ESTUDO DA ENERGIA EÓLICA PARA APROVEITAMENTO EM PEQUENOS EMPREENDIMENTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DA ENERGIA EÓLICA PARA APROVEITAMENTO EM PEQUENOS EMPREENDIMENTOS"

Transcrição

1 ESTUDO DA ENERGIA EÓLICA PARA APROVEITAMENTO EM PEQUENOS EMPREENDIMENTOS Study Of Wind Energy For Development In Small Enterprises Filipe G. RAMOS Nelson SEIDLER RESUMO A busca por energias renováveis se dá devido à segurança no fornecimento de energia. E lugares remotos e distantes da rede de transmissão onde podem ser usados aero geradores de pequeno porte isoladamente e também a obrigação de proteger o ambiente. Sua degradação é acentuada pelo uso de combustíveis fósseis e as grandes alterações na paisagem provocadas pelas usinas hidrelétricas, tais como os desmatamentos e inundações de áreas verdes e o deslocamento de moradores da região. Pensando nisso a URI está desenvolvendo um estudo de energia eólica para aproveitamento em pequenos empreendimentos, onde foram analisados as condições de ventos da região, também como a temperatura e a umidade relativa do ar em relação as velocidades do ar. Palavras-chave: Energia Eólica, Aero Geradores, Pequenos Empreendimentos. ABSTRACT The search for renewables energy is due to security of supply of energy. There are remote places and distant from transmission network where can be use small aero generators isolated and also the obligation to protect the environment. It is degradation is accentuated by use of fossil fuels and the great changes in the landscape caused for hydroelectric plants, such as the deforestations and flood of green areas and the displacement of local residents. Thinking about it URI is developing a study of wind power to use in small business, where were analyzed the wind conditions in the region, also as the temperature and relative humidity for the air speeds. Keywords: Wind energy, aero generators, small enterprises 1 INTRODUÇÃO O consumo energético mundial está em franca expansão. Pode trazer inúmeros benefícios como movendo eletrodomésticos, base no uso industrial, trazendo comodidade, lazer, responsável pelo progresso e geração de renda. Grande parte desta energia é gerada por hidroelétricas, termoelétricas e energia nuclear, consumindo carvão, lenha, petróleo ou até minerais radioativos, gerando muitas vezes resíduos altamente prejudiciais ao meio ambiente. Vivências. Vol.7, N.13: p , Outubro/

2 Visando a não agressão ambiental estão em evidência métodos de geração de energia limpa e entre as quais pode ser citada a energia eólica. Muitas nações estão visualizando a potencialidade deste tipo de energia, com fortes investimentos futuros. O desenvolvimento de aero geradores sempre teve uma forte concorrência com outras fontes de energia, principalmente de combustíveis fósseis que, com o surgimento de novas reservas, tornaram-se mais viáveis e competitivos economicamente, contribuindo assim, para o abandono de diversos projetos de aero geradores. Nos últimos anos essa história mudou, a preocupação com a escassez de recursos naturais não-renováveis e o desenvolvimento sustentável vem incentivando cada vez mais o crescimento da energia eólica. O Brasil apresenta grande perspectiva de utilização deste tipo de energia, pois a costa litorânea brasileira e algumas regiões interioranas apresentam boas perspectivas de geração de energia eólica, com ventos constantes de boa velocidade. Alguns investimentos foram realizados e estão em fase de produção e outros investimentos previstos no programa de desenvolvimento energético brasileiro. Por mais que hajam investimentos, ainda observa-se a dificuldade de acesso a esta tecnologia. Nestas últimas décadas é que universidades iniciaram de forma mais aguda pesquisas de desenvolvimento tecnológico na área, gerando mão de obra especializada. Nossa universidade também não pode ficar de fora e através do Grupo de Estudos em Materiais e Sistemas GEPEMASI criou uma nova linha de pesquisa sobre Energias alternativas. Com este projeto pretendo iniciar uma longa caminhada em estudos da geração destas energias, iniciando pela eólica. Contatos com doutores e mestres, engenheiros eletricistas e técnicos foram realizados com o objetivo de desenvolver um núcleo de pesquisa, com apoio inclusive de empresas, instituições até a nível internacional, com a participação de professores da Universidad Nacional de Misiones - UNAM, na Argentina, que possui experiência na área há muitos anos, na construção de pequenas centrais hidroelétricas, como também nas energias alternativas, como a eólica e solar. Procurando conhecer a tecnologia e aperfeiçoá-la é que se pretende desenvolver este núcleo de pesquisa, publicar artigos em eventos a nível nacional, colocando a disposição da comunidade regional esta tecnologia que poderá ser aplicada em residências urbanas e em propriedades rurais, trazendo benefícios na redução do consumo e na produção de energias limpas, capazes de auxiliar na qualidade de vida e no desenvolvimento regional, justificando-s plenamente a proposta desta pesquisa, na divulgação do conhecimento a nível de terceiro e segundo graus. 2 ENERGIA EÓLICA A energia eólica é a energia que provém do vento, uma abundante fonte de energia, limpa, renovável e disponível em todos os lugares. O termo eólico vem do latim aeolicus, pertencente ou relativo a Éolo, Deus dos ventos na mitologia grega e, portanto, pertencente ou relativo ao vento. A energia eólica tem sido aproveitada desde a antiguidade para mover os barcos impulsionados por velas ou para fazer funcionar a engrenagem de moinhos, ao mover as suas pás. Nos moinhos de vento a energia eólica era transformada em energia mecânica, utilizada na moagem de grãos ou para bombear água. Os moinhos foram usados para fabricação de farinhas e ainda para Vivências. Vol.7, N.13: p , Outubro/

3 drenagem de canais, sobretudo nos Países Baixos. O ressurgimento das energias renováveis dá-se a partir dos choques petrolíferos da década de 70. Por um lado, a necessidade de assegurar a diversidade e segurança no fornecimento de energia e, por outro lado, a obrigação de proteger o ambiente, cuja degradação é acentuada pelo uso de combustíveis fósseis, motivaram o renovado interesse pelas renováveis. Na seqüência do choque petrolífero muitos países iniciaram pesquisas e programas para o aproveitamento da energia do vento. Nos últimos anos a energia eólica registrou uma verdadeira evolução, sendo que seu crescimento de 1998 até 2007 aumentou em cerca de 10 vezes a capacidade de geração de energia. Na atualidade utiliza-se a energia eólica para mover aero geradores - grandes turbinas colocadas em lugares de muito vento. Essas turbinas têm a forma de um cata- vento ou um moinho, porém as hélices de uma turbina de vento são diferentes das lâminas dos antigos moinhos porque são mais aerodinâmicas e eficientes. As hélices tem o formato de asas de aviões e usam a mesma aerodinâmica. O movimento, através de um gerador, produz energia elétrica. Precisam agrupar-se em parques eólicos, concentrações de aero geradores, necessários para que a produção de energia se torne rentável, mas podem ser usados isoladamente, para alimentar localidades remotas e distantes da rede de transmissão. É possível ainda a utilização de aero geradores de baixa tensão quando se trata de requisitos limitados de energia elétrica. A quantidade de eletricidade que pode ser gerada pelo vento depende de quatro fatores: Quantidade de vento que passa pela hélice, diâmetro da hélice, dimensão do gerador e rendimento de todo sistema. Apesar de não queimarem combustíveis fósseis e não emitirem poluentes, fazendas eólicas não são totalmente desprovidas de impactos ambientais. Elas alteram paisagens com suas torres e hélices e podem ameaçar pássaros se forem instaladas em rotas de migração. Emitem um certo nível de ruído, que pode causar algum incômodo. Além disso, podem causar interferência na transmissão de televisão. Outro problemas que pode ser citado é que em regiões onde o vento não é constante, ou a intensidade é muito fraca, obtêm-se pouca energia e quando ocorrem chuvas muito fortes,há desperdício de energia. 2.1 Geração de Energia Eólica O funcionamento de uma turbina eólica envolve vários campos do conhecimento, incluindo meteorologia, aerodinâmica, eletricidade, controle, bem como a engenharias civil, mecânica e estrutural. O princípio de funcionamento baseia-se na conversão da energia cinética, que é resultante do movimento de rotação causado pela incidência do vento nas pás do rotor da turbina, em energia. As pás das máquinas modernas são dispositivos aerodinâmicos com perfis especialmente desenvolvidos, equivalentes às asas dos aviões, e que funcionam pelo princípio físico da sustentação, como mostra a figura 1. Vivências. Vol.7, N.13: p , Outubro/

4 Figura 1 - Funcionamento de uma turbina eólica. [Fonte: A turbina eólica para geração de energia elétrica é composta pelos seguintes subconjuntos: Torre - é o elemento que sustenta o rotor e a nacele na altura adequada ao funcionamento da turbina eólica, esse item estrutural de grande porte é de elevada contribuição no custo inicial do sistema. Rotor - é o componente que efetua a transformação da energia cinética dos ventos em energia mecânica de rotação. No rotor são fixadas as pás da turbina. Todo o conjunto é conectado a um eixo que transmite a rotação das pás para o gerador, muitas vezes, através de uma caixa multiplicadora. Nacele - é o compartimento instalado no alto da torre e que abriga todo o mecanismo do gerador, o qual pode incluir: caixa multiplicadora, freios, embreagem, mancais, controle eletrônico, sistema hidráulico. Caixa de multiplicação (transmissão) é o mecanismo que transmite a energia mecânica do eixo do rotor ao eixo do gerador. Gerador é o componente que tem função de converter a energia mecânica do eixo em energia elétrica. Mecanismos de controle as turbinas eólicas são projetadas para fornecerem potência nominal de acordo com a velocidade do vento prevalecente, ou seja, a velocidade média nominal que ocorre com mais freqüência durante um determinado período. Anemômetro - Mede a intensidade e a velocidade dos ventos, normalmente, de 10 em 10 minutos. Pás do rotor Captam o vento e convertem sua potência ao centro do rotor. Biruta (sensor de direção) São elas que captam a direção do vento, pois ele deve estar perpendicular à torre para se obter um maior rendimento. A figura 2 demonstrando as partes de uma turbina eólica. Vivências. Vol.7, N.13: p , Outubro/

5 Figura 2 - Componentes de uma turbina eólica. [Fonte: Os equipamentos que compõem um sistema eólico autônomo para geração de energia elétrica são: Turbina eólica já descrita, a partir da energia cinética dos ventos, funciona como gerador de energia elétrica; Banco de baterias - composto por uma ou mais baterias, normalmente, baterias Chumboácido 12 v seladas; funciona como elemento armazenador de energia elétrica para uso durante os períodos de calmaria, quando não há disponibilidade de vento; Controlador de carga dispositivo eletrônico que protege as baterias contra sobrecarga ou descarga excessiva; Inversor dispositivo eletrônico que converte a energia elétrica em corrente contínua (CC) para corrente alternada (CA), de forma a permitir a utilização de eletrodomésticos convencionais. Alguns sistemas pequenos não empregam inversores e utilizam cargas, como luminárias, TV, alimentadas diretamente por corrente contínua (CC). Aqui se considera que a turbina eólica já produz energia em um nível de tensão CC compatível com o do banco de baterias; caso contrário é ainda necessários outros dispositivos para efetuar a conversão. A figura 3 mostra um sistema eólico. Figura 3 - Sistema eólico Fonte [www.pucrs.br]. Vivências. Vol.7, N.13: p , Outubro/

6 2.2 Mapeamento do Vento Para a avaliação do potencial eólico de uma região é necessário a coleta de dados dos ventos com precisão e qualidade, capaz de fornecer um mapeamento eólico da região. No mundo, a geração eólio-elétrica expandiu-se de forma acelerada ao longo da última década, atingindo a escala de gigawatts. Um dos fatores limitantes para empreendimentos eólicos tem sido a falta de dados consistentes e confiáveis. Uma parte significativa dos registros anemométricos disponíveis pode ser mascarada por influências aerodinâmicas de obstáculos, relevo e rugosidade. A disponibilidade de dados representativos é importante no caso brasileiro, que ainda não explorou esse recurso abundante e renovável de forma expressiva. Com o objetivo de fornecer dados identificando áreas adequadas para a exploração de energia eólica e auxiliar na tomada de decisões foi criado o Atlas do Potencial Eólico Brasileiro. O atlas foi desenvolvido a partir de um sistema de softwares chamado MesoMap, um software de modelamento numérico de ventos na superfície. Esse sistema simula a dinâmica atmosférica dos regimes de vento e variáveis meteorológicas correlatas, a partir de amostragens representativas de um banco de dados validado para o período 1983/1999. O sistema inclui condicionantes geográficas como o relevo, a rugosidade induzida por classes de vegetação e uso do solo, as interações térmicas entre a superfície terrestre e a atmosfera, inclusive efeitos do vapor d'água presente. Essas simulações são balizadas por referências existentes, tais como grades de dados meteorológicos resultantes de reanálises, radiossondagens, vento e temperatura medidos sobre o oceano e medições de vento de superfície já realizadas regionalmente no Brasil. Entre estas últimas, foram selecionadas apenas as medições com qualidade adequada para referenciar o modelo ou referências coerentes representativas de grandes áreas. Embora o mercado de usinas eólicas esteja em crescimento no Brasil, ele já movimenta dois bilhões de dólares no mundo. Existem 30 mil turbinas eólicas de grande porte em operação no mundo, com capacidade instalada da ordem de MW. Os campeões de uso dos ventos são a Alemanha, a Dinamarca e os Estados Unidos, seguidos pela Índia e a Espanha. A energia eólica pode garantir 10% das necessidades mundiais de eletricidade até 2020, pode criar 1,7 milhões de novos empregos e reduzir a emissão global de dióxido de carbono na atmosfera em mais de 10 bilhões de toneladas Energia Eólica no Brasil O potencial eólico brasileiro para aproveitamento energético tem sido objeto de estudos e inventários desde os anos 70 e o seu histórico revela o lento mas progressivo descortina mento de um potencial energético natural de relevante magnitude existente no país. Embora ainda haja divergências entre especialistas e instituições na estimativa do potencial eólico brasileiro, vários estudos indicam valores extremamente consideráveis. Esses estudos indicaram a tendência a velocidades maiores de vento no litoral brasileiro e também em áreas do interior favorecidas por relevo e baixa rugosidade. O mapeamento por isolinhas das velocidades médias indicou a tendência a velocidades médias a 10,00 m de altura e também possibilitou identificar locais com médias anuais entre 5 m/s e 6 m/s. Com a aceleração mundial do aproveitamento eólio-elétrico em escala, a instalação das primeiras usinas eólicas no Brasil, no final da década de 1990, iniciaram-se as primeiras medições anemométricas especificas para estudos de viabilidade, com uso de torres de 30,00 50,00 m e Vivências. Vol.7, N.13: p , Outubro/

7 equipamentos com precisão e procedimentos requeridos para a finalidade. Essas medições concentram-se inicialmente nos Estados do Pará, Ceará, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. No âmbito nacional, o estado do Ceará destaca-se por ter sido um dos primeiros locais a realizar um programa de levantamento do potencial eólico, que já é consumido por cerca de 160 mil pessoas. Outras medições foram feitas também no Paraná, Santa Catarina, Minas Gerais, litoral do Rio de Janeiro e de Pernambuco e na ilha de Marajó. A capacidade instalada no Brasil é de 20,3 MW, com turbinas eólicas de médio e grande portes conectadas à rede elétrica. Vários estados brasileiro seguiram os passos do Ceará, iniciando programas de levantamento de dados de vento. Hoje existem mais de cem anemógrafos computadorizados espalhados pelo território nacional. Um mapa preliminar de ventos do Brasil, gerado a partir de simulações computacionais com modelos atmosféricos é mostrado na figura 4. Figura 4 Mapeamento de vento no Brasil [FONTE: Considerando o grande potencial eólico do Brasil, confirmado através de estudos recentes, é possível produzir eletricidade a custos competitivos com centrais termoelétricas, nucleares e hidroelétricas, com custo reduzido Energia Eólica no Rio Grande do Sul Ao longo dos 630 km de extensão do litoral do Estado do Rio Grande do Sul, existem 986 km2 de areia e dunas, sopradas por ventos intensos e constantes. Também no interior do Estado, na baixa rugosidade e aceleração orográfica das coxilhas da campanha, muitos ventos se unem ao Minuano para compor um dos potenciais eólicos mais promissores do Brasil. A este cenário, somase um sistema elétrico que nos últimos anos tem recebido investimentos e reforços importantes na geração e transmissão, exigidos pelas altas taxas de crescimento da demanda energética resultante da industrialização e do desenvolvimento econômico estadual. As velocidades de ventos no Rio Grande do Sul podem ser vistas na figura 4. Nos regimes diurnos, nota-se uma defasagem - na ocorrência dos picos - entre as áreas Vivências. Vol.7, N.13: p , Outubro/

8 litorâneas e o interior do Estado: no litoral, as brisas marinhas favorecem ventos mais intensos no período da tarde até o anoitecer, enquanto que no interior os ventos são mais intensos no período noturno. No escoamento atmosférico sobre o Rio Grande do Sul prevalecem os efeitos ditados pela dinâmica entre o anticiclone subtropical Atlântico, os intermitentes deslocamentos de massas polares e a depressão barométrica do nordeste da Argentina. O anticiclone subtropical Atlântico é um centro de altas pressões cuja posição média anual é próxima a 30 S, 25 W. A circulação atmosférica dele resultante, no sentido anti-horário, resulta no predomínio de ventos de lestenordeste sobre toda a área do Brasil situada abaixo da latitude 10 S. A depressão barométrica do nordeste da Argentina é uma área quase permanente de baixas pressões, geralmente estacionária a leste dos Andes, cuja posição anual média é de aproximadamente 29 S, 66 W. Esta depressão é causada pelo bloqueio da circulação geral atmosférica imposto pelos Andes e acentuada pelo intenso aquecimento das planícies de baixa altitude da região. O gradiente de pressão atmosférica entre a depressão do nordeste da Argentina e o anticiclone subtropical Atlântico induz um escoamento persistente de leste-nordeste ao longo de toda a região Sul do Brasil. Desse escoamento resultam velocidades médias anuais de 5.5m/s a 6.5m/s sobre grandes áreas da região. Entretanto, esse perfil geral de circulação atmosférica encontra variações significativas na mesoescala e na micro escala, por diferenças em propriedades de superfícies, tais como geometria e altitude de terreno, vegetação e distribuição de superfícies de terra e água. Desses fatores podem resultar condições de vento locais que se afastam significativamente do perfil geral da larga escala da circulação atmosférica. Assim, ventos superiores a 7m/s poderão ser encontrados nas elevações mais favoráveis do continente, sempre associados à baixa rugosidade da campanha. Outra grande área com velocidades superiores a 7m/s está ao longo do extenso litoral que se estende a partir de Imbé até o extremo sul do Estado, onde os ventos predominantes de leste-nordeste são acentuados pela ação diurna das brisas marinhas, ao longo dos meses de primavera, verão e início de outono. Até aqui foram ressaltados os regimes predominantes do vento, mas é muito importante que se ressalte o caráter dinâmico das circulações sobre o Rio Grande do Sul, em especial as intermitentes passagens de frentes frias - que se intensificam no inverno e primavera, trazendo o célebre Minuano - vento forte, frio e cortante que sopra de SW sobre a campanha, com duração aproximada de três dias a cada passagem de massa polar. 2.3 Condições Básicas para Geração de Energia Eólica Para que a energia eólica seja considerada tecnicamente aproveitável, é necessário que sua densidade seja maior ou igual a 500 W/m2, a uma altura de 50 m, o que requer uma velocidade mínima do vento de 7 a 8 m/s (GRUBB; MEYER, 1993). Segundo a Organização Mundial de Meteorologia, em apenas 13% da superfície terrestre o vento apresenta velocidade média igual ou superior a 7 m/s, a uma altura de 50,00 m. Essa proporção varia muito entre regiões e continentes, chegando a 32% na Europa Ocidental. A energia eólica pode ser usada também em pequena escala, havendo geradores de pequeno porte capazes de gerar energia com ventos de 2,5 m/s. 2.4 Velocidade dos Ventos Os ventos são gerados pela diferença de temperatura da terra e das águas, das planícies e das montanhas, das regiões equatoriais e dos pólos do planeta terra. A quantidade de energia disponível no vento varia de acordo com as estações do ano e as horas do dia. A topografia e a rugosidade do solo também têm grande influência na distribuição de freqüência de ocorrência dos ventos e de sua velocidade em um local. Vivências. Vol.7, N.13: p , Outubro/

9 Os ventos mais fortes, mais constantes e mais persistentes ocorrem em bandas situadas a cerca de 10 Km da superfície da terra. Como não é possível colocar os conversores eólicos nessas zonas, o espaço de interesse encontra-se limitado a algumas dezenas de metros na atmosfera. A estas alturas, o vento é diretamente afetado pela fricção na superfície, o que provoca uma diminuição na sua velocidade. Idealmente, a caracterização do recurso eólico num local deve ser feito com base em medições em vários pontos da região envolvente e ao longo de um número significativo de anos. É essencial que a instrumentação esteja bem exposta a todas as direções do vento, isto é, os obstáculos devem estar situados a uma distância de pelo menos dez vezes a sua altura.a velocidade do vento é medida com aparelhos chamados anemômetros. Esses aparelhos, normalmente possuem três ou mais pás girando ao redor de um pólo vertical. Quanto mais rápido for esse giro, maior é a velocidade do deslocamento do ar. A quantificação desses dados é feita através da Escala de Beaufort, que possibilita realizar uma estimativa da velocidade através da observação visual, sem necessariamente fazer uso de aparelhos. Os dados são armazenados num sistema de aquisição de dados (datalogger). Em geral, a velocidade do vento é medida em m/s (metros/segundo), podendo ainda ser medida em outras unidades, tais como nós e km/h. O principal resultado a ser obtido é a velocidade média do vento, mas é importante conhecer também a velocidade máxima, intensidade de turbulência, além da distribuição estatística das velocidades. Junto com o sensor de velocidade são utilizados os sensores de direção, registrando a predominância dos ventos. A medição do vento deve ser efetuada a uma altura próxima da altura a que vai ficar o cubo do rotor da turbina, a fim de permitir correlacionar os dados do local com registros existentes em estações meteorológicas próximas Anemômetros Anemômetros são instrumentos que servem para medir a direção e indicar a velocidade dos ventos. Inspirados nos cata-ventos, eles são calibrados de forma a que o total de voltas dadas por suas pás correspondam a uma velocidade específica, ou seja, se no túnel de vento em que são ajustados a corrente de ar sopra a dez quilômetros por hora, e as pás do instrumento giram cem vezes por minuto, ele é programado para indicar 10 km/h sempre que o anemômetro atingir 100 rotações por minuto, e assim por diante. Em geral há dois tipos de anemômetros, o de conchas e de hélice. O anemômetro de conchas é do tipo rotativo mais vulgar em que há três ou mais conchas de formato especial montadas simetricamente formando ângulos retos com um eixo vertical. A velocidade de rotação depende da velocidade do vento, independentemente da direção de onde ele sopra. O conjunto das conchas faz mover um mecanismo que conta as rotações e a velocidade do vento é calculada com o auxílio de um dispositivo de contagem. Os anemômetros de hélice são também do tipo rotativo. Um catavento mantém voltada para o vento uma hélice, cuja rotação é transmitida a um indicador. 2.5 Experiências de Geração de Energia Eólica no Rio Grande do Sul Parque Eólico de Osório - é um parque de produção de energia eólica na cidade de Osório, RS. É composto por 75 torres de aero geradores de 98,00 metros de altura e 810 toneladas de peso cada uma, podendo ser vistas da auto-estrada BR-290 (Free-Way), RS-030 e de praticamente todos os bairros da cidade. O parque tem uma capacidade instalada estimada em 150 MW, energia capaz de atender uma cidade de 700 mil habitantes, sendo a maior usina eólica da América Latina. O fator de capacidade médio dos parques eólicos de Osório é de 34%, o que significa dizer que ele produz, em média, 34% da capacidade total instalada. A média mundial deste fator é de 30%. O Parque de Osório é um empreendimento da Ventos do Sul Energia, pertencente à espanhola Enerfin/Enervento - Grupo Elecnor com 90%, à alemã Wobben com 9% e à brasileira CIP Brasil, com 1%. O Vivências. Vol.7, N.13: p , Outubro/

10 empreendimento envolveu um aporte de R$ 670 milhões, dos quais 69% financiados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDS. 3 METODOLOGIA Dados obtidos de velocidade dos ventos, umidade relativa do ar e temperatura foram obtidos na Estação Meteorológica do Estado do Rio Grande do Sul, localizada na Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões URI Campus de Santo Ângelo no período entre 1989 e Os dados levantados serão lançados no programa Excel, separadamente, levando em conta a velocidade do vento, umidade relativa do ar e temperatura, estes serão analisados estatisticamente obtendo-se as médias mensais e anuais, como também realizadas análises estatísticas através da Análise da Variância e com isto auxiliando a chegar a algumas conclusões. 4 APRESENTAÇÃO, ANÁLISE DE MEDIÇÕES DO VENTO NA URI CAMPUS DE SANTO ÂNGELO 4.1 Comparação Entre Velocidades Máximas e Mínimas. A tabela 1 mostra a média das velocidades nos meses de maior e menor intensidade dos ventos. Tabela 1 - Velocidades máximas e mínimas dos ventos. V Min. V Max. Março Outubro ,34 3, ,78 3, ,7 3, ,7 3, ,78 3, ,63 3,31 Na figura 5 pode-se ver graficamente as médias de velocidade dos ventos nos meses de maior e menor intensidade dos ventos. Figura 5 - Gráfico mensal de velocidades máximas e mínimas. Vivências. Vol.7, N.13: p , Outubro/

11 Na tabela 2 verifica-se o tratamento estatístico, analisando se existem ou não diferenças estatisticamente significativas entre os ventos máximos e mínimos. Tabela 2 - Análise da variância de ventos em diferentes meses. SQ gl MQ F valor-p F crítico Máx. x Mín. 1, , , ,28E-05 4, Para um melhor entendimento, essa primeira Análise da Variância está apresentada de forma explicativa. O objetivo principal foi verificar o nível de significância entre grupos, isto é, se existem diferenças significativas entre médias de grupos diferentes. Os dados são lançados em programas computacionais, que apresentam a soma, a média e a variância, como também a soma dos quadrados, os graus de liberdade, as médias quadráticas e o teste F. É comparado o valor F com o F crítico ou tabelado. Se F for maior que o valor tabelado, conclui-se que existem diferenças significativas entre grupos, isto é, os fatores que estão sendo comparados possuem influência no resultado que está sendo analisado. Fazendo análise da tabela 2 e comparando os resultados de F com F crítico, pode-se concluir que existe efeitos estatisticamente significativos entre os ventos máximos e mínimos, isto é os valores não foram homogêneos e sim variaram no decorrer dos meses pesquisados. 4.2 Comparação Entre Temperaturas Máximas e Mínimas A tabela 3 mostra as médias de temperatura nos meses de maior e menor temperaturas. Tabela 3 - Temperaturas máximas e mínimas. Temp. Min. Temp. Max Julho Dezembro ,73 32, , , , ,76 30, ,822 Na figura 6 temos o gráfico das temperaturas nos meses de máximas e mínimas temperaturas. Figura 6 - Meses de máximas e mínimas temperaturas. Vivências. Vol.7, N.13: p , Outubro/

12 A tabela 4 apresenta o tratamento estatístico, analisando se existem ou não diferenças estatisticamente significativas entre as temperaturas máximas e mínimas. Tabela 4 - Análise da variância entre temperaturas máximas e mínimas. SQ gl MQ F valor-p F crítico Temp. Max. x Mín. 303, ,417 65, , , A partir da tabela 4 chega-se a conclusão que o resultado de F foi superior ao resultado de F crítico concluindo que existe um efeito estatisticamente significativo entre as temperaturas máximas e mínimas. 4.3 Comparação Entre Umidade Relativas do Ar Máximas e Mínimas A tabela 5 apresenta as médias de umidade relativa do Arno meses de máximo e mínimo. Tabela 5 - Umidade Relativa nos meses de máximas e mínimas. UR Max UR Min. Maio Novembro ,5 58, ,22 74, ,8 59, ,8 59, ,86 63, ,54 77,38 Na figura 7 está apresentado graficamente a umidade relativa nos meses de maiores e menores umidades. Figura 7 - Umidades Relativas máximas e mínimas. Vivências. Vol.7, N.13: p , Outubro/

13 Na tabela 6 pode-se observar o tratamento estatístico, analisando se existem ou não diferenças estatisticamente significativas entre as umidades relativas do ar máximas e mínimas. Tabela 6 - Análise da variância entre Umidades Relativas Máximas e Mínimas. SQ gl MQ F valor-p F crítico Umidades Máx. e Mín. 498, , , , , A partir da tabela 6 pode-se concluir que o resultado de F foi superior ao resultado de F crítico, portanto existe um efeito estatisticamente significativo entre as umidades relativas do ar entre máximas e mínimas. 4.4 Relação Entre Velocidade e Temperatura Temperaturas Máximas e Velocidade Na tabela 7 observam-se os dados de velocidade e temperatura no mês de dezembro, mês de maior temperatura, ao longo dos 6 anos de medições. Tabela 7 - Valores de velocidade e temperatura. Velocidade Temperatura Dezembro Dezembro ,32 32, , ,26 32, ,26 32, ,82 30, A figura 8 apresenta o gráfico da relação que ocorre entre as temperaturas máximas e velocidades dos ventos ao longo dos anos analisados. Figura 8 - Relação entre temperaturas máximas e velocidade dos ventos. Vivências. Vol.7, N.13: p , Outubro/

14 A tabela 8 mostra a ANOVA entre as temperaturas máximas analisadas e sua relação com as velocidades do vento. Tabela 8 - Analise da variância entre Temperatura máxima e velocidade. SQ gl MQ F valor-p F crítico Temp. Max. e velocidade 1825, , ,369 1,31E-11 5, Observando a tabela 8 conclui-se que temperaturas altas possuem um aumento considerável na velocidade dos ventos Temperaturas Mínimas e Velocidade Na tabela 9 observa-se os dados de velocidade e temperatura no mês de julho, mês de menor temperatura, ao longo dos seis anos de medições. Tabela 9 - Valores de velocidade e temperatura. Velocidade Temperatura Julho Julho ,68 18, ,98 17, , , ,37 17, ,23 23,822 A figura 9 apresenta o gráfico da relação que ocorre entre as temperaturas mínimas e velocidades dos ventos ao longo dos anos analisados. Figura 9 - Relação entre temperaturas mínimas e velocidade dos ventos. Vivências. Vol.7, N.13: p , Outubro/

15 A tabela 10 apresenta os resultados da ANOVA entre as temperaturas mínimas e a velocidade dos ventos. Tabela 10 - Analise da variância entre Temperatura mínima e velocidade SQ gl MQ F valor-p F crítico Temp. mín. e velocidade 658, , ,3837 6,78E-07 5, A partir das figuras 8 e 9 pode-se observar que entre outros fatores as temperaturas possuem influencia nas velocidades dos ventos, sendo que temperaturas mais elevadas aumentam as velocidades dos ventos. A analise da variância entre temperatura mínima e velocidade na tabela 10, nos mostra que as temperaturas mínimas também possuem influencia significativa nas velocidades dos ventos Velocidades nos Meses de Temperaturas Máximas e Mínimas Foram feitas também analises relacionando as velocidades dos ventos nos meses de temperaturas máximas e mínimas como demonstra a tabela 11. Tabela 11 - Médias de velocidades nos meses de temperaturas máximas e mínimas. Velocidades Temp. Max. Dezembro Temp. min. Julho ,32 2, ,04 1, ,26 3, ,26 3, ,82 3, ,23 A figura 10 demonstra graficamente as velocidades nos meses de temperaturas máximas e mínimas. Figura 10 - Velocidades nos meses de maior e menor temperatura. Vivências. Vol.7, N.13: p , Outubro/

16 A tabela 12 apresenta a ANOVA das velocidades entre os meses de máximas e mínimas temperaturas. Tabela 12 - Análise da variância entre as velocidades nos meses de maior e menor temperatura. SQ gl MQ F valor-p F crítico Entre velocidades. 0, , , , , Ao analisar a tabela 12, conclui-se que as velocidades não possuem diferenças significativas entre os meses de maiores e menores temperaturas ocorridas nos anos entre Nota-se que existem influencias das temperaturas nas velocidades do vento, porem analisando as médias das variações entre máximas e mínimas temperatura, não foram encontrados efeitos significativos das velocidades dos ventos entre estas temperaturas. 4.5 Relação Entre Velocidade e Umidade Relativa do AR Umidade Relativa Máxima e Velocidade A tabela 13 mostra os valores das velocidades no mês de maiores umidades relativas do ar. Tabela 13 - Umidades Relativas Máximas e Velocidades. Velocidade Maio UR Maio ,91 83, ,37 74, ,16 75, ,16 75, ,22 75, ,78 84,54 A figura 11 representa graficamente os valores das velocidades e umidades relativas máximas. Figura 11 - Gráfico das velocidades com maior umidade relativa. Vivências. Vol.7, N.13: p , Outubro/

17 Na tabela 14 apresenta a ANOVA entre as UR máximas e as velovcidades do vento. Tabela 14 - Análise da variância entre umidades máximas e velocidades. SQ gl MQ F valor-p F crítico Umidade máxima e velocidades 17034, , ,564 1,81E-12 4, A partir da análise da variância da tabela 14, constata-se que as umidades relativas do ar mais altas tem influencia significativa sobre as velocidades dos ventos Umidade Relativa Mínima e Velocidade A tabela 15 apresenta valores das velocidades médias no mês de umidades relativas mínimas. Tabela 15 - Velocidades no mês de menores umidades. Velocidade Dezembro UR Dezembro ,32 58, ,04 67, ,26 60, ,26 60, ,82 69, O gráfico da figura 12 nos mostra os valores de velocidades no mês de umidades relativas mínimas. Figura 12 - Gráfico das velocidades no mês de umidade mínima. A tabela 16 apresenta os resultados da análise da variância entre as umidades mínimas e velocidades do vento. Vivências. Vol.7, N.13: p , Outubro/

18 Tabela 16 - Análise da variância entre umidades mínimas e velocidades. SQ gl MQ F valor-p F crítico Umidades mínimas e velocidades 9030, , ,8777 3,61E-09 5, A análise dos dados de velocidades e umidades mínimas presentes na tabela 16 mostra que as umidades relativas mínimas também possuem influencia significativa sobre as velocidades de ventos Velocidades nos Meses de Umidades Relativas Máximas e Mínimas Além das comparações de velocidades e umidades máximas e mínimas foram comparadas também as velocidades entre os meses de maiores e menores umidades relativas do ar, como mostra a tabela 17. Tabela 17 - Velocidades nos meses de umidades máximas e mínimas. Velocidades UR Max UR Min. Maio Dezembro ,91 3, ,37 3, ,16 3, ,16 3, ,22 2, ,78 A figura 13 pode-se ver graficamente os valores de velocidades nos meses de umidades relativas máximas e mínimas. Figura 13 - Gráfico das velocidades nos meses de maiores e menores umidades. Vivências. Vol.7, N.13: p , Outubro/

19 A tabela 18 mostra a Análise da Variância entre as velocidades nos meses de UR máximas e mínimas. Tabela 18 - Análise da variância entre as velocidades nos meses de umidades relativas máximas e mínimas. SQ gl MQ F valor-p F crítico Entre velocidades 0, , , , , Ao analisar as tabelas 14 e 16, conclui-se que as umidades relativas máximas e mínimas do ar possuem influencia significativa nas velocidades dos ventos, mas com base na tabela 18, comparando a velocidade entre os meses de maior e menor UR, pode-se concluir que não existem diferenças significativas entre as velocidades nos meses de UR máximas e mínimas. 5 CONCLUSÃO Este trabalho de pesquisa foi muito importante para se ter uma visão real da situação de aproveitamento dos ventos para gerar energia eólica na região. Após a realização de diversas pesquisas, pode-se concluir que a energia eólica é uma fonte de energia renovável e limpa, que pode ser usada em pequena escala, para suprir as necessidades de pequenas propriedades com um baixo custo de manutenção e de uma forma ecologicamente sustentável. Conclui-se que existem diferenças estatisticamente significativas entre as médias das velocidades máximas e mínimas do vento na região, chegando a mesma conclusão para as análises entre as temperaturas máximas e mínimas, sendo que as temperaturas máximas e mínimas aumentam significativamente a velocidade dos ventos, e existem influencias estatisticamente significativas entre as temperaturas mínimas com a velocidade dos ventos, porém quando comparadas as velocidades dos ventos em função dessas variações de temperaturas, não foram encontradas diferenças significativas nestas velocidades, portanto conclui-se que para todos os meses do ano não existem em relação a temperatura, mudanças significativas nas velocidades dos ventos. Analisando a influencia das umidades relativas máximas e mínimas, chegou-se também a conclusão que existem influencias significativas entre os meses de UR máximas e UR mínimas na velocidade dos ventos, porém quando comparadas estas velocidades com as variações extremas de umidade relativa do ar, notou-se que não existem efeitos significativos entre elas, lembrando que apesar de não terem mudanças significativas nas velocidades do vento em relação a temperatura e UR, existem mudanças significativas na velocidade dos ventos nos meses de maiores e menores velocidades. E a partir dessas análises realizadas em estação de meteorologia entre os anos de 1989 a 1994, na universidade, foi constatado que a velocidade média dos ventos foi de 2,5 m/s, que já permitem a utilização de geradores de pequeno porte, suprindo a necessidade de energia em regiões remotas ou até mesmo auxiliando nos custos dos gastos com energia, o que atinge o foco da pesquisa, relacionada para satisfazer as necessidades de pequenos empreendimentos. Também foram constatados fatos que ajudam a compreender um pouco mais da energia eólica, tais como a influencia das temperaturas e umidades relativas do ar nas velocidades do vento. Vivências. Vol.7, N.13: p , Outubro/

20 6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Atlas Eólico do Rio Grande do Sul; 2008 [Acesso em 2010 Ago. 25]. Disponível em: Camargo do Amarante, Odilon. Leite de Sá, Antônio. Atlas do potencial eólico Brasileiro; [Acesso em 2010 Fev. 14]. Disponível em: Energia Eólica. [Acesso em 2010 Jul. 14]. Disponível em: Jochims Rossi, Pedro Henrique; Pederiva de Oliveira, Cássia. Perguntas Freqüentes Sobre Energia Eólica; 2010 [Acesso em 2010 Jul. 15]. Disponível em: M. G. Castro, Rui. Energias Renováveis e Produção Descentralizada. Introdução a Energia Eólica; 2007 [Acesso em 2010 Mar. 15]. Disponível em: https://dspace.ist.utl.pt/bitstream/2295/106889/1/eolica_ed3.pdf Silva, Patrícia de Castro da. Sistema para Tratamento, Armazenamento e Disseminação de Dados de Vento. Rio de Janeiro, Set Souza, Denise. Energia Eólica; 2007 [Acesso em 2010 Jul. 19]. Disponível em: Vivências. Vol.7, N.13: p , Outubro/

O que é Energia eólica?

O que é Energia eólica? Energia Eólica Introdução A energia eólica é a energia obtida pelo movimento do ar (vento). É uma abundante fonte de energia, renovável, limpa e disponível em todos os lugares. Os moinhos de vento foram

Leia mais

Energia Renovável Fontes Alternativas de Energia Energias: Eólica e Solar.

Energia Renovável Fontes Alternativas de Energia Energias: Eólica e Solar. Energia Renovável Fontes Alternativas de Energia Energias: Eólica e Solar. Prof. Dr. Luiz Roberto Carrocci Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Campus de Guaratinguetá Definições a) Energia

Leia mais

ELETROSUL Centrais Elétricas SA RELATÓRIO. Relatorio Características do Potencial Eólico Coxilha Negra ELETROSUL 2012

ELETROSUL Centrais Elétricas SA RELATÓRIO. Relatorio Características do Potencial Eólico Coxilha Negra ELETROSUL 2012 0A 99/99/99 Emissão inicial deste documento Sigla Sigla Sigla Rev. Data Descrição da Revisão Elaboração Verificação Aprovação RELATÓRIO ELETROSUL Centrais Elétricas SA CONTRATO/LICITAÇÃO: xxxxxx PECN-P-ELRL-ESM-W05-0001

Leia mais

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS. O Sol, o vento, os mares...fontes naturais de energia que não agridem o meio ambiente. Será viável utilizá-las? A Energia renovável é aquela que é obtida

Leia mais

UNICAMP IFGW Projeto de F 809. Energia Eólica. Nome do aluno: Bruno Ferreira de Camargo Yabu-uti RA: 008201 Nome do orientador: Pedro Raggio

UNICAMP IFGW Projeto de F 809. Energia Eólica. Nome do aluno: Bruno Ferreira de Camargo Yabu-uti RA: 008201 Nome do orientador: Pedro Raggio UNICAMP IFGW Projeto de F 809 Energia Eólica Nome do aluno: Bruno Ferreira de Camargo Yabu-uti RA: 008201 Nome do orientador: Pedro Raggio 1 1. Objetivos: -Construir um aparato que ilustre didaticamente

Leia mais

CLIMATOLOGICA EÓLICA DE SANTA CATARINA

CLIMATOLOGICA EÓLICA DE SANTA CATARINA 1 CLIMATOLOGICA EÓLICA DE SANTA CATARINA Daniel Andrijic Malandrin Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina CEFET/SC. Av. Mauro Ramos, 950 centro, Florianópolis -SC CEP 88020-300 danielandrijic@gmail.com

Leia mais

Energia Eólica. História

Energia Eólica. História Energia Eólica História Com o avanço da agricultura, o homem necessitava cada vez mais de ferramentas que o auxiliassem nas diversas etapas do trabalho. Isso levou ao desenvolvimento de uma forma primitiva

Leia mais

Aparecida Rosária Luiz da Silva Curso Online Gestão de Resíduos Urbanos CENED. Energia Eólica. Santo André 28/05/2007

Aparecida Rosária Luiz da Silva Curso Online Gestão de Resíduos Urbanos CENED. Energia Eólica. Santo André 28/05/2007 Aparecida Rosária Luiz da Silva Curso Online Gestão de Resíduos Urbanos CENED Energia Eólica Santo André 28/05/2007 Aparecida Rosária Luiz da Silva Energia Eólica Trabalho de Conclusão do Curso Online

Leia mais

Conceito Geral. Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência.

Conceito Geral. Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência. Microgeração Conceito Geral Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência. Meio para produção de energia através de instalações de pequena escala, utilizando

Leia mais

Artigo: Energia no Brasil - Energia Eólica

Artigo: Energia no Brasil - Energia Eólica Artigo: Energia no Brasil - Energia Eólica Aparecida Rosária Luiz da Silva Pós em Gestão da Qualidade ArcelorMittal Inox Brasil Tubos Analista de Sistemas da Qualidade Rodovia Índio Tibiriçá, km 50 B.Barro

Leia mais

UNICAMP IFGW Relatório parcial do projeto de F 809. Energia Eólica

UNICAMP IFGW Relatório parcial do projeto de F 809. Energia Eólica UNICAMP IFGW Relatório parcial do projeto de F 809 Energia Eólica Nome do aluno: Bruno Ferreira de Camargo Yabu-uti RA: 00801 Nome do orientador: Pedro Raggio 1 1. Objetivos: -Construir um aparato que

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

ENERGIA SOLAR Adriano Rodrigues 1546632730 Adriano Oliveira 9930001250 Fabio Rodrigues Alfredo 2485761798 Frank Junio Basilio

ENERGIA SOLAR Adriano Rodrigues 1546632730 Adriano Oliveira 9930001250 Fabio Rodrigues Alfredo 2485761798 Frank Junio Basilio ENERGIA SOLAR Adriano Rodrigues 1546632730 Adriano Oliveira 9930001250 Fabio Rodrigues Alfredo 2485761798 Frank Junio Basilio 1587938146 Jessika Costa 1581943530 Rafael Beraldo de Oliveira 1584937060 A

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS EÓLICOS NO ENTORNO GEOGRÁFICO DO MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON¹

DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS EÓLICOS NO ENTORNO GEOGRÁFICO DO MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON¹ Revista Brasileira de Energias Renováveis DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS EÓLICOS NO ENTORNO GEOGRÁFICO DO MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON¹ Carolina Sayury Miyashiro², Eliana Suzi Wakassugui³, Kenia Gabriela

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM Como funciona um aerogerador Componentes de um aerogerador Gôndola:contém os componentes chaves do aerogerador. Pás do rotor:captura o vento e transmite sua potência até o cubo que está acoplado ao eixo

Leia mais

GERADOR EÓLICO 1 INTRODUÇÃO

GERADOR EÓLICO 1 INTRODUÇÃO FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA Projeto de Pesquisa da Primeira Série Série: Primeira Curso: Eletrotécnica Turma: 2123 Sala: 234 Início: 17 de junho de 2009 Entrega: 17 de julho

Leia mais

Catálogo. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Centro de Energia Eólica. Apoio:

Catálogo. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Centro de Energia Eólica. Apoio: Catálogo Apoio: APRESENTAÇÃO O (CE-EÓLICA) se consolida como uma ação estratégica da PUCRS em função do crescimento das competências nesta área, a partir de atividades especificas realizadas pelo NUTEMA,

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia.

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia. Apague velhos hábitos. Acenda uma grande idéia. Crise Energética Por que todos falam em crise energética? Porque a crise energética sul-americana deixou de ser um cenário hipotético para se transformar

Leia mais

Centro de Referência para Energia Solar e Eólica Sérgio de Salvo Brito

Centro de Referência para Energia Solar e Eólica Sérgio de Salvo Brito Centro de Referência para Energia Solar e Eólica Sérgio de Salvo Brito ENERGIA EÓLICA PRINCÍPIOS E APLICAÇÕES http://www.cepel.br/crese/cresesb.htm e-mail: crese@fund.cepel.br 2 - ENERGIA EÓLICA - PRINCÍPIOS

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX Rita Yuri Ynoue Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Universidade de São Paulo.

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

www.soumaisenem.com.br

www.soumaisenem.com.br 1. (Enem 2011) Uma das modalidades presentes nas olimpíadas é o salto com vara. As etapas de um dos saltos de um atleta estão representadas na figura: Desprezando-se as forças dissipativas (resistência

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

Como se produz eletricidade Os vários meios de obtê-la transformando outros tipos de energia

Como se produz eletricidade Os vários meios de obtê-la transformando outros tipos de energia A geracao de eletricidade Como se produz eletricidade Os vários meios de obtê-la transformando outros tipos de energia valdemir cunha/horizonte Unidades geradoras da usina hidrelétrica de Promissão, no

Leia mais

CIDADE SUSTENTÁVEL: A ENERGIA EÓLICA COMO ALTERNATIVA 1

CIDADE SUSTENTÁVEL: A ENERGIA EÓLICA COMO ALTERNATIVA 1 CIDADE SUSTENTÁVEL: A ENERGIA EÓLICA COMO ALTERNATIVA 1 Bruno Arcanjo² Caio Sanches² Felipe Brito² Louise Emily² Kelvin Pedroza² Marluce Bianchi 2 Thallis Barros² Rafael Pedroza² Lucas Xavier³ RESUMO Essa

Leia mais

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos.

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. R O C H A DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. O petróleo e seus derivados têm a maior participação na

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA Iria Müller Guerrini, No Brasil a maior quantidade de energia elétrica produzida provém de usinas hidrelétricas (cerca de 95%). Em regiões rurais e mais distantes das hidrelétricas

Leia mais

Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima.

Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima. Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima. Vimos como o oceano, através da influência que exerce no conteúdo de humidade da atmosfera afecta

Leia mais

Universidade Santa Cecília PROJETO DE GERAÇÃO DE ENERGIA EÓLICA

Universidade Santa Cecília PROJETO DE GERAÇÃO DE ENERGIA EÓLICA Universidade Santa Cecília PROJETO DE GERAÇÃO DE ENERGIA EÓLICA Santos - 2006 PROJETO DE GERAÇÃO DE ENERGIA EÓLICA Projeto de Graduação do Curso de Engenharia Industrial Mecânica. Alison Alves dos Santos

Leia mais

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira AULA Fundação 4 MATRIZ Universidade ELÉTRICA Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG /

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo A Energia e suas Fontes Fontes de Energia Renováveis Fontes de Energia Não-Renováveis Conclusões Energia: Capacidade de realizar trabalho Primeira Lei da Termodinâmica: No

Leia mais

CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE. CONSULTA PÚBLICA n o 008/2013

CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE. CONSULTA PÚBLICA n o 008/2013 CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA n o 008/2013 ESTABELECER CONDIÇÕES E PROCEDIMENTOS A SEREM OBSERVADOS PARA INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE ESTAÇÕES DE MEDIÇÃO

Leia mais

ENERGIA EÓLICA PRINCÍPIOS E APLICAÇÕES

ENERGIA EÓLICA PRINCÍPIOS E APLICAÇÕES Centro de Referência para Energia Solar e Eólica Sérgio de Salvo Brito ENERGIA EÓLICA PRINCÍPIOS E APLICAÇÕES http://www.cresesb.cepel.br E-mail: crese@cepel.br SISTEMA ELETROBRÁS. 2 - ENERGIA EÓLICA -

Leia mais

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz Efeitos da Corrente Elétrica Prof. Luciano Mentz 1. Efeito Magnético Corrente elétrica produz campo magnético. Esse efeito é facilmente verificado com uma bússola e será estudado no eletromagnetismo. 2.

Leia mais

ESTAÇÕES DO ANO - MOVIMENTAÇÃO DA TERRA

ESTAÇÕES DO ANO - MOVIMENTAÇÃO DA TERRA MAPAS DA RADIAÇÃO SOLAR BRASIL ESTAÇÕES DO ANO - MOVIMENTAÇÃO DA TERRA Além das condições atmosféricas (nebulosidade, umidade relativa do ar etc.), a disponibilidade de radiação solar, também denominada

Leia mais

FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL

FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Paola Ribas Gonçalves dos SANTOS, Maria Caroliny Camargo FLORENTINO, Jhennyfer Lopes Cerqueira BASTOS, Giselle Vanessa TREVISAN.

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Após correções, pode ser aceito AVALIAÇÃO DO POTENCIAL EÓLICO DO CAMPUS DA FACULDADE ASSIS GURGACZ FAG EM CASCAVEL PARANÁ

Após correções, pode ser aceito AVALIAÇÃO DO POTENCIAL EÓLICO DO CAMPUS DA FACULDADE ASSIS GURGACZ FAG EM CASCAVEL PARANÁ Após correções, pode ser aceito AVALIAÇÃO DO POTENCIAL EÓLICO DO CAMPUS DA FACULDADE ASSIS GURGACZ FAG EM CASCAVEL PARANÁ Rafael Gonçalves dos Santos, Wesley Esdras Santiago, Patrick Diesel, Jair Antônio

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

Elementos Climáticos CLIMA

Elementos Climáticos CLIMA CLIMA Elementos Climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade, do

Leia mais

Classificações climáticas

Classificações climáticas Classificações climáticas Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br glaubermariano@gmail.com O clima do Brasil pode ser classificado

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FORMAS ALTERNATIVAS DE ENERGIA:

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FORMAS ALTERNATIVAS DE ENERGIA: UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FORMAS ALTERNATIVAS DE ENERGIA: ENERGIA EÓLICA NO RIO GRANDE DO SUL IVO PEREIRA DE SOUZA Lavras, Minas Gerais

Leia mais

Atlas do Potencial Eólico do Estado do Paraná

Atlas do Potencial Eólico do Estado do Paraná Atlas do Potencial Eólico do Estado do Paraná GOVERNO DO PARANA 5 Atlas do Potencial Eólico do Estado do PARANÁ INFRA-ESTRUTURA SISTEMA ELÉTRICO E MALHA VIÁRIA 750 kv ca 138 kv 600 kv cc 69 kv

Leia mais

CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA

CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA O comportamento climático é determinado por processos de troca de energia e umidade que podem afetar o clima local, regional

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Fimai/Simai/ Câmara Ítalo - Brasileira Elaborada por: Eng. Marcio Takata Novembro/ 2010 Contexto Fonte: Apresentação Solvis Energia - Tendências

Leia mais

DOSSIÊ TÉCNICO. Energia Eólica. Lorena de Oliveira Silva Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico - CDT/UnB

DOSSIÊ TÉCNICO. Energia Eólica. Lorena de Oliveira Silva Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico - CDT/UnB DOSSIÊ TÉCNICO Energia Eólica Lorena de Oliveira Silva Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico - CDT/UnB Fevereiro/2012 Energia Eólica O Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas SBRT fornece soluções

Leia mais

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Tema: Dimensionamento de uma instalação combinada de energia solar e eólica Autor: Quintino, Bernardo Supervisor: Dr.

Leia mais

A Fonte Eólica foi a que mais cresceu no mundo nas últimas décadas, segundo a International Energy Agency (1971-2003)

A Fonte Eólica foi a que mais cresceu no mundo nas últimas décadas, segundo a International Energy Agency (1971-2003) Energia Eólica Offshore Carlos Leandro da Silva Júnior M.Sc. Oceanógrafo Diretor da AMBIPETRO FÓRUM NACIONAL EÓLICO Natal - Junho/2009 Contexto Mundial da Energia Eólica A Fonte Eólica foi a que mais cresceu

Leia mais

ANÁLISE DE ESTABILIDADE DO STACKER RECLAIMER

ANÁLISE DE ESTABILIDADE DO STACKER RECLAIMER ANÁLISE DE ESTABILIDADE DO STACKER RECLAIMER Autor: ROCHA, Aline Fernandes; QUINTAO, Luciano de Oliveira; FONSECA, Petruska de Mello; MENDES, Tatiana Maria. Orientador: HABIBE, Alexandre Fernandes. Máquinas

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

Auto-Suficiência Energética

Auto-Suficiência Energética Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Auto-Suficiência Energética Casa independente a nível energético Projeto FEUP2014-- 2015: Armando Sousa & Manuel Firmino J. N. Fidalgo Equipa 01: Supervisor:

Leia mais

CLIMA I. Fig. 8.1 - Circulação global numa Terra sem rotação (Hadley)

CLIMA I. Fig. 8.1 - Circulação global numa Terra sem rotação (Hadley) CAPÍTULO 8 CIRCULAÇÃO ATMOSFÉRICA 1 CLIMA I 8.1 CIRCULAÇÃO GLOBAL IDEALIZADA Nosso conhecimento dos ventos globais provém dos regimes observados de pressão e vento e de estudos teóricos de movimento dos

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS DESAFIO DO DIA. Conteúdo: - Fontes Alternativas de Energia

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS DESAFIO DO DIA. Conteúdo: - Fontes Alternativas de Energia CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdo: - Fontes Alternativas de Energia CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: - Conhecer as diferentes formas

Leia mais

Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação

Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br

Leia mais

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS 1 RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES ( ) I Unidade ( ) II Unidade ( x ) III Unidade FÍSICA E GEOGRAFIA Curso: Ensino Fundamental Ano: 1.º Turma: ABCDEFG Data: / / 11 009 Física Profs. 1. Resolução I

Leia mais

Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias

Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Competência de área 1 Compreender as ciências naturais e as tecnologias a elas associadas como construções humanas, percebendo seus papéis

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ENSINO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS: DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS EÓLICOS E FOTOVOLTAICOS

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ENSINO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS: DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS EÓLICOS E FOTOVOLTAICOS DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ENSINO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS: DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS EÓLICOS E FOTOVOLTAICOS Jorge A. Villar Alé (1) ; Vicente André Paludo (2) Pedro André Marozzin

Leia mais

TERRITÓRIO EM MUTAÇÃO: A IMPLANTAÇÃO DE CENTRAL GERADORA EÓLICA EM SERGIPE

TERRITÓRIO EM MUTAÇÃO: A IMPLANTAÇÃO DE CENTRAL GERADORA EÓLICA EM SERGIPE TERRITÓRIO EM MUTAÇÃO: A IMPLANTAÇÃO DE CENTRAL GERADORA EÓLICA EM SERGIPE Vanessa Santos Costa Mestranda em Geografia NPGEO/UFS vanygui@yahoo.com.br Grupo de Pesquisa Sociedade e Cultura pelo NPGEO/UFS

Leia mais

VIABILIDADE DA CAPTAÇÃO DA ENERGIA EÓLICA NOS OCEANOS ( CAPTAÇÃO OFFSHORE ) JOSÉ RAFAEL PORTELLA

VIABILIDADE DA CAPTAÇÃO DA ENERGIA EÓLICA NOS OCEANOS ( CAPTAÇÃO OFFSHORE ) JOSÉ RAFAEL PORTELLA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FORMAS ALTERNATIVAS DE ENERGIA VIABILIDADE DA CAPTAÇÃO DA ENERGIA EÓLICA NOS OCEANOS ( CAPTAÇÃO OFFSHORE )

Leia mais

1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram. na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013

1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram. na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013 1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013 O mês de julho foi caracterizado pela presença de sete sistemas frontais,

Leia mais

Plano Básico Ambiental

Plano Básico Ambiental Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e Plano Básico Ambiental SEÇÃO VI - PROGRAMA DE GERENCIAMENTO RADIOLÓGICO Projeto 4 Monitoramento Meteorológico 0 Emissão inicial 14/06/2010

Leia mais

BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA

BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA MARIANE CECHINEL GONÇALVES 1 KARINA GRAZIELA JOCHEM 2 VANESSA RIBAS CÚRCIO 3 ANGELA PAULA DE OLIVEIRA 4 MÁRCIA

Leia mais

Bloqueio atmosférico provoca enchentes no Estado de Santa Catarina(SC)

Bloqueio atmosférico provoca enchentes no Estado de Santa Catarina(SC) Bloqueio atmosférico provoca enchentes no Estado de Santa Catarina(SC) Várias cidades da faixa litorânea do Estado de Santa Catarina (SC) foram castigadas por intensas chuvas anômalas ocorridas durante

Leia mais

O MEIO AMBIENTE CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS

O MEIO AMBIENTE CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS 2011/2012 Geografia 7º Ano de escolaridade O MEIO AMBIENTE CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS Estado do tempo e clima Elementos e fatores do clima A ATMOSFERA: Invólucro gasoso (camada de ar) que envolve a Terra;

Leia mais

DEMANDA GT. Arranjos alternativos para geração eólica

DEMANDA GT. Arranjos alternativos para geração eólica DEMANDA GT Arranjos alternativos para geração eólica OBJETIVOS Desenvolver uma turbina eólica de eixo vertical de pás fixas, de pequeno porte e custo reduzido. Realizar ensaios de rendimento do equipamento

Leia mais

RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS. Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes.

RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS. Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes. RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes. BACIAS HIDROGRÁFICAS BRASILEIRAS BACIAS INDEPENDENTES BACIAS SECUNDÁRIAS

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Roberto Proença da Silva Carlos Alberto Moura Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG Superintendência de Tecnologia da Informação - TI Gerência de

Leia mais

VENTOS DE (IN) SUSTENTABILIDADE: UMA ANÁLISE DO POTENCIAL EÓLICO DO MUNICÍPIO DE BARRA DOS COQUEIROS-SE.

VENTOS DE (IN) SUSTENTABILIDADE: UMA ANÁLISE DO POTENCIAL EÓLICO DO MUNICÍPIO DE BARRA DOS COQUEIROS-SE. VENTOS DE (IN) SUSTENTABILIDADE: UMA ANÁLISE DO POTENCIAL EÓLICO DO MUNICÍPIO DE BARRA DOS COQUEIROS-SE. Vanessa Santos Costa Mestranda em Geografia, Universidade Federal de Sergipe, Bolsista FAPITEC vanygui@yahoo.com.br

Leia mais

ESTUDO SOBRE O POTENCIAL DE UTILIZAÇÃO DA ENERGIA EÓLICA PARA SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JAGUARIBE

ESTUDO SOBRE O POTENCIAL DE UTILIZAÇÃO DA ENERGIA EÓLICA PARA SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JAGUARIBE ESTUDO SOBRE O POTENCIAL DE UTILIZAÇÃO DA ENERGIA EÓLICA PARA SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JAGUARIBE A. C. Praciano 1 ; R. A. de O. Leão 2 ; D. Albiero 3 ; L. de A. Monteiro

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

UNIVESIDADE CANDIDO MENDES PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE ENERGIA EÓLICA INDIVIDUAL OU COLETIVA NA REGIÃO DOS LAGOS

UNIVESIDADE CANDIDO MENDES PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE ENERGIA EÓLICA INDIVIDUAL OU COLETIVA NA REGIÃO DOS LAGOS 1 UNIVESIDADE CANDIDO MENDES PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE ENERGIA EÓLICA INDIVIDUAL OU COLETIVA NA REGIÃO DOS LAGOS POR : VICTOR AYRES ALMEIDA ORIENTADOR PROF: DR. ALEKSANDRA SLIWOWSKA

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

Titulo Desenho de um gerador Eólico de Baixo Custo para uso residencial

Titulo Desenho de um gerador Eólico de Baixo Custo para uso residencial Titulo Desenho de um gerador Eólico de Baixo Custo para uso residencial Autor Julio César Pinheiro Pires [1] Branca F. Oliveira [2] Resumo: A difusão da energia eólica está em evidencia por apresentar

Leia mais

2. Energia Eólica em uma Empresa e sua Viabilização

2. Energia Eólica em uma Empresa e sua Viabilização 2. Energia Eólica em uma Empresa e sua Viabilização 2.1. Definições Para utilização de conversores de energia eólica numa empresa, a avaliação exata da vida útil de seus componentes estruturais e de todo

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

Estudo de Caso : Configuração da Atmosfera na Ocorrência de Baixo Índice da Umidade Relativa do Ar no Centro-Oeste do Brasil

Estudo de Caso : Configuração da Atmosfera na Ocorrência de Baixo Índice da Umidade Relativa do Ar no Centro-Oeste do Brasil Estudo de Caso : Configuração da Atmosfera na Ocorrência de Baixo Índice da Umidade Relativa do Ar no Centro-Oeste do Brasil 1 Elizabete Alves Ferreira, Mamedes Luiz Melo 1, Josefa Morgana Viturino de

Leia mais

SIMULAÇÃO NO WAsP VISANDO À REPOTENCIAÇÃO DO PARQUE EÓLICO DE BEBERIBE. 1 Departamento de Engenharia Mecânica. Universidade Federal de Santa Catarina

SIMULAÇÃO NO WAsP VISANDO À REPOTENCIAÇÃO DO PARQUE EÓLICO DE BEBERIBE. 1 Departamento de Engenharia Mecânica. Universidade Federal de Santa Catarina SIMULAÇÃO NO WAsP VISANDO À REPOTENCIAÇÃO DO PARQUE EÓLICO DE BEBERIBE Franciene I. P. de Sá 1, Júlio C. Passos 1, Yoshiaki Sakagami 2, Pedro A. A. Santos 1, Reinaldo Haas 1, Frederico de F. Taves 3 1

Leia mais

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas UC História e Geografia de Portugal II Geografia de Portugal 3. O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas IPS-ESE ME12C André Silva O Clima Português: Elementos

Leia mais

Avaliação do potencial eólico em três localidades cearenses

Avaliação do potencial eólico em três localidades cearenses Avaliação do potencial eólico em três localidades cearenses Francisco José Lopes de Lima 1, 3, Emerson Mariano da Silva 2, Enilson Palmeira Cavalcanti 3 1 Bolsista CAPES/CNPq do Curso de Mestrado em Meteorologia.

Leia mais

Energias Renováveis. Definições Básicas. Fontes de energia Convencionais Renováveis Alternativas Limpas Sustentáveis

Energias Renováveis. Definições Básicas. Fontes de energia Convencionais Renováveis Alternativas Limpas Sustentáveis Definições Básicas Fontes de energia Convencionais Renováveis Alternativas Limpas Sustentáveis Fontes de energia convencionais: São as fontes tradicionais de energia, por exemplo: Usinas hidrelétricas

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES 1 INTRODUÇÃO NA PRÉ HISTÓRIA O HOMEM UTILIZAVA SUA PRÓPRIA ENERGIA PARA DESENVOLVER SUAS ATIVIDADES TRANSFERÊNCIA DO ESFORÇO PARA OS ANIMAIS 2 APÓS A INVENSÃO DA RODA: UTILIZAÇÃO

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE MEDIDAS DE VELOCIDADE DO VENTO EM RIO GRANDE, RS, DE 2001 A 2006

COMPARAÇÃO ENTRE MEDIDAS DE VELOCIDADE DO VENTO EM RIO GRANDE, RS, DE 2001 A 2006 COMPARAÇÃO ENTRE MEDIDAS DE VELOCIDADE DO VENTO EM RIO GRANDE, RS, DE 2001 A 2006 Joel Rubert 1, Margareth Badejo dos Santos 2, Nisia Krusche 3 RESUMO: Diferenças entre as medidas de vento, realizadas

Leia mais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais 2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais Para uma maior precisão na modelagem da atenuação provocada pela precipitação no sinal radioelétrico,

Leia mais

GERÊNCIA EDUCACIONAL DE FORMAÇÃO GERAL E SERVIÇOS CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA ESTUDO ESTATISTICO DA BRISA ILHA DE SANTA CATARINA

GERÊNCIA EDUCACIONAL DE FORMAÇÃO GERAL E SERVIÇOS CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA ESTUDO ESTATISTICO DA BRISA ILHA DE SANTA CATARINA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLOGICA DE SANTA CATARINA GERÊNCIA EDUCACIONAL DE FORMAÇÃO GERAL E SERVIÇOS CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA ESTUDO ESTATISTICO DA BRISA NA ILHA DE SANTA CATARINA Projeto Integrador

Leia mais

Fontes Alternativas de Energia

Fontes Alternativas de Energia Fontes Alternativas de Energia Fontes de Energia Fontes Primárias Fontes Renováveis Fontes Não Renováveis Geotérmica Gravitacional Solar Nuclear Oceânica Eólica Hidráulica Fontes Secundárias Madeira Cana

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE METEOROLOGIA

NOÇÕES BÁSICAS DE METEOROLOGIA NOÇÕES BÁSICAS DE METEOROLOGIA O objetivo principal deste documento é fornecer conhecimentos básicos de meteorologia prática para a interpretação dos principais sistemas meteorológicos que atingem boa

Leia mais

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Empresa de Pesquisa Energética - EPE

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Empresa de Pesquisa Energética - EPE WORKSHOP Integração de mercados de energia elétrica e formação de preços PAINEL IV Harmonização dos mercados TEMA Impacto da ampliação das fontes renováveis na integração dos mercados Amilcar Guerreiro

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO PROGRAMA DE ATIVIDADES DE ENERGIA EÓLICA NO BRASIL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

CONTRIBUIÇÃO DO PROGRAMA DE ATIVIDADES DE ENERGIA EÓLICA NO BRASIL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CONTRIBUIÇÃO DO PROGRAMA DE ATIVIDADES DE ENERGIA EÓLICA NO BRASIL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Atendimento à Resolução nº1 de 11 de setembro de 2003 da Comissão Interministerial de Mudança Global

Leia mais

Fique ligado na energia!

Fique ligado na energia! A U A UL LA 3 Fique ligado na energia! Todos os processos vitais do planeta - circulação das águas e dos ventos, a fotossíntese, entre outros - dependem de energia. A principal fonte de energia na Terra

Leia mais