REGULAMENTO ACADÉMICO. IV. Disposições específicas para mestrados REG-001/V00

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO ACADÉMICO. IV. Disposições específicas para mestrados REG-001/V00"

Transcrição

1 IV. Disposições específicas para mestrados

2 Artigo 1º Concessão do Grau O grau de mestre é conferido através da aprovação em todas as unidades curriculares que integram o plano de estudos do mestrado e da aprovação do ato público da defesa da dissertação, do trabalho de projeto ou do relatório de estágio. Artigo 2º Admissão 1. Habilitações 1.1. Estão habilitados a frequentar os s da Universidade Europeia: Os titulares de um grau de doutoramento, mestrado ou licenciatura na área científica respetiva ou de um grau equivalente legal Os titulares de um grau académico superior estrangeiro reconhecido pelo Conselho Científico como satisfazendo os objetivos do grau de licenciado Os detentores de um currículo escolar, científico ou profissional que seja reconhecido como conferindo a capacidade para a frequência deste ciclo de estudos. Os processos respetivos são casuisticamente apreciados e despachados pelo Conselho Científico O reconhecimento a que se refere o ponto tem como efeito apenas o acesso ao ciclo de estudos conducente ao grau de mestre e não confere ao seu titular a equivalência ao grau de Licenciado ou ao reconhecimento desse grau. 2. Vagas e Prazos de Candidatura 2.1. O número de vagas e os prazos de candidatura são afixados pelo Reitor até noventa dias antes do início das aulas. 3. Seriação 3.1. O processo de seriação dos candidatos é da responsabilidade do Reitor, que submeterá o resultado final para a ratificação do Conselho Científico O processo de seriação considera a seguinte ordem de prioridades: Os titulares do grau de doutor ou de um grau legalmente equivalente Os titulares do grau de mestre ou de um grau legalmente equivalente Os titulares do grau de licenciado ou de um grau legalmente equivalente Os titulares de um grau académico superior reconhecido pelo Conselho Científico da Europeia Os detentores de um currículo escolar, científico ou profissional reconhecido pelo Conselho Científico da Europeia conferindo a capacidade para frequência do mestrado específico em causa A classificação dos candidatos é feita com base nos seguintes critérios: Média final do ciclo de estudo mais elevado dos candidatos; Análise e pontuação dos currículos académicos e profissionais dos candidatos Após análise dos currículos académicos e profissionais, o Reitor pode convocar os candidatos para uma entrevista de motivações, que visa complementar as informações recolhidas no processo de seriação As pontuações dadas a cada um dos critérios de classificação dos candidatos são estabelecidas e atualizadas sob proposta do Reitor e ratificadas pelo Conselho Científico, que estabelecerá os níveis de pontuação de acordo com a natureza e os intervalos de experiência profissional, os cursos de formação, as publicações e outros elementos de interesse curricular Independentemente dos numerus clausus, o Conselho Científico da Universidade Europeia pode recusar candidaturas por considerar que não preenchem as condições e/ou critérios mínimos de acesso. 4. Resultados da Seriação 4.1. Os resultados da seriação serão afixados no prazo de trinta dias após o encerramento do período de candidatura Os candidatos admitidos devem efetivar a sua inscrição no prazo de quinze dias após a afixação dos resultados Passado o prazo referido em 4.2., os candidatos que não procederem à inscrição serão substituídos por outros candidatos de acordo com a ordem de seriação. Página 2 de 9

3 Artigo 3º Obtenção de para Licenciados 1. Os licenciados ao abrigo do sistema anterior ao Processo de Bolonha quer tenham concluído a sua licenciatura na Universidade Europeia, quer noutras instituições de ensino superior, nacionais ou estrangeiras poderão obter o grau de mestre, solicitando, para o efeito, a creditação da formação adquirida na Licenciatura, de eventual formação pós-secundária realizada e da experiência profissional adquirida. 2. Creditação 2.1. A creditação prevista no ponto anterior é realizada num mínimo de 60 ECTS. Poderá ainda acrescer, caso o estudante cumpra as condições estabelecidas, a creditação indicada em 3.5. do presente artigo A creditação prevista na alínea anterior é realizada através da avaliação do currículo académico e profissional dos candidatos, em que se analisa a formação adquirida na licenciatura, a formação póssecundária realizada e a experiência profissional obtida. Nestas duas últimas situações aplica-se o disposto no Regulamento de Reconhecimento de Cursos de Formação Pós-Secundária e/ou Experiência Profissional São ainda reconhecidas unidades curriculares frequentadas em outros mestrados, cujo conteúdo esteja em harmonia com os objetivos do mestrado a que o estudante se candidata A creditação a que se referem as alíneas anteriores realiza-se, exclusivamente, na área científica em que os candidatos obtiveram o diploma de licenciatura Para o efeito, os candidatos devem instruir o processo de creditação através de requerimento dirigido ao Reitor, a que juntam os seguintes elementos: Certificado de habilitações e respetivos conteúdos programáticos; Certificado de conclusão de formação pós-secundária que, eventualmente, tenham realizado; Curriculum Vitae; Publicações científicas em revistas com arbitragem, nacional ou internacional Os candidatos que concluíram a licenciatura e/ou formação pós-secundária na Europeia estão dispensados da apresentação dos certificados correspondentes A avaliação do currículo académico e profissional dos candidatos cabe a um júri nomeado pelo Reitor. As decisões do júri são verificadas e despachadas pelo Reitor e sancionadas pelo Conselho Científico. 3. Unidades Curriculares a frequentar 3.1. Os candidatos que tenham realizado licenciaturas com duração de 5 anos letivos ou que tenham realizado formação pós-secundária ou que, tendo realizado licenciaturas com duração de 4 anos letivos, possuam uma experiência profissional igual ou superior a 5 anos na área de especialização, devem realizar as seguintes unidades curriculares do plano de estudos de mestrado de 120 ECTS em que estão inscritos: Metodologia de Investigação (6 ECTS); Análise de Dados (6 ECTS); Projeto de Dissertação (12 ECTS); Dissertação de (30 ECTS) Os candidatos que tenham realizado licenciaturas com duração de 4 anos letivos devem realizar as seguintes unidades curriculares do plano de estudos de mestrado de 120 ECTS em que estão inscritos: Metodologia de Investigação (6 ECTS); Análise de Dados (6 ECTS); Unidade curricular da área de especialização, escolhida pelos candidatos, de entre o leque oferecido pela Universidade Europeia (6 ECTS). A escolha é realizada nos 5 (cinco) dias úteis posteriores ao início do respetivo semestre, através do ElpUs Online; Projeto de Dissertação (12 ECTS); Dissertação de (30 ECTS) Os candidatos que se matriculem em mestrados com 90 ECTS devem realizar a unidade curricular Projeto Aplicado As unidades curriculares previstas nos números anteriores são realizadas no período de um ano letivo Os candidatos poderão obter dispensa de frequência de algumas unidades curriculares referidas em 3.1. e 3.2., mediante o cumprimento das seguintes condições: Página 3 de 9

4 No caso das unidades curriculares de Metodologia de Investigação e de Análise de Dados, estão dispensados da sua frequência os candidatos que tenham realizado unidades curriculares com objetivos similares no âmbito de outros ciclos de estudos de nível superior; No caso das unidades curriculares de Metodologia de Investigação ou de Projeto de Dissertação, poderão estar dispensados os candidatos que tenham publicado, em revista com arbitragem, nacional ou internacional, um artigo na área científica de especialização. A equivalência é concedida de acordo com a contribuição científica feita pelo artigo em causa A dispensa de frequência das unidades curriculares referidas na alínea anterior é determinada pelo Conselho Científico, de acordo com o processo de avaliação do currículo académico e profissional dos candidatos, previsto no n.º 2. do presente artigo. Artigo 4º Unidades Curriculares Optativas 1. Nos cursos que as prevejam, as unidades curriculares optativas podem ser realizadas através das seguintes modalidades: 1.1. Unidades curriculares optativas; 1.2. Estágios extracurriculares, que substituem as unidades curriculares. 2. O Reitor publicará, no início de cada semestre, uma listagem atualizada das unidades curriculares optativas disponíveis. A escolha das unidades curriculares optativas é da responsabilidade do estudante. 3. O estudante pode realizar as unidades curriculares optativas num turno diferente daquele em que se encontra inscrito. 4. A substituição de unidades curriculares optativas por estágios rege-se pelas normas dispostas no artigo 5º do presente capítulo. 5. A inscrição nas unidades curriculares optativas é realizada nos cinco dias úteis posteriores ao início do respetivo semestre, através de formulário próprio, disponível no ElpUs Online. Outras situações serão apreciadas casuisticamente pelo Reitor. Artigo 5º Estágios Curriculares e Extra Curriculares 1. Disposições gerais 1.1. Os Estágios Curriculares e Extracurriculares são angariados pelos estudantes interessados, sem prejuízo do Departamento de Empregabilidade poder, quando lhe é solicitado por uma entidade empregadora, divulgar Estágios Curriculares e Extracurriculares através dos meios que considere adequados para o efeito Estão impedidos de recorrer ao Departamento de Empregabilidade os estudantes devedores de propinas, de propinas suplementares ou de outros valores Os Estágios Curriculares e Extracurriculares só poderão ser considerados como válidos se a sua natureza (objetivos e funções a desempenhar) e tema forem compatíveis com aqueles que estão fixados para a unidade curricular cuja frequência visa substituir ou para o Ciclo de Estudos que o estudante frequenta. A validação é realizada pelo Coordenador Científico, que aprecia e despacha a proposta apresentada pelo estudante. Estas propostas serão formalizadas através de um formulário disponível no ElpUs Online O deferimento da proposta implica a nomeação de um Orientador, oriundo da Universidade Europeia e nomeado pelo Coordenador Científico, bem como um Supervisor de Estágio, oriundo da instituição de acolhimento. A função de ambos é a de acompanhar e supervisionar o trabalho desenvolvido pelo estudante ao longo do semestre letivo Depois de deferida a proposta do estudante e após a nomeação do Orientador e do Supervisor, o Estágio é validado através de um protocolo de estágio, assinado pela instituição de acolhimento, pela Universidade Europeia e pelo estudante. Neste constam as obrigações das partes envolvidas O protocolo de estágio pode ser rescindido unilateralmente pela Universidade Europeia ou pela entidade de acolhimento desde que o comportamento do estagiário se revele lesivo para o funcionamento normal da dita entidade ou quando o estágio se revele inadequado à finalidade pretendida Nas condições referidas no ponto anterior o estudante terá, preferencialmente, de realizar os ECTS Página 4 de 9

5 por via de um outro estágio quando a causa da rescisão não lhe é imputável. Caso contrário, o estudante deverá frequentar a unidade curricular referente aos semestres em causa Os estágios são cobertos por seguro escolar. 2. Estágios Curriculares para mestrados de 120 ECTS 2.1. O Estágio Curricular para mestrados de 120 ECTS substitui a realização das unidades curriculares Projeto de Dissertação e Dissertação O Estágio Curricular para mestrados de 120 ECTS compreende três componentes de avaliação obrigatórias: 1) inserção do estudante em ambiente empresarial, 2) realização do Relatório Descritivo e 3) realização de um Relatório de Estágio. A primeira componente é realizada ao longo do 3.º Semestre letivo, sendo que a sua duração não poderá ser inferior a 240 horas de trabalho. A segunda e terceira componentes consistem na realização de um trabalho individual, cujos parâmetros estão definidos no artigo 6º do presente regulamento Os prazos para entrega da proposta de Estágio Curricular referida no número anterior são apresentados no quadro seguinte. As propostas serão formalizadas através de um formulário disponível no ElpUs Online. Normal Data de entrega da proposta de estágio curricular Fim da Época Especial de Trabalhador Estudante 15 dias após o início do ano letivo 3. Estágios Curriculares para mestrados de 90 ECTS 3.1. O Estágio Curricular para mestrados de 90 ECTS substitui a realização da unidade curricular Projeto Aplicado O Estágio Curricular para mestrados de 90 ECTS compreende duas componentes de avaliação obrigatórias: 1) inserção do estudante em ambiente empresarial, 2) realização de um Relatório de Estágio. A primeira componente é realizada ao longo do 3.º Semestre letivo, sendo que a sua duração não poderá ser inferior a 240 horas de trabalho. A segunda componente consiste na realização de um trabalho individual, cujos parâmetros estão definidos no artigo 6º do presente regulamento A proposta de Estágio Curricular referida no número anterior é apresentada no quadro seguinte. Estas propostas serão formalizadas através de um formulário disponível no ElpUs Online. Normal Data de entrega da proposta de estágio curricular Fim da época de exames especial (trabalhador estudante) 15 dias após o início do ano letivo 4. Estágios Extracurriculares para mestrados de 120 ECTS 4.1. Os estágios têm carácter opcional, ficando a sua realização enquadrada pela unidade curricular optativa Estágio Extracurricular do 2.º semestre letivo do Os estágios deverão ser efetuados durante o 2.º semestre letivo e terão a duração mínima de 240 horas, em regime full ou part-time A proposta de Estágio extracurricular é apresentada até ao último dia do período da Época Normal do 1.º semestre. Estas propostas serão formalizadas através de um formulário disponível no ElpUs Online O estágio extracurricular compreende duas componentes de avaliação obrigatórias: 1) inserção do estudante em ambiente empresarial, 2) realização de um Relatório de Estágio. A primeira componente é realizada ao longo do 3.º Semestre letivo, sendo que a sua duração não poderá ser inferior a 240 horas de trabalho. A segunda componente consiste na realização de um trabalho individual O relatório previsto no número anterior é entregue até o términus da Época de Recurso do 2.º semestre letivo do A nota final resulta da média aritmética das notas atribuídas pelo orientador e supervisor numa escala de 0 a 20 valores. A nota do supervisor tem em consideração a assiduidade, o empenho, a criatividade e a qualidade do relatório. Por sua vez, o orientador aprecia a evolução, a forma e o fundo do relatório A não aprovação do relatório implica a realização de uma ou mais unidades curriculares optativas até perfazer o número de ECTS requeridos para o semestre em causa. Página 5 de 9

6 4.8. Caso o estudante não entregue o relatório de estágio dentro do prazo definido no ponto 4.5., estará automaticamente reprovado na respetiva unidade curricular. Artigo 6º Trabalho Final de Curso 1. Disposições Gerais 1.1. São admitidos a apresentar Trabalho Final de Curso os estudantes que obtiveram aprovação na componente curricular do mestrado O Trabalho Final de Curso será obrigatoriamente um Estágio Curricular ou um Projeto Aplicado ou uma Dissertação. Tipologia 1.ª parte 2.ª parte 3.ª parte Estágio Curricular + Descritivo da Proposta Relatório de Estágio Estágio Curricular Relatório Estágio de Estágio Analítico Aprofundado Analítico Projeto Aplicado Descritivo de Projeto Aplicado Relatório de Diagnóstico Relatório Estratégico Dissertação Descritivo de Dissertação Projeto de Dissertação Dissertação 1.3. No caso dos mestrados com 90 ECTS, os estudantes devem entregar a 1.ª e a 3.ª parte do Trabalho Final de Curso previstas no número anterior, cumprindo todos os preceitos deste regulamento, com as necessárias adaptações face à natureza do ciclo de estudos O Trabalho Final de Curso deve respeitar o disposto no documento Normas de Elaboração dos Trabalhos Académicos e Científicos da Universidade Europeia. 2. Descritivo de Trabalho Final 2.1. O Descritivo do Trabalho Final corresponde ao Descritivo da Proposta de Estágio, ao Descritivo de Projeto Aplicado ou ao Descritivo de Dissertação O Descritivo de Trabalho Final é um documento expositivo do tema que os estudantes pretendem abordar, contextualizando o problema e descrevendo a abordagem teórica, de referência e metodológica que desejam aplicar na sua realização. No caso da realização do Estágio, os estudantes devem também entregar os documentos previstos no Artigo 5º do presente normativo A entrega do Descritivo de Trabalho Final será formalizada através de um formulário disponível no ElpUs Online, devendo o mesmo ser submetido de acordo com a seguinte tabela: Data de Entrega 120 ECTS Fim da Época Especial de Trabalhador-Estudante 90 ECTS Fim da Época Especial de Trabalhador-Estudante 15 dias após o início do ano letivo 2.4. Os estudantes que não cumprirem o estipulado em 2.3. deverão observar os prazos de entrega estipulados na edição posterior do que frequentam. 3. Nomeação do Orientador A designação e atribuição dos orientadores obedece ao previsto na distribuição do serviço referente a cada ciclo de estudo. 4. Projeto de Trabalho Final de Curso 4.1. O Projeto de Trabalho Final de Curso corresponde: Estágio Curricular: período de imersão profissional na instituição de acolhimento e redação do Relatório Descritivo de Estágio Analítico, que corresponde à descrição de funções do estagiário e à descrição das políticas prosseguidas pela organização e dos instrumentos de análise, decisão e aplicação utilizados; Projeto Aplicado: redação do Relatório de Diagnóstico, onde o estudante realiza a análise da estruturação do tema em estudo, bem como uma descrição dos métodos de análise que utilizou Página 6 de 9

7 na realização do diagnóstico; Dissertação: redação do enquadramento teórico, de referência e metodológico da Dissertação que os estudantes pretendem realizar Os estudantes deverão entregar 2 (dois) exemplares em suporte de papel, assinados e datados, e uma cópia em suporte digital O Projeto de Trabalho Final de Curso deverá ser entregue no Student Services, que procede ao registo de entrada destes documentos, de acordo com as seguintes datas: Data de Entrega 120 ECTS Primeira quinzena de Janeiro (3.º semestre) Primeira quinzena de Janeiro (1.º semestre) 4.4. O Projeto de Trabalho Final de Curso é discutido na época de avaliação do 3.º (terceiro) semestre ou 1.º (primeiro) semestre, em sessão de discussão organizada pelo Coordenador. Época Normal Época de Recurso 120 ECTS Pré- Bolonha Até ao final da primeira semana de Fevereiro Até ao último dia útil de Janeiro Até ao final da terceira semana de Fevereiro Até ao final da terceira semana de Fevereiro Época Especial de Trabalhador-Estudante Até ao final da primeira semana de Março Até ao final da primeira da semana de Março 4.5. Na sessão referida no número anterior estão presentes o Coordenador Científico, os Orientadores de Projeto do Trabalho Final de Curso em discussão e os docentes do mestrado que desejem colaborar. O estudante dispõe de 15 minutos para a apresentação do seu Projeto de Trabalho Final de Curso, havendo lugar a perguntas e sugestões dos docentes presentes. A sessão deve ficar concluída em 60 minutos Os estudantes que não cumprirem o estipulado em 4.3. poderão optar pela entrega do Projeto de Trabalho Final de Curso na época de recurso ou na época de Trabalhador Estudante. Neste caso o estudante deve liquidar o montante que tenha sido definido pela entidade instituidora. 120 ECTS Pré- Bolonha Entrega do Projeto de Trabalho Final de Curso (Época de Recurso) Até ao final da primeira semana de Fevereiro Até ao final da primeira semana de Fevereiro Entrega do Projeto de Trabalho Final de Curso (Época Especial de Trabalhador-Estudante) Até ao último dia útil de Fevereiro Até ao último dia útil de Fevereiro 4.7. Os estudantes que não cumprirem o estipulado em 4.6. deverão observar os prazos de entrega definidos para a edição posterior do que frequentam, liquidando a propina de reinscrição no ano letivo Do Projeto de Trabalho Final de Curso, da sua apresentação e da sua defesa resultará uma classificação final (entre 0 e 20 valores) A classificação final resulta da média aritmética das classificações parciais atribuídas pelo Coordenador do e pelo Orientador do Projeto de Trabalho Final de Curso. A classificação parcial resulta da apreciação 1) de considerações de forma e fundo e 2) da apresentação e defesa do Projeto de Trabalho Final de Curso Os temas aprovados são registados, pelo Reitor, num ficheiro próprio A alteração do tema do Projeto de Trabalho Final de Curso terá, obrigatoriamente, de ser efetuada antes da data definida em 4.4. Deve ser comunicada através de carta, dirigida ao Reitor, na qual o estudante explicita as razões do seu pedido. O estudante deverá entregar, também, um novo Descritivo de Trabalho Final, para que se possa proceder à seleção do orientador indicado para o novo tema Os pedidos de alteração do tema do Projeto de Trabalho Final apresentados para além do prazo definido serão liminarmente recusados Os estudantes abrangidos pelo ponto têm de proceder à inscrição e liquidar a respetiva propina. A inscrição deve ser feita no prazo definido, em cada ano, para a matrícula nos mestrados da Universidade Europeia Os estudantes que não cumprirem o estipulado em deverão observar os prazos de entrega Página 7 de 9

8 estipulados para a edição posterior do que frequentam. Nestas circunstâncias terão de renovar a matrícula e proceder à reinscrição na unidade curricular em atraso. 5. Trabalho Final 5.1. O Trabalho Final de Curso corresponde: Estágio Curricular: redação do Relatório de Estágio, que realiza a análise dos resultados obtidos, sua análise crítica e proposta de alterações, fundamentadas teoricamente Projeto Aplicado: redação do Relatório Estratégico e/ou de viabilidade económica e financeira Dissertação: realização do estudo conceptual, de referência e empírico O Trabalho Final tem 50 (cinquenta) páginas como limite máximo (não incluindo os anexos) Os estudantes têm 1 (um) semestre letivo para proceder à entrega do Trabalho Final, devendo cumprir os prazos abaixo indicados. São formalmente entregues no Student Services, que procede ao registo de entrada destes documentos. Entrega do Trabalho Final de Curso (Dissertação/Estágio/Projeto Aplicado) 120 ECTS Final da primeira quinzena de Junho (4.º semestre) 90 ECTS Final da terceira semana de Dezembro (3.º semestre) Final da primeira quinzena de Junho (2.º semestre) 5.4. Os estudantes que não cumprirem o estipulado em 5.3. poderão optar pela entrega do Trabalho Final de Curso na época de recurso ou na época de Trabalhador Estudante. Neste caso o estudante deve liquidar o montante que tenha sido definido pela entidade instituidora e cumprir os prazos abaixo indicados: Entrega do Trabalho Final de Curso (Dissertação/Estágio/Projeto Aplicado) 120 ECTS Último dia útil de Agosto 90 ECTS Último dia útil de Janeiro Último dia útil de Agosto 5.5. A derrogação dos prazos fixados implicará o pagamento das propinas adicionais que forem definidas pela Entidade Instituidora A suspensão do Trabalho Final implica o pagamento da totalidade das propinas referentes ao semestre letivo respetivo. O reinício do Trabalho Final, quando devidamente autorizado pelo Reitor, implica um reingresso, com respetivo pagamento do semestre O Trabalho Final é enviado ao Reitor, acompanhado de um parecer fundamentado do Orientador. O estudante não poderá entregar o Trabalho Final de Curso sem o parecer favorável do Orientador O Trabalho Final é submetido a um processo de apreciação prévia, que observará o seguinte normativo: O Reitor, em concertação com o Coordenador Científico, diligenciará no sentido de obter um parecer de um relator especialista com vista a propor a autorização da defesa pública do Trabalho Final O relator nomeado pode ser interno da Universidade Europeia ou oriundo de uma outra instituição. Deve ser titular de um doutoramento ou de uma qualificação académica e profissional de grande relevo na área em apreço O relator envia o seu parecer ao Reitor O relator pode condicionar o seu parecer favorável a alterações de forma e/ou de fundo a serem introduzidas no Trabalho Final. A referida exigência de alterações será comunicada, por escrito, ao Reitor que, por sua vez, a transmite às partes interessadas Ao verificar-se o estipulado em o candidato terá um prazo de noventa dias de calendário para apresentar, novamente, o trabalho devidamente corrigido. Um novo parecer deve ser redigido e enviado pelo relator ao Reitor O parecer do relator é apreciado, independentemente do seu conteúdo, pelo Reitor, sem prejuízo da comunicação da decisão ao Conselho Científico, que decidirá da autorização da defesa pública do trabalho de projeto ou da dissertação Os candidatos autorizados a defender o Trabalho Final devem entregar, no ElpUs, um total de 4 (quatro) exemplares em papel e encadernados, bem como (1) um exemplar em suporte digital, de acordo com as Normas de Elaboração dos Trabalhos Académicos e Científicos da Universidade Página 8 de 9

9 Europeia. A entrega é realizada nos cinco dias úteis a seguir à notificação do candidato A cada membro do Júri é remetido um exemplar do Trabalho Final. 6. Nomeação do júri 6.1. O Júri é constituído: No mínimo, por três membros, no caso de Trabalho Final de Dissertação No mínimo, por dois membros no caso de Projeto (1º Semestre) São membros do Júri por inerência: O Reitor, que preside. O Reitor pode fazer-se substituir por um outro docente desde que seja titular de um doutoramento na área científica do O Orientador ou o Coorientador do Trabalho Final em apreço. Sempre que exista mais do que um orientador, apenas um pode integrar o júri O relator na qualidade de arguente Os membros nomeados são designados pelo Reitor, ouvido o Coordenador. Estes membros devem ser doutorados no domínio em que se insere o Trabalho Final. Excecionalmente podem ser nomeados especialistas de mérito reconhecido. Os membros podem ser nacionais ou estrangeiros O prazo para a apreciação do Trabalho Final pelos membros do Júri não deve ultrapassar os trinta dias de calendário. 7. Prestação de provas 7.1. A prestação de provas é pública O edital com a data da prestação de provas é afixado, pelo Reitor, nos locais próprios. No referido edital consta o nome do candidato, a composição do Júri, o título do trabalho de projeto ou de dissertação e a data, hora e local de prestação da prova O desenrolar da prova obedece ao seguinte normativo: O candidato dispõe de 15 (quinze) minutos para apresentar o trabalho de projeto ou de dissertação, assim como outras considerações relacionadas com o ato Os membros do Júri usam, individualmente, da palavra para apresentarem a sua apreciação e colocarem ao candidato as perguntas que entendam necessárias O candidato responde individual ou coletivamente às perguntas do Júri A duração da prova tem um limite de 60 (sessenta) minutos A decisão sobre a aprovação ou reprovação do candidato é tomada por deliberação à porta fechada As deliberações do Júri são tomadas por maioria dos membros que constituem o Júri, através da votação nominal justificada, não sendo permitidas abstenções Em caso de aprovação é atribuída, ainda, uma classificação de 10 (dez) a 20 (vinte) valores Existe ainda uma classificação qualitativa, destinada exclusivamente para as dissertações, de acordo com a seguinte escala: de 10 a 13 valores, Aprovado; de 14 a 16 valores, Bom; de 17 a 20, Muito Bom As decisões são tomadas por unanimidade ou por maioria dos membros do Júri, sendo esta menção incluída na cata e no certificado de conclusão do O resultado final é anunciado publicamente pelo Presidente do Júri na presença do candidato Das reuniões do Júri são lavradas catas, das quais constam os votos de cada um dos seus membros e a respetiva fundamentação, que pode ser comum a todos ou a alguns elementos do Júri. Página 9 de 9

DESPACHO/SP/42/2014. Artigo 17.º. Enquadramento jurídico

DESPACHO/SP/42/2014. Artigo 17.º. Enquadramento jurídico DESPACHO/SP/42/2014 Aprovo a seguinte alteração ao Regulamento do Mestrado em Fisioterapia na área de especialização de movimento humano, ministrado na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra

Leia mais

Normas Regulamentares dos Mestrados Versão: 03 Data: 13/03/2013

Normas Regulamentares dos Mestrados Versão: 03 Data: 13/03/2013 Normas Regulamentares dos Mestrados Versão: 03 Data: 13/03/2013 RG PR12 04 Elaborado: Verificado: Aprovado: Conselho Técnico Científico do IPB GPGQ Conselho Técnico Científico do IPB Pág. 1 de 16 Instituto

Leia mais

Mestrado em Arte e Ciência do Vidro versão 19 10 2007. Normas regulamentares

Mestrado em Arte e Ciência do Vidro versão 19 10 2007. Normas regulamentares Mestrado em Arte e Ciência do Vidro versão 19 10 2007 Normas regulamentares Artigo 1.º - Criação A Universidade Nova de Lisboa, através da Faculdade de Ciências e Tecnologia, confere o grau de mestre em

Leia mais

Normas Regulamentares do Curso de Jornalismo Comunicação e Cultura

Normas Regulamentares do Curso de Jornalismo Comunicação e Cultura 0 APROVADO POR: Conselho Técnico-Científico 20 10 2010 Data: / / 20 10 2010 Normas Regulamentares do Curso de Jornalismo Comunicação e Cultura 1. INTRODUÇÃO As presentes normas aplicam se aos cursos de

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO. Artigo 1.º Coordenador de Curso

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO. Artigo 1.º Coordenador de Curso REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO Artigo 1.º Coordenador de Curso 1. A coordenação pedagógica e científica de um curso de formação não graduada cabe, em regra, a um docente

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 16 de fevereiro de 2012

Reitoria. Universidade do Minho, 16 de fevereiro de 2012 Reitoria Despacho RT-12/2012 Por proposta do Conselho Pedagógico do Instituto de Ciências Sociais, é homologado o Regulamento do Ciclo de Estudos Conducente à obtenção do Grau de Mestre em Geografia, anexo

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL CAPÍTULO I GRAU DE MESTRE Artigo 1.º Criação A ESAP Guimarães confere o grau de Mestre em Animação Digital. O ciclo de estudos

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 de 26 de Outubro, da

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 da Reitoria da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESENHO

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESENHO REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESENHO CAPÍTULO I GRAU DE MESTRE Artigo 1.º Criação A ESAP - Guimarães confere o grau de Mestre em Desenho com Especialização em Prática

Leia mais

REGULAMENTO ACADÉMICO. III. Disposições específicas para licenciaturas REG-001/V00

REGULAMENTO ACADÉMICO. III. Disposições específicas para licenciaturas REG-001/V00 III. Disposições específicas para licenciaturas Artigo 1º Concessão do Grau 1. O grau de licenciado é conferido aos que, através da aprovação em todas as unidades curriculares obrigatórias e optativas

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março,

Leia mais

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM DIREITO Sumário CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...2 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE,

Leia mais

REGULAMENTO. CURSOS DE MESTRADO (2.º CICLO) Mestrado em Gestão DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS

REGULAMENTO. CURSOS DE MESTRADO (2.º CICLO) Mestrado em Gestão DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO CURSOS DE MESTRADO (2.º CICLO) Mestrado em Gestão DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS 2015 PREÂMBULO O presente regulamento fixa as normas de funcionamento do curso de mestrado

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO (Deliberação nº 50/2014)

CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO (Deliberação nº 50/2014) REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MEIOS COMPLEMENTARES DE DIAGNÓSTICO EM ENFERMAGEM VETERINÁRIA MINISTRADO PELAS ESCOLAS SUPERIORES AGRÁRIAS DOS INSTITUTOS POLITÉCNICOS DE BRAGANÇA, DE CASTELO BRANCO,

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS Artigo 1.º Duração e estrutura do ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre 1. O ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre, ministrado na ESTBarreiro/IPS,

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM 01 APROVADO POR: CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO 16 03 2012 Data: 16/03/2012 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação)

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Regulamento de Funcionamento e Avaliação dos Mestrados da APNOR

Regulamento de Funcionamento e Avaliação dos Mestrados da APNOR ASSOCIAÇÃO DE POLITÉCNICOS DO NORTE (APNOR) Instituto Politécnico de Bragança Instituto Politécnico do Cávado e do Ave Instituto Politécnico do Porto Instituto Politécnico de Viana do Castelo Regulamento

Leia mais

Artigo 1.º Criação. Artigo 2.º Âmbito de aplicação. Artigo 3.º Objetivos do curso. Artigo 4º Regras sobre a admissão no ciclo de estudos

Artigo 1.º Criação. Artigo 2.º Âmbito de aplicação. Artigo 3.º Objetivos do curso. Artigo 4º Regras sobre a admissão no ciclo de estudos UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto REGULAMENTO DO MESTRADO EM CIÊNCIAS DO DESPORTO (2º CICLO) Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação

Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º O presente Regulamento disciplina a organização e as atividades do programa de Pós Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ALIMENTAR

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ALIMENTAR 1.1 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ALIMENTAR Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 da Reitoria da Universidade Técnica

Leia mais

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM DIREITO. Cap. I DISPOSIÇÕES GERAIS (artigos 1.º a 3.º)

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM DIREITO. Cap. I DISPOSIÇÕES GERAIS (artigos 1.º a 3.º) REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM DIREITO Cap. I DISPOSIÇÕES GERAIS (artigos 1.º a 3.º) Cap. II CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE DOUTOR EM DIREITO (artigos 4.º a 32.º) SECÇÃO I Disposições Gerais (artigos

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201

Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201 Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201 vem obedecer às orientações para este efeito emitidas por despacho do Director da FCSH. 2 A tese de doutoramento deverá ter um mínimo de

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO ENCENAÇÃO

REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO ENCENAÇÃO REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO ENCENAÇÃO INTRODUÇÃO O Mestrado em Teatro, área de especialização Encenação, é um programa de segundo ciclo, constituído por quatro semestres e

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO TEATRO E COMUNIDADE

REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO TEATRO E COMUNIDADE REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO TEATRO E COMUNIDADE INTRODUÇÃO O Mestrado em Teatro, área de especialização em Teatro e Comunidade, é um programa de segundo ciclo, constituído

Leia mais

Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar. Normas regulamentares

Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar. Normas regulamentares Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar Normas regulamentares Preâmbulo O regulamento do Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa MESTRADO EM ENSINO DA MÚSICA REGULAMENTO SECÇÃO I DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO CURSO

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa MESTRADO EM ENSINO DA MÚSICA REGULAMENTO SECÇÃO I DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO CURSO Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa MESTRADO EM ENSINO DA MÚSICA REGULAMENTO SECÇÃO I DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO CURSO Artigo 1º Objecto 1 O presente regulamento aplica-se

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 102 27 de maio de 2015 13575

Diário da República, 2.ª série N.º 102 27 de maio de 2015 13575 Diário da República, 2.ª série N.º 102 27 de maio de 2015 13575 Joaquim Luís Oliveira Costa, na categoria de Assistente Convidado, a 55 %, pelo prazo de oito meses, com efeitos a partir de 26 de março

Leia mais

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM MEDICINA DENTÁRIA

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM MEDICINA DENTÁRIA REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM MEDICINA DENTÁRIA a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos 1. Habilitações de acesso São admitidos como candidatos à inscrição: a) os titulares de grau de mestre ou

Leia mais

Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO

Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO REGULAMENTO INTERNO Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO REGULAMENTO DO ENSINO RECORRENTE Artigo 1º OBJETO E ÂMBITO 1. O presente regulamento estabelece as regras da organização e desenvolvimento dos

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL.

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL. INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL Edição 2015-2017 Nos termos do Decreto -Lei n.º 42/2005, de pelo 22 de Fevereiro,

Leia mais

Regulamento dos Mestrados

Regulamento dos Mestrados Regulamento dos Mestrados 4.2.14 Conteúdo Enquadramento... 3 1 Organização... 3 1.1 Coordenação... 3 1.2 Programas... 3 1.3 Planos curriculares... 3 1.4 Unidades curriculares... 3 2 Candidatura... 5 2.1

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Psicologia e Educação

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Psicologia e Educação UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Psicologia e Educação REGULAMENTO DO MESTRADO EM SUPERVISÃO PEDAGÓGICA (2º CICLO) Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CURSOS DE 2 CICLO DE ESTUDOS CONFERENTES DO GRAU DE MESTRE DA FFUL

REGULAMENTO INTERNO DOS CURSOS DE 2 CICLO DE ESTUDOS CONFERENTES DO GRAU DE MESTRE DA FFUL FAR~Z6 REGULAMENTO INTERNO DOS CURSOS DE 2 CICLO DE ESTUDOS CONFERENTES DO GRAU DE MESTRE DA FFUL Na sequência da adequação dos cursos de 2 ciclo de estudos (Mestrados) desta Faculdade, operada à luz do

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA, DA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO PREÂMBULO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA, DA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO PREÂMBULO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA, DA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO PREÂMBULO No cumprimento da sua missão, a FEUP tem desenvolvido uma significativa

Leia mais

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo.

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo. MESTRADOS REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO JORNALISMO Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo. Artigo 2.º Destinatários O Mestrado em Jornalismo

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO (edição 2012-2014)

EDITAL MESTRADO EM SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO (edição 2012-2014) EDITAL MESTRADO EM SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO (edição 2012-) Nos termos do Decreto-Lei n.º 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de março, com as alterações introduzidas pelo

Leia mais

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 II SÉRIE Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 ÍNDICE 2.º SUPLEMENTO PARTE C Ministério da Educação e Ciência Gabinetes do Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar e da Secretária

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011

47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011 47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011 2) Cartas de curso identificação do Reitor da Universidade Nova de Lisboa, identificação do titular do grau, n.º do documento de identificação

Leia mais

Regulamento do 3º Ciclo de Estudos em Fisioterapia da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto

Regulamento do 3º Ciclo de Estudos em Fisioterapia da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto Regulamento do 3º Ciclo de Estudos em Fisioterapia da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto Artigo 1º Criação e objectivos 1. A Universidade do Porto, através da sua Faculdade de Desporto (FADEUP)

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 031 /04

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 031 /04 DELIBERAÇÃO Nº 31 /4 Aprova a reformulação do Regulamento Específico do Programa de Pós-graduação em Ciências Contábeis, curso de Mestrado, com áreas de Concentração em Contabilidade Financeira, Contabilidade

Leia mais

Mestrado em Sistemas de Informação. Regulamento

Mestrado em Sistemas de Informação. Regulamento Mestrado em Sistemas de Informação Regulamento Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Introdução 1 - O presente Regulamento fixa as condições de funcionamento do ciclo de estudos conducente ao grau de

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DO CENTRO DE ESTUDOS EM DIREITO DO ORDENAMENTO, DO URBANISMO E DO AMBIENTE

REGULAMENTO DOS CURSOS DO CENTRO DE ESTUDOS EM DIREITO DO ORDENAMENTO, DO URBANISMO E DO AMBIENTE CAPÍTULO I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO DO ORDENAMENTO, DO URBANISMO E DO AMBIENTE Artigo 1.º (Constituição do Curso) 1. O Curso de Especialização em Direito do Ordenamento, do Urbanismo e do Ambiente

Leia mais

MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITETURA NORMAS REGULAMENTARES ARTIGO 1.º. Grau

MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITETURA NORMAS REGULAMENTARES ARTIGO 1.º. Grau MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITETURA NORMAS REGULAMENTARES ARTIGO 1.º Grau 1. A ESAP confere o grau de Mestre em Arquitetura, através de Mestrado Integrado, na especialidade de Arquitetura e comprova um nível

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, vinculado ao Instituto

Leia mais

TÍTULO I TÍTULO II. Regras gerais sobre a oferta educativa da Universidade Aberta (UAb) Ciclos de estudos conducentes ao grau de licenciado

TÍTULO I TÍTULO II. Regras gerais sobre a oferta educativa da Universidade Aberta (UAb) Ciclos de estudos conducentes ao grau de licenciado Diário da República, 2.ª série N.º 59 25 de março de 2013 10441 Consultoria e Registos, o referido na alínea l) quando se trate de questões do âmbito das respetivas atribuições e relativamente às quais

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E ENSINO DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E ENSINO DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Escola Superior de Educação Jean Piaget / Almada REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E ENSINO DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO BIÉNIO 2012-2014 Índice ÂMBITO, ESTRUTURA

Leia mais

Regulamento do Curso

Regulamento do Curso Regulamento do Curso Mestrado Profissional em Administração CAPÍTULO I DAS FINALIDADES DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Mestrado Profissional em Administração (MPA) tem os seguintes objetivos: I.

Leia mais

Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados. do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa

Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados. do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de aplicação 1 O presente Regulamento Geral (RG) aplica-se

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 89 7 de Maio de 2010

Diário da República, 2.ª série N.º 89 7 de Maio de 2010 Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril Diário da República, 2.ª série N.º 89 7 de Maio de 2010 Regulamento n.º 416/2010 Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 17/2015 Regulamento Relativo ao Pessoal Docente Especialmente Contratado da Universidade de Évora

ORDEM DE SERVIÇO Nº 17/2015 Regulamento Relativo ao Pessoal Docente Especialmente Contratado da Universidade de Évora ORDEM DE SERVIÇO Nº 17/2015 Regulamento Relativo ao Pessoal Docente Especialmente Contratado da Universidade de Évora Considerando que cabe às instituições de ensino superior aprovar a regulamentação necessária

Leia mais

REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - O

Leia mais

Regulamento do curso de Mestrado em Engenharia Industrial

Regulamento do curso de Mestrado em Engenharia Industrial Regulamento do curso de Mestrado em Engenharia Industrial REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento dá cumprimento ao

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Campus Académico de Vila Nova de Gaia Escola Superior de Educação Jean Piaget/Arcozelo REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL ANO LETIVO DE 2011-2012 WWWW.IPIAGET.ORG Índice

Leia mais

Manual de Estágio Supervisionado

Manual de Estágio Supervisionado NEP Manual de Estágio Supervisionado Sumário Apresentação.................................................................... 3 Considerações Iniciais............................................................

Leia mais

Instituto Politécnico da Guarda

Instituto Politécnico da Guarda Instituto Politécnico da Guarda R E G U L A M E N TO D O S C U R S O S D E M E S T R A D O D O I P G Data de Aprovação 2011-06-28 Órgão Conselho Superior de Coordenação do IPG Data de Homologação 2011-07-01

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ARTES E DESIGN REGULAMENTO DE ESTUDOS DA LICENCIATURA

ESCOLA SUPERIOR DE ARTES E DESIGN REGULAMENTO DE ESTUDOS DA LICENCIATURA ESCOLA SUPERIOR DE ARTES E DESIGN REGULAMENTO DE ESTUDOS DA LICENCIATURA Preâmbulo O processo de Bolonha implementado em 2006/2007 na ESAD, a reforma feita posteriormente aos cursos de Artes e de Design,

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento dá cumprimento ao estabelecido no Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL PARA INGRESSANTES EM 2003 DOS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-graduação em Serviço Social da Faculdade de História, Direito e Serviço Social,

Leia mais

NCE/11/00621 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos

NCE/11/00621 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/11/00621 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/11/00621 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da

Leia mais

Mestrado Integrado em Medicina

Mestrado Integrado em Medicina Ao abrigo do disposto na alínea a) do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006, de 24 de março, com a redação dada pelo Decreto-Lei n.º 115/2013, de 7 de agosto, e no exercício da competência conferida pela

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS CURSOS DE MESTRADO

NORMAS REGULAMENTARES DOS CURSOS DE MESTRADO NORMAS REGULAMENTARES DOS CURSOS DE MESTRADO (artigo 26º do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24/03, republicado pelo Decreto-Lei nº 115/2013, de 07 de Agosto) Conselho Técnico-Científico (Deliberação 58/2015,

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL

ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL O Diretor Técnico de Departamento resolve elaborar e implantar o Regimento do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO. (2º Ciclo de Estudos)

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO. (2º Ciclo de Estudos) REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO (2º Ciclo de Estudos) - não se aplica aos perfis da formação de professores - 1/8 O grau de mestre é conferido aos que demonstrem: a) possuir conhecimentos e capacidade

Leia mais

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE O presente Regulamento tem como lei habilitante o Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março,

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto e âmbito O presente regulamento

Leia mais

CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO

CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Art. 1º - O Programa de Pós-graduação

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NO ENSINO SUPERIOR

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NO ENSINO SUPERIOR Campus Académico de Santo André Escola Superior de Tecnologia e Gestão Jean Piaget do Litoral Alentejano REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO ANO LETIVO DE 2013-2014

Leia mais

a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos

a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos ANEXO Normas regulamentares do ciclo de estudos conducente ao grau de mestre em a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos 1. Habilitações de acesso São admitidos como candidatos à inscrição no ciclo

Leia mais

7 REGULAMENTO DE UNIDADES CURRICULARES DE DISSERTAÇÃO

7 REGULAMENTO DE UNIDADES CURRICULARES DE DISSERTAÇÃO 7 REGULAMENTO DE UNIDADES CURRICULARES DE DISSERTAÇÃO De acordo com o estipulado no artigo 20º do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, o ciclo de estudos conducente ao grau de mestre conferido pelo IST

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE ACESSO A CURSOS DE MESTRADOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA.

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE ACESSO A CURSOS DE MESTRADOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA. INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE ACESSO A CURSOS DE MESTRADOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA Edição 2014-2016 Nos termos do Decreto -Lei n.º 42/2005, de pelo 22 de

Leia mais

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Aprovado pelo Conselho Geral da UPorto em 26 de Fevereiro de 2010 Alterado pelo Conselho Geral da UPorto em 18 de Março de 2011 Ao abrigo da Lei n.º 37/2003,

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação: área de especialização em Educação Especial

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação: área de especialização em Educação Especial Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação: área de especialização em Educação Especial Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Ciências da Educação: área

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS Res. Consun nº 005/12, de 28/03/12. CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º O Curso de Mestrado em Fisioterapia, regido pela

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais. Artigo 1.º Objeto

CAPÍTULO I Disposições gerais. Artigo 1.º Objeto Nos termos do artigo 25º da Portaria nº 181-D/2015, de 19 de junho, aprova-se o Regulamento dos Regimes de Reingresso e de Mudança de Par Instituição/Curso na Escola Superior de Saúde Egas Moniz. CAPÍTULO

Leia mais

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s d e G u i a - P o m b a l

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s d e G u i a - P o m b a l 2014/2018 ÍNDICE ÍNDICE...2 PREÂMBULO...3 Capítulo I...3 Disposições Gerais...3 Artigo 1.º - Âmbito de aplicação...3 Artigo 2.º - Objeto...3 Artigo 3.º - Composição...3 Artigo 4.º - Designação dos representantes...3

Leia mais

R E G U L A M E N T O

R E G U L A M E N T O R E G U L A M E N T O REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO JUNHO 2013 APROVADO PELO DESPACHO IPP/P-050/2013 [1 11] ÍNDICE Objeto... 3 Âmbito... 3 Conceitos...

Leia mais

Regulamento do curso de mestrado em Ciências da Educação Inovação Pedagógica da Universidade da Madeira

Regulamento do curso de mestrado em Ciências da Educação Inovação Pedagógica da Universidade da Madeira 1 Regulamento do curso de mestrado em Ciências da Educação Inovação Pedagógica da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente articulado baseia-se no regime jurídico instituído

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica

Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA DA FEUP

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA DA FEUP REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA DA FEUP Aprovado em 17 de janeiro de 2012 por Despacho do Diretor ao abrigo da competência consagrada na alínea m) do artigo 17.º dos Estatutos da FEUP 1 ENQUADRAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) GARÇA 2011 INTRODUÇÃO O Trabalho de Conclusão de Curso é um componente curricular obrigatório para os cursos de Graduação, assim sendo a Direção da Faculdade

Leia mais

Programas de Pós-Graduação em Filosofia Mestrado, Doutoramento e Pós-Doutoramento

Programas de Pós-Graduação em Filosofia Mestrado, Doutoramento e Pós-Doutoramento Programas de Pós-Graduação em Filosofia Mestrado, Doutoramento e Pós-Doutoramento A experiência de duas décadas de funcionamento de programas de pós-graduação em Filosofia revelou a necessidade de conceber

Leia mais

GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO

GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO 22 07 Conselho Científico (Deliberações CC-36/2009, de 29/05/09; CC-47/2009, de 16/07/06; CTC-99/2011, de 24/11/11, CTC-2012/01, de 26/01/12 e CTC-2013/67, de 24/10/2013) 2014

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE. Mestrado e Doutorado

Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE. Mestrado e Doutorado Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE Mestrado e Doutorado TÍTULO I: DA NATUREZA, FINALIDADES E OBJETIVOS Art. 1. O Programa de Pós-Graduação em Matemática da Universidade Federal

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 155 11 de agosto de 2015 22537. CAPÍTULO I Princípios gerais ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL

Diário da República, 2.ª série N.º 155 11 de agosto de 2015 22537. CAPÍTULO I Princípios gerais ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL Diário da República, 2.ª série N.º 155 11 de agosto de 2015 22537 31 de agosto, e alterado pela Lei n.º 7/2010, de 13 de maio, autorizo a abertura dos seguintes concursos para recrutamento de professores:

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Economia (PPE),

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA QUÍMICA

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA QUÍMICA REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Curso de Pós-Graduação em Engenharia Química, em nível de mestrado, da Universidade Estadual

Leia mais

Mestrado de Marketing e Comunicação ESEC ESTGOH Regulamento de Projeto Estágio 1

Mestrado de Marketing e Comunicação ESEC ESTGOH Regulamento de Projeto Estágio 1 1 PREÂMBULO O presente Regulamento organiza a unidade curricular de Projeto Estágio do Mestrado em Marketing e Comunicação. No ensino politécnico, o ciclo de estudos conducente ao grau de mestre deve assegurar,

Leia mais

Regulamento do Curso de Mestrado em Direção Hoteleira

Regulamento do Curso de Mestrado em Direção Hoteleira Regulamento do Curso de Mestrado ESCOLA SUPERIOR DE ESTUDOS INDUSTRIAIS E DE GESTÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM DIREÇÃO HOTELEIRA DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º

Leia mais

Regulamento. do Mestrado em Gestão Ambiental

Regulamento. do Mestrado em Gestão Ambiental Regulamento do Mestrado em Gestão Ambiental Artigo 1º O Instituto Superior Dom Afonso III (INUAF), concede o grau de Mestre em Gestão Ambiental. Artigo 2º Objectivos Gerais O curso de Mestrado em Gestão

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso Página 1 de 10 REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Preâmbulo A Portaria n.º 401/2007, de 5 de

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS DA NUTRIÇÃO

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS DA NUTRIÇÃO Campus Universitário de Viseu Instituto Superior de Estudos Interculturais e Transdisciplinares (ISEIT)/ Viseu REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS DA NUTRIÇÃO ANO LETIVO DE 2012-2013

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES Campus Universitário de Almada Instituto Superior de Estudos Interculturais e Transdisciplinares / Almada REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL WWWW.IPIAGET.ORG Capítulo

Leia mais

DESPACHO. N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente

DESPACHO. N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente DESPACHO N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente ASSUNTO: Regulamento de Cursos de Especialização Tecnológica da ESTeSL. No âmbito da sua missão e objectivos

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO Preâmbulo Considerando o Decreto-Lei n.º 216/92 de 13 de Outubro; Considerando o Decreto-Lei n.º 16/94 de 22 de Janeiro; Considerando o Decreto-Lei n.º 42/2005

Leia mais

2014-2015. Curso de Fisioterapia. Regulamento do 1º Ciclo de Estudos. Campus Universitário de Viseu ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE JEAN PIAGET DE VISEU

2014-2015. Curso de Fisioterapia. Regulamento do 1º Ciclo de Estudos. Campus Universitário de Viseu ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE JEAN PIAGET DE VISEU 2014-2015 Campus Universitário de Viseu Regulamento do 1º Ciclo de Estudos Curso de Fisioterapia Regulamento do 1º Ciclo de Estudos Curso de Fisioterapia Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Âmbito

Leia mais

EDITAL. Instituto Politécnico de Viseu MESTRADO EM ENFERMAGEM VETERINÁRIA DE ANIMAIS DE COMPANHIA ANO LECTIVO: 2016/2018.

EDITAL. Instituto Politécnico de Viseu MESTRADO EM ENFERMAGEM VETERINÁRIA DE ANIMAIS DE COMPANHIA ANO LECTIVO: 2016/2018. Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Viseu MESTRADO EM ENFERMAGEM VETERINÁRIA DE ANIMAIS DE COMPANHIA EDITAL ANO LECTIVO: 2016/2018 2ª Edição 1. NOTA INTRODUTÓRIA O Mestrado em Enfermagem Veterinária

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Economia. Regulamento dos Mestrados

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Economia. Regulamento dos Mestrados UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Economia Regulamento dos Mestrados Setembro, 2012 Preâmbulo O ensino e a aprendizagem constituem um processo gradual de formação dos mestrandos no qual a progressão

Leia mais