Capítulo 7. Redes multimídia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capítulo 7. Redes multimídia"

Transcrição

1 Capítulo 7 Redes multimídia

2 2 Redes de computadores I Prof.: Leandro Soares de Sousa Site: Não deixem a matéria acumular!!! Datas das avaliações, exercícios propostos, transparências,... no site! 2

3 Multimídia e Qualidade de Serviço: O que são? A Internet oferece: garantia de entrega? Tempo fim a fim? Ordem dos pacotes? Intervalo entre as entregas? Banda mínima, máxima ou média? 3

4 Multimídia e Qualidade de Serviço: O que são? A Internet oferece: garantia de entrega? NÃO! Tempo fim a fim? NÃO! Ordem dos pacotes? NÃO! Intervalo entre as entregas? NÃO! Banda mínima, máxima ou média? NÃO! 4

5 Multimídia e Qualidade de Serviço: O que são? O que tem por trás disso? 5

6 Multimídia e Qualidade de Serviço: O que são? O que tem por trás disso? IP! 6

7 Multimídia e Qualidade de Serviço: O que são? aplicações multimídia: áudio e vídeo na rede ( mídia contínua ) Quality of Service (QoS): a rede fornece à aplicação o nível de desempenho necessário para que a aplicação funcione como esperado. 7

8 Aplicações Multimídia na Rede Classes de aplicações Multimídia: 1) fluxo contínuo (streams) de áudio e vídeo armazenados 2) fluxos contínuo (stream) de áudio e vídeo ao vivo 3) vídeo interativo de tempo real Jitter é a variabilidade dos atrasos dos pacotes dentro de um mesmo fluxo de pacotes Características Fundamentais: tipicamente são sensíveis a atrasos atraso fim a fim variação do atraso (jitter), mas são tolerantes a perdas: perdas não muito frequentes causam apenas pequenos distúrbios antítese da transferência de dados que é intolerante a perdas mas tolerante a atrasos. 8

9 9 Sumário 7.1 Aplicações de rede multimídia 7.2 Vídeo de fluxo contínuo armazenado 7.3 Voz sobre IP: VoIP (Voice-over-IP) 7.4 Protocolos para aplicações interativas em tempo real 7.5 Suporte de rede para multimídia

10 10 Sumário 7.1 Aplicações de rede multimídia 7.2 Vídeo de fluxo contínuo armazenado 7.3 Voz sobre IP: VoIP (Voice-over-IP) 7.4 Protocolos para aplicações interativas em tempo real 7.5 Suporte de rede para multimídia

11 Propriedades de vídeo 11 Talvez a característica mais destacada do vídeo seja sua alta taxa de bits. O vídeo distribuído pela Internet costuma variar de 100 kbits/s para videoconferências de baixa qualidade até mais de 3 Mbits/s para os filmes de fluxo de vídeo com alta definição.

12 Propriedades de vídeo 12 Outra característica importante do vídeo é que ele pode ser compactado, compensando assim a qualidade com a taxa de bits. Também podemos usar a compactação para criar múltiplas versões do mesmo vídeo.

13 Propriedades de vídeo 13 Vídeo é uma sequência de imagens apresentadas a uma taxa constante ex. 24 imagens/seg Imagem digital: é uma matriz de pixels cada pixel é representado por bits Redundância espacial (dentro da imagem) temporal (de uma imagem p/ a seguinte)

14 Propriedades de vídeo Exemplos: MPEG1 (CD-ROM) 1,5 Mbps MPEG2 (DVD) 3-6 Mbps MPEG4 (frequentemente usado na Internet, < 1 Mbps) Pesquisa: vídeo em camadas (escalável) adapta as camadas à largura de banda disponível 14

15 Propriedades de áudio 15 O áudio digital tem requisitos de largura de banda muito menores do que o vídeo. Embora as taxas de bit de áudio sejam em geral muito menores do que as de vídeo, os usuários costumam ser muito mais sensíveis a pequenas falha de áudio do que de vídeo.

16 Propriedades de áudio 16 O sinal analógico amostrado a uma taxa constante telefone: amostras/seg Cada amostra é discretizada (arredondada) ex., 28=256 possíveis valores discretos cada valor discretizado é representado por bits exemplo: amostras/seg, 256 valores discretos --> bps receptor converte-o de volta a um sinal analógico: alguma perda de qualidade

17 Propriedades de áudio Exemplo de taxas CD: 1,411 Mbps MPEG 1 layer 3 (MP3): 96, 128, 160 kbps Telefonia Internet: 5,3 kbps ou mais 17

18 Áudio e vídeo de fluxo contínuo armazenados 18 Muitas empresas de Internet oferecem hoje vídeo de fluxo contínuo, incluindo YouTube (Google), Netflix e Hulu. Por algumas estimativas, ele contribui com mais de 50% do tráfego descendente nas redes de acesso à Internet atualmente.

19 Áudio e vídeo de fluxo contínuo armazenados Ele tem três características distintas importantes: 1. Fluxo contínuo. 2. Interatividade. 3. Reprodução contínua. 19

20 Voz e vídeo sobre IP interativos 20 A voz interativa em tempo real pela Internet é chamada de telefonia da Internet. A maioria dos sistemas interativos por voz e vídeo permite que os usuários criem conferências com três ou mais participantes. Voz e vídeo interativos são muito usados na Internet hoje, com as empresas Skype, QQ e Google Talk. Aplicações de multimídia interativas são tolerantes à perda. Restrições de tempo fim a fim experiência desagradável quando o retardo é longo.

21 Áudio e vídeo de fluxo contínuo ao vivo 21 Aplicações ao vivo, do tipo de difusão, normalmente possuem muitos usuários que recebem o mesmo programa de áudio/vídeo ao mesmo tempo. A rede precisa oferecer a cada fluxo de multimídia ao vivo uma vazão média que seja maior que a taxa de consumo de vídeo. Como o evento é ao vivo, o atraso também pode ser um problema. Atrasos de até dez segundos ou mais desde o instante em que o usuário requisita a entrega/reprodução de uma transmissão ao vivo até o início da reprodução podem ser tolerados. Grupos IP, mais comumente por aplicações em camadas (P2P ou CND,mais adiante...) ou múltiplos fluxos individuais separados.

22 22 Sumário 7.1 Aplicações de rede multimídia 7.2 Vídeo de fluxo contínuo armazenado 7.3 Voz sobre IP: VoIP (Voice-over-IP) 7.4 Protocolos para aplicações interativas em tempo real 7.5 Suporte de rede para multimídia

23 Vídeo de fluxo contínuo armazenado 23 Os sistemas de vídeo de fluxo contínuo podem ser classificados em três categorias: 1. UDP de fluxo contínuo, 2. HTTP de fluxo contínuo e 3. HTTP de fluxo contínuo adaptativo.. Uma característica comum de todas as três formas de vídeo de fluxo contínuo é o uso extenso de buffer de aplicação no lado do cliente para aliviar os efeitos de variar os atrasos de fim a fim e variar as quantidades de largura de banda disponível entre servidor e cliente.

24 Vídeo de fluxo contínuo armazenado Atraso de reprodução do cliente no vídeo de fluxo contínuo 24

25 Vídeo de fluxo contínuo armazenado 25 Atraso de reprodução do cliente no vídeo de fluxo contínuo TCP / UDP?

26 26 UDP de fluxo contínuo Com o UDP de fluxo contínuo, o servidor transmite vídeo a uma taxa que corresponde à taxa de consumo de vídeo do cliente (RTP Real-Time Protocol). Normalmente usa um pequeno buffer no lado do cliente (depende da aplicação). muito bem numa rede com Funciona congestionamento e que não olhe os fluxos, mas... baixo

27 27 UDP de fluxo contínuo O UDP de fluxo contínuo com taxa constante pode deixar de oferecer reprodução contínua (trava, congela...). Ele exige um servidor de controle de mídia (RTSP RealTime Streaming Protocol). Muitos firewalls (em NATs inclusive) são configurados para bloquear o tráfego UDP. Algumas aplicações trabalham com fluxo adaptativo, mas devido ao tráfego o TCP, em volume, alcançou e hoje predomina.

28 28 HTTP de fluxo contínuo No HTTP de fluxo contínuo, o vídeo é apenas armazenado em um servidor HTTP como um arquivo comum com uma URL específica (HTTP GET). O uso do HTTP sobre TCP também permite ao vídeo atravessar firewalls e NATs mais facilmente. Vídeos de fluxo contínuo sobre HTTP também deixam clara a necessidade de um servidor de controle de mídia, tal como um servidor RTSP. Netflix e YouTube (buffers e pré-busca uso normal da banda pelo TCP, tentando alcançar a banda máxima possível)

29 Buffer de aplicação do cliente e buffers TCP 29 A figura abaixo ilustra a interação entre o cliente e o servidor para HTTP de fluxo contínuo.

30 Análise do vídeo de fluxo contínuo 30 Análise do uso de buffer no lado do cliente, para vídeo de fluxo contínuo

31 Análise do vídeo de fluxo contínuo Término antecipado e reposicionamento (cabeçalho do intervalo de bytes HTTP) 31 do vídeo

32 Fluxo contínuo adaptativo e DASH 32 Pelo DASH (Fluxo Contínuo de Adaptativo Dinamicamente sobre HTTP), o vídeo é codificado em muitas versões diferentes, cada qual com uma taxa de bits e um diferente nível de qualidade. Exemplo: um MPEG-4 pode ser codificado em 8 a 10 diferentes formatos que requisitam taxas distintas e, assim, com qualidade diferente

33 Fluxo contínuo adaptativo e DASH 33 O servidor contém um arquivo de manifesto com a localização (URL), taxas, codificação... O cliente pode baixas alguns segundos nessas várias codificações e selecionar alguma. Durante a apresentação as codificações/taxas podem ser alteradas para se adaptar à banda disponível no momento. DASH permite aos clientes com diferentes taxas de acesso à Internet fluir em um vídeo por diferentes taxas codificadas. Com o DASH, cada versão do vídeo é armazenada em um servidor HTTP, cada um com uma diferente URL.

34 Redes de distribuição de conteúdo 34 Uma CDN (Rede de Distribuição de Conteúdo): gerencia servidores geograficamente, em múltiplas localidades distribuídas armazena cópias dos vídeos em seus servidores, e tenta direcionar cada requisição do usuário para uma localidade CDN que proporcionará a melhor experiência para o usuário. Enter-deep: o mais próximo possível dos ISPs, dentro deles (Akamai 1700 locais). Bring-home: grandes clusters, rede de interconexão pesadas, POPs e ISPs nível 1 (Limelight, Google,...) Manutenção, escala... Pode ser uma CDN privada ou uma CDN de terceiros.

35 35 Operação da CDN A maioria das CDNs utiliza o DNS para interceptar e redirecionar requisições.

36 Estratégias de seleção de cluster 36 A estratégia de seleção de cluster é um mecanismo para direcionamento dinâmico de clientes para um cluster de servidor ou uma central de dados dentro da CDN. Uma estratégia simples é associar o cliente ao cluster que está geograficamente mais próximo. Para determinar o melhor cluster para um cliente baseado nas atuais condições de tráfego, as CDNs podem realizar medições em tempo real do atraso e problemas de baixo desempenho entre seus clusters e clientes.

37 Estratégias de seleção de cluster 37 Uma alternativa para medir as propriedades dos caminhos é usar as características do tráfego mais recente entre os clientes e os servidores da CDN. Uma abordagem muito diferente para combinar clientes com servidores CDN é utilizar o IP para qualquer membro do grupo. A ideia por trás do IP para qualquer membro do grupo é colocar os roteadores na rota da Internet dos pacotes do cliente para o cluster mais próximo, como determinado pelo BGP.

38 Estratégias de seleção de cluster 38 Usando o anycast IP para rotear clientes para o cluster da CDN mais próximo

39 Estudos de caso 39 Netflix: CDNs (notadamente Akamai) e links de terceiros / HTTP de fluxo contínuo adaptativo. Servidores próprios de registro e pagamentos. Converte os vídeos em várias resoluções e disponibiliza (nuvem da Amazon). YouTube: Data centers da Google, direciona via DNS para seus data centers. Desde seu modelo de negócios Google usa o HTTP de fluxo contínuo. ½ Bilhão de vídeos e de visualizações diárias. Kankan: Maior na China e usa tecnologia proprietária P2P com hash distribuído (tipo Torrent). UDP sempre que possível.

40 40 Sumário 7.1 Aplicações de rede multimídia 7.2 Vídeo de fluxo contínuo armazenado 7.3 Voz sobre IP: VoIP (Voice-over-IP) 7.4 Protocolos para aplicações interativas em tempo real 7.5 Suporte de rede para multimídia

41 As limitações de um serviço IP de melhor esforço 41 Perda de pacotes A perda pode ser eliminada enviando os pacotes por TCP, em vez de por UDP (Facilita no NAT). Se tivermos um enlace altamente congestionado ou um wifi ruidoso pode não dar certo. Atraso de fim a fim é o acúmulo de atrasos de processamento, de transmissão e de formação de filas nos roteadores; atrasos de propagação nos enlaces e atrasos de processamento em sistemas finais. Variação de atraso do pacote o tempo decorrido entre o momento em que um pacote é gerado na fonte e o momento em que é recebido no destinatário pode variar de pacote para pacote.

42 Eliminação da variação de atraso no receptor para áudio 42 Atraso por reprodução fixa Perda de pacotes para diferentes atrasos por reprodução fixa

43 Eliminação da variação de atraso no receptor para áudio 43 Atraso por reprodução adaptativa Objetivo: minimizar o atraso de reprodução, mantendo baixa a taxa de perdas Abordagem: ajuste adaptativo do atraso de reprodução: estima o atraso da rede e ajusta o atraso de reprodução no início de cada surto de voz. períodos de silêncio são comprimidos e alongados. pedaços ainda são reproduzidos a cada 20 mseg durante um surto de voz.

44 Eliminação da variação de atraso no receptor para áudio 44 Atraso por reprodução adaptativa Segue um algoritmo genérico que o receptor pode usar para ajustar seus atrasos de reprodução adaptativamente. Para tal, consideremos: ti = marca de tempo do i-ésimo pacote = o instante em que o pacote foi gerado pelo remetente. ri = o instante em que o pacote i é recebido pelo receptor. pi = o instante em que o pacote i é reproduzido no receptor. ri ti = atraso da rede para o i-ésimo pacote. di = estimativa do atraso médio da rede após receber o i-ésimo pacote. Estimativa dinâmica do atraso médio no receptor : U é uma constante, por exemplo 0,01 di = (1 u)di-1 + u(ri ti)

45 Eliminação da variação de atraso no receptor para áudio 45 Atraso por reprodução adaptativa Também é útil estimar o desvio médio do atraso, vi: vi = (1 u)vi-1 + u( ri ti di ) estimativas di, vi são calculadas para cada pacote recebido, apesar de serem usados apenas no início de um surto de voz. Para o primeiro pacote de um surto de voz, o tempo de reprodução é: pi = ti + di + Kvi, onde K é uma constante positiva Os pacotes restantes em um surto de voz são reproduzidos periodicamente de acordo com a codificação.

46 Eliminação da variação de atraso no receptor para áudio 46 Atraso por reprodução adaptativa Pergunta: Como o receptor determina se um pacote é o primeiro de um surto de voz? se nunca houvesse perdas, o receptor poderia simplesmente olhar os carimbos de tempo sucessivos. diferença entre carimbos sucessivos > 20 mseg --> início do surto de voz. mas, dado que perdas são possíveis, o receptor deve olhar tanto para os carimbos de tempo quanto para os números de sequência diferença entre carimbos sucessivos > 20 mseg e números de sequência sem falhas --> início do surto de voz.

47 Recuperação de perda de pacotes 47 Um pacote será considerado perdido se nunca chegar ao receptor ou se chegar após o tempo de reprodução programado. Aplicações de VoIP frequentemente usam algum tipo de esquema de prevenção de perda.

48 Recuperação de perda de pacotes 48 Uma ideia simples: para cada grupo de n pedaços criar um pedaço redundante efetuando o OU-exclusivo dos n pedaços originais transmite n+1 pedaços, aumentando a largura de banda por um fator de 1/n. pode reconstruir os n pedaços originais se houver no máximo um pedaço perdido dentre os n+1 pedaços. atraso de reprodução deve ser fixado para o instante de recepção de todos os n+1 pacotes compromissos: aumento de n, menos desperdício de banda aumento de n, atraso de reprodução mais longo aumento de n, maior probabilidade de que 2 ou mais pedaços sejam perdidos

49 Recuperação de perda de pacotes 49 Forward Error Correction (FEC): A ideia básica da FEC é adicionar informações redundantes ao fluxo de pacotes original. Dando carona à informação redundante de qualidade mais baixa

50 Recuperação de perda de pacotes 50 Intercalação Como uma alternativa à transmissão redundante, uma aplicação de VoIP pode enviar áudio intercalado.

51 Estudo de Caso: VoIP com Skype 51 Skype Proprietário: UDP para áudio e vídeo, mas pode enviar com TCP caso encontre algum bloqueio (por exemplo: NAT)

52 Estudo de Caso: VoIP com Skype Skype Proprietário: mensagens de controle via TCP 52

53 Estudo de Caso: VoIP com Skype 53 Skype Proprietário: trabalha com FEC (redundância) e ajusta a qualidade do vídeo e áudio de acordo com as condições da rede

54 Estudo de Caso: VoIP com Skype 54 Skype Proprietário: rede de sobreposição hierárquica, o superpar é um par comum, que provavelmente mantém uma DHT para localização

55 Estudo de Caso: VoIP com Skype 55 Skype Proprietário: atrás do NAT não se pode receber uma chamada

56 Estudo de Caso: VoIP com Skype 56 Skype Proprietário: atrás do NAT não se pode estabelecer um fluxo direto, pois um dos dois receberia uma chamada.

57 Controle do Usuário de Mídia Contínua: RTSP 57 Não é apresentado no livro texto, mas cabe uma visão geral. HTTP não tem como alvo conteúdo multimídia não possui comandos para avanço rápido, etc. RTSP: RFC 2326 protocolo cliente-servidor da camada de aplicação. usuário pode controlar a reprodução: retorno, avanço rápido, pausa, retomada, reposicionamento, etc

58 Controle do Usuário de Mídia Contínua: RTSP 58 O que ele não faz: não define como o áudio/vídeo é encapsulado para ser transmitido pela rede Não restringe como a mídia tipo fluxo contínuo é transportada; pode ser transportada sobre UDP ou TCP não especifica como o media player utiliza buffers para áudio/vídeo

59 Controle do Usuário de Mídia Contínua: RTSP 59 O FTP usa um canal de controle fora de banda : um arquivo é transferido sobre uma conexão TCP. a informação de controle (mudanças de diretório, remoção de arquivo, renomeação de arquivo, etc.) é enviada numa conexão TCP à parte os canais fora de banda e dentro da banda utilizam diferentes números de portas Mensagens RTSP também são enviadas fora de banda: as mensagens de controle RTSP usam números de porta diferentes do fluxo contínuo da mídia, e são, portanto, enviadas fora de banda (Porta 554) o fluxo de mídia é considerado dentro da banda.

60 Controle do Usuário de Mídia Contínua: RTSP 60 Exemplo RTSP: Cenário: meta arquivo enviado para o browser web browser inicia o media player media player estabelece uma conexão de controle RTSP e uma conexão de dados para o servidor de mídia contínua

61 Controle do Usuário de Mídia Contínua: RTSP Exemplo de Meta-arquivo: <title>twister</title> <session> <group language=en lipsync> <switch> <track type=audio e="pcmu/8000/1" src = "rtsp://audio.example.com/twister/audio.en/lofi"> <track type=audio e="dvi4/16000/2" pt="90 DVI4/8000/1" src="rtsp://audio.example.com/twister/audio.en/hifi"> </switch> <track type="video/jpeg" src="rtsp://video.example.com/twister/video"> </group> </session> 61

62 Controle do Usuário de Mídia Contínua: RTSP Operação do RTSP: 62

63 Controle do Usuário de Mídia Contínua: RTSP RTSP: exemplo de diálogo: C: SETUP rtsp://audio.example.com/twister/audio RTSP/1.0 Transport: rtp/udp; compression; port=3056; mode=play S: RTSP/ OK Session 4231 C: PLAY rtsp://audio.example.com/twister/audio.en/lofi RTSP/1.0 Session: 4231 Range: npt=0c: PAUSE rtsp://audio.example.com/twister/audio.en/lofi RTSP/1.0 Session: 4231 Range: npt=37 C: TEARDOWN rtsp://audio.example.com/twister/audio.en/lofi RTSP/1.0 Session: 4231 S: OK 63

64 64 Sumário 7.1 Aplicações de rede multimídia 7.2 Vídeo de fluxo contínuo armazenado 7.3 Voz sobre IP: VoIP (Voice-over-IP) 7.4 Protocolos para aplicações interativas em tempo real 7.5 Suporte de rede para multimídia

65 Protocolo de tempo real (RTP) 65 O RTP pode ser usado para transportar formatos comuns como PCM, ACC e MP3 para som e MPEG e H.263 para vídeo. O protocolo também pode ser usado para transportar formatos proprietários de som e de vídeo. Hoje, o RTP é amplamente implementado em muitos produtos e protótipos de pesquisa. Também é complementar a outros importantes protocolos interativos de tempo real, entre eles SIP.

66 Protocolo de tempo real (RTP) 66 O RTP especifica uma estrutura de pacote para pacotes que transportam dados de áudio e de vídeo RFC 3550 pacote RTP provê identificação do tipo da carga numeração da sequência de pacotes carimbo de tempo

67 Protocolo de tempo real (RTP) O RTP comumente roda sobre UDP. 67

68 Protocolo de tempo real (RTP) 68 Se uma aplicação incorporar o RTP, ela interagirá mais facilmente com as outras aplicações de rede multimídia. O RTP não fornece nenhum mecanismo que assegure a entrega de dados a tempo nem fornece garantias de qualidade de serviço. O RTP permite que seja atribuído a cada origem seu próprio fluxo independente de pacotes RTP. Pacotes RTP não são limitados às aplicações individuais.

69 Protocolo de tempo real (RTP) 69 Exemplo RTP: considere o envio de voz codificada em PCM de 64 kbps sobre RTP. aplicação coleta os dados codificados em pedaços, ex., a cada 20 mseg = 160 bytes num pedaço. o pedaço de áudio junto com o cabeçalho RTP formam um pacote RTP, que é encapsulado num segmento UDP o cabeçalho RTP indica o tipo da codificação de áudio em cada pacote: o transmissor pode mudar a codificação durante a conferência. o cabeçalho RTP também contém números de sequência e carimbos de tempo.

70 Protocolo de tempo real (RTP) 70 Os quatro principais campos de cabeçalho do pacote RTP são: Tipos de carga útil de áudio suportados pelo RTP:

71 Protocolo de tempo real (RTP) Alguns tipos de carga útil de vídeo suportados pelo RTP: 71

72 Protocolo de Controle de Tempo Real (Real-Time Control Protocol - RTCP) 72 O Livro texto não inclui, mas acho interessante como um complemento. trabalha em conjunto com o RTP. cada participante numa sessão RTP periodicamente transmite pacotes de controle RTCP para todos os demais participantes. cada pacote RTCP contém relatos do transmissor e/ou receptor relatam estatísticas úteis para as aplicações : no. pacotes enviados, no. pacotes perdidos, intervalo entre chegadas (jitter), etc. a realimentação de informação pode ser usada para controlar o desempenho o transmissor pode modificar as suas transmissões com base na realimentação

73 Protocolo de Controle de Tempo Real (Real-Time Control Protocol - RTCP) RTCP Continuação: para uma sessão RTP há tipicamente um único endereço multicast; todos os pacotes RTP e RTCP pertencentes à sessão usam o endereço multicast. pacotes RTP, RTCP são diferenciados uns dos outros através do uso de números de portas distintos. para limitar o tráfego, cada participante reduz o seu tráfego RTCP à medida que cresce o número de participantes da conferência. 73

74 Protocolo de Controle de Tempo Real (Real-Time Control Protocol - RTCP) 74 Pacotes RTCP: Pacotes de relato do receptor: fração dos pacotes perdidos, último número de sequência, jitter médio entre chegadas Pacotes de relato do transmissor: SSRC do fluxo RTP, tempo atual, número de pacotes enviados e número de bytes enviados. Pacotes de descrição da origem: endereço de do transmissor, nome do transmissor, o SSRC do fluxo RTP associado. os pacotes provêm um mapeamento entre o SSRC e o nome do usuário/host.

75 Protocolo de Controle de Tempo Real (Real-Time Control Protocol - RTCP) 75 Sincronização de Fluxos: o RTCP pode ser usado para sincronizar diferentes fluxos de mídia dentro de uma sessão RTP. considere uma aplicação de videoconferência para a qual cada transmissor gera um fluxo RTP para vídeo e outro para áudio. os carimbos de tempo nestes pacotes RTP estão vinculados aos relógios de amostragem de vídeo e de áudio não estão vinculadas ao relógio de tempo real. cada pacote de relato do transmissor contém, para o pacote gerado mais recentemente no fluxo RTP associado, o carimbo de tempo do pacote RTP e instante num relógio de tempo real em que o pacote foi criado. os receptores pode usar esta associação para sincronizar a reprodução de áudio e de vídeo.

76 Protocolo de Controle de Tempo Real (Real-Time Control Protocol - RTCP) 76 Escalonamento da Largura de Banda p/ o RTCP: O RTCP tenta limitar o seu tráfego a 5% da largura de banda da sessão. Exemplo: Suponha que haja um transmissor enviando vídeo a uma taxa de 2 Mbps. Então o RTCP tenta limitar o seu tráfego a 100 Kbps. RTCP atribui 75% da taxa p/ os receptores; os restantes 25% p/ o transmissor Os 75 Kbps alocados são compartilhados igualmente entre os receptores: com R receptores, cada receptor pode gerar tráfego RTCP a uma taxa de 75/R Kbps. O transmissor pode gerar tráfego RTCP a uma taxa de 25 Kbps. O participante determina a frequência de transmissão de pacotes RTCP, calculando o tamanho médio do pacote RTCP (ao longo da sessão inteira) e dividindo o tamanho médio do pacote RTCP pela taxa alocada.

77 77 SIP O Protocolo de Inicialização de Sessão (SIP) é um protocolo aberto e simples, que faz o seguinte (Session Initiation Protocol - RFC 3261): Provê mecanismos para estabelecer chamadas entre dois interlocutores por uma rede IP. para que o chamador informe ao chamado que ele deseja estabelecer uma chamada para que o chamador e o chamado concordem no tipo de mídia e na codificação para encerrar a chamada

78 78 SIP O Protocolo de Inicialização de Sessão (SIP) é um protocolo aberto e simples, que faz o seguinte (Session Initiation Protocol - RFC 3261): Provê mecanismos que permitem a quem chama determinar o endereço IP atual de quem é chamado. mapeia identificador mnemônico para o endereço IP atual.

79 79 SIP O Protocolo de Inicialização de Sessão (SIP) é um protocolo aberto e simples, que faz o seguinte (Session Initiation Protocol - RFC 3261): Provê mecanismos para gerenciamento de chamadas: adiciona novos fluxos de mídia durante a chamada altera a codificação durante a chamada convida outros participantes transfere e mantém a chamada

80 80 SIP Visão de longo prazo do SIP: todas as chamadas telefônicas e de videoconferência se realizam sobre a Internet pessoas são identificadas por nomes ou endereços de , ao invés de números de telefone é possível encontrar o chamado, não importa onde ele esteja, e em qualquer dispositivo IP que o chamado esteja usando no momento Pode acontecer com o SIP ou não, mas é uma tendência

81 SIP Estabelecimento de chamada SIP quando Alice conhece o endereço IP de Bob Mensagem invite de Alice indica o seu número de porta, endereço IP e a codificação em que Alice prefere receber (PCM ulaw) A mensagem 200 OK de Bob indica o seu número de porta, endereço IP e codificação preferida (GSM) Mensagens SIP podem ser transmitidas sobre TCP ou UDP; aqui está sendo enviada sobre RTP/UDP. número de porta Default do SIP é a

82 82 SIP Negociação de codificação: Rejeitando a chamada: Suponha que Bob não possui um codificador PCM ulaw. Bob responderá então com um código 606 Not Acceptable Reply e lista os codificadores que ele pode usar. Alice pode então enviar uma nova mensagem INVITE, anunciando um codificador apropriado Bob pode rejeitar com respostas busy (ocupado), gone (fora) payment required (necessário pagamento), forbidden (proibido). A mídia pode ser enviada sobre RTP ou algum outro protocolo

83 83 SIP Tradução de nome e localização do usuário: chamador deseja contactar o chamado, mas possui apenas o nome ou o endereço de do chamado. precisa obter o endereço IP do host atual do chamado: usuário se desloca protocolo DHCP usuário possui diferentes dispositivos IP (Note, Celular, dispositivo no automóvel, geladeira, fogão,...)

84 84 SIP Tradução de nome e localização do usuário (continuação): O resultado pode depender de: hora do dia (trabalho, casa) chamador (não deseja que o chefe lhe chame em casa) status do chamado (chamadas enviadas para correio de voz quando o chamado já estiver falando com alguém) Serviço provido por servidores SIP: Servidor de registro SIP Servidor proxy SIP

85 85 SIP Servidor de Registro SIP: Quando Bob inicia cliente SIP, o cliente envia uma mensagem REGISTER SIP para o servidor de registros de Bob (função semelhante é necessária para serviço de mensagens instantâneas) Mensagem Register: REGISTER sip:domain.com SIP/2.0 Via: SIP/2.0/UDP From: To: Expires: 3600

86 86 SIP Servidor proxy SIP: Alice envia mensagem invite para o seu servidor proxy contém endereço O proxy é responsável por rotear mensagens SIP para o chamado possivelmente através de múltiplos proxies O chamado envia resposta através do mesmo conjunto de proxies. O proxy retorna a mensagem de resposta SIP para Alice contendo o endereço IP de Bob Nota: proxy é análogo a um servidor DNS local

87 SIP Inicialização de sessão envolvendo proxies e entidades registradoras SIP: Chamador faz uma chamada para (1) Jim envia mensagem INVITE para o proxy SIP da umass. (2) Proxy encaminha o pedido para o servidor de registro da upenn. (3) O servidor da upenn retorna resposta de redirecionamento, indicando que deve tentar 87

88 SIP de sessão Inicialização envolvendo proxies e entidades registradoras SIP (continuação): (4) O proxy da umass envia INVITE para o registro da eurecom. (5) Registro da eurecom encaminha o INVITE para , que está rodando o cliente SIP de Keith. (6-8) retorno da resposta SIP. (9) mídia enviada diretamente entre clientes. Nota: mensagens ack do SIP, não são apresentadas. 88

89 89 Sumário 7.1 Aplicações de rede multimídia 7.2 Vídeo de fluxo contínuo armazenado 7.3 Voz sobre IP: VoIP (Voice-over-IP) 7.4 Protocolos para aplicações interativas em tempo real 7.5 Suporte de rede para multimídia

90 Suporte de rede para multimídia 90 Até o momento: extraímos o máximo do melhor esforço Um único tamanho veste todos os modelos de serviço Alternativa: múltiplas classes de serviço dividir o tráfego em classes A rede trata diferentes classes de tráfego de modo diferente (analogia: serviço VIP x serviço regular) granularidade: serviço diferenciado entre múltiplas classes, não entre conexões individuais história: bits ToS

91 Suporte de rede para multimídia 91 Três técnicas em nível de rede para dar suporte a aplicações de multimídia:

92 Dimensionando redes de melhor esforço 92 A questão de como projetar uma topologia de rede para alcançar determinado nível de desempenho de fim a fim é um problema de projeto de redes que muitas vezes é chamado de dimensionamento de redes. Sabendo que a Internet de melhor esforço de hoje poderia dar suporte para o tráfego de multimídia em um nível de desempenho apropriado, se fosse dimensionada para fazer isso, a questão é por que a Internet de hoje não o faz. As respostas organizacionais. são principalmente econômicas e

2 Q-20102010. Prof. Roberto Jacobe (roberto.jacobe@gmail.com)

2 Q-20102010. Prof. Roberto Jacobe (roberto.jacobe@gmail.com) INF-207 Sistemas Computacionais para Processamento Multimídia Sistemas Multimídia Aula 04 Redes Multimídia 2 Q-20102010 Prof. Roberto Jacobe (roberto.jacobe@gmail.com) Prof. Marcelo Z. do Nascimento (marcelo.ufabc@gmail.com)

Leia mais

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são?

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Aplicações Multimédia: áudio e vídeo pela rede ( meios contínuos ) QoS a rede oferece às aplicações o nível de desempenho necessário para funcionarem.

Leia mais

Fluxos Multimédia Armazenados

Fluxos Multimédia Armazenados Fluxos Multimédia Armazenados Técnicas de transmissão de fluxos ao nível da camada de aplicação para obter os melhores resultados dos serviços melhor esforço: buffers no lado do cliente uso de UDP versus

Leia mais

Redes Multimídia. Professor: Renê Furtado Felix Email: rffelix70@yahoo.com.br. Redes II - UNIP 1

Redes Multimídia. Professor: Renê Furtado Felix Email: rffelix70@yahoo.com.br. Redes II - UNIP 1 Redes Multimídia Professor: Renê Furtado Felix Email: rffelix70@yahoo.com.br Redes II - UNIP 1 As exigências de funcionamento das aplicações multimídia divergem significamente daquelas tradicionais aplicações

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

Aplicações e redes multimédia

Aplicações e redes multimédia Aplicações e redes multimédia Aplicações multimédia Streaming de áudio e vídeo RTSP, RTP Telefonia pela Internet RTCP, RTP, SIP Disciplinas de serviço e policiamento de tráfego Serviços integrados RSVP

Leia mais

Redes Mul)mídia. Tópicos. Streaming de Áudio e Vídeo. Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia

Redes Mul)mídia. Tópicos. Streaming de Áudio e Vídeo. Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia Redes Mul)mídia Streaming de Áudio e Vídeo Mário Meireles Teixeira Departamento de Informá:ca UFMA 2012 Tópicos Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia Áudio e Vídeo de

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Redes de computadores e a Internet. Capítulo 7. Redes multimídia 7-2. 2005 by Pearson Education

Redes de computadores e a Internet. Redes de computadores e a Internet. Capítulo 7. Redes multimídia 7-2. 2005 by Pearson Education Redes de computadores e a Internet Redes de computadores e a Internet Capítulo 7 Redes multimídia 7-2 Multimídia, qualidade de serviço: o que é? Aplicações multimídia: áudio e vídeo em rede ( mídia contínua

Leia mais

Capítulo 7 Redes multimídia

Capítulo 7 Redes multimídia Capítulo 7 Redes multimídia Nota sobre o uso destes slides ppt: Estamos disponibilizando estes slides gratuitamente a todos (professores, alunos, leitores). Eles estão em formato do PowerPoint para que

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Multimédia Prof. António Casimiro / José Rufino Email: docentes rcp@listas.di.ciencias.ulisboa.pt 2015/2016 Multimédia e Qualidade de Serviço Aplicações multimédia: Áudio e vídeo

Leia mais

Gerenciamento de redes

Gerenciamento de redes Gerenciamento de redes Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de QoS (Qualidade de serviço) slide 1 Qualidade de serviços: aplicações de multimídia: áudio e vídeo de rede ( mídia contínua ) QoS rede oferece

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações Mário Meireles Teixeira mario@deinf.ufma.br Motivação Atualmente, funcionam sobre as redes IP aplicações cujos requisitos elas não foram projetadas para atender

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Capítulo 7 Redes multimídia

Capítulo 7 Redes multimídia Capítulo 7 Redes multimídia Nota sobre o uso destes slides ppt: Estamos disponibilizando estes slides gratuitamente a todos (professores, alunos, leitores). Eles estão em formato do PowerPoint para que

Leia mais

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Exemplos de Aplicações Multimídia Mídia Armazenada: conteúdo gravado e armazenado play/pause/rewind/forward Streaming : vê o conteúdo enquanto baixa o arquivo evita

Leia mais

Capítulo 7 Redes Multimídia

Capítulo 7 Redes Multimídia Capítulo 7 Redes Multimídia A note on the use of these ppt slides: We re making these slides freely available to all (faculty, students, readers). They re in PowerPoint form so you can add, modify, and

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de

Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de Web Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de Agentes de usuário para a Web (browsers) Servidores Web Protocolo de transferência de hipertexto (HyperText Transfer Protocol HTTP) Web

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE SERVIÇO SEM CONEXÃO E SERVIÇO ORIENTADO À CONEXÃO Serviço sem conexão Os pacotes são enviados de uma parte para outra sem necessidade de estabelecimento de conexão Os pacotes

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

Protocolos Multimídia na Internet. Parte 1 - Conceitos

Protocolos Multimídia na Internet. Parte 1 - Conceitos Parte 1 - Conceitos % %,% %,%,% %,% %,% Tópicos em Sistemas de Computação 2014 Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org Estagiário Docente: Vinícius Oliveira viniciusoliveira@acmesecurity.org

Leia mais

Protocolos Multimídia na Internet

Protocolos Multimídia na Internet Parte 1 - Conceitos Tópicos em Sistemas de Computação Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org Multimídia na Internet (1) Objetivos: q Entender os requisitos de serviço para redes com multimídia

Leia mais

Novas Propostas para Protocolos de Streaming. Cesar Henrique Pereira Ribeiro. Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense (UFF)

Novas Propostas para Protocolos de Streaming. Cesar Henrique Pereira Ribeiro. Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense (UFF) Novas Propostas para Protocolos de Streaming Cesar Henrique Pereira Ribeiro Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense (UFF) Rua Passo da Pátria, 156 Niterói RJ Brazil cesarhpribeiro@yahoo.com.br

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM Agenda 1.1 O que

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

Multimídia na Internet

Multimídia na Internet Parte 1 - Conceitos Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org Adriano César Ribeiro (estagiário docente) adrianoribeiro@acmesecurity.org Tópicos em Sistemas de Computação 1 Multimídia na

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Introdução as Redes de Computadores Transparências baseadas no livro Computer Networking: A Top-Down Approach Featuring the Internet James Kurose e Keith Ross Redes de Computadores A. Tanenbaum e Prof.

Leia mais

Nível aplicação e protocolos para streaming

Nível aplicação e protocolos para streaming Nível aplicação e protocolos para streaming Notas para leitura prévia Esta apresentação, enquadrada como uma parte complementar de protocolos de suporte para aplicações baseadas em streaming, corresponde

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Redes de Computadores I Internet - Conceitos

Redes de Computadores I Internet - Conceitos Redes de Computadores I Internet - Conceitos Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2012/1 v1-2012.03.29 O que é a Internet Milhões de elementos de computação interligados: Hosts,

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações Enlaces de comunicação: fibra, cobre, rádio,

Leia mais

Tópicos em Sistemas de

Tópicos em Sistemas de Tópicos em Sistemas de Computação Adriano Mauro Cansian Protocolos Multimídia (Parte 1) 1 Multimídia na Internet Objetivos: Entender os requisitos de serviço para redes com multimídia Atraso Taxa de transmissão

Leia mais

Protocolo de Sinalização SIP

Protocolo de Sinalização SIP Protocolos de Sinalização Protocolos com processamento distribuído e clientes/terminais inteligentes SIP - Session Initiation Protocol, desenvolvido pelo IETF para comunicação multimídia pela Internet

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Redes de Computadores Aula 3

Redes de Computadores Aula 3 Redes de Computadores Aula 3 Aula passada Comutação: circuito x pacotes Retardos e perdas Aula de hoje Protocolo em camadas Aplicações C/S x P2P Web Estruturando a Rede Como organizar os serviços de uma

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol SIP Session Initiation Protocol Pedro Silveira Pisa Redes de Computadores II 2008.2 Professores: Luís Henrique Maciel Kosmalski Costa Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Outubro de 2008 Índice Introdução

Leia mais

Imagem digital. Configuração de 640 x 480 e 24 bits/pixel (RGB) 7,37 Mbits Solução compactação

Imagem digital. Configuração de 640 x 480 e 24 bits/pixel (RGB) 7,37 Mbits Solução compactação Imagem digital Configuração de 640 x 480 e 24 bits/pixel (RGB) 7,37 Mbits Solução compactação Imagem digital - compactação - JPEG Joint Photographic Experts Group Definido no padrão internacional 10918

Leia mais

MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP

MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP Nilton Alves Júnior naj@cbpf.br Kelly Soyan Pires Dominguez kelly@cbpf.br Resumo Este trabalho tem como função explicitar o conceito de Qualidade de Serviço

Leia mais

Cap. 2 O nível aplicação. (3ª parte)

Cap. 2 O nível aplicação. (3ª parte) Cap. 2 O nível aplicação (3ª parte) Nota prévia A estrutura da apresentação é semelhante e utiliza algumas das figuras, textos e outros materiais do livro de base do curso James F. Kurose and Keith W.

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

Camada de Redes Parte II. Fabrício

Camada de Redes Parte II. Fabrício Camada de Redes Parte II Fabrício Algoritmos de controle de congestionamento Quando há pacotes demais presente (em parte) de uma sub-rede, o desempenho diminui. Dentro da capacidade de tranporte Eles serão

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

2Arquitetura cliente-servidor

2Arquitetura cliente-servidor Redes de computadores e a Internet Capítulo Camada de aplicação Nossos objetivos: Conceitual, aspectos de implementação de protocolos de aplicação de redes Paradigma cliente-servidor Paradigma peer-to-peer

Leia mais

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Função A camada de Transporte fica entre as camadas de nível de aplicação (camadas 5 a 7) e as de nível físico

Leia mais

Lista de Exercícios 03 - Camadas de Transporte e de Aplicação e Segurança de Redes

Lista de Exercícios 03 - Camadas de Transporte e de Aplicação e Segurança de Redes BCC361 Redes de Computadores (2012-02) Departamento de Computação - Universidade Federal de Ouro Preto - MG Professor Reinaldo Silva Fortes (www.decom.ufop.br/reinaldo) Lista de Exercícios 03 - Camadas

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose)

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) 1. Qual a diferença entre um Programa de computador e um Processo dentro do computador? R. Processo é um programa que está sendo executado em uma máquina/host,

Leia mais

A Camada de Transporte

A Camada de Transporte A Camada de Transporte Romildo Martins Bezerra CEFET/BA s de Computadores II Funções da Camada de Transporte... 2 Controle de conexão... 2 Fragmentação... 2 Endereçamento... 2 Confiabilidade... 2 TCP (Transmission

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Redes de computadores. Redes para Internet

Redes de computadores. Redes para Internet Redes de computadores Redes para Internet Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações distribuídas Enlaces de comunicação fibra, cobre, rádio, satélite

Leia mais

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN CAMADA DE REDE UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN Modelo de Referência Híbrido Adoção didática de um modelo de referência híbrido Modelo OSI modificado Protocolos

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI

Redes de Computadores LFG TI Redes de Computadores LFG TI Prof. Bruno Guilhen Camada de Aplicação Fundamentos Fundamentos Trata os detalhes específicos de cada tipo de aplicação. Mensagens trocadas por cada tipo de aplicação definem

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar a melhor rota. Roteador default, é o roteador

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP Redes de Computadores Protocolos de comunicação: TCP, UDP Introdução ao TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol (TCP/IP) é um conjunto de protocolos de comunicação utilizados para a troca

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Prof. Evandro Cantú

REDES DE COMPUTADORES. Prof. Evandro Cantú REDES DE COMPUTADORES Prof. Evandro Cantú Prof. Evandro Cantú, evandro.cantu@ifpr.edu.br Slides adaptados de J. Kurose & K. Ross 2 Curso de Capacitação Intelbras Redes Computadores Maio 2007 Camada de

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 5-1. A CAMADA DE TRANSPORTE Parte 1 Responsável pela movimentação de dados, de forma eficiente e confiável, entre processos em execução nos equipamentos conectados a uma rede de computadores, independentemente

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores edes de Computadores Introdução: Capítulo 1- edes de Computadores e a Internet Prof. Jó Ueyama Março/2012 1 Cap. 1 Objetivos Entender os conceitos básicos de redes de computadores. Maior profundidade e

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet. Prof.: Agostinho S. Riofrio

Redes de Computadores e a Internet. Prof.: Agostinho S. Riofrio Redes de Computadores e a Internet Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Internet 3. Protocolo 4. Estrutura da Rede 5. Bordas da rede 6. Núcleo da rede 7. Comutação de Circuitos 8. Comutação

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP?

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? Convergência ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? O negócio Presença universal do IP Maturação da tecnologia Passagem para a rede de dados

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

de Telecomunicações para Aplicações Multimídia Distribuídas Infra-estrutura Infra-estrutura de Telecomunicações Serviço Multicast

de Telecomunicações para Aplicações Multimídia Distribuídas Infra-estrutura Infra-estrutura de Telecomunicações Serviço Multicast Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Infra-estrutura de Telecomunicações Comunicação Multicast Infra-estrutura de Telecomunicações para Aplicações Multimídia Distribuídas Profa. Débora

Leia mais

Redes sem Fios e Mobilidade - Revisão

Redes sem Fios e Mobilidade - Revisão Redes de Computadores Redes de Computadores Multimédia em Redes e Qualidade de Serviço 1 Redes sem Fios e Mobilidade - Revisão Redes sem Fios Caracteristicas de Redes sem Fios CDMA IEEE 802.11 wireless

Leia mais

PEL/FEN Redes de Computadores 2015/1 Primeira Lista de Exercícios Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein

PEL/FEN Redes de Computadores 2015/1 Primeira Lista de Exercícios Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein PEL/FEN Redes de Computadores 2015/1 Primeira Lista de Exercícios Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein 1) Descreva os tipos de topologias utilizadas em redes de computadores, destacando suas principais vantagens

Leia mais

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 Aluno: Ricardo dos Santos Alves de Souza Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Abril de 2004 DEL 1 ÍNDICE Resumo... 3 1 Introdução... 4 1.1 Redes de Pacotes...

Leia mais

Modelo de Camadas OSI

Modelo de Camadas OSI Modelo de Camadas OSI 1 Histórico Antes da década de 80 -> Surgimento das primeiras rede de dados e problemas de incompatibilidade de comunicação. Década de 80, ISO, juntamente com representantes de diversos

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Kurose Redes de Computadores e a Internet Uma Abordagem Top-Down 5ª. Edição Pearson Cap.: 1 até 1.2.2 2.1.2 2.1.4 Como funciona uma rede? Existem princípios de orientação e estrutura?

Leia mais

Instituto Federal de Santa Catarina. Redes de Computadores RES 12502

Instituto Federal de Santa Catarina. Redes de Computadores RES 12502 Instituto Federal de Santa Catarina Redes de Computadores RES 12502 2014 2 O material para essas apresentações foi retirado das apresentações disponibilizadas pela Editora Pearson para o livro Redes de

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Camada de Transporte

Camada de Transporte Camada de Transporte Conceitos Básicos Redes de Computadores A. S. Tanenbaum Mário Meireles Teixeira. UFMA-DEINF Protocolos Protocolo: Conjunto de regras e formatos usados para comunicação entre entidades,

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares

4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares 4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares Nos últimos anos, aplicações baseadas em voz sobre IP (VoIP) têm sido cada vez mais difundidas. O VoIP tradicional é uma aplicação de tempo real em modo

Leia mais

11. VOZ SOBRE IP. VoIP. 25 Capitulo 11

11. VOZ SOBRE IP. VoIP. 25 Capitulo 11 11. VOZ SOBRE IP 11.1 INTRODUÇÃO Voz com qualidade de operador (carrier-grade voice) significa o seguinte: - Elevada disponibilidade. Um operador tem a rede disponível 99.999% do tempo (down-time< 5min.

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

Streaming vídeo com RTSP e RTP

Streaming vídeo com RTSP e RTP Descrição da tarefa de programação a ser feita na disciplina de Redes de Alto Desempenho (RAD) SSC-144. Turmas A e B. A tarefa de programação é referente ao Capítulo 7 do Livro: Redes de Computadores e

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Questionário de RC Nota3

Questionário de RC Nota3 Questionário de RC Nota3 Entrega: Individual e escrita à mão. Data de entrega: 30/10. Em todas as questões deverão constar o desenvolvimento da sua resposta, caso contrário a questão será desconsiderada.

Leia mais

CAMADA DE TRANSPORTE

CAMADA DE TRANSPORTE Curso Técnico de Redes de Computadores Disciplina de Fundamentos de Rede CAMADA DE TRANSPORTE Professora: Juliana Cristina de Andrade E-mail: professora.julianacrstina@gmail.com Site: www.julianacristina.com

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Controle de Congestionamento em TCP Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Controle de Congestionamento em TCP Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Controle de Congestionamento em TCP Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Controle de Congestionamento em TCP Princípios de controle de congestionamento Saber que congestionamento está ocorrendo Adaptar para

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: comunicação orientada por mensagem e comunicação orientada por fluxo Prof. MSc. Hugo Souza Continuando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre

Leia mais

Trabalhos Relacionados 79

Trabalhos Relacionados 79 Trabalhos Relacionados 79 6 Avaliação e Testes Neste capítulo são apresentados alguns testes que foram realizados com o a solução de Gerenciamento de Mobilidade (API SIP User Agent) e com o sistema publish/subscribe

Leia mais