TECNOLOGIA + RESÍDUOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TECNOLOGIA + RESÍDUOS"

Transcrição

1 TECNOLOGIA + RESÍDUOS

2 O Grupo Seleta forma uma das mais fortes empresas no Brasil no ciclo completo do tratamento de resíduos, da coleta à disposição final. Para isso, conta com a Soma Ambiental e a Kurica Seleta Ambiental, dois braços a mais para fortalecer as soluções técnicas para empresas e municípios. A ATUAÇÃO DA SELETA E SEUS BRAÇOS JÁ SOMAM: ton. de resíduos domésticos coletados por ano ton. de resíduos reciclados por ano km de ruas varridas por ano de m² de roçados por ano Mais de 35 cidades atendidas em 5 estados Mais de 300 clientes privados Os serviços do Grupo Seleta formam um leque enorme de soluções para o tratamento de resíduos de empresas e municípios, uma obrigação legal, e que conta com uma empresa como a Seleta para assumir estas responsabilidades que apresentaremos a seguir.

3 Brasília Anápolis Goiânia Catalão Uberlândia A SELETA ESTÁ PRESENTE EM QUATRO ESTADOS. Belo Horizonte Uberaba Sales Oliveira Franca Passos Juiz de Fora Ribeirão Preto 500Km Poços de Caldas Casa Branca Campinas Londrina Maringá Curitiba São Paulo Rio de Janeiro

4 ANÁLISE E DIAGNÓSTICO Como funciona nosso trabalho: Com a visita para diagnóstico das necessidades do cliente e determinação de técnicas a serem operadas compreendendo coleta, transporte, destinação, tratamento e reaproveitamento de resíduos. CICLO COMPLETO DE SOLUÇÕES: Prefeitura Indústria ANÁLISE E DIAGNÓSTICO LOGÍSTICA E TRANSPORTE DISPOSIÇÃO E TRATAMENTO Seleta

5 CAÇAMBA 1,2 M³ COMPACTADOR ESTACIONÁRIO 17 M³ LUTOCAR 240 L CAÇAMBA ATÉ 38 M³

6 LOGÍSTICA E TRANSPORTE Como funciona nosso trabalho: Com equipamentos de última geração, determinamos quais são necessários para a operação, como aplicá-los no ambiente com mínimo impacto, trazendo maior praticidade, conforto e segurança para os clientes. Após isso, o sistema de coleta é definido com transporte seguro. CAMINHÃO COMPACTADOR DE LIXO CAMINHÃO BAÚ CAMINHÃO ROLL ON ROLL OFF

7 Tratamento de Resíduos de Contrução Civil / Londrina-PR Aterro Classe II Sales de Oliveira-SP Aterro Classe I Uberaba-MG ETE Batatais-SP

8 DISPOSIÇÃO E TRATAMENTO Como funciona nosso trabalho: Cada resíduo tem seu destino certo, sendo assim, a Seleta está preparada para dar a correta destinação final aos resíduos: Sólidos: Resíduos domiciliares (recicláveis, orgânicos e de saúde) Resíduos industriais (Classe II A) Resíduos da construção civil (Classe II B) Resíduos perigosos (Classe I) Para o tratamento desses resíduos são utilizados os recursos de aterramento, compostagem, usina de britagem, co-processamento ou incineração, sendo que cada tipo de resíduo tem seu tratamento adequado. 4º NÍVEL Camada de resíduos e outra nova camada de argila compactada. 3º NÍVEL Camada de argila compactada e drenos de chorume e gás. 2º NÍVEL Manta impermeabilizante de polietileno. 1º NÍVEL Preparação do terreno. Vegetação O processo se repete até atingir o nível do terreno. Drenos de gás utilizados para geração de energia elétrica. Resíduo compactado em blocos intercalados por duas camadas, uma de geomembrana e outra de argila. Líquidos: Drenagem de Chorume O chorume é canalizado e levado a estações de tratamentos. Efluentes Para o tratamento de efluentes a Seleta implanta e opera Estações de Tratamento de Esgoto (ETE) e Estações de Tratamento de Água (ETA)

9 ATERRO CLASSE I Barracão 6º NÍVEL O barracão protege todos os níveis evitando a geração de efluentes e contaminação. 5º NÍVEL Um metro de camada de argila compactada e drenagem de efluente. 4º NÍVEL 7º NÍVEL Manta impermeabilizante de polietileno. 3º NÍVEL A manta impermeabilizante é soldada à outra gerando uma cobertura. Camada de argila compactada e dreno testemunho. 2º NÍVEL Manta impermeabilizante de polietileno. 1º NÍVEL Preparação do terreno. 8º NÍVEL Camada de argila compactada e vegetação.

10 LIMPEZA URBANA E INDUSTRIAL A Seleta também opera serviços como coleta domiciliar de resíduos, coleta seletiva, varrição mecanizada, manutenção paisagística, varrição, capina, roçada e pinturas de guias em áreas urbanas e rodovias. COLETA DOMICILIAR CAPINA E ROÇADA COLETA SELETIVA VARRIÇÃO MECANIZADA

11 PINTURA DE GUIA VARRIÇÃO MANUAL Em sua busca incansável por novas tecnologias e métodos de trabalho, a Seleta Ambiental reúne os diferenciais necessários para uma prestação de serviço de excelência em soluções para destinação de resíduos, em operações do pequeno ao grande porte. Com veículos de última geração, seus equipamentos são adequados para cada tipo de coleta e transporte de forma ágil e eficiente. Os seus rígidos critérios de segurança, sempre respeitando as exigências dos órgãos ambientais, oferecem segurança e uma dinâmica moderna para atender qualquer segmento com o mínimo impacto ambiental e visual. E para isso, realiza também melhorias logísticas aos locais de difícil acesso ou de escassez de locais de destinação final através de estações de transbordo. Em outras palavras, a Seleta realiza o ciclo completo na destinação de resíduos, oferecendo soluções integradas em que suas pesquisas levam às melhores soluções que por sua vez atendem a cada cliente de acordo com suas necessidades e também renovam uma série de material em sua filosofia sustentável. ANÁLISE E DIAGNÓSTICO LOGÍSTICA E TRANSPORTE DISPOSIÇÃO E TRATAMENTO

12 Rua Sete de Setembro, 1500 Alto da Boa Vista Ribeirão Preto - SP CEP Tel.: (16)

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 Dr. Anderson Lopes Peçanha Professor da Universidade Federal do Espírito Santo Departamento

Leia mais

[DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS]

[DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS] ATERROS SANITÁRIOS [DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS] 2013 O QUE SÃO OS RESÍDUOS SÓLIDOS? É O LIXO QUE PRODUZIMOS. NOSSO LIXO DE TODOS OS DIAS. E ESSES RESÍDUOS OU LIXO PODEM SER CLASSIFICADOS COMO:

Leia mais

Dados sobre manejo de Resíduos Sólidos. Município de Baependi - MG. Sistema Nacional do Manejo de Resíduos Sólidos Ministério das Cidades

Dados sobre manejo de Resíduos Sólidos. Município de Baependi - MG. Sistema Nacional do Manejo de Resíduos Sólidos Ministério das Cidades Dados sobre manejo de Resíduos Sólidos Município de Baependi - MG Sistema Nacional do Manejo de Resíduos Sólidos 2013 Ministério das Cidades 1 - Informações Cadastrais Município: BAEPENDI MG Referência

Leia mais

Profissional: Eng. Civil e Segurança do Trabalho Carlos Alberto Denti (51)

Profissional: Eng. Civil e Segurança do Trabalho Carlos Alberto Denti (51) Atestados de capacidade e responsabilidade técnico profissional com CAT de Engenheiro limpeza urbana, Atestados de capacidade e responsabilidade técnico profissional com CAT de Engenheiro coleta resíduos

Leia mais

Avaliação das Demandas e Potenciais Associados à Gestão de Resíduos Sólidos em Cidades Emergentes: O Caso do Município de Rio das Ostras, RJ

Avaliação das Demandas e Potenciais Associados à Gestão de Resíduos Sólidos em Cidades Emergentes: O Caso do Município de Rio das Ostras, RJ Avaliação das Demandas e Potenciais Associados à Gestão de Resíduos Sólidos em Cidades Emergentes: O Caso do Município de Rio das Ostras, RJ VALLEJO, F. M. A. a,*, MONTEIRO, L. P. C. b a. Universidade

Leia mais

Movidos por um mundo mais sustentável GERENCIAMENTO TOTAL DE RESÍDUOS

Movidos por um mundo mais sustentável GERENCIAMENTO TOTAL DE RESÍDUOS Movidos por um mundo mais sustentável GERENCIAMENTO TOTAL DE RESÍDUOS TWM Soluções Ambientais Ltda A TWM AMBIENTAL nasceu com o compromisso de atender, com responsabilidade e respeito, às necessidades

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte PROGRAMA 046 - EXECUÇÃO DA LIMPEZA PÚBLICA AMPLIAR O SERVIÇO DE TRATAMENTO DO LIXO. OBRAS 1 REALIZAR COLETA ESPECIAL EM UNIDADES DE SAÚDE DA REGIONAL BARREIRO. 44 REALIZAR COLETA ESPECIAL EM UNIDADES DE

Leia mais

MÓDULO 2. Prof. Dr. Valdir Schalch

MÓDULO 2. Prof. Dr. Valdir Schalch RESÍDUOS SÓLIDOSS MÓDULO 2 Prof. Dr. Valdir Schalch RESÍDUOS SÓLIDOS S - DEFINIÇÃO... aqueles nos estados sólidos e semi-sólidos, que resultam de atividades da comunidade de origem: industrial, doméstica,

Leia mais

ATESTADO DE RESPONSABILIDADE E CAPACIDADE TECNICA MANUTENCAO PREDIAL

ATESTADO DE RESPONSABILIDADE E CAPACIDADE TECNICA MANUTENCAO PREDIAL Curriculo, possuo Acervo técnico de engenheiro de manutenção predial com atestados responsabilidade técnico profissional e de capacidade e CAT manutenção predial para licitações. Curriculo, possuo Acervo

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE. Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos

SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE. Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos Curitiba Tem 317 anos Possui cerca de 1.851.215 hab. Área - 432,17 km2 VISTA AÉREA DE CURITIBA ORGANIZAÇÃO E RESPONSABILIDADE

Leia mais

Hsa GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Resíduos Sólidos. PROFa. WANDA R. GÜNTHER Departamento Saúde Ambiental FSP/USP

Hsa GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Resíduos Sólidos. PROFa. WANDA R. GÜNTHER Departamento Saúde Ambiental FSP/USP Hsa 109 - GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Resíduos Sólidos PROFa. WANDA R. GÜNTHER Departamento Saúde Ambiental FSP/USP E-mail: wgunther@usp.br Resíduos Sólidos Interrelação: Ambiente Saúde HOMEM MEIO AMBIENTE

Leia mais

DESAFIOS ATUAIS DA GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS

DESAFIOS ATUAIS DA GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS DESAFIOS ATUAIS DA GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS Diógenes Del Bel Diretor Presidente Funasa Simpósio de Tecnologias em Engenharia de Saúde Pública 10 / set / 2012 Desafios atuais da gestão de resíduos urbanos

Leia mais

Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza Componente Curricular: Educação e Saúde. Prof. Vanderlei Folmer / Msc. Maria Eduarda de Lima

Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza Componente Curricular: Educação e Saúde. Prof. Vanderlei Folmer / Msc. Maria Eduarda de Lima Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza Componente Curricular: Educação e Saúde Prof. Vanderlei Folmer / Msc. Maria Eduarda de Lima O que é lixo? Latim Lix : cinza ; Europa : resíduos domésticos

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO. NÚMERO DE CADASTRO DA ENTIDADE NO MUNICÍPIO (Preenchido de acordo com o Relatório de Números Cadastrais / IBGE)

IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO. NÚMERO DE CADASTRO DA ENTIDADE NO MUNICÍPIO (Preenchido de acordo com o Relatório de Números Cadastrais / IBGE) Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS PESQUISA NACIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO - 0 MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS MRS BLOCO 0 0 IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO NÚMERO

Leia mais

AGRADECIMENTOS. Por fim a todos que contribuíram de alguma forma para conclusão desta monografia. Muito obrigado a todos.

AGRADECIMENTOS. Por fim a todos que contribuíram de alguma forma para conclusão desta monografia. Muito obrigado a todos. AGRADECIMENTOS Primeiramente agradeço, a Deus e a minha família, pois foi com a força deles que decide iniciar e finalizar este curso com sabedoria e dedicação para que este e os outros desafios que sugiram

Leia mais

Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública

Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública LIXÃO DA ESTRUTURAL ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA ÁREA Eng o Marco Aurélio B. Gonçalves Eng o Gilson Leite Mansur Gestão de Resíduos

Leia mais

CURRÍCULO DE ENGENHEIRO. Serviços com CAT e atestados de responsabilidade registrados no CREA, que atendem à Lei de Licitações: (1) ACERVO TÉCNICO COM

CURRÍCULO DE ENGENHEIRO. Serviços com CAT e atestados de responsabilidade registrados no CREA, que atendem à Lei de Licitações: (1) ACERVO TÉCNICO COM CURRÍCULO DE ENGENHEIRO. Serviços com CAT e atestados de responsabilidade registrados no CREA, que atendem à Lei de Licitações: (1) ACERVO TÉCNICO COM CAT NA ÁREA DE MANUTENÇÃO PREDIAL: a)- Manutenção

Leia mais

Os resíduos sólidos considerados inúteis ou indesejáveis formam o que chamamos de lixo.

Os resíduos sólidos considerados inúteis ou indesejáveis formam o que chamamos de lixo. Nacho Doce/Reuters/Latinstock Os resíduos sólidos considerados inúteis ou indesejáveis formam o que chamamos de lixo. Para onde vai o lixo recolhido das casas e das indústrias? Por que a reciclagem do

Leia mais

Aterros Sanitários Parte II

Aterros Sanitários Parte II 1 Aterros Sanitários Parte II 2 Determinação da quantidade de Resíduos Obter as seguintes informações: População atual e população estimada a cada ano durante o período de projeto; Geração per capita de

Leia mais

Cobrança pela coleta, destinação e tratamento dos Resíduos Sólidos Urbanos (RSU)

Cobrança pela coleta, destinação e tratamento dos Resíduos Sólidos Urbanos (RSU) Cobrança pela coleta, destinação e tratamento dos Resíduos Sólidos Urbanos (RSU) Jacqueline Loures Engenheira Civil Analista de Controle Externo do TCEMG jloures@tce.mg.gov.br Auditoria Operacional na

Leia mais

Gestão Integrada de Saneamento Ambiental

Gestão Integrada de Saneamento Ambiental Um modelo inovador de gestão integrada O Semasa Autarquia Municipal criada em 1.969 a partir da estrutura do antigo DAE Departamento de Água e Esgoto de Santo André ÁGUA E ESGOTO DRENAGEM GESTÃO AMBIENTAL

Leia mais

Questionário - Levantamento de Dados Municípios do Estado do Tocantins 1. Requisitos Legais / Estudos Específicos

Questionário - Levantamento de Dados Municípios do Estado do Tocantins 1. Requisitos Legais / Estudos Específicos MUNICÍPIO RESPONSÁVEL CONTATO (tel. e e-mail) Questionário - Levantamento de Dados Municípios do Estado do Tocantins 1. Requisitos Legais / Estudos Específicos Existem Planos Setoriais / Planos de Integração

Leia mais

APROVEITAMENTO DO BIOGÁS GERADO EM ATERROS SANITÁRIOS

APROVEITAMENTO DO BIOGÁS GERADO EM ATERROS SANITÁRIOS Eficiência Energética e Energias Renováveis em Cidades Brasileiras APROVEITAMENTO DO BIOGÁS GERADO EM ATERROS SANITÁRIOS MSc. Vanessa Pecora Porto Alegre, 24 de setembro de 2009 Resíduos Urbanos e Agrícolas

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS

GESTÃO AMBIENTAL E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL EDGAR BARBOSA OFICINA: QUÍMICA AMBIENTAL E RECICLAGEM NATAL/RN 2013

ESCOLA ESTADUAL EDGAR BARBOSA OFICINA: QUÍMICA AMBIENTAL E RECICLAGEM NATAL/RN 2013 ESCOLA ESTADUAL EDGAR BARBOSA OFICINA: QUÍMICA AMBIENTAL E RECICLAGEM NATAL/RN 2013 LIXO 2º ENCONTRO OBJETIVO: Relatar a composição química do lixo e os prováveis danos causados, além de discutir principais

Leia mais

A importância dos Consórcios Públicos Intermunicipais para a GIRS.

A importância dos Consórcios Públicos Intermunicipais para a GIRS. A importância dos Consórcios Públicos Intermunicipais para a GIRS. 10 Fórum Internacional de Resíduos Sólidos Promoção: Instituto Venturi Para Estudos Ambientais, Escola Politécnica da UNISINOS Universidade

Leia mais

page 1 of 98

page 1 of 98 page 1 of 98 page 2 of 98 page 3 of 98 page 4 of 98 page 5 of 98 page 6 of 98 page 7 of 98 page 8 of 98 page 9 of 98 page 10 of 98 page 11 of 98 page 12 of 98 page 13 of 98 page 14 of 98 page 15 of 98

Leia mais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Análise SWOT Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Implantação de associação de catadores, melhorando a coleta seletiva. Disponibilização de quantidade maior de lixeiras na cidade. Geração de empregos

Leia mais

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos GERAÇÃO DE RESÍDUOS Planejamento e Gestão de Resíduos FONTES GERADORAS ORIGEM DE ACORDO COM A CLASSIFICAÇÃO Domiciliar Comercial Institucional Serviços Públicos (limpeza pública) Serviços de saúde Indústria

Leia mais

Métodos de disposição final de resíduos sólidos no solo. Disposição final AVALIAÇÃO. Impactos ambientais. Lixão. Aterro Sanitário DOMICILIAR

Métodos de disposição final de resíduos sólidos no solo. Disposição final AVALIAÇÃO. Impactos ambientais. Lixão. Aterro Sanitário DOMICILIAR Disposição final DOMICILIAR Aterro Sanitário Métodos de disposição final de resíduos sólidos no solo Enquadramento das instalações de destinação final de RSD PODA E CAPINA Solos agrícolas IQR AVALIAÇÃO

Leia mais

Aterros de resíduos sólidos urbanos

Aterros de resíduos sólidos urbanos Aterros de resíduos sólidos urbanos Introdução A disposição final ambientalmente adequada é prevista na Lei nº 12.305/2010 também conhecida como Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). Desde 1998,

Leia mais

Emprego 5 ASSISTENTE DE CARGOS E SALÁRIOS 44 MÉDICO DO TRABALHO PORTEIRO 3 PORTEIRO RECEPCIONISTA SUPERVISOR DE SEGURANÇA DO TRABALHO

Emprego 5 ASSISTENTE DE CARGOS E SALÁRIOS 44 MÉDICO DO TRABALHO PORTEIRO 3 PORTEIRO RECEPCIONISTA SUPERVISOR DE SEGURANÇA DO TRABALHO RELAÇÃO QUANTITATIVA DE EMPREGOS 0 - DIRETORIA DIRETOR PRESIDENTE DIRETOR ADMINISTRATIVO SECRETÁRIA DA DIRETORIA 0 - DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS GERENTE DE RECURSOS HUMANOS ASSISTENTE DE CARGOS E

Leia mais

Emprego 2 ENCARREGADO(A) 40 MÉDICO DO TRABALHO 2 PORTEIRO 3 PORTEIRO RECEPCIONISTA SUPERVISOR DE SEGURANÇA DO TRABALHO

Emprego 2 ENCARREGADO(A) 40 MÉDICO DO TRABALHO 2 PORTEIRO 3 PORTEIRO RECEPCIONISTA SUPERVISOR DE SEGURANÇA DO TRABALHO Tabela Vigente em /07/0 RELAÇÃO QUANTITATIVA DE EMPREGOS 0 - DIRETORIA DIRETOR PRESIDENTE DIRETOR ADMINISTRATIVO SECRETÁRIA DA DIRETORIA 0 - DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS GERENTE DE RECURSOS HUMANOS

Leia mais

Prescrições Técnicas de Serviços Data:

Prescrições Técnicas de Serviços Data: Pag.: 1/0007 SERVIÇO: 6120102283 UNM LOCAÇÃO CAIXA ESTACIONARIA DE 25 A 30M3 DESCRIÇÃO: LOCAÇÃO DE CAIXA ESTACIONÁRIA DE 25 M³ E 30 M³ (RETIRAR) PARA ARMAZENAMENTO DOS RESÍDUOS NAS ETE#S E ETA#S. UNIDADE:

Leia mais

DIRETOR PRESIDENTE DIRETOR ADMINISTRATIVO SECRETÁRIA DA DIRETORIA Total: Emprego 4 ASSISTENTE DE CARGOS E SALÁRIOS 2 AUXILIAR DE LIMPEZA

DIRETOR PRESIDENTE DIRETOR ADMINISTRATIVO SECRETÁRIA DA DIRETORIA Total: Emprego 4 ASSISTENTE DE CARGOS E SALÁRIOS 2 AUXILIAR DE LIMPEZA Tabela Vigente em /08/06 RELAÇÃO QUANTITATIVA DE EMPREGOS 0 - DIRETORIA DIRETOR PRESIDENTE DIRETOR ADMINISTRATIVO SECRETÁRIA DA DIRETORIA 0 - DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS GERENTE DE RECURSOS HUMANOS

Leia mais

Município de Visconde do Rio Branco 1. Aspectos Gerais

Município de Visconde do Rio Branco 1. Aspectos Gerais Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Município de Visconde do Rio Branco 1. Aspectos Gerais O município de Visconde do Rio Branco tem uma população total de

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Limpeza Urbana e Manejo de

Leia mais

Visão Geral sobre a Tecnologia Aterro Industrial. Essencis Regional Sul François André Martinot

Visão Geral sobre a Tecnologia Aterro Industrial. Essencis Regional Sul François André Martinot Visão Geral sobre a Tecnologia Aterro Industrial Essencis Regional Sul François André Martinot 1 Algumas Tecnologias da Essencis Soluções Ambientais Aterros Industriais Incineração Tratamento de Efluentes

Leia mais

Figura 34: Marco superficial, aterro Bandeirantes, São Paulo SP. Fonte: A autora, 2009.

Figura 34: Marco superficial, aterro Bandeirantes, São Paulo SP. Fonte: A autora, 2009. 69 Figura 34: Marco superficial, aterro Bandeirantes, São Paulo SP. Figura 35: Dreno para sucção de biogás, aterro Bandeirantes, São Paulo - SP. 70 A cobertura vegetal utilizada após o final das operações

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 687 DE 09 DE SETEMBRO DE 2013 LEI:

LEI MUNICIPAL Nº 687 DE 09 DE SETEMBRO DE 2013 LEI: LEI MUNICIPAL Nº 687 DE 09 DE SETEMBRO DE 2013 INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE FIGUEIREDO-AM. O PREFEITO MUNICIPAL DE PRESIDENTE FIGUEIREDO,

Leia mais

Disciplina: Poluição do Solo Aterro Sanitário - Conceito e infraestrutura Métodos de disposição no solo

Disciplina: Poluição do Solo Aterro Sanitário - Conceito e infraestrutura Métodos de disposição no solo Disciplina: Poluição do Solo Aterro Sanitário - Conceito e infraestrutura Métodos de disposição no solo Prof. Dr. Ednilson Viana Aterro Sanitário Técnica de disposição de resíduos sólidos no solo visando

Leia mais

SANEAMENTO E AMBIENTE: 3º ENCONTRO DA ENGENHARIA. Confinamento de Resíduos Industriais: técnicas e materiais

SANEAMENTO E AMBIENTE: 3º ENCONTRO DA ENGENHARIA. Confinamento de Resíduos Industriais: técnicas e materiais SANEAMENTO E AMBIENTE: 3º ENCONTRO DA ENGENHARIA Confinamento de Resíduos Industriais: técnicas e materiais Riscos de contaminação do solo e da água subterrânea Eng. Quím. Mário Kolberg Soares GERENCIAMENTO

Leia mais

ANÁLISE DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ PR

ANÁLISE DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ PR Sueli Mieko Miamoto Graduada em Engenharia Civil pela Universidade Estadual de Maringá (1984). Mestra em Engenharia Urbana - área de concentração: Infra-estrutura e Sistemas Urbanos pela UEM - Universidade

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS. Péricles S Weber Diretoria de Meio Ambiente

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS. Péricles S Weber Diretoria de Meio Ambiente GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Péricles S Weber Diretoria de Meio Ambiente Abril 2013 COMPANHIA DE SANEAMENTO DO PARANÁ - SANEPAR Criada em 23 de janeiro de 1963, a Companhia de Saneamento do Paraná

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS Ariadine Aparecida Padilha 57 Marcela Lima Cardoso Sebow 58 RESUMO Esta pesquisa bibliográica teve como objetivo demonstrar que a falta de

Leia mais

Gestão e reciclagem de resíduos de construção civil e demolição ABRECON / Hewerton Bartoli. Belo Horizonte 26 de maio de 2017

Gestão e reciclagem de resíduos de construção civil e demolição ABRECON / Hewerton Bartoli. Belo Horizonte 26 de maio de 2017 Gestão e reciclagem de resíduos de construção civil e demolição ABRECON / Hewerton Bartoli Belo Horizonte 26 de maio de 2017 MG PANORAMA DA APRESENTAÇÃO O que é RCC Legislação e normas Evolução Cenário

Leia mais

1º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 29 a 31 de Outubro de 2008

1º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 29 a 31 de Outubro de 2008 Diagnóstico da geração e destinação dos resíduos sólidos da Cidade de São Gabriel-RS Acad. Rosangela Silva Gonçalves 1, Acad. Julio Cesar Bresolin Marinho 2, Acad. Ângela Hubert Nelfeld 3, Prof. Dr. Claudia

Leia mais

USO AGRÍCOLA DE LODO DE ESGOTO: DE RESÍDUO A FERTILIZANTE

USO AGRÍCOLA DE LODO DE ESGOTO: DE RESÍDUO A FERTILIZANTE Seminário Internacional Uso de Lodo de Esgotos Belo Horizonte MG USO AGRÍCOLA DE LODO DE ESGOTO: DE RESÍDUO A FERTILIZANTE Eng. Agro. Milton C. Pucci Responsável Técnico Perito Ambiental PUCCI AMBIENTAL

Leia mais

Aterros Sanitários 2

Aterros Sanitários 2 1 Aterros Sanitários 2 Estrutura 3 Métodos Construtivos Fatores a considerar para escolha do método construtivo apropriado: Topografia da área; Tipo de solo; Profundidade do lençol freático. 4 Métodos

Leia mais

ITAÚNA. Emancipação: 16 de setembro de 1901.

ITAÚNA. Emancipação: 16 de setembro de 1901. ITAÚNA Emancipação: 16 de setembro de 1901. Localização: Centro-Oeste Mineiro. Distância da capital: 76 km População: 90.084 mil habitantes (Fonte: IBGE) Área: 500 km² Vista parcial de Itaúna Vista parcial

Leia mais

dura Água poluída potável mineral Contaminada

dura Água poluída potável mineral Contaminada dura potável Água poluída mineral Contaminada Tratamento da água Água bruta Coagulação Floculação Decantação Distribuição Cloração Fluoretação Filtração Como tratar água dura? Abrandamento por precipitação

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE PROTEÇÃO DE GEOMEMBRANA EM ATERRO SANITÁRIO PORTO ALEGRE

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE PROTEÇÃO DE GEOMEMBRANA EM ATERRO SANITÁRIO PORTO ALEGRE APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE PROTEÇÃO DE GEOMEMBRANA EM ATERRO SANITÁRIO PORTO ALEGRE Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Fernando Spinelli Alves JUNHO 1997 Revisado

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA CONTABILIDADE EM EMERGIA

CONTRIBUIÇÕES DA CONTABILIDADE EM EMERGIA Vendrametto, Lilian P. Agustini, Carlos A. Di Projeto de Lei 1.991/2007-5.564564 municípios - Milhões de empresas - Milhões de pessoas Gerador Projeto de Lei 1.991/2007 Das 27 cidades-capital no Brasil,

Leia mais

Plano de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos do Consórcio 4 Ambiental: Consórcio Intermunicipal para o Desenvolvimento Ambiental Sustentável

Plano de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos do Consórcio 4 Ambiental: Consórcio Intermunicipal para o Desenvolvimento Ambiental Sustentável para o Desenvolvimento Ambiental Sustentável PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CONSORCIO INTERMUNICIPAL PARA O DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SUSTENTAVEL - 4AMBIENTAL, COMPOSTO PELOS MUNICÍPIOS

Leia mais

BREVE HISTÓRICO SANEAMENTO BÁSICO

BREVE HISTÓRICO SANEAMENTO BÁSICO BREVE HISTÓRICO SANEAMENTO BÁSICO DECADA DE 50 Criação dos Serviços Autônomos de Água e Esgotos - SAAE 1968 - CRIAÇÃO BNH Agente financeiro oficial da política de habitação e saneamento 1969 - Instituição

Leia mais

ESTUDOS PRELIMINARES 1- CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS GERADOS EM BITURUNA PR 2- BALANÇO DE MASSA E REINTEGRAÇÃO AMBIENTAL

ESTUDOS PRELIMINARES 1- CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS GERADOS EM BITURUNA PR 2- BALANÇO DE MASSA E REINTEGRAÇÃO AMBIENTAL ESTUDOS PRELIMINARES 1- CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS GERADOS EM BITURUNA PR 2- BALANÇO DE MASSA E REINTEGRAÇÃO AMBIENTAL Composição Gravimétrica dos Resíduos Sólidos Urbanos de Bituruna

Leia mais

Gestão de Resíduos Sólidos

Gestão de Resíduos Sólidos Gestão de Resíduos Sólidos Secretaria Municipal do Meio Ambiente Superintendência de Controle Ambiental Superintendência de Obras e Serviços Superintendência de Controle Ambiental Departamento de Pesquisa

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO ESTADO DE SANTA CATARINA PERS-SC LEGISLAÇÃO RELATIVA A RESÍDUOS E SUAS IMPLICAÇÕES

PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO ESTADO DE SANTA CATARINA PERS-SC LEGISLAÇÃO RELATIVA A RESÍDUOS E SUAS IMPLICAÇÕES PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO ESTADO DE SANTA CATARINA PERS-SC LEGISLAÇÃO RELATIVA A RESÍDUOS E SUAS IMPLICAÇÕES PAUTA DA APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO AO TEMA PROBLEMÁTICA DA GESTÃO DOS RS LEGISLAÇÃO

Leia mais

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO SOLO ATERROS DE RESÍDUOS

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO SOLO ATERROS DE RESÍDUOS DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO SOLO ATERROS DE RESÍDUOS ATERRO É uma forma de disposição de resíduos no solo que, fundamentada em critérios de engenharia e normas operacionais específicas, garante um

Leia mais

Cenário dos RSU no Município de São Paulo. Fernando Morini TCM/SP

Cenário dos RSU no Município de São Paulo. Fernando Morini TCM/SP Cenário dos RSU no Município de São Paulo Fernando Morini TCM/SP Município de São Paulo 12.176.866 hab. (2018) 32 Sub Prefeituras IDH 0,805 (2010) Receitas realizadas 54 Milhões (2017) 1,33 kg/hab x dia

Leia mais

Tema: Tratamento de Resíduos Sólidos

Tema: Tratamento de Resíduos Sólidos Curso: Engenharia Tema: Tratamento de Resíduos Sólidos Grupo B: Anaclaudia Vilaronga Givanildo Alves dos Santos (Relator) Henrique Simões de Andrade Rene Tadeu da Veiga Vinicius Luiz de Souza Gobbe Vinicius

Leia mais

AVALIAÇÃO DA USINA DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM DA CIDADE DE PARAISÓPOLIS - MINAS GERAIS

AVALIAÇÃO DA USINA DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM DA CIDADE DE PARAISÓPOLIS - MINAS GERAIS AVALIAÇÃO DA USINA DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM DA CIDADE DE PARAISÓPOLIS - MINAS GERAIS Gerenciamento de Resíduos Sólidos e Líquidos Flávio Henrique Cortez Silva 1 Ana Paula Trindade de Souza² Marcelo Antônio

Leia mais

UM MODELO DE GESTÃO DE RESÍDUOS MUNICIPAIS PROF. DR. SABETAI CALDERONI INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS

UM MODELO DE GESTÃO DE RESÍDUOS MUNICIPAIS PROF. DR. SABETAI CALDERONI INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS UM MODELO DE GESTÃO DE RESÍDUOS MUNICIPAIS PROF. DR. SABETAI CALDERONI INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS SABETAI CALDERONI Presidente do Instituto Brasil Ambiente Consultor da Organização das Nações

Leia mais

Experiência de Aproveitamento Energético do Biogás do Aterro Sanitário de Belo Horizonte

Experiência de Aproveitamento Energético do Biogás do Aterro Sanitário de Belo Horizonte Workshop Internacional Aproveitamento Energético de Biogás em Aterros Sanitários e Efluentes Experiência de Aproveitamento Energético do Biogás do Aterro Sanitário de Belo Horizonte Superintendência de

Leia mais

sumário EMPRESA OBRAS 02 sobre a empresa 03 dados técnicos 04 estrutura 05 atestados de capacidade técnica 08 certificação 09 clientes 11 obras

sumário EMPRESA OBRAS 02 sobre a empresa 03 dados técnicos 04 estrutura 05 atestados de capacidade técnica 08 certificação 09 clientes 11 obras sumário EMPRESA 02 sobre a empresa 03 dados técnicos Especificações 04 estrutura 05 atestados de capacidade técnica 08 certificação CLIENTES 09 clientes OBRAS 11 obras produtos e serviços 14 produtos 15

Leia mais

Curso de Engenharia Ambiental. Relatório Visita Técnica 2012

Curso de Engenharia Ambiental. Relatório Visita Técnica 2012 Curso de Engenharia Ambiental Relatório Visita Técnica 2012 Visita técnica a empresa Estre Ambiental em Paulínia-SP, e reconhecimento do funcionamento da disposição final de resíduos sólidos classe IIA

Leia mais

PPP Summit É O ANO DAS PPPS MUNICIPAIS?

PPP Summit É O ANO DAS PPPS MUNICIPAIS? PPP Summit 2015 2015 É O ANO DAS PPPS MUNICIPAIS? INFORMAÇÕES GERAIS Betim está localizada a 30 km da capital mineira. É um dos principais pólos de concentração industrial do estado de Minas Gerais. A

Leia mais

Fatores Operacionais que interferem na coleta de biogas.

Fatores Operacionais que interferem na coleta de biogas. Fatores Operacionais que interferem na coleta de biogas. Fatores Operacionais que interferem na coleta de biogas. Compactação dos resíduos Sistemas de Cobertura Sistemas de drenagens internas Sistemas

Leia mais

Painel V Sensibilização Ambiental

Painel V Sensibilização Ambiental Painel V Sensibilização Ambiental Igor Reis de Albuquerque Gerente de Mudanças Climáticas ICLEI América do Sul ICLEI Governos Locais pela Sustentabilidade O ICLEI é a principal associação mundial de governos

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA PROG. DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA PROG. DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA PROG. DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA POLÍTICA DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DE CURITIBA RELATÓRIO

Leia mais

PEGADA ECOLÓGICA A PEGADA DE ALGUNS PAISES. Estados Unidos: 9,7 hectares / pessoa. Brasil: 2,2 hectares / pessoa. Etiópia: 0,47 hectares / pessoa

PEGADA ECOLÓGICA A PEGADA DE ALGUNS PAISES. Estados Unidos: 9,7 hectares / pessoa. Brasil: 2,2 hectares / pessoa. Etiópia: 0,47 hectares / pessoa PEGADA ECOLÓGICA Pegada Ecológica (também denominada de pegada carbônica ) é definida, portanto, como área de território ecologicamente produtivo (cultivos, pastos, florestas ou ecossistemas aquáticos)

Leia mais

ATERRO SANITÁRIO DE RIO CLARO. Prof. Marcos Colégio Sta. Clara

ATERRO SANITÁRIO DE RIO CLARO. Prof. Marcos Colégio Sta. Clara ATERRO SANITÁRIO DE RIO CLARO Prof. Marcos Colégio Sta. Clara 1. CICLO DE VIDA DOS PRODUTOS - Observe um objeto perto de você. Você já parou para pensar do que ele é feito e quantas etapas foram necessárias

Leia mais

PLANO DE SANEAMENTO BÁSICO SETORIAL PARA LIMPEZA URBANA E O MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

PLANO DE SANEAMENTO BÁSICO SETORIAL PARA LIMPEZA URBANA E O MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PLANO DE SANEAMENTO BÁSICO SETORIAL PARA LIMPEZA URBANA E O MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Abril/ 2014 Histórico Plano Municipal 1 RESÍSUOS SÓLIDOS PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO 2 MACRO E MICRO DRENAGEM 3

Leia mais

Dois temas, muitas pautas. Saneamento e meio ambiente

Dois temas, muitas pautas. Saneamento e meio ambiente Dois temas, muitas pautas Saneamento e meio ambiente Saneamento básico, os temas Lei 11.445/07 conceitos, princípios e diretrizes 4 serviços básicos: abastecimento de água, esgotamento sanitário, resíduos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Marisa Brasil Engenheira de Alimentos MBA em Qualidade, Segurança, Meio Ambiente, Saúde e Responsabilidade Social Especialista em Engenharia Ambiental e Saneamento Básico

Leia mais

Normas Técnicas -RCD

Normas Técnicas -RCD Mestrado em Engenharia Civil NORMAS TÉCNICAS DE RCD Profa. Stela Fucale Normas Técnicas -RCD NBR15.112/04 Resíduosdeconstruçãoeresíduosvolumosos Áreasde transbordo e triagem Diretrizes para projeto, implantação

Leia mais

FRD-ES - Tabela de Situação do Programa Resíduos Sólidos Água Esgoto Projetos

FRD-ES - Tabela de Situação do Programa Resíduos Sólidos Água Esgoto Projetos Situação/ FRD-ES - Tabela de Situação do Programa TOTAL 37.449.373,00 19.924.317,16 3.346.524,38 7.875.010,41 31.145.851,95 RECURSOS REPASSADOS PREFEITURA 10.795.079,42 866.996,19 4.376.821,89 16.038.897,50

Leia mais

Coleta e Destinação de Resíduos

Coleta e Destinação de Resíduos Coleta e Destinação de Resíduos Com diretrizes, critérios e procedimentos em conformidade com a Lei nº 12.305 de 02 de agosto de 2.010. OBJETIVO A Global é uma empresa que atua no mercado de gerenciamento

Leia mais

Resíduos Sólidos Urbanos

Resíduos Sólidos Urbanos PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE Resíduos Sólidos Urbanos João Ismael Ortulane Nardoto Secretario de Meio Ambiente Geração de Resíduos Abril, 2009 10.532,91 toneladas de resíduos

Leia mais

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UM LISÍMETRO EM ESCALA EXPERIMENTAL PARA ESTUDOS DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS RESUMO

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UM LISÍMETRO EM ESCALA EXPERIMENTAL PARA ESTUDOS DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS RESUMO PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UM LISÍMETRO EM ESCALA EXPERIMENTAL PARA ESTUDOS DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Natália M. GOULART 1 ; Luiz Flávio R. FERNANDES 2 ; Gilcimar DALLÓ 3 ; Tone V. MARCILIO 4 ; Luiz Carlos

Leia mais

Fórum Pernambucano de Construção Sustentável Recife, 03 de setembro de 2014 SINDUSCON-PE. Rosário Ferreira Engenheira Civil Sócia Proprietária

Fórum Pernambucano de Construção Sustentável Recife, 03 de setembro de 2014 SINDUSCON-PE. Rosário Ferreira Engenheira Civil Sócia Proprietária Fórum Pernambucano de Construção Sustentável Recife, 03 de setembro de 2014 SINDUSCON-PE Rosário Ferreira Engenheira Civil Sócia Proprietária S Fonte: Arquivo pessoal A Empresa S É uma usina de processamento

Leia mais

Fontes de Recursos Ação. Curto Médio Longo (1 a 4 anos) (4 a 8 anos) (8 a 20 anos)

Fontes de Recursos Ação. Curto Médio Longo (1 a 4 anos) (4 a 8 anos) (8 a 20 anos) 3.1 Instituir programa de coleta seletiva no município. 3.2 Realizar campanhas de sensibilização e educação socioambiental da população acerca da temática dos resíduos sólidos, quanto a importância da

Leia mais

SORTEADOS 2016 MÊS SORTEIO DATA Nº PRODUTO FILIAL VALOR SORTEIO SORTEIO 10/ SETEMBRO 03/ /08

SORTEADOS 2016 MÊS SORTEIO DATA Nº PRODUTO FILIAL VALOR SORTEIO SORTEIO 10/ SETEMBRO 03/ /08 MÊS SORTEIO DATA Nº SORTEIO SETEMBRO AGOSTO JULHO JUNHO MAIO 10/09 0093082 03/09 0028075 27/08 PRODUTO FILIAL VALOR SORTEIO Prestamista CDC Florianópolis R$ 500,00 Prestamista CDC Salvador R$ 4.000,00

Leia mais

MUDANÇAS. Transformando a realidade dos resíduos sólidos no Distrito Federal Relatório Atividades Kátia Campos Presidente do SLU

MUDANÇAS. Transformando a realidade dos resíduos sólidos no Distrito Federal Relatório Atividades Kátia Campos Presidente do SLU MUDANÇAS Transformando a realidade dos resíduos sólidos no Distrito Federal Relatório Atividades 2017 Kátia Campos Presidente do SLU Dados históricos 1961 Primeira usina de tratamento de lixo e compostagem

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS. UFPR-Profª Eliane C. Gomes

RESÍDUOS SÓLIDOS. UFPR-Profª Eliane C. Gomes UFPR-Profª Eliane C. Gomes 1. DEFINIÇÃO (Lei 12305/10) material, substância, objeto ou bem descartado resultante de atividades humanas em sociedade, a cuja destinação final se procede, se propõe proceder

Leia mais

Avanços e desafios no Manejo de RCC Município de São Paulo

Avanços e desafios no Manejo de RCC Município de São Paulo Oficina de trabalho MANEJO DOS RESIDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO DF Painel 2 Avanços e desafios no Manejo de RCC Município de São Paulo Maria Salete Marreti Brasília A M L U R B A u t o r i d a

Leia mais

Disposição Final de Resíduos Sólidos Urbanos

Disposição Final de Resíduos Sólidos Urbanos 1 Disposição Final de Resíduos Sólidos Urbanos 2 Disposição Final dos RSU s O poder público confunde aterro sanitário com vazadouros, lixões e depósitos de resíduos; Maior problema dos aterros orgânica

Leia mais

Profª. Klícia Regateiro. O lixo

Profª. Klícia Regateiro. O lixo Profª. Klícia Regateiro O lixo Tipos de lixo O Definem-se resíduos sólidos como o conjunto dos produtos não aproveitados das atividades humanas: O domésticas, comerciais, industriais, de serviços de saúde

Leia mais

PESQUISA DE EXPEDIENTE - NATAL E ANO NOVO

PESQUISA DE EXPEDIENTE - NATAL E ANO NOVO NORTE REGIÃO NORDESTE PESQUISA DE EXPEDIENTE - NATAL E ANO NOVO UF FRANQUIA CIDADE 24/12/2016 -SÁBADO 31/12/2016 - SÁBADO AL 562 MACEIÓ ATENDIMENTO NORMAL ATENDIMENTO NORMAL BA 636 BARREIRAS BA 605 VITÓRIA

Leia mais

Limpeza urbana e a proliferação de animais sinantrópicos

Limpeza urbana e a proliferação de animais sinantrópicos Limpeza urbana e a proliferação de animais sinantrópicos Instituto de Engenharia SP Divisão Técnica de Engenharia Sanitária do Instituto de Engenharia DTES/I.E 06 de abril de 2011 Francisco Luiz Rodrigues

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS REALIZADA NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE BENEDITINOS PIAUÍ

DIAGNÓSTICO DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS REALIZADA NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE BENEDITINOS PIAUÍ Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 DIAGNÓSTICO DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS REALIZADA NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE BENEDITINOS PIAUÍ Simone Panis (*), Izaura Pereira Farias, Lilian Francisca Soares

Leia mais

Disciplina: Manejo de Resíduos Sólidos. 6 Armazenamento, Coleta e Transporte. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Setembro de 2016

Disciplina: Manejo de Resíduos Sólidos. 6 Armazenamento, Coleta e Transporte. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Setembro de 2016 Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba Disciplina: Manejo de Resíduos Sólidos Pós-grraduação em Engenharia Civil e Ambiental 6 Armazenamento, Coleta e Transporte Professor: Sandro Donnini Mancini

Leia mais

Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública

Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública Transformando a realidade dos resíduos sólidos no Distrito Federal Paulo Celso dos Reis Gomes Diretor Técnico - SLU Dados históricos 1961 Primeira

Leia mais

Saneamento Urbano TH419

Saneamento Urbano TH419 Universidade Federal do Paraná Arquitetura e Urbanismo Saneamento Urbano TH419 Resíduos sólidos urbanos Profª Heloise G. Knapik ABASTECIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA TRATAMENTO DE ÁGUA POTÁVEL COLETA E

Leia mais

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM ATERRO

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM ATERRO DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM ATERRO 1. Resíduos classificação e tipologia 2. Legislação Pertinente 3. Alternativas Viáveis para o destino final de resíduos químicos - Tratamentos Disponíveis no Mercado

Leia mais

Reciclar, Transformar, Valorizar Lixo Urbano

Reciclar, Transformar, Valorizar Lixo Urbano Reciclar, Transformar, Valorizar Lixo Urbano 10-08-2009 Apresentação da Empresa O Grupo KÜTTNER se desenvolveu a partir de uma empresa de engenharia, fundada em Essen/Alemanha no ano de 1949 pelo Engenheiro

Leia mais

A PNSB e o Saneamento Rural

A PNSB e o Saneamento Rural A PNSB e o Saneamento Rural Antônio Tadeu Ribeiro de Oliveira Gerente de Estudos e Pesquisas Sociais VI Seminário Nacional de Saneamento Rural João Pessoa, 07.11.2012 A PNSB Pesquisa Nacional de Saneamento

Leia mais