Proposta de Metodologia para Projeto de Redes WAN Multimídia com Suporte a Requisitos de Qualidade de Serviço

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proposta de Metodologia para Projeto de Redes WAN Multimídia com Suporte a Requisitos de Qualidade de Serviço"

Transcrição

1 Universidade Federal do Espírito Santo Proposta de Metodologia para Projeto de Redes WAN Multimídia com Suporte a Requisitos de Qualidade de Serviço MOACIR CANELLA BORTOLOSO Dissertação de Mestrado em Informática UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPIRITO SANTO Vitória, Agosto de 2006

2 Universidade Federal do Espírito Santo Proposta de Metodologia para Projeto de Redes WAN Multimídia com Suporte a Requisitos de Qualidade de Serviço Dissertação apresentada ao Programa de Mestrado em Informática da Universidade Federal do Espírito Santo como requisito parcial para a obtenção do Grau de Mestre em Informática. Orientador: Prof. Dr. Anilton Salles Garcia UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Vitória, Agosto de 2006.

3 Universidade Federal do Espírito Santo Proposta de Metodologia para Projeto de Redes WAN Multimídia com Suporte a Requisitos de Qualidade de Serviço MOACIR CANELLA BORTOLOSO COMISSÃO EXAMINADORA PROF. DR. ANILTON SALLES GARCIA, UFES Orientador PROF. DR. JOSÉ GONÇALVES PEREIRA FILHO, UFES PPGI PROF. DR. MARCOS CARNEIRO DA SILVA, FACENS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Vitória, Agosto de 2006

4 Universidade Federal do Espírito Santo DEDICATÓRIA Aos meus pais Paschoalino Bortoloso (in memorian) e Irene Canella Bortoloso (in memorian) que estabeleceram os valores éticos e morais que permeiam minhas atitudes e minha vida. A minha esposa Gisela Menicucci Bortoloso, que sempre apóia, motiva e contribui ativamente nos meus projetos de vida. A minha filha Thalita Menicucci Bortoloso, pelos momentos que não pude estar presente durante a construção desse trabalho. Aos meus irmãos Mauro, Maurício, Mílton (in memorian) e irmãs Marília e Mauricéia a quem trago no coração independente da distância que nos separam.

5 Universidade Federal do Espírito Santo AGRADECIMENTOS Em primeiro lugar agradeço a Deus pela vida. Em especial: Ao prof. Dr. Anilton Salles Garcia, não só como um brilhante orientador, mas também um amigo, que soube me apoiar e orientar nos momentos de decisão durante todo o mestrado; Ao prof. Dr. José Carlos Tavares da Universidade Católica de Petrópolis, pelo incentivo e apoio durante o processo de seleção e os ensinamentos ministrados no curso de graduação. Aos gerentes da GEARI, Ricardo José Passoline e Edésio Assad Medeiros, que viabilizaram todos os esforços possíveis, cada qual em sua gestão, para proporcionar as condições adequadas à realização do mestrado e conclusão desse trabalho. A minha esposa, além de motivar, apoiar e compreender os momentos difíceis, ainda contribuiu diretamente na elaboração do protótipo e na revisão final da dissertação. A coordenadora do Mestrado em Informática da UFES Dra. Maria Cristina Rangel, por suas ações no âmbito organizacional e o apoio nos momentos solicitados. A equipe de Suporte a Rede e Produção da SEFAZ, em especial aos amigos e companheiros de trabalho Fabio Feltmann Sampaio e Glauco de Castro

6 Universidade Federal do Espírito Santo Lacerda pelo trabalho de suporte e gerenciamento do ambiente usado como laboratório para o estudo de caso. A equipe de Desenvolvimento da SEFAZ, em especial Luiz Nogueira da Paixão Jr., Paulo César Machado Jeveaux e Julimar Parreira Cosmo que contribuíram nos mecanismos para identificar o comportamento dos usuários no acesso às aplicações criticas. Aos amigos Leonardo David Cotadini e Rafael Barbosa pelo suporte técnico e orientação no uso da ferramenta de simulação OPNET Modeler. Ao Prof. Dr. José Gonçalves Pereira Filho e Prof. Dr. Marcos Carneiro da Silva por fazerem parte da banca examinadora dessa dissertação. Presto os meus sinceros agradecimentos a todos que direta ou indiretamente contribuíram para a realização deste trabalho.

7 Universidade Federal do Espírito Santo VITÓRIA 2006 SUMÁRIO 1 Introdução Contextualização das Tecnologias de Comunicação para Projetos de Redes WAN Introdução Conceituando engenharia de tráfego Visão Geral das Tecnologias de Comunicação WAN com suporte ao Internet Protocol SONET/SDH WAN baseada em Linhas Privadas FRAME RELAY Visão básica do funcionamento Frame Relay Entendo o uso de subinterfaces no Frame Relay MPLS (Multiprotocol Label Switching) Visão Geral do modo de operação do MPLS Entendendo o processo de encaminhamento VPN Virtual Private Network Visão geral VPN Critérios para escolha de soluções Conclusão Qualidade de serviço em redes multimidia Introdução Redes WAN Multimídia compartilhadas com requisitos de QoS Visão geral sobre os parâmetros de QoS Largura de Banda Atraso Atraso de transmissão Atraso de propagação Atraso de enfileiramento Atraso de comutação Variação do atraso (JITTER) Perda de pacotes Mecanismos e Arquitetura para suporte a QoS Classificação e marcação Enfileiramento Moldagem e Policiamento Controle de congestionamento Eficiência do enlace Controle de Admissão de Chamadas (CAC) Arquiteturas de serviços integrados e serviços diferenciados (IntServ e DiffServ) 53

8 Universidade Federal do Espírito Santo 3.6 Conclusão Metodologia para Projetos de Redes WAN Introdução Visão geral sobre projeto de rede WAN Metodologia Proposta Detalhamento da metodologia Fase Zero Decomposição HierÁrquica Subsistema de Núcleo Subsistema de distribuição Subsistema de acesso Decomposição Funcional Fase Um - Análise Fase Dois - Atividades Análise de requisitos Definição dos objetivos Levantamento das necessidades Planejamento Estabelecimento do modelo de funcionamento Definição da arquitetura lógica Critérios para definição da arquitetura lógica Caracterização de fluxo Dimensionamento dos enlaces Outros aspectos do planejamento Simulação Definir o objetivo e os dados necessários para simulação Caracterizando o processo de simulação Definir os dados da simulação Configurar o ambiente de simulação Executar a simulação Analisar os resultados Projeto Conclusão O Protótipo Motivação Infra-estrutura de hardware e software Construção do Modelo Desenvolvimento do Protótipo Visão Dinâmica Conclusão Estudo de Caso Visão geral da rede local SEFAZ Fase de Pré-Requisitos A rede WAN - SEFAZ Fase Zero - Dimensão de modularização Fase Um - Dimensão de Análise Fase Dois - Dimensão de Atividades

9 Universidade Federal do Espírito Santo 6.7 Conclusão do Estudo de Caso Conclusão Referencias Bibliograficas Anexos

10 Universidade Federal do Espírito Santo VITÓRIA 2006 Figuras Figura [2.1] Opções de tecnologias WAN Figura [2.2] Ilustra as conexões com linhas privadas Figura [2.3] Visão geral do funcionamento do Frame Relay Figura [2.4] Uso de subinterfaces no Frame Relay Figura [2.5] MPLS no modo Frame Figura [2.6] Encaminhamento IP baseado no destino Figura [2.7] Anúncio de rótulos através do LDP Figura [2.8] Anúncio de rótulos usando LDP através do roteador Figura [2.9] Roteamento explícito ao entrar na nuvem Figura [2.10] Roteamento explícito com o uso de classes de equivalência Figura [3.1] Uma aplicação de áudio Figura [3.2] a) Alta flutuação. b) Baixa flutuação. [5] [12] [15] Figura [3.3] Classificação das aplicações Figura [3.4] Largura de banda em sistemas ponto-a-ponto e Frame Relay [12] Figura [3.5] Atraso de transmissão [12] Figura [3.6] Atraso de enfileiramento [12] Figura [3.7] Flutuação induzida pela rede Figura [3.8] Exemplo de rede com mecanismos de QoS na classificação, enfileiramento e moldagem [12] Figura [3.9] Exemplo dos tipos de compressão Figura [3.10] QoS ponto a ponto com IntServ e DiffServ Figura [4.1] As três dimensões do projeto de redes WAN Figura [4.2] Fases da metodologia para projeto de redes WAN Figura [4.3] Diagrama da Fase Zero referente ao subsistema hierárquico Figura [4.4] Decomposição hierárquica em seis níveis Figura [4.5] Diagrama de fluxo da Fase Um Figura [4.6] Diagrama de fluxo da Fase Dois Figura [4.7] Diagrama de bloco da etapa análise de requisitos Figura [4.8] Diagrama de bloco da etapa análise de requisitos Figura [4.9] Diagrama de bloco da atividade de simulação Figura [5.1] Modelo ilustrativo do Sistema de Apoio a Decisão Figura [5.2] Modelo de dados do Protótipo Figura [5.3] Visão inicial do Protótipo Figura [5.4] Telas do Protótipo Figura [5.5] Tela de Localidade Figura [5.6] Filtro inicial para gráficos de utilização Figura [5.7] Dispersão de tráfego IN e OUT da região sul Figura [5.8] Tráfego IN e OUT da região Metropolitana Figura [5.9] Tráfego máximo de saída entre as localidades com CIR 256Kbps Figura [5.10] Desvio padrão do tráfego de IN da interface seria 0/0 referente à tecnologia Frame Relay Figura [5.11] Percentual de utilização de Internet como gráfico de área

11 Universidade Federal do Espírito Santo Figura [5.12] Análise das interfaces seriais Figura [5.13] Lista de campos disponível no gráfico Figura [5.14] Aplicações por localidade Figura [5.15] Dimensionamento de largura de banda Figura [6.1] Swich central da rede corporativa SEFAZ Figura [6.2] Distribuição das VLAN da redes departamentais Figura [6.3] Distribuição das portas das redes departamentais e rede WAN Figura [6.4] Switch de balanceamento de carga para aplicações WEB Figura [6.5] Controle de temperatura do BigIron Figura [6.6] Utilização de CPU e memória diária e semanal Figura [6.7] Utilização de CPU e memória mensal e anual Figura [6.8] Carga de utilização nas principais portas de fibra óptica Figura [6.9] Utilização de CPU e memória do switch de balanceamento de carga Figura [6.10] Detalhes de monitoramento do servidor S3a Figura [6.11] Detalhes de monitoramento do servidor S3a Figura [6.12] Modelo lógico da rede WAN Figura [6.13] Modelo lógico rede WAN Frame Relay Concentrador TELEMAR Figura [6.14] Modelo lógico serial 0/ Figura [6.15] Modelo lógico serial 0/ Figura [6.16] Modelo lógico serial 0/ Figura [6.17] Modelo lógico serial 0/2 continuação Figura [6.18] Modelo lógico serial 0/ Figura [6.19] Modelo lógico segmento rede EXTERNA Figura [6.20] Modelo lógico segmento rede SIAFEM Figura [6.21] Modelo lógico segmento rede INTERNET Figura [6.22] Modelo lógico segmento rede TC-DATA Figura [6.23] Coleta Frame-Relay de 13/04/2005 às 14:19h e 26/01/2006 às 15:37h. 154 Figura [6.24] Coleta Internet de 26/01/2006 às 14:19h e 26/01/2006 às 15:37h Figura [6.25] Enlace virtual de Internet - utilização semanal Figura [6.26] Relação das aplicações em funcionamento e novas demandas Figura [6.27] Detalhamento das localidades, enlaces e aplicações Figura [6.28] Detalhamento das demandas existentes Figura [6.29] Detalhamento das novas demandas identificadas Figura [6.30] Caracterização dos grupos de usuários por localidade Figura [6.31] Comparativo Nacional de Arrecadação de ICMS Figura [6.32] Monitoramento do enlace da localidade de José do Carmo - MRTG Figura [6.33] Monitoramento do enlace da localidade de José do Carmo - Protótipo. 174 Figura [6.34] Comparação do enlace das localidades com CIR 256Kbps - Protótipo. 175 Figura [6.35] Informações da GEFAZ NE Figura [6.36] Latência de todos os enlaces Figura [6.37] Gráfico percentual de utilização média para as Gerências Regionais Figura [6.38] Gráfico percentual de utilização média dos Postos Fiscais Figura [6.39] Percentual de utilização da nuvem Frame Relay Figura [6.40] Caracterização da rede WAN SEFAZ no OPNET Modeler Figura [6.41] Detalhamento da Grande Vitória Figura [6.42] Parâmetros da Agência Virtual

12 Universidade Federal do Espírito Santo Figura [6.43] Utilização do enlace de Internet no período de 03/04/2006 a 07/04/ Figura [6.44] Comportamento dos usuários internos solicitando serviços Figura [6.45] Comportamento dos usuários externos solicitando serviços a SEFAZ Figura [6.46] Gerências Regionais Figura [6.47] Referente a região Noroeste Figura [6.48] Referente a região Nordeste Figura [6.49] Referente a região Sul Figura [6.50] Região Metropolitana

13 Universidade Federal do Espírito Santo VITÓRIA 2006 Tabelas Tabela [2.1] Comparativo entre as taxas de transmissão SONET/SDH e DS Tabela [2.2] Tabela de rotas do roteador Tabela [2.3] Tabela de rotas do roteador Tabela [2.4] Tabela de rotas do roteador 1 após a inserção do rótulo remoto Tabela [2.5] Tabela de rotas do roteador 2 após a inserção do rótulo remoto Tabela [2.6] Tabela atualizada após o processo de divulgação de rotas Tabela [3.1] Atraso de transmissão Tabela [4.1] Caracterização dos requisitos Tabela [4.2] Caracterização dos requisitos (continuação) Tabela [4.3] Caracterização dos grupos de usuários por gerência Tabela [4.4] Caracterização dos grupos de usuários por localidade Tabela [4.5] Caracterização dos grupos de usuários móveis Tabela [4.6] Caracterização dos grupos de usuários externos Tabela [5.1] Comparativo das características de BI e Sistemas transacionais Tabela [6.1] Análise de servidores corporativos de alto desempenho Tabela [6.2] Análise de servidores críticos de plataforma baixa Tabela [6.3] Aplicações e serviços atuais Tabela [6.4] Tabela do What s UP usada no calculo da latência Tabela [6.5] Perfil SIAFEM Web na Internet Tabela [6.6] Perfil SIAFEM Web na Intranet Tabela [6.7] Perfil Agência Virtual Tabela [6.8] Perfil SIT Web na WAN Frame Relay

14 Universidade Federal do Espírito Santo VITÓRIA 2006 Lista de Acrônimos 3DES - Triple Data Encryption Standard AF Assured Forward AS - Autonomous System AT&T - American Telephone and Telegraph ATM Asynchronous Transfer Mode BA Behavior Aggregate BB - Bandwidth Broker CBQ Class Based Queuing CBR Constraint-Based Routing CIR - Committed Information Rate CL Controlled Load COS Class Of Service CQ Custom Queuing CSC Class Selector Compliant 3DES - Triple Data Encryption Standard DES - Data Encryption Standard DSCP - DiffServ CodePoints DNS Domain Name Service DLCI - Data-Link Control Identifier ECMP Equal-Cost Multi-Path EGP - Exterior Gateway Protocol FEC Forwarding Equivalence Classes FIFO - First-In-First-Out FTP File Transfer Protocol GL Guaranteed Load IDEA - International Data Encryption Algorithm IETF - Internet Engineering Task Force IGP Interior Gateway Protocol IP Internet Protocol IS-IS Intermediate-System - to - Intermediate-System ISP Internet Service Provider ITU-T - International Telecommunications Union - Telecommunication Standardization Sector L2TP Layer 2 Tunneling Protocol LDAP - Lightweight Directory Access Protocol LDP Label Distribution Protocol LPCD LinhaPrivada de Comunicação de Dados LSA - Link State Advertisement LSDB Link Stored DataBase LSP Label Switching Path

15 Universidade Federal do Espírito Santo LSR Label Switching Router LSRP Link State Routing Protocol MD5 - Message-Digest algorithm 5 MF - Multi-Field MPLS - MultiProtocol Label Switching MRTG - Multi Router Traffic Grapher MTU - Maximum Transfer Unit MTTR Mean Time to Repair OC - Optical Carrier OSI Open Systems Interconnection OSPF - Open Shortest Path First PDH - Plesiochrouns Digital Hierarchy PHB - Per-Hop-Behavior PNNI Private Network-Network Interface PPP Point to Point Protocol PQ Priority Queuing PSTN - Public Switched Telephone Network QoS Quality Of Service QoSR Quality Of Service Routing RED Random Early Detection RDP Remote Desktop Protocol RIP Routing Information Protocol RSA Rivest Shamir Adleman RSVP Resource Reservation Protocol SLA Service Level Agreement SLIP Serial Line Internet Protocol SDH Synchrouns Digital Hierarchy SHA - Secure Hash Algorithm SOA Service Oriented Architecture SONET Synchrouns Optical Network SPF Shortest Path First SNMP Simple Network Management Protocol STM Synchronous Transport Modules TCP/IP Transport Control Protocol / Internet Protocol TE Traffic Engineering TOS - Type Of Service TSpec - Traffic Specification TTL Time To Live VPN Virtual Private Network WAN Wide Area Network WDM Wavelength-Division Multiplexing WINS Windows Information Name Service WFQ Weighted Fair Queuing WRED Weighted Random Early Detection WRR - Weighted Round Robin

16 Universidade Federal do Espírito Santo

17 Universidade Federal do Espírito Santo VITÓRIA 2006 Resumo Este trabalho propõe e aplica uma metodologia para o desenvolvimento de projetos de redes multimídia geograficamente distribuídas (WAN), com suporte a requisitos de qualidade de serviços (QoS). Para facilitar a aplicação da metodologia foi implementado um protótipo que agrega os dados principais da rede e gera as informações para o processo de simulação utilizando-se o software OPNET Modeler. A metodologia visa caracterizar o ambiente tecnológico atual e as demandas futuras em uma rede WAN, com o objetivo de atender os requisitos de negócio e maximizar a disponibilidade da rede com a melhor relação custo versus beneficio. Focada numa visão tridimensional, onde as dimensões de modularização, análise e atividades se relacionam de forma evolutiva e recursiva, através de um processo que suporta o uso de iterações com refinamentos sucessivos, identificando os subsistemas, arquiteturas, protocolos e aplicações, a fim de permitir a adoção e uso de novas tecnologias ou parâmetros de QoS que atendam os interesses organizacionais e a satisfação dos usuários em novos projetos. O protótipo é usado para consolidar em um único sistema as características do ambiente e planejar a evolução futura, provendo análises estáticas e dinâmicas, semelhante a um sistema de BI (Business Intelligence). Palavras chaves: Análises, Atividades, Caracterização, Modularização, Requisitos, Planejamento e Simulação.

18 Universidade Federal do Espírito Santo VITÓRIA 2006 Abstract This work proposes and applies a methodology for design WAN multimedia network, with (QoS) quality of services requirements support. In order to permit the methodology application easier, it was performed a prototype that gathers the network main data, and generates information for the simulator process using the software OPNET Modeler. The methodology aims to establish the current technological environment characteristics and the future requirements. The final purpose is to fulfill the business requirements with maximum network availability, achieving the best costs / benefits ratio. The methodology is aimed at a tri-dimension vision, where the modularization, analysis and activities dimensions have relation on a progressive and recursive way. This is achieved through a method that bears the iterations use with sequential refining, and also identifies the subsystems, architectures, protocols and applications; in order to permit the new technologies or QoS parameters adoption and use that corresponds to the organizational aims, as well as the new projects users satisfaction. The prototype is used for the environment characteristics consolidation in a unique system, and also for planning the future evolution, supplying statistical and dynamical analysis, similar a BI system (Business Intelligence). Key words: Analysis, Characterization, Modularization, Requirements, Planning and Simulation.

19 5 1 INTRODUÇÃO A principal transformação no mundo da interconexão das redes, com certeza se deve a combinação da suíte de protocolos TCP/IP (Transport Control Protocol / Internet Protocol). Ao se pensar nisso é possível voltar à década de 70, e tentar avaliar as evoluções ocorridas até se atingir o cenário atual. No cenário atual, é possível perceber o ritmo acelerado das revoluções tecnológicas e as novas tendências, que além de estimular também assustam os profissionais ligados a redes e telecomunicações. Cabe aos envolvidos avaliar se é possível medir a rapidez e quais são os novos produtos, tecnologias, protocolos e métodos que serão absorvidos pelo mercado. Todavia, se é possível atribuir tal velocidade e evolução tecnológica a algum evento, sem sombra de duvidas este evento é a Internet. A Internet permite a interação entre milhões de páginas web que abrigam textos, imagens, sons, filmes, fotos, mapas, jogos, transações comercias e etc, permitindo a comunicação global. É na Internet, que novos cenários são divulgados e compartilhados e o mundo web estimula as pessoas a pensar em negócios de forma rápida, dinâmica e com mobilidade. Percebe-se então a flexibilidade e a necessidade cada vez maior por serviços variados e diferenciados, cenários fixos e móveis que são transferidos para as residências e redes corporativas. Deve-se chamar essa mistura soluções e facilidades de serviços multimídia. Portanto, da mesma forma que usuários corporativos quando estão em suas redes locais têm necessidade por serviços disponíveis na Internet, as Corporações têm necessidade de usar a Internet para realizar suas transações comerciais e disponibilizar seus produtos e serviços com abrangência mundial.

20 6 Sendo assim, é necessário estabelecer projetos de redes WAN que contemple o acoplamento de uma grande variedade de soluções. Diante disso, este trabalho tem por objetivo geral apresentar uma proposta de metodologia capaz de organizar e estabelecer os caminhos necessários e viáveis para se projetar redes WAN com requisitos de multimídia. O foco principal do trabalho é a metodologia e sua aplicabilidade a um cenário real, onde se faz necessário a oferta de serviços através da Internet, como a proposta de promover a interação entre o cidadão e a Secretaria de Estado da Fazenda Estadual do Estado do Espírito Santo. Este trabalho tem como objetivos específicos: Desenvolver e aplicar uma metodologia de projetos de redes WAN a um cenário real; Desenvolver um protótipo e aplicá-lo, como ferramenta no auxílio do uso da metodologia, com a finalidade de caracterizar e aferir o parque de tecnologia de informação que compõe a rede WAN SAFAZ no que diz respeito aos seus enlaces de interconexão; Realizar simulações com o uso do OPNET Modeler a fim de verificar o impacto das demandas futuras no cenário atual, com a finalidade de prover novos serviços a usuários externos e internos. A metodologia de desenvolvimento da pesquisa se deu em três etapas distintas que se aglutinam ao longo do trabalho. A primeira delas é relacionada ao estudo detalhado das tecnologias e seus protocolos através das referencias bibliográficas [1], [2], [3], [4], [5], [6], [7], [8], [9], [15], [16], [20], conceitos adquiridos no decorrer do mestrado e a implementação pratica de soluções WAN na rede SEFAZ. A segunda etapa deu-se com o entendimento dos conceitos e mecanismos que estabelecem os padrões da disciplina de QoS e sua relação com os contratos de SLA através das fontes [4], [5],

21 7 [11], [12], [13], [18] e [19]. A terceira etapa, considerada principal e fundamental, se deu na busca e compreensão de metodologias para projetos de redes corporativas usando as fontes bibliográficas [1], [4], [10], [11] e [12], e a estratificação das etapas que dizem respeito a redes WAN. O processo de pesquisa termina com o relacionamento dos conceitos, tecnologias, requisitos de QoS atrelados a uma metodologia que seja capaz de permitir analisar e compreender redes WAN Multimídia. Os resultados esperados com este trabalho, dizem respeito a avaliar a metodologia proposta como um caminho no desenvolvimento de projetos de redes WAN multimídia, verificar se o protótipo é um instrumento facilitador na aplicação da metodologia e na consolidação dos dados obtidos e ainda extrair dos processos de simulação as respostas pertinentes ao crescimento proposto na oferta de serviços. A dissertação encontra-se dividida em sete capítulos, sendo o primeiro esta introdução, que enfatiza a necessidade de uma metodologia que suporte os projetos de redes WAN, sua aplicabilidade e seus resultados. O segundo capítulo apresenta uma visão geral de algumas tecnologias de comunicação com suporte ao IP Internet Protocol, e enfatiza os conceitos que são necessários para o entendimento de engenharia de tráfego. O terceiro capítulo descreve os parâmetros e mecanismo de QoS necessários para se prover soluções em redes multimídia. Além disso, faz uma breve análise das arquiteturas usadas no estabelecimento de serviços integrados e diferenciados. O quarto capítulo é o principal desta dissertação, e apresenta detalhadamente a metodologia proposta para projetos de redes WAN. A metodologia é descrita em três fases e seu ponto principal é permitir o uso de iterações sucessivas e recursivas com objetivo de mapear as necessidades tecnológicas e restrições de negócio. Para facilitar

22 8 seu uso foi desenvolvido um protótipo que é parte integrante desta dissertação, presente no capítulo 5. O quinto capítulo detalha o Protótipo como um sistema de apoio a decisão para projetos redes de telecomunicações. Este protótipo deve ser entendido como um sistema híbrido com funções típicas de um sistema transacional e funções típicas das ferramentas de apoio a tomada de decisões. Está focado em auxiliar o processo de consolidar as informações de redes e infra-estrutura de tecnologia da informação, através da análise dinâmica de todos os dados, com a possibilidade de gerar relatórios gerencias para facilitar o desenvolvimento de projetos de redes de telecomunicações. O sexto capítulo representa a aplicabilidade da metodologia com o estudo de caso da Rede WAN SEFAZ. Descreve as fases pertinentes à metodologia e os resultados obtidos. Destaca-se neste capítulo as análises dinâmicas permitidas com o uso do protótipo e as simulações extraídas do OPNET Modeler. O sétimo capítulo contém as conclusões deste trabalho, sendo apresentada uma sugestão para a evolução do protótipo. Para finalizar o trabalho, é incorporado um CD-ROM contendo os anexos e arquivos referentes ao protótipo e as simulações no formato do OPNET Modeler com seus relatórios principais.

23 9 2 CONTEXTUALIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE COMUNICAÇÃO PARA PROJETOS DE REDES WAN 2.1 INTRODUÇÃO A demanda por serviços IP nas redes WAN (Wide Area Networks) e a evolução da tecnologia proporcionam um novo paradigma para aplicações multimídia distribuídas. Cada vez mais existe a necessidade de serviços com acesso a recursos compartilhados em redes WAN. No entanto, além dessa necessidade, os usuários também exigem os mesmos requisitos de qualidade encontrados nas redes LAN. Faz-se necessário adotar soluções tecnológicas que permitam desempenhos idênticos ao se executar as aplicações em rede locais e ter a confiabilidade como uma das metas mais importantes, com o objetivo de suportar o negócio a ser trafegado na rede [4]. A imensa variedade de combinações tecnológicas torna a tarefa de projetar e analisar redes WAN extremamente complexa [1] [6]. Contudo, não é possível considerar como trivial prover serviços para aplicações telemáticas 1 distribuídas, principalmente aplicações multimídia em tempo real, como vídeo sob demanda, videoconferência, voz sobre IP, computação em grupo de trabalho (controle de fluxo de trabalho, tele-medicina e etc..), mantendo as exigências de QoS (Quality of Service) em conformidade com níveis de serviços contratuais (SLA Service Level Agreement) bem definidos [6] [11]. Portanto, combinar recursos computacionais com um conjunto de especificações, que garantam os serviços oferecidos, atendendo os requisitos necessários fim a fim, é vital para o sucesso dos projetos de redes WAN. 1 Ciência que trata da manipulação e utilização da informação através do uso combinado de computador e meios de telecomunicação.

24 10 Diante disso, é preciso adotar soluções que atendam a todos os subsistemas que compõem o ambiente a ser considerado, e permitir analisar, especificar e implementar, as arquiteturas internas, topologias, tecnologias de comunicação de dados, protocolos de comunicação, e demais fatores que permeiam o projeto [1] [5] [11]. Neste cenário, torna-se claro a importância do protocolo IP (Internet Protocol), como o ponto de convergência das tecnologias de redes, e suas limitações, fruto de sua simplicidade original, que limitam a implementação de QoS nativo nas redes baseadas neste protocolo. Assim sendo, a correta combinação de tecnologias nas camadas adjacentes à camada de rede é fundamental devido às características do IP, dentre as quais pode-se citar: O serviço é definido como um sistema de transmissão sem conexão, BE (Best-effort) melhor esforço e não-confiável [2] [5] [15] [16]; O serviço é conhecido como não-confiável devido a entrega não ser garantida [15] [16]; O serviço é denominado sem conexão porque cada pacote é enviado de forma independente dos outros [2] [8]; O serviço utiliza transmissão do tipo BE (melhor esforço), porque o software de interligação de redes faz uma série de tentativas para entregar os pacotes [2] [3]; Não existe nenhum tipo de classificação, priorização e reserva de recursos, nativos do protocolo IP [5] [11] [12]; O roteamento é implícito, onde cada pacote é inspecionado e analisado individualmente em cada nó de roteamento, acarretando uma sobrecarga na transmissão dos mesmos [11] [14].

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 6 LPCD, Redes IP/MPLS, VPN e Frame Relay Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral MPLS significa Multi Protocol Label Switching. OMPLSé um mecanismo eficiente i de encapsulamento em hardware

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN MPLS Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento Principalmente

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002 MPLS MultiProtocol Label Switching Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 0/2002 Por que MPLS? Fatores Motivadores O crescimento rápido da Internet e a difusão de redes

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. MPLS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo atuado nas

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações Mário Meireles Teixeira mario@deinf.ufma.br Motivação Atualmente, funcionam sobre as redes IP aplicações cujos requisitos elas não foram projetadas para atender

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. VPN: Redes Privadas Virtuais O objetivo deste tutorial é apresentar os tipos básicos de Redes Privadas Virtuais (VPN's) esclarecendo os significados variados que tem sido atribuído a este termo. Eduardo

Leia mais

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento principalmente em backbones

Leia mais

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS Redes remotas Prof.Francisco Munhoz X.25 Linha de serviços de comunicação de dados, baseada em plataforma de rede, que atende necessidades de baixo ou médio volume de tráfego.

Leia mais

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda.

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda. REDES MPLS PARTE 1 PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Protocolos anteriores ao MPLS. Motivações para o uso de Redes MPLS. O Cabeçalho MPLS. Label Switch Router (LSR). Switched Path (LSP). Forwarding

Leia mais

TECNOLOGIA DE ACESSO A REDES Prof. André Ciriaco andreciriaco@hotmail.com Aula 02 Objetivo da Aula Apresentação da Atividade PO última aula 1.5. Redes WAN Conceitos 1.5.1 Redes Wan -História 1.5.2 Elementos

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS 2015 1 A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS Marcelo Balbinot marcelo@alt.net.br Acessoline Telecom Agenda 2 Apresentação. A Empresa. Evolução do backbone. A tecnologia MPLS. Os serviços

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

TRABALHO DE TELEFONIA IP

TRABALHO DE TELEFONIA IP 1 Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores TRABALHO DE TELEFONIA IP QoS - Serviços Diferenciados Equipe: Afonso Sousa Jhonatan Cavalcante Israel Bezerra Wendel Marinho Professor: Fabio Fortaleza/2014.1

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Redes WAN de Circuitos Virtuais www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Na aula de hoje serão apresentadas duas tecnologias de redes de longa distância

Leia mais

MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP

MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP Nilton Alves Júnior naj@cbpf.br Kelly Soyan Pires Dominguez kelly@cbpf.br Resumo Este trabalho tem como função explicitar o conceito de Qualidade de Serviço

Leia mais

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE.

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. 1. INTRODUÇÃO AO ATM O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. O Protocolo ATM vem se tornando a cada dia que passa o mas importante no meio das Telecomunicações Mundiais. Tudo leva a crer que desempenhará

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 7 Metro Ethernet Sumário IEEE 802.3ae 10 Gbit/s Ethernet - Metro

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 PROTOCOLO PPP Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 RESUMO Neste trabalho é apresentado o Protocolo PPP, Suas principais características e seu funcionamento. Suas variações também são enfocadas

Leia mais

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito Capítulo IV - QoS em redes IP Prof. José Marcos C. Brito Mecanismos básicos Classificação Priorização Policiamento e conformação Gerenciamento de congestionamento Fragmentação Dejjiter buffer Reserva de

Leia mais

Configuração de Roteadores e Switches CISCO

Configuração de Roteadores e Switches CISCO Configuração de Roteadores e Switches CISCO Introdução ao CISCO IOS Protocolo MPLS Módulo - VI Professor do Curso de CISCO Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de Redes de Computadores há

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDE PÚBLICA x REDE PRIVADA Rede Pública Circuitos compartilhados Rede Privada Circuitos dedicados Interligação entre Dispositivos

Leia mais

VPN. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

VPN. Prof. Marciano dos Santos Dionizio VPN Prof. Marciano dos Santos Dionizio VPN Virtual Private Network ou Rede Privada Virtual É uma rede de comunicações privada normalmente utilizada por uma empresa ou um conjunto de empresas e/ou instituições,

Leia mais

Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS. Prof. Dr. S. Motoyama Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS Prof. Dr. S. Motoyama 1 NAT Network address translation Resto da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 Rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24 10.0.0.1 10.0.0.2 10.0.0.3 Todos os

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: Rodrigo Caetano Filgueira Tecnologias WAN TECNOLOGIAS WAN Quando uma empresa cresce e passa a ter instalações em várias localidades, é necessário interconectar as redes

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Roteamento na Internet OSPF BGP IPv6 Revisão MPLS Roteamento na Internet IGP: Interior Gateway Protocol (Protocolo de Gateway Interior) Algoritmo de

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

MPLS Multi-Protocol Label Switching

MPLS Multi-Protocol Label Switching MPLS Multi-Protocol Label Switching Adilson Eduardo Guelfi Volnys Borges Bernal Luis Gustavo G. Kiatake Agenda Introdução Arquitetura de Rede Conceitos MPLS Conclusões Introdução MPLS is the enabling technology

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy REDES DE LONGA DISTANCIA Roteamento IP & MPLS Prof. Marcos Argachoy Perfil desse tema O Roteador Roteamento IP Protocolos de Roteamento MPLS Roteador Roteamento IP & MPLS Hardware (ou software) destinado

Leia mais

REDES VIRTUAIS PRIVADAS

REDES VIRTUAIS PRIVADAS REDES VIRTUAIS PRIVADAS VPN Universidade Católica do Salvador Curso de Bacharelado em Informática Disciplina: Redes de Computadores Professor: Marco Antônio Câmara Aluna: Patricia Abreu Página 1 de 10

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Disciplina : Transmissão de Dados

Disciplina : Transmissão de Dados Disciplina : Transmissão de Dados Paulo Henrique Teixeira Overwiew Conceitos Básicos de Rede Visão geral do modelo OSI Visão geral do conjunto de protocolos TCP/IP 1 Conceitos básicos de Rede A largura

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 3 - REDES PARA INFORMÁTICA 1. INTRODUÇÃO Muito se falou sobre telecomunicações aplicadas as diversas áreas da comunicação. Todas as áreas de uma forma ou de outra são dependentes da computação/informática

Leia mais

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Introdução ao MPLS Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Algar Telecom 60 anos de atuação Mais de 1,5 mil associados Mais de 1 milhão de clientes Companhia de capital aberto* Backbone 13 mil km de rede óptica

Leia mais

VPN. Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação

VPN. Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação VPN Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação Conceito Vantagens Tipos Protocolos utilizados Objetivos VPN (Virtual Private Network) Rede Privada Virtual - uma conexão onde o acesso e a troca de

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

MultiProtocol Label Switching - MPLS

MultiProtocol Label Switching - MPLS MultiProtocol Label Switching - MPLS Prof. S. Motoyama Rede IP Tradicional ROT - roteador ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT uvem IP ROT ROT 2 Encaminhamento de pacote na rede tradicional Prefixo Enderereço

Leia mais

10/10/2014. Interligação de redes remotas. Introdução. Introdução. Projeto Lógico da rede. WAN do Frame Relay. Flexibilidade do Frame Relay

10/10/2014. Interligação de redes remotas. Introdução. Introdução. Projeto Lógico da rede. WAN do Frame Relay. Flexibilidade do Frame Relay Interligação de redes remotas Introdução Frame Relay é um protocolo WAN de alto desempenho que funciona nas camadas física e de enlace do modelo OSI. Serviços Comutados por pacote Frame Relay / X.25 Prof.

Leia mais

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta Ebook Exclusivo Protocolo OSPF O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t E s pec i a li s ta em S e rv i ços G e r e n c i a do s Segurança de de Perímetro Sumário Introdução P.3 Ententendendo o Protocolo

Leia mais

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP 7.1. O porquê da Qualidade de Serviço 7.2. Mecanismos para QoS 7.3. Modelo de Serviços Integrados - IntServ 7.4. Modelo de Serviços Diferenciados - DiffServ 1

Leia mais

QoS em roteadores Cisco

QoS em roteadores Cisco QoS em roteadores Cisco Alberto S. Matties 1, André Moraes 2 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Rua Gonçalves Chaves 602 96.015-000 Pelotas RS Brasil 2 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Aula 1 Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 1 Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama Aula 1 Fundamentos Prof. Dr. S. Motoyama 1 O que é uma Rede de Computadores? Vários tipos de redes: Redes Telefônicas Redes de Satélites Redes Celulares Redes de TV a cabo Internet e intranets Rede Privada

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Aplicando políticas de QoS. MUM Brasil São Paulo Outubro/2008. Sérgio Souza

Aplicando políticas de QoS. MUM Brasil São Paulo Outubro/2008. Sérgio Souza Aplicando políticas de QoS MUM Brasil São Paulo Outubro/2008 Sérgio Souza Nome: País: Sergio Souza Brasil Tecnólogo em Processamento de Dados Consultor independente atuando há vários anos em implementação,

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

VPN - VIRTUAL PRIVATE NETWORK REDES VIRTUAIS PRIVADAS

VPN - VIRTUAL PRIVATE NETWORK REDES VIRTUAIS PRIVADAS VPN - VIRTUAL PRIVATE NETWORK REDES VIRTUAIS PRIVADAS Alfredo Alves da Silva Neto, Técnico em Eletrônica,CCNA-M4 pela academia Cisco Poli - UPE 2009 MCTIP MCTS MCT - Infra Estrutura Servidores e Virtualização

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br

Redes de Computadores. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br Redes de Computadores Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br Classificação de Redes Redes de Computadores Conjunto de nós processadores capazes de trocar informações

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 5 Multiprotocol Label Switching (MPLS) Sumário Definição; Histórico;

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Elementos da Comunicação Origem da mensagem ou remetente; O canal meio físico; Destino da mensagem ou receptor; Rede de dados ou redes de informação são capazes de trafegar diferentes

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom. Joelson Tadeu Vendramin

Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom. Joelson Tadeu Vendramin Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom Joelson Tadeu Vendramin Agenda Evolução da rede óptica da Copel Backbone: (Synchronous Digital Hierarchy) e DWDM (Dense Wavelength Division Multiplexing)

Leia mais

PROTOCOLO MPLS. Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br. Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br. Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf.

PROTOCOLO MPLS. Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br. Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br. Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf. PROTOCOLO MPLS Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf.br Márcio Portes Albuquerque mpa@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br RESUMO

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 8 Redes ATM Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral A RDSI-FE (Rede Digital de Serviços Faixa Estreita) apareceu como uma evolução das tradicionais redes telefônicas, para redes de tecnologia

Leia mais

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére Planejamento e Projeto de Redes de Computadores Eduardo Barrére Aula Presencial Projeto Físico Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br O projeto deve considerar Seleção de tecnologias (conforme o projeto

Leia mais

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON É uma solução para a rede de acesso, busca eliminar o gargalo das atuais conexões entre as redes dos usuários e as redes MAN e WAN. A solução PON não inclui equipamentos ativos

Leia mais

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.)

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Tópicos Gerencia de Rede Motivação da Gerência Desafios Principais Organismos Padronizadores Modelo Amplamente Adotado As Gerências

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

A) 3; B) 1, 2 e 3; C) 1; D) 2; E) 1e2.

A) 3; B) 1, 2 e 3; C) 1; D) 2; E) 1e2. 21. A empresa ALPHA possui uma classe C para endereçamento de rede IP e usa como máscara o valor 255.255.255.224, para definir suas sub-redes. A quantidade máxima de equipamentos que podem estar conectados

Leia mais

Apresentação. Redes de Computadores 4o. Semestre 8/16/13 2

Apresentação. Redes de Computadores 4o. Semestre 8/16/13 2 Apresentação Prof. MsC. Robson Velasco Garcia Formação: Engenheiro Eletrônico- Telecomunicações (2000) IMT / EEM Escola de Engenharia Mauá; Mestre em Engenharia da Computação (2009) Redes de Computadores

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

Planejamento e Projeto de Redes

Planejamento e Projeto de Redes Planejamento e Projeto de Redes Carlos Sampaio Identificação das Necessidades e Objetivos do Cliente Análise dos objetivos e restrições de negócio Análise dos objetivos e restrições técnicos Caracterização

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

Redes WAN. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN Frame-Relay Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Desdobramento da ISDN Alta Velocidade Taxas entre 64 Kbps e 2 Mbps Roteamento na Camada de Enlace Usada p/ interligar: WAN, SNA, Internet

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS CAPÍTULO 13 LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS Todos os serviços de conectividade e comunicação de dados oferecidos por qualquer operadora de telecomunicações, devem terminar nos pontos finais de utilização

Leia mais

Camadas da Arquitetura TCP/IP

Camadas da Arquitetura TCP/IP Camadas da Arquitetura TCP/IP A arquitetura TCP/IP divide o processo de comunicação em quatro camadas. Em cada camada atuam determinados protocolos que interagem com os protocolos das outas camadas desta

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Roteamento IP RIP OSPF e BGP Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar

Leia mais

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em 2º Pacote Formação em Redes de Computadores Formação em Redes de Computadores Exposição dos conteúdos por um docente do ISEL do grupo de redes de comunicações Formação adequada a vários níveis de experiência

Leia mais

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN CAMADA DE REDE UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN Modelo de Referência Híbrido Adoção didática de um modelo de referência híbrido Modelo OSI modificado Protocolos

Leia mais

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network)

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) 1. Objeto: 1.1. Contratação de uma Solução de rede de comunicação local (LAN) para interligar diferentes localidades físicas e os segmentos de

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

Além do melhor esforço

Além do melhor esforço Além do melhor esforço Redes Multimídia Prof. Emerson Ribeiro de Mello Instituto Federal de Santa Catarina IFSC campus São José mello@ifsc.edu.br 25 de agosto de 2011 1 / 42 Sumário 1 Além do melhor esforço

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E Prof. Luís Rodolfo Unidade I REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO C Redes de computadores e telecomunicação Objetivo: apresentar os conceitos iniciais e fundamentais com relação às redes de computadores

Leia mais

SIMULAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES COM OPNET IT GURU ACADEMIC EDITION

SIMULAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES COM OPNET IT GURU ACADEMIC EDITION 20 de Dezembro de 2011 SIMULAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES COM OPNET IT GURU ACADEMIC EDITION José Roberto Teixeira Dias Filho SIMULAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES COM OPNET IT GURU ACADEMIC EDITION Aluno:

Leia mais