ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOPEDAGOGIA SEÇÃO SÃO PAULO CAPÍTULO I

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOPEDAGOGIA SEÇÃO SÃO PAULO CAPÍTULO I"

Transcrição

1 ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOPEDAGOGIA SEÇÃO SÃO PAULO CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DA ABPp - SEÇÃO SÃO PAULO E SEUS OBJETIVOS Artigo 1 - A Associação Brasileira de Psicopedagogia - Seção São Paulo doravante designada neste estatuto de ABPp Seção São Paulo, afiliada à Associação Brasileira de Psicopedagogia (ABPp Nacional), com sede e foro à Rua Carlos Sampaio, 304 5º andar conjunto 51 sala 3, bairro Bela Vista CEP: São Paulo - SP, Pessoa Jurídica de Direito Privado, constituída em 26 de Setembro de 2003, por tempo indeterminado, sem fins econômicos, de caráter educacional, cultural e assistencial, sem cunho político ou partidário, com a finalidade de atender a todos que a ela se associem, de acordo com as categorias estabelecidas por este estatuto. Parágrafo único: Tanto o patrimônio quanto a personalidade jurídica da presente Associação Brasileira de Psicopedagogia Seção São Paulo, são distintas dos seus associados. Artigo 2 - A ABPp - Seção São Paulo, tem por finalidade congregar os psicopedagogos, profissionais da Educação e da Saúde que se dedicam às atividades pertinentes à Psicopedagogia, com o objetivo de: I - Promover o desenvolvimento e divulgação da Psicopedagogia, por meio da realização de debates, reuniões, conferências, cursos e congressos em âmbito estadual; II Editar periódicos e publicações de interesse de classe; III - Acompanhar, opinar, oferecer subsídio e, quando for o caso colaborar na elaboração de projetos de lei, regulamentos, resoluções e diretrizes gerais ou questões correlatas à Psicopedagogia; IV - Promover orientação e aprimoramento técnico e científico, mediante a sistemática obtenção e veiculação de novos conhecimentos e experiências, praticando todas as atividades que visem ao benefício profissional dos associados; V - Manter os padrões de ética vigente, estabelecidos no Código de Ética da ABPp que só poderão ser reformulados pelo Conselho Nacional, e aprovados em Assembléia Geral; VI - Liderar a defesa dos interesses dos associados e promover sua valorização profissional; VII Prestar assistência consultiva a órgãos governamentais, de classe e comunidade em geral; 1

2 VIII - Manter intercâmbio com entidades afins e congêneres, nacionais e internacionais; IX - Orientar os associados de toda e qualquer forma, a fim de que seja visada à proficiência no exercício da atividade da Psicopedagogia; X - Representar, coordenar e defender os legítimos direitos e interesses de seus associados perante as entidades de direito público, privativo e demais entidades de quaisquer natureza que exerçam influência sobre o desenvolvimento do setor de Psicopedagogia; XI - Reconhecer profissionais que atuam na Psicopedagogia no Estado de São Paulo como psicopedagogos mediante critérios estabelecidos pelo Conselho Nacional da ABPp. Artigo 3 - A ABPp - Seção São Paulo está sediada e aforada no Município de São Paulo Capital do Estado Rua Carlos Sampaio, 304 conj.51 sala 3 Bairro Bela Vista CEP: SP. CAPÍTULO II DOS ASSOCIADOS, SEUS DIREITOS E OBRIGAÇÕES Artigo 4 - A ABPp - Seção São Paulo, contará com um número ilimitado de associados, podendo filiar-se somente pessoas físicas maiores de 18 (dezoito) anos ou pessoas jurídicas do Estado de São Paulo, que tenham sido admitidas nas seguintes categorias: I Associados Titulares; II - Associados Contribuintes; III - Associados Instituições; IV - Associados Honorários. Artigo 5 - Associados Titulares são Associados Contribuintes que possuírem título de reconhecimento como psicopedagogo emitido pela ABPp- Nacional. Artigo 6 - O processo de admissão de associados Titulares será coordenado pela Comissão composta de 03 (três) membros, associados Titulares, da Seção São Paulo. Artigo 7 - Para ser reconhecido como psicopedagogo pela ABPp- Nacional, os associados candidatos deverão cumprir os seguintes critérios: I - Ser associado contribuinte da ABPp Nacional ou Seção São Paulo há pelo menos três anos consecutivos e estar em dia com o pagamento da semestralidade; II - Apresentar título de Especialização em Psicopedagogia emitido por Universidade, Faculdade ou entidade de reconhecido valor pela ABPp Nacional. 2

3 III - Comprovar o exercício efetivo de atendimento psicopedagógico, em consultório ou instituição, pelo período de 05 (cinco) anos, no mínimo; IV - Redigir e ler para a Comissão de Reconhecimento, um Memorial descrevendo sua trajetória profissional; V - Apresentar Curriculum Vitae comprovado; VI - Apresentar atestado de Supervisão com psicopedagogo preferencialmente reconhecido pela ABPp de, no mínimo, 05 (cinco) anos; VII - Apresentar atestado de terapia pessoal de, no mínimo, 03 (três) anos. Parágrafo único: A ABPp Seção São Paulo poderá reconhecer profissionais que atuam na área de Psicopedagogia. Artigo 8 - As reuniões de reconhecimento de psicopedagogo, ABPp - Seção São Paulo, deverão ser aprovadas pela Comissão de Reconhecimento da Nacional mediante parecer. Parágrafo único: A ABPp - Seção São Paulo deverá enviar a lista dos candidatos ao reconhecimento, a data da reunião e os componentes da Comissão Seccional de reconhecimento, com antecedência mínima de 10 dias à ABPp Nacional. Artigo 9 - O associado contribuinte, candidato à categoria de associado Titular, deverá solicitar ao Conselho Nacional, através da ABPp - Seção São Paulo, sua admissão à nova categoria, através de requerimento. Artigo 10 - Os documentos dos candidatos, após finalização do processo, serão devolvidos. Artigo 11 - Todos os certificados de reconhecimento de associado Titular da ABPp, serão expedidos pela Comissão de Reconhecimento do Conselho Nacional. Artigo 12 - Associados Instituições são pessoas jurídicas que contribuam financeiramente com a ABPp - Seção São Paulo, mediante taxas estabelecidas pelo Conselho Nacional. Parágrafo único A ABPp - Seção São Paulo poderá orientar, emitir parecer quando consultada, em favor de instituições associadas que preencham critérios estabelecidos pelo Conselho Nacional. Artigo 13 - Associados Honorários são pessoas físicas ou jurídicas que se distinguem por relevantes trabalhos científicos prestados à Psicopedagogia. Artigo 14 - A admissão de Associados Honorários será processada pela Diretoria da ABPp - Seção São Paulo. 3

4 Artigo 15 É direito de o associado demitir-se do quadro social, quando julgar necessário, protocolando seu pedido junto à Secretaria da ABPp Seção São Paulo; desde que não esteja em débito com suas obrigações associativas. Artigo 16 - A perda da qualidade de associado será determinada pela Diretoria Executiva, sendo admissível somente havendo justa causa, assim reconhecida em procedimento disciplinar, em que fique assegurado o direito da ampla defesa, quando ficar comprovada a ocorrência de: I. Violação do estatuto social; II. Difamação da Associação, de seus membros ou de seus associados; III. Atividades contrárias às decisões das assembléias gerais; IV. Desvio dos bons costumes; V. Conduta duvidosa, mediante a prática de atos ilícitos ou imorais; VI. Falta de pagamento, por parte dos associados contribuintes, de três parcelas consecutivas das contribuições associativas. Parágrafo Primeiro Definida a justa causa, o associado será devidamente notificado dos fatos a ele imputados, através de notificação extrajudicial, para que apresente sua defesa prévia no prazo de 20 (vinte) dias a contar do recebimento da comunicação; Parágrafo Segundo Após o decurso do prazo descrito no parágrafo anterior, independentemente da apresentação de defesa, a representação será decidida em reunião extraordinária da Diretoria Executiva, por maioria simples de votos dos diretores presentes; Parágrafo Terceiro Aplicada a pena de exclusão, caberá recurso, por parte do associado excluído, à Assembléia Geral, o qual deverá, no prazo de 30(trinta) dias contados da decisão de sua exclusão, através de notificação extrajudicial, manifestar a intenção de ver a decisão de a Diretoria Executiva ser objeto de deliberação, em última instância, por parte da Assembléia Geral; Parágrafo Quarto Uma vez excluído, qualquer que seja o motivo, não terá o associado o direito de pleitear indenização ou compensação de qualquer natureza, seja a que título for; Parágrafo Quinto O associado excluído por falta de pagamento, poderá ser readmitido, mediante o pagamento de seu débito junto à tesouraria da Associação. Parágrafo Sexto - As penas serão aplicadas aos associados pela Diretoria Executiva, e poderão constituir-se em: I. Advertência por escrito; II. Suspensão de 30 (trinta) dias até 01 (um) ano; III. Eliminação do quadro social. Artigo 17 Dos direitos dos Associados 4

5 Parágrafo primeiro: São direitos dos Associados Titulares : I - Votar e ser votado para Conselheiro do Conselho da ABPp Seção São Paulo; II - Votar e ser votado para Presidente da ABPp Seção São Paulo; III - Propor a admissão de novos associados, bem como indicar nomes para a concessão de título de associado Honorário ; IV - Solicitar ao Conselho Nacional a convocação de Assembléia Geral, justificando a necessidade de decisão sobre matéria de interesse da ABPp, ou da categoria profissional; V - Comparecer às Assembléias Gerais, propor, discutir e votar matérias de interesse da ABPp; VI - Receber um exemplar, de cada revista publicada pela ABPp Nacional. Parágrafo segundo - São direitos dos associados Contribuintes : I - Votar para Conselheiro do Conselho Nacional e para Presidente da ABPp - Seção São Paulo ; II - Propor a admissão de associados; III - Comparecer às Assembléias Gerais, propor, discutir e votar matérias de interesse da ABPp; IV - Solicitar seu reconhecimento como associado Titular; V - Receber um exemplar de cada edição da revista pela ABPp Nacional. Parágrafo terceiro - São direitos dos associados Instituições : I - Indicar um representante da Instituição para propor, e votar matérias de interesse da ABPp; II - Votar, por meio de um representante, para Conselheiro do Conselho Nacional; III - Propor a admissão de associados; IV - Receber um exemplar de cada edição da revista publicada pela ABPp Nacional; Parágrafo quarto - São direitos dos associados Honorários, comparecer às Assembléias Gerais, propor e discutir matérias de interesse da ABPp, sem direito a voto. Artigo 18 - Dos deveres dos associados Parágrafo primeiro São deveres dos Associados Titulares e Contribuintes : I - Preservar, no exercício profissional, a estrita obediência ao Código de Ética promulgado pela ABPp ; II - Prestigiar todas as iniciativas de caráter cultural ou cientifico promovido pela ABPp - Seção São Paulo; 5

6 III - Cumprir e fazer cumprir o presente Regimento, bem como as disposições regulamentares e demais determinações baixas ou aprovadas pela Diretoria da ABPp - Seção São Paulo pelo conselho Nacional; IV - Acatar as deliberações emanadas dos órgãos competentes da ABPp; V - Comparecer às Assembléias Gerais, votando as matérias a elas submetidas; VI - Contribuir para o patrimônio e a manutenção da ABPp, pagando pontualmente as taxas fixadas pelo Conselho Nacional; Parágrafo segundo: Os direitos elencados neste artigo somente poderão ser exercidos pelos associados que estiverem rigorosamente em dia com suas contribuições. Estando em falta com as mesmas, os direitos ficarão suspensos até a efetiva quitação. Parágrafo terceiro: São isentos da contribuição referida no inciso VI acima, os associados que se encontram no exercício de cargos na Diretoria da ABPp da Seção São Paulo. Parágrafo quarto: A Diretoria da ABPp - Seção São Paulo fica isenta da taxa de inscrição dos eventos por ela promovidos e é vetada a isenção aos mesmos, do pagamento da taxa de inscrição dos Congressos Nacionais, Internacionais e/ou de outras Seções ou Núcleos. CAPITULO III DA RECEITA Parágrafo único: O conselho Nacional estabelecerá o valor da contribuição semestral de todo o Brasil, levando em conta as despesas de cada Seção, Núcleo, a participação financeira na ABPp - Nacional, bem como a receita para a compra das revistas de seus associados. Artigo 19 - A contribuição semestral dos associados da ABPp - Seção São Paulo após determinação da ABPp Nacional será participada aos seus associados mediante boleto bancário e deverá ser pago em 2 ocasiões ou num único pagamento no 1º semestre de cada ano. Artigo 20 - Constituem receitas da ABPp - Seção São Paulo: I - As contribuições dos associados cadastrados em sua sede; II - As arrecadações advindas de cursos, conferências, congressos e outros eventos de caráter científico-cultural da ABPp - Seção São Paulo; III - O produto da venda de material didático pedagógico, textos científicos, livros, revistas e demais publicações, inclusive por via eletrônica, da ABPp - Seção São Paulo; IV - As doações e legados. 6

7 Parágrafo primeiro: A participação financeira da ABPp - Seção São Paulo à ABPp Nacional, será de 10% (dez por cento) da arrecadação de semestralidade de seus sócios, podendo ser atualizada pelo Conselho Nacional, e deverá ser feita a cada semestre. Parágrafo segundo: No caso de Núcleo ligados à ABPp - Seção São Paulo, segue- se o mesmo critério de contribuição à ABPp Nacional. Parágrafo terceiro: Todos os associados Titulares, sem qualquer exceção, deverão pagar a taxa determinada pelo Conselho Nacional à ABPp Nacional, além de contribuírem com a Seção São Paulo. Artigo 21 - O conselho da ABPp deliberará sobre a aplicação da receita da ABPp - Seção São Paulo na aquisição de bens móveis, imóveis, equipamento ou materiais de caráter ou outras espécies de aplicativo financeiro. Parágrafo único: Esta Diretoria prestará contas dessas aplicações ao Conselho Fiscal da ABPp Nacional ao final do mandato da Diretoria e sempre que solicitado pelo Conselho Nacional da ABPp. CAPÍTULO IV DA ADMINISTRAÇÃO DA ABPp SEÇÃO SÃO PAULO Artigo 22 São órgãos da ABPp Seção São Paulo I Assembleia Geral; II Conselho Estadual; III Conselho Fiscal; IV Diretoria Executiva 7

8 DA ASSEMBLÉIA GERAL Artigo 23 A Assembleia Geral Deliberativa é o órgão máximo e soberano da Associação, e será constituída pelos seus associados em pleno gozo de seus direitos. Reunir-se-á na segunda quinzena de janeiro, para tomar conhecimento das ações da Diretoria Executiva e, extraordinariamente, quando devidamente convocada. Constituirá em primeira convocação com a maioria absoluta dos associados e, em segunda convocação, meia hora após a primeira, com qualquer número, deliberando pela maioria simples dos votos dos presentes, salvo nos casos previsto neste estatuto, tendo as seguintes prerrogativas. I Fiscalizar os membros da Associação, na consecução de seus objetivos; II. Eleger e destituir os administradores; III. Deliberar sobre a previsão orçamentária e a prestação de contas; IV. Estabelecer o valor das mensalidades dos associados; V. Deliberar quanto à compra e venda de imóveis da Associação; VI. Aprovar o regimento interno, que disciplinará os vários setores de atividades da Associação; VII. Alterar, no todo ou em parte, o presente estatuto social; VIII.Deliberar quanto à dissolução da Associação; IX. Decidir, em última instância, sobre todo e qualquer assunto de interesse social, bem como sobre os casos omissos no presente estatuto. Parágrafo Primeiro Quando a assembléia geral for convocada pelos associados, deverá o Presidente convocá-lo no prazo de 3 (três) dias, contados da data entrega do requerimento, que deverá ser encaminhado ao presidente através de notificação extrajudicial. Se o Presidente não convocar a assembléia, aqueles que deliberam por sua realização, farão a convocação; Parágrafo Segundo Serão tomadas por escrutínio secreto as deliberações que envolvam eleições da diretoria e conselho fiscal e o julgamento dos atos da diretoria quanto à aplicação de penalidades. Artigo 24 A Assembleia Geral reunir-se-á a cada 03 (três) anos para eleger os membros que irão compor o Conselho Estadual no triênio que se inicia. Artigo 25 As Assembleias Gerais serão convocadas pelo Presidente da Diretoria da ABPp Seção São Paulo, ou por 1/5 (um quinto) de seus 8

9 associados na forma do Estatuto, com antecedência mínima de 20 (vinte) dias, por meio de edital publicado em Jornal de circulação no Estado de São Paulo, e comunicado enviado aos associados por correspondência postada ou ainda através de , onde constará: local, dia, mês, ano, hora da primeira e segunda chamada, ordem do dia, e o nome de quem a convocou; Parágrafo primeiro deverá ser afixada uma cópia do edital na sede da ABPp Seção São Paulo e comunicada a ABPp Nacional. Parágrafo segundo Será permitido o voto por procuração com firma reconhecida em Cartório, desde que apresentado instrumento de mandato e a identificação do procurador; Parágrafo terceiro Serão computados os votos por carta registrada desde que sejam entregues na sede da ABPp Seção São Paulo, até um dia antes da realização da Assembléia Geral; Parágrafo quarto As correspondências devidamente lacradas serão levadas à Assembléia pelo Diretor Administrativo, e será aberta no momento em que for dado início à votação dos presentes; Parágrafo quinto Não serão computados os votos das correspondências que, ao momento da votação, estiverem violadas e as que contenham informações rasuradas ou ilegíveis. Artigo 26 A votação será realizada de forma secreta. Parágrafo primeiro Cada membro que compuser a Assembléia, antes do início desta, receberá um número de cédulas correspondentes às matérias submetidas a voto; Parágrafo segundo As cédulas são individuais e não poderão conter rasuras, emendas ou escritos ilegíveis, sob pena de não ser computado o respectivo voto; Parágrafo terceiro Sempre que julgar pertinente, o votante poderá solicitar a troca de suas cédulas antes que a mesma seja entregue ao assessor. Artigo 27 As Assembleias Gerais serão convocadas sempre que os interesses da ABPp Seção São Paulo assim o exigirem. Parágrafo primeiro As deliberações em Assembléia Geral serão restritas à matéria de sua convocação. Parágrafo segundo A Assembléia Geral para alteração estatutária deverá ser convocada de acordo com o artigo 26. 9

10 Parágrafo terceiro As propostas de alteração estatutária, de competência do Conselho Estadual e da Diretoria da ABPp Seção São Paulo, serão sustentadas oralmente pelo representante do proponente durante os minutos iniciais da Assembléia Geral e, em seguida, levadas à votação. DO CONSELHO ESTADUAL Parágrafo primeiro A eleição do seu Conselho Estadual ocorrerá por escolha de seus associados mediante voto pessoal, intransferível, feito pessoalmente na sede da Seção ou por correspondência, em data determinada dentre os candidatos apresentados; Artigo 28 O Conselho Estadual é constituído por três categorias de membros: I - Conselheiros Eleitos; II Conselheiros Representantes de Núcleos do Estado de São Paulo; III Conselheiros Natos. Parágrafo primeiro Os Conselheiros Eleitos serão em número de 10 (dez), escolhidos por sufrágio em Assembléia Geral, dentre os associados, para mandato de 03 (três) anos, permitida a reeleição sem restrições; Parágrafo segundo Os Conselheiros Representantes de Núcleos serão indicados pelos membros de sua Diretoria ou sua Coordenadoria, em número de um representante de cada Núcleo; Parágrafo terceiro Os Conselheiros Representantes de Núcleos deverão ser sempre os mesmos; Parágrafo quarto Os Núcleos enviarão uma correspondência, através da qual será comunicado o nome de seu Conselheiro Representante; Parágrafo quinto - Os Conselheiros Natos serão todos os Presidentes da ABPp Seção São Paulo, automaticamente, ao término de seus mandatos. Artigo 29 Poderão candidatar-se a Conselheiros Eleitos do Conselho Estadual, todos os associados que estiverem quites com suas obrigações de contribuição semestral. Artigo 30 As candidaturas, a que se refere o artigo anterior, deverão ser registradas junto à respectiva Seção ou Núcleo e, serão encaminhadas para aprovação do Conselho Estadual, e posterior divulgação de seus nomes. Os registros deverão ser feitos com antecedência mínima de 60 (sessenta) dias da data prevista para a Assembléia Geral. Artigo 31 A Seção indicará 3 (três) nomes de candidatos, dentre seus associados, para representá-la no Conselho Nacional. Estes citados, 10

11 juntamente com as candidaturas previstas no artigo 34, comporão a cédula de votação. Artigo 32 Cada associado votará em 10 (dez) nomes, a sua escolha, dentre os candidatos. Conforme previsto neste Estatuto, é permitida a representação por procuração outorgada a outro associado, bem como é permitido o voto via postal. Artigo 33 A apuração dos votos dar-se-á em dois momentos distintos: I No primeiro momento, o Conselho Estadual considerará eleitos os candidatos mais votados, sendo um de cada Núcleo, candidaturas estas por indicação dos Núcleos; II No segundo momento, o Conselho Estadual considerará eleitos os candidatos mais votados para se completar o quadro de 10 (dez) membros que comporão o grupo de Conselheiros Eleitos; III Em caso de empate, no número de votos, será considerado eleito o candidato associado há mais tempo na ABPp. Artigo 34 Os Conselheiros Eleitos tomarão posse na primeira reunião do Conselho Estadual, após sua eleição. Parágrafo primeiro As despesas, para participação nas reuniões do Conselho Estadual, dos Conselheiros Eleitos não são de responsabilidade da Seção São Paulo; Artigo 35 Estas regras de custeio de participação dos Conselheiros Eleitos nas reuniões do Conselho Estadual são expressas para todos os candidatos. Artigo 36 O Conselho Estadual reunir-se-á ordinariamente 02 (duas) vezes por ano, semestralmente, e reunir-se-á extraordinariamente, por convocação de seu Presidente, sempre que os interesses da ABPp Seção São Paulo assim o exigirem, lavrando-se a ata em livro próprio. Suas deliberações serão tomadas por maioria simples. Parágrafo primeiro Lavrar-se-á a ata em livro próprio, por um de seus membros escolhidos no início dos trabalhos; Parágrafo segundo As deliberações serão tomadas por maioria simples de 50% (cinqüenta por cento) mais 01(um), dos presentes; Parágrafo terceiro A síntese das deliberações, contendo a relação de temas a serem discutidos nas próximas reuniões, deverá ser enviada a todos os membros do Conselho Estadual, no prazo de até 03 (três) semanas, antes da data da reunião. 11

12 Artigo 37 O Conselho Estadual elegerá seu Presidente, o qual exercerá o cargo cumulativamente ao de Presidente da Diretoria da ABPp Seção São Paulo. Parágrafo primeiro As candidaturas à Presidência do Conselho Estadual serão apresentadas com suas respectivas chapas e plataformas, na reunião de posse do mesmo; Parágrafo segundo A eleição do Presidente do Conselho Estadual será realizada de 30 (trinta) a 40 (quarenta) dias após a posse do novo Conselho Estadual; Parágrafo terceiro O voto para Presidente é secreto e obrigatório para todos os membros do Conselho Estadual; Parágrafo quarto Serão aceitos votos por correspondência, seguindo os mesmo procedimentos da eleição para o Conselho Estadual; Parágrafo quinto O Conselheiro que não votar e não justificar deverá pagar uma multa para a Seção São Paulo. Artigo 38 Compete ao Conselho Estadual: I eleger o Presidente da Diretoria da ABPp Seção São Paulo; II estabelecer as normas gerais das atividades da ABPp Seção São Paulo; III constituir comissões com a finalidade de examinar e analisar, a qualquer tempo, os livros e demais documentos da ABPp Seção São Paulo, as atividades científico-culturais, os contratos celebrados ou em via de celebração e quaisquer outros atos; IV - convocar Assembléias Gerais; V manifestar-se sobre o relatório administrativo, analisar e aprovar as contas da Diretoria da ABPp Seção São Paulo e a previsão orçamentária para o exercício seguinte; VI manifestar-se sobre os relatórios, analisar e aprovar os balancetes semestrais dos Núcleos; VII autorizar a Diretoria da ABPp Seção São Paulo no que diz respeito a alienação, aquisição, locação e qualquer outra operação relativa a bens imóveis, bem como a prestação de garantia a obrigações de terceiros; VIII autorizar a Diretoria da ABPp Seção São Paulo a contrair obrigações que não se enquadrem nos limites da previsão orçamentária; IX fixar, mediante proposta da Diretoria da ABPp Seção São Paulo e dos Núcleos, as contribuições dos associados Titulares, Contribuintes e Instituições; X propor, em Assembléia Geral, a dissolução da ABPp Seção São Paulo, se verificada a impossibilidade da consecução dos seus fins, emitindo parecer prévio sobre a liquidação e destinação do patrimônio; XI deliberar sobre sanções e extinção de um Núcleo, se for verificada a impossibilidade de consecução de seus fins, sugerindo o remanejamento dos 12

13 associados do Núcleo excluído para outro Núcleo, geograficamente mais próximo; XII deliberar sobre pedidos de anistia de débitos dos Núcleos e associados; XIII deliberar sobre outras questões, não previstas neste Estatuto, que não sejam da competência da Assembléia Geral. Parágrafo único São comissões permanentes do Conselho Estadual: Comissão de Reconhecimento de Associados Titulares, Comissão de Credenciamento de Cursos e Comissão de Ética. Artigo 39 São competências dos Conselheiros Eleitos: I - comparecer pessoalmente a todas as reuniões, participando dos debates e votando nas questões de competência do Conselheiro Eleito; II justificar a ausência, sendo vetada sua representação por procuração. A ausência por mais de duas reuniões consecutivas, sem motivo justo, acarretará sua destituição, com a convocação do candidato classificado em 1º lugar nas eleições, na impossibilidade deste, será convocado o seguinte e assim, sucessivamente, até o efetivo preenchimento da vaga; III as atribuições descritas no artigo 38. Artigo 40 São competências dos Conselheiros Natos: I exercer funções científicas e consultivas, podendo integrar Comissões Científicas, quando solicitados; II participar do Conselho Estadual, com direito a voto; III as atribuições descritas no artigo 38; Artigo 41 São competências dos Representantes de Núcleos: I representar seu Núcleo nas reuniões do Conselho Estadual; II participar das discussões das pautas, com direito a voto quando a matéria não disser respeito exclusivamente ao Núcleo que representa; III as atribuições descritas no artigo 38. DO CONSELHO FISCAL Artigo 42 O Conselho Fiscal será composto de 02 (dois) associados e 01 (um) suplente, indicados pela Diretoria da ABPp Seção São Paulo, em exercício, eleitos em Assembléia Geral, juntamente com o Conselho Estadual, para idêntico período. Parágrafo primeiro Os nomes dos indicados ao Conselho Fiscal deverão constar na cédula, junto com os candidatos a Conselheiros Eleitos. Artigo 43 É vetada a cumulação dos cargos do Conselho Estadual, com os do Conselho Fiscal. 13

14 Artigo 44 Compete ao Conselho Fiscal: I examinar balancetes e balanço anual, além de emitir pareceres relativos aos mesmos; II fiscalizar os procedimentos financeiros da Diretoria da ABPp Seção São Paulo; III analisar e emitir pareceres sobre a situação financeira da ABPp Seção São Paulo. Parágrafo único O Conselho Fiscal reunir-se-á anualmente, e sempre que convocado pela Diretoria da ABPp Seção São Paulo, com a antecedência de 05 (cinco) dias. Suas deliberações serão tomadas por maioria simples. DA DIRETORIA EXECUTIVA DA ABPp SEÇÃO SÃO PAULO Artigo 45 A Diretoria Executiva da ABPp Seção São Paulo será composta por 11 (onze) membros, todos associados da ABPp. Parágrafo primeiro cabe ao Conselho Estadual a eleição do Presidente da ABPp Seção São Paulo, escolhido obrigatoriamente dentre seus Conselheiros eleitos, o qual exercerá o cargo cumulativamente ao de Presidente do Conselho Estadual; Parágrafo segundo: Será permitido a reeleição do Presidente; Parágrafo terceiro: A escolha dos demais membros da ABPp - Seção São Paulo será feita a critério do Presidente eleito, dentre os associados Titulares ou Contribuintes. Esta escolha deverá ser submetida à homologação posterior pelo Conselho Nacional. Parágrafo quarto: A eleição da Diretoria da ABPp - Seção São Paulo deverá ser concomitante com a eleição do Conselho Nacional da ABPp. Parágrafo terceiro: A escolha dos demais membros da ABPp - Seção São Paulo será feita a critério do Presidente eleito, dentre os associados Titulares ou Contribuintes. Esta escolha deverá ser submetida à homologação posterior pelo Conselho Nacional. Parágrafo quarto: A eleição da Diretoria da ABPp - Seção São Paulo deverá ser concomitante com a eleição do Conselho Nacional da ABPp. Artigo 46 - A Diretoria da ABPp Seção São Paulo será composta pelos seguintes membros : I - II - Presidente; Vice - Presidente; 14

15 III - Diretor Secretário; IV - Diretor Secretário Adjunto; V - Diretor Financeiro; VI - Diretor Financeiro Adjunto; VII - Diretor Administrativo; VIII - Diretor Cultural; IX - Diretor Cultural Adjunto; X - Diretor de Relações Públicas; XI - Diretor de Relações Públicas Adjunto. Parágrafo primeiro: A Diretoria da ABPp - Seção São Paulo tomará posse na primeira reunião, após a eleição do Presidente. Parágrafo segundo: A Diretoria da ABPp - Seção São Paulo reunir-se á ordinariamente com freqüência estabelecida por ela própria e sempre que for convocada pelo Presidente, ou por qualquer de seus Diretores por ele indicado, com a presença mínima de cinco de seus membros, e decidirá por maioria simples. Artigo 47 - Compete à Diretoria Executiva da ABPp - Seção São Paulo: I Formalizar os documentos essenciais para seu funcionamento, nos termos da legislação Federal e Estadual, com a tomada das providências jurídicas administrativas pertinentes; II Realizar reuniões administrativas, lavrando-se as atas em livro próprio; III Organizar anualmente ao menos um evento científico-cultural na área de Psicopedagogia, além de promover reuniões científicas bimestralmente; IV - Promover a realização dos objetivos científico culturais da ABPp Seção São Paulo, com no mínimo, a realização de um evento semestral de âmbito municipal (em qualquer município do Estado) e /ou estadual; V Encaminhar à Diretoria da ABPp Nacional os balancetes financeiros acompanhados de relatório das atividades científicas e culturais, juntamente com a relação atualizada dos associados, devidamente qualificados e com seus respectivos endereços, semestralmente, nos meses de maio e novembro; VI Divulgar para os membros da Seção a produção científica e cultural realizada pela ABPp Nacional; VII Promover a divulgação da Psicopedagogia em sua região, participando de eventos, pesquisas, produção científica, observando as normas regimentais e estatutárias e do Código de Ética, vigentes; VIII Receber, analisar e aprovar propostas para a admissão de associados; IX Encaminhar uma porcentagem da receita da semestralidade de seus associados, como participação financeira, para a ABPp Nacional; X Solicitar autorização do Conselho Nacional para aquisição ou alienação de bens imóveis, bem como prestação de garantia de obrigação de terceiros; XI - Decidir sobre a admissão de associados Titulares e Contribuintes, e propor ao Conselho Estadual a admissão de associados Honorários ; XII - Administrar os bens e serviços da ABPp - Seção São Paulo; 15

16 XIII - Cumprir e fazer cumprir as disposições deste Estatuto Social, as deliberações das Assembléias Gerais, do Conselho Nacional, e do Estatuto da ABPp Nacional ; XIV - Participar da convocação de Assembléia Geral, conforme o disposto no artigo 36 do regimento ABPp Nacional. XV - Fazer se representar nas Reuniões do Conselho Nacional da ABPp por 1 (um) de seus Diretores. Parágrafo único - As decisões da diretoria deverão ser tomadas por maioria de votos, devendo estar presentes, na reunião, a maioria absoluta de seus membros, cabendo ao Presidente, em caso de empate, o voto de qualidade. Artigo 48 Compete ao Presidente: I - Indicar os membros para composição da Diretoria da ABPp - Seção São Paulo. II - Representar a ABPp - Seção São Paulo em Juízo ou fora dele; III - Convocar e presidir as Assembléias Gerais (de âmbito estadual); IV - Presidir reuniões da Diretoria da ABPp - Seção São Paulo; V - Nomear o Diretor que irá representá-lo em Reunião de Diretoria, em eventos culturais e sociais, quando não puder fazê-lo pessoalmente; VI - Indicar novos membros para compor a Diretoria da ABPp - Seção São Paulo, na hipótese de vacância; VII - Assinar, em conjunto, com o Diretor Financeiro, previsões orçamentárias, balanços e relatórios financeiros, bem como a movimentação das contas bancárias; VIII - O voto de Minerva. Parágrafo único: A outorga de procuração com a cláusula ad judicia ou ad negotia, será feita mediante a assinatura do Presidente em conjunto com um dos Diretores. Artigo 49 - Compete ao Vice-Presidente: I - Substituir o Presidente nos casos de impedimento ou licença; II - Auxiliar o Presidente, desempenhando as atribuições que lhe forem designadas. Artigo 50 - Compete ao Diretor Secretário: I - Superintender os trabalhos de secretaria da sede social e dos departamentos de serviços; II - Propor à Diretoria da ABPp - Seção São Paulo as providências administrativas e disciplinares necessárias à organização; III - Organizar a pauta das reuniões da Diretoria da ABPp - Seção São Paulo; IV - Lavrar e subscrever as atas das reuniões da Diretoria da ABPp - Seção São Paulo; 16

17 V - VI - Zelar pelo arquivo da ABPp - Seção São Paulo, mantendo-o atualizado; Substituir o Vice-Presidente, nos casos de impedimento ou licença. Artigo 51 - Compete ao Diretor Secretário Adjunto: I - Substituir o Diretor Secretário nos casos de impedimento ou licença; II - Auxiliar o Diretor Secretário, desempenhando as atribuições que lhe forem designadas. Artigo 52 - Compete ao Diretor Financeiro: I - Superintender a arrecadação e a guarda de todos os valores da ABPp - Seção São Paulo determinando seu depósito nas contas em nome desta Associação; II - Movimentar as contas bancárias, assinar balanços e previsões orçamentárias, em conjunto com o Presidente; III - Diligenciar o pagamento de todas as despesas da ABPp - Seção São Paulo; IV - Zelar pela escrituração dos livros e documentos contábeis, mantendo-os atualizados; V - Elaborar o balancete, que será encaminhado ao Conselho Nacional pelo Presidente da seção para análise e aprovação; VI - Prestar informações de caráter financeiro ao Conselho Estadual e à Diretoria da ABPp - Seção São Paulo, sempre que lhe forem solicitadas. Artigo 53 - Compete ao Diretor Financeiro Adjunto: I - Substituir o Diretor Financeiro, nos casos de impedimento ou licença; II - Auxiliar o Diretor Financeiro, desempenhando as atribuições que lhe forem designadas. Artigo 54 - Compete ao Diretor Cultural: I - Estimular o interesse dos associados pelos debates, conferências, reuniões, cursos e congressos relacionados à Psicopedagogia em geral, e ao resultado científico dos mesmos; II - Organizar o temário dos debates, conferências, reuniões, cursos, supervisionando estas sessões, introduzindo temas atuais e representativos das novidades suscitadas pela sociedade científica; III - Documentar essas sessões para posterior divulgação, visando o crescimento da Psicopedagogia; IV - Promover convites a profissionais de notável saber para ministrar palestras, cursos e conferências aos associados; Artigo 55 - Compete ao Diretor Cultural Adjunto: I - Substituir o Diretor Cultural nos casos de impedimento ou licença; 17

18 II - Auxiliar o Diretor Cultural, desempenhando as atribuições que lhe forem designadas. Artigo 56 - Compete ao Diretor de Relações Públicas: I - Manter intercâmbio com entidades afins e congêneres estaduais, nacionais e internacionais; II - Divulgar os trabalhos e atividades científico- culturais da ABPp - Seção São Paulo, através da mídia; III - Divulgar o nome da ABPp, nacional e internacionalmente. Artigo 57 - Compete ao Diretor de Relações Públicas Adjunto: I - Substituir o Diretor de Relações Públicas, nos casos de impedimento ou de licença; II - Auxiliar o Diretor de Relações Públicas, desempenhando as atribuições que lhe forem designadas; Artigo 58 - Compete ao Diretor Administrativo - gerenciar e operacionalizar o trabalho desenvolvido pela Diretoria da ABPp - Seção São Paulo. Artigo 59 - Cada Seção será administrada por uma Diretoria, devendo esta ser composta por, no mínimo: Presidente, Diretor Secretário, Diretor Financeiro e Diretor de Relações Públicas. Parágrafo primeiro: O Presidente da ABPp Seção São Paulo, associado Titular da ABPp Nacional, será eleito pelos associados da ABPp Seção São Paulo, em reunião para a finalidade, nos termos de seus respectivos regimentos. Parágrafo segundo: A escolha dos demais membros da Diretoria da ABPp Seção São Paulo, será feita a critério do Presidente eleito, dentre os associados Titulares ou Contribuintes. Parágrafo terceiro: A escolha dos demais membros da Diretoria da ABPp Seção São Paulo deverá ser submetida à homologação posterior pelo Conselho Nacional. CAPITULO V DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Artigo 60 - O presente Estatuto Social somente poderá ser alterado em Assembléia Geral. Artigo 61 - Outras deliberações que não foram contempladas neste Estatuto Social serão decididas pelo Conselho Estadual. 18

19 Artigo 62 - O exercício social encerrar-se-á em 31 de Dezembro de cada ano, data em que será levantado o balanço patrimonial. Artigo 63 - Os associados não respondem subsidiariamente pelas obrigações da ABPp - Seção São Paulo, inclusive os que exercem mandato administrativo, assim como a ABPp- Nacional não se responsabiliza pelos atos praticados por seus membros ou pelas instituições associadas. Artigo 64 - O presente Estatuto Social entrará em vigor na data de sua aprovação pela Assembléia Executiva da ABPp Seção São Paulo. Artigo 65 - A ABPp Seção São Paulo poderá ser extinta por decisão da Assembléia Geral especialmente convocada para esse fim. Artigo 66 Na hipótese de extinção da Entidade, o patrimônio será destinado à ABPp Nacional. São Paulo, 29 de setembro de Maria Cristina Natel Adriana Sílvia Sponchiado de Almeida Presidente RG: Advogada OAB

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º O Clube de Seguros de Pessoas e Benefícios do Estado

Leia mais

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br SUGESTÃO de texto para estatuto de constituição de Associações. Observação: As informações deste arquivo deverão ser

Leia mais

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET.

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO ART. 1 o - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES do LOTEAMENTO TURISTICO ANDURALUA II

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES do LOTEAMENTO TURISTICO ANDURALUA II ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES do LOTEAMENTO TURISTICO ANDURALUA II O presente Estatuto foi elaborado em conformidade com a Lei 10.406 de 2002 Novo Código Civil. ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES..., doravante simplesmente

Leia mais

COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Artigo 1 - Este Regimento Interno tem por fim estabelecer a sistemática administrativa

Leia mais

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos Versão Final NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO Capítulo I Da entidade e seus objetivos Art. 1º - O NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL, é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. - A ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC, fundada em 26.11.62 sob denominação de

Leia mais

Estatuto Social. Interaction Design Association IxDA-CURITIBA

Estatuto Social. Interaction Design Association IxDA-CURITIBA Estatuto Social Interaction Design Association IxDA-CURITIBA CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidades Art. 1º A Interaction Design Association Capítulo Curitiba, também designada simplesmente como

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA ESCOLAR E EDUCACIONAL ABRAPEE. Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005.

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA ESCOLAR E EDUCACIONAL ABRAPEE. Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA ESCOLAR E EDUCACIONAL ABRAPEE I Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005. ARTIGO 1 - DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO ABAI - Estatuto Social ESTATUTO SOCIAL

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO ABAI - Estatuto Social ESTATUTO SOCIAL ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, NATUREZA, OBJETIVOS E QUADRO SOCIAL Artigo 1º - A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO ABAI, neste Estatuto designada, simplesmente, como Associação

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFSM/CESNORS TÍTULO I: DO REGIME

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES Art.1º- O presente Regimento Interno elaborado na forma do artigo 35 (Trinta e cinco) do Estatuto tem por

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA ESCOLA DE ARTES VISUAIS-AM EAV

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA ESCOLA DE ARTES VISUAIS-AM EAV c A ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA ESCOLA DE ARTES VISUAIS-AM EAV ADAPTAÇÃO AO CÓDIGO CIVIL LEI N" 10.406/2002 DESIGNAÇÃO E SEDE Artigo Io - A associação terá a denominação de Associação dos Amigos

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: Art. 01º - A Associação de Promoção à Assistência Social, Educacional e de Desenvolvimento Econômico de Goiás,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL. CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL. CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades Art. 1º A Associação dos ex alunos do Centro Universitário do Distrito Federal doravante

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO DE ESTUDOS QUÍMICOS HEINRICH RHEINBOLDT Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005.

ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO DE ESTUDOS QUÍMICOS HEINRICH RHEINBOLDT Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005. ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO DE ESTUDOS QUÍMICOS HEINRICH RHEINBOLDT Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005. ARTIGO 1º - DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO CENTRO DE ESTUDOS QUÍMICOS HEINRICH

Leia mais

CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO - CAACCH E S T A T U T O CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO - CAACCH E S T A T U T O CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO - CAACCH E S T A T U T O CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º - O CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO

Leia mais

Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação - FINEDUCA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO

Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação - FINEDUCA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º - A Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação, doravante denominada FINEDUCA, é uma associação civil de direito privado,

Leia mais

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES.

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES. REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES Seção I Da Natureza e Finalidade das Inspetorias Art. 1º A Inspetoria

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização

Leia mais

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Prazo E S T A T U T O Art. 1º - A Mercantil do Brasil

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO DE COLOPROCTOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACESP ARTIGO 1º - DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO DE COLOPROCTOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACESP ARTIGO 1º - DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO DE COLOPROCTOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACESP ARTIGO 1º - DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE A Associação de Coloproctologia do Estado de São Paulo ACESP, neste estatuto

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º A Associação Piranguçuense de Artesanato, doravante denominada APA, fundada em 04 de outubro de 2008, é

Leia mais

CENTRO ACADÊMICO IAG PAULO MARQUES DOS SANTOS C.A.P.M.S. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E SEUS FINS

CENTRO ACADÊMICO IAG PAULO MARQUES DOS SANTOS C.A.P.M.S. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E SEUS FINS CENTRO ACADÊMICO IAG PAULO MARQUES DOS SANTOS C.A.P.M.S. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E SEUS FINS Artigo 1º. O Centro Acadêmico IAG Paulo Marques dos Santos C.A.P.M.S. dos estudantes de Geofísica

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS MANTENEDORAS DE FACULDADES ESTATUTO DA ABRAFI

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS MANTENEDORAS DE FACULDADES ESTATUTO DA ABRAFI ESTATUTO DA ABRAFI ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS MANTENEDORAS DE Título I Da Natureza, Sede, Duração e Finalidades Capítulo Único Da Natureza, Sede, Duração e Finalidades Associativas Art. 1 - A Associação

Leia mais

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL ATVERDEBRASIL CNPJ n. 11.184.020/0001-86

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL ATVERDEBRASIL CNPJ n. 11.184.020/0001-86 PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL ATVERDEBRASIL CNPJ n. 11.184.020/0001-86 ARTIGO 1º - DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento do Conselho de Extensão (CoEx), órgão colegiado

Leia mais

ESTATUTO TÍTULO I DA NATUREZA, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES CAPÍTULO ÚNICO DA NATUREZA, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES ASSOCIATIVAS

ESTATUTO TÍTULO I DA NATUREZA, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES CAPÍTULO ÚNICO DA NATUREZA, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES ASSOCIATIVAS ESTATUTO TÍTULO I DA NATUREZA, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES CAPÍTULO ÚNICO DA NATUREZA, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES ASSOCIATIVAS Art. 1º - A Associação de Mantenedoras Particulares de Ensino Superior de

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TERAPIA COMUNITÁRIA INTEGRATIVA - ABRATECOM

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TERAPIA COMUNITÁRIA INTEGRATIVA - ABRATECOM ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TERAPIA COMUNITÁRIA INTEGRATIVA - ABRATECOM TITULO I - DA ASSOCIAÇÃO Capitulo I - Da Denominação, Natureza e Objetivo. Art. 1 o. - A Associação Brasileira de Terapia

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DO COLÉGIO TÉCNICO DE LIMEIRA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. A Instituição. Da Natureza e Finalidade

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DO COLÉGIO TÉCNICO DE LIMEIRA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. A Instituição. Da Natureza e Finalidade ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DO COLÉGIO TÉCNICO DE LIMEIRA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CAPÍTULO I Da Instituição, da Natureza e Finalidade da Associação de Pais e Mestres SEÇÂO I A

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL ESTATUTO SOCIAL 1 ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E TEMPO DE DURAÇÃO Artigo 1º - Fica constituída a ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL,

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ESTUDANTIL UNIFICADO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE

ESTATUTO DO CENTRO ESTUDANTIL UNIFICADO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE ESTATUTO DO CENTRO ESTUDANTIL UNIFICADO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE Capítulo I Da denominação, natureza, sede, regimento e duração Artigo

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE HOMEOPATIA DA CIÊNCIAS MÉDICAS - LHCMA Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE HOMEOPATIA DA CIÊNCIAS MÉDICAS é uma entidade sem fins lucrativos, com duração

Leia mais

ESTATUTO PADRÃO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DA ESCOLA ESTADUAL (informar o complemento da denominação social) CAPÍTULO I

ESTATUTO PADRÃO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DA ESCOLA ESTADUAL (informar o complemento da denominação social) CAPÍTULO I ESTATUTO PADRÃO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DA ESCOLA ESTADUAL (informar o complemento da denominação social) CAPÍTULO I Da Instituição, da Natureza e Finalidade da Associação de Pais e Mestres SEÇÃO

Leia mais

ASSEITE-MT Associação das Empresas de Informática e Telecomunicações de Mato Grosso

ASSEITE-MT Associação das Empresas de Informática e Telecomunicações de Mato Grosso ESTATUTO SOCIAL DA ASSEITE-MT Data de Fundação: 12 de agosto de 1985. ÍNDICE GERAL Capítulo I - Identidade Social... 03 Capítulo II Objetivos... 03 Capítulo III Associados... 04 Capítulo IV Rendas... 07

Leia mais

Parágrafo primeiro A AGATEF tem sua sede na rua Cristóvão Colombo, 1773, conjunto 403, bairro Floresta, na cidade de Porto Alegre, RS.

Parágrafo primeiro A AGATEF tem sua sede na rua Cristóvão Colombo, 1773, conjunto 403, bairro Floresta, na cidade de Porto Alegre, RS. NOVO ESTATUTO SOCIAL DA AGATEF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E OBJETIVOS Artigo 1º A Associação Gaúcha de Terapia Familiar, com sigla AGATEF, fundada em 1º de outubro de 1994, é uma Associação sem

Leia mais

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente.

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente. REGIMENTO INTERNO DO COMDICA Título I DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Capítulo I - DA NATUREZA Art.1º - O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente COMDICA,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO EM PATOLOGIA CRÂNIO MANDIBULAR ABCM

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO EM PATOLOGIA CRÂNIO MANDIBULAR ABCM ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO EM PATOLOGIA CRÂNIO MANDIBULAR ABCM CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO Artigo 1º - Fica constituída a associação civil denominada

Leia mais

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO IRMÃO JOSÉ OTÃO

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO IRMÃO JOSÉ OTÃO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO IRMÃO JOSÉ OTÃO Capítulo I Da Denominação, Sede e Finalidades Art. 1 A Fundação Irmão José Otão (FIJO), pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, instituída pela União

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS ADMINISTRATIVOS DA FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES/FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS CAPÍTULO I

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS ADMINISTRATIVOS DA FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES/FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS CAPÍTULO I ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS ADMINISTRATIVOS DA FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES/FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS CAPÍTULO I DOS FINS, SEDE E DURAÇÃO Artigo 1º Artigo 2º A Associação dos Funcionários

Leia mais

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP Capitulo I Da DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - A Afinidades GLSTAL Gays, Lésbicas, Simpatizantes e Transgênero de Alagoas também

Leia mais

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e, DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013 Cria a Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S/A RIOSAÚDE e aprova seu Estatuto. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CONSELHO REGIONAL DE ÓPTICA E OPTOMETRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO (CROO-SP) CNPJ N 04.851.786/0001-01

ESTATUTO SOCIAL CONSELHO REGIONAL DE ÓPTICA E OPTOMETRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO (CROO-SP) CNPJ N 04.851.786/0001-01 ESTATUTO SOCIAL CONSELHO REGIONAL DE ÓPTICA E OPTOMETRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO (CROO-SP) CNPJ N 04.851.786/0001-01 CAPÍTULO I DA FINALIDADE, SEDE, DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO E PATRIMÔNIO. ART. 1º - O Conselho

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO EM SAÚDE COLETIVA.

ESTATUTO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO EM SAÚDE COLETIVA. ESTATUTO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO EM SAÚDE COLETIVA. Capítulo I Denominação, fins e sede do CEPESC Art. 1º. O Centro de Estudos, Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico

Leia mais

ANEXO 1 REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, SEDE E FORO

ANEXO 1 REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, SEDE E FORO ANEXO 1 REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, SEDE E FORO Art. 1º - A Comissão Nacional de Residência em Enfermagem - Conarenf, criada pela

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - O INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF - ADAPTSURF, doravante designado por entidade, constituído em 30/12/2007,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º O Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação (CMCTI/Campinas), criado pela Lei Municipal

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO. Disposições Preliminares

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO. Disposições Preliminares ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO Disposições Preliminares Art. 1º - A ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA CREDICITRUS,

Leia mais

Jeep Clube de Brasília. Estatuto Social

Jeep Clube de Brasília. Estatuto Social Jeep Clube de Brasília Estatuto Social CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO NATUREZA E FINS Art. 1º O JEEP CLUBE DE BRASÍLIA, com a sigla JCB, fundado em 17 de junho de 1989, é uma sociedade civil sem fins lucrativos,

Leia mais

Estatuto da APG Fiocruz Rio de Janeiro. Capítulo I Da entidade e seus fins

Estatuto da APG Fiocruz Rio de Janeiro. Capítulo I Da entidade e seus fins Estatuto da APG Fiocruz Rio de Janeiro Capítulo I Da entidade e seus fins Artigo 1. A Associação de Pós-Graduandos da Fundação Oswaldo Cruz do Rio de Janeiro (APG-Fiocruz Rio de Janeiro), fundada em 26

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS. CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete.

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS. CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete. Artigo 1º - A ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS, doravante, neste estatuto, denominada pelo

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CRPSI

ESTATUTO SOCIAL DO CRPSI ESTATUTO SOCIAL DO CRPSI ESTATUTO REGISTRADO NO CARTÓRIO DE REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS JURÍDICAS DA COMARCA DE CONCEIÇÃO DO COITÉ BAHIA, sob Número: 6.893, protocolo 2, fls. 117, Registro n.º 477, livro

Leia mais

ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT

ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT ÍNDICE CAPÍTULO I - Da Denominação, Sede e Foro... 4 CAPÍTULO II - Dos Objetivos... 4 CAPÍTULO III - Do

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DE CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Foro

ESTATUTO SOCIAL DE CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Foro ESTATUTO SOCIAL DE CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Foro Artigo 1º A Associação dos Gestores de Tecnologia da Informação do Estado de Sergipe, denominada também pela sigla CIO-SE,

Leia mais

Universidade de Uberaba Curso de Medicina ESTATUTO DA LIGA DE DIABETES DA UNIUBE

Universidade de Uberaba Curso de Medicina ESTATUTO DA LIGA DE DIABETES DA UNIUBE Universidade de Uberaba Curso de Medicina ESTATUTO DA LIGA DE DIABETES DA UNIUBE Capitulo I Da Sede. Fórum. Denominação e Finalidades Art. 1º - A Liga de Diabetes da Universidade de Uberaba é um órgão

Leia mais

DISPOSITIVOS ESTATUTÁRIOS

DISPOSITIVOS ESTATUTÁRIOS ELEIÇÃO PARA A DIRETORIA EXECUTIVA E CONSELHO FISCAL NACIONAL TRIÊNIO 2016-2019 DISPOSITIVOS ESTATUTÁRIOS CAPÍTULO III DOS DIREITOS E DEVERES DOS ASSOCIADOS/FILIADOS SEÇÃO I DOS DIREITOS Art. 10º - São

Leia mais

SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato

SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato Capítulo II Dos Associados dos Direitos e Deveres Capítulo III Da

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DE CARROS ANTIGOS E RARIDADES DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DE CARROS ANTIGOS E RARIDADES DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DE CARROS ANTIGOS E RARIDADES DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS ARTIGO 1º - DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO. ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DE CARROS ANTIGOS E RARIDADES DE

Leia mais

DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991.

DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991. ALTERADO PELOS DECRETOS SC N 322/1995; 2.155/1997; 2.442/1997 DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991. Dispõe sobre a competência do Conselho de Meio Ambiente - CONSEMA - SC O GOVERNADOR DO ESTADO DE

Leia mais

1ª ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DO RIO CRICKET E ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA,

1ª ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DO RIO CRICKET E ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA, 1ª ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DO RIO CRICKET E ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA, visando alterar e adequar às determinações contidas nas Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005. ARTIGO 1 - DENOMINAÇÃO,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE APOIO ÀS VÍTIMAS DE PRECONCEITO RELIGIOSO - ABRAVIPRE

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE APOIO ÀS VÍTIMAS DE PRECONCEITO RELIGIOSO - ABRAVIPRE ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE APOIO ÀS VÍTIMAS DE PRECONCEITO RELIGIOSO - ABRAVIPRE ARTIGO 1º - DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE, DURAÇÃO E PRINCÍPIOS A Associação Brasileira de Apoio a Vítimas

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE FOTÓGRAFOS DE NATUREZA-AFNATURA ARTIGO 1º - DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE FOTÓGRAFOS DE NATUREZA-AFNATURA ARTIGO 1º - DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE FOTÓGRAFOS DE NATUREZA-AFNATURA ARTIGO 1º - DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO A Associação de Fotógrafos de Natureza, neste estatuto designada simplesmente como AFNATURA,

Leia mais

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º (Denominação, constituição e duração) É constituída e reger-se-á pelos presentes Estatutos e pela Lei aplicável, uma Associação de âmbito nacional,

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO

ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO 1 ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO ESTATUTO 2011 2 SUMÁRIO CAPÍTULO TÍTULO I Da Denominação, Sede e Fins II Dos Associados III Da Administração IV Do Patrimônio V Da Prestação de Contas VI Das Disposições

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objetivos. Denominação, Sede e Duração

ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objetivos. Denominação, Sede e Duração ESTATUTO SOCIAL Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objetivos Denominação, Sede e Duração Art. 1º - A Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração ABM, fundada em 10 de outubro de 1944

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇO, ENSINO E PESQUISA LTDA - UNISEPE REGIMENTO INTERNO COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA)

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇO, ENSINO E PESQUISA LTDA - UNISEPE REGIMENTO INTERNO COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) REGIMENTO INTERNO COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) Agosto/2011 CAPÍTULO I SEÇÃO I DA NATUREZA Art. 1º A Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA) da União das Instituições de Serviço, Ensino

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE CITOLOGIA CLÍNICA Capítulo I Da Natureza e Finalidade Art. 1º. A Liga de Citologia Clínica é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão da da

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA DO PLANALTO (AMEPLAN)

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA DO PLANALTO (AMEPLAN) ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA DO PLANALTO (AMEPLAN) CAPÍTULO I Título, Finalidade e Sede Art. 1º - A Associação Médica do Planalto, Ameplan, fundada em 21 de setembro de 1994, é uma sociedade civil de

Leia mais

CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO C.N.P.J. 42.519.785/0001-53 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I

CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO C.N.P.J. 42.519.785/0001-53 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I 1 CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO C.N.P.J. 42.519.785/0001-53 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Denominação, Sede, Natureza Jurídica, Duração e Fins Artigo 1º A CÂMARA PORTUGUESA DE

Leia mais

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO No- 1, DE 9 DE JUNHO DE 2015 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional dos Direitos Humanos - CNDH. O PLENÁRIO DO CONSELHO

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO DELTA DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO PIAUÍ CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO DO INSTITUTO DELTA DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO PIAUÍ CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO DO INSTITUTO DELTA DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO PIAUÍ CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O INSTITUTO DELTA DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO PIAUÍ,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015)

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015) REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015) CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1 o Este Regimento Interno do Conselho Fiscal CONFI estabelece as normas que complementam

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Regimento Interno do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Alagoas. CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º. O Conselho Superior, instituído pela Lei n 11.892,

Leia mais

Estatuto Social. Associação dos Ex-alunos do Instituto Militar de Engenharia. Alumni IME

Estatuto Social. Associação dos Ex-alunos do Instituto Militar de Engenharia. Alumni IME ESTATUTO SOCIAL Estatuto Social Associação dos Ex-alunos do Instituto Militar de Engenharia Alumni IME Capítulo I - Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1º A Associação dos Ex-alunos do Instituto

Leia mais

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA E CIRURGIA ENDOVASCULAR

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA E CIRURGIA ENDOVASCULAR ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA E CIRURGIA ENDOVASCULAR Artigo I - Denominação A entidade será conhecida pelo nome de Sociedade Brasileira de Radiologia Intervencionista

Leia mais

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI I - DA DENOMINAÇÃO,

Leia mais

ASSOCIATION INTERNATIONALE DE DROIT DES ASSURANCES SECTION BRASILIENNE ESTATUTO SOCIAL. I) Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO SOCIAL, SEDE E DURAÇÃO

ASSOCIATION INTERNATIONALE DE DROIT DES ASSURANCES SECTION BRASILIENNE ESTATUTO SOCIAL. I) Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO SOCIAL, SEDE E DURAÇÃO ASSOCIATION INTERNATIONALE DE DROIT DES ASSURANCES SECTION BRASILIENNE ESTATUTO SOCIAL I) Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO SOCIAL, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º - A "ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE DIREITO DE SEGURO -

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidade

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidade ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidade Artigo 1º - A ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL, adiante denominada simplesmente

Leia mais

SEGUNDA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DOS TRABALHADORES EM ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR DO OESTE DO PARANÁ - SINTEOESTE

SEGUNDA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DOS TRABALHADORES EM ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR DO OESTE DO PARANÁ - SINTEOESTE SEGUNDA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DOS TRABALHADORES EM ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR DO OESTE DO PARANÁ - SINTEOESTE CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E FINALIDADES DO SINDICATO ARTIGO 1º O Sindicato dos Trabalhadores

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO Artigo 1º - Sob a denominação de AGILE ALLIANCE BRAZIL, foi instituída em 14/11/2013, uma pessoa jurídica de direito

Leia mais

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo C.N.P.J. 43.640.168/0001-74 ESTATUTO SOCIAL DA CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO NO BRASIL CAPÍTULO I Denominação, Sede, Natureza Jurídica, Duração e Fins Artigo 1º A CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO NO BRASIL,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, vinculado ao Instituto

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO JUNDIAIENSE LUIZ BRAILLE DE ASSISTÊNCIA AO DEFICIENTE DA VISÃO.

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO JUNDIAIENSE LUIZ BRAILLE DE ASSISTÊNCIA AO DEFICIENTE DA VISÃO. - Estatuto Social ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO JUNDIAIENSE LUIZ BRAILLE DE ASSISTÊNCIA AO DEFICIENTE DA VISÃO. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS E SEDE Artigo 1 o O Instituto Jundiaiense

Leia mais

PEQUENA CASA DA CRIANÇA

PEQUENA CASA DA CRIANÇA PEQUENA CASA DA CRIANÇA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADES E DURAÇÃO Art. 1º - A PEQUENA CASA DA CRIANÇA é uma Associação Civil, Sem Finalidade de Lucros e Filantrópica, tem seus

Leia mais

REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - O

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica

Leia mais

ANER - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE EDITORES DE REVISTAS ESTATUTO SOCIAL ÍNDICE

ANER - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE EDITORES DE REVISTAS ESTATUTO SOCIAL ÍNDICE ANER - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE EDITORES DE REVISTAS ESTATUTO SOCIAL ÍNDICE CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADE CAPÍTULO II DOS ASSOCIADOS, DIREITOS E DEVERES CAPÍTULO III DA CATEGORIA DE ASSOCIADOS

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL)

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) TÍTULO 1 Da Instituição e seus Fins Art. 1 0 O Centro de Estudos em Educação e Linguagem (CEEL), criado em 2004, para integrar uma

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PATOLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PATOLOGIA O presente Regimento interno complementará e regulamentará o Estatuto da Sociedade Brasileira de Patologia (SBP), nas atribuições e competências da sua Diretoria executiva e coordenadores de departamentos,

Leia mais

III- lutar por uma universidade autônoma, democrática e participativa, que cumpra suas funções acadêmicas e político-sociais;

III- lutar por uma universidade autônoma, democrática e participativa, que cumpra suas funções acadêmicas e político-sociais; ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO RUY BARBOSA (Faculdade de Direito-UFBA) TÍTULO I DA ENTIDADE Capítulo I Da Natureza Jurídica Art.1º O Centro Acadêmico Ruy Barbosa (CARB), fundado em 25 de Outubro de 1999,

Leia mais

RESOLUÇÃO DO COLEGIADO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGUE

RESOLUÇÃO DO COLEGIADO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGUE UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E EDUCAÇÀO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGUE Bacharelado RESOLUÇÃO DO COLEGIADO DO CURSO DE SECRETARIADO

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS URBANOS - NEURB CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS URBANOS - NEURB CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE I. DENOMINAÇÃO / SEDE Art.º 1.º A Instinto, Associação Protetora de Animais da Covilhã, é uma associação sem fins lucrativos, que se rege pelos Estatutos, pelo presente Regulamento Interno e demais disposições

Leia mais

ESTATUTO DO CAMPESTRE CLUBE GILDA BARBOSA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS

ESTATUTO DO CAMPESTRE CLUBE GILDA BARBOSA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS ESTATUTO DO CAMPESTRE CLUBE GILDA BARBOSA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS Artigo 1º - A Entidade constitui-se de uma associação civil, sem fins lucrativos, com duração por tempo indeterminado

Leia mais

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais.

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais. Portaria 1.105, de 28 de setembro de 1998 O Ministro de Estado da Educação e do Desporto, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto 1.845, de 28 de março de 1996, e tendo em vista o Parecer

Leia mais

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS Centro Universitário Dinâmica das Cataratas

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS Centro Universitário Dinâmica das Cataratas REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I CARACTERIZAÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º Estágio Supervisionado em Administração (ESA), é a disciplina

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Aprovado pelo Conselho de Administração da Garantisudoeste.

- REGIMENTO INTERNO. Aprovado pelo Conselho de Administração da Garantisudoeste. - REGIMENTO INTERNO Aprovado pelo Conselho de Administração da Garantisudoeste. REGIMENTO INTERNO PREMISSAS BÁSICAS: Considerando a grande responsabilidade que compreende a execução do objeto social da

Leia mais

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA CURSO DE MESTRADO EM PSICOLOGIA REGIMENTO INTERNO DO CURSO CAPÍTULO

Leia mais

Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas

Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas (IQUANTA) Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E FINALIDADES Art. 1º - O Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas,

Leia mais