Carlos Welligton de Azevedo Pires Sobrinho 1,2 Luciana Vieira de Melo 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Carlos Welligton de Azevedo Pires Sobrinho 1,2 Luciana Vieira de Melo 1"

Transcrição

1 A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DE AGRESSIVIDADE DA ÁGUA DO SOLO NAS ESTRUTURAS DE FUNDAÇÃO EM CONCRETO CONSTRUIDOAS NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE. Carlos Welligton de Azevedo Pires Sobrinho 1,2 Luciana Vieira de Melo 1 1 Pesquisador ITEP- Fundação Instituto tecnológico do Estado de Pernambuco 2 Pref. Assistente Escola Politécnica da Universidade de Pernambuco INTRODUÇÃO A ruína do edifício Éricka, localizado no bairro de Jardim Fragoso em Olinda, ocorrido em novembro de 1999 teve como causa o colapso da fundação decorrente principalmente da degradação dos blocos de concreto por ataque de águas sulfatadas aliada a outros fatores inerentes ao caso analisado ( CODECIPE-2000). Esta constatação, desconhecida do meio técnico até então, desperta preocupações em toda classe de engenharia ligada a construção, principalmente nos engenheiros projetas e construtores que adotaram fundações utilizando este tipo de componentes ou elementos em concreto de dimensões reduzidas e/ou de porosidade elevada(comum em concreto utilizado em fundações). Este trabalho apresenta um breve resumo sobre os mecanismos de ação deletérias nos concretos porosos sob ação de águas consideradas agressivas, e aplicando este conhecimento ao estudo de caso da ruína do edifício Érica e de outras edificações com características semelhantes. A dimensão do problema e muito grande, atinge a grande maioria das edificações já construídas nessa região. O entendimento deste problema servirá de orientação técnica para avaliação da capacidade resistente dos elementos/componentes em concreto e como subsídio para o desenvolvimento de projetos de recuperação/terapias no sentido de restaurar a durabilidade das fundações existentes. ABORDAGEM DA PROPOSIÇÃO Segundo ACI-91, a durabilidade do concreto de cimento portland é definida como a sua capacidade de resistir à ação das intempéries, ataques químicos, abrasão ou qualquer outro processo de deterioração quando exposto ao seu meio. Segundo HELENE-97, conceituação semelhante está em discussão no CB-2 sobre a revisão da NBR 6118,. De acordo com METHA-94, a água é o principal agente de degradação do concreto, agindo como veículo de transporte de íons agressivos, e também fonte de processos químicos de degradação. O grau de deterioração está associado a permeabilidade do sólido e a velocidade de degradação está relacionada pelo tipo de concentração de íons na água e pela composição química do concreto.

2 Na prática, vários processos químicos e físicos de deterioração atuam ao mesmo tempo e podem até reforçar-se mutuamente. Metha&Gerwick, citado por OLLIVIER-98 identificaram três tipos de reações distintas que provocam deterioração química do concreto, são estas: a)reações de troca iônica entre um fluido agressivo e componentes cimentícios da pasta, seguidos da remoção dos íons CA ++, contribuindo para o aumento da porosidade e permeabilidade do concreto; b)reações envolvendo hidrólise e lixiviação dos componentes cimentícios da pasta, seguidos pela perda de massa e aumento da porosidade e permeabilidade do concreto; c) Reações envolvendo formação de produtos expansivos, provocando aumento nas tensões internas no concreto. Segundo SOBRAL-84, a degradação das argamassas e concretos nas águas selenitosas é o resultado da interação dos sulfatos com o hidróxido de cálcio livre e os aluminatos de cálcio hidratados, encontrados nos produtos cimentícios, esquematicamente apresentadas na reações abaixo: Ca(OH) 2 + Na 2 SO 4.10H 2 O => CaSO 4.2H NaOH + 8 H 2 O. ( I ) 3 CaO.Al 2 O 3.12H 2 O + 3CaSO 4.2H 2 O + 13 H 2 O 2 => 3CaO.Al 2 O 3.3CaSO 4.31H 2 O (II) 2(3CaO.AL 2 O 3.12H 2 O) + 3NaSO 4.10H 2 O =>3CaO.Al 2 O 3.3CaSO 4.31H 2 O Al(OH) 3 + 6NaOH + 17H 2 O...(III) Como se pode ver, os resultados do ataque dos sulfatos é a formação do gesso e do trisulfoaluminato tricálcico hidratado (etringita). Esses dois compostos cristalizam com a água, num processo que é acompanhado de um aumento de volume e consequentemente expansão e fissuração, que sob exposição continuada poderá provocar deterioração completa da pasta. Com base nos volumes molares, o hidróxido de cálcio apresenta 33,2 cm3 e quando se transforma em gesso este volume passa para 74,2 cm3, mais que o doblo de volume. Já a relação entre aluminato tricálcico hidratado e a etringita e da ordem de 2,5 vezes. Além da questão específica dos sulfatos, a ação combinada de outras substâncias como: CO 2 livre, ions Cl -, redução do PH e presença de outras íons, podem ser considerados fatores agravantes ou atenuantes ao processo de degradação. Em águas selenitosas(águas com sais), com alta concentração de cloretos, há uma tendência a dissolução desses compostos formados e a conseqüente lixiviação, diminuindo de certa forma a pressão interna, porém acarretando perda de massa no produto e aumento da permeabilidade. É também possível que a presença de altas concentrações de cloretos nesta água venham a minimizar a expansão através da dissolução e lixiviação dos compostos formados (Mehta e Monteiro-94, Neville-81). Também pela mesma Norma, a constatação de teores elevados de magnésio encontrados superior à 150 mg/l s também indica um grau de agressividade considerado forte aos produtos cimentícios. Estes altos teores de Magnésio, associados aos altos teores

3 de Cloretos potencializa uma reação lenta como o Hidróxido de Cálcio Segunda a reação abaixo: (IV) Mg.Cl 2 + Ca(OH) 2 --> Mg.(OH) 2 + Ca.Cl 2 Este Cloreto de Cálcio resultante desta reação é altamente solúvel e facilmente removível por lixiviação. Esta ação porém é minimizada pela baixa permeabilidade do produto. Nesta filosofia de raciocínio o CETESB-88 publicou norma sobre a determinação do grau de agressividade de meio aquoso ao concreto, onde avalia o grau de agressividade em função do PH, das concentrações iônicas e de tipos de resíduos encontrados. CINCOTO-91 apresenta comentários sobre a aplicação desta norma e conclui que o grau de agressividade é atribuído à água por confrontação dos valores dos parâmetros normativos com a os resultados das análises químicas. Com base na concentração de ions, do PH e sólidos dissolvidos é possível identificar, segundo a norma, o fenômeno de degradação preponderante que atua no material. Análise complementares como caracterização por difratometria de raio X ou por microscopia eletrônica poderá ser um auxílio para completa identificaçào e quantificaçào da degardaçào no material. Outros métodos para avaliação do grau de agressividade ao concreto pode ser encontrado na CEB/FIP-90. ESTUDO DE CASO Dos estudos e análises realizadas, relatados no Laudo Técnico Sobre as Causas do Desabamento do Edifício Éricka (CODECIPE-2000), foto 01. Constatou-se que as combinações de íons determinadas na água do solo em contato com o concreto, foram caracterizadas como grau de agressividade forte, conduzindo a formação de etringita acompanhada por lixiviação. A tabela 01 abaixo mostra os resultados dos ensaios em amostras de água e a classificação de agressividade segundo Norma CETESB-88.. Tabela 01- Resultados das análises das amostras de águas coletadas DETERMINAÇÕES Amostra 01 Amostra 02 Amostra 03 ph 8,7 8,3 7,7 Dióxido de carbono livre(co mg/l 0,0 0,0 7,7 Cloretos (Cl) mg/l 92,2 193,2 65,6 Sulfatos (SO 3 ) mg/l 460,5 815,0 758,5 Alcalinidade de bicarbonato(caco 3 ) mg/l 74,1 51,5 121,9 Magnésio(Mg) mg/l 9,51 2,16 21,94 Cálcio (Ca) mg/l 92,5 63,4 282,2 Para melhor caracterizar o fenômeno foi também realizada ensaios de reconstituição de traço em amostra de blocos e argamassas de assentamento utilizados. Dos ensaios de reconstituição de traço realizado em amostras de blocos retirados da fundação uma proporção de 1:24 em massa o que corresponde a 1:20 em volume, quando usualmente esses blocos são confeccionados na proporção de 1:10 em volume, constatando-se uma

4 perda de mais de 50% dos aglomerantes, Já nas amostras de argamassa constatou-se uma proporção de 1:6,5 em massa ou 1:5 em volume, quando o usual é traço na proporção de 1:6 em volume, mostrando uma menor redução. Estes resultados comprovam os efeitos da lixiviação. A foto 02, apresentada o estado da fundação de um edifício, com caixão vazio, em blocos de concreto, sob ação de águas servidas, e a foto 03 mostra um comparativo visual entre blocos situados na região sob variação de nível dágua e região seca, foto retirada da fundação de edifício próximo e sob as mesmas condições do edifício em apreço. Dos resultados das análises de difratometria de raios X mostra a presença da etringita, resultado da lixiviação ocorrida nos blocos de fundação provocada pela percolação das águas do solo. A fundação em caixão perdido, isto é alvenaria singelas sem aterrro interno apoiando laje de piso, é muito comumente utilizada na produção de edifícios em alvenaria portante em áreas alagadas ou em declive. Este tipo de fundação favorece de sobre maneira o potencial de lixiviação das águas. A literatura internacional caracteriza que elementos de concreto com menos de 20 cm de espessura apresentam potencial de lixiviação. No caso de blocos premoldados em concreto este potencial é extremamente forte, além do concreto utilizado apresentar porosidade elevada, característica do processo de produção de premoldados, as duplas paredes que definem o blocos tem aproximadamente 2,5cm de espessura, separadas por uma região de vazio interno. Com estas características dos blocos e considerando que a fundação em arrimo está inserida numa região onde a variação do nível dágua é constante, obedecendo o movimento de maré, existe um potencial de percolação extremamente elevado. Quando o nível da maré, se eleva proporciona uma elevação do lençol freático na região com isso a água tende a percolar de fora para dentro da fundação. Quando o lencol freático baixa a água tem caminho inverso, provocando uma faixa de variação constante de um ciclo de molhagem e secagem acompanhado de lixiviação constante do material aglomerante. CONCUSÕES Das informações levantadas e dos fatos evidenciados pode-se concluir que embora seja de alta relevância e de grande abrangência o processo de degradação apresentado, poucos profissionais da área conheciam o assunto. As normas que abordam esse assunto foram desenvolvidas em um âmbito específico e não estão incorporadas ou referendadas às normas técnicas de materiais e procedimentos da área de engenharia civil. Muitas edificações construídas na Região e no País apresentam características semelhantes e necessitam de avaliações e possivelmente intervenções urgentes, sob risco de vir a ruir.

5 Ë importante que sejam desenvolvidos estudos mais aprofundados às características regionais de forma a subsidiar e melhor adequar a Norma CETESB, possibilitando a esta uma maior abrangência. Referências bibliogáficas citadas ACI-AMERICAN CONCRETE INSTITUTE: Guide to Durable Concrete: reported by ACI Commtte R, In:_ACI Manual of Concrete Pratice. Detroit, 1991.Part 1 CEB/FIP- COMITE EURO-INTERNATIONAL DU BETON- Model Code 1990 CETESB- COMPANHIA DE TECNOLOGIA DE SANEAMENTO AMBIENTALl1.007-Dterminação do Gráu de agressividade de Meio Aquoso ao Concreto CODECIPE- COORDENADORIA DE DEFESA CIVIL DO ESTADO DE PERNAMBUCO- Laudo Técnico Sobre as Causas do Desabamento do Edifício Éricka HELENE, P.R.L- Vida útil das estruturas de concreto. Anais do IV Seminário Iberoamericano de Patologia das Construções, pp Porto Alegra 1997 ITEP- Relatório Técnico Nº Determinação das causas de degradação da estrutura de contenção de solo sob arrecifes da entrada no porto interno de SUAPE.maio 2000 METHA, P. K e MONTEIRO, P.J.M Concreto- Estrutura, Propriedades e Materiais, editora PINI 1994 OLLIVIER, J.P Durability of Concrete- BT/PCC/192, USP-1998 CINCOTO, M A Agressividade do Meio ao Concreto, revista do IBRACON nº03 ano II pp 52-58, São Paulo 1992 SOBRAL, H.S- Proteção das Estruturas de Concreto Armado e Protendido contra as ações agressivas dos ions CL - e SO 4 -- IBRACON Reunião anual 1984

6 Fotos Ilustrativas Foto 01- Escombros do edifício Érika após ruína parcial

7 Foto 02- aspecto de uma fundação de um outro edifício, em caixão vazio, com água servida no seu interior Foto 03- Amostras de blocos retirados da região de fundação (bloco superior) e da região de superestrutura(bloco inferior

Degradação de edificações por agressividade de águas subterrâneas

Degradação de edificações por agressividade de águas subterrâneas I. PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES Degradação de edificações por agressividade de águas subterrâneas Carlos Welligton de Azevedo Pires Sobrinho(1); Samá Tavares de Andrade(2); Célia Gerlane Vidal Silva (3) (1)

Leia mais

ACIDENTES COM PRÉDIOS EM ALVENARIA RESISTENTE NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE

ACIDENTES COM PRÉDIOS EM ALVENARIA RESISTENTE NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE ACIDENTES COM PRÉDIOS EM ALVENARIA RESISTENTE NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE Romilde Almeida de OLIVEIRA Departamento Engenharia Civil, UNICAP Rua Caio Pereira, 226, CEP: 52041-010, Rosarinho, Recife-PE

Leia mais

Avaliação de Danos Estruturais em Elementos de Fundações com Embasamento de Alvenaria Resistente

Avaliação de Danos Estruturais em Elementos de Fundações com Embasamento de Alvenaria Resistente Avaliação de Danos Estruturais em Elementos de Fundações com Embasamento de Alvenaria Resistente Jason William Correia Maia Santiago Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil, UNICAP Recife /PE Brasil

Leia mais

DURABILIDADE DURABILIDADE DO CONCRETO

DURABILIDADE DURABILIDADE DO CONCRETO DURABILIDADE DO CONCRETO DEFINIÇÃO Durabilidade é a capacidade do concreto de resistir à ação das intempéries O concreto é considerado durável quando conserva sua forma original, qualidade e capacidade

Leia mais

NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA.

NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA. NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA. R-A 124/2009 Rev. 1 São Paulo, 18 de Agosto de 2009. À FUND. APLICAÇÕES DE TECNOL. CRÍTICAS - ATECH Rua do Rócio, 313 11º andar Vila Olimpia SÃO PAULO SP At.: Sr. Abrahão

Leia mais

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Ruy Alexandre Generoso É um dos materiais mais importantes de engenharia usado em construções. É usado nos mais variados tipos de construções tais como: barragens,

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO

DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO Objetivo Assegurar que a estrutura satisfaça, durante o seu tempo de vida, os requisitos de utilização, resistência e estabilidade, sem perda significativa de utilidade nem excesso de manutenção não prevista

Leia mais

DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO (CAUSAS QUÍMICAS ATAQUE ÁLCALI/AGREGADO) Profa. Eliana Barreto Monteiro 1 REAÇÕES ENVOLVENDO A FORMAÇÃO DE PRODUTOS EXPANSIVOS Ataque por sulfatos Ataque

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland MATERIAIS DE CONSTRUÇAO DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland Cimento Portland Cimento Portland 3 Cimento Portland Aglomerante hidráulico produzido a partir da moagem do clínquer constituído por

Leia mais

Sistema construtivo em alvenaria utilizado na Região Metropolitana do Recife, Nordeste do Brazil: Razões técnicas de sua inviabilidade

Sistema construtivo em alvenaria utilizado na Região Metropolitana do Recife, Nordeste do Brazil: Razões técnicas de sua inviabilidade Sistema construtivo em alvenaria utilizado na Região Metropolitana do Recife, Nordeste do Brazil: Razões técnicas de sua inviabilidade Carlos Welligton A. P. Sobrinho 1, Lucyana V. de Mélo 1 1 Fundação

Leia mais

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade.

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Prof. Luciano Martin Teixeira, M.Sc. Eng. INTRODUÇÃO O emprego de polímeros no concreto tem como objetivo intensificar certas qualidades devido a diminuição

Leia mais

ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS

ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS Helton Gomes ALVES 1, Kátya Dias NERI 1, Eudésio Oliveira VILAR 1 1 Departamento de Engenharia Química, Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

A Salinidade em Edifícios Antigos

A Salinidade em Edifícios Antigos TÓPICO 5 Patrimônio Histórico A Salinidade em Edifícios Antigos Sérgio Castello Branco Nappi 1,a e Manuela Marques Lalane 2,b 1 2 Universidade Federal de Santa Catarina Caixa Postal 476. Florianópolis,

Leia mais

CONSTRUÇÕES RURAIS: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Vandoir Holtz 1

CONSTRUÇÕES RURAIS: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Vandoir Holtz 1 Vandoir Holtz 1 ARGAMASSA Classificação das argamassas: Segundo o emprego: Argamassas para assentamento de alvenarias. Argamassas para revestimentos; Argamassas para pisos; Argamassas para injeções. DOSAGEM

Leia mais

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO CONCRETO Componentes Fase contínua Pasta de cimento endurecida Zona de transição Interface entre a pasta e o agregado Fase descontínua Agregados Componente cuja principal característica é endurecer quando

Leia mais

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS PARA O CONTROLE TECNOLÓGICO E DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Engº.. Roberto José Falcão Bauer JUNHO / 2006 SUMÁRIO 1. DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO 2. PREMISSAS VISANDO

Leia mais

Ambientes agressivos. Rodnei Corsini

Ambientes agressivos. Rodnei Corsini Ambientes agressivos Téchne 196 - Julho 2013 Projetos de estruturas de concreto expostas a ambientes quimicamente agressivos exigem atenção especial para assegurar desempenho e vida útil à edificação Rodnei

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES. Profa Lia Lorena Pimentel

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES. Profa Lia Lorena Pimentel MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES Profa Lia Lorena Pimentel Aglomerantes: Terminologia (NBR 11172) Aglomerante de origem mineral Produto com constituintes minerais que, para sua aplicação,

Leia mais

Patologia. Ciência que estuda a origem, os sintomas e o mecanismo de ação das doenças MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO

Patologia. Ciência que estuda a origem, os sintomas e o mecanismo de ação das doenças MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Profa. Eliana Barreto Monteiro 1 IMPORTÂNCIA DO ESTUDO Conhecer da evolução dos problemas Estudar as suas causas Fornecer informações para os trabalhos

Leia mais

Durabilidade da camada de cobrimento ao ataque por cloretos de protótipos de concreto estrutural com altos teores de cinza volante

Durabilidade da camada de cobrimento ao ataque por cloretos de protótipos de concreto estrutural com altos teores de cinza volante Durabilidade da camada de cobrimento ao ataque por cloretos de protótipos de concreto estrutural com altos teores de cinza volante Bianca P. Moreira 1, Geraldo C. Isaia 2, Antônio L. G. Gastaldini 3 1

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Fundações ETAPAS IMPORTANTES: Determinar o número de furos de sondagem, bem como a sua localização; Analisar

Leia mais

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS I DEFINIÇÃO E DOSAGEM DE ARGAMASSAS PARA ASSENTAMENTO DE

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO 1 OLIVEIRA, Andrielli Morais (1), CASCUDO, Oswaldo (2) Palavras chave: Corrosão, adições

Leia mais

1.1 DEFINIÇÕES Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água.

1.1 DEFINIÇÕES Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 1 Libânio M. Pinheiro; Cassiane D. Muzardo; Sandro P. Santos Março de 2004 INTRODUÇÃO Este é o capítulo inicial de um curso cujos objetivos são: os fundamentos do concreto;

Leia mais

O que é durabilidade?

O que é durabilidade? DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Profa. Eliana Barreto Monteiro 1 Conceito de Durabilidade O que é durabilidade? A durabilidade é a capacidade que um produto, componente ou construção possui

Leia mais

PATOLOGIA, RECUPERAÇÃO E REPARO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO

PATOLOGIA, RECUPERAÇÃO E REPARO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia de Materiais e Construção Curso de Especialização em Construção Civil PATOLOGIA, RECUPERAÇÃO E REPARO DAS ESTRUTURAS

Leia mais

1.1 EFEITO DO MEIO AMBIENTE NA DURABILIDADE DO CONCRETO

1.1 EFEITO DO MEIO AMBIENTE NA DURABILIDADE DO CONCRETO REVESTIMENTOS POLIMÉRICOS PARA PROTEÇÃO À CORROSÃO BACTERIOLÓGICA DO CONCRETO. Prof. Dr. Osny Pellegrino Ferreira Prof. Dr. da Escola de Engenharia de São Carlos /USP Laboratório de Construção Civil e-mail:

Leia mais

A durabilidade de concretos de alto desempenho com metacaulim frente à penetração de íons cloreto

A durabilidade de concretos de alto desempenho com metacaulim frente à penetração de íons cloreto A durabilidade de concretos de alto desempenho com metacaulim frente à penetração de íons cloreto Charles Siervi Lacerda (1) ; Paulo Helene (2) (1) Mestrando da Escola Politécnica da Universidade de São

Leia mais

ESTUDOS DE DURABILIDADE EM CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE MICROSSÍLICA

ESTUDOS DE DURABILIDADE EM CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE MICROSSÍLICA ESTUDOS DE DURABILIDADE EM CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE MICROSSÍLICA VIEIRA, Fernanda P. (1); KULAKOWSKI, Marlova P.(2) DAL MOLIN, Denise (3); VILELA, Antônio C. F. (4) (1) Eng. Civil, Doutoranda

Leia mais

ESTUDO ELETROQUÍMICO PARA DETECTAR A CORROSÃO EM CONCRETO ARMADO DEGRADADO POR CLORETO DE SÓDIO E ÁCIDO SULFURICO. Campina Grande.

ESTUDO ELETROQUÍMICO PARA DETECTAR A CORROSÃO EM CONCRETO ARMADO DEGRADADO POR CLORETO DE SÓDIO E ÁCIDO SULFURICO. Campina Grande. ESTUDO ELETROQUÍMICO PARA DETECTAR A CORROSÃO EM CONCRETO ARMADO DEGRADADO POR CLORETO DE SÓDIO E ÁCIDO SULFURICO K. D. NERI 1, V. C. P. VITORINO 2, E.O.VILAR 3 e G.R.MEIRA 4 1 UAEQ - Mestranda do Programa

Leia mais

Previsão de Vida Útil da Terceira Ponte de Vitória (ES) O estudo de determinação da vida útil das estruturas de concreto da Terceira

Previsão de Vida Útil da Terceira Ponte de Vitória (ES) O estudo de determinação da vida útil das estruturas de concreto da Terceira Previsão de Vida Útil da Terceira Ponte de Vitória (ES) O estudo de determinação da vida útil das estruturas de concreto da Terceira Ponte de Vitória (ES) é um trabalho pioneiro no Brasil, principalmente

Leia mais

A OCORRÊNCIA DE EFLORESCÊNCIA EM LOCAIS IMPERMEABILIZADOS COM MANTA ASFÁLTICA

A OCORRÊNCIA DE EFLORESCÊNCIA EM LOCAIS IMPERMEABILIZADOS COM MANTA ASFÁLTICA A OCORRÊNCIA DE EFLORESCÊNCIA EM LOCAIS IMPERMEABILIZADOS COM MANTA ASFÁLTICA IRENE DE AZEVEDO LIMA JOFFILY (1) ANA LUIZA ALVES DE OLIVEIRA (2) (1) Professora UniCeub/Virtus Soluções (2) Graduanda em Engenharia

Leia mais

DNIT. Patologias do concreto Especificação de Serviço NORMA DNIT 090/2006 ES. 5 Deterioração do concreto por ações químicas... 4.

DNIT. Patologias do concreto Especificação de Serviço NORMA DNIT 090/2006 ES. 5 Deterioração do concreto por ações químicas... 4. NORMA DNIT 090/2006 ES DNIT Patologias do concreto Especificação de Serviço MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES Autor: Diretoria de Planejamento e Pesquisa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL RELATÓRIO CONVÊNIO CAMARGO CORRÊA INDUSTRIAL - NORIE/CPGEC/UFRGS 1996/1997 Porto Alegre 1997 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Idade do concreto. Verificação da resistência. Módulo de

Leia mais

Durabilidade. cf. a NBR-6118 e Comentários Técnicos do Ibracon

Durabilidade. cf. a NBR-6118 e Comentários Técnicos do Ibracon Durabilidade cf. a NBR-6118 e Comentários Técnicos do Ibracon Definição de Durabilidade 5.1.2.3 Consiste na capacidade da estrutura resistir às influências ambientais previstas e definidas em conjunto

Leia mais

Sumário. 1 Cimento Portland 1

Sumário. 1 Cimento Portland 1 Sumário 1 Cimento Portland 1 Histórico 1 Fabricação do cimento Portland 2 Composição química do cimento Portland 8 Hidratação do cimento 13 Silicatos de cálcio hidratados 14 Aluminato tricálcico hidratado

Leia mais

III-080 RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

III-080 RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL III-080 RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Márcio J. Estefano de Oliveira (1) Doutorando Pesquisador em Geociências e Meio Ambiente pelo IG/UNESP; MSc. pela EPUSP Departamento Engenharia

Leia mais

Patologias de Fundações de Edifícios Causadas por Ações Ambientais

Patologias de Fundações de Edifícios Causadas por Ações Ambientais TEMA 1 Patologías de las construcciones Patologias de Fundações de Edifícios Causadas por Ações Ambientais Fuad Carlos Zarzar Júnior 1,a, Jason William Correia Maia Santiago 2,b, Sílvio Romero de Melo

Leia mais

AS SUPERFÍCIES E O COMPORTAMENTO DAS PAREDES DE TERRA CRUA

AS SUPERFÍCIES E O COMPORTAMENTO DAS PAREDES DE TERRA CRUA AS SUPERFÍCIES E O COMPORTAMENTO DAS PAREDES DE TERRA CRUA Paulina Faria Rodrigues Faculdade de Ciências e Tecnologia - Universidade Nova de Lisboa 2829-516 Caparica, PORTUGAL Tel.: +351 21 2948580; Fax:

Leia mais

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Adições Minerais Fonseca, 2010: Aditivos químicos ASTM C125

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA PROCESSOS QUÍMICOS TECNOLÓGICOS Ângela de Mello Ferreira Belo Horizonte 2013 Prática 02 Processo de coagulação e floculação

Leia mais

Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação

Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação Coimbra, 29 e 30 de Março 2012 Índice Enquadramento Norma NP EN 459 Matérias primas Composição Características Produto

Leia mais

CONCRETO E ARGAMASSAS JAQUELINE PÉRTILE

CONCRETO E ARGAMASSAS JAQUELINE PÉRTILE CONCRETO E ARGAMASSAS JAQUELINE PÉRTILE Concreto O concreto é um dos produtos mais consumidos no mundo, perdendo apenas para a água, o que o torna muito importante para a construção civil. Ele não é tão

Leia mais

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato CIMENTO 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil - Cimento Branco - Cimentos resistentes a sulfato 1.6. Composição química do clínquer do Cimento Portland Embora o cimento Portland consista essencialmente

Leia mais

ESTUDO DA AÇÃO DO ÁCIDO FÓRMICO EM CONCRETOS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA COM VISTAS AO EMPREGO EM AMBIENTE INDUSTRIAL

ESTUDO DA AÇÃO DO ÁCIDO FÓRMICO EM CONCRETOS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA COM VISTAS AO EMPREGO EM AMBIENTE INDUSTRIAL 39ª REUNIÃO DO INSTITUTO BRASILEIRO DO CONCRETO ESTUDO DA AÇÃO DO ÁCIDO FÓRMICO EM CONCRETOS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA COM VISTAS AO EMPREGO EM AMBIENTE INDUSTRIAL KULAKOWSKI, Marlova P. (1); VIEIRA,

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO (CAD):

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO (CAD): CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO (CAD): aplicação nas construtoras EVOLUÇÃO DA RESISTÊNCIA 2000 2002 1940 1990 25 MPa 45 MPa 125 MPa 16 MPa O QUE É? Concreto com propriedades - resistência e durabilidade -

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 07) WILLIAN ABREU

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 07) WILLIAN ABREU FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 07) ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO VANTAGENS E DESVANTAGENS DO CONCRETO ARMADO: Apenas

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES - GESSO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES - GESSO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES - GESSO Gesso. Especificações e propriedades. GESSO Definição: Aglomerante inorgânico

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

ESTUDO DE CASO: IMPERMEABILIZAÇÃO DO SUBSOLO DO CONDOMÍNIO ADELAIDE

ESTUDO DE CASO: IMPERMEABILIZAÇÃO DO SUBSOLO DO CONDOMÍNIO ADELAIDE ESTUDO DE CASO: IMPERMEABILIZAÇÃO DO SUBSOLO DO CONDOMÍNIO ADELAIDE Cláudio Neves Ourives (1); Marcelo Araújo (2); Paulo Sérgio Freire (3) (1) Penetron, claudio@penetron.com.br (2) Andrade Mendonça, marceloaraujo@andrademendonca.com.br

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 IMPORTÂNCIA DO TEMA

1 INTRODUÇÃO 1.1 IMPORTÂNCIA DO TEMA 1. INTRODUÇÃO 17 1 INTRODUÇÃO 1.1 IMPORTÂNCIA DO TEMA Um recente caso comoveu o país. Foi o colapso do Edifício Areia Branca, que estava situado na Região Metropolitana do Recife, em área de agressividade

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

UFSM Dissertação de Mestrado

UFSM Dissertação de Mestrado 1 UFSM Dissertação de Mestrado EFEITOS DA ADIÇÃO DE CAL HIDRATADA EM CONCRETOS COM ALTOS TEORES DE ADIÇÃO MINERAL NA PENETRAÇÃO DE CLORETOS E NA SOLUÇÃO AQUOSA DOS POROS DO CONCRETO Márcia Dal Ri PPGEC

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES ACAL 1. Definição. Generalidades. Características Gerais. Classificação. 2. Aglomerantes

Leia mais

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento. Prof. Eduardo Cabral

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento. Prof. Eduardo Cabral Universidade Federal do Ceará Curso de Engenharia Civil Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento Prof. Eduardo Cabral Definições Aglomerantes É o material ligante, ativo, geralmente pulverulento,

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza 1) a-) Calcular a solubilidade do BaSO 4 em uma solução 0,01 M de Na 2 SO 4 Dissolução do Na 2 SO 4 : Dado: BaSO

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08 P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08 Nome: Gabarito Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Constantes: R 8,314 J mol -1 K -1 0,0821

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA Depto. de Engenharia de Materiais e Construção Curso de Especialização em Construção Civil

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA Depto. de Engenharia de Materiais e Construção Curso de Especialização em Construção Civil UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA Depto. de Engenharia de Materiais e Construção Curso de Especialização em Construção Civil Monografia "DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Definição de concreto hidráulico e de argamassa. Componentes; indicação das proporções

Leia mais

PEF 2303 ESTRUTURAS DE CONCRETO I INTRODUÇÃO À SEGURANÇA DAS ESTRUTURAS

PEF 2303 ESTRUTURAS DE CONCRETO I INTRODUÇÃO À SEGURANÇA DAS ESTRUTURAS PEF 2303 ESTRUTURAS DE CONCRETO I INTRODUÇÃO À SEGURANÇA DAS ESTRUTURAS Conceito de Segurança Métodos de Verificação da Segurança Método das Tensões Admissíveis Métodos Probabilísticos Método Semi-Probabilístico

Leia mais

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS + + desempenho por m² AMP ARGAMASSA MODIFICADA COM POLÍMERO ( + ) MEMBRANA POLIMÉRICA O BAUCRYL ECOVEDA é um polímero

Leia mais

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Prof.: Mayara Moraes CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA TIPO CP XXX RR Cimento Portland Composição Classe - Resistência aos 28 dias(mpa) SIGLA Ex.:

Leia mais

Contribuição para controle e avaliação de concretos no estado fresco e. endurecido com o auxílio de corrente elétrica e ultrassom

Contribuição para controle e avaliação de concretos no estado fresco e. endurecido com o auxílio de corrente elétrica e ultrassom Contribuição para controle e avaliação de concretos no estado fresco e Resumo endurecido com o auxílio de corrente elétrica e ultrassom O concreto apresenta propriedades fundamentais na construção civil.

Leia mais

MARIANA DE ALMEIDA SABINO MATRÍCULA: 21015855

MARIANA DE ALMEIDA SABINO MATRÍCULA: 21015855 FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FATECS CURSO: ENGENHARIA CIVIL MARIANA DE ALMEIDA SABINO MATRÍCULA: 21015855 AVALIAÇÃO DA CARBONATAÇÃO EM PILARES DE CONCRETO ARMADO EM GARAGENS: ESTUDO

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ADITIVOS PARA O CONCRETO 1) Definição : NBR 11768 (EB-1763/92) - Aditivos para concreto de Cimento Portland. Produtos que adicionados em pequena quantidade a concreto de Cimento Portland modificam algumas

Leia mais

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS 2.1 Condições gerais 1 2 2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS As estruturas de concreto devem atender aos requisitos mínimos de qualidade, durante sua construção e serviço, e aos requisitos adicionais estabelecidos

Leia mais

TEMA 2 Reabilitação e reforço de estruturas

TEMA 2 Reabilitação e reforço de estruturas TEMA 2 Reabilitação e reforço de estruturas SÍNTESE DAS ANÁLISES ESTRUTURAIS REALIZADAS EM 35 EDIFÍCIOS DO CONJUNTO RESIDENCIAL ARTHUR LUNDGREN NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE-PE José Afonso Pereira

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE GRAU DE RISCO AO DESABAMENTO PARA EDIFICAÇÕES EM ALVENARIA RESISTENTE NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE

CARACTERIZAÇÃO DE GRAU DE RISCO AO DESABAMENTO PARA EDIFICAÇÕES EM ALVENARIA RESISTENTE NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE CARACTERIZAÇÃO DE GRAU DE RISCO AO DESABAMENTO PARA EDIFICAÇÕES EM ALVENARIA RESISTENTE NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE EVALUATION OF DEGREE OF RUIN RISK OF BUILDING IN MASONRY THE CITY OF RECIFE Carlos

Leia mais

DURABILIDADE E RESISTÊNCIA MECÂNICA DE CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA 1

DURABILIDADE E RESISTÊNCIA MECÂNICA DE CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA 1 DURABILIDADE E RESISTÊNCIA MECÂNICA DE CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA 1 VIEIRA, Fernanda P. (1); KULAKOWSKI, Marlova P.(2) DAL MOLIN, Denise (3); VILELA, Antônio C. F. (4) (1) Eng. Civil,

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE VEDAÇÃO E IMPERMEABILIZAÇÃO DE ESTRUTURAS PRÉ FABRICADAS EM CONCRETO

ORIENTAÇÃO DE VEDAÇÃO E IMPERMEABILIZAÇÃO DE ESTRUTURAS PRÉ FABRICADAS EM CONCRETO ORIENTAÇÃO DE VEDAÇÃO E IMPERMEABILIZAÇÃO DE ESTRUTURAS PRÉ FABRICADAS EM CONCRETO Resumo A utilização de estruturas pré fabricadas em concreto está numa crescente nesses últimos anos. Para a ABCIC (Associação

Leia mais

PAINÉIS CIMENTO-MADEIRA

PAINÉIS CIMENTO-MADEIRA CIMENTO-MADEIRA Prof. Setsuo Iwakiri UFPR - DETF INRODUÇÃO HISTÓRICO 1914 > Áustria > partículas excelsior + aglutinante (óxido magnésio + cloreto magnésio) 1928 > Alemanha > início > uso cimento portland

Leia mais

Vergalhão Galvanizado: Vantagens, Aplicações e Desempenho em Estruturas de Concreto Armado. Luiza Abdala 1, Daniele Albagli 2

Vergalhão Galvanizado: Vantagens, Aplicações e Desempenho em Estruturas de Concreto Armado. Luiza Abdala 1, Daniele Albagli 2 Resumo Vergalhão Galvanizado: Vantagens, Aplicações e Desempenho em Estruturas de Concreto Armado. Luiza Abdala 1, Daniele Albagli 2 1 Votorantim Metais / Desenvolvimento de Mercado / luiza.abdala@vmetais.com.br

Leia mais

Análise das manifestações patológicas nas estruturas de concreto do campus Goiabeiras da UFES

Análise das manifestações patológicas nas estruturas de concreto do campus Goiabeiras da UFES 1 Análise das manifestações patológicas nas estruturas de concreto do campus Goiabeiras da UFES Camila de Oliveira Nascimento camila.nasci@hotmail.com MBA Gerenciamento de Obras, Tecnologia e Qualidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA OCEÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA OCEÂNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA OCEÂNICA MEDIÇÃO DO GRAU DE SATURAÇÃO E A DIFUSÃO DE ÍONS CLORETO EM CONCRETOS EXECUTADOS COM CIMENTO DE ALTA RESISTÊNCIA INICIAL

Leia mais

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos Classificação dos materiais pétreos Fabricação de blocos cerâmicos Pedras naturais: encontradas in natura, usadas normalmente após beneficiamento. Ex.: agregados, placas de rocha para revestimento. Pedras

Leia mais

ESTUDO DE CONCRETOS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA (MICROSSÍLICA) FRENTE AO ATAQUE DE AGENTES AGRESSIVOS PARA EMPREGO EM PISOS ESPECIAIS

ESTUDO DE CONCRETOS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA (MICROSSÍLICA) FRENTE AO ATAQUE DE AGENTES AGRESSIVOS PARA EMPREGO EM PISOS ESPECIAIS ESTUDO DE CONCRETOS COM ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA (MICROSSÍLICA) FRENTE AO ATAQUE DE AGENTES AGRESSIVOS PARA EMPREGO EM PISOS ESPECIAIS Dal Molin, Denise C. C. Oliveira, Ana Paula M. Universidade Federal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO E PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO DE RESERVATÓRIOS DE ÁGUA TRATADA ATACADOS POR

Leia mais

Norma Técnica Interna Sabesp NTS 045

Norma Técnica Interna Sabesp NTS 045 Norma Técnica Interna Sabesp NTS 045 Tubo de Concreto Armado para Esgoto Sanitário Especificação São Paulo Maio - 1999 NTS 045 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1 2 REFERÊNCIAS

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes II Materiais de Construção CONCRETO Definição:

Leia mais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais HOLCIM (BRASIL) S/A Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais Eng. JOSÉ VANDERLEI DE ABREU Patologias Comuns em Pisos Patologias pisos industriais com problemas superficiais

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC LODI, Victor Hugo 1 ; PRUDÊNCIO JUNIOR, Luiz Roberto 2 RESUMO O esgotamento das jazidas

Leia mais

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO DE OBRAS DE ARTES ESPECIAIS, SELECIONADAS NA BR 101 ESTUDO DE CASO: PONTE SOBRE O RIO ARAÇATUBA SC.

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO DE OBRAS DE ARTES ESPECIAIS, SELECIONADAS NA BR 101 ESTUDO DE CASO: PONTE SOBRE O RIO ARAÇATUBA SC. ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO DE OBRAS DE ARTES ESPECIAIS, SELECIONADAS NA BR 101 ESTUDO DE CASO: PONTE SOBRE O RIO ARAÇATUBA SC. RESUMO Patrick Campos de Souza (1), Daiane dos Santos da Silva (2)

Leia mais

O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila.

O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila. Cimento Portland O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila. A calcinação dessa mistura dá origem ao clinker, um produto de natureza granulosa, cuja

Leia mais

COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO

COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO Costenaro, F. L. (1); Isa M. M. (2) (1) Graduanda de Eng. Civil. Faculdade de Engenharia de Bauru

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Tecnologia de Concreto e Argamassas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 8. Tecnologia do Concreto e Argamassas 8.1. Concreto: 8.1. Concreto: Concreto é a mistura

Leia mais

TT32 REFORÇO ESTRUTURAL COM FIBRA DE CARBONO

TT32 REFORÇO ESTRUTURAL COM FIBRA DE CARBONO TT32 REFORÇO ESTRUTURAL COM FIBRA DE CARBONO GILBERTO COURI ENGENHEIRO CIVIL (PUC/RJ), MESTRE EM CIÊNCIAS EM ENGENHARIA (PUC/RJ), DOUTORADO EM ENGENHARIA (COPPE/UFRJ). PROFESSOR TITULAR NA FACULDADE DE

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE MEMORIAL DESCRITIVO OBJETIVO: SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE RESERVATÓRIO ELEVADO Estrutura - Toda a estrutura do reservatório será em concreto armado utilizando

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Estruturas de Concreto

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Estruturas de Concreto UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Estruturas de Concreto Concreto Armado Brita Cimento, areia Adições, aditivos + aço Cimento Hidratado Cimento

Leia mais

PROGRAMA PILOTO DE UTILIZAÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO PELO SETOR DE TRANSPORTES LOCALIZADO NA ZONA NORTE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

PROGRAMA PILOTO DE UTILIZAÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO PELO SETOR DE TRANSPORTES LOCALIZADO NA ZONA NORTE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PROGRAMA PILOTO DE UTILIZAÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO PELO SETOR DE TRANSPORTES LOCALIZADO NA ZONA NORTE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Eliane Rodríguez de Almeida Florio* Sabesp. Administradora de Empresas

Leia mais

Presa. Difícil de determinar o instante em que se dá a passagem do estado líquido ao estado sólido

Presa. Difícil de determinar o instante em que se dá a passagem do estado líquido ao estado sólido LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS Propriedades físicas e mecânicas do cimento Presa Métodos de definição do início de presa: condutibilidade eléctrica viscosidade desenvolvimento de calor, etc. Difícil de determinar

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA Durabilidade das estruturas, estádios e domínios. 2. CONCEITOS As estruturas de concreto devem ser projetadas e construídas de modo que, quando utilizadas conforme as condições ambientais

Leia mais

Estruturas de Saneamento. Soluções para impermeabilização e proteção de estruturas que armazenam água e efluentes

Estruturas de Saneamento. Soluções para impermeabilização e proteção de estruturas que armazenam água e efluentes Estruturas de Saneamento Soluções para impermeabilização e proteção de estruturas que armazenam água e efluentes SUMÁRIO Zentrifix Elastic pág. 7-8 MC-RIM pág. 9-10 Xypex pág. 11-12 MC-DUR 1100 Diffusion

Leia mais

UMIDADES E IMPERMEABILIZAÇÕES

UMIDADES E IMPERMEABILIZAÇÕES 200888 Técnicas das Construções I UMIDADES E IMPERMEABILIZAÇÕES Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 5 o Impermeabilização é a proteção das construções contra

Leia mais

Concretos de Alto Desempenho

Concretos de Alto Desempenho Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Concretos de Alto Desempenho Conceito Alto Desempenho ACI:... que atende

Leia mais

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes!

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! Bloco de concreto As paredes são montadas a partir de componentes de alvenaria - os blocos. Portanto, é imprescindível que eles obedeçam

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Lucas Casé Pimenta Ribeiro

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Lucas Casé Pimenta Ribeiro UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Lucas Casé Pimenta Ribeiro ANÁLISE DE MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM MARQUISES DE CONCRETO ARMADO EM FLORIANÓPOLIS-SC

Leia mais