projeto de redes corporativas: Tecnologias para o Acesso Remoto Tecnologias WAN Sistemas para

Leia mais

Projeto de Redes de Computadores. Projeto de Redes de Computadores

Projeto de Redes de Computadores. Projeto de Redes de Computadores Seleção de Tecnologias e Dispositivos para Redes Corporativas Veremos os seguintes tópicos relacionados ao projeto de redes corporativas: Tecnologias para o Acesso Remoto Tecnologias WAN Sistemas para

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 03: Princípios de Redes de Computadores

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 03: Princípios de Redes de Computadores BC-0506: Comunicação e Redes Aula 03: Princípios de Redes de Computadores Santo André, 2Q2011 1 Comutação Comutação (chaveamento): alocação dos recursos da rede para a transmissão pelos diversos dispositivos

Leia mais

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 Aluno: Ricardo dos Santos Alves de Souza Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Abril de 2004 DEL 1 ÍNDICE Resumo... 3 1 Introdução... 4 1.1 Redes de Pacotes...

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

Redes de Computadores 1

Redes de Computadores 1 Redes de Computadores 1 IF66B Introdução Objetivos dessa aula: Obter contexto, terminologia, conhecimentos gerais de redes Maior profundidade e detalhes serão vistos durante o semestre Abordagem: Usar

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 6 Redes xdsl Sumário Introdução; Taxas de transmissão DSL e qualidade

Leia mais

RCO2. WAN: MetroEthernet

RCO2. WAN: MetroEthernet RCO2 WAN: MetroEthernet 1 Carrier Ethernet Carrier Ethernet: definido pelo MEF como: Uma rede e serviços de transmissão ubíquos e padronizados definidos por cinco atributos que os diferem de LANs Ethernet

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Introdução VoIP (Voice over Internet Protocol) A tecnologia VoIP vem sendo largamente utilizada

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

EMBRATEL WHITE PAPER

EMBRATEL WHITE PAPER EMBRATEL WHITE PAPER CARRIER ETHERNET Neste artigo, a Embratel destaca a história, arquitetura, princípios e serviços que a solução de Carrier Ethernet possui. A tecnologia Ethernet foi concebida na década

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr.

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr. Redes de Computadores Aula 2 Aleardo Manacero Jr. O protocolo RM OSI 1 Camada Física e Componentes Funcionalidades relacionadas à transmissão de bits Codificação Modulação Sincronismo de bits Especificação

Leia mais

A Evolução das Telecomunicações no Brasil

A Evolução das Telecomunicações no Brasil A Evolução das Telecomunicações no Brasil Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Prof. José Maurício dos Santos Pinheiro Centro Universitário de Volta Redonda

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ STJ 2008 Com relação a transmissão de dados, julgue os itens

Leia mais

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.)

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Tópicos Gerencia de Rede Motivação da Gerência Desafios Principais Organismos Padronizadores Modelo Amplamente Adotado As Gerências

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações Internet, Internet2, Intranet e Extranet 17/03/15 PSI - Profº Wilker Bueno 1 Internet: A destruição as guerras trazem avanços tecnológicos em velocidade astronômica, foi assim também com nossa internet

Leia mais

A) 3; B) 1, 2 e 3; C) 1; D) 2; E) 1e2.

A) 3; B) 1, 2 e 3; C) 1; D) 2; E) 1e2. 21. A empresa ALPHA possui uma classe C para endereçamento de rede IP e usa como máscara o valor 255.255.255.224, para definir suas sub-redes. A quantidade máxima de equipamentos que podem estar conectados

Leia mais

Disciplina : Transmissão de Dados

Disciplina : Transmissão de Dados Disciplina : Transmissão de Dados Paulo Henrique Teixeira Overwiew Conceitos Básicos de Rede Visão geral do modelo OSI Visão geral do conjunto de protocolos TCP/IP 1 Conceitos básicos de Rede A largura

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Introdução a Redes de Computadores Prof. Esbel Tomás Valero Orellana Usos de Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e/ou dispositivos

Leia mais

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Universidade do Minho Escola de Engenharia Departamento de Electrónica Industrial Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Princípios Básicos Mestrado Integrado

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais