Autor. O que você vai encontrar no manual

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Autor. O que você vai encontrar no manual"

Transcrição

1

2 O que você vai encontrar no manual 1. Conceitos Fundamentais 2. Como identificar o recurso solar local 3. Como fazer o levantamento do consumo 4. Como escolher o módulo fotovoltaico 5. Produção de energia 6. Cálculo do número de módulos 7. Componentes do sistema fotovoltaico 8. Exemplo de dimensionamento A Escola da Energia foi criada para ajudar engenheiros, técnicos, estudantes e outros interessados em energias renováveis a entender os princípios de funcionamento das tecnologias de aproveitamento da energia solar e eólica, tanto para geração de eletricidade quanto para aquecimento de água. Para que eles possam aproveitar as oportunidades de negócios e desenvolver suas carreiras na área de energia renováveis. Sem que percam tempo e dinheiro buscando diversas fontes de informações. Espero que esse guia possa ser útil para você. Não deixe de visitar o site Um grande abraço, Daniel Coelho Autor 2

3 1 Conceitos Fundamentais O dimensionamento do sistema fotovoltaico é uma das etapas mais importantes de um projeto de instalação fotovoltaica. A partir do dimensionamento dos componentes do sistema é possível iniciar a análise de viabilidade técnica e econômica do uso do sistema fotovoltaico. Partindo do princípio que existem leitores iniciantes e avançados em relação a tecnologia fotovoltaica, começaremos no nível mais básico a fim de atender as necessidades da maioria dos leitores. elétricas são necessários outros componentes. Para cada tipo de aplicação há componentes diferentes. As duas principais aplicações dos sistemas fotovoltaicos são: Sistema fotovoltaico isolado da rede elétrica. Sistema fotovoltaico conectado a rede elétrica. Um sistema fotovoltaico tem como principal componente os módulos fotovoltaicos, responsáveis pela transformação da energia solar em eletricidade. Os módulos fotovoltaicos, porém, não trabalham sozinho. Para alimentar as cargas 3

4 2 Como Identificar o Recurso Solar no Local existentes. A figura abaixo mostra o mapa de radiação solar no Brasil. A disponibilidade do recurso solar no local é o ponto mais importante para o projeto de um sistema fotovoltaico. Não adianta ter o módulo mais eficiente e instalação mais perfeita se não há radiação solar suficiente no local. Medir a radiação solar existente em um local não é uma tarefa simples. São necessários medidores específicos, como por exemplo, o piranômetro para medir a radiação solar global e o pireliômetro para medir a radiação solar direta. Além disso, a medição deve ser feita por um período de pelo menos um ano para identificar a sazonalidade existente. Para um dimensionamento preliminar do sistema não é necessário realizar todas essas medidas. Uma forma mais fácil é usar os bancos de dados de radiação solar Fonte: (ENIO BUENO PEREIRA et al., 2006) 4

5 De acordo com o mapa é possível perceber que a radiação solar média diária no Brasil varia entre 4 e 6 kwh/m 2 /dia. Os valores fornecidos pelo mapa são médias diárias, não sendo possível avaliar a variação da radiação solar ao longo do ano. Uma vez identificada a radiação solar presente no local da instalação fotovoltaica o próximo passo é identificar o consumo de energia elétrica a ser suprido com os módulos fotovoltaicos. Entretanto, para efeito de dimensionamento do sistema os dados são suficientes para uma analise preliminar. Caso seja necessário um acompanhamento mais rigoroso da radiação solar ao longo do ano existem outras ferramentas disponíveis. Uma delas, que é gratuita, é o programa SunData disponível no site do Cresesb (Centro de Referência para Energia Solar e Eólica Sérgio de Salvo Brito). Você vai precisar apenas das coordenadas geográficas do local, ou seja, longitude e latitude. 5

6 3 Como Fazer o Levantamento do Consumo de Energia Identificar o consumo de energia elétrica de forma adequada é fundamental para o bom funcionamento do sistema. No caso do sistema isolado da rede essa etapa é ainda mais importante, pois nesse caso se a energia não for suficiente para alimentar as cargas não haverá a rede elétrica para funcionar como fonte de reserva. A identificação do consumo de eletricidade em sistema conectado a rede é mais simples. Bastas analisar as contas de energia elétrica fornecida pela concessionária de energia elétrica local durante o último ano. É importante verificar o consumo durante o ano para identificar os valores máximos, mínimos e a média de consumo de energia elétrica. Com base nos valores de consumo pode-se começar a analisar o consumo que deve ser atendido. Optando-se por atender o consumo mínimo existirão meses do ano que a demanda não será totalmente atendida. Por outro lado, se o sistema for dimensionado para o consumo máximo, existirão meses com excesso de energia. Escolhendo o consumo médio, alguns meses também não terão a demanda totalmente atendida. Considerando que o sistema se beneficiará da resolução da ANEEL para interligação de sistemas de geração distribuída proveniente de fontes renováveis a princípio a escolha do valor de consumo mínimo, máximo ou médio não representa um problema, em termos de funcionamento do sistema. Nos meses com excesso de geração a energia pode ser injetada na rede para ser compensada nos meses em que a geração não for suficiente para atender o consumo. 6

7 Para efeito de dimensionamento do sistema fotovoltaico será considerado o valor médio de consumo. Uma observação importante. Na prática esse não seria o valor ideal. De acordo com a resolução da ANEEL para interligação de sistemas de geração distribuída proveniente de fontes renováveis, o consumidor deve arcar com o custo de disponibilidade da rede elétrica. Nesse caso o consumidor paga o equivalente ao consumo de 100 kwh/mês no caso de utilizar um sistema trifásico, 50 kwh/mês para sistema bifásico e 30 kwh/mês para sistema monofásico. A situação mais apropriada seria escolher o valor de consumo médio e abater o valor referente ao consumo mínimo que o consumidor tem que pagar consumindo ou não a energia da rede. isolado da rede deve ser mais preciso, pois nesse caso a rede elétrica não está presente para servir de fonte de reserva. O primeiro ponto para identificar o consumo é o correto levantamento da potência de todos os equipamentos que estarão presentes na instalação. A potência dos equipamentos pode ser encontrada nos próprios equipamentos. Em seguida deve ser estimado o tempo de uso de cada equipamento. O consumo de energia é calculado multiplicando-se a potência de cada equipamento pelo seu tempo de uso. Identificar o consumo de energia em sistemas isolado da rede é mais complexo. O dimensionamento do sistema 7

8 4 Como Escolher o Módulo Fotovoltaico Para o dimensionamento do sistema fotovoltaico as características mais importantes dos módulos fotovoltaicos são suas dimensões físicas e o seu rendimento. As principais tecnologias de células fotovoltaicas disponíveis comercialmente são: silício monocristalino, silício policristalino e filme fino. As células de silício cristalino são dividas em células monocristalinas, policristalinas e Arseneto de Gálio(GaAs). As principais células de filme fino são: silício amorfo, telureto de cádmio (CdTe), sulfureto de cádmio (CdS) e cobre-índio-galio-selênio (CIGS). Além disso, as células de filme fino podem ser de junção simples, dupla ou tripla. Existem também outros tipos de células fotovoltaicas em desenvolvimento. 8

9 5 Produção de Energia O cálculo da energia produzida pelo módulo fotovoltaico pode ser feito por meio do método da insolação. (Maximum Power Point Tracking Rastreamento do Ponto de Máxima Potência). O método da insolação consiste no uso da seguinte fórmula: E FV = E sol. A. Onde: E FV = Energia produzido pelo módulo fotovoltaico [Wh] E sol = Radiação solar média diária no local [kwh/m 2 /dia] A = Área do módulo fotovoltaico = Rendimento do módulo O método considera que os módulos foram instalados em condições ideias, com uso dos recursos de MPPT 9

10 6 Cálculo do Número de Módulos Fotovoltaicos A quantidade de módulos fotovoltaicos necessários para atender a carga pode ser calculada dividindo-se a energia que se deseja atender pela energia produzida por cada módulo. N = E consumo / E FV Onde: N = Número de módulos fotovotaicos E consumo = Consumo de energia E FV = Energia produzida pelo módulo fotovoltaico 10

11 7 Componentes do Sistema Fotovoltaico Equipamentos do Sistema Fotovoltaico Isolado Os outros equipamentos do sistema fotovoltaico, além dos módulos, dependem do tipo de configuração utilizada. Os equipamentos do sistema de proteção, assim como os cabos e as conexões não estão sendo considerados. Esses componentes seguem as regras utilizadas nas instalações elétricas tradicionais encontradas na norma NBR Módulos Fotovoltaicos Baterias Controlador de Carga Inversor 11

12 Bateria As baterias tem papel fundamental nos sistemas fotovoltaicos isolados da rede. Elas são responsáveis por armazenar a energia produzida pelos módulos para serem usadas quando o Sol não estiver presente. Os principais tipos de baterias encontrados no mercado são: automotivas, de tração e estacionárias. As baterias automotivas são projetadas para descargas rápidas com alta taxa de corrente e profundidade de descarga reduzida. Geralmente descarregam 20% em uso normal. As baterias de tração operam em regime de ciclos diários profundos e taxa de descarga moderada. Baterias estacionárias permanecem em flutuação, estado de carga próximo a plena carga, e são solicitadas ocasionalmente. Baterias estacionárias de ciclo profundo podem descarregar-se até 50% ou 80%. As baterias utilizadas em sistemas de fontes alternativas são projetadas para ciclos diários rasos com reduzida taxa de descarga, porém devem suportar descargas profundas esporádicas, períodos com escassez de recurso. O dimensionamento do banco de baterias deve considerar: O consumo diário de energia; A autonomia, número de dias que o banco de bateria pode atender o consumo sem que haja produção de energia em dias de pouca insolação; A profundidade do ciclo de descarga da bateria. 12

13 Controlador de Carga O controlador de carga é utilizado para fazer a conexão entre os módulos fotovoltaicos e a bateria do sistema. A função do controlador de carga é garantir o fluxo de energia entre as fontes de geração e o banco de baterias, evitando a sobrecarga, a descarga excessiva e controlando o carregamento das baterias. Garantindo dessa forma a maior vida útil para as baterias. Para evitar a sobrecarga das baterias o controlador de carga desconecta os módulos fotovoltaicos quando a bateria está totalmente carregada. No caso da proteção contra descarga excessiva o controlador de carga interrompe o fornecimento de energia para a carga quando a bateria atingir o nível de carga mínimo de segurança. respeitar o perfil de carga das baterias (controlador PWM) e fazer com que os módulos fotovoltaicos operem no ponto de máxima potência (controlador MPPT). O dimensionamento do controlador de carga considera a tensão de operação e a corrente elétrica fornecida pelos módulos fotovoltaicos. Deve ser usado um fator de segurança de 30% para garantir que a corrente do controlador de carga não seja excedida. O gerenciamento da carga da bateria depende do uso de controladores mais sofisticados que possuem as funções de 13

14 Inversor A principal função de um inversor é transformar corrente e tensão elétricas contínua, normalmente fornecidas pelos módulos fotovoltaicos ou bancos de baterias, em corrente e tensão elétrica alternada demandada pela maioria das cargas. De uma forma bem simplificada, o princípio de funcionamento do inversor consiste em um circuito eletrônico com chaves interligadas de forma a permitir ou interromper a passagem da corrente contínua produzindo uma corrente de saída na forma alternada. Principais Tipos de Inversores Inversores de Onda Quadrada Inversores de Onda Senoidal Modificada Inversores de Onda Senoidal Pura Inversores Interativos com a Rede O dimensionamento do inversor deve considerar a potência total dos equipamentos atendidos pelo sistema. Além disso, deve ser respeitada as suas tensões de entrada (contínua) e saída (alternada). 14

15 Equipamentos do Sistema Fotovoltaico Conectado a Rede Inversor para sistema conectado à rede Nos sistemas fotovoltaicos conectados a rede, além dos módulos, o inversor é o principal equipamento a ser dimensionado. Os inversores utilizados para fazer a conexão dos sistemas de geração de energia com a rede elétrica devem fornecer corrente alternada na forma senoidal em sincronismo de fase com a rede. Além disso, os inversores para conexão à rede devem atender aos seguintes requisitos: Tensão de operação; Frequência de operação; Minimização de corrente contínua na rede elétrica; Distorção harmônica de corrente admissível; Fator de potência; Atuação na detecção de ilhamento; Normas brasileiras. O dimensionamento do inversor para sistemas fotovoltaicos conectados a rede deve considerar os seguintes pontos: A soma da tensão de circuito aberto dos módulos fotovoltaicos ligados em série não deve ultrapassar a tensão máxima permitida na entrada do inversor. A potência do inversor deve ser igual ou maior que a potência de pico dos módulos fotovoltaicos. 15

16 EXEMPLOS DE DIMENSIONAMENTO 16

17 Sistema Isolado Dimensionamento de um sistema fotovoltaico para atender um residência isolada da rede elétrica. Equipamentos a serem atendidos 4 lâmpadas de 25W ligadas durante 4 horas por dia 2 lâmpadas de 15W ligadas durante 2 horas por dia 1 geladeira de 250W ligada durante 10 horas por dia 1 televisão de 300W ligada durante 5 horas por dia Radiação solar no local da instalação Radiação solar média diária de 5 kwh/m 2 /dia. 17

18 Levantamento do consumo de energia O primeiro passo no dimensionamento do sistema é o levantamento do consumo diário de energia. Equipamento Potência (W) Quantidade (Unid.) Potência Total (W) Tempo (h) Energia (Wh) Lâmpada Lâmpada Geladeira TV Total A potência total de cada equipamento é obtida multiplicando a potência individual pelo número de equipamentos. A energia é calculada multiplicando a potência total de cada equipamento pelo seu respectivo tempo de uso. Por fim, o somatório da coluna energia fornece a energia total consumida pelos equipamentos diariamente (E consumo ), o que equivale a Wh/dia, ou 4,05 kwh/dia.

19 Dimensionamento do banco de baterias Premissas adotadas nesse exemplo As baterias utilizadas são de chumbo ácido de 12V com descarga máxima de 50% e capacidade de 240 Ah. O sistema deve ter autonomia de 3 dias. Ou seja, deve fornecer energia mesmo em períodos chuvosos ou nublados. Onde: E Armazenada = Energia armazenada N aut = Número de dias de autonomia E consumo = Energia consumida (Wh) D = Descarga máxima da bateria A energia armazenada pelo banco de bateria deve ser 24,3 kwh. Energia armazenada Considerando que o sistema tenha 3 dias de autonomia e a descarga máxima da bateria é de 50% teremos: E Armazenada = N aut x E consumo / D E Armazenada = 3 x 4050 / 0,50 = Wh

20 Configuração do banco de baterias Número de baterias em série N Bateria Série = V Banco / V Bateria = 24 / 12 = 2 Onde: N Bateria = Número de baterias em série V Banco = Tensão do banco de baterias (nesse caso 24V) V Bateria = Tensão da bateria (nesse caso 12V) Devem ser usadas 4 baterias conectadas em série. Capacidade do banco de baterias C Banco = E Armazenada / V Banco = / 24 = 875 Ah O banco de bateria deve ter capacidade de 1013 Ah Número de baterias em paralelo N Bateria Paralelo = C Banco / C Bateria = 1013 / 240 = 4,2 Devem ser usadas 4 baterias conectadas em paralelo Sendo assim o banco de baterias será composto por quatro conjuntos de baterias em paralelo, com duas baterias em série em cada conjunto. O banco terá então um total de oito baterias. 20

21 Dimensionamento dos módulos Premissas adotadas Considere que os módulos sejam instalados nas condições ideais. Ou seja, orientado em direção ao Norte e com a inclinação adequada a região. Energia produzida por um módulo O primeiro passo é calcular a energia produzida por um módulo fotovoltaico. Nesse exemplo vamos usar o módulo LD135R9W, suas características são: Comprimento 1,47 m Largura 0,67 m Potência Máxima 135 W Eficiência 13,7 % Corrente de curto circuito 8,41 A A área da superfície do módulo fotovoltaico pode ser calcula multiplicando o seu comprimento pela largura. A = 1,47 x 0,67 = 0,98 m 2 A energia produzida pelo módulo fotovoltaico pode ser calculada pela seguinte fórmula: E FV = E sol x A x = 5000 x 0,98 x 0,137 = 671 Wh Número de módulos N Módulo = E consumo / E FV = 4050 / 671 = 6,04 módulos Nesse caso são usados 6 módulos. 21

22 Configuração dos módulos A configuração dos módulos fotovoltaicos será formada por 3 strings em paralelo com 2 módulos em série por string. 22

23 Dimensionamento do controlador de carga Premissas adotadas A corrente de curto circuito do módulo é 8,41A. O controlador de carga é equipado com MPPT (aumenta a produção de energia em torno de 30%). Tensão do banco de bateria é 24V Tensão dos equipamentos da residência é 127V. Considerando a configuração dos módulos fotovoltaicos, cada string tem uma corrente máxima de 8,41A, como existem 3 strings a corrente será de 25,2A. I = 8,41 x 3 = 25,2 A Aplicando o fator de segurança de 30% temos: I = 25,2 x 1,3 = 32,8 A Características do controlador de carga: Dimensionamento do inversor O inversor deve ser capaz de atender a demanda total de potência dos equipamentos do sistema. De acordo com a tabela de levantamento de consumo o somatório da potência dos equipamentos é de 680W. Aplicando um fator de segurança de 30% a potência deve ser de 884W. P inv = P equip x 1,3 = 680 x 1,3 = 884 W Onde: P inv = Potência do inversor P equip = Potência do somatório dos equipamentos Dessa forma, o inversor deve ser capaz de operar com uma potência mínima de 884W e tensão de 24V. Corrente nominal mínima de 33A e tensão de 24V. 23

24 Sistema Conectado a Rede Dimensionamento de um sistema fotovoltaico para uma residência conectada a rede com consumo médio mensal de 300 kwh. Não está sendo considerada a opção de abater do consumo a energia equivalente ao custo de disponibilidade do sistema, conforme resolução normativa 482/2012 da ANEEL. O sistema será dimensionado para produzir os 300 kwh mensais. Radiação solar de 5 kwh/m 2 /dia no local da instalação. 24

25 Dimensionamento dos módulos fotovoltaicos Premissas adotadas Potência do módulo 240W Área da superfície do módulo 1,6 m 2 Eficiência de 14,6% Energia produzida por um módulo O primeiro passo é calcular a energia produzida por um módulo fotovoltaico nas condições do local. Número de módulos Número de módulos necessários para produzir 300 kwh/mês: N = E consumo / E FVmês = 300 / 35 = 8,6 módulos Então, para produzir 300 kwh/mês são necessários 9 módulos fotovoltaicos de 240W. Configuração dos módulos fotovoltaicos E FVdia = E sol x A x = 5000 x 1,6 x 0,146 = Wh Energia produzida pelo módulo ao longo de um mês: E FVmês = x 30 = 35 kwh 25

26 Dimensionamento do inversor Para dimensionar o inversor devem ser analisados dois pontos importantes. Premissas Tensão de circuito aberto dos módulos fotovoltaicos é 37V. Tensão do inversor O primeiro ponto é verificar se a soma das tensões dos módulos ligados em série está de acordo com a faixa de tensão de entrada do inversor. Considerando que a tensão de circuito aberto do módulo usado seja de 37V, a tensão dos 9 módulos ligados em série será: V string = 9 x 37 = 333V Pode ser aplicado um fator de segurança de 10% e nesse caso a tensão máxima de saída será: V string = 333 x 1,1 = 366 V O inversor deve possuir uma faixa de tensão de entrada que suporte a tensão de 366V. Potência do inversor O segundo ponto a ser verificado é a potência máxima fornecida pelos módulos. Como cada módulo tem potência de 240W, os 9 módulos em conjunto fornecem uma potência de 2160W. P inv = N módulo x P módulo = 9 x 240 = W Então o inversor deve ser capaz de suportar a potência máxima de 2160W e a tensão de entrada de 366V. 26

27 CONCLUSÃO O dimensionamento de sistemas fotovoltaicos tem um papel fundamental na avaliação preliminar do sistema. A partir do dimensionamento do sistema é possível: Identificar os principais equipamentos Ter uma estimativa de custo Avaliar a área necessária para instalação dos módulos Estimar a produção de energia O que foi visto nesse guia prático Configurações mais utilizadas nos sistemas fotovoltaicos. Sistemas isolados da rede Sistemas conectados a rede Dados de radiação solar no local da instalação. Site do CRESESB Levantamento do consumo de energia da residência ou instalação a ser atendida. Sistema isolado Potência dos equipamentos e tempo de operação Sistema conectado Contas anteriores de consumo de eletricidade Principais tecnologias fotovoltaicas atualmente no mercado Silício Policristalino Silício Monocristalino Filmes Finos Produção de energia Método da insolação Mapas Solarimétricos 27

28 Cálculo do número de módulos Demanda de energia Energia produzida por cada módulo Componentes do sistema fotovoltaico Sistema isolado o Módulos Fotovoltaicos o Controlador de Carga o Banco de Baterias o Inversor Sistema conectado o Módulos Fotovoltaicos o Inversor para sistema conectado a rede O mercado de energia solar fotovoltaica tem se desenvolvido muito nos últimos anos. Novos produtos e técnicas aparecem todos os dias. Esse guia prático estará em constante revisão e aprimoramento. Acesse e veja se você está com a versão atualizada. 28

CONCEITOS INICIAIS PARA DIMENSIONAMENTO SISTEMA FOTOVOLTAICO EM RESIDÊNCIAS

CONCEITOS INICIAIS PARA DIMENSIONAMENTO SISTEMA FOTOVOLTAICO EM RESIDÊNCIAS CONCEITOS INICIAIS PARA DIMENSIONAMENTO SISTEMA FOTOVOLTAICO EM RESIDÊNCIAS Introdução a Engenharia Professores: Márcio Zamboti Fortes e Vitor Hugo Ferreira (UFF) Bruno Henriques Dias e Flávio Gomes (UFJF)

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO DA COSTA 1, Cinthya Borges Lopes DA SILVA 2, Michele Gomes FERREIRA 3, João Marcelo Dias

Leia mais

COMO DIMENSIONAR UM GERADOR FOTOVOLTAICO COM BATERIAS

COMO DIMENSIONAR UM GERADOR FOTOVOLTAICO COM BATERIAS COMO DIMENSIONAR UM GERADOR FOTOVOLTAICO COM BATERIAS Eng. Carlos Alberto Alvarenga Solenerg Engenharia e Comércio Ltda. Rua dos Inconfidentes, 1075/ 502 Funcionários - CEP: 30.140-120 - Belo Horizonte

Leia mais

ASPECTOS TECNOLÓGICOS E OPERACIONAIS DA GERAÇÃO FOTOVOLTAICA

ASPECTOS TECNOLÓGICOS E OPERACIONAIS DA GERAÇÃO FOTOVOLTAICA ASPECTOS TECNOLÓGICOS E OPERACIONAIS DA GERAÇÃO FOTOVOLTAICA Prof. Jair Urbanetz Junior, Dr. Eng. Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR Conferência Internacional Smart Energy Paraná Aspectos

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Fundamentos e Aplicações Parte 2

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Fundamentos e Aplicações Parte 2 ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Fundamentos e Aplicações Parte 2 Prof. Dr. Trajano Viana trajanoviana@gmail.com CEFET/RJ Março - 2014 5 - SISTEMAS FOTOVOLTAICOS Conjunto de elementos necessários para realizar

Leia mais

Nobreak. 10 a 50 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 10 a 50 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla conversao ~ 10 a 50 kva PERFIL Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas Sinus Triphases 10 a 50 kva A linha de nobreaks SMS Sinus Triphases

Leia mais

Sistemas Fotovoltaicos Conectados à Rede Elétrica

Sistemas Fotovoltaicos Conectados à Rede Elétrica Sistemas Fotovoltaicos Conectados à Rede Elétrica Me. URBANO U. SECUNDES - www.pesquisapa.ifba.edu.br/gpec 1 Tecnologias de Silício Policristalino e Monocristalino - www.pesquisapa.ifba.edu.br/gpec 2 Tecnologia

Leia mais

Monografia "GERAÇÃO DE ENERGIA PARA CONDOMÍNIO UTILIZANDO SISTEMA FOTOVOLTAICO AUTÔNOMO - ESTUDO DE CASO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL COM SEIS PAVIMENTOS"

Monografia GERAÇÃO DE ENERGIA PARA CONDOMÍNIO UTILIZANDO SISTEMA FOTOVOLTAICO AUTÔNOMO - ESTUDO DE CASO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL COM SEIS PAVIMENTOS Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia de Materiais e Construção Curso de Especialização em Construção Civil Monografia "GERAÇÃO DE ENERGIA PARA CONDOMÍNIO

Leia mais

Nobreak. 3,2 a 20 kva PERFIL PROTEÇÕES. senoidal on-line - dupla convers o

Nobreak. 3,2 a 20 kva PERFIL PROTEÇÕES. senoidal on-line - dupla convers o Nobreak senoidal on-line - dupla convers o modelos isolados e n o isolados com PFC opcional 3,2 a 20 kva Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas PERFIL O nobreak inteligente

Leia mais

Otimização técnico-econômica de sistemas fotovoltaicos com baterias para armazenamento

Otimização técnico-econômica de sistemas fotovoltaicos com baterias para armazenamento Otimização técnico-econômica de sistemas fotovoltaicos com baterias para armazenamento Aluno: Maria Samara Nascimento Amorim Orientador: Álvaro de Lima Veiga Filho 1. Introdução Geral Energia fotovoltaica

Leia mais

INTRODUÇÃO A ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA E O SFVCR DO ESCRITÓRIO VERDE DA UTFPR

INTRODUÇÃO A ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA E O SFVCR DO ESCRITÓRIO VERDE DA UTFPR INTRODUÇÃO A ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA E O SFVCR DO ESCRITÓRIO VERDE DA UTFPR Prof. Jair Urbanetz Junior, Dr. Eng. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Instituto de Engenharia do Paraná -

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UFRPE UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS UAG CURSO DE GRADUAÇÃO DE AGRONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UFRPE UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS UAG CURSO DE GRADUAÇÃO DE AGRONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UFRPE UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS UAG CURSO DE GRADUAÇÃO DE AGRONOMIA ENERGIA NA AGRICULTURA GARANHUNS, JUNHO DE 2009. 1 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO

Leia mais

Perfil. Proteções. Nobreak Senoidal On-line Trifásico - Dupla Conversão. 10 a 100 kva

Perfil. Proteções. Nobreak Senoidal On-line Trifásico - Dupla Conversão. 10 a 100 kva 10 a 100 kva Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas de 10 a 50KVA de 60 a 100KVA Perfil Nobreak Senoidal On-line Trifásico - Dupla Conversão A linha de nobreaks SMS Sinus Triphases

Leia mais

Prof. Dr. Jair Urbanetz Junior

Prof. Dr. Jair Urbanetz Junior ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA E O DESEMPENHO DO SFVCR DO ESCRITÓRIO VERDE DA UTFPR Prof. Dr. Jair Urbanetz Junior Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Instituto de Engenharia do Paraná - IEP Curitiba

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar Energia Fotovoltaica parte 2 José R. Simões-Moreira Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar Energia Fotovoltaica parte 2 José R. Simões-Moreira Racine T. A. Prado Energia Fotovoltaica parte 2 José R. Simões-Moreira Racine T. A. Prado Baterias estacionárias solenerg Número de ciclos de baterias em função da profundidade de descarga Johnson Controls Número de ciclos

Leia mais

Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp.

Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp. CONVERSORES ELETRÔNICOS DE POTÊNCIA PARA SISTEMAS FOTOVOLTAICOS DE BAIXA TENSÃO CONECTADOS À REDE Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp.br

Leia mais

O PAPEL DA GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO BRASIL E NA CIDADE DE SÃO PAULO (Energia solar fotovoltaica)

O PAPEL DA GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO BRASIL E NA CIDADE DE SÃO PAULO (Energia solar fotovoltaica) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ENERGIA E AMBIENTE LABORATÓRIO DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS Crise do setor, perspectivas de crescimento da demanda: O PAPEL DA GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO BRASIL E NA CIDADE

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Prof. Dr. Luciano Schuch Schuch.prof@gmail.com Sumário Potencial energético Previsões Sistemas fotovoltaicos Cenário Nacional Legislação ANEEL Projeto

Leia mais

FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos

FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos Nº Pág.s: 6 nº 04 20. Novembro. 2006 Painéis Fotovoltaicos 01 Uma das tecnologias renováveis mais promissoras e recentes de geração de energia eléctrica

Leia mais

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los 1/ 9 Imprimir PROJETOS / Energia 20/08/2012 10:20:00 Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los Na primeira parte deste artigo vimos que a energia

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

Como reduzir sua conta de energia elétrica

Como reduzir sua conta de energia elétrica Como reduzir sua conta de energia elétrica Com REDULIGHT você tem energia de melhor qualidade e economiza até 25% na conta Saiba como O que é e como funciona o filtro REDULIGHT O Redulight é um Filtro

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO -II GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS

Leia mais

Relativamente ao tipo de inversor utilizado, estes sistemas, Figura 1, podem ser classificados em quatro grupos:

Relativamente ao tipo de inversor utilizado, estes sistemas, Figura 1, podem ser classificados em quatro grupos: Artigo Técnico: Análise de configurações de Sistemas Híbridos Fotovoltaicos. O progressivo aumento da factura de electricidade e dos combustíveis colocou novamente na actualidade o uso de Sistemas Fotovoltaicos

Leia mais

INSTALAÇÕES FOTOVOLTAICAS

INSTALAÇÕES FOTOVOLTAICAS INSTALAÇÕES FOTOVOLTAICAS Instalações fotovoltaicas CERTIEL 2012 P 2 Objetivos: a abordagem de conceitos considerados necessários para o projeto e execução das instalações em regime de MP e MN; acrescentar

Leia mais

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Agenda Os Institutos Lactec Projetos nas áreas de Smart Grids Piloto Programa Smart Grid Light

Leia mais

SINUS DOUBLE II BLACK NOBREAK

SINUS DOUBLE II BLACK NOBREAK SINUS DOUBLE II BLACK NOBREAK ONLINE DUPLA CONVERSÃO 3,2 a 20 kva INDICADO PARA CARGAS CRÍTICAS Expansão de autonomia Bivolt, Monovolt 220V e Tri-Mono zero 8 proteções para a carga contra problemas da

Leia mais

ENERGIA SOLAR. Energia limpa, nosso compromisso com o meio ambiente.

ENERGIA SOLAR. Energia limpa, nosso compromisso com o meio ambiente. ENERGIA SOLAR Energia limpa, nosso compromisso com o meio ambiente. Energy Team - experiência Vem analisando o mercado brasileiro desde 2006 e em 2008 participou da primeira feira de fonte de energias

Leia mais

SISTEMAS FOTOVOLTAICOS PARA BOMBEAMENTO DE ÁGUA. Daniel Augusto Pereira de Sá

SISTEMAS FOTOVOLTAICOS PARA BOMBEAMENTO DE ÁGUA. Daniel Augusto Pereira de Sá SISTEMAS FOTOVOLTAICOS PARA BOMBEAMENTO DE ÁGUA Daniel Augusto Pereira de Sá PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO

Leia mais

Figura 1 Motorcasa equipado com placas solares no teto.

Figura 1 Motorcasa equipado com placas solares no teto. Carregamento solar de baterias em VRs Autor: By Gary Bunzer Tradução/adaptação: José Adauto de Souza http://www.rvdoctor.com/2001/01/is-solar-battery-charging-in-your-rving.html Figura 1 Motorcasa equipado

Leia mais

SINUS DOUBLE II BLACK

SINUS DOUBLE II BLACK SINUS DOUBLE II BLACK NOBREAK ONLINE DUPLA CONVERSÃO 3,2 a 20 kva INDICADO PARA CARGAS CRÍTICAS Expansão de autonomia Bivolt, Monovolt 220V e Tri-Mono zero 8 proteções para a carga contra problemas da

Leia mais

APLICAÇÕES DA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA

APLICAÇÕES DA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA APLICAÇÕES DA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Eletrificação rural Bombeamento de água Geração distribuída Roberto Zilles zilles@iee.usp.br INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Eletrificação

Leia mais

geração de energia e a movimentação de economias e internacionais.

geração de energia e a movimentação de economias e internacionais. 36 Capítulo X Energia solar fotovoltaica sistemas conectados à rede elétrica Por Jonas Rafael Gazoli, Marcelo Gradella Villalva e Juarez Guerra* Os sistemas de geração distribuída de energia Os sistemas

Leia mais

Seja dono. da sua ENERGIA

Seja dono. da sua ENERGIA Seja dono AV Afonso Vaz De melo 677 Sala 301 CEP: 30.640-070 Belo Horizonte (MG) Tel. +55 31 3689-7452 info@solarfast.it www.solarfast.it da sua ENERGIA Energia solar Fontes renováveis, economia de energia,

Leia mais

SISTEMAS DE ENERGIA HDS LM FP 0.8 DUPLA CONVERSÃO 1KVA - 2KVA -3KVA UPS MANUTENÇÃO RETIFICADORES UPS INDUSTRIAL BATERIAS

SISTEMAS DE ENERGIA HDS LM FP 0.8 DUPLA CONVERSÃO 1KVA - 2KVA -3KVA UPS MANUTENÇÃO RETIFICADORES UPS INDUSTRIAL BATERIAS SISTEMAS DE ENERGIA HDS LM FP 0.8 DUPLA CONVERSÃO 1KVA - 2KVA -3KVA UPS MANUTENÇÃO RETIFICADORES UPS INDUSTRIAL BATERIAS HDS SISTEMAS DE ENERGIA ANTECIPANDO SOLUÇÕES, GERANDO RESULTADOS A HDS Sistemas

Leia mais

ENERGIA SOLAR NAS CIDADES. Isabel Salamoni, Arquiteta e Urbanista, Dra. Eng.

ENERGIA SOLAR NAS CIDADES. Isabel Salamoni, Arquiteta e Urbanista, Dra. Eng. ENERGIA SOLAR NAS CIDADES Isabel Salamoni, Arquiteta e Urbanista, Dra. Eng. 1 Matriz energética mundial FONTES DE PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA BRASIL 4,60% 2,70% 1,40% 0,10% 8,40% Hidráulica Nuclear 3,20%

Leia mais

GERAÇÃO SOLAR PhD. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila. Prof. Dr. Clodomiro Unsihuay-Vila Vila

GERAÇÃO SOLAR PhD. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila. Prof. Dr. Clodomiro Unsihuay-Vila Vila GERAÇÃO SOLAR PhD. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila Prof. Dr. Clodomiro Unsihuay-Vila Vila Energia Fotovoltaica Energia Fotovoltaica (reportagem 10 min.): https://www.youtube.com/watch?v=gzyit0sjc ou MPX -

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 FILTRO ATIVO DE POTÊNCIA SÉRIE PARALELO APRESENTADOR: MÁRCIO STEFANELLO,

Leia mais

DIMENSIONAMENTO E ANÁLISE DE VIABILIDADE DE UM SISTEMA FOTOVOLTAICO PARA O PRÉDIO DE ENSINO DE UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA EM GOVERNADOR VALADARES

DIMENSIONAMENTO E ANÁLISE DE VIABILIDADE DE UM SISTEMA FOTOVOLTAICO PARA O PRÉDIO DE ENSINO DE UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA EM GOVERNADOR VALADARES Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 DIMENSIONAMENTO E ANÁLISE DE VIABILIDADE DE UM SISTEMA FOTOVOLTAICO PARA O PRÉDIO DE ENSINO DE UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA EM GOVERNADOR VALADARES Fernanda Pereira da Silva

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Leia mais

WEG Depto Negócios em Energia Solar. Eng. Casiano Rodrigo Lehmert (47) 3276 4707 casianorl@weg.net

WEG Depto Negócios em Energia Solar. Eng. Casiano Rodrigo Lehmert (47) 3276 4707 casianorl@weg.net WEG Depto Negócios em Energia Solar Eng. Casiano Rodrigo Lehmert (47) 3276 4707 casianorl@weg.net Autoprodução Solar: Vale a pena? Visão mundial Visão Brasil Evolução Mercado Energia Solar Europa Potencial

Leia mais

LINHA VOLT/X-POWER. Catalogo Produto 600 700 1200 1400VA. Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda

LINHA VOLT/X-POWER. Catalogo Produto 600 700 1200 1400VA. Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Catalogo Produto LINHA VOLT/X-POWER 600 700 1200 1400VA Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31) 3359-5800 Web: www.engetron.com.br As informações contidas neste

Leia mais

Energia solar fotovoltaica Introdução

Energia solar fotovoltaica Introdução 48 Energias renováveis alternativas Capítulo IX Energia solar fotovoltaica Introdução Por Jonas Rafael Gazoli, Marcelo Gradella Villalva e Juarez Guerra* O Sol é a principal fonte de energia do nosso planeta.

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UMA UNIDADE EXPERIMENTAL DE UM SISTEMA FOTOVOLTAICO ISOLADO

DIMENSIONAMENTO DE UMA UNIDADE EXPERIMENTAL DE UM SISTEMA FOTOVOLTAICO ISOLADO DIMENSIONAMENTO DE UMA UNIDADE EXPERIMENTAL DE UM SISTEMA FOTOVOLTAICO ISOLADO Whelton Brito dos SANTOS 1, Carlos Antônio Pereira de LIMA 2 1 Aluno do Curso de Eng. Sanitária e Ambiental, Departamento

Leia mais

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET Especificação Técnica 1. Objeto Aquisição de 1 (um) NOBREAK DE POTÊNCIA 5 kva Obs.: Os atributos técnicos abaixo relacionados são de atendimento obrigatório. A nomenclatura

Leia mais

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 42BEspecificação Técnica LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 3 / 6 / 8 / 10 / 12 / 15 / 20 kva 38BEngetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31) 3359-5800 Web: Hwww.engetron.com.br

Leia mais

Geração de energia elétrica

Geração de energia elétrica Geração de energia elétrica Capítulo 4 Sistemas solares para geração de eletricidade Lineu Belico dos Reis Os sistemas baseados no uso da energia transmitida à Terra pelo Sol para geração de eletricidade

Leia mais

ELABORAÇÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA GRNT FEVEREIRO DE 2011

ELABORAÇÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA GRNT FEVEREIRO DE 2011 ELABORAÇÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA GRNT FEVEREIRO DE 2011 INTRODUÇÃO: Trata-se de um projeto piloto de geração distribuída com energia solar, no qual a CEB Distribuição

Leia mais

O MÓDULO FOTOVOLTAICO PARA GERADOR SOLAR DE ELETRICIDADE. Autor: Eng. Carlos Alberto Alvarenga solenerg@solenerg.com.br www.solenerg.com.

O MÓDULO FOTOVOLTAICO PARA GERADOR SOLAR DE ELETRICIDADE. Autor: Eng. Carlos Alberto Alvarenga solenerg@solenerg.com.br www.solenerg.com. 1 O MÓDULO FOTOVOLTAICO PARA GERADOR SOLAR DE ELETRICIDADE Autor: Eng. Carlos Alberto Alvarenga solenerg@solenerg.com.br www.solenerg.com.br 1. O MÓDULO FOTOVOLTAICO A célula fotovoltaica é o elemento

Leia mais

Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP

Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407 Fax: (51)2131-2469

Leia mais

I Seminário Internacional Palmas Solar. Prof. Rafael Amaral Shayani shayani@unb.br Junho 2015

I Seminário Internacional Palmas Solar. Prof. Rafael Amaral Shayani shayani@unb.br Junho 2015 I Seminário Internacional Palmas Solar Prof. Rafael Amaral Shayani shayani@unb.br Junho 2015 Vida Útil do Sol Energia do Sol Reação de fusão nuclear. A cada segundo 6x10 11 kg de H 2 são convertidos em

Leia mais

Topologias de UPS estático. apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida e mantida em operação, utilizamos equipamentos

Topologias de UPS estático. apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida e mantida em operação, utilizamos equipamentos 36 Capítulo II Topologias de UPS estático Luis Tossi * Para evitarmos que os distúrbios elétricos de tensão DC, que se altera em nível DC em função de apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida

Leia mais

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes Djalma M. Falcão Redes Elétricas Inteligentes

Leia mais

CATÁLAGO TÉCNICO SOLUÇÕES EM ECONOMIA DE ÁGUA E ENERGIA.

CATÁLAGO TÉCNICO SOLUÇÕES EM ECONOMIA DE ÁGUA E ENERGIA. CATÁLAGO TÉCNICO MODELO TRIFÁSICO MODELO BIFÁSICO FILTRO REDU-LUZ O que é SISTEMA REDU-LUZ Trata-se de filtro de linha capacitivo, montado em caixa ABS, encapsulado em resina inífoga (não propagadora de

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

GREENLOAD CARGA ELETRÔNICA REGENERATIVA TRIFÁSICA

GREENLOAD CARGA ELETRÔNICA REGENERATIVA TRIFÁSICA Informações Técnicas GREENLOAD CARGA ELETRÔNICA REGENERATIVA TRIFÁSICA Informações Gerais A Carga Eletrônica Regenerativa Trifásica da Schneider permite a injeção de energia na rede elétrica proveniente

Leia mais

O MÓDULO FOTOVOLTAICO PARA GERADOR SOLAR DE ELETRICIDADE. Autor: Eng. Carlos Alberto Alvarenga alvarenga@solenerg.com.br www.solenerg.com.

O MÓDULO FOTOVOLTAICO PARA GERADOR SOLAR DE ELETRICIDADE. Autor: Eng. Carlos Alberto Alvarenga alvarenga@solenerg.com.br www.solenerg.com. 1 O MÓDULO FOTOVOLTAICO PARA GERADOR SOLAR DE ELETRICIDADE Autor: Eng. Carlos Alberto Alvarenga alvarenga@solenerg.com.br www.solenerg.com.br Outubro/2014 1. O MÓDULO FOTOVOLTAICO A célula fotovoltaica

Leia mais

Performance Ratio. Conteúdo. Factor de qualidade para o sistema fotovoltaico

Performance Ratio. Conteúdo. Factor de qualidade para o sistema fotovoltaico Performance Ratio Factor de qualidade para o sistema fotovoltaico Conteúdo A Performance Ratio é uma das unidades de medida mais importantes para a avaliação da eficiência de um sistema fotovoltaico. Mais

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Existem várias finalidades para medição de energia, dentre elas vamos destacar as seguintes: Consumo mensal de energia A grandeza medida é

Leia mais

COMPANHIA DE ELETRICIDADE DO ESTADO DA BAHIA COELBA SISTEMA FOTOVOLTAICO DO ESTÁDIO PITUAÇU - SALVADOR SOLICITAÇÃO DE PROPOSTA ANEXO IX

COMPANHIA DE ELETRICIDADE DO ESTADO DA BAHIA COELBA SISTEMA FOTOVOLTAICO DO ESTÁDIO PITUAÇU - SALVADOR SOLICITAÇÃO DE PROPOSTA ANEXO IX COMPANHIA DE ELETRICIDADE DO ESTADO DA BAHIA COELBA SISTEMA FOTOVOLTAICO DO ESTÁDIO PITUAÇU - SALVADOR SOLICITAÇÃO DE PROPOSTA ANEXO IX AVALIAÇÃO DOS COMPONENTES DO SISTEMA GERADOR FOTOVOLTAICO 1. Módulos

Leia mais

SEÇÃO TÉCNICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS

SEÇÃO TÉCNICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS Um conjunto composto por: Uma unidade de alimentação de potência ininterrupta ("NO-BREAK"), monofásica, com os seguintes dados declarados em placa: Marca: PhD; Modelo: HP9100C; Número de série: 2LBG070925089020004;

Leia mais

ELETRIFICAÇÃO DE EDIFICAÇÕES RURAIS ISOLADAS UTILIZANDO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA

ELETRIFICAÇÃO DE EDIFICAÇÕES RURAIS ISOLADAS UTILIZANDO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA JOSÉ LUIZ DE PAULA ALVES DA CUNHA ELETRIFICAÇÃO DE EDIFICAÇÕES RURAIS ISOLADAS UTILIZANDO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Monografia apresentada ao Departamento de Engenharia da Universidade Federal de Lavras,

Leia mais

APC SMART-UPS RT 1500VA Brazil

APC SMART-UPS RT 1500VA Brazil 1 de 5 20/09/2011 17:17 Você está aqui: Home > Produtos > SOHO/Usuários Domésticos > No-break (UPS - Uninterruptible Power Supplies) > Smart-UPS On-Line APC SMART-UPS RT 1500VA Brazil Part Number: Especificações

Leia mais

Fotovoltaico de Qualidade

Fotovoltaico de Qualidade Análise de Problemas ao Longo da Vida Útil de um Sistema Solar Rodolfo Henrique Engº de Aplicações SICES BRASIL Conteúdo da Palestra o o o o Inversor Solar Introdução Topologias de Conversão Problemas

Leia mais

Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL

Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL Luis Felipe Pozzatti Chefe do Setor de Estudos de Novos Potenciais luis.pozzatti@eletrosul.gov.br Eletrosul Segmentos: transmissão

Leia mais

SISTEMAS DE ENERGIA HDS LM FP 0.8 DUPLA CONVERSÃO 6KVA - 10KVA -15KVA -20KVA UPS MANUTENÇÃO RETIFICADORES UPS INDUSTRIAL BATERIAS

SISTEMAS DE ENERGIA HDS LM FP 0.8 DUPLA CONVERSÃO 6KVA - 10KVA -15KVA -20KVA UPS MANUTENÇÃO RETIFICADORES UPS INDUSTRIAL BATERIAS SISTEMAS DE ENERGIA HDS LM FP 0.8 DUPLA CONVERSÃO 6KVA - 10KVA -15KVA -20KVA UPS MANUTENÇÃO RETIFICADORES UPS INDUSTRIAL BATERIAS HDS SISTEMAS DE ENERGIA ANTECIPANDO SOLUÇÕES, GERANDO RESULTADOS A HDS

Leia mais

Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas

Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas 1,2 e 3,1 kva Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas Perfil Nobreak Senoidal On-line - Tripla Conversão A linha de nobreaks Sinus Triad foi especialmente desenvolvida para uso

Leia mais

USO DE PAINÉIS SOLARES PARA BOMBEAMENTO DE ÁGUA NO ASSENTAMENTO ELDORADO II EM SIDROLÂNDIA MS

USO DE PAINÉIS SOLARES PARA BOMBEAMENTO DE ÁGUA NO ASSENTAMENTO ELDORADO II EM SIDROLÂNDIA MS USO DE PAINÉIS SOLARES PARA BOMBEAMENTO DE ÁGUA NO ASSENTAMENTO ELDORADO II EM SIDROLÂNDIA MS Orlando Moreira Júnior 1, Bruna Insfran Jorcuvich 2, Gabriela Pinheiro Telles 2, Tatiane Machado Barbosa 2

Leia mais

Nobreak. 1,2 e 3,1 kva Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas. senoidal on-line ~ tripla conversao PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 1,2 e 3,1 kva Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas. senoidal on-line ~ tripla conversao PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line ~ tripla conversao 1,2 e 3,1 kva Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas PERFIL A linha de nobreaks Sinus Triad foi especialmente desenvolvida para uso

Leia mais

Pequenos sistemas FV conectados à rede. Junho de 2013 Hans Rauschmayer

Pequenos sistemas FV conectados à rede. Junho de 2013 Hans Rauschmayer Pequenos sistemas FV conectados à rede Junho de 2013 Hans Rauschmayer Fundação em 2003 Tecnologias Energia solar fotovoltaica Aquecimento Solar Treinamentos e Eventos Para professionais e leigos Estudos

Leia mais

ESTUDO DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE MICROGERAÇÃO DISTRIBUÍDA RESIDENCIAL

ESTUDO DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE MICROGERAÇÃO DISTRIBUÍDA RESIDENCIAL ESTUDO DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE MICROGERAÇÃO DISTRIBUÍDA RESIDENCIAL Vinicius B. Vasconcelos belmuds_eng@hotmail.com Instituto Federal do Espírito Santo Campus Serra Av. ES 010, km 6.5, Manguinhos

Leia mais

VIPMON. VIPMON Software de monitoramento. 21.15.001_VIPMON_REV 04.doc 1

VIPMON. VIPMON Software de monitoramento. 21.15.001_VIPMON_REV 04.doc 1 Software de monitoramento 21.15.001 REV 04.doc 1 Tópicos da Ajuda 01. 03 02. INSTALAÇÃO 03 03. DESINSTALAÇÃO 05 04. INICIANDO O 08 05. CONFIGURAÇÃO DO TIPO DE COMUNICAÇÃO 09 06. E-MAIL 12 07. MENSAGENS

Leia mais

Há clareza no futuro da micro e minigeração fotovoltaica? Bruno Moreno, FGV Energia Rafael Nogueira, FGV Energia

Há clareza no futuro da micro e minigeração fotovoltaica? Bruno Moreno, FGV Energia Rafael Nogueira, FGV Energia Há clareza no futuro da micro e minigeração fotovoltaica? Bruno Moreno, FGV Energia Rafael Nogueira, FGV Energia 1 MOTIVAÇÃO Geração Descentralizada é uma realidade em muitos países; É apontada como o

Leia mais

Decisões Certas Inteligência, métodos quantitativos e experiência para construir a melhor decisão dos seus investimentos

Decisões Certas Inteligência, métodos quantitativos e experiência para construir a melhor decisão dos seus investimentos Decisões Certas Inteligência, métodos quantitativos e experiência para construir a melhor decisão dos seus investimentos Tito Livio M. Cardoso tito.livio@decisoescertas.com.br www.decisoescertas.com.br

Leia mais

Classificação dos Sistemas Fotovoltaicos

Classificação dos Sistemas Fotovoltaicos Só Elétrica Indústria e Comércio de Equipamentos Elétricos Rua Duque de Caxias, 796 Centro Joaçaba CEP: 89600-000 Fone: (49) 3522-2681 Um sistema fotovoltaico é uma fonte de potência elétrica, na qual

Leia mais

UPS - Uninterruptible Power Supply Critical Power. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

UPS - Uninterruptible Power Supply Critical Power. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas UPS Uninterruptible Power Supply Critical Power Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Office O nobreak interativo Office é um equipamento destinado a eliminar as impurezas e as irregularidades

Leia mais

Inversor Solar Conectado à Rede Inversor Solar Fotovoltaico HIVERTER - Série NP201i

Inversor Solar Conectado à Rede Inversor Solar Fotovoltaico HIVERTER - Série NP201i Inversor Solar Fotovoltaico HIVERTER - Série NP201i HIVERTER - Série NP201i Os Inversores Fotovoltaicos da Hitachi são do tipo Grid-Tied (GT Conectados à Rede) com controle reativo de potência e alta eficiência,

Leia mais

ELETRICIDADE SOLAR APOIO INSTITUCIONAL SOBRE O INSTITUTO IDEAL CARTILHA EDUCATIVA

ELETRICIDADE SOLAR APOIO INSTITUCIONAL SOBRE O INSTITUTO IDEAL CARTILHA EDUCATIVA APOIO INSTITUCIONAL ELETRICIDADE SOLAR ISES International Solar Energy Society SOBRE O INSTITUTO IDEAL Criado em 2007, o Instituto Ideal tem o propósito de incentivar junto a governantes, parlamentares,

Leia mais

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104 UMG 104 UMG 104-Mais do que um ples Multímetro O UMG 104 equipado com um DSP de 500 MHz (processador de sinal digital) é um analisador de tensão muito rápido e potente. A varredura contínua dos 8 canais

Leia mais

GERAÇÃO SOLAR FOTOVOLTAICA

GERAÇÃO SOLAR FOTOVOLTAICA GERAÇÃO SOLAR FOTOVOLTAICA Pedro Gomes Barbosa Universidade Federal de Juiz de Fora Núcleo de Automação e Eletrônica de Potência Juiz de Fora, MG 36036-900 Brasil email: pedro.gomes@ufjf.edu.br Julho de

Leia mais

Nobreak. 1,2 e 3,1 kva Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas. senoidal on-line. tripla conversão PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 1,2 e 3,1 kva Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas. senoidal on-line. tripla conversão PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line tripla conversão 1,2 e 3,1 kva Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas PERFIL A linha de nobreaks Sinus Triad foi especialmente desenvolvida para uso

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Energia Solar)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Energia Solar) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Energia Solar) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Energia

Leia mais

Marcraft Green STEM GT1500

Marcraft Green STEM GT1500 PAINÉIS DE TREINAMENTO EM ENERGIAS RENOVÁVEIS 3 EM 1 CÉLULAS A COMBUSTÍVEL ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA ENERGIA EÓLICA Programa de 90 Horas de Treinamento Literatura técnica sobre energias renováveis e instruções

Leia mais

APLICAÇÃO COMPUTACIONAL PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS ISOLADOS. Vinícius Bernardo Rosa

APLICAÇÃO COMPUTACIONAL PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS ISOLADOS. Vinícius Bernardo Rosa APLICAÇÃO COMPUTACIONAL PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS ISOLADOS Vinícius Bernardo Rosa PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA ESCOLA POLITÉCNICA

Leia mais

Estrutura DPM. Diretoria de Engenharia. Pesquisa em Energia Solar

Estrutura DPM. Diretoria de Engenharia. Pesquisa em Energia Solar Estrutura DPM Diretoria de Engenharia Pesquisa em Energia Solar Departamento de Patrimônio Imobiliário e Meio Ambiente Seminário Estadual do Setor Público Catarinense para Prospecção e Identificação de

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO CURSO PROFISSIONAL

ENSINO SECUNDÁRIO CURSO PROFISSIONAL ESCOLA: Escola Secundária dr. Solano de Abreu DISCIPLINA: Eletricidade e Eletrónica Módulo 1 ANO: 10º ANO 2014/2015 As grandezas mais importantes do circuito elétrico. A lei de OHM. A lei de JOULE. Os

Leia mais

Revista Intellectus Ano VIII Nº. 21

Revista Intellectus Ano VIII Nº. 21 DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS COM DIFERENTES ACUMULADORES ELETROQUÍMICOS DE ENERGIA Comparative study of different batteries technology for photovoltaic systems DIAS JR., Luiz Eduardo Ferreira

Leia mais

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção AS DIFERENTES TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Nesta secção apresentam-se as diferentes tecnologias usadas nos sistemas eólicos, nomeadamente, na exploração

Leia mais

Como faço para ter eletricidade solar em minha casa?

Como faço para ter eletricidade solar em minha casa? Como faço para ter eletricidade solar em minha casa? Guia de microgeradores fotovoltaicos EXPEDIENTE ÍNDICE Projeto Editorial e Conteúdo Revisão Textual Paula Scheidt Revisão técnica Giovanni Secco Projeto

Leia mais

Controladores MPPT. Características

Controladores MPPT. Características Controladores MPPT Características Controlador de carga solar inteligente e multifuncional para sistemas de iluminação pública, privada, casas, etc... Configuração e Manuseamento simples através de 1 botão

Leia mais

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo:

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo: ENGENHEIRO ELETRICISTA 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Um sistema de proteção contra descargas atmosféricas do tipo Franklin foi concebido para prover a segurança de uma edificação

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar Energia Fotovoltaica parte 1 José R. Simões-Moreira Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar Energia Fotovoltaica parte 1 José R. Simões-Moreira Racine T. A. Prado Energia Fotovoltaica parte 1 José R. Simões-Moreira Racine T. A. Prado CEPEL-CRESESB Fundamentos de Engenharia Solar Células fotovoltaicas Células fotovoltaicas Módulo de filme fino Módulo cristalino Schottsolar

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Fundamentos e Aplicações

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Fundamentos e Aplicações ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Fundamentos e Aplicações Parte 1 Prof. Dr. Trajano Viana trajanoviana@gmail.com CEFET/RJ Março - 2014 Objetivos: Apresentar os fundamentos da energia solar e da tecnologia fotovoltaica

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 ANÁLISE DOS IMPACTOS DE ELEVADOS ÍNDICES DE PENETRAÇÃO DA GERAÇÃO FOTOVOLTAICA ON-GRID EM ALIMENTADORES Michele Araújo Pereira 1 ; Antonio Manoel Batista da Silva 2 1 Universidade de Uberaba - UNIUBE,

Leia mais

KITS DE ENERGIA SOLAR

KITS DE ENERGIA SOLAR KITS DE ENERGIA SOLAR Soluções para autoconsumo Energia Eficiência Inovação Produza a sua própria energia gratuitamente e contribua de forma sustentável SISTEMAS DE AUTOCONSUMO UMA SOLUÇÃO À MEDIDA DE

Leia mais

- Projeto & Concepção - Solicitação de Acesso - Venda de Equipamentos - Instalação - Conexão com Distribuidora. Campinas

- Projeto & Concepção - Solicitação de Acesso - Venda de Equipamentos - Instalação - Conexão com Distribuidora. Campinas A Blue Sol Energia Solar visa disseminar a tecnologia fotovoltaica e o conhecimento sobre os temas no Brasil promovendo, portanto, uma fonte limpa, renovável e inesgotável de energia, alinhada com a crescente

Leia mais

Estudo de Caso de Geração Distribuída Fotovoltaica de Pequeno Porte Conectada à Rede de Distribuição

Estudo de Caso de Geração Distribuída Fotovoltaica de Pequeno Porte Conectada à Rede de Distribuição 1 Estudo de Caso de Geração Distribuída Fotovoltaica de Pequeno Porte Conectada à Rede de Distribuição B. X. de Sousa e J. W. Nerys Resumo--Aplicações de micro e minigeração distribuída, a partir de fontes

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica

Energia Solar Fotovoltaica Energia Solar Fotovoltaica A perceção dos problemas da energia nunca foi tão grande como nos nossos dias. Atualmente, é ponto assente que o crescimento do consumo de energia, verificado durante muitos

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas www.weg.net Tecnologia para minimizar o consumo das indústrias. Sustentabilidade para maximizar a qualidade de vida das pessoas. O sol é uma

Leia mais