CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL DO LABORATÓRIO MULTIDISCIPLINAR DE COMPUTAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL DO LABORATÓRIO MULTIDISCIPLINAR DE COMPUTAÇÃO"

Transcrição

1 CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL DO LABORATÓRIO MULTIDISCIPLINAR DE COMPUTAÇÃO BAURU

2 APRESENTAÇÃO Nesse manual encontram-se as informações gerais do Laboratório Multidisciplinar de Computação, o horário de funcionamento, o agendamento, além das normas de uso do laboratório. Este Manual é um referencial para docentes e discentes fazerem o bom uso do Laboratório Específico para o curso de Engenharia de Computação, garantindo a segurança dos usuários e a manutenção dos equipamentos. A Universidade Sagrado Coração disponibiliza nesse laboratório a infraestrutura e o suporte necessário à execução das atividades relacionadas com as disciplinas de Eletrotécnica, Eletrônica, Circuitos Elétricos, Sistemas Digitais, Princípios de Telecomunicações e Controle de Servomecanismo além da possibilidade de desenvolvimento de pesquisas e práticas relacionadas aos exercícios da Engenharia de Computação. O laboratório tem como objetivo oferecer ao curso a infraestrutura e o suporte necessário à execução das atividades programadas no âmbito do curso em atendimento às respectivas diretrizes curriculares e projetos pedagógicos. O Laboratório Multidisciplinar de Computação será utilizado exclusivamente para fins acadêmicos, sob a orientação dos professores responsáveis e colaboradores do laboratório definindo-se, como fins acadêmicos, as atividades de pesquisa, coleta de dados, informações e atividades inerentes ao curso. Coordenação Engenharia de Computação Centro de Ciências Exatas e Sociais Aplicadas 2

3 SUMÁRIO 1-CONCEITUAÇÃO OBJETIVO NORMAS DE USO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO AGENDAMENTO NORMAS ESPECÍFICAS NORMAS DE SEGURANÇA

4 1-CONCEITUAÇÃO O Laboratório Multidisciplinar de Computação é um espaço de 106,75 m 2, localizado na sala 0-19, do Bloco O, com a capacidade de atendimento de 45 estudantes. É um ambiente equipado com diversos materiais que possibilitam a experimentação de várias técnicas pelos estudantes tais como: 4 Sensores Kinect; 5 Kits Lego NXT Mindstorm; 10 Kits Arduino com Shield Ethernet; 02 NI Elvis II + Instrumentation, Design, And Prototyping Platform; 02 NI Elvis, Multisim, And Labview For Circuits NI Electronics Education Platform; 02 NI Usrp-2920, Ni Usrp-2921 Universal Software Radio Peripherals; 02 NI Elvis/Emona Analog/Digital Communications (Datex) Bundle Hands- On Learning Platform For Telecommunications Concepts; 1 Kit com Placa de Prototipagem Eletrônica Digital FPGA e Drivers para a Plataforma NI Elvis; 1 Placa de Controle de Motor DC Quanser Qnet; 1 Placa de Pendulo Invertido Rotativo Quanser; 1 Placa Qnet VTOL 1dof Helicopter Quanser; 1 Placa de Treinamento Equipada com Sensor de Temperatura, Fonte de Calor e Ventilador, Quanser Qnet Hvac; 1 Placa de Telecomunicacao Demonstracao, Emona Datex; 1 Placa Qnet Mechatronics Sensor Quanser; 1 Placa Emona Sigex 311 Signals And Systems Experimenter; Componentes Eletrônicos de Consumo: resistores, capacitores, diodos, transistores, circuitos integrados, etc. 4

5 2-OBJETIVO O Laboratório Multidisciplinar de Computação está preparado para possibilitar a experimentação das práticas, o desenvolvimento de habilidade manual, o desenvolvimento do raciocínio abstrato, a identificação de materiais, técnicas e equipamentos para elaboração de circuitos e exercícios que auxiliam as disciplinas de Eletrotécnica, Eletrônica, Circuitos Elétricos, Sistemas Digitais, Princípios de Telecomunicações e Controle de Servomecanismo. 3-NORMAS DE USO Art. 1º- O Laboratório Multidisciplinar de Computação será utilizado exclusivamente para fins acadêmicos, sob a orientação de professores e coordenadores no desenvolvimento de atividades relacionadas ao ensino, pesquisa e extensão. Art. 2º- Para os demais cursos, o laboratório poderá ser utilizado desde que haja disponibilidade e autorização do coordenador (a) do curso de Engenharia de Computação. Art. 3º É vedado o uso do Laboratório Multidisciplinar de Computação para fins particulares que não estejam vinculadas as atividades acadêmicas. Art. 4º- O gerenciamento do Laboratório Multidisciplinar de Computação, da utilização, instalações e equipamentos, é competência da Coordenação do Curso de Engenharia de Computação e da Direção do Centro de Exatas e Sociais Aplicadas, responsáveis pelo cumprimento de toda a regulamentação pertinente ao uso dos laboratórios. 5

6 Art. 5º- No laboratório só é permitida a presença dos estudantes que estão matriculados nas respectivas disciplinas, cursos ou projetos de extensão dos cursos ao qual pertence. Dos demais cursos, seguir o Art.º 2 desse Manual. Art. 6º- É vedado o consumo de comidas, bebidas, e a utilização de tabagismo nas dependências dos laboratórios. Art. 7º- Não é permitido o uso de qualquer aparelho eletrônico nas dependências do Laboratório Multidisciplinar de Computação. Art. 8º- Não é permitido o uso de vestimentas inadequadas que interfiram no decorrer das atividades práticas. Art. 9º- Não é permitido ligar ou desligar as máquinas do laboratório sem a autorização ou acompanhamento do professor responsável. 4-HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO Art. 10º- Os horários de funcionamento serão afixados nos editais de cada semestre letivo. Parágrafo 1º- O uso do laboratório somente será autorizado com acompanhamento de profissionais e professores habilitados. Parágrafo 2º- O laboratório funcionará no período da manhã, tarde e noite, conforme a necessidade. Parágrafo 3º- O uso do laboratório no período da noite será restrito as disciplinas do semestre do curso de Engenharia de Computação. 6

7 5-AGENDAMENTO Art. 11º- Os horários de funcionamento do Laboratório serão afixados nos Editais da Universidade no início de cada semestre letivo. Parágrafo 1 o O laboratório funcionará de segunda a sábado, adequando-se aos períodos de funcionamento dos cursos, horário das aulas e desenvolvimento das atividades acadêmicas. Art. 12º- As atividades extras desenvolvidas no laboratório deverão ser previamente agendadas com, no mínimo, 48 horas de antecedência. Parágrafo 1º- Caso o docente ou discente não possa comparecer a partir de agendamento prévio, por conta de qualquer natureza, deverá avisar com, no mínimo, 04 horas de antecedência. 6-NORMAS ESPECÍFICAS Art. 13º- Para a utilização do Laboratório Multidisciplinar de Computação o estudante deverá obedecer aos seguintes procedimentos e normas: I. Utilizar equipamentos de proteção individual quando necessário; II. É proibido sentar nas bancadas ou mesas dos laboratórios; III. É proibido quaisquer tipos de brincadeiras de contato físico entre os usuários do laboratório, evitando assim acidentes; IV. É proibido alterar as configurações dos equipamentos, sem a autorização do professor ou da coordenação de área; V. É proibido comer ou beber no laboratório, mantendo assim a ordem, limpeza e conservação desse ambiente; VI. Uso do Jaleco quando for necessário; 7

8 VII. Zelar pelos equipamentos, materiais e ferramentas que lhe for confiado, bem como pelo patrimônio da unidade escolar, colaborando com a sua conservação e manutenção; VIII. Ao término da aula, fechar as janelas e cortinas, desligar as luzes, desligar os equipamentos e colocar as cadeiras no lugar, guardar o material de uso em seu local de origem, contribuindo com a conservação e organização do ambiente; IX. O causador de quaisquer prejuízos à unidade escolar deverá indenizar totalmente os custos, quando ocasionados por dolo ou negligência; X. Ao constatar equipamentos com defeito, comunicar o professor responsável para encaminhamento do registro ao responsável pelo patrimônio escolar; XI. Evitar a inalação de vapores de solda usando máscaras apropriadas; XII. Manter os cabelos presos, retirar colares, pulseiras, anéis, relógios e demais objetos pendentes que possam conduzir corrente elétrica e/ou prenderem-se em pontos de agarramento; XIII. Utilizar sapatos com solados isolantes para evitar recebimento de descargas elétricas nos experimentos; XIV. Observar sempre as escalas dos equipamentos de medição estão compatíveis com as pretensões do experimento; XV. Ter consciência permanente dos riscos que a eletricidade oferece, conferindo sempre todas as ligações elétricas, antes de ativar o circuito do experimento. 7-NORMAS DE SEGURANÇA Art. 14º- PROCEDIMENTOS OBRIGATÓRIOS PARA A SEGURANÇA GERAL DO ALUNO I. Evasão emergencial do prédio: II. Equipamentos de segurança contra incêndio em vários pontos estratégicos da escola: III. Extintores contra incêndio em vários pontos estratégicos da escola: periodicamente revisados; 8

9 IV. Observar sempre a localização desses equipamentos para uso em eventuais emergências, orientados pelo pessoal da CIPA; V. Notificar a direção caso se depare com depredações dos equipamentos de segurança pelos alunos; VI. Manter a calma e seguir as orientações do professor responsável para evacuação do prédio; VII. Não mexer nos equipamentos de combate a incêndio sem orientação da equipe da CIPA vigente; VIII. Comportar-se de maneira responsável, evitando brincadeiras de contato físico que possam causar acidentes. 9

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL DO LABORATÓRIO MULTIDISCIPLINAR DE FÍSICA

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL DO LABORATÓRIO MULTIDISCIPLINAR DE FÍSICA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL DO LABORATÓRIO MULTIDISCIPLINAR DE FÍSICA BAURU - 2014 1 APRESENTAÇÃO Neste manual encontram-se as informações gerais do Laboratório de Física, como

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL DO LABORATÓRIO MULTIDISCIPLINAR DE QUÍMICA

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL DO LABORATÓRIO MULTIDISCIPLINAR DE QUÍMICA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL DO LABORATÓRIO MULTIDISCIPLINAR DE QUÍMICA BAURU - 2014 APRESENTAÇÃO Nesse manual encontram-se as informações gerais do Laboratório de Química, o horário

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL: LABORATÓRIO DE DESIGN GRÁFICO

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL: LABORATÓRIO DE DESIGN GRÁFICO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL: LABORATÓRIO DE DESIGN GRÁFICO BAURU APRESENTAÇÃO Neste manual encontram-se as informações gerais do Laboratório de Design Gráfico, as normas de uso,

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL: LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO E VESTUÁRIO EM MODA

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL: LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO E VESTUÁRIO EM MODA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL: LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO E VESTUÁRIO EM MODA BAURU APRESENTAÇÃO Neste manual encontram-se as informações gerais do Laboratório de Criação e Vestuário

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL: LABORATÓRIO DE PROJETO DO PRODUTO

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL: LABORATÓRIO DE PROJETO DO PRODUTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL: LABORATÓRIO DE PROJETO DO PRODUTO BAURU APRESENTAÇÃO Neste manual encontram-se as informações gerais do Laboratório de Projeto do Produto, as normas

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE QUÍMICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE QUÍMICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE QUÍMICA OBJETIVOS DO LABORATÓRIO DE QUÍMICA: 1. Auxiliar o aluno na introdução das práticas das disciplinas do curso de Tecnologia em Processos Químicos. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

Anexo Res. CONSU Nº 40/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS E MULTIDISCIPLINAR CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Anexo Res. CONSU Nº 40/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS E MULTIDISCIPLINAR CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Anexo Res. CONSU Nº 40/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS E MULTIDISCIPLINAR CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Este Regulamento dispõe sobre a estruturação, utilização e

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Histologia do Centro de Práticas Laboratoriais (CPL)

Regulamento do Laboratório de Histologia do Centro de Práticas Laboratoriais (CPL) INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS CONCÓRDIA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CENTRO DE PRÁTICAS LABORATORIAIS Regulamento do Laboratório de Histologia do Centro de Práticas Laboratoriais (CPL) Dispõe sobre

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE QUÍMICA

REGULAMENTO GERAL DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE QUÍMICA REGULAMENTO GERAL DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE QUÍMICA Capítulo 1 DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Estas normas regulamentam o funcionamento dos laboratórios do Departamento de

Leia mais

Regulamento da utilização dos laboratórios de informática do CRP/UFV

Regulamento da utilização dos laboratórios de informática do CRP/UFV Regulamento da utilização dos laboratórios de informática do CRP/UFV Capítulo I Do regimento e seus objetivos O presente regimento, elaborado pela Central de Processamento de dados da UFV- CRP, visa disciplinar

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE ANATOMIA, BIOLOGIA, PARASITOLOGIA E EMBRIOLOGIA APLICADOS À NUTRIÇÃO CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE ANATOMIA, BIOLOGIA, PARASITOLOGIA E EMBRIOLOGIA APLICADOS À NUTRIÇÃO CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE ANATOMIA, BIOLOGIA, PARASITOLOGIA E EMBRIOLOGIA APLICADOS À NUTRIÇÃO CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO - BACHARELADO Autorizada pela Portaria MEC 2.626 de 25

Leia mais

SINERGIA SISTEMA DE ENSINO LTDA FACULDADE SINERGIA Portaria Recredenciamento MEC nº 1.424 D.O.U, de 10/10/2011.

SINERGIA SISTEMA DE ENSINO LTDA FACULDADE SINERGIA Portaria Recredenciamento MEC nº 1.424 D.O.U, de 10/10/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º O laboratório de Informática constitui-se em espaço de apoio técnico pedagógico da Faculdade Sinergia. Art. 2º O Laboratório

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE QUÍMICA E FÍSICA DO CAMPUS CAÇAPAVA DO SUL TÍTULO I DOS FINS

REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE QUÍMICA E FÍSICA DO CAMPUS CAÇAPAVA DO SUL TÍTULO I DOS FINS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA (Lei nº. 11.640, de 11 de janeiro de 2008) REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE QUÍMICA E FÍSICA DO CAMPUS CAÇAPAVA DO SUL TÍTULO I DOS FINS Art. 1º

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Faculdade de Alta Floresta - FAF

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Faculdade de Alta Floresta - FAF REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Faculdade de Alta Floresta - FAF 2011 ÍNDICE CAPÍTULO I... 1 DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 1 CAPÍTULO III... 2 DOS DIREITOS... 2 CAPÍTULO IV... 2 DOS DEVERES...

Leia mais

Regulamento do Bloco Cirúrgico do Centro de Práticas Clínicas e Cirúrgicas (CPCC)

Regulamento do Bloco Cirúrgico do Centro de Práticas Clínicas e Cirúrgicas (CPCC) INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS CONCÓRDIA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CENTRO DE PRÁTICAS CLÍNICAS E CIRÚRGICAS Regulamento do Bloco Cirúrgico do Centro de Práticas Clínicas e Cirúrgicas (CPCC) Dispõe

Leia mais

[Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ

[Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ [Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ Coordenadoria de Tecnologia da Informação 2013 AUTORES Aurélio Ricardo Batú Maicá Laura

Leia mais

Regulamento para a utilização do Laboratório de. Técnica e Dietética

Regulamento para a utilização do Laboratório de. Técnica e Dietética Regulamento para a utilização do Laboratório de Técnica e Dietética 1 REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE TÉCNICA E DIETÉTICA I. DOS OBJETIVOS DO LABORATÓRIO DE TÉCNICA E DIETÉTICA 1. Auxiliar

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ANATOMIA HUMANA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ANATOMIA HUMANA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ANATOMIA HUMANA 2012 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CAPÍTULO I - DA CARACTERIZAÇÃO E NATUREZA... 3 CAPÍTULO II - DOS DEVERES... 4 CAPÍTULO III - DO AGENDAMENTO E USO DO LABORATÓRIO...

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA BELÉM PA 2015 1 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. Os Laboratórios de Informática visam atender: I. alunos dos

Leia mais

Regulamento de Funcionamento da Clínica Odontológica, Pré-Clínica e Radiologia da FAPAC/ITPAC PORTO

Regulamento de Funcionamento da Clínica Odontológica, Pré-Clínica e Radiologia da FAPAC/ITPAC PORTO Regulamento de Funcionamento da Clínica Odontológica, Pré-Clínica e Radiologia da FAPAC/ITPAC PORTO Porto Nacional TO 2015 Sumário: Introdução:... 3 Dos Objetivos:... 3 Do Horário de Funcionamento:...

Leia mais

Regulamento da Sala de Necropsia do Centro de Diagnóstico e Pesquisa em Patologia Veterinária (CDPPV)

Regulamento da Sala de Necropsia do Centro de Diagnóstico e Pesquisa em Patologia Veterinária (CDPPV) INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS CONCÓRDIA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CENTRO DE DIAGNÓSTICO E PESQUISA EM PATOLOGIA VETERINÁRIA Regulamento da Sala de Necropsia do Centro de Diagnóstico e Pesquisa

Leia mais

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DIGITAIS

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DIGITAIS NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DIGITAIS I - DA NATUREZA (da finalidade) Artigo 1 O Laboratório de Práticas Digitais (LPD) caracteriza-se por sua natureza didático-pedagógica, servindo

Leia mais

Solução para as áreas de Ensino e Pesquisa dentro da Academia

Solução para as áreas de Ensino e Pesquisa dentro da Academia Solução para as áreas de Ensino e Pesquisa dentro da Academia Solução integrada completa Diversidade de Clientes Industriais 3 Clientes Acadêmicos 4 Produtos X Soluções Qual a diferença? 5 Como podemos

Leia mais

Laboratórios de Informática Regulamento

Laboratórios de Informática Regulamento 1 Laboratórios de Informática Regulamento Pagina 1/10 Sumário DA CONSTITUIÇÃO...3 DA ADMINISTRAÇÃO...4 DA UTILIZAÇÃO...5 DISPOSIÇÕES GERAIS...10 Pagina 2/10 REGULAMENTO INTERNO DA CONTISTUIÇÃO Art. 1 -

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL TÍTULO I - DO LABORATÓRIO DIDÁTICO CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA NORMAS DE USO I - DA NATUREZA (da finalidade) art 1 - O Laboratório caracteriza-se por sua natureza didático-pedagógica, servindo de complemento aos

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. Os Laboratórios de Informática visam atender: I. alunos dos cursos, das áreas de Graduação,

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS Página 1 ÍNDICE CAPÍTULO 1 -DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS... 3 CAPÍTULO 2 - DA DESTINAÇÃO DOS LABORATÓRIOS... 3 CAPÍTULO 3 - DAS ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS... 5 CAPÍTULO 4 - UTILIZAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE INTEGRADA DE ENSINO SUPERIOR DE COLINAS DO TOCANTINS - FIESC

REGULAMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE INTEGRADA DE ENSINO SUPERIOR DE COLINAS DO TOCANTINS - FIESC . REGULAMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE INTEGRADA DE ENSINO SUPERIOR DE COLINAS DO TOCANTINS - FIESC CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA Art. 1º. O Presente

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. Os Laboratórios de Informática visam atender: I. alunos dos cursos, das áreas de Graduação,

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ANÁLISE EXPERIMENTAL DO COMPORTAMENTO - AEC

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ANÁLISE EXPERIMENTAL DO COMPORTAMENTO - AEC REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ANÁLISE EXPERIMENTAL DO COMPORTAMENTO - AEC 1 REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ANÁLISE EXPERIMENTAL DO COMPORTAMENTO - AEC CAPÍTULO I Das Finalidades deste Regulamento Art. 1

Leia mais

NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ANATOMIA DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ASSIS

NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ANATOMIA DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ASSIS NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ANATOMIA DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ASSIS Capítulo I Da Caracterização e Natureza Art. 1º - O Laboratório de Anatomia Humana da Escola de Educação Física de

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB I Da Caracterização Art. 1 Os Laboratórios de Informática da FESB, sob responsabilidade do Departamento de Informática, dispõem de infra-estrutura

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DA CENTRAL DE LABORATÓRIOS EM CIÊNCIA E TECNOLÓGIA AMBIENTAL

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DA CENTRAL DE LABORATÓRIOS EM CIÊNCIA E TECNOLÓGIA AMBIENTAL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DA CENTRAL DE LABORATÓRIOS EM CIÊNCIA E TECNOLÓGIA AMBIENTAL BAURU APRESENTAÇÃO O complexo de laboratórios em Ciência e Tecnologia e Ambiental (CTA)

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Curso de Engenharia Naval Departamento de Engenharia Mecânica

Universidade Federal de Pernambuco Curso de Engenharia Naval Departamento de Engenharia Mecânica REGULAMENTO LABORATÓRIO DE SIMULAÇÃO E VISUALIZAÇÃO (LSIVI) Este regulamento visa melhorar o aproveitamento dos recursos computacionais do Laboratório de Simulação e Visualização da Engenharia Naval, satisfazendo

Leia mais

Artigo 5º O NPC pode realizar atividades para outras disciplinas do Curso, desde que previamente agendadas e autorizadas pela Coordenação do Curso.

Artigo 5º O NPC pode realizar atividades para outras disciplinas do Curso, desde que previamente agendadas e autorizadas pela Coordenação do Curso. Regulamento do NPC Artigo 1º O Núcleo de Produção de Comunicação (NPC) se constitui dos laboratórios de Rádio, TV, Fotografia, Informática para produção de Jornalismo Impresso e Digital, e duas Ilhas de

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE BIOLOGIA MOLECULAR E IMUNOLOGIA APLICADO AOS CURSOS SUPERIORES DE GRADUAÇÃO E PÓS- GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE BIOLOGIA MOLECULAR E IMUNOLOGIA APLICADO AOS CURSOS SUPERIORES DE GRADUAÇÃO E PÓS- GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº23/2014 DISPÕE SOBRE O REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE BIOLOGIA MOLECULAR E IMUNOLOGIA APLICADO AOS CURSOS SUPERIORES DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO DA CNEC/IESA.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. REGULAMENTO DOS LABORATÓRlOS DE ENSINO CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. REGULAMENTO DOS LABORATÓRlOS DE ENSINO CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DOS LABORATÓRlOS DE ENSINO CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO Art. 1º Os seguintes espaços físicos constituem-se em Laboratórios

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE INFORMÁTICA. Seção I. Composição e função da Comissão de Informática

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE INFORMÁTICA. Seção I. Composição e função da Comissão de Informática 1 REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Dispõe sobre a utilização e gerenciamento dos laboratórios de informática do UNIVEM/FUNDAÇÃO. CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE INFORMÁTICA Seção I Composição e função

Leia mais

REGULAMENTO DE USO DOS LABORATÓRIOS TÍTULO I

REGULAMENTO DE USO DOS LABORATÓRIOS TÍTULO I REGULAMENTO DE USO DOS LABORATÓRIOS TÍTULO I DAS NORMAS E SEUS FINS Dos Objetivos Art. 1º. O presente regulamento estabelece normas para utilização dos Laboratórios da Faculdade Catuai, visando um melhor

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA "Este regulamento visa melhorar o aproveitamento dos recursos computacionais dos Laboratórios de Informática, satisfazendo ao máximo as necessidades de seus

Leia mais

REGULAMENTO PARA USO DO LABORATÓRIO PRÉ- CLÍNICO MULTIDISCIPLINAR DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA ASSOCIAÇÃO CARUARUENSE DE ENSINO SUPERIOR/ASCES

REGULAMENTO PARA USO DO LABORATÓRIO PRÉ- CLÍNICO MULTIDISCIPLINAR DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA ASSOCIAÇÃO CARUARUENSE DE ENSINO SUPERIOR/ASCES REGULAMENTO PARA USO DO LABORATÓRIO PRÉ- CLÍNICO MULTIDISCIPLINAR DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA ASSOCIAÇÃO CARUARUENSE DE ENSINO SUPERIOR/ASCES DOS OBJETIVOS Art. 1º São objetivos deste regulamento: I maximizar

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE ANATOMIA, ENFERMAGEM E MULTIDISCIPLINAR

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE ANATOMIA, ENFERMAGEM E MULTIDISCIPLINAR REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE ANATOMIA, ENFERMAGEM E MULTIDISCIPLINAR Barretos SP 2014 1 INTRODUÇÃO Os laboratórios de ensino representam um apoio fundamental para a excelência do processo ensino-aprendizagem.

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO NORMAS DE USO

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO NORMAS DE USO REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO NORMAS DE USO I - DA NATUREZA (da finalidade) Artigo 1 - O Laboratório caracteriza-se por sua natureza didático-pedagógica, servindo

Leia mais

Regulamento da Biblioteca João Maria Stevanatto

Regulamento da Biblioteca João Maria Stevanatto Regulamento da Biblioteca João Maria Stevanatto Biblioteca Etec João Maria Stevanatto Regulamento Art.-1º USUÁRIOS BENEFICIADOS I - A biblioteca atende a todos os alunos matriculados, professores e funcionários.

Leia mais

REGULAMENTO LABORATÓRIO INFORMÁTICA

REGULAMENTO LABORATÓRIO INFORMÁTICA REGULAMENTO LABORATÓRIO INFORMÁTICA APRESENTAÇÃO A Faculdade Eça de Queirós possui dois laboratórios de informática, equipados com 20 computadores cada, todos com Sistema Operacional Linux e Acesso à Internet.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/2013 CONCECERES

RESOLUÇÃO Nº 01/2013 CONCECERES RESOLUÇÃO Nº 01/2013 CONCECERES Dispõe sobre o Regimento Interno do Laboratório de Cultivo e Biotecnologia de Algas LCBA, do Centro de Educação Superior da Região Sul - CERES. O Presidente do Conselho

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA-INTA DIVISÃO DE PESQUISA EM CIÊNCIA BIOMÉDICA LABORATÓRIO MULTIUSUÁRIO REGIMENTO INTERNO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA-INTA DIVISÃO DE PESQUISA EM CIÊNCIA BIOMÉDICA LABORATÓRIO MULTIUSUÁRIO REGIMENTO INTERNO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA-INTA DIVISÃO DE PESQUISA EM CIÊNCIA BIOMÉDICA LABORATÓRIO MULTIUSUÁRIO REGIMENTO INTERNO SOBRAL-CE JANEIRO - 2012 CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. O Laboratório de

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA REGIMENTO INTERNO No. 01/2011 DO CEFID/UDESC CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º O presente regimento interno normatiza as atividades na Clínica Escola de Fisioterapia do Centro de Ciências da

Leia mais

Políticas de utilização dos laboratórios de informática

Políticas de utilização dos laboratórios de informática FACULDADE VALE DO SALGADO ICÓ CEARÁ Missão: Formar profissionais capazes de contribuir para o desenvolvimento do país, embasados na responsabilidade social e na ética, visando o bem estar e a qualidade

Leia mais

Curso de Engenharia de Elétrica

Curso de Engenharia de Elétrica Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Engenharia de Elétrica Cascavel-PR 2011 - 2 - CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO FASIPE CENTRO EDUCACIONAL LTDA. Mantenedora Faculdade Cenecista de Sinop Facenop/FASIPE Mantida REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO SINOP / MATO GROSSO 2014

Leia mais

Sistema Integrado de Bibliotecas. Sistema Integrado de Bibliotecas

Sistema Integrado de Bibliotecas. Sistema Integrado de Bibliotecas Sistema Integrado de Bibliotecas Sistema Integrado de Bibliotecas Responsável: Cassiana Souza Coordenadora do Sistema Integrado de Bibliotecas FAEL CRB - 9/1501 Projeto Gráfico e Capa: Bruna Maria Cantador

Leia mais

Regulamento Interno da Farmácia Escola de Dispensação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces

Regulamento Interno da Farmácia Escola de Dispensação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces Regulamento Interno da Farmácia Escola de Dispensação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces Caruaru-PE 2014 REGULAMENTO INTERNO DA FARMÁCIA ESCOLA DE DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS

Leia mais

REGULAMENTO DOLABORATÓRIO DE ENFERMAGEM ANA NERY CAPÍTULO I DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO DOLABORATÓRIO DE ENFERMAGEM ANA NERY CAPÍTULO I DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DOLABORATÓRIO DE ENFERMAGEM ANA NERY CAPÍTULO I DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM Art.1º - O presente documento estabelece as normas de organização e funcionamento do Laboratório de Enfermagem Ana

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS

Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS Art. 1º A missão do Laboratório de Informática da FACOS/Marquês é buscar a excelência no atendimento aos seus usuários. seguintes: informática.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SISTEMA DOS LABORATÓRIOS DO CAMPUS CAÇAPAVA DO SUL TÍTULO I DOS FINS

REGIMENTO INTERNO DO SISTEMA DOS LABORATÓRIOS DO CAMPUS CAÇAPAVA DO SUL TÍTULO I DOS FINS 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA (Lei nº. 11.640, de 11 de janeiro de 2008) REGIMENTO INTERNO DO SISTEMA DOS LABORATÓRIOS DO CAMPUS CAÇAPAVA DO SUL TÍTULO I DOS FINS Art. 1º - O sistema

Leia mais

Unidade de Ensino Superior Vale Do Iguaçu Normas para Utilização dos Recursos Tecnológicos Normas para Utilização dos Recursos Tecnológicos

Unidade de Ensino Superior Vale Do Iguaçu Normas para Utilização dos Recursos Tecnológicos Normas para Utilização dos Recursos Tecnológicos Normas para Utilização dos Recursos Tecnológicos UNIÃO DA VITÓRIA PR SUMÁRIO CAPÍTOLO I - Departamento de Informática e Laboratórios de Computação Dos Laboratórios de Computação e Seus Fins... 2 Da Estrutura

Leia mais

REGULAMENTO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, RÁDIO E TV, BACHARELADO LABORATÓRIOS DIDÁTICOS ESPECIALIZADOS

REGULAMENTO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, RÁDIO E TV, BACHARELADO LABORATÓRIOS DIDÁTICOS ESPECIALIZADOS REGULAMENTO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, RÁDIO E TV, BACHARELADO LABORATÓRIOS DIDÁTICOS ESPECIALIZADOS DA CARACTERIZAÇÃO Art 1º. Os laboratórios didáticos especializados do Curso de Comunicação Social,

Leia mais

REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA

REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA Dos Laboratórios Art 1º O objetivo dos laboratórios de informática é suprir necessidades laboratoriais, de informática, nas áreas de ensino, pesquisa, extensão,

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE USO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE USO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO NORMAS E PROCEDIMENTOS DE USO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO

Leia mais

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF A Comissão de segurança do Instituto de Química da UFF(COSEIQ) ao elaborar essa proposta entende que sua função é vistoriar, fiscalizar as condições

Leia mais

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01.

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01. CONSELHO PEDAGÓGICO - COP RESOLUÇÃO Nº. 13/2008, DE 03 DE ABRIL DE 2008 Aprova o Regulamento de Monitoria Faculdade de Lucas do Rio Verde. O Presidente do Conselho Pedagógico - COP, face ao disposto no

Leia mais

Curso de Sistema de Informação

Curso de Sistema de Informação 1 Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Sistema de Informação Cascavel - PR CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio Curricular

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO, FINS E OBJETIVOS Art. 1º As presentes normas visam regulamentar e disciplinar, em termos de sua administração,

Leia mais

Artigo II. A coordenação do LAC cabe ao coordenador do PGESDE.

Artigo II. A coordenação do LAC cabe ao coordenador do PGESDE. NORMATIVA INTERNA DO LABORATÓRIO DE APOIO COMPUTACIONAL DEFINE NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE APOIO COMPUTACIONAL (LAC) DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE SISTEMAS DINÂMICOS E ENERGÉTICOS.

Leia mais

Regras Gerais. 5) A senha de acesso ao GEPOC é de uso pessoal, sendo vedada sua transferência para membros externos ao GEPOC.

Regras Gerais. 5) A senha de acesso ao GEPOC é de uso pessoal, sendo vedada sua transferência para membros externos ao GEPOC. Regras Gerais 1) O acesso ao GEPOC é exclusivo ao seu corpo técnico (alunos, técnicos e professores), exceto durante visitas técnicas, desde que autorizadas e acompanhadas por algum membro do GEPOC. 2)

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL -UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DCM Campus Universitário - Viçosa, MG - 36570-000 - Telefone: (31) 2878 / 4502 - E-mail: dcm@ufv.br

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE ASCES

REGULAMENTO INTERNO DA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE ASCES REGULAMENTO INTERNO DA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE ASCES DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. A qualidade do atendimento e o assumir responsabilidade integram a forma de pensar e agir de profissionais,

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Departamento: Tecnologia da Informação Faculdade Adventista da Bahia 1 P á g i n a Normas de Utilização dos Laboratórios de Informática Da Faculdade Adventista

Leia mais

Oficinas do Grupo de Estudos: Uma Aprendizagem Colaborativa entre estudantes e professores dos cursos de Computação da USC

Oficinas do Grupo de Estudos: Uma Aprendizagem Colaborativa entre estudantes e professores dos cursos de Computação da USC Oficinas do Grupo de Estudos: Uma Aprendizagem Colaborativa entre estudantes e professores dos cursos de Computação da USC Elaine Cecília Gatto Universidade Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: elaine.gatto@usc.br

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA FACULDADE DOM BOSCO DE UBIRATÃ

REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA FACULDADE DOM BOSCO DE UBIRATÃ REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA FACULDADE DOM BOSCO DE UBIRATÃ UBIRATÃ - PR 2013 REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I DA BIBLIOTECA: DIRETRIZES GERAIS Art.1º- A Biblioteca apóia

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO STJ/GP N. 11 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2015. Institui a política de segurança da informação do Superior Tribunal de Justiça e dá outras providências. O PRESIDENTE DO SUPERIOR

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE DE ANATOMIA, MICROBIOLOGIA E BIOTÉRIO

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE DE ANATOMIA, MICROBIOLOGIA E BIOTÉRIO UNIFAE REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE DE ANATOMIA, MICROBIOLOGIA E BIOTÉRIO 2006 I. Introdução Os laboratórios de Anatomia, Microbiologia e Biotério do Unifae, são locais vinculados aos cursos de Fisioterapia,

Leia mais

Regulamento do uso do Laboratório de Informática da Faculdade de Amambai-MS para o Curso de Ciências Contábeis

Regulamento do uso do Laboratório de Informática da Faculdade de Amambai-MS para o Curso de Ciências Contábeis Regulamento do uso do Laboratório de Informática da Faculdade de Amambai-MS para o Curso de Ciências Contábeis Amambai-MS 2010 Regulamento do uso do laboratório de informática da Faculdade de Amambai para

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA Art. 1. O uso e o funcionamento do Laboratório de Informática da Faculdade de Direito do Vale do Rio Doce (FADIVALE) obedecerá às normas constantes deste regulamento.

Leia mais

REGULAMENTO DA CENTRAL ANALÍTICA MULTIUSUÁRIO

REGULAMENTO DA CENTRAL ANALÍTICA MULTIUSUÁRIO CAPITULO I DA FINALIDADE E DA APLICAÇÃO Art. 1º A Central Analítica Multiusuária (CAM/PEQ-UNIOESTE) é um conjunto de laboratórios que contam com equipamentos modernos, em sua maioria de última geração,

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE ANATOMIA CAPÍTULO I DOS LABORATÓRIOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E ANATOMIA E SEUS OBJETIVOS

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE ANATOMIA CAPÍTULO I DOS LABORATÓRIOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E ANATOMIA E SEUS OBJETIVOS REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE ANATOMIA CAPÍTULO I DOS LABORATÓRIOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E ANATOMIA E SEUS OBJETIVOS Art.1º - O presente documento estabelece as normas de organização

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS URUGUAIANA CURSO DE ENFERMAGEM REGIMENTO DO LABORATÓRIO DE ENSINO DE ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS URUGUAIANA CURSO DE ENFERMAGEM REGIMENTO DO LABORATÓRIO DE ENSINO DE ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS URUGUAIANA CURSO DE ENFERMAGEM REGIMENTO DO LABORATÓRIO DE ENSINO DE ENFERMAGEM Uruguaiana, 19 de abril de 2011. REGIMENTO DO LABORATÓRIO DE ENSINO DE ENFERMAGEM DA

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Regulamento - Núcleo de Apoio Fiscal e Contábil NAF

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Regulamento - Núcleo de Apoio Fiscal e Contábil NAF CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Regulamento - Núcleo de Apoio Fiscal e Contábil NAF Art. 1º. A Faculdade Cenecista de Bento Gonçalves - FACEBG entende que a Educação Superior além de profissionalizar deve

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Regimento Interno do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito da Faculdade do Norte Pioneiro CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º O Núcleo de Prática

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Normatiza o uso e aproveitamento dos recursos computacionais dos Laboratórios de Informática, visando os recursos disponíveis e as necessidades dos usuários.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA Credenciamento: Decreto Publicado em 05/08/2004 Recredenciamento: Decreto Publicado em 15/12/2006

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA Credenciamento: Decreto Publicado em 05/08/2004 Recredenciamento: Decreto Publicado em 15/12/2006 NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG (Ato de Aprovação: Resolução do Reitor nº 86/2010 de 20/08/2010) CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º Os Laboratórios

Leia mais

DTI - DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

DTI - DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Índice 1. APRESENTAÇÃO...: 2 2. OBJETIVOS...: 2 3. INFRAESTRUTURA OPERACIONAL...: 3 3.1. Sala dos Professores...: 3 3.2. Secretaria das Coordenações...: 3 3.3. Secretaria Geral...: 3 3.4. Biblioteca...:

Leia mais

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENSINO DE MATEMÁTICA

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENSINO DE MATEMÁTICA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Ibirubá REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO

Leia mais

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica 1. APRESENTAÇÃO O Estágio Curricular Supervisionado Obrigatório no curso de Engenharia Elétrica é uma atividade curricular obrigatória

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento estabelece normas de uso e funcionamento da biblioteca do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes:

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes: Fl. 01 de 06 1 Objetivo A presente Regulamentação Especial visa normalizar os procedimentos para o pessoal incumbido de prevenir ou combater um princípio de incêndio e de atuar em situações de emergência,

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA 1 Objetivos Este documento regulamenta e normatiza o processo de utilização dos Laboratórios de Informática da Faculdade Guairacá, de modo a sustentar o seu bom uso e funcionamento no âmbito acadêmico.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 19 DE MAIO DE 2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 19 DE MAIO DE 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 19 DE MAIO DE 2015 A DIRETORA-GERAL PRO TEMPORE, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, no uso de suas atribuições legais conferidas

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO CAPÍTULO I 4 DA ORGANIZAÇÃO 4 CAPÍTULO II 5 DOS FUNCIONÁRIOS 5

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO CAPÍTULO I 4 DA ORGANIZAÇÃO 4 CAPÍTULO II 5 DOS FUNCIONÁRIOS 5 SUMÁRIO CAPÍTULO I 4 DA ORGANIZAÇÃO 4 CAPÍTULO II 5 DOS FUNCIONÁRIOS 5 CAPÍTULO III 5 DA INFRAESTRUTURA 5 Seção I 6 Das Dependências 6 Seção II 6 Do Hardware e Software 6 Seção III 7 Das Manutenções 7

Leia mais

Centro de Processamento de Dados REGULAMENTO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS E DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA ORGANIZAÇÃO

Centro de Processamento de Dados REGULAMENTO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS E DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS E DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º O centro de processamento de dados (CPD), ao qual o laboratório de Informática e Laboratório de Gestão

Leia mais

Normas e Procedimentos do Departamento de Laboratórios (DLA).

Normas e Procedimentos do Departamento de Laboratórios (DLA). Normas e Procedimentos do Departamento de Laboratórios (DLA). Todos os laboratórios do Departamento de Laboratórios (DLA) devem seguir as Normas Gerais da Instituição. Todas as produções laboratoriais

Leia mais

FANORPI REGULAMENTO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

FANORPI REGULAMENTO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA FANORPI REGULAMENTO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA Art. 1 O Laboratório de Informática destina-se aos acadêmicos e professores com prioridade de utilização aos acadêmicos. Art. 2 As atividades desempenhadas

Leia mais

Regulamento Institucional do Serviço de Apoio Psicopedagógico SAPP

Regulamento Institucional do Serviço de Apoio Psicopedagógico SAPP Regulamento Institucional do Serviço de Apoio Psicopedagógico SAPP Regulamento Institucional do Serviço de Apoio Psicopedagógico SAPP Art. 1 - Do serviço de apoio Psicopedagógico - SAPP O serviço de apoio

Leia mais

REGULAMENTO PARA O USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO PARA O USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA O USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA RESOLUÇÃO FACULDADE UNEB - DirGeral nº2/2011 T Í T U L O I DAS NORMAS E SEUS FINS Dos Objetivos Art. 1º. O presente regulamento estabelece normas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 010/2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 010/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 010/2011 Dispõe sobre o regulamento interno para administração e utilização dos laboratórios de ensino da Universidade Federal de Integração Latino-Americana UNILA. A Pró-Reitoria

Leia mais

2.2 - A entrada ou saída de pedestres nas dependências da ULIVING BELA VISTA dar-se-á, pela recepção principal Rua Barata Ribeiro, 61

2.2 - A entrada ou saída de pedestres nas dependências da ULIVING BELA VISTA dar-se-á, pela recepção principal Rua Barata Ribeiro, 61 O Regulamento Interno da ULIVING BELA VISTA, localizado na cidade de SÃO PAULO CAPITAL, à Rua Barata Ribeiro nº 61 estabelece as regras de convivência e as relações entre os usuários do empreendimento.

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE COMPUTAÇÃO

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE COMPUTAÇÃO I. APRESENTAÇÃO O presente documento trata da regulamentação de acesso, permanência e uso dos Laboratórios de Computação vinculados ao Curso de Bacharelado em Ciência da Computação (BCC) do Campus Jataí

Leia mais