Manual Gestão de Redes Internet e Intranet

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual Gestão de Redes Internet e Intranet"

Transcrição

1 ESCOLA SECUNDÁRIA DA MOITA Manual Gestão de Redes Internet e Intranet CEF- Curso de Educação e Formação Informática 11ºF2 Nº7 Aluno: Pedro Miguel 1

2 Índice HISTÓRIA DAS TELECOMUNICAÇÕES... 7 Internet...8 Intranet...9 TIPOS DE REDES Analógica (56Kb)...10 RDIS ( Kb)...10 Classificação de redes...11 Lan...11 Man...12 Wan...12 Topologias de Rede...13 Barramento...13 Anel...13 Estrela...13 Árvore...14 Não Constrangida...14 TRANSMISSÃO DA INFORMAÇÃO Banda de base (baseband)...15 Banda larga (broadband)...15 Condutor...16 Isolante...16 Meios Guiados...17 Linha Bifilar...17 Cabo Coaxial...18 Vantagens e desvantagens:...19 Par Entrançado...20 Norma EIA/TIA 568:...21 Fibra Óptica...22 Ondas de Rádio...23 Infravermelhos...24 Micro-ondas...24 Bluetooth...25 LIGAÇÕES TERRESTRES Ligações Terra-satélite...26 Ligações Laser

3 LARGURA DE BANDA A ORIGEM DOS NÚMEROS Base Hexadecimal...29 Base binária...30 Bytes...30 Potenciação em base binária...31 Contagem de Bytes...32 O sistema Octogonal e Hexadecimal...33 MODOS DE TRANSMISSÃO Transferência de Dados Série e Paralelo...34 Síncronos e Assíncronos...34 Paridade...35 Transmissão de bits em série ou em paralelo...36 MODOS DE COMUNICAÇÃO Simplex...40 Full-Duplex...40 Ligações de Acesso à Rede...40 Modems...41 RDIS...42 DSL...43 Várias tecnologias DSL, e as suas principais características:...44 High Bit-rate DSL...44 ISDN DSL...44 Multirate Symmetric DSL...44 Rate Adaptative DSL...44 Symmetric DSL...44 Very high bit-rate DSL...44 Internet por Cabo...45 O Modem por cabo...46 Desmodulador...46 Modulador...46 Processador...46 DISPOSITIVOS DE REDE

4 Modem...47 Placa de Rede...47 Switch...48 Hub...48 Bridge (pontes...49 Router...49 Protocolos...50 As necessidades dos Protocolos...50 Organismos Normalizadores...51 ORGANISMOS INTERNACIONAIS ISO International Organization for Standardization...52 IEEE Institute of Electric and Electronic Engineering...53 ORGANISMOS LOCAIS ANACOM Autoridade Nacional para as Telecomunicações...54 FCCN Fundação para a Computação Científica Nacional...55 OS STANDARDS Código de Representação de caracteres...56 Unicode...56 ASCII...57 Alfabeto GSM...57 UTF-X...57 PROTOCOLOS DE REDES Modelo OSI...59 Camada do Modelo OSI...60 Camada Física...61 Camada de Ligação Lógica...62 Camada de Rede...63 Camada de Transporte...64 Camada de Sessão...65 Camada de Apresentação...66 Camada de Aplicação

5 Encapsulamento...68 Modelos Práticos...68 Modelos Práticos...69 AS CAMADAS INFERIORES O PROTOCOLO ETHERNET AS CAMADAS INFERIORES O PROTOCOLO ETHERNET Trama Ethernet...72 Endereços de acesso ao meio...73 CABOS ETHERNET TRANSMISSION CONTROL PROTOCOL / INTERNET PROTOCOL Origem...76 TRANSMISSION CONTROL PROTOCOL / INTERNET PROTOCOL Origem...77 PROTOCOLOS DO TCP/IP INTERNET PROTOCOL IP ARP ADDRESS RESOLUTION PROTOCOL Endereçamento IP...81 Endereçamento IP...82 SEGMENTAÇÃO DE REDES REGISTO DE ENDEREÇOS IP IPV FERRAMENTAS DO IP PROTOCOLOS DA CAMADA 4 TCP TCP Transmission Control Protocol...90 Trama TCP...91 ROUTERS

6 Propriedades dos Routers...93 PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO RIP...95 INTERNET Visualização e Pesquisa de Informação...97 Finger...97 COMUNICAÇÃO Correio Electrónico

7 História das telecomunicações O 1º método de comunicação eléctrico a ser utilizado em larga escala foi o telégrafo, inventado em 1837 por morse, utilizava um código com o nome do seu criador para transmitir informação.em 1876, Alexander Bell regista a patente do telefone. (Pesq: Alexander Bell.). Em Portugal, a 1ª ligação telefónica foi realizada em 1877 tendo sido estabelecida pelo rei D..Luis I entre a povoação de Carcavelos e a Estação do Cabo, em Lisboa. Em 1901, Marconi demonstrou que as ondas de rádio podiam ser usadas para transmitir informação a longas distancias como por exemplo da Inglaterra a França A rádio é ainda hoje um dos principais métodos de transmissão, e é a base das telecomunicações móveis. Foi esse pequeno passo que proporcionou a revelação electrónica que apartir daí tem vindo a acontecer, e que forneceu a base para a rede electrónica computorizada, ao invés da mecânica. Em 1965 Charles Kao,avança com a teoria de que a informação pode ser transmitida por sinais luminosos, utilizando os cabos de fibra óptica esta teoria teve sucessivos desenvolvimentos até aos dias de hoje de modo a facultar o meio de transmitir grandes quantidades de informação a taxas de transmissão bastante altas. Alexander Bell Charles Kao 7

8 Internet A Internet é uma rede de computadores que entre si, comunicam de uma forma transparente através de um protocolo comum (IP- Internet Protocol)e é também um conglomerado de redes em escala mundial de milhões de computadores interligados que permite o acesso a informações e todo tipo de transferência de dados. Ao contrário do que normalmente se pensa, Internet não é sinónimo de World Wide Web. Esta é parte daquela, sendo a World Wide Web, que utiliza hipermídia na formação básica, um dos muitos serviços oferecidos na Internet. A Web é um sistema de informação mais recente que emprega a Internet como meio de transmissão. A estrutura é a seguinte: - Utilização do protocolo TCP/IP. - Comunicação entre diferentes plataformas. -E interligação de computadores. Mapa onde se existe Internet a nível mundial. 8

9 Intranet Intranet é uma rede de computadores privativa que utiliza as mesmas tecnologias que são utilizadas na Internet. O protocolo de transmissão de dados de uma intranet é o TCP/IP e sobre ele podemos encontrar vários tipos de serviços de rede comuns na Internet, como por exemplo o , chat, grupo de notícias, HTTP, FTP entre outros. Uma Intranet pode ou não estar conectada a Internet ou a outras redes. É bastante comum uma Intranet de uma empresa ter acesso a Internet e permitir que seus usuários usem os serviços da mesma, porém nesse caso é comum a existência de serviços e ou dispositivos de segurança como, por exemplo, um firewall para fazer o barramento de dados indevidos que tentam transitar entre a rede pública e a rede privativa. Quando uma intranet tem acesso a outra intranet, caso comum entre filiais de uma empresa ou entre empresas que trabalham em parceria, podemos chamar a junção das duas ou mais redes de extranet. Algumas empresas chamam de extranet a área da sua intranet que oferece serviços para a rede pública Internet. Uma tecnologia que tem se difundido muito na área de tecnologia da informação para a criação de extranets aproveitando-se da infra-estrutura da Internet é a VPN.O uso de redes do tipo intranet nas empresas se difundiu e consolidou nos meados dos anos 90 juntamente com a popularização da Internet. Imagem do que pode ser a rede Intranet. 9

10 Tipos de Redes -Redes telefónicas fixas Analógica (56Kb) RDIS ( Kb) A Rede Digital com Integração de Serviços (RDIS) resulta da evolução natural da rede telefónica. A rede telefónica foi projectada simplesmente para tráfego de voz sobre linhas analógicas, mas na década de cinquenta foi introduzido o modem para transportar dados sobre essa infra-estrutura. Uma rede RDIS tem possibilidade de oferecer dois tipos de acessos: acesso básico e acesso primário. O primeiro tipo coloca à disposição do utilizador dois canais para transmissão de voz a 64 kb/s e um canal para dados a 16 kb/s, totalizando um débito de 144 kb/s. O acesso básico por sua vez disponibiliza 30 canais de voz com o mesmo débito e um canal de dados a 64 kb/s perfazendo cerca de 2 Mb/s. -Redes Moveis 2G (GSM) 9.6Kb 3G UMTS 115 Kb -Redes de dados TCP/IP ATM O ATM é um protocolo de comutação rápida, que foi concebido no sentido do mesmo comutador ter capacidade para comutar todos os tipos de serviço oferecidos pela rede. -Redes de TV Cabo Redes de TV por Cabo pode ser uni ou bidireccionais. As mais desinibidas são as unidireccionais, são mais baratos e não é necessário ter informação retorno.os canais de televisão fazem uso da chamada banda directa situada entre os 111 e 750 MHz, embora essa banda nas redes mais modernas possa ir até 1 GHz. 10

11 Classificação de redes Classificação de redes Área Velocidade Fiabilidade Responsabilidade Lan Pequena <1km Muito alta Grande Utilizador Man Media <10km Alta Grande Repartida entre o utilizador e fornecedor de serviço Wan Grande Baixa Baixa Fornecedor de serviços Lan Em computação, LANs (ou redes locais, ou redes privadas) são redes utilizadas na interconexão de equipamentos processadores com a finalidade de troca de dados. Tais redes são denominadas locais por cobrirem apenas uma área limitada (10 Km no máximo, quando passam a ser denominadas MAN), visto que, fisicamente, quanto maior a distância de um nó da rede ao outro, maior a taxa de erros que ocorrerão devido à degradação do sinal. As LANs são utilizadas para conectar estações, servidores, periféricos e outros dispositivos que possuam capacidade de processamento em uma casa, escritório, escola e edifícios próximos. Componentes de uma LAN: 1 - Servidores 2 - Estações 3 - Sistema Operacional de Rede 4 - Meios de Transporte 5 - Dispositivos de Redes 6 - Protocolos de Comunicação 11

12 Man Uma Metropolitan Area Network ou Rede de Área Metropolitana é uma rede de comunicação que abrange uma cidade. O exemplo mais conhecido de uma MAN é a rede de televisão a cabo disponível em muitas cidades. A partir do momento em que a internet atraiu uma audiência de massa, as operadoras de redes de TV a cabo, começaram a perceber que, com algumas mudanças no sistema, elas poderiam oferecer serviços da Internet de mão dupla em partes não utilizadas do espectro. Wan Wide Area Network (WAN), Rede de área alargada ou Rede de longa distância, também conhecida como Rede geograficamente distribuída, é uma rede de computadores que abrange uma grande área geográfica, com frequência um país ou continente. Difere, assim, das LAN e das MAN. A história da WAN começa em 1965 quando Lawrence Roberts e Thomas Merril ligaram dois computadores, um TX-2 em Massachussets a um Q-32 na Califórnia, através de uma linha telefónica de baixa velocidade, criando a primeira rede de área alargada (WAN). A maior WAN que existe é a Internet. Em geral, as redes geograficamente distribuídas contém conjuntos de servidores, que formam sub-redes. Essas sub-redes têm a função de transportar os dados entre os computadores ou dispositivos de rede. As Wans tornaram-se necessárias devido ao crescimento das empresas, onde as Lan's não eram mais suficientes para atender a demanda de informações, pois era necessária uma forma de passar informação de uma empresa para outra de forma rápida e eficiente. Aí surgiram as Wans, que conectam redes dentro de uma vasta área geográfica, permitindo comunicação a grande distância. 12

13 Topologias de Rede Barramento Todos os elementos da rede partilham o mesmo meio de transmissão. Apenas um par de elementos pode estar a comunicar simultaneamente. Quando um pacote de dados é transmitido, propaga-se a todos os elementos da rede, sendo recebido por todos. As vantagens são que, como o tamanho dos cabos é menor que nas outras topologias, os barramentos são ideais para protocolos que usem método de contenção. São também fáceis de reconfigurar, adicionando ou eliminando utilizadores e o meio de transmissão é fiável. Anel Consiste em ligações ponto-a-ponto entre pares de dispositivos que no seu conjunto formam um círculo fechado. A informação é transmitida através do anel sob a forma de um pacote de dados que é enviado rotativamente segundo uma direcção predefinida. A informação é assim enviada para cada um dos elementos da rede, e depois reenviada, até ser retirada.basta um nó não estar ligado e o circuito fica interrompido. Estrela Todos os elementos da rede estão ligados a um ponto central, também denominado por Hub. O ponto central pode ser activo ou passivo. A grande vantagem reside no facto de poder ser expandida muito facilmente. O aumento de elementos na rede pode ir, teoricamente, até ao infinito. As técnicas de acesso à rede são mais fáceis do que em qualquer das topologias anteriores, uma vez que existe um elemento que toma conta das transmissões na rede.) 13

14 Árvore É designada como topologia hierárquica, e tal como, o nome indica é estruturada em níveis. Tem algumas características como a de barramento e em estrela. O nível superior não é o único a tratar do endereçamento e gestão do fluxo da informação na rede. A informação é transmitida por um dispositivo num nível mais baixo só recua o suficiente até trocar de segmento de rede para chegar ao seu destino, podendo nem passar pela raiz. Não Constrangida Também denominadas de híbridas, não têm nenhuma configuração definida. Os elementos estão ligados entre si ponto a ponto de uma maneira arbitrária, que varia grandemente de uma implementação para a outra. Os problemas de roteamento associados com estas redes são bastantes difíceis de resolver. Os elementos que efectuam o roteamento, por vezes têm de executar outro tipo de funções relacionadas com a rede. Introduz atraso e adiciona carga indesejada. 14

15 Transmissão da Informação A informação produzida por uma determinada fonte seja ela sonora, visual, informático pode ser convertida num sinal magnéticoesta informação é então colocada num meio de transmissão e é propagado desde o emissor até ao receptor. O receptor é capaz de reconverter o sinal electromagnético recebido, reproduzindo-o na forma original, de novo em som, imagem ou dados informáticos. Independentemente do meio de conversão utilizado e do meio de transmissão, a comunicação é feita com recurso às propriedades físicas das ondas electromagnéticas. O meio de transmissão é a ligação física, pela qual se propagam as ondas, entre o emissor e o receptor num sistema de emissão de dados. Este pode ser classificado de guiado ou não guiado. Num meio não guiado as ondas electromagnéticas são propagadas mas não conduzidas. A atmosfera e o espaço são os melhores exemplos de meios não guiados, que são a base para as comunicações sem fios, wireless. Os meios guiados guiam as ondas electromagnéticas através de um meio físico. De um modo geral podemos afirmar que toda a fronteira entre meios electromagneticamente diferentes guia uma onda. Esses meios podem ser sólidos, líquidos ou mesmo gasosos. Banda de base (baseband) Transmissão de sinais sem modulação: os dados binários são transmitidos no meio como uma sequência de impulsos eléctricos, pelo que todo o espectro de frequências do cabo será utilizado, não sendo possível haver múltiplos canais. A transmissão na banda de base está limitada a cerca de 1Km porque a atenuação, a qual não se pronuncia a altas-frequências, causa uma barreira na recepção e percepção do sinal. Banda larga (broadband) Transmissão de sinais com modulação: o espectro de frequências do cabo pode ser dividido em canais. Cada canal poderá transmitir dados diferentes. Poderão ser atingidas distâncias de até 10Km. Ao contrário da banda de base, os sinais são transmitidos num único sentido (unidireccional). A principal razão é que não é possível construir amplificadores que passem sinais de uma frequência em ambas as direcções. 15

16 Condutor Um material condutor é aquele que oferece pouca resistência à passagem da corrente eléctrica. Por outras palavras, ao introduzir um sinal no condutor, ele vai-se apresentar na outra extremidade praticamente sem atenuação. Os materiais condutores podem-se apresentar em qualquer estado físico, sólido, líquido ou gasoso. A generalidade dos metais, sejam sólidos ou líquidos são condutores. A água, da forma como a conhecemos é um bom condutor. O néon, muito utilizado nas lâmpadas coloridas que enfeitam a nossa sociedade é um gás bom condutor. Isolante Contrariamente ao material condutor, um material isolante ou dieléctrico é aquele que oferece muita resistência à passagem da corrente eléctrica. Um sinal eléctrico não se propaga por um material dieléctrico. Tal como os materiais condutores, também os dieléctricos podem assumir os três estados físicos. Madeira e borracha são um bom exemplo e materiais isolantes sólidos. Os isolantes líquidos incluem a generalidade dos óleos sintéticos e a água no seu estado puro (praticamente inexistente na Terra). A maior parte dos gases é isolante, bem como o próprio ar, quando isento de humidade. 16

17 Meios Guiados Como dito anteriormente, os meios guiados são aqueles que, dada a sua constituição, guiam as ondas electromagnéticas. Os meios guiados apresentam-se sob a forma de cabos, das mais variadas formas e cores, entre os quais se incluem os seguintes: Linha bifilar Cabo Coaxial Par entrançado Fibra Óptica Guia de Planos Paralelos Guia Cilíndrico Guia Paralelipipédico Os últimos guias da lista, planos paralelos, cilíndricos e paralelipipédico já praticamente não se usam, apesar da sua larga utilização no início do século XX. Estes têm vindo sucessivamente a ser substituídos pelos primeiros 4 da lista. Linha Bifilar A linha bifilar é composta por dois condutores paralelos, geralmente em forma cilíndrica envoltos por uma camada de borracha ou plástico isolante. É ideal para transmissão em banda de base, dado que neste modo não apresenta praticamente atenuações. A linha bifilar é bastante utilizada em transmissão de energia eléctrica. Todas as casas estão cheias de condutores deste tipo para a referida transmissão. 17

18 Cabo Coaxial Este tipo de cabo, muito utilizado nos dias de hoje, tem o seu nome devido ao facto dos dois condutores que o constituem partilharem o mesmo eixo. É constituído por um núcleo de cobre envolvido por um material isolante. Por sua vez, o isolante é envolvido por um outro condutor cilíndrico e um revestimento de plástico. O núcleo é usado para transportar dados, enquanto que o condutor externo serve como escudo e protege o primeiro de interferências externas. Existem duas principais variantes destes cabos: baseband e broadband. O cabo coaxial baseband é usado para transmissões digitais entre grandes distâncias. No entanto, o débito é grandemente limitado pelo seu comprimento (um cabo coaxial com 500 m de comprimento permite um débito máximo de 1 Gigabit/seg). Essa restrição pode ser ultrapassada através do uso de amplificadores digitais, que regeneram os sinais transportados pelos cabos aumentando-lhes a longevidade espacial. As transmissões analógicas, tal como a televisão, são feitas sobre cabos coaxiais broadband. Graças à natureza dos sinais analógicos e ao uso de amplificadores na sua regeneração, estes cabos podem transportar dados até à distância máxima de 100 Km. Como os amplificadores analógicos só permitem a transmissão de sinais numa só direcção, foram definidos dois sistemas broadband: single cable e dual cable. O primeiro usa só um cabo coaxial utilizando diferentes frequências para cada sentido da transmissão. Já o segundo, como o nome indica, usa dois cabos, um para cada sentido. Tecnicamente, o cabo coaxial broadband é considerado de qualidade inferior ao cabo baseband na transmissão de dados, mas tem a vantagem de já estar instalado por todo o lado. (ex: rede de difusão de televisão). Fichas BNC para cabo coaxial Cabo coaxial e sua estrutura 18

19 Vantagens e desvantagens: O cabo coaxial, apesar de ser barato e bastante difundido, apresenta também algumas desvantagens. É vulgar que os terminais e as fichas que lhe são acopladas apresentem maus contactos após pouco tempo de utilização, o que vai provocar interferências e diminuir a qualidade da transmissão. Outra desvantagem prende-se com o facto de este cabo ser um pouco rígido, o que dificulta a sua instalação, quando necessário fazer ângulos rectos. Além disso, é utilizado em redes de dados com topologia de barramento. 19

20 Par Entrançado Este comum suporte físico consiste em pares de fios de cobre isolados e entrançados entre si, protegidos por uma camada isolante. O comprimento máximo sem amplificação chega aos vários quilómetros, a partir dos quais a mesma se torna necessária. A transmissão analógica e digital é conseguida com débitos que dependem do cabo utilizado e da distância percorrida, obtendo-se em média vários Megabits/seg entre poucos quilómetros. Os cabos entrançados foram divididos em várias categorias de utilização nas redes de computadores. No caso mais simples, Categoria 3, o cabo consiste num par de fios entrançados envoltos por uma camada isolante. Mais tarde, foram introduzidos outros tipos de cabos entrançados, Categoria 5, cuja diferença estava no maior número de torções dos cabos e no revestimento extra com uma camada de Teflon. O resultado foi uma melhor protecção contra as interferências aliada a uma melhor qualidade do sinal entre grandes distâncias. Estes cabos podem ainda pertencer a dois outros grupos: STP (Shielded Twisted Pair) e UTP (Unshielded Twisted Pair). O primeiro é usado em ambientes industriais, onde existem grandes quantidades de fontes de interferência, pois contém uma camada metálica adicional que tenta isolar mais eficazmente o cabo. Por sua vez, o segundo é utilizado em ambientes onde as fontes de interferência não são tão potentes ou comuns. Estes cabos usam geralmente fichas RJ45 nas extremidades. O cabo de pares entrançados tem vindo a ganhar mercado nas redes de dados. È bastante barato e o facto de ser maleável (uns mais que outros) torna-o ideal para instalações em prédios, pois é de instalação bastante fácil e suporta bastantes protocolos. Além disso, as fichas quando bem aplicadas dificilmente se deslocam do cabo, não provocando os problemas de mau contacto inerentes a outro tipo de cabos. A maior desvantagem prende-se com a distância máxima sem amplificação que é baixa quando comparado com outros cabos. 20

21 Norma EIA/TIA 568: Características eléctricas Categoria 1 Cabo UTP tradicional, bom para redes telefónicas mas não para transmissão de dados. Categoria 2 Cabo UTP certificado para transmissões de dados até 4 Mbit/s. Categoria 3 Cabo UTP, suporta transmissão de dados até 10 Mbit/s, é utilizado em redes Token Ring (4 Mbit/s) e redes Ethernet 10BaseT (10 Mbit/s). Este cabo tem quatro pares de fios entrançados. Suporta frequências até 16 MHz. Categoria 4 Cabo UTP, suporta transmissão de dados até 16 Mbit/s e pode ser utilizado nas redes Token Ring de 16 Mbit/s. Suporta frequências até 20 MHz Categoria 5 Cabo UTP, também é composto por quatro pares de fios e é capaz de transmitir dados a uma taxa de 100 Mbit/s. Suporta Fast Ethernet e Asyncronous Transfer Mode (ATM), se for correctamente instalado. As taxas de transmissão obtidas nos cabos de categoria 5 devem-se sobretudo ao entrelaçamento mais apertado dos fios, ao aparecimento de melhores materiais isoladores, melhor hardware e novos métodos de acesso ao meio. Suporta frequências até 100 MHz. Categoria 6 Para aplicações que requerem maior banda, como a Gibabit Ethernet (1Gbit/s) requer cabos FTP ou UTP, suporta frequências até 250 MHz; Categoria 7 Requer cabos STP e suporta frequências até 600 MHz. 21

22 Fibra Óptica O cabo de fibra óptica é similar em forma ao cabo coaxial. Consiste num núcleo de fibra de vidro denominado core onde os dados são propagados sob a forma de luz, envolvido por outra camada de fibra de vidro (cladding) com menor índice de refracção com o objectivo de manter a luz no núcleo. Essas duas camadas são, então, envolvidas por um ou mais revestimentos que as protegem dos efeitos naturais do meio ambiente dependendo das circunstâncias em que se encontra, sejam instalações ao ar livre, interiores, aéreas, submersas ou outras. É, ainda, comum em sistemas que requerem altos débitos o agrupamento de várias fibras ópticas num só cabo sob uma camada protectora. As fibras ópticas estão a ser cada vez mais utilizadas nas comunicações, graças aos seus altos débitos na transferência da informação. Além disso, por serem constituídas por materiais dieléctricos, são completamente imunes a interferências electromagnéticas e podem ser utilizadas para longas distâncias antes de serem necessários amplificadores. Todas estas vantagens trazem também uma grande desvantagem, que é o preço. Comparativamente aos outros meios de transmissão são os mais caros. Outra grande desvantagem é a sua fragilidade. O material com que são feitas torna-as bastante quebradiças, impedindo que se possam fazer ângulos rectos nas instalações. Em caso de rompimento da fibra é mais fácil instalar uma fibra nova pois é muito difícil de ser remendada. 22

23 Meios não guiados Os meios não guiados são caracterizados por não conduzirem as ondas electromagnéticas. São meios de propagação das ondas, mas estas não têm uma direcção prédefinida. Entre este tipo de meios encontra-se o Ar, a atmosfera e as concentrações não conduzidas de água. Nos meios não guiados utilizam-se outros métodos de transmissão da informação, métodos esses que são chamados de wireless, devido ao facto de não haver cabos na transmissão dos dados. Entre estes métodos encontram-se: Ondas de rádio Infravermelhos Micro-ondas (Bluetooth, Ligações terrestres e Ligações Terra Satélite) Laser Ondas de Rádio Hoje em dia, as ondas de rádio são muito usadas na comunicação porque são fáceis de gerar, propagam-se em todos os sentidos, transmitem sobre largas áreas geográficas e penetram em vários tipos de materiais. Os seus problemas principais estão na dependência da frequência utilizada. Se for baixa, as ondas de rádio seguem a curvatura da Terra, podendo não chegar ao seu destino devido à perda de potência com a distância percorrida. Se for alta, as ondas de rádio viajam em linha recta em direcção à tomosfera, onde são reflectidas para a Terra, o que permite a comunicação entre dois pontos ainda mais afastados por causa de uma perda de potência mais lenta. No entanto, as ondas de rádio não são um meio fiável de transmissão, pois são bastante susceptíveis a interferências eléctricas e magnéticas, bem como interferências causadas por objectos ou fenómenos naturais tais como chuva e trovoadas. Estas ligações são normalmente suportadas por um conjunto de equipamentos de estações base, interligadas entre si por sistemas de cablagem convencionais e localizadas em pontos estratégicos de forma a garantirem o máximo de cobertura do espaço a abranger pela instalação. Cada uma das estações base forma uma célula que é definida pela sua cobertura em termos geográficos. A localização destas devem garantir alguma sobreposição entre células adjacentes, de modo a que não existam zonas sem cobertura e a tornar o processo de transição entre células. 23

24 Infravermelhos O mais comum exemplo da utilização dos raios infravermelhos está nas nossas casas, através dos comandos remotos de televisão, vídeo, etc. Têm como vantagens principais o baixo custo e facilidade de construção, mas pecam por não poderem atravessar grande parte dos materiais. No entanto, essa desvantagem também pode ser tornada útil, através do seu uso em, por exemplo, redes locais dentro do mesmo espaço. Desta maneira, qualquer novo dispositivo que suporte a comunicação via infravermelhos pode participar na rede tendo, apenas, de estar no mesmo espaço em linha de vista. Os infravermelhos funcionam com base em códigos abertos utilizados pelos vários fabricantes de aparelhos electrodomésticos. Na transferência de dados é utilizado também um protocolo especial criado para o efeito. Micro-ondas As micro-ondas não são mais que ondas electromagnéticas, à semelhança das ondas de rádio, mas que trabalham em frequências muito superiores, e daí a distinção. Este tipo de ondas é muito usado na comunicação telefónica entre grandes distâncias, nos telefones celulares, na difusão da televisão, entre outros. É barata e fácil de implementar, pois basta construir uma torre de transmissão de microondas cada 50 km, mas é muito susceptível a fenómenos eléctricos, magnéticos e atmosféricos. Apesar do aparecimento das fibras ópticas, a sua utilização ainda é predominante. As micro-ondas são classificadas segundo a frequência em que trabalham num espectro que se apresenta como mostrado. Espectro de frequências 24

25 Bluetooth O bluetooth é um caso particular das micro-ondas. Esta tecnologia pareceu nos finais dos anos 90 e tem-se vindo a mostrar bastante popular nos computadores de mão (PDA) e nos telemóveis.trata-se simplesmente de um protocolo de comunicação via ondas de rádio, mais precisamente microondas, de curto alcance e baixa potência. Funciona nos 2.4Ghz e tem um alcance de cerca de 10 metros. Para um alcance tão curto a potência de emissão não necessita de ser alta, o que torna o bluetooth um meio de comunicação que não produz efeitos nocivos para a saúde humana. O consórcio responsável pelo desenvolvimento e estandardização do bluetooth disponibiliza informações no site 25

26 Ligações Terrestres As ligações terrestres são utilizadas na interligação de redes privadas, desde que exista linha de vista entre os locais a interligar. É usual em utilizações até aos 3 km, suportando débitos de 2 ou 10 Mbps. É também possível, ligações até aos 50 km, sendo, para isso necessário, a utilização de potenciadores nos transmissores. Estes potenciadores são somente autorizados a operadores de telecomunicações. Ligações Terra-satélite As ligações terra-satélite são normalmente utilizadas nas intercontinentais das redes dos operadores de telecomunicações, sendo também usual a utilização deste tipo de ligações em redes informáticas com elevada dispersão geográfica ou localizadas em locais remotos. A largura de banda suportada por este tipo de ligações é bastante elevada, na ordem dos 500 MHz, sendo normal, atrasos também bastante grandes, na ordem dos 0,25 segundos em ligações geostacionárias, podendo ser perturbadores em aplicações interactivas. Ligações Laser As emissões laser podem ser utilizadas para transportar informação num espaço aberto desde que exista linha de vista entre os dois pontos. Este tipo de ligações para interligar redes privadas nas situações em que exista linha de vista entre os pontos a interligar, não é possível ou economicamente rentável a instalação de cabos de fibra óptica. A sua principal vantagem reside na enorme largura de banda disponível (622 Mbps a distâncias na ordem dos 3 km) e no facto de não existir necessidade de obter aprovação das entidades gestoras do espaço radioeléctrico para a instalação das ligações. A sua principal desvantagem está relacionada com a sua enorme sensibilidade ás condições atmosféricas, nomeadamente a existência de nevoeiros ou poeiras no percurso do feixe. Outra desvantagem importante está relacionada com a necessidade de se manter uma alinhamento rigoroso aos dispositivos emissor e receptor, o que poderá ser complicado de manter quando a distância aumenta e quando se tem que fazer recurso a torres metálicas ou de outras estruturas sensíveis aos ventos ou à dilatação térmica. 26

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Setembro 2006 Conceitos fundamentais Evolução das Redes (parte I) Sumário???? Módulo I: Conceitos fundamentais Evolução das redes Tipos de Redes Sistemas de Cablagem

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores:

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores: Classificação quanto ao meio de transmissão Os meios físicos de transmissão são os cabos e as ondas (luz, infravermelhos, microondas) que transportam os sinais que, por sua vez, transportam a informação

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Redes de computadores e Internet

Redes de computadores e Internet Polo de Viseu Redes de computadores e Internet Aspectos genéricos sobre redes de computadores Redes de computadores O que são redes de computadores? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE COMUNICAÇÃO DE DADOS E REDES DE COMPUTADORES CADEIRA: INFORMÁTICA I- 1º A NO ANO LECTIVO: 2001/2002 DOCENTES: LUÍS BAPTISTA JOEL

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Informática Prof. Macêdo Firmino Redes de Computadores Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Sistema Computacional Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 2 / 41 O que é

Leia mais

Meios de transmissão. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Meios de transmissão. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Meios de transmissão Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Meios de transmissão Redes de Computadores 1 Meios de transmissão Asseguram

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO VI Programação de Sistemas de Comunicação Duração: 30 tempos Conteúdos 2 Construção

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com COMUTAÇÃO CIRCUITOS PACOTES É necessário estabelecer um caminho dedicado entre a origem e o

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Meios de Transmissão Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Abril de 2012 1 / 34 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Equipamentos de Rede

Equipamentos de Rede Equipamentos de Rede :. Introdução A utilização de redes de computadores faz hoje parte da cultura geral. A explosão da utilização da "internet" tem aqui um papel fundamental, visto que actualmente quando

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Redes de Computadores 3º Ano / 1º Semestre Eng. Electrotécnica Ano lectivo 2005/2006 Sumário Sumário Perspectiva evolutiva das redes telemáticas Tipos de redes Internet, Intranet

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

Módulo 1 Introdução às Redes

Módulo 1 Introdução às Redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 1 Introdução às Redes Ligação à Internet Ligação à Internet Uma ligação à Internet pode ser dividida em: ligação física; ligação lógica; aplicação. Ligação física

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Conceito de Redes Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

Índice NETWORK ESSENTIALS

Índice NETWORK ESSENTIALS NETWORK ESSENTIALS Índice Estruturas Físicas... 3 Adaptador de Rede... 4 Tipos de par trançado... 5 Coaxial... 6 Tipos de cabos coaxial... 6 Fibra Óptica... 7 Tecnologias comunicação sem fios... 8 Topologias

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído através da interligação de computadores e outros dispositivos, com a finalidade de trocar informação e partilhar

Leia mais

Transmissão de Dados

Transmissão de Dados T 1 Transmissão de Dados FEUP/DEEC/RCD 2002/03 MPR/JAR T 2 Terminologia e Conceitos Meios de transmissão A transmissão de sinais, sob a forma de ondas electromagnéticas, é suportada em meios de transmissão

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Capítulo 0 Introdução 1 Um pouco de história Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução Industrial Século XIX foi a era das máquinas a vapor Século XX principais conquistas foram

Leia mais

Secção II. ƒ Alternativas para redes de telecomunicações

Secção II. ƒ Alternativas para redes de telecomunicações 1 Secção II ƒ Alternativas para redes de telecomunicações 2 Alternativas para redes de telecomunicações Alternativa de rede Redes Suportes Processadores Software Canais Topologia/arquitectura Exemplos

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local 1.264 Aula 22 Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local TV a cabo Permite a transferência de voz e dados nos estados permitidos (poucos até o momento) À LEC foi permitida a transferência

Leia mais

Módulo 2 Comunicação de Dados

Módulo 2 Comunicação de Dados URCAMP - CCEI - Curso de Informática Transmissão de Dados Módulo 2 Comunicação de Dados cristiano@urcamp.tche.br http://www.urcamp.tche.br/~ccl/redes/ Para SOARES (995), a transmissão de informações através

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Fundamentos de Redes de Computadores, Transmissão de Dados e Cabeamento

REDES DE COMPUTADORES Fundamentos de Redes de Computadores, Transmissão de Dados e Cabeamento PVH 15-08-05 Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES Fundamentos de Redes de Computadores, Transmissão de Dados e Cabeamento Prof. Sérgio Rodrigues 1 Redes de Computadores

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações Internet, Internet2, Intranet e Extranet 17/03/15 PSI - Profº Wilker Bueno 1 Internet: A destruição as guerras trazem avanços tecnológicos em velocidade astronômica, foi assim também com nossa internet

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede.

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Conceito Importância É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Qualquer meio físico capaz de transportar

Leia mais

Hospitais 2004. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO

Hospitais 2004. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO Hospitais 2004 Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO E OBJECTIVOS DO PROJECTO... 3 2. RECOLHA E TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO...

Leia mais

Comunicações por Computador

Comunicações por Computador Comunicações por Computador António Nabais Grupo de Sistemas e Tecnologias de Informação Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico do Cávado e do Ave anabais@ipca.pt 2006/2007 Componentes de

Leia mais

4. Rede de Computador

4. Rede de Computador Definição Uma rede de computadores é formada por um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos, interligados por um sub-sistema de comunicação, ou seja, é quando

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM ANO: 11º Redes de Comunicação ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/8 Componentes de um sistema de comunicações; Sistemas Simplex, Half-Duplex e Full- Duplex; Transmissão de sinais analógicos e digitais; Técnicas

Leia mais

INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DE COMPUTADORES EM REDES LOCAIS (ICCRL)

INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DE COMPUTADORES EM REDES LOCAIS (ICCRL) INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DE COMPUTADORES EM REDES LOCAIS (ICCRL) Instalação, manutenção e utilização de redes locais Geni Gomes CEF Operador (a) de Informática Nível II [2012/2013] O que é uma rede? Conjunto

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Laboratório de Redes

Laboratório de Redes Laboratório de Redes Rui Prior 2008 2012 Equipamento de rede Este documento é uma introdução muito básica aos equipamentos de rede mais comuns, a maior parte dos quais iremos utilizar nas aulas de Laboratório

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Placas de Rede Modems Hubs e switches Router Prof. Hugo Rosa PLACAS DE REDE As placas de rede são periféricos de entrada e saída e são utilizadas para interligar um computador a uma

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio Introdução à Internet Nos dias de hoje a Internet encontra-se massificada, e disponível nos quatro cantos do mundo devido às suas

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay e Frame Relay o Consiste na operação de transmitir varias comunicações diferentes ao mesmo tempo através de um único canal físico. Tem como objectivo garantir suporte para múltiplos canais. o A multiplexação

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores 2

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/16 Nível Físico Tem a função de transmitir uma seqüência de bits através de um canal e comunicação. Este nível trabalha basicamente

Leia mais

Laboratório de Redes

Laboratório de Redes Laboratório de Redes Rui Prior 2008 Equipamento de rede Este documento é uma introdução muito básica aos equipamentos de rede mais comuns, a maior parte dos quais iremos utilizar nas aulas de Laboratório

Leia mais

Bárbara Capitão Nº3 CEF. barbaracapitao3@gmail.com

Bárbara Capitão Nº3 CEF. barbaracapitao3@gmail.com Bárbara Capitão Nº3 CEF barbaracapitao3@gmail.com 1 Índice Definição - O que é uma rede de computadores?... 4 Vantagens da constituição de redes... 4 Tipos de redes (Geografia)... 4 LAN - Local Area Network...

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores Faculdade INED Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados, Sistemas para Internet e Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.:

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: Rodrigo Caetano Filgueira Tecnologias WAN TECNOLOGIAS WAN Quando uma empresa cresce e passa a ter instalações em várias localidades, é necessário interconectar as redes

Leia mais

TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre

TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre ESTV 2002/03 Paulo Coelho Redes e Serviços em Banda Larga 1 Tecnologias para a rede de cobre Evolução da transmissão de dados sobre pares de cobre: Rede s/ elementos

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Introdução à tecnologia de redes Redes de Computadores Século XX - Era da Informação -> invenção do computador. No início, os

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO TÉCNICO DE MEIOS DE TRANSMISSÃO. MEIOS DE TRANSMISSÃO Cabo Coaxial

CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO TÉCNICO DE MEIOS DE TRANSMISSÃO. MEIOS DE TRANSMISSÃO Cabo Coaxial Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 1/26 2.2 Meios físicos de transmissão de dados 2/26 Tipos de meios de transmissão Pares de fios Pares entrançados Cabo coaxial Fibras

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

O QUE É REDES DE COMPUTADORES?

O QUE É REDES DE COMPUTADORES? REDES DE COMPUTADORES Wagner de Oliveira O QUE É REDES DE COMPUTADORES? É a conexão de dois ou mais computadores através de um meio de comunicação (cabos, linhas telefônicas, etc.) Possibilita o compartilhamento

Leia mais

Introdução. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Introdução. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Introdução Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Um pouco de História Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução

Leia mais

Prática em Redes de Computadores. Meios de Transmissão. Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br

Prática em Redes de Computadores. Meios de Transmissão. Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br Prática em Redes de Computadores Meios de Transmissão Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br Sumário Introdução Meios de Transmissão Cabo coaxial Cabo Par Trançado Fibra Óptica Interferências

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

Escola Secundária da Moita. CEF Curso de Educação e Formação. Manual de Redes. 11º Ano. Gestão de Redes de Internet e Intranet

Escola Secundária da Moita. CEF Curso de Educação e Formação. Manual de Redes. 11º Ano. Gestão de Redes de Internet e Intranet Escola Secundária da Moita CEF Curso de Educação e Formação Curso de Instalação e Manutenção de Sistemas Informáticos 11º Ano Gestão de Redes de Internet e Intranet Ivan Franco Nº 2 11º F2 4/5/2007 Índice

Leia mais

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull Informática Aplicada I Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull 1 Conceito de Sistema Operacional Interface: Programas Sistema Operacional Hardware; Definida

Leia mais

Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Componentes do processo de comunicação.

Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Componentes do processo de comunicação. Meios de transmissão Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Quando enviamos uma informação para um destino, ela vai por um canal de comunicação. Esse canal de comunicação tem um limite

Leia mais

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores ATIVIDADE 1 Definição de redes de computadores As redes de computadores são criadas para permitir a troca de dados entre diversos dispositivos estações de trabalho, impressoras, redes externas etc. dentro

Leia mais

CABE DE REDE. Abaixo segue uma descrição de todas as categorias de cabos de par trançado existentes:

CABE DE REDE. Abaixo segue uma descrição de todas as categorias de cabos de par trançado existentes: CABE DE REDE Existem basicamente 3 tipos diferentes de cabos de rede: os cabos de par trançado (que são, de longe, os mais comuns), os cabos de fibra óptica (usados principalmente em links de longa distância)

Leia mais

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs Cablagem de LANs Nível Físico de uma Redes Local Uma rede de computadores pode ser montada utilizando vários tipos de meios físicos.

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Maio de 2004 Sumário 1 2 TV Cabo Bragatel Sapo Clix OniNet Telepac Tipos de ligações actualmente disponibilizadas

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 08/2013 Material de apoio Conceitos Básicos de Rede Cap.1 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

Comunicações a longas distâncias

Comunicações a longas distâncias Comunicações a longas distâncias Ondas sonoras Ondas electromagnéticas - para se propagarem exigem a presença de um meio material; - propagam-se em sólidos, líquidos e gases embora com diferente velocidade;

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO O computador não é uma máquina interessante se não pudermos interagir com ela. Fazemos isso através de suas interfaces e seus periféricos. Como periféricos serão considerados os

Leia mais