Mestrado Profissional em Engenharia Aeronáutica. Uma parceria de sucesso ITA-Embraer

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mestrado Profissional em Engenharia Aeronáutica. Uma parceria de sucesso ITA-Embraer"

Transcrição

1 Mestrado Profissional em Engenharia Aeronáutica Uma parceria de sucesso ITA-Embraer

2 O Mestrado Profissional em Engenharia Aeronáutica é parte integrante do Mestrado Profissional do Curso de Pós-Graduação em Engenharia Aeronáutica e Mecânica do ITA

3 Áreas de Concentração do Mestrado Profissional do Curso de Pós-Graduação em Engenharia Aeronáutica e Mecânica do ITA

4 Criação do Programa em 2001, a Embraer cria o Programa de Especialização em Engenharia PEE, no qual 165 engenheiros recém-contratados, durante 18 meses e em período integral, são treinados nas diversas disciplinas da engenharia aeronáutica; o ITA tem papel relevante, ministrando mais de 40% das aulas; custo excessivo, em encargos sociais, para manter o aluno-empregado motiva formalizar a formação dos recursos humanos; potencial da grife ITA como elemento de atração de engenheiros recémformados para o PEE; em fins de 1998, a CAPES havia reconhecido o Mestrado Profissional como modalidade de programa de Pós-Graduação stricto-sensu; em fins de 2001, ITA e a Embraer apresentam proposta à CAPES e os alunos da 1ª. turma são selecionados; aulas iniciam em março de 2002, antes da aprovação formal da CAPES.

5 Estrutura do Programa Aeronáutica Estruturas Fundamentos Carreira Específica Para Cada Turma Projeto ACD Sistemas EletroEletrônicos PDR Sistemas Hidromecânicos Fase 1 ~ 4 meses Fase 2 ~ 6 meses Fase 3 ~ 6 meses

6 Fase de Integração Esta fase envolve duas semanas, onde o aluno recém-chegado familiariza-se com o ITA e a EMBRAER por meio de visitas às respectivas instalações, professores, palestras, etc. encontros com profissionais e

7 Fase 1 o ITA ministra um conjunto de disciplinas obrigatórias, voltadas para a fromação básica em Engenharia Aeronáutica e em Sistemas; a EMBRAER complementa a formação profissional com uma série de matérias que servem para apresentar a empresa e seus diversos setores de engenharia e de negócios; duração: 19 semanas

8 Fase 2 os alunos são divididos em Carreiras; para cada Carreira são fixadas disciplinas obrigatórias ministradas pelo ITA ( built to suit ) com ênfase em formação; a EMBRAER complementa a formação profissional com uma série de matérias técnicas com ênfase em informação; duração: 24 semanas.

9 Divisão em Carreiras Aeronáutica Estruturas Sistemas Hidro-Mecânicos Sistemas Eletro-Elerônicos Manutenção, Manufatura, Informática, etc

10 Fase 3 os alunos são divididos em times de projeto e se envolvem com projetos conceituais de aeronaves especificados pela DTE-EMBRAER; no âmbito do Mestrado Profissional, a fase é denominada de Estágio Profissional e é caracterizada pela dedicação dos alunos, em tempo quase integral, aos projetos; a EMBRAER complementa a formação profissional com uma série de matérias técnicas de cunho informativo. Duração: 25 semanas

11 Características dos Projetos da Fase 3 Os projetos envolvem dois pontos importantes: Comonalidade dos projetos concebidos com as aeronaves presentes no portfólio de produtos da Embraer (Jatos Regionais; Aviação Executiva; Defesa ); Introdução de inovações tecnológicas. Nesta fase os alunos são continuamente supervisionados e observados em suas habilidades técnicas, comportamentais, de trabalho em equipe e de liderança; Visando atender os requisitos de alto padrão técnico exigido nos projetos, a coordenação de projeto é composta por engenheiros seniores da EMBRAER e por um time de consultores internacionais, com experiência industrial, que colaboram com a empresa;

12 Projetos Finais das Turmas do PEE Turma 1 (2002) 2 x Corporate Jets 2x25 PAX Quick-Conversion 1 UAV Turma 2 (2003) 2 x Corporate Jets 2 x 33 PAX Regional Jets 1 Advanced Military Trainer

13 Projetos Finais das Turmas do PEE Turma 3 (2003) 2 Personal - 4 Pax Turma 4 (2004) 3 Airlines Pax 1 LS&T-Subsonic

14 Projetos Finais das Turmas do PEE Agricultural Turma 5 (2005) 2 Regional Pax

15 Projetos Finais das Turmas do PEE Turma 8 (2007) Supersonic Business Jet

16 Projetos Finais das Turmas do PEE Turma 6 (2006) 2 x Regional Pax Grupo 2 Grupo 1

17 Projetos Finais das Turmas do PEE Turma 7 (2006) 2 x Regional Pax Grupo 1

18 Características da Dissertação de Mestrado Na Fase 3, os alunos, individualmente, formalizam e iniciam a preparação de uma dissertação de mestrado; A orientação dessa dissertação é realizada por um doutor (do ITA ou da Embraer ), podendo haver uma co-orientação de um especialista da EMBRAER; Os tópicos das dissertações freqüentemente são originados na empresa, mas podem ser propostos pelos professores do ITA; prazo máximo de conclusão: 36 meses contados a partir do ingresso no programa; ultrapassado o prazo de 24 meses sem defesa, é exigido o cumprimento do requisito adicional de apresentação de um artigo técnico-científico para publicação.

19 Elementos que explicam o sucesso do Programa a) Potencial intelectual do aluno processo seletivo altamente competitivo, com a participação de engenheiros de todo o país (em 2011 foram inscritos, dos quais convocados para prova presencial em Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador, São Carlos, São José dos Campos e Vitória); os engenheiros selecionados tornam-se alunos de mestrado em período integral, recebendo bolsa auxílio e outros benefícios da FCMF (R$ 1.500,00 nas fases 1 e 2; R$ 2.000,00 na fase 3; convênio médico-odontológico; seguro de vida; almoço no restaurante da Embraer + vale-refeição); a priorização, por parte da EMBRAER, na contratação de todos os que concluam com aproveitamento o programa profissional em sua área de especialização; a aura do avião no imaginário do jovem e a imagem muito positiva da Embraer.

20 Elementos que explicam o sucesso do Programa b) padrão ITA (disciplina, ética, nível de cobrança, etc.); c) avaliação contínua e conseqüente, por parte da Embraer (o professor que é mal avaliado, é substituído!); d) ambiente de trabalho apropriado (profissional x acadêmico); e) apoio financeiro integral por parte da Embraer; f) informações sobre o estado-da-arte em Eng. Aeronáutica, com investimentos contínuos no desenvolvimento de facilidades de ensino e pesquisa, bem como cooperação com instituições internacionais parceiras.

21 Dificuldades encontradas nos Critérios de Avaliação da CAPES no Triênio participação dos docentes nas atividades de ensino e pesquisa na GRADUAÇÃO (no caso de IES com curso de graduação na área ou em áreasafins), com particular atenção à repercussão que este item pode ter na formação de futuros ingressantes na PG ou no mundo profissional/empresarial. peso: 10.00; conceito: Regular participação de discentes autores da pós-graduação e da graduação (neste caso, se a IES possuir graduação na área) na produção científica, tecnológica e profissional do curso/programa. peso: 15.00; conceito: Deficiente qualidade dos Trabalhos de Conclusão: Outros Indicadores. Peso: 10.00; conceito: Fraco

22 Dificuldades encontradas nos Critérios de Avaliação da CAPES no Triênio Ficha de Avaliação do Programa PROPOSTA DO PROGRAMA peso 0.00 Muito Bom CORPO DOCENTE peso Muito Bom CORPO DISCENTE, TESES E DISSERTAÇÕES peso Regular PRODUÇÃO INTELECTUAL peso Bom INSERÇÃO SOCIAL peso Muito Bom Nota Comissão: Bom 4

23 Dificuldades encontradas nos Critérios de Avaliação da CAPES no Triênio Apreciação O Comitê decidiu pelo rebaixamento para conceito 4, tendo em vista, não somente o resultado da soma dos conceitos individuais dos quesitos, como também os problemas apontados em relação à participação de discentes na geração de conhecimentos, como publicações etc. Mesmo conhecendo as características específicas do curso, observa-se que deve haver forte incremento na participação de discentes autores da pós-graduação e da graduação na produção científica, tecnológica e profissional e, por consequência, no conjunto de publicações qualificadas. Em particular, espera-se considerável aumento na publicação de trabalhos concluídos em periódicos.

24 Dificuldades encontradas nos Critérios de Avaliação da CAPES no Triênio Defesa do ITA para a Reversão da Concessão do Conceito 4 Ausência de um documento da CAPES focalizando critérios específicos para a avaliação dos MProfs; Base de dados Qualis é totalmente inadequada para a avaliação da produção discente de MProfs; ITA tem um compromisso de sigilo por um prazo mínimo de 3 anos; A qualidade dos egressos do curso e de suas dissertações é atestada em declaração assinada pelo vice-presidente de engenharia da Embraer; O Programa do ITA sempre foi citado pela CAPES como exemplo a ser seguido; um rebaixamento de Nota é um tiro no próprio pé;

25 Conclusões O Programa de Mestrado Profissional em Engenharia Aeronáutica nasceu da aliança entre o ITA e a EMBRAER tendo como meta preparar profissionais altamente qualificados para indústria aeronáutica; Empresas transnacionais como a EMBRAER têm demanda constante para tornar mais exigentes seus padrões estratégicos e operacionais bem como sua competência em termos de recursos humanos. A imagem de marca da empresa está hoje associada a excepcionais soluções de projeto que foram testadas ao longo dos anos e a empresa se encontra aberta para novos programas e novas parcerias que lhe permitam manter e aperfeiçoar suas vantagens competitivas atuais; Para poder satisfazer a esse desafio, a Embraer escolheu o MProf-PEE como estratégia básica para preparar e preservar uma massa crítica de engenheiros com conhecimento aeronáutico para enfrentar os problemas atuais e futuros.

26 Conclusões Para o ITA, esta aliança tornou-se um marco estratégico no sentido que, como tradicional escola de Engenharia Aeronáutica, passou a ter a responsabilidade de formar profissionais com experiência prática, além da teórica, fato que também vem contribuindo para o aprimoramento profissional de seus professores; No momento, como política, a EMBRAER oferece duas portas principais para a admissão de novos engenheiros: a formação em Graduação em cursos de Engenharia Aeronáutica no país e os engenheiros titulados neste Programa de Mestrado Profissional em Engenharia Aeronáutica; Para ambos os parceiros existe um trabalho contínuo de aprimoramento do Programa, de modo a permitir uma constante atualização técnica e prática do conteúdo de suas disciplinas.

27 Qualidade da Produção Docente e Discente dos MPs em Engenharia O ITA é favorável a Que a qualidade da formação do egresso seja atestada pela empresa/instituição cliente (quem paga a conta sabe onde aperta o calo!); Que o prazo de vinculação do egresso com o curso seja extendido para 5 anos (no caso do ITA, o acordo de sigilo por 3 anos após a defesa impossibilita que a maior parte da produção docente seja contabilizada ); Que a produção técnica/tecnológica seja priorizada sobre a produção científica; Que seja incentivada a divulgação da geração de conhecimento tecnológico EM QUALQUER MEIO; é da quantidade que surge a qualidade; lembrar que uma revista de cunho científico Qualis A provavelmente é inadequada para a divulgação de avanço tecnológico de interesse industrial.

O programa é específico para engenheiros recém-formados e não são selecionadas pessoas com outra formação.

O programa é específico para engenheiros recém-formados e não são selecionadas pessoas com outra formação. Informações importantes: Processo Seletivo Para participar do processo seletivo, faça seu cadastro no site do PEE (link), aguarde receber o link para realização do teste de inglês online e fique atento

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM ENGENHARIA AERONÁUTICA ITA-EMBRAER Uma Parceria Inovadora. Paulo Rizzi Donizeti de Andrade

MESTRADO PROFISSIONAL EM ENGENHARIA AERONÁUTICA ITA-EMBRAER Uma Parceria Inovadora. Paulo Rizzi Donizeti de Andrade MESTRADO PROFISSIONAL EM ENGENHARIA AERONÁUTICA ITA-EMBRAER Uma Parceria Inovadora Paulo Rizzi Donizeti de Andrade Mestrado Profissional em Engenharia Aeronáutica ITA-EMBRAER, Uma Parceria Inovadora 242

Leia mais

I - Proposta do Programa

I - Proposta do Programa Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior SERVIÇO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE 04 Ano Base 01_02_03 SERVIÇO SOCIAL / ECONOMIA DOMÉSTICA CAPES Período de Avaliação: 01-02-03 Área

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2004 Ano Base 2001_2002_2003 SOCIOLOGIA CAPES Período de Avaliação: 2001-2002-2003 Área de Avaliação: SOCIOLOGIA

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2004 a 2006 Etapa: Trienal 2007 Área de : 10 - ENGENHARIAS I IES: 24009016 - UFCG - UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE Programa: 24009016002P1 - ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL Modalidade:

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SANDUÍCHE E PÓS-DOUTORAL NO ENSINO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SANDUÍCHE E PÓS-DOUTORAL NO ENSINO DA PÓS-GRADUAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SANDUÍCHE E PÓS-DOUTORAL NO ENSINO DA PÓS-GRADUAÇÃO Isabela Almeida Pordeus Novembro 2009 A Pós-Graduação em Odontologia Evolução dos Programas: Odontologia Evolução do Programas

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

Seminário de Acompanhamento de Programas de Pós-Graduação em Odontologia 3 x 3

Seminário de Acompanhamento de Programas de Pós-Graduação em Odontologia 3 x 3 Seminário de Acompanhamento de Programas de Pós-Graduação em Odontologia 3 x 3 Isabela Almeida Pordeus (UFMG) Arnaldo de França Caldas Jr (UFPE) Outubro 2011 OBJETIVOS Refletir sobre trajetórias, discutir

Leia mais

1. A Evolução da Pós-Graduação Stricto-Sensu

1. A Evolução da Pós-Graduação Stricto-Sensu - 1-1. A Evolução da Pós-Graduação Stricto-Sensu Os dados da pós-graduação brasileira indicam que todas as áreas do conhecimento apresentaram crescimento expressivo ao longo dos anos, com algumas oscilações,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ZOOTECNIA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ZOOTECNIA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ZOOTECNIA 2012 COLEGIADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ZOOTECNIA ❶ Coordenador Prof. Márcio Machado Ladeira ❷ Coordenador Adjunto

Leia mais

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação;

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação; DECRETO Nº 7.642, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 * Programa Ciência sem Fronteiras. * Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. A Presidenta da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

Colegiado do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Veterinárias

Colegiado do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Veterinárias MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS Colegiado do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Área de Gestão e Negócios

Área de Gestão e Negócios Área de Gestão e Negócios O Complexo Educacional FMU é uma Instituição de ensino superior com uma longa tradição de prestação de relevantes serviços educacionais a sociedade brasileira. Fundado em 1968,

Leia mais

INTRODUÇÃO. Capes Critérios de Avaliação Trienal Triênio Avaliado 2004 2006 Área de Avaliação: ARTES / MÚSICA

INTRODUÇÃO. Capes Critérios de Avaliação Trienal Triênio Avaliado 2004 2006 Área de Avaliação: ARTES / MÚSICA INTRODUÇÃO Os Critérios de Avaliação da área de Artes/Música estão consolidados a partir dos Documentos de Área resultantes da avaliação dos triênios 1998-2000 e 2001-2003 e dos Requisitos Mínimos para

Leia mais

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I RESOLUÇÃO N. 001/2007 ANEXO NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I 1. Conceituação As normas relativas à concessão de Bolsas de Formação, de Pesquisa

Leia mais

IV SEMINÁRIO DOS RESULTADOS DA LEI DE INFORMÁTICA

IV SEMINÁRIO DOS RESULTADOS DA LEI DE INFORMÁTICA IV SEMINÁRIO DOS RESULTADOS DA LEI DE INFORMÁTICA Dr. Raul Martins Impactos da Lei de Informática em Universidades, Institutos de Pesquisa e Laboratórios 3 abril 2013, Anhembi, São Paulo Instituições de

Leia mais

Ítens 1) Avaliação 2)

Ítens 1) Avaliação 2) Área de Avaliação: Período: 2001/2003 Área de Avaliação: Programa: Instituição: QUESITOS I - Proposta do Programa Ítens 1) Avaliação 2) 1 Coerência e consistência da Proposta do Programa. 2 Adequação e

Leia mais

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília Relatoria Grupo de Trabalho (GT1) Realização Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP) da Universidade de Brasília Brasília DF, 6 a

Leia mais

Orientações do CTC Reunião de 07/06/2006 sobre a Nova Ficha de Avaliação

Orientações do CTC Reunião de 07/06/2006 sobre a Nova Ficha de Avaliação 1C A P E S NOVA FICHA DE AVALIAÇÃO PROGRAMAS/CURSOS ACADÊMICOS Versão 07/06/2006 Obs: A Capes deverá contar com duas fichas de avaliação: uma para os programas e cursos acadêmicos e outra para cursos profissionais.

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO: MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO EM SAÚDE

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Ficha de Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 10 - ENGENHARIAS I IES: 32020015 - CEFET/MG - CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECN. DE MINAS GERAIS Programa: 32020015004P3 - ENGENHARIA CIVIL

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURAÇÃO GERAL DO MESTRADO Art.

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM ENGENHARIA E GERENCIAMENTO DE SISTEMAS ESPACIAIS

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM ENGENHARIA E GERENCIAMENTO DE SISTEMAS ESPACIAIS REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM ENGENHARIA E GERENCIAMENTO DE SISTEMAS ESPACIAIS TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO CURSO Art. 1º A Área de Concentração

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 009/2015 CONSUP DE 01 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 009/2015 CONSUP DE 01 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 009/2015 CONSUP DE 01 DE JUNHO DE 2015 APROVA O PROGRAMA DE APOIO À PESQUISA E INOVAÇÃO DA FACULDADE TERRA NORDESTE - FATENE O DIRETOR GERAL DA FACULDADE TERRA NORDESTE - FATENE, no uso de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA UFV CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA UFV CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA UFV CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1 0 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil oferecido pelo Departamento de Engenharia Civil

Leia mais

Comissão da Área de Odontologia Relatório da Avaliação do triênio 2004-2006 Apreciação e informações sobre a avaliação:

Comissão da Área de Odontologia Relatório da Avaliação do triênio 2004-2006 Apreciação e informações sobre a avaliação: Comissão da Área de Odontologia Relatório da Avaliação do triênio 2004-2006 Apreciação e informações sobre a avaliação: A comissão se reuniu no período de 6 a 10 de agosto de 2007 na FINATEC, UNB, Brasília

Leia mais

EDITAL N. 03/2014 Coordenação de Pesquisa e Iniciação Científica PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

EDITAL N. 03/2014 Coordenação de Pesquisa e Iniciação Científica PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EDITAL N. 03/2014 Coordenação de Pesquisa e Iniciação Científica PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA De forma a atender o que preconiza a RESOLUÇÃO Nº. 13/2012 CEPE, a Coordenação de Pesquisa e Iniciação

Leia mais

Processo Seletivo 2011 1º Semestre. Programa de Mestrado em Ciências Contábeis

Processo Seletivo 2011 1º Semestre. Programa de Mestrado em Ciências Contábeis Processo Seletivo 2011 1º Semestre Programa de Mestrado em Ciências Contábeis A FECAP Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado de maneira especial foca suas atividades no Programa de Mestrado em Ciências

Leia mais

OS CAMINHOS DA ENGENHARIA BRASILEIRA

OS CAMINHOS DA ENGENHARIA BRASILEIRA OS CAMINHOS DA ENGENHARIA BRASILEIRA A Formação dos Engenheiros: Muito Próxima ou Muito Longe do Mercado Prof.Dr. Mario C. F. Garrote Escola de Engenharia Mauá Instituto Mauá de Tecnologia eem@maua.br

Leia mais

CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO

CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO 2013 CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO

Leia mais

MESTRADO 2010/2. As aulas do Mestrado são realizadas no Campus Liberdade, já as matrículas na área de Relacionamento.

MESTRADO 2010/2. As aulas do Mestrado são realizadas no Campus Liberdade, já as matrículas na área de Relacionamento. MESTRADO 2010/2 GERAL 1. Onde são realizadas as aulas do Mestrado? E as matrículas? As aulas do Mestrado são realizadas no Campus Liberdade, já as matrículas na área de Relacionamento. 2. Qual a diferença

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

Resumo de Editais Abertos Capes

Resumo de Editais Abertos Capes Resumo de Editais Abertos Capes www.capes.gov.br/editais/abertos Programa Capes/MINCyT O objetivo do Programa Capes/MINCyT é estimular, por meio de projetos conjuntos de pesquisa, o intercâmbio de docentes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICA REGIONAL E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

Educação e Ensino no ITA 2003. Mestrado Profissional PG/EAM

Educação e Ensino no ITA 2003. Mestrado Profissional PG/EAM Educação e Ensino no ITA 2003 Mestrado Profissional PG/EAM Parâmetros para o Mestrado Profissional Programas Profissionais Reconhecidos CAPES Avaliação dos Cursos Profissionalizantes Mestrado Profissional

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E SUAS FINALIDADES Art. 1º. As atividades complementares, no âmbito do Curso de Enfermagem,

Leia mais

EDITAL PROPPG 14/2014 PDSE CAPES (Bolsas de doutorado sanduíche no exterior)

EDITAL PROPPG 14/2014 PDSE CAPES (Bolsas de doutorado sanduíche no exterior) EDITAL PROPPG 14/2014 PDSE CAPES (Bolsas de doutorado sanduíche no exterior) A Pró-reitora de Pesquisa e Pós Graduação PROPPG, em conjunto com a Coordenação do Programa de Pós-graduação em Fitotecnia PPGF,

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

Panorama e planejamento de Pós-graduação visando notas 06 e 07 na UFV

Panorama e planejamento de Pós-graduação visando notas 06 e 07 na UFV Pós-Graduação da UFV em debate 2012 26-27 de Novembro de 2012 Panorama e planejamento de Pós-graduação visando notas 06 e 07 na UFV Profa. Simone EF Guimarães Pós Graduação em Genética e Melhoramento UFV

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO. Carlos Marcelo da Silva Figueredo

MERCADO DE TRABALHO. Carlos Marcelo da Silva Figueredo MERCADO DE TRABALHO 1 Carlos Marcelo da Silva Figueredo MERCADO DE TRABALHO Vale a pena abrir o próprio consultório? Vale a pena aceitar convênios de planos odontológicos? Vale a pena investir imediatamente

Leia mais

MBA EM GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

MBA EM GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI FLORIANÓPOLIS DIREÇÃO GERAL DA FACULDADE: JOÃO ROBERTO LORENZETT COORDENAÇÃO DA FACULDADE: PRISCILA FAGUNDES COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: RAFAEL PARACHEN

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS (Regimento Interno aprovado pela Comissão de Pós-graduação do IPEC em 25/08/2010 e pelo Conselho Deliberativo

Leia mais

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas;

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas; Capítulo I Objetivos Regimento Artigo 1º - O Objetivo do Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional é proporcionar ao aluno formação matemática aprofundada, relevante ao exercício

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES DO CURRICULO DOS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES DO CURRICULO DOS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES DO CURRICULO DOS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ART.1º -O presente regulamento tem por finalidade normatizar

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 (Síntese da Matriz estratégica) Texto aprovado na 19ª Reunião Extraordinária do CONSUNI, em 04 de novembro de 2013. MISSÃO Ser uma Universidade que valoriza

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL 2015 CAMPUS NATAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL 2015 CAMPUS NATAL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA EDITAL DE EXTENSÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL 2015 CAMPUS NATAL 1. EDITAL A Universidade Potiguar UnP, através da Pró-Reitoria Acadêmica, torna

Leia mais

Mestrado em Ciências Contábeis Centro Universitário Álvares Penteado

Mestrado em Ciências Contábeis Centro Universitário Álvares Penteado Processo Seletivo 1º Semestre de 2016 Programa de Mestrado em Ciências Contábeis A FECAP Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado de maneira especial foca suas atividades no Programa de Mestrado em

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Carga Horária Total exigida no curso: 200 LONDRINA/PR 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO

Leia mais

AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO AREA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CRITÉRIOS PARA ACOMPANHAMENTO DE AVALIAÇÃO DE 2004

AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO AREA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CRITÉRIOS PARA ACOMPANHAMENTO DE AVALIAÇÃO DE 2004 Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Capes Documento de Área: Ciências e Tecnologia de Alimentos AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO AREA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO I. Objetivos II. Modalidades Pós Graduação Stricto Sensu: Pós Graduação Lato Sensu: Especialização

PÓS-GRADUAÇÃO I. Objetivos II. Modalidades Pós Graduação Stricto Sensu: Pós Graduação Lato Sensu: Especialização PÓS-GRADUAÇÃO O Programa de Pós Graduação Lato Sensu da FAEC foi aprovado pela Resolução do CAS, ATA 001/08, de 12 de março de 2008 e será implantado a partir do primeiro semestre de 2010, após aprovação

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA TÍTULO I - DOS OBJETIVOS E DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa Associado

Leia mais

Programa de Excelência Acadêmica PROEX

Programa de Excelência Acadêmica PROEX Programa de Excelência Acadêmica PROEX Documento Básico de Orientações do Programa de Excelência Acadêmica PROEX Objetivos do PROEX e critérios para a aplicação dos recursos O Programa de Excelência Acadêmica-PROEX

Leia mais

64 pontos não remunerada.

64 pontos não remunerada. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL RESOLUÇÃO 001/2015 ESTABELECE PROCEDIMENTOS E PARÂMETROS AVALIATIVOS PARA PROGRESSÃO DE DOCENTES À CLASSE E PROFESSOR TITULAR ANEXO

Leia mais

RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010

RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010 RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010 UBERLÂNDIA, MG JANEIRO, 2011 1 Este relatório aqui apresentado foi elaborado pela Comissão Própria de Avaliação da Faculdade

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO I - II - III IV - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA

Leia mais

Avaliação dos Mestrados Profissionais. Page 1

Avaliação dos Mestrados Profissionais. Page 1 Avaliação dos Mestrados Profissionais Page 1 Grupo de Trabalho no VI ENMP Salvador 2010 GT Engenharias Page 2 Objetivos: Analisar o processo de avaliação dos Mestrados Profissionais e propor modificações

Leia mais

Art. 1º - A concessão de bolsas de estudo para os alunos regularmente matriculados no PPgCO terá a vigência de doze (12) meses.

Art. 1º - A concessão de bolsas de estudo para os alunos regularmente matriculados no PPgCO terá a vigência de doze (12) meses. RESOLUÇÃO N O 01/201 PPgCO Regulamenta a distribuição de bolsas de estudo no Programa de Pós-Graduação em Clínica Odontológica, quanto à concessão, manutenção, duração e cancelamento da bolsa. O Colegiado

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES PRÓ-REITORIA ACADÊMICA BURITIS / CARLOS LUZ / SILVA LOBO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As Atividades Complementares, conforme as Diretrizes Curriculares do MEC, são atividades extracurriculares obrigatórias

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Conceituação e Objetivos

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Conceituação e Objetivos 1 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Conceituação e Objetivos O Programa de Bolsas de Iniciação Científica da FIAR é um programa centrado na iniciação científica de novos talentos entre alunos

Leia mais

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História 1. Apoio institucional. Clara manifestação de apoio por parte da IES proponente, expressa tanto no provimento da infraestrutura necessária,

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO. Das Finalidades

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO. Das Finalidades PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO Das Finalidades Art. 1º Os Cursos de Doutorado e Mestrado em Direito da Faculdade de Direito de Vitória (FDV) objetivam

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO RESOLUÇÃO 01/2014 PPGCS

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO RESOLUÇÃO 01/2014 PPGCS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO RESOLUÇÃO 01/2014 PPGCS PG- Ciência do Solo CAV/UDESC Regulamenta os critérios de credenciamento, recredenciamento e descredenciamento de docentes no âmbito

Leia mais

EDITAL N o EXPANSÃO DA REDE DO MESTRADO PROFISSIONAL EM HISTÓRIA PROFHISTÓRIA CHAMADA A PROPOSTAS DE ADESÃO

EDITAL N o EXPANSÃO DA REDE DO MESTRADO PROFISSIONAL EM HISTÓRIA PROFHISTÓRIA CHAMADA A PROPOSTAS DE ADESÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM HISTÓRIA EDITAL N o EXPANSÃO DA REDE DO MESTRADO PROFISSIONAL EM HISTÓRIA

Leia mais

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da Faculdade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

Regulamento das. Atividades Complementares

Regulamento das. Atividades Complementares BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS Regulamento das Atividades Complementares Osasco 2013 Apresentação Este documento apresenta um conjunto geral de normas e orientações sobre a realização das Atividades

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÍMULO A FORMAÇÃO DE PESQUISADORES

PROGRAMA DE ESTÍMULO A FORMAÇÃO DE PESQUISADORES PROGRAMA DE ESTÍMULO A FORMAÇÃO DE PESQUISADORES O objetivo deste Regulamento é apresentar o Programa de Estímulo a Formação de Pesquisadores e definir os critérios para concessão de bolsas de estudo aos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Pato Branco Departamento Acadêmico de Informática

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Pato Branco Departamento Acadêmico de Informática O da Universidade Tecnológica Federal do Paraná,, no uso de suas atribuições legais, torna público o presente Edital e convida as discentes dos seus cursos de Engenharia de Computação e Tecnologia em Análise

Leia mais

RELATÓRIO DA REUNIÃO DE COORDENADORES DOS PROGRAMAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO. Dias 03 e 04 de novembro de 2011

RELATÓRIO DA REUNIÃO DE COORDENADORES DOS PROGRAMAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO. Dias 03 e 04 de novembro de 2011 RELATÓRIO DA REUNIÃO DE COORDENADORES DOS PROGRAMAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO Dias 03 e 04 de novembro de 2011 Local: CAPES Brasília/DF Nos dias 3 e 4 de novembro

Leia mais

Programa Ciência sem Fronteiras. Graduação Sanduíche nos EUA Chamada Pública CAPES nº 01/2011

Programa Ciência sem Fronteiras. Graduação Sanduíche nos EUA Chamada Pública CAPES nº 01/2011 Programa Ciência sem Fronteiras Graduação Sanduíche nos EUA Chamada Pública CAPES nº 01/2011 A CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, vinculada ao Ministério da Educação,

Leia mais

Formação Profissional

Formação Profissional Formação Profissional Gerência - Alexandre Ambrogi Coordenação Flávia Afonso Coordenadora de Cursos Livres e Aprendizagem Lucilla Panacioni Araujo - Coordenadora de Cursos In Company www.sescoopsp.coop.br

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RESOLUÇÃO - CONSUP Nº 001/2012 REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA NATUREZA DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Rio de Janeiro, 2003 CAPÍTULO I DOS CURSOS: MODALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º. Em conformidade com o Regimento Geral de nos termos da Lei de Diretrizes e Bases da

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO I. COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) 1. A Comissão

Leia mais

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD.

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 203. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. GESTÃO EAD Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico

Leia mais

MINUTA REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA

MINUTA REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA 1 MINUTA REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA 1. Dos Objetivos O Mestrado Profissional em Saúde da Família objetiva: Formar lideranças para a Estratégia Saúde da Família aptas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA, TÉCNICA E TECNOLÓGICA Edital nº 19, de 27 de abril

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS DA ORGANIZAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS DA ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Mestrado Stricto Sensu em Matemática (PMAT) da Universidade Federal de Itajubá têm por objetivo formar

Leia mais

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa CAFP/BA (Centros Associados para o Fortalecimento

Leia mais

HISTÓRIA ÁREA: TRIÊNIO 2007-2010. Coordenador: Raquel Glezer. Coordenador-Adjunto: Luiz Carlos Soares. Ministério da Educação

HISTÓRIA ÁREA: TRIÊNIO 2007-2010. Coordenador: Raquel Glezer. Coordenador-Adjunto: Luiz Carlos Soares. Ministério da Educação Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Diretoria de Avaliação ÁREA: HISTÓRIA Coordenador: Raquel Glezer TRIÊNIO 2007-2010 2010 Coordenador-Adjunto: Luiz Carlos

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - As atividades dos Cursos de Pós-Graduação abrangem estudos e trabalhos de formação

Leia mais

PDI GERAL DO CEFET/RJ

PDI GERAL DO CEFET/RJ PDI GERAL DO CEFET/RJ Princípios que devem nortear o estabelecimento de políticas e ações no CEFET/RJ e que devem constar do PDI: Institucionalidade/identidade de UT (estabelecimento de um modelo diferenciado

Leia mais

2 DA ETAPA DE SELEÇÃO DOS ORIENTADORES

2 DA ETAPA DE SELEÇÃO DOS ORIENTADORES EDITAL 2014 Estabelece inscrições para o Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia Intensiva FATECI. O Diretor Geral da Faculdade de Tecnologia Intensiva FATECI, Prof. Clauder Ciarlini

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE UBERABA - CESUBE CAPÍTULO I

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE UBERABA - CESUBE CAPÍTULO I REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE UBERABA - CESUBE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento disciplina

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 177, de 11 de setembro de 2015. R E S O L V E:

RESOLUÇÃO nº 177, de 11 de setembro de 2015. R E S O L V E: RESOLUÇÃO nº 177, de 11 de setembro de 2015. O Conselho Universitário CONSUNI, no uso de suas atribuições, em conformidade com Parecer nº 030, de 20 de agosto de 2015, R E S O L V E: Art. 1º - Aprovar

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU A Pesquisa e a Pós-Graduação Stricto Sensu são atividades coordenadas por uma mesma

Leia mais

DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS

DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DAS FACULDADES INTEGRADAS DE VITÓRIA DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS Disciplina os Cursos de Pós- Graduação Lato Sensu nas modalidades Acadêmica e Profissionalizante

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Art. 1º. O presente Regulamento baseia-se na obrigatoriedade do cumprimento de horas destinadas as Atividades Complementares dos Cursos de Graduação da Faculdade

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EDITAL 01/2015 - PRPGP/UEPB PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA UEPB/CNPq

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EDITAL 01/2015 - PRPGP/UEPB PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA UEPB/CNPq PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EDITAL 01/2015 - PRPGP/UEPB PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA UEPB/CNPq A Reitoria da Universidade Estadual da Paraíba, por intermédio de sua Pró-Reitoria

Leia mais

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica 1. APRESENTAÇÃO O Estágio Curricular Supervisionado Obrigatório no curso de Engenharia Elétrica é uma atividade curricular obrigatória

Leia mais