REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Stricto Sensu DO INSTITUTO FERNANDES FIGUEIRA DA FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Stricto Sensu DO INSTITUTO FERNANDES FIGUEIRA DA FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ"

Transcrição

1 1 REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Stricto Sensu DO INSTITUTO FERNANDES FIGUEIRA DA FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ Regimento analisado e aprovado pelo Corpo de Doutores e Comissão de Pós-Graduação em 07/12/2009. Disposições Comuns aos Cursos de Mestrado e Doutorado 1. Dos objetivos e da organização geral 1.1 Os Cursos de Pós-Graduação stricto sensu do Programa de Pós-graduação em Saúde da Criança e da Mulher do Instituto Fernandes Figueira da Fundação Oswaldo Cruz (PSCM/IFF/FIOCRUZ), ministrados em dois níveis, Mestrado e Doutorado, têm por objetivo a formação de pessoal qualificado para o exercício de atividades de pesquisa, de magistério de ensino superior e profissional nos campos das ciências e tecnologias em saúde O Mestrado Acadêmico objetiva o aprofundamento do conhecimento técnicocientífico e acadêmico, possibilitando a formação de docentes para o ensino superior, bem como o desenvolvimento de competência para realizar pesquisas e desenvolver processos, produtos e metodologias em áreas específicas O Doutorado objetiva o desenvolvimento de competência para conduzir pesquisas originais e independentes em áreas específicas O Mestrado Profissional objetiva o aprofundamento do conhecimento técnicocientífico, bem como o desenvolvimento de competência para executar pesquisas operacionais e desenvolver processos, produtos e metodologias em áreas específicas. Parágrafo único - O Mestrado Profissional será objeto de regulamentação específica. 1.5 Na organização dos cursos de pós-graduação serão observados os princípios do Regimento Geral da FIOCRUZ 1.6 Os cursos de Mestrado envolverão a preparação obrigatória de Dissertação que deverá demonstrar capacidade de domínio e sistematização do tema e da metodologia científica adotada, podendo ser em formato tradicional, sob a forma de artigos ou livro sobre o tema em estudo. 1.7 Os cursos de Doutorado envolverão a preparação obrigatória de tese necessariamente original, podendo ser em formato tradicional, sob forma de livro ou coletânea de artigos (mínimo dois), nos quais o aluno deverá ser o primeiro autor. 2. Da organização didática 2.1 Os conteúdos nos cursos de Mestrado e Doutorado poderão ser disponibilizados sob a forma de preleção, seminários, discussão em grupo, trabalhos práticos, de investigação ou outros procedimentos didáticos próprios de cada área, incluindo-se treinamento em serviço. 2.2 Os cursos de Mestrado e Doutorado deverão oferecer disciplinas e exigir conteúdos indispensáveis para configuração da Área da Saúde Coletiva a serem cumpridos pelos alunos.

2 2.3 Nas disciplinas ministradas nos cursos de Mestrado e Doutorado será exigido do aluno um mínimo de 75% (setenta e cinco por cento) de freqüência. 2.4 A avaliação dos alunos pelo Professor poderá ser realizada através de provas, trabalhos finais ou outras atividades solicitadas para este fim. O prazo para realização das tarefas para avaliação é definido pelo docente responsável pela disciplina, não devendo ultrapassar 60 dias a contar do último dia de aula. 2.5 O prazo para entrega das notas dos alunos na Secretaria Acadêmica pelo Docente responsável é de no máximo 90 dias a contar do último dia de aula da disciplina. 3. Da coordenação 3.1 A coordenação didática dos cursos de Mestrado e Doutorado será exercida por uma Comissão de Pós-Graduação (CPG), presidida por um Coordenador, docente credenciado do programa, indicado pela Comissão eleita pelo corpo de docentes. A CPG deverá atender as seguintes condições: a) participação de 05 (cinco) integrantes, sendo 04 (quatro) docentes permanentes eleitos pelo corpo de docentes da PSCM/IFF/FIOCRUZ e o Chefe do Departamento de Ensino em exercício; b) Será considerado suplente o quinto docente mais votado. c) quorum mínimo para deliberação 3 (três) pessoas Os docentes terão mandato de 03 (três) anos, sendo permitida sua recondução ao cargo. 3.3 São atribuições da CPG nos cursos de Mestrado e Doutorado: a) orientar e coordenar as atividades do curso, podendo recomendar a indicação ou substituição de docentes; b) elaborar o currículo dos cursos, com indicação dos pré-requisitos e dos créditos das disciplinas que o compõem, para aprovação pelo Colegiado de Doutores da Pós- Graduação Stricto Sensu; c) fixar diretrizes dos programas das disciplinas e recomendar modificações aos respectivos responsáveis; d) decidir questões referentes à matrícula, re-matrícula, re-opção, dispensa de disciplinas, transferência, aproveitamento e reconhecimento de créditos, bem como as representações e recursos que lhe forem dirigidos e estabelecer critérios para admissão e readmissão no curso; e) representar ao órgão competente, no caso de infração disciplinar; f) propor à Câmara Técnica de Ensino e ao Diretor do IFF/FIOCRUZ, medidas necessárias ao bom andamento do curso; g) aprovar, mediante análise de curriculum vitae, os nomes dos professores que integrarão o corpo docente e dos orientadores do curso, utilizando-se, quando necessário, de consultores externos à área de concentração ou à Instituição; h) aprovar a Comissão Examinadora para os exames de seleção, qualificação e defesa pública de dissertação de Mestrado e tese de Doutorado; i) acompanhar e avaliar as atividades do curso em articulação com os demais setores da unidade; j) estabelecer as normas do curso ou a sua alteração, submetendo-as à aprovação da Câmara Técnica de Ensino; l) estabelecer procedimentos que assegurem ao pós-graduando efetiva orientação acadêmica da dissertação e/ou tese; m) estabelecer critérios para alocação de bolsas e acompanhamento de desempenho dos bolsistas; n) elaborar o catálogo do curso e colaborar na elaboração do Catálogo Geral dos cursos da Fiocruz. 2

3 o) colaborar com todas as instâncias envolvidas no curso, nas iniciativas de aperfeiçoamento, acompanhamento e avaliação da pesquisa e produção do curso; p) reunir-se ordinariamente pelo menos 1(uma) vez a cada dois meses; ou em reuniões extraordinárias, quando convocadas pelo coordenador ou pelo menos por dois outros membros efetivos 3.4 O Coordenador terá a função de articular os cursos existentes da PSCM /IFF /FIOCRUZ, integrando-os no sistema de Pós-Graduação da FIOCRUZ, cumprindo uma função técnico-administrativa e de política interna e representativa do IFF /FIOCRUZ, junto aos órgãos de regulação e fomento do Ensino: CAPES, CNPq e outros. 3.5 Além das funções executivas citadas no item 3.4, o Coordenador presidirá a Comissão da Pós-Graduação do PSCM/IFF/FIOCRUZ e fará parte da Câmara Técnica de Ensino do Instituto Fernandes Figueira. 3.6 O Coordenador deverá ser um profissional com titulação de doutor ou equivalente. 3.7 O Coordenador da PSCM/IFF/FIOCRUZ terá mandato de 3 (três) anos, sendo permitida sua recondução, competindo-lhe as seguintes atribuições: a) convocar as reuniões da CPG e presidi-las; b) coordenar a execução do programa de pós-graduação, de acordo com as deliberações da CPG; c) remeter à CPG todos os relatórios e informações sobre as atividades do curso; d) enviar à Secretaria Acadêmica do curso nos prazos previstos, calendários das atividades escolares de cada ano e demais informações e registro da vida acadêmica dos pós-graduandos; e) exercer outras atribuições previstas no Regimento Interno do Curso; f) representar a PSCM/IFF/FIOCRUZ nas reuniões da Sub-Câmara de Ensino na FIOCRUZ, bem como nas reuniões promovidas pelo representante da área da Saúde Coletiva; g) responsabilizar-se pelo preenchimento e envio das informações à CAPES anualmente (DATACAPES). h) propor e coordenar o processo de modificação deste regimento. 3.8 Coordenador terá como suporte administrativo uma Secretaria Acadêmica com funções de: a) receber e expedir documentação relativa a normas, procedimentos e acompanhamento institucional dos cursos, convênios e programas; b) administrar a demanda de solicitações de bolsas de estudo no país e no exterior relativas aos cursos, articulando-se com os órgãos financiadores e o Setor Financeiro do Departamento de Recursos Humanos da FIOCRUZ; c) manter organizado um banco de dados com informações atualizadas sobre os cursos. 3.9 A estrutura da Secretaria Acadêmica será composta de: a) um (a) secretário(a) acadêmico(a), com formação de nível superior, responsável por todo o suporte administrativo da Coordenação Geral; b) uma equipe administrativa capaz de fazer frente às necessidades acadêmicas A Secretaria Acadêmica prestará serviços relacionados à coordenação e gestão dos cursos da PSCM/IFF/FIOCRUZ. 3.11Coordenação dará suporte para a estruturação da Secretaria Acadêmica dos cursos. 3

4 4 4. Dos docentes e da orientação 4.1 Os docentes dos cursos em nível de Mestrado e Doutorado deverão ter a titulação de Doutor ou equivalente e produção intelectual condizente com os critérios vigentes da CAPES na Área de Saúde Coletiva. 4.2 Todo candidato admitido em curso de Mestrado e Doutorado terá, a partir de sua admissão, a supervisão de um orientador que poderá ser substituído de acordo com a aprovação da CPG. 4.3 O orientador de dissertação ou de tese deverá ter o título de Doutor ou equivalente, dedicar-se à pesquisa e ser credenciado pela CPG. 4.4 A juízo da CPG, docentes e pesquisadores não vinculados ao curso e pertencentes a outras instituições, poderão ser admitidos como co-orientadores para projetos determinados e para isso serão credenciados pela CPG Os orientadores deverão limitar o número de pós-graduandos a serem orientados num determinado período a um número compatível com suas linhas de pesquisa e/ou laboratórios e aos critérios CAPES. O orientador de dissertação ou de tese deverá estar credenciado de acordo com critérios estabelecidos pela CPG em consonância com os critérios de avaliação da CAPES. 4.6 Compete ao orientador: a) orientar o pós-graduando na organização de seu plano de estudos, bem como assisti-lo na sua formação para área correspondente; b) dar assistência ao pós-graduando na elaboração e execução de seu projeto de tese e/ou dissertação; c) escolher, quando necessário, de comum acordo com o pós-graduando, e para atender às necessidades de sua formação, um co-orientador, pertencente ou não à FIOCRUZ. Para co-orientador de tese de doutorado exige-se o grau de doutor e no caso de co-orientação de dissertação de mestrado o grau poderá ser de mestre. d) exercer outras atividades previstas no Regimento Interno do Curso. 4.7 O credenciamento de docente orientador em qualquer caso terá validade pelo período não superior a 02 (dois) anos, findo o qual deverá ser recredenciado pela CPG. 4.8 Para renovação de seu credenciamento, o docente deverá demonstrar produtividade científica e/ou profissional desenvolvida no período anterior, em termos de trabalhos publicados em periódicos reconhecidos e de ampla circulação na Área de Saúde Coletiva, conceituados pelo Qualis e orientação de dissertações e teses. 5. Do Número de Vagas 5.1 O número de vagas para os cursos de Mestrado e Doutorado deverá ser fixado em Edital de Concurso e levará em consideração, entre outros, os seguintes elementos: a) capacidade de orientação comprovada através da existência de orientadores com disponibilidade de tempo, atendido o disposto no item 4.8; b) fluxo de entrada e saída de alunos; c) programas e projetos de pesquisa em desenvolvimento; d) capacidade de instalações, equipamentos e recursos para o bom andamento das atividades de pesquisa e ensino.

5 5 6. Da admissão aos cursos 6.1 Em época prevista pelo calendário escolar, o coordenador da PSCM/IFF/FIOCRUZ submeterá à Vice-Diretoria de Ensino do IFF a minuta do edital de abertura de inscrição dos candidatos ao curso, na qual serão discriminados o número de vagas, as condições de inscrição e os critérios de seleção. 6.2 Para ingresso ao Curso de Doutorado não é exigido o título de mestre. Entretanto, o candidato deverá apresentar, na época da seleção para admissão ao curso, comprovação de produções bibliográficas e técnicas para serem avaliadas pela Comissão de Seleção do referido curso quanto ao mérito de tais produções. Uma vez tendo sua candidatura deferida, o solicitante submeter-se-á aos critérios regulamentados em Edital de Seleção. 6.3 A critério da CPG, poderão ser aceitos pedidos de transferência de estudantes de outros cursos de pós-graduação. 6.4 O pós-graduando, candidato à transferência para qualquer curso de Mestrado ou Doutorado do IFF deverá obter na área de concentração pelos menos 1/4 (um quarto) do total de créditos exigidos pelo respectivo curso, independentemente do número de créditos obtidos na instituição de origem e submeter-se às demais exigências feitas pelo Regimento Interno. 6.5 O candidato estrangeiro em Programa de Cooperação Internacional deverá seguir as diretrizes das Portarias da Presidência da Fundação Oswaldo Cruz Nos 286/2004 e 085/2006, que respeitam os critérios de seleção definidos pela Coordenação de Pósgraduação de cada programa. 7. Da matrícula 7.1 O pós-graduando admitido no Mestrado e no Doutorado deverá requerer matrícula nas disciplinas obrigatórias e/ou eletivas de seu interesse, com anuência de seu orientador, dentro do prazo estabelecido no calendário escolar, na Secretaria Acadêmica. 7.2 Com anuência do orientador, o pós-graduando poderá solicitar à CPG trancamento de matrícula em uma ou mais disciplinas dentro do primeiro 1/3 (um terço) do período letivo, devendo a Secretaria do curso registrar o fato. Passado o período de trancamento de cada disciplina, o aluno que não comparecer será reprovado por faltas. 7.3 A CPG poderá conceder trancamento total de matrícula por, no máximo 2(dois) semestres letivos para Doutorado e por, no máximo, 1(um) semestre letivo para Mestrado, em caráter excepcional, tendo em vista motivos considerados relevantes pela CPG. 7.4 Será considerado desistente o pós-graduando que deixar de renovar sua matrícula por mais de 02 (dois) períodos letivos consecutivos. 7.5 Alunos de Pós-Graduação ou graduados não inscritos nos cursos regulares da FIOCRUZ poderão matricular-se em disciplinas de pós-graduação, então consideradas isoladas, desde que exista vaga e a juízo do Coordenador da disciplina. 7.6 Cabe à Coordenação providenciar para que as disciplinas obrigatórias e eletivas sejam ministradas, proporcionando aos pós-graduandos regularidade no encaminhamento de suas atividades.

6 6 8. Do regime didático 8.1 O Mestrado terá duração mínima de 12 (doze) meses e máxima de 24 (vinte e quatro) meses, excetuando-se os casos de trancamento e prorrogação especial concedida em caráter excepcional, tendo em vista motivos considerados relevantes pela CPG. 8.2 O Doutorado terá duração mínima de 24(vinte e quatro) meses e máxima de 48 (quarenta e oito) meses, excetuando-se os casos de trancamento e prorrogação especial concedida em caráter excepcional, tendo em vista motivos considerados relevantes pela CPG. 8.3 O tempo regulamentar para integralização da pós-graduação dependerá da comprovação de freqüência e aproveitamento. 8.4 Para o Curso de Doutorado, o tempo regulamentar não poderá ser superior a (três mil e seiscentas) horas e inferior a (dois mil oitocentos e oitenta) horas; sendo que deste limite inferior 720 (setecentos e vinte) horas serão destinadas à obtenção de créditos acadêmicos e 2160 (dois mil cento e sessenta) horas à elaboração da Tese. 8.5 Para o Curso de Mestrado, o tempo regulamentar não poderá ser superior a (mil oitocentas e oitenta) horas e inferior a 1440 (mil quatrocentos e quarenta) horas; sendo que deste limite inferior 360 (trezentos e sessenta) horas serão destinadas à obtenção de créditos acadêmicos e 1080 (mil e oitenta) horas à elaboração da Dissertação. 8.6 Cada disciplina terá um valor expresso em créditos, correspondendo cada crédito a pelo menos 15 (quinze) horas de atividade teórica, ou atividade prática, ou trabalho equivalente, ou treinamento em serviço, ou estágio em laboratório(s). 8.7 A juízo da Comissão de Pós-Graduação, poderão ser atribuídos créditos a tarefas e/ou a estudos especiais, realizados durante os cursos em questão, desde que entregues na secretaria acadêmica até 30 dias depois do evento Artigos publicados ou aceitos para publicação, durante a vigência do curso, em revista indexada na área da Saúde Coletiva/CAPES, conforme critérios definidos anualmente pela CPG Artigos publicados em livros e/ou capítulo de livro publicado por editora com Conselho Editorial, 1(um) crédito por artigo publicado, até no máximo 2 (dois) créditos; Livro publicado por editora com Conselho Editorial,2 (dois) créditos por livro, no máximo 2 (dois) créditos Resenha publicada em revista indexada em Saúde Coletiva, 1 (um) crédito por resenha, no máximo 1(um) crédito; Atividade docente em curso de graduação, 1 (um) crédito a cada 15 (quinze) horas até o máximo de 2 (dois) créditos Atividade docente em curso de Pós-graduação lato sensu,1(um) crédito a cada 15 (quinze) horas até o máximo de 2 (dois) créditos; Atividade docente em curso de pós-graduação Stricto Sensu, 1 (um) crédito por 15 (quinze) horas até o máximo de 4 (quatro) créditos; Orientação de monografias como conclusão de graduação ou de Pós-graduação lato sensu 1(crédito), sendo no máximo de 2 (dois) créditos; Orientação de bolsista Pibic (Iniciação científica): 1(um) crédito, no máximo 1(um) crédito; Co-orientação de dissertações de mestrado defendidas e aprovadas 4 (quatro) créditos; no máximo 4(quatro) créditos Apresentação de trabalhos técnico-científicos, participação em mesas redondas, colóquios, seminários e encontros técnico-científicos em geral, independentes dos

7 obtidos pelas apresentações nas Jornadas de Pós - graduação da FIOCRUZ, 1 (um) crédito. Para este quesito, o máximo serão 2 (dois) créditos, independente do número de atividades Outras modalidades de atividades acadêmicas poderão ser consideradas para crédito pelo orientador, com a aprovação da CPG/PSCM, até o máximo de 4 (quatro) créditos. Essas atividades somente serão consideradas para a atribuição ou não de créditos, a partir de uma ementa, com descrição dos objetivos, programação, número de horas e justificativa para o mestrando ou doutorando realizar tais atividades, assinada pelo orientador A juízo da Comissão de Pós-graduação, os alunos do doutorado poderão ter os seus créditos de Mestrado validados até um total de 24 (vinte e quatro) créditos (incluindo os créditos acadêmicos e aqueles relacionados a produção da dissertação) 8.8 Créditos obtidos em diferentes programas em nível de Especialização, Mestrado e Doutorado poderão ser aproveitados, a critério da CPG em casos de transferência de programa, de realização de pós-graduação em diferentes níveis e de créditos isolados. 8.9 A CPG, mediante sugestão do orientador, poderá exigir do pós-graduando a realização de disciplinas ou estágios como pré-requisito Nenhum pós-graduando será admitido à defesa de tese, dissertação ou equivalente, antes de completar o total dos créditos acadêmicos exigidos para o respectivo grau e de realizar o Exame de Qualificação Para efeito das exigências previstas para obtenção do grau de Mestre e Doutor, os créditos obtidos em qualquer disciplina só terão validade durante o prazo máximo para conclusão do curso Ultrapassado o prazo previsto do item 8.11, o estudante poderá, ouvido seu orientador, ter seus créditos revalidados por tempo determinado, a juízo da CPG, mediante o mecanismo que julgar adequado O rendimento escolar de cada estudante será expresso em notas e/ou conceitos com a seguinte escala: Conceito Nota A Excelente 9,0-10 B Bom 7,5-8,9 C Regular 6,0-7,4 D Insuficiente < Os créditos relativos a cada disciplina só serão concedidos ao aluno que lograr na mesma, no mínimo, o conceito C, sendo que aquele que obtiver conceito C em três disciplinas será desligado do Programa. Parágrafo único - O aluno que obtiver dois conceitos C e um conceito D será desligado do Programa, independente dos conceitos terem sido obtidos na mesma disciplina ou em disciplinas diferentes O pós-graduando que for reprovado por faltas ou por obter conceito D ou notas equivalentes mais de uma vez na mesma ou em diferentes disciplinas será desligado do curso. O desligamento do pós-graduando, poderá ser realizado com base no já disposto nos itens 8.1, 8.2, 8.13, 8.14, Dos graus acadêmicos e diplomas 9.1 Para obter o grau de Mestre o pós-graduando deverá satisfazer as exigências estabelecidas no prazo mínimo de 01 (um) ano e máximo estabelecido no item 8.1 e: a) completar o número mínimo de 24 créditos acadêmicos exigidos e ser aprovado 7

8 no Exame de Qualificação; b) ser aprovado na Defesa de Dissertação. 9.2 Para obter o grau de Doutor, o estudante deverá satisfazer às exigências de prazo mínimo de 02 (dois) anos e máximo estabelecido no item 8.1 e : a) completar o número mínimo de 48 créditos acadêmicos exigidos; b) ser aprovado no exame de qualificação; c) ter artigo publicado ou aceito para publicação em periódicos na área da Saúde Coletiva, definidos pela Comissão de Pós-Graduação de acordo com classificação QUALIS da CAPES. d) ser aprovado na defesa de tese. 9.3 A expedição de histórico escolar e diploma só se fará, através da Secretaria do curso, após comprovação das exigências, do previsto nos itens 9.1 e 9.2 mediante ata de avaliação do candidato e elementos informativos referentes ao pós-graduando. 9.4 O projeto de tese, de dissertação ou trabalho equivalente depois de aprovado, deverá ser registrado na Secretaria Acadêmica 9.5 O projeto assinado pelo orientador e pelo pós-graduando deverá conter pelo menos os seguintes elementos: título; justificativa; objetivos do trabalho; revisão da literatura; material e método; análise do material do trabalho e cronograma de sua execução. 9.6 A progressão do pós-graduando do Mestrado para o Doutorado poderá ser sugerida à CPG pelo orientador, no momento do Exame de Qualificação e na obtenção dos primeiros resultados do estudo se estes se mostrarem originais, até no máximo o 18º mês, contado do ingresso no curso. Deverão ser considerados também a maturidade em pesquisa e produtividade do candidato (pelo menos 1(um) artigo publicado em periódico nos últimos 2 (dois) anos e seu desempenho nas disciplinas cursadas (nota A em todas as disciplinas). Além destes pré-requisitos, a CPG, para conceder a progressão deverá se basear em parecer favorável de pelo menos 2 (dois) consultores ad hoc. 9.7 A cada ano letivo, a Comissão de Pós-graduação deverá estabelecer critérios para admissão do pós-graduando à defesa da tese e/ou dissertação, incluindo formato e especificações acadêmicas, bem como o número de exemplares a serem editados. 9.8 Os diplomas de Mestre e Doutor serão expedidos pela Secretaria Acadêmica e assinados pelo Presidente da Fiocruz, pelo Diretor de Unidade, pelo Coordenador do Curso e pelo diplomado. 9.9 A secretaria Acadêmica deverá ter um setor de registro e controle da expedição de diplomas. 10. Objetivos Disposições Específicas ao Curso de Doutorado O Doutorado objetiva o desenvolvimento de competência para conduzir pesquisas originais e independentes em áreas específicas. 11. Características gerais 11.1 O curso de Doutorado tem como exigência obrigatória as disciplinas Saúde e Sociedade: Estudos Avançados e Princípios e Métodos Científicos para Elaboração da Tese. 12. Língua estrangeira 12.1 Para o curso de Doutorado a capacidade de leitura de textos científicos em língua inglesa é obrigatória. No processo seletivo é aplicada prova de língua inglesa 8

9 baseada na compreensão de textos, sendo a aprovação neste exame etapa eliminatória. 13. Carga horária e regime de créditos 13.1 O Doutorado terá duração mínima de 24(vinte e quatro) meses e máxima de 48(quarenta e oito) meses, excetuando-se os casos de trancamento e prorrogação especial concedida em caráter excepcional, tendo em vista motivos considerados relevantes pela CPG Para o Curso de Doutorado, o tempo regulamentar não poderá ser superior a (três mil e seiscentas) horas e inferior a (dois mil oitocentos e oitenta) horas; sendo que deste limite inferior 720 (setecentos e vinte) horas serão destinadas à obtenção de créditos acadêmicos e 2160 (dois mil cento e sessenta) horas à elaboração da Tese O aluno de doutorado deverá completar o número mínimo de 48 créditos acadêmicos para submeter-se ao exame de qualificação. 14. Exame de qualificação 14.1 Para obtenção do grau de Doutor, terminados os créditos acadêmicos, os alunos deverão realizar Exame de Qualificação que evidencie a amplitude e profundidade de seus conhecimentos e sua capacidade crítica. A banca de qualificação de Doutorado deverá ser composta pelo orientador e por no mínimo 2 ( dois) membros com título de Doutor No caso do Curso de Doutorado, para a realização de Exame de Qualificação, o doutorando deverá ter uma publicação ou um aceite para publicação de um artigo cientifico em periódico Qualis da área da saúde coletiva/capes, aceito ou publicado após matrícula do aluno na PGSCM. No caso do doutorando não ter um artigo publicado até o exame de Qualificação, ele deverá encaminhar à apreciação da Banca Examinadora, além do Projeto de Tese, um artigo para que seja avaliado e aprovado no momento do Exame de Qualificação.O aluno deverá ter um artigo publicado ou aceito para publicação em periódico Qualis da área da saúde coletiva/capes antes da marcação da data de defesa pública de sua tese Caso o pós-graduando seja reprovado no Exame de Qualificação, terá a oportunidade de repetir este exame em um prazo máximo de 3 (três) meses; sendo que se for reprovado nesta segunda oportunidade será desligado do curso. 15. Tese 15.1 Os cursos de Doutorado envolverão a preparação obrigatória de tese necessariamente original, podendo ser em formato tradicional, sob forma de livro ou coletânea de artigos (mínimo dois), nos quais o aluno deverá ser o primeiro autor No caso de tese em forma de artigos, o aluno devera apresentar, no mínimo 2 (dois) artigos sobre o tema de estudo. Nesse caso, o trabalho final deve incluir, além dos artigos, capítulos de Introdução e Conclusão. 16. Defesa de tese A defesa de tese de Doutorado será pública e se fará perante Comissão Examinadora, indicada pela Comissão de Pós-Graduação em comum acordo com o orientador, constituída de pelo menos 3 (três) membros, incluindo o orientador, portadores do grau de Doutor ou título equivalente, entre os quais 2 (dois) dos membros não pertencentes à unidade que abriga o curso 9

10 16.2 A defesa de tese de Doutorado deverá ser precedida de uma avaliação do trabalho (pró-forma) por banca prévia banca, através do formulário Parecer de Banca Prévia Os membros efetivos da banca prévia deverão enviar o seu formulário Parecer de Banca Prévia à Secretaria Acadêmica, com sugestões e definição de aprovado para defesa ou não, até 30 dias antes da data marcada para defesa Em caráter excepcional, a CPG, baseada em pareceres favoráveis de banca prévia e com aprovação da Câmara de Ensino poderá admitir Doutoramento por defesa direta de tese, quando se tratar de candidato de alta qualificação científica, cultural e profissional, conforme previsto no art. 5 da Resolução CNE/CES nº1, de 03/04/ Para ser considerado de alta qualificação científica, cultural ou profissional, o candidato à defesa direta de tese deverá ter seu curriculum vitae avaliado em função de: a) docência em cursos de graduação e pós-graduação Stricto Sensu e Lato Sensu, reconhecidos pelo MEC; b) produção bibliográfica: 2 (dois) artigos no mínimo, como primeiro autor, em periódicos do mais alto Qualis da área da Saúde Coletiva/CAPES, nos últimos 5 anos. c) livros publicados por editora com Conselho Editorial. d) atividades relevantes de caráter técnico-profissional permanentemente exercidas no âmbito de instituições científicas de docência e/ou pesquisa. e) participação ativa e continua em pesquisa nos últimos 5 anos O candidato ao doutorado por defesa direta deverá encaminhar seu currículo comprovado, Memorial e tese à CPG através de docente permanente do PGSCM e, tendo sua solicitação aceita, a CPG constituirá Banca Prévia para avaliar o mérito do candidato através da análise de seu Currículo, Memorial e Tese. Os membros da referida banca deverão formalizar parecer à CPG, indicando ou não, a aprovação do candidato e de sua tese. Cumpridos os requisitos acima, a defesa da tese seguirá os trâmites normais da pósgraduação O candidato ao Doutoramento por defesa direta de tese deverá apresentar tese que verse sobre matéria do curso de pós-graduação correspondente e esteja de acordo com o estabelecido nos itens 16.4, 16.5, 16.6 deste regimento O doutorando deve expor em sessão pública, no máximo de 50 (cinqüenta) minutos, os resultados obtidos em seu trabalho, sendo após a exposição argüido pela Comissão Examinadora, visando avaliar seus conhecimentos e sua capacidade de discutir e analisar criticamente os resultados obtidos. Cada membro da banca examinadora terá o máximo de 20 (vinte) minutos para apresentar sua argüição, cabendo ao doutorando igual tempo para a sua resposta. Poderão participar da banca, sem contudo auferir conceito, os co-orientadores e os membros suplentes porventura presentes à defesa pública. 10

11 11 Disposições Específicas ao Curso de Mestrado Acadêmico 17. Objetivos 17.1 O Mestrado Acadêmico tem por objetivo o aprofundamento do conhecimento técnico e acadêmico possibilitando a formação de docentes para o ensino superior e a pós-graduação lato sensu, bem como o desenvolvimento de habilidades para executar pesquisas e desenvolver processos, produtos e metodologias em áreas específicas. 18. Características gerais 18.1 A cada triênio a Comissão de Pós-Graduação (CPG) reavaliará a grade de disciplinas, podendo sugerir modificações a serem submetidas ao colegiado de professores. 19. Língua estrangeira 19.1 Para o curso de Mestrado a capacidade de leitura de textos científicos em língua inglesa é obrigatória. No processo seletivo é aplicada prova de língua inglesa baseada na compreensão de textos, sendo a aprovação neste exame etapa eliminatória. 20. Carga horária e regime de créditos 20.1 O Mestrado terá duração mínima de 12 (doze) meses e máxima de 24 (vinte e quatro) meses, excetuando-se os casos de trancamento e prorrogação especial concedida em caráter excepcional, tendo em vista motivos considerados relevantes pela CPG Para o Curso de Mestrado, o tempo regulamentar não poderá ser superior a (mil oitocentas e oitenta) horas e inferior a 1440 (mil quatrocentos e quarenta) horas; sendo que deste limite inferior 360 (trezentos e sessenta) horas serão destinadas à obtenção de créditos acadêmicos e 1080 (mil e oitenta) horas à elaboração da Dissertação O aluno de mestrado deverá completar o número mínimo de 24 créditos acadêmicos para submeter-se ao exame de qualificação. 21. Exame de qualificação 21.1 Para a obtenção do grau de Mestre, terminados os créditos acadêmicos, os alunos deverão realizar exame de qualificação que evidencie sua capacidade de domínio e sistematização do tema e da metodologia proposta. A banca de qualificação do mestrado deverá ser composta pelo Orientador e por no mínimo 2 (dois) membros, sendo pelo menos 1 (um) portador de título de Doutor Caso o pós-graduando seja reprovado no Exame de Qualificação, terá a oportunidade de repetir este exame em um prazo máximo de 3 (três) meses; sendo que se for reprovado nesta segunda oportunidade será desligado do curso.

12 22. Dissertação Os cursos de Mestrado envolverão a preparação obrigatória de Dissertação que deverá demonstrar capacidade de domínio e sistematização do tema e da metodologia científica adotada, podendo ser em formato tradicional, sob a forma de artigos ou livro sobre o tema em estudo A apresentação dos resultados no formato de artigo, no qual o aluno deverá ser o primeiro autor, será aceita desde que acompanhada de capítulos de Introdução e Conclusão. No caso de dissertação em forma de artigos, o aluno deverá ter, pelo menos um artigo enviado para publicação para revista incluída no Qualis da área da Saúde Coletiva/CAPES. 23. Defesa de dissertação 23.1 A defesa da dissertação de Mestrado será pública e se fará perante Comissão Examinadora, indicada pela CPG em comum acordo com o orientador, constituída de 3(três) membros, incluindo o orientador, portadores de títulos de Doutor ou equivalente, entre os quais 1 (um) membro não pertencente à unidade que abriga o curso. Haverá também 2 (dois) professores doutores como suplentes, um interno e um externo ao programa A defesa da dissertação de Mestrado deverá ser precedida de uma avaliação do trabalho (pró-forma) por banca prévia, através do formulário Parecer de Banca Prévia Os membros efetivos da banca prévia deverão enviar o seu formulário Parecer de Banca Prévia à Secretaria Acadêmica, com sugestões e definição de aprovado para defesa ou não, até 30 dias antes da data marcada para defesa O mestrando deve expor em sessão pública, no máximo em 45 (quarenta e cinco) minutos, os resultados de seu trabalho, sendo após a exposição argüido pela Comissão Examinadora, visando avaliar seus conhecimentos e sua capacidade de discutir e analisar, criticamente, os resultados obtidos. Cada membro da banca examinadora terá o máximo de 20 (vinte) minutos para apresentar sua argüição, cabendo ao mestrando igual tempo para a sua resposta. Poderão participar da banca, sem contudo auferir conceito, os co-orientadores e os membros suplentes porventura presentes à defesa pública O processo de avaliação das teses e dissertações compreenderá as seguintes modalidades de julgamento: a) Aprovado b) Reprovado 23.6 Caso a tese ou dissertação seja aprovada com restrições a banca deverá colocar por escrito as modificações a serem feitas e o pós-graduando terá 3 (três) meses para realizá-las e apresentá-las à Coordenação de Pós-Graduação. A emissão de declaração de conclusão de curso, histórico ou diploma somente será concedida após a entrega da versão final da dissertação ou tese, com as modificações sugeridas pela banca examinadora, aprovadas formalmente pelo seu orientador, no formato e com o número de cópias exigidos pela CPG e pela Biblioteca deste Instituto A banca examinadora poderá fazer indicações de publicações de teses/dissertações em forma de livros e artigos, e sugestões a serem incorporadas pelo autor, sem necessariamente submeterem a aprovação desses trabalhos às modificações apontadas.

13 13 Disposições específicas ao Curso de Mestrado Profissional 24. Objetivos O Mestrado Profissional objetiva o aprofundamento do conhecimento técnicocientífico, bem como o desenvolvimento de competência para executar pesquisas operacionais e desenvolver processos, produtos e metodologias em áreas específicas. Parágrafo único - O Mestrado Profissional será objeto de regulamentação específica. 25. Características gerais 25.1 A cada triênio a Comissão de Pós-Graduação (CPG) reavaliará a grade de disciplinas, podendo sugerir modificações a serem submetidas ao colegiado de professores. 26. Língua estrangeira 26.1 Para o curso de MP a capacidade de leitura de textos científicos em língua inglesa é obrigatória. No processo seletivo é aplicada prova de língua inglesa baseada na compreensão de textos, sendo a aprovação neste exame etapa eliminatória. 27. Carga horária 27.1 O Mestrado Profissional terá duração mínima de 12 (doze) meses e máxima de 24 (vinte e quatro) meses, excetuando-se os casos de trancamento e prorrogação especial concedida em caráter excepcional, tendo em vista motivos considerados relevantes pela CPG Para o Curso de Mestrado Profissional, o tempo regulamentar não poderá ser superior a (mil oitocentas e oitenta) horas e inferior a 1440 (mil quatrocentos e quarenta) horas; sendo que deste limite inferior 360 (trezentos e sessenta) horas serão destinadas à obtenção de créditos acadêmicos e 1080 (mil e oitenta) horas à elaboração da Dissertação O aluno de mestrado profissional deverá completar o número mínimo de 24 créditos acadêmicos para submeter-se ao exame de qualificação 28. Exame de qualificação 28.1 Para a obtenção do grau de Mestre, terminados os créditos acadêmicos, os alunos deverão realizar exame de qualificação que evidencie sua capacidade de domínio e sistematização do tema e da metodologia proposta.a banca de qualificação do mestrado deverá ser composta pelo Orientador e por no mínimo 2 (dois) membros, sendo pelo menos 1 (um) portador de título de Doutor Caso o pós-graduando seja reprovado no Exame de Qualificação, terá a oportunidade de repetir este exame em um prazo máximo de 3 (três) meses; sendo, que se for reprovado nesta segunda oportunidade será desligado do curso.

14 29. Dissertação Os cursos de Mestrado Profissional envolverão a preparação obrigatória de Dissertação que deverá demonstrar capacidade de domínio e sistematização do tema e da metodologia científica adotada, podendo ser em formato tradicional, sob a forma de artigos ou livro sobre o tema em estudo A apresentação dos resultados no formato de artigo, no qual o aluno deverá ser o primeiro autor, será aceita desde que acompanhada de capítulos de Introdução e Conclusão No caso de dissertação em forma de artigos, o aluno devera ter, pelo menos, um artigo enviado para publicação no período do curso para revista Qualis da área da Saúde Coletiva/CAPES - sobre o tema de estudo. 30. Defesa 30.1 A defesa da dissertação de Mestrado Profissional será pública e se fará perante Comissão Examinadora, indicada pela CPG em comum acordo com o orientador, constituída de 3(três) membros, incluindo o orientador, portadores de títulos de Doutor ou equivalente, entre os quais 1 (um) membro não pertencente à unidade que abriga o curso. Haverá também 2 (dois) professores doutores como suplentes, um interno e um externo ao programa A defesa de dissertação de Mestrado deverá ser precedida de uma avaliação do trabalho (pró-forma) por banca prévia, através do formulário Parecer de Banca Prévia Os membros efetivos da banca prévia deverão enviar o seu formulário Parecer de Banca Prévia à Secretaria Acadêmica, com sugestões e definição de aprovado para defesa ou não, até 30 dias antes da data marcada para defesa O mestrando deve expor em sessão pública, no máximo em 45 (quarenta e cinco) minutos, os resultados de seu trabalho, sendo após a exposição argüido pela Comissão Examinadora, visando avaliar seus conhecimentos e sua capacidade de discutir e analisar, criticamente, os resultados obtidos. Cada membro da banca examinadora terá o máximo de 20 (vinte) minutos para apresentar sua argüição, cabendo ao mestrando igual tempo para a sua resposta. Poderão participar da banca, sem, contudo, auferir conceito, os co-orientadores e os membros suplentes porventura presentes à defesa pública O processo de avaliação das teses e dissertações compreenderá as seguintes modalidades de julgamento: a) Aprovado b) Reprovado 30.6 Caso a tese ou dissertação seja aprovada com restrições a banca deverá colocar por escrito as modificações a serem feitas e o pós-graduando terá 3 (três) meses para realizá-las e apresentá-las à Coordenação de Pós-Graduação. A emissão de declaração de conclusão de curso, histórico ou diploma somente será concedida após a entrega da versão final da dissertação ou tese, com as modificações sugeridas pela banca examinadora, aprovadas formalmente pelo seu orientador, no formato e com o número de cópias exigidos pela CPG e pela Biblioteca deste Instituto A banca examinadora poderá fazer indicações de publicações de teses/dissertações em forma de livros e artigos, e sugestões a serem incorporadas pelo autor, sem necessariamente submeterem a aprovação desses trabalhos às modificações apontadas.

REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU (Regimento aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fiocruz em 28/08/2008) 1. Dos Objetivos 1.1. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) oferece programas de pós-graduação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS (Regimento Interno aprovado pela Comissão de Pós-graduação do IPEC em 25/08/2010 e pelo Conselho Deliberativo

Leia mais

Programa de Mestrado em Informática 1

Programa de Mestrado em Informática 1 Programa de Mestrado em Informática 1 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM INFORMÁTICA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS I - OBJETIVOS DO CURSO ART. 1º - O Curso de

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - As atividades dos Cursos de Pós-Graduação abrangem estudos e trabalhos de formação

Leia mais

CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO

CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO 2013 CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO

Leia mais

NORMAS DA PÓS GRADUAÇÃO SENSO ESTRITO

NORMAS DA PÓS GRADUAÇÃO SENSO ESTRITO NORMAS DA PÓS GRADUAÇÃO SENSO ESTRITO NORMAS DA PÓS GRADUAÇÃO SENSO ESTRITO Artigo 1º - A pós-graduação compreenderá dois níveis de formação, que levam aos graus de mestre e doutor. único O título de mestre

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I 1 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I DO OBJETIVO E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1.º - Este regimento estabelece as normas

Leia mais

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe Sumário Título I Dos Cursos de Pós Graduação e suas finalidades...1 Título II Dos Cursos de Pós Graduação em Sentido Lato...1 Título III Dos Cursos de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL - PPGBA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL - PPGBA 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL - PPGBA I - Objetivos Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal (PPGBA) destina-se a proporcionar aos candidatos portadores

Leia mais

NORMAS DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA/QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC

NORMAS DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA/QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC NORMAS DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA/QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC O curso de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia/Química da Universidade Federal do ABC (UFABC) está

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DINÂMICA DOS OCEANOS E DA TERRA (DOT) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

REGIMENTO ESPECÍFICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DINÂMICA DOS OCEANOS E DA TERRA (DOT) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE REGIMENTO ESPECÍFICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DINÂMICA DOS OCEANOS E DA TERRA (DOT) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE I. DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação stricto sensu

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA UFV CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA UFV CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA UFV CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1 0 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil oferecido pelo Departamento de Engenharia Civil

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art. 1º O Curso de pós-graduação em Computação Aplicada, doravante referido como Curso, mantém programas

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICA REGIONAL E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais

Portaria nº 69, de 30/06/2005

Portaria nº 69, de 30/06/2005 Câmara dos Deputados Centro de Documentação e Informação - Legislação Informatizada Portaria nº 69, de 30/06/2005 O PRIMEIRO-SECRETÁRIO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG. TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG. TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS E PRÁTICAS ESCOLARES

CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS E PRÁTICAS ESCOLARES REGIMENTO CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS TÍTULO I - Das Finalidades E PRÁTICAS ESCOLARES TÍTULO II Da Coordenação do Curso CAPÍTULO I DA ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO II DO COLEGIADO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1º - O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE. Mestrado e Doutorado

Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE. Mestrado e Doutorado Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE Mestrado e Doutorado TÍTULO I: DA NATUREZA, FINALIDADES E OBJETIVOS Art. 1. O Programa de Pós-Graduação em Matemática da Universidade Federal

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA CEPE 04/12/2013 I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1 o O Curso de Mestrado do Programa

Leia mais

REGULAMENTO 1- DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGULAMENTO 1- DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGULAMENTO 1- DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL 1.1 - O Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Comunicação: Imagens e Culturas Midiáticas constitui-se em atividade de Ensino do Departamento de Comunicação

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA CAPITULO I DA VINCULAÇÃO E FINALIDADE DO CURSO

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA CAPITULO I DA VINCULAÇÃO E FINALIDADE DO CURSO REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA CAPITULO I DA VINCULAÇÃO E FINALIDADE DO CURSO Art. 1º - O CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAUDE COLETIVA (CESC), será coordenado pelo Departamento de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA. Seção I. Dos Objetivos

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA. Seção I. Dos Objetivos REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA Seção I Dos Objetivos Artigo 1º O Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Filosofia e Ciências de Marília será estruturado

Leia mais

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGÜÍSTICA. (Doutorado, Mestrado e Especialização) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGÜÍSTICA. (Doutorado, Mestrado e Especialização) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGÜÍSTICA (Doutorado, Mestrado e Especialização) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva

Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA (MESTRADO E DOUTORADO) CENTRO DE PESQUISAS RENÉ RACHOU FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - MG TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1 o - O Programa de Pós-Graduação em Sociologia, vinculado ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade

Leia mais

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º. O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Modelagem Matemática da UNIJUÍ Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA.

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA Brasília-DF CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais Art. 1º. O presente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO Título I Dos Objetivos Artigo 1º - O Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

MINUTA REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA

MINUTA REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA 1 MINUTA REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA 1. Dos Objetivos O Mestrado Profissional em Saúde da Família objetiva: Formar lideranças para a Estratégia Saúde da Família aptas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO Belém-PA, janeiro/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ CAPÍTULO

Leia mais

REGIMENTO TÍTULO I DOS FINS

REGIMENTO TÍTULO I DOS FINS TÍTULO I DOS FINS Programa de Pós-Graduação em Odontologia / PPgO Áreas de concentração em Estomatologia, Clínica Odontológica, Periodontia e Implantodontia, em nível de Mestrado Profissional. REGIMENTO

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Resolução nº 01/2010

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Resolução nº 01/2010 CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Resolução nº 01/2010 Regulamenta a pós-graduação lato sensu nas modalidades semipresencial e à distância O Diretor do Centro de Educação

Leia mais

FACULDADE JESUÍTA DE FILOSOFIA E TEOLOGIA DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA

FACULDADE JESUÍTA DE FILOSOFIA E TEOLOGIA DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA FACULDADE JESUÍTA DE FILOSOFIA E TEOLOGIA DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA REGULAMENTO do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO (Texto emendado na Reunião do Conselho Departamental de 12/05/2011) Título I Da Natureza, Finalidade

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS DO CORPO DOCENTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS DO CORPO DOCENTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS Artigo 1º - O Programa de Pós-graduação em Aqüicultura do Centro de Aqüicultura da Unesp

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICAS TERRITORIAIS E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: BIOQUÍMICA ESTRUTURA DO CURSO

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: BIOQUÍMICA ESTRUTURA DO CURSO REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: BIOQUÍMICA ESTRUTURA DO CURSO A estrutura do Curso dará ênfase à formação do pós-graduando como docente-pesquisador. O Curso buscará atribuir

Leia mais

Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO.

Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO. 1- Objetivos do Programa Artigo 1º - São objetivos do Programa: I - capacitar pessoal em nível de Mestrado Acadêmico,

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Rua Governador Luiz Cavalcante, S/N, TELEFAX (82) 3530-3382 CEP: 57312-270 Arapiraca-Alagoas RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre normas e procedimentos para os Cursos de Especialização

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 002/2014, DE 28 DE ABRIL DE 2014 CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS - UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 002/2014, DE 28 DE ABRIL DE 2014 CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS - UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 002/2014, DE 28 DE ABRIL DE 2014 CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS - UNIFAL-MG A Câmara de Pós-graduação (CPG) da Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG, conforme

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO nº 026 / 94 Aprova o Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis em Nível de Mestrado, com área de Concentração em Contabilidade Financeira, Contabilidade Gerencial

Leia mais

Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu

Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu TÍTULO I Do Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu Capítulo I Das Disposições Preliminares Artigo 1º - O Regime de Pós-Graduação Stricto Sensu, nos níveis de

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 07/2010 Define e regulamenta o funcionamento dos programas de pós-graduação stricto sensu O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas;

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas; Capítulo I Objetivos Regimento Artigo 1º - O Objetivo do Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional é proporcionar ao aluno formação matemática aprofundada, relevante ao exercício

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO I - II - III IV - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA TÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º. O Programa de Pós-Graduação em História, do Departamento de História

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I: DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... Capítulo II: DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Coordenadoria do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Coordenadoria do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica REGIMENTO - VÁLIDO PARA ALUNOS QUE INGRESSARAM NO PPGEEL ATÉ MARÇO DE 2010 I - DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Curso de Pós-Graduação em Engenharia da UFSC visa proporcionar a pesquisadores, docentes e profissionais

Leia mais

Instituto Materno Infantil Prof. Fernando Figueira Escola de Pós-graduação em Saúde Materno Infantil Instituição Civil Filantrópica

Instituto Materno Infantil Prof. Fernando Figueira Escola de Pós-graduação em Saúde Materno Infantil Instituição Civil Filantrópica REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE MATERNO-INFANTIL DO INSTITUTO MATERNO INFANTIL PROFESSOR FERNANDO FIGUEIRA (IMIP) 1- Dos Objetivos e Organização Geral 1.1 O programa de Pós-Graduação

Leia mais

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC TÍTULO I DOS OBJETIVOS

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC TÍTULO I DOS OBJETIVOS NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-graduação em Engenharia Biomédica da UFABC (doravante,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO da, no uso de suas atribuições legais, resolve, ad referendum: Art. 1º Aprovar as Normas para Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE NORMAS ESPECÍFICAS DA FEA SÃO PAULO I Taxas 1. Não serão cobradas taxas nos processos seletivos dos programas de pós-graduação desta Faculdade. 2. Não será cobrada dos alunos especiais taxa de matrícula

Leia mais

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ R E G I M E N T O DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ 2 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA

Leia mais

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM TEORIA LITERÁRIA DOS OBJETIVOS

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM TEORIA LITERÁRIA DOS OBJETIVOS R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM TEORIA LITERÁRIA DOS OBJETIVOS Artigo 1º - O Programa de Pós-Graduação em Letras tem por objetivo a formação de docentes destinados

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1. O POSMEC - Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica da UFSC, em nível de Mestrado e Doutorado,

Leia mais

INSTITUTO DE QUÍMICA REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO E CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

INSTITUTO DE QUÍMICA REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO E CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU INSTITUTO DE QUÍMICA REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO E CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Título I / Das Finalidades Artigo 1 o O Instituto de Química da UFRJ oferece Programas de Pós-Graduação

Leia mais

Regulamento dos Programas de Pós-graduação Stricto Sensu em Ensino de Ciências e em Ensino de Ciências e Matemática.

Regulamento dos Programas de Pós-graduação Stricto Sensu em Ensino de Ciências e em Ensino de Ciências e Matemática. Regulamento dos Programas de Pós-graduação Stricto Sensu em Ensino de Ciências e em Ensino de Ciências e Matemática. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1 - Os Programas de Pós-graduação Stricto Sensu estão

Leia mais

Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 1 Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PARTE I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DAS MODALIDADES

Leia mais

MODELO DE REGULAMENTO PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO

MODELO DE REGULAMENTO PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO MODELO DE REGULAMENTO PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO Este modelo deve orientar a elaboração do Regulamento dos Cursos de Aperfeiçoamento, obedecendo às Normas para Aprovação e Acompanhamento de Cursos de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E OBJETIVOS Art. 1 - O Mestrado Profissional em

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química, alterado para incorporar as modificações nas Normas Gerais de Pós-Graduação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO RESOLUÇÃO Nº 01/CEPE, DE 27 DE MARÇO DE 2008 APROVADO NO CTC/CAPES EM 18 DE SETEMBRO DE 2008. Fortaleza-Ceará - 2008 -

REGIMENTO INTERNO RESOLUÇÃO Nº 01/CEPE, DE 27 DE MARÇO DE 2008 APROVADO NO CTC/CAPES EM 18 DE SETEMBRO DE 2008. Fortaleza-Ceará - 2008 - PÓS-GRADUAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS MESTRADO - DOUTORADO CONCEITO 4 - CAPES REGIMENTO INTERNO RESOLUÇÃO Nº 01/CEPE, DE 27 DE MARÇO DE 2008 APROVADO NO CTC/CAPES EM 18 DE SETEMBRO DE 2008 Fortaleza-Ceará

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA RESOLUÇÃO Nº 49/2002/CONEP Aprova reformulação das Normas de Pós-Graduação da UFS. O CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS REGULAMENTO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Ciências e Tecnologias na Educação (PPGCITED) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense (IFSul)

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOINFORMÁTICA

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOINFORMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOINFORMÁTICA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em BIOINFORMÁTICA tem como objetivos: a formação de docentes,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MINERAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MINERAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MINERAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MINERAL TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1º - A Escola de Minas

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU)

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU) REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU) MESTRADO TÍTULO I DOS FINS Art. 1 o O curso de Pós-Graduação Mestrado em Tecnologias em Saúde, da Fundação Bahiana para Desenvolvimento

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UFBA TÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL.

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA...2 Capítulo II DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UNESP CÂMPUS MARÍLIA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UNESP CÂMPUS MARÍLIA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UNESP CÂMPUS MARÍLIA Resolução Unesp-95, de 26/10/05 Seção I Dos Objetivos Artigo 1º - O programa

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU ART. 1º - O Programa de Pós-graduação

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO. Das Finalidades

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO. Das Finalidades PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO Das Finalidades Art. 1º Os Cursos de Doutorado e Mestrado em Direito da Faculdade de Direito de Vitória (FDV) objetivam

Leia mais

1688 Sessão Ordinária de 29 de julho de 2005.

1688 Sessão Ordinária de 29 de julho de 2005. Ministério da Educação Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná Conselho Diretor 1688 Sessão Ordinária de 29 de julho de 2005. Processo Do 06/2005 Assunto: REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Economia (PPE),

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL (ESTRUTURAS) DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL (ESTRUTURAS) DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP Normas do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil (Estruturas) - EESC/USP 1 NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL (ESTRUTURAS) DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP I - COMPOSIÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU e LATO SENSU DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS.

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU e LATO SENSU DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU e LATO SENSU DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. TÍTULO I DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU CAPÍTULO I Dos objetivos

Leia mais

Art. 3º Cada Programa de Pós-Graduação é organizado em 1 (um) Corpo Docente e 1 (uma) Comissão de Pós-Graduação (CPG).

Art. 3º Cada Programa de Pós-Graduação é organizado em 1 (um) Corpo Docente e 1 (uma) Comissão de Pós-Graduação (CPG). 1 O Programa de Pós-Graduação do Observatório Nacional foi credenciado pelo parecer do Conselho Federal de Educação CFE, 05/73 de 22/01/73. Foi recredenciado pelo CFE, através do Parecer 755/93 de 06/12/93,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOQUÍMICA E BIOPROSPECÇÃO MESTRADO DOUTORADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOQUÍMICA E BIOPROSPECÇÃO MESTRADO DOUTORADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOQUÍMICA E BIOPROSPECÇÃO MESTRADO DOUTORADO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO E DOUTORADO EM BIOQUÍMICA E BIOPROSPECÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA BAHIA CEFET-BA REGULAMENTO GERAL PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA BAHIA CEFET-BA REGULAMENTO GERAL PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA BAHIA CEFET-BA REGULAMENTO GERAL PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Salvador-Bahia 2000 REGULAMENTO GERAL PARA CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO: DOUTORADO,

Leia mais

Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (PPGSC) Mestrado Acadêmico

Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (PPGSC) Mestrado Acadêmico UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO E SAÚDE DA COMUNIDADE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva

Leia mais

1.2 O CEI/FALE cumpre o disposto nas Normas Gerais de Pós- Graduação e na resolução vigente do Conselho Nacional de Educação.

1.2 O CEI/FALE cumpre o disposto nas Normas Gerais de Pós- Graduação e na resolução vigente do Conselho Nacional de Educação. 1. DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL 1.1 O Curso de Especialização em Ensino de Inglês (CEI) constitui-se em atividade do Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos Poslin da FALE-UFMG e tem

Leia mais

EDITAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL (MESTRADO PROFISSIONAL)

EDITAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL (MESTRADO PROFISSIONAL) EDITAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL (MESTRADO PROFISSIONAL) PARTE I - DISPOSIÇÕES GERAIS PERÍODO DE INSCRIÇÕES: 30/01/2012 A 23/03/2012 PERÍODO DE SELAÇÃO: 26 a 30/03/2012 TÍTULO I -

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Res. Consun nº 96/10, de 24/11/10. Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º TÍTULO I DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica

Leia mais

Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional

Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional Capítulo I Objetivos Artigo 1º - O Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (PROFMAT) tem como objetivo proporcionar formação

Leia mais

Pós-graduação em Zoologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais REGULAMENTO DO PROGRAMA CAPÍTULO I

Pós-graduação em Zoologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais REGULAMENTO DO PROGRAMA CAPÍTULO I REGULAMENTO DO PROGRAMA CAPÍTULO I DO PROGRAMA, FINALIDADE E OBJETIVOS ART.1. A Pós-Graduação em Zoologia, do Departamento Zoologia do ICB da UFMG tem como finalidades básicas formar profissionais para

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, vinculado ao Instituto

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO HUMANA - PPGNH. Título I - Natureza e Objetivos do Curso

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO HUMANA - PPGNH. Título I - Natureza e Objetivos do Curso REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO HUMANA - PPGNH Título I - Natureza e Objetivos do Curso Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Nutrição Humana PPGNH, composto pelos cursos de mestrado

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Núcleo de Medicina Tropical

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Núcleo de Medicina Tropical REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM MEDICINA TROPICAL NORMA PPGMT 004 VERSÃO 001.01 ELABORADO POR Colegiado do Programa de Pós-Graduação em Medicina Tropical DATA DE IMPLEMENTAÇÃO 10/05/2013 APROVADO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO- AMERICANA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA APLICADA APLICADA (PPGFISA) NÍVEL MESTRADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO- AMERICANA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA APLICADA APLICADA (PPGFISA) NÍVEL MESTRADO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO- AMERICANA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA APLICADA APLICADA (PPGFISA) NÍVEL MESTRADO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art.1 o. O Programa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Programa de Pós-Graduação em Química Área de Concentração: Química Níveis Mestrado e Doutorado REGIMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Programa de Pós-Graduação em Química Área de Concentração: Química Níveis Mestrado e Doutorado REGIMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Química Área de Concentração: Química Níveis Mestrado e Doutorado REGIMENTO 2010 2 Os artigos que seguem neste Regimento referem-se ao Programa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA Regimento aprovado pela Câmara de Pós-graduação da UFRGS, através do Parecer nº 1055/2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA

Leia mais