PREÂMBULO TOV colaboradores, Compliance Outubro/2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREÂMBULO TOV colaboradores, Compliance Outubro/2010"

Transcrição

1

2 PREÂMBULO A TOV, ciente da importância da ética nas relações profissionais nas comunidades onde atua e dos benefícios advindos do comprometimento e execução de diretrizes de conduta ética, divulga a todos os colaboradores da TOV o seu Manual Institucional de Diretrizes de Conduta Ética. Para os fins deste Manual Institucional de Diretrizes de Conduta Ética, considere-se por TOV e colaboradores, diretores, gestores, estagiários, trainees e temporários vinculados à TOV corretora de câmbio. Considerando a posição de destaque da TOV no mercado brasileiro, dentro dos princípios de segmentação de produtos e serviços, bem como as atuais transformações impostas pelo processo de globalização, resultado da abertura econômica e do desenvolvimento tecnológico, faz-se necessária a formalização de diretrizes de conduta ética, aplicável a todos os colaboradores da TOV, orientando suas ações, conduta profissional e postura social, com respeito a todos aqueles com quem mantém relacionamento. Ser ético é fundamentar suas ações nos princípios da legalidade, probidade e transparência, visando resguardar a imagem sólida e confiável da TOV perante seus clientes, o mercado, o Poder Público e a sociedade. Diretrizes de conduta ética são valores e princípios que norteiam as atividades da TOV, valores estes que pressupõem credibilidade, integridade, imparcialidade, profissionalismo, confiança, produtividade, eficácia, conformidade com a lei ( compliance ), além do respeito básico aos direitos humanos. O comprometimento de todos os colaboradores é requisito de fundamental importância para a disseminação e cumprimento dos preceitos contidos nas diretrizes de conduta contidas neste Manual Institucional de Diretrizes de Conduta, onde palavras e intenções tornam-se ações transformadoras, quando acompanhadas de atitudes e práticas coerentes. Compliance Outubro/2010 2

3 ÍNDICE SEÇÃO I DAS NORMAS GERAIS DE CONDUTA 1. DAS DIRETRIZES GERAIS DE CONDUTA EM RELAÇÃO AOS COLABORADORES DA TOV EM RELAÇÃO AOS CLIENTES EM RELAÇÃO AOS FORNECEDORES DE BENS E PRESTADORES DE 6 SERVIÇOS 1.4 EM RELAÇÃO À CONCORRÊNCIA EM RELAÇÃO AO PODER PÚBLICO E SEUS ÓRGÃOS EM RELAÇÃO À IMPRENSA EM RELAÇÃO À SEGURANÇA DE INFORMAÇÕES 7 SEÇÃO II DOS CONFLITOS DE INTERESSE, DAS VEDAÇÕES E DAS MEDIDAS DISCIPLINARES 1. DOS CONFLITOS DE INTERESSE 8 2. DAS VEDAÇÕES 8 3. DAS MEDIDAS DISCIPLINARES 10 SEÇÃO III DO COMITÊ DE CONDUTA E ÉTICA 1. DA COMUNICAÇÃO AO COMITÊ DE ÉTICA DAS ATRIBUIÇÕES DO COMITÊ DE ÉTICA 11 3

4 SEÇÃO I - DAS NORMAS GERAIS DE CONDUTA 1. DAS DIRETRIZES GERAIS DE CONDUTA As diretrizes de conduta contidas neste Manual Institucional de Diretrizes de Conduta devem ser cumpridas por todos os colaboradores da TOV no desempenho de suas funções profissionais e no âmbito social, observando sempre as disposições contidas em leis, regulamentos e políticas internas aplicáveis. 1.1 EM RELAÇÃO AOS COLABORADORES DA TOV Na condução dos negócios da TOV, são respeitados os direitos e diferenças culturais dos indivíduos, colocando-se em pratica o principio de igualdade de oportunidades de trabalho, independentemente de raça, religião, origem, nacionalidade, classe social, sexo, cor, idade ou deficiência física, não se admitindo nenhuma decisão que afete a carreira profissional, baseada apenas em relacionamento pessoal. Nenhum tipo de discriminação é tolerado. São deveres fundamentais de todos os colaboradores da TOV: a) cumprir a legislação e regulamentação aplicáveis ao desempenho de suas funções e exercício de suas atividades profissionais; b) pautar-se pelo respeito mútuo, cortesia, espírito de equipe, lealdade e confiança nas relações no ambiente de trabalho; c) ter conduta equilibrada e imparcial, não participando de transações e atividades que possam comprometer a sua dignidade profissional/pessoal ou desabonem a sua imagem, bem como a da TOV; d) exercer suas atividades profissionais com competência e diligência, buscando o aprimoramento técnico e a atualização permanente com respeito às normas legais, regulamentares, estatutárias e demais instruções previstas na política de administração funcional da TOV, pertinentes à função desempenhada; 4

5 e) exercer as atividades funcionais que lhes sejam atribuídas e confiadas, realizando seu trabalho com honestidade, lealdade e eficácia, abstendose de fazê-lo contrariamente aos interesses da TOV; f) zelar pelo patrimônio e a imagem da TOV, preservando os materiais e instrumentos de trabalho; g) manter sigilo com respeito a quaisquer informações, na forma escrita, oral ou digital sobre clientes da TOV, com respeito a negócios, operações e resultados, ou quaisquer outras informações que não sejam objeto de conhecimento público, adotando medidas adequadas para que somente pessoas autorizadas tenham acesso a tais informações visando à preservação de informações sigilosas; h) manter suas finanças pessoais compatíveis com os seus rendimentos, evitando situações que possam afetar adversamente sua imagem pessoal/profissional ou a da TOV; i) opor-se a quaisquer violações do sistema financeiro em geral, bem como ao trafico de influência; j) agir de forma socialmente responsável, mantendo elevado espírito comunitário e empregar esforços visando à preservação do meio ambiente; k) no âmbito de sua gestão divulgar e informar a todos os colaboradores, fornecedores de bens e prestadores de serviços, e contratados terceirizados, a existência das diretrizes de conduta contidas neste Manual, estimulando o seu integral cumprimento; e l) comunicar, ao Diretor da Área, quaisquer situações que possam configurar violação das diretrizes de conduta contidas neste Manual e, se necessário, encaminhar o assunto ao Comitê de Ética. 1.2 EM RELAÇÃO AOS CLIENTES 5

6 A TOV tem compromisso com a qualidade no fornecimento de produtos e na prestação de serviços aos seus clientes, dentro do escopo de suas metas de crescimento e rentabilidade. Colaboradores da TOV, no relacionamento com os clientes, direta ou indiretamente, deverão: a) Conhecer o cliente, o seu negocio e as suas atividades econômicas seu patrimônio, visando melhor atender as suas necessidades de serviços e produtos. Aplicar devidamente o Princípio Conheça Seu Cliente, conforme estabelecido por ordem do BACEN e da CVM. b) atender os clientes com eficiência, respeito e cortesia, prestando informações claras e precisas; c) recusar a intermediação, participação ou envolvimento de qualquer natureza, em propostas, negócios ou quaisquer atividades contrárias à legislação e regulamentação vigentes, às políticas da TOV e às diretrizes de conduta contidas neste Manual; d) manter sigilo de informações recebidas em decorrência do relacionamento com os clientes, adotando medidas adequadas para tal fim. 1.3 EM RELAÇÃO AOS FORNECEDORES DE BENS E PRESTADORES DE SERVIÇOS A TOV relaciona-se com fornecedores de produtos e prestadores de serviços idôneos, que são contratados com base em critérios técnicos, imparciais, transparentes e éticos, zelando pela eficiência, qualidade e viabilidade econômica dos produtos adquiridos e/ou serviços prestados. Os profissionais contratados devem pautar seu comportamento pelas diretrizes de conduta contidas neste Manual. Deve ser submetida à aprovação do Comitê de Ética (SEÇÃO III, infra) a aquisição de produtos e prestação de serviços de qualquer empresa na qual colaboradores, ou parentes, tenham algum tipo de participação ou interesse, direta ou indiretamente. 6

7 1.4 EM RELAÇÃO À CONCORRÊNCIA O tratamento das entidades concorrentes deve fundamentar-se em padrões éticos, evitando-se quaisquer ações ou práticas que possam caracterizar concorrência desleal ou, de qualquer forma, afetar adversamente a imagem das entidades concorrentes. 1.5 EM RELAÇÃO AO PODER PÚBLICO E SEUS ÓRGÃOS O relacionamento com o Poder Público e seus respectivos órgãos, seja no âmbito municipal, estadual ou federal, seja através de financiamentos, subsídio, incentivos fiscais, contratos ou normas de câmbio, deve fundamentar-se no rigoroso cumprimento da legislação e regulamentação aplicáveis, dentro de padrões de honestidade e integridade, bem como nas diretrizes de conduta contidas neste Manual. Quaisquer informações solicitadas pelo Poder Público e seus respectivos órgãos ou entidades representativas de classe deverão ser divulgadas de acordo com instrução da área jurídica. 1.6 EM RELAÇÃO À IMPRENSA O relacionamento com a imprensa (escrita, oral ou televisiva) deve ser cordial. As informações prestadas devem ser corretas e apropriadas, observando-se sempre os critérios estabelecidos pela Assessoria de Imprensa da TOV. 1.7 EM RELAÇÃO À SEGURANÇA DE INFORMAÇÕES Quaisquer informações referentes à clientes, fornecedores de produtos, prestadores de serviço à TOV são confidenciais, devendo todos os colaboradores zelar pela integridade destas informações, exceto quando forem de domínio público. SEÇÃO II - DOS CONFLITOS DE INTERESSE, DAS VEDAÇÕES E DAS MEDIDAS DISCIPLINARES 7

8 1. DOS CONFLITOS DE INTERESSE Conflito de interesse é qualquer situação em que o atendimento das pretensões do colaborador possa representar, ainda que potencialmente, impacto adverso aos interesses da TOV, e/ou de seus clientes. Os conflitos de interesse devem ser administrados de forma imparcial, adotando-se postura profissional na tomada de decisões, sobretudo quanto às transações envolvendo pessoas ou organizações que tenham qualquer tipo de conexão pessoal, familiar, relação particular ou interesse econômico com colaboradores ou seus parentes. Conflitos de interesse em potencial devem ser identificados, minimizados e supervisionados de forma adequada com envolvimento do Diretor da Área e, se necessário, encaminhamento do assunto ao Comitê de Ética (SEÇÃO III, infra). 2. DAS VEDAÇÕES É vedado a todos os funcionários da TOV: a) Utilizar-se de qualquer artifício ou procedimento ilegal, visando a obtenção de vantagem para a TOV, para si ou para outrem; b) Utilizar-se de informações privilegiadas, para realização de qualquer operação de mercado, por si ou por outrem sob sua instrução, visando obtenção de vantagem para si ou para outrem, incluindo, mas não se limitando a, compra ou venda de títulos ou valores mobiliários (insider trading); c) Submeter outros colaboradores à intimidação, assédio sexual ou constrangimento de qualquer natureza; d) Praticar quaisquer atos ou realizar operações que, direta ou indiretamente, coloquem em risco a imagem da TOV perante os seus clientes; e) Utilizar-se de propaganda falsa ou enganosa para atrair clientes, oferecendo-lhes vantagens incompatíveis com as condições e atividades desempenhadas pela TOV; f) Utilizar-se do patrimônio e instalações da TOV ou de seus recursos 8

9 humanos para fins particulares e/ou escusos; g) Acumular atividades conflitantes ou desenvolver atividades ou negócios particulares que concorram com a TOV ou que interfiram no tempo de trabalho dedicado à TOV, incluindo, mas não se limitando a, prestação de serviços, assessoria ou negócios com clientes, fornecedores de produtos e prestadores de serviço; h) Assumir função de diretor, gerente ou qualquer outro cargo de administração em entidades que mantenham negócios com a TOV ou qualquer associação de classe, a não ser que autorizado pela TOV corretora; i) Transmitir ou transferir para terceiros quaisquer informações, documentos, relatório financeiros, registros contábeis, estratégias, relação de clientes, e/ou programas contendo dados sigilosos, confidenciais e de exclusivo interesse profissional da TOV; j) Usar para fins particulares ou transmitir a terceiros, tecnologias, metodologias, know-how e outras informações de propriedade da TOV ou por ela desenvolvidas ou obtidas; k) Manifestar-se em nome da TOV quando não autorizado para tal; l) Manifestar opinião que possa prejudicar a imagem da TOV, outra instituição financeira, ou qualquer outra entidade ou pessoa física; m) A participação, em qualquer nível hierárquico, ativa ou passivamente, em quaisquer esquemas de favorecimento ilícito; n) Solicitar, provocar, sugerir ou receber remuneração financeira, bens, gratificação, prêmio, comissão, doação ou vantagem, a qualquer título, em caráter eventual, ou não, oriundos de clientes ou terceiros interessados em obter vantagem para si ou para outrem na realização de negócios com a TOV, ainda que relacionados a datas festivas e/ou comemorativas, com a intenção de influenciá-los ou gratificá-los; e o) Aceitar remuneração, bem ou vantagem, informando ao doador que a Política Institucional da TOV proíbe tal aceitação ou, quando for o caso, procedendo à devolução imediata ao doador, sob a fundamentação citada. Não estão incluídas nas vedações supracitadas: (I) almoços, jantares, entretenimento e outros convites habituais, como 9

10 eventos esportivos e de confraternização, no curso normal dos negócios, fornecedores de produto, prestador de serviço ou cliente; (II) brindes distribuídos por entidades de qualquer natureza a título de cortesia, propaganda, divulgação habitual ou por ocasião de eventos especiais ou datas comemorativas, desde que não caracterizem conflito de interesse; (III) a participação em seminários, congressos e eventos semelhantes, e, no caso de pagamento de despesas pelo promotor/patrocinador do evento, uma comunicação deve ser feita ao superior hierárquico e se necessário, encaminhamento ao Comitê de Ética. Em caso de conflito de interesse ou dúvida, a situação deverá ser reportada ao Comitê de Ética (SEÇÃO III, infra). 3. DAS MEDIDAS DISCIPLINARES No caso de violação de qualquer norma estabelecida neste Manual, as seguintes medidas disciplinares serão aplicáveis, em qualquer ordem, dependendo da gravidade da situação: a) Recomendação em carta reservada; b) Advertência em carta reservada e registro no prontuário dos colaboradores; c) Advertência em entrevista reservada junto aos membros do Comitê de Ética; d) Suspensão; e) Desligamento/demissão por justa causa, observadas as respectivas alçadas, bem como a legislação trabalhista vigente. SEÇÃO III DO COMITÊ DE CONDUTA E ÉTICA 10

11 1. DA COMUNICAÇÃO AO COMITÊ DE ÉTICA Deve-se comunicar ao Comitê de Ética para análise e deliberação, qualquer fato, situação ou conduta passível de infração a quaisquer das diretrizes de conduta contidas neste Manual, por colaboradores, fornecedores, prestadores de serviço. Quaisquer comunicações ao Comitê de Ética deverão ser encaminhadas via , e serão analisadas de forma sigilosa. 2. DAS ATRIBUIÇÕES DO COMITÊ DE ÉTICA O Comitê de Ética será composto por 5 (cinco) membros designados e destituídos de seus cargos a qualquer tempo, pelo Presidente da TOV, com mandato por prazo de 3 (três) anos, renovável por igual prazo, conforme deliberação do Presidente. São atribuições do Comitê de Ética: a) Avaliar a necessidade de atualização e coordenar as atividades relativas a este Manual bem como a sua continua divulgação; b) Dirimir dúvidas a respeito da interpretação das normas deste Manual bem como, orientar e deliberar sobre os casos omissos; c) Apurar ato que, em princípio, se apresente contrário às diretrizes de conduta contidas neste Manual, garantindo o direito do contraditório e ampla defesa, encaminhando recomendações ao superior hierárquico do colaborador envolvido ou, ao Diretor da Área envolvida, conforme a gravidade do caso; Diretoria de Compliance Dúvidas ou esclarecimentos: 11

12 São Paulo, de de TOV Corretora de Câmbio, Títulos e Valores Mobiliários LTDA. TESTEMUNHAS: Nome CPF Nome CPF 12

CÓDIGO DE ÉTICA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO

CÓDIGO DE ÉTICA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO CÓDIGO DE ÉTICA DA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO 0 ÍNDICE 1 - INTRODUÇÃO... 2 2 - ABRANGÊNCIA... 2 3 - PRINCÍPIOS GERAIS... 2 4 - INTEGRIDADE PROFISSIONAL E PESSOAL... 3 5 - RELAÇÕES COM

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SUPRIMENTO DE MATERIAL E SERVIÇOS GSS CÓDIGO DE RELACIONAMENTO COM OS FORNECEDORES DE BENS E SERVIÇOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SUPRIMENTO DE MATERIAL E SERVIÇOS GSS CÓDIGO DE RELACIONAMENTO COM OS FORNECEDORES DE BENS E SERVIÇOS CÓDIGO DE RELACIONAMENTO COM OS FORNECEDORES DE BENS E SERVIÇOS ELETRONORTE SUPERINTENDÊNCIA DE SUPRIMENTO DE MATERIAL E SERVIÇOS GSS CÓDIGO DE RELACIONAMENTO COM OS FORNECEDORES DE BENS E SERVIÇOS 1 2

Leia mais

O Banrisul no relacionamento com os diversos setores da sociedade terá suas posições e ações baseadas nas seguintes disposições:

O Banrisul no relacionamento com os diversos setores da sociedade terá suas posições e ações baseadas nas seguintes disposições: 1.0 - CÓDIGO DE ÉTICA DO BANRISUL Preâmbulo O compromisso maior da instituição deve ser o de possibilitar continuamente a consecução de sua missão, a saber: Ser o agente financeiro do Estado para promover

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Estrutura do Código de Ética e Conduta 1. Introdução pág. 03 2. Mensagem da Diretoria pág. 04 3. Relações no Ambiente de Trabalho pág. 05 4. Relacionamento Externo pág. 07 5.

Leia mais

O Banrisul no relacionamento com os diversos setores da sociedade terá suas posições e ações baseadas nas seguintes disposições:

O Banrisul no relacionamento com os diversos setores da sociedade terá suas posições e ações baseadas nas seguintes disposições: 1.0 - CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO BANRISUL Preâmbulo O compromisso é servir como Guia Prático de Conduta Pessoal e Profissional, a ser utilizado por todos os Colaboradores do Banrisul, possibilitando a

Leia mais

Cliente Empreendedorismo Metodologia e Gestão Lucro Respeito Ética Responsabilidade com a Comunidade e Meio Ambiente

Cliente Empreendedorismo Metodologia e Gestão Lucro Respeito Ética Responsabilidade com a Comunidade e Meio Ambiente Código de Ética OBJETIVO Este código de ética serve de guia para atuação dos empregados e contratados da AQCES e explicita a postura que deve ser adotada por todos em relação aos diversos públicos com

Leia mais

Norma de Política. Sistema Integrado de Normas. Título da Norma. Código de Ética - Área Suprimentos. Código COM011. Responsável

Norma de Política. Sistema Integrado de Normas. Título da Norma. Código de Ética - Área Suprimentos. Código COM011. Responsável Sistema Integrado de Normas Norma de Política Título da Norma Código Responsável Área: Processo: Subprocesso: Sistema: Cia de Alcance Código de Ética - Área Suprimentos COM011 Flavio Licio/CEN/BFE/Bunge

Leia mais

Apresentação. Após a leitura, o colaborador deve atestar que se compromete a respeitar os padrões estabelecidos nesse documento.

Apresentação. Após a leitura, o colaborador deve atestar que se compromete a respeitar os padrões estabelecidos nesse documento. CÓDIGO DE ÉTICA 1 2 3 Apresentação Apresentamos a todos o Código de Ética do Banco A.J Renner S.A. Este código contém as orientações que devem ser seguidas individual e coletivamente na busca pela excelência

Leia mais

Política de Relacionamento com Fornecedores

Política de Relacionamento com Fornecedores Política de Relacionamento com Fornecedores Publicado em: 25/06/2013 1. Conceito O Santander tem como compromisso promover a sustentabilidade, conduzindo seus negócios em plena conformidade com a legislação

Leia mais

ÍNDICE. Introdução 02. Abrangência 03. Objetivos 03. Princípios Gerais 04 Integridade profissional e pessoal

ÍNDICE. Introdução 02. Abrangência 03. Objetivos 03. Princípios Gerais 04 Integridade profissional e pessoal ÍNDICE Introdução 02 Abrangência 03 Objetivos 03 Princípios Gerais 04 Integridade profissional e pessoal 05 Relações com clientes, parceiros e no ambiente de trabalho 06 Condutas não aceitáveis 06 Gestão

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética SUMÁRIO 1 Objetivo... 03 2 Abrangência... 03 3 Valores... 03 4 - Conduta ética da PPL com os diversos públicos 4.1 - Cliente: Foco de nossa atuação... 03 4.2 - Relação e interação com fornecedores e parceiros...

Leia mais

[CÓDIGO DE ÉTICA] Interinvest

[CÓDIGO DE ÉTICA] Interinvest [CÓDIGO DE ÉTICA] Este documento determina as práticas, padrões éticos e regras a serem seguidos pelos colaboradores, fornecedores e a todos aqueles que, direta ou indiretamente, se relacionem com a Interinvest.

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA HABITÁGUA

CÓDIGO DE ÉTICA DA HABITÁGUA CÓDIGO DE ÉTICA DA HABITÁGUA ÍNDICE PREÂMBULO... 3 CÓDIGO DE ÉTICA... 5 Secção I: PARTE GERAL............................................... 6 Secção II: PRINCÍPIOS... 8 Secção III: DEVERES CORPORATIVOS...

Leia mais

Código de Ética Rastru

Código de Ética Rastru CÓDIGO DE ÉTICA RASTRU O objetivo desse Código de É tica é definir com clareza os princípios éticos que norteiam as ações e os compromissos da organização Rastru, tanto da parte institucional como da parte

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGRAS PARA AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGRAS PARA AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS 1. INTRODUÇÃO MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGRAS PARA AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS Em atendimento à Instrução CVM nº 497, de 03 de junho de 2011], o presente Manual dispõe sobre os procedimentos e regras

Leia mais

CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL O CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL

CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL O CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL O CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL Março de 2015 1ª edição MENSAGEM DO PRESIDENTE O Código de Conduta da RIP ( Código ) é a declaração formal das expectativas que servem

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DA EMBRAPA

MANUAL DE NORMAS DA EMBRAPA Sumário 1. Objetivo 2. Campo de aplicação 3. Referências 4. Siglas e abreviaturas 5. Princípios e Valores Fundamentais 6. Do Relacionamento da Embrapa com seus Empregados 7. Do Relacionamento dos Empregados

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À CORRUPÇÃO DO BANRISUL

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À CORRUPÇÃO DO BANRISUL POLÍTICA DE PREVENÇÃO À CORRUPÇÃO DO BANRISUL A Política de Prevenção à Corrupção tem como objetivo dar visibilidade e registrar os princípios e valores éticos que devem nortear a atuação dos empregados,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA SOMMA INVESTIMENTOS

CÓDIGO DE ÉTICA DA SOMMA INVESTIMENTOS 1. O CÓDIGO Este Código de Ética (Código) determina as práticas e padrões éticos a serem seguidos por todos os colaboradores da SOMMA INVESTIMENTOS. 2. APLICABILIDADE Esta política é aplicável: 2.1. A

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA RECEBA MAIS QUE TECNOLOGIA

CÓDIGO DE ÉTICA RECEBA MAIS QUE TECNOLOGIA CÓDIGO DE ÉTICA RECEBA MAIS QUE TECNOLOGIA Código de Ética e de Responsabilidade Social Propósitos A ACE Schmersal tem uma atuação corporativa pautada em valores éticos e morais. Estes mesmos valores regem

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA RESOLUÇÃO Nº 02/2004

CÓDIGO DE ÉTICA RESOLUÇÃO Nº 02/2004 CÓDIGO DE ÉTICA RESOLUÇÃO Nº 02/2004 O Conselho Diretor Nacional (CDN) do IBEF, no uso de suas atribuições estatutárias, leva ao conhecimento dos quadros sociais das seccionais membros do IBEF Nacional

Leia mais

MANUAL DE CONDUTA ÉTICA E EMPRESARIAL GRUPO VIVO SABOR

MANUAL DE CONDUTA ÉTICA E EMPRESARIAL GRUPO VIVO SABOR MANUAL DE CONDUTA ÉTICA E EMPRESARIAL GRUPO VIVO SABOR INTRODUÇÃO Ciente de sua responsabilidade como fornecedora de refeições coletivas e prestadora de serviços, o Grupo Vivo Sabor divulga seu Manual

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E INTEGRIDADE DE FORNECEDORES

CÓDIGO DE CONDUTA E INTEGRIDADE DE FORNECEDORES SUMÁRIO 1. Introdução... 04 2. Abrangência... 04 3. Objetivo... 04 4. Princípios Éticos... 05 5. Preconceitos e Discriminação... 05 6. Respeito à Legislação e Integridade nos Negócios... 05 7. Documentos,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. BADESUL Desenvolvimento S.A- Agência de Fomento 0800 642 6800 - Rua Gen. Andrade Neves, 175 - Porto Alegre - RS - CEP: 90010-210

CÓDIGO DE ÉTICA. BADESUL Desenvolvimento S.A- Agência de Fomento 0800 642 6800 - Rua Gen. Andrade Neves, 175 - Porto Alegre - RS - CEP: 90010-210 CÓDIGO DE ÉTICA Introdução O Código de Ética do BADESUL explicita os valores éticos que regem o desempenho de sua missão: Contribuir para o desenvolvimento econômico e social do Rio Grande do Sul, através

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA (Julho de 2005)

CÓDIGO DE ÉTICA (Julho de 2005) CÓDIGO DE ÉTICA (Julho de 2005) I. INTRODUÇÃO O Código de Ética da São Bernardo tem por objetivo refletir o padrão de conduta e os valores ético-morais a serem aplicados e demonstrados por todos aqueles

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental 1.0 PROPÓSITO A Política de Responsabilidade Socioambiental ( PRSA ) do Banco CNH Industrial Capital S.A. tem, como finalidade, estabelecer princípios e diretrizes que norteiem as ações da Instituição

Leia mais

Código de Ética dos Profissionais Vinculados à Gestão de Ativos de Terceiros

Código de Ética dos Profissionais Vinculados à Gestão de Ativos de Terceiros Código de Ética dos Profissionais Vinculados à Gestão de Ativos de Terceiros Propriedade de Banco do Nordeste do Brasil S.A. Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização. I. Premissas

Leia mais

O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos.

O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos. POLÍTICA DE COMPLIANCE INTRODUÇÃO O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos. Visto isso, a REAG INVESTIMENTOS

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA TARPON INVESTIMENTOS S.A.

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA TARPON INVESTIMENTOS S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA TARPON INVESTIMENTOS S.A. I - DEFINIÇÕES E ADESÃO 1. As definições utilizadas na presente Política de Divulgação têm os significados que lhes são atribuídos

Leia mais

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. Regimento Interno do Conselho de Administração

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. Regimento Interno do Conselho de Administração SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. Regimento Interno do Conselho de Administração Este Regimento Interno foi aprovado pelo Conselho de Administração da Suzano Papel e Celulose S.A. em 18 de fevereiro de 2016.

Leia mais

Política de Divulgação de Atos ou Fatos Relevantes da Quality Software S.A. ( Política de Divulgação )

Política de Divulgação de Atos ou Fatos Relevantes da Quality Software S.A. ( Política de Divulgação ) Política de Divulgação de Atos ou Fatos Relevantes da Quality Software S.A. ( Política de Divulgação ) Versão: 1.0, 08/03/2013 Fatos Relevantes v 1.docx 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2. PESSOAS SUJEITAS

Leia mais

COMPROMISSO HONESTIDADE PARCERIA TRANSPARÊNCIA CÓDIGO DE ÉTICA INTEGRIDADE VALORES RESPEITO SUCESSO. Versão 01-13

COMPROMISSO HONESTIDADE PARCERIA TRANSPARÊNCIA CÓDIGO DE ÉTICA INTEGRIDADE VALORES RESPEITO SUCESSO. Versão 01-13 COMPROMISSO HONESTIDADE PARCERIA TRANSPARÊNCIA CÓDIGO DE ÉTICA INTEGRIDADE VALORES RESPEITO SUCESSO Versão 01-13 1 C Ó D I G O D E É T I C A Introdução A ÉTICA é o ideal de conduta humana, desenvolvido

Leia mais

MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS

MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS Este documento rege as atividades desemprenhas pelos Analistas de Valores Mobiliários vinculados a Um Investimentos, de acordo com as regras e procedimentos elencados

Leia mais

Política de Divulgação de Informações Relevantes e Preservação de Sigilo

Política de Divulgação de Informações Relevantes e Preservação de Sigilo Índice 1. Definições... 2 2. Objetivos e Princípios... 3 3. Definição de Ato ou Fato Relevante... 4 4. Deveres e Responsabilidade... 5 5. Exceção à Imediata Divulgação... 7 6. Dever de Guardar Sigilo...

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PARA PATINAÇÃO ARTÍSTICA

CÓDIGO DE ÉTICA PARA PATINAÇÃO ARTÍSTICA CÓDIGO DE ÉTICA PARA PATINAÇÃO ARTÍSTICA CÓDIGO DE ÉTICA PARA PATINAÇÃO ARTÍSTICA Dos Fundamentos Éticos ARTIGO 1º - O Código de Ética da Confederação Brasileira de Hóquei e Patinação define os princípios

Leia mais

POLÍTICA A. OBJETIVO... 2 B. ABRANGÊNCIA... 2 C. VIGÊNCIA... 2 D. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 1. DEFINIÇÕES... 2 2. INTRODUÇÃO... 3 3. GOVERNANÇA...

POLÍTICA A. OBJETIVO... 2 B. ABRANGÊNCIA... 2 C. VIGÊNCIA... 2 D. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 1. DEFINIÇÕES... 2 2. INTRODUÇÃO... 3 3. GOVERNANÇA... A. OBJETIVO... 2 B. ABRANGÊNCIA... 2 C. VIGÊNCIA... 2 D. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 1. DEFINIÇÕES... 2 2. INTRODUÇÃO... 3 3. GOVERNANÇA... 4 4. RELACIONAMENTO E ENGAJAMENTO COM PARTES INTERESSADAS... 4 5.

Leia mais