ESTATUTO CESUSC EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTATUTO CESUSC EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO"

Transcrição

1 ESTATUTO CESUSC EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO Capitulo I Denominação, Sede, Finalidade e Duração. Artigo 1 - A CESUSC EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO é uma associação civil, denominada In Pacto Jr, sem finalidades econômicas e com fins educacionais, apartidária e com prazo de duração indeterminado, com sede e foro na Cidade de Florianópolis, no estado de Santa Catarina, que se regerá pelo presente Estatuto, pelo Regimento Interno e pelas disposições legais aplicáveis. Artigo 2 - A CESUSC EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO tem por finalidade: a) Proporcionar a seus membros associados as condições necessárias à aplicação prática de conhecimentos teóricos relativos às áreas de formação profissional; b) Realizar estudos, consultorias e terceirização de serviços, elaborando diagnósticos e relatórios sobre assuntos específicos inseridos na área de administração; c) Dar à sociedade o retorno em serviços de qualidade aos investimentos por ela feitos na universidade; d) Implementar e assessorar as soluções indicadas para os problemas diagnosticados; e) Realizar cursos dentro e fora de Universidade; f) Incentivar o espírito empreendedor e abrir espaço para novas lideranças no âmbito acadêmico; g) Intensificar o intercambio sociedade-universidade, empresa-sociedade e empresa-universidade; h) Disseminar o uso de técnicas da Administração na empresas; Capitulo II Quadro Social, Direitos e Deveres. Artigo 3 - Os membros da CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO serão de 3 (três) categorias:

2 a) Associados honorários: toda pessoa física e/ou jurídica que, interessada na integração Escola/Empresa e na missão/finalidade da CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO contribua com aportes financeiros, bens ou direitos, ou outros, para a conjunção de suas atividades e consecução de suas finalidades; sendo dispensada do pagamento de contribuição social; b) Membros associados: todo e qualquer estudante aprovado no concurso vestibular e regularmente matriculado na Faculdade de Ciências Sociais de Florianópolis, interessado na integração empresa/escola e em participar e difundir os serviços prestados pela CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO; c) Membros efetivos: todo e qualquer estudante aprovado pelo concurso vestibular e regularmente matriculado na Faculdade de Ciências Sociais de Florianópolis, participante na administração, responsável pela coordenação dos serviços desenvolvidos de projetos de pesquisa e estudos e regularmente inscrito no cadastro. Artigo 4 Os membros efetivos da CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO serão admitido por decisão da Diretoria Executiva através de um processo seletivo e deverão contar com o voto favorável da maioria simples de seus membros. Parágrafo único: caso um membro associado ou efetivo gradue-se no meio de um projeto, ele continuará responsável pelo mesmo e permanecerá como membro até a sua conclusão. Artigo 5 - São direitos dos membros efetivos: a) Comparecer e votar nas Assembléias Gerais; b) Solicitar por escrito à Diretoria informações relativas às atividades executadas ou desenvolvidas pela CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO, que deverão se prestadas da forma mais rápida e clara possível; c) Utilizar os serviços colocados à sua disposição pela CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO; d) Solicitar a revisão e/ou anulação de qualquer decisão que lhe tenha sido imposta pelo Conselho Deliberativo; e) Participar das atividades desenvolvidas pela CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO em conformidade com o Art. 2 deste estatuto;

3 f) Afastar-se temporariamente das atividades da CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO, mediante período de licença à Diretoria Executiva, por prazo determinado; g) Ser eleito membro do conselho deliberativo, e da diretoria executiva, por prazo determinado; h) Apresentar sugestões por escrito e/ou verbalmente a Diretoria Executiva, sobre a adoção de medidas que julgar convenientes e que tragam benefícios a CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO e/ou seus associados. Parágrafo único: para efeito de quorum, membros efetivos sob inquérito, sob afastamento ou em cumprimento de penalidade não serão consideradas. Artigo 6 São deveres dos membros efetivos: a) Cumprir com todas as obrigações a ele designadas; b) Zelar pelo patrimônio e imagem da CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO; c) Ressarcir a CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO por todos os danos materiais que o mesmo ou pessoa de sua responsabilidade possa vir a ter causado à mesma; d) Pagar pontualmente as contribuições sociais devidas e as taxas cobradas pela CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO para os serviços por ela promovida, respeitada a isenção outorgada aos membros honorários e efetivos; e) Respeitar o Estatuto e o Regimento Interno, bem como as deliberações da Assembléia Geral, do Conselho Deliberativo e da Diretoria Executiva; f) Abster-se, nas dependências da CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO, de qualquer manifestação de caráter partidário, religioso ou discriminatório; g) Exercer diligentemente os cargos para os quais tenham sido eleitos ou selecionados; h) Executar com correção, interesse e diligencia aos trabalhos, projetos, palestras, seminários, cursos ou quaisquer outras atividades para que tenha sido designado. Artigo 7 São direitos dos membros associados: a) Solicitar por escrito informações relativas às executadas ou desenvolvidas pela CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA

4 DE ADMINISTRAÇÃO, que deverão ser prestadas da forma mais rápida e clara possível; b) Utilizar os serviços colocados à sua disposição pela CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO; c) Participar do desenvolvimento de projetos e trabalhos com a finalidade de aprender e praticar o conhecimento adquirido no seu curso de graduação; d) Ser ouvido em qualquer órgão administrativo; e) Comparecer, se pronunciar e votar nas Assembléias Gerais; f) Apresentar sugestões por escrito e/ou verbalmente a Diretoria Executiva, sobre a adoção de medidas que julgar convenientes e que tragam benefícios à CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO e/ou de seus associados. Artigo 8 São deveres dos membros associados: a) Zelar pelo patrimônio da CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO; b) Ressarcir a CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO por todos os danos matérias que o mesmo ou pessoa de sua responsabilidade possa vir a ter causado à mesma; c) Pagar pontualmente as contribuições devidas e as taxas cobradas pela CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO para os serviços por ela promovida, respeitando a isenção outorgada aos membros honorários e efetivos; d) Respeitar o Estatuto e Regimento Interno, bem como as deliberações da Assembléia Geral, do Conselho de Deliberativo e da Diretoria Executiva; e) Abster-se, nas dependências da CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO, de qualquer manifestação de caráter partidário, religioso ou discriminatório; f) Exercer diligentemente os cargos para os quais tenham sidos eleitos ou selecionados; Parágrafo único: Será aluno regularmente inscrito na Empresa Junior aquele que se inscrever semestralmente no cadastro da Empresa. Artigo 9 - São direitos dos membros honorários: a) Estar isento de responder pelas obrigações sociais da entidade;

5 b) Solicitar, à Diretoria Executiva, por escrito, informações relativas às atividades da CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO nas quais seja envolvida; c) Apresentar sugestões por escrito e/ou verbalmente à Diretoria Executiva, sobre a adoção de medidas que julgar convenientes e tragam benefícios a CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO e/ou seus associados; d) Acompanhar os trabalhos desenvolvidos dentro da CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO, nos quais esteja envolvido. Artigo 10 São deveres dos membros honorários: a) Honrar os compromissos assumidos com a CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO; b) Zelar pelo bom nome da CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO, evitando ações ou situações que deponham contra o seu conceito, bem como a conservação do seu patrimônio; c) Cumprir e fazer cumprir o presente Estatuto, bem como as deliberações da Assembléia Geral, do Conselho Deliberativo, da Diretoria Executiva e de seus níveis hierárquicos superiores. Artigo 11 Perde-se a condição de membro: a) Por renuncia, expressa ou tácita, entendendo-se por renúncia tácita o abandono das atividades desenvolvidas por um período de quinze dias seguidos sem justificativa para tanto; b) Pela conclusão, abandono, trancamento geral ou justificado de matricula, jubilamento ou transferência para outra instituição de ensino, quando Membro EFETIVO ou Membro ASSOCIADO; c) Pela morte, no caso de pessoas físicas, ou pela cessação de suas atividades, no caso de pessoas jurídicas; d) Por decisão de 2/3 dos membros do Conselho Deliberativo, fundamentados na violação de qualquer das disposições do presente estatuto; e) Pelo comportamento moral ou ético não compatível com as funções para o qual foi escolhido;

6 f) Por solicitar a sua demissão mediante oficio dirigido à Diretoria Executiva. Parágrafo único: Quando da exclusão, cabe ao associado excluído Recurso dirigido à Assembléia Geral, em no máximo 48 horas. Capitulo III Patrimônio. Artigo 12 O patrimônio da CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO, é formado por: a) Subvenções, doações e legados recebidos de pessoas físicas ou jurídicas, de direito público ou privado, nacionais ou estrangeiros, aceitos pela Diretoria Executiva ou, a pedido desta, pela Assembléia Geral; b) Por recursos provenientes dos projetos executados; c) Por quaisquer bens ou direitos que venha a adquirir seus produtos próprios, além dos rendimentos gerados por suas atividades. Parágrafo único: A prestação de contas deverá obedecer aos princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade, economicidade e da eficiência, adotará práticas de gestão administrativa, necessárias e suficientes a coibir a obtenção, de forma individual ou coletiva, de benefícios ou vantagens pessoais, em decorrência da participação no respectivo processo decisório, e que se dê publicidade por qualquer meio eficaz, no encerramento do exercício fiscal, ao relatório de atividades e das demonstrações financeiras da entidade, sendo levado à Assembléia Geral para aprovação. Parágrafo único: Em caso de extinção da CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO, o patrimônio da empresa será destinado à instituição de ensino superior Faculdade de Ciências Sociais de Florianópolis. Capitulo IV Dos órgãos da CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO: Artigo 13 A CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO é composta de: a) Assembléia Geral; b) Conselho Deliberativo; c) Diretoria Executiva;

7 Capitulo V Assembléia Geral. Artigo 14 A Assembléia Geral é o órgão máximo de deliberação, normatização e consulta da CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO, sendo soberana em suas decisões, podendo ser de caráter Ordinário ou Extraordinário. Parágrafo único: A Assembléia Geral é composta pela totalidade dos Associados EFETIVOS da CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO, cabendo a cada associado o direito de voto único. Artigo 15 - As Assembléias Gerais, Ordinárias e Extraordinárias, serão convocadas pelo Diretor Presidente, com sete dias de antecedência a sua realização, mediante divulgação da data, do horário e da pauta dirigida a todos os Membros EFETIVOS, e com aprovação de dois terços da Diretoria Executiva. Parágrafo único: As Assembléias Gerais serão ainda convocadas pelo Conselho Deliberativo. Artigo 16 As atas das Assembléias Gerais serão retificadas e/ou ratificadas na Assembléia Geral seguinte. Parágrafo único: A Assembléia Geral Extraordinária pode ser convocada por qualquer Associado EFETIVO, com 15 (quinze) dias mínimos de antecedência, desde que obtenha 1/5 de assinaturas de todos os Associados EFETIVOS, logo abaixo da pauta, que conterá os assuntos a serem debatidos nesta reunião. Artigo 17 A Assembléia Geral Ordinária destina-se a tomar contas dos administradores, examinar, discutir e votar as demonstrações financeiras, eleger os membros do Conselho Deliberativo e Diretoria Executiva. Artigo 18 Serão nulas as decisões da Assembléia Geral sobre assuntos não incluídos na pauta do dia, a não ser que na Assembléia Geral se encontrem todos os membros efetivos e não haja oposição de nenhum. Artigo 19 A instalação da Assembléia Geral requer a presença da maioria simples dos membros efetivos da CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO, e suas decisões serão sempre tomadas por maioria simples de voto dos presentes. Parágrafo 1: Se à hora marcada para a Assembléia Geral não houver quorum para sua instalação, será dado um prazo de 15(quinze) minutos para que seja atingido o quorum mínimo. Parágrafo 2: Após o prazo, a Assembléia Geral ira instalar-se com qualquer numero de membros efetivos presentes.

8 Parágrafo 3: No caso de empate nas decisões da Assembléia Geral, o Diretor Presidente será o ultimo a votar, tendo o voto de desempate. Artigo 20 A Assembléia Geral será presidida pelo Diretor Presidente da CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO, ou, no seu impedimento, Diretor Administrativo. Na ausência da Presidência, a Assembléia será presidida por um substituto legal, instituído por procuração ou indicação formal da mesma, entre os membros da Diretoria Executiva. Na ausência desta indicação ou procuração, haverá decisão, por aclamação, da Assembléia Geral, por um de seus Associados EFETIVOS, no ato da instalação. Artigo 21 Compete à Assembléia Geral: I) Discutir e deliberar sobre todo e qualquer assunto de interesse da entidade para o qual foi convocada; II) Eleger a Diretoria e os membros do Conselho Deliberativo; III) Decidir pela reforma do estatuto social; IV) Decidir sobre a extinção da entidade; V) Decidir sobre a conveniência de alienar, hipotecar ou permutar bens patrimoniais, concedendo autorização à Diretoria para tal fim; VI) Decidir sobre a organização de novas unidades da entidade; VII) Aprovar a admissão e exclusão de associados; VIII) Apreciar o relatório da Diretoria e decidir sobre a aprovação das contas e balanço anual. Parágrafo único: Para destituir administradores e alterar o Estatuto, é exigido o voto concorde de 2/3 (dois terços) dos presentes à Assembléia Geral especialmente convocada para este fim, não podendo ela deliberar em primeira convocação sem a maioria absoluta dos associados ou menos de 1/5 (um quinto) nas convocações seguinte. Capitulo VI Conselho Deliberativo. Artigo 22 O Conselho Deliberativo é o órgão de deliberação da CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO, composto por 2 (dois) professores, 3 (três) representantes da Diretoria Executiva e até 1 (um) convidado indicado pela Diretoria Executiva.

9 Artigo 23 As reuniões do Conselho Deliberativo somente serão instaladas com presença de maioria simples de seus membros e as decisões serão tomadas por maioria simples de votos, observadas as exceções estabelecidas no presente estatuto. Artigo 24 O Conselho Deliberativo reunir-se-á, pelo menos 1 (um) vez por ano civil, mediante convocação com antecedência mínima de 15 (quinze) dias. Artigo 25 Compete ao Conselho Deliberativo: a) Examinar e emitir parecer sobre as demonstrações financeiras, relatórios de atividades e orçamentos apresentados pela Diretoria Executiva, a cada reunião ordinária do conselho de Deliberativo; b) Manifestar-se sobre propostas e matérias que lhe sejam submetidas pela Diretoria Executiva; c) Deliberar sobre casos omissos neste Estatuto, por solicitação encaminhada pela Diretoria Executiva. Propor as diretrizes e orientar sobre planejamento e políticas da CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO; Capitulo VII Diretoria Executiva. Artigo 26 A Diretoria Executiva é o órgão superior de direção, planejamento, coordenação, execução e controle investidos dos poderes de administração e representação da CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO, de forma a assegurar a consecução de seus objetivos, observando e fazendo observar o presente Estatuto e as deliberações da Assembléia Geral, bem como as orientações do Conselho Deliberativo. Artigo 27 A Diretoria Executiva será composta por 6 (seis) membros, eleitos pelos membros efetivos da CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO para o mandato de um (1) ano, sendo o mandato possível de prorrogação ou recondução para o mesmo cargo ou de outro qualquer. Artigo 28 A Diretoria Executiva será composta por 1 (um) Diretor Presidente, 1 (um) Diretor Vice-Presidente, 1 (um) Diretor Administrativo- Financeiro, 1 (um) Diretor de Projetos, 1 (um) Diretor de Marketing e Relações Externas e 1 (um) Diretor de Recursos Humanos. Parágrafo único: As reuniões da Diretoria Executiva serão presididas e coordenadas pelo Diretor Presidente ou, na sua ausência, pelo Diretor

10 Administrativo-Financeiro. Na ausência de ambos, pela própria Diretoria Executiva. Parágrafo único: As decisões sobre assuntos discutidos na reunião da Diretoria Executiva serão considerados aprovados por maioria simples dos votos. Em caso de empate o voto do Diretor Presidente será considerado o de MINERVA. Artigo 29 Compete à Diretoria Executiva: a) Respeitar e fazer cumprir o presente Estatuto e o Regimento Interno da CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO; b) Executar as deliberações da Assembléia Geral e do Conselho Deliberativo; c) Coordenar os serviços prestados pela CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO; d) Estabelecer as diretrizes operacionais CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO; e) Elaborar as demonstrações financeiras, relatórios de atividades e orçamento anual; f) Receber os pedidos de prestação de serviço a terceiros, sempre levando em conta a capacidade da CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO para assumi-los, bem como seus interesses e objetivos fundamentais; g) Elaborar e aprovar as propostas de prestação de serviços e respectivos contratos; h) Requerer e providenciar todas as formalidades necessárias à obtenção de imunidades e isenções fiscais; i) Indicar substitutos de Diretores no caso de impedimentos temporários dos mesmos, sendo que, no caso do Diretor Presidente, seu substituto temporário será necessariamente o Diretor Vice-Presidente, na ausência deste o Diretor de Projetos; j) Deliberar sobre casos omissos neste Estatuto Social, por solicitação de qualquer membro; k) Criar, manter e estimular relações com entidades congêneres ou não, por meio de representação formal;

11 l) Desligar Associados EFETIVOS, HONORÁRIOS e EVENTUAIS das funções e dos cargos investidos tendo em vista comportamento inadequado. O desligamento se dará por 2/3 (dois terços) dos presentes em reunião da Diretoria Executiva. Artigo 30 Compete ao Diretor Presidente: I) Representar os Associados ativa e passivamente, em juízo ou fora dele; II) Dirigir a empresa, coordenar e fiscalizar a execução dos trabalhos das diretorias para a consecução de seus objetivos, representando a opinião do Conselho Deliberativo e Diretoria Executiva; III) Representar a Empresa Junior em atos que envolvam obrigações sociais, quando se fizer necessário; IV) Representar a Diretoria Executiva junto ao Conselho Deliberativo, quando se fizer necessário; V) Representar a Empresa Junior, junto com o Diretor Administrativo- Financeiro, perante instituições financeiras; VI) Ser responsável pelo planejamento, juntamente com as diversas áreas, definindo metas, tarefas e prazos; VII) Controlar o andamento dos trabalhos definidos no planejamento; VIII) Abrir e movimentar contas bancárias, em conjunto com o Diretor Administrativo-Financeiro, inclusive a emissão de cheques e demais documentos, autorizar as despesas e pagamentos e receber quaisquer bens e valores destinados à Empresa Junior; IX) Aplicar penalidades de sua competência, junto com a Diretoria Executiva nos casos admitidos no Estatuto e no Regime Interno; X) Apresentar em Assembléia Geral o relatório anual da Diretoria, a prestação de contas e o balanço; XI) Delegar tarefas, a fim de permitir a descentralização das decisões da CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO; XII) Encaminhar ao Professor-Orientador os contratos de prestação de serviços para a obtenção do VISTO; XIII) Responsabilizar-se, juntamente com o Diretor Administrativo-Financeiro pela gestão financeira da CESUSC - EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇÃO e, com o Diretor de Projetos pelo cumprimento dos contratos assumidos.

12 Artigo 31 - Compete ao Diretor Vice-Presidente: I) Substituir o Diretor Presidente em ocasiões e situações que o mesmo esteja impedido de comparecer ou decidir. Artigo 32 - Compete ao Diretor Administrativo - Financeiro: I) Fazer cumprir o Estatuto, o Regimento interno, as deliberações superiores bem como o plano de ação e outros atos que forem aprovados pelos órgãos competentes de sua administração; II) Determinar na esfera administrativa todos os atos necessários a boa ordem e eficiência dos serviços, bem como a disciplina pessoal; III) Assinar carta-pedido de material ou pedido de manutenção; IV) Organizar reuniões periódicas (semanais) para avaliação do funcionamento da Empresa Junior; V) Ser responsável pelo cadastro de membros associados e honorários; VI) Promover encontro periódico dos futuros associados em local e data pré-estabelecidas; VII) VIII) Preparar o expediente do escritório; Organizar coleções de regulamento, Regimentos, Instruções de serviço Internos e Externos, Contratos, Informações, arquivos de Cadastro; IX) Fazer as atas, ofícios, correspondências e documentos que lhe forem solicitados; X) Encarregar-se de todos os fluxos de recursos financeiros XI) XII) XIII) XIV) XV) XVI) XVII) XVIII) relacionados com a Empresa Júnior; Propor e incentivar a discussão sobre a destinação a curto, médio e longo prazo dos recursos captados; Apresentar relatório bimestral de prestação de contas, e torná-los públicos; Encarregar-se dos tramites legais referentes a operacionalização da Empresa Júnior; Em conjunto com o Diretor Presidente, abrir e movimentar contas bancarias, emitir cheques e demais documentos, efetuar despesas e pagamentos; Responsabilizar-se pelo patrimônio financeiros da Empresa Júnior; Demonstrar a prestação de contas de gastos de recursos e adiantamentos; Controlar todos os recibos referentes a despesas e receitas, Ter sob sua guarda os livros e documentos de natureza contábil; patrimonial e financeiras; Responsabilizar-se pelas atividades de suporte, infra-estrutura e financeira da CESUSC EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRÇAO; XIX) Acompanhar a prestação de contas de cada projeto em andamento bem como a negociação de propostas; XX) Zelar pelo fluxo interno de informações. Artigo 33 - Compete ao Diretor de Marketing e Relações Externas: I) Encarregar-se de toda publicidade relacionada à Empresa Júnior;

13 II) Divulgar a Empresa co a finalidade de captar serviços e associados à mesma; III) Coordena e disciplinar a divulgação ou propaganda de eventos através de cartazes e similares em áreas apropriadas; IV) Elaborar textos para qualquer divulgação da empresa, para folders, cartazes, panfletos, etc.; V) Tomar ciência (antecipadamente) das informações que integrarão mural; VI) Ser responsável pelo mural e seu lay-out; VII) Promover e organizar eventos, ficando responsável por sua realização (palestras, cursos e festas promocionais); VIII) Convidas palestrantes e ministrantes para eventos; IX) Elaborar calendário para os eventos; X) Emitir certificados para os participantes e manter registro dos mesmos; XI) Emissão e manutenção do cadastro dos cursos oferecidos pela Empresa Júnior. XII) Responsabilizar-se pela imagem da CESUSC EMPRESA JUMIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇAO junto ao publico interno e externo à Faculdade de Ciências Sociais de Florianópolis; XIII) Representar, juntamente ou com a delegação de outros Diretores a Empresa Júnior em eventos do interesse desta; XIV) Definir as estratégias de marketing da CESUSC EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇAO. Artigo 34 - Compete ao Diretor de Projetos I) Recepcionar e atender clientes; II) Supervisionar projetos; III) Indicar diretrizes para marketing de projetos; IV) Instruir e auxiliar os consultores juniores nos projetos; V) Apresentar os resultados dos projetos; VI) Participar da formação de grupos de trabalho; VII) Ter responsabilidade quanto à qualidade dos projetos realizados; VIII) Relatar as atividades para a Diretoria Executiva por ocasião de reuniões; IX) Visitar clientes; X) Realizar convênios com Institutos, Associações, Órgãos Municipais, Estaduais e Federais, para a realização de projetos; XI) Ser responsável quanto a emissão e cadastramento dos certificados de participação nos projetos; XII) Intermediar convênios para realizações de projetos; XIII) Responsabilizar-se pela elaboração dos projetos da CESUSC EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇAO, submetendo-os à apreciação do Professor-Orientador antes da prestação de serviço; XIV) Realizar contatos, juntamente com o Diretor de Marketing e Relações Externas.

14 Artigo 35 Compete ao Diretor de Recursos Humanos: I) Participar das atividades da CESUSC EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇAO e possuam o perfil desejado; II) Realizar cursos de aprimoramento profissional, procurando capacitar os alunos para o mercado de trabalho, bem como para os projetos externos e internos; III) Fazer avaliações de consultores, gerentes e orientadores de projetos de consultoria, bem como a avaliação de assessores e diretores; IV) Contatar os clientes internos, cadastrados e demais alunos, que tinham interesse em conhecer e/ou participar das atividades da CESUSC EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇAO; V) Coordenar projetos internos juntamente com o Diretor de Marketing; VI) Aplicar os questionários de Avaliação e Satisfação do cliente. Artigo 36 Em quaisquer atos que envolvam obrigações sociais, inclusive assinatura de contrato, emissão de cheque e ordens de pagamento a CESUSC EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇAO será representada pelo Diretor Presidente e Diretor Financeiro. Capitulo VIII Das Eleições. Artigo 37 Os membros da Diretoria Executiva e Conselho Deliberativo são eleitos por membros efetivos da CESUSC EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇAO em eleições realizadas em Assembléia Geral para este fim. Artigo 38 O edital de convocação da Assembléia Geral de eleições deve ser publicado com no mínimo 30 (trinta) dias de antecedência à data da eleição. Artigo 39 Cabe à Diretoria Executiva designar a Comissão Eleitoral, composta de 1 (um) Presidente e 1 (um) secretário, escolhidos entre os membros efetivos. Artigo 40 Todo membro efetivo pode candidatar-se a um cargo na Diretoria Executiva ou no Conselho Deliberativo sendo a eleição realizada por voto secreto que será apresentado em cédula rubricada pela Comissão Eleitoral, com a indicação do candidato de preferência do eleitor.

15 Artigo 41 No caso de empate, o vencedor será aquele na fase mais adiantada. Artigo 42 As impugnações no processo eleitoral serão apreciadas pela Diretoria Executiva se apresentadas por escrito no prazo máximo de 48 (quarenta e oito) horas após a divulgação dos resultados e devem ser encaminhadas ao presidente da comissão organizadora. Artigo 43 Os candidatos indicados para concorrer a um dos cargos da Diretoria Executiva, deverão registrar-se junto à Comissão Eleitoral, com no mínimo 15 (quinze) dias úteis de antecedência. Parágrafo único: Os processos de eleições ocorreram nos moldes do TRE. Capitulo IX Disposições gerais. Artigo 44 O exercício social coincidirá com o ano civil. Artigo 45 Os resultados financeiros da CESUSC EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇAO que se verificarem ao final de cada exercício social serão compulsoriamente reinvestidos nas atividades por elas conduzidas. Artigo 46 É vedada a remuneração aos integrantes do Conselho Deliberativo e da Diretoria Executiva. Parágrafo único: Os gerentes de projetos e consultores receberão da CESUSC EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇAO reembolso referente aos custos incorridos nos mesmos. Artigo 47 Os membros efetivos que se formarem no exercício dos seus mandatos, poderão exercê-las até o final, de toda forma, torna-se preferencial a não eleição de pessoas que se graduarem no meio do mandato. Artigo 48 A CESUSC EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇAO será extinta a qualquer tempo por deliberação de 2/3 (dois terços) do total dos Associados EFETIVOS, juntamente com os integrantes do Conselho Administrativo, em Assembléia Geral convocada especialmente para este fim. Artigo 49 O presente Estatuto somente poderá ser modificado em Assembléia Geral, a qualquer tempo, por pelo menos 2/3 (dois terços) dos membros efetivos.

16 Artigo 50 A organização interna da CESUSC EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇAO será dada pelo Regime Interno da mesma. Parágrafo único: Os membros da CESUSC EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA DE ADMINISTRAÇAO não respondem, mesmo que subsidiariamente, pelas obrigações sociais. Florianópolis, 19 de setembro de 2005.

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE FATEC JÚNIOR PRAIA GRANDE CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO. Artigo 1º - A Empresa Júnior dos alunos da Faculdade

Leia mais

FUNDAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL FACULDADE CAMAQÜENSE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS ESTATUTO SOCIAL

FUNDAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL FACULDADE CAMAQÜENSE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS ESTATUTO SOCIAL FUNDAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL FACULDADE CAMAQÜENSE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS FACJÚNIOR EMPRESA JÚNIOR DA FACCCA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I, DENOMINAÇÃO, SEDE,

Leia mais

Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José

Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José Capítulo 1. Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1º A Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR Capitulo I - Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1 - A associação civil tem com a denominação social: FAI JÚNIOR, e como o titulo do estabelecimento a expressão

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA

ESTATUTO SOCIAL DA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA ESTATUTO SOCIAL DA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA Capítulo I Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1 A Empresa Júnior FABAVI Vitória é uma associação sem fins lucrativos e com prazo de duração

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE AMAMBAI ASSEAMA FACULDADE DE AMAMBAI - MS

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE AMAMBAI ASSEAMA FACULDADE DE AMAMBAI - MS ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE AMAMBAI ASSEAMA FACULDADE DE AMAMBAI - MS ESTATUTO SOCIAL DA FIAMA EMPRESA JÚNIOR AMAMBAI MS 2010 FIAMA -Empresa Júnior Rua Padre Anchieta, 202 Amambai-MS 2 EMPRESA JUNIOR Visando

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS Artigo 1º O Centro de Referência em Informação Ambiental com sede e foro na cidade de Campinas na Avenida Romeu Tortima 388, Cidade Universitária, é uma sociedade

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos Versão Final NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO Capítulo I Da entidade e seus objetivos Art. 1º - O NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL, é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

Estatuto da Associação de Pais e Professores do

Estatuto da Associação de Pais e Professores do CNPJ: 82.898.404/0001-09 Estatuto da Associação de Pais e Professores do CENTRO EDUCACIONAL MENINO JESUS Fundada em 1973, Florianópolis/SC C A P Í T U L O I Da Associação e seus fins Art. 1º. - A Associação

Leia mais

PCJ - PIO XII CONSULTORIA JÚNIOR. Estatuto

PCJ - PIO XII CONSULTORIA JÚNIOR. Estatuto PCJ - PIO XII CONSULTORIA JÚNIOR Estatuto Capítulo I - Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1 - A PCJ - PIO XII CONSULTORIA JÚNIOR é uma associação civil sem fins lucrativos, com fins educativos,

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA GERIATRIA E GERONTOLOGIA - LIG Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS TÍTULO I DO CENTRO E SEUS FINS Artigo 1 O Centro de Gestão e Tratamento de Resíduos Químicos é um órgão auxiliar, de natureza técnica e científica,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES Art. 1º A Associação dos Moradores e Adquirentes do Condomínio Alto da Boa Vista é uma sociedade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1.º - O Conselho Fiscal do Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor- FAPS, criado

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais)

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE, DURAÇÃO Art. 1.º A SOCIEDADE DE AMIGOS DA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso CMI de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº 1754,

Leia mais

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º A Associação Brasileira de Patchwork e Quilt, doravante designada ABPQ, é uma sociedade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO Art. 1º - O presente Regimento tem por finalidade estabelecer normas para o funcionamento do Conselho Deliberativo da Associação Atlética Banco do Brasil São

Leia mais

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ)

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Capítulo I Da Associação Art. 1º - A Associação Cecília e João (ACJ), entidade de personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede em

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o - A (o) também designada (o) pela sigla, (se usar sigla), fundada (o) em de de é uma associação, sem

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. I. Capítulo - Denominação, Sede, Finalidade, Duração.

ESTATUTO SOCIAL. I. Capítulo - Denominação, Sede, Finalidade, Duração. Página 1 de 8 I. Capítulo - Denominação, Sede, Finalidade, Duração. ARTIGO 1 - A EJ ESTÁCIO, Associação dos acadêmicos da Faculdade Estácio de Sá de Goiás. É uma associação civil, sem fins lucrativos,

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº.1478-R de 14 de Abril de 2005 Regulamenta a Lei Complementar nº290, de 23 de junho de 2004, publicada no Diário Oficial do Estado em 25 de junho de 2004, que dispõe sobre a criação da Fundação

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I DA SOCIEDADE, DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, PRAZO E FINALIDADES Artigo 1 - A Comissão Estadual de Residência Médica

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

COLEGIADO DE FISCAIS DE TRIBUTOS, AUDITORES FISCAIS E TÉCNICOS DA TRIBUTAÇÃO DA AMOSC REGIMENTO INTERNO

COLEGIADO DE FISCAIS DE TRIBUTOS, AUDITORES FISCAIS E TÉCNICOS DA TRIBUTAÇÃO DA AMOSC REGIMENTO INTERNO COLEGIADO DE FISCAIS DE TRIBUTOS, AUDITORES FISCAIS E TÉCNICOS DA TRIBUTAÇÃO DA AMOSC REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º O Colegiado de Fiscais de Tributos, Auditores

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS Capítulo I Da denominação e sede Art. 1º A Associação dos Amigos do Hospital Materno-Infantil Presidente Vargas,

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO. Título I Da finalidade, sede e duração

SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO. Título I Da finalidade, sede e duração SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO Título I Da finalidade, sede e duração Art. 1º. A Seção Sindical dos Docentes da Universidade Estadual de Ponta Grossa, fundada

Leia mais

CONSELHO DE ÓRGÃOS MUNICIPAIS INTEGRADOS AO SISTEMA NACIONAL DE TRÂNSITO (COMITRA) REGIMENTO INTERNO

CONSELHO DE ÓRGÃOS MUNICIPAIS INTEGRADOS AO SISTEMA NACIONAL DE TRÂNSITO (COMITRA) REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ÓRGÃOS MUNICIPAIS INTEGRADOS AO SISTEMA NACIONAL DE TRÂNSITO (COMITRA) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º. O Conselho de Órgãos Municipais Integrados

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS ARTIGO 1º (Constituição) A Associação dos Antigos Alunos e Amigos da Escola Secundária de Leal da Câmara,

Leia mais

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º O Clube de Seguros de Pessoas e Benefícios do Estado

Leia mais

Liga Acadêmica de Diabetes Estatuto

Liga Acadêmica de Diabetes Estatuto Liga Acadêmica de Diabetes Estatuto Capítulo I - Título, sede. Capítulo II - Finalidades da Liga de Diabetes. Capítulo III - Dos membros: direitos; deveres; código disciplinar. Capítulo IV - Dos órgãos

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO I V S E M I N Á R I O D E E X E C U Ç Ã O F I N A N C E I R A D E P R O J E T O S F I N A N C I A D O S C O M R E C U R S O S E X T E R N O S MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE

Leia mais

Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural Comitê Gestor REGIMENTO INTERNO

Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural Comitê Gestor REGIMENTO INTERNO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural Comitê Gestor REGIMENTO INTERNO (aprovado na 49ª Reunião do Comitê realizada em 11 de abril de 2013) CAPÍTULO I Do

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI Reconhecida pela SEC/SC - Portarias 0390/86 e 0424/92 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E PROFESSORES DA ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI-ETEVI-FURB-BLUMENAU-SC CAPÍTULO I

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS Regimento Interno da ANPAP Aprovado na Assembleia Geral Extraordinária realizada no dia 19 de outubro de 2013, durante o XXII Encontro Nacional

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I Natureza, Finalidade, Sede e Foro Art. 1º - A Comissão Nacional de Residência em Enfermagem - CONARENF, criada pela Portaria

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ)

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO Art. 1 - A Associação Nacional de Pesquisa

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA JUNIOR, Trópicos.

ESTATUTO DA EMPRESA JUNIOR, Trópicos. ESTATUTO DA EMPRESA JUNIOR, Trópicos. CAPÍTULO I:. Da Denominação, sede, Finalidade e Duração: Art. 1º - A EMPRESA JUNIOR DE ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI/ CAMPUS DE PICOS, doravante

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e, DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013 Cria a Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S/A RIOSAÚDE e aprova seu Estatuto. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º O Colegiado Estadual de Procuradores e Advogados Municipais de Santa Catarina, que passará a utilizar com exclusividade a denominação

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO II

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - AMMAR CAPÍTULO II ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃQ, SEDE, OBJETIVOS E DURAÇÃO Art.1 - Sob a denominação de AMMAR - Associação dos Moradores da Marina Porto

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração Art. 1º - A Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas,

Leia mais

DO ORGANOGRAMA DAS DIRETORIAS DA ABA DA SUBSEÇÃO NACIONAL As diretorias Executivas da ABA, Nacional, Estadual e Regional, dividem-se em dois grupos,

DO ORGANOGRAMA DAS DIRETORIAS DA ABA DA SUBSEÇÃO NACIONAL As diretorias Executivas da ABA, Nacional, Estadual e Regional, dividem-se em dois grupos, DO ORGANOGRAMA DAS DIRETORIAS DA ABA DA SUBSEÇÃO NACIONAL As diretorias Executivas da ABA, Nacional, Estadual e Regional, dividem-se em dois grupos, sendo um grupo de Diretores Administrativos e um grupo

Leia mais

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET.

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO ART. 1 o - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO,

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 A PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA (CNRM), no uso de sua atribuições previstas no art. 5.º do Decreto n.º 80.281, de 05 de setembro de 1977, e considerando o

Leia mais

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração CEMIG TRADING S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 29-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 12-08-2002, sob o nº 3130001701-0, e pelas Assembléias

Leia mais

CONPAVET CONSULTORIA, PROJETOS E ASSISTÊNCIA

CONPAVET CONSULTORIA, PROJETOS E ASSISTÊNCIA 1 ESTATUTO CONPAVET CONSULTORIA, PROJETOS E ASSISTÊNCIA VETERINÁRIA TÍTULO I - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO. Art. 1º A Empresa Júnior dos Cursos de Medicina

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

ESTATUTO DA ANPTECRE

ESTATUTO DA ANPTECRE ESTATUTO DA ANPTECRE ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM TEOLOGIA E CIÊNCIAS DA RELIGIÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA, SEDE, DURAÇÃO Art. 1º A ANPTECRE Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa

Leia mais

ESTATUTO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO CAPÍTULO II DAS FINANÇAS

ESTATUTO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO CAPÍTULO II DAS FINANÇAS ESTATUTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO Art. 1 o. Sob a denominação APA de Jaboticabal - Associação Protetora dos Animais de Jaboticabal - fica fundada nesta cidade, onde terá sua sede,

Leia mais

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art.1º A Diretoria Regional (DR) da SBEM-RN é órgão executivo

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

NÚCLEO ESTUDANTIL DO CREA-MG JÚNIOR DE SÃO JOÃO DEL-REI CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE DO CREA-MG JÚNIOR

NÚCLEO ESTUDANTIL DO CREA-MG JÚNIOR DE SÃO JOÃO DEL-REI CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE DO CREA-MG JÚNIOR CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE DO CREA-MG JÚNIOR Art. 1º - O Núcleo Estudantil do CREA-MG Júnior de São João del-rei ou CREA-MG Júnior de São João del-rei é serviço público, com sede na jurisdição

Leia mais

CENTRO ACADÊMICO IAG PAULO MARQUES DOS SANTOS C.A.P.M.S. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E SEUS FINS

CENTRO ACADÊMICO IAG PAULO MARQUES DOS SANTOS C.A.P.M.S. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E SEUS FINS CENTRO ACADÊMICO IAG PAULO MARQUES DOS SANTOS C.A.P.M.S. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E SEUS FINS Artigo 1º. O Centro Acadêmico IAG Paulo Marques dos Santos C.A.P.M.S. dos estudantes de Geofísica

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º A Associação Piranguçuense de Artesanato, doravante denominada APA, fundada em 04 de outubro de 2008, é

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL II REUNIÃO DO CONSELHO DAS AUTORIDADES CENTRAIS BRASILEIRAS RESOLUÇÃO N.º 02/ 2000 Dispõe sobre a Aprovação do Regimento Interno e dá outras providências O Presidente do Conselho das Autoridades Centrais

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º O Colegiado de Curso é órgão consultivo, normativo, de planejamento acadêmico e executivo, para os assuntos de política de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS DE LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS DE LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS DE LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos Artigo 1º - O Comitê de Pessoas ( Comitê ) de Lojas Renner S.A. ( Companhia ), órgão estatutário, de caráter consultivo

Leia mais

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P Legenda: Texto em negrito: cláusulas que devem necessariamente constar do estatuto, por força da Lei nº 9.790/99 Texto em

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO Capítulo I da Finalidade Art. 1o. - Este Regimento Interno complementa e disciplina disposições do Estatuto da Associação Brasileira de Manutenção

Leia mais

ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO OBASP

ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO OBASP ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO DA ASSOCIAÇÃO E SEUS FINS OBASP Art 1º - A ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO também designado pela sigla OBASP, é uma pessoa jurídica

Leia mais

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres ESTATUTO CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02 CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres pág.03 CAPÍTULO III Dos órgãos da Associação e sua administração pág.06

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Comissão Permanente de Propriedade Intelectual RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

Leia mais

REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA PARA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS - CEEA/FACTO

REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA PARA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS - CEEA/FACTO REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA PARA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS - CEEA/FACTO A Faculdade Católica do Tocantins, em cumprimento ao disposto na Lei Federal 11794 de 08 de outubro

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião do Conselho de Centro do dia 15.03.2007. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão 1 ARTIGO Artigo 1º - NATUREZA, OBJETO E APROVAÇÃO DO REGIMENTO INTERNO Artigo 2º - COMPOSIÇÂO, CARGOS E MANDATOS Artigo 3º - DA PRESIDÊNCIA E SECRETARIADO

Leia mais

"DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta "DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO Este Regimento Interno dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS

MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º A FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS -

Leia mais

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução PÁGINA 1 DE 7 DO PÁGINA 1 DE 7 DO CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87 Comitê de Auditoria Estatutário Regimento Interno Capítulo I Introdução Artigo 1º. O Comitê de Auditoria Estatutário ( Comitê ou CAE ) da

Leia mais

Estatuto Social da Associação Braileira de Redistribuição de Excedentes

Estatuto Social da Associação Braileira de Redistribuição de Excedentes Estatuto Social da Associação Braileira de Redistribuição de Excedentes I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETIVOS e DURAÇÃO Art. 1º. A Associação Brasileira de Redistribuição de Excedente, também designada pela sigla

Leia mais

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DE GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DA UTFPR RESOLUÇÃO

Leia mais

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI I - DA DENOMINAÇÃO,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES do LOTEAMENTO TURISTICO ANDURALUA II

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES do LOTEAMENTO TURISTICO ANDURALUA II ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES do LOTEAMENTO TURISTICO ANDURALUA II O presente Estatuto foi elaborado em conformidade com a Lei 10.406 de 2002 Novo Código Civil. ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES..., doravante simplesmente

Leia mais

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES.

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES. REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES Seção I Da Natureza e Finalidade das Inspetorias Art. 1º A Inspetoria

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR MERCANDO. Capítulo I Da denominação, sede, finalidade e duração

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR MERCANDO. Capítulo I Da denominação, sede, finalidade e duração ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR MERCANDO Capítulo I Da denominação, sede, finalidade e duração Art. 1 o A Empresa Júnior é uma associação civil, educativa, multidisciplinar e sem fins econômicos, com prazo

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA ESCOLA DE ARTES VISUAIS-AM EAV

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA ESCOLA DE ARTES VISUAIS-AM EAV c A ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA ESCOLA DE ARTES VISUAIS-AM EAV ADAPTAÇÃO AO CÓDIGO CIVIL LEI N" 10.406/2002 DESIGNAÇÃO E SEDE Artigo Io - A associação terá a denominação de Associação dos Amigos

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: Art. 01º - A Associação de Promoção à Assistência Social, Educacional e de Desenvolvimento Econômico de Goiás,

Leia mais

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º O Clube de Seguros de Pessoas e Benefícios do Estado

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 Dispõe sobre a composição, o funcionamento e as atribuições dos Comitês Gestores do Código

Leia mais

GET - GRUPO DE ESTUDOS EM TRANSPORTES, ASSOCIAÇÃO CIENTIFICA. Estatutos. Versão aprovada em assembleia geral de 5 de Janeiro de 2007

GET - GRUPO DE ESTUDOS EM TRANSPORTES, ASSOCIAÇÃO CIENTIFICA. Estatutos. Versão aprovada em assembleia geral de 5 de Janeiro de 2007 GET - GRUPO DE ESTUDOS EM TRANSPORTES, ASSOCIAÇÃO CIENTIFICA Estatutos Versão aprovada em assembleia geral de 5 de Janeiro de 2007 Capítulo I Da denominação, dos fins e da sede da Associação Artigo 1º

Leia mais

Apresentação. Caicó/RN 2010

Apresentação. Caicó/RN 2010 Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Católica Santa Teresinha CPA/FCST (Aprovado pela Resolução 001/2010-DG/FCST, datado de 14/07/2010) Caicó/RN 2010 Apresentação O Regimento

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

A Associação é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos e durará por tempo indeterminado.

A Associação é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos e durará por tempo indeterminado. ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DIABÉTICO FEIRA Artigo 1º A associação denomina-se ASSOCIAÇÃO DIABÉTICO FEIRA, com sede no Hospital de São Sebastião, EPE,, concelho de Santa Maria da Feira, podendo ser transferida

Leia mais

NÚCLEO DE JOVENS EMPREENDEDORES DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE SUZANO CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES

NÚCLEO DE JOVENS EMPREENDEDORES DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE SUZANO CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES 1 NÚCLEO DE JOVENS EMPREENDEDORES DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE SUZANO CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1 o O Núcleo de Jovens Empreendedores da Associação Comercial e Empresarial de Suzano

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS. CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete.

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS. CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete. Artigo 1º - A ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS, doravante, neste estatuto, denominada pelo

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ. Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ. Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objetivos e Duração. Art 1 - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ (ABEBÊ) foi constituída

Leia mais

COMITÊ DA CONTA TFCA

COMITÊ DA CONTA TFCA COMITÊ DA CONTA TFCA REGIMENTO Título Das disposições INTERNO I preliminares Art. 1 - O Comitê da Conta TFCA é um órgão colegiado de caráter deliberativo, instituído pela Portaria 398, de 21 de outubro

Leia mais

GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O GRUPO DE AJUDA À CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO também designado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Conselho Municipal de Planejamento Urbano, criado pela Lei Complementar nº 510,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ)

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ) REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ) CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADES Art 1º. A Fundação Instituto Tecnológico de Joinville, doravante denominada FITEJ, entidade

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO Nº. 073/12-COGEP de 07/12/12 Curitiba

Leia mais