2. A METODOLOGIA 1. POPULAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2. A METODOLOGIA 1. POPULAÇÃO"

Transcrição

1

2 1. APRESENTAÇÃO O estudo IPC Maps 2012 é um banco de dados secundários, que foi preparado e é atualizado anualmente pela empresa IPC MARKETING EDITORA LTDA., baseado em dados divulgados pelo IBGE e por outras instituições oficiais. O estudo IPC Maps 2012 contempla o consumo das populações urbanas e rurais e traz dados demográficos dos municípios, Estados e total Brasil. Todas as informações estão atualizadas para 2012, detalhadas para todos os municípios brasileiros, independente do número de habitantes. Os resultados do Censo Demográfico de 2010, realizado pelo IBGE, foram utilizados como parâmetro na atualização dos dados originais do Censo Demográfico de 2000 e da Contagem da População de 2007 e serviram de parâmetro para a atualização das informações demográficas do IPC Maps

3 A atualização do estudo IPC Maps para 2012 levou em consideração a classificação dos domicílios urbanos segundo o Critério de Classificação Econômica Brasil, desenvolvido pela ABA Associação Brasileira de Anunciantes, ABEP Associação Brasileira das Empresas de Pesquisa e ABIPEME Associação Brasileira dos Institutos de Pesquisa de Mercado, em vigor desde janeiro de 2008, que classifica a população brasileira em 8 classes econômicas e apresenta, de forma inédita, a quantidade de domicílios e respectiva participação no potencial de consumo, da classe C desmembrada em classes C1 e C2. No trabalho de atualização anual dos dados do estudo IPC Maps, procuramos sempre agregar inovações tecnológicas e informações que julgamos ajudar nossos clientes em seu trabalho de pesquisa baseado em dados secundários. Por isto, no estudo IPC Maps 2012, além de informações sobre a quantidade de empresas em cada município brasileiro, disponibilizamos informações sobre esta quantidade de empresas em cada um dos subdistritos de 18 Capitais e principais cidades dos Estados, onde as demais informações estão disponíveis. Além das informações de empresas segmentadas pelo principal ramo de atividade, pode-se pesquisar a quantidade de empresas em 20 segmentos distintos, sendo treze segmentos para SERVIÇOS, cinco segmentos da INDÚSTRIA e dois segmentos do COMÉRCIO. A atualização das informações para 2012 apresenta detalhamento de informações para distritos/subdistritos (bairros) em 10 novas cidades, não cobertas pelos estudos anteriores. São elas: 1. Campinas-SP 2. São José dos Campos-SP 3. São José do Rio Preto-SP 4. Campo Grande-MS 5. Cuiabá-MT 6. Florianópolis-SC 7. Maceió-AL 8. Natal-RN 9. Recife-PE 10. Vitória-ES Para Brasília, passamos a trabalhar com a divisão distrital oficial, divulgada nos Resultados do Censo Demográfico de 2010, que divide a Capital em 19 subdistritos. 3

4 Nas informações de potencial de consumo, incluímos a 22ª categoria de consumo MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO, que originalmente estava contemplada na categoria Outras Despesas e que a partir de 2012 passa a constar no estudo como uma nova categoria. Esta informação está disponível para todos os níveis geográficos: desde distritos e subdistritos das 18 cidades, passando por municípios, microrregiões, mesorregiões, Estados, Regiões e Brasil. Além de tudo isso, na versão com o software de geoprocessamento, será possível fazer a impressão das informações que o cliente importar para o banco de dados, usando o template de impressão desta versão. No mapa temático, o cliente poderá visualizar o layer com a visualização das estradas brasileiras. Para importar suas informações para a versão Geoprocessamento, o cliente passa a contar com 80 campos (anteriormente eram 50), o que permite maior flexibilidade na análise e cruzamento de informações. Com a publicação deste instrumento de marketing, as Empresas dispõem de um meio rápido e seguro para embasar seus planejamentos, seja na área comercial, seja nas áreas em que as informações disponíveis neste estudo se façam necessárias. A utilização das informações do IPC Maps 2012 se faz de maneira fácil, ágil e confiável, vindo suprir uma lacuna de informações que tão flagrantemente caracteriza o desempenho da atividade mercadológica no Brasil. 4

5 2. A METODOLOGIA O desenvolvimento do estudo ora apresentado baseou-se nos dados disponíveis dos Censos de 2000 e 2010, além dos dados da Contagem Populacional de 2007, da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2001, 2002, 2003, 2004, 2005, 2006, 2007, 2008 e 2009, Contas Consolidadas da Nação 2006, 2007, 2008, 2009 e 2010 e resultados preliminares de 2011 e das pesquisas intercensitárias, sobretudo as realizadas sobre o padrão de consumo da população brasileira. 1. POPULAÇÃO A partir da divulgação dos Resultados do Censo Demográfico de 2010, divulgados recentemente pelo IBGE, a IPC Marketing Editora usou estes dados atualizados na elaboração de seu estudo IPC Maps Portanto, a estimativa da população do total do país em 2012 é de habitantes, o que significa que entre 2010 e 2012 a taxa de crescimento demográfico usada foi de 0,85% ao ano. A população estimada para 2012 levou em consideração os ajustes de crescimento populacional, no período entre 2000 e 2010, que corrigiram as estimativas populacionais anteriores, feitas pelo IBGE com base em dados de 1991 e

6 2. DOMICÍLIOS A partir da divulgação dos Resultados do Censo Demográfico de 2010, procedemos ao cálculo dos domicílios dos municípios brasileiros, com base na média de habitantes por domicílio, nas áreas urbanas e rurais e atualizadas segundo a população de 2010, divulgadas pelo IBGE. Para se estabelecer a classe do domicílio, segundo o Critério de Classificação Econômica Brasil, partiu-se da estrutura de rendimentos domiciliares, na média BRASIL e Regiões Metropolitanas dos principais Estados, e a partir da distribuição percentual das diversas classes econômicas, determinadas pela ABEP, correlacionadas com a faixa de rendimento domiciliar em salários mínimos, foi feita uma sobreposição nos domicílios urbanos, obtendo-se os valores de identificação de cada classe segundo o nível de rendimento dos domicílios do município, segundo os resultados dos censos de 2000 e Uma vez o modelo adaptado, foi aplicado à população urbana de cada município que faz parte do estudo. Foram utilizados dados adquiridos do IBOPE MÍDIA Levantamento Sócio Econômico 2011 cobrindo as regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Fortaleza, Porto Alegre e o município de Brasília, para se estabelecer a composição dos domicílios urbanos segundo as classes econômicas ABEP. A partir do cruzamento das informações sobre a renda domiciliar e a classe econômica do domicílio estudado, estabeleceu-se um modelo onde cada uma dessas regiões passou a ser referência na composição das classes, segundo a participação de cada faixa de renda. Baseado na combinação das classes econômicas foi estabelecida uma matriz, sendo que uma das entradas identifica a classe econômica e a outra entrada identifica a renda domiciliar. Assim pode-se verificar que uma determinada classe econômica é composta por um percentual da classe de renda n 1, um percentual da classe de renda n 2 e assim por diante. Essa referência serviu para compor as classes econômicas de cada município, usando como referência a região metropolitana que mais se aproxima da distribuição da renda do município em pauta, para aquela faixa de rendimento específica. O processo se repetiu para cada faixa de rendimento e o padrão de referência do município foi sempre o da região metropolitana que apresentou uma composição homogênea, pois as mesmas foram tratadas como variáveis autônomas e independentes em cada município. A partir da composição das classes em cada município procedeu-se ao ajuste final de redução à unidade, tendo-se a população de domicílios composta percentualmente pelas 8 classes econômicas. 6

7 Finalmente foram comparados os resultados obtidos nessa operação, projetando-se o total Brasil, com os dados da ABEP observando-se as seguintes diferenças, por classe econômica: Classes A1 A2 B1 B2 C1 C2 D E Δ ± 0,000 0,0001 0,0002 0,0002 0,0000-0,0002-0,0003 0,000 Vale salientar que o Critério de Classificação Econômica Brasil, definido pela ABEP, é exclusivamente de classes econômicas, abandonando a pretensão de classificar a população em termos de classes sociais. Usando-se as devidas técnicas, o Critério de Classificação Econômica Brasil permitiu estabelecer um parâmetro confiável de renda familiar de cada classe, em termos de renda média familiar mensal. Os valores atualizados, com base em dados de 2011, estão demonstrados no quadro abaixo: Classe ABEP Pontos ABEP Renda Média Familiar (em R$) A ,00 A ,00 B ,00 B ,00 C ,00 C ,00 D ,00 E ,00 7

8 A consolidação dos dados de classificação econômica de todos os municípios brasileiros resultou numa estrutura econômica urbana do Brasil, que comparado ao modelo ABEP não apresentou diferenças significativas, conforme se observa no quadro abaixo: Classe econômica ABEP IPC Maps 2012 A1 0.5% A2 4.0% B1 10.0% B2 21.7% C1 26.3% C2 22,5% D 14.2% E 0.7% 3. CONSUMO O cálculo do consumo foi feito a partir da elaboração de um modelo de correção , baseado no estabelecimento de uma moeda constante, no qual o consumo total do país foi calculado para ser, então, distribuído para as unidades de consumo, suas categorias e células. Dessa forma, os valores de consumo foram inicialmente calculados em moeda nacional (R$) e posteriormente convertidos para US$ americano, na proporção de US$ 1 = R$ Com base na nova metodologia de cálculo, que passou a ser usada pelo IBGE para o cálculo das contas nacionais a partir de 2006, os resultados indicaram que no BRASIL de 2012 girarão, em despesas correntes, R$ 2.724,9 bilhões, correspondendo em dólares a US$ 1.575,1 bilhões, referente ao consumo final das famílias. Este cálculo levou em consideração previsão de crescimento da economia de 2,7% no período 2010/2011 e de 3.30% no período 2011/2012. No cálculo do potencial de consumo para 2012 já foram consideradas as taxas de crescimento do consumo final das famílias coerentes com o momento econômico pelo qual passa nosso país. Para 2012, o consumo final das famílias foi calculado segundo uma estimativa de crescimento de 3.6%, o que deverá corresponder a 60,5% de participação no PIB de

9 4. CONSUMO PER CAPITA O consumo per capita urbano e rural foi calculado dividindo-se o montante de consumo da população urbana e rural, respectivamente pelo número de pessoas dessa mesma população do município. Os valores estão expressos em US$/ano ou R$/ano por habitante. 5. ÍNDICE DE POTENCIAL DE CONSUMO- IPC Maps 2012 Uma vez estabelecido o consumo de cada domicílio em cada classe econômica e em cada município estudado, pode-se calcular o potencial de consumo desse município, dividindo-se o montante de despesas esperadas no mesmo, para o exercício de um ano, pelo total de despesas correntes do país. A informação obtida é apresentada em forma de um índice de participação da despesa do município na despesa total do Brasil, com leitura percentual. 6. POTENCIAL DE CONSUMO Primeiramente elaborou-se um critério de classificação das despesas para depois atribuir a cada classe econômica dos domicílios, de cada município, o montante potencial de consumo daquela categoria de despesa, em cada classe econômica. Para efeitos de cálculo do consumo total, foram considerados os domicílios urbanos e rurais, de acordo com suas respectivas faixas de rendimento mensal. Os valores são apresentados em US$/ano ou R$/ano. As categorias foram planejadas de forma a que se aproximassem ao máximo daquelas estabelecidas pelo IBGE na pesquisa realizada pelo mesmo, denominada PESQUISA DE ORÇAMENTOS FAMILIARES e que serviu de base para as projeções de consumo da população brasileira, neste estudo. No caso da população rural, o consumo foi calculado em sua totalidade, sem detalhamento por categorias de produtos e classes econômicas. 9

10 As despesas da população urbana foram classificadas nas seguintes categorias: Alimentação no Domicílio Alimentação Fora do Domicílio Bebidas Manutenção do Lar Artigos de Limpeza Mobiliários e Artigos do Lar Eletrodomésticos e Equipamentos Vestuário Confeccionado Calçados Outras Despesas com Vestuário Transportes Urbanos Gastos com Veículo Próprio Higiene e Cuidados Pessoais Gastos com Medicamentos Outras Despesas com Saúde Livros e Material Escolar Matrículas e Mensalidades Despesas com Recreação e Cultura Despesas com Viagens Fumo Materiais de Construção Outras Despesas 7. DESCRIÇÃO DETALHADA DAS CATEGORIAS DE CONSUMO DA POPULAÇÃO URBANA ALIMENTAÇÃO NO DOMICÍLIO Refere-se aos gastos com alimentação dentro do domicílio, compreendendo despesas com alimentos "in natura", industrializados, preparados e demais despesas de valores agregados como sacolão, varejão, cestão etc. 10

11 ALIMENTAÇÃO FORA DO DOMICÍLIO Refere-se aos gastos com alimentação fora do domicílio, compreendendo as despesas com refeições, lanches, cafés da manhã, refrigerantes, cafezinhos, caldos, cervejas, chopps e outras bebidas alcoólicas. BEBIDAS Refere-se aos gastos com bebidas e infusões dentro do domicílio, compreendendo as despesas com sucos artificiais, cafés moídos, cafés solúveis, mates, refrigerantes, cervejas, aguardentes, vinhos e outras bebidas alcoólicas. MANUTENÇÃO DO LAR Refere-se aos gastos das famílias com aluguel de moradia, imposto predial, condomínio, água e esgoto, energia elétrica, telefone fixo, telefone celular, tv por assinatura, gás encanado, taxa de lixo, serviços domésticos, gás de botijão, lenha, dedetização, carvão vegetal, consertos de aparelhos domésticos, consertos de móveis e outros. ARTIGOS DE LIMPEZA Refere-se aos gastos com artigos e produtos de limpeza do domicílio, como vassouras, rodos, recipientes para lixo, águas sanitárias, detergentes, sabões em pó, sabões em barra, desinfetantes, inseticidas, raticidas, ceras, lustra-móveis, esponjas de aço, amaciantes, alvejantes e coadores de café (papel). MOBILIÁRIOS E ARTIGOS DO LAR Refere-se aos gastos com aquisição de móveis, luminárias, adornos e enfeites, roupas de cama, mesa e banho, colchões, redes, tapetes, cortinas, utensílios de copa e cozinha, artigos de plástico, mamadeiras, garrafas térmicas, copos de vidro e outros utensílios. 11

12 ELETRODOMÉSTICOS E EQUIPAMENTOS Refere-se aos gastos para aquisição de refrigeradores, máquinas de lavar roupas, fogões, condicionadores de ar, máquinas de costura, enceradeiras, secadoras de roupas, ferros elétricos, liqüidificadores, ventiladores, exaustores, lâmpadas, pilhas, fornos elétricos, fornos de microondas freezers, máquinas de lavar pratos, batedeiras, ozonizadores, aspiradores de pó, chuveiros elétricos, secadores de cabelos, processadores de alimentos, televisores, rádios, aparelhos de som acoplado, microsystem, aparelhos de CD-ROM, aparelhos de DVD, home-theaters, videocassetes, grill, aparelho de fax e microcomputadores. VESTUÁRIO CONFECCIONADO Refere-se a todos os gastos com roupas confeccionadas para homens, mulheres e crianças, como calças compridas, agasalhos, ternos, saias, cuecas, lingeries, shorts/bermudas, camisas, camisetas, blusas, meias, roupas de dormir, vestidos, roupas de banho, uniformes, fraldas e roupas de bebê. CALÇADOS Refere-se a todos os gastos com sapatos masculinos, femininos e infantis, sandálias masculinas, femininas e infantis, bolsas de mulher, guarda-chuva, bolsas, tênis e tênis infantis. OUTRAS DESPESAS COM VESTUÁRIO Refere-se a todos os gastos com jóias, bijuterias, relógios de pulso, tecidos e artigos de armarinho. TRANSPORTES URBANOS Refere-se aos gastos habituais com transporte urbano, compreendendo despesas com ônibus, táxi, trem, metrô, barca e transporte escolar. 12

13 GASTOS COM VEÍCULO PRÓPRIO Refere-se aos gastos com gasolina, álcool, consertos de veículos, estacionamentos, óleos, acessórios/peças, pneus, câmaras de ar e lubrificações/lavagens. HIGIENE E CUIDADOS PESSOAIS Refere-se aos gastos com artigos de higiene e de beleza, compreendendo despesas com perfumes, cremes para a pele, papéis higiênicos, bronzeadores, artigos para maquiagem, sabonetes, produtos para o cabelo, produtos para a pele, produtos para a boca, esmaltes, bases de unha, acetona, desodorantes e absorventes higiênicos. GASTOS COM MEDICAMENTOS Refere-se aos gastos para aquisição de produtos farmacêuticos (éticos e OTC) e materiais para curativos. OUTRAS DESPESAS COM SAÚDE Refere-se aos gastos com aquisição de bens e serviços relativos à saúde, como seguro-saúde, associações de assistência, tratamentos dentários, hospitalização, cirurgias, exames de laboratório, consultas médicas, óculos e lentes, mensalidades de clínicas, eletrodiagnósticos e asilos. LIVROS E MATERIAL ESCOLAR Refere-se aos gastos com artigos de educação e leitura, compreendendo livros, material didático, cadernos, artigos de papelaria, revistas técnicas e outros livros (bolso, brochura). 13

14 MATRÍCULAS E MENSALIDADES Refere-se aos gastos com matrículas e mensalidades de cursos pré-escolar, 1o. grau, 2o. grau, 3o. grau, cursos diversos e creche. DESPESAS COM RECREAÇÃO E CULTURA Refere-se aos gastos com brinquedos e jogos recreativos, aparelhos de celular e acessórios, fitas cassete e videocassete, CD-ROM, DVD, disquetes, mensalidades e taxas de clubes e academias, cinema, teatro, futebol e outras diversões, artigos de caça, pesca e camping, artigos esportivos, jornais e revistas não técnicas. DESPESAS COM VIAGENS Refere-se aos gastos com alimentação, hospedagem, passagens aéreas, de ônibus, despesas com combustível e excursão. FUMO Refere-se aos gastos com cigarros, charutos, fumo para cachimbo, fumo para cigarros e outros artigos para fumantes, como fósforos, isqueiros etc. MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO Refere-se aos gastos com materiais e mão-de-obra, para reforma e construção de imóveis. 14

15 OUTRAS DESPESAS Refere-se aos gastos com cabeleireiros, manicuras, pedicuros, sapateiros, barbeiros, alfaiates, costureiras, relojoeiros, tinturarias, lavanderias, empregados domésticos, fotografias para documentação, cerimônias familiares e práticas religiosas, serviços de cartórios e profissionais (advogados, despachantes, contadores), jogos de azar e apostas, construção, reforma e manutenção de jazigos, aluguel de aparelhos e utilidades de uso doméstico, alimentos e outros produtos para animais, flores, despesas de mudança, imposto de renda, imposto sobre serviços, contribuições trabalhistas à previdência social e associações de classe, pensão alimentícia, tarifas bancárias, justiça do trabalho e seguro de vida. Compreende ainda aumento do ativo e diminuição do passivo referente a pagamento de prestações de empréstimos, carnês e outros investimentos. 8. POPULAÇÃO ALFABETIZADA Como informação sócio-demográfica útil no planejamento de marketing da maioria dos produtos de consumo e de serviços, escolheu-se o número de pessoas alfabetizadas, que teve seu cálculo baseado na população capaz de escrever ou ler uma frase simples, além de saber desenhar o nome, excluindose aquela compreendida na faixa entre 0 a 4 anos de idade. 9. CÓDIGO DO MUNICÍPIO Esta informação segue o padrão adotado pelo IBGE, em 7 dígitos, e visa possibilitar interface das informações deste estudo com outros dados secundários e com informações internas dos clientes. O código oficial do município, com 7 dígitos, é uma informação importante, pois evita eventuais problemas na correlação de dados do estudo IPC Maps 2012 com outros dados internos dos clientes, normalmente ocasionados pelas diferentes maneiras de se escrever o nome de uma determinada cidade. Por ex., pode-se escrever o nome da cidade de São Paulo de inúmeras maneiras: S. Paulo, SP, Sao Paulo, S.Paulo etc. Todavia, o código de 7 dígitos do IBGE é único para a cidade de São Paulo =

16 10. ATUALIZAÇÃO DE NOMES DE MUNICÍPIOS A partir da divulgação dos Resultados do Censo Demográfico de 2010, a IPC Marketing procedeu a uma correlação dos nomes dos municípios que usa no estudo IPC Maps com os nomes dos municípios constantes do Censo de 2010 e verificou-se a necessidade de atualização da grafia dos nomes de alguns municípios, conforme a tabela abaixo: CODIGO NOME ANTERIOR UF ALTERADO PARA SAO VALERIO DA NATIVIDADE TO SAO VALERIO CAMPO DE SANTANA PB TACIMA LAGOA DO ITAENGA PE LAGOA DE ITAENGA SANTANA DO LIVRAMENTO RS SANT'ANA DO LIVRAMENTO COUTO MAGALHAES TO COUTO DE MAGALHAES PRESIDENTE CASTELLO BRANCO SC PRESIDENTE CASTELO BRANCO 11. NÚMERO DE EMPRESAS Refere-se a quantidade de empresas, classificadas segundo sua atividade principal, em cada uma das localidades brasileiras e nos distritos das 8 Capitais, com informações cobertas pelo estudo. A partir de 2011 resolvemos considerar o universo de empresas nacionais, agregando ao banco de dados as empresas com 0 (zero) funcionários, que em anos anteriores não foram consideradas, pelo fato de não apresentarem a declaração de RAIS do Ministério do Trabalho. Dessa forma, a quantidade de empresas em 2012 está significativamente maior que nos anos anteriores. As empresas foram classificadas nas seguintes atividades: Agribusiness Indústria Comércio Serviços 16

17 12. DESCRIÇÃO DETALHADA DAS ATIVIDADES DAS EMPRESAS AGRIBUSINESS Compreende empresas na área de extração de minerais metálicos e não metálicos, agricultura, pecuária, extração vegetal, pesca e aquicultura, conforme detalhamento da tabela seguinte: 17 Agribusiness Cultivo de arroz Cultivo de milho Cultivo de trigo Cultivo de outros cereais não especificados anteriormente Cultivo de algodão herbáceo Cultivo de juta Cultivo de outras fibras de lavoura temporária não especificadas anteriormente Cultivo de cana-de-açúcar Cultivo de fumo Cultivo de soja Cultivo de amendoim Cultivo de girassol Cultivo de mamona Cultivo de outras oleaginosas de lavoura temporária não especificadas anteriormente Cultivo de abacaxi Cultivo de alho Cultivo de batata-inglesa Cultivo de cebola Cultivo de feijão Cultivo de mandioca Cultivo de melão Cultivo de melancia Cultivo de tomate rasteiro Cultivo de outras plantas de lavoura temporária não especificadas anteriormente Horticultura, exceto morango Cultivo de morango Cultivo de flores e plantas ornamentais Cultivo de laranja Cultivo de uva Cultivo de açaí Cultivo de banana Cultivo de caju

18 Cultivo de cítricos, exceto laranja Cultivo de coco-da-baía Cultivo de guaraná Cultivo de maçã Cultivo de mamão Cultivo de maracujá Cultivo de manga Cultivo de pêssego Cultivo de frutas de lavoura permanente não especificadas anteriormente Cultivo de café Cultivo de cacau Cultivo de chá-da-índia Cultivo de erva-mate Cultivo de pimenta-do-reino Cultivo de plantas para condimento, exceto pimenta-do-reino Cultivo de dendê Cultivo de seringueira Cultivo de outras plantas de lavoura permanente não especificadas anteriormente Produção de sementes certificadas, exceto de forrageiras para pasto Produção de sementes certificadas de forrageiras para formação de pasto Produção de mudas e outras formas de propagação vegetal, certificadas Criação de bovinos para corte Criação de bovinos para leite Criação de bovinos, exceto para corte e leite Criação de bufalinos Criação de eqüinos Criação de asininos e muares Criação de caprinos Criação de ovinos, inclusive para produção de lã Criação de suínos Criação de frangos para corte Produção de pintos de um dia Criação de outros galináceos, exceto para corte Criação de aves, exceto galináceos Produção de ovos Apicultura Criação de animais de estimação Criação de escargô Criação de bicho-da-seda Criação de outros animais não especificados anteriormente Serviço de pulverização e controle de pragas agrícolas Serviço de poda de árvores para lavouras Serviço de preparação de terreno, cultivo e colheita Atividades de apoio à agricultura não especificadas anteriormente Serviço de inseminação artificial em animais 18

19 Serviço de tosquiamento de ovinos Serviço de manejo de animais Atividades de apoio à pecuária não especificadas anteriormente Atividades de pós-colheita Caça e serviços relacionados Cultivo de eucalipto Cultivo de acácia-negra Cultivo de pinus Cultivo de teca Cultivo de espécies madeireiras, exceto eucalipto, acácia-negra, pinus e teca Cultivo de mudas em viveiros florestais Extração de madeira em florestas plantadas Produção de carvão vegetal - florestas plantadas Produção de casca de acácia-negra - florestas plantadas Produção de produtos não-madeireiros não especificados anteriormente em florestas plantadas Extração de madeira em florestas nativas Produção de carvão vegetal - florestas nativas Coleta de castanha-do-pará em florestas nativas Coleta de látex em florestas nativas Coleta de palmito em florestas nativas Conservação de florestas nativas Coleta de produtos não-madeireiros não especificados anteriormente em florestas nativas Atividades de apoio à produção florestal Pesca de peixes em água salgada Pesca de crustáceos e moluscos em água salgada Coleta de outros produtos marinhos Atividades de apoio à pesca em água salgada Pesca de peixes em água doce Pesca de crustáceos e moluscos em água doce Coleta de outros produtos aquáticos de água doce Atividades de apoio à pesca em água doce Criação de peixes em água salgada e salobra Criação de camarões em água salgada e salobra Criação de ostras e mexilhões em água salgada e salobra Criação de peixes ornamentais em água salgada e salobra Atividades de apoio à aqüicultura em água salgada e salobra Cultivos e semicultivos da aqüicultura em água salgada e salobra não especificados anteriormente Criação de peixes em água doce Criação de camarões em água doce Criação de ostras e mexilhões em água doce Criação de peixes ornamentais em água doce Ranicultura Criação de jacaré Atividades de apoio à aqüicultura em água doce Cultivos e semicultivos da aqüicultura em água doce não especificados anteriormente 19

20 INDÚSTRIA Compreende empresas com atividade industrial na área de minerais não metálicos, metalúrgica, mecânica, material elétrico, eletrônico e de comunicação, material de transporte, artigos de madeira, mobiliário, papel, papelão, celulose, borracha, couros, peles, química, farmacêutica, petróleo e destilação de álcool, produtos de matérias plásticas, têxtil, vestuário, artefatos de tecidos e viagem, alimentícia, bebidas, fumo, editorial e gráfica, calçados e construção. Há detalhamento para as seguintes atividades: Indústria Extrativa Reciclagem Construção Produção e Distribuição de Eletricidade, Água e Gás Indústria em Geral Veja na tabela abaixo a lista de todas as atividades industriais do estudo IPC Maps 2012: INDÚSTRIA Indústria Extrativa Extração de carvão mineral Beneficiamento de carvão mineral Extração de petróleo e gás natural Extração e beneficiamento de xisto Extração e beneficiamento de areias betuminosas Extração de minério de ferro Pelotização, sinterização e outros beneficiamentos de minério de ferro Extração de minério de alumínio Beneficiamento de minério de alumínio Extração de minério de estanho Beneficiamento de minério de estanho Extração de minério de manganês Beneficiamento de minério de manganês Extração de minério de metais preciosos Beneficiamento de minério de metais preciosos Extração de minerais radioativos Extração de minérios de nióbio e titânio Extração de minério de tungstênio Extração de minério de níquel Extração de minérios de cobre, chumbo, zinco e outros minerais metálicos não-ferrosos não especificados anteriormente Beneficiamento de minérios de cobre, chumbo, zinco e outros minerais metálicos não-ferrosos não especificados anteriormente Extração de ardósia e beneficiamento associado 20

21 Extração de granito e beneficiamento associado Extração de mármore e beneficiamento associado Extração de calcário e dolomita e beneficiamento associado Extração de gesso e caulim Extração de areia, cascalho ou pedregulho e beneficiamento associado Extração de argila e beneficiamento associado Extração de saibro e beneficiamento associado Extração de basalto e beneficiamento associado Beneficiamento de gesso e caulim associado à extração Extração e britamento de pedras e outros materiais para construção e beneficiamento associado Extração de minerais para fabricação de adubos, fertilizantes e outros produtos químicos Extração de sal marinho Extração de sal-gema Refino e outros tratamentos do sal Extração de gemas (pedras preciosas e semipreciosas) Extração de grafita Extração de quartzo Extração de amianto Extração de outros minerais não-metálicos não especificados anteriormente Atividades de apoio à extração de petróleo e gás natural Atividades de apoio à extração de minério de ferro Atividades de apoio à extração de minerais metálicos não-ferrosos Atividades de apoio à extração de minerais não-metálicos Construção Incorporação de empreendimentos imobiliários Construção de edifícios Construção de rodovias e ferrovias Pintura para sinalização em pistas rodoviárias e aeroportos Construção de obras-de-arte especiais Obras de urbanização - ruas, praças e calçadas Construção de barragens e represas para geração de energia elétrica Construção de estações e redes de distribuição de energia elétrica Manutenção de redes de distribuição de energia elétrica Construção de estações e redes de telecomunicações Manutenção de estações e redes de telecomunicações Construção de redes de abastecimento de água, coleta de esgoto e construções correlatas, exceto obras de irrigação Obras de irrigação Construção de redes de transportes por dutos, exceto para água e esgoto Obras portuárias, marítimas e fluviais Montagem de estruturas metálicas Obras de montagem industrial Construção de instalações esportivas e recreativas Outras obras de engenharia civil não especificadas anteriormente 21

22 Demolição de edifícios e outras estruturas Preparação de canteiro e limpeza de terreno Perfurações e sondagens Obras de terraplenagem Serviços de preparação do terreno não especificados anteriormente Instalação e manutenção elétrica Instalações hidráulicas, sanitárias e de gás Instalação e manutenção de sistemas centrais de ar condicionado, de ventilação e refrigeração Instalações de sistema de prevenção contra incêndio Instalação de painéis publicitários Instalação de equipamentos para orientação à navegação marítima, fluvial e lacustre Instalação, manutenção e reparação de elevadores, escadas e esteiras rolantes, exceto de fabricação própria Montagem e instalação de sistemas e equipamentos de iluminação e sinalização em vias públicas, portos e aeroportos Tratamentos térmicos, acústicos ou de vibração Outras obras de instalações em construções não especificadas anteriormente Impermeabilização em obras de engenharia civil Instalação de portas, janelas, tetos, divisórias e armários embutidos de qualquer material Obras de acabamento em gesso e estuque Serviços de pintura de edifícios em geral Aplicação de revestimentos e de resinas em interiores e exteriores Outras obras de acabamento da construção Obras de fundações Administração de obras Montagem e desmontagem de andaimes e outras estruturas temporárias Obras de alvenaria Serviços de operação e fornecimento de equipamentos para transporte e elevação de cargas e pessoas para uso em obras Perfuração e construção de poços de água Serviços especializados para construção não especificados anteriormente Prod./Distr. Eletric/Gás/Água Captação, tratamento e distribuição de água Distribuição de água por caminhões Gestão de redes de esgoto Atividades relacionadas a esgoto, exceto a gestão de redes Geração de energia elétrica Transmissão de energia elétrica Comércio atacadista de energia elétrica Distribuição de energia elétrica Produção de gás; processamento de gás natural Distribuição de combustíveis gasosos por redes urbanas Produção e distribuição de vapor, água quente e ar condicionado Comércio atacadista de energia elétrica Distribuição de energia elétrica Produção de gás; processamento de gás natural 22

Relatório de CNAEs do Regime de Estimativa por Operação e do Regime de Estimativa Simplificado (Carga Média)

Relatório de CNAEs do Regime de Estimativa por Operação e do Regime de Estimativa Simplificado (Carga Média) Relatório de CNAEs do Regime de Estimativa por Operação e do Regime de Estimativa Simplificado (Carga Média) 0111-3/01 Cultivo de arroz 0111-3/02 Cultivo de milho 0111-3/03 Cultivo de trigo 0111-3/99 Cultivo

Leia mais

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TECNOLOGICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO PIAUÍ ATIVIDADES ECONÔMICAS

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TECNOLOGICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO PIAUÍ ATIVIDADES ECONÔMICAS Página: 001 / 052 S ECONÔMICAS A 01 011 0111-3 0111-3/01 0111-3/02 0111-3/03 0111-3/99 0112-1 0112-1/01 0112-1/02 0112-1/99 0113-0 0113-0/00 0114-8 0114-8/00 0115-6 0115-6/00 0116-4 0116-4/01 0116-4/02

Leia mais

Quadro resumo CNAE 2.0 - subclasses

Quadro resumo CNAE 2.0 - subclasses Quadro resumo CNAE 2.0 - subclasses Seções CNAE 2.0 - subclasses Divisões Grupos Classes Subclasses (Fiscal) A - 01.. 03 - Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aqüicultura 3 12 34 122 B -

Leia mais

Setor produtivo G10 - Produtos Químicos/ Atividades Extrativas/ Insumos Agropecuários. Contém 1254300 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0133-4/01

Setor produtivo G10 - Produtos Químicos/ Atividades Extrativas/ Insumos Agropecuários. Contém 1254300 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0133-4/01 Setor produtivo G10 - Produtos Químicos/ Atividades Extrativas/ Insumos Agropecuários. Contém 1254300 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0133-4/01 Cultivo de açaí 0133-4/02 Cultivo de banana 0133-4/03

Leia mais

ANEXO V TABELA DE RECEITA IV TAXA DE FISCALIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO - TFF ATUALIZADA PARA O EXERCÍCIO DE 2014, CONFORME DEC. Nº 24.

ANEXO V TABELA DE RECEITA IV TAXA DE FISCALIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO - TFF ATUALIZADA PARA O EXERCÍCIO DE 2014, CONFORME DEC. Nº 24. ANEXO V TABELA DE RECEITA IV TAXA DE FISCALIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO - TFF ATUALIZADA PARA O EXERCÍCIO DE 2014, CONFORME DEC. Nº 24.712/2013 CLASSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES Seção Divisão Grupo Classe Subclasse

Leia mais

ANEXO V TABELA DE RECEITA IV TAXA DE FISCALIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO - TFF ATUALIZADA PARA O EXERCÍCIO DE 2015, CONFORME DEC. Nº 25.

ANEXO V TABELA DE RECEITA IV TAXA DE FISCALIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO - TFF ATUALIZADA PARA O EXERCÍCIO DE 2015, CONFORME DEC. Nº 25. ANEXO V TABELA DE RECEITA IV TAXA DE FISCALIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO - TFF ATUALIZADA PARA O EXERCÍCIO DE 2015, CONFORME DEC. Nº 25.746/2014 CLASSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES A AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO

Leia mais

Relação de (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) cujos contribuintes estão obrigados à Escrituração A partir desta competência, os contribuintes que iniciarem atividades ou que mudarem a atividade

Leia mais

Setor produtivo G05 - Construção Civil/ Cerâmica. Contém 1286246 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0810-0/02 Extração de granito e beneficiamento

Setor produtivo G05 - Construção Civil/ Cerâmica. Contém 1286246 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0810-0/02 Extração de granito e beneficiamento Setor produtivo G05 - Construção Civil/ Cerâmica. Contém 1286246 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0810-0/02 Extração de granito e beneficiamento associado 0810-0/03 Extração de mármore e beneficiamento

Leia mais

Coeficiente de Especializaçao dos Empregos na Industria Região Administrativa de Franca

Coeficiente de Especializaçao dos Empregos na Industria Região Administrativa de Franca Coeficiente de Especializaçao dos Empregos na Industria Região Administrativa de Franca Franca Total da Indústria NA NA Indústria Extrativa 0,157899 0,018606 Indústria de Transformação 99,842101 99,981394

Leia mais

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não especificados anteriormente 0116-4/99 Cultivo de outras

Leia mais

Setores obrigados a emitir Nota Fiscal Eletrônica

Setores obrigados a emitir Nota Fiscal Eletrônica Setores obrigados a emitir Nota Fiscal Eletrônica Setores obrigados a emitir NF-e em Abril/2010 (Inclui todos os setores já obrigados a emitir NF-e nas relações divulgadas anteriormente: Abril/2008, Dezembro/2008,

Leia mais

! Notas Explicativas (PROVISÓRIA - 4ª edição IBGE - Novembro/2006) Versão 2.0. 4ª Edição Provisória

! Notas Explicativas (PROVISÓRIA - 4ª edição IBGE - Novembro/2006) Versão 2.0. 4ª Edição Provisória "# Versão 2.0 4ª Edição Provisória NOVEMBRO/2006 A AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO FLORESTAL, PESCA E AQÜICULTURA...37 01 AGRICULTURA, PECUÁRIA E SERVIÇOS RELACIONADOS...37 01.1 PRODUÇÃO DE LAVOURAS TEMPORÁRIAS...37

Leia mais

Descrição CNAE FABRICACAO DE OLEOS VEGETAIS REFINADOS, EXCETO OLEO DE MILHO 1/4/2010

Descrição CNAE FABRICACAO DE OLEOS VEGETAIS REFINADOS, EXCETO OLEO DE MILHO 1/4/2010 Descrição CNAE Início da obrigatoriedade 0722701 EXTRACAO DE MINERIO DE ESTANHO 1/4/2010 0722702 BENEFICIAMENTO DE MINÉRIO DE ESTANHO 1/4/2010 1011201 FRIGORIFICO - ABATE DE BOVINOS 1/4/2010 1011202 FRIGORÍFICO

Leia mais

Tabela VI - Classificação Nacional de Atividades Econômicas CNAE

Tabela VI - Classificação Nacional de Atividades Econômicas CNAE Tabela VI - Classificação Nacional de Atividades Econômicas CNAE Para maiores informações acesse: www.simplesnacional.org CNAE DESCRIÇÃO AGRICULTURA, PECUÁRIA, SERVIÇOS RELACIONADOS 01.11-3/01 Cultivo

Leia mais

ANEXO 1 COMPOSIÇÃO DAS SEÇÕES DE ATIVIDADE DA CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS DOMICILIAR 2.0 - CNAE- DOMICILIAR 2.

ANEXO 1 COMPOSIÇÃO DAS SEÇÕES DE ATIVIDADE DA CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS DOMICILIAR 2.0 - CNAE- DOMICILIAR 2. ANEXO 1 COMPOSIÇÃO DAS SEÇÕES DE ATIVIDADE DA CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS DOMICILIAR 2.0 - CNAE- DOMICILIAR 2.0 AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO FLORESTAL, PESCA E AQUICULTURA AGRICULTURA,

Leia mais

ANEXO V RELAÇÃO DE ATIVIDADES PREPONDERANTES E CORRESPONDENTES GRAUS DE RISCO (CONFORME A CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS)

ANEXO V RELAÇÃO DE ATIVIDADES PREPONDERANTES E CORRESPONDENTES GRAUS DE RISCO (CONFORME A CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS) ANEXO V RELAÇÃO DE ATIVIDADES PREPONDERANTES E CORRESPONDENTES GRAUS DE RISCO (CONFORME A CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS) CNAE.0 0111-/01 Cultivo de arroz 0111-/0 Cultivo de milho 0111-/0

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EMISSÕES ATMOSFÉRICAS PLANTAÇÃO/VEGETAÇÃO NATIVA IBAMA, 2014 Guia de Preenchimento

Leia mais

Tabela de Correspondência CNAE-Fiscal 1.1 x CNAE 2.0 e subclasses

Tabela de Correspondência CNAE-Fiscal 1.1 x CNAE 2.0 e subclasses Tabela de Correspondência A A A A 01 01 01 01 01 CNAE-Fiscal 1.1 (versão atual) CNAE 2.0 e subclasses (D.O.U. 05/09/2006) código código AGRICULTURA, PECUÁRIA, SILVICULTURA E EXPLORAÇÃO FLORESTAL AGRICULTURA,

Leia mais

DECRETO N 28.745, DE 06 DE JUNHO DE 2007

DECRETO N 28.745, DE 06 DE JUNHO DE 2007 DECRETO N 28.745, DE 06 DE JUNHO DE 2007 * Publicado no DOE em 08/06/2007. Altera o Decreto n.º 24.569, de 31 de julho de 1997, com suas alterações, que consolida e regulamenta a legislação do ICMS, e

Leia mais

RAT - Risco Acidente do Trabalho

RAT - Risco Acidente do Trabalho RAT - Risco Acidente do Trabalho Tabela do RAT - Risco Acidente do Trabalho, conforme Anexo V do Decreto nº.048/99 - Regulamento da Previdência Social, conforme redação dada pelo Decreto nº 6.957/009,

Leia mais

Tabela de Correspondência dos Códigos CNAE/TFE

Tabela de Correspondência dos Códigos CNAE/TFE TFE (TAXA DE FISCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS) Tabela de Correspondência dos Códigos CNAE/TFE Anexo da Instrução Normativa SF/Surem 09/2010, que substitui o Anexo 2 da Portaria SF 05/2003 e revoga o Anexo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CPRH Nº 005/2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA CPRH Nº 005/2012 INSTRUÇÃO NORATIVA CRH Nº 005/2012 Disciplina o Enquadramento para Licenciamento Ambiental na CRH das Indústrias quanto ao otencial Degradador previsto no item 1.1 da Tabela 1 do Anexo I, da Lei Estadual

Leia mais

FAP - Fator Acidentário de Prevenção - Vigência a Partir de 1º.01.2010

FAP - Fator Acidentário de Prevenção - Vigência a Partir de 1º.01.2010 FAP - Fator Acidentário de Prevenção - Vigência a Partir de º.0.00 Nota: Em virtude de atualização, esta matéria substitui a publicada no Contadez Boletim nº 4/008 - Fator Acidentário de Prevenção - FAP

Leia mais

ANEXO II Autorização para geração da NFS-e a partir de 05/01/2015. Descrição do Código CNAE 2.0

ANEXO II Autorização para geração da NFS-e a partir de 05/01/2015. Descrição do Código CNAE 2.0 6201-5/00 Desenvolvimento de programas de computador sob encomenda 01.01 6201-5/00 Desenvolvimento de programas de computador sob encomenda 01.02 6190-6/01 Provedores de acesso às redes de comunicações

Leia mais

ANEXO III LICENÇA NORMAL, ANUAL, DE LOCALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO

ANEXO III LICENÇA NORMAL, ANUAL, DE LOCALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO CNAE 2.0 ANEXO III LICENÇA NORMAL, ANUAL, DE LOCALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE Taxa de licença R$ A AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO FLORESTAL, PESCA E AQÜICULTURA A0111301 Cultivo de arroz

Leia mais

2.2 Estrutura detalhada CNAE 2.0 - seções, divisões, grupos, classes e subclasses*

2.2 Estrutura detalhada CNAE 2.0 - seções, divisões, grupos, classes e subclasses* 2.2 Estrutura detalhada CNAE 2.0 - seções, divisões, grupos, classes e subclasses* Estrutura detalhada AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO FLORESTAL, PESCA E A AQÜICULTURA 01 AGRICULTURA, PECUÁRIA E SERVIÇOS

Leia mais

TABELA DE RISCOS DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS - CNAE 2.0 Seção Divisão Grupo Classe Subclasse Denominação Risco A

TABELA DE RISCOS DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS - CNAE 2.0 Seção Divisão Grupo Classe Subclasse Denominação Risco A TABELA DE RISCOS DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS - CNAE 2.0 Seção Divisão Grupo Classe Subclasse Denominação Risco A AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO FLORESTAL, PESCA E AQÜICULTURA 01 AGRICULTURA, PECUÁRIA E

Leia mais

DECRETO Nº 45.630, DE 7 DE JULHO DE 2011 (MG de 08/07/2011) Altera o Regulamento do ICMS aprovado pelo Decreto nº 43.080, de 13 de dezembro de 2002.

DECRETO Nº 45.630, DE 7 DE JULHO DE 2011 (MG de 08/07/2011) Altera o Regulamento do ICMS aprovado pelo Decreto nº 43.080, de 13 de dezembro de 2002. DECRETO Nº 45.630, DE 7 DE JULHO DE 2011 (MG de 08/07/2011) Altera o Regulamento do ICMS aprovado pelo Decreto nº 43.080, de 13 de dezembro de 2002. O GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS, no uso de atribuição

Leia mais

Setor produtivo G07 - Gráfica e Edição Visual/ Papel, Papelão e Cortiça. Contém 953505 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0121-1/01 Horticultura,

Setor produtivo G07 - Gráfica e Edição Visual/ Papel, Papelão e Cortiça. Contém 953505 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0121-1/01 Horticultura, Setor produtivo G07 - Gráfica e Edição Visual/ Papel, Papelão e Cortiça. Contém 953505 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0121-1/01 Horticultura, exceto morango 0122-9/00 Cultivo de flores e plantas

Leia mais

OBRIGATORIEDADE DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA

OBRIGATORIEDADE DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA OBRIGATORIEDADE DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA 1. Segmentos obrigados à utilização da NF-e em 1º de abril de 2010: Frigorífico abate de bovinos Frigorífico abate de ovinos e caprinos Frigorífico abate de bufalinos

Leia mais

Inovações organizacionais e de marketing

Inovações organizacionais e de marketing e de marketing Pesquisa de Inovação 2011 Tabela 1.1.22 -, total e as que não implementaram produto ou processo e sem projetos, com indicação das inovações e gás - Brasil - período 2009-2011 (continua)

Leia mais

CNAE 7 DESCRIÇÃO DO CNAE. CID s relacionados para este CNAE. S49 0133-4/11 Cultivo de pêssego M00-M25 / M40-M54 / S20-S29 / S30-S39 / S40- S49

CNAE 7 DESCRIÇÃO DO CNAE. CID s relacionados para este CNAE. S49 0133-4/11 Cultivo de pêssego M00-M25 / M40-M54 / S20-S29 / S30-S39 / S40- S49 Na tabela a seguir estão os CID Código Internacional de Doenças, de doenças correlacionadas com os CNAE das empresas, para os quais poderá ocorrer enquadramento no NTEP Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário,

Leia mais

Setor produtivo G02 - Automotivo/ Máquinas e Equipamentos/ Elétrico-Eletrônico. Contém 1269629 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0113-0/00 Cultivo

Setor produtivo G02 - Automotivo/ Máquinas e Equipamentos/ Elétrico-Eletrônico. Contém 1269629 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0113-0/00 Cultivo Setor produtivo G02 - Automotivo/ Máquinas e Equipamentos/ Elétrico-Eletrônico. Contém 1269629 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0113-0/00 Cultivo de cana-de-açúcar 0115-6/00 Cultivo de soja 0724-3/01

Leia mais

ANEXO I EXERCÍCIO 2010. 0111-2/99 Cultivo de outros cereais para grãos R$ 77,80

ANEXO I EXERCÍCIO 2010. 0111-2/99 Cultivo de outros cereais para grãos R$ 77,80 ANEXO I 0111-3/01 Cultivo de arroz 0111-2/01 0111-3/02 Cultivo de milho 0111-2/02 0111-3/03 Cultivo de trigo 0111-2/03 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não especificados EXERCÍCIO CNAE 2.0 - subclasses

Leia mais

1020101 PRESERVACAO DE PEIXES, CRUSTACEOS E MOLUSCOS 1/10/2010 1020102 FABRICACAO DE CONSERVAS DE PEIXES, CRUSTACEOS E MOLUSCOS 1/10/2010 1032501

1020101 PRESERVACAO DE PEIXES, CRUSTACEOS E MOLUSCOS 1/10/2010 1020102 FABRICACAO DE CONSERVAS DE PEIXES, CRUSTACEOS E MOLUSCOS 1/10/2010 1032501 Para pesquisar se o seu CNAE está incluido neste documento use o macnismo de busca do Acrobat Reader (pesquisa, localizar ou find) que está logo acima deste texto. Verifique a inclusão de sua empresa e

Leia mais

ANEXO V RELAÇÃO DE ATIVIDADES PREPONDERANTES E CORRESPONDENTES GRAUS DE RISCO (CONFORME A CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS)

ANEXO V RELAÇÃO DE ATIVIDADES PREPONDERANTES E CORRESPONDENTES GRAUS DE RISCO (CONFORME A CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS) ANEXO V RELAÇÃO DE ATIVIDADES PREPONDERANTES E CORRESPONDENTES GRAUS DE RISCO (CONFORME A CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS) CNAE 7 DESCRIÇÃO %NOVO CID 0111-3/01 Cultivo de arroz I10-I15

Leia mais

ANEXO 1 Regras aplicáveis aos modelos de documentos fiscais

ANEXO 1 Regras aplicáveis aos modelos de documentos fiscais Padrão Mínimo Tipo de Impresso Emissão Operação Série Subsérie Nota Fiscal, modelo 1 Bloco Manual *, 1 a N 4 3 Nota Fiscal, modelo 1 Jogo Solto Mecanizado *, 1 a N 4 3 Nota Fiscal, modelo 1 Jogo Solto

Leia mais

Obrigatoriedade para 2010

Obrigatoriedade para 2010 Obrigatoriedade para 2010 Deverão, obrigatoriamente, emitir Nota Fiscal Eletrônica NF-e, modelo 55, em substituição à Nota Fiscal, modelo 1ou 1-A, os contribuintes que, não abrangidos pelas obrigatoriedades

Leia mais

0111-2/99 0119-8/99 * 0119-8/99 *

0111-2/99 0119-8/99 * 0119-8/99 * 4.1 Correspondência entre as Subclasses CNAE 2.0 e a CNAE-Fiscal 1.1 A tabela de correspondência, a seguir, indica, para cada subclasse da CNAE 2.0, o correspondente código (ou códigos) na estrutura da

Leia mais

Tabela de Correspondência CNAE 2.0 x CNAE 1.0

Tabela de Correspondência CNAE 2.0 x CNAE 1.0 Tabela de Correspondência CNAE 2.0 x CNAE 1.0 CNAE 2.0 x CNAE 1.0 CNAE 2.0 CNAE 1.0 (D.O.U. 05/09/2006) (versão atual) Observações () 01.11-3 Cultivo de cereais 01.11-2 Cultivo de cereais para grãos 01.12-1

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998

RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998 RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998 Dispõe sobre as empresas industriais enquadráveis nos Artigos 59 e 60 da Lei n.º 5.194/66. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA, no uso das

Leia mais

Formulário de Resíduos Sólidos

Formulário de Resíduos Sólidos Quem deve preencher este formulário? Geradores de resíduos sólidos, perigosos ou não, que realizem atividades relacionadas no Anexo I da Instrução Normativa Ibama nº 13/12, disponível no link abaixo (também

Leia mais

INSCRIÇÃO ESTADUAL CNAE FISCAL DESCRIÇAO

INSCRIÇÃO ESTADUAL CNAE FISCAL DESCRIÇAO 0111-3/01 Cultivo de arroz 0111-3/02 Cultivo de milho 0111-3/03 Cultivo de trigo 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não especificados anteriormente 0112-1/01 Cultivo de algodão herbáceo 0112-1/02 Cultivo

Leia mais

Tabela RAT - Risco Acidente do Trabalho

Tabela RAT - Risco Acidente do Trabalho Tabela RAT - Risco Acidente do Trabalho RELAÇÃO DE ATIVIDADES PREPONDERANTES E CORRESPONDENTES GRAUS DE RISCO (CONFORME A CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS) CNAE 2.0 Descrição 0111-3/01 Cultivo

Leia mais

TABELA 1 RESI D4 (?) ICM S³ (?) ISS² (?) SEQ SUBCLASSE CNAE 2.0 DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES¹

TABELA 1 RESI D4 (?) ICM S³ (?) ISS² (?) SEQ SUBCLASSE CNAE 2.0 DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES¹ TABELA 1 SEQ SUBCLASSE CNAE 2.0 DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES¹ 1 0161-0/02 Serviço de poda de árvores para lavouras 2 0161-0/03 Serviço de preparação de terreno, cultivo e colheita 3 0162-8/02 Serviço de tosquiamento

Leia mais

Tabela do Simples Nacional Completa

Tabela do Simples Nacional Completa (http://www.contabilizei.com.br) Início (https://www.contabilizei.com.br/contabilidade online) Tabela do Simples Nacional Completa Confira as Atividades, CNAE e alíquotas das atividades permitidas no Simples

Leia mais

Perfil Econômico Municipal

Perfil Econômico Municipal indústria Extração de carvão mineral Extração de petróleo e gás natural Extração de minerais metálicos Extração de minerais não-metálicos Fabricação de alimentos e bebidas Fabricação de produtos do fumo

Leia mais

CNAE FISCAL 2.2. Inscrição Obrigatória se a resposta à pergunta for SIM DESCRIÇAO. Obrigatória?

CNAE FISCAL 2.2. Inscrição Obrigatória se a resposta à pergunta for SIM DESCRIÇAO. Obrigatória? Esta tabela não se aplica para o MEI - Microempreendedor Individual. Para o MEI se aplica o Anexo XIII da Resolução CGSN nº 94, de 29 de novembro de 2011. INSCRIÇÃO ESTADUAL 0111-3/01 Cultivo de arroz

Leia mais

ANEXO V RELAÇÃO DE ATIVIDADES PREPONDERANTES E CORRESPONDENTES GRAUS DE RISCO

ANEXO V RELAÇÃO DE ATIVIDADES PREPONDERANTES E CORRESPONDENTES GRAUS DE RISCO ANEXO V RELAÇÃO DE ATIVIDADES PREPONDERANTES E CORRESPONDENTES GRAUS DE RISCO (CONFORME A CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS) (Alterado pelo DECRETO Nº 6.957, DE 9 DE SETEMBRO DE 009 DOU DE

Leia mais

CÓDIGOS FPAS. GILRAT FG a CNAE

CÓDIGOS FPAS. GILRAT FG a CNAE CÓDIGOS 0500-3/01 2,00% 3,00% 507 Extração de carvão mineral 0500-3/02 2,00% 3,00% 507 Beneficiamento de carvão mineral 0600-0/01 2,00% 3,00% 507 Extração de petróleo e gás natural 0600-0/02 2,00% 3,00%

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

Tabela do Custeio do RAT e Códigos FPAS Redação dada pela Instrução Normativa nº 1.071, de 15 de Setembro de 2010

Tabela do Custeio do RAT e Códigos FPAS Redação dada pela Instrução Normativa nº 1.071, de 15 de Setembro de 2010 Tabela do Custeio do RAT e Códigos FPAS Redação dada pela Instrução Normativa nº 1.071, de 15 de Setembro de 2010 Relação de atividades preponderantes e correspondentes graus de risco (conforme a classificação

Leia mais

TABELA DE ENQUADRAMENTO DE ATIVIDADES

TABELA DE ENQUADRAMENTO DE ATIVIDADES TABELA DE ENQUADRAMENTO DE ATIVIDADES CÓDIGO CNAE 2.0 ATIVIDADE USO TIPO 0111-3/01 Cultivo de arroz AGRÍCOLA - 0111-3/02 Cultivo de milho AGRÍCOLA - 0111-3/03 Cultivo de trigo AGRÍCOLA - 0111-3/99 Cultivo

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul O emprego formal na Indústria sul-mato-grossense encerrou mais um mês com redução liquida de postos de trabalho. Em maio, o conjunto das

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) CERTIFICADOS AMBIENTAIS VERSÃO 2 IBAMA JANEIRO, 2015 Certificados ambientais 2

Leia mais

Página 1 de 111 Versão 1.0

Página 1 de 111 Versão 1.0 89320002 BENEFICIAMENTO DE GEMAS SIM 14.05 SIM Local do Prestador NÃO 89910101 EXTRAÇÃO DE GRAFITA NÃO NÃO NÃO 89910102 BENEFICIAMENTO DE GRAFITA SIM 14.05 SIM Local do Prestador NÃO 89910201 EXTRAÇÃO

Leia mais

Listagem dos grupos de atividades industriais: Ind-1a, Ind-1b, Ind-2 e Ind-3 I. Grupo de atividades: Ind-1a - Usos industriais compatíveis

Listagem dos grupos de atividades industriais: Ind-1a, Ind-1b, Ind-2 e Ind-3 I. Grupo de atividades: Ind-1a - Usos industriais compatíveis Quadro nº 04 Anexo ao Decreto nº 45.817, de 4 de abril de 2005 RETORNAR Listagem dos grupos de atividades industriais: Ind-1a, Ind-1b, Ind-2 e Ind-3 I. Grupo de atividades: Ind-1a - Usos industriais compatíveis

Leia mais

ANEXO V (Redação dada pelo Decreto nº 6.957, de 2009)

ANEXO V (Redação dada pelo Decreto nº 6.957, de 2009) ANEXO V (Redação dada pelo Decreto nº 6.957, de 009) RELAÇÃO DE ATIVIDADES PREPONDERANTES E CORRESPONDENTES GRAUS DE RISCO (CONFORME A CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS) CNAE.0 Descrição

Leia mais

CNAE-Domiciliar e correspondência com a CNAE e PNAD. CNAE-Domiciliar - correspondências CNAE e PNAD/CD91

CNAE-Domiciliar e correspondência com a CNAE e PNAD. CNAE-Domiciliar - correspondências CNAE e PNAD/CD91 CNAE-Domiciliar - correspondências CNAE e PNAD/CD91 CÓDIGOS DENOMINAÇÕES CNAE CLASSIFICAÇÕES PNAD/CD91 01101 Cultivo de arroz *0111 013 01102 Cultivo de milho *0111 020 01103 Cultivo de outros cereais

Leia mais

ANEXO I ANEXO II. DECRETO Nº 25.853 de 06 de março de 2015 SALVADOR-BAHIA SÁBADO A SEGUNDA-FEIRA 07 A 09 DE MARÇO DE 2015 ANO XXVIII N º 6.

ANEXO I ANEXO II. DECRETO Nº 25.853 de 06 de março de 2015 SALVADOR-BAHIA SÁBADO A SEGUNDA-FEIRA 07 A 09 DE MARÇO DE 2015 ANO XXVIII N º 6. 6 ocorrerá na data prevista para o vencimento da cota única e o das demais, no dia 5 (cinco) ou no dia escolhido pelo contribuinte, conforme o caso, dos meses de março até dezembro do exercício. Art. 8º

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTO FISCAL n 041/2009 (Consolidada com as alterações das NPFs n. 085/2009 e 058/2011)

NORMA DE PROCEDIMENTO FISCAL n 041/2009 (Consolidada com as alterações das NPFs n. 085/2009 e 058/2011) NPF 041/2009 p. 1 de 10 NORMA DE PROCEDIMENTO FISCAL n 041/2009 (Consolidada com as alterações das NPFs n. 085/2009 e 058/2011) SÚMULA Dispõe sobre a utilização de Nota Fiscal eletrônica NF-e por contribuintes

Leia mais

NR 4 - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO

NR 4 - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO NR 4 - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO Publicação D.O.U. Portaria GM n.º.4, de 08 de junho de 978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria SSMT n.º,

Leia mais

DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA NF-e

DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA NF-e ANEXO 11 OBRIGAÇÕES FISCAIS ACESSÓRIAS EM MEIO ELETRÔNICO DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA NF-e A utilização da NF-e será obrigatória: Ficam obrigados a emitir Nota Fiscal Eletrônica NF-e, modelo 55, em substituição

Leia mais

NR 4 - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78

NR 4 - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 NR 4 - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO Publicação D.O.U. Portaria GM n.º.4, de 08 de junho de 978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria SSMT n.º,

Leia mais

2.2 Estrutura detalhada CNAE 2.0 - seções, divisões, grupos e classes *

2.2 Estrutura detalhada CNAE 2.0 - seções, divisões, grupos e classes * 2.2 Estrutura detalhada - seções, divisões, grupos e classes * código A AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO FLORESTAL, PESCA E AQÜICULTURA 01 AGRICULTURA, PECUÁRIA E SERVIÇOS RELACIONADOS 01.1 Produção de

Leia mais

ANEXO I ATIVIDADES PERMITIDAS AO MEI DISPENSADAS DA LICENÇA DE FUNCIONAMENTO;

ANEXO I ATIVIDADES PERMITIDAS AO MEI DISPENSADAS DA LICENÇA DE FUNCIONAMENTO; ANEXO I ATIVIDADES PERMITIDAS AO MEI DISPENSADAS DA LICENÇA DE FUNCIONAMENTO; Subclasse CNAE 2.0 Denominação 0161-0/02 Serviço de poda de árvores para lavouras 0161-0/03 Serviço de preparação de terreno,

Leia mais

ANEXO III. códigos CNAE correspondentes à descrição do Anexo VIII da Lei 10.165

ANEXO III. códigos CNAE correspondentes à descrição do Anexo VIII da Lei 10.165 ANEXO III CORRELAÇÃO INDICATIVA ENTRE O CADASTRO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONOMICAS E AS CATEGORIAS DO CADASTRO TÉCNICO FEDERAL DE ATIVIDADES POTENCIAMENTE POLUIDORAS E/OU UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS

Leia mais

ANEXO XV. Código Nacional de Atividades Econômicas CNAE a que se refere o art. 493, 1 o (Ajuste SINIEF 02/99)

ANEXO XV. Código Nacional de Atividades Econômicas CNAE a que se refere o art. 493, 1 o (Ajuste SINIEF 02/99) ANEXO XV REVOGADO (Redação dada pelo Decreto 2.912/06 de 29.12.06) Regulamento do ICMS ANEXO XV Código Nacional de Atividades Econômicas CNAE a que se refere o art. 493, 1 o (Ajuste SINIEF 02/99) ESTRUTURA

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EFLUENTES LÍQUIDOS VERSÃO 2 IBAMA JANEIRO, 2015 Efluentes Líquidos 2 Índice Quem

Leia mais

ATIVIDADES PERMITIDAS EM ESCRITÓRIO VIRTUAL

ATIVIDADES PERMITIDAS EM ESCRITÓRIO VIRTUAL 3011-3/01 Construção de embarcações de grande porte 3250-7/06 Serviços de prótese dentária 3311-2/00 Manutenção e reparação de tanques, reservatórios metálicos e caldeiras, exceto para veículos 3312-1/01

Leia mais

III - independentemente da atividade econômica exercida, a partir de 1º de dezembro de 2010, realizarem operações destinadas a:

III - independentemente da atividade econômica exercida, a partir de 1º de dezembro de 2010, realizarem operações destinadas a: Portaria CAT nº 173, de 01.09.2009 - DOE SP de 02.09.2009 Altera a Portaria CAT nº 162/2008, de 29.12.2008, que dispõe sobre a emissão da Nota Fiscal Eletrônica - NF-e e do Documento Auxiliar da Nota Fiscal

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3, DE 29 DE MAIO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 3, DE 29 DE MAIO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 3, DE 29 DE MAIO DE 2012 (publicada no Diário Oficial da União de 31 de maio de 2012, nº105, sessão1, páginas 91 e 92) Expede a LISTA DE RAMOS DE ATIVIDADES EMPRESARIAIS para fins de aplicação

Leia mais

CNAE CNAE-FISCAL DENOMINAÇÃO

CNAE CNAE-FISCAL DENOMINAÇÃO A AGRICULTURA, PECUÁRIA, CAÇA, SILVICULTURA E EXPLORAÇÃO FLORESTAL 01 AGRICULTURA, PECUÁRIA E SERVIÇOS RELACIONADOS COM ESSAS ATIVIDADES 011 PRODUÇÃO DE LAVOURAS TEMPORÁRIAS 0111-2 Cultivo de cereais para

Leia mais

QUADRO I Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE (Versão 2.0)

QUADRO I Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE (Versão 2.0) QUADRO I (Alterado pela Portaria SIT n.º 76, de 1 de novembro de 008) Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE (Versão.0)*, com correspondente Grau de Risco - GR para fins de dimensionamento

Leia mais

Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE, com correspondente agrupamento para dimensionamento de CIPA.

Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE, com correspondente agrupamento para dimensionamento de CIPA. Página 1 de 14 Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE, com correspondente agrupamento para dimensionamento de CIPA NR 5 Anexo III Descrição da Atividade Grupo Extração de carvão

Leia mais

a) nos casos de auxílio-doença, com base no tempo de afastamento do trabalhador, em meses e fração de mês; e

a) nos casos de auxílio-doença, com base no tempo de afastamento do trabalhador, em meses e fração de mês; e Decreto 6957/09 Decreto Nº 6.957, de 9 de setembro de 009 Altera o Regulamento da Previdência Social, aprovado pelo Decreto no.048, de 6 de maio de 1999, no tocante à aplicação, acompanhamento e avaliação

Leia mais

ANEXO 8B - TIPO DE ATIVIDADES INDUSTRIAIS CLASSIFICADAS POR POTENCIAL POLUIDOR Para atividades não listadas ver classificiação da FEPAM.

ANEXO 8B - TIPO DE ATIVIDADES INDUSTRIAIS CLASSIFICADAS POR POTENCIAL POLUIDOR Para atividades não listadas ver classificiação da FEPAM. INDUSTRIA DE MINERAIS NAO-METÁLICOS Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos, com Tingimento Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos, sem Tingimento Beneficiamento

Leia mais

CÓDIGO DE ATIVIDADE - PESQUISA PADRÕES DE VIDA -1996-1997. A relação dos Códigos de Atividade refere-se as seguintes seções:

CÓDIGO DE ATIVIDADE - PESQUISA PADRÕES DE VIDA -1996-1997. A relação dos Códigos de Atividade refere-se as seguintes seções: DE ATIVIDADE - PESQUISA PADRÕES DE VIDA -1996-1997 A relação dos Códigos de Atividade refere-se as seguintes seções: Seção 06 - Atividade Econômica Parte B: Trabalho Principal nos últimos 7 dias - Quesito

Leia mais

ANEXO 03 Atividades Industriais

ANEXO 03 Atividades Industriais ANEXO 03 Atividades Industriais ATIVIDADE INDUSTRIAL INDUSTRIA DE MINERAIS NAO-METALICOS Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos, sem Tingimento e com Britagem

Leia mais

156 - FABRICAÇÃO E REFINO DE AÇUCAR 157 - TORREFAÇÃO E MOAGEM DE CAFÉ 158 - FABRICAÇÃO DE OUTROS PRODUTOS ALIMENTÍCIOS 159 - FABRICAÇÃO DE BEBIDAS

156 - FABRICAÇÃO E REFINO DE AÇUCAR 157 - TORREFAÇÃO E MOAGEM DE CAFÉ 158 - FABRICAÇÃO DE OUTROS PRODUTOS ALIMENTÍCIOS 159 - FABRICAÇÃO DE BEBIDAS 011 - AGRICULTURA, PECUÁRIA, SILVICULTURA E EXPLORAÇÃO FLORESTAL 012 - HORTICULTURA E PRODUTOS DE VIVEIRO 013 - PRODUÇÃO DE LAVOURAS PERMANENTES 014 PECUÁRIA 016 - ATIVIDADES DE SERVIÇOS RELACIONADOS COM

Leia mais

156 - FABRICAÇÃO E REFINO DE AÇUCAR 157 - TORREFAÇÃO E MOAGEM DE CAFÉ 158 - FABRICAÇÃO DE OUTROS PRODUTOS ALIMENTÍCIOS 159 - FABRICAÇÃO DE BEBIDAS

156 - FABRICAÇÃO E REFINO DE AÇUCAR 157 - TORREFAÇÃO E MOAGEM DE CAFÉ 158 - FABRICAÇÃO DE OUTROS PRODUTOS ALIMENTÍCIOS 159 - FABRICAÇÃO DE BEBIDAS 011 - AGRICULTURA, PECUÁRIA, SILVICULTURA E EXPLORAÇÃO FLORESTAL 012 - HORTICULTURA E PRODUTOS DE VIVEIRO 013 - PRODUÇÃO DE LAVOURAS PERMANENTES 014 PECUÁRIA 016 - ATIVIDADES DE SERVIÇOS RELACIONADOS COM

Leia mais

Quinta-feira, 17 de Outubro de 2013 Edição n 1165

Quinta-feira, 17 de Outubro de 2013 Edição n 1165 ANEXO ÚNICO DA LEI MUNICIPAL Nº 1.501 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013 3011-3/01 Construção de embarcações de grande porte 3311- Manutenção e reparação de tanques, reservatórios metálicos e caldeiras, 2/00 exceto

Leia mais

2. Desenvolvam atividade de comércio atacadista ou de distribuição. 3. Pratiquem saídas de mercadorias com destino a outra unidade da Federação

2. Desenvolvam atividade de comércio atacadista ou de distribuição. 3. Pratiquem saídas de mercadorias com destino a outra unidade da Federação Nota Fiscal Eletrônica NF-e O Protocolo ICMS 42/09 objetiva escalonar a ampliação da obrigatoriedade de uso da NFe de forma que, até o final de 2010, estejam alcançados por esta obrigatoriedade todos os

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Comprovante de Inscrição e de Situação Cadastral Contribuinte, Confira os dados de Identificação da Pessoa Jurídica e, se houver qualquer divergência, providencie junto à RFB a sua atualização cadastral.

Leia mais

ANEXO V AO DECRETO N o 22.831. Não permitidas para Licenças Provisórias

ANEXO V AO DECRETO N o 22.831. Não permitidas para Licenças Provisórias ANEXO V AO DECRETO N o 22.831 Atividades de Alto Risco Não permitidas para Licenças Provisórias CNAE DESCRIÇÃO 0159-8/02 Criação de animais de estimação 0159-8/99 Criação de outros animais não especificados

Leia mais

LEI Nº 2.778, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 4.010

LEI Nº 2.778, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 4.010 LEI Nº 2.778, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 4.010 Institui o Cadastro Técnico Estadual de Atividades Potencialmente Poluidoras ou Utilizadoras de Recursos Ambientais - CTE e

Leia mais

RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014*

RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014* RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014* Estabelece parâmetros para o Licenciamento Ambiental das atividades de comércio atacadista e de confecção e fabricação de produtos têxteis. O SECRETÁRIO

Leia mais

ANEXO VIII CÓDIGO DE ATIVIDADE ECONÔMICA (A que se refere o artigo 133 deste regulamento)

ANEXO VIII CÓDIGO DE ATIVIDADE ECONÔMICA (A que se refere o artigo 133 deste regulamento) 238 Classificação Nacional de Atividades Econômicas - Fiscal - CNAE Fiscal (Nova Redação dada pelo Decreto 9158, de 24.07.2000, com efeitos a partir de 1º de agosto de 2000) Seção AGRICULTURA, PECUÁRIA,

Leia mais

Atos. Executivo, oriundo da Mensagem 0034/2009 que DISPÕE SOBRE A ALTERAÇÃO DA TAXA DE. Seção III Do Alvará Precário

Atos. Executivo, oriundo da Mensagem 0034/2009 que DISPÕE SOBRE A ALTERAÇÃO DA TAXA DE. Seção III Do Alvará Precário 23 Veículo Oficial de publicação dos atos oficiais do Município Edição Especial nº 31 Dezembro Poder Executivo Atos Art. 122-B. A licença ou a autorização de localização de estabelecimento de qualquer

Leia mais

COMÉRCIO; REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS 45 COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS

COMÉRCIO; REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS 45 COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS Código CNAE 2.0 Seção Divisão Grupo Classe Subclasse G Denominação COMÉRCIO; REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS 45 COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS 45.1 Comércio

Leia mais

PROTOCOLO ICMS 42, DE 3 DE JULHO DE 2009

PROTOCOLO ICMS 42, DE 3 DE JULHO DE 2009 Page 1 of 29 PROTOCOLO ICMS 42, DE 3 DE JULHO DE 2009 Publicado no DOU de 15.07.09, pelo Despacho 189/09. Retificado no DOU de 24.07.09, substituindo o Anexo. Estabelece a obrigatoriedade da utilização

Leia mais

LC nº 16/2005 TABELA I USOS COMERCIAIS

LC nº 16/2005 TABELA I USOS COMERCIAIS LC nº 16/2005 TABELA I USOS COMERCIAIS COM. VICINAL 1 OBS. 1 COM. DE BAIRRO OBS. 2 GRUPO A OBS. 3 GRUPO B GRUPO C COM. SETORIAL OBS. 4 e 5 COM. GERAL OBS. 5 GERAL 1 GERAL 2 GRUPO A COM. ESPECÍFICO OBS.

Leia mais

ANEXO IV DO DECRETO Nº 21.379, DE 06 DE NOVEMBRO DE 2009 ANEXO 167 DO RICMS (Art. 425-X) ANEXO ÚNICO (Prot. ICMS 42/09)

ANEXO IV DO DECRETO Nº 21.379, DE 06 DE NOVEMBRO DE 2009 ANEXO 167 DO RICMS (Art. 425-X) ANEXO ÚNICO (Prot. ICMS 42/09) ANEXO IV DO DECRETO Nº 21.379, DE 06 DE NOVEMBRO DE 2009 ANEXO 167 DO RICMS (Art. 425-X) ANEXO ÚNICO (Prot. ICMS 42/09) (Atualizado até o Decreto nº 21.787/2010-Prot. ICMS 82/10) Relação de códigos CNAE

Leia mais

ATIVIDADES IMPEDIDAS, PERMITIDAS E SEUS ANEXOS

ATIVIDADES IMPEDIDAS, PERMITIDAS E SEUS ANEXOS ATVDADES MPEDDAS, PERMTDAS E SEUS S 1 - Estrutura detalhada CNAE 2.0 - Subclasses Conforme previsto na lei complementar nº 123 de 2006, a pessoa jurídica enquadrada no Simples Nacional, deve considerar

Leia mais

Cultivo de outros produtos de lavoura temporária, não especificados 0119-8/99 58,15

Cultivo de outros produtos de lavoura temporária, não especificados 0119-8/99 58,15 DENOMINAÇÃO CNAE VALOR AGRICULTURA, PECUÁRIA, SILVICULTURA E EXPLORAÇÃO FLORESTAL AGRICULTURA, PECUÁRIA E SERVIÇOS RELACIONADOS COM ESSAS ATIVIDADES PRODUÇÃO DE LAVOURAS TEMPORÁRIAS Cultivo de cereais

Leia mais

Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 3837, DE 01 DE AGOSTO DE 2013.

Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 3837, DE 01 DE AGOSTO DE 2013. 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 3837, DE 01 DE AGOSTO DE 2013. Dispõe sobre normas para emissão de Alvará de Funcionamento pela Internet e regulamentação da classificação das atividades econômicas como

Leia mais