REGULAMENTO DE ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS DE RENDA LIVRE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DE ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS DE RENDA LIVRE"

Transcrição

1 REGULAMENTO DE ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS DE RENDA LIVRE Nos termos da al. c) n.º 4 do artigo 3.º do decreto-lei n.º 84/2012, de 30 de março, são atribuições do Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social, IP, promover e implementar programas de alienação do património imobiliário da segurança social. De acordo com o disposto no artigo 6.º dos estatutos do IGFSS, IP, aprovados pela portaria n.º 639/2007, de 30 de maio, incumbe ao departamento de património imobiliário a elaboração do plano de alienação de imóveis. O artigo 20.º do decreto-lei n.º 141/88, de 22 de abril, com a nova redação que lhe foi dada pelo decreto-lei n.º 288/93, de 20 de agosto, prevê que o património de renda livre é alienado pelo valor a fixar pela livre negociação entre as partes e nos termos e condições a acordar. Compete ao conselho diretivo do IGFSS, IP praticar os demais atos de gestão decorrentes da aplicação dos estatutos e necessários ao bom funcionamento dos serviços c.fr. alínea i) do n.º 1 do artigo 21.º da lei-quadro dos institutos públicos. (Lei n.º 3/2004, 15 de janeiro, alterada pela lei n.º 51/2005, de 30 de agosto, pelos decretos-lei n.ºs 200/2006, de 25 de outubro, 105/2007, de 3 de Abril, pela lei n.º 64-A/2008, de 31 de dezembro e pelo decreto-lei n.º 5/2012, de 17 de janeiro). Estabelece, ainda, o n.º 1 do artigo 12.º da citada lei que as disposições relativas à organização interna dos institutos constam dos seus estatutos e, em tudo o mais que, face ao disposto na lei, possa ser regulado, de regulamentos internos, aprovados pelos órgãos do instituto. Assim, com vista a disciplinar toda a matéria relativa à alienação de imóveis de renda livre o conselho diretivo aprovou em 2010, o Regulamento de Alienação de Imóveis de Renda Livre. Decorridos 2 anos sobre a aplicação do citado regulamento, procedeu-se a uma reformulação com base na experiência adquirida, procurando simultaneamente adequá-lo à nova realidade do mercado. 1/12

2 Nestes termos, ao abrigo do disposto no n.º 1 do artigo 12, da lei n.º 3/2004, 15 de janeiro, alterada pela lei n.º 51/2005, de 30 de agosto, pelos decretos-lei n.ºs 200/2006, de 25 de outubro, 105/2007, de 3 de abril, pela lei n.º 64-A/2008, de 31 de dezembro e pelo decreto-lei n.º 5/2012, de 17 de janeiro, o conselho diretivo delibera o seguinte: 1. É aprovado o regulamento de alienação de imóveis de renda livre, em anexo. 2. O regulamento referido no número anterior entra em vigor no dia útil seguinte à sua aprovação. 3. São revogadas todas as normas internas relativas à venda de imóveis a arrendatários de renda livre, aprovadas por deliberação do conselho diretivo, de 11 de março de É revogado o regulamento de alienação de imóveis de renda livre, aprovado por deliberação do conselho diretivo de 11 de fevereiro de O conselho diretivo, em 31de maio de /12

3 ANEXO CAPÍTULO I Das disposições gerais Artigo 1.º Objeto O presente regulamento destina-se a estabelecer as normas pelas quais o IGFSS, IP procede à alienação de imóveis propriedade da segurança social e em compropriedade, na parte que ao IGFSS,IP concerne, submetidos ao regime de renda livre. Artigo 2º Concorrência O IGFSS, IP, deve, nos procedimentos de alienação de imóveis, assegurar aos interessados em contratar, uma concorrência efetiva. Artigo 3º Transparência 1. O IGFSS, IP, deve garantir adequada publicidade e proporcionar, tempestivamente, o acesso aos procedimentos nos termos da lei. 2. As decisões são documentadas e, quando necessário, objeto de fundamentação e notificadas aos interessados. Artigo 4.º Equidade As decisões relativas à alienação devem atender à equidade na distribuição de benefícios e custos devendo ponderar-se: a. A perspetiva de evolução dos encargos com a manutenção e conservação de bem imóvel; b. A perspetiva de evolução do valor do bem imóvel de acordo com as suas características e face ao mercado imobiliário. Artigo 5.º Dos Procedimentos 1. A alienação de imóveis de renda livre é realizada, por concurso e por ajuste direto. 2. Pode ser adotado o procedimento por ajuste direto nas seguintes situações: a. Quando o concurso tenha ficado deserto; b. Quando, no âmbito do concurso, o, ou os concorrentes tenham desistido da compra; c. Quando a entidade adquirente pertença à administração central ou local; d. Quando o imóvel esteja arrendado e o adquirente seja o próprio arrendatário; 3/12

4 e. Quando o imóvel seja vendido a um dos seus comproprietários; f. Quando o imóvel seja objeto de litígio judicial e o adquirente seja parte principal no processo; g. Quando a entidade adquirente seja pessoa coletiva de utilidade pública, designadamente as de cariz social ou religioso, devidamente reconhecidas, e o imóvel se destine direta e imediatamente à realização dos seus fins por um período determinado. 3. Os imóveis referidos nos números anteriores podem ser vendidos em lotes desde que tal se justifique segundo o princípio da boa administração e não resulte diminuição da concorrência. 4. Os imóveis, cujo concurso tenha ficado deserto, mantém-se em venda pelo período de um ano a contar da data de abertura do último concurso ou até à abertura de novo concurso se este ocorrer dentro do período referido, independentemente de integrarem ou não o novo concurso. Capítulo II Do concurso Artigo 6.º Imóvel a alienar 1. A listagem dos imóveis a alienar e o respetivo valor base de licitação são aprovados por deliberação do conselho diretivo, sob proposta do departamento de património imobiliário do IGFSS, IP. 2. Os imóveis são alienados no estado de conservação em que se encontram. Artigo 7.º Concorrentes Podem ser admitidos a concurso: a. Pessoas singulares, ou seus representantes; b. Pessoas coletivas. Artigo 8.º Impedimentos Não é permitida a apresentação de propostas por quem participa no processo decisório, nem por trabalhadores do IGFSS, IP, bem como por avençados, avaliadores externos, fornecedores e prestadores de serviços no âmbito da atividade do departamento do património imobiliário. Artigo 9.º Publicitação do concurso 4/12

5 1. O IGFSS, IP promove o anúncio da abertura dos concursos, mediante a sua publicação em, pelo menos, um jornal diário de expansão nacional, aviso afixado nos serviços centrais e locais e divulgação no site da segurança social:. 2. Sempre que se justifique, o anúncio pode ainda ser publicitado num jornal local ou distrital e os avisos afixados noutros locais. 3. O anúncio deve conter obrigatoriamente: a. Identificação e localização do imóvel; b. Valor base de licitação; c. Local, data e hora limites para apresentação de propostas; d. Local, data e hora do ato público; e. Indicação dos contatos para esclarecimentos sobre a situação dos imóveis, do local de consulta, do calendário das visitas, e do regulamento aplicável. 4. O anúncio tem caráter meramente informativo. Artigo 10.º Apresentação das propostas As propostas podem ser entregues diretamente no local a indicar no anúncio de abertura do concurso, contra recibo, ou enviadas pelo correio, sob registo e com aviso de receção, desde que sejam recebidas no local e até ao final do prazo fixado, sendo imputável apenas ao concorrente qualquer atraso que ocorra no envio pelo correio. Artigo 11.º Proposta 1. A proposta deve mencionar obrigatoriamente: a. A identificação do concorrente mediante a indicação do nome e domicilio ou, no caso de pessoa coletiva, a denominação social e a sede; b. O valor oferecido em algarismos e preferencialmente por extenso, sendo que em caso de dúvida, prevalece o valor indicado por extenso. 2. A proposta deve mencionar ainda: a. Número e data de emissão do bilhete de identidade ou, número e validade do cartão do cidadão, bem como, o número fiscal de contribuinte ou número de pessoa coletiva do concorrente; b. Estado civil do concorrente, nome do cônjuge e regime de bens do casamento, quando aplicável; 5/12

6 c. Número de telefone ou telemóvel e, quando possível, ou fax; d. Declaração sob compromisso de honra em como o concorrente possui a sua situação tributária e contributiva regularizada, ou que não se encontre inscrito na Segurança Social. 3. A proposta tem de ser assinada pelo concorrente ou pelo seu representante. 4. A proposta é acompanhada de um cheque à ordem do IGFSS, IP, a título de caução, no montante de 500 Euros (quinhentos euros). 5. A proposta deve ser redigida em língua portuguesa e não pode ser rasurada. 6. Cada concorrente apenas pode apresentar uma única proposta por imóvel. 7. Concorrendo a vários imóveis, o concorrente tem de apresentar propostas individualizadas. Artigo 12.º Modo de apresentação da proposta As propostas devem ser apresentadas em sobrescrito fechado, identificando-se no exterior do mesmo o concorrente e o imóvel a que respeita, o qual, por sua vez, é encerrado num segundo sobrescrito dirigido ao presidente do conselho diretivo do IGFSS, IP e endereçado ao local indicado no anúncio de abertura do concurso, devendo nele constar, ao lado do endereço, a menção Concurso de Venda. Artigo 13.º Exclusão de concorrentes São excluídos os concorrentes: a. Cujas propostas tenham dado entrada fora do prazo; b. Que não observem o disposto no artigo 12.º deste regulamento. Artigo 14.º Ato público 1. As propostas são abertas em ato público a realizar no dia útil seguinte à data limite para a apresentação das propostas. 2. O ato público referido no número anterior decorre perante uma comissão composta por três membros nomeados pelo conselho diretivo, sob proposta do departamento de património imobiliário. 3. A deliberação constitutiva da comissão deve indicar o presidente, o vogal efetivo que substitui o presidente, e o secretário. 4. O ato público é composto por tantos concursos quantos números de imóveis colocados em venda, pelo que a exclusão de uma proposta não implica os restantes concursos. 6/12

7 Artigo 15.º Exclusão das propostas 1. São excluídas as propostas: a. Que careçam de algum elemento obrigatório previsto no n.º 1 do artigo 11.º deste regulamento; b. Cujo preço oferecido seja inferior ao valor base de licitação; c. Que não observem o disposto nos n.º s 3, 4, 5, 6 e 7, do artigo 11.º deste Regulamento. 2. As omissões dos elementos não essenciais previstos nas alíneas a), b), c) e d) do nº. 2, do artigo 11.º, deste regulamento podem ser sanadas no próprio ato público ou no prazo de 48 horas na sequência de comunicação ao concorrente para o efeito. Artigo 16.º Classificação das propostas Na classificação das propostas o critério utilizado é o do preço mais elevado. Artigo 17º Empate 1. Caso se verifique empate relativamente ao preço mais elevado os concorrentes são notificados no próprio ato para apresentar nova proposta no prazo a fixar pela comissão, nunca superior a 72 horas. 2. Verificando-se a situação prevista no número anterior, a comissão interrompe o ato público, após a abertura de todas as propostas, indicando o local, a data e a hora da continuação do mesmo. 3. Caso os concorrentes não se encontrem no ato público, a notificação é feita por telefone, , telegrama ou fax, a qual será confirmada por via postal no dia útil seguinte, sem prejuízo de a notificação se considerar feita na data da primeira comunicação. 4. As novas propostas são abertas na data designada dando-se prosseguimento ao ato público. Artigo 18.º Reclamações 1. Os concorrentes ou os seus representantes devidamente credenciados, podem pedir esclarecimentos e apresentar reclamações verbais ou escritas no ato público. 2. No caso de serem apresentadas reclamações verbais, as mesmas são: a. Registadas na respetiva ata, nela constando a identificação completa do reclamante e o motivo da reclamação; 7/12

8 b. Decididas no próprio ato sempre que possível. 3. As respostas às reclamações que não puderem ser decididas no próprio ato serão notificadas aos concorrentes por carta registada com aviso de receção, no prazo máximo de dez dias úteis. Artigo 19.º Lista de classificação 1. A comissão elabora uma lista de classificação com menção dos concorrentes excluídos e com a ordenação das propostas, de acordo com o critério enunciado no artigo 16.º e submete-a ao conselho diretivo para homologação. 2. A lista de classificação final é afixada nos serviços centrais e locais e divulgada no site da segurança social. Artigo 20.º Não adjudicação O IGFSS, IP reserva-se no direito de não adjudicar a venda a nenhum dos concorrentes, independentemente do preço proposto, designadamente: a. Quando se verifique erro relevante sobre a identificação ou composição do imóvel; b. A prestação de falsas declarações; c. A falsificação de documentos; d. Fundado indício de conluio entre proponentes. Artigo 21.º Notificação e adjudicação 1. A adjudicação e a consequente venda só podem ser feitas ao concorrente. 2. A adjudicação é notificada ao primeiro classificado através de ofício registado com aviso de receção, acompanhado do respetivo contrato-promessa de compra e venda. 3. No prazo de vinte dias úteis, o adjudicatário deve confirmar o seu interesse na compra e remeter ao IGFSS, IP o seguinte: a. Os documentos necessários à celebração da escritura de compra e venda; b. O contrato-promessa de compra e venda devidamente assinado; c. O cheque visado ou cheque bancário (cheque emitido por um banco, com garantia de provisão) correspondente a 5% do valor da adjudicação; d. As declarações emitidas pelos serviços das finanças e da segurança social, onde consta que o concorrente tem a sua situação tributária e contributiva regularizada, ou que não se 8/12

9 encontra inscrito na segurança social, ou em alternativa, declaração ou autorização para consulta de tais dados. 4. Pode ser prorrogado o prazo para entrega das declarações previstas na alínea d) do número anterior, por motivo devidamente justificado, o qual nunca pode ultrapassar a data da outorga da escritura de compra e venda. 5. Nas situações de pronto pagamento sem recurso ao crédito, o adjudicatário poderá ser dispensado da realização do contrato de promessa de compra e venda, e consequentemente, do envio dos documentos referidos nas alíneas b) e c) do n.º 3, caso em que, a escritura de compra e venda será obrigatoriamente realizada no prazo máximo de 20 dias úteis. 6. No âmbito do concurso de alienação de imóveis arrendados, só haverá lugar à adjudicação do imóvel e consequentemente à assinatura do contrato-promessa de compra e venda, uma vez cumpridas as formalidades respeitantes ao exercício do direito de preferência e desde que os preferentes não o tenham exercido. Artigo 22.º Desistência 1. Caso o concorrente não confirme o seu interesse no prazo referido no n.º 3 do artigo anterior, considera-se que desistiu da compra e a adjudicação é efetuada ao concorrente classificado no lugar imediatamente a seguir. 2. No caso referido no número anterior, o respetivo cheque caução é considerado perdido a favor do IGFSS, IP. Artigo 23.º Direito de preferência 1. A venda do imóvel fica sempre condicionada ao não exercício do direito de preferência, pela câmara municipal da área competente e pelo instituto de gestão do património arquitetónico e arqueológico. 2. Quando aplicável, fica igualmente condicionada ao não exercício daquele direito pelos arrendatários que reúnam as condições legais de preferência, e outras entidades previstas na lei. 3. Após homologação da lista de classificação final dos concorrentes, para efeitos do exercício do direito de preferência, o IGFSS, IP comunica, nos termos da lei, aos respetivos titulares desse direito, o respetivo projeto de venda, as cláusulas do contrato e a identificação do adquirente. 4. Havendo vários titulares do direito de preferência, a comunicação prevista no número anterior deve designar dia, hora e local, para a realização do ato público de abertura das respostas no âmbito do exercício daquele direito. 5. Em caso de empate, no próprio ato, haverá lugar à abertura de licitação. 9/12

10 6. O IGFSS IP, informa o concorrente classificado em 1º lugar, no âmbito do concurso de alienação, do dia, hora e local da realização do ato referido no número 4. Artigo 24.º Devolução da Caução Após a assinatura do contrato-promessa de compra e venda, os cheques caução entregues com a proposta, serão devolvidos, por carta registada com aviso de receção, aos concorrentes cujas propostas não ficaram em posição de lhes ser adjudicado o respetivo imóvel Artigo 25.º Condições de pagamento 1. Sem prejuízo do disposto no n.º 5 do art. 21º há lugar ao pagamento de entrada inicial de 5% do valor da adjudicação, aquando da assinatura do contrato-promessa de compra e venda, a título de sinal e princípio de pagamento, através de cheque visado ou bancário (cheque emitido por um banco, com garantia de provisão). 2. O remanescente do preço é pago na data da outorga da escritura de compra e venda, mediante cheque visado ou cheque bancário (cheque emitido por um banco, com garantia de provisão) ao qual é descontada a quantia do cheque entregue com a proposta a título de caução. Artigo 26.º Escritura de compra e venda 1. Sem prejuízo do disposto no n.º 5 do artigo 21.º, a escritura de compra e venda deve ter lugar no prazo de 4 meses contados a partir da data da assinatura do contrato-promessa de compra e venda. 2. Se, por opção ou por razões imputáveis ao adquirente, a escritura não se realizar no prazo referido no número anterior, aquele pode requerer a prorrogação do prazo por um período máximo de 2 meses. 3. No caso referido no número anterior, o capital em dívida vence juros calculados à taxa homologada pelo conselho diretivo para o respetivo concurso. CAPÍTULO III Do ajuste direto Artigo 27.º Âmbito O presente capítulo estabelece as normas pelas quais o IGFSS, IP procede à alienação dos imóveis da segurança social por ajuste direto. 10/12

11 Artigo 28.º Apresentação de propostas As propostas devem ser dirigidas ao presidente do conselho diretivo do IGFSS, IP e podem ser entregues na Avenida António Serpa, n.º 32, Lisboa, na Avenida Manuel da Maia, n.º 58, , Lisboa e na Rua da Boavista, 900, , Porto, contra recibo, enviadas pelo correio, por ou fax. Artigo 29.º Exclusão de propostas Relativamente às situações previstas nas alíneas a) e b) do n.º 2 do artigo 5.º são liminarmente excluídas as propostas cujo valor oferecido seja inferior ao valor base de licitação do respetivo concurso e caso a proposta seja apresentada por concorrente que, no âmbito do concurso de venda, desistiu da compra dos imóveis que lhe foram adjudicados o preço mínimo de venda, por ajuste direto, corresponde ao oferecido no âmbito do concurso. Artigo 30.º Critérios de Adjudicação 1. A adjudicação será efetuada por ordem de entrada das propostas. 2. Na eventualidade de serem rececionadas mais do que uma proposta no mesmo dia, o critério utilizado será o do preço mais elevado. 3. As propostas apresentadas para o mesmo imóvel mantêm-se válidas até à concretização da venda. 4. Nas situações previstas nas alíneas c), d), e), f) e g), do n.º 2 do art. 5.º o preço de venda é o aprovado por deliberação do conselho diretivo para a respetiva alienação, sob proposta do departamento de património imobiliário. 5. O IGFSS, IP reserva-se no direito de não alienar os imóveis, ainda que estes tenham sido objeto de propostas. Artigo 31.º Pagamento em prestações 1. O pagamento do preço pode ser efetuado em prestações, em prazo nunca superior a seis anos, quando o adquirente pertença à administração central ou local, ou se trate de pessoa coletiva de utilidade pública, devidamente reconhecida, designadamente as de cariz social ou religioso. 2. A autorização do pagamento em prestações fica condicionada à constituição de garantia idónea. 11/12

12 3. Esta modalidade de pagamento está sujeita à aplicação da taxa de juro que vier a ser homologada pelo conselho diretivo para a respetiva alienação. Artigo 32.º Regime subsidiário Sem prejuízo do disposto nos artigos anteriores, é aplicável subsidiariamente e com as devidas adaptações ao ajuste direto, o disposto no capítulo II do presente regulamento. Capítulo IV Das disposições finais Artigo 33.º Avaliações 1. Os imóveis a alienar são objeto de avaliação nos termos enunciados nos critérios e normas técnicas a adotar nas avaliações por peritos avaliadores externos ao IGFSS, IP, que constituem a bolsa de peritos avaliadores do DPI. 2. A bolsa de peritos avaliadores deve ser atualizada com a periodicidade máxima de três anos. 12/12

REGULAMENTO DE ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS DE RENDA LIVRE

REGULAMENTO DE ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS DE RENDA LIVRE REGULAMENTO DE ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS DE RENDA LIVRE Nos termos do artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 215/2007, de 29 de Maio, são atribuições do Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social, IP promover

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS

REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento estabelece as normas pelas quais o Instituto de Gestão Financeira da Segurança

Leia mais

GUIA PRÁTICO ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS POR AJUSTE DIRETO

GUIA PRÁTICO ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS POR AJUSTE DIRETO GUIA PRÁTICO ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS POR AJUSTE DIRETO INSTITUTO DE GESTÃO FINANCEIRA DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Arrendamento de Imóveis por Ajuste Direto PROPRIEDADE

Leia mais

CONCURSO Nº 5/DGP/2012 VENDA DE MORADIAS COM LOGRADOURO, EM TERRENO EM REGIME DE DIREITO DE SUPERFÍCIE, EM SALEMA

CONCURSO Nº 5/DGP/2012 VENDA DE MORADIAS COM LOGRADOURO, EM TERRENO EM REGIME DE DIREITO DE SUPERFÍCIE, EM SALEMA CONCURSO Nº 5/DGP/2012 VENDA DE MORADIAS COM LOGRADOURO, EM TERRENO EM REGIME DE DIREITO DE SUPERFÍCIE, EM SALEMA FREGUESIA DE BUDENS, CONCELHO DE VILA DO BISPO REGULAMENTO CONCURSO Nº 5/DGP/12 VENDA DE

Leia mais

2. LEGITIMIDADE PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS

2. LEGITIMIDADE PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS CONDIÇÕES PARA A ALIENAÇÃO, POR AJUSTE DIRECTO, DE QUATRO LOTES DE TERRENO SITOS NA RUA CIDADE DE COIMBRA E NA RUA CIDADE DE BEJA, CRUZ DA PEDRA, FREGUESIA DE FRIELAS. 1. OBJECTO A alienação, por ajuste

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA ARRENDAMENTO COMERCIAL SAZONAL DO ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO/BEBIDAS DO PARQUE MANUEL DE CASTRO, EM CUBA

CONCURSO PÚBLICO PARA ARRENDAMENTO COMERCIAL SAZONAL DO ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO/BEBIDAS DO PARQUE MANUEL DE CASTRO, EM CUBA CONCURSO PÚBLICO PARA ARRENDAMENTO COMERCIAL SAZONAL DO ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO/BEBIDAS DO PARQUE MANUEL DE CASTRO, EM CUBA PROGRAMA DE CONCURSO 1- ENTIDADE ADJUDICANTE: Entidade pública adjudicante

Leia mais

GUIA PRÁTICO VENDA DE IMÓVEIS POR AJUSTE DIRETO

GUIA PRÁTICO VENDA DE IMÓVEIS POR AJUSTE DIRETO GUIA PRÁTICO VENDA DE IMÓVEIS POR AJUSTE DIRETO INSTITUTO DE GESTÃO FINANCEIRA DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Venda de Imóveis por

Leia mais

Programa e Condições Gerais Para Alienação e Arrematação em Hasta Pública da Participação Social da Ribeira Grande Mais, E.M., na empresa Sociedade

Programa e Condições Gerais Para Alienação e Arrematação em Hasta Pública da Participação Social da Ribeira Grande Mais, E.M., na empresa Sociedade Programa e Condições Gerais Para Alienação e Arrematação em Hasta Pública da Participação Social da Ribeira Grande Mais, E.M., na empresa Sociedade de Desenvolvimento de Habitação Social da Ribeira Grande,

Leia mais

INFRAESTRUTURAS DE PORTUGAL, S.A.

INFRAESTRUTURAS DE PORTUGAL, S.A. INFRAESTRUTURAS DE PORTUGAL, S.A. Procedimento de Venda através de Leilão Público de árvores em pé na EN1 (IC2) entre os Km 132+300 e Km 135+200 N. 1/2015/IP/CN-LST As condições de venda a que se refere

Leia mais

INFRAESTRUTURAS DE PORTUGAL, S.A.

INFRAESTRUTURAS DE PORTUGAL, S.A. INFRAESTRUTURAS DE PORTUGAL, S.A. Procedimento de Venda através de Leilão Público de Árvores em pé no IP5 entre os Km 80+000 a Km 97+000 N. 01/2015/EP/GRVIS As condições de venda a que se refere o presente

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCANENA Praça 8 de Maio 2380-037 Alcanena 249 889 010 - Fax 249 881 502 geral@cm-alcanena.pt

MUNICÍPIO DE ALCANENA Praça 8 de Maio 2380-037 Alcanena 249 889 010 - Fax 249 881 502 geral@cm-alcanena.pt HASTA PÚBLICA N.º 5/2015 ALIENAÇÃO COM POSSIBILIDADE DE ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS MUNICIPAIS EDIFÍCIO DENOMINADO COMPLEXO SOCIAL JOSÉ POLICARPO LOPES DA SILVA EM VILA MOREIRA PROGRAMA DE PROCEDIMENTO Artigo

Leia mais

PROCEDIMENTO. I Arrendamento

PROCEDIMENTO. I Arrendamento PROCEDIMENTO Arrendamento de imóvel para fim não habitacional sito na Rua Cândido dos Reis, nº 62 fração A da União das Freguesias de Santa Marinha e São Pedro da Afurada. I Arrendamento Artigo 1º Regime

Leia mais

Programa de Procedimentos

Programa de Procedimentos Hasta Pública para venda de imóveis Programa de Procedimentos SETOR DE PATRIMÓNIO PROGRAMA DE PROCEDIMENTOS DE HASTA PÚBLICA PARA ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS 1. OBJETO DA HASTA PÚBLICA 1.1 A presente hasta pública,

Leia mais

PROGRAMA DE CONCURSO

PROGRAMA DE CONCURSO MUNICÍPIO DE CASTRO VERDE Concurso Público ALIENAÇÃO DE LOTES DE TERRENO PARA CONSTRUÇÃO URBANA Loteamento Municipal de Castro Verde 7 Lotes Loteamento Municipal de Santa bárbara de Padrões 15 Lotes Loteamento

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA A FREGUESIA DE REGO DA MURTA, COM ESTACIONAMENTO FIXO EM VENDA DOS OLIVAIS

CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA A FREGUESIA DE REGO DA MURTA, COM ESTACIONAMENTO FIXO EM VENDA DOS OLIVAIS CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA A FREGUESIA DE REGO DA MURTA, COM ESTACIONAMENTO FIXO EM VENDA DOS OLIVAIS PROGRAMA DE CONCURSO Artigo 1.º OBJECTO E VALIDADE DO CONCURSO 1.

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA REABILITA PRIMEIRO PAGA DEPOIS

NORMAS DO PROGRAMA REABILITA PRIMEIRO PAGA DEPOIS NORMAS DO PROGRAMA REABILITA PRIMEIRO PAGA DEPOIS 1.OBJETO O presente programa tem como objeto a alienação de prédios e/ou frações municipais para reabilitação 2. OBJECTIVOS O Programa Reabilita Primeiro

Leia mais

Programa de Procedimento Público de Venda de Prédio Urbano Câmara Municipal de Serpa

Programa de Procedimento Público de Venda de Prédio Urbano Câmara Municipal de Serpa Programa de Procedimento Público de Venda de Prédio Urbano Câmara Municipal de Serpa 1- Objeto O presente programa tem como objeto o Procedimento Público de Venda, com publicação prévia de anúncio, do

Leia mais

Regulamento de Propina

Regulamento de Propina Regulamento de Propina 2015 2015 ÍNDICE SECÇÃO I Curso de Licenciatura em Enfermagem... 4 Artigo 1º Valor da Propina... 4 Artigo 2º Modalidades de pagamento... 4 SECÇÃO II Cursos de Pós-Licenciatura e

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA ARRENDAMENTO COMERCIAL SAZONAL DO ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO/BEBIDAS SITO NO PARQUE MANUEL DE CASTRO, EM CUBA

CONCURSO PÚBLICO PARA ARRENDAMENTO COMERCIAL SAZONAL DO ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO/BEBIDAS SITO NO PARQUE MANUEL DE CASTRO, EM CUBA CONCURSO PÚBLICO PARA ARRENDAMENTO COMERCIAL SAZONAL DO ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO/BEBIDAS SITO NO PARQUE MANUEL DE CASTRO, EM CUBA PROGRAMA DE CONCURSO 1- ENTIDADE ADJUDICANTE: Entidade pública adjudicante

Leia mais

ATRIBUIÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS NO MERCADO MUNICIPAL DE GOUVEIA HASTA PÚBLICA

ATRIBUIÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS NO MERCADO MUNICIPAL DE GOUVEIA HASTA PÚBLICA ATRIBUIÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS NO MERCADO MUNICIPAL DE GOUVEIA HASTA PÚBLICA PROGRAMA 1.Entidade Competente A entidade concedente é o Município de Gouveia, com sede na Avenida 25 de abril,

Leia mais

MUNICÍPIO DE CASTRO VERDE

MUNICÍPIO DE CASTRO VERDE MUNICÍPIO DE CASTRO VERDE Concurso Público Arrendamento (para fins não habitacionais) do Estabelecimento Comercial Café Paraíso, em Castro Verde PROGRAMA DE CONCURSO Castro Verde, 04 de Janeiro de 2016

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE ARRENDAMENTO COMERCIAL DE LOJAS NO MERCADO MUNICIPAL DA NAZARÉ PROGRAMA DO CONCURSO

CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE ARRENDAMENTO COMERCIAL DE LOJAS NO MERCADO MUNICIPAL DA NAZARÉ PROGRAMA DO CONCURSO CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE ARRENDAMENTO COMERCIAL DE LOJAS NO MERCADO MUNICIPAL DA NAZARÉ PROGRAMA DO CONCURSO 1 - ENTIDADE ADJUDICANTE Município da Nazaré, Avenida Vieira Guimarães, nº 54, Paços

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA

REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA Nota justificativa (artigo 116.º do CPA) Em 22 de Dezembro de 2006,

Leia mais

Edital n.º 49/2008. O Presidente da Câmara Municipal de Sines. Manuel Coelho Carvalho

Edital n.º 49/2008. O Presidente da Câmara Municipal de Sines. Manuel Coelho Carvalho MUNICíPIO DE SINES Câmara Municipal Edital n.º 49/2008 Manuel Coelho Carvalho, Presidente da Câmara Municipal de Sines, no uso da competência que lhe confere a alínea v) do n.º 1 do art. 68º do D.L. 169/99

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Assim, o conselho diretivo do IMT, I.P., em reunião ordinária, realizada em 22 de fevereiro de 2013, delibera o seguinte:

DELIBERAÇÃO. Assim, o conselho diretivo do IMT, I.P., em reunião ordinária, realizada em 22 de fevereiro de 2013, delibera o seguinte: DELIBERAÇÃO CONTRATO DE GESTÃO DE CENTRO DE INSPEÇÃO DE VEÍCULOS A Lei n.º 11/2011, de 26 de abril, que estabelece o regime jurídico de acesso e permanência na atividade de inspeção técnica a veículos

Leia mais

Seleção de Mediadores dos Jogos Sociais do Estado 02 maio 2013

Seleção de Mediadores dos Jogos Sociais do Estado 02 maio 2013 Os conhecimentos e a experiência adquiridos ao longo dos últimos anos permitem constatar que o modo como são selecionados os mediadores dos Jogos Sociais do Estado deve ser atualizado, mantendo os critérios

Leia mais

ISABEL RUTE DA CRUZ PAIS RIBEIRO

ISABEL RUTE DA CRUZ PAIS RIBEIRO Acordo quadro para a prestação de serviços de desenho, administração, operação e consolidação de infraestruturas de tecnologias de informação e comunicação (TIC) PROGRAMA DE CONCURSO Março de 2014 ÍNDICE

Leia mais

PROGRAMA DE PROCEDIMENTO

PROGRAMA DE PROCEDIMENTO PROGRAMA DE PROCEDIMENTO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROCEDIMENTO 1.1. Concurso público para atribuição de quatro licenças para o exercício da atividade de transporte de aluguer em veículos automóveis ligeiros

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES

PERGUNTAS FREQUENTES PERGUNTAS FREQUENTES O que é o Programa RENDA CONVENCIONADA? O programa renda convencionada tem como objeto o arrendamento de fogos municipais em bom estado de conservação ou a necessitar de pequenas reparações

Leia mais

CONCURSO Nº 2/DAGP/12 VENDA DE PATRIMÓNIO EDIFICADO, LOTES E TERRENOS EM DIVERSOS LOCAIS REGULAMENTO

CONCURSO Nº 2/DAGP/12 VENDA DE PATRIMÓNIO EDIFICADO, LOTES E TERRENOS EM DIVERSOS LOCAIS REGULAMENTO CONCURSO Nº 2/DAGP/12 VENDA DE PATRIMÓNIO EDIFICADO, LOTES E TERRENOS EM DIVERSOS LOCAIS REGULAMENTO CONCURSO Nº 2/DAGP/12 VENDA DE PATRIMÓNIO EDIFICADO, LOTES E TERRENOS EM DIVERSOS LOCAIS REGULAMENTO

Leia mais

NORMAS PARA CONCESSÃO DO DIREITO DE OCUPAÇÃO DAS SETE LOJAS DO MERCADO MUNICIPAL DE REGUENGOS DE MONSARAZ SEGUNDA FASE DA OBRA DE REQUALIFICAÇÃO

NORMAS PARA CONCESSÃO DO DIREITO DE OCUPAÇÃO DAS SETE LOJAS DO MERCADO MUNICIPAL DE REGUENGOS DE MONSARAZ SEGUNDA FASE DA OBRA DE REQUALIFICAÇÃO NORMAS PARA CONCESSÃO DO DIREITO DE OCUPAÇÃO DAS SETE LOJAS DO MERCADO MUNICIPAL DE REGUENGOS DE MONSARAZ SEGUNDA FASE DA OBRA DE REQUALIFICAÇÃO 1 OBJETO: O presente documento tem por objeto definir as

Leia mais

Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de Leiria PREÂMBULO

Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de Leiria PREÂMBULO DESPACHO N.º /2015 Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de PREÂMBULO Considerando a experiência adquirida no Instituto Politécnico de (IP) com a aplicação

Leia mais

1- ENTIDADE ADJUDICANTE:

1- ENTIDADE ADJUDICANTE: CONCURSO PÚBLICO PARA ARRENDAMENTO COMERCIAL DO ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO/BEBIDAS DENOMINADO ADEGA DO ARRUFA, SITO NA TRAVESSA DAS FRANCAS, 3, EM CUBA PROGRAMA DE CONCURSO 1- ENTIDADE ADJUDICANTE:

Leia mais

Concurso Público Urgente N.º 10001016 Página 1

Concurso Público Urgente N.º 10001016 Página 1 CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PARA O CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL, E.P.E. CONCURSO PÚBLICO N.º 1-0-0010/2016 PROGRAMA DO PROCEDIMENTO Artigo 1.º Entidade adjudicante

Leia mais

Referência: AEN2ABT N.º 03/2015 CADERNO DE ENCARGOS

Referência: AEN2ABT N.º 03/2015 CADERNO DE ENCARGOS Referência: AEN2ABT N.º 03/2015 CADERNO DE ENCARGOS Aquisição de Serviços de Transporte Escolar em Táxi para a Escola Básica e Secundária Dr. Manuel Fernandes e Escola Básica António Torrado do Agrupamento

Leia mais

DECRETO N.º 265/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 265/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 265/XII Aprova o regime de concessão de crédito bonificado à habitação a pessoa com deficiência e revoga os Decretos-Leis n.ºs 541/80, de 10 de novembro, e 98/86, de 17 de maio A Assembleia

Leia mais

NORMAS APLICÁVEIS À ALIENAÇÃO EM HASTA PÚBLICA DE SUCATA DIVERSA E RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS E ELETRÓNICOS (REEE)

NORMAS APLICÁVEIS À ALIENAÇÃO EM HASTA PÚBLICA DE SUCATA DIVERSA E RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS E ELETRÓNICOS (REEE) NORMAS APLICÁVEIS À ALIENAÇÃO EM HASTA PÚBLICA DE SUCATA DIVERSA E RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS E ELETRÓNICOS (REEE) Artigo 1.º Identificação da Entidade Alienante Município da Nazaré, Contribuinte

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL Junho 2013 PREÂMBULO Considerando o quadro legal de atribuições

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO PARA VENDA DE FRACÇÕES MUNICIPAIS HABITACIONAIS DEVOLUTAS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO POR SORTEIO

PROJECTO DE REGULAMENTO PARA VENDA DE FRACÇÕES MUNICIPAIS HABITACIONAIS DEVOLUTAS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO POR SORTEIO PROJECTO DE REGULAMENTO PARA VENDA DE FRACÇÕES MUNICIPAIS HABITACIONAIS DEVOLUTAS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO POR SORTEIO Preâmbulo Com o presente Regulamento pretende-se criar condições para o acesso

Leia mais

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Artigo 102.º Objecto É aprovado o regime especial aplicável aos fundos de investimento imobiliário para arrendamento

Leia mais

Programa Do Procedimento por Negociação, com publicação prévia de Anúncio

Programa Do Procedimento por Negociação, com publicação prévia de Anúncio Programa Do Procedimento por Negociação, com publicação prévia de Anúncio para celebração de contrato de cedência de utilização de diversos espaços, em edifícios municipais, para instalação e exploração

Leia mais

Caderno de encargos. Parte I Do contrato. Artigo 1.º Objecto

Caderno de encargos. Parte I Do contrato. Artigo 1.º Objecto Caderno de encargos Parte I Do contrato Artigo 1.º Objecto O presente caderno de encargos tem por objecto a aquisição, ao abrigo do Acordo Quadro Nº 10 para serviços de comunicações de voz e dados em local

Leia mais

ESPAÇOS COMERCIAIS NO MERCADO DO BAIRRO DO CONDADO

ESPAÇOS COMERCIAIS NO MERCADO DO BAIRRO DO CONDADO JUNTA DE FREGUESIA DE MARVILA CONCURSO PÚBLICO N / 2 ESPAÇOS COMERCIAIS NO MERCADO DO BAIRRO DO CONDADO Avisam-se todos os interessados que entre os dias de março e de abril de 2 se encontra aberto Concurso

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de dezembro, alterado pelos Decretos

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO CÂMARA MUNICIPAL CADERNO DE ENCARGOS PROCESSO Nº 3 RH-2015 Apoio Técnico na área de Gestão de Recursos Humanos - Prestação de Serviços Ajuste Direto 1 de 10 ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 Cláusula 1.ª - Objecto...

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Subsídios e Apoios às Coletividades e Associações sem fins lucrativos da Freguesia de Vendas Novas

Regulamento de Atribuição de Subsídios e Apoios às Coletividades e Associações sem fins lucrativos da Freguesia de Vendas Novas Regulamento de Atribuição de Subsídios e Apoios às Coletividades e Associações sem fins lucrativos da Freguesia de Vendas Novas Preâmbulo De acordo com a atual legislação, nomeadamente, a alínea f), do

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA ADJUDICAÇÃO DO DIREITO DE EXPLORAÇÃO DO. BAR da. Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Alcabideche.

CONCURSO PÚBLICO PARA ADJUDICAÇÃO DO DIREITO DE EXPLORAÇÃO DO. BAR da. Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Alcabideche. CONCURSO PÚBLICO PARA ADJUDICAÇÃO DO DIREITO DE EXPLORAÇÃO DO BAR da Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Alcabideche Anúncio Programa de Concurso Caderno de Encargos A Direcção da Associação

Leia mais

Seleção de Mediadores dos Jogos Sociais do Estado 08 março 2014

Seleção de Mediadores dos Jogos Sociais do Estado 08 março 2014 Volvidos 9 meses da entrada em vigor do comunicado de seleção de Mediadores de 2 de maio de 2013, coube avaliar e analisar o mesmo, de modo a identificar situações que criaram alguns entraves ao expectável

Leia mais

ANÚNCIO. 2 - O prazo para apresentação de candidaturas ao procedimento concursal inicia-se no dia 02.01.2014 e termina no dia 16.01.2014.

ANÚNCIO. 2 - O prazo para apresentação de candidaturas ao procedimento concursal inicia-se no dia 02.01.2014 e termina no dia 16.01.2014. ANÚNCIO Por Despacho do Diretor do Centro de Estudos Judiciários, Professor Doutor António Pedro Barbas Homem, de 13 de dezembro de 2013, é aberto o procedimento concursal extraordinário e urgente de formação

Leia mais

Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6

Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6 Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6 REGULAMENTO DAS PROVAS DE ADMISSÃO AO INSTITUTO SUPERIOR DE PAÇOS DE BRANDÃO ISPAB PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS NÃO TITULARES DE HABILITAÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos REGULAMENTO DO PROGRAMA COMUNICAÇÃO E GESTÃO DE CIÊNCIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito e objeto 1. O presente regulamento define as normas e os procedimentos de concurso para contratação

Leia mais

MUNICIPIO DE REDONDO NORMAS DE ALIENAÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL DE REDONDO - 2ª FASE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

MUNICIPIO DE REDONDO NORMAS DE ALIENAÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL DE REDONDO - 2ª FASE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMAS DE ALIENAÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL DE REDONDO - 2ª FASE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito de aplicação O presente documento tem por objetivo o estabelecimento das regras e condições

Leia mais

Município de Alcácer do Sal

Município de Alcácer do Sal Município de Alcácer do Sal Divisão de Planeamento e Gestão Urbanística CONCURSO PÚBLICO CONCESSÃO PARA EXPLORAÇÃO DO QUIOSQUE NA MARGEM SUL PROGRAMA DE PROCEDIMENTO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Objecto: Concessão

Leia mais

Freguesia de Requião

Freguesia de Requião Freguesia de Requião Regulamento e Tabela de Taxas e Licenças Ano de 2014 Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e f), nº 1 do artigo 9º, conjugada com a alínea h) do nº 1 do artigo 16º, da Lei

Leia mais

CONVITE PROCEDIMENTO DE AJUSTE DIRETO PARA A CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DOS SERVIÇOS DE BAR FUNDAÇÃO DE SERRALVES

CONVITE PROCEDIMENTO DE AJUSTE DIRETO PARA A CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DOS SERVIÇOS DE BAR FUNDAÇÃO DE SERRALVES CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DOS SERVIÇOS DE BAR FUNDAÇÃO DE SERRALVES Índice Artigo 1.º Objeto do procedimento de Ajuste Direto Artigo 2.º Entidade adjudicante Artigo 3.º Órgão Competente Para a Decisão de

Leia mais

MUNICÍPIO DO CARTAXO. Contrato para "Fornecimento de Gás Natural"

MUNICÍPIO DO CARTAXO. Contrato para Fornecimento de Gás Natural Contrato para "Fornecimento de Gás Natural" Entre. Município do Cartaxo, com sede na Praça 15 de Dezembro, no Cartaxo, NIPC 506 780 902, representada neste ato por Fernando Manuel da Silva Amorim, na qualidade

Leia mais

REGIME AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA PARA INVESTIMENTO

REGIME AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA PARA INVESTIMENTO REGIME AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA PARA INVESTIMENTO Despacho n.º 1661-A/2013, de 28 de janeiro de 2013 A Lei n.º 29/2012, de 9 de agosto, que alterou a Lei n.º 23/2007, de 4 de julho, que aprova o regime

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior 1 Artigo 1º Objeto e âmbito O disposto no presente regulamento aplica-se aos ciclos de estudos conducentes ao

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR Regulamento de Formação Avançada e Qualificação de Recursos Humanos da Direção-Geral do Ensino Superior (Aprovado por despacho, de 15 de junho de 2012, do Presidente do Conselho Diretivo da Fundação para

Leia mais

Regulamento para atribuição do Financiamento Incentivo. 2014 Estímulo à Contratação e Retenção de Recursos Humanos

Regulamento para atribuição do Financiamento Incentivo. 2014 Estímulo à Contratação e Retenção de Recursos Humanos Regulamento para atribuição do Financiamento Incentivo 2014 Estímulo à Contratação e Retenção de Recursos Humanos O crescimento do Sistema Científico e Tecnológico Nacional nas últimas duas décadas foi

Leia mais

REGULAMENTO PARA VENDA HABITAÇÕES MUNICIPAIS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO, POR SORTEIO

REGULAMENTO PARA VENDA HABITAÇÕES MUNICIPAIS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO, POR SORTEIO REGULAMENTO PARA VENDA DE HABITAÇÕES MUNICIPAIS A, ATRAVÉS DE CONCURSO, POR SORTEIO REGULAMENTO PARA VENDA DE HABITAÇÕES MUNICIPAIS A, ATRAVÉS DE CONCURSO, POR SORTEIO PREÂMBULO No quadro das ações e planos

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO MANUAL I

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO MANUAL I MANUAL I LOCAÇÃO OU AQUISIÇÃO DE BENS MÓVEIS E AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS ATRAVÉS DE PROCEDIMENTO DE AJUSTE DIRETO 1. INTRODUÇÃO O presente documento pretende disponibilizar informação básica para que as unidades

Leia mais

Considerando o disposto no Decreto-Lei n.º 88/2006, de 23 de maio, que regula os cursos de especialização tecnológica.

Considerando o disposto no Decreto-Lei n.º 88/2006, de 23 de maio, que regula os cursos de especialização tecnológica. Regulamento do Concurso Especial de Acesso aos Cursos da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa para Titulares de Cursos Médios, Superiores e Pós- Secundários Tendo por base

Leia mais

Prémio de Jornalismo Hospital Veterinário Montenegro. Regulamento

Prémio de Jornalismo Hospital Veterinário Montenegro. Regulamento Prémio de Jornalismo Hospital Veterinário Montenegro Regulamento 2ª Edição, Novembro de 2011 Prémio de Jornalismo Hospital Veterinário Montenegro 2ª Edição Novembro de 2011 Regulamento Artigo 1º Objectivo

Leia mais

ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO

ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO 1 ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO Regulamento n.º [ ] / 2014 Preâmbulo Inserido no contexto da reforma legislativa em curso no Direito dos valores mobiliários cabo-verdiano, o presente regulamento

Leia mais

(PROPOSTA) REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ACADÉMICAS, EXPERIÊNCIAS PROFISSIONAIS E OUTRA FORMAÇÃO

(PROPOSTA) REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ACADÉMICAS, EXPERIÊNCIAS PROFISSIONAIS E OUTRA FORMAÇÃO (PROPOSTA) Ú~e ~JU&~~L~ 6~i ~ / ~ 7J7t1 REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ACADÉMICAS, EXPERIÊNCIAS PROFISSIONAIS E OUTRA FORMAÇÃO Conforme o determinado pelo artigo 45 O A do Decreto Lei n 074/2006

Leia mais

Comunidade Intermunicipal do Oeste

Comunidade Intermunicipal do Oeste -------------------------------------------------ATA Nº 8--------------------------------------------------- ----- Aos onze dias do mês de abril de dois mil e catorze, pelas 11H00, reuniu na sua sede em

Leia mais

Regulamento de Atribuição do Título de Especialista Escola Superior de Educação João de Deus. na ESE João de Deus

Regulamento de Atribuição do Título de Especialista Escola Superior de Educação João de Deus. na ESE João de Deus Escola Superior de Educação João de Deus de Atribuição do Título de Especialista Escola Superior de Educação João de Deus na ESE João de Deus O Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior, aprovado

Leia mais

MUNICÍPIO DE SANTA MARTA DE PENAGUIÃO CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE SANTA MARTA DE PENAGUIÃO CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO MUNICIPAL PARA ATRIBUIÇÃO DE DE BOLSAS DE ESTUDOS AOS ALUNOS QUE FREQUENTAM O ENSINO SUPERIOR Órgão APROVAÇÃO Data Entrada em vigor Câmara Municipal 30/05/2014 Assembleia Municipal 06/06/2014

Leia mais

Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I. Disposições comuns. Artigo 1. Objeto. Artigo 2.

Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I. Disposições comuns. Artigo 1. Objeto. Artigo 2. Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I Disposições comuns Artigo 1. Objeto O presente despacho normativo regulamenta os pedidos de reembolso de imposto sobre o valor

Leia mais

ÍNDICE. 1 - Disposições Gerais...3. 2 - Ensino Básico...4. 3 - Ensino Secundário...4. 4 - Alunos com Necessidades Educativas Especiais...

ÍNDICE. 1 - Disposições Gerais...3. 2 - Ensino Básico...4. 3 - Ensino Secundário...4. 4 - Alunos com Necessidades Educativas Especiais... MUNICÍPIO DE VILA FRANCA DE XIRA NORMAS DE PROCEDIMENTO DE CANDIDATURA AO SUBSÍDIO DE TRANSPORTE ÍNDICE 1 - Disposições Gerais...3 2 - Ensino Básico...4 3 - Ensino Secundário...4 4 - Alunos com Necessidades

Leia mais

CONCURSO PARA CONCEPÇÃO DA IDENTIDADE GRÁFICA DA MARCA Silvares Terra da Música e do Folclore

CONCURSO PARA CONCEPÇÃO DA IDENTIDADE GRÁFICA DA MARCA Silvares Terra da Música e do Folclore CONCURSO PARA CONCEPÇÃO DA IDENTIDADE GRÁFICA DA MARCA Silvares Terra da Música e do Folclore A Junta de Freguesia de Silvares em parceria com a Comissão Representativa do Movimento Associativo da Freguesia

Leia mais

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação 1 REGULAMENTO DA VENDA DE LOTES PARA CONSTRUÇÃO DE HABITAÇÃO EM LOTEAMENTOS MUNICIPAIS A JOVENS NATURAIS OU RESIDENTES NO CONCELHO DAS CALDAS DA RAINHA Introdução Com o objectivo de fixar jovens nas freguesias

Leia mais

PROGRAMA DE CONCURSO PÚBLICO. Acordo Quadro para o fornecimento de gás natural em regime de mercado livre para Portugal Continental

PROGRAMA DE CONCURSO PÚBLICO. Acordo Quadro para o fornecimento de gás natural em regime de mercado livre para Portugal Continental PROGRAMA DE CONCURSO PÚBLICO Acordo Quadro para o fornecimento de gás natural em regime de mercado livre para Portugal Continental ÍNDICE CAPÍTULO I OBJETO E ÂMBITO DO CONCURSO... 3 Artigo 1.º Identificação

Leia mais

FUNDAÇÃO CONVENTO DA ORADA - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA. Regulamento de Bolsas de Investigação Científica. Capítulo I Disposições gerais

FUNDAÇÃO CONVENTO DA ORADA - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA. Regulamento de Bolsas de Investigação Científica. Capítulo I Disposições gerais FUNDAÇÃO CONVENTO DA ORADA - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA Regulamento de Bolsas de Investigação Científica Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, segue o modelo aprovado pela

Leia mais

Regulamento dos regimes de reingresso, mudança de curso, transferência e do concurso especial de acesso para titulares de cursos superiores.

Regulamento dos regimes de reingresso, mudança de curso, transferência e do concurso especial de acesso para titulares de cursos superiores. Regulamento dos regimes de reingresso, mudança de curso, transferência e do concurso especial de acesso para titulares de cursos superiores Preâmbulo De acordo com a portaria n.º 401/2007, de 5 de Abril,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER TOTTA/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2015

REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER TOTTA/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2015 REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER TOTTA/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2015 Este concurso visa reforçar a cooperação existente entre a Universidade de Coimbra (UC) e as instituições suas parceiras,

Leia mais

Regulamento Eleitoral da Ordem dos Notários

Regulamento Eleitoral da Ordem dos Notários ORDEM DOS NOTÁRIOS Decorrente da recente alteração do Estatuto da Ordem dos Notários, aprovada pelo Decreto-Lei n.º 15/2011, de 25 de Janeiro, incumbe à Assembleia-Geral da Ordem dos Notários a aprovação

Leia mais

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO 1. O presente regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos diferentes cursos das Escolas integradas

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO APROVADO 30 de dezembro de 2014 O Presidente, ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO (Paulo Parente) REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA Capítulo I Disposições gerais

Leia mais

Regulamento dos concursos especiais para acesso e ingresso ao ensino superior na Escola Superior de Enfermagem Dr. José Timóteo Montalvão Machado

Regulamento dos concursos especiais para acesso e ingresso ao ensino superior na Escola Superior de Enfermagem Dr. José Timóteo Montalvão Machado ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DR. JOSÉ TIMÓTEO MONTALVÃO MACHADO Regulamento dos concursos especiais para acesso e ingresso ao ensino superior na Escola Superior de Enfermagem Dr. José Timóteo Montalvão

Leia mais

Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1 Mobilidade individual para fins de aprendizagem. Ensino Superior - Mobilidade para estudos e/ou estágio

Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1 Mobilidade individual para fins de aprendizagem. Ensino Superior - Mobilidade para estudos e/ou estágio Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1 Mobilidade individual para fins de aprendizagem Ensino Superior - Mobilidade para estudos e/ou estágio [Denominação legal da entidade de envio e código Erasmus, se aplicável]

Leia mais

PROGRAMA DO CONCURSO. CONCURSO PÚBLICO n.º 1/2010

PROGRAMA DO CONCURSO. CONCURSO PÚBLICO n.º 1/2010 PROGRAMA DO CONCURSO CONCURSO PÚBLICO n.º 1/2010 FORNECIMENTO DE REFEIÇÕES PARA ESCOLAS DO 1º CICLO E JARDINS- DE-INFÂNCIA DO MUNICÍPIO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO Aquisição de Serviços - Fornecimento de

Leia mais

Hasta Pública N.º 03/DRAPLVT/2015 PROGRAMA DO PROCEDIMENTO ARTIGO 1.º. Objeto da hasta pública

Hasta Pública N.º 03/DRAPLVT/2015 PROGRAMA DO PROCEDIMENTO ARTIGO 1.º. Objeto da hasta pública Hasta Pública N.º 03/DRAPLVT/2015 PROGRAMA DO PROCEDIMENTO ARTIGO 1.º Objeto da hasta pública 1- Alienação, em hasta pública, de material lenhoso, proveniente da Herdade Gil Vaz, sob gestão da Direção

Leia mais

I. Do enquadramento fáctico-jurídico 1. Entre os bens utilizados pela Administração Pública na prossecução das suas atribuições, o legislador

I. Do enquadramento fáctico-jurídico 1. Entre os bens utilizados pela Administração Pública na prossecução das suas atribuições, o legislador E D I T A L N. º 2 0 / 2 0 1 3 ANTÓNIO JORGE NUNES, Eng.º Civil e Presidente da Câmara Municipal de Bragança: No uso da competência que me confere a alínea v) do n.º 1 do artigo 68.º da Lei n.º 169/99,

Leia mais

VILA NOVA DE MILFONTES

VILA NOVA DE MILFONTES INSOLVENTE: Maria Alexandra Melo Batista e Luís Manuel da Silva Campos COMARCA DO ALENTEJO LITORAL, ODEMIRA PROC. N.º 112/14.3T2ODM/PROC. N.º 122/13.8T2ODM JUÍZO DE COMPETÊNCIA GENÉRICA CARTA F E C H A

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA. Regulamento de provas de avaliação da capacidade para a frequência dos maiores de 23 anos

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA. Regulamento de provas de avaliação da capacidade para a frequência dos maiores de 23 anos INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 Regulamento n.º 184/2006 Regulamento de provas de avaliação da capacidade para

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1. (Natureza) O Conselho Nacional para a Economia Social, adiante também identificado como CNES,

Leia mais

REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO

REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO INDICE 1. OBJETIVO 2. DESTINATÁRIOS 3. REQUISITOS GERAIS DE ACESSO À TIPOLOGIA MICROINVEST 4. MODELO ESPECÍFICO DE APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo da Baixa da Banheira (403234)

Escola Secundária com 3º Ciclo da Baixa da Banheira (403234) CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO REGULAMENTO DO PROCEDIMENTO CONCURSAL PARA A ELEIÇÃO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define as regras a observar no procedimento

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS PREÂMBULO Na sequência da transposição para o ordenamento jurídico nacional da Directiva n.º 2006/43/CE, do Parlamento Europeu e do

Leia mais

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS DO I2ADS CADERNO DE ENCARGOS

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS DO I2ADS CADERNO DE ENCARGOS PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS DO I2ADS CADERNO DE ENCARGOS 1/5 Cláusula 1.ª Objecto contratual Cláusula 2.ª Serviços incluídos na prestação de

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições Gerais

CAPÍTULO I Disposições Gerais PROPOSTA DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A PESSOAS COLETIVAS E/OU SINGULARES COM ATUAÇÃO RECREATIVA, CULTURAL, DESPORTIVA, SOCIAL OU DE OUTRA NATUREZA Preâmbulo A Constituição da República

Leia mais

Município de Valpaços

Município de Valpaços Município de Valpaços Regulamento Municipal de Atribuição de Apoios às Freguesias Preâmbulo A Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro aprovou o regime jurídico das autarquias locais, o estatuto das entidades

Leia mais

Anexo 7 CTC 25/1/2012

Anexo 7 CTC 25/1/2012 Anexo7 CTC25/1/2012 INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE LISBOA Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso da Escola Superior de Educação de Lisboa

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS Portaria n.º 985/2009, de 4 de setembro, alterada pela Portaria n.º

Leia mais

PROGRAMA DO PROCEDIMENTO ARTIGO 1.º. Objeto da hasta pública

PROGRAMA DO PROCEDIMENTO ARTIGO 1.º. Objeto da hasta pública PROGRAMA DO PROCEDIMENTO ARTIGO 1.º Objeto da hasta pública 1- Alienação, em hasta pública, de 3 (três) lotes de biomassa, da Mata Nacional de Leiria, sob gestão do Instituto da Conservação da Natureza

Leia mais

REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS

REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS I. DISPOSIÇÕES GERAIS Artº 1º 1. Com o fim de estimular a difusão da cultura portuguesa em países estrangeiros, a Fundação Calouste Gulbenkian, através do Serviço de Bolsas Gulbenkian, concede bolsas de

Leia mais

À Firma. À Firma. À firma

À Firma. À Firma. À firma À Firma À Firma À firma Sua Referência Sua Comunicação de Nossa Referência Data Assunto: Convite para apresentação de proposta. Ajuste Directo n.º 6/2009. Em cumprimento do disposto no artigo 115.º do

Leia mais