Sistema construtivo em alvenaria utilizado na Região Metropolitana do Recife, Nordeste do Brazil: Razões técnicas de sua inviabilidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema construtivo em alvenaria utilizado na Região Metropolitana do Recife, Nordeste do Brazil: Razões técnicas de sua inviabilidade"

Transcrição

1 Sistema construtivo em alvenaria utilizado na Região Metropolitana do Recife, Nordeste do Brazil: Razões técnicas de sua inviabilidade Carlos Welligton A. P. Sobrinho 1, Lucyana V. de Mélo 1 1 Fundação Instituto Tecnológico do Estado de Pernambuco Av. Prof. Luiz Freire, 700, Recife, Brazil web page: 18 th to 20 th September 2002 Belo Horizonte, Brazil ABSTRACT: This work presents some pertinent considerations about the constructive system on masonry used in the Northeast of Brazil. In the last nine years this system has been presenting problems of stability, carrying some buildings to the ruin. Such considerations reflect the position of the researchers from the Fundação Instituto Tecnológico of Pernambuco State and has the purpose of elucidate some doubts on this subject and to alert for the need of rethinking the use of this system, in the ambit of the Northeast of Brazil. Here are included: a brief historical of the ruin of some buildings located in the Metropolitan Area of Recife, an evaluation of the problem and an analysis of the factors that contribute to the instability of the constructive system used in this area. Key words: Masonry, Ruin of buildings, Factors of instability 1 INTRODUÇÃO O sistema construtivo comumente empregado na construção de edifícios de até quatro pavimentos, na Região Metropolitana do Recife (RMR), conhecido regionalmente como "edifício caixão, é estruturado em elementos de alvenaria com blocos de vedação executados em concreto ou cerâmica. Estima-se que hoje existem entre a prédios com essas características construídos na RMR. Este tipo de construção teve grande impulso a partir da década de 70 quando cooperativas habitacionais públicas e privadas foram incentivadas pelas políticas de aplicação de recursos oriundos do FGTS e das cadernetas de poupança para a execução de projetos habitacionais. Alguns edifícios, construídos utilizando este sistema, têm apresentado problemas de estabilidade e nos últimos 9 anos 5 edifícios ruíram provocando a morte de 12 pessoas, deixando centenas de desabrigados e milhares de pessoas, residentes em edifícios semelhantes, em estado de pânico. Este trabalho apresenta as características do sistema construtivo utilizado em edifícios de até 4 pavimentos na RMR e discute alguns aspectos que contribuem para sua instabilidade. 2 BREVE HISTÓRICO SOBRE A RUÍNA DE EDIFÍCIOS NA RMR Um dos primeiros edifícios a ruir na RMR foi o Edifício Aquarela, localizado no bairro de Piedade na cidade de Jaboatão dos Guararapes. Seu desabamento, ocorrido em 1992, não deixou vítimas, graças à constatação antecipada da ruptura parcial da fundação e à existência de cintas de amarração na sua estrutura. Em março de 1994, um dos blocos do Conjunto Residencial Bosque das Madeiras, localizado no bairro de Engenho do Meio, na cidade do Recife, ruiu ainda na fase de construção, sem deixar vítimas. Em novembro de 1999, o Edifício Érika, localizado no bairro de Jardim Fragoso, na cidade de Olinda, ruiu bruscamente deixando 5 vítimas fatais (CODECIPE, 2000a) Em dezembro de 1999, o Bloco B do Conjunto Enseada do Serrambi, localizado também no bairro de Jardim Fragoso, na cidade de Olinda, ruiu bruscamente deixando 7 vítimas fatais (CODECIPE, 2000b).

2 Em maio de 2001, o Edifício Ijuí, localizado no bairro de Candeias, na cidade de Jaboatão dos Guararapes, ruiu sem deixar vítimas, graças à constatação antecipada da ruptura parcial da fundação. Recentemente o Edifício Delmiro Gouveia, localizado no bairro do Cordeiro, na cidade do Recife, apresentou ruína parcial. Em todos os casos relatados anteriormente as edificações utilizavam o sistema construtivo em alvenaria portante com fundação em caixão vazio, e a ruína se deu por ruptura da fundação. Além disso, todas as edificações, exceto o bloco do Conjunto Residencial Bosque das Madeiras, foram construídas no final da década de 80. Durante os últimos 9 anos muitas outras edificações apresentaram problemas comprometedores de estabilidade, mostrando a fragilidade desse sistema construtivo e chamando a atenção para a dimensão do problema, que não é específico de uma região sendo mais grave nas edificações com fundação em caixão vazio. 3 AVALIAÇÃO DO PROBLEMA A grande quantidade de acidentes e problemas de instabilidade registrados com edificações que utilizam o sistema construtivo em alvenaria portante com fundação em caixão vazio chamou a atenção da comunidade técnica local no sentido de avaliar as razões que contribuíram para os problemas, procurando uma solução para evitar novos acidentes e tranqüilizar a população usuária das edificações com tais características. O problema apresentado não tem solução simples. A população que habita esses prédios, em sua grande maioria, pode ser enquadrada como de classe média baixa, onde o comprometimento da renda a impede de assumir gastos com avaliação e recuperação das edificações. Soma-se a isto o fato de muitos moradores, insatisfeitos com as dimensões e disposição dos cômodos das unidades, facilitados pela característica do próprio sistema construtivo que não contém elementos mais resistentes (pilares e vigas) e pela falta de informação, modificam por conta própria a arquitetura interna, desestabilizando ainda mais o sistema. Por outro lado, os construtores não se sentem obrigados a assumir o problema, já que muitos entendem que após 5 anos cessa sua responsabilidade sobre a edificação. Por sua vez, o Código de Defesa do Consumidor não deixa clara essa questão. Os agentes financiadores e/ou seguradores habitacionais se esquivam de assumir a responsabilidade sobre o problema, o que impede uma solução rápida. Os municípios, por outro lado, com códigos de obras arcaicos, carentes de recursos para fiscalização e com quadro técnico reduzido, atuam de forma tímida, e em alguns casos homologam edificações cheias de vícios construtivos e fora dos padrões técnicos. A ausência de uma lei mais enérgica, embasada por critérios técnicos e de responsabilidade, favorece a não punição dos agentes que contribuem para o agravamento deste quadro. A seguir são analisados, à luz das normas existentes, as características do sistema construtivo em alvenaria portante, denominado regionalmente de "edifício caixão" e largamente utilizado na RMR. 4 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA CONTRUTIVO UTILIZADO NA RMR O sistema construtivo empregado na RMR é executado segundo o conceito de alvenaria portante e definido como um sistema construtivo onde as paredes funcionam como elementos estruturais da edificação, recebendo as cargas das lajes e transmitindo-as aos elementos de fundação, sem necessariamente existir outros elementos distribuidores das tensões. Os blocos utilizados neste tipo de construção são, segundo a classificação das Normas Técnicas, blocos de vedação quando se deveria utilizar blocos estruturais e na grande maioria dos casos apresentam baixa qualidade e pequenas dimensões, contrariando as especificações normativas. São freqüentes as alterações de posicionamento das paredes internas das unidades habitacionais contrariando o princípio básico do sistema de alvenaria portante onde, o posicionamento das paredes estruturais não deve ser alterado entre pavimentos, sob risco de criar tensões elevadas de flexão que podem levar a problema de instabilidade Fundações 4.2 As fundações empregadas são em geral desprovidas de elementos estruturadores, como vigas e/ou cintas, projetados para absorverem deformações do solo. Algumas dessas fundações são construídas em alvenaria singela, sem revestimento, e funcionam como arrimo do próprio solo, sem terem sido projetadas para resistirem a tais esforços Formulação utilizada no cálculo estrutural A metodologia de cálculo estrutural mais utilizada para os edifícios em alvenaria construídos na RMR tem por base a NB1228/89 - Cálculo de alvenaria estrutural de

3 blocos vazados de concreto (ABNT, 1989), cuja formulação para verificação da tensão resistente em elementos de parede sob compressão simples está indicada na Eq. (1): Fa = 0,20.ƒp.[1 - ( h / 40.t ) 3 ]. (1) Onde Fa é a tensão admissível; ƒp é a resistência média à compressão de prismas de alvenaria; h é a altura da parede; t é a espessura da parede e A é a área líquida do bloco. No que se refere à aplicação da formulação acima, algumas considerações são efetuadas: a) Esta formulação foi obtida para alvenaria construída em blocos de concreto alinhados verticalmente com furos na vertical, satisfazendo a NBR 7171 (ABNT, 1998), onde o efeito parede/resistência do prisma foi estimado em 1/5 (20%), tendo por base experimentos realizados neste tipo de alvenaria. Para paredes construídas em blocos cerâmicos de vedação, com furos na horizontal, o comportamento é diferente, sendo a forma de ruptura brusca, não devendo ser aplicada tal formulação. b) Dados da literatura mostram que a resistência à compressão de prismas (ƒp) é sempre inferior à resistência dos blocos individuais (ƒb); assim, a substituição, na formulação, do valor de ƒm pelo valor de ƒb é contra a segurança. A literatura mostra que a resistência dos prismas pode chegar a 80% da resistência de blocos.(aly & Sabbatini, 1994). A maioria dos projetos de cálculo é baseada em ensaios de resistência de blocos sem considerar tal relação. c) A espessura da parede deve ser tomada sem a espessura do revestimento, já que foi comprovado, através de pesquisas relatadas na literatura especializada, que antes de atingir a ruptura, ou seja, para cargas da ordem de 70% da carga de colapso, o revestimento se desprende da parede (Cavalheiro, 1994). Em muitos projetos de cálculo a consideração da espessura de revestimento é efetuada para a obtenção de fatores de segurança aceitáveis d) Tomando valores corriqueiros, muito comuns em projetos de alvenaria portante como: altura de parede 260 cm, espessura de blocos de 9 cm e para as cargas valores de norma, teríamos a relação apresentada na Eq. (2) entre resistência da parede (Fa), a resistência do prisma (ƒp) e a resistência do bloco (ƒb): Fa = 0,20. ƒp [1- (260 / 40.9) 3 ] (2) Onde: Fa = 0,125. ƒp ou Fa = 0,1.ƒb Dessa forma a tensão admissível para parede é 10% da resistência média dos blocos. Considerando um edifício tradicional de 4 pavimentos, com vãos de 350 cm, a parede no térreo, divisória entre dois ambientes, receberia uma carga de aproximadamente 5,0 a 6,0 toneladas, o que obrigaria o bloco, de 9 cm de espessura, ter uma resistência média superior à 5,5 à 6,5 MPa.(55 a 60 Kg/cm 2 ). Resultados semelhantes podem ser observadas nos artigos de Oliveira (1994) e Duarte (1994). Tomando por base dados de ensaios realizados pelo ITEP ao longo dos últimos anos, pode-se considerar que a resistência média à compressão dos blocos cerâmicos não ultrapassa 3,5 MPa e a dos blocos de cimento chega a ter valor inferior a esta tensão, o que é inferior a resistência média exigida no cálculo acima. Outro fator que deve ser considerado é a esbeltez, ou seja, a relação h/t e as condições de contorno e a geometria da secção transversal. Para se obter uma condição de estabilidade satisfatória, a esbeltez deveria apresentar valor próximo a 18, o que obrigaria, nos prédios com altura de parede de 260 cm, uma espessura dos blocos superior à 14 cm (Duarte,1999) 5 ANÁLISE DOS FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A INSTABILIDADE DO SISTEMA CONSTRUTIVO UTILIZADO NA RMR 5.1 Limitações dos materiais e controle tecnológico do processo de produção de edifícios em alvenaria portante A resistência de elementos de alvenaria depende de uma série de fatores, que podem ser divididos em dois grupos. O primeiro relacionado às características físicas, geométricas e mecânicas dos materiais e o segundo relacionado à mão de obra e ao controle tecnológico empregado. Os fatores relacionados às características dos materiais dizem respeito a: a) Formato da unidade (bloco) - A ruptura de blocos com furos na horizontal se dá de forma brusca, o que não ocorre em blocos com furos na vertical. A própria norma brasileira NBR Blocos Cerâmicos para Alvenaria especificação (ABNT, 1998), preconiza que blocos com furos paralelos ao comprimento devem ser utilizados como bloco de vedação, sendo reprovado seu uso com função estrutural. b) Resistência da unidade (bloco) - Quanto mais uniforme for a resistência dos blocos e maior a

4 resistência média dos mesmos, maior a resistência do elemento (parede). Embora haja limitações quanto à relação resistência bloco/resistência da parede, observase pouca preocupação dos construtores quanto ao efetivo controle de qualidade na aquisição dos blocos, assim como dos calculistas na exigência do controle, mesmo sabendo que os blocos apresentam baixa resistência e que não é pratica a exigência do controle de qualidade na aquisição dos mesmos. c) Geometria da unidade/quantidade de juntas - Quanto maior a altura do bloco menor a quantidade de juntas e maior a resistência da parede. Por outro lado as desuniformidades das dimensões dos blocos, principalmente na altura, diminuem ainda mais a resistência final das paredes, já que exigem juntas de dimensões diferentes, provocando tensões adicionais. A grande maioria das indústrias cerâmicas não produz blocos padronizados segundo a norma, encontrando-se no mercado componentes com dimensões variadas, muitas vezes oriundos de uma mesma indústria. d) Características das argamassas de assentamento - A argamassa cumpre papel fundamental na transmissão das tensões e na deformabilidade das paredes. Poucos são os estudos específicos sobre o comportamento conjunto de blocos e argamassa em uma obra, ensaios em prismas recomendados por norma, muito raramente, são realizados. e) Espessura das juntas - Diversos pesquisadores indicam que a espessura ótima para as juntas é de 1 cm. Quanto maior a espessura da junta menor a resistência final da parede. Observa-se em geral a falta de controle das espessuras das juntas nas obras em alvenaria, notando-se muito freqüentemente a utilização de blocos de diferentes dimensões o que conduz a juntas de espessuras variadas. f) Qualidade dos componentes (blocos) - Observa-se que ao longo dos anos os blocos cerâmicos e os blocos de concreto apresentaram queda na sua qualidade. Os blocos cerâmicos apresentaram redução das espessuras das paredes internas (céptos) e mau cozimento, degradando-se pelo efeito da umidade; já os blocos de concreto apresentam-se mais porosos com aparente queda de consumo de cimento, provocando queda de resistência e alta absorção de água. Os fatores relacionados à mão de obra dizem respeito a: a) Preenchimento das juntas - As juntas horizontais devem ser completamente preenchidas. Juntas incompletas podem reduzir a resistência em até 33% (Roman, 1994). b) Traço das argamassas - O traço a ser empregado deve ser definido para atender as características de resistência e deformabilidade, tais fatores estão intimamente ligados às características dos materiais. Observa-se que poucos estudos são realizados para este fim no caso das construções em alvenaria portante. a) c) Perturbação das unidades (blocos) depois de assentadas - A perturbação das unidades após o assentamento reduz em muito a resistência e integridade da parede. Este fato acontece quando o pedreiro tenta corrigir alguns defeitos de prumo através de batidas nos blocos. d) Ritmo da construção - Quando se constrói em ritmo acelerado, pode-se estar assentando um número de fiadas excessivas sobre juntas de argamassa que ainda não adquiriram resistência suficiente, provocando microfissuras e diminuindo a resistência final da parede. e) Desvio de prumo ou alinhamento da parede - Paredes construídas fora de prumo ou desalinhadas entre pavimentos provoca o surgimento de esforços adicionais (cargas excêntricas) que diminuem significamente a resistência final da parede. 5.2 Limitações quanto ao empirismo Com base nas vistorias efetuadas em várias edificações executadas em alvenaria portante e nos resultados das investigações procedidas naquelas que ruíram, foram observados alguns fatores que contribuem para a instabilidade das edificações e que estão relacionados com um empirismo exagerado empregado neste sistema, entre os quais pode-se citar: a) Substituição de paredes em alvenaria dobrada por paredes de alvenaria singela nos pavimentos inferiores e na fundação, diminuindo a segurança e elevando os níveis de tensão nesses elementos. b) Supressão de cintas e pilaretes como elementos auxiliares e responsáveis pela amarração da edificação, impedindo uma perfeita redistribuição de esforços, aumentando as deformações e deixando a estrutura muito mais frágil quanto à forma de ruptura. c) Utilização de fundações em alvenaria como arrimo (caixão vazio) contrariando a teoria de que alvenarias não devem resistir a esforços de tração e, portanto, não devem ser utilizadas como arrimo. Neste caso os esforços do terreno não encontram resistência suficiente em alvenarias dobradas e muitas menos em alvenarias singelas como tem sido observado. d) Retirada de paredes que funcionam como elementos estruturadores, em parte ou no todo, pelo usuário,

5 provocando concentração de tensões e redistribuição de esforços, e contribuindo para a instabilidade da estrutura. 5.3 Limitações quanto ao conhecimento técnico sobre a degradação dos componentes construtivos Nos últimos anos a literatura nacional e internacional apresentou documentos e normas que fazem referência ao risco da degradação dos componentes construtivos sob a ação de meios agressivos. No que se refere a este aspecto, dois fatores estão intimamente ligados às causas de ruptura das edificações construídas em alvenaria portante na RMR: a) Degradação de elementos em concreto porosos em meios agressivos - Foi constatado que algumas áreas da RMR, principalmente aquelas sujeitas a transgressões e regressões marinhas, apresentam composição química que conferem às mesmas características de agressividade aos elementos em concreto poroso com pouca espessura, como é o caso de blocos de concreto, sapatas prémoldadas etc. A discussão sobre este assunto é relativamente recente. Nacionalmente, os primeiros textos foram publicados por Sobral (1984), Cincoto (1992) e Sobrinho et al., (2000). Em 1988 a CETESB publicou uma norma pelo CETESB, que trata da agressividade da água ao concreto. Degradação de componentes em cerâmica vermelha Foi constatado que em algumas edificações que ruíram os blocos em cerâmica apresentaram o efeito de expansão por umidade que resultou na queda de resistência dos mesmos. Estudos recentes, publicados nos últimos 5 anos, mostram a importância da perda de resistência de blocos cerâmicos quando submetidos a variações de umidade e apontam para importância dessa avaliação (Ferreira, 2000). 6 CONCLUSÕES Com base nos fatos aqui apontados e considerando que: A ruína de 5 edificações, construídas em alvenaria portante na RMR, nos últimos 9 anos deixou a população, usuária dessas edificações, em estado de alerta e insegurança; A possibilidade da existência de outras edificações em escala de risco de ruína tem gerado intranqüilidade e desespero para a população; As causas da ruína das edificações não foram originárias de um fato isolado, mas, conseqüência de falhas na concepção estrutural, no processo construtivo e na qualidade dos materiais, comuns às demais edificações que utilizam este sistema; Não existem estudos suficientes, no âmbito da RMR, no que se refere às características agressivas do meio sobre os elementos construtivos empregados nas edificações; O sistema construtivo atualmente empregado não tem embasamento técnico e não está respaldado em nenhuma Norma ou mesmo recomendação nacional ou internacional; A forma de ruptura brusca observada neste tipo de edificação impede qualquer tentativa de socorro às vítimas no momento da ruína; Os níveis de empirismo empregados na execução das edificações que utilizam este sistema e as alterações arquitetônicas efetuadas pelos moradores nas unidades comprometem a segurança das edificações; A baixa qualidade dos materiais e componentes, utilizados nas edificações em alvenaria, compromete a estabilidade e a durabilidade das edificações; Não há a preocupação por parte dos construtores de reavaliar e recuperar/reforçar as edificações executadas segundo este sistema os proprietários/moradores das unidades habitacionais não apresentam condições financeiras de promover recuperação/reforço destas edificações e os agentes financeiros e de seguros se esquivam em assumir tais reparos; Pode-se concluir que há a urgente necessidade de se adotar medidas que assegurem a regulamentação das construções de edifícios em alvenaria estrutural, considerando as Normas Técnicas existentes e exigindo a análise da água do subsolo para identificar sua agressividade aos elementos constituintes da fundação. Ao mesmo tempo, chama-se a atenção para o fato de que toda construção já edificada sob este sistema deve ser alvo de avaliações técnicas minuciosas que conduzam a ações e intervenções que assegurem a sua estabilidade e durabilidade e que os prédios já licenciados para construção devem ser reavaliados e seus projetos devem ser alterados segundo esta mesma abordagem. 7 REFERÊNCIAS ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas- NB 1228/89 - Projeto e cálculo de alvenaria estrutural de blocos vazados de concreto, ABNT ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR 7171/98 - Blocos Cerâmicos para Alvenaria - especificação, ABNT C.W.A. P. Sobrinho; R. Oliveira; L.V. Mélo, Degradação de elementos de concreto porosos submetidos à ação de águas agressivas na planície costeira da Região Metropolitana Do Recife, IV Simpósio EPUSP sobre Estruturas de Concreto, São Paulo 2000.

6 CODECIPE, Laudo técnico sobre as causas do Desabamento do Bloco "B" do Conjunto Residencial Enseada do Serrambi, Recife, CODECIPE, Laudo técnico sobre as causas do desabamento do Edifício Érica. Recife, H.C Ferreira, Estudos das causas de falência estrutural de edifícios em alvenaria estrutural, IV Simpósio EPUSP sobre Estruturas de Concreto, São Paulo, H.R. Roman, Resistência à compressão. Documento apresentado no Curso Internacional de Alvenaria Estrutural, UFSC, Dpto Engenharia Civil O. P. Cavalheiro, Resistência e Deformabilidade de pequenas paredes em Alvenaria Cerâmica Tradicional. 5º Seminário Internacional de alvenaria estrutural em países em desenvolvimento, Floranópolis, Oliveira Jr e L.M. Pinheiro, Análise de paredes de alvenaria estrutural calculadas no estado limite último, 5º Seminário Internacional de Alvenaria Estrutural em Países em Desenvolvimento, Florianópolis R. B Duarte, Recomendações para o projeto e execução de edifícios de alvenaria estrutural, Publicação da ANACER, R. B. Duarte, Considerações sobre o projeto estrutural de paredes de alvenaria, 5º Seminário Internacional de Alvenaria Estrutural em Países em Desenvolvimento, Floranópolis, V.L.C. Aly & F.H. Sabbatini, Determinação de correlações de resistência mecânica de paredes de alvenaria estrutural de blocos de concreto. 5º Seminário Internacional de alvenaria estrutural em países em desenvolvimento, Floranópolis, 1994.

ACIDENTES COM PRÉDIOS EM ALVENARIA RESISTENTE NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE

ACIDENTES COM PRÉDIOS EM ALVENARIA RESISTENTE NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE ACIDENTES COM PRÉDIOS EM ALVENARIA RESISTENTE NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE Romilde Almeida de OLIVEIRA Departamento Engenharia Civil, UNICAP Rua Caio Pereira, 226, CEP: 52041-010, Rosarinho, Recife-PE

Leia mais

Avaliação de Danos Estruturais em Elementos de Fundações com Embasamento de Alvenaria Resistente

Avaliação de Danos Estruturais em Elementos de Fundações com Embasamento de Alvenaria Resistente Avaliação de Danos Estruturais em Elementos de Fundações com Embasamento de Alvenaria Resistente Jason William Correia Maia Santiago Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil, UNICAP Recife /PE Brasil

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE GRAU DE RISCO AO DESABAMENTO PARA EDIFICAÇÕES EM ALVENARIA RESISTENTE NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE

CARACTERIZAÇÃO DE GRAU DE RISCO AO DESABAMENTO PARA EDIFICAÇÕES EM ALVENARIA RESISTENTE NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE CARACTERIZAÇÃO DE GRAU DE RISCO AO DESABAMENTO PARA EDIFICAÇÕES EM ALVENARIA RESISTENTE NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE EVALUATION OF DEGREE OF RUIN RISK OF BUILDING IN MASONRY THE CITY OF RECIFE Carlos

Leia mais

Diretrizes para Solução dos Problemas Relacionados aos Prédios Construídos em Alvenaria Resistente na Região Metropolitana do Recife

Diretrizes para Solução dos Problemas Relacionados aos Prédios Construídos em Alvenaria Resistente na Região Metropolitana do Recife Diretrizes para Solução dos Problemas Relacionados aos Prédios Construídos em Alvenaria Resistente na Região Metropolitana do Recife Recife Pernambuco Fevereiro de 2009 COMISSÃO DE SISTEMATIZAÇÃO Eng.

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

poder de compra x custo da construção poder de compra:

poder de compra x custo da construção poder de compra: w ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO poder de compra x custo da construção poder de compra: - Conceito Geral - Engenheiro Civil - Ph.D. (85)3244-3939 (85)9982-4969 luisalberto1@terra.com.br custo

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

S U M Á R I O: 4.0 - HISTÓRICO E AVALIAÇÃO DAS RUINAS DE EDIFÍCIOS NA RMR (ITEP2001) 4.1 ALVENARIA ESTRUTURAL TÓPICOS ESPECIAIS

S U M Á R I O: 4.0 - HISTÓRICO E AVALIAÇÃO DAS RUINAS DE EDIFÍCIOS NA RMR (ITEP2001) 4.1 ALVENARIA ESTRUTURAL TÓPICOS ESPECIAIS S U M Á R I O: 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 OBJETIVO 3.0 ÁREA DE TRABALHO 4.0 - HISTÓRICO E AVALIAÇÃO DAS RUINAS DE EDIFÍCIOS NA RMR (ITEP2001) 4.1 ALVENARIA ESTRUTURAL TÓPICOS ESPECIAIS 5.0 LOCALIZAÇÃO E CONSTITUIÇÃO

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

TEMA 2 Reabilitação e reforço de estruturas

TEMA 2 Reabilitação e reforço de estruturas TEMA 2 Reabilitação e reforço de estruturas SÍNTESE DAS ANÁLISES ESTRUTURAIS REALIZADAS EM 35 EDIFÍCIOS DO CONJUNTO RESIDENCIAL ARTHUR LUNDGREN NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE-PE José Afonso Pereira

Leia mais

Carlos Welligton de Azevedo Pires Sobrinho 1,2 Luciana Vieira de Melo 1

Carlos Welligton de Azevedo Pires Sobrinho 1,2 Luciana Vieira de Melo 1 A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DE AGRESSIVIDADE DA ÁGUA DO SOLO NAS ESTRUTURAS DE FUNDAÇÃO EM CONCRETO CONSTRUIDOAS NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE. Carlos Welligton de Azevedo Pires Sobrinho 1,2 Luciana Vieira

Leia mais

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA 1 CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA I. SISTEMAS ESTRUTURAIS Podemos citar diferentes sistemas estruturais a serem adotados durante a concepção do projeto de uma edificação. A escolha

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

FALHA DE CONSTRUÇÃO ou FALTA DE MANUTENÇÃO?

FALHA DE CONSTRUÇÃO ou FALTA DE MANUTENÇÃO? FALHA DE CONSTRUÇÃO ou FALTA DE MANUTENÇÃO? UBIRAJARA ALVIM CAMARGOS Engenheiro civil Especialista em Estruturas Áreas de atuação : Recuperação de estruturas Patologia das construções uac.bh @ terra.com.br

Leia mais

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA Jefferson Bruschi da Silva (1); Cristiano Richter (2); Jean Marie Désir (3); (1) Universidade do Vale do Rio dos Sinos,

Leia mais

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica da USP PCC 2515 Alvenaria Estrutural BLOCOS, ARGAMASSAS E GRAUTES Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS! DETERMINA CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES DA PRODUÇÃO! peso e dimensões

Leia mais

PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1

PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1 PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1 RUBIN, Ariane P. 2 ; CERVO, Fernanda 3 ; PALMA, Cleomar 4 ; ALMEIDA, Leonardo 5 ; QUERUZ, Francisco 6 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Arquitetura

Leia mais

PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS

PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS Conheça a PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS Mais de 80 anos de experiência O imigrante italiano Giovanni Pauluzzi e seus filhos Theo e Ferrucio construíram a primeira unidade da empresa em 1928, especializada

Leia mais

CAPÍTULO IV - ALVENARIA

CAPÍTULO IV - ALVENARIA CAPÍTULO IV - ALVENARIA Alvenaria é a arte ou ofício de pedreiro ou alvanel, ou ainda, obra composta de pedras naturais ou artificiais, ligadas ou não por argamassa. Segundo ZULIAN et al. (2002) também

Leia mais

BLOCOS DE CONCRETO: CARACTERÍSTICA DO PROCESSO DE PRODUÇÃO NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE

BLOCOS DE CONCRETO: CARACTERÍSTICA DO PROCESSO DE PRODUÇÃO NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 3 a de outubro de BLOCOS DE CONCRETO: CARACTERÍSTICA DO PROCESSO DE PRODUÇÃO NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE Carlos Wellington de Azevedo Pires Sobrinho (UPE - POLI) carlos@itep.br

Leia mais

Blocos e Alicerces CONCEITO

Blocos e Alicerces CONCEITO CONCEITO Os blocos são elementos estruturais de grande rigidez que são ligados pelas vigas baldrame. Sua profundidade varia de 0,5 a 1 metro. São utilizados quando há atuação de pequenas cargas, como em

Leia mais

Prédio Caixão - Edifício Gregório Bezerra

Prédio Caixão - Edifício Gregório Bezerra 1 Prédio Caixão - Edifício Gregório Bezerra Adilson de Oliveira Castello Branco castellobranco.acb@gmail.com Gestão de Obras e Qualidade na Construção Civil Instituto de Pós Graduação e Graduação IPOG

Leia mais

ENSINO PARA A PRÁTICA DE PROJETO DE ESTRUTURAS

ENSINO PARA A PRÁTICA DE PROJETO DE ESTRUTURAS ENSINO PARA A PRÁTICA DE PROJETO DE ESTRUTURAS Henrique Innecco Longo hlongo@civil.ee.ufrj.br Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, Escola de Engenharia Rua Brigadeiro Trompowsky s/n, Centro de

Leia mais

ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais

ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais LA-J ARTEFATOS DE CIMENTO LUCAS LTDA Av. Cônsul Assaf Trad 6977 Em frente ao Shopping Bosque dos Ipês / Campo Grande MS 0800 647 1121 www.lajlucas.com.br

Leia mais

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos Prof. Marco Pádua Se a superestrutura do edifício for definida por um conjunto de elementos estruturais formados por lajes, vigas e pilares caracterizando

Leia mais

Identification, Characterization and Control of the Quality of Blocks of Concrete for masonry produced in the Region Metropolitan of Recife

Identification, Characterization and Control of the Quality of Blocks of Concrete for masonry produced in the Region Metropolitan of Recife IDENTIFICAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E CONTROLE DA QUALIDADE DOS BLOCOS DE CONCRETO PARA ALVENARIA PRODUZIDOS NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE Identification, Characterization and Control of the Quality of Blocks

Leia mais

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes!

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! Bloco de concreto As paredes são montadas a partir de componentes de alvenaria - os blocos. Portanto, é imprescindível que eles obedeçam

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANÁLISE DO DIMENSIONAMENTO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM RIGIDEZ κ APROXIMADA E PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM CURVATURA APROXIMADA PARA EFEITOS DE 2º ORDEM Augusto Figueredo

Leia mais

Soluções para Alvenaria

Soluções para Alvenaria Aços Longos Soluções para Alvenaria BelgoFix Tela BelgoRevest Murfor BelgoFix Telas Soldadas Galvanizadas para Alvenaria BelgoFix : marca registrada da Belgo Bekaert Arames BelgoFix são telas soldadas

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE FUNDAÇÕES Todo projeto de fundações

Leia mais

DESEMPENHO DE PRISMAS E PAREDES COSNTRUÍDAS COM DIFERENTES GEOMETRIAS DE BLOCOS CERÂMICOS

DESEMPENHO DE PRISMAS E PAREDES COSNTRUÍDAS COM DIFERENTES GEOMETRIAS DE BLOCOS CERÂMICOS DESEMPENHO DE PRISMAS E PAREDES COSNTRUÍDAS COM DIFERENTES GEOMETRIAS DE BLOCOS CERÂMICOS M. D. F. dos Santos Av. Independência, 2293 CEP. 96815-900 Santa Cruz do Sul - RS marcusds@unisc.br M. Carvalho

Leia mais

concreto É unir economia e sustentabilidade.

concreto É unir economia e sustentabilidade. concreto É unir economia e sustentabilidade. A INTERBLOCK Blocos e pisos de concreto: Garantia e confiabilidade na hora de construir. Indústria de artefatos de cimento, que já chega ao mercado trazendo

Leia mais

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA (Aulas 9-12) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva Algumas perguntas para reflexão... É possível obter esforços (dimensionamento) sem conhecer

Leia mais

Muro de Arrimo por Gravidade

Muro de Arrimo por Gravidade Muro de Arrimo por Gravidade CONCEITO É a solução estrutural mais antiga e por ser relativamente barato e não exigir mão de obra especializada é mais comum. É executado junto a um talude (inclusive de

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173110. ABNT NBR 15575:2013: edificações habitacionais, desempenho.

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173110. ABNT NBR 15575:2013: edificações habitacionais, desempenho. COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173110 ABNT NBR 15575:2013: edificações habitacionais, desempenho. André Azevedo Palestra apresentado na 10.Convenção Nordeste de Cerâmica Vermelha, Teresina, PI, 2015.. A série

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Fundações Diretas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 5 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Introdução: Todo peso de uma obra é transferido para o terreno em que a mesma é apoiada. Os esforços produzidos

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL DE CONCRETO COM BLOCOS CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO

ALVENARIA ESTRUTURAL DE CONCRETO COM BLOCOS CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO HISTÓRICO O uso da alvenaria é a mais antiga forma de construção empregada pelo homem. 2 HISTÓRICO Pirâmides do Egito

Leia mais

DESENHOS DE FORMAS ESTRUTURAIS EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO

DESENHOS DE FORMAS ESTRUTURAIS EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA Departamento de Estruturas e Construção Civil Disciplina: ECC 1008 Estruturas de Concreto DESENHOS DE FORMAS ESTRUTURAIS EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada:

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada: PROJETO Nº 051/2013 Solicitação: Memorial Descritivo Tipo da Obra: Reforma, ampliação e adequação acesso Posto de Saúde Santa Rita Área existente: 146,95 m² Área ampliar: 7,00 m² Área calçadas e passeio:

Leia mais

Alvenaria de Blocos de Concreto

Alvenaria de Blocos de Concreto Alvenaria de Blocos de Recomendações Gerais Est. Mun. Eduardo Duarte, 1100 - Esq. RST 287. Santa Maria - RS Fone: (55) 3221 2000 e-mail : prontomix@prontomix.com.br Conceitos Gerais O que é Alvenaria Estrutural?

Leia mais

Saiba mais sobre. Murfor

Saiba mais sobre. Murfor Saiba mais sobre Murfor O que é Murfor? Murfor é uma treliça plana galvanizada formada por dois fios de aço longitudinais (Ø 4,0 mm) paralelos e separados entre si por um fio (Ø 3,75 mm) em forma de sinusóide,

Leia mais

Resumo. Palavras-chave Alvenaria Estrutural; Tensões Admissíveis, Estados Limites, Ações e Segurança nas Estruturas.

Resumo. Palavras-chave Alvenaria Estrutural; Tensões Admissíveis, Estados Limites, Ações e Segurança nas Estruturas. Avaliação das Implicações Técnicas Promovidas pela Introdução de Estados Limites no Cálculo de Alvenaria Estrutural Paulo Vitor Souza Santos 1, Helio Guimarães Aragão 2 1 Universidade Estadual de Feira

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO CONCEITO A tipologia estrutural composta por bloco, argamassa, graute e eventualmente armações é responsável por um dos sistemas construtivos

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO ISOCRET ESTRUTURA /REVESTIMENTO

SISTEMA CONSTRUTIVO ISOCRET ESTRUTURA /REVESTIMENTO Sistema Construtivo Fabricado de acordo com a ISO 9002 Conforto as normas ASTM( EUA) e ABNT (Brasil). Comprovada em testes de desempenho realizados pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo

Leia mais

Líder em Tecnologia. www.ceramicacity.com.br SAC (15) 3246 8030

Líder em Tecnologia. www.ceramicacity.com.br SAC (15) 3246 8030 Líder em Tecnologia Líder em Tecnologia Vedação Racional As maiores construtoras buscam a qualidade e desempenho dos s City para ganhar em produtividade e reduzir desperdícios Vedação Racional O bloco

Leia mais

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2.

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CÂMPUS DE CHAPADÃO DO SUL DISCIPLINA: CONSTRUÇÕES RURAIS LISTA DE EXERCICIOS I RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS PROFESSOR: PAULO CARTERI CORADI 1) Calcule a deformação

Leia mais

CONSUMO DE MATERIAIS Explorando as vantagens da Alvenaria Estrutural

CONSUMO DE MATERIAIS Explorando as vantagens da Alvenaria Estrutural CONSUMO DE MATERIAIS Explorando as vantagens da Alvenaria Estrutural Prof. Marco Pádua Neste sistema conhecido como Autoportante os pilares são substituídos por blocos de concreto estruturais vazados preenchidos

Leia mais

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS I DEFINIÇÃO E DOSAGEM DE ARGAMASSAS PARA ASSENTAMENTO DE

Leia mais

DE CONCRETO COM BLOCOS

DE CONCRETO COM BLOCOS COM BLOCOS DE CONCRETO Materiais e Componentes O componente bloco Bloco Broco Controle de qualidade NBR 6136-2006 Blocos Vazados de Concreto simples para Alvenaria Requisitos Estabelece os requisitos para

Leia mais

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz Notas de aulas - Concreto Armado 2 a Parte Lançamento da Estrutura Icléa Reys de Ortiz 1 1. Lançamento da Estrutura Antigamente costumava-se lançar vigas sob todas as paredes e assim as lajes ficavam menores

Leia mais

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros.

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. EMPREENDIMENTOS PANTHEON - ROMA Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO Disciplina: Construções Rurais 2011/1 Código: AGR006/AGR007 Curso (s): Agronomia e Zootecnia

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

10 anos de atuação para oferecer blocos de concreto de qualidade ao mercado.

10 anos de atuação para oferecer blocos de concreto de qualidade ao mercado. : 10 anos de atuação para oferecer blocos de concreto de qualidade ao mercado. 1 , a associação a serviço da qualidade da construção 2 A Associação Brasileira da Indústria de Blocos de Concreto- foi fundada

Leia mais

Soluções para Alvenaria MURFOR

Soluções para Alvenaria MURFOR Soluções para Alvenaria MURFOR Histórico As Alvenarias são técnicas construtivas muito antigas, utilizadas como elemento resistente (estrutural ou suporte) e de vedação; Sua estabilidade e resistência

Leia mais

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua TIPOS DE ESTRUTURAS Prof. Marco Pádua A função da estrutura é transmitir para o solo a carga da edificação. Esta carga compõe-se de: peso próprio da estrutura, cobertura, paredes, esquadrias, revestimentos,

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE LUIZA DE LIMA TEIXEIRA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA SP. PROJETO ESTRUTURAL 1 I - MEMORIAL DESCRITIVO DE CIVIL ESTRUTURAL 1 - Serviços Iniciais: ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL SISTEMA DE VEDAÇÃO Um subsistema

Leia mais

ANDRÉ CASAGRANDE TEIXEIRA PATOLOGIAS EM ALVENARIA ESTRUTURAL JOINVILLE SC

ANDRÉ CASAGRANDE TEIXEIRA PATOLOGIAS EM ALVENARIA ESTRUTURAL JOINVILLE SC ANDRÉ CASAGRANDE TEIXEIRA PATOLOGIAS EM ALVENARIA ESTRUTURAL JOINVILLE SC 2011 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DEC

Leia mais

Aula 4 : Desenho de Estruturas

Aula 4 : Desenho de Estruturas Aula 4 : Desenho de Estruturas Índice: UNIDADE 4 DESENHO DE ESTRUTURAS 4.1 Introdução; Fundações: - São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos Classificação dos materiais pétreos Fabricação de blocos cerâmicos Pedras naturais: encontradas in natura, usadas normalmente após beneficiamento. Ex.: agregados, placas de rocha para revestimento. Pedras

Leia mais

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 221 ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA ARGAMASSA DE REVESTIMENTO COM SAIBRO NA RESISTENCIA À COMPRESSÃO EM PRISMAS DE ALVENARIA RESISTENTE DE BLOCOS CERÂMICOS

A INFLUÊNCIA DA ARGAMASSA DE REVESTIMENTO COM SAIBRO NA RESISTENCIA À COMPRESSÃO EM PRISMAS DE ALVENARIA RESISTENTE DE BLOCOS CERÂMICOS A INFLUÊNCIA DA ARGAMASSA DE REVESTIMENTO COM SAIBRO NA RESISTENCIA À COMPRESSÃO EM PRISMAS DE ALVENARIA RESISTENTE DE BLOCOS CERÂMICOS THE INFLUENCE OF OVERLAY MORTAR WITH CLAYEY SAND ON THE COMPRESSION

Leia mais

MATERIAIS PARA ALVENARIA ESTRUTURAL Humberto Ramos Roman Universidade Federal Santa atarina Catarina

MATERIAIS PARA ALVENARIA ESTRUTURAL Humberto Ramos Roman Universidade Federal Santa atarina Catarina MATERIAIS PARA ALVENARIA ESTRUTURAL Humberto Ramos Roman Universidade Federal de Santa Catarina SUMÁRIO 1. Materiais para alvenaria bloco argamassa graute 2. Material alvenaria fatores que afetam a resistência

Leia mais

CASAS TERREAS EM PAREDES DE ALVANARIA EM BLOCOS DE GESSO

CASAS TERREAS EM PAREDES DE ALVANARIA EM BLOCOS DE GESSO CASAS TERREAS EM PAREDES DE ALVANARIA EM BLOCOS DE GESSO MANUAL CONSTRUTIVO Recomendações Técnicas 1/6 1.CARACTERIZAÇÃO E RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS O sistema construtivo utilizado para construção de casas

Leia mais

DIVISÓRIAS INTERNAS DE EDIFÍCIOS EM ALVENARIA DE BLOCOS DE GESSOvantagens técnicas, econômicas e ambientais

DIVISÓRIAS INTERNAS DE EDIFÍCIOS EM ALVENARIA DE BLOCOS DE GESSOvantagens técnicas, econômicas e ambientais DIVISÓRIAS INTERNAS DE EDIFÍCIOS EM ALVENARIA DE BLOCOS DE GESSOvantagens técnicas, econômicas e ambientais CARLOS WELLIGTON DE AZEVEDO PIRES SOBRINHO ITEP-Instituto de Tecnologia de Pernambuco NATALIA

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO ENSAIO DE ULTRASSONOGRAFIA PARA A INVESTIGAÇÃO DE PATOLOGIA ESTRUTURAL

UTILIZAÇÃO DO ENSAIO DE ULTRASSONOGRAFIA PARA A INVESTIGAÇÃO DE PATOLOGIA ESTRUTURAL PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES UTILIZAÇÃO DO ENSAIO DE ULTRASSONOGRAFIA PARA A INVESTIGAÇÃO DE PATOLOGIA ESTRUTURAL Rodrigo Moysés Costa (1); Ubirajara Alvim Camargos (2) (1) Professor Doutor, Departamento

Leia mais

23/05/2014. Professor

23/05/2014. Professor UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I Alvenarias Área de Construção Civil Prof. Dr. André Luís Gamino Professor Elementos

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL

ALVENARIA ESTRUTURAL Alvenaria Ministério Estruturalda Educação 18:04 Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Construção Civil II ( TC-025) Prof. José de Almendra Freitas Jr. freitasjose@terra.com.br Versão 2013

Leia mais

Degradação de edificações por agressividade de águas subterrâneas

Degradação de edificações por agressividade de águas subterrâneas I. PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES Degradação de edificações por agressividade de águas subterrâneas Carlos Welligton de Azevedo Pires Sobrinho(1); Samá Tavares de Andrade(2); Célia Gerlane Vidal Silva (3) (1)

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 CONCEITOS QUE INFLUENCIAM NA ELABORAÇÃO DO PROJETO ESTRUTURAL Marco Antônio Nunes de Melo 1 ; Carolina Oliveira Pinto n 1 Universidade de Uberaba marconunes_eng@outlook.com 1; carolina.pinto@uniube.br

Leia mais

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO:

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: EMPREENDIMENTOS CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: Localizado em Novo Hamburgo RS; 18000 m² de área construída; 72 Unidades 3 e 2 dormitórios; 26 Pavimentos; Tratamento e reutilização

Leia mais

01 projeto / normalização

01 projeto / normalização 01 projeto / normalização revisão_das_práticas_recomendadas para_edificações_de_até_5_pavimentos apresentação O trabalho é uma revisão da primeira versão das PRs, que serve como texto base para a norma

Leia mais

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural Universidade Estadual de Maringá - Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Disciplina: Estruturas em Concreto I Professor: Rafael Alves de Souza Recomendações para a Elaboração do Projeto

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MEMÓRIA DE CÁLCULO ESTRUTURA DE CONCRETO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Hipóteses

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

REVESTIMENTO CERÂMICOS

REVESTIMENTO CERÂMICOS SEMINÁRIOS DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA REALIZAÇÃO: IBAPE NACIONAL E IBAPE PR Dias 18 e 19 de setembro de 2014 Foz do Iguaçu-PR II Seminário Nacional de Perícias de Engenharia PERÍCIAS EM FACHADAS

Leia mais

TECNICAS CONSTRUTIVAS I

TECNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TECNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br FUNDAÇÕES Fundações em superfície: Rasa, Direta

Leia mais

Procedimento de obra para recebimento de bloco cerâmico Estrutural

Procedimento de obra para recebimento de bloco cerâmico Estrutural Procedimento de obra para recebimento de bloco cerâmico Estrutural 1 OBJETIVO Procedimento padrão para recebimento blocos estruturais cerâmicos; 2 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA NBR 15270-2:2005 Componentes

Leia mais

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor 1. CONCEITO: Produto resultante da associação íntima entre um aglomerante mais um agregado miúdo, mais um agregado graúdo e água (+ ferragens). 2. CARACTERÍSTICAS Quanto aos esforços: compressão, tração

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 171527. O que é preciso fazer para que as fachadas e paredes internas atendam aos requisitos de desempenho da NBR 15.575-4?

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 171527. O que é preciso fazer para que as fachadas e paredes internas atendam aos requisitos de desempenho da NBR 15.575-4? COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 171527 O que é preciso fazer para que as fachadas e paredes internas atendam aos requisitos de desempenho da NBR 15.575-4? Luciana Alves de Oliveira Slides da Palestra apresentada

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO ANALISANDO A RIGIDEZ DO ENGASTAMENTO ENTRE VIGAS E PILARES E UTILIZANDO

Leia mais

PROJETO DE EDIFÍCIOS DE ALVENARIA ESTRUTURAL. Prof. Dr. Jefferson Sidney Camacho

PROJETO DE EDIFÍCIOS DE ALVENARIA ESTRUTURAL. Prof. Dr. Jefferson Sidney Camacho PROJETO DE EDIFÍCIOS DE ALVENARIA ESTRUTURAL Prof. Dr. Jefferson Sidney Camacho Ilha Solteira - SP 2006 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 1 1.1 Definição...1 1.2 Nomenclatura...1 1.3 Classificação...3 1.4 Vantagens

Leia mais

1.1 DEFINIÇÕES Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água.

1.1 DEFINIÇÕES Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 1 Libânio M. Pinheiro; Cassiane D. Muzardo; Sandro P. Santos Março de 2004 INTRODUÇÃO Este é o capítulo inicial de um curso cujos objetivos são: os fundamentos do concreto;

Leia mais

Concepção do Projeto Estrutural com Ênfase em Prédios Altos

Concepção do Projeto Estrutural com Ênfase em Prédios Altos Concepção do Projeto Estrutural com Ênfase em Prédios Altos Engº Cláudio Creazzo Puga CONCRETESHOW São Paulo, 27 a 29 de agosto de 2008 Por que se Constrói i em Alvenaria Estrutural? A busca pela redução

Leia mais

Soluções para Alvenaria

Soluções para Alvenaria Aços Longos Soluções para Alvenaria BelgoFix Tela BelgoRevest Produtos Murfor BelgoFix Telas Soldadas Galvanizadas para Alvenaria BelgoFix são telas soldadas produzidas com fio de 1,65 mm de diâmetro e

Leia mais

AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DE PAREDES EM ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS CERÂMICOS SOBRE BASE ELÁSTICA E RÍGIDA

AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DE PAREDES EM ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS CERÂMICOS SOBRE BASE ELÁSTICA E RÍGIDA AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DE PAREDES EM ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS CERÂMICOS SOBRE BASE ELÁSTICA E RÍGIDA Renata Peres Krum Engenheira Civil, Cascavel/PR Ricardo Bernardi

Leia mais

AULA 5. NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos. Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT

AULA 5. NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos. Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT AULA 5 NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT março 2014 Disciplina - Fundações Zeide Nogueira Furtado Relação

Leia mais

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA CONDIÇÕES DE INÍCIO Vigas baldrames impermeabilizadas e niveladas,

Leia mais

Parecer Técnico de Análise das Causas do Desabamento do Ed. Coroa do Meio RESUMO 1

Parecer Técnico de Análise das Causas do Desabamento do Ed. Coroa do Meio RESUMO 1 Parecer Técnico de Análise das Causas do Desabamento do Ed. Coroa do Meio RESUMO 1 1 OBJETIVO / FINALIDADE / INTERESSADO O Parecer Técnico tem por objetivo identificar as causas do desabamento do edifício

Leia mais

ALERTA! DEFORMAÇÕES EXCESSIVAS

ALERTA! DEFORMAÇÕES EXCESSIVAS ALERTA! DEFORMAÇÕES EXCESSIVAS Edifícios expõem patologias de todo tipo, principalmente na alvenaria. Por que as estruturas estão deformando como nunca? Houve uma profunda mudança na maneira de construir

Leia mais

O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? ALVENARIA ESTRUTURAL O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Conceituação: O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL?

O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? ALVENARIA ESTRUTURAL O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Conceituação: O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? AULA 5 ALVENARIA ESTRUTURAL Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco PREDIO COM BLOCO DE VEDAÇÃO MACEIO

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL

ALVENARIA ESTRUTURAL Alvenaria Ministério Estruturalda Educação 17:52 Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Construção Civil II ( TC-025) Prof. José de Almendra Freitas Jr. freitasjose@terra.com.br Versão 2013

Leia mais