Fotovoltaico de Qualidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fotovoltaico de Qualidade"

Transcrição

1 Análise de Problemas ao Longo da Vida Útil de um Sistema Solar Rodolfo Henrique Engº de Aplicações SICES BRASIL

2 Conteúdo da Palestra o o o o Inversor Solar Introdução Topologias de Conversão Problemas ao Longo da Vida Útil Módulo Fotovoltaico Introdução Célula Solar Aspectos de Qualidade Normas de Qualidade Problemas ao Longo de Vida Útil String Box Introdução Recomendações de Uso Circuito Detalhado de Proteção CC Local de Instalação Estruturas de Fixação Introdução Aspectos de Qualidade Problemas ao longo da Vida Útil

3 INVERSOR SOLAR

4 Inversor Solar Introdução Seu principal papel é o controle de potência do arranjo fotovoltaico a ele conectado, visando otimizar ao máximo a produção do sistema e assegurar que a saída de potência esteja totalmente sincronizada com a rede. Os parâmetros de leitura para controle de saída de potencia, são: o Tensão da Rede; o Defasagem de Corrente; o Impedância darede; d o Frequência; o Ft Fator de Ptê Potência; o Resistência de Isolamento com o arranjo.

5 Topologia de Conversão Devido a necessidade de conversão da energia provida dos Módulos Fotovoltaicos, tensão e corrente contínuas (CC), faz se necessário um sistema de processamento e condicionamento ideal de energia a ser convertida na interface com a rede, para se adequar a frequência e tensão da mesma. As normas e recomendações internacionais e nacionais, que abordam aspectos importantes de segurança, operação, eficiência e qualidade de energia para Inversores aplicados em Sistema Solar Fotovoltaico On Grid,são: o IEEE Std ; o UL ; o CEI 11 20; o IEC 62116:2014 o ABNT NBR 16149:2013 o ANBT NBR 16150:2013

6 Topologia de Conversão Dentre as diferentes topologias de conversão que hoje são aplicadas pelos diversos fabricantes, podemos apontar algumas particularidades que torna favorável o uso de determinado equipamento, com base nas recomendações e normas internacionais: o Baixo conteúdo harmônico; o Isolação Galvânica entre os Módulos Fotovoltaicos e a Rede; o Múltiplos estágios de conversão; o Método de Rastreamento MPPT; o Comutação Suave.

7 Topologia de Conversão A topologia adotada por cada fabricante visa a compactação dos componentes eletrônicos, sendo assim submetidos a um esforço relativamente menor, melhorando a eficiência na conversão de energia e aumentando a durabilidade do Inversor. Figura 1 Topologias de Conversão. (a) Único estagio de Conversão, não isolado; (b) Único estagio de Conversão, isolado; (c) Múltiplos estágios de Conversão, isolado; (d) Múltiplos estágios de Conversão, não isolado.

8 Único estagio de conversão Não isolado Conhecido como o método mais simples de condicionamento de energia solar fotovoltaica para injetar energia na rede, sendo a unidade de conversão a única interface entre os módulos fotovoltaicos e a rede. Suas principais vantagens são sua robustez, simplicidade e alta eficiência. Entretanto, apresenta baixo fator de potência e elevada distorção harmônica, sendo necessário filtros especiais para compensar. Figura 2 Único estagio de conversão Não Isolado.

9 Único estagio de conversão Isolado É incorporado a unidade de conversão, um transformador na interface com a rede, para proporcionar isolamento galvânico entre ambas. Além de aumentar a segurança do sistema, a indutância de dispersão do transformador pode atuar como filtro para os harmônicos da corrente de saída do inversor. Figura 3 Único estagio de conversão Isolado.

10 Múltiplos estágios de conversão Não isolado Compõe se de um conversor CC/CC, com dois ou mais estágios de processamento de energia, em cascata com a unidade de conversão CC/CA. Permite com facilidade o controle dos harmônicos de corrente de saída, controle do fator de potência e de outros recursos, devido à tecnologia digital e à rápida resposta possível com o chaveamento em alta frequência. O conversor CC/CC é encarregado de realizar o rastreamento MPPT (Maximum PowerTracking), ) do arranjo fotovoltaico. Figura 4 Múltiplos estágios de conversão Não isolado

11 Múltiplos estágios de conversão Isolado O conversor CC CC é isolado com transformador de alta frequência com núcleo de ferrite. Assim, o conversor CC CC se torna responsável pelo isolamento galvânico dos painéis e pela adequação do nível de tensão aplicada à entrada do inversor, que deve ser superior ao pico da tensão da rede elétrica. Figura 5 Múltiplos estágios de conversão Isolado

12 Possíveis Problemas com Inversores ao Longo da Vida Útil A péssima qualidade dos componentes eletrônicos constituintes de um Inversor, ou instalação projetadas de forma inadequada, podem ocasionar uma redução na expectativa de vida útil do equipamento. As falhas mais comuns estão relacionados com os seguintes componentes: o Capacitores; o Tiristores; o PontedeDiodos; o Transformadores; o Microcontroladores.

13 Possíveis Problemas com Inversores ao Longo da Vida Útil Para garantir a vida útil do equipamento, édeextremaimportância seguir as recomendações do fabricante, relacionadas com as condições gerais de instalação. Figura 6 Posição e Local de Instalação Recomendados Pelo Fabricante ABB

14 MÓDULOS FOTOVOLTAICOS

15 Módulo Fotovoltaico Introdução O Módulo Fotovoltaico é o resultado da associação em série/paralelo de células solares, para produzir corrente e tensão adequadas às aplicações elétricas que se destinam. O conjunto de células é encapsulado, de forma a proporcionar a necessária proteção contra possíveis danos externos, mecânicos ou elétricos e garantir a operação segura do sistema. Figura 7 Características Construtivas do Módulo Fotovoltaico

16 Célula Solar Fotovoltaico de Qualidade Na célula solar ocorre a transformação da energia contida na radiação luminosa em energia elétrica, este fenômeno físico é conhecido como efeito fotovoltaico. A célula solar é o resultado a da junção de material semicondutor do Tipo p com Tipo n. A junção dos dois materiais possibilita absorver a energia da radiação solar e transferir parte dessa energia para elétrons, produzindo pares de portadores de carga (Elétron Lacuna). λ 1,1 μm Figura 8 Características Construtivas da Célula Solar

17 Aspectos de Qualidade dos Módulos Fotovoltaicos Os principais aspectos de qualidade de um módulo fotovoltaico estão relacionados com: o Processo de Purificação e dopagem do Silício; Grau de Pureza; Fração de Dopagem Tipo p(mm)etipo n(μm). o Flash Test das Células; o Linha de Produção dos Módulos; o Quando 100% automatizada, fica livre de contaminação da célula. o Características Construtivas; o Grau de isolamento.

18 Aspectos de Qualidade dos Módulos Fotovoltaicos NORMAS As normas internacionais, que abordam aspectos importantes de segurança, operação, eficiência e qualidade de Módulos Fotovoltaicos, são: o IEC ForCrystalline Silicon Modules; Avaliação de todos os parâmetros que são responsáveis pelo envelhecimento dos módulos fotovoltaicos policristalinos e descreve os vários testes de qualificação, para comprovação da vida útil declarada pelo fabricante. o IEC Photovoltaic (PV) module safety qualification; Avaliação de segurança dos módulos fotovoltaicos para o risco de choque elétrico, perigo de incêndio, mecânica e segurança estrutural.

19 Aspectos de Qualidade dos Módulos Fotovoltaicos NORMAS o o IEC Salt mist corrosion testing of photovoltaic (PV) modules; Exposição a neblina salina. É um método de ensaio normalizado utilizado para verificar aresistência i à corrosão. IEC UV test for photovoltaic (PV) modules; Teste com radiação UV, utilizado para testar a resistência do revestimento. Determina a capacidade que um módulo fotovoltaico tem de suportar exposição a ultra violeta (UV ) de 280 nm a 400 nm.

20 Possíveis Problemas com Módulos Fotovoltaicos ao Longo da Vida Útil o Interconexões Quebradas; o Falhas de conexão da caixa de o Fissuras na Célula; junção e módulos; o Corrosão; o Falhas estruturais; o Delaminação o Falhas Diodo By pass; o Descoloração encapsulante; o Abrir circuitos levando a o Falhas de solda; formação de arco; o Hot Spots; o Vidro quebrado.

21 Possíveis Problemas com Módulos Fotovoltaicos ao Longo da Vida Útil Figura 9 Corrosão

22 Possíveis Problemas com Módulos Fotovoltaicos ao Longo da Vida Útil Figura 10 Dl Delaminação

23 Possíveis Problemas com Módulos Fotovoltaicos ao Longo da Vida Útil Figura 11 Descoloração

24 Possíveis Problemas com Módulos Fotovoltaicos ao Longo da Vida Útil Figura 12 Fissura da Célula

25 Possíveis Problemas com Módulos Fotovoltaicos ao Longo da Vida Útil Figura 13 Interconexões Quebradas

26 STRING BOX

27 String Box Introdução A String Box é o conjunto de proteções elétricas instalados na interface entre os Módulos Fotovoltaicos e a entrada CC do Inversor. Os equipamentos que compõem um sistema fotovoltaico estão sujeitos a surtos elétricos, provenientes de raios, condições de operação anormal e falhas de algum equipamento, que por sua vez, podem causar danos aos Módulos Fotovoltaicos e Inversores.

28 String Box Recomendações de Uso O uso de dispositivos de proteção CC, são itens obrigatórios na normas e recomendações internacionaisi i e seu perfeito dimensionamentoi é de extrema importância para garantir a segurança necessária dos equipamentos e de pessoas. Os equipamentos devem ser todos classificados para trabalhar em corrente continua. Um dos motivos é que a extinção do arco elétrico que ocorre no chaveamentodeumadeterminadacargaoufontedecorrentecontinua,émais complexo.

29 String Box Fotovoltaico de Qualidade Figura 14 A distância mínima, para extinguir um arco proveniente de uma corrente de 10 A

30 String Box Circuito Detalhado de Proteção CC Figura 15 Diagrama Elétrico de Gerador Fotovoltaico

31 String Box Local de Instalação A proteção CC deve ser instalada o mais próximo possível dos módulos fotovoltaicos, para garantir uma ação rápida dos dispositivosi i de proteção e distanciar ao máximo o surto do Inversor. A temperatura de operação dos componentes fora da faixa nominal, podem alterar significativamente as propriedades material no qual é constituido, retardando ou acelerando sua atuação em situação indesejadas.

32 String Box Local de Instalação Para extinguir os dados causadas ao componentes, a String Box deve ser instalada em local protegido da radiação direta do Sol, conforme figura que se segue: Figura 16 Local de Instalação Ideal da String Box

33 Fotovoltaico de Qualidade ESTRUTURAS S S DE FIXAÇÃO

34 Estruturas de Fixação Introdução A função básica de uma estrutura de fixação é comportar os módulos fotovoltaicos sobre determinada d cobertura, ou ao nível do solo, e garantir a segurança mecânica, estrutural e de pessoas. A vida útil dos módulos fotovoltaicos será reduzida, caso a estrutura de fixação seja inadequada, ou mal dimensionada. Existem muitas forças que atuam diretamente na estrutura, e a mesma não pode comprometer a estrutura do módulo fotovoltaico.

35 Estruturas de Fixação Aspectos de Qualidade das Estruturas o Montagem simples e Modular; o Estrutura aprovada tecnicamente por certificações internacionais; o Flexível Adequadas para qualquer tipo de Módulo Fotovoltaico; o Liga de Aço Inoxidável ; o Liga de alumínio 6063; o Aplicação Segura e Confiável; o Componentes submetidos a testes de corrosão, resistência mecânica, analise de fluxo de vento.

36 Problemas com Estruturas ao Longo da Vida Útil o Efeito de dilatação térmica; o Péssima Ancoragem; o Instalação de estrutura inadequada a cobertura; o Instalação sem levar em conta as devidas recomendações do fabricante.

37 Problemas com Estruturas ao Longo da Vida Útil Figura 17 Estrutura de Fixação Mal Projetada

38 Problemas com Estruturas ao Longo da Vida Útil Figura 18 Efeito de Dilatação Térmica

39 SOLUÇÕES SICES BRASIL

40 Muito Obrigado Pela Atenção!

Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp.

Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp. CONVERSORES ELETRÔNICOS DE POTÊNCIA PARA SISTEMAS FOTOVOLTAICOS DE BAIXA TENSÃO CONECTADOS À REDE Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp.br

Leia mais

Os termômetros de resistência podem ser isolados de altas tensões. Todavia, na prática, o espaço de instalação disponível é frequentemente pequeno

Os termômetros de resistência podem ser isolados de altas tensões. Todavia, na prática, o espaço de instalação disponível é frequentemente pequeno ProLine P 44000 Medições Precisas de Temperatura em Altas Tensões, até 6,6 kv Quando as temperaturas precisam ser medidas com termômetros de resistência Pt100 em ambientes sob altas tensões, os transmissores

Leia mais

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los 1/ 9 Imprimir PROJETOS / Energia 20/08/2012 10:20:00 Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los Na primeira parte deste artigo vimos que a energia

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE CONVERSOR CC-CC PARA APLICAÇÃO EM PAINÉIS FOTOVOLTAICOS

RESULTADOS PARCIAIS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE CONVERSOR CC-CC PARA APLICAÇÃO EM PAINÉIS FOTOVOLTAICOS RESULTADOS PARCIAIS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE CONVERSOR CC-CC PARA APLICAÇÃO EM PAINÉIS FOTOVOLTAICOS Autores: Felipe JUNG, Tiago DEQUIGIOVANI, Jessé de PELEGRIN, Marcos FIORIN Identificação autores:

Leia mais

Instalações de Sistemas Fotovoltaicos e Recomendações de Segurança

Instalações de Sistemas Fotovoltaicos e Recomendações de Segurança Instalações de Sistemas Fotovoltaicos e Recomendações de Segurança P R O F. C L O D O M I R O U N S I H U A Y V I L A, D R. E N G E N H A R I A E L É T R I C A U F P R C E N T R A I S E L É T R I C A S

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

COMPANHIA DE ELETRICIDADE DO ESTADO DA BAHIA COELBA SISTEMA FOTOVOLTAICO DO ESTÁDIO PITUAÇU - SALVADOR SOLICITAÇÃO DE PROPOSTA ANEXO IX

COMPANHIA DE ELETRICIDADE DO ESTADO DA BAHIA COELBA SISTEMA FOTOVOLTAICO DO ESTÁDIO PITUAÇU - SALVADOR SOLICITAÇÃO DE PROPOSTA ANEXO IX COMPANHIA DE ELETRICIDADE DO ESTADO DA BAHIA COELBA SISTEMA FOTOVOLTAICO DO ESTÁDIO PITUAÇU - SALVADOR SOLICITAÇÃO DE PROPOSTA ANEXO IX AVALIAÇÃO DOS COMPONENTES DO SISTEMA GERADOR FOTOVOLTAICO 1. Módulos

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

Laboratório de Sistemas de Energia. Ensaio de Colectores Solares Térmicos e Módulos Fotovoltaicos

Laboratório de Sistemas de Energia. Ensaio de Colectores Solares Térmicos e Módulos Fotovoltaicos Laboratório de Sistemas de Energia Ensaio de Colectores Solares Térmicos e Módulos Fotovoltaicos LSE 05-2013 1 Laboratório de Sistemas de Energia Ensaio de Colectores Solares Térmicos segundo as Normas:

Leia mais

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Autor: Pedro Machado de Almeida O aproveitamento da energia gerada pelo sol, considerada inesgotável na escala de

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9 PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9.1 INTRODUÇÃO O aumento da temperatura nos condutores de uma instalação elétrica, devido a circulação de corrente (efeito Joule), projetada para o funcionamento normal,

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

Módulos Fotovoltaicos

Módulos Fotovoltaicos Módulos Fotovoltaicos Os módulos são o principal componente das instalações fotovoltaicas. Estes para além de terem que produzir energia por mais de 25 anos, têm que resistir às mais rigorosas variações

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA MÓDULOS MONOCRISTALINOS SEM MOLDURA - SI-ESF-M-M125-36

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA MÓDULOS MONOCRISTALINOS SEM MOLDURA - SI-ESF-M-M125-36 Solar Innova usa os últimos materiais para a fabricação de seus módulos solar. Nossos módulos são ideais para qualquer aplicativo que usa o efeito fotoelétrico como uma fonte de energia limpa por causa

Leia mais

O MÓDULO FOTOVOLTAICO PARA GERADOR SOLAR DE ELETRICIDADE. Autor: Eng. Carlos Alberto Alvarenga solenerg@solenerg.com.br www.solenerg.com.

O MÓDULO FOTOVOLTAICO PARA GERADOR SOLAR DE ELETRICIDADE. Autor: Eng. Carlos Alberto Alvarenga solenerg@solenerg.com.br www.solenerg.com. 1 O MÓDULO FOTOVOLTAICO PARA GERADOR SOLAR DE ELETRICIDADE Autor: Eng. Carlos Alberto Alvarenga solenerg@solenerg.com.br www.solenerg.com.br 1. O MÓDULO FOTOVOLTAICO A célula fotovoltaica é o elemento

Leia mais

COMISSÃO TÉCNICA DE NORMALIZAÇÃO ELETROTÉCNICA CTE 64 Instalações Elétricas em Edifícios

COMISSÃO TÉCNICA DE NORMALIZAÇÃO ELETROTÉCNICA CTE 64 Instalações Elétricas em Edifícios COMISSÃO TÉCNICA DE NORMALIZAÇÃO ELETROTÉCNICA CTE 64 Instalações Elétricas em Edifícios ESQUEMAS TIPO DE UNIDADES DE PRODUÇÃO PARA AUTOCONSUMO (UPAC) março 2015 A secção 712: Instalações Solares Fotovoltaicas

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais

Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP

Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407 Fax: (51)2131-2469

Leia mais

Introdução à Eletrônica de Potência

Introdução à Eletrônica de Potência Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Eletrônica de Potência Introdução à Eletrônica de Potência Florianópolis, setembro de 2012. Prof.

Leia mais

PREGÃO SESC-AN N.º 15/0051-PG ADENDO II

PREGÃO SESC-AN N.º 15/0051-PG ADENDO II PREGÃO SESC-AN N.º 15/0051-PG ADENDO II ESCLARECIMENTO A QUESTIONAMENTOS Referente à tensão de entrada e saída: O documento ANEXO+I+-+15-0051-PG+-+Especificação+Técnica solicita fornecimento de nobreak

Leia mais

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva Com a linha Geafol, obteve-se um transformador com excelentes características elétricas, mecânicas e térmicas que, adicionalmente, ainda é ecológico. São produzidos sob certificação DQS, ISO 9001 e ISO

Leia mais

RECon Hy Line. Conversores Híbrido para Armazenamento de Energia

RECon Hy Line. Conversores Híbrido para Armazenamento de Energia RECon Hy Line Conversores Híbrido para Armazenamento de Energia Com investimentos contínuos em pesquisa e desenvolvimento, a FRIEM é líder em novas tecnologias aplicadas a conversores de alta potência

Leia mais

Fontes Para Soldagem a Arco Voltaico. Universidade Federal do Pará - UFPA

Fontes Para Soldagem a Arco Voltaico. Universidade Federal do Pará - UFPA Fontes Para Soldagem a Arco Voltaico Fontes Para Soldagem a Arco Voltaico Fontes de energia para soldagem a arco voltaico podem ser consideradas simplesmente como o ponto de alimentação da energia elétrica

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS PARA DIMENSIONAMENTO SISTEMA FOTOVOLTAICO EM RESIDÊNCIAS

CONCEITOS INICIAIS PARA DIMENSIONAMENTO SISTEMA FOTOVOLTAICO EM RESIDÊNCIAS CONCEITOS INICIAIS PARA DIMENSIONAMENTO SISTEMA FOTOVOLTAICO EM RESIDÊNCIAS Introdução a Engenharia Professores: Márcio Zamboti Fortes e Vitor Hugo Ferreira (UFF) Bruno Henriques Dias e Flávio Gomes (UFJF)

Leia mais

INDUTOR DE BLOQUEIO TRIFÁSICO PARA BANCO DE CAPACITORES

INDUTOR DE BLOQUEIO TRIFÁSICO PARA BANCO DE CAPACITORES INDUTOR DE BLOQUEIO TRIFÁSICO PARA BANCO DE CAPACITORES A Energia Elétrica vem se tornando, cada vez mais, um bem muito importante para a Indústria e, sua utilização eficiente deve ser um objetivo importante.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Instalações Elétricas Gerais 02.1. Geral 02.2. Normas 02.3. Escopo de Fornecimento 02.4. Características Elétricas para Iluminação de Uso Geral 02.4.1. Geral 02.4.2. Tensões de Alimentação

Leia mais

Geração de energia elétrica

Geração de energia elétrica Geração de energia elétrica Capítulo 4 Sistemas solares para geração de eletricidade Lineu Belico dos Reis Os sistemas baseados no uso da energia transmitida à Terra pelo Sol para geração de eletricidade

Leia mais

DIODO SEMICONDUTOR. Conceitos Básicos. Prof. Marcelo Wendling Ago/2011

DIODO SEMICONDUTOR. Conceitos Básicos. Prof. Marcelo Wendling Ago/2011 DIODO SEMICONDUTOR Prof. Marcelo Wendling Ago/2011 Conceitos Básicos O diodo semicondutor é um componente que pode comportar-se como condutor ou isolante elétrico, dependendo da forma como a tensão é aplicada

Leia mais

Aula 5 Infraestrutura Elétrica

Aula 5 Infraestrutura Elétrica Aula 5 Infraestrutura Elétrica Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Ruído Elétrico Os problemas de energia elétrica são as maiores causas de defeitos no hardware das redes de computadores e conseqüente

Leia mais

TOPOLOGIAS DE NOBREAK

TOPOLOGIAS DE NOBREAK TOPOLOGIAS DE NOBREAK O que é um Nobreak? Nobreaks são equipamentos que possuem a função de fornecer energia ininterrupta para a carga (computadores, servidores, impressoras, etc.). Além desta função,

Leia mais

Os Diferentes tipos de No-Breaks

Os Diferentes tipos de No-Breaks Os Diferentes tipos de No-Breaks White Paper # 1 Revisão 4 Resumo Executivo Existe muita confusão no mercado a respeito dos diferentes tipos de No-Breaks e suas características. Cada um desses tipos será

Leia mais

O MÓDULO FOTOVOLTAICO PARA GERADOR SOLAR DE ELETRICIDADE. Autor: Eng. Carlos Alberto Alvarenga alvarenga@solenerg.com.br www.solenerg.com.

O MÓDULO FOTOVOLTAICO PARA GERADOR SOLAR DE ELETRICIDADE. Autor: Eng. Carlos Alberto Alvarenga alvarenga@solenerg.com.br www.solenerg.com. 1 O MÓDULO FOTOVOLTAICO PARA GERADOR SOLAR DE ELETRICIDADE Autor: Eng. Carlos Alberto Alvarenga alvarenga@solenerg.com.br www.solenerg.com.br Outubro/2014 1. O MÓDULO FOTOVOLTAICO A célula fotovoltaica

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS ELÉTRICAS DE SUBESTAÇÕES PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES Um transformador (ou trafo) é um dispositivo destinado a transmitir energia elétrica ou potência

Leia mais

Como reduzir sua conta de energia elétrica

Como reduzir sua conta de energia elétrica Como reduzir sua conta de energia elétrica Com REDULIGHT você tem energia de melhor qualidade e economiza até 25% na conta Saiba como O que é e como funciona o filtro REDULIGHT O Redulight é um Filtro

Leia mais

Eletrônica Analógica e de Potência

Eletrônica Analógica e de Potência Eletrônica Analógica e de Potência Conversores CC-CC Prof.: Welbert Rodrigues Introdução Em certas aplicações é necessário transformar uma tensão contínua em outra com amplitude regulada; Em sistemas CA

Leia mais

ENGEMATEC CAPACITORES

ENGEMATEC CAPACITORES ENGEMATEC CAPACITORES CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA Confiança e economia na qualidade da energia. Equipamentos Elétricos e Elêtronicos de Potência Ltda 2 MODELOS DOS CAPACITORES TRIFÁSICOS PADRONIZADOS

Leia mais

GABARITO - DEF30. Questão 1

GABARITO - DEF30. Questão 1 GABARITO - DEF30 Questão 1 a) Ensaio em aberto: Um dos lados do transformador é deixado em aberto, normalmente o lado de alta tensão. Instrumentos de medição são conectados para medir a corrente I 1, V

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES EFA72C35-A/00

MANUAL DE INSTRUÇÕES EFA72C35-A/00 Histórico N. Doc. Revisão Data Descrição Aprovado 601165 A 24/01/14 Inicial Faria Executado: Edson N. da cópia: 01 Página 1 de 7 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO 2- CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS E MECÂNICAS 2.1 - Entrada

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas www.weg.net Tecnologia para minimizar o consumo das indústrias. Sustentabilidade para maximizar a qualidade de vida das pessoas. O sol é uma

Leia mais

Autor. O que você vai encontrar no manual

Autor. O que você vai encontrar no manual O que você vai encontrar no manual 1. Conceitos Fundamentais 2. Como identificar o recurso solar local 3. Como fazer o levantamento do consumo 4. Como escolher o módulo fotovoltaico 5. Produção de energia

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica

Energia Solar Fotovoltaica Universidade Federal de Santa Catarina Instituto de Eletrônica de Potência Energia Solar Fotovoltaica Prof. Denizar Cruz Martins, Dr. Tecnologia Fotovoltaica Revisão Histórica 1839 Placas metálicas mergulhadas

Leia mais

Fontes de Alimentação Lineares não reguladas

Fontes de Alimentação Lineares não reguladas Fontes Lineares não reguladas FAL 24Vcc / 5A FAL 24Vcc / 10A Referência FAL 24Vcc/5A C904385.2000 Referência FAL 24Vcc/10A C904404.2000 Dados nominais Tensão de Entrada (± 10%): Tensão de saída ± 5% (selecionável):

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Fundamentos e Aplicações Parte 2

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Fundamentos e Aplicações Parte 2 ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Fundamentos e Aplicações Parte 2 Prof. Dr. Trajano Viana trajanoviana@gmail.com CEFET/RJ Março - 2014 5 - SISTEMAS FOTOVOLTAICOS Conjunto de elementos necessários para realizar

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

Workshop. Proteção em redes de serviços via cabo coaxial

Workshop. Proteção em redes de serviços via cabo coaxial Workshop Proteção em redes de serviços via cabo coaxial Distúrbios em sistemas elétricos Surto Surtos elétricos Incidência de Descargas Atmosféricas na região sudeste, sul, Mato Grosso e Goiás (em milhões)

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

O que é uma String Box?

O que é uma String Box? O que é uma String Box? A String Box é um quadro elétrico de proteção em corrente continua, composto por um conjunto de dispositivos aptos a intervir contra distúrbios elétricos que ocasionalmente podem

Leia mais

SUBESTAÇÃO TIPOS DE SUBESTAÇÕES

SUBESTAÇÃO TIPOS DE SUBESTAÇÕES SUBESTAÇÃO Uma subestação elétrica é um grupamento de equipamentos elétricos com a finalidade de dirigir o fluxo de energia elétrica num sistema de potência e de possibilitar a operação segura do sistema,

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos 1 Classificação 2 3 Estator O estator do motor e também constituido por um núcleo ferromagnético laminado, nas cavas do qual são colocados os enrolamentos alimentados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 FILTRO ATIVO DE POTÊNCIA SÉRIE PARALELO APRESENTADOR: MÁRCIO STEFANELLO,

Leia mais

UPS. Unidades de Alimentação Ininterrupta

UPS. Unidades de Alimentação Ininterrupta UPS Uma UPS é um dispositivo que, quando em funcionamento correcto, ajuda a garantir que a alimentação dos equipamentos que estão a ela ligados, não sejam perturbados, fornecendo energia, através de uma

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO. NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. 1. Introdução. 2. Porque da importância da NR-10

BOLETIM TÉCNICO. NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. 1. Introdução. 2. Porque da importância da NR-10 NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade 1. Introdução A Norma Regulamentadora n 10 é um documento que descreve um conjunto de procedimentos e requisitos para as atividades que envolvem

Leia mais

PRINCÍPIOS E UTILIZAÇÃO DA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA

PRINCÍPIOS E UTILIZAÇÃO DA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA PRINCÍPIOS E UTILIZAÇÃO DA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA LABORATÓRIO DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS Roberto Zilles Conversão da energia solar Célula

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Conceitos modernos de especificação e uso de Subestações e Painéis de média tensão Eng. Nunziante Graziano, M. Sc. AGENDA - NORMAS DE REFERÊNCIA

Leia mais

GREENLOAD CARGA ELETRÔNICA REGENERATIVA TRIFÁSICA

GREENLOAD CARGA ELETRÔNICA REGENERATIVA TRIFÁSICA Informações Técnicas GREENLOAD CARGA ELETRÔNICA REGENERATIVA TRIFÁSICA Informações Gerais A Carga Eletrônica Regenerativa Trifásica da Schneider permite a injeção de energia na rede elétrica proveniente

Leia mais

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM Introdução Os motores de tração são os equipamentos responsáveis pela propulsão dos trens. Sua falha implica na diminuição do desempenho

Leia mais

FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos

FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos Nº Pág.s: 6 nº 04 20. Novembro. 2006 Painéis Fotovoltaicos 01 Uma das tecnologias renováveis mais promissoras e recentes de geração de energia eléctrica

Leia mais

Comando e Sinalização 3SB6. Catálogo resumido. www.siemens.com.br/botoes

Comando e Sinalização 3SB6. Catálogo resumido. www.siemens.com.br/botoes Comando e Sinalização 3SB6 Catálogo resumido www.siemens.com.br/botoes Abril 2012 SIRIUS dispositivos de comando e sinalização O crescente aumento da complexidade de máquinas e processos, promovem riscos

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Instalações Elétricas Industriais CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO Flexibilidade: admitir mudanças nas localizações dos equipamentos,

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador.

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador. CAPÍTULO 8 TRANSFORMADORES ELÉTRICOS 8.1 CONCEITO O transformador, representado esquematicamente na Figura 8.1, é um aparelho estático que transporta energia elétrica, por indução eletromagnética, do primário

Leia mais

1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410

1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410 1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410 A segurança sempre está em pauta em nossas vidas e com a eletricidade não deve ser diferente. Durante a utilização normal das instalações elétricas

Leia mais

VariTrans A 20300. Duplicadores de sinais em alojamento de 6 mm com duas saídas calibradas chaveáveis, também para altas cargas na saída.

VariTrans A 20300. Duplicadores de sinais em alojamento de 6 mm com duas saídas calibradas chaveáveis, também para altas cargas na saída. Duplicadores de Sinais Convencionais Duplicadores de sinais em alojamento de 6 mm com duas saídas calibradas chaveáveis, também para altas cargas na saída. A Tarefa Isolação e transmissão de sinais convencionais

Leia mais

Inversor Solar Conectado à Rede Inversor Solar Fotovoltaico HIVERTER - Série NP201i

Inversor Solar Conectado à Rede Inversor Solar Fotovoltaico HIVERTER - Série NP201i Inversor Solar Fotovoltaico HIVERTER - Série NP201i HIVERTER - Série NP201i Os Inversores Fotovoltaicos da Hitachi são do tipo Grid-Tied (GT Conectados à Rede) com controle reativo de potência e alta eficiência,

Leia mais

Barramento Elétrico Blindado KSL70

Barramento Elétrico Blindado KSL70 Barramento Elétrico Blindado KSL70 PG: 2 / 19 ÍNDICE PÁG. 1.0 DADOS TÉCNICOS 03 2.0 - MÓDULO 04 3.0 SUSPENSÃO DESLIZANTE 05 4.0 TRAVESSA DE SUSTENTAÇÃO 06 5.0 EMENDA DOS CONDUTORES E DOS MÓDULOS 07 6.0

Leia mais

Topologias de UPS estático. apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida e mantida em operação, utilizamos equipamentos

Topologias de UPS estático. apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida e mantida em operação, utilizamos equipamentos 36 Capítulo II Topologias de UPS estático Luis Tossi * Para evitarmos que os distúrbios elétricos de tensão DC, que se altera em nível DC em função de apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida

Leia mais

C HAVE FUSÍVEL T IPO MZ PARA DISTRIBUIÇÃO

C HAVE FUSÍVEL T IPO MZ PARA DISTRIBUIÇÃO C HAVE FUSÍVEL T IPO MZ PARA DISTRIBUIÇÃO A Chave fusível tipo MZ foi desenvolvida para operar em redes de distribuição com tensões de 15, 27 e 38 kv. Especialmente projetada para proteger transformadores,

Leia mais

Circuitos de Comando para MOSFETs e IGBTs de Potência

Circuitos de Comando para MOSFETs e IGBTs de Potência Universidade Federal do Ceará PET Engenharia Elétrica Fortaleza CE, Brasil, Abril, 2013 Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica PET Engenharia Elétrica UFC Circuitos de Comando

Leia mais

GERAÇÃO SOLAR FOTOVOLTAICA

GERAÇÃO SOLAR FOTOVOLTAICA GERAÇÃO SOLAR FOTOVOLTAICA Pedro Gomes Barbosa Universidade Federal de Juiz de Fora Núcleo de Automação e Eletrônica de Potência Juiz de Fora, MG 36036-900 Brasil email: pedro.gomes@ufjf.edu.br Julho de

Leia mais

Manual de Instruções. Poços de Proteção. Exemplos

Manual de Instruções. Poços de Proteção. Exemplos Manual de Instruções oços de roteção Exemplos Manual de Instruções de oços de roteção ágina 3-11 2 Índice Índice 1. Instruções de segurança 4 2. Descrição 4 3. Condições de instalação e instalação 5 4.

Leia mais

Automação Inversor Solar Central SIW700 Inversor String SIW500 Inversor Monofásico SIW300

Automação Inversor Solar Central SIW700 Inversor String SIW500 Inversor Monofásico SIW300 Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Automação Inversor Solar Central Inversor String SIW500 Inversor Monofásico SIW300 Aplicações Fotovoltaicas www.weg.net Inversor Solar Central

Leia mais

11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que:

11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que: TÉCNICO EM ELETRICIDADE 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que: C1 = 300µF C2 = C3 = 300µF C4 = C5 = C6

Leia mais

Capacitores Correção do Fator de Potência. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

Capacitores Correção do Fator de Potência. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Capacitores Correção do Fator de Potência Motores Automação Eneria Transmissão & Distribuição Tintas www.we.net Sumário Tecnoloia dos Capacitores...4 Linha de Produtos...5 UCW - Unidade Capacitiva Monofásica...6

Leia mais

Comando e Sinalização 3SB6. Catálogo resumido. www.siemens.com.br/botoes

Comando e Sinalização 3SB6. Catálogo resumido. www.siemens.com.br/botoes Comando e Sinalização 3SB6 Catálogo resumido www.siemens.com.br/botoes Dez 2012 SIRIUS dispositivos de comando e sinalização O crescente aumento da complexidade de máquinas e processos, promovem riscos

Leia mais

Dispositivos de Proteção

Dispositivos de Proteção 4 Dispositivos de Proteção Todos os circuitos deverão ser protegidos, a fim de garantir a integridade física das pessoas das instalações e equipamentos. Para isso, existem diversos dispositivos e equipamentos

Leia mais

Um dos grandes receios de qualquer radioamador é ter sua estação atingida por uma descarga atmosférica. Os estragos em geral não são pequenos e nem

Um dos grandes receios de qualquer radioamador é ter sua estação atingida por uma descarga atmosférica. Os estragos em geral não são pequenos e nem Um dos grandes receios de qualquer radioamador é ter sua estação atingida por uma descarga atmosférica. Os estragos em geral não são pequenos e nem sempre temos proteção suficiente. O Brasil é o país com

Leia mais

Número: TERMO DE REFERÊNCIA PRL 001/2012. Data: PRL Gerência do Programa Luz para Todos 26/01/2012 1.0 - OBJETO/FINALIDADE:

Número: TERMO DE REFERÊNCIA PRL 001/2012. Data: PRL Gerência do Programa Luz para Todos 26/01/2012 1.0 - OBJETO/FINALIDADE: 1.0 - OBJETO/FINALIDADE: Aquisição de 7.812 Unidades de Medição Eletrônica de Energia Elétrica, 1 elemento, 1 fase, 3 fios, 240V e 15(100)A para implantação em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

Comportamento Eletromagnético de Transformadores e Fontes UV

Comportamento Eletromagnético de Transformadores e Fontes UV Comportamento Eletromagnético de Transformadores e Fontes UV Márcio Moraes dos Santos 17/05/2006 RESUMO O presente artigo discutirá importantes aspectos relacionados ao comportamento dos campos eletromagnéticos

Leia mais

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA Princípios A soldagem por resistência elétrica representa mais uma modalidade da soldagem por pressão na qual as peças a serem soldadas são ligadas entre si em estado

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Francisco Erberto de Sousa 11111971 Saulo Bezerra Alves - 11111958 Relatório: Capacitor, Resistor, Diodo

Leia mais

Chaves posicionadoras eletromecânicas múltiplas e simples

Chaves posicionadoras eletromecânicas múltiplas e simples e Conteúdo. 00 conf. DIN 43697.4 6.6 6.8 7.0 46. 40 eletromecânicas.4 F 60 conf. DIN 43693.6 99 00 s s múltiplas 00 6 6 7 46 40 s s F 60 99 00 Acessórios Peças de reposição. múltiplas conf. DIN 43697 para

Leia mais

PLANILHA DE PROPOSTA

PLANILHA DE PROPOSTA 0001 012186 INVERSOR DE FREQUENCIA 144 AMPERES / 220 VCA Inversor de freqüência para aplicação em motor elétrico trifásico com corrente nominal de serviço 140A, tensão nominal 220V, temperatura de funcionamento

Leia mais

Avaliação da conformidade para luminárias LED para IP e lâmpadas LED Alexandre Paes Leme - Inmetro São Paulo 10/09/2014

Avaliação da conformidade para luminárias LED para IP e lâmpadas LED Alexandre Paes Leme - Inmetro São Paulo 10/09/2014 Avaliação da conformidade para luminárias LED para IP e lâmpadas LED Alexandre Paes Leme - Inmetro São Paulo 10/09/2014 Requisitos mínimos para luminárias LED Requisitos mínimos de segurança para a luminária

Leia mais

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS 2.1 INTRODUÇÃO O objetivo do presente trabalho é estudar o funcionamento em regime permanente e em regime dinâmico da Máquina Assíncrona Trifásica

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-190/2015 R-01

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-190/2015 R-01 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE REDE /25 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA /25 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO Esta Especificação Técnica define os requisitos gerais

Leia mais

CAPACITORES IMPREGNADOS X CAPACITORES IMERSOS (PPM) EM BT

CAPACITORES IMPREGNADOS X CAPACITORES IMERSOS (PPM) EM BT CAPACITORES IMPREGNADOS X CAPACITORES IMERSOS (PPM) EM BT 1 - Objetivos: Este trabalho tem por objetivo apresentar as principais características técnicas dos capacitores convencionais do tipo imerso em

Leia mais

GABARITO - DEP34. Questão 1. Questão 2. Questão 3. Questão 4

GABARITO - DEP34. Questão 1. Questão 2. Questão 3. Questão 4 GABARITO - DEP34 Questão 1 Os TCs para serviço de proteção apresentam boas características de exatidão, 0,1%, 0,3%, 0,6% e 1,2%. Também apresentam uma baixa corrente de saturação, quando comparados com

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Normas, Testes e Certificações de Painéis Um olhar mais profundo Fabricio Gonçalves Normas Internacionais - "Uma das Primeiras organizações

Leia mais

Curso Técnico de Eletrotécnica Disciplina: Prática de acionamentos elétricos I Prof. Epaminondas de Souza Lage Fusíveis

Curso Técnico de Eletrotécnica Disciplina: Prática de acionamentos elétricos I Prof. Epaminondas de Souza Lage Fusíveis 1. Conceituação Prof. Epaminondas Lage Os fusíveis são dispositivos de proteção que, pelas suas características, apresentam destaque na proteção contra correntes de curto-circuito, podendo também atuar

Leia mais

Relé de Estado Sólido Com Tecnologia DBC Mod. SRL

Relé de Estado Sólido Com Tecnologia DBC Mod. SRL Descritivo L 1 24 à 280 Vac T 1 SRL In 4-32 Vcc 40 A A 2 - + A 1 O relé de estado sólido Sensym é construído em caixa poliamida com fibra de vidro, dentro dos mais altos padrões de qualidade. O acionamento

Leia mais

EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto

EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto Item a ser atendido Exigência de norma Conforme / Não Conforme Área Impacto

Leia mais

Relativamente ao tipo de inversor utilizado, estes sistemas, Figura 1, podem ser classificados em quatro grupos:

Relativamente ao tipo de inversor utilizado, estes sistemas, Figura 1, podem ser classificados em quatro grupos: Artigo Técnico: Análise de configurações de Sistemas Híbridos Fotovoltaicos. O progressivo aumento da factura de electricidade e dos combustíveis colocou novamente na actualidade o uso de Sistemas Fotovoltaicos

Leia mais

Manual de instruções. Botões de comando Série 44

Manual de instruções. Botões de comando Série 44 Manual de instruções Botões de comando Série 44 1- Introdução A série 44 caracteriza-se pelo seu sistema modular de pelo seu sistema modular de elementos de contatos e, pela numerosa possibilidade de configuração

Leia mais

Blocos de segurança para Prensas tipo N e P

Blocos de segurança para Prensas tipo N e P 1 Blocos de segurança para Prensas tipo N e P Conteúdo Introdução Referências normativas Bloco tipo N Bloco tipo P Considerações finais 2 Introdução Prensas hidráulicas são máquinas responsáveis pela conformação,

Leia mais

Integrado em Automação Industrial

Integrado em Automação Industrial Plano de Trabalho Docente (PTD) Integrado em Automação Industrial Ano Letivo de 2014 1 Sumário 1º Módulo COMPONENTE CURRICULAR: ELETRICIDADE BÁSICA... 5 COMPONENTE CURRICULAR: INSTALAÇÕES ELÉTRICAS...

Leia mais

USO DE DIODOS DE BYPASS E DE BLOQUEIO NA PROTEÇÃO DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS

USO DE DIODOS DE BYPASS E DE BLOQUEIO NA PROTEÇÃO DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS USO DE DIODOS DE BYPASS E DE BLOQUEIO NA PROTEÇÃO DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS Lúcio Almeida Hecktheuer Arno Krenzinger Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de PósGraduação em Engenharia Mecânica,

Leia mais

Instalações elétricas provisórias na construção civil

Instalações elétricas provisórias na construção civil Instalações elétricas provisórias na construção civil São Paulo, 12 de agosto de 2014 NBR-5410 NR-18 10.1. Objetivo e campo de aplicação 10.2. Medidas de controle 10.3. Segurança no projeto 10.4. Segurança

Leia mais

AV. Herminio Gimenez RC - RUC: 80061756-8 COR: CIUDAD DEL ESTE-PY TEL: +595 983 613802 contato@options-sa.net - www.options-sa.net

AV. Herminio Gimenez RC - RUC: 80061756-8 COR: CIUDAD DEL ESTE-PY TEL: +595 983 613802 contato@options-sa.net - www.options-sa.net COR: -Instalação rápida e fácil, fixação com resina, ondulação de 2 a 4 mm para passagem dos cabos de energia. - Pode ser instalada em piscinas ou hidromassagens onde não tenha sido previsto sistema de

Leia mais

I : é a corrente de saturação do diodo; UMA PROPOSTA DE TÉCNICA DE RASTREAMENTO DO PONTO DE MÁXIMA POTÊNCIA DE UM PAINEL FOTOVOLTAICO

I : é a corrente de saturação do diodo; UMA PROPOSTA DE TÉCNICA DE RASTREAMENTO DO PONTO DE MÁXIMA POTÊNCIA DE UM PAINEL FOTOVOLTAICO UMA PROPOSTA DE TÉCNICA DE RASTREAMENTO DO PONTO DE MÁXIMA POTÊNCIA DE UM PAINEL FOTOVOLTAICO DAIANE REZENDE CARRIJO, RODRIGO SOUSA FERREIRA, SEBASTIÃO CAMARGO GUIMARÃES JR. (DR.), JOSÉ ROBERTO CAMACHO

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio Definição da Norma NBR 9441/98 Sistema constituído pelo conjunto de elementos planejadamente

Leia mais