PARACOCCIDIOIDOMICOSE E INFECÇÃO PEL O VÍRUS D A IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARACOCCIDIOIDOMICOSE E INFECÇÃO PEL O VÍRUS D A IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA"

Transcrição

1 Rev. Inst. Med. trop. São Paulo 31 (2): março-abril, 1989 PARACOCCIDIOIDOMICOSE E INFECÇÃO PEL O VÍRUS D A IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA Rogério d e Jesu s PEDR O (1), Francisco Hide o AOKI (2), Raquel Silveira Bell o Stucch i BOCCAT O (2), Maria Luiz a Morett i BRANCHINI (2), Fernando Lopes GONÇALE S JÚNIO R (2), Priscila Mari a d e Oliveir a PAPAIORDANOU (2 ) & Marcel o d e Carvalh o RAMOS (3). RESUMO São apresentado s doi s caso s d e paracoccidioidomicose, u m e m pacient e co m a síndrome d a imunodeficiência adquirid a e o outro em pacient e co m infecçã o pel o HIV. Trata-se dos primeiros relato s e m qu e esta associação é descrita na literatura. No primeiro, a micose s e evidenciou durant e o acompanhament o d e pacient e com AIDS, que passou a apresentar hépato-esplenomegalia e febre elevada. A ecogra fia, radiografia simple s e tomografia computadorizad a d o abdômen, demonstrara m nódulos sólidos, alguns calcificados, no parênquima esplênico. A punção aspirativ a da medul a ósse a confirmo u o diagnóstico; o conjunto do s achado s caracterizou a forma agud a disseminada d a paracoccidioidomicose, a qua l levo u o pacient e a o óbito. No segund o relato, e m pacient e co m infecçã o pel o HIV, a propósito d e investi - gação de tumoração n a região inguinal e fossa ilíaca à direita, constatou-s e a associação d e doença de Hodgkin, tipo celularidade mist a e paracoccidioidomicose. Avalia-se a importância deste s relatos frent e a expansão da infecção pel o HI V e estima-se que mais caso s venham a ser relatados e m paciente s co m AIDS, proce - dentes d e área s endêmicas dest a micose. Propõe-se a inclusão da paracoccidioido - micose com o infecçã o oportunístic a potencia l e m paciente s HI V positivo s nesta s áreas. UNITERMOS: Paracoccidioidomicose AIDS; Baço, Nódulos calcificados; Linfono dos; Punção aspirativa d e medula óssea. INTRODUÇÃO A paracoccidioidomicos e é endêmica em vários paíse s da América Latina. Descrita inicial - mente n o Brasil em , é causada por fung o dimórfico, o Paracoccidioides brasiliensis. A i n fecção traduz-se, clinicamente, so b trê s formas : a paracoccidioidomicose-infecçã o ond e nã o h á sintomas e depressão da resposta imune celular. É própri a d e pessoa s d e área s endêmicas que, (1) Professo r Assistente Doutor. Chef e d o Serviç o d e Doença s Transmissíveis da Faculdade d e Ciência s Médicas UNICAMP, Campinas, Sã o Paulo, Brasil. (2) Professo r Assistente n a Disciplin a d e Doença s Transmissíveis da Faculdad e d e Ciência s Médicas UNICAMP, Campinas, São Paulo, Brasil. (3) Professo r Assistent e Douto r n a Disciplin a d e Doença s Transmissívei s da Faculdad e d e Ciência s Médicas UNICAMP, Campinas, Sã o Paulo, Brasil. Endereço par a correspondência : Dr. Rogéri o d e Jesu s Pedro. Faculdad e d e Ciência s Médicas d a Universidad e Estadua l d e Campinas. Caix a Posta l CEP Campinas, São Paulo, Brasil.

2 expostas, se infectam, mas não adoecem. A paracoccidioidomicose-doença pod e ser aguda ou subaguda (co m doi s subtipo s grav e e moderada ) e crônica, est a un i o u multifoca l podend o se r leve, moderada o u grave. A terceir a modalidad e clínica correspond e à s forma s residuai s o u se - qüelas 5. A paracoccidioidomicos e doença, e m su a forma agud a ou subaguda é, habitualmente, se - vera, com m á evoluçã o e compromete preferen - temente o sistem a monócito-fagocitário. O s doentes, e m geral, apresentam grav e depressã o da resposta imune celular 10, embora tenha m ele - vados títulos de anticorpos específico s circulantes 2. Na form a crônica, a doenç a te m duraçã o mais prolongada, podendo acomete r um ou mais órgãos o u sistema s e a imunidade celula r pod e estar conservad a ou deprimid a e m grau s variáveis, e m gera l retratand o a extensã o o u gravi - dade da doença. As formas clínica s relatadas traduze m o que ocorre e m condiçõe s naturai s na s zona s endê - micas desta micose profunda. Em pacientes imu - nocomprometidos, que r po r doenç a subjacente, quer po r açã o de medicamentos, te m sid o registradas n a literatur a médic a alguma s observa - ções a a ocorrênci a dest a infecção iq, inclu - sive e m modelo s experimentais 15. N a Síndrom e da Imunodeficiência Adquirid a (AIDS ) o u infec - ção pel o víru s d a imunodeficiênci a human a (HIV) nad a há registrado n a literatura e m rela - ção a paracoccidioidomicose. Apresentamos neste trabalho dois relatos d e pacientes co m infecçã o pel o HIV, no s quai s s e diagnosticou a paracoccidioidomicose e destacamos a importância dest e fato em noss o meio. CASO 1 APRESENTAÇÃO DO S CASO S C. G. R., 37 anos, branco, solteiro, trabalha - dor braçal, natural d e Passo s e m Mina s Gerai s e procedente d e Campinas, Estado de São Paulo. Procurou o Ambulatóri o d e Doença s Sexual - mente Transmissívei s da UNICAMP e m junh o de 1986, referindo emagrecimento d e oito quilo s em cinc o meses e alteração n o hábito intestina l há três meses, caracterizado por aument o d o número das evacuações (três a quatro vezes ao dia), com feze s liqüefeitas. A parti r d e fevereir o d e 1986 notou apareciment o d e placa s esbranqin - çadas n a cavidad e oral, qu e regredira m co m o uso d e Ketoconazol. Negava febre, lesõe s cutâ - neas ou outras queixas. Nos antecedentes, ressalta-se que morou em zona rural at é ao s quinze ano s d e idade, tend o trabalhado n a lavoura d e cana-de-açúcar e algodão. Referia ainda ser homossexual (ativo e passivo) há 2 0 anos, com pouco s parceiros. Um do s seus parceiro s estav a send o acompanhad o e m nosso serviço com o diagnóstico d e AIDS, sarcoma d e Kaposi e tuberculose pulmonar. Negav a uso d e droga s injetávei s e viagens a o exterior. Negava qualquer doenç a pregressa de transmis - são sexual. Ao exam e físico, alé m d e emagrecimento, não apresentav a qualque r outr a anormalidade. Os exame s laboratoriai s realizado s nest a época demonstravam : Hemoglobin a (Hb ) 15,6 8 g%, Hematócrit o (Ht ) 47.75%, Leucócitos mm 3, send o bastonete s 12%, segmentados 62%, linfócitos 19%, monócitos 6%. Plaquetas em nú - meros e aspectos normais. Protoparasitológic o e exam e a fresc o da s fezes, negativos. RX d e tórax normal. Anticorp o ant i HIV reagent e po r duas veze s (ELISA). Relaçã o OKT4/OKT8: 0,7. O pacient e oasso u a ser acompanhado am - bulatorialmente com consultas bimestrais man - tendo emagrecimento lent o e progressivo, diar - réia intermitente e episódios d e monilías e oral. Laboratorialmente constatou-s e apareciment o de plaquetopenia ( plaquetas mm 3 ) a par - tir d e fevereiro de Na investigação d o qua - dro diarréico, fez-s e a hipótes e d e supercresci - mento bacteriano a nível de jejuno uma ve z que o test e d a D-xilos e fo i positivo ; o "clearence " entérico d e albumina estav a aumentado, obser - vando-se má absorção de lactose com intolerân - cia e ausência de esteatorréia. A biópsia d e jejuno não evidenciou atrofi a de vilosidades. Em março d e 1987, foi notada a o exame físico esplenomegalia (baç o palpável a trê s c m d o re - bordo costa l esquerdo). Fora m realizado s exa-

3 mes sorologico s par a sífils, citomegalia, tox o plasmose e hepatite B, qu e resultara m negat i vos. Em agost o de 1987, o paciente passou a apre sentar febre alta (3 9 a 40 W C), predominantemente vespertina, emagreciment o acentuad o (sei s qui - los e m 3 0 dias) ; mantinh a diarréi a e monilías e oral. A o exam e físic o apresentava-s e emagreci - do, descorado + + +, temperatur a 39,7C, se m linfonodomegalia. O fígad o er a palpáve l a set e cm e o baço a 1 0 cm d o rebordo costal, este último doloros o e endurecido. O s exames labor a toriais colhido s nest a época mostraram: Hemo - grama-hb 6, 5 g%, Ht-20,0%, VCM 82, Leucócitos 2.500mm 3 send o 7 % bastonetes, 77 % segmenta - dos, 13 % linfócitos, 3 % monócitos. Plaqueta s /mm 3. Transaminases: T. G. O. 30 (8 40u/ 1), T. G. P. 4 1 ( 5 35u/l). Temp o e atividad e do protrombina 14,5 s e 82%. Hemoculturas: cinc o amostras negativas. Pesquisa d e B. K. no esca r ro: três amostras negativas. RX de tórax normal. Foi realizad a ecografi a abdomina l qu e evi - denciou hepatomegali a co m morfologi a e p a drão sonográficos normais. Esplenomegali a mo - derada. O baç o apresentav a múltipla s imagen s ecogênicas nodulares com sombras acústicas, algumas delas com o centro ecoluscente d e calcificações anelares (Figura 1). A radiografia simple s do abdômen mostro u hépato e esplenomegalias com lesões nodulares calcificada s no baço (Figu - ra 2). A tomografi a computadorizad a d o abd ô men revelo u hepatomegalia, esplenomegali a com inúmero s nódulo s sólido s n o parênquim a esplênico, a maioria dele s calcificado s e outros impregnados po r contraste, compatívei s co m processo granulomatos o esplênic o (Figur a 3). Não foram constatadas outra s anormalidades. O pacient e fo i submetid o à punção aspira - tiva d e medula óssea, onde s e demonstrou a pre

4 sença do P. brasiliensis ao exame direto (Figura 4). A cultur a e m mei o Sabourau d confirmo u o achado. cócitos mm 3. Contage m diferencial : 11 % bastonetes, segmentados, 32% linfócito s e 47Í monócitos. Plaqueta s mm 3. Protopa - rasitológico: Giardi a lamblia. Eletroforese d e proteínas: normal. Ecografi a abdominal mos - trou imagens hipoecóides situadas na fossa ilía - ca direit a fazend o impressão no teto e na parede lateral direit a d a bexiga. As imagen s sã o be m delimitadas e as duas maiores mede m 5. 2 x 3.0 cm e 4.0 x 2.8 cm. A tomografia computadorizad a de abdôme n mostro u hépato-esplenomegalias, adenopatia peri-pancreática e peri-aórtica e extensa adenopatia em cadeia hipogástrica, ilíaca externa e ínguino-femorais a direita (Figur a 5). Foi iniciad o tratament o co m sulfametoxa - zol trimetopri m na dose de 480 mg/dia de trimetoprim, com remissão da febre n o quinto dia d e tratamento. O pacient e passo u bem po r dua s semanas quando, novament e volto u a apresen tar febre, piora progressiva do estado geral. Foi medicado també m co m Ketocozano l e anfote - ricina B. Evoluiu para o óbito doi s meses após o iníci o da terapêutica. CASO 2 S. S., 2 9 anos, branco, solteiro, natura l e proc e dente d e Port o Ferreira, Estado d e Sã o Paulo, procurou o ambulatóri o d e Moléstia s Infeccio - sas, referind o apareciment o d e massa na regiã o inguinal direit a e também febr e noturn a h á 2 0 dias. Em seu s antecedente s pessoais, ressalta-se o fat o d e se r homossexual há 1 3 anos, sem pa r ceiro fixo ; tev e uretrit e gonocóccic a há quatr o anos. Ao exam e físico apresentava fígado palpável a doi s cm consistência normal e indolor; baç o palpável a dois cm ; massa inguina l D d e mai s ou menos sete cm, consistência endurecida e superfície bocelada. Os exame s inespecíficos mostraram: Hb-9, 3 g%, Ht-26,5%, VHS-63mm 3 (primeir a hora). Leu - Realizada biópsi a d e linfonodo inguina l D., parte d o material fo i homogeneizado e suspenso em salina, send o encontrado P. brasiliensis a o exame direto. O estud o histopatológic o confir - mou o achado. Caracterizou-se ainda linfoma d e Hodgkin tipo celularidade mista. A complementaçã o d o estud o laboratoria l mostrou qu e a pesquisa de anti HIV fo i positiv a em doi s exames pelo métod o ELISA ; V. D. R. L. foi positiv o e m títul o 1/126 ; fixaçã o d o comple - mento par a paracoccidioidomicose resultou ne - gativa. Iniciado tratamento para a paracoccidioidomicose co m sulfametoxazol-trimetopri m (sei s comprimidos/dia) e quimioterapia específic a para o linfoma. Houv e regressã o do quadr o febri l e da s massas tumoral s e o paciente s e encontra

5 em acompanhament o clínico, mantendo-s e e m boas condições clínicas até o momento. COMENTÁRIOS A epidemia de AIDS assume, em nosso meio, números preocupantes. Segund o dado s d o Mi - nistério d a Saúde, foram relatado s at é junho d e 1988, doentes. Calcula-se número superio r a pessoas entr e infectados pel o HIV assintomáticos e doentes co m manifestaçõe s ini - ciais relacionada s à AIDS. Sabe-s e que, em d e corrência d a subnotificação, esta s cifra s estã o subestimadas. Frent e a esta nova realidad e h á expectativa d e com o s e comportarão a s ende - mias brasileiras, de modo particular a paracoccidioidomicose. A persistent e disfunçã o d o sistem a imun e na AIDS predispõ e a série d e infecçõe s já be m definidas na literatura médica. As infecções fúngicas d e modo gera l estão entr e a s mais relata - das. Estudo s retrospectivos d e casuística s nos Estados Unido s e na Áfric a refere m incidênci a entre 5 8 e 81%, sendo qu e cerc a d e 1 0 a 20 % dos paciente s co m AIDS morre m e m decorrên - cia diret a desta s infecções 6. A candidías e d e orofaringe, esôfago, brôn - quios, pulmõe s e meninges, a criptococose do s pulmões, meninge s o u disseminada, a aspergilose invasiva, a histoplasmose disseminada, es tão associada s a AIDS. O s fungo s causadore s destas doenças são patógenos oportunistas, qu e em hospedeiro s imunocomprometidos, causa m infecções d e severidad e variável, sendo nos pacientes com AIDS o curso de infecção e as manifestações clínicas, freqüentemente mai s grave s que naquele s co m a imunidade comprometid a por outra s causas. Tem sid o relatados caso s d e coccidioidomi - cose disseminada em pacientes com AIDS, qu e estiveram transitoriamente 1 o u qu e procede m de áreas endêmicas desta micose 11 Ainda nada foi relatado n a literatura, correlacionando AID S e paracoccidioidomicose. É n o entanto, possíve l supor-se que indivíduos, com diferentes forma s clínicas dessa micose, poderão te r agravada ess a infecção em decorrência d o com - prometimento d a imunidade, determinad a pel o HIV, vist o qu e a imunidade celula r é essencial na defes a do hospedeir o contr a a infecção pel o P. brasiliensis. Os caso s qu e relatamo s constitue m o s pri - meiros registros da associação da paracoccidioidomicose e infecção pel o víru s HIV. No primeiro relato, presenciou-se a evolução de paracoccidioidomicose assintomátic a o u i n fecção à form a disseminada, no períod o d e 1 4 meses, em que o paciente foi acompanhado apó s o diagnóstico d e infecção pelo HIV. Inicialment e apresentou sintomas gerais, perda d e peso, diarréia prolongada, monilíase da cavidade oral, ca racterizando o grupo IV, subgrupo A, da classifi cação d o Centers for Diseas e Control (CDC) 3 para a infecção pel o HIV. Durante o seguiment o verificou-s e a pro - gressão da micose. O baço inicialmente nã o palpável aumentou d e volume, atingindo 1 0 cm aos 14 meses de seguimento. A presença de imagens nodulares co m calcificações, notadas ao s exa - mes ecográfico, radiológico e tomográfico, pres - supõe processo inflamatório com necrose. A punçã o aspirativa da medula ósse a permi - tiu a identificaçã o d o P. brasiliensis. É lícito, portanto, concluir qu e se trata de forma disseminada d e paracoccidioidomicose. A refratarie - dade a o tratamento nest e caso, atest a a gravidade desta forma clínica. Não se observaram ev i dências de qualquer outr o agente infeccioso qu e justificasse essa evolução. No segund o caso, a propedêutic a dirigid a para o esclarecimento d a febre, tumo r n a fossa ilíaca e região inguinal direit a permitiu a caracterização d e linfom a d e Hodgki n tip o celulari - dade mist a a o exam e histopatológic o d e linfo - nodo daquel a região. Demonstrou-se aind a nes - te mesm o material, a presenç a d e fungo s co m cápsula birrefringent e e gemulaçã o múltipl a permitindo o diagnóstico de P. brasiliensis, Este paciente est á em seguiment o e m noss o serviço, tendo-se obtido boa resposta com a terapêutic a convencional par a a doença d e Hodgkin e co m o uso de sulfametoxazol-trimetoprim. O pape l d a infecção pel o HIV, não pod e se r claramente definido, j á qu e d o pont o d e vist a

6 clínico e evolutivo o caso em tela, não se difere n cia do que já se conhece sobre a paracoccidioido micose associada a doença de Hodgkin 8. A mico - se no momento atual, restringe-se ao comprome - timento ganglionar, não havendo evidência s clí nicas de acometimento d e outros órgão s ou sistemas. O resultad o negativ o d a reaçã o d e fixaçã o do complement o par a a paracoccidioidomicos e pode se r decorrente d a limitação d a micose, ou, como já s e verificou e m outra s infecçõe s fúngi - cas, inclusive n a coccidioidomicose n, d e efeit o também n a imunidad e humora l determinad a pela infecçã o pel o HIV. Na paracoccidioidomi - cose d o hospedeir o imunocomprometid o po r causas diversa s da infecçã o pel o HIV, esta rea - ção é habitualmente positiva 13. A medid a e m qu e a infecçã o pel o HI V va i se extendendo a regiões endêmicas de paracoccidioidomicose, é provável qu e outro s caso s ocor - ram de modo semelhante a o que se verificou co m outras micose s profundas O equilíbri o entr e hospedeiro e agente etio - lógico no s caso s d e paracoccidioidomicos e infecção pode se romper co m a infecção pelo HIV e tornar mais expressiva a incidência dest a mi - cose com o infecçã o oportunístic a e m pessoa s que vivem nestas regiões. Fato semelhante ocor - reu em alguns centros urbanos nos Estados Unidos, ond e s e verificou significativ o aument o d a incidência d a tuberculose, atribuíd o à concomitante infecçã o pel o víru s d a imunodeficiênci a humana Os médicos que desenvolvem atividades e m áreas endêmicas de paracoccidioidomicose pre - cisam considerá-la como infecçã o oportunístic a potencial e m paciente s co m AID S e d e mod o inverso, pacientes com o diagnóstico dessa micose qu e fizera m part e do s grupo s d e maio r risc o devem se r avaliado s par a a infecçã o pel o HI V e AIDS. SUMMARY PARACOCCIDIOIDOMYCOSIS AN D HUMA N IMMUNODEFICIENCY VIRU S INFECTIO N We present tw o case s of paracoccidioidorn.y - cosis, one occurring i n a n AIDS patien t and th e other i n a n HIV infecte d man. Thi s i s th e firs t report o f such association. The first patient, which was already followed for HI V infectio n (grou p IV-A ) presente d wit h high fever an d hepatosplenomegaly. Plai n X-ray, ultrasound an d CT-scan o f the abdomen showe d solid nodule s i n th e spleen, some o f the m wit h calcification. Both th e direc t smea r and the cul - ture of a bone marrow aspiration reveale d Para - coccidioides brasiliensis. Th e patien t die d o f acute disseminated Paracoccidioidomycosis. The secon d patient, a man anti-hiv seropo - sitive presente d wit h a mass o n th e righ t lowe r abdomen an d inguina l region. A biops y o f th e mass showed the association of Hodgkin's disease o f th e mixe d cellularit y typ e an d paracoccidioidomycosis. With th e expandin g AID S epidemi c w e be - lieve this report emphasizes the need to conside r Paracoccidioidomycosis in HIV infected person s in countrie s wher e thi s mycosi s is endemic. W e also sugges t th e inclusio n o f Paracoccidioido - mycosis a s a potential opportunisti c infectio n in thes e areas. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICA 1. ABRAMS, D. I.; ROBIA, M. ; BLUMENFELD, W. ; SIMON SON, J. ; COHEM, M. B. & HADLEY, W. K. Dissemi nated coccidioidomycosi s i n AIDS. Ne w Engl. J. Med., 310: , BIAGIONI, L. ; SOUZA, M. J. ; CHAMMA, L. G.; MENDES, R. P. ; MARQUES, S. A.; MOTA, N. G. S. & FRANCO, M. Serolog y of paracoccidioidomycosis. II. Correlatio n between class-specifi c antibodies an d clinical forms o f th e disease. Trans, ro y Soc. trop. Med. Hyg., 18 : , BRONNIMANN, D. A.; ADAM, R. D. ; GALGIANI, J. N.; HABIB, M. P. ; P E T E R S E N, E. A. ; PORTER, B. & BLOOM, J. W. Coccidioidomycosis i n th e acquire d im munodeficiency syndrome. Ann. intern. Med., 106 : , CENTER S FOR DISEASE CONTROL. Classificatio n sys - tem fo r huma n T. lymphotropic viru S s typ e III/lymphade nopathy associate d viru s infections. MMWR, 35 : , FRANCO, M. ; MONTENEGRO, M. R. ; MENDES, R. P.; MARQUES, S. A.; DILLON, N. L. & MOTA, N. G. S. Paracoccidioidomycosis: a recentl y propose d classifica tion o f it s clinica l forms. Rev. Soc. bras. Med. trop. 20 : , 1987.

7 6. HANDWERGER, S. ; MILDVAN, D. ; SENIE, R. & Mc KINDLEY, F. W. Tuberculosis an d th e acquire d immu - nodeficiency syndrom e a t a Ne w Yor k cit y hospital : Chest, 91 : , HOLMBERG, K. & MEYER, R. D. Funga l infection s in patients with AIDS an d AIDS-related complex. Scand. J. infect. Dis., 18: , LACAZ, C. S.; FARIA, J. L. & MOURA, M. A. A. Blasto micose su l american a associad a à molésti a d e Hodgkin. Hospital (Ri o d e J.) 34: , LUTZ, A. Um a mycos e pseudococcídi a localizad a n a boca e observada n o Brasil. Contribuições a o conhecimen to da s Hyphoblastomicoses americanas. Brasil-méd., 22 : , MOTA, N. G. S. ; REZKALLAH-IWASSO, M. T. ; PERA ÇOLI, M. T. S.; AUDI, R. C; MENDES, R. P.; MARCON DES, J. ; MARQUES, S. A.; DILLON, N. L. & FRANCO, M. F. Correlation betwee n cell-mediated immunit y an d clinical form s o f paracoccidioidomycosis. Trans, roy. Soc. trop. Med. Hyg., 19: , RIEDER, H. L. & SNIDER, D. E. Tuberculosi s an d acquired immunodeficienc y syndrome. Chest, 90 : , ROBERT, C. J. Coccidioidomycosis i n acquire d immu nodeficiency syndrome. Depresse d humoral a s well a s ce llular immunity. Amer. J. Med., 76 : , SEVERO, L. C; LONDERO, A. T.; GEYER, G. R. & POR TO, N. S. Acute pulmonar y paracoccidioidomycosi s i n an immunosuppresse d patient. Mycopathologi a (De n Haag), 68 : , SUGAR, A. M. ; RESTREPO, A. & STEVENS, D. A. Paracoccidioidomycosis i n th e immunosuppresse d host : report o f a cas e an d revie w o f th e literature. Amer. Rev. resp. Dis., 129: , TEIXEIRA, G. A. ; KERR, I. B. ; MIRANDA, J. L.; MA - CHADO FILKO, J. & OLIVEIRA, C. A. B. Blastomicos e experimental n o rato. Evoluçã o d a doenç a experimenta l em animai s implantado s co m sarcom a d e Yoshida. Hos - pital (Ri o d e J.), 75 : , WHEAT, L. J. ; SLAMA, T. G. & ZECKEL, M. L. Histo plasmosis i n th e acquire d immunodeficienc y syndrome. Amer. J. Med., 78 : , Recebido par a publicaçã o e m 16/5/1988.

Recomendações para Terapia Anti retroviral em Adultos Infectados pelo HIV

Recomendações para Terapia Anti retroviral em Adultos Infectados pelo HIV MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE DST E AIDS Recomendações para Terapia Anti retroviral em Adultos Infectados pelo HIV 2008 Recomendações para Terapia Anti-retroviral

Leia mais

HEMOVIGILÂNCIA: ANÁLISE DAS INFORMAÇÕES DISPONÍVEIS PARA SUA IMPLANTAÇÃO, DE ACORDO COM A (RE)INVESTIGAÇÃO DE CASOS DE AIDS ASSOCIADOS À TRANSFUSÃO.

HEMOVIGILÂNCIA: ANÁLISE DAS INFORMAÇÕES DISPONÍVEIS PARA SUA IMPLANTAÇÃO, DE ACORDO COM A (RE)INVESTIGAÇÃO DE CASOS DE AIDS ASSOCIADOS À TRANSFUSÃO. HEMOVIGILÂNCIA: ANÁLISE DAS INFORMAÇÕES DISPONÍVEIS PARA SUA IMPLANTAÇÃO, DE ACORDO COM A (RE)INVESTIGAÇÃO DE CASOS DE AIDS ASSOCIADOS À TRANSFUSÃO. MARIA DE FÁTIMA ALVES FERNANDES Dissertação de Mestrado,

Leia mais

SOROPREVALÊNCIA DA HEPATITE C E FATORES ASSOCIADOS EM USUÁRIOS DE CRACK

SOROPREVALÊNCIA DA HEPATITE C E FATORES ASSOCIADOS EM USUÁRIOS DE CRACK 0 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE/DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ENFERMAGEM LAÍS

Leia mais

Recomendações para Terapia Antirretroviral em Crianças e Adolescentes Infectados pelo HIV

Recomendações para Terapia Antirretroviral em Crianças e Adolescentes Infectados pelo HIV Disque Saúde 0800 61 1997 Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde www.saude.gov.br/bvs Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde 2009 Recomendações para Terapia Antirretroviral em

Leia mais

Hepatites Virais: O BRASIL ESTÁ ATENTO. 3ª edição. Série B. Textos Básicos de Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE BRASÍLIA / DF 2008

Hepatites Virais: O BRASIL ESTÁ ATENTO. 3ª edição. Série B. Textos Básicos de Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE BRASÍLIA / DF 2008 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Hepatites Virais: O BRASIL ESTÁ ATENTO 3ª edição BRASÍLIA / DF 2008 Série B. Textos Básicos de Saúde 2002

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hepatites Virais: o Brasil está atento. 2ª edição BRASÍLIA / DF

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hepatites Virais: o Brasil está atento. 2ª edição BRASÍLIA / DF MINISTÉRIO DA SAÚDE Hepatites Virais: o Brasil está atento 2ª edição BRASÍLIA / DF Hepatites Virais: o Brasil está atento MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância

Leia mais

Epidemiologia Básica. 2 a edição

Epidemiologia Básica. 2 a edição Epidemiologia Básica 2 a edição Epidemiologia Básica 2 a edição R. Bonita R. Beaglehole T. Kjellström Título em inglês: Título em português: Autores: Tradução e Revisão científica: Revisão de português:

Leia mais

Tuberculose. Perguntas

Tuberculose. Perguntas Tuberculose Perguntas e Respostas Tuberculose PERGUNTAS E RESPOSTAS Elaboração: Divisão de Tuberculose CVE Av.Dr. Arnaldo 351, 6ºAndar Fone: 3066-8294 3066-8291 Internet : www.cve.saude.sp.gov.br Capa

Leia mais

PAPILOMAVIROSE HUMANA EM GENITAL, PARTE I

PAPILOMAVIROSE HUMANA EM GENITAL, PARTE I REVISÃO REVIEW PAPILOMAVIROSE HUMANA EM GENITAL, PARTE I GENITAL HUMAN PAPILOMAVIROSIS, PART I Mauro Romero L Passos 1, Gutemberg Almeida 2, Paulo César Giraldo 3, Sílvia Maria B Cavalcanti 4, João Carlos

Leia mais

recebem o diagnóstico já com sequelas permanentes e perdem um tempo precioso de tratamento e prevenção de incapacidades. Os achados fisiopatológicos

recebem o diagnóstico já com sequelas permanentes e perdem um tempo precioso de tratamento e prevenção de incapacidades. Os achados fisiopatológicos 12 1. INTRODUÇÃO A hanseníase também conhecida como lepra é uma doença tão antiga quanto a história da humanidade. Caracteriza-se por ser uma doença infectocontagiosa de evolução crônica, com via de transmissão

Leia mais

Métodos de estimativa da mortalidade atribuível ao tabagismo: uma revisão da literatura

Métodos de estimativa da mortalidade atribuível ao tabagismo: uma revisão da literatura Artigo de revisão Métodos de estimativa da mortalidade atribuível ao tabagismo: uma revisão da literatura Methods for Estimating Smoking Attributable Mortality: a Review Paulo César Rodrigues Pinto Corrêa

Leia mais

CONVIVENDO COM A HEPATITE C. Manual de convivência. Segunda Edição Revista e Ampliada

CONVIVENDO COM A HEPATITE C. Manual de convivência. Segunda Edição Revista e Ampliada CONVIVENDO COM A HEPATITE C Manual de convivência Segunda Edição Revista e Ampliada Edição de 2003 O avanço do conhecimento nas pesquisas pode ter tornado obsoleta alguma colocação. Página 1 Carlos Varaldo

Leia mais

O peso de ser muito gordo: um estudo antropológico sobre obesidade e gênero

O peso de ser muito gordo: um estudo antropológico sobre obesidade e gênero O peso de ser muito gordo: um estudo antropológico sobre obesidade e gênero Clarissa Azevedo Gonçalves Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social Instituto de Filosofia e Ciências Humanas

Leia mais

Grupo Vontade de Viver

Grupo Vontade de Viver Grupo Vontade de Viver 01 - O que é Hepatite? Apoio aos portadores de Hepatite C contato@vontadedeviver.org.br O termo hepatite significa inflamação no fígado. Existem diversos tipos de hepatite, mas as

Leia mais

O paciente cirúrgico. Parte II. The Surgical Patiente. Part II

O paciente cirúrgico. Parte II. The Surgical Patiente. Part II Recebido em 13/10/2010 França, Aprovado et em al. 26/11/2010 V11N1 O paciente cirúrgico. Parte II The Surgical Patiente. Part II Ricardo Wathson Feitosa de Carvalho I Carlos Umberto Pereira II José Rodrigues

Leia mais

ANÁLISE DE DEPRESSÃO E ANSIEDADE NOS ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR: COMPARAÇÃO RADIOLOGIA COM UM ESTUDO DO CURSO DE

ANÁLISE DE DEPRESSÃO E ANSIEDADE NOS ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR: COMPARAÇÃO RADIOLOGIA COM UM ESTUDO DO CURSO DE ANÁLISE DE DEPRESSÃO E ANSIEDADE NOS ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR: COMPARAÇÃO COM UM ESTUDO DO CURSO DE RADIOLOGIA Ana Catarina Martins Pereira Docente Curso Radiologia Escola Superior de Saúde Dr. Lopes

Leia mais

USOS DA VIGILÂNCIA E DA MONITORIZAÇÃO EM

USOS DA VIGILÂNCIA E DA MONITORIZAÇÃO EM USOS DA VIGILÂNCIA E DA MONITORIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Eliseu Alves Waldman 1 Resumo O objetivo deste texto é apresentar a vigilância e a monitorização como distintos instrumentos de saúde pública. A vigilância

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes. Saúde Reprodutiva DOENÇAS INFECCIOSAS E GRAVIDEZ

Direcção-Geral da Saúde Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes. Saúde Reprodutiva DOENÇAS INFECCIOSAS E GRAVIDEZ Direcção-Geral da Saúde Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes Saúde Reprodutiva DOENÇAS INFECCIOSAS E GRAVIDEZ Lisboa, 2000 PORTUGAL. Direcção-Geral da Saúde Divisão de Saúde Materna, Infantil

Leia mais

DOENÇA GRANULOMATOSA CRÓNICA

DOENÇA GRANULOMATOSA CRÓNICA DOENÇA GRANULOMATOSA CRÓNICA Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA

Leia mais

Mario Jorge Warde Filho

Mario Jorge Warde Filho Mario Jorge Warde Filho SHORT FORM-36, ESCALA DE AUTO-ESTIMA ROSENBERG/UNIFESP-EPM, BODY SHAPE QUESTIONNAIRE E ESCALA DE DEPRESSÃO DE BECK NA LIPOATROFIA FACIAL EM PACIENTES COM HIV/AIDS, APÓS IMPLANTE

Leia mais

Artigo original. Endereço para correspondência: Rua Fortaleza, 70, Jardim Paulista, Cuiabá-MT, Brasil. CEP: 78065-350 E-mail: leocris2001@terra.com.

Artigo original. Endereço para correspondência: Rua Fortaleza, 70, Jardim Paulista, Cuiabá-MT, Brasil. CEP: 78065-350 E-mail: leocris2001@terra.com. Artigo original A violência contra crianças e adolescentes: características epidemiológicas dos casos notificados aos Conselhos Tutelares e programas de atendimento em município do Sul do Brasil, 2002

Leia mais

Kérima Magalhães Machado 1, Laiena Sávia Santos de Moura 1, Tânia Kellen de Faria Conti 2

Kérima Magalhães Machado 1, Laiena Sávia Santos de Moura 1, Tânia Kellen de Faria Conti 2 MEDIDAS PREVENTIVAS DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AOS RISCOS BIOLÓGICOS NO AMBIENTE HOSPITALAR Kérima Magalhães Machado 1, Laiena Sávia Santos de Moura 1, Tânia Kellen de Faria Conti 2 A equipe de enfermagem

Leia mais

PARASITOSES INTESTINAIS: UMA REVISÃO SOBRE SEUS ASPECTOS SOCIAIS, EPIDEMIOLÓGICOS, CLÍNICOS E TERAPÊUTICOS

PARASITOSES INTESTINAIS: UMA REVISÃO SOBRE SEUS ASPECTOS SOCIAIS, EPIDEMIOLÓGICOS, CLÍNICOS E TERAPÊUTICOS PARASITOSES INTESTINAIS: UMA REVISÃO SOBRE SEUS ASPECTOS SOCIAIS, EPIDEMIOLÓGICOS, CLÍNICOS E TERAPÊUTICOS Intestinal parasitic diseases: a review of social, epidemiologic, clinical and therapeutic aspects

Leia mais

RINOSSINUSITES E COMPLICAÇÕES DAS RINOSSINUSITES

RINOSSINUSITES E COMPLICAÇÕES DAS RINOSSINUSITES RINOSSINUSITES E COMPLICAÇÕES DAS RINOSSINUSITES 1 I. CONCEITO Sinusite é todo processo inflamatório da mucosa de revestimento da cavidade paranasal. Atualmente o termo rinossinusite tem sido mais aceito

Leia mais

Obesidade, o mal do século também para a oncologia

Obesidade, o mal do século também para a oncologia www.revistaonco.com.br novembro/dezembro 2014 Ano 5 n º 26 Oncologia para todas as especialidades Entrevista Especialista em mieloma múltiplo, Angelo Maiolino defende a busca por uma solução econômica

Leia mais

PROTOCOLO DE ASSISTÊNCIA AOS PORTADORES DE FERIDAS

PROTOCOLO DE ASSISTÊNCIA AOS PORTADORES DE FERIDAS Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida 0 Sistema Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Secretaria Municipal de Políticas Sociais Secretaria Municipal de Gerência de Assistência Coordenação

Leia mais