Humanismo. 2 - (UFPA ) O fragmento de texto, transcrito a seguir, foi retirado da farsa do Velho da Horta, de Gil Vicente. Leia-o com atenção.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Humanismo. 2 - (UFPA - 2009) O fragmento de texto, transcrito a seguir, foi retirado da farsa do Velho da Horta, de Gil Vicente. Leia-o com atenção."

Transcrição

1 Humanismo 1 - (Unemat ) A leitura do texto de Gil Vicente coloca o leitor em contato com o mundo do Humanismo português. O fragmento abaixo do Auto da barca do inferno mostra o diálogo entre o Diabo e o Fidalgo no porto. Fidalgo: Esta barca onde vai ora, qu assim está apercebida? Diabo: Vai pêra a Ilha perdida, e há de partir logo essora (...). Fidalgo: E passageiros achais pera tal habitação? (...). Diabo: Vejo-vos eu em feição pêra ir ao nosso cais. Fidalgo: Parece-te a ti assi. Diabo: Em que esperas ter guarida? Fidalgo: Que deixo na outra vida quem reze sempre por mi. Diabo: Quem reze sempre por ti? Hi hi hi hi hi hi hi. E tu viveste a teu prazer, cuidando cá guarecer, Porque rezam lá por ti? Embarca, hou, embarcai, qu haveis d ir à derradeira. Mandai meter a cadeira, qu assi passou vosso pai (...). VICENTE, Gil. 1996, p. 32. Assinale a alternativa correta quanto às atitudes das personagens. a) O Diabo designa o inferno utilizando uma figura de linguagem. b) O Fidalgo garante ao Diabo que será salvo porque o Anjo virá em seu socorro. c) O Diabo aceita o argumento do Fidalgo de que este será salvo pelo Anjo. d) A Ilha perdida é a designação do lugar de salvação das almas arrependidas. e) O Anjo e o Diabo conseguem salvar o Fidalgo do inferno. 2 - (UFPA ) O fragmento de texto, transcrito a seguir, foi retirado da farsa do Velho da Horta, de Gil Vicente. Leia-o com atenção. 1

2 Levando-se em conta que o tema central da farsa de Gil Vicente é o amor de um Velho por uma Moça, é verdadeiro afirmar o seguinte: A) No diálogo com a Moça, o Velho mostra-se tímido e embaraçado. B) As palavras do Velho apaixonado não atraem a Moça, que se revela realista e ajuizada. C) Ao ouvir as propostas desrespeitosas do Velho, a Moça, ofendida, ameaça ir chamar seu noivo. D) Tanto o Velho quanto a Moça, desde o início, chegam à conclusão de que aquele amor era impossível e proibido. E) A Moça deixa-se seduzir, aceita os galanteios do Velho e esquece que tinha vindo ali apenas para comprar hortaliças. 3 - (Unicamp ) Na seguinte cena do Auto da Barca do Inferno, o Corregedor e o Procurador dirigem-se à Barca da Glória, depois de se recusarem a entrar na Barca do Inferno: Corregedor Anjo Ó arrais dos gloriosos, passai-nos neste batel! Ó pragas pera papel, 2

3 pera as almas odiosos! Como vindes preciosos, sendo filhos da ciência! Corregedor Ó! habeatis clemência e passai-nos como vossos! Joane (Parvo) Hou, homens dos breviairos, rapinastis coelhorum et perniz perdiguitorum e mijais nos campanairos! Corregedor Ó! Não nos sejais contrairos, Pois nom temos outra ponte! Joane (Parvo) Beleguinis ubi sunt? Ego latinus macairos. pera: para habeatis: tende homens dos breviairos: homens de leis Rapinastis coelhorum/et perniz perdiguitorum: Recebem coelhos e pernas de perdiz como suborno Beleguinis ubi sunt?: Onde estão os oficiais de justiça? Ego latinus macairos: Eu falo latim macarrônico (Gil Vicente, Auto da Barca do Inferno. São Paulo: Ateliê Editorial, 1996, p ) a) De que pecado o Parvo acusa o homem de leis (Corregedor)? Este é o único pecado de que ele é acusado na peça? b) Com que propósito o latim é empregado pelo Corregedor? E pelo Parvo? 4 - (UFPA ) Gil Vicente tem a sua inspiração ligada à origem do teatro português. Além de revelar-se um criador de tipos, que atravessaram os séculos com modernidade indiscutível, a sua obra é reconhecida pelo domínio de linguagem acordada com as situações dramáticas. Considerando os textos a seguir, que dizem respeito à peça O Velho da Horta, assinale a opção que se ajusta corretamente ao sentido dessa obra. A) O Velho apaixonado deixa-se levar por um amor imprudente e obcecado. B) A linguagem da Moça é zombeteira, cheia de ironia e combina perfeitamente com a do Velho. C) Por meio do encontro apaixonado entre o velho e a jovem, Gil Vicente capta uma história de amor que comprova a máxima: o amor não tem idade. D) Entra em cena uma alcoviteira que oferece seus préstimos profissionais e desilude o Velho quanto à posse da amada. E) No final, o Velho recebe a notícia de que a jovem aceitaria casar-se, mediante um bom dote. 5- (Unemat ) Autos são modalidades do teatro medieval cujo assunto é basicamente religioso. No Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente, e no Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna, a religião domina os temas. Assinale a alternativa correta. a) A concepção de religião é formal e solene durante a condenação ou salvação das almas. b) A relação Deus-homens se dá pelos rituais complexos. c) O desfecho moralizante está em desacordo com os preceitos católicos. d) A presença da oposição Deus diabo divide os comportamentos humanos entre bem mal. e) A abordagem religiosa exemplifica que, no julgamento final, as almas não têm salvação. 6 - (Unemat ) Sobre a obra literária portuguesa, o Auto da Barca do Inferno, obra satírica de Gil Vicente ( ), é incorreto afirmar. a) A obra dramática voltou-se criticamente para o seu tempo, a época dos descobrimentos em Portugal. b) A época da obra compreende o período de ebulição com a chegada das riquezas provenientes das navegações, fato que colocava Lisboa como a Corte mais rica da Europa. 3

4 c) A obra satiriza o afastamento da população rural do trabalho e dos meios de produção, que se transfere para a Corte, passando a viver no luxo excessivo, deixando o trabalho pesado para os escravos capturados na África e na Ásia. d) A sátira de Gil Vicente pune com humor, o sapateiro ladrão, a esposa adúltera, as alcoviteiras, o escudeiro malandro, o frade enamorado etc. e) O teatro de Gil Vicente não foi popular na forma e no conteúdo. Suas raízes se fundam nos princípios do dogmatismo da Santa Inquisição, daí a obra ter como título Auto da Barca do Inferno. 7 - (Unemat ) A ideia da morte parece ter sido o tema principal da cultura medieval. Acreditava-se que uma vida submetida ao julgamento imediatamente deixava o corpo. Sabe-se que cada uma das personagens do Auto da Barca do Inferno (1517), de Gil Vicente, possui um objeto terreno que não consegue se desvincular. No caso do judeu, do onzeneiro e do frade, esses objetos são respectivamente: a) Bode, bolsão e amante. b) Espada, cofre e breviário. c) Pagem, manto e cruz. d) Livros, códigos e missal. e) Carneiro, baú e oratório. 8 - (Unicamp ) Os trechos seguintes, do Auto da barca do inferno e das Memórias de um sargento de milícias, tratam, de maneira cômica, dos pecados de duas personagens que, cada uma a seu modo, representam uma autoridade. Leia-os com atenção e responda às questões propostas em seguida. Frade Diabo Frade Ah, Corpo de Deus Consagrado! Pela fé de Jesus Cristo, qu eu não posso entender isto! Eu hei-de ser condenado? Um padre tão namorado e tanto dado à virtude! Assi Deus me dê saúde que eu estou maravilhado! Diabo Frade Pois dada está já a sentença! Par Deus! Essa seri ela! Não vai em tal caravela minha senhora Florença. Como? Por ser namorado e folgar com ua mulher se há um frade de se perder, com tanto salmo rezado? Não façamos mais detença. Diabo Ora estás bem aviado! Embarcai e partiremos: Frade Mas estás bem corregido! tomareis um par de remos. Diabo Devoto padre marido, Não ficou isso n avença! haveis de ser cá pingado... (Gil Vicente, Auto da barca do inferno. São Paulo: Ática, 2006, p ) Os leitores estão já curiosos por saber quem é ela, e têm razão; vamos já satisfazê-los. O major era pecador antigo, e no seu tempo fora daqueles de quem se diz que não deram o seu quinhão ao vigário: restava-lhe ainda hoje alguma coisa que às vezes lhe recordava o passado: essa alguma coisa era a Maria-Regalada que morava na Prainha. Maria-Regalada fora no seu tempo uma mocetona de truz, como vulgarmente se diz: era de um gênio sobremaneira folgazão, vivia em contínua alegria, ria-se de tudo, e de cada vez que se ria fazia-o por muito tempo e com muito gosto: daí é que vinha o apelido regalada que haviam juntado ao seu nome. (Manuel Antônio de Almeida, Memórias de um sargento de milícias. São Paulo: Ática, 2004, Capítulo XLV - Empenhos, p. 142.) a) O que há de comum na caracterização da conduta do Frade, na peça, e do major Vidigal, no romance? b) Que diferença entre as obras faz com que essas personagens tenham destinos distintos? 4

5 9 - (Fuvest ) Considere a seguinte relação de obras: Auto da barca do inferno, Memórias de um sargento de milícias, Dom Casmurro e Capitães da areia. Entre elas, indique as duas que, de modo mais visível, apresentam intenção de doutrinar, ou seja, o propósito de transmitir princípios e diretivas que integram doutrinas determinadas. Divida sua resposta em duas partes: a), para a primeira obra escolhida e b), para a segunda obra escolhida. Justifique sucintamente cada uma de suas escolhas (UFRGS ) Assinale com V (verdadeiro) ou F (falso) as seguintas afirmações sobre o teatro do português Gil Vicente e do brasileiro Adriado Suassuna. ( ) Nos autos vicentinos, são comuns figuras da Igreja que não cumprem seus votos, a exemplo de padres envolvidos com amantes ou com a venda de indulgências. ( ) No Auto da Compadecida, a santa é apresentada de acordo com a perspectiva popular, já que protege os oprimidos. ( ) A postura moralista de Gil Vicente contraria a visão de mundo estratificada da Idade Média, pois condena os personagens a partir de seus defeitos individuais. ( ) Adriano Suassuna, inspirado nas tradições populares ibéricas, criou heróis que sobrevivem graças ao uso da astúcia que burla a ordem social, como é o caso de João Grilo. A sequência correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é: a) F F V F. b) F F F V. c) V F V V. d) V V F V. e) V V V F (Unifesp ) Leia o texto de Gil Vicente. DIABO FRADE DIABO FRADE DIABO Essa dama, é ela vossa? Por minha a tenho eu e sempre a tive de meu. Fizeste bem, que é fermosa! E não vos punham lá grosa nesse convento santo? E eles fazem outro tanto! Que cousa tão preciosa! No trecho da peça de Gil Vicente, fica evidente uma A) visão bastante crítica dos hábitos da sociedade da época. Está clara a censura à hipocrisia do religioso, que se aparta daquilo que prega. B) concepção de sociedade decadente, mas que ainda guarda alguns valores essenciais, como é o caso da relação entre o frade e o catolicismo. C) postura de repúdio à imoralidade da mulher que se põe a tentar o frade, que a ridiculariza em função de sua fé católica inabalável. D) visão moralista da sociedade. Para ele, os valores deveriam ser resgatados e a presença do frade é um indicativo de apego à fé cristã. E) crítica ao frade religioso que optou em vida por ter uma mulher, contrariando a fé cristã, o que, como ele afirma, não acontecia com os outros frades do convento (UFES ) Parvo Aguardai, aguardai, houlá! E onde havemos nós de ir ter? Diabo Ao Inferno, entra cá! 5

6 Parvo Ao Inferno, em hora-má?! Hiu! Hiu! Barca do carnudo, pelo vinagre beiçudo, rachador de Alverca, huhá! Sapateiro de Candosa! Entrecosto de carrapato! Hiu! Hiu! Caga no sapato, filho da grande aleivosa! Tua mulher é tinhosa e há de parir um sapo metido num guardanapo, neto da cagarrinhosa! (...) Anjo Hou da barca! Tu que queres? Parvo Quereis me passar além? Anjo Quem és tu? Parvo Não sou ninguém. Anjo Tu passarás, se quiseres: porque não tens afazeres por malícia não erraste; tua simpleza te baste para gozar dos prazeres. (VICENTE, Gil. Auto da Barca do Inferno. 24. ed. São Paulo: Brasiliense, 1990, p ) [...] Ali, sob a algazarra dos macacos e das araras, o capitão alçou a espada em direção ao sol do meio-dia e, beijando a cruzeta do punho na passagem pela boca, inverteu-a de ponta, para fincá-la, em golpe pioneiro, na areia da praia coberta de sargaços. [...] (SANTOS NEVES. Luiz Guilherme. O Capitão do fim. Vitória: IHGES, 2001.) [...] MONSENHOR - Abjure a promessa que fez, reconheça que foi feita ao Demônio, atire fora essa cruz e venha, sozinho, pedir perdão a Deus. Zé (Cai num terrível conflito de consciência) O Senhor acha mesmo que eu devia fazer isso?!... MONSENHOR É sua única maneira de salvar-se. A Igreja católica concede a nós, sacerdotes, o direito de trocar uma promessa por outra. ROSA - (Incitando-o a ceder) Zé... talvez fosse melhor... ZÉ - (Angustiado) Mas Rosa... se eu faço isso, estou falhando à minha promessa... seja Iansã, seja Santa Bárbara... estou faltando... MONSENHOR Com a autoridade de que estou investido, eu o liberto dessa promessa, já disse. Venha fazer outra... [...] MINHA TIA - Êparrei! Maleme pra ele, minha mãe! COCA - Maleme! ZÉ - Não! Não posso fazer isso! Não posso arriscar a vida do meu burro! (GOMES, Dias. O pagador de promessas. 44. ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 2006, p ) Os textos são fragmentos das peças Auto da Barca do Inferno (1517), de Gil Vicente, O pagador de promessas (1960), de Dias Gomes, e do romance O Capitão do fim (2001), de Luiz Guilherme Santos Neves. Com base neles e nas obras citadas, é INCORRETO afirmar que A) O Auto da Barca do Inferno ilustra como o Humanismo representou uma transição de um Portugal marcado por visões medievais e teocêntricas para uma nova realidade inscrita em valores mercantis e antropocêntricos. B) As peças Auto da barca do Inferno e O pagador de promessas apresentam um lapso de tempo de quase 450 anos, porém, dois traços as aproximam: a cultura religiosa e a presença de um personagem ingênuo, o Parvo, para a primeira; o Zé do Burro, para a segunda. C) A ingenuidade do Zé do Burro, personagem de O pagador de promessas, diferentemente da do Parvo, do Auto da Barca do Inferno, é marcada por um sincretismo religioso cristão e africano. D) O fim do personagem Vasco Fernandes Coutinho, de O Capitão do fim, poderia ser perfeitamente comparado ao fim da maioria dos personagens do Auto da Barca do Inferno. E) A cultura religiosa presente em O Capitão do fim faz com que a capitania designada para o personagem Pero Fernandes Sardinha fosse nomeada de Espírito Santo por ter ele desembarcado nela em um domingo de Pentecostes. 6

7 13 - (UFES ) Considerando a definição de utopia apresentada a seguir e a leitura das obras Auto da Barca do Inferno e Campo Geral, é INCORRETO dizer: Utopia s. f. 1 qualquer descrição imaginativa de uma sociedade ideal fundamentada em leis justas e em instituições político-econômicas comprometidas com o bem-estar da população; 2 ideia generosa; quimera; fantasia. (HOUAISS, Antonio. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2001, p ) A) A Barca da Glória, presente em Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente, com as devidas diferenças históricas, pode ser interpretada como o caminho para a utopia, tendo em vista a cultura católico-medieval. B) Campo Geral, ao incorporar o ponto de vista de uma criança, possui um sentido utópico, pela simples razão de que nossa civilização é totalmente orientada pelos interesses de adultos. C) O personagem Diabo, em Auto da Barca do Inferno, além de representar um traço da cultura católico-medieval, pode ser interpretado como o oposto do sentido usual que damos à palavra utopia. D) Mutum, a cidade onde morava Miguilim, é utópica, tendo em vista o primeiro sentido de utopia do verbete citado, sendo, portanto, um país imaginário em que tudo está organizado para o bem-estar da população. E) Personagens como Anjo e Diabo, de Auto da Barca do Inferno, compõem o cenário de uma visão de mundo maniqueísta, dividida em bem e mal (UFES ) Canto Primeiro As armas e os barões assinalados Que, da ocidental praia lusitana, Por mares nunca de antes navegados, Passaram ainda além da Taprobana, Em perigos e guerras esforçados Mais do que prometia a força humana, E entre gente remota edificaram Novo reino, que tanto sublimaram; [...] CAMÕES, L. V. de. Os Lusíadas. São Paulo: Cultrix, 1993, p. 22 Todos falam na Política, muitos compõem livros dela; e no cabo nenhum a viu, nem sabe de que cor é. [...] é de saber que, no ano em que Herodes matou os Inocentes, deu um catarro tão grande no diabo, que o fez vomitar peçonha; e desta se gerou um monstro [...] ao qual chamaram os críticos Razão de Estado: e esta Senhora saiu tão presumida, que tratou de casar [...] com um mancebo robusto, e de más manhas, que havia por nome Amor Próprio [...] de ambos nasceu uma filha, a que chamaram Dona Política [...] Criou-se nas Cortes de grandes Príncipes, embrulhou-os a todos: teve por aios o Maquiavel, Pelágio, Calvino, Lutero, e outros Doutores dessa qualidade, com cuja doutrina se fez tão viciosa, que dela nasceram todas as seitas e heresias, que hoje abrasam o mundo. E eis aqui, quem é a Senhora Dona Política. Arte de Furtar. 2. ed. Introdução de Carlos Burlamáqui Kopke. São Paulo: Melhoramentos, Cap LX, pp Autor anônimo. DIABO Oh, que caravela esta! Põe bandeiras, que é festa. Verga alta! Âncora a pique! Ó precioso D. Henrique, cá vindes vós? Que coisa é esta? Vem o Fidalgo e, chegando ao barco infernal, diz: FIDALGO Esta barca onde vai ora, assim tão abastecida? 7

8 DIABO FIDALGO Vai para a ilha perdida e há de partir nesta hora. Para lá vai a senhora? DIABO Senhor, a vosso serviço. VICENTE, Gil. Auto da Barca do Inferno. In: Farsa de Inês Pereira / Auto da Barca do Inferno / Auto da alma. São Paulo: Martin Claret, 2001 Os trechos acima são fragmentos de importantes textos da Literatura Portuguesa. Com base neles e também nas obras citadas, julgue as proposições abaixo, utilizando (V) para as que forem verdadeiras e (F) para as que forem falsas. I Em Os Lusíadas, obra do Classicismo português, o poeta Luís de Camões, tematizando a viagem de Vasco da Gama, enredada com a mitologia greco-latina, canta os feitos e glórias portugueses. II A epopeia Os Lusíadas, como texto oriundo do século das luzes, representa o pensamento acerca da liberdade do europeu de conquistar os povos incultos e não cristãos. III No fragmento do texto Arte de furtar, de 1652, portanto do período barroco, o autor define a política como uma atividade ligada ao Estado, por meio da personificação de ideias retiradas do mundo político. IV Na passagem do Auto da Barca do Inferno, texto representativo do Humanismo português, os personagens Diabo e Fidalgo são exemplos de alegorias, recurso utilizado por Gil Vicente em seu Auto. A sequência CORRETA de respostas, de cima para baixo, é A)F-F-F-F B)F-V-F-F C)V-F-F-F D)V-F-V-V E)V-V-V-V 15 - (UFRGS ) Considere as afirmações abaixo sobre o Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente. I O Fidalgo e o Sapateiro levam consigo objetos característicos de seu status social em vida. II Apenas o Parvo e os quatro Cavaleiros cruzados serão conduzidos pela Barca da Glória. III Ao contrário do Anjo vicentino, que é persuasivo e alegre, o Diabo vicentino é um personagem sisudo, de poucas e irônicas falas. Quais estão corretas? A) Apenas I B) Apenas III C) Apenas I e II D) Apenas II e III E) I, II e III 16 - (Unemat ) O teatro de Gil Vicente faz parte de uma importante manifestação do Humanismo português do século XVI. Com relação à característica básica da sátira vicentina, assinale a alternativa incorreta. a) Enfoque na nobreza representada pelo fidalgo decadente. b) Retomada da análise do comportamento social do clero e do povo. c) Denúncia do comportamento dos frades que se entregavam a amores proibidos. d) Demonstração das atitudes do clero como uma solução para a decadência moral dos costumes. e) Mostra da desagregação dos costumes a partir da simplicidade da forma de composição (Unemat ) Levando-se em consideração que a peça O Auto da Barca do Inferno é uma sátira típica do teatro vicentino, assinale a alternativa correta. a) As personagens do povo têm mais densidade psicológica. b) A sátira é demolidora, indiscriminada, não tendo preferência por nenhum tipo social em particular. c) O moralismo de Gil Vicente localiza os defeitos e vícios em todas as camadas da sociedade. d) Cada cena da peça apresenta a crítica a uma única classe social. e) O teatro vicentino foi o primeiro a questionar as fronteiras entre o bem e o mal. GABARITO 1-A 8

9 Resolução: O Fidalgo diz ao Diabo que será salvo por deixar no mundo quem reze por sua alma, razão esta que é motivo de riso para o Diabo. Assim como os outros personagens que o seguem, o Fidalgo é condenado ao inferno, lugar referido pelo Diabo por uma figura de linguagem, Ilha Perdida, lugar onde as almas "se perdem", ou seja, nunca são salvas. 2-B Resolução: O Velho mostra-se apaixonado pela Moça e não vê seu amor como impossível ou proibido; ela, por sua vez, não se atrai pelos galanteios dele, mostrando-se realista e ajuizada, no sentido de alertar o Velho de que ele está cego, que não enxerga a diferença de idade entre eles, que torna este amor "contra natura" (isto é, contra a natureza). 3- a) O Corregedor é acusado de corrupção na passagem em que o Parvo se refere ao fato de ele receber subornos, presentes, propinas, agrados, pequenos mimos tais como coelhos e pernas de perdizes. Além disso, o Corregedor é acusado, na peça, de ser desrespeitoso (mijar nos campanários), injusto com relação aos desfavorecidos, preguiçoso e adúltero, pecados pelos quais é condenado a seguir com o Diabo na Barca do Inferno. b) Por se tratar de língua da tradição dos bacharéis, o latim é empregado pelo Corregedor como símbolo de distinção e prestígio, tal como a vara e os processos que ele carrega nas mãos. Na verdade, no contexto em que os termos latinos são empregados indistintamente pelo Corregedor como sinal de afetação, arrogância, superioridade e status social, pode-se observar uma certa ironia por parte de Gil Vicente, a qual se explicitará na fala do Parvo. O Parvo se expressa em latim para ridicularizar e ironizar a postura dos magistrados. Chega a admitir essa intenção, ao afirmar que seu latim é macarrônico. 4-A Resolução: Nessa peça, o Velho apaixona-se por uma Moça que vai comprar temperos em sua horta. O Velho utiliza uma linguagem galante, tentando conquistá-la, ao que ela responde de forma zombeteira e irônica. Obcecado, o Velho se deixa enganar por uma Alcoviteira, que o ilude dizendo que a Moça correspondia ao seu amor, a fim de arrancar todo o seu dinheiro para comprar presentes para a suposta futura noiva. No final, descobre-se que a Moça está se casando com outro homem. A moral da peça recai na insensatez do Velho, que não percebera que o amor de um velho por uma jovem é "contra a natura", ou seja, contra a ordem natural das coisas. 5-D Resolução: Em O auto da compadecida, de Ariano Suassuna, a concepção da religião não é solene, e sim popular, inclusive na cena do julgamento (condenação ou salvação das almas). A relação entre Deus e os homens, em ambas as peças, se dá diretamente, e não por rituais complexos (já que a divindidade se personifica no Anjo, em Jesus e Maria (a Compadecida). O desfecho moralizante, presente em ambas as peças, está de acordo com os preceitos católicos, e a abordagem religiosa exemplifica que, no julgamento final, as almas podem ter salvação (pois o Parvo, os Cavaleiros de Cristo e João Grilo, entre outros, são salvos da condenação eterna). 6 - E Resolução: O teatro de Gil Vicente foi popular na forma e no conteúdo, e o título Auto da Barca do Inferno não foi baseado nos princípios da Inquisição. 7-A Resolução: O judeu entra em cena carregando um bode, considerado na Idade Média símbolo do diabo. O onzeneiro (agiota) entra em cena com uma grande bolsa, na qual carregava o dinheiro arrecadado com juros injustos. O frade, por sua vez, entra em cena com sua amante, dançando minuetos, o que o caracteriza como um homem mundano, preocupado com os prazeres do mundo em vez da salvação das almas. 9

10 8- Tanto o Frade como o major são apresentados como pessoas cuja conduta não condiz com a posição que ocupam, de guardiães da moralidade e dos costumes. Em ambas as obras essa conduta irregular é apresentada de maneira irônica, acentuando seu aspecto cômico, caricatural das personagens. Apesar do humor e da ironia, o Auto da barca do inferno se mantém fiel à sua moralidade medieval, condenando o frade ao inferno juntamente com as outras personagens acusadas de conduta reprovável. No romance de Manuel Antônio de Almeida, tudo é perdoado e a punição, se há, é branda e não cria situações irremediáveis. Isso também está de acordo com seu caráter de romance de costumes, e cujo enredo não apresenta, como o Auto, um desfecho moralizador, de advertência, mas sim um desfecho possível, de constatação. 9- a) Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente, tem claramente a intenção de doutrinar, já que se trata de uma peça pautada num conteúdo religioso-moralizante: o mito do juízo final, que deve levar os espectadores a pensar em suas ações presentes que serão julgadas após a morte. Dessa forma, a peça transmite a doutrina cristã, condenando os pecados e enaltecendo as virtudes de seus personagens-tipo. b) O romance Capitães da Areia também tem intenção doutrinária, embora sua doutrina não seja religiosa, e sim sociológica. Por meio da descrição do sofrimento dos meninos de rua, a narrativa pretende transmitir os princípios do marxismo, segundo o qual a luta de classes é fundamental às transformações sociais. Dessa forma, os conflitos dos meninos de rua com a polícia ou com as classes altas é enaltecido, apresentando aqueles como heróis D Resolução: A postura moralista de Gil Vicente não contraria a visão de mundo estratificada da Idade Média, e sim a reforça. O autor condena os personagens por seus defeitos individuais, mantendo a visão de que as intituições medievais (a Igreja, a Nobreza, o Direito) não são, em si, um problema. Dessa forma, não é a sociedade que deve mudar e sim os indivíduos que não seguem suas regras e preceitos morais. 11-A Resolução: A presença do Frade, nessa cena, não é indicativo de apego à fé cristã, e sim motivo para uma visão crítica dos religiosos, que pregam a castidade, mas não a seguem. Assim, o Frade não é exemplo da manutenção dos valores católicos (essenciais na visão vicentina) ou de fé inabalável, mas, conforme declara, não é o único, pois os outros frades do convento também tinham mulheres. Não se observa, neste trecho específico, repúdio à imoralidade da mulher, que não é ridicularizada pelo Frade. 12-E Resolução: A cultura religiosa de O capitão do fim se manifesta desde o início, quando o personagem principal, Vasco Coutinho, morre e vai em direção ao juízo final. Além disso, a capitania do Espírito Santo não foi batizada pelo bispo Sardinha, e sim por D. João III, rei de Portugal. 13-D Resolução: O Mutum, em "Campo Geral", não é uma cidade, e sim um vale onde vive Miguilim e sua família. Além disso, não se pode considerá-lo uma utopia, pois não há uma organização social para o bem estar da população na novela, não há menção de qualquer instituição além da família e ela parece sofrer algumas privações: os meninos dormem no mesmo catre; Dito morre de tétano, provavelmente por falta de vacina ou de diagnóstico e tratamento médicos. 14-D Resolução: Os Lusíadas, de Luís de Camões, não é oriundo do século das luzes, isto é, do século XVIII, e sim do século XVI. 15-C Resolução: Estão corretas as duas primeiras afirmações. Quanto à primeira, de fato, os personagens vicentinos carregam consigo objetos (e mesmo pessoas) característicos de seu papel social. Assim, por exemplo, o Fidalgo, 10

11 representando a nobreza, leva consigo um pajem, uma vestimenta exagerada e uma cadeira de espaldar, característicos de seu status social, ao passo que o Sapateiro leva as formas de fazer sapatos. Na Barca da Glória embarcam o Parvo, que pouca consciência tem, e os guerreiros da causa de Cristo. 16-D Resolução: O teatro vicentino faz uma crítica às atitudes imorais e decadentes do clero, e em nenhum momento apresenta tais atitudes como uma solução para a decadência moral dos costumes. 17-C Resolução: O teatro vicentino não foi o primeiro a questionar as fronteiras entre o bem e o mal. No caso de Auto da Barca do Inferno, nenhum dos personagens tem densidade psicológica, pois são todos tipos sociais. A sátira não é indiscriminada, uma vez que certos tipos sociais não são criticados, como os Cavaleiros de Cristo. Há crítica a mais de uma classe social em determinadas cenas. 11

AUTO DA BARCA DO INFERNO GIL VICENTE

AUTO DA BARCA DO INFERNO GIL VICENTE AUTO DA BARCA DO INFERNO GIL VICENTE Para se compreender o Auto da Barca do Inferno deve-se ter em mente que essa obra foi escrita em um período da história que corresponde à transição da Idade média

Leia mais

Acusações: -Ter levado uma vida de prazeres, sem se importar com ninguém. -Ter sido tirano para com o povo. -Ser muito vaidoso. -Desprezava o povo.

Acusações: -Ter levado uma vida de prazeres, sem se importar com ninguém. -Ter sido tirano para com o povo. -Ser muito vaidoso. -Desprezava o povo. Cena Do Fidalgo (Don Arnrique) Adereços q o caracterizam: -Pajem: desprezo pelos mais pobres. -Manto: vaidade. -Cadeira: julgava-se importante e poderoso. Argumentos de Defesa: -Barca do Inferno é desagradável.

Leia mais

As suas principais obras

As suas principais obras Cena do Fidalgo Gil Vicente nasceu na cidade de Guimarães em 1466. É considerado o primeiro grande dramaturgo português, além de poeta. Enquanto homem de teatro, parece ter também desempenhado as tarefas

Leia mais

(Vem um Onzeneiro, e pergunta ao Arrais do Inferno, dizendo:)

(Vem um Onzeneiro, e pergunta ao Arrais do Inferno, dizendo:) Língua Portuguesa 9 º ano EBI da Charneca de Caparica FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA Nome: N.º: Turma: Data: / / Enc. Educação: Apreciação: Professor: Competências a avaliar: compreensão e expressão escritas;

Leia mais

Exercícios para a Prova 1 de Livro 1 Trimestre

Exercícios para a Prova 1 de Livro 1 Trimestre Exercícios para a Prova 1 de Livro 1 Trimestre 1. (FUVEST) Indique a afirmação correta sobre o Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente: (A) É intricada a estruturação de suas cenas, que surpreendem o

Leia mais

A SOCIEDADE NO AUTO DA BARCA DO INFERNO DE GIL VICENTE RESUMO

A SOCIEDADE NO AUTO DA BARCA DO INFERNO DE GIL VICENTE RESUMO A SOCIEDADE NO AUTO DA BARCA DO INFERNO DE GIL VICENTE *Juliana Podeleski **Ângela da Rocha Rolla RESUMO Este trabalho procura mostrar, de forma objetiva, a crítica apresentada ao comportamento social

Leia mais

Auto da Compadecida Ariano Suassuna

Auto da Compadecida Ariano Suassuna Auto da Compadecida Ariano Suassuna Inspiração literatura de cordel nordestina Fusão auto religioso medieval + literatura picaresca espanhola Personagens: João Grilo: figura típica do nordestino sabido,

Leia mais

Conceitos Básicos. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos

Conceitos Básicos. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos Oséias Salvação Conceitos Básicos Oséias, o profeta, era filho de Beeri. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos O nome Oséias era comum

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

Mosteiro dos Jerónimos

Mosteiro dos Jerónimos Mosteiro dos Jerónimos Guia de visita dos 6 aos 12 anos Serviço Educativo do Mosteiro dos Jerónimos/ Torre de Belém Bem-vindo ao Mosteiro dos Jerónimos A tua visita de estudo começa logo no Exterior do

Leia mais

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros REFORMA E CONTRARREFORMA Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros INTRODUÇÃO A Reforma Religiosa e o Renascimento ocorreram na mesma época e expressam a grande renovação de ideias

Leia mais

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS 1 LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS Lc 19 1 Jesus entrou em Jericó e estava atravessando a cidade. 2 Morava ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores

Leia mais

A BENDITA ESPERANÇA DA IGREJA

A BENDITA ESPERANÇA DA IGREJA A BENDITA ESPERANÇA DA IGREJA Ap 21.9-11 - E veio um dos sete anjos que tinham as sete taças cheias das sete últimas pragas, e falou comigo, dizendo: Vem, mostrar-te-ei a noiva, a esposa do Cordeiro.10

Leia mais

Jesus revela-nos que Deus é. Pai. Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008

Jesus revela-nos que Deus é. Pai. Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008 Jesus revela-nos que Deus é Pai Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008 Quem inventou Deus? Desde sempre que os homens acreditaram na existência de forças muito poderosas

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE?

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? Texto: Apocalipse 21:1-2 Então vi um novo céu e uma nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra tinham passado; e o mar já não existia. Vi a cidade santa, a nova Jerusalém,

Leia mais

Lição Um. Um Novo Princípio. O Poder Transformador de Cristo

Lição Um. Um Novo Princípio. O Poder Transformador de Cristo Livro 1 página 4 Lição Um Um Novo Princípio O Poder Transformador de Cristo Da Palavra de Deus: Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo

Leia mais

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESTUDO 4 Palavra Viva RELEMBRANDO SANTIFICAÇÃO Nossos três grandes inimigos: O MUNDO A CARNE O D IABO 'Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque

Leia mais

MAIS DE TI JESUS (JULIANO SOCIO) SENHOR DESCOBRI QUE NAO VIVO SEM TI TENS ME SUSTENTADO EM TUAS MAOS

MAIS DE TI JESUS (JULIANO SOCIO) SENHOR DESCOBRI QUE NAO VIVO SEM TI TENS ME SUSTENTADO EM TUAS MAOS MAIS DE TI JESUS SENHOR DESCOBRI QUE NAO VIVO SEM TI TENS ME SUSTENTADO EM TUAS MAOS TODAS AS ANGUSTIAS DO MEU CORACAO EU ENTREGO AO SENHOR POIS TUA PALAVRA ALIVIA A ALMA TUA GRACA ME ATRAIU PRA TI E A

Leia mais

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora Maria e José Esta é a história de Jesus e de seu irmão Cristo, de como nasceram, de como viveram e de como um deles morreu. A morte do outro não entra na história. Como é de conhecimento geral, sua mãe

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17)

O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17) O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17) Tivemos esta manhã a alegria de testemunhar vários baptismos bíblicos. Existem outras coisas e outras cerimónias às quais se dá o nome de baptismo. Existe até uma seita,

Leia mais

Novena de São Domingos Sávio

Novena de São Domingos Sávio Novena de São Domingos Sávio 1o Dia Ó São Domingos Sávio, que tiveste uma fé viva e um amor ardente a Jesus Eucarístico... Alcança-nos, por sua intercessão, a tua mesma fé na presença real de Jesus na

Leia mais

Maria, mãe de Deus, no mistério de Cristo e da Igreja Fundamentos bíblicos na Lumen Gentium VIII

Maria, mãe de Deus, no mistério de Cristo e da Igreja Fundamentos bíblicos na Lumen Gentium VIII Maria, mãe de Deus, no mistério de Cristo e da Igreja Fundamentos bíblicos na Lumen Gentium VIII Quando, porém, chegou a plenitude do tempo, enviou Deus o seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a Lei,

Leia mais

I DOMINGO DA QUARESMA

I DOMINGO DA QUARESMA I DOMINGO DA QUARESMA LITURGIA DA PALAVRA / I Gen 2, 7-9; 3, 1-7 Leitura do Livro do Génesis O Senhor Deus formou o homem do pó da terra, insuflou em suas narinas um sopro de vida, e o homem tornou-se

Leia mais

A Unidade de Deus. Jesus Cristo é o Único Deus. Pai Filho Espírito Santo. Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz?

A Unidade de Deus. Jesus Cristo é o Único Deus. Pai Filho Espírito Santo. Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz? A Unidade de Deus Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz? Vejamos a seguir alguns tópicos: Jesus Cristo é o Único Deus Pai Filho Espírito Santo ILUSTRAÇÃO Pai, Filho e Espírito

Leia mais

A IRREVERÊNCIA SOCIAL NAS OBRAS AUTO DA BARCA DO INFERNO, DE GIL VICENTE, E AUTO DA COMPADECIDA, DE ARIANO SUASSUNA

A IRREVERÊNCIA SOCIAL NAS OBRAS AUTO DA BARCA DO INFERNO, DE GIL VICENTE, E AUTO DA COMPADECIDA, DE ARIANO SUASSUNA A IRREVERÊNCIA SOCIAL NAS OBRAS AUTO DA BARCA DO INFERNO, DE GIL VICENTE, E AUTO DA COMPADECIDA, DE ARIANO SUASSUNA Sâmara Rodrigues de Ataíde * RESUMO A maior pretensão deste trabalho é o resgate de dois

Leia mais

PROFESSOR: Daniel. ALUNO (a): Data da prova: 09/05/15

PROFESSOR: Daniel. ALUNO (a): Data da prova: 09/05/15 GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: Literatura SÉRIE: 2 ano ALUNO (a): Data da prova: 09/05/15 No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS P1 2 BIMESTRE O Barroco - a arte que predominou

Leia mais

DOMINGO VII DA PÁSCOA. Vésperas I

DOMINGO VII DA PÁSCOA. Vésperas I DOMINGO VII DA PÁSCOA (Onde a solenidade da Ascensão não é transferida para este Domingo). Semana III do Saltério Hi n o. Vésperas I Sa l m o d i a Salmos e cântico do Domingo III. Ant. 1 Elevado ao mais

Leia mais

Teatro O Santo e a Porca ( 1957)

Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Modernismo Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Biografia Ariano Suassuna (1927-2014) foi um escritor brasileiro. "O Auto da Compadecida", sua obra prima, foi adaptada para a televisão e para o cinema. Sua

Leia mais

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Paróquia de Calheiros, 1 e 2 de Março de 2008 Orientadas por: Luís Baeta CÂNTICOS E ORAÇÕES CÂNTICOS CRISTO VIVE EM MIM Cristo vive em mim, que

Leia mais

Autoridade Espiritual

Autoridade Espiritual Autoridade Espiritual Romanos 13:1-7 (Submissão à autoridade) 1 Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; por que não há autoridade que não venha de Deus; e as autoridades que há foram ordenadas

Leia mais

LIÇÃO 2 Jesus, o Messias Prometido

LIÇÃO 2 Jesus, o Messias Prometido Nesta Lição Estudará... A Natureza da Profecia Bíblica A Importância das Profecias O Desenvolvimento da Profecia Messiânica O Ritual Profético As Profecias Sobre o Messias Humano e Divino Sacrifício e

Leia mais

CANTOS DO FOLHETO O DOMINGO

CANTOS DO FOLHETO O DOMINGO CANTOS DO FOLHETO O DOMINGO 1. UM POUCO ALÉM DO PRESENTE (10º DOMINGO) 1. Um pouco além do presente, Alegre, o futuro anuncia A fuga das sombras da noite, A luz de um bem novo dia. REFRÃO: Venha teu reino,

Leia mais

(...) 3 Cessem do sábio Grego e do Troiano As navegações grandes que fizeram;

(...) 3 Cessem do sábio Grego e do Troiano As navegações grandes que fizeram; Anotação de aula LUSÍADAS Canto I - PROPOSIÇÃO 1. As armas e os barões assinalados, Que da ocidental praia Lusitana, Por mares nunca dantes navegados, Passaram ainda além da Taprobana,* Em perigos e guerras

Leia mais

Mensagem: Fé provada. Por David Keeling.

Mensagem: Fé provada. Por David Keeling. Mensagem: Fé provada. Por David Keeling. Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renunciese a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me; Porque aquele que quiser salvar

Leia mais

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha.

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha. O Plano da Salvação Contribuição de Pr. Oswaldo F Gomes 11 de outubro de 2009 Como o pecado entrou no mundo e atingiu toda a raça humana? [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo

Leia mais

Juniores aluno 7. Querido aluno,

Juniores aluno 7. Querido aluno, Querido aluno, Por acaso você já se perguntou algumas destas questões: Por que lemos a Bíblia? Suas histórias são mesmo verdadeiras? Quem criou o mundo? E o homem? Quem é o Espírito Santo? Por que precisamos

Leia mais

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário Habilidades: Conhecer o trabalho missionário jesuítico na figura de seu principal mentor: Padre José de Anchieta Revisão 1º Período

Leia mais

BATISMO HISTÓRIA E SIGNIFICADO

BATISMO HISTÓRIA E SIGNIFICADO BATISMO HISTÓRIA E SIGNIFICADO 1 INTRODUÇÃO Jesus mandou seus discípulos: Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a

Leia mais

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma Ano Lectivo 2010/2011 HISTÓRIA Agrupamento de Escolas de Fronteira Escola Básica Integrada Frei Manuel Cardoso 8º Ano Apresentação nº 10 Renascimento e Reforma Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Leia mais

O PLANO CONTRA LÁZARO

O PLANO CONTRA LÁZARO João 12 Nesta Lição Estudará... Jesus em Betânia O Plano Contra Lázaro Jesus Entra em Jerusalém Alguns Gregos Vão Ver Jesus Anuncia a Sua Morte Os Judeus Não Crêem As Palavras de Jesus Como Juiz JESUS

Leia mais

O SENHOR É A NOSSA BANDEIRA. William Soto Santiago Sábado, 28 de Fevereiro de 2015 Vila Hermosa -Tabasco México

O SENHOR É A NOSSA BANDEIRA. William Soto Santiago Sábado, 28 de Fevereiro de 2015 Vila Hermosa -Tabasco México O SENHOR É A NOSSA BANDEIRA William Soto Santiago Sábado, 28 de Fevereiro de 2015 Vila Hermosa -Tabasco México Reverendo William Soto Santiago, Ph. D. CENTRO DE DIVULGAÇÃO DO EVANGELHO DO REINO http://www.cder.com.br

Leia mais

A Regra daterceira Ordem da Sociedade de São Francisco iii) Ordem para Admissões e Renovações I. O CONVITE

A Regra daterceira Ordem da Sociedade de São Francisco iii) Ordem para Admissões e Renovações I. O CONVITE A Regra daterceira Ordem da Sociedade de São Francisco iii) Ordem para Admissões e Renovações como ordenado pelo Capítulo Interprovincial da Terceira Ordem na Revisão Constitucional de 1993, e subseqüentemente

Leia mais

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação)

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação) O batismo do Espírito Santo (continuação) #62 Estamos falando sobre alguns dons do Espírito Santo; falamos de suas obras, dos seus atributos, como opera o novo nascimento e, por último, estamos falando

Leia mais

OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO ORAÇÃO A SÃO JERÔNIMO. Pai nosso que estais nos céus. Santificado seja o vosso nome. Venha a nós o vosso reino

OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO ORAÇÃO A SÃO JERÔNIMO. Pai nosso que estais nos céus. Santificado seja o vosso nome. Venha a nós o vosso reino OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO Pai nosso que estais nos céus Santificado seja o vosso nome Venha a nós o vosso reino Seja feita a vossa vontade Assim na Terra como no Céu O pão nosso de cada dia nos dai hoje

Leia mais

HINÁRIO Transformação

HINÁRIO Transformação HINÁRIO Transformação Tema 2012: Flora Brasileira Pau-de-rosas (Physocalymma scaberrimum) www.hinarios.org Apolo 2 1 ORAÇÃO DA TRANSFORMAÇÃO Oh! Meu pai, livrai-me da autocomiseração e da preguiça. Dême

Leia mais

A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME

A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME Toda família tem um nome, este nome é o identificador de que família pertence esta pessoa, o qual nos aqui no Brasil chamamos de Sobrenome. Então este nome além de identificar

Leia mais

CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo. CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo

CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo. CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo Tens uma tarefa importante para realizar: 1- Dirige-te a alguém da tua confiança. 2- Faz a pergunta: O que admiras mais em Jesus? 3- Regista a resposta nas linhas.

Leia mais

WAGNERLEMOS.COM.BR SITE DE LITERATURA 1

WAGNERLEMOS.COM.BR SITE DE LITERATURA 1 WAGNERLEMOS.COM.BR SITE DE LITERATURA 1 AUTO DA COMPADECIDA (ARIANO SUASSUNA ) INTRODUÇÃO O AUTOR Ariano Suassuna, professor da Universidade Federal de Pernambuco, e responsável por um dos mais importantes

Leia mais

LITERATURA PR P O R Fª Ma M. D INA A R IOS

LITERATURA PR P O R Fª Ma M. D INA A R IOS LITERATURA PROFª Ma. DINA RIOS Estilos de época Estilos de época O que são? Traços comuns na produção de um mesmo período/época. O amor em Camões Transforma-se o amador na cousa amada, Por virtude do muito

Leia mais

Igreja Pentecostal da Bíblia

Igreja Pentecostal da Bíblia Igreja Pentecostal da Bíblia 2014 O Ano de Josué ** Fidelidade Josué cap. 24 ** Pastoreio # 014 Direção Nacional Retorno: Antes do pastoreio #014 é hora de ouvir: Motive os envolvidos no pastoreio a relatar

Leia mais

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus CAPÍTULO 2 O Propósito Eterno de Deus Já falamos em novo nascimento e uma vida com Cristo. Mas, a menos que vejamos o objetivo que Deus tem em vista, nunca entenderemos claramente o porque de tudo isso.

Leia mais

Os Legados da Reforma Protestante. Sobre o Indivíduo 2/9

Os Legados da Reforma Protestante. Sobre o Indivíduo 2/9 Os Legados da Reforma Protestante Sobre o Indivíduo 2/9 Criado por Pedro Siena Neto em 03/2015 O legado da reforma sobre o indivíduo o trabalho a comunidade a intervenção divina a educação a economia o

Leia mais

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você!

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você! MANUAL Esperança Casa de I G R E J A Esperança Uma benção pra você! I G R E J A Esperança Uma benção pra você! 1O que é pecado Sem entender o que é pecado, será impossível compreender a salvação através

Leia mais

A BELA HISTORIA DE JESUS DE NAZARÉ

A BELA HISTORIA DE JESUS DE NAZARÉ A BELA HISTORIA DE JESUS DE NAZARÉ O BATISMO DO SENHOR JESUS CRISTO E O COMEÇO DE SEU MINIST ÉRIO Volume 03 Escola: Nome : Professor (a): Data : / / 5) VAMOS BRINCAR DE FORCA? Marque com um x na letra

Leia mais

JESUS CRISTO PADECEU SOB PÔNCIO PILATOS, FOI CRUCIFICADO, MORTO E SEPULTADO

JESUS CRISTO PADECEU SOB PÔNCIO PILATOS, FOI CRUCIFICADO, MORTO E SEPULTADO JESUS CRISTO PADECEU SOB PÔNCIO PILATOS, FOI CRUCIFICADO, MORTO E SEPULTADO 25-02-2012 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze Como se deu a entrada messiânica em Jerusalém? No tempo estabelecido,

Leia mais

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL AULA 10 LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL I - CONTEXTO HISTÓRICO Na aula passada nós estudamos as principais características do Romantismo e vimos que a liberdade era a mola

Leia mais

Importante autor da literatura portuguesa, fundador do teatro em SUPLEMENTO DE ATIVIDADES AUTO DA BARCA DO INFERNO GIL VICENTE NOME: SÉRIE/ANO:

Importante autor da literatura portuguesa, fundador do teatro em SUPLEMENTO DE ATIVIDADES AUTO DA BARCA DO INFERNO GIL VICENTE NOME: SÉRIE/ANO: SUPLEMENTO DE ATIVIDADES AUTO DA BARCA DO INFERNO GIL VICENTE NOME: Nº: ESCOLA: SÉRIE/ANO: 1 Importante autor da literatura portuguesa, fundador do teatro em Portugal, Gil Vicente é um dos mais célebres

Leia mais

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1 1 O caminho da harmonia. Colossenses 3 e 4 Col 3:1-3 Introdução: Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham

Leia mais

Missa - 10/5/2015. Entrada

Missa - 10/5/2015. Entrada Missa - 10/5/2015 ntrada m F#m 1. Todos unidos formamos um só corpo, um povo que na Páscoa nasceu. G Membros de Cristo, no sangue redimidos, Igreja peregrina de eus. m F#m Vive conosco a força do spírito,

Leia mais

Teste. Português ARLA MARQUES INÊS SILVA PORTUGUÊS. 9.º ANO Letras & Companhia 9

Teste. Português ARLA MARQUES INÊS SILVA PORTUGUÊS. 9.º ANO Letras & Companhia 9 Teste Português CARLA MARQUES C ARLA MARQUES INÊS SILVA PORTUGUÊS 9.º ANO Letras & Companhia 9 Escola: Ano letivo: Nome: Turma: Data: 1 Lê o texto seguinte. GRUPO I PARTE A 5 10 15 20 25 Continuamos esmagados

Leia mais

"O auto da barca do inferno" (adaptado)

O auto da barca do inferno (adaptado) "O auto da barca do inferno" (adaptado) Auto da barca do Inferno Gil Vicente Adaptado por Ariel Lazari e Luciana Roale Venham, venham, todos! Antes que a maré mude! Levante a vela, agora! Companheiro (amedrontado)

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XXII A PRIMEIRA CARTA DE PEDRO E REFLEXÕES SOBRE O SOFRIMENTO Até aqui o Novo Testamento tem dito pouco sobre

Leia mais

POR AMOR AOS ESCOLHIDOS. William Soto Santiago Domingo, 12 de Junho de 2016 Venezuela. Solicite Literaturas Gratuitamente:

POR AMOR AOS ESCOLHIDOS. William Soto Santiago Domingo, 12 de Junho de 2016 Venezuela. Solicite Literaturas Gratuitamente: 20 POR AMOR AOS ESCOLHIDOS Solicite Literaturas Gratuitamente: William Soto Santiago Domingo, 12 de Junho de 2016 Venezuela CENTRO DE DIVULGAÇÃO DO EVANGELHO DO REINO cder@mgconecta.com.br centroder@hotmail.com

Leia mais

Prova Final de Língua Portuguesa

Prova Final de Língua Portuguesa PROVA FINAL DO 3.º CICLO DO ENsINO BÁsICO Decreto-Lei n.º 6/001, de 18 de janeiro Prova Final de Língua Portuguesa 3.º Ciclo do Ensino Básico Prova 91/1.ª Chamada 13 Páginas Duração da Prova: 90 minutos.

Leia mais

POR QUE É DIFÍCIL CRER? Pr. Bullón. www.sisac.org.br

POR QUE É DIFÍCIL CRER? Pr. Bullón. www.sisac.org.br POR QUE É DIFÍCIL CRER? Pr. Bullón www.sisac.org.br "O texto bíblico escolhido está em Efésios 2:8-10: "Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não de obras,

Leia mais

REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA. Professor: Eduardo C. Ferreira

REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA. Professor: Eduardo C. Ferreira REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA Professor: Eduardo C. Ferreira REFORMA PROTESTANTE MOVIMENTO DE CONTESTAÇÃO AOS DOGMAS DA IGREJA CATÓLICA, APÓS SÉCULOS DE FORTE PODER INFLUÊNCIA NA EUROPA.

Leia mais

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado LIÇÃO 1 - EXISTE UM SÓ DEUS 18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado A Bíblia diz que existe um único Deus. Tiago 2:19, Ef. 4 1- O Deus que Criou Todas as coisas, e que conduz a sua criação e

Leia mais

* Aparentemente, as primeiras páginas do diário perderam se. 1. Um Diário de Preces.indd 17 06/08/14 12:39

* Aparentemente, as primeiras páginas do diário perderam se. 1. Um Diário de Preces.indd 17 06/08/14 12:39 [entradas sem data] [ ] * esforço artístico neste domínio, ao invés de pensar em Ti e de me sentir inspirada pelo amor que tanto desejaria sentir. Meu bom Deus, não consigo amar Te como pretendo. És o

Leia mais

Finanças - O Mordomo Fiel

Finanças - O Mordomo Fiel Finanças - O Mordomo Fiel 1 Coríntios 4:2 Ora, além disso, o que se requer dos despenseiros, é que cada um deles seja encontrado Fiel. A Bíblia apresenta mais de 2.350 versículos sobre dinheiro/riquezas,

Leia mais

O ARCO-ÍRIS. Usado em tantas fotos, admirado quando aparece no céu, usado em algumas simbologias... e muitas vezes desconhecido sua origem.

O ARCO-ÍRIS. Usado em tantas fotos, admirado quando aparece no céu, usado em algumas simbologias... e muitas vezes desconhecido sua origem. Origem do Arco-Íris O ARCO-ÍRIS Usado em tantas fotos, admirado quando aparece no céu, usado em algumas simbologias... e muitas vezes desconhecido sua origem. Quando eu era criança, e via um arco-íris,

Leia mais

Dia 24 - DOAR. Você consegue ver mudanças internas?

Dia 24 - DOAR. Você consegue ver mudanças internas? Jesus deu a resposta aos fariseus naquele dia. Portanto, deem aos pobres o que está dentro dos seus copos e dos seus pratos, e assim tudo ficará limpo para vocês. (Lc 11.41). Com aquela Palavra, Ele tocou

Leia mais

A Bíblia afirma que Jesus é Deus

A Bíblia afirma que Jesus é Deus A Bíblia afirma que Jesus é Deus Há pessoas (inclusive grupos religiosos) que entendem que Jesus foi apenas um grande homem, um mestre maravilhoso e um grande profeta. Mas a Bíblia nos ensina que Jesus

Leia mais

Esperança em um mundo mal Obadias 1-21. Propósito: Confiar em Cristo independente do mundo em que vivemos.

Esperança em um mundo mal Obadias 1-21. Propósito: Confiar em Cristo independente do mundo em que vivemos. Esperança em um mundo mal Obadias 1-21 Propósito: Confiar em Cristo independente do mundo em que vivemos. Introdução Obadias É o livro mais curto do Antigo Testamento. Quase nada se sabe sobre o autor.

Leia mais

fé, a esta graça na qual estamos firmes; e gloriamo-nos na esperança da glória de Deus.

fé, a esta graça na qual estamos firmes; e gloriamo-nos na esperança da glória de Deus. ACESSO A DEUS Texto Base: Rm 5.2 =... pôr intermédio de quem obtivemos igualmente acesso, pela fé, a esta graça na qual estamos firmes; e gloriamo-nos na esperança da glória de Deus. Introdução: Ter acesso

Leia mais

Toda bíblia é comunicação

Toda bíblia é comunicação Toda bíblia é comunicação Toda bíblia é comunicação de um Deus amor, de um Deus irmão. É feliz quem crê na revelação, quem tem Deus no coração. Jesus Cristo é a palavra, pura imagem de Deus Pai. Ele é

Leia mais

Cristo e Este Crucificado (Mensagem entregue pelo irmão Stephen Kaung em Richmond- Virginia-USA no dia 11 de março de 2007)

Cristo e Este Crucificado (Mensagem entregue pelo irmão Stephen Kaung em Richmond- Virginia-USA no dia 11 de março de 2007) Cristo e Este Crucificado (Mensagem entregue pelo irmão Stephen Kaung em Richmond- Virginia-USA no dia 11 de março de 2007) Poderiam abri em primeira aos Coríntios capítulo 2, vamos ler todo o capítulo.

Leia mais

7 pragas - Contagem Regressiva para o Armagedom

7 pragas - Contagem Regressiva para o Armagedom 7 As 7 pragas - Contagem Regressiva para o Armagedom APOCALIPSE 15 E 16 INTRODUÇÃO Dois Homens contra um império! Parecia um enredo de filme. Talvez tenha sido difícil marcar a audiência para falar com

Leia mais

PREGAÇÃO DO DIA 30 DE NOVEMBRO DE 2013 TEMA : A LUTA PELA FÉ PASSAGEM BASE: FILIPENSES 1:27-30

PREGAÇÃO DO DIA 30 DE NOVEMBRO DE 2013 TEMA : A LUTA PELA FÉ PASSAGEM BASE: FILIPENSES 1:27-30 PREGAÇÃO DO DIA 30 DE NOVEMBRO DE 2013 TEMA : A LUTA PELA FÉ PASSAGEM BASE: FILIPENSES 1:2730 FILIPENSES 1:2730 Somente deveis portarvos dignamente conforme o evangelho de Cristo, para que, quer vá e vos

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

Jonas, o Missionário Improvável

Jonas, o Missionário Improvável Jonas, o Missionário Improvável Este mês é o mês que dedicamos às missões aqui na nossa igreja. Eu costumo dizer que as missões são o bater do coração de Deus. Se este é um assunto que é importante para

Leia mais

No entanto, por mais dedicado, íntegro e capacitado que um líder ou pastor seja, jamais chegará, se quer, aos pés do Senhor Jesus.

No entanto, por mais dedicado, íntegro e capacitado que um líder ou pastor seja, jamais chegará, se quer, aos pés do Senhor Jesus. A sociedade, em todas as nações, encontra-se doente. A maioria das pessoas tem a alma enferma. Nesses últimos dias, o que tem acontecido no Sebastião Norões, tem nos mostrado que até as crianças estão

Leia mais

EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3. Evangelho de João Cap. 3. 1 Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus.

EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3. Evangelho de João Cap. 3. 1 Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus. EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3 LEMBRETE IMPORTANTE: As palavras da bíblia, são somente as frases em preto Alguns comentários explicativos são colocados entre os versículos, em vermelho. Mas é apenas com o intuito

Leia mais

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro Acólitos São João da Madeira Cancioneiro Índice Guiado pela mão...5 Vede Senhor...5 Se crês em Deus...5 Maria a boa mãe...5 Quanto esperei por este momento...6 Pois eu queria saber porquê?!...6 Dá-nos

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Vício é uma palavra proveniente do latim vitium que significa falha ou defeito; é um mau hábito que causa dependência física ou emocional; é uma fuga

Vício é uma palavra proveniente do latim vitium que significa falha ou defeito; é um mau hábito que causa dependência física ou emocional; é uma fuga Introdução Ouço uma voz que me diz: O homem necessita de alguém que lhe esclareça quem ele é, que o instrua acerca de seus deveres, que o dirija para a virtude, renove seu coração, que o restabeleça em

Leia mais

Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3.

Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3. Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3. Senhora, partem tão tristes meus olhos por vós, meu bem, que nunca tão tristes vistes outros

Leia mais

O Arrebatamento da Igreja

O Arrebatamento da Igreja Texto Base: 1Ts 4.13-18 O Arrebatamento da Igreja "Não queremos, porém, irmãos, que sejais ignorantes com respeito aos que dormem, para não vos entristecerdes como os demais, que não têm esperança. Pois,

Leia mais

DEDICATÓRIA. Dedico esta obra a todos os leitores de Uma. Incrível História Euro-Americana no período em

DEDICATÓRIA. Dedico esta obra a todos os leitores de Uma. Incrível História Euro-Americana no período em DEDICATÓRIA Dedico esta obra a todos os leitores de Uma Incrível História Euro-Americana no período em que esta foi postada no blog Dexaketo, tornando-a o folhetim mais lido na história do blog até meados

Leia mais

01 C À tua presença. C D- À Tua presença venho, SENHOR, C G. Com reverência, pois Tu és Deus; C F E assim poder receber

01 C À tua presença. C D- À Tua presença venho, SENHOR, C G. Com reverência, pois Tu és Deus; C F E assim poder receber 01 C À tua presença C - À Tua presença venho, SNHOR, C Com reverência, pois Tu és eus; C F assim poder receber C o que Tu tens para mim, F F- C assim também entregar o que há em mim. C Quero exaltar Teu

Leia mais

Adoração ao Santíssimo Sacramento. Catequese Paroquial de Nossa Senhora da Lapa. 4 de Março de 2014

Adoração ao Santíssimo Sacramento. Catequese Paroquial de Nossa Senhora da Lapa. 4 de Março de 2014 Adoração ao Santíssimo Sacramento Catequese Paroquial de Nossa Senhora da Lapa 4 de Março de 2014 Leitor: Quando nós, cristãos, confessamos a Trindade de Deus, queremos afirmar que Deus não é um ser solitário,

Leia mais

HISTÓRIA DO SANTO TERÇO

HISTÓRIA DO SANTO TERÇO HISTÓRIA DO SANTO TERÇO A recitação dos Salmos, desde o século IX, continua sendo a oração oficial da Igreja, conhecida como Liturgia das Horas. Os 150 Salmos recitados pelos monges eram assistidos pelos

Leia mais

Como levar alguém a Jesus Cristo usando o Cubo Evangelístico (Use as setas do cubo para ajudá-lo a abrir as figuras)

Como levar alguém a Jesus Cristo usando o Cubo Evangelístico (Use as setas do cubo para ajudá-lo a abrir as figuras) Como levar alguém a Jesus Cristo usando o Cubo Evangelístico (Use as setas do cubo para ajudá-lo a abrir as figuras) Mostre o "Homem em Pecado" separado de Deus Esta luz (aponte para o lado direito) representa

Leia mais

Todos Batizados em um Espírito

Todos Batizados em um Espírito 1 Todos Batizados em um Espírito Leandro Antonio de Lima Podemos ver os ensinos normativos a respeito do batismo com o Espírito Santo nos escritos do apóstolo Paulo, pois em muitas passagens ele trata

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal Personal Commitment Guide Guia de Compromisso Pessoal Nome da Igreja ou Evento Nome do Conselheiro Telefone 1. Salvação >Você já atingiu um estágio na vida em que você tem a certeza da vida eterna e que

Leia mais

CONHECENDO AS SEITAS

CONHECENDO AS SEITAS CONHECENDO AS SEITAS RELIGIÃO: deriva do termo latino "Re-Ligare", que significa "religação" com o divino. SEITA: é um grupo que afirma ser cristão, porém nega uma verdade essencial do cristianismo bíblico.

Leia mais

Músicas para Páscoa. AO REDOR DA MESA F Gm C C7 F Refr.: Ao redor da mesa, repartindo o pão/ A maior riqueza dos que são irmãos.

Músicas para Páscoa. AO REDOR DA MESA F Gm C C7 F Refr.: Ao redor da mesa, repartindo o pão/ A maior riqueza dos que são irmãos. Músicas para Páscoa AO PARTIRMOS O PÃO E C#m #m B7 E7 A C#M Refr.: Ao partirmos o pão reconhecemos/ Jesus Cristo por nós ressuscitado./ Sua paz B7 E A B7 E recebemos e levamos,/ Ao nosso irmão que está

Leia mais

#61. 10.14 O batismo do Espírito Santo

#61. 10.14 O batismo do Espírito Santo 10.14 O batismo do Espírito Santo #61 Estudamos o novo nascimento e vimos como o Espírito Santo realiza essa obra juntamente com a Palavra de Deus. Tínhamos que entender o novo nascimento e como alguém

Leia mais

Considerações sobre o Evangelho de João

Considerações sobre o Evangelho de João 1 Considerações sobre o Evangelho de João. O Evangelho de João nasceu do anúncio vivo, da memória de homens e mulheres que guardavam e transmitiam os ensinamentos transmitidos por Jesus.. O chão = vida

Leia mais