CLASSIFICAÇÃO PORTUGUESA DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS (CAE REV. 3) ATIVIDADES OU TRABALHOS DE RISCO ELEVADO INTEGRADOS NOS SETORES DE ATIVIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CLASSIFICAÇÃO PORTUGUESA DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS (CAE REV. 3) ATIVIDADES OU TRABALHOS DE RISCO ELEVADO INTEGRADOS NOS SETORES DE ATIVIDADE"

Transcrição

1 S OU TRABALHOS DE RISCO ELEVADO (Artigo 79.º da Lei 102/2009, de 10 de Setembro) CLASSIFICAÇÃO PORTUGUESA DAS S ECONÓMICAS GRUPO CLASSE SUBCLASSE SETORES DE Culturas temporárias Culturas permanentes Cultura de materiais de propagação vegetativa Produção animal Agricultura e produção animal combinadas S OU TRABALHOS DE RISCO para a para a para a agentes Actividades dos serviços relacionados com a produção animal, excepto serviços de veterinária Pesca Extracção de hulha (inclui antracite) Extracção de lenhite Extracção de petróleo bruto agentes agentes Extracção de gás natural B 1

2 CLASSIFICAÇÃO PORTUGUESA DAS S ECONÓMICAS GRUPO CLASSE SUBCLASSE SETORES DE S OU TRABALHOS DE RISCO Extracção e preparação de minérios de ferro Extracção e preparação de minérios metálicos não ferrosos Extracção de pedra, areia e argila Trabalhos que envolvam a exposição a sílica Industrias extractivas, n.e. Abate de animais, preparação e conservação de carne e de produtos à base de carne m) Acabamento de têxteis-branqueamento e tingimento para a Curtimenta e acabamento de peles sem pêlo e com pêlo para a Indústria de calçado Serração, aplainamento e impregnação da madeira para a para a Fabricação de folheados à base de madeira Fabricação de outras obras de madeira, de cestaria e espartaria; indústria da cortiça Fabricação de pasta Fabricação de produtos de coqueria Fabricação de produtos petrolíferos refinados e de aglomerados de combustíveis 2

3 CLASSIFICAÇÃO PORTUGUESA DAS S ECONÓMICAS GRUPO CLASSE SUBCLASSE SETORES DE S OU TRABALHOS DE RISCO Fabricação de produtos químicos de base, adubos e compostos azotados, matérias plásticas e borracha sintética, sob formas primárias Fabricação de pesticidas e outros produtos agro-químicos ) Fabricação de tintas, vernizes e produtos similares; mastiques; tintas de impressão Fabricação de outros produtos químicos Fabricação de explosivos e artigos de pirotecnia e) Fabricação de produtos farmacêuticos de base ) Fabricação de preparações farmacêuticas ) Actividades que impliquem a exposição a Fabricação de artigos de borracha Fabricação de artigos de matérias plásticas Fabricação de produtos cerâmicos refractários para a para a Fabricação de vidro e artigos de vidro Fabricação de produtos cerâmicos para a 3

4 CLASSIFICAÇÃO PORTUGUESA DAS S ECONÓMICAS GRUPO CLASSE SUBCLASSE SETORES DE S OU TRABALHOS DE RISCO Fabricação de outros produtos de porcelana e cerâmicos não refractários Fabricação de cimento, cal e gesso Trabalhos que envolvam a exposição a sílica Actividades que impliquem a exposição a para a m) Fabricação de produtos de betão, gesso e cimento Serragem, corte e acabamento de rochas ornamentais e de outras pedras de Siderurgia e fabricação de ferro-ligas Atividades de indústria siderúrgica e naval f) Obtenção e primeira transformação de metais preciosos e de outros metais não ferrosos Fundição de metais ferrosos e não ferrosos Fabricação de armas e munições (CAE 24460) Atividades de indústria siderúrgica e naval Fabrico, transporte e utilização de explosivos e pirotecnia e) f) Tratamento e revestimento de metais Fabricação de equipamentos de radiação, electromedicina e eletroterapêutico Fabricação de acumuladores e pilhas Construção naval Reparação e manutenção de embarcações Produção, transporte, distribuição e comércio de electricidade Atividades de indústria siderúrgica e naval Trabalho hiperbárico Atividades que envolvam contacto com correntes eléctricas de média e alta tensões f) c) g) 4

5 CLASSIFICAÇÃO PORTUGUESA DAS S ECONÓMICAS GRUPO CLASSE SUBCLASSE SETORES DE S OU TRABALHOS DE RISCO Produção de gás; distribuição de combustíveis gasosos por condutas; comércio de gás por condutas Recolha, drenagem e tratamento de águas residuais Recolha de resíduos Produção e transporte de gases comprimidos, liquefeitos ou dissolvidos ou a utilização significativa dos mesmos agentes (CAE 38120) (CAE 38120) h) Tratamento e eliminação de resíduos (CAE 38220) (CAE 38220) Descontaminação e Atividades similares Construção de edifícios (residenciais e não residenciais) ferrovias e rodovias sem Construção de estradas, pontes, túneis, pistas de aeroportos e vias férreas Trabalho hiperbárico (CAE 42130) c) Construção de redes de transporte de águas, de esgotos, de distribuição de energia, de telecomunicações e de outras redes ferrovias e rodovias sem Construção de outras obras de engenharia civil ferrovias e rodovias sem Demolição e preparação dos locais de (CAE 43110) 5

6 CLASSIFICAÇÃO PORTUGUESA DAS S ECONÓMICAS GRUPO CLASSE SUBCLASSE SETORES DE S OU TRABALHOS DE RISCO Instalação elétrica, de canalizações, de climatização e outras instalações Atividades que envolvam contacto com correntes elétricas de média e alta tensões (CAE 43210) g) Atividades de acabamento em edifícios Outras Atividades especializadas de ferrovias e rodovias sem Manutenção e reparação de veículos automóveis para a Agentes do comércio por grosso de combustíveis, minérios, metais e de produtos químicos para a indústria Comércio por grosso de animais vivos agentes Comércio por grosso de combustíveis sólidos, líquidos, gasosos e produtos derivados Comércio por grosso de produtos químicos Comércio a retalho de combustível para veículos a motor, em estabelecimentos especializados Transportes por oleodutos ou gasodutos Produção e transporte de gases comprimidos, liquefeitos ou dissolvidos ou a utilização significativa dos mesmos h) Investigação e desenvolvimento das ciências físicas e naturais radiações ionizantes Atividades veterinárias agentes Atividades de limpeza ) Engarrafamento de gases 6

7 CLASSIFICAÇÃO PORTUGUESA DAS S ECONÓMICAS GRUPO CLASSE SUBCLASSE SETORES DE S OU TRABALHOS DE RISCO Administração pública atividades de saúde Ensino pós-secundário não superior e superior Atividades dos estabelecimentos de saúde com internamento Atividades de prática clínica em ambulatório, de medicina dentária e de odontologia Outras Atividades de saúde humana Atividades dos jardins zoológicos, botânicos e aquários e dos parques e reservas naturais Atividades tauromáquicas Lavagem e limpeza a seco de têxteis e peles Atividades de tatuagem e similares 7

SERVE/DNID. Glossário de Códigos da Classificação Industrial Padrão Internacional (ISIC) FABRICAÇÃO DE COQUE, PRODUTOS PETROLÍFEROS REFINADOS E

SERVE/DNID. Glossário de Códigos da Classificação Industrial Padrão Internacional (ISIC) FABRICAÇÃO DE COQUE, PRODUTOS PETROLÍFEROS REFINADOS E AGRICULTURA, PRODUÇÃO ANIMAL, CAÇA, FLORESTA, PESCA E AQUICULTURA AGRICULTURA, PRODUÇÃO ANIMAL, CAÇA E ATIVIDADES DOS SERVIÇOS RELACIONADOS 011 CULTURAS TEMPORÁRIAS 012 CULTURAS PERMANENTES 013 CULTURA

Leia mais

Processos Especiais de Revitalização Homologados: por Classificação de Actividades Económicas (CAE) desagregada

Processos Especiais de Revitalização Homologados: por Classificação de Actividades Económicas (CAE) desagregada Processos Especiais de Revitalização Homologados: por Classificação de Actividades Económicas (CAE) desagregada Divisão Grupo Classe Designação Nº de Processos 0 Agricultura, produção animal, caça, floresta

Leia mais

Apêndice A: Algumas Tabelas Usadas no Texto

Apêndice A: Algumas Tabelas Usadas no Texto Apêndice A: Algumas Tabelas Usadas no Texto Tabela 1 alança Tecnológica Sectorial de Portugal Período 1996-98 Fonte: anco de Portugal CAE Total Direitos de utilização e Propriedade Industrial Serv. assistência

Leia mais

Lista de Actividades (CAE) elegíveis na Linha de Crédito PME Investe II

Lista de Actividades (CAE) elegíveis na Linha de Crédito PME Investe II Lista de Actividades (CAE) elegíveis na Linha de Crédito PME Investe II Em conformidade com o disposto no nº 1 do Capítulo I, nº 2 do Anexo I, nº 2 do Anexo II e nº 1 do Anexo III, todos do Protocolo da

Leia mais

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

Anexo 1. Listagem das actividades do sector terciário que responderam ao inquérito municipal. nº

Anexo 1. Listagem das actividades do sector terciário que responderam ao inquérito municipal. nº Anexo 1 Listagem das actividades do sector terciário que responderam ao inquérito municipal. nº empresas C.A.E. Sector terciário 46 41200 Construção de edifícios (residenciais e não residenciais). 37 56301

Leia mais

= igual + mais - menos parte CODIGO. = 0 1 relacionados + 81p

= igual + mais - menos parte CODIGO. = 0 1 relacionados + 81p - C O R R E S P. = igual + mais - menos p - Rev.1 OBSERVAÇÕES 0 1 Agricultura, produção a n i m a l, caça e actividades dos serviços = 0 1 relacionados + 81p Agricultura, produção a n i m a l, caça e actividades

Leia mais

CAE CV-Rev.1 ESTRUTURA

CAE CV-Rev.1 ESTRUTURA ESTRUTURA LISTA DAS SECÇÕES E SUAS RELAÇÕES COM AS DIVISÕES S E C Ç Ã O DESIGNAÇÃO RELAÇÃO SECÇÃO COM DIVISÃO A AGRICULTURA, PRODUÇÃO ANIMAL, CAÇA, FLORESTA E PESCA A= 01+02+03 B INDÚSTRIAS EXTRACTIVAS

Leia mais

Inovações organizacionais e de marketing

Inovações organizacionais e de marketing e de marketing Pesquisa de Inovação 2011 Tabela 1.1.22 -, total e as que não implementaram produto ou processo e sem projetos, com indicação das inovações e gás - Brasil - período 2009-2011 (continua)

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS DE ACREDITAÇÃO CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

REQUISITOS ESPECÍFICOS DE ACREDITAÇÃO CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 1. Objetivo O presente documento tem como objetivo definir o serviço de acreditação para o sector Certificação de Sistemas de Gestão da Saúde e Segurança no Trabalho, em complemento do estabelecido no

Leia mais

= p01420 Actividades de serviços relacionados com a

= p01420 Actividades de serviços relacionados com a .1 01420 Actividades de serviços relacionados com a produção animal, excepto serviços de veterinária 14121 Extracção de calcário e cré = p14121 Extracção de calcário e cré 17710 Fabricação de meias e artigos

Leia mais

TOTAL NACIONAL OUTUBRO 1999

TOTAL NACIONAL OUTUBRO 1999 NÚMERO DE EMPRESAS DO CONTINENTE E REGIÕES AUTÓNOMAS, POR ACTIVIDADE ECONÓMICA NACIONAL OUTUBRO 1999 ACTIVIDADES (CAE - REV.2) 244239 234850 4604 4785 A AGRICULTURA, PROD. ANIMAL, CAÇA E SILVIC. 9302 8468

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul O emprego formal na Indústria sul-mato-grossense encerrou mais um mês com redução liquida de postos de trabalho. Em maio, o conjunto das

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EMISSÕES ATMOSFÉRICAS PLANTAÇÃO/VEGETAÇÃO NATIVA IBAMA, 2014 Guia de Preenchimento

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

Código LER Descrição (os mais utilizados estão sublinhados) Resíduos de minas 01 01 01 Resíduos metálicos 01 01 02 Resíduos não metálicos 01 03 06 Rejeitados de minério 01 03 08 Poeiras e pós de extracção

Leia mais

Lista Classificativa de Projectos de Construção que Precisam de se Sujeitar à Avaliação de Impacto Ambiental (experimental)

Lista Classificativa de Projectos de Construção que Precisam de se Sujeitar à Avaliação de Impacto Ambiental (experimental) Lista Classificativa de de Construção que Precisam de se Sujeitar à Avaliação de Impacto Ambiental (experimental) 1. Objectivo Para acelerar as acções referente ao estabelecimento do regime da avaliação

Leia mais

Áreas e Sub-Áreas de Formação CIME

Áreas e Sub-Áreas de Formação CIME de Formação CIME e Sub- de Formação CIME Sub- 09. Desenvolvimento Pessoal 090. Desenvolvimento Pessoal 14.Formação de Professores/Formadores e Ciências da Educação 141.Formação de Professores e Formadores

Leia mais

ANEXO I Classificação das Atividades económicas - TIMOR-LESTE Versão 1.1 Seção Divisão Grupo Classe Subclasse Designação AGRICULTURA, PRODUÇÃO

ANEXO I Classificação das Atividades económicas - TIMOR-LESTE Versão 1.1 Seção Divisão Grupo Classe Subclasse Designação AGRICULTURA, PRODUÇÃO ANEXO I Classificação das Atividades económicas - TIMOR-LESTE Versão 1.1 Seção Divisão Grupo Classe Subclasse Designação A AGRICULTURA, PRODUÇÃO ANIMAL, CAÇA, FLORESTA, PESCA E AQÜICULTURA 01 AGRICULTURA,

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 06.02.2006 COM(2006) 39 final 2006/0011 (COD) Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que estabelece a nomenclatura estatística das actividades

Leia mais

ANEXO I CARACTERÍSTICAS DA LINHA ESPECÍFICA SECTORES EXPORTADORES

ANEXO I CARACTERÍSTICAS DA LINHA ESPECÍFICA SECTORES EXPORTADORES ANEXO I CARACTERÍSTICAS DA LINHA ESPECÍFICA SECTORES EXPORTADORES A. CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA 1. Montante Global: Até 500 Milhões de Euros. 2. Empresas beneficiárias: As empresas beneficiárias terão de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice Índice Desemprego Registado de Estrangeiros por Continente de Origem e Principais Nacionalidades - Situação no fim do mês de Dezembro, de 2003 a 2009... 2 Desemprego Registado de Estrangeiros por Continente

Leia mais

CATEGORIAS E GRUPOS PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE. 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria;

CATEGORIAS E GRUPOS PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE. 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria; CATEGORIAS E PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria; 2.- Os atestados deverão: 2.1.- Ser apresentados rigorosamente de acordo com

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação nº 00/OCF.06-1 Accreditation Annex nº

Anexo Técnico de Acreditação nº 00/OCF.06-1 Accreditation Annex nº Anexo Técnico de nº -1 Nº de Accreditation nr Acreditado de acordo com (Accredited to) NP EN 45012 Localização: TagusPark - Núcleo Central 237/239 2780-920 Oeiras Contacto (Contact) Ana Freire Tel: 214220640

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR. ISII - Inquérito sobre o Investimento Internacional

MANUAL DO UTILIZADOR. ISII - Inquérito sobre o Investimento Internacional MANUAL DO UTILIZADOR ISII - Inquérito sobre o Investimento Internacional Maio de 2013 ÍNDICE I Introdução 3 II Acesso à aplicação 3 III Entrada na aplicação 4 IV Instruções de preenchimento 4 V Modo de

Leia mais

Perfil Econômico Municipal

Perfil Econômico Municipal indústria Extração de carvão mineral Extração de petróleo e gás natural Extração de minerais metálicos Extração de minerais não-metálicos Fabricação de alimentos e bebidas Fabricação de produtos do fumo

Leia mais

A Matriz Input-Output para a Região Alentejo: uma aproximação ao seu primeiro quadrante

A Matriz Input-Output para a Região Alentejo: uma aproximação ao seu primeiro quadrante A Matriz Input-Output para a Região Alentejo: uma aproximação ao seu primeiro quadrante Elsa Cristina Vaz 1, José Belbute 2, António Caleiro 3, Gertrudes Saúde Guerreiro 4, Ana Eduardo 5 1 elsavaz@uevora.pt,

Leia mais

ANEXO A Lista das Empresas Existentes em Almancil, por Ordem Alfabética, por Sector

ANEXO A Lista das Empresas Existentes em Almancil, por Ordem Alfabética, por Sector ANEXO A Lista das Empresas Existentes em Almancil, por Ordem Alfabética, por Sector ACTIVIDADE ECONÓMICA PRINCIPAL Concelho Freguesia Loulé Almancil Abate de gado (produção de carne) 1 Acção social para

Leia mais

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços Arroz em casca 15,72 30,25 Milho em grão 15,21 32,16 Trigo em grão e outros cereais 15,70 32,66 Cana-de-açúcar 15,47 32,68 Soja em grão 15,83 33,01 Outros produtos e serviços da lavoura 14,10 31,31 Mandioca

Leia mais

PORTUGAL GREECE Trade Balance

PORTUGAL GREECE Trade Balance PORTUGAL GREECE Trade Balance March 2013 TRADE BALANCE PORTUGAL GREECE IMPORTS (CIF) Annual Variation % EXPORTS (FOB) Annual Variation % 10³ Euros BALANCE 2003 81.998 121.881 39.883 2004 76.487-6,72 126.685

Leia mais

(PROGRAMA LEONARDO DA VINCI)

(PROGRAMA LEONARDO DA VINCI) ANGLIA UNIVERSITY PROGRAMA LEONARDO DA VINCI GROUP ESC PAU GROUP ESC TOULOUSE PRIORIDADES PARA EL DESARROLLO DIRECTIVO INSTITUTO SUPERIOR SUPERIOR DE GESTAO MIDDLESEX UNIVERSITY INSTITUTO DE EMPRESA UNIÓN

Leia mais

Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823

Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823 LISTA DE OPERADORES DE GESTÃO DE RESÍDUOS LICENCIADOS EM SÃO JORGE ATUALIZADA A 31.07.2012 Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823 - Armazenagem dos seguintes resíduos: LER Alvará n.º 5/DRA/2012 (validade:

Leia mais

5656 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 197 27 de Agosto de 2003 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Artigo 685. o. Decreto-Lei n.

5656 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 197 27 de Agosto de 2003 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Artigo 685. o. Decreto-Lei n. 5656 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 197 27 de Agosto de 2003 Artigo 685. o Comissões de trabalhadores Constitui contra-ordenação grave a violação do disposto nos n. os 1,2,3e7doartigo 467. o, nos n.

Leia mais

Código Designação Observaçao 01610 Actividades dos serviços relacionados com a agricultura 01620 Actividades dos serviços relacionados com a produção

Código Designação Observaçao 01610 Actividades dos serviços relacionados com a agricultura 01620 Actividades dos serviços relacionados com a produção 01610 Actividades dos serviços relacionados com a agricultura 01620 Actividades dos serviços relacionados com a produção animal, excepto serviços de veterinária 01630 Preparação de produtos agrícolas para

Leia mais

Extração de linhito 02 05.20 Extração de linhito Extração de petróleo bruto 02 06.10 Extração de petróleo bruto Extração de gás natural 02 06.

Extração de linhito 02 05.20 Extração de linhito Extração de petróleo bruto 02 06.10 Extração de petróleo bruto Extração de gás natural 02 06. Revisada em 01/07/2015 IAF NACE DESCRIÇÃO SEÇÃO A AGRICULTURA, FLORESTA E PESCA Culturas temporárias 01 01.11 Cereais (exceto arroz), leguminosas e sementes oleaginosas 01 01.12 Cultura de arroz 01 01.13

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA CABO VERDE

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA CABO VERDE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA CABO VERDE RESULTADOS DEFINITIVOS 1997 Presidente Francisco Fernandes Tavares Editor Instituto Nacional de Estatística Av. Amilcar Cabral, CP 116 Cidade da Praia Composição

Leia mais

APRESENTAÇÃO GERAL PRINCÍPIOS GERAIS, OBJECTIVOS E CONCEITOS CORRESPONDÊNCIA ENTRE A CAE-CV E OUTRAS NOMENCLATURAS UNIDADES ESTATÍSTICAS E MÉTODOS

APRESENTAÇÃO GERAL PRINCÍPIOS GERAIS, OBJECTIVOS E CONCEITOS CORRESPONDÊNCIA ENTRE A CAE-CV E OUTRAS NOMENCLATURAS UNIDADES ESTATÍSTICAS E MÉTODOS APRESENTAÇÃO GERAL PRINCÍPIOS GERAIS, OBJECTIVOS E CONCEITOS CORRESPONDÊNCIA ENTRE A CAE-CV E OUTRAS NOMENCLATURAS UNIDADES ESTATÍSTICAS E MÉTODOS 1. NOTA HISTÓRICA As actividades económicas em Cabo Verde

Leia mais

ANEXO 1 Regras aplicáveis aos modelos de documentos fiscais

ANEXO 1 Regras aplicáveis aos modelos de documentos fiscais Padrão Mínimo Tipo de Impresso Emissão Operação Série Subsérie Nota Fiscal, modelo 1 Bloco Manual *, 1 a N 4 3 Nota Fiscal, modelo 1 Jogo Solto Mecanizado *, 1 a N 4 3 Nota Fiscal, modelo 1 Jogo Solto

Leia mais

IAF NACE ATIVIDADES A SEÇÃO A AGRICULTURA, FLORESTA E PESCA

IAF NACE ATIVIDADES A SEÇÃO A AGRICULTURA, FLORESTA E PESCA CÓDIGO NACE - REVISÃO 02 IAF NACE ATIVIDADES A SEÇÃO A AGRICULTURA, FLORESTA E PESCA Culturas temporárias 1 01.11 Cereais (exceto arroz), leguminosas e sementes oleaginosas 1 01.12 Cultura de arroz 1 01.13

Leia mais

Formulário de Resíduos Sólidos

Formulário de Resíduos Sólidos Quem deve preencher este formulário? Geradores de resíduos sólidos, perigosos ou não, que realizem atividades relacionadas no Anexo I da Instrução Normativa Ibama nº 13/12, disponível no link abaixo (também

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) CERTIFICADOS AMBIENTAIS VERSÃO 2 IBAMA JANEIRO, 2015 Certificados ambientais 2

Leia mais

ANEXO 1 COMPOSIÇÃO DAS SEÇÕES DE ATIVIDADE DA CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS DOMICILIAR 2.0 - CNAE- DOMICILIAR 2.

ANEXO 1 COMPOSIÇÃO DAS SEÇÕES DE ATIVIDADE DA CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS DOMICILIAR 2.0 - CNAE- DOMICILIAR 2. ANEXO 1 COMPOSIÇÃO DAS SEÇÕES DE ATIVIDADE DA CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS DOMICILIAR 2.0 - CNAE- DOMICILIAR 2.0 AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO FLORESTAL, PESCA E AQUICULTURA AGRICULTURA,

Leia mais

. 03 01 05 Serradura, aparas, fitas de aplainamento, madeira, aglomerados e folheados não

. 03 01 05 Serradura, aparas, fitas de aplainamento, madeira, aglomerados e folheados não Lista de códigos - Lista Europeia de A Semural recepciona os seguintes tipos de resíduos, de acordo com os Códigos - Lista Europeia de Resíduos. Para resíduos perigosos ou outros contacte-nos pois temos

Leia mais

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

Classificação Portuguesa das Atividades Económicas, Revisão 3

Classificação Portuguesa das Atividades Económicas, Revisão 3 10120 Abate de aves (produção de carne) 10110 Abate de gado (produção de carne) 13303 Acabamento de fios, tecidos e artigos têxteis, n.e. 91042 Actividade dos parques e reservas naturais 82110 Atividades

Leia mais

A Desoneração tributária na Construção Civil

A Desoneração tributária na Construção Civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 06 abril de 2014 Organização:

Leia mais

COLECÇÃO ESTATÍSTICAS

COLECÇÃO ESTATÍSTICAS MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E SEGURANÇA SOCIAL Gabinete de Estratégia e Planeamento COLECÇÃO ESTATÍSTICAS QUADROS DE PESSOAL 2010 Quadros de Pessoal 2010 QUADROS DE PESSOAL 2010 Gabinete de Estratégia

Leia mais

Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique:

Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique: Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique: - Joana Moreira Lima nº16 - José Fernando nº17 - Sandra oliveira nº23 O carvão, o petróleo e o gás natural são combustíveis fósseis.

Leia mais

ESTADÍSTICAS ECONÓMICAS. CUANTIFICACIÓN ECONÓMICA DEL SECTOR MARÍTIMO DE CANARIAS Aproximación metodológica

ESTADÍSTICAS ECONÓMICAS. CUANTIFICACIÓN ECONÓMICA DEL SECTOR MARÍTIMO DE CANARIAS Aproximación metodológica ESTADÍSTICAS ECONÓMICAS CUANTIFICACIÓN ECONÓMICA DEL SECTOR MARÍTIMO DE CANARIAS Aproximación metodológica ESTADÍSTICAS ECONÓMICAS CUANTIFICACIÓN ECONÓMICA DEL SECTOR MARÍTIMO DE CANARIAS Aproximación

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul O emprego formal na Indústria sul-mato-grossense encerrou mais um mês com redução liquida de postos de trabalho. Em março, o conjunto

Leia mais

Lei n.º 40/2015, de 1 de junho Novo regime das qualificações profissionais na área do projeto e da obra. Ivone Nobre e Pedro Coimbra

Lei n.º 40/2015, de 1 de junho Novo regime das qualificações profissionais na área do projeto e da obra. Ivone Nobre e Pedro Coimbra Novo regime das qualificações profissionais na área do projeto e da obra Ivone Nobre e Pedro Coimbra 12 de outubro de 2015 I- Lei nº 40/2015, de 1 de junho: 1ª alteração à Lei n.º 31/2009, de 3 de julho

Leia mais

ANEXO II (REVOGADO PELA INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA N. 6, DE 15.03.13)

ANEXO II (REVOGADO PELA INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA N. 6, DE 15.03.13) ANEXO II (REVOGADO PELA INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA N. 6, DE 15.03.13) TABELA DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS OU UTILIZADORAS DE RECURSOS NATURAIS COD CATEGORIA DESCRICAO GRAU TAXA 1-1 Extração e

Leia mais

NECESSIDADES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DAS EMPRESAS 2011/2012

NECESSIDADES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DAS EMPRESAS 2011/2012 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA DO CONSUMIDOR OBSERVATÓRIO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998

RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998 RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998 Dispõe sobre as empresas industriais enquadráveis nos Artigos 59 e 60 da Lei n.º 5.194/66. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA, no uso das

Leia mais

Tabela de Conversão CAE-Rev.2.1-> CAE-Rev.3

Tabela de Conversão CAE-Rev.2.1-> CAE-Rev.3 Tabela de Conversão CAE-Rev.2.1-> CAE-Rev.3 CAE Rev.2.1 Produção de bens ou serviços do âmbito de actividades da CAE Rev.3 Código Designação CAE Rev.2.1 que passaram para actividades da CAE Rev.3 Código

Leia mais

Anexo I. Seguros obrigatórios de acidentes pessoais. Montante global dos capitais seguros a 31.12.2007 (em euros)

Anexo I. Seguros obrigatórios de acidentes pessoais. Montante global dos capitais seguros a 31.12.2007 (em euros) Anexo I Seguros obrigatórios de acidentes pessoais Seguro N.º de contratos em vigor a (1.) Aluno (2.) Aprendiz (3.) Atleta de alta competição (4.) Bolseiro de investigação (5.) Bombeiro municipal ou voluntário

Leia mais

TABELA DAS ATIVIDADES SUJEITA A DESONERAÇÃO (Antes da MP 612/2013) - Elaborada por Daniel Pinheiro

TABELA DAS ATIVIDADES SUJEITA A DESONERAÇÃO (Antes da MP 612/2013) - Elaborada por Daniel Pinheiro TABELA DAS ATIVIDADES SUJEITA A DESONERAÇÃO (Antes da MP 612/2013) - Elaborada por Daniel Pinheiro Prestação de Serviços e Comércio varejista Início Atividade de indústria Início TI e TIC exclusivamente:

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A AUSTRÁLIA

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A AUSTRÁLIA BALANÇA COMERCIAL 2005 2006 2007 2008 Exportações 82.213 65.434 62.538 53.583 44.990-13,8 39.853 62.848 57,7 Importações 23.679 28.230 38.501 16.980 14.662-3,5 14.187 11.454-19,3 Saldo 58.534 37.204 24.037

Leia mais

Código Designação Código Designação. 01112 Culturas agrícolas, n.e. 01112 Cultura de leguminosas secas e sementes oleaginosas

Código Designação Código Designação. 01112 Culturas agrícolas, n.e. 01112 Cultura de leguminosas secas e sementes oleaginosas CAE Rev.2.1 CAE Rev.3 Código Designação Código Designação 01111 Cerealicultura 01120 Cultura do arroz 01111 Cerealicultura (excepto arroz) 01112 Culturas agrícolas, n.e. 01112 Cultura de leguminosas secas

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe II

Linha de Crédito PME Investe II Linha de Crédito PME Investe II Condições e processo de candidatura (o presente documento identifica as principais características da Linha de Crédito PME Investe II detalhadas no documento anexo Condições

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EMISSÕES ATMOSFÉRICAS EMISSÕES DE POLUENTES ATMOSFÉRICOS VERSÃO 2 IBAMA JANEIRO,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

LISTA DOS SERVIÇOS POR ORDEM DE CLASSES INDICAÇÃO DOS SERVIÇOS

LISTA DOS SERVIÇOS POR ORDEM DE CLASSES INDICAÇÃO DOS SERVIÇOS LISTA DOS SERVIÇOS POR ORDEM DE CLASSES Classe 37 Construção; reparação; serviços de instalação CL Base 37 A 0021 Afiação de facas S 0035 370106 37 A 0039 Alarme antiroubo (Instalação e reparação de dispositivos

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EFLUENTES LÍQUIDOS VERSÃO 2 IBAMA JANEIRO, 2015 Efluentes Líquidos 2 Índice Quem

Leia mais

LEI Nº 2.778, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 4.010

LEI Nº 2.778, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 4.010 LEI Nº 2.778, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 4.010 Institui o Cadastro Técnico Estadual de Atividades Potencialmente Poluidoras ou Utilizadoras de Recursos Ambientais - CTE e

Leia mais

Gênero do NCM. 03 - Peixes, Crustaceos, Moluscos e outros invertebrados Aquaticos

Gênero do NCM. 03 - Peixes, Crustaceos, Moluscos e outros invertebrados Aquaticos 01 - Animais Vivos Gênero do NCM 02 - Carnes e miudezas 03 - Peixes, Crustaceos, Moluscos e outros invertebrados Aquaticos 04 - Produtos Comestiveis de origem animal 05 - Outros Produtos de Origem Animal

Leia mais

Setor produtivo G05 - Construção Civil/ Cerâmica. Contém 1286246 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0810-0/02 Extração de granito e beneficiamento

Setor produtivo G05 - Construção Civil/ Cerâmica. Contém 1286246 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0810-0/02 Extração de granito e beneficiamento Setor produtivo G05 - Construção Civil/ Cerâmica. Contém 1286246 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0810-0/02 Extração de granito e beneficiamento associado 0810-0/03 Extração de mármore e beneficiamento

Leia mais

José Manuel Cerqueira

José Manuel Cerqueira José Manuel Cerqueira A Indústria cerâmica no contexto nacional A indústria portuguesa de cerâmica representou em 2013 um volume de negócios de 897,8 milhões de euros, um valor acrescentado bruto de 327,6

Leia mais

INQUÉRITO ANUAL ÀS EMPRESAS 2008 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA CABO VERDE. DEEF Serviço de Empresas Página 1

INQUÉRITO ANUAL ÀS EMPRESAS 2008 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA CABO VERDE. DEEF Serviço de Empresas Página 1 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA CABO VERDE INQUÉRITO ANUAL ÀS EMPRESAS 2008 2008 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA CABO VERDE DEEF Serviço de Empresas Página 1 INQUÉRITO ANUAL ÀS EMPRESAS 2008 Presidente

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Maio 2011 Indicador de Sentimento Económico Os indicadores de sentimento económico da União Europeia e da Área

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A ALEMANHA

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A ALEMANHA Expedições 4.646.753 4.957.528 4.954.299 4.099.667 4.771.584 1,4 16,4 Chegadas 8.054.468 8.367.508 8.594.931 6.813.091 7.886.527 0,4 15,8 Saldo -3.407.716-3.409.980-3.640.632-2.713.423-3.114.943 -- --

Leia mais

O desafio da gestão da segurança e saúde no trabalho na indústria

O desafio da gestão da segurança e saúde no trabalho na indústria 7 de Maio 2013 O desafio da gestão da segurança e saúde no trabalho na indústria Realidade da SST em Portugal Parte I A realidade das empresas em SST pode ser analisada com base nos dados conhecidos sobre:

Leia mais

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio Índice geral 3 Prólogo à 2.ª edição 5 Sumário 7 Siglas 9 Agradecimentos 11 1. Introdução 13 Tipificação dos incêndios... Causas de incêndio... Consequências dos incêndios... 2.3.1. Considerações gerais...

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

EMPRESAS PARTICIPANTES

EMPRESAS PARTICIPANTES EMPRESAS PARTICIPANTES Empresas Participantes Actividade: Queijaria Artesanal Nº de Trabalhadores: 3 Localização da Empresa: Alcains Actividade: Estética Natural Nº de Trabalhadores: 3 Localização da Empresa:

Leia mais

Serviços e Produtos. Palavras-Chave:

Serviços e Produtos. Palavras-Chave: Serviços e Produtos Recepção, Triagem e Valorização de RCD Reciclagem de RCD em obra Controlo de produção em obra de Agregados Reciclados (utilização em observância das normas técnicas aplicáveis) Acompanhamento

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Dezembro 2013

Região Zona da Mata. Regional Dezembro 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

OS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E SEUS EFEITOS SOBRE AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS:

OS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E SEUS EFEITOS SOBRE AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: OS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E SEUS EFEITOS SOBRE AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: PROPOSTA DE METODOLOGIA Renata Lèbre La Rovere e Julia Paranhos IE/UFRJ Introdução > Recuperação da economia

Leia mais

CONDIÇÕES DE ENTREGA/RECEPÇÃO DO SERVIÇO EXTRA URBANO

CONDIÇÕES DE ENTREGA/RECEPÇÃO DO SERVIÇO EXTRA URBANO SERVIÇO EXTRA URBANO O Serviço extra Urbano corresponde ao serviço a ser prestado aos produtores de resíduos não urbanos de embalagens, de forma a garantir a esses produtores um destino final adequado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973

RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973 RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973 Discrimina atividades das diferentes modalidades profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA,

Leia mais

http://servicos.ibama.gov.br/ctf/manual/html/010401.htm

http://servicos.ibama.gov.br/ctf/manual/html/010401.htm Página 1 de Manual do Sistema - Serviços On-Line - IBAMA Tabela de Atividades Fechar Tabela COD CATEGORIA DESCRICAO GRAU TAXA 0-2 Administradora de Projetos Florestais administradora de projetos de florestamento/reflorestamento

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- ESPECIFICAÇÕES SOBRE AS OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO... 3 3.- PLANO DE PREVENÇÃO

Leia mais

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro Monitor do Déficit Tecnológico Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro de 2012 Monitor do Déficit Tecnológico de 2012 1. Apresentação

Leia mais

ANEXO III AUTORIZAÇÃO PARA GERAÇÃO DA NFSE A PARTIR DE 01/02/2015. Descrição do Código CNAE 2.0

ANEXO III AUTORIZAÇÃO PARA GERAÇÃO DA NFSE A PARTIR DE 01/02/2015. Descrição do Código CNAE 2.0 7740-3/00 Gestão de ativos intangíveis não-financeiros 03.02 9311-5/00 Gestão de instalações de esportes 03.03 8211-3/00 Serviços combinados de escritório e apoio administrativo 03.03 8230-0/02 Casas de

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 07 Julho 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Conceitos e definições do setor de gás natural

Conceitos e definições do setor de gás natural Conceitos e definições do setor de gás natural O que é o gás natural O gás natural é um combustível fóssil que se encontra na natureza, associado ou não ao petróleo, formado por hidrocarbonetos com predominância

Leia mais

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis - Obrigações Gerais do Empregador SERVIÇOS DE ENGENHARIA/SEGURANÇA AICCOPN - 07 de Junho de

Leia mais

CADEIAS PRODUTIVAS PARANAENSES

CADEIAS PRODUTIVAS PARANAENSES CADEIAS PRODUTIVAS PARANAENSES SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL O Setor de Construção Civil no Paraná 208.537 EMPRESAS 3.015.373 EMPREGOS 18.947 EMPRESAS 161.211 EMPREGOS R$ 49,86 BILHÕES EM SALÁRIOS R$ 2,12

Leia mais

Seminário. Regulamento dos Produtos de Construção: Novas exigências para a marcação CE. O que muda em 1 de julho de 2013?

Seminário. Regulamento dos Produtos de Construção: Novas exigências para a marcação CE. O que muda em 1 de julho de 2013? Seminário Regulamento dos Produtos de Construção: Novas exigências para a marcação CE. O que muda em 1 de julho de 2013? Ordem Dos Engenheiros, 2012-09-27 O Subsistema da Normalização do SPQ (Sistema Português

Leia mais

Lei Municipal 3.263/99: ANEXO 3 - CLASSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES QUADRO 1. COMÉRCIO VAREJISTA - CONDIÇÕES PARA INSTALAÇÃO

Lei Municipal 3.263/99: ANEXO 3 - CLASSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES QUADRO 1. COMÉRCIO VAREJISTA - CONDIÇÕES PARA INSTALAÇÃO NA BACIA DE CONTRIBUIÇÃO INDIRETA CÓD. ATIVIDADES EM ÁREA COM IMPLANTADO EM ÁREA SEM COMÉRCIO VAREJISTA DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS 10101 AÇOUGUE E PEIXARIA 10102 BOMBONIÈRE E CONFEITARIA 10103 CONDIMENTOS

Leia mais

Áreas do Conhecimento - Engenharias

Áreas do Conhecimento - Engenharias Áreas do Conhecimento - Engenharias Engenharias Engenharia Civil Construção Civil Materiais e Componentes de Construção Processos Construtivos Instalações Prediais Estruturas Estruturas de Concreto Estruturas

Leia mais

ANEXO LISTA DOS CURSOS DE GRADUAÇÂO ELEGIVEIS PELO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

ANEXO LISTA DOS CURSOS DE GRADUAÇÂO ELEGIVEIS PELO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS ANEXO LISTA DOS CURSOS DE GRADUAÇÂO ELEGIVEIS PELO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS Agricultura Sustentável Agrimensura Agroecologia Agroindústria Agroindústria - Alimentos Agroindústria - Madeira Agronegócio

Leia mais

INQUÉRITO ÀS ESTRUTURAS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL - 2003

INQUÉRITO ÀS ESTRUTURAS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL - 2003 INQUÉRITO ÀS ESTRUTURAS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL - 2003 ÍNDICE RESUMO...... I. NOTA INTRODUTÓRIA...... II. NOTAS EXPLICATIVAS E METODOLOGIA... 1. Notas Explicativas............. 2. Metodologia.............

Leia mais

13302 Estampagem 13303 Acabamentos de fios, tecidos e artigos têxteis, n.e. 13910 Fabricação de tecidos de malha 13920 Fabricação de artigos têxteis

13302 Estampagem 13303 Acabamentos de fios, tecidos e artigos têxteis, n.e. 13910 Fabricação de tecidos de malha 13920 Fabricação de artigos têxteis ANEXO III Actividades Enquadráveis na Linha de Crédito Bonificado para Micro e Pequenas Empresas da Madeira Decreto Lei n.º 381/2007, de 14 de Novembro REV. 3 Alerta: Ficam sujeitos às restrições aplicaveis

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES

IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES OS TRANSPORTES IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES Contribui para a correcção das assimetrias espaciais e ordenamento do território; rio; Permite uma maior equidade territorial no acesso, aos equipamentos não

Leia mais

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 3 Elos Soluções Ambientais Alternativa para otimizar a destinação de resíduos: Crescente necessidade das

Leia mais

3.1. Empreendimentos e Atividades que necessitam do Licenciamento Ambiental. 3.2. EIA-RIMA como Instrumento do licenciamento Ambiental. Exercícios.

3.1. Empreendimentos e Atividades que necessitam do Licenciamento Ambiental. 3.2. EIA-RIMA como Instrumento do licenciamento Ambiental. Exercícios. Módulo 3 3.1. Empreendimentos e Atividades que necessitam do Licenciamento Ambiental. 3.2. EIA-RIMA como Instrumento do licenciamento Ambiental. Exercícios. 3.1 Empreendimentos e Atividades que necessitam

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

TABELA II - TAXAS GENÉRICAS

TABELA II - TAXAS GENÉRICAS TABELA II - TAXAS GENÉRICAS ACTIVO CORPÓREO GRUPO 1 - IMÓVEIS 2005 Edificações ligeiras (fibrocimento, madeira, zinco, etc.) 10 Edifícios (a): 2010 Habitacionais 2 2015 Comerciais e administrativos 2 2020

Leia mais

Os Recursos Minerais na nossa vida

Os Recursos Minerais na nossa vida Os Recursos Minerais na nossa vida Min. Volfrâmio Expl. Argilas Gesso Cobre nativo Calcário Granito Ouro Expl. Areias Min. Chumbo Min. Urânio Realizado por INETI, Área de Geologia Económica (Daniel Oliveira,

Leia mais