Marco Legal. Negócios com Cuba

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Marco Legal. Negócios com Cuba"

Transcrição

1 Marco Legal Negócios com Cuba

2 Marco Legal - Negócios com Cuba 1 1. EXPORTAÇÃO PARA CUBA Para fazer negócios em Cuba, os fornecedores/prestadores de serviços estrangeiros devem se inscrever na Carteira de Fornecedores (Cartera de Proveedores) das empresas cubanas 2, as quais podem solicitar a apresentação de documentação do possível fornecedor no início da relação comercial. Deste modo, a empresa brasileira interessada em exportar para Cuba deve 3 : 1. Definir o setor de seu interesse (industrial, serviços, comercial etc.) e buscar informações a respeito de possíveis empresas compradoras em Cuba. A Câmara de Comércio da República de Cuba fornece informações a respeito de empresas com licenças para importar e, em seu website, apresenta uma lista com essas empresas. O Centro de Negócios da Apex-Brasil em Havana pode assistir a empresa brasileira na obtenção de informações que sejam de seu interesse. 2. Solicitar o(s) visto(s) de negócios do(s) seu(s) representante(s) junto aos serviços consulares da Embaixada de Cuba em Brasília 4 ou ao Consulado de Cuba em São Paulo 5. Recomenda-se buscar informações a respeito da documentação necessária para o visto com antecedência. 3. Preparar a documentação necessária, consoante segue: Fase Descrição Local Documentos Legalização dos documentos a) Instrumento de constituição (contrato social, estatuto social, ato constitutivo); b) Registro na Junta Comercial; c) Garantia bancária da empresa ou do empresário individual expedida há não mais de três meses prévios à data de apresentação da solicitação por um banco brasileiro; e d) Último balanço auditado. a) Tradução juramentada dos documentos; b) Autenticação das firmas do documento original e da tradução pelos cartórios brasileiros; c) Legalização do original e da tradução pelo Ministério de Relações Exteriores do Brasil. d) Legalização do original e da tradução pelos serviços consulares da Embaixada de Cuba em Brasília ou pelo Consulado de Cuba em São Paulo, observada a jurisdição. Outra opção é legalizar somente os documentos originais e realizar sua tradução por meio dos serviços consulares cubanos (é preciso consultá-los previamente sobre essa possibilidade). Brasil Brasil Poderes de representação Apresentação das informações à Embaixada de Cuba em Brasília ou ao Consulado de Cuba em São Paulo para a elaboração da procuração ao representante legal da empresa em Cuba e ao(s) advogado(s) contratado em Cuba. Brasil 1 Material elaborado em junho de 2012 pela Unidade Jurídica da Apex-Brasil como informação geral para empresários brasileiros interessados em realizar negócios na República de Cuba. O conteúdo deste material não substitui a assessoria de(s) advogado(s). A Apex-Brasil não se responsabiliza pelos resultados de decisões que venham a ser tomadas com base no conteúdo deste material. Equipe: Silvia Menicucci (Coordenadora da Unidade Jurídica), Patrícia Santos (Supervisora de Assuntos Jurídicos Internacionais), Camila Paschoal (Advogada). Os dados divulgados neste material podem ser livremente reproduzidos desde que citada a fonte. 2 As contratações estão sujeitas à negociação entre as partes. Excepcionalmente, ocorrem procedimentos de contratação abertos e públicos, similares a licitações internacionais com termos de referência predeterminados, quando algum sócio estrangeiro solicita que sejam seguidos esses procedimentos ou quando os projetos são financiados por programas de ajuda das Nações Unidas, da União Europeia ou de doadores internacionais. 3 A Resolução nº 190/2001, do Ministério de Comércio Exterior, aprova o Regulamento sobre a atividade de exportação e importação e dispõe a respeito do contrato de compra e venda internacional, da consignação de mercadorias e do contrato de comissão. 4 Jurisdição: Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Sergipe e Tocantins. 5 Jurisdição: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

3 Acreditação e Protocolização a) Os documentos legalizados devem ser apresentados perante o Ministério de Relações Exteriores de Cuba (acreditação) e o cartório cubano (protocoliz ação). b) Esses procedimentos devem ser realizados por meio de (s) advogado(s) cubano(s). Cuba 4. Munido das cópias dos documentos legalizados, acreditados e protocolizados, ao banco autorizado (Banco Financiero Internacional S.A.) para abertura de conta corrente bancária em nome da empresa. 5. Procurar o Centro de Negócios da Apex-Brasil em Havana e/ou a Câmara de Comércio da República de Cuba se ainda houver dúvidas a respeito das possíveis empresas compradoras ou para contatar diretamente as empresas compradoras a fim de se inscrever na sua Carteira de Fornecedores. 6. Apresentar às empresas cubanas compradoras: Documentos a) Cópia dos documentos legalizados, acreditados e protocolizados; e b) Comprovação de conta corrente bancária em Cuba. Amostras a) Amostras físicas dos produtos que comercializa; ou b) Catálogos com ficha técnica e licenças, se for o caso. 1. Para alguns produtos, podem ser necessárias autorizações específicas em vista de regulamentos técnicos para sua importação (ex.: Registro Sanitário para alimentos e cosméticos e Documento de Idoneidade Técnica, outorgado pelo Ministério da Construção (MICONS), para alguns produtos do setor de construção civil). 2. Estabelecendo-se em Cuba Sucursal Agente Legislação aplicável à sucursal e ao agente Organismos reguladores da sucursal e do agente O Decreto nº 206/1996, do Comitê Executivo do Conselho de Ministros, dispõe a respeito do Regulamento do Registro Nacional de Sucursais e Agentes de Sociedades Mercantis Estrangeiras. A Resolução nº 25/1997, do Ministério de Comércio Exterior, dispõe a respeito da aplicação de medidas a sucursais e agentes que incorram em atos violatórios da ordem legal ou que sejam contrários aos princípios éticos da atividade comercial. Ministério de Comércio Exterior e Investimento Estrangeiro; e Câmara de Comércio da República de Cuba Descrição Representação de empresas estrangeiras (brasileiras) mediante constituição de sucursal. Representação de empresas estrangeiras (brasileiras) por meio de agente comercial.

4 Classificação Representação da matriz brasileira em território cubano; Empresa brasileira é responsável direta pelos compromissos e ônus assumidos pela sucursal cubana. Relação contratual; O Agente contratado (empresa estatal cubana agente autorizado) se obriga, em troca de uma comissão e atuando por conta e em nome da empresa brasileira, a promover, gerir e concluir negócios em território cubano; A Câmara de Comércio da República de Cuba indica os seguintes agentes autorizados: Representaciones Culturales, S.A. (RECSA); Representaciones Platino, S.A.; Corporación Panamericana. Instrumento de constituição Inscrição no Registro Nacional de Sucursais e Agentes de Sociedades Mercantis Estrangeiras; Licença expedida pela Câmara de Comércio da República de Cuba, por prazo determinado, podendo ser renovada. Contrato de agência firmado com uma entidade cubana devidamente autorizada (agentes autorizados);autorização do Ministério de Comércio Exterior e Investimento Estrangeiro; Inscrição no Registro Nacional de Sucursais e Agentes de Sociedades Mercantis Estrangeiras; Licença expedida pela Câmara de Comércio da República de Cuba, por prazo determinado, podendo ser renovada. Elementos de análise para a concessão do registro Interesse para Cuba; Nomenclatura dos produtos comercializados; Transferência de tecnologia; Concessão de créditos; Solvência econômica da empresa brasileira; e Prestígio da empresa brasileira. Interesse para Cuba; Nomenclatura dos produtos comercializados; Transferência de tecnologia; Concessão de créditos; Solvência econômica da empresa brasileira; e Prestígio da empresa brasileira.

5 Outros requisitos para o registro A empresa estrangeira (brasileira) deve: Ter no mínimo: 5 anos de constituição no seu país de origem; capital social de USD (cinquenta mil dólares americanos); 3 anos de relações comerciais prévias com Cuba; e volume de negócios anual com entidades cubanas de USD (quinhentos mil dólares americanos); Apresentar garantias comerciais de empresas e organismos cubanos, que apoiem a solicitação de abertura da sucursal e confirmem a duração e o montante das relações comerciais existentes; Pagar os honorários de registro. As empresas estrangeiras (brasileiras) ou os empresários individuais que não reúnam os requisitos previstos para o registro de sucursais podem se fazer representar por meio de agentes. Devem pagar os honorários de registro. Após o registro Uma vez registrada, a sucursal poderá: alugar escritórios e linhas de telefone; contratar pessoal cubano 1 ; comprar veículos (com autorização da Câmara de Comércio de Cuba); manter estabelecimento comercial. A abertura de sucursal não permite a: importação e exportação diretamente; distribuição ou transporte de mercadorias no território cubano. A representação por agente não pode: importar e exportar diretamente; distribuir ou transportar mercadorias no território cubano. 6 A Resolução nº 11/2000, do Ministério de Trabalho e Seguridade Social, que dispõe a respeito do Regulamento de Regime Laboral do Pessoal Contratado para Prestar Serviços nas Sucursais e Outras Normas Relacionadas com o Contrato de Prestação de Serviços, estabelece a necessidade de intermediação da contratação de cidadãos cubanos ou estrangeiros residentes permanentes em Cuba por meio de entidade empregadora (ACOREC, S.A.).

6 3. Investimento estrangeiro em Cuba Modalidades Empresa de capital totalmente estrangeiro Empresa mista Contrato de associação econômica internacional Legislação aplicável às 3 modalidades Constituição da República de Cuba, reformada em 1992; Lei nº 77/1995, da Assembleia Nacional do Poder Popular: Lei do Investimento Estrangeiro. Ministério de Comércio Exterior e Investimento Estrangeiro; Organismos reguladores das 3 modalidades Câmara de Comércio da República de Cuba; Outros departamentos de negócios vinculados a ministérios setoriais; Comitê Executivo do Conselho de Ministros (responsável pela aprovação final). Forma de solicitação A solicitação deve ser feita ao Ministério de Comércio Exterior e Investimento Estrangeiro; Os seguintes documentos devem ser apresentados: Aceitação expedida pela máxima autoridade do ramo ou da atividade econômica na qual se pretende realizar o investimento; Texto dos estatutos; Estudo de viabilidade econômica; Documentação que comprove a identidade e a solvência do investidor estrangeiro (brasileiro) e os poderes de representação (no caso de pessoa jurídica). A documentação deve estar legalizada, conforme procedimentos descritos no item 1 acima. A solicitação deve ser feita ao Ministério de Comércio Exterior e Investimento Estrangeiro, firmada juntamente pelos investidores estrangeiro (brasileiro) e cubano; Os seguintes documentos devem ser apresentados: Projeto do acordo de associação econômica; Projeto do estatuto da empresa mista que se pretende constituir ou do contrato que se pretende assinar; Estudo de viabilidade econômica; Documentação que comprove a identidade e a solvência do investidor estrangeiro (brasileiro) e os poderes de representação legítima (no caso de pessoa jurídica); Autorização da autoridade máxima do setor para que o investidor nacional (cubano) possa subscrever o acordo de associação econômica; Autorização da empresa estatal/sociedade mercantil/ sociedade civil de serviço cubana para se associar e poderes específicos para subscrever os documentos correspondentes. A documentação deve estar traduzida (tradução juramentada) e legalizada, conforme procedimentos descritos inicialmente.

7 Autorização para as 3 modalidades Outorgada pelo Comitê Executivo do Conselho de Ministros ou por uma Comissão do Governo (de acordo com a área de competência), com validade por um período determinado; Prorrogável se solicitado pelas partes interessadas antes do termo fixado. Associação econômica internacional; Classificação Sociedade anônima por ações nominativas; Personalidade jurídica própria, distinta da dos sócios; Finalidade lucrativa. Sociedade anônima por ações nominativas; Personalidade jurídica própria, distinta da dos sócios; Finalidade lucrativa. Acordo entre um ou mais investidores cubanos e um ou mais investidores estrangeiros (brasileiros), respeitados o objeto autorizado, as condições da autorização e a legislação vigente; Não constitui pessoa jurídica distinta da dos contratantes; Natureza contratual; Finalidade lucrativa.

8 Composição dos sócios/ contratantes Não há participação de investidores cubanos; O investidor pode vender ou transmitir sua participação mediante prévia autorização governamental, salvo pacto expresso em contrário. Um ou mais investidores cubanos [empresa(s) cubana(s) pertencente(s) ao setor econômico no qual se realiza o investimento] e um ou mais investidores estrangeiros (brasileiros); O investidor estrangeiro (brasileiro) pode, mediante prévio acordo e prévia autorização governamental, vender ou transmitir sua participação. Não há sócios e sim contratantes cubanos e estrangeiros (brasileiros); O investidor estrangeiro (brasileiro) pode, mediante prévio acordo, vender ou transmitir sua participação no contrato ao Estado ou a um terceiro. No caso de transmissão a terceiro, faz-se necessária prévia autorização governamental. Escritura pública; Instrumento de constituição Pessoa jurídica: inscrição de filial cubana da empresa estrangeira/brasileira (na forma de uma sociedade anônima por ações nominativas) no Registro Comercial; Pessoa natural: inscrição do investidor estrangeiro no registro da Câmara de Comércio da República de Cuba para atuar por si mesmo. Escritura pública. Em anexo, devem ser apresentados o convênio de associação econômica2, os estatutos da associação econômica (da empresa mista3) e a autorização outorgada pelo Comitê Executivo do Conselho de Ministros; Adquire personalidade jurídica com o Registro Comercial. Escritura pública; Entra em vigor no momento de sua inscrição no registro perante a Câmara de Comércio da República de Cuba. 7 Contém os acordos fundamentais entre os sócios sobre: a) a condução e o desenvolvimento das operações da empresa mista, assim como da consecução de seus objetivos (entre os quais estão aqueles que garantem a participação da parte cubana na administração ou coadministração da empresa e os relativos ao mercado que se assegura para a produção ou para os serviços da empresa); b) as bases do sistema de contabilidade; e c) o cálculo e a distribuição dos lucros. 8 Os estatutos da empresa mista incluem disposições relacionadas com a organização e operação da sociedade, entre as quais estão aquelas relativas à assembleia geral de acionistas, suas atribuições e organização; ao quórum requerido e aos requisitos para o exercício do direito ao voto na assembleia geral de acionistas; à estrutura e às atribuições do órgão de direção e administração; ao método mediante o qual os órgãos (tanto a assembleia geral de acionistas como o órgão de direção e administração) adotam suas decisões, que pode ser desde a simples maioria até a unanimidade; aos casos de dissolução; e ao procedimento para liquidação da empresa.

9 Capital social/ fundo comum Capital social totalmente estrangeiro (brasileiro). As proporções de capital social aportadas pelo investidor estrangeiro (brasileiro) e pelo investidor cubano são acordadas e estabelecidas na autorização outorgada pelo Comitê Executivo do Conselho de Ministros; A participação estrangeira (brasileira) alcança aproximadamente 50% (na maioria dos casos). Fundo comum; Cada parte contratante faz aportes distintos. Responsabilidade, controle e administração O investidor estrangeiro (brasileiro) exerce a direção da empresa, disfruta de todos os direitos e é responsável por todas as obrigações prescritas na autorização outorgada pelo Comitê Executivo do Conselho de Ministros; A indicação de administradores é feita na escritura pública ou na ata da Assembleia Geral. As responsabilidades e os direitos são definidos nos atos constitutivos e na autorização outorgada pelo Comitê Executivo do Conselho de Ministros; A indicação de administradores é feita na escritura pública ou na ata da Assembleia Geral; Órgãos societários habituais: Assembleia de Acionistas e Conselho de Administração; Nesses órgãos, os representantes das empresas cubanas seguem as diretrizes do Ministério que as tutela. A parte que realiza um ato de gestão que beneficie a todas é responsável pelo ato perante terceiros. Mas, na relação interna, cada parte é responsável na medida ou na proporção prevista no contrato. Estabelecimentos secundários Não aplicável Podem ser criados escritórios, representações, sucursais e filiais, no território cubano e no exterior, e pode haver participações em entidades no exterior. Não aplicável Extinções Prazo determinado contratualmente, podendo ser prorrogado; Não prorrogado o termo até seu vencimento, proceder-se-á à liquidação. Prazo determinado contratualmente, podendo ser prorrogado; Não prorrogado o termo até seu vencimento, proceder-se-á à liquidação. Prazo determinado contratualmente, podendo ser prorrogado.

10 3.1 Outras modalidades de investimento Modalidades Contrato de produção cooperada de bens ou de prestação de serviços Contrato de administração produtiva e/ou de serviços Contrato de administração hoteleira Legislação aplicável às 3 modalidades O Acordo nº 3827/2000, do Comitê Executivo do Conselho de Ministros, estabelece o procedimento para firmar contratos para a produção cooperada de bens ou a prestação de serviços, assim como a administração hoteleira e produtiva, com pessoas naturais ou jurídicas estrangeiras. A Resolução nº 37/2001, do Ministério de Investimento Estrangeiro e Colaboração Econômica, dispõe a respeito do procedimento para o registro, o controle e a supervisão deste tipo de contrato. O Acordo nº 5290/2004, do Comitê Executivo do Conselho de Ministros, determina a normativa relacionada com esse tipo de produção/prestação de serviços. Contrato entre uma empresa cubana e uma pessoa natural ou jurídica estrangeira (brasileira); Descrição Produção de bens ou prestação de serviços destinada ao mercado cubano ou à exportação; Parte estrangeira (brasileira): fornecimento e/ou financiamento de tecnologia, matérias-primas, produtos semielaborados, equipamentos e assistência técnica; Parte cubana: responsabilidade exclusiva pelas atividades de direção, administração e gestão, podendo ser assessorada pela parte estrangeira (brasileira) em correspondência com o contrato de assistência técnica. Contrato entre empresa cubana e pessoa jurídica estrangeira (brasileira); Parte estrangeira (brasileira): administração de linha(s) de produção, de instalação produtiva ou de serviços ou de parte das demais atividades que as empresas cubanas realizam. Contrato entre o titular de um hotel e uma empresa profissional de administração hoteleira (gerente); Gerente: administração e comercialização dos serviços que presta o hotel, sem transferência de propriedade ou de outro direito real do hotel. Aprovação para as 3 modalidades A solicitação ao Ministério de Comércio Exterior e Investimento Estrangeiro deve ser feita pelo chefe do organismo ao qual pertence a entidade cubana; O Ministério avalia por meio de comissões integradas e apresenta a solicitação ao Comitê Executivo do Conselho de Ministros; O Comitê Executivo aprova ou não a solicitação. Forma para as 3 modalidades Escritura pública; Vigência a partir do momento de sua inscrição no Registro Mercantil.

11 Prazo Projetos concretos, por períodos curtos, que não poderão exceder 3 anos a partir da entrada em vigor do contrato; O Comitê Executivo do Conselho de Ministros poderá, excepcionalmente, autorizar um termo superior. Prazo determinado na aprovação do Comitê Executivo do Conselho de Ministros. Valor do Contrato Pagamento do preço que se negocia por cada um dos componentes do contrato, a partir da comercialização do produto ou do serviço. Pagamento que mutuamente acordem as partes contratantes, condicionado aos resultados da gestão da administração realizada em correspondência aos indicadores pactuados. Pagamento de honorários. Objetivos Legais Desenvolvimento de produto ou prestação de serviço determinado com o fim de substituir importações, fomentar a exportação e/ou resultar em economia para o país. Desenvolvimento de produto ou prestação de serviço determinado com o fim de substituir importações, fomentar a exportação e/ou resultar em economia para o país; Oferta de melhores serviços ou produtos ao cliente; Maior rentabilidade da instalação ou da(s) linha(s) de produção; Benefícios com o uso de marca internacionalmente reconhecida; Benefícios com a publicidade, comercialização e promoção internacionais da outra parte contratante; Utilização de sistemas, desenhos, procedimentos e métodos de eficiência comprovada; Benefícios com as habilidades de gestão da outra parte contratante; e Oferta de melhores serviços ou produtos ao cliente; Maior rentabilidade da instalação ou da(s) linha(s) de produção; Benefícios com o uso de marca internacionalmente reconhecida; Benefícios com a publicidade, comercialização e promoção internacionais do gerente; Utilização de sistemas, desenhos, procedimentos e métodos de eficiência comprovada; Benefícios com as habilidades de gestão do gerente; e Acesso a financiamento. Acesso a financiamento.

12 Características comuns Não se realizam aportes pelas partes nem se cria um fundo comum entre elas. Não se compartilham o patrimônio estatal nem os lucros do negócio. Mensuração dos resultados Não se aplica Resultados a serem alcançados serão medidos por indicadores pactuados. Conta específica para as 3 modalidades Cada contrato deve operar como um centro de custo independente; A parte cubana deve ter autorização para operar uma conta bancária empregada somente para honrar as obrigações contraídas em função do contrato. LINKs DE INTERESSE Aduana - Cuba Cámara de Comercio de La República de Cuba Banco Financiero Internacional S.A. Centro de Negócios da Apex-Brasil em Havana Embajada de Cuba en Brasil Ministerio de Finanzas y Precios de Cuba Ministerio de Relaciones Exteriores de Cuba Ministerio del Comercio Exterior y La Inversión Extranjera de Cuba

13

14

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Total de profissionais, independentemente da escolaridade 2003 2007 2008 Professores da Ed Básica (públicas não

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

FRANQUIA HOME OFFICE

FRANQUIA HOME OFFICE FRANQUIA HOME OFFICE SUMÁRIO QUEM SOMOS PREMIAÇÕES ONDE ESTAMOS NOSSO NEGÓCIO MULTIMARCAS MULTISERVIÇOS PERFIL DO FRANQUEADO VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE TURISMO DESCRITIVO DO INVESTIMENTO PROCESSO DE SELEÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.166/09 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. regimentais, O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 55/04 Regulamentação do Protocolo de Contratações Públicas do MERCOSUL

MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 55/04 Regulamentação do Protocolo de Contratações Públicas do MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 55/04 Regulamentação do Protocolo de Contratações Públicas do MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, o Protocolo de Contratações Públicas do MERCOSUL

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

Profa. Joseane Cauduro. Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO

Profa. Joseane Cauduro. Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO Profa. Joseane Cauduro Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO Introdução A unidade I aborda: empresa e empresário; formação das sociedades; tipos de sociedades. Objetivos da disciplina: apresentar aos estudantes

Leia mais

EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY

EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY São convocados os senhores Usuários dos serviços de Telecomunicações e as associações ou entidades que possuam em seu objeto social características

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA BULGÁRIA SOBRE CONTRATAÇÃO RECÍPROCA DOS RESPECTIVOS NACIONAIS.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA BULGÁRIA SOBRE CONTRATAÇÃO RECÍPROCA DOS RESPECTIVOS NACIONAIS. Decreto n.º 23/2003 Aprova o Acordo entre a República Portuguesa e a República da Bulgária sobre Contratação Recíproca dos Respectivos Nacionais, assinado em Sófia em 26 de Setembro de 2002 Considerando

Leia mais

INVESTIR EM MOÇAMBIQUE

INVESTIR EM MOÇAMBIQUE INVESTIR EM MOÇAMBIQUE CRIAR UMA EMPRESA DE DIREITO MOÇAMBICANO Constituição de uma sociedade de direito moçambicano (%) Capital social mínimo Representação do capital social Sociedade por Quotas Não existe

Leia mais

Nota do autor, xv. 6 Nome Empresarial, 48 6.1 Conceito e função do nome empresarial, 48 6.2 O nome do empresário individual, 49

Nota do autor, xv. 6 Nome Empresarial, 48 6.1 Conceito e função do nome empresarial, 48 6.2 O nome do empresário individual, 49 Nota do autor, xv Parte I - Teoria Geral da Empresa, 1 1 Introdução ao Direito de Empresa, 3 1.1 Considerações gerais, 3 1.2 Escorço histórico: do direito comercial ao direito de empresa, 4 1.3 Fontes

Leia mais

JUAN ESTEBAN LAZO HERNÁNDEZ, Presidente da Assembléia Nacional do Poder Popular da República de Cuba.

JUAN ESTEBAN LAZO HERNÁNDEZ, Presidente da Assembléia Nacional do Poder Popular da República de Cuba. ASSEMBLÉIA NACIONAL DO PODER POPULAR JUAN ESTEBAN LAZO HERNÁNDEZ, Presidente da Assembléia Nacional do Poder Popular da República de Cuba. FAÇO SABER: Que a Assembléia Nacional do Poder Popular da República

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.390/12 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

ACORDO PARA A FACILITAÇÃO DE ATIVIDADES EMPRESARIAIS NO MERCOSUL

ACORDO PARA A FACILITAÇÃO DE ATIVIDADES EMPRESARIAIS NO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 32/04 ACORDO PARA A FACILITAÇÃO DE ATIVIDADES EMPRESARIAIS NO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Decisão Nº 26/03 do Conselho do Mercado

Leia mais

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES. Art. 2º Para os fins desta portaria, considera-se:

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES. Art. 2º Para os fins desta portaria, considera-se: Estabelece regras e procedimentos para a transferência de controle societário ou de titularidade e para a alteração do nome empresarial de contrato de concessão de porto organizado ou de arrendamento de

Leia mais

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012.

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. *Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. O Prefeito Municipal de Chapecó, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 7, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 7, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013 Presidência da República Secretaria da Micro e Pequena Empresa Secretaria de Racionalização e Simplificação Departamento de Registro Empresarial e Integração INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 7, DE 5 DE DEZEMBRO

Leia mais

ACORDO PARA A CRIAÇÃO DO VISTO MERCOSUL

ACORDO PARA A CRIAÇÃO DO VISTO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. N 16/03 ACORDO PARA A CRIAÇÃO DO VISTO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, o Protocolo de Montevidéu sobre o Comércio de Serviços, a Decisão do

Leia mais

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 29 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 29 E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS,

Leia mais

INGRESSO DE PROFISSIONAIS ESTRANGEIROS NO BRASIL

INGRESSO DE PROFISSIONAIS ESTRANGEIROS NO BRASIL INGRESSO DE PROFISSIONAIS ESTRANGEIROS NO BRASIL REGISTRO PROFISSIONAL E ACERVO TÉCNICO A EXPERIÊNCIA DO CREA-PR Eng. Civ. Joel Krüger Presidente CREA-PR Sistema CONFEA/CREAs 977.750 Profissionais 306

Leia mais

WORKSHOP RENOVAÇÃO DO CERTIFICADO DE ENTIDADE FILANTRÓPICA (CEAS) PARA ENTIDADES DE EDUCAÇÃO

WORKSHOP RENOVAÇÃO DO CERTIFICADO DE ENTIDADE FILANTRÓPICA (CEAS) PARA ENTIDADES DE EDUCAÇÃO WORKSHOP RENOVAÇÃO DO CERTIFICADO DE ENTIDADE FILANTRÓPICA (CEAS) PARA ENTIDADES DE EDUCAÇÃO Palestrante: KILDARE MEIRA São Paulo, 19 de março de 2012. 1ª EXPOSIÇÃO: PROCEDIMENTO DE RENOVAÇÃO DO CEAS COMO

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

INVESTIR EM CABO VERDE

INVESTIR EM CABO VERDE INVESTIR EM CABO VERDE CONSTITUIÇÃO DE UMA SOCIEDADE DE DIREITO CABO-VERDIANO Capital social mínimo Representação do capital social Responsabilidade limitada Número mínimo de sócios/acionistas Órgãos sociais

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 20, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 20, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013 Presidência da República Secretaria da Micro e Pequena Empresa Secretaria de Racionalização e Simplificação Departamento de Registro Empresarial e Integração INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 20, DE 5 DE DEZEMBRO

Leia mais

DECRETO Nº 2.369, DE 10 DE NOVEMBRO DE 1997

DECRETO Nº 2.369, DE 10 DE NOVEMBRO DE 1997 DECRETO Nº 2.369, DE 10 DE NOVEMBRO DE 1997 Regulamenta a Lei nº 6.704, de 26.10.79, que dispõe sobre o Seguro de Crédito à Exportação, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PESSOA JURÍDICA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PESSOA JURÍDICA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PESSOA JURÍDICA Para a liberação de acesso ao Cadastro NIS pela internet, o empregador deverá entregar na Agência onde será concedida a autorização, cópia e original de documentação

Leia mais

Documentação Exigida para Inscrição no Cadastro Fiscal do Distrito Federal

Documentação Exigida para Inscrição no Cadastro Fiscal do Distrito Federal Documentação Exigida para Inscrição no Cadastro Fiscal do Distrito Federal Secretaria de Estado de Fazenda do Distrito Federal 2005 ÍNDICE 1) SOCIEDADE EMPRESÁRIA LTDA:... 3 2) SOCIEDADE ANONIMA S/A:...

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA No 94, DE 05 DE DEZEMBRO DE 2002

INSTRUÇÃO NORMATIVA No 94, DE 05 DE DEZEMBRO DE 2002 INSTRUÇÃO NORMATIVA No 94, DE 05 DE DEZEMBRO DE 2002 Dispõe sobre a especificação de atos integrantes da Tabela de Preços dos Serviços prestados pelos órgãos do Sistema Nacional de Registro de Empresas

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Documentação Live TIM Dedicado

Documentação Live TIM Dedicado Documentação Live TIM Dedicado . PROPOSTA APROVADA SISTEMA ANÁLISE LISTA 1. Documentos básicos necessários por tipo de empresa: Sociedades Limitadas Validação Documentação Última Alteração Contratual arquivada

Leia mais

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

INSTRUÇÕES NORMATIVAS - DNRC

INSTRUÇÕES NORMATIVAS - DNRC INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 88, DE 02 DE AGOSTO DE 2001 Dispõe sobre o arquivamento dos atos de transformação, incorporação, fusão e cisão de sociedades mercantis. O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE REGISTRO

Leia mais

O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil. Julho de 2009

O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil. Julho de 2009 O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil Julho de 2009 Introdução Objetivos: - Avaliar as principais características do universo das micro e pequenas empresas (MPEs) brasileiras quanto

Leia mais

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012 Contas Regionais do Brasil 2012 (continua) Brasil Agropecuária 5,3 Indústria 26,0 Indústria extrativa 4,3 Indústria de transformação 13,0 Construção civil 5,7 Produção e distribuição de eletricidade e

Leia mais

REGULAMENTO DE ASSOCIAÇÃO A ABF POTENCIAL FRANQUEADOR, POTENCIAL FRANQUEADO, FRANQUEADOR INTERNACIONAL e COLABORADOR INTERNACIONAL

REGULAMENTO DE ASSOCIAÇÃO A ABF POTENCIAL FRANQUEADOR, POTENCIAL FRANQUEADO, FRANQUEADOR INTERNACIONAL e COLABORADOR INTERNACIONAL REGULAMENTO DE ASSOCIAÇÃO A ABF POTENCIAL FRANQUEADOR, POTENCIAL FRANQUEADO, FRANQUEADOR INTERNACIONAL e COLABORADOR INTERNACIONAL A SUA MARCA NA ABF Obrigado pelo seu interesse em associar a ABF. Este

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.371/11 Dispõe sobre o Registro das Entidades Empresariais de Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE: CAPÍTULO

Leia mais

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2013

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2013 Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual Julho 2013 SS JUSTIÇA MG SS Justiça MG Julho 2013 Tabela 1 Tribunais de Justiça Estadual posicionados conforme Vencimento Básico Vencimentos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília Mensagem eletrônica n.º 229/2015-SIC/DIREX/DPF Prezada Senhora, 1. Trata-se de requerimento de informação

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO EM CUBA

COMÉRCIO EXTERIOR E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO EM CUBA COMÉRCIO EXTERIOR E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO EM CUBA EMBAIXADA DO BRASIL - HAVANA Setor Comercial Maio de 2013 Como exportar para Cuba 1. Questões Centrais Somente empresas que possuem licença emitida

Leia mais

CREDITO SUPLEMENTAR E G R M I F FUNC PROGRAMATICA PROGRAMA/ACAO/SUBTITULO/PRODUTO S N P O U T VALOR F D D E 0083 PREVIDENCIA SOCIAL BASICA 48553400

CREDITO SUPLEMENTAR E G R M I F FUNC PROGRAMATICA PROGRAMA/ACAO/SUBTITULO/PRODUTO S N P O U T VALOR F D D E 0083 PREVIDENCIA SOCIAL BASICA 48553400 ORGAO : 33000 - MINISTERIO DA PREVIDENCIA SOCIAL UNIDADE : 33201 - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ANEXO CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1,

Leia mais

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO Disciplina: Direito Empresarial II JUR 1022 Turma: C02 Prof.: Luiz Fernando Capítulo VI SOCIEDADES ANÔNIMAS 1. Evolução Legal: a) Decreto n. 575/49;

Leia mais

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração CEMIG TRADING S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 29-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 12-08-2002, sob o nº 3130001701-0, e pelas Assembléias

Leia mais

Termo de Cooperação Técnica entre as Procuradorias Gerais dos Estados e do Distrito Federal

Termo de Cooperação Técnica entre as Procuradorias Gerais dos Estados e do Distrito Federal Termo de Cooperação Técnica entre as Procuradorias Gerais Termo de Cooperação Técnica celebrado entre as Procuradorias Gerais das Unidades Federais do Acre, Amazonas, Alagoas, Amapá, Bahia, Ceará, Distrito

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 21, DE 28 DE MAIO DE 2002(*)

RESOLUÇÃO Nº 21, DE 28 DE MAIO DE 2002(*) Republicação Ministério dos Transportes Agência Nacional de Transportes Terrestres Diretoria-Geral RESOLUÇÃO Nº 21, DE 28 DE MAIO DE 2002(*) A Diretoria da Agência Nacional de Transportes Terrestres -ANTT,

Leia mais

Aprendizagem Profissional e os desafios da Portaria MTE nº 723/2012.

Aprendizagem Profissional e os desafios da Portaria MTE nº 723/2012. Aprendizagem Profissional e os desafios da Portaria MTE nº 723/2012. Rozangela Borota Teixeira III Encontro Nacional de Técnicos da FEBRAEDA Campinas, 24 de agosto de 2012. 1 Aprendizagem Profissional

Leia mais

5 de fevereiro de 2002

5 de fevereiro de 2002 5 de fevereiro de 2002 O Banco do Estado do Amazonas Bea foi privatizado em 24 de Janeiro de 2002 por R$ 182,9 milhões, equivalentes ao preço mínimo. O adquirente foi o Bradesco, um conglomerado financeiro

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/bdi/ats/12/ato_cotepe_icms_009_2012.php

http://www.econeteditora.com.br/bdi/ats/12/ato_cotepe_icms_009_2012.php Página 1 de 6 ATO COTEPE/ICMS Nº 009, DE 13 DE MARÇO DE 2012 (DOU de 22.03.2012) Estabelece a disciplina relativa à utilização pelo contribuinte do Sistema de Autenticação e Transmissão de Cupom Fiscal

Leia mais

Marcelo Monello Conselheiro

Marcelo Monello Conselheiro Marcelo Monello Conselheiro Prestação de contas das Entidades de Assistência Social O que são gratuidades? Como deve ser realizado esse lançamento no caso das contribuições das empresas 1 da taxa de contribuição

Leia mais

CONVÊNIO DE RECIPROCIDADE E COOPERAÇÃO TÉCNICA OFERTA DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE ODONTOLÓGICA

CONVÊNIO DE RECIPROCIDADE E COOPERAÇÃO TÉCNICA OFERTA DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE ODONTOLÓGICA CONVÊNIO DE RECIPROCIDADE E COOPERAÇÃO TÉCNICA OFERTA DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE ODONTOLÓGICA BELO DENTE FAMILIAR E INDIVIDUAL Registro Produto nº. 455.668/06-2. SINCOR-MG, Sindicato dos Corretores

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA MAA N 03, DE 9 DE FEVEREIRO DE 1999.

INSTRUÇÃO NORMATIVA MAA N 03, DE 9 DE FEVEREIRO DE 1999. INSTRUÇÃO NORMATIVA MAA N 03, DE 9 DE FEVEREIRO DE 1999. O Ministro de Estado da Agricultura e do Abastecimento, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE Pelo presente instrumento a Associação Brasileira de Arte Contemporânea - ABACT apresenta o Manual de Procedimentos e Adesão referente às regras

Leia mais

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94.

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA, e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. RESOLUÇÃO 942 / 99 Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. Referência: INFORMAÇÃO PADRONIZADA SD/CCE - 01 /99, de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.881, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013. Mensagem de veto Dispõe sobre a definição, qualificação, prerrogativas e finalidades das

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica LEI N o 5.899, DE 5 DE JULHO DE 1973. Dispõe sobre a aquisição dos serviços de eletricidade da ITAIPU e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI Seminário Metas do Plano e dos Sistemas Municipal, Estadual e Nacional de Cultura Vitória-ES 05/Dez/2011 Secretaria de Articulação Institucional SAI A Construção

Leia mais

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Ementa: Dispõe sobre as instruções para Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina. Fonte: CFM O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

SEGUNDA RODADA DE NEGOCIAÇÃO DE COMPROMISSOS ESPECÍFICOS EM MATÉRIA DE SERVIÇOS

SEGUNDA RODADA DE NEGOCIAÇÃO DE COMPROMISSOS ESPECÍFICOS EM MATÉRIA DE SERVIÇOS MERCOSUL/CMC/DEC Nº 56/00 SEGUNDA RODADA DE NEGOCIAÇÃO DE ROMISSOS ESPECÍFICOS EM MATÉRIA DE SERVIÇOS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Decisões Nº 13/97, 9/98, 12/98

Leia mais

Certificado Digital - Pessoa Jurídica. DOCUMENTOS NECESSÁRIOS DA PESSOA JURÍDICA (CNPJ A1 ou CNPJ A3)

Certificado Digital - Pessoa Jurídica. DOCUMENTOS NECESSÁRIOS DA PESSOA JURÍDICA (CNPJ A1 ou CNPJ A3) Certificado Digital - Pessoa Jurídica DOCUMENTOS NECESSÁRIOS DA PESSOA JURÍDICA (CNPJ A1 ou CNPJ A3) Além dos documentos da Pessoa Jurídica, são necessários, também, dois documentos de identificação do

Leia mais

ENTIDADES DE UTILIDADE PÚBLICA. Como criar ou adequar a sua

ENTIDADES DE UTILIDADE PÚBLICA. Como criar ou adequar a sua ENTIDADES DE UTILIDADE PÚBLICA Como criar ou adequar a sua A presente publicação é dirigida às pessoas que desejam ir além de suas obrigações e deveres individuais, para trabalharem por questões de interesse

Leia mais

GOVERNO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TECNOLÓGICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO PIAUÍ

GOVERNO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TECNOLÓGICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO PIAUÍ TABELA DE PREÇOS PÚBLICOS JUCEPI Vigência 06/04/2015 ATOS INTEGRANTES DA TABELA DE PREÇOS DOS SERVIÇOS DO REGISTRO PÚBLICO DE EMPRESAS MERCANTIS E ATIVIDADES AFINS Ordem 01 ATOS SERVIÇOS PRESTADOS Normal

Leia mais

Apenas para referência CEPA. Sector ou. 7. Actividade Financeira. Subsector

Apenas para referência CEPA. Sector ou. 7. Actividade Financeira. Subsector CEPA B. Actividade bancária e outros serviços financeiros [excluindo actividade seguradora e serviços de compra e venda de títulos financeiros (securities)] a. Aceitação de depósitos e outros fundos reembolsáveis

Leia mais

e renda Superintendência Nacional Estratégia Competitividade das MPE Associação e a cooperação Micro e Pequeno Empreendedorismo

e renda Superintendência Nacional Estratégia Competitividade das MPE Associação e a cooperação Micro e Pequeno Empreendedorismo e renda Superintendência Nacional Estratégia Competitividade das MPE Micro e Pequeno Empreendedorismo e renda Superintendência Nacional Estratégia Competitividade das MPE Micro e Pequeno Empreendedorismo

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE ORGANIZAÇÕES ESTRANGEIRAS DESTINADAS A FINS DE INTERESSE COLETIVO NO BRASIL

AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE ORGANIZAÇÕES ESTRANGEIRAS DESTINADAS A FINS DE INTERESSE COLETIVO NO BRASIL AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE ORGANIZAÇÕES ESTRANGEIRAS DESTINADAS A FINS DE INTERESSE COLETIVO NO BRASIL 1. Organizações estrangeiras destinadas a fins de interesse coletivo 1 No direito brasileiro,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE ALAGOAS

SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE ALAGOAS SERVIÇOS PRESTADOS PELA 1. EMPRESÁRIO (213-5) DO F 1.1. Inscrição (registro inicial) 080 080 02 dias úteis R$ 85,00 R$ 10,00 1.2 Alteração (exceto para filiais) Alteração de nome empresarial (código de

Leia mais

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2014

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2014 Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual Julho 2014 SS JUSTIÇA MG SS Justiça MG Julho 2014 Tabela 1 Tribunais de Justiça Estadual posicionados conforme Vencimento Básico Vencimentos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TURISMO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE ALAGOAS

SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TURISMO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE ALAGOAS SERVIÇOS PRESTADOS PELA DO DO F 1. EMPRESÁRIO (213-5) 1.1. Inscrição (registro inicial) 080 080 02 dias úteis R$ 88,00 R$ 10,00 1.2 Alteração (exceto para filiais) Alteração de nome empresarial (código

Leia mais

ANO XXVI - 2015 3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2015

ANO XXVI - 2015 3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2015 ANO XXVI - 2015 3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2015 IPI NOMENCLATURA COMUM DO MERCOSUL NCM PARTE I - CONSULTA À RECEITA FEDERAL... Pág. 101 ICMS RJ ESTADOS SIGNATÁRIOS DO PROTOCOLO

Leia mais

O QUE É. Uma política de governo para redução da pobreza e da fome utilizando a energia como vetor de desenvolvimento. Eletrobrás

O QUE É. Uma política de governo para redução da pobreza e da fome utilizando a energia como vetor de desenvolvimento. Eletrobrás O QUE É Uma política de governo para redução da pobreza e da fome utilizando a energia como vetor de desenvolvimento 1 QUEM SÃO Total de Pessoas: 12.023.703 84% Rural 16% Urbano Total: 10.091.409 Total:

Leia mais

a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração;

a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração; ALTERAÇÃO DE SOCIEDADE EMPRESÁRIA: *ELEMENTOS DA ALTERAÇÃO CONTRATUAL a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração; b) Preâmbulo; c) Corpo da alteração: Nova

Leia mais

Investimento Direto Estrangeiro e Tributação de Bens e Serviços no Brasil. Setembro 2015

Investimento Direto Estrangeiro e Tributação de Bens e Serviços no Brasil. Setembro 2015 Investimento Direto Estrangeiro e Tributação de Bens e Serviços no Brasil Setembro 2015 Investimento Direto Estrangeiro e Tributação de bens e serviços 1. Investimento Direto Estrangeiro Constituição de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3622 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 3622 RESOLVEU: RESOLUÇÃO Nº 3622 Dispõe sobre as operações de redesconto e de empréstimo de que trata a Medida Provisória n 442, de 6 de outubro de 2008, e dá outras providências. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma

Leia mais

1. Antecedentes. TERMO DE REFERÊNCIA nº 012/2014

1. Antecedentes. TERMO DE REFERÊNCIA nº 012/2014 TERMO DE REFERÊNCIA nº 012/2014 Ref: Contratação de escritório de advocacia especializado em Direito Tributário para elaboração de Parecer relacionado à incidência de tributos federais e municipais sobre

Leia mais

DIREITO SOCIETÁRIO. Sociedades não personificadas

DIREITO SOCIETÁRIO. Sociedades não personificadas DIREITO SOCIETÁRIO As sociedades são classificadas como simples ou empresárias (art. 982, CC). As sociedades empresárias têm por objeto o exercício da empresa: as sociedades simples exercem uma atividade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.120. II - (Revogado pela Resolução 2927, de 17/01/2002). III - (Revogado pela Resolução 2099, de 17/08/1994).

RESOLUÇÃO Nº 1.120. II - (Revogado pela Resolução 2927, de 17/01/2002). III - (Revogado pela Resolução 2099, de 17/08/1994). 1 RESOLUÇÃO Nº 1.120 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada nesta data, tendo em vista as disposições

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 7.938 0,37 0 0,00-7.938 0,37

Leia mais

Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências

Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências INSTRUÇÃO NORMATIVA MMA Nº 4, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências A MINISTRA DE ESTADO

Leia mais

ESTABELECIMENTO DE EMPRESAS EM MOÇAMBIQUE

ESTABELECIMENTO DE EMPRESAS EM MOÇAMBIQUE ESTABELECIMENTO DE EMPRESAS EM MOÇAMBIQUE Edição Online e coordenação técnica: Icep Portugal/Unidade Conhecimento de Mercado Actualização: Unidade Conhecimento de Mercado Data: Julho 2004 ÍNDICE 1. Princípios

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRET ARIA DA FAZENDA JU NTA C OM ERCI AL DO E STADO DE S ÃO P AU LO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRET ARIA DA FAZENDA JU NTA C OM ERCI AL DO E STADO DE S ÃO P AU LO DELIBERAÇÃO JUCESP N 1, DE 06 DE ABRIL DE 2010. Aprova Tabela de Preços dos atos pertinentes ao Registro Público de Empresas Mercantis e Atividades Afins O PLENÁRIO DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE

POLÍTICA NACIONAL DE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS 15/09/2014: implantação - situação atual Joaquim Antônio de Oliveira joaquim.oliveira@mma.gov.br (61) 2028 2504 Resíduos sólidos: um problema de caráter social, ambiental

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação Junta Comercial do Estado de São Paulo

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação Junta Comercial do Estado de São Paulo ANEXO I A QUE SE REFERE À DELIBERAÇÃO JUCESP Nº 01, DE 18 DE MARÇO DE 2015. TABELA DE PREÇOS DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO JUCESP APROVADA PELO COLÉGIO DE VOGAIS DA JUCESP EM SESSÃO PLENÁRIA

Leia mais

(AICL, ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL COLÓQUIOS DA LUSOFONIA) REGULAMENTO INTERNO AICL

(AICL, ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL COLÓQUIOS DA LUSOFONIA) REGULAMENTO INTERNO AICL REGULAMENTO INTERNO AICL 1) Foi constituída em 28 outubro e legalizada em 6 de dezembro 2010, com início fiscal de atividades em 1 de janeiro de 2011, uma ASSOCIAÇÃO CULTURAL DE FINS NÃO- LUCRATIVOS, denominados

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004. (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005)

RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004. (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005) RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004 (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005) O Conselho Federal de Medicina, no uso das atribuições que lhe confere a

Leia mais

Consórcio Público. Administração Indireta

Consórcio Público. Administração Indireta Ordem Social Ordem Econômica Administração Direta Autarquia Fundação Publica Fundação Publica Empresa Pública Sociedade Economia Mista Subsidiária Consórcio Público Administração Indireta 1 Consórcio público

Leia mais

Celebrado em Brasília, aos 20 dias do mês de março de 1996, em dois originais, nos idiomas português e alemão, ambos igualmente válidos.

Celebrado em Brasília, aos 20 dias do mês de março de 1996, em dois originais, nos idiomas português e alemão, ambos igualmente válidos. ACORDO-QUADRO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA SOBRE COOPERAÇÃO EM PESQUISA CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO O Governo da República

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.649, DE 11 DE MARÇO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.649, DE 11 DE MARÇO DE 2013 CIRCULAR Nº 3.649, DE 11 DE MARÇO DE 2013 Dispõe sobre os procedimentos para instrução de processos de constituição, autorização para funcionamento, alterações de controle societário, reorganização societária,

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais