Neblina - Espaços Virtuais de Trabalho para uso em

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Neblina - Espaços Virtuais de Trabalho para uso em"

Transcrição

1 XXIX Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos 965 Neblina - Espaços Virtuais de Trabalho para uso em Aplicações Científicas Felipe J. Fernandes, Bruno Schulze, Antonio R. Mury 1 Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC) Av. Getúlio Vargas, Quitandinha Petrópolis - RJ Abstract. This paper presents a proposal for virtual environments for use in research units. Based on the paradigm of cloud computing, it aims to provide solutions through the deployment of virtual platforms for testing, development and use; providing to its users a dedicated and customized environment. It optimizes the use of existing resources through its sharing, and also incorporating the concept of turnkey solutions for dedicated applications. Resumo. O trabalho a seguir apresenta uma proposta para ambientes virtuais de trabalho para uso em unidades de pesquisa. Baseado no paradigma de Computação em Nuvem procura-se disponibilizar soluções por meio de plataformas virtuais para teste, desenvolvimento e uso. Fornece aos seus usuários um ambiente dedicado e customizado em função das suas necessidades. Otimiza o uso dos recursos por meio do seu compartilhamento incorporando o conceito de soluções prontas na forma de plataformas virtuais compostas com o mínimo de recursos para execução de aplicações dedicadas. 1. Introdução Este trabalho está baseado em três tipos de abordagens: o uso de recursos de virtualização, o uso do conceito de espaços de trabalho virtuais e a configuração e uso de plataformas virtuais como soluções prontas (turnkey appliances) para aplicações dedicadas. A proposta aqui apresentada só foi possível pelo aperfeiçoamento das aplicações dedicadas à virtualização de recursos computacionais, destacando-se a evolução da tecnologia relacionada aos processadores, aos dispositivos de entrada e saída e de rede. A virtualização de recursos tornou-se com isso, uma das peças fundamentais para o que se convencionou chamar de computação em nuvem. Já o conceito de espaços virtuais de trabalho é utilizado para definir um ambiente, no qual o usuário é capaz de especificar as características dos recursos e aplicações necessários a execução de uma determinada tarefa, ou escolher um ambiente já preparado e dedicado para tal. Outra característica é o que chamamos de soluções prontas (turnkey appliances), que é um ambiente com o mínimo de recursos para execução de uma aplicação específica. Do ponto de vista do usuário, ele simplesmente tem que iniciar, usar e encerrar a plataforma, não se preocupando com nenhum aspecto referente à instalação, configuração, manutenção ou requisitos de uso. Sob o ponto de vista da aplicação, o ambiente computacional, por possuir apenas os requisitos necessários a sua execução, torna-se mais leve e com menos concorrência de processos. Sob o ponto de vista da infraestrutura, otimiza-se

2 966 Anais a sua utilização pela diminuição do tamanho das máquinas virtuais (VMs), quantidade de memória alocada e carga de processamento. O trabalho a seguir tem por objetivo permitir que pesquisadores, especialistas e estudantes possam ter acesso remotamente a aplicações dedicadas e configuradas de acordo com as suas necessidades. Estes acessam suas aplicações por meio de um portal, utilizando o poder computacional disponível em um ambiente remoto de grade/nuvem. O utilizador é capaz de acessar o sistema por meio de um navegador, em qualquer lugar, sempre que precisar, bastando para isso a sua autenticação. Quanto ao perfil deste utilizador, este trabalho tem como principal público alvo especialistas que não tenham a habilidade e tempo para instalar e configurar ambientes de produção ou pesquisa; tenham conhecimento específico de uma aplicação; sua disponibilidade para pronto uso e acesso remoto. Este trabalho faz parte de um projeto em andamento, com o objetivo de prover ambientes virtuais de trabalho, acessados por meio de um portal, operando sobre uma infraestrutura de grade ou nuvem, disponibilizando plataformas pre-configuradas, funcionando na forma de soluções prontas para uso. O trabalho a seguir está organizado da seguinte forma: a seção 2 apresenta artigos relacionados com virtualização e espaços virtuais; a seção 3 apresenta uma breve descrição da arquitetura e na seção 4 as conclusões e trabalhos futuros. 2. Trabalhos Relacionados Dentre as muitas vantagens que a virtualização de recursos possui, podemos citar: a possibilidade de otimizar a sua utilização por meio do seu compartilhamento; o isolamento entre os ambientes criados e em execução em um mesmo recurso; a possibilidade do balanceamento de carga; a consolidação dos serviços; e no nível da plataforma e infraestrutura virtualizada, a capacidade de provisão de um ambiente dedicado para os seus usuários [Matthews et al. 2007], [Rixner 2008], [Yang et al. 2010]. Tudo isto foi possível graças ao desenvolvimento na arquitetura dos processadores, por meio do aumento do número de núcleos, do uso de instruções de virtualização dedicadas, incorporadas ao processador e aos controladores de dispositivos de entrada e saída e pelo aumento da capacidade das redes. Este nível de desenvolvimento permitiu a criação de plataformas virtuais com um desempenho similar às reais, o aparecimento de paradigmas como o de computação em nuvem e o que chamamos de espaços virtuais de trabalho. Os espaços virtuais de trabalho são caracterizados por permitirem a criação de um ambiente dedicado, seja na forma de uma infraestrutura de hardware ou de software, podendo ser configurado de acordo com as necessidades específicas de seus usuários, com propriedades de isolamento de seu ambiente e a utilização dos recursos por mais de um usuário ao mesmo tempo. Este termo foi apresentado por [Keahey et al. 2005b], como uma necessidade de evolução e solução para as grades computacionais. A ideia era proporcionar um ambiente mais amigável e dedicado, tentando resolver uma das limitações encontradas em termos de isolamento entre as aplicações executadas simultaneamente. Mais tarde, em [Keahey et al. 2005a] o termo foi ampliado para uma abstração de um ambiente de execução, podendo ser disponibilizado dinamicamente em recursos remotos, por meio de um protocolo bem definido. Em [Keahey and Freeman 2008] propõe-

3 XXIX Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos 967 se também a criação de ambientes virtuais, usando VMs inicializadas em recursos ociosos de outros usuários, disponibilizando ambientes dedicados às suas necessidades, isolado do ambiente da máquina hospedeira e utilizando apenas uma parcela pré-acordada dos recursos nela existentes. Esta proposição foi chamada de nuvens científicas em comparação com o serviço oferecido pelos provedores de nuvens computacionais comerciais. O termo em inglês appliance, originalmente, destinava-se a aparelhos eletrônicos projetados com uma finalidade específica. Quando é associado ao conceito de virtualização, temos dispositivos que se comportam como um equipamento, porém sem a sua parcela física, podendo ser transportados e armazenados eletronicamente [Sapuntzakis et al. 2003]. Já o termo soluções prontas para uso é no contexto de nuvem usado para especificar um recurso virtualizado e pré-configurado pronto para utilização. Diversos provedores comerciais de nuvem fornecem esses recursos na forma de servidores virtuais com um sistema operacional pré-testado e aplicativos instalados, que podem ser usados na forma de uma única máquina ou diversas máquinas virtuais [Epstein et al. 2010]. Quanto ao gerenciamento de um ambiente de nuvem, durante a execução deste projeto, analisou-se o OpenNebula, por ser o de concepção mais próxima a ideia proposta, com a finalidade de comparar as funcionalidades já existentes no ambiente de virtualização em desenvolvimento, com as funcionalidades nele existentes, inclusive verificando-se a possibilidade de fazer com que o portal viesse a funcionar também, sobre sua infraestrutura. Os seguintes pontos merecem destaque: 1. A interface de gerência e acesso dos usuários, assim como as funcionalidades implementadas no projeto, superaram as disponibilizadas pelo OpenNebula. (O OpenNebula não possuía uma interface de gerenciamento gráfica até o momento da análise); 2. O projeto cobre tanto a parte de infraestrutura do ambiente de nuvem quanto o gerenciamento e uso; o OpenNebula estava focado somente na infraestrutura; 3. O OpenNebula realizava a migração das imagens de um repositório comum para a máquina hospedeira, o que causava um atraso na inicialização e acesso as plataformas virtuais; 4. O OpenNebula possuía um gerenciamento de recursos e escalonador muito mais elaborado do que o utilizado pelo projeto; 5. O OpenNebula permitia a escolha de três tipos de aplicações de virtualização diferentes, o projeto apenas uma. As versões do OpenNebula utilizadas para a análise foram a 1.4 e 2.0. A ideia da criação de ambientes dedicados ao uso em aplicações científicas, executados em plataformas virtuais, incentivou este trabalho. A ideia foi criar um ambiente acessado remotamente, a qualquer momento, por meio de um navegador, para execução de aplicativos ou uso de plataformas, com um ganho em termos de gestão e compartilhamento de recursos. Em suma, da análise da análise da revisão bibliográfica realizada, os seguintes pontos foram levantados, procurando-se incorporá-los ao trabalho: o uso da virtualização como uma ferramenta para o compartilhamento de recursos em um ambiente distribuído; o uso do conceito de espaços virtuais de trabalho na forma de ambientes dedicados, configurados de acordo com as necessidades de seus usuários; disponibilizar um portal que facilitasse o acesso e gerenciamento para seus usuários e administradores e

4 968 Anais o uso de soluções prontas na forma de ambientes virtuais otimizados para execução de aplicações específicas. 3. Ambientes Virtuais de Trabalho - Arquitetura e Funcionalidades A seguir serão apresentadas a arquitetura e os componentes do ambiente em desenvolvimento, que poderão ser complementadas pela documentação e manual encontrados em seu portal de acesso (o endereço encontra-se no final desta seção). A Figura 1 apresenta um detalhamento da arquitetura do ambiente. Ela está dividida em três grandes grupos: Aplicação, Infraestrutura e Virtualização. A Aplicação é a responsável por prover a interface para duas classes de usuários: o administrador e o utilizador. Por meio dela o administrador é capaz de executar as tarefas referentes a gerência do ambiente (gerencia de utilizadores e gerência de plataformas virtualizadas). Quanto ao utilizador, permite que ele tenha acesso remoto aos recursos virtualizados e a um servidor de armazenamento de arquivos. A Infraestrutura tem por função prover os recursos com base nas necessidades especificadas para cada usuário, armazenar as informações utilizadas na gerência do ambiente, armazenar as plataformas virtualizadas (Virtual Disk Images - VDI) e armazenar os arquivo de uso dos utilizadores. A Virtualização compreende a aplicação usada para virtualizar as plataformas. Cabe ressaltar que a estrutura como descrita, torna o ambiente criado independente do gerenciador de máquinas virtuais utilizado. O VirtualBox foi usado em um primeiro momento, com o intuito de acelerar o aprendizado, testar o ambiente e permitir a disponibilização das máquinas virtuais em um curto espaço de tempo. No atual estágio de desenvolvimento está em curso a adição de mais uma aplicação de virtualização ao ambiente (KVM). Figura 1. Arquitetura em camadas e grupos do Ambiente Virtual de Trabalho A Figura 2 apresenta um detalhamento dos componentes da Aplicação. A primeira camada representa o padrão MVC (Model View Controler) por meio da qual o usuário interage com o sistema sendo responsável pela gestão e pela identificação do tipo de usuário, habilitando um acesso personalizado ao sistema e as plataformas virtuais. A segunda camada é composta por dois módulos. O primeiro é o Módulo de Tarefas, que consiste de pequenos serviços executados automaticamente, destinados à

5 XXIX Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos 969 verificação periódica do estado dos recursos e plataformas virtuais. O módulo GORM (Hibernate) é a camada de persistência dos dados inseridos: pelos usuários (configuração das máquinas virtuais), pelas tarefas (Módulo de Tarefas) e pelos serviços, consolidandoos e validando-os na base de dados. A terceira camada - Serviços - é a responsável pela execução de procedimentos (criação, armazenamento e execução das VMs) e de funções (dados coletados referentes a capacidade real dos recursos). Isto é feito com base nos parâmetros estipulados pelas informações inseridas na base de dados e oriundos da infraestrutura. A quarta camada - Módulo de Comunicação - consiste no conjunto de protocolos padronizados responsável por fazer com que os comandos oriundos da camada de serviços sejam executados, disponibilizando assim os recursos e plataformas virtualizadas. No atual estágio de desenvolvimento, há um forte acoplamento entre o portal e o gerenciador da infraestrutura (camada de serviços/camada de comunicação). Isto se dá, pois a camada de serviços e o módulo de comunicação se comportam como um elemento único. Para que seja possível o uso do portal dissociado da infraestrutura, é necessário implementar, para a camada de serviços, um novo conjunto de protocolos compatíveis com o gerenciador de infraestrutura desejado. Por exemplo, para seu uso com o OpenNebula, a camada de serviço deveria suportar o padrão de seus comandos (criação, armazenamento, migração, escalonamento e execução das VMs). A quinta camada é composta por três módulos. O primeiro é o módulo de - Comando do Virtualizador - que executa os comandos do módulo de comunicação, compatibilizando-os com os comandos específicos da aplicação de virtualização. O segundo módulo - Conexão Remota - compatibiliza o protocolo RDP com o protocolo HTTP por meio de um conjunto de bibliotecas, permitindo a apresentação da plataforma virtualizada em um navegador. O Módulo de - Status da Nuvem - é o responsável pela coleta de informações da infraestrutura física repassando-as para a camada de serviços com base no que foi requisitado. Figura 2. Arquitetura dos componentes do Ambiente Virtual de Trabalho 3.1. Principais Funcionalidades - Neblina O ambiente acima descrito teve como ponto de partida a otimização do uso dos recursos então existentes na grade computacional do Virtual Community Grid, eliminando a necessidade de dedicação exclusiva destes recursos. Após a virtualização dos recursos da

6 970 Anais grade, concebeu-se a ideia de criar um ambiente mais flexível e amigável aos dois grupos de usuários anteriormente descritos - administradores e utilizadores. A Figura 3 apresenta um resumo das principais funcionalidades do sistema. Figura 3. Funcionalidades principais do sistema Neblina Chamamos, na Figura 3, de modelos de máquinas virtuais a uma especificação de plataforma que contem as principais características físicas da máquina virtual que ela representa, com a possibilidade de reuso pelo seu criador e por outros usuários. Quando da criação efetiva da máquina virtual, sua definição pode ser exportada nos formatos OVF e OVA (funcionalidade nativa do VirtualBox). Para desenvolvimento deste trabalho foram utilizadas as seguintes ferramentas: 1. Plataforma - Linux (Atualmente utilizada Ubuntu 9.10); 2. Interface de desenvolvimento - SpringSource Tools Suite 2.3.2; 3. Frameworks - Java 6 e Grails ; 4. Banco de Dados - MySQL 5.0; 5. Container WEB (desenvolvimento) - JETTY; 6. Servidor WEB (produção) - Apache/Tomcat ; 7. Gerenciador de Máquinas Virtuais - VirtualBox 3.2.2; Acesso ao ambiente e descrição da demonstração Para maior detalhamento sobre o ambiente, a documentação e a aplicação encontram-se disponíveis no endereço: Para utilização do portal é necessário um navegador (compatibilidade total com o Mozilla Firefox) com o plugin do Java instalado. A demostração da aplicação no Salão de Ferramentas será feita por meio do acesso ao portal e a execução das principais funcionalidades do ambiente, tanto na função de Administração (criação de modelos, de usuários, de máquinas virtuais e do controle das máquinas virtuais); quanto na função de Utilizador (criação de modelos, operação remota

7 XXIX Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos 971 do ambiente virtual e acesso e gerência de arquivos). A demostração será feita por meio do acesso remoto ao ambiente já existente. Caso haja, por motivo de força maior, a impossibilidade de acesso, será utilizado, para a demonstração, o ambiente de testes, portado para um computador pessoal já preparado para tal Exemplo de Solução Pronta para Uso - Projeto HemoLab Atualmente conta-se com um projeto piloto de ambientes virtuais de trabalho. O projeto HeMoLab [HEMOLAB 2010] tem por objetivo desenvolver modelos e ferramentas computacionais para a simulação do sistema cardiovascular humano. O sistema é composto por dois módulos de processamento de imagem que permitem a leitura e o processamento de regiões de interesse e a geração de malhas tridimensionais de imagens médicas. No salão serão apresentados os dois módulos como exemplo de aplicações de pronto uso e uma plataforma completa. 4. Conclusões e Trabalhos Futuros Este trabalho insere-se dentro do esforço em criar-se ambientes para execução de aplicações científicas baseado no uso de recursos virtualizados, sobretudo máquinas virtuais, oferecendo: Aos seus usuários, ambientes e aplicações dedicadas às suas necessidades, que possam ser acessados remotamente, portáveis e compatíveis com outros ambientes de virtualização e capacidade de armazenamento destes ambientes para uso futuro; Aos administradores de ambientes virtuais, a capacidade de gerencia de usuários e recursos; e Aos administradores da infraestrutura de recursos, a consolidação e otimização, contribuindo assim para o seu uso mais racional. Pode-se apontar como aperfeiçoamentos a serem incorporados a este trabalho a criação de perfis de usuário e de um mecanismo de balanceamento de carga e de agendamento. No primeiro caso, o levantamento de perfis contribuiria para que os recursos fossem configurados, selecionados e alocados de acordo com os mesmos, adaptando-se automaticamente às suas necessidade e alocando os recursos que melhor os atendesse com base no menor custo de rede. No caso do balanceamento de carga, permitiria a distribuição mais eficiente dos recursos. A análise e controle da carga dos recursos computacionais disponíveis para o funcionamento permitiria a otimização do uso da capacidade instalada, auxiliando a previsão da necessidade de ampliação desta capacidade, assim como a detecção de degradação da mesma. Pedidos de recursos remotos, espaço em disco e processamento são executados a todo instante. Assim um gerenciador autônomo, agindo sobre essas solicitações, contribuiria para a gestão da infraestrutura e qualidade de serviço. Podemos ainda citar a inclusão da funcionalidade de exportação dos appliances disponibilizando-os para outras fontes e a importação daqueles existentes em repositórios externos ao ambiente (padrões OVF e OVA), passando a ficar disponível como mais um recurso para seus usuários. O presente trabalho apresenta como contribuição ter abordado a criação e o uso de ambientes virtuais de trabalho em apoio a execução de aplicações científicas,

8 972 Anais tendo como público alvo especialistas com pouco domínio sobre aspectos relacionados a configuração, requisitos ou manutenção, permitindo a estes usuários acesso remoto e possibilidade de uso de recursos de alto desempenho. Este trabalho também procurou criar uma ferramenta para a gerência destes ambiente, desde o nível da interface para o controle dos recursos até o nível de sua infraestrutura. Referências Epstein, A., Lorenz, D. H., Silvera, E., and Shapira, I. (2010). Virtual appliance content distribution for a global infrastructure cloud service. In INFOCOM 10: Proceedings of the 29th conference on Information communications, pages , Piscataway, NJ, USA. IEEE Press. HEMOLAB (2010). Hemodynamics modelling laboratory. Keahey, K., Foster, I., Freeman, T., and Zhang, X. (2005a). Virtual workspaces: Achieving quality of service and quality of life in the grid. Sci. Program., 13(4): Keahey, K., Foster, I., Freeman, T., and Zhang, X. (2005b). Virtual workspaces in the grid. In In Proc. of Euro-Par Conf, pages Keahey, K. and Freeman, T. (2008). Science clouds: Early experiences in cloud computing for scientific applications. cloud computing and applications. Matthews, J. N., Hu, W., Hapuarachchi, M., Deshane, T., Dimatos, D., Hamilton, G., McCabe, M., and Owens, J. (2007). Quantifying the performance isolation properties of virtualization systems. In ExpCS 07: Proceedings of the 2007 workshop on Experimental computer science, page 6, New York, NY, USA. ACM. Reich, J., Laadan, O., Brosh, E., Sherman, A., Misra, V., Nieh, J., and Rubenstein, D. (2010). Vmtorrent: virtual appliances on-demand. In SIGCOMM 10: Proceedings of the ACM SIGCOMM 2010 conference on SIGCOMM, pages , New York, NY, USA. ACM. Rixner, S. (2008). Network virtualization: Breaking the performance barrier. Queue, 6(1):36 ff. Sapuntzakis, C., Brumley, D., Chandra, R., Zeldovich, N., Chow, J., Lam, M. S., and Rosenblum, M. (2003). Virtual appliances for deploying and maintaining software. In LISA 03: Proceedings of the 17th USENIX conference on System administration, pages , Berkeley, CA, USA. USENIX Association. Yang, C.-T., Tseng, C.-H., Chou, K.-Y., and Tsaur, S.-C. (2010). A virtualized hpc cluster computing environment on xen with web-based user interface. In Zhang, W., Chen, Z., Douglas, C., and Tong, W., editors, High Performance Computing and Applications, volume 5938 of Lecture Notes in Computer Science, pages Springer Berlin / Heidelberg /

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com Cloud Computing Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing O

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

Classificação::Modelo de implantação

Classificação::Modelo de implantação Classificação::Modelo de implantação Modelo de implantação::privado Operada unicamente por uma organização; A infra-estrutura de nuvem é utilizada exclusivamente por uma organização: Nuvem local ou remota;

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br CLOUD COMPUTING Andrêza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing

Leia mais

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva Sumário Introdução Trabalhos Correlatos Eucalyptus Design Conclusões Visão Geral Introdução:

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

Arquitetura e Sistema de Monitoramento para

Arquitetura e Sistema de Monitoramento para Arquitetura e Sistema de Monitoramento para 1 Computação em Nuvem Privada Mestranda: Shirlei A. de Chaves Orientador: Prof. Dr. Carlos Becker Westphall Colaborador: Rafael B. Uriarte Introdução Computação

Leia mais

Novas tecnologias otimizando a avaliação de bens

Novas tecnologias otimizando a avaliação de bens Novas tecnologias otimizando a avaliação de bens Avaliando Imóveis Urbanos em 2 minutos Antônio Pelli Neto Eng. Civil e Mecânico INTRODUÇÃO Agenda: Conceitos básicos sobre Avaliando nas Nuvens Porque somente

Leia mais

João Víctor Rocon Maia Engenharia de Computação - UFES

João Víctor Rocon Maia Engenharia de Computação - UFES João Víctor Rocon Maia Engenharia de Computação - UFES Agenda Quem usa? Conceito Ilustração Vantagens Tipologia Topologia Como fazer? O que é preciso? Infraestrutura Sistema Operacional Software Eucalyptus

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS João Antônio Bezerra Rodrigues¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina - Sistemas Distribuídos Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 12 Computação em Nuvem Sumário Introdução Arquitetura Provedores

Leia mais

O que é Grid Computing

O que é Grid Computing Grid Computing Agenda O que é Grid Computing Grid vs Cluster Benefícios Tipos de Grid Aplicações Ferramentas e padrões Exemplos no mundo Exemplos no Brasil Grid no mundo dos negócios Futuro O que é Grid

Leia mais

CloudNet: dynamic pooling of cloud resources by live WAN migration of virtual machines

CloudNet: dynamic pooling of cloud resources by live WAN migration of virtual machines CloudNet: dynamic pooling of cloud resources by live WAN migration of virtual machines Timothy Wood, Prashant Shenoy, K.K. Ramakrishnan, Jacobus Van der Merwe VEE '11 Proceedings of the 7th ACM SIGPLAN/SIGOPS

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial Aluno: André Faria Ruaro Professores: Jomi F. Hubner e Ricardo J. Rabelo 29/11/2013 1. Introdução e Motivação 2.

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF.

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF. ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I Máquina Virtual Instalação de S.O. em dual boot 1º Semestre 2010 PROF. AMARAL Na ciência da computação, máquina virtual é o nome dado a uma máquina,

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF 108 Segurança da Informação Computação em Nuvem Prof. João Henrique Kleinschmidt Introdução Centralização do processamento Surgimento da Teleinformática Década de 60 Execução de programas localmente

Leia mais

ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO

ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO OBJETIVO Objetivo do deste trabalho é o autoaprendizado e a disseminação do conhecimento empregado no conceito de virtualização. Assim como a demostração de seu uso em conjunto

Leia mais

Relatório de Progresso

Relatório de Progresso Luís Filipe Félix Martins Relatório de Progresso Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Preparação para a Dissertação Índice Introdução... 2 Motivação... 2 Cloud Computing (Computação

Leia mais

Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com

Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com VIRTUALIZAÇÃO Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com Virtualização o que é? É uma forma de esconder as características físicas de uma plataforma computacional dos usuários, emulando

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Arquiteturas Paralelas e Distribuídas

Arquiteturas Paralelas e Distribuídas Arquiteturas Paralelas e Distribuídas TSI-6AN Apresentado por: Cleber Schroeder Fonseca 1 CLOUD COMPUTING 2 Cloud Computing A expressão cloud computing (computação nas nuvens) começou a ganhar força em

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores SISTEMAS OPERACIONAIS Maquinas Virtuais e Emuladores Plano de Aula Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

The Eucalyptus Open-source Cloud-computing System

The Eucalyptus Open-source Cloud-computing System The Eucalyptus Open-source Cloud-computing System O sistema Open Source de nuvens computacionais Eucalyptus Daniel Nurmi, Rich Wolski, Chris Grzegorczyk, Graziano Obertelli, Sunil Soman, Lamia Youseff,

Leia mais

Sistemas Operacionais 1/66

Sistemas Operacionais 1/66 Sistemas Operacionais 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware

Leia mais

Virtualização de Sistemas Operacionais

Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização de Sistemas Operacionais Felipe Antonio de Sousa 1, Júlio César Pereira 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipeantoniodesousa@gmail.com, juliocesarp@unipar.br Resumo.

Leia mais

Alexandre Malveira, Wolflan Camilo

Alexandre Malveira, Wolflan Camilo Alexandre Malveira, Wolflan Camilo Introdução Cloud Computing Computação Móvel SaaS, PaaS e IaaS CloudBees Diariamente arquivos são acessados, informações dos mais variados tipos são armazenadas e ferramentas

Leia mais

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com SUMÁRIO Introdução... 4 Nuvem pública: quando ela é ideal... 9 Nuvem privada: quando utilizá-la... 12 Alternativas de sistemas

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge. Projeto Demoiselle Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.net Palestrantes: Antônio Carlos Tiboni Luciana Campos Mota 20/07/2009

Leia mais

SISTEMA DISTRIBUÍDO DE MONITORAMENTO/DETERMINAÇÃO DE SERVIÇOS E RECURSOS DIPONÍVEIS DE UM AMBIENTE DE GRID COMPUTACIONAL

SISTEMA DISTRIBUÍDO DE MONITORAMENTO/DETERMINAÇÃO DE SERVIÇOS E RECURSOS DIPONÍVEIS DE UM AMBIENTE DE GRID COMPUTACIONAL SISTEMA DISTRIBUÍDO DE MONITORAMENTO/DETERMINAÇÃO DE SERVIÇOS E RECURSOS DIPONÍVEIS DE UM AMBIENTE DE GRID COMPUTACIONAL Thais Cabral de Mello, Bruno Schulze, Luis Rodrigo de Oliveira Gonçalves 1 Laboratório

Leia mais

GIS Cloud na Prática. Fabiano Cucolo 26/08/2015

GIS Cloud na Prática. Fabiano Cucolo 26/08/2015 GIS Cloud na Prática Fabiano Cucolo 26/08/2015 Um pouco sobre o palestrante Fabiano Cucolo fabiano@soloverdi.com.br 11-98266-0244 (WhatsApp) Consultor de Geotecnologias Soloverdi Engenharia www.soloverdi.com.br.

Leia mais

Uma aplicacação de privacidade no gerenciamento de identidades em nuvem com uapprove

Uma aplicacação de privacidade no gerenciamento de identidades em nuvem com uapprove Uma aplicacação de privacidade no gerenciamento de identidades em nuvem com uapprove Daniel Ricardo dos Santos Universidade Federal de Santa Catarina 10 de novembro de 2011 Agenda 1 Introdução 2 Identidade

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Cloud Computing (Computação nas Nuvens) 2 Cloud Computing Vocês

Leia mais

Kaspersky Security for Virtualization. Overview

Kaspersky Security for Virtualization. Overview Kaspersky Security for Virtualization Overview Idéia da Virtualização Executar um sistema operacional como um programa dentro de outro sistema operacional Executar vários sistemas operacionais no mesmo

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

Fernando Seabra Chirigati. Universidade Federal do Rio de Janeiro EEL879 - Redes de Computadores II Professores Luís Henrique Costa e Otto Duarte

Fernando Seabra Chirigati. Universidade Federal do Rio de Janeiro EEL879 - Redes de Computadores II Professores Luís Henrique Costa e Otto Duarte Fernando Seabra Chirigati Universidade Federal do Rio de Janeiro EEL879 - Redes de Computadores II Professores Luís Henrique Costa e Otto Duarte Introdução Grid x Nuvem Componentes Arquitetura Vantagens

Leia mais

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS Existem hoje diversas tecnologias e produtos para virtualização de computadores e ambientes de execução, o que pode gerar uma certa confusão de conceitos. Apesar disso, cada

Leia mais

CLOUD COMPUTING PEDRO MORHY BORGES LEAL. MAC0412 - Organização de Computadores Prof. Alfredo Goldman 7 de dezembro de 2010

CLOUD COMPUTING PEDRO MORHY BORGES LEAL. MAC0412 - Organização de Computadores Prof. Alfredo Goldman 7 de dezembro de 2010 CLOUD COMPUTING PEDRO MORHY BORGES LEAL MAC0412 - Organização de Computadores Prof. Alfredo Goldman 7 de dezembro de 2010 0 CLOUD COMPUTING 1 1. Introdução Com o grande avanço da tecnologia de processadores,

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Turma de Redes AULA 06 www.eduardosilvestri.com.br silvestri@eduardosilvestri.com.br Estrutura do Sistema Operacional Introdução É bastante complexo a estrutura de um sistema operacional,

Leia mais

Virtualização. Roberto de Beauclair Seixas rbs@impa.br

Virtualização. Roberto de Beauclair Seixas rbs@impa.br Virtualização Roberto de Beauclair Seixas rbs@impa.br News De acordo com a IDC, ela está a caminho de se tornar uma prática padrão entre as mil maiores empresas do mundo, listadas no ranking Fortune 1000.

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Computação em Nuvem Introdução Centralização do processamento Surgimento da Teleinformática Década de 60 Execução de programas localmente Computadores

Leia mais

Infraestrutura: devo usar a nuvem? Prof. Artur Clayton Jovanelli

Infraestrutura: devo usar a nuvem? Prof. Artur Clayton Jovanelli Infraestrutura: devo usar a nuvem? Prof. Artur Clayton Jovanelli Conceitos principais Nuvem Local Dados (informações) Profissional Pessoal Procedimento padrão (modelo) Produzir Armazenar Como era... Como

Leia mais

EUCALYPTUS: UMA PLATAFORMA CLOUD COMPUTING PARA

EUCALYPTUS: UMA PLATAFORMA CLOUD COMPUTING PARA EUCALYPTUS: UMA PLATAFORMA CLOUD COMPUTING PARA QUALQUER TIPO DE USUÁRIO Gustavo Henrique Rodrigues Pinto Tomas 317624 AGENDA Introdução: Cloud Computing Modelos de Implementação Modelos de Serviço Eucalyptus

Leia mais

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011 SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: cotec@ifbaiano.edu.br

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

O TRAFip é uma poderosa ferramenta de coleta e caracterização de tráfego de rede IP, que vem resolver esse problema de forma definitiva.

O TRAFip é uma poderosa ferramenta de coleta e caracterização de tráfego de rede IP, que vem resolver esse problema de forma definitiva. Não há dúvida de que o ambiente de rede está cada vez mais complexo e que sua gestão é um grande desafio. Nesse cenário, saber o que está passando por essa importante infraestrutura é um ponto crítico

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas Arquitetura de Sistemas Operacionais Capítulo 4 Estrutura do Sistema Operacional Cap. 4 Estrutura do Sistema 1 Sistemas Operacionais Pitágoras Fadom Divinópolis Material Utilizado na disciplina Sistemas

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE Andressa T.R. Fenilli 1, Késsia R.C.Marchi 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil andressa.trf@gmail.com, kessia@unipar.br Resumo. Computação em

Leia mais

Avaliação do Uso de Xen em Ambientes de Computação de Alto Desempenho

Avaliação do Uso de Xen em Ambientes de Computação de Alto Desempenho Avaliação do Uso de Xen em Ambientes de Computação de Alto Desempenho Márcio Parise Boufleur Guilherme Piegas Koslovski Andrea Schwertner Charão LSC - Laboratório de Sistemas de Computação UFSM - Universidade

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Nuvem UFRGS: IaaS como ferramenta de apoio à pesquisa

Nuvem UFRGS: IaaS como ferramenta de apoio à pesquisa Nuvem UFRGS: IaaS como ferramenta de apoio à pesquisa Éverton Didoné Foscarini, Rui de Quadros Ribeiro Universidade Federal do Rio Grande do Sul Centro de Processamento de Dados Rua Ramiro Barcelos, 2574

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Processos I: Threads, virtualização e comunicação via protocolos Prof. MSc. Hugo Souza Nesta primeira parte sobre os Processos Distribuídos iremos abordar: Processos e a comunicação

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Arquitetura Sistemas Operacionais Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Plano de Aula Sistemas monolíticos Sistemas em camadas Sistemas micro-núcleo Modelo Cliente-Servidor Máquinas

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1, Tiago Piperno Bonetti 1, Ricardo Germano 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves

Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Anatomia de uma máquina virtual Cada máquina virtual é um sistema completo encapsulado em um

Leia mais

Avaliação de dependabilidade em infraestruturas Eucalyptus geograficamente distribuídas

Avaliação de dependabilidade em infraestruturas Eucalyptus geograficamente distribuídas Avaliação de dependabilidade em infraestruturas Eucalyptus geograficamente distribuídas Jonathan Brilhante(jlgapb@cin.ufpe), Bruno Silva(bs@cin.ufpe) e Paulo Maciel(prmm@cin.ufpe) Agenda 1. 2. 3. 4. 5.

Leia mais

UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING)

UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING) UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING) Thiago Batista de Oliveira¹, Júlio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil thiagoolyveira@gmail.com,juliocesarp@unipar.br

Leia mais

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery Sistemas Operacionais Introdução Professora: Michelle Nery Área de Atuação do Sistema Operacional Composto de dois ou mais níveis: Tipo de Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Monotarefas Sistemas

Leia mais

Virtualização: VMWare e Xen

Virtualização: VMWare e Xen Virtualização: VMWare e Xen Diogo Menezes Ferrazani Mattos Professor: Otto Carlos Disciplina: Redes I Universidade Federal do Rio de Janeiro POLI/COPPE 1 Introdução Virtualização Divisão da máquina física

Leia mais

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Máquinas Virtuais Agenda Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Histórico Mainframe É um computador de grande porte, dedicado

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Plataforma na nuvem do CA AppLogic para aplicativos corporativos

Plataforma na nuvem do CA AppLogic para aplicativos corporativos FOLHA DE PRODUTOS: CA AppLogic Plataforma na nuvem do CA AppLogic para aplicativos corporativos agility made possible O CA AppLogic é uma plataforma de computação na nuvem pronta para o uso que ajuda a

Leia mais

Um Modelo de Virtualização em Grades Computacionais para Inserção de Recursos Ociosos

Um Modelo de Virtualização em Grades Computacionais para Inserção de Recursos Ociosos Um Modelo de em Grades Computacionais para Inserção de Recursos Ociosos Apresentado por: Josiney de Souza e Rubens Massayuki Suguimoto CI853 - Tópicos em Redes de Computadores III Prof. Aldri Luiz dos

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Proposta para Grupo de Trabalho. GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de Dados. Roberto Samarone dos Santos Araujo

Proposta para Grupo de Trabalho. GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de Dados. Roberto Samarone dos Santos Araujo Proposta para Grupo de Trabalho GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de Dados Roberto Samarone dos Santos Araujo Agosto/2011 1 Título GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de

Leia mais

Xen Cloud Platform Xen descomplicado

Xen Cloud Platform Xen descomplicado Xen Cloud Platform Xen descomplicado CAPA A Xen Cloud Platform facilita muito a criação e o gerenciamento de máquinas virtuais sobre o hypervisor Xen. por Boris Quiroz e Stephen Spector A revolução da

Leia mais

Infracontrol versão 1.0

Infracontrol versão 1.0 Infracontrol versão 1.0 ¹Rafael Victória Chevarria ¹Tecnologia em Redes de Computadores - Faculdade de Tecnologia SENAC (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) Rua Gonçalves Chaves 602-A Centro 96015-560

Leia mais

Um Modelo de Virtualização em Grades Computacionais para Inserção de Recursos Ociosos

Um Modelo de Virtualização em Grades Computacionais para Inserção de Recursos Ociosos Um Modelo de Virtualização em Grades Computacionais para Inserção de Recursos Ociosos Josiney de Souza e Rubens Massayuki Suguimoto Mestrado em Informática - Grid Computing Grid Computing, computação em

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

VIRTUALIZAÇÃO CONVENCIONAL

VIRTUALIZAÇÃO CONVENCIONAL VIRTUALIZAÇÃO CONVENCIONAL Sera usado o VirtualBox 5.0.8 a versão mais atual e estável da aplicação, para virtualização de um sistema Linux sobre a plataforma Windows. Para esse modelo pratico de virtualização

Leia mais

ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS

ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS Cleverson Nascimento de Mello¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional 01 INTRODUÇÃO 1.5 ESTRUTURA DOS SISTEMAS OPERACIONAIS O Sistema Operacional é formado por um Conjunto de rotinas (denominado de núcleo do sistema ou kernel) que oferece serviços aos usuários e suas aplicações

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Relatório de Piloto Tecnológico Plataforma de Cloud Privada baseada em OpenStack Março 2015

Relatório de Piloto Tecnológico Plataforma de Cloud Privada baseada em OpenStack Março 2015 Relatório de Piloto Tecnológico Plataforma de Cloud Privada baseada em OpenStack Março 2015 Resumo Executivo: A Inok realizou uma instalação piloto para analisar as funcionalidades, características técnicas,

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Conceitos básicos e serviços do Sistema Operacional Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Tipos de serviço do S.O. O S.O.

Leia mais

23/05/12. Computação em Nuvem. Computação em nuvem: gerenciamento de dados. Computação em Nuvem - Características principais

23/05/12. Computação em Nuvem. Computação em nuvem: gerenciamento de dados. Computação em Nuvem - Características principais Computação em Nuvem Computação em nuvem: gerenciamento de dados Computação em nuvem (Cloud Computing) é uma tendência recente de tecnologia cujo objetivo é proporcionar serviços de Tecnologia da Informação

Leia mais

VIRNA. Virtualizador Nacional

VIRNA. Virtualizador Nacional 1 VIRNA Virtualizador Nacional 2 Sumário Introdução Histórico Contextualização Visão Geral Metáfora do Videogame Termos e Conceitos Funcionamento Visão Geral do Emprego Evolução Benefícios e Necessidades

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Manual de Vendas. Chegou a oportunidade de aumentar os lucros com o Windows Server 2012 R2

Manual de Vendas. Chegou a oportunidade de aumentar os lucros com o Windows Server 2012 R2 Manual de Vendas Chegou a oportunidade de aumentar os lucros com o Windows Server 2012 R2 O Windows Server 2012 R2 fornece soluções de datacenter e de nuvem híbrida de classe empresarial que são simples

Leia mais