Instrução MI Janeiro de RTT30 I/A Series Transmissor de Temperatura Com Protocolo de FOUNDATION Fieldbus

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instrução MI 020-532 Janeiro de 2014. RTT30 I/A Series Transmissor de Temperatura Com Protocolo de FOUNDATION Fieldbus"

Transcrição

1 Instrução MI Janeiro de 2014 RTT30 I/A Series Transmissor de Temperatura Com Protocolo de FOUNDATION Fieldbus

2

3 Índice Figuras... v Tabelas... vi 1. Introdução... 1 Descrição Geral... 1 Documentos de Referência... 1 Identificação do Transmissor... 2 Especificações Padrão... 2 Especificações de Segurança Elétrica Instalação... 7 Montagem... 7 Trava de Tampa... 7 Girando o Mostrador... 8 Configurando os Interruptores DIP do Transmissor... 8 Fiação... 9 Acessando os Terminais de Campo do Transmissor Conexões de Entrada Conectando a um Sistema Série I/A ou outro Sistema Hospedeiro Nível de Proteção Verificação de Conexão Instalando o Software Fieldbus Operação Mostrador Ligando o Dispositivo de Medição Comissionamento Inicial Configurando o Bloco de Recurso (Índice de Base 400) Configurando os Blocos do Transdutor Configurando os Blocos de Função de Entrada Analógica Configuração do Sistema / Conexão dos Blocos de Função Operação via FOUNDATION Fieldbus Parâmetros do Bloco de Recurso Parâmetros de Bloco de Transdutor Bloco de Transdutor "Sensores 1 e 2" iii

4 Índice Bloco de Transdutor Diagnóstico Avançado Mostrador do Bloco de Transdutor Descrição dos Parâmetros do Bloco de Função RTT30 DTM Tela do Mostrador/Operação Tela de Configuração Tela de Diagnóstico Tela Especialista Tela de Sistema Tela do Sensor Subtela de Diagnóstico Tela de Informações de Sistema Tela de Valores Medidos Mín.-/Máx. Tela de Valores Tela de Bloco de Função Tela de Modo de Bloco Resolução de Problemas Resolução de problemas - Instruções Mensagens de Status ADVERTÊNCIA - Categoria de Erro ALARME - Categoria de Erro Detecção de Corrosão Erros de Aplicação sem Mensagens Erros de Aplicação para Conexão RTD Erros de Aplicação para Conexão TC Índice Remissivo iv

5 Figuras Figura 1. Placa de Dados Típica... 2 Figura 2. Montagem sobre uma Superfície ou Cano... 7 Figura 3. Trava de Tampa... 7 Figura 4. Girando o Mostrador... 8 Figura 5. Proteção e modo de simulação dos Interruptores DIP... 9 Figura 6. Acessando os Terminais de Campo Figura 7. Conexões de Entrada Figura 8. Conectando um RTT30-K ao FOUNDATION Fieldbus Figura 9. Mostrador Figura 10. Mostrador de Tela após a Conexão Ter Sido Estabelecida Figura 11. Conectando os blocos de função com a ajuda do Configurador NI-FBUS Figura 12. Escala Linear da Curva de Temperatura-Linear Figura 13. Tela do Mostrador/Operação Figura 14. Tela de Configuração Figura 15. Exemplo de uma Tela de Sistema Figura 16. Exemplo de uma Tela de Sensor Figura 17. Exemplo de uma Tela de Sensor Figura 18. Exemplo de uma Subtela de Diagnóstico Figura 19. Exemplo de uma Tela de Valores Medidos Figura 20. Exemplo de uma Tela de Valores Mín- / Máx Figura 21. Exemplo de uma Tela de Entrada Analógica Figura 22. Exemplo de uma Tela de Modo de Bloco v

6 Tabelas Tabelas Tabela 1. Documentos de Referência... 1 Tabela 2. Especificações de Segurança Elétrica... 5 Tabela 3. Combinações Permitidas de Dois Sensores Tabela 4. Elementos do Mostrador do Indicador Tabela 5. Campos e Funcionalidades do Mostrador/Operação Tabela 6. Campos e Funcionalidades da Configuração Tabela 7. Campos e Funcionalidades da Tela de Sistema vi

7 1. Introdução Descrição Geral O Transmissor de Temperatura RTT30 com protocolo de comunicação FOUNDATION Fieldbus é baseado em microprocessador, transmissor de temperatura de 2 cabos que recebe sinais de entrada de termopares, RTDs, resistência (ohms), ou fontes de milivolts. Comunicações remotas são através de um Comunicador Fieldbus HART/FUNDAÇÃO ou um Configurador Baseado em PC. Ele está disponível em uma caixa de alumínio ou aço inoxidável e pode ser montado sobre uma superfície, a um DN 50 ou cano de 2 polegadas, ou diretamente em um sensor. Documentos de Referência Para obter informações adicionais relacionadas, consulte os documentos listados na Tabela 1. Documento: DP MI MI Tabela 1. Documentos de Referência Descrição Impressão dimensional - RTT30 Transmissores de Temperatura Visão Geral do Fieldbus Informação de Segurança do Transmissor RTT30 1

8 Identificação do Transmissor Ver Figura 1 para uma placa de dados típica. A placa de dados é externamente montada na caixa do transmissor. Especificações Padrão Limites de Temperatura Ambiente: Figura 1. Placa de Dados Típica Sem Indicador Integral: -40 e +85 C (-40 e +185 F) Com Indicador Integral: -40 e +70 C (-40 e +158 F) OBSERVAÇÃO: A temperatura < -20 C (-4 F), o mostrador pode reagir lentamente. A legibilidade do mostrador não pode ser garantida na temperatura < -30 C (-22 F). Limites de Voltagem de Abastecimento: 9 e 30 V dc Limites de Vibração: 30 m/s 2 (3 g ) de 2 para 150 Hz Limites de Dimensão e Extensão - Entrada RTD Designação e Descrição de RTD Cu10 alfa = 0,004274; Para Circuito de Cobre Edison n º 15 Cu50 alfa = 0,004278; Para GOST Cu100 alfa = 0,004278; Para GOST Dimensão Limites de Extensão de Medições Mínima -100 e +260 C (-148 e +500 F) 10 C (18 F) -200 e +200 C (-328 e +392 F) 10 C (18 F) -200 e +200 C (-328 e +392 F) 10 C (18 F) 2

9 Designação e Descrição de RTD Ni100 alfa = ; Para DIN Ni120 alfa = 0,006720; Para Edison Curve Ni1000 alfa = 0,006180; Para DIN Pt50 alfa = 0,003911; Para GOST Pt100 3-cabos, Configuração da Fábrica Pt100 alfa = 0,003916; Para JIS C Pt100 alfa = 0,003911; Para GOST Pt100 alfa = 0,00385; Para IEC Pt100 Polinomio Ni Pt100 Polinomio Cu Pt500 alfa = 0,00385; Para IEC Pt1000 alfa = 0,00385; Para IEC Dimensão Limites de Extensão de Medições Mínima -60 e 250 C (-76 e 482 C) 10 C (18 F) -70 e +270 C (-94 e +518 F) 10 C (18 F) -60 e +150 C (-76 e +302 F) 10 C (18 F) -200 e C (-328 e F) 10 C (18 F) 0 e 100 C (32 e 212 F) 10 C (18 F) -200 e +649 C (-328 e F) 10 C (18 F) -200 e +850 C (-328 e F) 10 C (18 F) -200 e +850 C (-328 e F) 10 C (18 F) -200 e +250 C (-328 e 482 F) 10 C (18 F) -200 e +250 C (-328 e +482 F) 10 C (18 F) Limites de Extensão e Medição Entrada de Par Elétrico Designação e Descrição de Termopar Limites de Extensão de Medições Extensão Mínima Tipo B 40 e 1820 C (104 e 3308 F) 500 C (900 F) PtRh30-PtRh6; IEC Tipo C 0 e 2315 C (32 e 4199 F) 500 C (900 F) W5Re-W26Re; ASTM E988 Tipo D 0 e 2315 C (32 e 4199 F) 500 C (900 F) W3Re-W25Re; ASTM E988 Tipo R -50 e C (-58 e F) 500 C (900 F) PtRh13-Pt; IEC Tipo S -50 e C (-58 e F) 500 C (900 F) PtRh10-Pt; IEC Tipo T -270 e 400 C (-454 e 752 F) 50 C (90 F) Cu-CuNi; IEC Tipo U -200 e +600 C (-328 e F) 50 C (90 F) Cu-CuNi; IEC Tipo L Fe-CuNi; DIN e +900 C (-328 e F) 50 C (90 F) 3

10 Designação e Descrição de Termopar Limites de Extensão de Medições Extensão Mínima Tipo E -270 e C (-454 e F) 50 C (90 F) NiCr-CuNi; IEC Tipo J -210 e C (-346 e F) 50 C (90 F) Fe-CuNi; IEC Tipo K -270 C e 1372 C (-454 e 2501 F) 50 C (90 F) NiCr-Ni; IEC Tipo N NiCrSi-NiSi; IEC e C (-454 e 2372 F) 50 C (90 F) Limites de Extensão e Medição Entradas de Resistência e Voltagem Fonte de Entrada Limites de Extensão de Medição Extensão Mínima Transmissor de Voltagem -20 e +100 mv 5 mv Transmissor de Resistência 10 e 400Ω 10 Transmissor de Resistência 10 e 2000Ω 100 Material de Carcaça: Alumínio fundido com um revestimento em pó sobre uma base de poliéster ou aço inoxidável 316L Conexões de carcaça (2): 1/2 NPT ou M20, conforme especificado Peso Aproximado: Carcaça de Alumínio com Indicador: 1,4 kg (3.1 libras) Carcaça de Aço Inoxidável com Indicador: 4.2 kg (9.3 libras) Dimensões: Consulte DP Proteção Ambiental: À prova de poeiras e intempéries conforme IEC IP67 e fornece a proteção ambiental e a proteção resistente à corrosão de NEMA 4X Compatibilidade Eletromagnética (EMC) O transmissor, quando instalado de acordo com esta instrução de instalação, atende a todos os requisitos indicados em EN Série e requisitos específicos listados em IEC Séries e NAMUR NE 21. Descarga eletrostática conforme IEC : 6 kv Cont., 8 kv de ar. Imunidade RF irradiada conforme IEC : 0,08 a 2,0 GHz; 10 V/m 0,08 a 2,0 GHz: 30 V/m 2,0 a 2,7 GHz: 1 V/m Transiente de Alta Freqüência conforme IEC : 2 kv 4

11 Interruptor e Transiente de Luz Indireta (Oscilação) conforme IEC : 1 kv assim.. (0,5 kv assim.) Imunidade RF conduzida conforme IEC : 0,01 a 80 MHz; 10 V Requisitos de imunidade a interferência conforme NAMUR NE 21. Categoria de Medição Categoria de Medição II conforme IEC A categoria de medição é fornecida para medições em circuitos com uma conexão elétrica direta ao abastecimento baixo de voltagem. Grau de Poluição: 2 conforme IEC Classe de Clima: Conforme IEC , Classe C. Especificações de Segurança Elétrica OBSERVAÇÃO: Estes transmissores foram concebidos para atender à descrição de segurança elétrica listada na Tabela 2. Para informações detalhadas ou status de aprovações / certificações de laboratórios de testes, contatar a Invensys. Tabela 2. Especificações de Segurança Elétrica Laboratório de Teste, Tipos de Proteção e Classificação dá Área Condições de Aplicação Nenhum - Instrumento em uma localização da área classificada sem risco. FM intrinsecamente seguro e não inflamáveis; Classe I, Classe de temperatura T4; Ta = -40 até + 85 C Divisões 1 e 2, Grupos A, B, C e D. FM à prova de explosão, não inflamáveis, e à prova de ignição por pó;.classe I, II, III, Divisões 1 e 2, Grupos A a G. FM à prova de explosão, não inflamável, intrinsecamente seguro e à prova de ignição por pó;.classe I, II, III, Divisões 1 e 2, Grupos A a G. Classe de temperatura T6; Ta = -40 até 55 C Classe de temperatura T5; Ta = -40 até 70 C Classe de temperatura T4; Ta = -40 até 85 C Classe de temperatura T6; Ta = -40 até 55 C Classe de temperatura T5; Ta = -40 até 70 C Classe de temperatura T4; Ta = -40 até 85 C Código do: Projeto de Segurança CSA para uso em locais (Objetivo Geral) comuns. O CSA intrinsecamente seguro e não inflamável; Classe I, Divisões 1 e 2, Grupos A, B, C e D. Classe de temperatura T6; Ta = -40 até 55 C Classe de temperatura T5; Ta = -40 até 70 C Classe de temperatura T4; Ta = -40 até 85 C D CSA à prova de explosão, não inflamável, e à prova de ignição por pó;.classe I, II, III, Divisões 1 e 2, Grupos A a G. CSA à prova de explosão, não inflamável, intrinsecamente seguro e à prova de ignição por pó;.classe I, II, III, Divisões 1 e 2, Grupos A a G Classe de temperatura T6; Ta = -40 até 55 C Classe de temperatura T5; Ta = -40 até 70 C Classe de temperatura T4; Ta = -40 até 85 C Classe de temperatura T4; Ta = -40 até 55 C Classe de temperatura T5; Ta = -40 até 70 C Classe de temperatura T6; Ta = -40 até 80 C ATEX intrinsecamente seguro; II 1 G, EEx ia IIC. Classe de temperatura T6; Ta = -40 até 55 C Classe de temperatura T5; Ta = -40 até 70 C Classe de temperatura T4; Ta = -40 até 85 C A C F J G K B 5

12 Laboratório de Teste, Tipos de Proteção e Classificação dá Área ATEX à prova de explosão; II 2 G, EEx d IIC. ATEX à prova de explosão, e intrinsecamente seguro; EEx d EEx ia. ATEX não inflamável II 3 G, EEx na nl IIC. Ver nota de rodapé (a). Condições de Aplicação Classe de temperatura T4 ; Ta = -40 a +55 C Classe de temperatura T5; Ta = -40 a +70 C Classe de temperatura T6; Ta = -40 a +80 C Ver Código B e E acima Código do: Projeto de Segurança Classe de temperatura T6 ; Ta = -40 a +55 C L Classe de temperatura T5; Ta = -40 a +70 C Classe de temperatura T4; Ta = -40 a +85 C (a) ATEX II 1/2 D; IP66/67. Temperatura Máxima da Superfície = 110 C N ATEX II 1/2 GD e EEx ia IIC. Classe de temperatura T6 ; Ta = -40 a +55 C Classe de temperatura T5; Ta = -40 a +70 C Classe de temperatura T4; Ta = -40 a +85 C T INMETRO intrinsecamente seguro; Ex ia IIC Ga. Classe de temperatura T6; Ta = -40 até 55 C B Classe de temperatura T5; Ta = -40 até 70 C Classe de temperatura T4; Ta = -40 até 85 C INMETRO à prova de explosão; Ex d IIC Gb. Classe de temperatura T4 ; Ta = -40 a +55 C E Classe de temperatura T5; Ta = -40 a +70 C Classe de temperatura T6; Ta = -40 a +80 C INMETRO à prova de explosão, e intrinsecamente Ver Código B e E acima H seguro; Ex d e Ex ia. INMETRO poeira: Ex tb IIIC Db. Temperatura Máxima da Superfície = 110 C N INMETRO poeira: Ex ia IIIC Db. Classe de temperatura T85ºC ; Ta = -40 a +55 C T Classe de temperatura T100ºC ; Ta = -40 a +70 C Classe de temperatura T135ºC ; Ta = -40 a +85 C (a) Com ATEX II 3 G, EEx nl IIC, T4 = -40 até 70 C (não + 85 C), quando um indicador LCD é usado. E H 6

13 2. Instalação Montagem O Transmissor RTT30 pode ser remotamente montado em uma superfície ou um cano DN 50 ou de 2 polegadas com um Suporte em forma de L. Também pode ser montado em um cano com um Suporte em forma de U. Ver a Figura 2. MONTAGEM EM SUPERFÍCIE OU CANO MONTAGEM EM CANO TRANSMISSOR CANO CANO SUPERFÍCIE SUPORTE EM FORMA DE L SUPORTE EM FORMA DE U MONTA NA PARTE DE BAIXO DO TRANSMISSOR Trava de Tampa Figura 2. Montagem sobre uma Superfície ou Cano As tampas tanto dos compartimentos eletrônicos e terminais do transmissor podem ser presas com travas de tampa. Para travar uma tampa, desparafuse o parafuso com uma chave sextavada de 1/8 polegadas até poder puxar a braçadeira de trava na posição contra a tampa. Depois, aperte o parafuso de trava. Para destravar uma tampa, inverta este procedimento. BRAÇADEIRA PARAFUSO TAMPA CARCAÇA Figura 3. Trava de Tampa 7

14 Girando o Mostrador O mostrador pode ser girado dentro do seu encaixe para qualquer uma das quatro posições a 90 de incrementos como segue: 1. Remova a braçadeira da tampa (se aplicável). 2. Desparafuse a tampa do compartimento eletrônico (com seu anel O). 3. Remova o mostrador (e seu retentor), puxando-o para cima. 4. Gire o mostrador (e seu retentor) em incrementos de 90, conforme necessário e cuidadosamente coloque-o novamente no módulo eletrônico. CUIDADO Cuidadosamente, alinhe o mostrador com uma das setas no módulo eletrônico antes de suavemente pressionar o mostrador em seu lugar. 5. Recoloque a tampa (ou tampa) (com seu anel O) e dobradiça (se aplicável). MOSTRADOR Figura 4. Girando o Mostrador Configurando os Interruptores DIP do Transmissor Os interruptores DIP para a Proteção e Modo de Simulação (para entrada analógica) podem ser encontrados no compartimento do sistema eletrônico. A fim de definir os interruptores, retirar a tampa do compartimento eletrônico. Remover o mostrador (se houver). CUIDADO Proteger os terminais de descarga eletrostática. Falha em observar o acima poderá resultar em destruição de partes da eletrônica. MÓDULO ELETRÔNICO O interruptor de Proteção é para a segurança do transmissor. Configurando o interruptor de Proteção à posição ON proíbe os usuários de modificar os parâmetros. O status atual de Proteção é mostrado no parâmetro WRITE_LOCK no Bloco de Recursos. 8

15 OBSERVAÇÃO: O modo de simulação através de seu interruptor DIP tem prioridade sobre a configuração do software. Fiação Figura 5. Proteção e modo de simulação dos Interruptores DIP Seu transmissor deve ser instalado para atender todos os regulamentos locais de instalação, tais como requisitos para áreas de risco e códigos de fiação elétrica. As pessoas envolvidas na instalação devem estar treinadas nesses requisitos de código. Pará manter a certificação da agência, o transmissor também deve ser instalado de acordo com as exigências da agência. ADVERTÊNCIA Ao instalar dispositivos de segurança elétrica aprovados, por favor, tome nota especial das seguintes instruções e desenhos de controle: Desenho Foxboro 10120RY: FM À prova de explosão e não inflamável Desenho Foxboro 10120RU: FM Intrinsecamente Seguro e não inflamável Desenho Foxboro 10120RX: CSA À prova de explosão e não inflamável Desenho Foxboro 10120RZ: CSA Intrinsecamente Seguro e não inflamável Instrução MI : Informação de segurança para Certificação ATEX/INMETRO RTT30. ADVERTÊNCIA Em transmissores com Código Elétrico de Segurança outro que A: Manter proteção IEC IP67 e NEMA Tipo 4X, qualquer abertura de conduíte não usada deve ser ligada com o plugue de metal fornecido. Use um selante de rosca adequado em todas as conexões de conduíte. Além disso, as tampas dos encaixes em rosca devem ser instaladas. Apertem manualmente cada tampa o máximo que puder para que seu anel-o fique totalmente preso. 9

16 CUIDADO 1. Desligue a fonte de alimentação antes de instalar ou ligar o dispositivo. Deixar de observar isso pode resultar na destruição de partes da eletrônica. 2. Se o transmissor não tiver sido aterrado, como um resultado do encaixe que está sendo instalado, Invensys recomenda o aterramento através de um dos parafusos de terra. 3. Proteger os terminais de descarga eletrostática. Falha em observar o acima poderá resultar em destruição de partes da eletrônica. Acessando os Terminais de Campo do Transmissor Para acesso aos terminais de campo, solte a trava da tampa (se houver) e remova a tampa do compartimento dos terminais de campo, conforme mostrado na Figura 6. COMPARTIMENTO DE TERMINAIS DE CAMPO COMPARTIMENTO ELETRÔNICO ENTRADA DE CABO / CONDUÍTE Figura 6. Acessando os Terminais de Campo Conexões de Entrada Há seis terminais do módulo básico para conexões de entrada e de saída. Terminais + e - são para entrada de alimentação e saída de medição. Terminais de 1 a 4 são para Sensor 1 RTD, TC, ohm, ou entradas de sensor mv. Terminais 5 e 6 são para entradas de Sensor 2. 10

17 2 fios 3 fios 4 fios Figura 7. Conexões de Entrada Nas duas entradas de sensor, as seguintes combinações de conexão são possíveis: Sensor 2: RTD a 2 fios Sensor 2: RTD a 3 fios Sensor 2: RTD a 4 fios Sensor 2: Conexão TC Tabela 3. Combinações Permitidas de Dois Sensores Sensor 1: RTD a 2 fios Sensor 1: RTD a 3 fios Sensor 1: RTD a 4 fios Sensor 1: Conexão TC Sim Sim Não. Sim Sim Sim Não. Sim Não Não Não Não Sim Sim Sim Sim O conector do cabo especial é necessário ao conectar dois sensores na mesma porta (não aplicável para os transmissores à prova de explosão). CUIDADO Ao conectar dois sensores, garantir que não haja qualquer conexão galvânica entre os sensores (por exemplo, termopares duplex aterrados). As correntes de equalização resultantes distorcem as medições consideravelmente. Nesta situação, os sensores têm de ser galvanicamente isolados uns dos outros, ligando cada sensor separadamente ao transmissor de campo. O dispositivo fornece isolação galvânica suficiente (> 2 kv ac) entre a entrada e a saída. 11

18 Conectando a um Sistema Série I/A ou outro Sistema Hospedeiro Os Transmissores RTT30-K de Temperatura podem ser conectados a um Sistema Hospedeiro, ligando os terminais de saída à FOUNDATION Fieldbus como mostrado na Figura 8. RTT30-K Série I/A TRANSMISSOR DE TEMPERATURA 1 2 ESGOTE O CONDUÍTE PARA EVITAR ACÚMULO DE UMIDADE NA CAIXA DO TRANSMISSOR CLASSIFICAÇÃO PARA ÁREA NÃO ULTRAPASSAR TAXAS ESPECIFICADAS NO TRANSMISSOR PLACA DE DADOS OBSERVAÇÃO: TODOS OS DISPOSITIVOS LOCALIZADOS EM ÁREA DE RISCO DEVEM SER CERTIFICADOS POR I.S TERMINAL DE BARRAMENTO I.S. OUTROS DISPOSITIVOS DE FIELDBUS I.S. TERMINAL DE BARRAMENTO I.S.* USE CABO DE PAR TRANÇADO, COM PROTEÇÃO MULTI-NÚCLEO APROVADA POR FOUNDATION FIELDBUS. REFERIR-SE A FOUNDATION FIELDBUS AP. GUIA AG-140, REV 1.0 OU SUBSEQUENTE ÁREA DE PERIGO BARREIRA DE SEGURANÇA INTRÍNSECA (VER INSTRUÇÕES) TERMINAL DO BARRAMENTO* ÁREA FORA DE PERIGO CONECTOR DO SEGMENTO PROFIBUS HOSPEDEIRO FIELDBUS ABASTECIMENDO DE ENERGIA FIELDBUS OUTROS DISPOSITIVOS FIELDBUS UM DISPOSITIVO PADRÃO FORNECIDO COM A APROVAÇÃO DO SOFTWARE FOUNDATION FIELDBUS PARA TORNÁ-LO UM PROGRAMADOR DE ACESSO AO LINK TERMINAL DE BARRAMENTO *NECESSÁRIO APENAS PARA ISOLAR A BARREIRA Figura 8. Conectando um RTT30-K ao FOUNDATION Fieldbus 12

19 Nível de Proteção MI Janeiro de 2014 O dispositivo está conforme os requisitos IEC IP67 e NEMA 4X para proteção de ingresso. A fim de cumprir com este nível de proteção após instalação ou serviço, os pontos a seguir devem ser tomados em consideração: As vedações do encaixe devem estar limpas e sem danos antes de serem substituídas no rebate de vedação. Se as mesmas estiverem secas demais, devem ser limpas ou substituídas. Todos os parafusos e tampas dos encaixes devem ser apertados. Os prensa cabos utilizados para a conexão devem ser do diâmetro externo correto especificado (por exemplo, M20 x 1,5, diâmetro do cabo de 0,32 a 0,47 polegadas; 8 a 12 mm). Aperte o conector do prensa cabo ou a montagem NPT. Amarre o cabo ou conduíte, antes de colocar na entrada para que toda a umidade que possa formar não entre no conector. Instalar o dispositivo para que as entradas de cabo ou conduíte não estejam voltadas para cima. Entradas não utilizadas serão ligadas usando as conexões ou bujões fornecidos. O conector do cabo de proteção não deve ser removido do encaixe NPT. Verificação de Conexão Após a instalação elétrica do dispositivo, sempre faça a seguinte verificação final: Condição e Especificação do Dispositivo O dispositivo ou os cabos estão danificados (verificação visual)? O dispositivo para as especificações de medição, tais como temperatura ambiente, faixa de medição, e assim por diante? Conexão Elétrica A tensão de alimentação corresponde às especificações na plaqueta de identificação? (9 a 32 V dc) Os cabos utilizados estão em conformidade com as especificações? Os cabos têm alívio de tensão adequado? A fonte de alimentação e os cabos Fieldbus estão conectados corretamente? Todos os terminais estão bem apertados? 13

20 Todos os conectores de cabos estão instalados, apertados e vedados? O cabo opera com o "coletor de água"? Todas as tampas do encaixe estão instaladas e apertadas? Conexão elétrica de FOUNDATION Fieldbus Todos os componentes de ligação (Caixas-T, caixas de derivação, conectores, etc.) estão ligados entre si corretamente? Cada segmento Fieldbus foi terminado em ambas as extremidades com um terminal de barramento? O comprimento máximo do cabo do Fieldbus foi observado de acordo com as especificações da FOUNDATION Fieldbus?. O comprimento máximo do cabo do Fieldbus foi observado de acordo com as especificações da FOUNDATION Fieldbus? O cabo do Fieldbus está totalmente blindado e corretamente aterrado? Instalando o Software Fieldbus Arquivos de Descrição do dispositivo (DD) são usados por um configurador remoto da FOUNDATION Fieldbus (host - hospedeiro) e pode ser encontrado no site da Invensys. A nomenclatura do dispositivo da FOUNDATION Fieldbus e os arquivos de descritor são: ID do Fabricante: 0x Tipo de Dispositivo: 0xC034 Arquivos de Descritor de Dispositivo: xxyy.ffo ou xxyy.ff5 xxyy.sym ou xxyy.sy5 xxyyzz.cff onde xx e yy Arquivo binário de Descrição de Dispositivo Arquivo de símbolo de Descrição de Dispositivo Arquivo de Capacidade Fazem referência ao número da versão do dispositivo (por exemplo 0101.ffo). 14

21 3. Operação Mostrador MOSTRADOR DA UNIDADE DE ENGENHARIA (EGU) MOSTRADOR DO GRÁFICO DE BARRA EM INCREMENTOS DE 10% MOSTRADOR DE ADVERTÊNCIA MOSTRADOR DO VALOR MEDIDO MOSTRADOR DA CONFIGURAÇÃO TRAVADA MOSTRADOR DE COMUNICAÇÕES MOSTRADOR DE STATUS E INFORMAÇÃO Figura 9. Mostrador Tabela 4. Elementos do Mostrador do Indicador Elementos do Mostrador Descrição Mostrador do Gráfico de Barra Em 10% de incrementos com marcas acima e abaixo da faixa Mostrador advertência Isto é mostrado sempre que é dado um erro ou advertência. Mostrador da Unidade de Valor medido em Unidades selecionadas de Engenharia. Engenharia (EGU): K, F, C, ou % Mostrador do Valor Medido: Mostrador do valor medido se uma advertência estiver presente; o 20.5 mm (0.81 in) Altura do mostrador alterna-se entre valor medido e Código de advertência. Caractere. No caso de um erro, o Código de Erro é mostrado e alternado com "-----" em vez de um valor medido. Mostrador do Status e Informação Mostrador de Comunicações Mostrador de Configuração Travada Indica qual valor atualmente aparece no mostrador. No caso de um erro ou advertência, ou erro / advertência relevante, informações são mostradas. Este ícone de comunicação aparece e indica que a comunicação do FOUNDATION Fieldbus está ativa. Este ícone de configuração é mostrado quando a configuração está travada por meio de um jumper de hardware. 15

22 Ligando o Dispositivo de Medição O dispositivo de medição elabora uma série de funções de teste internas após ser ligado. À medida que este procedimento progride, a seguinte sequência de mensagens aparece no mostrador local: Passo Mostrador 1 Todos os segmentos ligados 2 Todos os segmentos desligados 3 Mostrador 4 Mostrador: A atual versão SW aparece no mostrador 5 Mostrador: A atual revisão do dispositivo aparece no mostrador 6a Mostrador: O atual valor medido aparece no mostrador. O gráfico de barra mostra o % do valor dentro da extensão estabelecida no gráfico de barra. 6b Mostrador: A atual mensagem de status aparece no mostrador. O gráfico de barra mostra todos os segmentos. Obs.: Se o procedimento de conexão por interruptor falhar, a mensagem apropriada do status é mostrada, dependendo da causa. O modo de medição normal começa assim que o procedimento de conexão por interruptor é completado. Várias variáveis de valores e/ou status medidos aparecem no mostrador. Comissionamento Inicial A descrição a seguir leva você passo-a-passo através de comissionamento do dispositivo e todas as configurações necessárias para um comissionamento de FOUNDATION Fieldbus: 1. Ligue o dispositivo. 2. Observe o DEVICE_ID na placa de identificação do dispositivo. 3. Abra o programa de configuração. 4. Carregue os arquivos de descrição de dispositivo ou o arquivo CFF no sistema anfitrião (host) ou no programa de configuração. Certifique-se de que você esteja usando os arquivos certos do sistema. A primeira vez que você estabelecer uma conexão, o dispositivo reage da seguinte forma: RTT30-Kxxxxxxxxxxx (nome da etiqueta PD-TAG) C034-xxxxxxxxxxx (DEVICE_ID) Estrutura do bloco: Texto Mostrador (xxx... = número de série) Índice Base Descrição RS_xxxxxxxxxxx 400 Bloco de Recurso TB_S1_xxxxxxxxxxx 500 Bloco de Transdutor Sensor de Temperatura 1 TB_S2_xxxxxxxxxxx 600 Bloco de Transdutor Sensor de Temperatura 2 TB_DISP_xxxxxxxxxxx 700 Bloco de Transdutor "Mostrador TB_ADVDIAG_xxxxxxxxxxx 800 Bloco de Transdutor "Diagnóstico Avançado" 16

23 Texto Mostrador (xxx... = número de série) Índice Base Descrição AI_1_ xxxxxxxxxxx 900 Função Analógica de Entrada Bloco 1 AI_2_ xxxxxxxxxxx 1000 Função Analógica de Entrada Bloco 2 AI_3_ xxxxxxxxxxx 1100 Função Analógica de Entrada Bloco 3 PID_ xxxxxxxxxxx 1200 Bloco de Função PID ISEL_xxxxxxxxxxx OBSERVAÇÃO: O dispositivo é fornecido de fábrica com o endereço de barramento 247 e é, portanto, no intervalo de endereços entre 232 e 247 reservados para dispositivos de reserva. Um endereço menor de barramento deve ser atribuído ao dispositivo para o comissionamento. 5. Usando o DEVICE_ID anotado, identificar o dispositivo de campo e atribuir o nome da etiqueta desejado (PD_TAG) para o dispositivo Fieldbus em questão. Configuração de fábrica: RTT30-Kxxxxxxxxxxx (xxx... = número de série) Figura 10. Mostrador de Tela após a Conexão Ter Sido Estabelecida OBSERVAÇÃO: Todos os parâmetros em todos os blocos contêm texto de ajuda que explicam a função desse parâmetro 17

24 Configurando o Bloco de Recurso (Índice de Base 400) 6. Abra o Bloco de Recursos. 7. Quando o dispositivo for entregue, a Proteção do hardware é desabilitada para que a gravação dos parâmetros possa ser acessada através do FF. Verificar o status através do parâmetro WRITE_LOCK: - Proteção habilitada = TRAVADA - Proteção desabilitada = NÃO TRAVADA Desabilitar a Proteção se necessário 8. Inserir o nome desejado para o bloco (opcional). Configuração de fábrica: RS_ xxxxxxxxxxx Defina o modo de operação no grupo de parâmetro MODE_BLK (parâmetro ALVO) para AUTO. Configurando os Blocos do Transdutor Os Blocos individuais do transdutor compreendem diversos grupos de parâmetros organizados por funções específicas do dispositivo: Temperatura do Sensor 1 Bloco do transdutor TB_S1_xxxxxxxxxxx (índice de base:: 500) Temperatura do Sensor 2 Bloco do transdutor TB_S2_xxxxxxxxxxx (índice de base:: 600) Funções do mostrador local Bloco de Transdutor TB_DISP_xxxxxxxxxxx (índice de base: 700) Diagnóstico Avançado Bloco de Transdutor TB_ADVDIAG_xxxxxxxxxx (índice de base: 800) 9. Inserir o nome desejado para o bloco (opcional). Para as configurações de fábrica, veja a tabela acima. Definir o modo de operação no grupo de parâmetros MODE_BLK (parâmetro ALVO) para AUTO. Configurando os Blocos de Função de Entrada Analógica O dispositivo tem três Blocos de Entrada Analógica de função, que podem ser atribuídos às diferentes variáveis de processo, conforme desejado. A seção seguinte descreve um exemplo para o Bloco 1 de Função de Entrada Analógica (Índice base 900). Todos os três blocos de função de entrada analógica são iguais. 10. Digite o nome desejado para o bloco de função de Entrada Analógica (opcional). Configuração de fábrica: AI1_ xxxxxxxxxxx 11. Abrir o bloco 1 de função de Entrada Analógica. 12. Definir o modo de operação no grupo de parâmetros MODE_BLK (parâmetro ALVO) para OOS, isto é, o bloco está fora de serviço. 13. Use o parâmetro CANAL para selecionar a variável do processo que deve ser usada como valor de entrada para o algoritmo do bloco de função (funções de monitoração de escala e valor de limite). As seguintes configurações são possíveis: CANAL Não inicializada Valor primário 1 18

25 Valor primário 2 Valor do Sensor 1 Valor do Sensor 2 Valor RJ 1 Valor RJ No grupo de parâmetro XD_SCALE, selecione a unidade de engenharia desejada, que deve ser transmitida por meio da interface Fieldbus da FOUNDATION, bem como a faixa de entrada do bloco para a variável do processo em questão. CUIDADO Certifique-se que a unidade de engenharia selecionada seja adequada à variável medida da variável de processo escolhida. Caso contrário, o parâmetro BLOCK_ERROR será mostrado na mensagem de Erro de Configuração do Bloco o modo de operação do bloco não poderá ser definido para AUTO. 15. No parâmetro L_TYPE, selecione o tipo de linearização para a variável de entrada (direto, indireta, indireta raiz quadrada). CUIDADO Por favor observe que se o tipo de linearização "Direta" for selecionado, as configurações no grupo de parâmetro OUT_SCALE não serão levadas em conta. As unidades de engenharia selecionadas no grupo de parâmetros XD_SCALE são comunicadas fora do bloco do transdutor. 16. Use os seguintes parâmetros para definir os valores-limite para as mensagens de alarme e advertência: HI_HI_LIM HI_LIM LO_LIM LO_LO_LIM Valor-limite para a parte superior alarme Valor-limite para a parte superior advertência Valor-limite para a parte superior advertência Valor-limite para o alarme inferior Os valores-limite inseridos devem estar dentro da faixa de valor especificada no grupo de parâmetro OUT_SCALE. 17. Além dos valores-limite reais, o comportamento em caso de superação do valor-limite deve ser especificado por "prioridades de alarme" (parâmetros HI_HI_PRI, HI_PRI, LO_PRI, LO_LO_PRI). O reporte ao sistema hospedeiro Fieldbus só ocorre se a prioridade do alarme for maior do que 2. Configuração do Sistema / Conexão dos Blocos de Função 18. Uma "configuração geral do sistema" final é necessária para que o modo de funcionamento do bloco de função de Entrada Analógica possa ser definido para AUTO e o dispositivo de campo está integrado na aplicação do sistema. 19

26 Para essa finalidade, o software de configuração, por exemplo, Configurador NI-FBUS da National Instruments pode ser usado para conectar os blocos de função à estratégia de controle desejada (principalmente usando o mostrador gráfico) e depois o tempo para o processamento das funções de controle individual de processo é especificado. Alternativamente, a maioria dos sistemas de acolhimento suporta essa capacidade. Figura 11. Conectando os blocos de função com a ajuda do Configurador NI-FBUS Exemplo: Média (saída OUT no Bloco do Seletor de Entrada) de duas entradas de temperatura (OUT nos Blocos de Entrada Analógica 1 e 2). 19. Uma vez que você tenha especificado o LAS ativo, baixar todos os dados e parâmetros para o dispositivo de campo. 20. Definir o modo de operação no grupo de parâmetros MODE_BLK (parâmetro ALVO) para AUTO. Isso só é possível, no entanto, sob duas condições: - Os blocos de função estão conectados corretamente um ao outro. - O Bloco de Recurso está no modo de operação AUTO. Operação via FOUNDATION Fieldbus Parâmetros do Bloco de Recurso A tabela abaixo mostra todos os parâmetros especificados da FOUNDATION Fieldbus do Bloco de Recursos: 20

27 Bloco de Recursos Índice de Parâmetro Parâmetro Gravar Acesso Com Operação Descrição 38 ACK_OPTION Este parâmetro é usado para especificar se um alarme de processo deve ser reconhecido no momento do reconhecimento do alarme pelo sistema anfitrião do Fieldbus. Se esta opção estiver habilitada, o alarme do processo é reconhecido automaticamente. Default (padrão) de fábrica: A opção não está habilitada para qualquer alarme; os alarmes devem ser reconhecidos. 37 ALARM_SUM Mostra o status atual dos alarmes de processo no Bloco de Recursos. Obs.: Além disso, os alarmes de processo também podem ser desativados neste grupo de parâmetro. 4 ALERT_KEY Use esta função para digitar o número de identificação da unidade fabril. Esta informação pode ser usada pelo sistema host Fieldbus para separar os alarmes e eventos. Entrada do usuário: 1 a 255 Default de fábrica: 0 36 BLOCK_ALM O status do bloco atual aparece no mostrador com informações sobre os erros pendentes de configuração, de hardware, ou sistema, incluindo informação sobre o período do alarme (data, hora) quando ocorreu o erro. O alarme do bloco é acionado em caso de erros dos seguintes blocos: * SIMULAR ATIVO * FORA DE SERVIÇO Observação: Se a opção do alarme não foi ativada no parâmetro ACK_OPTION, o alarme só pode ser reconhecido através deste parâmetro. 6 BLOCK_ERR Somente Leitura Os erros do bloco ativo aparecem no mostrador. Mostrador: SIMULAR ATIVO Simulação é possível no Bloco de Função de Entrada Analógica através do parâmetro SIMULAR (ver também para Configuração de Proteção de Hardware na página 24. FORA DE SERVIÇO O bloco está no modo "fora de serviço". 30 CLR_FSTATE Este parâmetro pode ser usado para desativar manualmente o comportamento de segurança do Bloco de Função de Saída Discreta e Saída Analógica. 33 CONFIRM_ TIME Especifica o tempo de confirmação para o relatório de evento. Se o dispositivo não recebe a confirmação dentro deste tempo, então o relatório de evento é enviado para o sistema host do Fieldbus novamente. Default de fábrica: / 32 ms 20 CYCLE_SEL Mostra o método de execução do bloco usado pelo sistema host do Fieldbus. Observação: O método de execução do bloco é selecionado pelo sistema host do Fieldbus. 19 CYCLE_TYPE Somente Leitura Mostra o método de execução de blocos suportado pelo dispositivo. Mostrador: PROGRAMADO Método de execução do bloco programado EXECUÇÃO DO BLOCO Método de execução seqüencial do bloco FABRICAÇÃO ESPECÍFICA Especificada pelo fabricante 21

28 Bloco de Recursos Índice de Parâmetro Parâmetro Gravar Acesso Com Operação Descrição 9 DD_RESOURCE Somente Leitura Mostra a fonte de referência para a Descrição do dispositivo no dispositivo. Mostrador: (NULO) 13 DD_REV Somente Leitura Mostra o número da revisão da Descrição do dispositivo. 12 DEV_REV Somente Leitura Mostra o número da revisão do dispositivo. 11 DEV_TYPE Somente Leitura Mostra o tipo de dispositivo em formato numérico hexadecimal. Mostrador: 0xC034 hex 28 FAULT_STATE Somente Leitura Mostrador do status atual do comportamento de segurança dó Bloco de Função da Saída Discreta e Saída Analógica. 17 FEATURES Somente Leitura Mostra as opções adicionais suportadas pelo dispositivo. Mostrador: RELATÓRIOS FAULTSTATE SOFT W LOCK 19 FEATURES_SEL Para selecionar as funções adicionais suportadas pelo dispositivo. 25 FREE_TIME Somente Leitura Mostra o tempo livre do sistema (em porcentagem) disponível para execução de outro Bloco de Função. Observação: Como o Bloco de Função do dispositivo é pré-configurado, este parâmetro sempre mostra o valor FREE_SPACE Somente Leitura Mostra a memória livre do sistema (em porcentagem) disponível para execução de outro Bloco de Função. Observação: Como o Bloco de Função do dispositivo é pré-configurado, este parâmetro sempre mostra o valor GRANT_DENY Habilita ou restringe a autorização de acesso de um sistema host de Fieldbus para o dispositivo de campo. 15 HARD_TYPES Somente Leitura Mostra o tipo de sinal de entrada para o Bloco de Função de Entrada Analógica. 32 LIM_NOTIFY Este parâmetro é usado para especificar o número de relatórios de eventos que pode existir sem confirmação ao mesmo tempo. Opções: 0 a 3 Default de fábrica: 0 10 MANUFAC_ID Somente Leitura Mostra o número de ID do fabricante. Mostrador: 0x = Foxboro 31 MAX_NOTIFY Somente Leitura Mostra o número máximo de relatórios de eventos suportados pelo dispositivo que pode existir sem confirmação ao mesmo tempo. Mostrador: 3 22 MEMORY_SIZE Somente Leitura Mostra a memória de configuração disponível em KB. Observação: Este parâmetro não é suportado. 21 MIN_CYCLE_T Somente Leitura Mostra o tempo mínimo de execução 22

29 Bloco de Recursos Índice de Parâmetro Parâmetro Gravar Acesso Com Operação Descrição 5 MODE_BLK Mostra o modo de operação atual (real) e desejado (alvo) do Bloco de Recursos, os modos permitidos (Permitidos) suportados pelo Bloco de Recurso e o modo normal de operação (Normal). Mostrador: Observação: O Bloco de Recursos suporta os seguintes modos de operação: * AUTO (operação automática) Neste modo, a execução dos blocos remanescentes (ISEL, AI e PID (Bloco de Função) é permitida. * OOS (FORA DE SERVIÇO). O bloco está no modo "fora de serviço". Neste modo a execução dos blocos remanescentes (ISEL, AI e PID Bloco de Função) é bloqueada. Esses blocos não podem ser ajustados para o modo AUTO. Observação: O status de operação atual do Bloco de Recursos também é mostrado via o parâmetro RS_STATE. 23 NV_CYCLE_T Somente Leitura Mostra o intervalo de tempo durante o qual os parâmetros dinâmicos do dispositivo são distribuídos na memória não-volátil. O intervalo de tempo mostrado relaciona-se ao armazenamento dos seguintes parâmetros dinâmicos do dispositivo: OUT PV FIELD_VAL Default de fábrica: /32 ms Observação: O dispositivo guarda os parâmetros dinâmicos NV na memória não-volátil a cada 10 Minutos. Portanto, o valor deste parâmetro é /32 ms. 16 RESTART Este parâmetro é usado para reconfigurar o dispositivo de várias formas. Opções: Reiniciar NÃO INICIALIZADA RUN Reiniciar RESOURCE Reiniciar com DEFAULTS Reiniciar PROCESSOR Reiniciar PRODUCT DEFAULT Reiniciar ORDER CONFIGURATION (todos os parâmetros são reconfigurados à configuração de fábrica). 7 RS_STATE Somente Leitura Mostra o status atual de operação dos Blocos de Recursos. Mostrador: STANDBY (Espera) O Bloco de Recurso está no modo de operação OOS. Não é possível executar os blocos restantes. ONLINE LINKING ONLINE As conexões configuradas entre o Bloco de Função não foram feitas ainda. Status normal de operação, o Bloco de Recurso está no modo de operação AUTO. As conexões configuradas entre o Bloco de Função estão estabelecidas. 29 SET_FSTATE Este parâmetro pode ser usado para desativar manualmente o comportamento de segurança do dispositivo. 23

30 Bloco de Recursos Índice de Parâmetro Parâmetro Gravar Acesso Com Operação Descrição 26 SHED_RCAS Especifica o tempo de monitoramento para verificar a conexão entre o sistema host de Fieldbus e um Bloco de Função no modo de operação RCAS. Quando passa o tempo de monitoramento, o Bloco de Função muda do modo de operação RCAS para o modo de operação selecionado no parâmetro SHED_OPT. Default de fábrica: / 32 ms 27 SHED_ROUT Especifica o tempo de monitoramento para verificar a conexão entre o sistema host de Fieldbus e o Bloco de Função PID no modo de operação ROUT. Quando passa o tempo de monitoramento, o Bloco de Função PID muda do modo de operação ROUT para o modo de operação selecionado no parâmetro SHED_OPT. Default de fábrica: / 32 ms 3 STRATEGY Parâmetro para o agrupamento e, assim, avaliação mais rápida de blocos. O agrupamento é realizado inserindo o mesmo valor numérico no parâmetro ESTRATÉGIA de cada bloco individual. Default de fábrica: 0 Observação: Esta informação não é nem verificada nem processada pelo Bloco de Recursos. 1 ST_REV Somente Leitura O status da revisão dos dados estáticos aparece no mostrador. Observação: O status da revisão é incrementado a cada modificação de dados estáticos. 2 TAG_DESC Entrada de um texto específico de usuário para identificação única e atribuição do bloco. 8 TEST_RW Observação: Este parâmetro é exigido apenas para testes de interoperabilidade e não tem nenhum significado em operação normal. 35 UPDATE_EVT Somente Leitura Indica se os dados do bloco estático foram alterados, incluindo data e hora. 40 WRITE_ALM Mostra o status do alarme protegido contra gravação. Observação: O alarme é acionado se a Proteção estiver desativada. 34 WRITE_LOCK Somente Leitura Ativa e desativa a proteção de gravação Mostrador: LOCKED (Travado) Dados do dispositivo não podem ser modificado NOT LOCKED (Destravado) Dados do dispositivo podem ser modificados UNINITIALIZED (NÃO INICIALIZADA) 39 WRITE_PRI Especifica o comportamento de um alarme protegido contra gravação (parâmetro "WRITE_ALM"). Entrada do usuário: 0 = O alarme de Proteção não é avaliado. 1 =Nenhum relatório para o sistema host do Fieldbus no caso de um alarme de Proteção. 2 = Reservado para alarmes de bloco. 3-7 = O alarme de Proteção é a saída com a prioridade adequada (3 = baixa prioridade, 7 = alta prioridade) para o sistema host do Fieldbus como um aviso do usuário = O alarme de Proteção é a saída com a prioridade apropriada (8 = baixa prioridade, 15 = alta prioridade) para o sistema host do Fieldbus como um alarme crítico. Default de fábrica: 0 24

31 Parâmetros de Bloco de Transdutor MI Janeiro de 2014 A tabela a seguir lista todos os parâmetros especificados da FOUNDATION Fieldbus dos Blocos do Transdutor. Parâmetros de Bloco de Transdutor Parâmetro Revisão Estática (STAT_REV) Descrição da Etiqueta (TAG_DESC) Estratégia (STRATEGY) Chave Alerta (ALERT_KEY) Modo de Bloco (MODE_BLK) Grava Acesso em Modo de Operação (MODE_BLK) Somente Leitura Descrição O status da revisão dos dados estáticos aparece no mostrador. Observação: O parâmetro do status da revisão é incrementado a cada modificação de dados estáticos. Quando uma reconfiguração de fábrica é feita, este parâmetro será reiniciado para 0 em todos os blocos. Use esta função para digitar um texto específico do usuário de no máximo 32 caracteres para identificação única e atribuição do bloco. Configuração de fábrica: ( ) sem texto Parâmetro para o agrupamento e assim, avaliação mais rápida de blocos. O agrupamento é realizado inserindo o mesmo valor numérico no parâmetro STRATEGY de cada bloco individual. Configuração de fábrica: 0 Observação: Estes dados não são verificados nem processados pelos blocos do transdutor. Use esta função para digitar o número de identificação da unidade fabril. Esta informação pode ser usada pelo sistema host do Fieldbus para separar os alarmes e eventos. Entrada do usuário: 1 a 255 Configuração de fábrica: 0 Mostra o modo de operação atual (real) e desejado (alvo) do Bloco de Transdutor correspondente; os modos permitidos (Permitidos) suportados pelo Bloco de Recursos e o modo normal de operação (Normal). Mostrador: AUTO OOS Observação: O Bloco de Transdutor suporta os seguintes modos de operação: * AUTO (operação automática) O bloco é executado. * OOS (Fora de Serviço): O bloco está no modo "fora de serviço". A variável do processo é atualizada, mas o status da variável do processo muda para BAD 25

32 Parâmetros de Bloco de Transdutor Parâmetro Erro de Bloco (BLOCK_ERR) Atualizar Evento (UPDATE_EVT) Alarme de Bloco (BLOCK_ALM) Tipo de Transdutor (TRANSDUTOR_TYPE) Diretório de Coleção (COLLECTION_ DIRECTORY) Grava Acesso em Modo de Operação (MODE_BLK) Somente Leitura Somente Leitura Somente leitura Descrição Os erros do bloco ativo aparecem no mostrador. Mostrador: FORA DE SERVIÇO O bloco está no modo de operação "fora de serviço". Os erros de bloco a seguir são apenas mostrados nos Blocos de Transdutor do Sensor: FALHA NA ENTRADA Falha em uma ou ambas as entradas de sensores MANUTENÇÃO NECESSÁRIA JÁ O dispositivo deve ser verificado uma vez que um erro do dispositivo de ativos está pendente. A causa detalhada do erro pode ser chamada através do Bloco de Transdutor "Diagnóstico Avançado" dos parâmetros da * ACTUAL_STATUS_CATEGORY e do * ACTUAL_STATUS_NUMBER. DADOS ESTÁTICOS PERDIDOS A memória é inconsistente. Power-UP (Iniciação) Mensagem de status durante a inicialização. SIMULADO ATIVO Interruptor DIP para simulação está ativo. ERRO DE CONFIGURAÇÃO NO BLOCO O bloco foi configurado errado. Uma Descrição de erro exata, bem como informações sobre falhas de retificação podem ser encontradas na seção 5. Indica se os dados do bloco estático foram alterados, incluindo data e hora. O status do bloco atual aparece no mostrador com informações sobre os erros pendentes de configuração, de hardware, ou sistema, incluindo informação sobre o período do alarme (data, hora) quando ocorreu o erro. Observações: Além disso, o alarme do bloco ativo pode ser reconhecido neste grupo de parâmetro. O dispositivo não usa esse parâmetro para mostrar um alarme de processo, já que é gerado no parâmetro BLOCK_ALM do Bloco de Função da Entrada Analógica. O tipo do Bloco de Transdutor aparece no Mostrador. Mostrador: * Blocos do Transdutor de Sensor: Transdutor de Sensor personalizado * Bloco de Transdutor do Mostrador: Transdutor do Mostrador Personalizado * Bloco de Diagnóstico Avançado: Adv. Personalizado Transdutor Um diretório que especifica o número e os índices de partida das coleções no diretório do transdutor. No RTT30, isto é sempre definido como 0. 26

33 Parâmetros de Bloco de Transdutor Parâmetro Erro de Transdutor (XD_ERROR) Grava Acesso em Modo de Operação (MODE_BLK) Somente Leitura Descrição O erro do dispositivo ativo aparece no mostrador. Possível mostrador: * Nenhum Erro (status normal) * Falha Eletrônica * Erro de integridade de dados * Falha mecânica * Erro de configuração * Erro de calibração * Erro Geral Observação: Status/condição resumida do dispositivo, informações mais precisas sobre o(s) erro(s) pendentes (s) disponíveis por meio do fabricante mostrador do erro específico do fabricante. Isto pode ser lido através do "Diagnóstico Avançado" do Bloco de Transdutor nos parâmetros ACTUAL_STATUS_CATEGORY e ACTUAL_STATUS_NUMBER. Uma Descrição de erro exata, bem como informações sobre erros de retificação podem ser encontradas na seção 4. Bloco de Transdutor "Sensores 1 e 2" Os Blocos de Transdutores dos "Sensores 1 e 2" analisam os sinais de ambos os sensores do ponto de vista metrológico e os mostra como uma variável física (valor e unidade). Dois valores físicos medidos estão disponíveis em cada Bloco de Transdutor do Sensor: O valor do sensor (SENSOR_VALUE) e sua unidade (SENSOR_RANGE UNITS_INDEX) O valor da medição da temperatura interna do dispositivo (RJ_VALUE) e sua unidade (RJ_UNIT) O valor do processo primário (PRIMARY_VALUE VALUE) A medição da temperatura interna da junção de referência é analisada em dois blocos de transdutor, mas ambos os valores são idênticos. Um terceiro valor no bloco, o PRIMARY_VALUE, é formado a partir dos valores do sensor. A regra para a formação do PRIMARY_VALUE pode ser selecionada no Parâmetro PRIMARY_VALUE_TYPE. O valor do sensor pode ser mapeado sem alteração em PRIMARY_VALUE, mas há também a opção de formar o valor diferencial ou valor mediano para ambos os valores de sensor. Além disso, diversas funções de backup estão também disponíveis que permitem a medição redundante se um sensor falhar. Estes podem ajudar a aumentar a segurança do processo, como a função de limiar, a função de backup ou a detecção de desvio do sensor. Função Limite Esta função permite uma medição sobre uma faixa mais ampla de temperatura. Canal 1 pode ser conectado com um sensor útil para a faixa de temperatura mais baixa e o Canal 2 pode ser conectado com um sensor útil para a faixa de temperatura mais alta. Ajuste a temperatura no parâmetro THRESHOLD_VALUE no bloco do transdutor para mudar de canal 1 para canal 2 27

34 no PRIMARY_VALUE. PRIMARY_VALUE_TYPE tem de ser definido para "PV = SV_1 (OU SV_2 se SV_1> T)". Função de backup Se um sensor falhar, o sistema muda automaticamente para o sensor restante e uma mensagem de advertência é enviada para o sistema de controle distribuído. A função de backup garante que o processo não seja interrompido pela falha de um sensor individual e que um grau extremamente elevado de segurança e disponibilidade seja alcançado. Detecção de desvio de sensor Se dois sensores estão conectados e os valores medidos diferem por um valor especificado, um aviso/alarme é enviado para o sistema de controle distribuído. A função de detecção de desvio pode ser usada para verificar a correção dos valores medidos e para acompanhamento mútuo dos sensores conectados. A eletrônica pode ser configurada para vários sensores e variáveis mensuradas por meio do parâmetro SENSOR_TYPE. Se termômetros de resistência ou transmissores de resistência estiverem ligados, o tipo de conexão pode ser selecionado por meio do parâmetro SENSOR_CONNECTION. Se o tipo de conexão de "dois fios" for usado, o parâmetro TWO_WIRE_COMPENSATION é disponível. Um valor de resistência é indicado aqui para compensar pelo efeito dos cabos de ligação sobre o sinal do sensor. OBSERVAÇÃO: Os Blocos de Transdutor para os Sensores 1 e 2 têm um Wizard (assistente de configuração) para calcular a resistência dos cabos dos sensores com propriedades materiais, seções transversais e comprimentos diferentes. Ao medir a temperatura com termopares, o tipo de compensação da junção de referência é especificado no Parâmetro RJ_TYPE. Para a compensação, a medição da temperatura do terminal interno do dispositivo (INTERNAL) pode ser usada ou um valor fixo pode ser especificado (EXTERNAL). Este valor tem que ser inserido no parâmetro RJ_EXTERNAL_VALUE. As unidades mostradas são selecionadas com os parâmetros PRIMARY_VALUE_UNIT e SENSOR_RANGE UNITS_INDEX. É necessário assegurar que as unidades selecionadas fisicamente atendam as variáveis medidas. OBSERVAÇÃO: Os Blocos de transdutor dos Sensores 1 e 2 disponibilizam o Wizard do "Quick Setup" para configurar as definições de medição rapidamente e com segurança. Os Blocos de Transdutor dos Sensores 1 e 2 também dão aos usuários a opção de linearizar qualquer tipo de sensor, inserindo coeficientes de Polinomio. O projeto prevê três tipos: 28

35 Escala Linear de Curva de Temperatura-Linear Com o auxílio da escala linear (offset e slope), o ponto de medição completo (dispositivo de medição + sensor) pode ser adaptado ao processo desejado. Os usuários devem executar através do seguinte procedimento para esse fim: 1. Mudar a configuração para o Parâmetro SENSOR_CAL_METHOD " para calibração padrão de ajuste do usuário. Em seguida, aplicar o processo de menor valor a ser esperado (por exemplo, -10 C) para o sensor do dispositivo. Este valor é, então, inserido no parâmetro CAL_POINT_LO. Certifique-se que o status de SENSOR_VALUE seja "Bom". 2. Agora exponha o sensor ao maior valor do processo de se esperar (por exemplo, 120 C), mais uma vez garantir que o status seja "Bom" e insira o valor no Parâmetro CAL_POINT_HI. O dispositivo agora precisamente mostra o valor do processo especificado nos dois pontos calibrados. A curva segue uma linha reta entre os pontos. 3. Os parâmetros SENSOR_CAL_LOC, SENSOR_CAL_DATE e SENSOR_CAL_WHO estão disponíveis para rastrear a calibração do sensor. O local, data e hora da calibração podem ser inseridos aqui, bem como o nome da pessoa responsável pela calibração. 4. Para desfazer a calibração de entrada do sensor, o parâmetro SENSOR_CAL_METHOD é definido como calibração padrão de ajuste de fábrica. OBSERVAÇÃO: A orientação do menu através do Wizard do "Sensor User Trim" está disponível para escala linear. O Wizard das "Factory Trim Settings" pode ser usado para redefinir a escala. Figura 12. Escala Linear da Curva de Temperatura-Linear Linearização de Termômetros de Resistência de Platina com a Ajuda de Coeficientes do Calendário de Van Dusen Os coeficientes R0, A, B, C podem ser especificados nos parâmetros CALVANDUSEN_R0, CALVANDUSEN_A, CALVANDUSEN_B, CALVANDUSEN_C. Para ativar esta linearização, 29

36 selecione a opção "Callendar Van Dusen" no parâmetro SENSOR_TYPE. Além disso, os limites do cálculo superior e inferior têm que ser inseridos nos parâmetros SMC_MIN e SMC_MAX. OBSERVAÇÃO: Os coeficientes do Calendário Van Dusen também podem ser configurados por meio do Wizard do Callendar Van Dusen. Linearização dos Termômetros de Resistência de Cobre/Níquel (RTD) Os coeficientes R0, A, B, C podem ser especificados nos parâmetros POLY_COEFF_R0, POLY_COEFF_A, POLY_COEFF_B, POLY_COEFF_C. Pará ativar esta linearização, selecione a configuração RTD Polynom Nickel ou RTD Polynom Copper no parâmetro SENSOR_TYPE. Além disso, os limites do cálculo superior e inferior têm que ser inseridos nos parâmetros POLY_COEFF_MIN e POLY_COEFF_MAX. OBSERVAÇÃO: Os coeficientes para polinomios de níquel e cobre podem ser inseridos com a ajuda de um assistente nos Blocos de Transdutor dos Sensores 1 e 2. Cada um dos valores pode ser passado para um Bloco de Função AI ou mostrado no mostrador. O Bloco AI e Bloco do Mostrador disponibilizam mais opções para mostrar e escalar os valores medidos. A tabela a seguir mostra todos os parâmetros específicos de dispositivo dos Blocos de Transdutor do Sensor: Bloco de Transdutor "Sensores 1 e 2 Parâmetro Valor primário (PRIMARY_VALUE) Gravar Acesso com Modo de Operação (MODE_BLK) Descrição Resultado do link PRIMARY_VALUE_TYPE: * VALOR * STATUS Observação: O PRIMARY_VALUE pode ser disponibilizado para o Bloco AI para posterior processamento. A unidade atribuída é a PRIMARY_VALUE_UNIT. Unidade de valor primário (PRIMARY_VALUE_UNIT) Configurando a unidade do PRIMARY_VALUE Observação: A faixa de medição e unidades de engenharia são configuradas com um link existente no respectivo Bloco de Função de Entrada Analógica usando o grupo de parâmetro XD_SCALE. 30

37 Bloco de Transdutor "Sensores 1 e 2 Parâmetro Gravar Acesso com Modo de Operação (MODE_BLK) Descrição Tipo de valor primário (PRIMARY_VALUE_TYPE) O processo de cálculo para o PRIMARY_VALUE aparece no mostrador. Mostrador: Sensor Transdutor 1: * PV = SV_1: Valor Secundário 1 * PV = SV_2: Valor Secundário 2 * PV = SV_1-SV_2: Diferença * PV = 0,5 x (SV_1 + SV_2): Média * PV = 0,5 x (SV_1+SV_2) redundância: Valor 1 médio ou Secundário 1 ou Valor 2 Secundário no caso de um erro de sensor no outro sensor. * PV = SV_1 (OR SV_2): Função de Backup: Se o sensor 1 falhar, o valor do sensor 2 sensores torna-se automaticamente o Valor Primário. * PV = SV_1 (OR SV_2 se SV_1> T): PV muda de SV_1 para SV_2 se SV_1> valor T (parâmetro de THRESHOLD_VALUE) Valor limiar (THRESHOLD_VALUE) Indicador do máx. valor primário. (PV_MAX_INDICATOR) Indicador mín. de valor primário (PV_MIN_INDICATOR) Valor do Sensor (SENSOR_VALUE) Tipo de Sensor (SENSOR_TYPE) Dinâmico / Somente Leitura Sensor Transdutor 2: * PV = SV_2: Valor Secundário 2 * PV = SV_2-SV_1: Diferença * PV = 0,5 x (SV_2 + SV_1): Média * PV = 0,5 x (SV_2+SV_1) redundância: Valor 1 médio ou Secundário ou Valor 2 Secundário no caso de um erro de sensor no outro sensor. * PV = SV_2 (OR SV_1): Função de Backup: Se o sensor 2 falhar, o valor do sensor 1 torna-se automaticamente o Valor Primário. * PV = SV_2 (OR SV_1 se SV_2> T): PV muda de SV_2 para SV_1 se SV_2> valor T (parâmetro de THRESHOLD_VALUE) Valor para a mudança no modo de limiar PV. Entrada na faixa de -270 C para 2450 C (-454 F para 4442 F) Indicador Max. para PV é armazenado na memória não-volátil em intervalos de 10 minutos. Pode ser redefinido gravando-se qualquer valor neste parâmetro. Indicador mín. para PV é armazenado na memória não-volátil em intervalos de 10 minutos. Pode ser redefinido gravando-se qualquer valor neste parâmetro. Sensor do Transdutor 1: * VALUE = Valor do sensor conectado ao grupo de terminal S1 * STATUS = status desse valor Sensor do Transdutor 2: * VALUE = Valor do sensor conectado ao grupo de terminal S2 * STATUS = status desse valor Configuração do tipo de sensor. Sensor Transdutor 1: Terminais 1-4 Sensor Transdutor 2: Terminais 4-6 Observação: Terminal 4 não pode ser usado simultaneamente por ambos os transdutores (sensores). Exemplo: No caso de uma conexão de quatro fios em terminal S1 (terminais 1-4), um sensor RTD ou do tipo Ohm não pode ser ligado a um terminal S2 pois o terminal 4 já está sendo usado para o terminal S1. 31

38 Bloco de Transdutor "Sensores 1 e 2 Parâmetro Gravar Acesso com Modo de Operação (MODE_BLK) Descrição Conexão de Sensor (SENSOR_CONNECTION) Modo de conexão de sensor: Sensor do Transdutor 1: * 2 fios * 3 fios * 4 fios Sensor do Transdutor 2: * 2 fios * 3 fios Faixa do Sensor (SENSOR_RANGE) Ajuste do sensor (SENSOR_OFFSET) Compensação de 2 fios. (TWO_WIRE_ COMPENSATION) Número serial do sensor (SENSOR_SN) Indicador Máx. do sensor (SENSOR_MAX_ INDICATOR) Somente Leitura (EU_100, EU_0) (UNITS_INDEX, DECIMAL) Faixa de medição física do sensor: EU_100 (limite da faixa superior do sensor) EU_0 (limite da faixa inferior do sensor) UNITS_INDEX (unidade do SENSOR_VALUE) DECIMAL (casas depois do ponto decimal para o SENSOR_VALUE. Isso não afeta o valor medido no mostrador.) Ajuste do SENSOR_VALUE Os seguintes valores são permitidos: * -10 a + 10 para Celsius, Kelvin, mv e Ohm * -18 a + 18 para Fahrenheit, Rankine Compensação de fios Os seguintes valores são permitidos: 0 a 30 Ohm Número de série do sensor Indicador máximo do SENSOR_VALUE É armazenado na memória não-volátil em intervalos de 10 minutos. Pode ser reconfigurado. Indicador mín. de sensor SENSOR_MIN_INDICATO R Indicador mínimo do SENSOR_VALUE É armazenado na memória não-volátil em intervalos de 10 minutos. Pode ser reconfigurado. Filtro de rede (MAINS_FILTER) Calibração ponto mais alto (CAL_POINT_HI) Ponto mais baixo de calibração (CAL_POINT_LO) Filtro de rede para o conversor A/D Ponto superior para calibração característica linear (isso afeta offset e slope). Observação: Para gravar este Parâmetro, SENSOR_CAL_METHOD a calibração padrão de ajuste do usuário deve ser definida. Ponto inferior para calibração característica linear (isso afeta offset e slope). Observação: Para gravar este Parâmetro, SENSOR_CAL_METHOD a calibração padrão de ajuste do usuário deve ser definida 32

39 Bloco de Transdutor "Sensores 1 e 2 Parâmetro Intervalo mínimo de calibração (CAL_MIN_SPAN) Unidade de calibração (CAL_UNIT) Método de calibração do sensor (SENSOR_CAL_METHO D) Local de calibração do sensor (SENSOR_CAL_LOC) Data da calibração do sensor (SENSOR_CAL_DATE) Quem calibrou o sensor (SENSOR_CAL_WHO) Callendar Van Dusen A (CALVANDUSEN_A) Callendar Van Dusen B (CALVANDUSEN_B) Callendar Van Dusen C (CALVANDUSEN_C) Callendar Van Dusen R0 (CALVANDUSEN_R0) Junção de Referência (RJ_VALUE) Gravar Acesso com Modo de Operação (MODE_BLK) Somente leitura Descrição Intervalo da faixa de medição dependendo da configuração do tipo do sensor. Unidade para calibração do sensor. Calibração padrão de ajuste de fábrica: Linearização do sensor com os valores de calibração de fábrica Calibração padrão de ajuste do usuário: Linearização do sensor com os valores CAL_POINT_HI e CAL_POINT_LO Observação: A linearização original pode ser estabelecida reconfigurando este parâmetro para calibração padrão de ajuste de fábrica. Para calibração característica linear, o Bloco de Transdutor disponibiliza um wizard (Ajuste do Sensor pelo Usuário). Nome do local onde a calibração do sensor foi feita. Data e hora da calibração. Nome da pessoa responsável pela calibração Linearização com base no método Callendar Van Dusen. Observação: Os parâmetros CAL_VAN_DUSEN_XX são usados para calcular a curva de resposta se o Callendar Van Dusen for configurado no parâmetro do SENSOR_TYPE. Ambos os Blocos de transdutor disponibilizam o wizard para configurar os parâmetros com base no método "Callendar Van Dusen". Medição da temperatura interna de referência: * VALUE * STATUS 33

40 Bloco de Transdutor "Sensores 1 e 2 Parâmetro Tipo de junção de referência (RJ_TYPE) Gravar Acesso com Modo de Operação (MODE_BLK) Descrição Configuração da medição de junção de referência para compensação de temperatura: * NO_REFERENCE: Nenhuma compensação de temperatura é usada. * INTERNAL: A temperatura interna da junção de referência é usada para a compensação da temperatura. * EXTERNAL: RJ_EXTERNAL_VALUE é usado para a compensação da temperatura. Unidade de valor de junção de referência (RJ_UNIT) Somente leitura Unidade de temperatura da referência interna. Isto sempre corresponde à configuração da unidade no SENSOR_RANGE: UNITS_INDEX. Valor de referência externa da junção (RJ_EXTERNAL_VALUE) Indicador máximo da junção de referência (RJ_MAX_INDICATOR) Indicador mínimo da junção de referência (RJ_MIN_INDICATOR) Somente leitura Somente leitura Valor para compensação da temperatura (ver o parâmetro RJ_TYPE). Indicador máximo da temperatura interna de referência é armazenado na memória não-volátil em intervalos de 10 minutos. Indicador mínimo da temperatura interna de referência é armazenado na memória não-volátil em intervalos de 10 minutos. Bloco de Transdutor Diagnóstico Avançado Bloco de Transdutor DIGNÓSTICO AVANÇADO Parâmetro Detecção de corrosão (CORROSION_ DETECTION) Gravar Acesso com Modo de Operação (MODE_BLK) * OFF: Detecção de corrosão desligada * ON: Detecção de corrosão ligada Descrição Monitoramento de desvio de sensor (SENSOR_DRIFT_ MONITORING) Desvio entre SV1 e SV2 como erro (Falha) ou como necessidade de manutenção (Manutenção): * OFF: Monitoramento de desvio de sensor desligado * FAILURE: (desvio de sensor > SENSOR_DRIFT_ALERT_VALUE) => Falha * MAINTENANCE: (desvio de sensor > SENSOR_DRIFT_ALERT_VALUE) => Manutenção 34

41 Bloco de Transdutor DIGNÓSTICO AVANÇADO Parâmetro Modo de desvio do sensor (SENSOR_DRIFT_ MODE) Gravar Acesso com Modo de Operação (MODE_BLK) Descrição Selecionar se um status é gerado se o valor estabelecido no parâmetro SENSOR_DRIFT_ALERT_VALUE foi super ou subestimado. Valor do alerta do desvio do sensor (SENSOR_DRIFT_ ALERT_VALUE) Valor limite do desvio permitido de 1 para Atraso no alarme do sistema (SYSTEM_ ALARM_DELAY) Alarme da temperatura ambiente (AMBIENT_ ALARM) Tempo até que o status de um dispositivo (falha ou manutenção) e um status de valor medido (ruim ou incerto) é transmitido. Este parâmetro não tem influência no mostrador local. Pode ser configurado entre 0 e 10 segundos. Observação: Esta configuração não afeta o mostrador. Manutenção ou falha no evento da temperatura operacional do transmissor sendo super ou subestimado ( < -40 C (-40 F) ou > +80 C (176 F)): * Manutenção: Temperatura interna super/subestimada resulta em Manutenção. * Falha: Int. Temperatura interna super/subestimada resulta em Falha Categoria real do status / Categoria anterior do status (ACTUAL_ STATUS_ CATE GORY / PREVIOUS_ STATUS_ CATEGORY) Somente leitura / Categoria do status atual / anterior * Boa: Nenhum erro detectado * F: Falha: Erro detectado * M: Manutenção necessária: Manutenção exigida * C: Verificação da Função: Dispositivo está em modo de serviço * S: Fora de Especificação: Dispositivo está sendo operado fora das especificações 35

42 Bloco de Transdutor DIGNÓSTICO AVANÇADO Parâmetro Gravar Acesso com Modo de Operação (MODE_BLK) Descrição Status atual/ Status anterior (ACTUAL_ STATUS_ NUMBER / PREVIOUS_ STATUS_ NUMBER) Somente leitura / Número de status atual / anterior: 000 NENHUM ERRO: Nenhum erro presente 041 SENSOR BREAK: Quebra de sensor 043 SENSOR SHORTCUT: Curto circuito no sensor 042 SENSOR CORROSION: Corrosão de conexões ou cabos do sensor 101 SENSOR UNDERUSAGE: Valor medido do sensor está abaixo da faixa de linearização 102 SENSOR OVERUSAGE: Valor medido do sensor está acima da faixa de linearização. 104 BACKUP ACTIVATED: Função de backup ativada devido à falha no sensor. 103 DEVIATION: Desvio do sensor detectado 501 DISPOSITIVO PRÉ-CONFIGURADO: Reconfiguração de rotina em andamento 411 UP-/DOWNLOAD: Uploading/downloading 482 SIMULATION: Dispositivo está em modo simulado 402 STARTUP: Dispositivo está na fase de inicialização ou startup 502 LINEARIZAÇÃO: Linearização incorretamente selecionada ou configurada 901 AMBIENT TEMPERATURE LOW: Temperatura ambiente baixa demais; RJ_Value < -40 C (-40 F) 902 AMBIENT TEMPERATURE HIGH: Temperatura ambiente alta demais; RJ_Value > 85 C (185 F) 261 ELECTRONICBOARD: Módulo eletrônico / hardware com defeito 437 ERRO DE CONFIGURAÇÃO: Uma configuração errada no dispositivo 431 SEM CALIBRAÇÃO: Valores de calibração perdidos / modificados 283 ERRO DE MEMÓRIA: Conteúdo da memória inconsistente 221 ERRO RJ: Erro na medição da junção / medição da temperatura interna Canal de status atual / canal de status anterior (ACTUAL/ PREVIOUS_ STATUS_ CHANNEL) Contagem atual de status (ACTUAL_ STATUS_ COUNT) Somente leitura / Somente leitura / Canal passado / atual para mensagem de status. O número de mensagens de status atualmente pendente no dispositivo. Indicador máximo de valor primário PV1_MAX_ INDICATOR Indicador máximo de valor primário PV1_MIN_ INDICATOR Indicador máximo PV2 PV2_MAX_ INDICATOR Indicador máximo para o valor máximo ocorrer para PV1, pode ser reconfigurado gravando-se qualquer valor neste parâmetro. Indicador máximo para o valor mínimo ocorrer para PV1, pode ser reconfigurado gravando-se qualquer valor neste parâmetro. Indicador máximo para o valor mínimo ocorrer para PV2, pode ser reconfigurado gravando-se qualquer valor neste parâmetro 36

43 Bloco de Transdutor DIGNÓSTICO AVANÇADO Parâmetro Indicador mínimo PV2 PV2_MIN_ INDICATOR Indicador máximo sensor 1 SV1_MAX_ INDICATOR Indicador máximo sensor 1 SV1_MIN_ INDICATOR Indicador mínimo sensor 2 SV2_MAX_ INDICATOR Indicador mínimo sensor 2 SV2_MIN_ INDICATOR Indicador Máx. RJ RJ_MAX_ INDICATOR Indicador Mín. RJ RJ_MIN_ INDICATOR Gravar Acesso com Modo de Operação (MODE_BLK) Somente leitura Somente leitura Descrição Indicador máximo para o valor mínimo ocorrer para PV2, pode ser reconfigurado gravando-se qualquer valor neste parâmetro. Indicador máximo para o valor máximo ocorrer no sensor 1, pode ser reconfigurado gravando-se qualquer valor neste parâmetro. Indicador máximo para o valor mínimo ocorrer no sensor 1, pode ser reconfigurado gravando-se qualquer valor neste parâmetro. Indicador máximo para o valor máximo ocorrer no sensor 2, pode ser reconfigurado gravando-se qualquer valor neste parâmetro. Indicador máximo para o valor mínimo ocorrer no sensor 2, pode ser reconfigurado gravando-se qualquer valor neste parâmetro. Indicador máximo para temperatura de referência interna. Indicador mínimo para temperatura de referência interna Mostrador do Bloco de Transdutor As configurações no "Mostrador" do Bloco de Transdutor tornam possível mostrar os valores medidos a partir dos dois Blocos de Transdutor dos "Sensores 1 + 2" no mostrador local. Da mesma forma, os valores medidos de outros dispositivos FOUNDATION Fieldbus também podem ser mostrados. A seleção é feita por meio do parâmetro MOSTRADOR_SOURCE_X a. O número de casas decimais mostradas podem ser configuradas de forma independente para cada canal usando o parâmetro DISP_VALUE_X_FORMAT. Símbolos estão disponíveis para as unidades C, K, F e %. Estas unidades são mostradas automaticamente quando o valor medido é selecionado. Outras unidades podem ser introduzidas como texto adicional e mostradas. Este texto adicional é inserido no parâmetro DISP_VALUE_X_TEXT e tem um comprimento máximo de 16 caracteres. Além disso, o mostrador permite que o usuário mostre um gráfico de barras escalável. Os valores mínimo e máximo do gráfico de barras são especificados por meio de parâmetros DISP_VALUE_X_BGMIN e DISP_VALUE_X_BGMAX. O "Mostrador" Bloco de Transdutor pode aparecer em 6 valores alternadamente no mostrador, incluindo o texto relacionados e gráfico de barras. O sistema alterna automaticamente entre os valores após um intervalo de tempo configurável (entre 4 e 20 segundos), que pode ser definido no parâmetro ALTERNATING_TIME. 37

44 Os valores medidos de dispositivos externos são lidos no dispositivo com o "Seletor de Entrada (ISEL)" ou Bloco de Função "PID" desde que estes valores estejam disponíveis no barramento. Quatro valores estão disponíveis no mostrador do Bloco do Seletor de Entrada (ISEL) e um do PID. A unidade do valor medido não é mostrada automaticamente para valores a partir Seletor de Entrada (ISEL) e Blocos PID. Recomenda-se entrar na unidade com o texto adicional aqui (DISP_VALUE_X_TEXT). O valor mostrado e seu status são mostrados no parâmetro "MOSTRADOR_VALUE_X" para cada canal do mostrador. MOSTRADOR do Bloco de Transdutor Parâmetro Tempo de alternação ALTERNATING_TIME Mostra valor x DISP_VALUE_X Mostra fonte x DISP_SOURCE_X a Gravar Acesso com Modo de Operação (MODE_BLK) Somente leitura Descrição Inserir (em) como por quanto tempo um valor deve ser mostrado no mostrador. Configuração de 4 a 60 s. Valor medido selecionado: * Status * Valor Para selecionar o valor a ser mostrado. Configurações possíveis: * Desligado * Valor primário 1 * Valor do sensor 1 * Valor RJ 1 * Valor primário 2 * Valor do sensor 2 * Valor RJ 2 * ISEL em 1 * ISEL em 2 * ISEL em 3 * ISEL em 4 * PID e, 1 Mostra texto x DISP_VALUE_X_TEXT Casas decimais x DISP_VALUE_X_FORMAT Gráfico de barra máx. x DISP_VALUE_X_BGMAX Gráfico de barra min. x DISP_VALUE_X_BGMIN Observação: Se todos os 6 canais do mostrador forem desligados (seleção Off ), o valor do valor primário 1 (PV1) é mostrado. O valor primário 2 (PV2) será mostrado se o valor de PV1 não estiver disponível (p. ex. a seleção nenhum sensor no parâmetro do Bloco de Transdutor do Sensor 1 (SENSOR_TYPE ). Texto a ser mostrado no valor selecionado. Observação: Máximo 16 letras. Certas letras minúsculas ou caracteres especiais podem ser mostrados no mostrador de 14 segmentos. Para selecionar o número de casas mostradas após o ponto decimal. Opção 0-3 de configuração. Escala para o mostrador do gráfico de barra. Especificar o valor máximo (100%) aqui. Escala para o mostrador do gráfico de barra. Especificar o valor mínimo (0%) aqui. a. X = Número do canal do mostrador em questão (1 a 6) 38

45 Exemplo de configuração: Os valores medidos a seguir devem ser mostrados no mostrador: Valor 1: Valor medido a ser mostrado: Valor primário do transdutor do sensor 1 Texto a ser mostrado: TEMP PIPE 11 Casas decimais: 2 Temperatura máxima: 250 C Temperatura mínima: 50 C Valor 2: Valor medido a ser mostrado: Valor RJ do transdutor do sensor 2 Texto a ser mostrado: INTERN TEMP Casas decimais: 1 Temperatura máxima: 0 C Temperatura mínima: 40 C Valor 3: Valor medido a ser mostrado: Texto a ser mostrado: Casas decimais: 3 Temperatura máxima: 0 Temperatura mínima: 100 Cada valor medido deve estar visível no mostrador por 12 segundos. Valor medido de um dispositivo externo lido pelo barramento com o Seletor de Entrada (ISEL) Canal 2 VALVE 3 POS Para esta finalidade, as seguintes configurações devem ser feitas no Bloco do Transdutor do Mostrador : Parâmetro Valor DISP_SOURCE_1 Valor Primário 1 DISP_VALUE_1_TEXT TEMP PIPE 11 MOSTRADOR_VALUE_1_FORMAT xxx.xx DISP_VALUE_1_BGMAX 250 DISP_VALUE_1_BGMIN 50 DISP_SOURCE_2 Valor RJ 2 DISP_VALUE_2_TEXT INTERN TEMP MOSTRADOR_VALUE_2_DECIMAL_PLACES xxxx.x 39

46 Parâmetro DISP_VALUE_2_BGMAX 40 DISP_VALUE_2_BGMIN 0 DISP_SOURCE_3 ISEL IN 2 DISP_VALUE_3_TEXT MOSTRADOR_VALUE_3_DECIMAL_PLACES DISP_VALUE_3_BGMAX 100 DISP_VALUE_3_BGMIN 0 ALTERNATING_TIME 12 Valor VALVE 3 POS xx.xxx Descrição dos Parâmetros do Bloco de Função A coluna do Bloco de Função indica em quais Blocos de Função o parâmetro aparece. Entrada Analógica = AI No Bloco de Função de Entrada Analógica (AI), as variáveis do processo dos Blocos de Transdutor são preparados para funções de automação posteriores (por exemplo, linearização, escala e processamento de valor de limite). A função de automação é definida conectando-se as saídas. Controlador de PID = PID Um Bloco de Função PID contém o processamento do canal de entrada, o controle integraldiferencial proporcional (PID) e o processamento do canal de saída analógica. A configuração do Bloco de Função PID depende da tarefa de automação. O seguinte pode ser feito: Controles básicos, controle feedforward, controle em cascata, controle em cascata com limitação. Seletor de Entrada = ISEL O bloco do seletor de sinal (Input Selector Block ISEL) oferece seleção de até quatro entradas e gera uma saída com base na ação configurada. 40

47 Parâmetro Bloco de Função Gravar Acesso com Modo de Operação (Mode_blk) Descrição ACK_OPTION AI PID ROUT - RCAS - CAS - AUTO MAN - OOS Este parâmetro é usado para especificar se um alarme de processo deve ser reconhecido na hora do reconhecimento do alarme pelo sistema host de Fieldbus. Se esta opção for habilitada, o alarme de processo é reconhecido automaticamente. Opções: 1 HI_HI_ALM Alarme de valor de limite superior 2 HI_ALM Valor/advertência de limite superior 3 LO_LO_ALM Alarme de valor de limite inferior 4 LO_ALM Valor/advertência de limite inferior 5 DV_HI_ALM alarme de limite para controle diferencial superior (SP-PV) 6 DV_LO_ALM alarme de limite para controle diferencial inferior (SP-PV) DISC ALM Não há mais proteção; assim dados acessam 7 BLOCK ALM Alarme de bloco Conf. de fábrica: A opção não é habilitada para qualquer alarme, os alarmes devem ser reconhecidos ALARM_HYS AI PID AUTO - MAN - OOS Para entrada do valor de histerese para os valores de limite de alarme ou advertência superior e inferior. As condições do alarme permanecem ativas enquanto o valor medido estiver dentro da histerese. O valor de histerese afeta os seguintes valores limite de alarme e advertência do Bloco de Função PID do: HI_HI_ALM Alarme do valor de limite HI_ALM Valor de limite superior advertência LO_LO_ALM Valor de limite inferior alarme LO_ALM Advertência do valor de limite inferior DV_HI_ALM Valor de limite para desvio de controle superior DV_LO_ALM Valor de limite para desvio de controle inferior ALARM_SUM AI PID AUTO - MAN - OOS O status atual dos alarmes de processo aparece no mostrador (0 = OK/inativo; 1 = erro/ativo) Mostrador: HI_HI_ALM Violação do valor de limite superior do alarme HI_ALM Violação do valor de limite superior de advertência LO_LO_ALM Violação do valor de limite inferior do alarme LO_ALM Violação do valor de limite inferior da advertência DV_HI_ALM Violação do valor de limite alarme para o desvio de controle superior DV_LO_ALM Violação do valor de limite alarme para o desvio de controle inferior DISC_ALM Gravar proteção BLOCK ALM Bloquear alarme ALERT_KEY AI PID ISEL MAN - OOS O número de identificação da unidade fabril. Esta informação pode ser usada no host para distribuir os alarmes, etc. BAL_TIME PID ROUT - RCAS - CAS - AUTO - MAN - OOS Este parâmetro é usado para inserir a hora em que o fator de peso anula o termo integral da saturação (variável de atuação calculada > OUT_HI_LIM). 41

48 Parâmetro Bloco de Função Gravar Acesso com Modo de Operação (Mode_blk) Descrição BKCAL_HYS PID ROUT - RCAS - CAS - AUTO - MAN - OOS Para entrar o valor de histerese no valor de limite da faixa variável de atuação superior e inferior OUT_HI_LIM e OUT_LO_LIM. O valor de histerese é uma porcentagem do valor no grupo de parâmetros OUT_SCALE. Se a variável de atuação calculada estiver fora da faixa dos valores limite, então esta violação de faixa é mostrada no parâmetro de monitoramento de LIMITES no grupo de parâmetros OUT e comunicada aos blocos subseqüentes. A violação da faixa permanece ativa enquanto o valor da variável de atuação calculada estiver fora do valor de histerese. BKCAL_IN PID Somente leitura Mostra o valor de entrada analógica e status copiados no caso de controle por cascata da saída BKCAL_OUT do Bloco de Função subsequente. O controle por cascata é inicializado com este valor para fornecer uma transferência suave. BKCAL_OUT PID Somente leitura Mostra o valor de saída analógica e status de saída transferido no caso de controle por cascada para a entrada BKCAL_IN do Bloco de Função anterior. O controle por cascata é inicializado com este valor para fornecer uma transferência suave. BLOCK_ALM AI PID ISEL AUTO - MAN - OOS O atual status do bloco aparece no mostrador com informações sobre configuração pendente, hardware ou erros de sistema, incluindo informações sobre o período do alarme (data, hora) quando o erro ocorreu. O bloco alarme é acionado no caso dos seguintes erros de bloco: * SIMULAÇÃO ATIVA * FALHA DE ENTRADA * FORA DE SERVIÇO * OUTPUT FAILURE * READBACK FAILURE * BLOCK CONFIG ERROR Observação: Se a opção do alarme não tiver sido habilitada no parâmetro ACK_OPTION, o alarme só poderá ser reconhecido por este parâmetro. BLOCK_ERR AI PID ISEL Somente leitura Este parâmetro reflete o status do erro associado com os componentes do hardware ou do software associados com um bloco. É um tanto tenso para que múltiplos erros possam ser mostrados. BYPASS PID MAN - OOS Este parâmetro pode ser usado para ativar e desativar o cálculo da variável de atuação pelo algoritmo de controle do PID. Opções: Não inicializado OFF By-pass desativado: A variável de atuação determinada pelo algoritmo de controle do PID sai através do parâmetro OUT. ON BYPASS ativado. O valor do valor do setpoint SP sai diretamente pelo parâmetro OUT. Cuidado O parâmetro BYPASS é habilitado nas opções do parâmetro do controlador (CONTROL_OPTS). Isto deve ser definido antes do comissionamento. CAS_IN PID Somente leitura Mostra o valor remoto do setpoint e o status copiados de um Bloco de Função externo no modo de operação CAS. Este valor é mostrado na unidade do grupo de parâmetros PV_SCALE. Observação: O valor remoto do setpoint lido através do parâmetro CAS_IN só é usado se o Bloco de Função PID estiver no modo de operação CAS. No modo de operação AUTO, o valor do parâmetro SP é usado como um valor de setpoint. 42

49 Parâmetro Bloco de Função Gravar Acesso com Modo de Operação (Mode_blk) Descrição CHANNEL AI OOS A designação entre os canais lógicos de hardware do Bloco do Transdutor e a entrada do Bloco de Função de Entrada Analógica relevante. O dispositivo tem 6 canais possíveis. CONTROL_ OPTS PID OOS Para selecionar as opções disponíveis do controlador para especificar a estratégia de automação: Opções: Habilita o By-pass Ativa o parâmetro do BY-PASS Age direto Efeito direto Habilita rastreamento Ativa rastreamento Rastreia Manual Modo de operação MAN com rastreamento ativo PV para BKCAL_OUT Usa valor e status do parâmetro PV para o BKCAL_OUT Nenhum limite OUT em Manual Nenhuma restrição de saída no modo de operação MAN. Se os valores do limite da faixa OUT_HI_LIM ou OUT_LO_LIM forem excessivos ou subestimados, isto não tem efeito algum sobre o parâmetro OUT. DISABLE_n ISEL Somente leitura Parâmetro que troca a entrada corresponde (1 a 4). Se este parâmetro tiver o status de "Disable", a entrada correspondente não deve ser usada para determinar a saída. DV_HI_ALM PID Somente leitura Mostrador de status do alarme para o desvio de controle superior, incluindo detalhes da hora do alarme (data, hora) e o valor que disparou o alarme. A variável controlada excede o valor do setpoint em mais do que o valor especificado no parâmetro DV_HI_LIM. DV_HI_LIM PID ROUT - RCAS - CAS - AUTO - MAN - OOS DV_HI_PRI PID ROUT - RCAS - CAS - AUTO - MAN - OOS Observação: Além do bloco ativo alarme pode ser reconhecido neste grupo de parâmetros.. Entrada do valor do limite para desvio de controle superior. Se a variável controlada exceder o valor de setpoint por este valor, então a advertência DV_HI_ALM é saída. Entrada do usuário: Faixa e unidade de PV_SCALE Observação: Se a definição no final da escala for mudada no parâmetro PV_SCALE este valor deve ser modificado de acordo. Especifica a ação tomada quando o desvio do controle superior (DV_HI_LIM) é excedido. Entrada do usuário: 0 = Violação do valor limite para o desvio de controle superior não é avaliada. 1 = Nenhuma notificação se o valor limite para o desvio do controle superior for violado. 2 = Reservado para alarmes de bloco. 3-7 = Violação do valor de limite para o desvio de controle superior é saída como uma notificação de usuário com a prioridade apropriada (3 = baixa prioridade, 7 = alta prioridade) = Violação do valor do limite para o desvio de controle superior é saída como um alarme crítico com a prioridade apropriada (8 = baixa prioridade, 15 = alta prioridade). 43

50 Parâmetro Bloco de Função Gravar Acesso com Modo de Operação (Mode_blk) Descrição DV_LO_ALM PID Somente leitura Mostra o status de alarme para o desvio de controle inferior, incluindo detalhes da hora do alarme (data, hora) e o valor que disparou o alarme. A variável controlada está abaixo do valor de setpoint em mais do que o valor especificado no parâmetro DV_LO_LIM. DV_LO_LIM PID ROUT - RCAS - CAS - AUTO - MAN - OOS DV_LO_PRI PID ROUT - RCAS - CAS - AUTO - MAN - OOS Observação: Além disso, o alarme ativo pode ser reconhecido neste grupo de parâmetros. Entrada do valor de limite para o desvio de controle inferior. Se a variável controlada estiver abaixo do valor do setpoint por este valor, então a advertência DV_LO_ALM é saída. Entrada do usuário: Faixa e unidade da PV_SCALE Especifica a ação tomada quando o desvio do controle superior (DV_HI_LIM) é excedido. Entrada do usuário: 0 = Violação do valor limite para o desvio de controle inferior não é avaliada. 1 = Nenhuma notificação se o valor limite para o desvio do controle inferior for violado. 2 = Reservado para alarmes de bloco. 3-7 = Violação do valor de limite para o desvio de controle inferior é saída como uma notificação de usuário com a prioridade apropriada (3 = baixa prioridade, 7 = alta prioridade) = Violação do valor do limite para o desvio de controle inferior é saída como um alarme crítico com a prioridade apropriada (8 = baixa prioridade, 15 = alta prioridade). FF_GAIN PID MAN - OOS Entrada de ganho em distúrbio para o controle de feedforward. O ganho de distúrbio é multiplicado pela variável de distúrbio (FF_VAL), o resultado é adicionado à variável de atuação calculada. FF_SCALE PID MAN - OOS Definição da faixa de medição (limite inferior e superior), a unidade física e o número de casas decimais para a variável de distúrbio (FF_VAL). FF_VAL PID ROUT - RCAS - CAS - AUTO - MAN - OOS Mostrador e entrada do valor e status da variável de distúrbio. Faixa e unidade de entrada do usuário de FF_SCALE FSAFE_TYPE AI MAN - OOS Permite que você troque entre Fail Safe Value (Valor Seguro de Falha), Last Good Value (Último Valor Bom), e Wrong Value (Valor Errado). FSAFE_VALUE AI MAN - OOS Permite que você entre um Fail Safe Value (Valor Seguro de Falha). FIELD_VAL AI Dinâmico / Somente leitura Mostra a variável do processo com o status associado do Bloco de Transdutor. O valor relaciona-se ao percentual da faixa de entrada XD_SCALE e quando a simulação estiver ativa é substituída pelo valor da simulação. FIELD_VAL = 100 x (variável do processo - XD_SCALE_0%) (XD_SCALE_100% - XD_SCALE_0%) GAIN PID ROUT - RCAS - CAS - AUTO - MAN - OOS Entrada do fator de ganho proporcional K P (Fator). Se o valor 0 for especificado para este parâmetro, então o status do parâmetro OUT muda para BAD. GRANT_DENY AI PID ISEL Permite ou restringe a autorização do acesso de um sistema host de Fieldbus no dispositivo de campo. 44

51 Parâmetro Bloco de Função Gravar Acesso com Modo de Operação (Mode_blk) Descrição HI_ALM AI PID Somente leitura Mostrador de status do alarme para o valor de limite superior de advertência (HI_LIM), incluindo detalhes da hora do alarme (data, hora) e o valor que disparou o alarme. Observação: Além do alarme ativo, pode ser reconhecido neste grupo de parâmetros. Se a opção do alarme não foi permitida no parâmetro ACK_OPTION, o alarme só poderá ser reconhecido por este parâmetro. HI_HI_ALM AI PID Somente leitura Mostrador de status do alarme para o valor de limite superior de alarme (HI_HI_LIM), incluindo detalhes da hora do alarme (data, hora) e o valor que disparou o alarme. Observação: Além do alarme ativo, pode ser reconhecido neste grupo de parâmetros. Se a opção do alarme não foi permitida no parâmetro ACK_OPTION, o alarme só poderá ser reconhecido por este parâmetro. HI_HI_LIM AI PID AUTO - MAN - OOS Entrada do valor de limite do alarme para o alarme superior (HI_HI_ALM). Se o valor de saída OUT exceder este valor de limite, então o parâmetro de status de HI_HI_ALM alarme é saída. Entrada do usuário: Faixa e unidade de OUT_SCALE HI_HI_PRI AI PID AUTO - MAN - OOS Especifica a ação tomada quando o desvio do controle superior (DV_HI_LIM) é excedido. Entrada do usuário: 0 = Violação do valor limite para o desvio de controle superior não é avaliada. 1 = Nenhuma notificação se o valor limite para o desvio do controle superior for violado. 2 = Reservado para alarmes de bloco. 3-7 = Violação do valor de limite para o desvio de controle superior é saída como uma notificação de usuário com a prioridade apropriada (3 = baixa prioridade, 7 = alta prioridade) = Violação do valor do limite para o desvio de controle inferior é saída como um alarme crítico com a prioridade apropriada (8 = baixa prioridade, 15 = alta prioridade). HI_LIM AI PID AUTO - MAN - OOS Entrada do valor de limite do alarme para advertência superior (HI_ALM). Se o valor de saída OUT exceder este valor de limite, então o parâmetro de status de HI_ALM alarme é saída. Entrada de usuário: Faixa e unidade de OUT_SCALE HI_PRI AI PID AUTO - MAN - OOS Especifica a ação tomada quando o valor de limite de advertência alarme superior antecipado (HI_LIM) é excedido. Entrada do usuário: 0 = O violação do limite antecipado superior da advertência não é avaliada. 1 = Nenhuma notificação se o limite superior de advertência for violado. 2 = Reservado para alarmes de bloco. 3-7 = A violação do limite superior de advertência é saída como uma notificação de usuário com prioridade apropriada (3 = baixa prioridade, 7 = alta prioridade) = A violação do limite superior de advertência é saída como alarme crítico com a prioridade apropriada (8 = baixa prioridade, 15 = alta prioridade). 45

52 Parâmetro Bloco de Função Gravar Acesso com Modo de Operação (Mode_blk) Descrição IN PID Somente leitura Mostra a variável controlada com informação sobre o status e valor. A escala da faixa e seleção de entrada da unidade da variável controlada são executadas pelo grupo de parâmetros PV_SCALE. IN_n ISEL MAN Valor auxiliar de entrada no bloco. Normalmente somente leitura a menos que simulação em MAN seja possível; ver respectiva descrição de bloco. IO_OPTS AI OOS Ativa as opções para processamento dos valores de entrada e saída do Bloco de Função (I/O opções ). As seguintes opções quando o bit apropriado é definido como verdadeiro. 0: Inverter 1: SP-PV Rastrear Man 2: Reservado 3: SP-PV Rastrear em LO 4: SP Rastrear alvo retido 5: Aumentar ou fechar 6: Estado de erro ao valor 7: Usar valor de estado de erro ao reiniciar 8: Alvo em Man se estado de erro for ativado 9: Usar PV para BKCAL_OUT 10: Cutoff baixo L_TYPE AI MAN Para selecionar o tipo de linearização para o valor de entrada. Opções: Não inicializada Direta: Com esta configuração, o valor medido do Bloco de Transdutor (valor de entrada ) evita a função de linearização e é inserido em loops sem mudança com a mesma unidade pelo Bloco de Função de Entrada Analógica. Esta configuração deve ser selecionada quando o valor de entrada já possui unidades físicas designadas. PV = valor de entrada Indireta (conversão linear): Com esta configuração, o valor medido do Bloco de Transdutor (valor de entrada ) é re-escalado linearmente através da escala de entrada XD_SCALE para a faixa de saída desejada OUT_SCALE. PV = (FIELD_VAL / 100) x (OUT_SCALE 100% - OUT_SCALE 0%) - OUT_SCALE 0% Raiz Quadrada Indireta: Com esta configuração, o valor medido do Bloco de Transdutor (valor de entrada ) é re-escalado através do grupo de parâmetro XD_SCALE e re-calculado usando a função de raiz quadrada. Outros re-escalamentos seguem para a faixa de saída desejada através do grupo de parâmetros OUT_SCALE. PV = ( (FIELD_VAL / 100)) x (OUT_SCALE 100% - OUT_SCALE 0%) - OUT_SCALE 0% LO_ALM AI PID Somente leitura O mostrador de status do alarme para o valor de limite inferior de advertência (LO_LIM), incluindo detalhes do tempo do alarme (data, hora) e o valor que deflagrou o alarme. Observação: Além disso, o alarme ativo pode ser reconhecido neste grupo de parâmetro. Se a opção do alarme não tiver sido habilitada no parâmetro ACK_OPTION, o alarme só pode ser reconhecido através deste parâmetro. 46

53 Parâmetro Bloco de Função Gravar Acesso com Modo de Operação (Mode_blk) Descrição LO_LIM AI PID AUTO - MAN - OOS Entrada do valor de limite do alarme para advertência inferior (LO_ALM). Se o valor de saída OUT estiver abaixo deste limite de valor, então o parâmetro de status do LO_ALM alarme é saída. Entrada do usuário Faixa e unidade de OUT_SCALE LO_LO_ALM AI PID Somente leitura O mostrador de status do alarme para o valor de limite inferior de alarme (LO_LO_LIM), incluindo detalhes do tempo do alarme (data, hora) e o valor que deflagrou o alarme. Observação: Além disso, o alarme ativo pode ser reconhecido neste grupo de parâmetro. Se a opção do alarme não tiver sido habilitada no parâmetro ACK_OPTION, o alarme só pode ser reconhecido através deste parâmetro. LO_LO_LIM AI PID AUTO - MAN - OOS Entrada do valor de limite do alarme para alarme inferior (LO_LO_ALM). Se o valor de saída OUT estiver abaixo deste limite de valor, então o parâmetro de status do LO_ALM alarme é saída Entrada de usuário: Faixa e unidade de OUT_SCALE LO_LO_PRI AI PID AUTO - MAN - OOS Especifica a ação tomada quando o valor de limite mais inferior de alarme (LO_LO_LIM) não é alcançado. Entrada de usuário: 0 = O violação do limite antecipado superior da alarme não é avaliada. 1 = Nenhuma notificação se o limite superior de alarme for violado. 2 = Reservado para alarmes de bloco. 3-7 = A violação do limite superior de alarme é saída como uma notificação de usuário com prioridade apropriada (3 = baixa prioridade, 7 = alta prioridade) = A violação do limite superior de alarme é saída como alarme crítico com a prioridade apropriada (8 = baixa prioridade, 15 = alta prioridade). LO_PRI AI PID AUTO - MAN - OOS Especifica a ação tomada quando o valor de limite mais inferior de alarme (LO_LIM) é excedido. Entrada de usuário: 0 = O violação do limite antecipado superior da advertência não é avaliada. 1 = Nenhuma notificação se o limite superior de advertência for violado. 2 = Reservado para alarmes de bloco. 3-7 = A violação do limite superior de advertência é saída como uma notificação de usuário com prioridade apropriada (3 = baixa prioridade, 7 = alta prioridade) = A violação do limite superior de advertência é saída como alarme crítico com a prioridade apropriada (8 = baixa prioridade, 15 = alta prioridade).= alta prioridade. LOW_CUT AI AUTO - MAN - OOS Este parâmetro é usado em medição de fluxo; por exemplo, para a entrada de um valor limite do CutOff de Fluxo Baixo. Se o valor medido convertido estiver abaixo deste valor de limite, então PV é mostrado como zero. Entrada de usuário: Faixa e unidade de OUT_SCALE MIN_GOOD ISEL MAN - OOS Se o número de entradas boas for menor que o valor de MIN_GOOD o status OUT é definido como BAD. 47

54 Parâmetro Bloco de Função Gravar Acesso com Modo de Operação (Mode_blk) Descrição MODE_BLK AI PID ISEL AUTO - MAN - OOS Mostra o modo de operação corrente (Atual) e desejado (Alvo) do Bloco de Função de Entrada Analógica, os modos permitidos (Permitidos) suportados pelo Bloco de Recursos e o modo normal de operação (Normal). Mostrador: AUTO - MAN - OOS - CAS - RCAS - ROUT Observação: O Bloco de Função de Entrada Analógica suporta os seguintes modos de operação AUTO (modo automático): O bloco é executado. MAN (intervenção manual pelo operador): O valor de saída OUT pode ser especificado. OOS (fora de serviço): O bloco está no modo fora de serviço. Com o valor de saída OUT o último valor válido é saída. O status do valor de saída OUT muda para BAD. CAS (Modo em Cascata) Através do parâmetro de entrada ou CAS_IN, o Bloco de Função PID recebe o valor de setpoint para cálculo interno da variável de atuação diretamente de outro Bloco de Função. O algoritmo PID interno é executado. RCAS (Cascata Externa) Através do parâmetro RCAS_IN, o Bloco de Função PID recebe o valor de setpoint para cálculo interno da variável de atuação diretamente do sistema host do Fieldbus. O algoritmo PID interno é executado. ROUT (Saída Externa) Através do parâmetro ROUT_IN, o Bloco de Função PID recebe o valor de setpoint para cálculo interno da variável de atuação diretamente do sistema host do Fieldbus. A variável de atuação é saída novamente através do parâmetro OUT sem que o algoritmo interno PID seja executado. OP_SELECT ISEL AUTO - MAN - OOS Um parâmetro ajustável pelo operador para forçar que uma determinada entrada seja usada. OUT AI PID ISEL MAN - OOS Mostra o valor de saída com avaliação de alarme e o status do Bloco de Função de Entrada Analógica. Entrada de usuário: Faixa e unidade de OUT_SCALE No Bloco PID, o valor de saída OUT é uma função dos valores de limites de faixas OUT_HI_LIM e OUT_LO_LIM. OUT_HI_LIM PID ROUT - RCAS - CAS - AUTO - MAN - OOS OUT_LO_LIM PID ROUT - RCAS - CAS - AUTO - MAN - OOS Entrada da máxima variável de atuação analógica permitida que pode ser saída do Bloco de Função PID. Entrada de usuário: Faixa e unidade de OUT_SCALE ±10 Entrada da mínima variável de atuação analógica permitida que pode ser saída do Bloco de Função PID. Entrada de usuário: Faixa e unidade de OUT_SCALE ±10 OUT_RANGE ISEL OOS A escala do mostrador para a saída. Não tem efeito algum sobre o bloco. 48

55 Parâmetro Bloco de Função Gravar Acesso com Modo de Operação (Mode_blk) Descrição OUT_SCALE AI PID MAN - OOS Definição da faixa de saída (limite superior e inferior), a unidade física e o número de casas decimais para o valor de saída (OUT). Definir a faixa deste grupo de parâmetros não restringe o valor de saída OUT. Se o valor de saída OUT estiver fora da faixa de medição, este valor é transferido. PV AI PID Somente leitura Mostra a variável do processo utilizada para a execução do bloco, incluindo o status da variável do processo. Observação: A unidade usada é copiada do grupo de parâmetros OUT_SCALE. PV_FTIME AI PID AUTO - MAN - OOS Entrada da constante de tempo em filtro (em segundos) do filtro digital da primeira ordem. Este tempo é necessário a fim de 63% de uma mudança no parâmetro em FIELD_VAL de forma que tenha um efeito no valor de PV. PV_SCALE AI PID OOS Definição da faixa de medição (limite inferior e superior), a unidade física e o número de casas decimais para a variável do processo (PV). Observação: Se este grupo de parâmetro for modificado, então os seguintes parâmetros devem ser verificados e modificados se necessário: - DV_HI_LIM- DV_LO_LIM - HI_LIM- HI_HI_LIM - LO_LIM- LO_LO_LIM - RCAS_IN- RCAS_OUT - SP_LO_LIM- SP_HI_LIM - SP RATE PID ROUT - RCAS - CAS - AUTO - MAN - OOS RCAS_IN PID ROUT - RCAS - CAS - AUTO - MAN - OOS Entrada da constante de tempo para a ação derivativa T d (termo-d). Neste parâmetro a variável de atuação analógica fornecida pelo sistema de host do Fieldbus (valor e status) é lida para o cálculo interno da variável de atuação e mostrada. * Declaração de valor e unidade de PV_SCALE * Se a configuração para o final da escala for mudada no parâmetro PV_SCALE este valor deve ser modificado de acordo. * Este parâmetro só é ativo no modo de operação RCAS. RCAS_OUT PID Somente leitura Mostra o valor de saída analógica do valor especificado do setpoint transferido para o sistema host do Fieldbus no curso do controle por cascata. O controle por cascata é inicializado com este valor para fornecer uma transferência suave. * Declaração de valor e unidade de PV_SCALE * Se a configuração para o final da escala for mudada no parâmetro PV_SCALE este valor deve ser modificado de acordo. * Este parâmetro só é ativo no modo de operação RCAS. RESET PID ROUT - RCAS - CAS - AUTO - MAN - OOS ROUT_IN PID ROUT - RCAS - CAS - AUTO- MAN - OOS Entrada da constante de tempo para a ação integral T r (termo-i). A função integral é desabilitada ao entrar 0 segundos. Neste parâmetro a variável de atuação analógica fornecida pelo sistema de host do Fieldbus (valor e status) é lida para o cálculo interno da variável de atuação e mostrada. * Declaração de valor e unidade de OUT_SCALE * Este parâmetro só é ativo no modo de operação ROUT. * O algoritmo PID não é mais executado. 49

56 Parâmetro Bloco de Função Gravar Acesso com Modo de Operação (Mode_blk) Descrição ROUT_OUT PID Somente leitura Mostra o valor de saída analógico e o status de saída da variável de atuação transferido para o sistema host do Fieldbus no curso do controle em cascata. O controle por cascata é inicializado com este valor para fornecer uma transferência suave. * Declaração de valor e unidade de OUT_SCALE * Este parâmetro só é ativo no modo de operação ROUT. SELECT_TYPE ISEL AUT - OOS Determina a ação do seletor. * Primeiro Bom: Primeiro valor de entrada útil * Mínimo: Valor mínimo útil * Máximo: Valor máximo útil * Intermediário: Valor intermediário ou médio dependendo do número de entradas úteis * Médio: Média de todas as entradas úteis SELECTED ISEL AUTO - MAN Um inteiro indicando que a entrada do bloco foi selecionada pelo algoritmo SELECT_TYPE. Pode ser sobre escrito quando OP_SELECT for maior do que 0. SHED_OPT PID ROUT - RCAS - AUTO - MAN - OOS Para selecionar a ação tomada se o tempo de monitoramento for excedido (ver parâmetros SHED_RCAS, SHED_ROUT ) no modo de operação RCAS ou ROUT. Durante o parâmetro do tempo de monitoramento, a atualização entre o sistema host do Fieldbus e o Bloco de Função PID é verificada. Se os parâmetros não estiverem atualizados, o Bloco de Função PID muda do modo operacional RCAS ou ROUT para o modo selecionado aqui quando passar o tempo de monitoramento. Opções : 0: Não inicializada 1: NormalShed_NormalReturn 2: NormalShed_NoReturn 3: ShedToAuto_NormalReturn 4: ShedToAuto_NoReturn 5: ShedToManual_NormalReturn 6: ShedToManual_NoReturn 7: ShedToRetainedTarget_NormalReturn 8: ShedToRetainedTarget_NoReturn SIMULATE AI AUTO - MAN - OOS Simulação do valor de entrada e status de entrada. Como este valor corre através de todo o algoritmo, o comportamento do Bloco de Função de Entrada Analógica pode ser verificado. O parâmetro BLOCK_ERROR do Bloco de Recursos mostra se a simulação é possível. SP PID AUTO - MAN - OOS Entrada do valor do setpoint analógico. SP_HI_LIM PID ROUT - RCAS - CAS - AUTO - MAN - OOS SP_LO_LIM PID ROUT - RCAS - CAS - AUTO - MAN - OOS Entrada de usuário: Faixa e unidade de PV_SCALE ±10% Se a configuração para o final da escala for mudado no parâmetro PV_SCALE este valor deve ser modificado de acordo. Entrada do limite superior do valor do setpoint. Entrada de usuário: Faixa e unidade de PV_SCALE ±10 Se a configuração para o final da escala for mudado no parâmetro PV_SCALE este valor deve ser modificado de acordo. Entrada do limite inferior do valor do setpoint. Entrada de usuário: Valor e faixa de PV_SCALE ±10 Se a configuração para o final da escala for mudado no parâmetro PV_SCALE este valor deve ser modificado de acordo. 50

57 Parâmetro Bloco de Função Gravar Acesso com Modo de Operação (Mode_blk) Descrição SP_RATE_DN PID ROUT - RCAS - CAS - AUTO - MAN - OOS SP_RATE_UP PID ROUT - RCAS - CAS - AUTO - MAN - OOS Entrada da taxa de aumento de um valor de setpoint diminuído no modo de operação AUTO. * Se o valor "0" for digitado, então este parâmetro é desativado e o valor do setpoint é usado diretamente. * Em blocos de controle, a restrição à velocidade é apenas ativa no modo de operação AUTO. Em blocos de saída, a restrição é ativa em AUTO, CAS e RCAS. Entrada da taxa de aumento de um valor de setpoint diminuído no modo de operação AUTO. * Se o valor "0" for digitado, então este parâmetro é desativado e o valor do setpoint é usado diretamente. * Em blocos de controle, a restrição à velocidade é apenas ativa no modo de operação AUTO. Em blocos de saída, a restrição é ativa em AUTO, CAS e RCAS. STATUS_OPTS AI PID ISEL OOS Para selecionar as opções disponíveis de status para especificar o processamento do status e o processamento do parâmetro de saída OUT. Opções: IFS se Bad IN Dispara status de distúrbio de Bloco de Função de Saída Analógica se a variável controlada (IN) mudar o status para BAD. IFS se Bad CAS_IN Dispara status de distúrbio à jusante do Bloco de Saída Analógica do Bloco de Função se o valor externo do setpoint (CAS_IN) mudar o status para BAD. Use Incerto como Bom O status UNCERTAIN é usado como GOOD. Alvo IN MANUAL se BAD IN Trocar para o modo de operação MAN se a variável controlada mudar o status para BAD. etc. in AI PID ISEL ROUT - RCAS - CAS - AUTO - MAN - OOS Parâmetro para agrupamento e daí uma avaliação mais rápida dos blocos. O agrupamento é executado entrando com o mesmo valor numérico no parâmetro STRATEGY de cada bloco individual. Observação: Esses dados não são verificados nem processados nem verificados pelo Bloco de Função de Entrada Analógica. ST_REV AI PID ISEL Somente leitura O nível de revisão dos dados estáticos associados com o Bloco de Função. Para suportar mudanças em rastreamento em atributos estáticos de parâmetro, o parâmetro de revisão estática dos blocos associados é incrementado cada vez que um valor de atributo de parâmetro estático é mudado. Também, o parâmetro de revisão estática dos blocos associados pode ser incrementado se um atributo de parâmetro estático for gravado, mas o valor não for mudado. TAG_DESC AI PID ISEL ROUT - RCAS - CAS - AUTO - MAN - OOS Entrada de um texto específico de usuário de um máximo de 32 caracteres para identificação única e designação do bloco. TRK_IN_D PID ROUT - RCAS - CAS - AUTO - MAN - OOS Mostra a entrada discreta (valor e status) que inicia a função de rastreamento externo. Na ativação do rastreamento, o modo de operação muda para LO (Local Compulsory Tracking). Ao fazer isso, a variável de atuação na saída OUT adota o valor especificado na entrada TRK_VAL. 51

58 Parâmetro Bloco de Função Gravar Acesso com Modo de Operação (Mode_blk) Descrição TRK_SCALE PID MAN - OOS Definição da faixa de medição (limite inferior e superior), a unidade física e o número de casas decimais para a variável de rastreamento externo (TRK_VAL). Isto normalmente combina com o parâmetro de OUT_SCALE parâmetro. TRK_VAL PID ROUT - RCAS - CAS - AUTO - MAN - OOS Mostra o valor de entrada analógico e status de entrada lido a partir de outro Bloco de Função para a função externa de rastreamento na unidade do grupo de parâmetros TRK_SCALE. UPDATE_EVT AI PID ISEL Somente leitura Indica se os dados estáticos do bloco foram alterados, incluindo data e hora. XD_SCALE AI MAN - OOS Neste grupo de parâmetro a faixa de medição do sensor é escalada e a unidade da variável do processo é determinada. Entrada de usuário: Faixa de medição do sensor * Definir a faixa de medição neste grupo de parâmetro não representa uma restrição. Se o valor estiver fora da faixa de medição, é transferido mesmo assim. * A unidade selecionada neste grupo de parâmetro também é válida para o Bloco do Transdutor. Se a unidade for mudada no parâmetro XD_SCALE, esta unidade também será adaptada automaticamente na unidade conectada no Bloco de Função do Transdutor. Uma exceção é a conexão com a temperatura interna, cuja unidade não será adaptada automaticamente no Bloco de Função do Transdutor. * Entrada da faixa de medição via o parâmetro XD_SCALE não restringe a saída. 52

59 4. RTT30 DTM Este capítulo fornece informações exclusivas para uso em Transmissor de Temperatura RTT30 com protocolo de comunicações da Foundation Fieldbus. Tela do Mostrador/Operação A Tela do mostrador / operação permite que você configure o que o mostrador mostrará. Campos brancos são regraváveis enquanto campos em cinza não o são, conforme mostrado na Figura 13. Figura 13. Tela do Mostrador/Operação Tabela 5. Campos e Funcionalidades do Mostrador/Operação Campo Entrada Tempo de Alternação Permite que você especifique, em segundos, quanto tempo cada valor será mostrado antes de alternar, quando mais de um é mostrado. Até 3 variáveis podem ser mapeadas no mostrador. Essas incluem entradas do Bloco de Função do Seletor de Entrada, que permite o mapeamento de saídas de outros dispositivos no segmento de barramento para este mostrador. Fonte de Mostrador 1 Permite que você especifique a fonte para a medição do primeiro mostrador. Isto pode ser Sensor Valor 1, Sensor Valor 2, Valor Primário 1, Valor Primário 2, Temperatura de Referência de Junção, Seletor de entradas de 1 a 4 ou Entrada PID 1. Texto do Mostrador 1 Permite que você defina o texto que é mostrado na área do segmento 14 53

60 Campo Entrada Formato do Mostrador 1 Permite que você especifique onde o decimal será colocado Gráfico de Barra Máx. 1 Valor que representa o gráfico de barra em 100% Gráfico de Barra Mín. 1 Valor que representa o gráfico de barra em 0% Fonte do Mostrador 2 Tem as mesmas seleções que as do Mostrador de Fonte 1 Fonte do Mostrador 3 Tem as mesmas seleções que as do Mostrador de Fonte 1 Tela de Configuração A Tela de Configuração permite que você configure que conexões de sensor devem ser definidas para o transmissor. Campos brancos são graváveis enquanto que os campos em cinza não o são, conforme mostrado na Figura 14. Figura 14. Tela de Configuração Campo Sensor tipo 1 ou Sensor tipo 2 Unidade 1 ou Unidade 2 Tipo de valor primário Conexão 1 ou Conexão 2 Tabela 6. Campos e Funcionalidades da Configuração Descrição Permite que você defina que tipo de sensor está conectado aos respectivos terminais de entrada Permite que você defina a unidade de engenharia que deve ser associada com a medição respectiva Permite que você defina se uma medição direta, uma medição média, ou medição redundante deve ser configurada para o Sensor 1 e o Sensor 2. Permite que você defina o número de fios a serem associados com o respectivo sensor Observação Termopar é uma entrada de apenas 2 fios 54

61 Tela de Diagnóstico MI Janeiro de 2014 A Tela de Diagnóstico permite que você leia as informações do diagnóstico atual e histórico armazenadas no transmissor. OBSERVAÇÃO: As informações de diagnóstico também podem ser acessadas pela Tela Especialista. As informações mostradas na tela de diagnóstico incluem: Categoria atual de diagnóstico Código atual de diagnóstico Diagnóstico atual Canais atuais de diagnóstico Contagem atual de diagnóstico Categoria atual de diagnóstico Último código de diagnóstico Última descrição de diagnóstico Último canal de diagnóstico Revisão Estática 55

62 Tela Especialista A Tela Especialista permite que você navegue para 5 telas adicionais: Sistema, Sensor, Diagnóstico, Valores Medidos e Valores Mín-/Máx-. Tela de Sistema A Tela de Sistema permite que você estabeleça o filtro de alimentação, os alarmes do sistema, e a manifestação dos alarmes da temperatura ambiente. Um exemplo da Tela de Sistema é mostrado na Figura 15. Figura 15. Exemplo de uma Tela de Sistema Tabela 7. Campos e Funcionalidades da Tela de Sistema Campo Descrição Filtro de alimentação Permite que você determine o filtro de alimentação para 50 ou 60 Hz Retardo nos alarmes do Permite que você especifique o tempo de retardo para um alarme de sistema sistema Alarmes temp. do sistema Permite que você especifique como o alarme de uma temperatura ambiente pode ser manifestado. Use o menu em cascata para escolher entre Manutenção Necessária ou Falha 56

63 Tela do Sensor MI Janeiro de 2014 A Tela do Sensor repete as opções configuráveis na Tela de Configuração, conforme mostrado na Figura 16 e Figura 17. Figura 16. Exemplo de uma Tela de Sensor 1 Figura 17. Exemplo de uma Tela de Sensor 2 57

64 Subtela de Diagnóstico A Subtela de Diagnóstico repete as informações na Tela de Diagnóstico exceto pelo fato de que você pode navegar par a Tela do Sistema de Informações de dentro desta tela, conforme mostrado na Figura 18. Figura 18. Exemplo de uma Subtela de Diagnóstico 58

65 Tela de Informações de Sistema MI Janeiro de 2014 A Tela de Informações do Sistema dá a você informações específicas sobre o transmissor para o qual uma DTM é conectada. Tela de Valores Medidos A Tela de Valores Medidos descreve informações somente leitura relacionadas à medição e qualidade de medição de cada entrada, incluindo valor de sensor e valor primário, conforme mostrado na Figura 19. Figura 19. Exemplo de uma Tela de Valores Medidos OBSERVAÇÃO: O valor primário pode ser o mesmo que o valor do sensor ou pode ser um resultado calculado de 2 medições de sensor. 59

66 Mín.-/Máx. Tela de Valores A Tela de Valores Mín.-/Máx. é uma tela somente leitura que mostra os valores mínimos e máximos lidos por cada tipo de medição, conforme mostrado na Figura 20. Figura 20. Exemplo de uma Tela de Valores Mín- / Máx.- Mostra informações sobre o seguinte: Mínimo de variáveis de processo Máximo de variáveis de processo Mínimo de sensor Máximo de sensor Mínimo RJ Máximo RJ 60

67 Tela de Bloco de Função MI Janeiro de 2014 A Tela do Bloco de Função navega pelas 3 subtelas relacionadas a cada bloco de Entrada Analógica. Cada subtela permite configuração completa do respectivo Bloco de Função de Entrada Analógica, conforme mostrado na Figura 21. Figura 21. Exemplo de uma Tela de Entrada Analógica 61

68 Tela de Modo de Bloco A Tela de Modo de Bloco permite que você configure os modos-alvo para os Blocos de Recursos, Transdutor e Entrada Analógica, conforme mostrado na Figura 22. Figura 22. Exemplo de uma Tela de Modo de Bloco OBSERVAÇÃO: Ao realizar configuração on-line, o respectivo bloco deve ser constituído dos serviços (OOS) através da Tela de Modo de Bloco antes que valores de parâmetro possam ser gravados no bloco. 62

Instrução MI 020-530 Janeiro de 2014. RTT30 Série I/A Transmissor de Temperatura Com Protocolo HART

Instrução MI 020-530 Janeiro de 2014. RTT30 Série I/A Transmissor de Temperatura Com Protocolo HART Instrução MI 020-530 Janeiro de 2014 RTT30 Série I/A Transmissor de Temperatura Com Protocolo HART Índice Figuras... v Tabelas... iii 1. Introdução... 1 Descrição Geral... 1 Documentos de Referência...

Leia mais

Transmissor de temperatura de alta densidade Rosemount 848T com FOUNDATION fieldbus

Transmissor de temperatura de alta densidade Rosemount 848T com FOUNDATION fieldbus Manual de referência Transmissor de temperatura de alta densidade Rosemount 848T com FOUNDATION fieldbus Revisão de dispositivo 7 www.rosemount.com Manual de referência Rosemount 848T Transmissor de temperatura

Leia mais

Analisador com interface FOUNDATION Fieldbus, medição de condutividade em áreas seguras e classificadas

Analisador com interface FOUNDATION Fieldbus, medição de condutividade em áreas seguras e classificadas Sistemas para Análise de Processo Quím. Energia Farm. Alim. Água Stratos FF 2231 X Cond Analisador com interface FOUNDATION Fieldbus, medição de condutividade em áreas seguras e classificadas Características

Leia mais

Instruções de segurança VEGADIF DF65.D******- Z/H/P/F*****

Instruções de segurança VEGADIF DF65.D******- Z/H/P/F***** Instruções de segurança VEGADIF DF65.D******- Z/H/P/F***** NCC 13.02323 X Ex d ia IIC T6...T1 Ga/Gb 0044 Document ID: 47487 Índice 1 Validade... 3 2 Geral... 3 3 Dados técnicos... 3 4 Condições de utilização...

Leia mais

Termômetro Digital pt100 ITTM-917

Termômetro Digital pt100 ITTM-917 Termômetro Digital pt100 ITTM-917 CONTEÚDO 1. FUNÇÕES... 1 2. ESPECIFICAÇÕES... 1 2-1 Especificações Gerais...1 2-2 Especificações Elétricas... 2 3. DESCRIÇÃO DO PAINEL FRONTAL... 3 3-1 Display...3 3-2

Leia mais

smar Fieldbus Devices FR302 Relé Fieldbus

smar Fieldbus Devices FR302 Relé Fieldbus smar Fieldbus Devices Relé Fieldbus Relé Fieldbus Características Saída Discreta de Conexão direta ao FOUNDATION Fieldbus TM ; Blocos Funcionais instanciáveis para ajuste e controle discreto em campo;

Leia mais

VF2. Medidor de nível tipo radar de onda guiada (TDR) de 2 fios. Informações suplementares

VF2. Medidor de nível tipo radar de onda guiada (TDR) de 2 fios. Informações suplementares VF2 Informações suplementares Medidor de nível tipo radar de onda guiada (TDR) de 2 fios Instruções Suplementares para aplicações em áreas classificadas HYCONTROL ÍNDICE DE VF2 1 Informações gerais de

Leia mais

Transmissor de temperatura Rosemount 644

Transmissor de temperatura Rosemount 644 Folha de dados do produto Abril de 2014 00813-0122-4728, Rev. TA Transmissor de temperatura Rosemount 644 O mais versátil transmissor de temperatura Reduza a complexidade e simplifique as operações cotidianas

Leia mais

STD-T. Transmissor de Temperatura com Display LCD local

STD-T. Transmissor de Temperatura com Display LCD local STD-T Transmissor de Temperatura com Display CD local STD-T Transmissor de Temperatura com Display CD ocal Características Alta flexibilidade para as exigências dos processos Industriais. Ampla variedade

Leia mais

Instrução MI 020-531 Janeiro de 2014

Instrução MI 020-531 Janeiro de 2014 Instrução MI 020-531 Janeiro de 2014 Modelo RTT30 Transmissor de temperatura I/A Series com protocolo Fieldbus HART ou FOUNDATION Informações sobre segurança Índice 1. RTT30, HART, ATEX/INMETRO II 1 G...

Leia mais

Instrução MI 020-583 Fevereiro de 2014. Transmissor de Temperatura da I/A Series Modelo RTT80-F com protocolo FOUNDATION Fieldbus

Instrução MI 020-583 Fevereiro de 2014. Transmissor de Temperatura da I/A Series Modelo RTT80-F com protocolo FOUNDATION Fieldbus Instrução MI 020-583 Fevereiro de 2014 Transmissor de Temperatura da I/A Series Modelo RTT80-F com protocolo FOUNDATION Fieldbus MI 020-583 Setembro de 2014 2 Índice Figuras... 7 Tabelas... 9 1. Introdução...

Leia mais

Descrição do Produto. Dados para Compra. Série Hadron Xtorm

Descrição do Produto. Dados para Compra. Série Hadron Xtorm Descrição do Produto A automação de sistemas de energia elétrica é caracterizada pelo uso de equipamentos e dispositivos robustos, confiáveis e que apresentam alta tecnologia com a capacidade de operar

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

Série de Transmissores Intrinsecamente Seguros de Umidade e Temperatura HMT360

Série de Transmissores Intrinsecamente Seguros de Umidade e Temperatura HMT360 www.vaisala.com Série de Transmissores Intrinsecamente Seguros de Umidade e Temperatura HMT360 série HMT360 é verdadeiramente flexível. Os clientes podem especificar a configuração do transmissor ao encomendar

Leia mais

Instruções MI 020-453 Abril 2008. RTT20 Transmissor de Temperatura Série I/A

Instruções MI 020-453 Abril 2008. RTT20 Transmissor de Temperatura Série I/A Instruções MI 020-453 Abril 2008 RTT20 Transmissor de Temperatura Série I/A Instalação, Configuração, Operação, Calibração e Manutenção Estilo A Invensys MI 020-453 - Abril 2008 Índice MI 020-453 - Abril

Leia mais

Controlador de Segurança para chamas de Gás

Controlador de Segurança para chamas de Gás Controlador de Segurança para chamas de Gás Para queimadores de gás atmosféricos de 2 estágios: Detecção de chamas: - Sonda de Ionização - Detector de Infra-vermelho IRD 1020 - Sensor de chamas Ultravioleta

Leia mais

Dados técnicos. necessário. Consumo de corrente Placa de medição não abrangida 3 ma Placa de medição abrangida

Dados técnicos. necessário. Consumo de corrente Placa de medição não abrangida 3 ma Placa de medição abrangida 0102 Designação para encomenda Características Para montagem na caixa Montagem directa em accionamentos normais Directivas europeias para máquinas cumpridas Certificado de verificação de modelos TÜV99

Leia mais

SITRANS LVL200H.ME****A****

SITRANS LVL200H.ME****A**** Vibrating Switches SITRANS LVL200H.ME****A**** NCC 14.03368 X Ex d IIC T6 Ga/Gb, Gb Instruções de segurança 0044 Índice 1 Validade... 3 2 Geral... 3 3 Dados técnicos... 4 4 Condições de utilização... 4

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

I/A Series Medidor de Vazão Mássica e Densidade Modelo CFT50 Transmissor Digital de Vazão Mássica tipo Coriolis com Protocolo de Comunicação HART

I/A Series Medidor de Vazão Mássica e Densidade Modelo CFT50 Transmissor Digital de Vazão Mássica tipo Coriolis com Protocolo de Comunicação HART Especificações do Produto PSS 1-2B7 A I/A Series Medidor de Vazão Mássica e Densidade Modelo CFT50 Transmissor Digital de Vazão Mássica tipo Coriolis com Protocolo de Comunicação HART O Transmissor Digital

Leia mais

Transmissor de temperatura Rosemount 644 com FOUNDATION fieldbus

Transmissor de temperatura Rosemount 644 com FOUNDATION fieldbus Transmissor de temperatura Rosemount 644 com FOUNDATION fieldbus www.rosemount.com Rosemount 644 Conteúdo Manual de referência Seção 1 Introdução Seção 2 Instalação Seção 3 Configuração Mensagens de segurança..................................

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO TERMÔMETRO DIGITAL MODELO TD-890

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO TERMÔMETRO DIGITAL MODELO TD-890 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO TERMÔMETRO DIGITAL MODELO TD-890 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... - 1-2. REGRAS DE SEGURANÇA...

Leia mais

Terminador de barramento de campo

Terminador de barramento de campo Terminador de barramento de campo Manual de instruções Additional languages www.stahl-ex.com Índice 1 Informações Gerais...3 1.1 Fabricante...3 1.2 Informações relativas ao manual de instruções...3 1.3

Leia mais

Soluções Globais em Sistemas de Pesagem. Indicador de pesagem WT1000-LED. Manual Técnico. Versão A12-03

Soluções Globais em Sistemas de Pesagem. Indicador de pesagem WT1000-LED. Manual Técnico. Versão A12-03 Soluções Globais em Sistemas de Pesagem Indicador de pesagem WT1000-LED Manual Técnico Versão A12-03 Obrigado por escolher a WEIGHTECH! Agora, além de adquirir um equipamento de excelente qualidade, você

Leia mais

Transmissores RHT-WM-485-LCD, RHT-DM-485-LCD e RHT-P10-485-LCD

Transmissores RHT-WM-485-LCD, RHT-DM-485-LCD e RHT-P10-485-LCD Transmissores RHT-WM-485-LCD, RHT-DM-485-LCD e RHT-P10-485-LCD TRANSMISSOR DE TEMPERATURA E UMIDADE MANUAL DE INSTRUÇÕES V1.0x B 1 INTRODUÇÃO Os transmissores RHT-WM-485-LCD, RHT-DM-485-LCD e RHT-P10-485-

Leia mais

Estes módulos estão disponível para: DST4602, GCXXX DST4601PX

Estes módulos estão disponível para: DST4602, GCXXX DST4601PX DITHERM, DIGRIN, DIVIT são módulos eletrônicos microprocessados que permitem expandir as entradas analógicas de vários controladores SICES para grupos geradores. Mais concretamente: O módulo DITHERM permite

Leia mais

Instruções de segurança VEGADIS DIS81.MEIA/V****

Instruções de segurança VEGADIS DIS81.MEIA/V**** Instruções de segurança VEGADIS DIS81.MEIA/V**** NCC 14.02856 Ex d IIC T6 Gb (-40 C Tamb +60 C) 0044 Document ID: 47913 Índice 1 Validade... 3 2 Geral... 3 3 Dados técnicos... 3 4 Condições de utilização...

Leia mais

Controle de acesso FINGER

Controle de acesso FINGER Controle de acesso FINGER MANUAL DE INSTRUÇÕES Sobre esse Guia Esse guia fornece somente instruções de instalação. Para obter informações sobre instruções de uso, favor ler o Manual do usuário.. ÍNDICE

Leia mais

TRANSMISSORES INTELIGENTES DE TEMPERATURA. smar

TRANSMISSORES INTELIGENTES DE TEMPERATURA. smar TRANSMISSORES INTELIGENTES DE TEMPERATURA CARACTERÍSTICAS Um único modelo aceita sinais de: - Termopares, Termoresistências (simples e diferencial) - mv (pirômetros de radiação, células de carga, etc.)

Leia mais

CONTROLADOR DE TEMPERATURA DIGITAL MICROPROCESSADO XMT-904L

CONTROLADOR DE TEMPERATURA DIGITAL MICROPROCESSADO XMT-904L CONTROLADOR DE TEMPERATURA DIGITAL MICROPROCESSADO XMT-94L 1-CARACTERISTICAS PRINCIPAIS Alimentação 1 ~24Vca. 2 Display LED de alto brilho de 4 dígitos cada. Multi-entrada : Termopar, termoresistência,

Leia mais

Termômetos Digitais de Contato

Termômetos Digitais de Contato MODELO 930.0.0.00 Termômetos Digitais de Contato SÉRIE P600 Manual de Instruções .Diagrama da Unidade Tampa retrátil Dispositivo de montagem para carregar a ponteira Visor grande de LCD Teclado Porta de

Leia mais

Sensores de temperatura e acessórios (português) Volume 1

Sensores de temperatura e acessórios (português) Volume 1 RTDs e termopares em modelos de sensores de elementos simples e duplos Poços termométricos em uma ampla gama de materiais e conexões de processo Recursos de calibração para aumentar a precisão de medições

Leia mais

Indicador remoto Rosemount 752

Indicador remoto Rosemount 752 Indicador remoto Rosemount 752 com protocolo FOUNDATION fieldbus www.rosemount.com Rosemount 752 Indicador remoto Rosemount 752 com protocolo FOUNDATION fieldbus ADVERTÊNCIA NOTICE Leia este manual antes

Leia mais

Manual de Instalação, Operação e Manutenção. Chave Eletrônica de Nível LIDEC 91-92

Manual de Instalação, Operação e Manutenção. Chave Eletrônica de Nível LIDEC 91-92 Chave Eletrônica de Nível LIDEC 91-92 Manual de Instalação, Operação e Manutenção INFORMAÇÕES DE DIREITOS AUTORAIS Este documento não pode ser reproduzido, no todo ou em parte e por quaisquer meios, sem

Leia mais

T500 Elite - Hotbus TM Sistema de Amplo Monitoramento de Planta para Elevadores de Caçamba e Transportadores de Correia

T500 Elite - Hotbus TM Sistema de Amplo Monitoramento de Planta para Elevadores de Caçamba e Transportadores de Correia TM Sistema de Amplo Monitoramento de Planta para Elevadores de Caçamba e Transportadores de Correia APLICAÇÃO Monitor para alinhamento de correia, velocidade da correia, temperatura de rolamento contínua,

Leia mais

Medidor de temperatura multiponto Rosemount 848T

Medidor de temperatura multiponto Rosemount 848T Folha de dados do produto Medidor de temperatura multiponto Rosemount 848T A medição inovadora de temperatura para aplicações de alta densidade que fornece economia na instalação e na operação Entradas

Leia mais

RT1400. Display IRIG-B. Manual de Instruções

RT1400. Display IRIG-B. Manual de Instruções RT1400 Display IRIG-B Manual de Instruções Código do firmware: 07vrr Documento: rt1400.fw07-manual-pt-v02 Reason Tecnologia S.A. Todos os direitos reservados. Os produtos Reason são melhorados continuamente.

Leia mais

Máx Unid Padrão. Mín 1 / 0.1 0/0 0/0 0/0 0/0 100 / 6.9 100 / 6.9 100 / 6.9 999 150.0 / 302 5.0/9 2 -50.0 / -58 0.1/1 1 / 0.

Máx Unid Padrão. Mín 1 / 0.1 0/0 0/0 0/0 0/0 100 / 6.9 100 / 6.9 100 / 6.9 999 150.0 / 302 5.0/9 2 -50.0 / -58 0.1/1 1 / 0. PCT6 plus CONTROLADOR DIGITAL DE PRESSÃO PARA CENTRAIS DE REFRIGERAÇÃO Ver. PCT6VT74. DESCRIÇÃO O PCT6 plus é um controlador de pressão para ser utilizado em centrais de refrigeração que necessitem de

Leia mais

CONVERSOR DE FOUNDATION FIELDBUS PARA SINAL 4-20 ma B91. smar

CONVERSOR DE FOUNDATION FIELDBUS PARA SINAL 4-20 ma B91. smar CONVERSOR DE FOUNDATION FIELDBUS PARA SINAL 4-2 ma B91 DESCRIÇÃO O FI32 pertence à primeira geração de equipamentos FOUNDATION Fieldbus. Ele é um conversor destinado a interfacear uma rede FOUNDATION Fieldbus

Leia mais

Decibelímetro Modelo SL130

Decibelímetro Modelo SL130 Manual do Usuário Decibelímetro Modelo SL130 Introdução Parabéns pela sua compra do Decibelímetro SL130 Extech. Desenhado para montagem em parede, mesa, ou montagem em tripé, este medidor está de acordo

Leia mais

Termômetro / Registrador de dados em 4 canais

Termômetro / Registrador de dados em 4 canais Manual do Usuário Termômetro / Registrador de dados em 4 canais Entradas para RTD e termopar Modelo SDL200 Introdução Parabenizamos-lhe Parabéns pela aquisição do termômetro SDL200 da Extech, um medidor

Leia mais

TC501 componentes. Cabeçote de conexão tipo B

TC501 componentes. Cabeçote de conexão tipo B TE 65.30 Termopares Modelo reto com inserto de medição substituível Medição Eletrônica de Temperatura para medição de gás de combustão Modelo TC 501 Aplicações - altos fornos, aquecedores de ar - processos

Leia mais

PHH222. ph/mv MEDIDOR DE ph

PHH222. ph/mv MEDIDOR DE ph PHH222 ph/mv MEDIDOR DE ph SUMÁRIO 1. CARACTERÍSTICAS... 1 2. ESPECIFICAÇÕES... 2 3. DESCRIÇÃO DO PAINEL FRONTAL... 4 4. PROCEDIMENTO PARA CALIBRAÇÃO DO ph... 6 4-1 Nota sobre a calibração... 6 4-2 Equipamento

Leia mais

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores Série de conceitos básicos de medições com sensores Medições de temperatura Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos principais Diferentes

Leia mais

Descrição do Produto. Dados para Compra. Série Nexto

Descrição do Produto. Dados para Compra. Série Nexto Descrição do Produto A é uma poderosa e completa série de Controladores Programáveis (CP) com características exclusivas e inovadoras. Devido a sua flexibilidade, design inteligente, recursos de diagnósticos

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES Indicador Microprocessado - IT-IND-2S-LC INFORMAÇÕES DO PRODUTO. Versão: 1.xx / Rev. 03

MANUAL DE INSTRUÇÕES Indicador Microprocessado - IT-IND-2S-LC INFORMAÇÕES DO PRODUTO. Versão: 1.xx / Rev. 03 1 Introdução: Os indicadores possuem uma entrada analógica configurável por software, que permite a conexão de diverstos tipos de sensores de temperatura e outras grandezas elétricas sem a necessidade

Leia mais

Instruções MI 018-429 Julho de 2014. Conversor de sinais de corrente para Pneumático E69F e Posicionador eletropneumático E69P

Instruções MI 018-429 Julho de 2014. Conversor de sinais de corrente para Pneumático E69F e Posicionador eletropneumático E69P Instruções MI 018-429 Julho de 2014 Conversor de sinais de corrente para Pneumático E69F e Posicionador eletropneumático E69P Informações de segurança Introdução O Conversor de sinal de corrente para

Leia mais

NVS (Servidor de vídeo em rede) e Câmeras IPS

NVS (Servidor de vídeo em rede) e Câmeras IPS NVS (Servidor de vídeo em rede) e Câmeras IPS Guia rápido de usuário (Versão 3.0.4) Nota: Esse manual pode descrever os detalhes técnicos incorretamente e pode ter erros de impressão. Se você tiver algum

Leia mais

Controlador de Garra Pneumática MTS Fundamental

Controlador de Garra Pneumática MTS Fundamental Controlador de Garra Pneumática MTS Fundamental Manual Title Manual Additional do Information Produto be certain. 100-238-337 A Informações sobre Direitos Autorais Informações sobre Marca Registrada 2011

Leia mais

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/7 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MASTERTEMP foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO DATA LOGGER TD-2800 / HD-2900 / HT-3000

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO DATA LOGGER TD-2800 / HD-2900 / HT-3000 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO DATA LOGGER TD-2800 / HD-2900 / HT-3000 Leia cuidadosamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do aparelho ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...1

Leia mais

Inclinômetro DMG2I. Guia de configuração e aplicação. Metrolog Controles de Medição Ltda. Metrolog Inclinômetro DMG2I

Inclinômetro DMG2I. Guia de configuração e aplicação. Metrolog Controles de Medição Ltda. Metrolog Inclinômetro DMG2I Metrolog Controles de Medição Ltda Instrumentos de medição para controle dimensional Rua Sete de Setembro, 2671 - Centro - 13560-181 - São Carlos - SP Fone: (16) 3371-0112 - Fax: (16) 3372-7800 - www.metrolog.net

Leia mais

Manual. Transmissor de Vibração Sísmica de 2 Fios ST5484E. 1. Visão Geral. 2. Instalação

Manual. Transmissor de Vibração Sísmica de 2 Fios ST5484E. 1. Visão Geral. 2. Instalação Manual Transmissor de Vibração Sísmica de 2 Fios ST5484E 1. Visão Geral O Transmissor de Vibração Sísmica Modelo ST5484E combina um sensor de vibrações a um condicionador de sinais num único equipamento

Leia mais

STATUS CHECK. Visão Geral do Produto

STATUS CHECK. Visão Geral do Produto STATUS CHECK Visão Geral do Produto Soluções em Monitoramento da Condição Sistema StatusCheck 2.4GHz 2 Visão Geral do Sistema StatusCheck : O Status Check monitora os parâmetros de vibração e temperatura

Leia mais

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides 1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides CONTROLE DE FLUSHING AUTOMÁTICO LCF 12 Modo Periódico e Horário www.lubing.com.br (19) 3583-6929 DESCALVADO SP 1. Instalação O equipamento deve

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES AOB508-G21 CONTROLADOR DE TEMPERATURA E PROCESSO IBRATEC

MANUAL DE INSTRUÇÕES AOB508-G21 CONTROLADOR DE TEMPERATURA E PROCESSO IBRATEC IBRATEC www.sibratec.ind.br MANUAL DE INSTRUÇÕES AOB508-G21 CONTROLADOR DE TEMPERATURA E PROCESSO 1 - INTRODUÇÃO O AOB508-G21 é um controlador digital de grandezas de alta precisão que pode ser utilizado

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO DECIBELÍMETRO MODELO DL-4100

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO DECIBELÍMETRO MODELO DL-4100 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO DECIBELÍMETRO MODELO DL-4100 revisão novembro de 2008 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...1 2. REGRAS

Leia mais

Watchdog TM Elite Monitor de Risco para Elevadores de Caçamba e Transportadores de Correia

Watchdog TM Elite Monitor de Risco para Elevadores de Caçamba e Transportadores de Correia Watchdog TM Elite Monitor de Risco para Elevadores de Caçamba e Transportadores de Correia APLICAÇÃO Monitor combinado para alinhamento de correia, velocidade da correia, temperatura de rolamento contínua,

Leia mais

Electron do Brasil. Tecnologia ao seu alcance. Tecnologia Digital. www.electrondobrasil.com. Catálogo Monitemp - rev3. Qualidade Comprovada!

Electron do Brasil. Tecnologia ao seu alcance. Tecnologia Digital. www.electrondobrasil.com. Catálogo Monitemp - rev3. Qualidade Comprovada! Electron do Brasil Tecnologia Digital Qualidade Comprovada! Ensaios de Tipo Realizados Tecnologia ao seu alcance Catálogo Monitemp - rev3 Produtos Certificados! www.electrondobrasil.com O Monitor de Temperatura

Leia mais

GUIA DO USUÁRIO. Registrador de Dados com Termopar de 12-Canais. Modelo TM500

GUIA DO USUÁRIO. Registrador de Dados com Termopar de 12-Canais. Modelo TM500 GUIA DO USUÁRIO Registrador de Dados com Termopar de 12-Canais Modelo TM500 Introduction Parabéns pela sua compra do Termômetro TM500 Extech, um medidor da Série do Registrador SD. Este medidor visualiza

Leia mais

Versão 1.0 do documento Maio de 2014. Solução de Digitalização para Grandes Formatos Xerox 7742 Guia do Usuário

Versão 1.0 do documento Maio de 2014. Solução de Digitalização para Grandes Formatos Xerox 7742 Guia do Usuário Versão 1.0 do documento Maio de 2014 Solução de Digitalização para Grandes Formatos Xerox 7742 BR9918 Índice 1 Visão geral do produto...1-1 Visão geral das ferramentas do software do produto...1-1 Componentes

Leia mais

APLICAÇÃO CARACTERÍSTICAS DESCRIÇÃO

APLICAÇÃO CARACTERÍSTICAS DESCRIÇÃO APLICAÇÃO O Sensor Eletroquímico de H 2 S fornece monitoração contínua de concentrações de gás sulfídrico (H 2 S) na faixa de 0 a 100 partes por milhão (ppm). O Sensor pode ser utilizado com um transmissor

Leia mais

Fontes de Alimentação Repetidoras. IsoAmp PWR A 20100

Fontes de Alimentação Repetidoras. IsoAmp PWR A 20100 Fontes de Alimentação Repetidoras Fonte de alimentação repetidora em alojamento de 6 mm com chaveamento calibrado dos sinais de saída, transmissão HART e separação protetora. A Tarefa Alimentação flexível

Leia mais

ProdutoDescontinuado

ProdutoDescontinuado Guia de Instalação Rápida Transmissor de Pressão de Gás Seco ProdutoDescontinuado Início Calibração de Bancada Sim Não Configure/Verifique Passo 1: Monte o Transmissor Passo 2: Faça a Ligação dos Fios

Leia mais

LINHA COMPACTA. KOBO-pH transmissor de ph APM-Z

LINHA COMPACTA. KOBO-pH transmissor de ph APM-Z KOBO-pH transmissor de ph APM-Z LINHA COMPACTA Range de medição ph da -1 a 14 Comutável de ph a ORP Display p/ valor de ph, mv/orp (Potencial de redução e oxidação) e temperatura Simples programação e

Leia mais

Placa Acessório Modem Impacta

Placa Acessório Modem Impacta manual do usuário Placa Acessório Modem Impacta Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A Placa Modem é um acessório que poderá ser utilizado em todas as centrais

Leia mais

Guia do Usuário. Higrotermômetro e Registrador de Dados Modelo SD500

Guia do Usuário. Higrotermômetro e Registrador de Dados Modelo SD500 Guia do Usuário Higrotermômetro e Registrador de Dados Modelo SD500 Introdução Parabéns pela sua compra do Registrador de dados de Temperatura/Umidade Extech SD500. Este aparelho mede, exibe e armazena

Leia mais

PA-500 Hardware Reference Guide. 8/31/11 Esboço de Revisão Final - Palo Alto Networks CONFIDENCIAL DA EMPRESA

PA-500 Hardware Reference Guide. 8/31/11 Esboço de Revisão Final - Palo Alto Networks CONFIDENCIAL DA EMPRESA PA-500 Hardware Reference Guide 8/31/11 Esboço de Revisão Final - Palo Alto Networks CONFIDENCIAL DA EMPRESA Palo Alto Networks, Inc. www.paloaltonetworks.com Copyright 2011 Palo Alto Networks. Todos os

Leia mais

Manual do Aparelho. Display multifuncional e sistema de avaliação AX 360. Mode/Enter

Manual do Aparelho. Display multifuncional e sistema de avaliação AX 360. Mode/Enter Manual do Aparelho Display multifuncional e sistema de avaliação AX 360 Mode/Enter Set Instruções de Segurança Estas instruções são parte do aparelho. Elas contêm informações e ilustrações sobre o correto

Leia mais

Série 83400 Regulador eletrônico de pressão diferencial

Série 83400 Regulador eletrônico de pressão diferencial 83400 Regulador eletrônico de pressão diferencial Identifica a pressão diferencial requerida para atuar em filtros com pó Boa interferência de imunidade tal como na Diretiva EMC Usando operação dot matrix

Leia mais

TRANSMISSOR INTELIGENTE DE TEMPERATURA TT301 TT301 TECNOLOGIA SMAR INTRODUÇÃO. Uma Família Completa de Instrumentos de Campo

TRANSMISSOR INTELIGENTE DE TEMPERATURA TT301 TT301 TECNOLOGIA SMAR INTRODUÇÃO. Uma Família Completa de Instrumentos de Campo TRANSMISSOR INTELIGENTE DE TEMPERATURA TECNOLOGIA SMAR Uma Família Completa de Instrumentos de Campo INTRODUÇÃO O é um transmissor de temperatura programável, extremamente versátil, que pode ser usado

Leia mais

Transmissor de temperatura wireless 248 da Rosemount

Transmissor de temperatura wireless 248 da Rosemount Folha de dados do produto O transmissor de temperatura padrão oferece uma solução wireless para a monitoração de processos Otimize a eficiência da planta e aumente a confiabilidade das medições com as

Leia mais

Microterminal MT 740. Manual do Usuário - versão 1.2

Microterminal MT 740. Manual do Usuário - versão 1.2 w Microterminal MT 740 Manual do Usuário - versão 1.2 1 2 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 1 2 RECONHECENDO O MT 740 2 3 INSTALAÇÃO 3 4 FUNCIONAMENTO 4 4.1 DESCRIÇÃO DAS CONFIGURAÇÕES E DOS COMANDOS 6 4.2 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Cabeça de Rede de Campo PROFIBUS-DP

Cabeça de Rede de Campo PROFIBUS-DP Descrição do Produto O módulo, integrante da Série Ponto, é uma cabeça escrava para redes PROFIBUS-DP do tipo modular, podendo usar todos os módulos de E/S da série. Pode ser interligada a IHMs (visores

Leia mais

ST90 / ST90A PT10. Transmissor e Sensor de Temperatura

ST90 / ST90A PT10. Transmissor e Sensor de Temperatura ST90 / ST90A PT0 Transmissor e Sensor de Temperatura ST90A PT0 Características Descrição Transmisssor de Temperatura - Ideal para diversos ambientes Industriais e aplicações sanitárias. - Cabeçote em Nylon

Leia mais

CONDICIONADORES DE SINAIS

CONDICIONADORES DE SINAIS Condicionadores de Sinais de Montagem em Trilho DIN A/IN A/OUT Série DRG-SC U Modelos disponíveis para termopares, RTDs, tensão e corrente CC, frequência, ponte do sensor de deformação/tensão, tensão e

Leia mais

Transmissor digital de temperatura com protocolo HART Modelo T32.1S, versão para montagem em cabeçote Modelo T32.3S, versão para montagem em trilho

Transmissor digital de temperatura com protocolo HART Modelo T32.1S, versão para montagem em cabeçote Modelo T32.3S, versão para montagem em trilho Medição elétrica de temperatura Transmissor digital de temperatura com protocolo HART Modelo T32.1S, versão para montagem em cabeçote Modelo T32.3S, versão para montagem em trilho WIKA folha de dados TE

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO ALICATE DIGITAL AC/DC TRUE RMS MODELO AD-7920

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO ALICATE DIGITAL AC/DC TRUE RMS MODELO AD-7920 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO ALICATE DIGITAL AC/DC TRUE RMS MODELO AD-7920 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...2

Leia mais

POSICIONADOR INTELIGENTE PARA VÁLVULAS 4 a 20 ma + Comunicação Digital HART. smar

POSICIONADOR INTELIGENTE PARA VÁLVULAS 4 a 20 ma + Comunicação Digital HART. smar POSICIONADOR INTELIGENTE PARA VÁLVULAS a ma + Comunicação Digital HART DESCRIÇÃO O posicionador microprocessado FY proporciona o posicionamento rápido e seguro dos atuadores tipo diafragma ou cilindro.

Leia mais

Manual do utilizador Edição 02/2007

Manual do utilizador Edição 02/2007 Manual do utilizador Edição 02/2007 Transmissor de temperatura 7NG3214 con PROFIBUS PA 7NG3215 con FOUNDATION Fieldbus sitrans Introdução 1 Indicações gerais de segurança 2 SITRANS T Transmissor de temperatura

Leia mais

Monitor de Temperatura M96

Monitor de Temperatura M96 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura M96 foi desenvolvido para supervisionar até 8 (oito) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

Rede PROFIBUS DP com mestre Rockwell/ControLogix e remota Série Ponto

Rede PROFIBUS DP com mestre Rockwell/ControLogix e remota Série Ponto Nota de Aplicação NAP100 Rede PROFIBUS DP com mestre Rockwell/ControLogix e remota Série Ponto Sumário Descrição...1 1. Introdução...2 2. Instalação...3 3. Configuração...4 3.1 Projeto de Rede PROFIBUS...4

Leia mais

Manual do usuário. Central de alarme de incêndio Slim

Manual do usuário. Central de alarme de incêndio Slim Manual do usuário Central de alarme de incêndio Slim Central de alarme de incêndio Slim Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul. Este manual é válido apenas para

Leia mais

ABB Automação. 13.82kV 119.4kA. 13.81kV 121.3kA. 13.85kV 120.2kA IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO

ABB Automação. 13.82kV 119.4kA. 13.81kV 121.3kA. 13.85kV 120.2kA IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO 13.82kV 119.4kA 13.81kV 121.3kA 13.85kV 120.2kA Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Protocolo de comunicação Modbus RTU Dimensional ABB

Leia mais

Monitor de Temperatura MONITEMP

Monitor de Temperatura MONITEMP ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp foi desenvolvido para supervisionar até 3 (três) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO S501 CONNECT Versão 1.0.1 / Revisão 1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO CONTEMP IND. COM. E SERVIÇOS LTDA. Al. Araguaia, 204 - CEP 09560-580 S. Caetano do Sul - SP - Brasil Fone:

Leia mais

OH720, OP720, HI720, HI722

OH720, OP720, HI720, HI722 OH720, OP720, HI720, HI722 Cerberus PRO Detectores de incêndio automáticos Para o barramento endereçável automático de detector C-NET yo detector de fumaça ideal para todas as aplicações yprocessamento

Leia mais

VM AC 01 INDICADOR DE VOLUME PARA TANQUE AÉREO INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO R00

VM AC 01 INDICADOR DE VOLUME PARA TANQUE AÉREO INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO R00 VM AC 01 INDICADOR DE VOLUME PARA TANQUE AÉREO INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO R00 1-INTRODUÇÃO: Equipamento utilizado para indicar o volume de líquidos remanescente dentro de tanques de armazenamento. Baixo

Leia mais

Sensores de temperatura e termopoços tipo DIN (métricos) da Rosemount

Sensores de temperatura e termopoços tipo DIN (métricos) da Rosemount Sensores de temperatura e termopoços tipo DIN (métricos) da Rosemount Folha de dados do produto Fevereiro de 2014 00813-0222-2654, Rev IA RTDs (0065) e termopares (0185) disponíveis para satisfazer quaisquer

Leia mais

Exatidão de ± 0,02% Várias opções para sensores e conexões em um único equipamento Isolação de sinal Diagnóstico avançado Suporta DD/EDDL e FDT/DTM

Exatidão de ± 0,02% Várias opções para sensores e conexões em um único equipamento Isolação de sinal Diagnóstico avançado Suporta DD/EDDL e FDT/DTM Exatidão de ± 0,02% Várias opções para sensores e conexões em um único equipamento Isolação de sinal Diagnóstico avançado Suporta DD/EDDL e FDT/DTM Backup de sensor Certificado pela TÜV de acordo com especificações

Leia mais

Medidor Magnético AC/DC Modelo SDL900 GUIA DO USUÁRIO

Medidor Magnético AC/DC Modelo SDL900 GUIA DO USUÁRIO Medidor Magnético AC/DC Modelo SDL900 GUIA DO USUÁRIO Introdução Obrigado por escolher o Modelo SDL900 da Extech Instruments. Esse medidor é fornecido totalmente testado e calibrado e, com o uso adequado,

Leia mais

1 Componentes da Rede Gestun

1 Componentes da Rede Gestun PROCEDIMENTO PARA DETECÇÃO DE FALHAS EM REDES DATA: 23/06/14. Controle de Alterações DATA 23/06/14 MOTIVO Versão Inicial RESPONSÁVEL Márcio Correia 1 Componentes da Rede Gestun -Módulo de comunicação:

Leia mais

Monitor de Temperatura Digital para transformadores MONITEMP PLUS

Monitor de Temperatura Digital para transformadores MONITEMP PLUS ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/6 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp Plus foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

Instrução. Série I/A Transmissores de pressão. MI IDP10-F Maio de 2010. IDP10 Pressão diferencial com comunicação fieldbus FOUNDATION

Instrução. Série I/A Transmissores de pressão. MI IDP10-F Maio de 2010. IDP10 Pressão diferencial com comunicação fieldbus FOUNDATION Instrução MI IDP10-F Maio de 2010 Série I/A Transmissores de pressão IDP10 Pressão diferencial com comunicação fieldbus FOUNDATION Instalação, operação, calibração, configuração e manutenção MI IDP10-F

Leia mais

Indicador Digital Processos MODO DE USO. Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Dimensional. ABB Automação.

Indicador Digital Processos MODO DE USO. Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Dimensional. ABB Automação. Indicador Digital Processos MODO DE USO Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Dimensional ABB Automação Hartmann & Braun Dados Técnicos (NRB5180) Entrada -mvdc: -Vdc -madc Alimentação

Leia mais

SOLUTION. Painel Convencional de Alarme de Incêndio. SOLUTION - Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio. Revisão 1.1 Maio de 2006

SOLUTION. Painel Convencional de Alarme de Incêndio. SOLUTION - Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio. Revisão 1.1 Maio de 2006 SOLUTION Painel Convencional de Alarme de Incêndio TABELA DE CONTEÚDO Capitulo 1: Descrição do Produto... 2 1.1: Características...2 1.2: Especificações...2 Capitulo 2: Lógica de Detecção e Alarme de Incêndios...

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEGÔHMETRO DIGITAL MODELO MG-3100

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEGÔHMETRO DIGITAL MODELO MG-3100 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEGÔHMETRO DIGITAL MODELO MG-3100 Leia cuidadosamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do megôhmetro ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...

Leia mais

INDICADOR DE POSIÇÃO DE TAP DIGITAL - IPTE

INDICADOR DE POSIÇÃO DE TAP DIGITAL - IPTE Catálogo Técnico INDICADOR DE POSIÇÃO DE TAP DIGITAL - IPTE CATÁLOGO TÉCNICO ÍNDICE CATÁLOGO TÉCNICO... 1 INTRODUÇÃO... 2 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS... 2 DADOS TÉCNICOS... 3 ENSAIOS DE TIPO REALIZADOS...

Leia mais

Memória da impressora

Memória da impressora Memória da impressora Gerenciando a memória 1 Sua impressora vem com, pelo menos, 32 MB de memória. Para determinar a quantidade de memória instalada atualmente em sua impressora, selecione Imprimir Menus

Leia mais

Especificações óticas thermometer CTlaser = menor dimensão do ponto (mm)

Especificações óticas thermometer CTlaser = menor dimensão do ponto (mm) 14 Sensor infravermelho de temperatura de alto desempenho com marcador a laser thermometer CTlaser ThermoMETER CTlaser O inovador sensor infravermelho de temperatura de precisão marca o tamanho real do

Leia mais