EVOLUÇÃO DO CONCRETO ARMADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EVOLUÇÃO DO CONCRETO ARMADO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI PAULO HENRIQUE DE ANDRADE EVOLUÇÃO DO CONCRETO ARMADO SÃO PAULO 2006

2 2 PAULO HENRIQUE DE ANDRADE EVOLUÇÃO DO CONCRETO ARMADO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia civil da Universidade Anhembi Morumbi Orientador: Professor Eng. Fernando José Relvas SÃO PAULO 2006

3 3 PAULO HENRIQUE DE ANDRADE EVOLUÇÃO DO CONCRETO ARMADO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia civil da Universidade Anhembi Morumbi Trabalho em: de de Fernando José Relvas Nome do Orientador Nome do professor da banca Comentários:

4 4 DEDICATÓRIA Dedico este aos meus pais, José Roberto de Andrade e Marly Perandré, que foram os principais responsáveis pela minha formação pessoal e acadêmica.jamais poderia esquecer da minha grande família, minha esposa Priscila e meus filhos, Gabriel e Maria Luiza.Todos eles são minha inspiração de cada dia.

5 5 AGRADECIMENTOS Agradeço a todos os professores que contribuíram e fizeram parte da minha educação acadêmica e pessoal.em especial ao meu orientador Fernando José Relvas.

6 6 RESUMO Este trabalho apresenta a evolução histórica do concreto armado no Brasil e no mundo. Na verdade não temos nenhuma evidência concreta da data do surgimento do concreto armado. Temos algumas em alguns países da Europa e no Brasil. No início foi um grande problema a aceitação deste material e foi somente anos mais tarde, devido alguns experimentos realizados e casos de sucesso que este quadro se inverteu. A aceitação veio devido a suas características, principalmente a de vencer esforços de tração.os materiais constituintes são encontrados em grande quantidade na natureza e o concreto armado se molda a qualquer forma e por ser fácil de aplicar. Para se ter uma idéia, o concreto armado é o segundo recurso natural mais consumido no mundo perdendo somente para a água. Foi também através do concreto armado que tivemos evolução e melhorais nas áreas sociais de habitações, saúde, educação, saneamento básico, desenvolvimento urbano etc... Para chegarmos neste patamar, muitos nomes ficaram na história como participantes efetivos no seu desenvolvimento, desde os primórdios até os dias atuais. Palavras chave : concreto armado

7 7 ABSTRACT This report presents the historical evolution of reinforced concrete in Brazil and in the entire world. As a matter of fact, we have no strong evidences about the beginning of reinforced concrete, but we have evidences in some countries of Europe and also in Brazil. At the first, it was a big trouble the acceptation of this material and only some years later, because of experiences done and cases of success, that this situation was inverted. The acception came because of their characteristics, mainly, the endurance about traction, also because this is a material founded in big amount in the environment and presents easy application and moulding. The reinforced concrete has the second biggest consumption in the world, only loosing only for water. By means of reinforced concrete that we d evolution and increases in social areas of habitation, health, education, basic sanitation, urban development etc. A lot of names have stayed in the history how effectives participants of this development, since the beginning until the actual days. Key words : reinforced concrete

8 8 LISTA DE FIGURAS Figura Propylaea Atenas Barra de ferro inserida na viga sobre os pilares...18 Figura 5.2 Pantheon de Paris Figura Forno em forma de garrafa para produção de cimento Portland...20 Figura Remanescente de uma das canoas de Lambot...21 Figura Esqueleto para armação de ferro para um barco...21 Figura Vagas de ensaio de Hyatt com indicação das armaduras e trincas...23 Figura Primeiro prédio em cimento armado em São Paulo Figura 6.1 Implantação do empreendimento Ciragan...36 Figura 6.2 Ilustração artística Ciragan...36 Figura 6.3 Gráfico de retração térmica...39 Figura 6.4 Gráfico de retração térmica...39 Figura 6.5 Região de encontro viga e laje com CAD pigmentado...42 Figura 6.6 Região de encontro viga e laje com CAD pigmentado...43 Figura 6.7 1º dia de ciclo...46 Figura 6.8 2º dia de ciclo...46 Figura 6.9 4º dia de ciclo...47 Figura 6.10 Grua utilizada para transporte vertical...48 Figura 6.11 Ancoragem ativa...50 Figura 6.12 Ancoragem passiva...50 Figura Colocação das placas de ancoragem Figura Colocação das cunhas...51 Figura 6.15 Montagem do macaco de protenção...52 Figura 6.16 Término da montagem do macaco de protenção...52 Figura 6.17 Protensão dos cabos...53 Figura 6.18 Ilustração das cunhas após protensão...56

9 9 LISTA DE QUADROS Quadro Elementos químicos mais abundantes na crosta terrestre...31 Quadro 6.1 Materiais utilizados e fornecedores...40 Quadro Materiais utilizados e fornecedores...41

10 10 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABC ABCP ABNT CAD DER Associação Brasileira de Concreto Associação Brasileira do Cimento Portland Associação Brasileira de Normas Técnicas Concreto de alto desempenho Departamento de Estradas de Rodagens DOP Departamento de Obras Públicas EPUSP Escola Politécnica da Universidade de São Paulo IBRACON Instituto Brasileiro de Concreto

11 11 LISTA DE SÍMBOLOS F ck Resistência característica de tensão do concreto Pa - Unidade de tensão em Pascal kg - Unidade de massa em quilograma m³ - Unidade de volume em metros cúbicos

12 12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVO ESPECÍFICO MÉTODO DE TRABALHO JUSTIFICATIVA CONCRETO ARMADO HISTÓRIA DO CONCRETO ARMADO NO MUNDO a.c. ATENAS PRIMEIRA ASSOCIAÇÃO DO AÇO COM A PEDRA CIMENTO PORTLAND O INÍCIO DO CIMENTO ARMADO JOSEPH MONIER INVENTOR DO CONCRETO ARMADO THADDEUS HYATT E SUAS CONCLUSÕES...24 (VASCOLELOS 1998) O CONCRETO ARMADO NA ALEMANHA O INÍCIO DO CONCRETO ARMADO NO BRASIL ALGUNS RECORDES NO BRASIL EMÍLIO BAUNMGART NORMALIZAÇÃO O ENSINO AS PESQUISAS O INSTITUTO BRASILEIRO DO CONCRETO A ACEITAÇÃO DO CONCRETO O CONCRETO ATUAL ESTUDO DE CASO APRESENTAÇÃO DO EMPREENDIMENTO VIABILIZAÇÃO DO PROJETO DE ESTRUTURA CONCRETO RESFRIADO TECNOLOGIA EVITANDO A RETRAÇÃO TÉRMICA TRAÇO DO CONCRETO RESFRIADO CONTROLE TECNOLÓGICO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO TRAÇO DO CAD VANTAGENS DE UTILIZAÇÃO QUESTIONAMENTOS CICLO DE CONCRETAGEM TRANSPORTE VERTICAL CUIDADOS PÓS CONCRETAGEM CONTROLE DE RESISTÊNCIA DO CONCRETO VIGAS PROTENDIDAS PROTENSÃO ADERENTE MATERIAIS UTILIZADOS...50

13 ESPECIFICAÇÕES DO PROJETO ANCORAGENS UTILIZADAS SEQUÊNCIA DE PROTENSÃO CONCLUSÕES...55 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...56

14 14 1 INTRODUÇÃO Hoje o concreto armado é o segundo recurso mais consumido no mundo perdendo somente para água. Em qualquer lugar que estejamos, se olharmos para os lados com certeza iremos nos deparar com este material. É um material que tem aceitação mundial, e no Brasil é utilizado em todo território nacional. Devido a abundância dos materiais constituintes do concreto armado na natureza, a facilidade de aplicação do material que se molda a qualquer forma e seu custo-benefício, que o torna praticamente imbatível no mercado da construção civil. Também nos trouxe muitos avanços nas áreas sociais, de habitação, educação, saúde, saneamento básico, desenvolvimento de cidades. A maioria das construções de casas, prédios, escolas, hospitais, redes de esgoto, tem usado na sua estrutura o concreto armado. Este trabalho é apresentado de forma cronológica mostrando o desenvolvimento e evolução do concreto armado durante os anos, desde a forma mais primitiva até a mais desenvolvida. Muitas pessoas foram responsáveis para tal desenvolvimento. Nos dia de hoje todas as obras em concreto armado são executadas de acordo com as normas de utilização, para diversos fins.

15 15 2 OBJETIVOS Estudar a evolução histórica do concreto armado desde seus primórdios até os dias atuais. 2.1 Objetivo Geral Mostrar a evolução do concreto armado abordando seus principais personagens, marcos, primeiras utilizações, quais materiais eram empregados, sua funcionalidade, locais de aplicação, enfim mostrar sequencialmente todas as passagens e transformações ocorridas durante anos. 2.2 Objetivo Específico Apresentar a história do concreto armado desde seu surgimento até os dias de hoje, relatando todas as principais mudanças no decorrer dos anos, o seu natural desenvolvimento no que se refere a materiais utilizados, normas de aplicação, controle tecnológico, cálculo das estruturas de concreto armado alcançando toda tecnologia existente nos dias atuais.

16 16 3 MÉTODO DE TRABALHO Este trabalho será elaborado com base em referências bibliográficas, publicações, sites de Internet, jornais e revistas. Também foram feitas consultas a profissionais da área.

17 17 4 JUSTIFICATIVA No curso de engenharia civil, se tratando de aspectos históricos e evolução do concreto, não existe nenhuma disciplina que enfatize este tema. É de fundamental importância cultural este assunto já que na engenharia civil dificilmente se executa uma obra sem a utilização deste material. É importante para o universitário de engenharia civil e engenheiros formados, obter este conhecimento.

18 18 5 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO CONCRETO ARMADO Este capítulo contempla a evolução histórica do concreto armado desde a.c até os dias atuais. 5.1 CONCRETO ARMADO Definição: Material de construção composto, no qual a ligação entre o concreto e a armadura de aço é devida à aderência do cimento e a efeitos de natureza mecânica. As barras de armadura absorvem esforços de tração nos elementos submetidos a flexão ou a tração, já que o concreto tem grande resistência à compressão. 5.2 HISTÓRIA DO CONCRETO ARMADO NO MUNDO Primeira utilização do aço em concreto a.c. ATENAS Uma técnica usando ferro para aumentar a confiabilidade das peças estruturais de pedra é encontrada no Propylaea em Atenas fig(5.1), construído entre 437 e 432 a.c. pelo arquiteto Mnesikles. A cobertura de mármore é suportada por uma série de vigas que se apoiam sobre arquitraves jônicas. As vigas que coincidem com colunas que sustentam as arquitraves, transmitem seu carregamento diretamente aos pilares, por compressão. As vigas localizadas na metade do vão das arquitraves produzem uma flexão significante e originam esforços de tração. Para reduzir esta flexão, transferindo a carga do meio do vão para um ponto mais próximo das colunas, barras de ferro foram inseridas na face superior das arquitraves, deixandose abaixo delas uma fenda com 2,5cm de altura para permitir a deflexão das barras

19 19 de ferro sem que estas entrem em contato com as arquitraves. As barras de ferro agem como vigas independentes de alívio. Não podemos associar esta armadura de ferro com a utilizada no concreto armado atual, no entanto podemos considerar outra maneira de se associar um material dúctil a um material frágil, de modo a permitir o uso do material frágil sob tração. Figura Barra de ferro inserida na viga sobre os pilares Propylaea, Atenas(KAEFER, 2006) PRIMEIRA ASSOCIAÇÃO DO AÇO COM A PEDRA Segundo (KAEFER, 2006) a idéia de associar barras metálicas à pedra ou argamassa com a finalidade de aumentar a resistência às solicitações de serviço remonta ao tempo dos romanos. Durante a recuperação das ruínas das termas de Caracalla em Roma, notou-se a existência de barras de bronze dentro da argamassa de pozolana, em pontos onde o vão a vencer era maior do que o normal na época. A associação do aço com a pedra natural aparece peça primeira vez na estrutura da igreja de Santa Genoveva, hoje Pantheon Paris, fig(5.2). Segundo o arquiteto Jacques Germain Soufflot, a intenção era reunir nesta obra a leveza do gótico com a pureza da arquitetura grega. Com

20 20 poucas colunas na fachada, fez-se necessário a construção de grandes vigas capazes de efetuar a transferência de elevadas cargas da superestrutura as fundações. As vigas forma executadas em pedra lavada, verdadeiras vigas em concreto armado, com barras longitudinais retas na zonas de tração e barras transversais de cisalhamento. As barras longitudinais eram enfiadas em furos executados artesanalmente nas pedras, uns em seguida aos outros e os espaços vazios eram preenchidos com uma argamassa de cal. Nota-se que neste caso a pedra foi executada antes ( corte,prepara das superfícies, furos ) e a armadura veio em seguida. Figura 5.2 Pantheon Paris 1770 (KAEFER, 2006) CIMENTO PORTLAND De acordo (KAEFER, 2006) Joseph Aspdin inventa o cimento Portland, queimando calcário e argila finamente moídos e misturados a altas temperaturas até que o gás carbônico (CO2) fosse retirado. O material obtido era então moído. Aspdin denomina este cimento como cimento Portland em menção às jazidas de excelente pedra para construção existentes em Portland, Inglaterra. A definição moderna de cimento Portland não poderia ser aplicável ao produto que Aspdin patenteou. O cimento Portland hoje em dia é "feito a partir da queima a altas temperaturas até a fusão incipiente do material de uma mistura definida de rocha calcária e argila finamente moídas resultando no clínquer. É duvidoso que o cimento produzido sob a patente de Aspdin de 1824 tenha sido queimado a uma temperatura suficiente para produzir clínquer e além disso, sua patente não define as proporções dos ingredientes empregados.

21 21 Desta forma, Aspdin não produziu cimento portland como conhecemos atualmente. Segundo (KAEFER, 2006) em 1825 Aspdin estabeleceu uma fábrica de cimento em um subúrbio de Leeds. Os fornos fig.(5.3) utilizados para queimar o material cru foram construídos em alvenaria com a forma de uma garrafa, com aproximadamente 12m de altura e 5,6m de diâmetro próximo à base. Entretanto, estes fornos eram bastante precários, pois havia um grande desperdício de combustível (cada fornada necessitava que a massa inteira de tijolos fosse reaquecida e certas velocidades e direção do vento podiam resultar num consumo de coque acima da metade do peso de clínquer produzido) e uma grande percentagem do produto era queimado imperfeitamente, o que requeria um tedioso e custoso trabalho de inspeção e classificação manual. Figura Forno em forma de garrafa para produção de cimento Portland (KAEFER, 2006) O INÍCIO DO CIMENTO ARMADO Cimento Armado (denominação usada até meados de 1920). Em 1850,segundo (KAEFER, 2006) o engenheiro Francês Joseph Louis Lambot efetuou as primeiras experiências práticas da introdução de ferragens numa massa de concreto. É desta data a construção de uma parede de argamassa nas Forjarias Carcês, departamento do Var, sul da França, parede essa armada com grande número de finas barras de ferro. Imerso em estudos sobre o concreto armado e motivado por problemas com a

22 22 manutenção de canoas de madeira utilizadas para lazer em um pequeno lago existente em sua propriedade em Miraval, no Var, sul da França, Lambot tem a idéia de construir um barco de concreto. Nada mais lógico, pois o concreto é durável, requer pouca manutenção e resistente bem em meios aquáticos. Lambot empregou para a construção de sua canoa uma malha fina de barras finas de ferro (ou arame), entrelaçadas, entremeadas com barras mais grossas, usando essa malha fina ao mesmo tempo como gabarito para se obter o formato adequado do barco, para segurar a argamassa, dispensando a confecção de moldes e para evitar problemas com fissuras. Em 1855 Lambot expõe seu barco na Exposição Mundial de Paris e solicita a patente de seu projeto. No documento representativo do pedido de patente existe além da placa que corresponde à armação do barco também o desenho de algo parecido com um pilar de seção retangular com quatro barras longitudinais de ferro. O barco exposto figura(5.4 e 5.5) media aproximadamente 4m de comprimento por 1,30m de largura com paredes de aproximadamente 4cm de espessura.apesar de ser considerado por muitos como o pai do concreto armado, os experimentos de Lambot não tiveram muita repercussão por si só, mas segundo alguns autores, serviu de inspiração para Joseph Monier difundir sua utilização. Figura Remanescente de uma das canoas de Lambot (KAEFER, 2006)

23 23 Figura Esqueleto para armação de ferro para um barco (VASCONCELOS, 2006) JOSEPH MONIER INVENTOR DO CONCRETO ARMADO Na exposição Universal de Paris Lambot não obteve êxito, visto que não conseguiu convencer ninguém a fazer o uso deste material e os funcionários da Administração da Marinha em Toulon se recusaram a aceitar o novo material por considerarem o concreto armado não apropriado para a execução de navios. Entre os visitantes da feira estava Joseph Monier. Este não era engenheiro e não se preocupava com regulamentos : era um comerciante de plantas ornamentais, paisagista e horticultor, muito prático e ótimo negociante. Monier tinha problemas com seus vasos cerâmicos e de madeira, problemas como umidade e durabilidade eram os principais. Foi então que ao se deparar na feira com a invenção de Lambot, veio a idéia de fabricar caixas e vasos de concreto armado. Monier era prático e para ele o concreto armado era muito útil para dar forma a qualquer peça onde a argamassa é envolvida nas malhas de ferro. Foi com esse pensamento que durante muitos anos comercializou caixas e vasos de formas variáveis. Seu rendimento foi tal que desistiu da sua profissão e partiu a dedicação total a nova atividade, porém pensava sempre na utilização do material com algo que estivesse em contato com a água. É por isso que suas primeiras realizações forma peças como : bacias, caixas d`água, tubos para encanamentos. Foi sempre ampliando seu campo de ações quando por volta de 1868 a 1873 construiu três grandes reservatórios, o primeiro com 25m³, outro com 120m³ e por último um de 200m³, suportado por colunas, em Nogentsur-Marne.

24 24 Começou então a patentear tudo que fazia em foi em 1875 quando construiu uma ponte de 16,5m de vão e 4m de largura nas propriedades do Marquês de Tilliers. Joseph Monier foi portanto o grande realizador, o criador THADDEUS HYATT E SUAS CONCLUSÕES Advogado nascido em New Jersey,segundo (KAEFER, 2006) Thaddeus Hyatt fez uma série de ensaios fig(5.6) nos anos 50 e só deu a conhecer os resultados a um grupo reduzido de amigos, publicando apenas em 1877 sob o complicado título : An Account of Some Experiments with Portland Cement - Concrete Combined with Iron as a Building, material with reference to economy of construction and for security against fire in the making of roofs, floors nd walking surfaces. Por não ser engenheiro, Hyatt pode raciocinar de maneira pura e isenta de preconceitos, não se deixando influenciar por normas ou postulados. Dessa maneira Hyatt conseguiu descobrir o verdadeiro papel da armadura no trabalho com o concreto como peça composta, compreendendo a necessidade de uma armadura transversal muito bem ancorada, exatamente como o atual estado do conhecimento do concreto armado recomenda. Entre as conclusões temos : Material de construção resistente ao fogo. Garantir a resistência ao fogo envolvendo toda a armadura com concreto. O funcionamento do aço com o concreto é perfeito. O coeficiente de dilatação térmica dos materiais é suficientemente igual. A relação do módulo de elasticidade deve ser adotado igual a 20. Concreto com ferro do lado tracionado não serve somente para construções de edifícios, mas também de abrigos. Hyatt foi efetivamente o grande percursor do concreto armado e possivelmente o primeiro a compreender profundamente a necessidade de uma boa aderência entre os materiais e o posicionamento correto das barras de ferro para que este material pudesse colaborar eficientemente na resistência.muito tempo depois sem conhecimento de publicações de Hyatt, Hennebique na França e Koenen na Alemanha chegaram a conclusões idênticas.

25 25 Figura Vigas de ensaio de Hyatt com indicação das armaduras e trincas (KAEFER, 2006) 5.3 O CONCRETO ARMADO NA ALEMANHA Segundo (KAEFER, 2006) o início se deu com a compra da patente Monier pela Firma Freytag & Heidschuch de Neustadt sobre o Haardt, para o norte da Alemanha e por Martentein & Josseaux de Offenbach sobre o Meno para a região de Frankfurt. Essas duas firmas garantiram o direito de preferência de compra da patente para o resto da Alemanha. Em 1886 essas duas firmas cederam o direito para o engenheiro alemão Gustavo Adolpho Wayss. Este fundou em Berlin uma firma Aktiengesellschaft Für beton und Monier bau. O novo processo construtivo gerou diversas suspeitas e desconfianças. Foi então que Wayss decidiu investir em ensaios para provar, por meio de provas de carga, que existiam vantagens econômicas ao se colocar armaduras de ferro dentro do concreto. O engenheiro encarregado de conduzir os trabalhos das provas de cargas foi Mathias Koenen. Este concluiu que a função do ferro deveria consistir, na absorção das tensões de tração enquanto que o concreto se encarregaria de resistir as compressões.

26 O INÍCIO DO CONCRETO ARMADO NO BRASIL Segundo (VASCONCELOS, 2006), pouco se conhece sobre o início efetivo do concreto armado no Brasil. A mais antiga noticia sobre a utilização do concreto armado data de 1904, documentada no curso do professor Antonio de Paula Freitas na "Escola Polytechnica do Rio de Janeiro ". Em sua publicação "Construções de Cimento Armado" menciona que as primeiras aplicações de concreto armado no Brasil foram em casas de habitação em Copacabana. A execução foi do Engenheiro Carlos Poma que obtivera em 1892 a patente, que não passava de uma variante do sistema de Monier. Poma chegou a executar várias obras em concreto armado como: prédios, sobrados, escadas, fundações, soalhos e muros. Entre as realizações do Engº F. S Saturino de Brito estão as obras de saneamento executados em Santos. Foram nessas obras onde se começou a pensar em normalização, especificações, cadernetas de instruções de esgoto sanitário. Conforme (VASCONCELOS, 2006) no Rio de Janeiro, segundo informações contidas em "A arquitetura moderna e suas raízes" de Paulo F. Santos, em 1908, Echevarria teria construído uma ponte de 9m de comprimento com cálculos feitos na França por Hennebique. Nada resta desta ponto, nem mesmo o construtor. Segundo (VASCONCELOS, 2006) as primeiras estruturas de concreto armado calculados no Brasil foram de Carlos Euller e de seu auxiliar Mario de Andrade Martins Costa que projetaram a ponte em arco de concreto armado sobre o Rio Maracanã, anterior a Segundo (VASCONCELOS, 2006) a revista Brazil-Ferro Carril de 1940 ao publicar a biografia de Carlos Euller cita como a grande aplicação do concreto armado, pela primeira vez no Brasil a obra do viaduto entre São Cristóvão e São Diogo, sem especificar detalhes sobre a obra. Tratando de Pontes, a primeira obra em São Paulo, devidamente documentada é descrita na revista Polytechnica nº 31/32 de 1910, em artigo intitulado "Concreto Armado em Socorro". O autor deste projeto foi o engenheiro Guilherme E. Winter junto com Ernesto Chagas. Por ser uma obra pioneira todos os cuidados foram tomados seguindo rigorosamente as mais recentes especificações e recomendações estrangeiras na

27 27 época. O concreto era feito de pedregulhos retirados do rio com 250 kg de cimento por m3, de traço 1:3:6 e consistência farofa. Foi lançado nas formas dos arcos de 15/40 cm em pequenos baldes e socado com um macete até lacrimejar. Esta obra foi armada com vergalhões de aço. Classificando-se portanto como concreto armado com o sentido que hoje se lhe dá. Na história da ciência do Brasil, segindo (VASCONCELOS, 2006) Vargas cita o "primeiro edifício de concreto armado construído em São Paulo à rua Direita nº 7" e menciona a atividade do Gabinete de Resistência dos materiais da escola Politécnica em 1913 nos ensaios dos materiais utilizados na construção. Como os registros na época não eram muito esclarecedores não se tem certeza do edifício pioneiro em concreto armado no Brasil. De fato, no jornal brasileiro "Le messager de São Paulo" de , editado em francês, apareceu um artigo que cita o arquiteto Francesco Notaroberto como autor do projeto e da construção do primeiro edifício em cimento armado no estado de São Paulo. Este seria localizado na Rua São Bento, esquina com atual Praça do Patriarca. De acordo com (VASCONCELOS, 2006) o professor Pedro Carlos da Silva Telles grande estudioso e pesquisador, autor do livro "História da Engenharia no Brasil" forneceu por carta, preciosas informações sobre as obras pioneiras em concreto armado, algumas entretanto com a utilização de trilhos usados no lugar de vergalhões, entre elas temos: Ponte sobre o rio Camanducaia, na Fazenda Modelo em Amparo, São Paulo ( Revista " Brazil Ferro-Carril" nº 22 de outubro de 1911) Ponte sobre o Rio Tamanduateí, na Mooca, São Paulo ( Revista " Brazil Ferro- Carril" nº 36 de dezembro de 1912) Paredes laterais e lajes do fundo e do teto das obras de reconstrução de dois grandes reservatórios do sistema de abastecimento de água de Belo Horizonte (Revista " Brazil-Ferro Carril" nº 36 de dezembro de 1912)

28 Muros de arrimo laterais em dois trechos das obras de retificação e canalização do Rio Tamanduateí, São Paulo (Revista "Brazil Fero- Carril" nº80 de outubro de 1914) Nesta época supõe-se que as estruturas de concreto eram calculadas no exterior. O que nos leva a crer nisto é a existência de anúncios no almanaque Laemmert de 1914, onde Hennebique oferece plantas e orçamentos gratuitos para obras do Rio de Janeiro, feitos pelo seu escritório em Paris, á rua Danton 1. Segundo (VASCONCELOS, 2006) o francês Françóis Hennebique, foi o primeiro a compreender na Europa a necessidade das armaduras no concreto. Percebeu a necessidade de dispor outras armaduras além das de tração. Imaginou armaduras dobradas, prolongadas em diagonal e ancoradas na zona de compressão. Foi o primeiro a colocar estribos da viga T, considerando a colaboração da laje como mesa de compressão. Com a chegada da empresa alemã Wayss & Freytah, Hennebique perdeu seu espaço, e com a chegada desta empresa no Brasil, ocorreu o grande desenvolvimento do concreto armado e de formação de engenheiros brasileiros nesta especialização. A partir de 1924 com a formação de engenheiros brasileiros quase todos os cálculos de concreto armado são feitos no Brasil. Devemos destacar o nome de Emilio Henrique Baungart como primeiro brasileiro de destaque internacional nessa atividade. Não podemos deixar de citar o nome de willian Filinger, veio para o Brasil em 1912 e trabalhou em diversas firmas do ramo. Como destaque o projetista do Prédio Martinelli em São Paulo ALGUNS RECORDES NO BRASIL Segundo (VASCONCELOS e CECHELLA, 2006) Jockey Club do Rio de Janeiro, fundações em estaca de concreto armado, cravadas até uma profundidade máxima de 24m, perfazendo em um total de 8 km, recorde sul-americano.

29 29 Jockey Club do Rio de Janeiro, marquise da tribuna de sócios com balanço de 22,4m recorde mundial em 1926 (projeto e construção de Christiani & Nielsen) Prédio Martinelli, construído em São Paulo entre 1925 e 1929, com área construída de m2, o maior do mundo (superado em 1933 pelo Cavanagh de Buenos Aires com 120,35 m de altura) Ponte Presidente Sodré (antiga Itajurú) em Cabo Frio, arco de 10,5m de altura vão de flecha de 67m Estátua do Cristo Redentor no Corcovado, a mais alta estátua de concreto armado no mundo com 30m em 1930 Museu de Arte de São Paulo, com laje de 30x70m livres, recorde mundial de vão em 1969 Edifício Itália, o maior edifício em concreto armado no mundo, por alguns meses sendo ultrapassado logo após pelo Marina City em Chicago Primeiro prédio em cimento armado na Rua São Bento em São Paulo Figura(6.7) Figura Primeiro prédio em cimento armado em São Paulo na Rua São Bento (Vascocelos 1992)

30 EMÍLIO BAUNMGART Segundo (VASCONCELOS, 2006) Este foi o responsável pelo desenvolvimento do concreto armado no Brasil. Foi dele o primeiro escritório de cálculo de concreto armado no Brasil na cidade do Rio de Janeiro em Foi passando todo seu conhecimento e genialidade a seus colaboradores que chegamos num patamar elevado no que se trata de concreto armado NORMALIZAÇÃO A primeira regulamentação de concreto armado que temos notícia data de 1929, abrangendo todos os tipos de construções.o código Saboya (Código de Obras Artur Saboya) foi a alavanca para a normalização do concreto armado no Brasil.Logo em seguida veio a revista Cimento armado, de José Furtado Simas, Mário Cabral e Humberto Menescal. Os primeiro resultado foi a criação da ABC (Associação Brasileira de Concreto) que reunia todos os profissionais ligados ao meio.a função principal da associação era padronizar todas as construções de concreto armado no Brasil. Em 1936 já havia sido fundada no Rio de Janeiro a ABCP ( Associação Brasileira de Cimento Portland), que tinha como objetivo unificar todos os regulamentos existentes no Brasil e acabar com as diversidades e em 1937 foi criada a primeira norma que por sua vez foi muito bem recebida pelo DER (Departamento de Estradas e Rodagens) e pelo DOP (Departamento de obras Públicas) do Rio de Janeiro. O estabelecimento definitivo se deu a partir de 1938 com as reuniões feitas pelos Laboratórios Nacionais de Ensaios de Materiais que surgiu a idéia da unificação de um regulamento que visava a padronização da execução e projeto de obras em concreto armado.depois de diversas reuniões, em maio de 1940 foi criado o primeiro projeto, a NB-1. A ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), foi fundada em 24 de setembro de 1940, tendo como principal personagem Paulo de Sá.Desde

31 31 então a ABNT é o principal órgão responsável pela normalização técnica do país, oferecendo estrutura necessária para o desenvolvimento tecnológico do Brasil O ENSINO Segundo (VASCONCELOS e CECHELLA, 2006) o primeiro texto sobre concreto armado no Brasil Paula Souza da EPUSP (Escola Politécnica da Universidade de São Paulo) publicado em 1912.No final da década de 1930 o concreto armado era lecionado nas disciplinas de resistência, estabilidade e estática. Um dos mais conceituados professores de concreto armado foi Telêmaco Hippolyto de Macedo Van Langendonck, Bacharel em Direito em 1929 e Engenharia Civil em 1931.Lecionou durante 40 anos na EPUSP e recebeu título de Professor Emérito em 1980.Seu grande feito foi em 1940 quando introduziu na NB-1, o cálculo das estruturas de concreto armado no estádio III,a primeira no mundo a considerar a plastificação do concreto.merecem destaque os professores, Antônio Alves Noronha que lecionava em diversas escolas e faculdades do Rio de janeiro, Péricles Braziliense Fusco que escreveu diversos livros entre 1970 e 1980, Ivo Wolff no Rio Grande do Sul, lecionava as disciplinas de Pontes e Grandes Estruturas, Carlos Augusto de Vasconcelos e Roberto Rossi Zuccolo em concreto protendido e Luiz Alfredo Falcão Bauer na área de tecnologia de materiais de construção.no Brasil o principal Instituto de pesquisas sobre concreto armado é o IBRACON (Instituto Brasileiro de Concreto Armado) AS PESQUISAS As pesquisas de concreto armado foram desenvolvidas a partir 1970 com cursos de mestrado e doutorado na EPUSP, programa dirigido pelo Departamento de Engenharia Civil.O Prof. Paulo Helene destaca-se como um formador de pesquisadores na área de concreto, tendo sido orientador de 38 dissertações de mestrado e 19 teses de doutorado.desde então a qualidade do concreto armado vem progredindo muito.

32 32 Entre os pesquisadores separando por áreas temos : em São Paulo : Antonio Figueiredo e Maria Alba Cincotto, Simão Priskunick, Vladimir Antonio Paulon, Jefferson Libório, Maryangela Lima no Rio de Janeiro : Ivan Ramalho e Lidia Shehata no Paraná : Giberto Carbonari e Berenice Torrales Carbonari em Santa Catarina : Luiz Roberto Prudêncio Jr, Janaíde C. Rocha, Wellington Repette no Rio Grande do Sul : Denide Dal Molin, Claudio Kazmierckzack, Geraldo C.Isaia, Anfré Guimarães no Espírito Santo : Moema Ribas Silva, Maristela G. Silva e Fernado L. Souza em Goiás : Enio Pazzini e Osvaldo Cascudo em Brasília : Antonio Nepomuceno e Elton Bauer em Pernambuco : Arnaldo P. Carneiro, Eliana B. Monteiro na Paraíba : Normando P. Barbosa Na maioria dos estados Brasileiros temos profissionais conceituados que contribuem significativamente para o avanço tecnológico do concreto armado em todas as partes do Brasil. 5.5 O INSTITUTO BRASILEIRO DO CONCRETO No dia 23 de Julho de 1972 ocorreu a assembléia de fundação do IBRACON que tem como objetivo proporcionar conhecimentos a todos os interessados em concreto armado, principalmente os profissionais do meio e as empresas, investigando, pesquisando e divulgando todo o conteúdo adquirido.

33 A ACEITAÇÃO DO CONCRETO O uso conjunto do concreto com o aço garantiu que o concreto antes utilizado pelos romanos que não resistia a tensões de tração ganhasse esta propriedade.é um material que adquiri qualquer forma, os materiais constituintes são encontrados em abundância na natureza e de custo baixo. É utilizado para construção de habitações, hospitais, redes de esgoto, postes, barragens, pontes, viadutos, vasos, escolas, plataformas marítimas, contribuindo significativamente para o bem social. Difundiu-se principalmente a partir da segunda guerra mundial e podemos citar como suas grandes vantagens : Matérias primas com custo baixo e encontrado com abundância em vários locais de aplicação pois na sua composição estão presentes os cinco elementos químicos mais abundantes do planeta, que totalizam 89% da massa da crosta terrestre como mostra o quadro(1). Quadro 5.1 Elementos químicos mais abundantes na crosta terrestre Elemento Oxigênio Silício Alumínio Ferro Cálcio Total % massa 46,6 25,7 8,1 5,7 3,6 89,0 (VASCONCELOS e CECHELLA, 2006). Por se apresentar na forma plástica é moldado em diversas formas, podendo unir os traços arquitetônicos com os esforços solicitantes. Os materiais do concreto armado se solidarizam entre si formando grande rigidez por meio do monolitísmo nos entrecruzamentos, que outros sistemas dificilmente possuem. Quando da sua boa execução e bem projetado alcança boa durabilidade com grandes resistências aos meio externos agressivos. O consumo de materiais cresce na razão inversa do seu custo

34 34 As qualidades apresentadas aliadas ao seu baixo custo fazem deste um material de utilização em larga escala, com vantagens técnicas, econômicas e sociais difíceis de serem superadas, o que justifica o seu uso em todo o mundo. 5.7 O CONCRETO ATUAL Hoje o concreto armado é o segundo material no mundo mais utilizado perdendo somente para a água. Com o avanço tecnológico e social encontrou-se neste material propriedades intrínsecas as quais se tornam incontestáveis. A facilidade alcançar formas plásticas, suas propriedades mecânicas que permitem a construção de obras de grande porte e de diversos tipos, e o melhor custo nos dias de hoje.em qualquer lugar que estejamos encontramos estruturas em concreto armado, dos mais variados tipos e fins. É um material que quando utilizado de acordo com os procedimentos executivos e quando bem projetado consegue uma longa vida útil, um dos pontos contestáveis até hoje neste meio. Já tivemos diversas experiências ruins da execução de obras mau executadas onde o meio externo afetou a estrutura e por fim deu-se a obra uma vida útil pequena, é o caso de uma ponte que veio a ruína em Santos no ano de 1991, onde o laudo apontou como causa a falta de cobrimento necessário acarretando na corrosão da armadura. A NBR 6118 é a norma regulamentadora de Projeto e Execução de Estruturas de Concreto armado. A produção e a qualidade são os principais ganhos oferecidos pela norma além da padronização em todo território nacional.

35 35 6 ESTUDO DE CASO O presente estudo de caso refere-se a obra do Edifício Ciragan, empreendimento da Construtora Cyrela Brazil Realty S/A. A obra está localizada na região da Avenida Paulista, na Rua Ministro Rocha de Azevedo. O empreendimento foi escolhido por se tratar de um projeto complexo, com pilares esbeltos, arquitetura diferenciada.a obra foi batizada com o nome de Antigo Castelo da Turquia. O estudo pretende mostrar toda a tecnologia usada em concreto armado, concentrando informações no que se refere a tipos de concreto utilizado, materiais, fornecedores, controles tecnológicos, controle e processos de execução, enfim, a tecnologia empregada na estrutura da obra, da fundação ao seu término.

36 APRESENTAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Com o nome de um palácio de Instambul na Turquia (figura 6.2), Ciragan é um empreendimento (figura 6.1) que tem uma arquitetura fantástica, onde a estrutura projetada para receber o projeto é bastante complexa. O Ciragan é composto por duas torres, uma delas é composta por 36 andares residenciais e outra composta por 12 andares comerciais.o terreno tem uma área aproximada de 6.000,00m². Figura 6.1 Implantação do empreendimento Ciragan (CYERLA, 2006) Figura 6.2 ilustração artística Ciragan (CYRELA 2006)

37 VIABILIZAÇÃO DO PROJETO DE ESTRUTURA Em princípio, o projeto de estrutura da obra Ciragan era do tipo convencional com lajes maciças, e o concreto especificado era de 30MPa para as vigas e lajes do edifício. Na fase de coordenação de projetos, foi verificado que as dimensões impostas pela arquitetura eram, porém, incompatíveis com uma taxa de armadura de aço muito elevada na região de transpasse entre os pilares, nos reforços laterais e na ligação com as vigas.também foi feita uma verificação de taxa de armadura a qual também se encontrava muito elevada e inviabilizava a parte financeira do negócio. No lugar do transpasse convencional poderia utilizar-se método de luvas ou soldas, o que dificultaria ao máximo a execução destas lajes no prazo e ciclo determinado de 05 dias.isto significaria um dia a mais no ciclo de laje, mão de obra especializada e custo adicional. A partir deste momento, aconteceram diversas reuniões entre a fornecedora de concreto, construtora, incorporadora e projetistas, afim de solucionar os problemas encontrados na viabilização do projeto. Foi então que em comum acordo foi especificado para a obra o CAD (Concreto de alto desempenho) pigmentado para os pilares do edifício, com resistência característica de projeto maior ou igual a 45MPa. Dessa maneira foi possível deixar o transpasse mais leve na região dos pilares, explica o Engenheiro Fernando Augusto Corrêa da Costa, responsável pela obra. Também houve uma adequação do projeto de estruturas com o de arquitetura onde foram viabilizadas vigas protendidas para vencer grandes vãos e contribuir com os espaços e a arquitetura interior do empreendimento. Para a fundação, o projetista de estrutura observou a utilização de concreto resfriado para blocos com grandes volumes de concreto.

38 CONCRETO RESFRIADO Utilização do concreto com gelo TECNOLOGIA Os grandes blocos da fundação do edifício Ciragan foram projetados com F ck (resistência característica do concreto) maior ou igual a 30MPa e por motivo de precaução foi implementada uma nova tecnologia. Segundo o engenheiro Fernando Augusto Corrêa da Costa, para evitar o aquecimento do concreto, processo natural de pega principalmente no interior da peça utilizou-se então o concreto com gelo, este último ainda adicionado na usina.o objetivo era que o concreto chegasse na obra com temperaturas próximas a 15º.cabe ressaltar que este tipo de concreto é mais utilizado em obras de grande porte como barragens e grandes blocos de fundação. Desta maneira, no período normal de oito horas o concreto chegaria a apenas 25º e com 72 horas a no máximo 30º.O controle da temperatura era feito na chegada das betoneiras na obra e durante a concretagem.o controle de temperatura é de fundamental importância e evita a concentração de calor no interior do bloco e, por conseqüência a retração, que ocorre no processo de resfriamento e é a principal responsável por fissuras no concreto, provocando a perda de resistência e patologias futuras EVITANDO A RETRAÇÃO TÉRMICA Atualmente, com as práticas desenvolvidas utilizando bombas, a concretagem é executada muito rapidamente. Desta forma, o aquecimento pelo calor de hidratação pode ser muito alto e da mesma maneira a queda de temperatura. É de fundamental importância mantermos o controle da temperatura para evitar a retração.o aparecimento de trincas surge quando os esforços de tração vencem resistência a

39 39 tração do concreto conforme (figuras 6.3 e 6.4).Conforme figura 2,os esforços de tração vencem a resistência de tração, e é neste momento que acontece a fissura ou trinca no concreto. O que devemos realmente nos preocupar é com o controle das temperaturas quando do aquecimento e também no controle de estabilização das temperaturas. Retração térmica Porcentagem Resistência a tração Esforços de tração Dias Figura 6.3 Gráfico de retração térmica (Revista Similx Maio/Junho/Julho 2005) Retração térmica Porcentagem Resistência de tração Esforços de tração Dias Figura 6.4 Gráfico de retração térmica (Revista Similx Maio/Junho/Julho 2005)

40 TRAÇO DO CONCRETO RESFRIADO O traço para 1m³ de concreto,com as especificações, dosagens, componentes e fornecedores da matéria prima (quadro 6.1) é apresentado a seguir : Traço para F ck 30 MPa britas1 e 2 com slump /- 10mm Aglomerantes Cimento Portland CPIIE : 334kg Brita 0 : 232kg Brita 1 : 544kg Brita 2 : 331kg Areia de quartzo : 494kg Areia artificial : 269kg Aditivos plastificantes : 1,67kg Gelo : 110kg Água : 52kg

41 41 Quadro 6.1 Materiais utilizados e fornecedores Componentes Tipo Fornecedor Aglomerantes CPII-E IJACI Camargo Corrêa Cimentos Brita Brita 0 Pedreiras Basalto Brita Brita 1 Pedreiras Basalto Areia Quartzo Concresand Mineração Areia Areia artificial Pedreiras Basalto Aditivos Plastificante Rheotec Ind e com de Aditivos Água Água Água Brita Brita 2 Pedreiras Basalto Aditivos Gelo Supergelo Ind e com. Gelo CONTROLE TECNOLÓGICO Para o controle tecnológico de concreto e aço apresento a seguir : Verificação do traço do concreto Recebimento de concreto na obra conforme a norma Ensaios de compressão e módulo de elasticidade conforme a norma brasileira e projeto Conferência das resistências alcançadas a 7 e 28 dias Rastreabilidade do concerto através de mapeamento em planta Conferência de dosagens na usina Módulos de deformação, tração e escoamento do aço 6.4 CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO No edifício Ciragan foi especificado o CAD (Concreto de Alto Desempenho) para os pilares do edifício.conforme visto anteriormente ao ser viabilizado este tipo de concreto a Construtora Cyrela Brazil Realty S/A obteve muitos ganhos.no conjunto dos trabalhos, a empresa economizou 55 toneladas de aço.a economia é maior

42 42 ainda levando em consideração os custos de beneficiamento, de carga, descarga e também armazenamento, este último ajudando muito na logística de armazenamento do aço no canteiro de obras, bem como o tempo e pessoas envolvidas nestes serviços. Apesar de ser um concreto 9% mais caro em relação ao concreto convencional, acabou saindo mais barato para a obra.segundo o engenheiro Fernando Augusto Correa Costa, além dos ganhos técnicos tiveram ganhos no custo dos processos. Outra novidade que a obra traz é a pigmentação na cor vermelha do concreto de alto desempenho na região de encontro de vigas e lajes como mostra (figura 6.5 e 6.6).Para as lajes e vigas, o projeto especificou um concreto com resistência característica de 30MPa e para os pilares 45MPa.Esta técnica ajuda na identificação do tipo de concreto e auxilia no controle tecnológico executado na obra. Figura 6.5 Região de encontro viga e laje com CAD pigmentado (Cyrela 2005)

43 43 Figura 6.6 Regiao de encontro viga e laje com CAD pigmentado(cyrela 2005) TRAÇO DO CAD Traço F ck 45MPa Brita 1 e 2 slump /- 10mm com sílica Aglomerantes CPV-ARI-RS : 327kg Aglomerantes Sílica : 16kg Brita 0 : 229kg

44 44 Brita 1 : 538kg Brita 2 : 327kg Areia de quartzo : 591kg Areia artificial : 149kg Aditivos plastificantes : 1,20kg Pigmento: 0,65kg Água : 172kg Quadro 6.2 Materiais utilizados e fornecedores Componentes Tipo Fornecedor Aglomerantes CPV-ARI-RS Camargo Corrêa Cimentos Brita Brita 0 Pedreiras Basalto Brita Brita 1 Pedreiras Basalto Areia Quartzo Concresand Mineração Areia Areia artificial Pedreiras Basalto Aditivos Plastificante Rheotec Ind e com de Aditivos Água Água Água Brita Brita 2 Pedreiras Basalto Aglomerantes Sílica IJACI Camargo Corrêa Cimentos Aditivos Pigmentos MBT Brasil Ind e com Ltda

45 VANTAGENS DE UTILIZAÇÃO Aumento da durabilidade e vida útil das obras Redução de custos da obra Melhor aproveitamento dos espaços disponíveis na construção QUESTIONAMENTOS Um dos grandes questionamentos quando da utilização de concreto de alto desempenho é o problema em relação a aderência do revestimento neste concreto.para sanar essa dúvida foi pedido a empresa TESTE que faz todo o controle tecnológico da obra que realizasse ensaios de tração.então foi feito um pano de massa sobre este concreto e depois de 14 dias da sua execução foi realizado o ensaio que foi satisfatório CICLO DE CONCRETAGEM 1º dia Transferência de eixos Conferência do esquadro dos eixos Montagem de gastalhos dos pilares Elevação dos Painéis dos pilares (figura 6.7) Armação dos pilares Fechamento dos pilares 2º dia - Montagem do cimbramento Montagem dos painéis laterais e fundo de vigas (figura 6.8) Assoalho de laje

46 46 3º dia - Prumo dos pilares Concretagem de pilares até fundo da viga 4º dia - Armação de laje (figura 6.9) Instalações embutidas Nivelamento de lajes e vigas 5º dia - Concretagem de vigas e lajes Figura 6.7-1º dia ciclo (CYRELA, 2006)

47 47 Figura 6.8 2º dia ciclo (CYRELA, 2006) Figura 6.9 4º dia ciclo (CYRELA, 2006) TRANSPORTE VERTICAL Atualmente dispõe-se de equipamentos de última tecnologia que proporciona diversos ganhos de produtividade, segurança e desempenho. Nesta obra utilizou-se elevadores cremalheiras e uma grua. Para a concretagem dos pilares das Torres foi utilizado a grua (figura 6.10), enquanto nas lajes e vigas este concreto é lançado

48 48 através de bombas estacionárias.a viabilidade do equipamento foi possível graças as condições favoráveis do canteiro de obras. Figura 6.10 Grua utilizada para transporte vertical (CYRELA, 2006) CUIDADOS PÓS CONCRETAGEM Após a concretagem de cada pavimento é feito um rigoroso controle de qualidade do serviço.o processo de cura da laje é feito através lâminas d água que ficam represadas em torno de uma argamassa feita logo após as concretagens.para a região de encontro entre vigas e lajes que chamamos na obra de cabeça de pilar, este recebe um tratamento especial onde é rolado sobre ele uma misturano traço 1: 6 de água com um produto impermeabilizante, no caso especial Baucryl.A cura da laje é feita no mínimo 03 dias. Após toda a desforma, é feito uma vistoria para avaliar os problemas de concretagem, as famosas bicheiras ou qualquer outra não conformidade.quando de

49 49 sua ocorrência são tomadas aços corretivas e corrigidas sempre que possível na mesma hora.quando não é possível fazer o reparo no momento, este erro será corrigido em outra etapa da obra CONTROLE DE RESISTÊNCIA DO CONCRETO Para os pilares e vigas do empreendimento forma moldados corpos de prova cilíndrico para realização de ensaios de compressão.foram moldados em série de 04, onde 02 corpos de prova eram rompidos aos 7 dias e os outros dois aos 28 dias.também foi consultado o projetista de estrutura que recomendou fazer o ensaio de módulo de elasticidade a cada 03 lajes.todo este controle era feito pela empresa TESTE e também registrado nos formulários de controle da Construtora. 6.5 VIGAS PROTENDIDAS PROTENSÃO ADERENTE A protensão aderente foi uma técnica vantajosa utilizada neste empreendimento. Para vencer os grandes vãos e adequar o projeto de estrutura ao de arquitetura foi usada esta modalidade de protensão. Nesta modalidade de concreto protendido, o cabo fica isolado do concreto por meio da bainha metálica; após a protensão há necessidade de injetar nata de cimento para o completo preenchimento da bainha. Esta injeção reestabelece a aderência concreto/aço. As cordoalhas ficam aderidas à pasta de injeção que, por meio das bainhas corrugadas, aderem ao concreto da peça estrutural, impedindo o movimento relativo entre as cordoalhas e o concreto. As cordoalhas dividem espaço dentro de uma mesma bainha e de uma só ancoragem multicordoalha.foram protendidas simultaneamente por um só macaco de protensão.

50 MATERIAIS UTILIZADOS Macaco hidráulico Cabos de 15,2mm Nata de cimento Bainha metálica ESPECIFICAÇÕES DO PROJETO Aço CP.190 RB # 15,2mm Força de protensão para o cabo de 15,2mm = 20,5kn ANCORAGENS UTILIZADAS As ancoragens utilizadas forma do tipo ativa e passiva conforme(figuras 6.11 e 6.12)

51 51 Figura 6.11 Ancoragem ativa (PROTENDE, 2006) Figura 6.12 Ancoragem passiva (PROTENDE, 2006) SEQUÊNCIA DE PROTENSÃO Na( figura 6.13) podemos ver a colocação das placas de ancoragem para protensão e na (figura 6.14) são colocadas as cunhas.depois a colocação das cunhas dá-se início a montagem do macaco para protensão como mostra (figura 6.15) e nota-se na (figura 6.16) o término da montagem do macaco.em seguida é

52 52 feita a protensão dos cabos (figura 6.17) e a ilustração das cunhas após esta protensão (figura 6.18). Figura 6.13 Colocação de placas (Protende 2006) Figura 6.14 Colocação das cunhas (Protende 2006)

53 53 Figura 6.15 Montagem do macaco de protensão (Protende 2006) Figura 6.16 Término da montegem do macaco (Protende2006)

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA A IMPORTÂNCIA

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX Orientações técnicas para o melhor desempenho de sua concretagem Comodidade, economia e segurança 37 3231-4615 www.levemix.com.br ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO. O Concreto de 125 MPa do

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO. O Concreto de 125 MPa do CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO O Concreto de 125 MPa do e-tower SÃO PAULO O QUE É CAD?! Concreto com propriedades de resistência e durabilidade superiores às dos concretos comuns;! Qualquer concreto com características

Leia mais

Por que protender uma estrutura de concreto?

Por que protender uma estrutura de concreto? Por que protender uma estrutura de concreto? Eng. Maria Regina Leoni Schmid Rudloff Sistema de Protensão Ltda. RUDLOFF SISTEMA DE PROTENSÃO LTDA. Fig. 1 Representação esquemática de um cabo de cordoalhas

Leia mais

CONCRETO I HISTÓRICO DO CONCRETO 01/10/2011

CONCRETO I HISTÓRICO DO CONCRETO 01/10/2011 CONCRETO I HISTÓRICO DO CONCRETO As construções tiveram origem para proporcionar abrigo para o homem; 2,5 milhões de anos: abrigos naturais Materiais utilizados: Galhos, Cipó, Pele e osso de animais, Galhos

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Prof.: Mayara Moraes CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA TIPO CP XXX RR Cimento Portland Composição Classe - Resistência aos 28 dias(mpa) SIGLA Ex.:

Leia mais

Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para o segmento econômico. Otávio Pedreira de Freitas Pedreira Engenharia Ltda

Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para o segmento econômico. Otávio Pedreira de Freitas Pedreira Engenharia Ltda Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para o segmento econômico Otávio Pedreira de Freitas Pedreira Engenharia Ltda Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para

Leia mais

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES Cleriston Barbosa da Silva (1), Dary Werneck da Costa (2), Sandra

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica da USP PCC 2515 Alvenaria Estrutural BLOCOS, ARGAMASSAS E GRAUTES Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS! DETERMINA CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES DA PRODUÇÃO! peso e dimensões

Leia mais

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Ruy Alexandre Generoso É um dos materiais mais importantes de engenharia usado em construções. É usado nos mais variados tipos de construções tais como: barragens,

Leia mais

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor 1. CONCEITO: Produto resultante da associação íntima entre um aglomerante mais um agregado miúdo, mais um agregado graúdo e água (+ ferragens). 2. CARACTERÍSTICAS Quanto aos esforços: compressão, tração

Leia mais

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS PARA O CONTROLE TECNOLÓGICO E DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Engº.. Roberto José Falcão Bauer JUNHO / 2006 SUMÁRIO 1. DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO 2. PREMISSAS VISANDO

Leia mais

CONCRETO PROTENDIDO COM ADERENCIA POSTERIOR

CONCRETO PROTENDIDO COM ADERENCIA POSTERIOR CONCRETO PROTENDIDO COM ADERENCIA POSTERIOR EMPRESA VISITADA: SIS ENGENHARIA ENTREVISTADOS: AUGUSTO CARLOS DE VASCONCELOS e LUIZ AURÉLIO FORTES DA SILVA GRUPO: CLEVERSON AURELIO DE MELO CUNHA EDUARDO CARUBA

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1)

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia

Leia mais

CONSTRUÇÕES RURAIS: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Vandoir Holtz 1

CONSTRUÇÕES RURAIS: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Vandoir Holtz 1 Vandoir Holtz 1 ARGAMASSA Classificação das argamassas: Segundo o emprego: Argamassas para assentamento de alvenarias. Argamassas para revestimentos; Argamassas para pisos; Argamassas para injeções. DOSAGEM

Leia mais

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa O espaçador treliçado ABTC da FAMETH é utilizado em lajes, substituindo o ultrapassado caranguejo. É indicado para apoiar e manter o correto posicionamento

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE 1 TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE Marcos R. Barboza Paulo Sérgio Bastos UNESP, Faculdade de Engenharia de Bauru, Departamento de Engenharia Civil Resumo Este trabalho surgiu de duas necessidades

Leia mais

CIMENTO PORTLAND. A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes.

CIMENTO PORTLAND. A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes. Histórico A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes. Os romanos chamavam e sse s materiais de " caeme ntu m", termo

Leia mais

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura.

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Definições Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Armadura: associação das diversas peças de aço, formando um conjunto para um

Leia mais

Técnicas da Construção Civil. Aula 02

Técnicas da Construção Civil. Aula 02 Técnicas da Construção Civil Aula 02 Necessidades do cliente e tipos de Estruturas Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Necessidades do Cliente Função ou tipo de edificação? Como e quanto o cliente quer

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP FUNDAÇÃO 1. TIPO DE SOLO A primeira parte da casa a ser construída são suas fundações, que

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

ASC. Prof. Danilo Toledo Ramos

ASC. Prof. Danilo Toledo Ramos ASC Prof. Danilo Toledo Ramos Fundações Profundas (Indiretas) Segundo a NBR 6122/1996: Elementos de fundação que transmitem a carga ao terreno pela base (resistência de ponta), por sua superfície lateral

Leia mais

MÉTODO/TÉCNICA CONSTRUTIVA

MÉTODO/TÉCNICA CONSTRUTIVA CONCEITO É uma estaca de pequeno diâmetro concretada in loco, cuja perfuração é realizada por rotação ou roto-percussão (no caso de rochas), em direção vertical ou inclinada. Utilizada para reforço de

Leia mais

O concreto armado tem inúmeras aplicações: estruturas, pavimentos, paredes, fundações, barragens, reservatórios.

O concreto armado tem inúmeras aplicações: estruturas, pavimentos, paredes, fundações, barragens, reservatórios. AS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO. Concreto armado - é um material da construção civil que se tornou um dos mais importantes elementos da arquitetura do século XX. É usado nas estruturas dos edifícios.

Leia mais

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS DESENHO DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO A estrutura de concreto armado é resultado da combinação entre o concreto e o aço. Porém, para a sua execução, não é suficiente apenas a presença desses dois materiais;

Leia mais

PROVA DE ENGENHARIA CIVIL. Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar:

PROVA DE ENGENHARIA CIVIL. Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar: 18 PROVA DE ENGENHARIA CIVIL QUESTÃO 41 Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar: a) o diagrama do esforço cortante (DEC) é composto

Leia mais

1.1 DEFINIÇÕES Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água.

1.1 DEFINIÇÕES Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 1 Libânio M. Pinheiro; Cassiane D. Muzardo; Sandro P. Santos Março de 2004 INTRODUÇÃO Este é o capítulo inicial de um curso cujos objetivos são: os fundamentos do concreto;

Leia mais

Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa

Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa Será que é resistente? Aceita qualquer revestimento? E se molhar? Esse mar de dúvidas invade

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA (Aulas 9-12) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva Algumas perguntas para reflexão... É possível obter esforços (dimensionamento) sem conhecer

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE FUNDAÇÕES Todo projeto de fundações

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL: DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE

ALVENARIA ESTRUTURAL: DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE ALVENARIA ESTRUTURAL: BLOCOS DE CONCRETO DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE O uso de alvenaria como sistema estrutural já vem sendo usado a centenas de anos, desde as grandes

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ARMADURA PARA CONCRETO PROTENDIDO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-18/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes II Materiais de Construção CONCRETO Definição:

Leia mais

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua TIPOS DE ESTRUTURAS Prof. Marco Pádua A função da estrutura é transmitir para o solo a carga da edificação. Esta carga compõe-se de: peso próprio da estrutura, cobertura, paredes, esquadrias, revestimentos,

Leia mais

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA AUTORES : Engº Roberto J. Falcão Bauer (Diretor técnico) Engº Rubens Curti (Gerente técnico) Engº Álvaro Martins

Leia mais

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST.

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST. UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO: Mistura, transporte, lançamento, adensamento e cura. MATERIAIS E TECNOLOGIA CONSTRUTIVA 1 Prof. Angelo Just da Costa e Silva

Leia mais

NOÇÕES DE ESTRUTURAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. jul. 2014

NOÇÕES DE ESTRUTURAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. jul. 2014 NOÇÕES DE ESTRUTURAS jul. 2014 Carregamento Estruturas - Princípio laje viga pilar fundação Os esforço sobre as lajes são distribuídos nas vigas, que descarregam nos pilares e consequentemente na fundação.

Leia mais

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS I DEFINIÇÃO E DOSAGEM DE ARGAMASSAS PARA ASSENTAMENTO DE

Leia mais

Paredes Maciças as de Concreto

Paredes Maciças as de Concreto Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4B Paredes Maciças as de Concreto Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção

Leia mais

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas 10/11/2009 Carlos Chaves LOG Gestão de Obras Subsistemas Deus está nos detalhes Mies van der Rohe (1886-1969) Pavilhão alemão na Feira Mundial de Barcelona

Leia mais

ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais

ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais LA-J ARTEFATOS DE CIMENTO LUCAS LTDA Av. Cônsul Assaf Trad 6977 Em frente ao Shopping Bosque dos Ipês / Campo Grande MS 0800 647 1121 www.lajlucas.com.br

Leia mais

USO DO AÇO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

USO DO AÇO NA CONSTRUÇÃO CIVIL 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO ADEMILSO PINTO BRUNO TEIXEIRA DOCE USO DO AÇO NA CONSTRUÇÃO CIVIL OSASCO 2012 2 ADEMILSO PINTO BRUNO TEIXEIRA DOCE USO DO AÇO NA CONTRUÇÃO CIVIL

Leia mais

2 Materiais e Métodos

2 Materiais e Métodos 1 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS REFORÇADAS POR ACRÉSCIMO DE CONCRETO À FACE COMPRIMIDA EM FUNÇÃO DA TAXA DE ARMADURA LONGITUDINAL TRACIONADA PRÉ-EXISTENTE Elias Rodrigues LIAH; Andréa Prado Abreu REIS

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA 1 CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA I. SISTEMAS ESTRUTURAIS Podemos citar diferentes sistemas estruturais a serem adotados durante a concepção do projeto de uma edificação. A escolha

Leia mais

Telas Soldadas Nervuradas

Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Belgo Qualidade As Telas Soldadas de Aço Nervurado são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios de aço Belgo 60 Nervurado, longitudinais e transversais,

Leia mais

Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3

Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3 Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3 1 Prof. Emérito / Instituto Militar de Engenharia / Seção de Engenharia de Fortificação

Leia mais

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas TUPER Mais de 40 anos transformando aço e conduzindo soluções. A Tuper tem alta capacidade de transformar o aço em soluções para inúmeras

Leia mais

Elementos Estruturais de Concreto Armado

Elementos Estruturais de Concreto Armado UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Elementos Estruturais de Concreto Armado Prof. Guilherme Brigolini Elementos Estruturais de Concreto Armado Produção de

Leia mais

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE 1. OBJETIVO Esta norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO Augusto Guimarães Pedreira de Freitas PEDREIRA DE FREITAS LTDA COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO RECIFE/PE AGRADECIMENTO ESPECIAL

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil Materiais de Construção Civil Aula 07 Gesso para Construção Civil Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Gesso para Construção Civil O gesso é um mineral aglomerante produzido a partir da calcinação da gipsita,

Leia mais

Parede de Garrafa Pet

Parede de Garrafa Pet CONCEITO As paredes feitas com garrafas pet são uma possibilidade de gerar casas pré fabricadas através da reciclagem e é uma solução barata e sustentável. As garrafas pet são utilizadas no lugar dos tijolos

Leia mais

HISTÓRICO E PRINCIPAIS ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE CONCRETO ARMADO

HISTÓRICO E PRINCIPAIS ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus de Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil Disciplina: 6033 - SISTEMAS ESTRUTURAIS I NOTAS DE AULA HISTÓRICO E PRINCIPAIS ELEMENTOS

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Fundamentos do concreto armado

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Fundamentos do concreto armado Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas Fundamentos do concreto armado Notas de aula da disciplina AU414 - Estruturas IV Concreto armado Prof. Msc. Luiz

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO CONCEITO A tipologia estrutural composta por bloco, argamassa, graute e eventualmente armações é responsável por um dos sistemas construtivos

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS Soluções estruturais e arquitetônicas em aço, traduzidas em estética, conforto, segurança e versatilidade. Catálogo destinado ao pré-lançamento do produto.

Leia mais

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MEMÓRIA DE CÁLCULO ESTRUTURA DE CONCRETO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Hipóteses

Leia mais

Concreto Convencional

Concreto Convencional TIPOS DE CONCRETO Concreto Convencional Pode-se dizer que o Concreto Convencional é aquele sem qualquer característica especial e que é utilizado no dia a dia da construção civil. Seu abatimento (Slump)

Leia mais

PRODUÇÃO DA ARMADURA PRODUÇÃO DE ARMADURAS. Barras e fios de aço destinados à armadura. Barras e fios de aço destinados à armadura

PRODUÇÃO DA ARMADURA PRODUÇÃO DE ARMADURAS. Barras e fios de aço destinados à armadura. Barras e fios de aço destinados à armadura DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - Tecnologia da Construção de Edifícios I PRODUÇÃO DA ARMADURA PRODUÇÃO DE ARMADURAS Qual a função das armaduras? Estruturar o concreto simples Profs.

Leia mais

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE 53 ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE Mounir K. El Debs Toshiaki Takeya Docentes do Depto. de Engenharia

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

Soluções para Alvenaria

Soluções para Alvenaria Aços Longos Soluções para Alvenaria BelgoFix Tela BelgoRevest Murfor BelgoFix Telas Soldadas Galvanizadas para Alvenaria BelgoFix : marca registrada da Belgo Bekaert Arames BelgoFix são telas soldadas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS Lucas Palma Tasca 1 ; Francislaine Facina 2, Janaina de Melo Franco³, Judson Ribeiro RESUMO: O concreto é um dos materiais mais utilizados

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA OBRA: ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PARA ESGOTO - ELEVADO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. CIVIL MICHAEL MALLMANN MUNICÍPIO: ITAPIRANGA - SC 1 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Deve ser

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto

EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto Item a ser atendido Exigência de norma Conforme / Não Conforme Área Impacto

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 221 ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE

Leia mais

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2.1. Introdução Os materiais estruturais podem ser divididos em quatro grupos: metálicos, cerâmicos, poliméricos e compósitos (Gibson, 1993). Em

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 27 DETERMINAÇÃO DAS CAUSAS DE FISSURAÇÃO EM VIGA DE CONCRETO PROTENDIDO USANDO SIMULAÇÃO NUMÉRICA Savaris, G.*, Garcia, S.

Leia mais

A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho

A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho Paredes de Concreto: Cálculo para Construções Econômicas A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho Sistema Construtivo Sistema Construtivo

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas.

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas. 2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 212 Duração prevista: até 4 horas. Esta prova tem oito (8) questões e três (3) laudas. Consulta permitida somente ao formulário básico.

Leia mais

- Pisos e revestimentos Industriais (pinturas especiais, autonivelantes, uretânicas, vernizes...);

- Pisos e revestimentos Industriais (pinturas especiais, autonivelantes, uretânicas, vernizes...); A TECNIKA iniciou suas atividades em meados de 2003, impulsionada pela demanda do mercado, sempre preocupada em buscar e oferecer soluções técnicas inovadoras, tendo como focos principais as áreas de impermeabilização

Leia mais

Alta produtividade Engenharia de projetos Qualidade assegurada Certificado de garantia Sigilo industrial Confiabilidade.

Alta produtividade Engenharia de projetos Qualidade assegurada Certificado de garantia Sigilo industrial Confiabilidade. Há mais de 46 anos no mercado, a Torcisão iniciou as suas atividades no desenvolvimento de materiais para a indústria automobilística, que exigia um rigoroso controle técnico e de qualidade. Em 2006, com

Leia mais

poder de compra x custo da construção poder de compra:

poder de compra x custo da construção poder de compra: w ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO poder de compra x custo da construção poder de compra: - Conceito Geral - Engenheiro Civil - Ph.D. (85)3244-3939 (85)9982-4969 luisalberto1@terra.com.br custo

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA Durabilidade das estruturas, estádios e domínios. 2. CONCEITOS As estruturas de concreto devem ser projetadas e construídas de modo que, quando utilizadas conforme as condições ambientais

Leia mais

MANUAL DE COLOCAÇÃO. Laje Treliça. Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje.

MANUAL DE COLOCAÇÃO. Laje Treliça. Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje. MANUAL DE COLOCAÇÃO Laje Treliça Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje. Henrique. [Endereço de email] 1 VANTAGENS LAJE TRELIÇA É capaz de vencer

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL

BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL Indice ALVENARIA ESTRUTURAL MANUAL DE EXECUÇÃO E TREINAMENTO...1 O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL?...1 Seu trabalho fica mais fácil...1 CUIDADOS QUE

Leia mais

Concreto: O que utilizar nas diversas Tipologias?

Concreto: O que utilizar nas diversas Tipologias? Seminário: Concreto: O que utilizar nas diversas Tipologias? EngºArcindo A. Vaquero y Mayor Wish List Veloz Durável Prático (com racionalização) Econômico Baixo Desperdicio Confortável (Desempenho Termico

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros.

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. EMPREENDIMENTOS PANTHEON - ROMA Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO

Leia mais

Concreto e Postes de Concreto Diego Augusto de Sá /Janaína Rodrigues Lenzi

Concreto e Postes de Concreto Diego Augusto de Sá /Janaína Rodrigues Lenzi Concreto e Postes de Concreto Diego Augusto de Sá /Janaína Rodrigues Lenzi INTRODUÇÃO: Neste trabalho será apresentado um apanhado sobre as diversas formas de concreto e agregados bem como o seu uso, dando

Leia mais

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível,

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível, TIJOLOS ECOLÓGICOS Casa construída com tijolos ecológicos Fonte: paoeecologia.wordpress.com TIJOLOS ECOLÓGICOS CARACTERÍSTICAS São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que

Leia mais

ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA AC TRINDADE- DR/GO

ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA AC TRINDADE- DR/GO C A D E R N O D E E S P E C I F I C A Ç Õ E S ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA AC TRINDADE- DR/GO S E Ç Ã O D E P R O J E T O S E O B R A S SEPO/GEREN/DR/GO OBRA: REFORMA E ADAPTAÇÃO

Leia mais