UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA RAFAEL WEINGARTNER PROPOSTA DE UMA PLATAFORMA DE CLOUD COMPUTING PARA VIRTUALIZAÇÃO DE COMPUTADORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA RAFAEL WEINGARTNER PROPOSTA DE UMA PLATAFORMA DE CLOUD COMPUTING PARA VIRTUALIZAÇÃO DE COMPUTADORES"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA RAFAEL WEINGARTNER PROPOSTA DE UMA PLATAFORMA DE CLOUD COMPUTING PARA VIRTUALIZAÇÃO DE COMPUTADORES Palhoça 2011

2 RAFAEL WEINGARTNER PROPOSTA DE UMA PLATAFORMA DE CLOUD COMPUTING PARA VIRTUALIZACAO DE COMPUTADORE Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Graduação em Sistemas de Informação da Universidade do Sul de Santa Catarina, como requisito parcial à obtenção do título de Bacharel em Sistemas de Informação. Orientador: Prof. Dr. Fernando Cerutti Palhoça 2011

3 RAFAEL WEINGARTNER PROPOSTA DE UMA PLATAFORMA DE CLOUD COMPUTING PARA VIRTUALIZACAO DE COMPUTADORES Este Trabalho de Conclusão de Curso foi julgado adequado à obtenção do título de Bacharel em Sistemas de Informação e aprovado em sua forma final pelo Curso de Graduação em Sistemas de Informação da Universidade do Sul de Santa Catarina. Palhoça, 21 de Novembro de Professor e orientador Fernando Cerutti, Dr. Universidade do Sul de Santa Catarina Theo Augustus Luz. Universidade do Sul de Santa Catarina Prof. Saulo Popov Zambiasi, Me. Universidade do Sul de Santa Catarina

4

5 There is no reason anyone would want a computer in their home. (Ken Olson).

6 RESUMO O trabalho apresenta os conceitos de Cloud Computing e virtualização relacionando-os com o fornecimento de recursos de infraestrutura computacionais sobre demanda. Demonstrando para os usuários o modo como são providos recursos computacionais através de uma plataforma de Cloud Computing. Descreve as plataformas mais utilizadas no mercado e a plataforma de Cloud Computing da IBM que faz uso da arquitetura mainframe. Apresentando os benefícios em termos de escalabilidade, flexibilidade, segurança e economia obtidos com a utilização de Cloud Computing. Apresentando a relação entre mainframe e Cloud Computing, de modo que essa combinação possa ser considerada uma das melhores plataformas provedora de recursos computacionais sobre demanda. Proporcionado a utilização de ambientes com todas as características (segurança, disponibilidade, estabilidade e escalabilidade) que o mainframe já esta acostumado a prover. E por fim afirmando que o fornecimento de recursos computacionais sobre demanda possui muitos benefícios e cada vez mais será adotada pelas empresas e usuários. Sendo que o mais importando sobre Cloud é que ela foca-se no modo como são providos e utilizados os recursos computacionais, e não em onde eles estão alocados. Provendo liberdade aos usuários de modo que esses possam inovar em suas soluções sem ter que preocupar-se com a infraestrutura computacional. Palavras-chave: Mainframe. Cloud Computing. Virtualização.

7 ABSTRACT The current computing model is becoming hardier to support. Almost every time when you need more computing resources (processor, memory or hard-disk) you have to change the entire computer, because you cannot change just one component. Those components become outdated in a fast way (normally 6 months or 1 year). In most of the cases the users (end users and companies) are forced to buy hardware that they do not need most of the time, because they cannot upgrade the computer capacity on the fly. The best way to do computing is having the required resources at the right time and place. As an example, I do not need 200GB of hard-disk to save my files, today I may need 100GB, tomorrow 150 GB and later 200GB. In the future if I do not need 200GB, I could decrease the storage capacity to 150GB or 100 GB, it also could be done with processors and memory. Using just the resources needed, means spending less, managing and maintaining resources that are not totally used. Using on demand computing, the users do not care about hardware and software management and maintenance. Avoiding the hardware and basic software such as operational systems and default apps management the users and companies can focus on innovation. Cloud computing enables users to have the needed resources everywhere and every time through a simple device, because of that the resources are provided by Internet or corporate networks. Today there are technologies that can provide on demand computers resources, in secure, reliable, and cost effective ways. Users should have in their minds that cloud computing is a new computing paradigm, delivering on demand computer resources through networks. And the Mainframe came to this scenario as one of the best platforms to apply the cloud computing concepts building a secure, reliable and cost effective cloud. The Mainframe architecture fits perfectly to support the cloud needs. Keywords, Cloud Computing. Mainframe. Virtualization.

8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Sistema multiprocessador Figura 2 - Sistema multicomputador Figura 3 - Arquitetura NUMA...28 Figura 4 Cluster Figura 5 Sistema operacional de rede Peer-To-Peer Figura 6 Sistema Web Distribuído Figura 7 - Virtualização de Sistema Operacional...33 Figura 8 - Hosted hypervisor Figura 9 Bare metal hypervisor Figura 10 Hardware partitioning Figura 11 Private Cloud Figura 12 Community Cloud Figura 13 Public Cloud Figura 14 Hybrid Cloud...40 Figura 15 Percepção de Cloud Computing pelo usuário Figura 16 Comparação: variação tempo de resposta por quantidade máquinas virtuais...74 Figura 17 Comparativo: quantidade transações suporta por nuvem...75

9 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Preocupação dos consumidores em relação à segurança na nuvem Quadro 2 VMware, recursos disponíveis para máquina virtual Quadro 3 - VMware, recursos disponíveis para servidor host Quadro 4 VMware, recursos disponíveis por cluster Quadro 5 - Microsoft, recursos disponíveis para máquina virtual Quadro 6 - Microsoft, recursos disponíveis para servidor host...55 Quadro 7 Microsoft, recursos disponíveis por cluster...55 Quadro 8 Xen Cloud Platform, recursos disponíveis para máquina virtual Quadro 9 Xen cloud Platform, recursos disponíveis para servidor host Quadro 10 Xen Cloud Platform, recursos disponíveis para nuvem Quadro 11 IBM System Z, recursos por host Quadro 12 - IBM System Z, recursos de servidores Blades no mainframe....65

10 LISTA DE FLUXOGRAMAS Fluxograma 1 - Etapas Metodológicas....43

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROBLEMÁTICA OBJETIVOS Objetivos Gerais Objetivos Específicos JUSTIFICATIVA ESTRUTURA DA MONOGRAFIA FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA MODELO COMPUTACIONAL DE RECURSOS FÍSICOS Sistemas Fortemente Acoplados Sistemas Fracamente Acoplados MODELO COMPUTACIONAL DE RECURSOS VIRTUALIZADOS MODELO COMPUTACIONAL DE RECURSOS SOB DEMANDA Características de Cloud Computing Modelos de fornecimento recursos na nuvem Modelos de aplicação do conceito de Cloud Computing METODOLOGIA CARACTERIZAÇÃO DO TIPO DA PESQUISA ETAPAS METODOLÓGICAS DELIMITAÇÕES DIFICULDADE DE APLICAÇÃO DE CLOUD COMPUTING DESCRIÇÃO DAS PLATAFORMAS QUE APLICAM CLOUD COMPUTING SOLUÇÕES COM ARQUITETURA DE SERVIDORES (X86, AMD64) VMware Microsoft Xen...59

12 5.2 SOLUÇÃO MAINFRAME MAINFRAME E CLOUD COMPUTING CONCLUSÕES E TRABALHOS FUTUROS...76 REFERÊNCIAS...78

13 13 1 INTRODUÇÃO O modelo computacional utilizado hoje pela grande maioria das empresas e quase totalidade dos usuários domésticos está se tornando inviável. Esse modelo obriga os usuários a realizarem a troca de todo o conjunto de hardware do computador, quando surge a necessidade de uma capacidade computacional maior. Visto que nem sempre é possível substituir somente o processador ou aumentar a capacidade de memória RAM (Random Access Memory) comprando mais chips, obrigando a troca de todo o conjunto de hardware (processador, placa mãe, memória RAM, placas de vídeo e etc.), pois esses componentes se tornam obsoletos rapidamente. O interessante seria um computador flexível, que possibilitasse a alteração dos recursos disponíveis de forma prática, durante o período necessário. Afinal, não se necessita sempre de 500 gigabytes (GB) de espaço para armazenamento de informações. Hoje talvez seja necessário 100GB, amanhã 120GB, depois, 150GB e assim por diante. Quando esses recursos não forem mais necessários, seria possível reduzir a quantidade dos recursos disponíveis, reduzindo também os custos. Porém, no modelo computacional atual, adquire-se um hardware com a filosofia de pensar no futuro, ou seja, adquire-se, hoje, recursos que somente serão necessários no futuro. Adquirir um hardware que não será totalmente aproveitado é uma ação corriqueira na área de Tecnologia da Informação (T.I) de hoje. O simples ato de comprar ou adicionar mais recursos computacionais representa grandes custos para os usuários domésticos e principalmente para as empresas. Visto que na maioria das vezes não há a real necessidade de adquirir uma maior quantidade de recursos. Sendo assim, o ideal seria obter a quantidade de recursos necessários para realizar as tarefas no tempo desejado. Para reduzir a complexidade de expansão dos recursos computacionais, uma abordagem utilizada é a virtualização. No conceito de virtualização. Desvincula-se o computador do hardware. Assim, flexibilizam-se as configurações dos computadores que passam a ser virtuais e não físicos. Computadores virtuais por não estarem atrelados ao hardware podem fornecer recursos sob demanda, ou seja, conforme as necessidades por mais recursos que surgirem, sem necessariamente ter que alterar as configurações de hardware fisicamente. De acordo com Golden e Scheffy (2008), o uso atual dos recursos de hardware está entre 10% a 15% dos recursos de que eles dispõem. Tem-se 85% ou 90% dos recursos de

14 14 hardware sendo subutilizados. Transformando computadores físicos em virtuais de modo que compartilhem dos recursos de hardware consegue-se: racionalizar a utilização dos recursos físicos disponíveis; reduzir a complexidade de manutenção; despesas com gerenciamento e energia para alimentação e resfriamento dos servidores ou computadores físicos; aumentar a segurança e controle, visto que os computadores passam a ser concentrados em um ambiente regido por severas políticas de controle. Virtualizar é preciso, mas não somente virtualizar, transformar computadores físicos em virtuais e agregá-los em um único servidor comum, pode ser representar um risco extremo, pois perde-se em diversos aspectos, como:: confiabilidade Se ocorrer alguma falha no servidor, todos os servidores virtuais sobre ele rodando ficarão indisponíveis até que o problema seja resolvido; estabilidade - Se todos os servidores virtuais utilizarem o máximo de recursos que lhes é disponibilizado, haverá períodos de lentidão, pois o servidor físico não possui capacidade para atender a demanda de todos os computadores virtuais simultaneamente; escalabilidade - Por se tratar de um único servidor, pode ser que ele não possua mais capacidade para expansão de recursos ou então os componentes necessários para essa expansão podem possuir uma relação custo/benefício muito alta. Custo muito elevado para o benefício ou benefício muito baixo para o investimento. Para que seja criado um ambiente de virtualização confiável, escalável e seguro, faz-se necessário a utilização do conceito de Cloud Computing, um ambiente que possibilite disponibilizar recursos computacionais de forma não centralizada sobre demanda. Os recursos de hardware devem estar distribuídos em diversos servidores, sendo assim, a estrutura criada torna-se confiável e tolerante a falhas. Se um ou mais servidores que compõem a nuvem de recursos sofrer alguma avaria, a rede como um todo não é afetada. Os sistemas que estão utilizando recursos da nuvem computacional continuam sem perceber que um ou mais servidores estão com problemas. E como a nuvem de recursos é constituída por diversos servidores, é possível realizar o balanceamento de carga entre os mesmos, evitando

15 15 sobrecargas em servidores específicos, o que poderia gerar períodos de instabilidade nos computadores virtuais que estão utilizando os recursos desses servidores. O modelo de Cloud Computing proporciona uma escalabilidade que não é encontrada em nenhum outro modelo, pois, quando se faz necessário aumentar os recursos de hardware, pode ser feito, sem a necessidade de parar os serviços, adicionando um ou mais servidores à rede que compõem a nuvem, no momento que esses entram na rede passam a prover os seus recursos para as aplicações da nuvem computacional. Como dito por Paul Maritz Chief Executive Officer (CEO) da VMware, no VMware Virtualization Forum realizado em Cloud is about how you do computing, not where you do computing. Nuvem (computação nas nuvens) diz respeito em como você utiliza e disponibiliza os recursos computacionais e não onde eles estão alocados. 1.1 PROBLEMÁTICA A solução para otimização do o modelo físico computacional que hoje é utilizado pelos usuários finais e boa parte das empresas já existe, que é uma plataforma de fornecimento de infraestrutura de forma descentralizada como serviço (Infrastructure As A Service - IAAS). Com a utilização deste modo de disponibilização de recursos, é possível fornecer recursos de hardware sobre demanda. As respostas para a não adoção desse modelo de fornecimento de recursos computacionais são em suas maiorias desconexas com a realidade atual das ferramentas existentes, muitas pessoas (não somente leigos, mas pessoas ligadas à área de T.I.) fazem uso desses argumentos para rejeição do modelo de fornecimento de recursos computacionais sobre demanda: há uma preocupação com os recursos computacionais, imagina-se que os recursos estariam centralizados em um servidor comum (tipo de servidor que a maioria das empresas utilizam, não possuem nenhuma ou pouca tolerância à falha, e sua arquitetura acaba por sobrecarregar os processadores centrais, obrigando-os a realizar todo o gerenciamento dos recursos e interações com o mundo exterior), como consequência, temem que, se algo acontecer nesse

16 16 servidor, uma grande quantidade de computadores virtuais poderia ficar fora do ar; temem que uma nuvem computacional fornecendo recursos sob demanda não seja capaz de proporcionar todos os recursos que são necessários para a realização de suas tarefas; especulam que há um grande risco, visto que todos os seus dados se concentrariam em um mesmo ambiente, o que poderia facilitar para alguém mal intencionado apoderar-se de informações armazenadas em seus computadores virtuais; alto custo, imaginando que a compra de personal computer (PC) com um hardware que eles realmente não necessitam no momento da compra é mais vantajoso e simples do que adotar ao modelo de fornecimento de recursos de infraestrutura sob demanda. O que pode ser percebido é a falta de informações sobre o funcionamento de um modelo de fornecimento de infraestrutura sobre demanda de forma descentralizada (Infrastructure As A Service IAAS). O grande desafio é demonstrar o quão vantajoso é utilizar este modelo, em detrimento do atual modelo computacional e demonstrar que a plataforma Mainframe pode ser uma das melhores escolhas para a criação de uma nuvem para virtualização de computadores. 1.2 OBJETIVOS Objetivos a serem cumpridos com o desenvolvimento deste trabalho estão separados em duas categorias: Objetivos gerais a serem alcançados com a finalização do trabalho e os objetivos específicos que serão alcançados durante o desenvolvimento do trabalho.

17 Objetivos Gerais Os objetivos gerais são explicar o modo de utilização e de aplicação de Cloud Computing, demonstrando as vantagens e desvantagens da adoção desse conceito para a virtualização de computadores, utilizando o modelo IAAS para fornecimento de recursos de hardware sobre demanda Objetivos Específicos Os objetivos específicos a serem alcançados com o desenvolvimento do trabalho são: a) adquirir conhecimentos sobre virtualização em um ambiente que forneça recursos computacionais de forma descentralizada sobre demanda; b) conhecer as melhores plataformas de virtualização para aplicação de Cloud Computing; c) demonstrar que um conceito antigo pode ser utilizado através de um novo ponto de vista, para a criação de uma plataforma de Cloud Computing para virtualização de computadores (utilização de mainframes como base para a criação de uma nuvem provedora de recursos computacionais sob demanda). 1.3 JUSTIFICATIVA O modelo Cloud Computing representa a quebra de um paradigma, em que o usuário deixará de possuir computadores físicos, que, para possuírem alta capacidade de processamento, são em sua maioria estações de trabalho PC, sendo que os recursos por eles providos somente estão disponíveis no local onde o computador se encontra. Consomem uma quantidade considerável de energia por causa de seu hardware superior que acaba sendo

18 18 subutilizado e, se for necessário expandir, os recursos de hardware pode-se ter que trocar todo o conjunto por não existir mais capacidade de expansão ou não forem mais encontrados componentes para a expansão. A utilização do modelo de fornecimento de recursos de infraestrutura sob demanda é mais do que necessário, é essencial. O atual modelo é impraticável para as organizações e usuários. Segundo Greggo (2010), todos os anos são gastos bilhões de dólares, em hardware que não é realmente necessário, gerenciamento, manutenção e energia para alimentação e resfriamento. Esse modelo possui um custo de manutenção altíssimo, mas esse não é o ponto mais critico, temos o impacto ambiental, não somente com a fabricação de hardware, mas também com a grande quantidade de energia consumida por hardware ocioso e para a sua refrigeração levando em consideração que nem todos os países geram energia a partir de fontes renováveis. A adoção do modelo de Cloud Computing para virtualização de computadores já é realidade. Existem hardware e software capazes de proporcionar uma plataforma para virtualização de forma descentralizada, segura, confiável, estável e escalável. O Mainframe vem como um facilitador para a criação de um ambiente que possibilite o fornecimento de recursos computacionais sob demanda, não somente por possuir uma grande quantidade de recursos computacionais, mas pelos benefícios proporcionados pela sua arquitetura. O modo como ele gerencia e processa as informações se diferencia das demais arquiteturas computacionais existentes. Composto por diversas unidades especialistas em cargas de trabalho como Linux, Java, acesso a disco, criptografia e etc, interligadas via memória principal. O novo paradigma computacional é a disponibilização dos recursos necessários no momento e local onde forem requisitados. 1.4 ESTRUTURA DA MONOGRAFIA Estrutura que compõe a monografia: a) capítulo 1 Introdução: apresenta os assuntos que serão abordados no trabalho, problemática, objetivos e justificativa;

19 19 b) capítulo 2 Fundamentação teórica: fundamentar teoricamente os conceitos que serão abordados no trabalho; c) capítulo 3 Metodologia utilizada para o desenvolvimento do trabalho e elaboração da proposta Cloud Computing para virtualização de computadores. d) capítulo 4 Apresentação dos problemas encontrados para a aplicação do conceito de Cloud Computing; e) capítulo 5 Descrição das plataformas de Cloud Computing mais utilizadas e conhecidas, apresentação de recursos e limitações das plataformas e casos de aplicação bem sucedidos dessas plataformas, de modo que seja possível utilizar essas informações para comparação das plataformas; f) capítulo 6 apresentar as características que fazem da arquitetura mainframe ser tão superior as outras para aplicação de Cloud Computing. Demostrar a relação entre Mainframe e Cloud Computing. Propor a utilização da plataforma mainframe para o fornecimento de recursos computacionais sob demanda. g) capítulo 7 apresenta as conclusões obtidas com o desenvolvimento do trabalho, explicitado o as vantagens da utilização de recursos computacionais sob demanda. Sendo a plataforma Mainframe considerada uma das melhores plataformas no mercado para criação de um ambiente que possibilita a aplicação dos conceitos de Cloud Computing.

20 20 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O modo como são disponibilizados os recursos computacionais para o usuário pode ser visto através de três diferentes modelos: a) Físico: o computador e os recursos estão ao alcance do usuário; b) Virtual: computadores físicos são transformados em virtuais, sendo agregados em servidores comuns, compartilhando os recursos existentes; c) Modelo de fornecimento de recursos computacionais sob demanda Cloud Computing: disponibiliza os recursos através de uma nuvem computacional de recursos, provendo a quantidade necessária de recursos no momento e local em que forem requisitados. 2.1 MODELO COMPUTACIONAL DE RECURSOS FÍSICOS Conforme Machado e Maia (2004, p. 23): Um sistema computacional é um conjunto de circuitos eletrônicos interligados, formado por processadores, memórias, registradores, barramentos, monitores de vídeo, impressoras, mouse, discos magnéticos, além de outros dispositivos, físicos (hardware). Todos esses dispositivos manipulam dados na forma digital, o que proporciona uma maneira confiável de representação e transmissão de dados. Seguindo essa linha, Tanenbaum (2001) define o computador como um conjunto interligado de processadores, memórias e dispositivos de entrada e saída de informações. Esses componentes são interligados por um conjunto de fios paralelos que permitem a transmissão de dados, endereços e sinais de controles, chamado de barramento. De acordo com Machado e Maia (2004), o processador é definido como a unidade central de processamento (UCP), componente responsável por gerenciar as operações realizadas por cada unidade funcional. A principal atividade do processador é executar as instruções que estão contidas na memória principal, realizando operações básicas como: somar, subtrair, comparar e movimentar dados. O processador é composto por unidade de controle, unidade lógica e aritmética e registradores, como:

21 21 a) unidade de controle (UC): é o componente responsável por gerenciar as atividades de todos os componentes do computador, como gravação de dados em disco, ou busca de instruções na memória; b) unidade lógica e aritmética (ULA): é responsável por realizar operações aritméticas (somas e subtrações) e lógicas (testes e comparações); c) registradores: dispositivo que detém a função de armazenar informações temporariamente para as operações que estão sendo realizadas pelo processador. Segundo Monteiro (1996), a memória é o componente computacional que detém a função de armazenar as informações que são, foram ou serão utilizadas pelo sistema. Tanenbaum (2001) divide o componente de memória do computar em três tipos: a) memória principal: é o local onde são armazenados as instruções e dados que serão utilizados pelo processador. A memória é composta por células, sendo que cada célula possui um determinado número de bits. O bit é a unidade básica de memória, podendo assumir valor lógico 0 ou 1. Esse tipo de memória é classificada de acordo com sua volatilidade, que é a capacidade que a memória possui de armazenar dados sem uma fonte de energia ativa, memórias do tipo Random Access Memory (RAM) são voláteis, não preservam as informações nelas contidas sem uma fonte de energia ativa; b) memória cache: é um tipo de memória volátil de alta velocidade, com pouca capacidade de armazenamento. O tempo de acesso a um dado que esteja contido nessa memória é muito menor do que se ele estivesse contido na memória principal. A memória cache é utilizada para diminuir a diferença entre o tempo de acesso da memória principal e a velocidade com que o processador executa as instruções; c) memória secundária: é o meio permanente de armazenamento de informação, isto é, não volátil. Enquanto a memória principal e a memória cache necessitam de uma fonte de energia ativa para preservar as informações, a memória secundária não o faz necessário. O acesso às informações na memória secundária é lento se comparado ao acesso de informações na

22 22 memória principal. Porém, sua capacidade de armazenamento é maior e seu custo menor. O tempo de acesso na memória principal é na faixa dos nanosegundos, já o tempo de acesso na memória secundaria é da ordem de milissegundos. Segundo Machado e Maia (2004), os dispositivos de entrada e saída são utilizados para realizar a comunicação entre o sistema computacional e o mundo externo. Através desses dispositivos, é possível a interação entre usuário e máquina. Tanenbaum (2001) cita exemplo de dispositivos de entrada e saída como: impressora, mouse, monitor, teclado scanners e modems. São os dispositivos que fazem à entrada das informações no computador e a saída de informação para o usuário ou outro componente, seja apresentando ela visualmente em um monitor, tornando-a física em papel com uma impressora ou transformando-a em pulso elétrico e a transferindo para outro dispositivo, como em um modem. De acordo Murdocca e Heuring (2001), todos os componentes do computador precisam trocar informações entre si. O barramento é o caminho comum utilizado por todos os dispositivos para efetuar as trocas de informações. Morimoto (2006, apud COLOMBO, 2009, p. 14) define servidor como sendo um computador dedicado que permanece ligado vinte e quatro horas por dia, sete dias por semana, atendendo a solicitações de uma atividade especifica, como: impressão de arquivos ou armazenamento e recuperação de informações. Norton (1996) define mainframes como sendo o maior tipo de computadores em uso comum, destinando-se para o armazenamento e o processamento de imensas quantidades de informações simultaneamente. Os mainframes são ligados a terminais que não possuem capacidade de processamento ou de armazenamento, eles servem somente de interface para acessar recursos do mainframe, realizando as trocas de informação entre o usuário e os sistemas. Esse tipo de computadores é utilizado por sistemas que demandam de uma grande quantidade de recursos computacionais. Em contra ponto, de acordo com a IBM (2008), mainframe é considerado não somente um computador com grandes quantidades de recursos, mas uma arquitetura computacional, composta de diversos subsistemas, em que cada subsistema é especializado em uma determinada ação, removendo a carga de processamento trivial dos processadores centrais. Desse modo, os processadores principais ficam totalmente voltados às necessidades de processamento das aplicações.

23 23 Sendo que segundo IBM (2008), uma arquitetura pode ser definida como um conjunto de regras que são utilizadas como instruções para a criação de produtos. Em computação, arquitetura diz respeito ao modo de como a estrutura de um sistema é organizada. De acordo com Machado e Maia (2004), o sistema operacional é um conjunto de rotinas executadas pelo processador, semelhante aos programas dos usuários. Sua função é de gerenciar os componentes computacionais, que podem ser dividas em: a) prover facilidade de acesso aos recursos do sistema: um computador possui diversos dispositivos diferentes como: monitor, processador, memória, teclado, mouse, etc., mas, quando o usuário realiza uma atividade sobre o sistema operacional, ele não de preocupar-se com os detalhes envolvidos na comunicação dos mais diferentes dispositivos envolvidos. O sistema operacional serve de interface para o usuário e suas tarefas com o hardware, tornando, assim, as atividades do usuário mais eficientes, transparentes e menos suscetíveis a erro; b) compartilhamento de recursos de forma organizada e protegida: é de responsabilidade do sistema operacional de gerenciar o compartilhamento dos recursos de hardware de forma organizada, concorrente e protegida, entre todos os usuários do sistema e suas aplicações. Conforme Tanenbaum (2001, p. 315): Embora os computadores estejam cada vez mais velozes, as exigências sobre eles crescem no mínimo mais rápido do que a sua velocidade de operação. Os astrônomos querem simular toda a história do universo, desde o big-bang até o final dos tempos. A indústria farmacêutica adoraria poder criar remédios para certas doenças usando computadores, em vez de ser obrigada a sacrificar legiões de ratos no processo de desenvolvimento de novas drogas. Os projetistas de aviões poderiam desenhar aeronaves que consumissem muito menos combustíveis se os computadores pudessem estar presentes em todas as fases do projeto, sem que fosse necessária a construção de protótipos para serem testados em túneis de vento. Em suma, apesar da imensa potência computacional disponível, ela não é suficiente para muitas aplicações, especialmente na ciência, na engenharia e na indústria. Segundo Tanenbaum (2001), devido às dificuldades cada vez maiores de ampliar a capacidade dos processadores, os projetistas de computadores estão voltados a utilizar o conceito de computação paralela como forma de solucionar os problemas que envolvam uma potência computacional cada vez maior. Existem duas filosofias de computação paralela, que são:

24 24 a) sistema multiprocessador: todos os processadores desse sistema compartilham a mesma memória física (memória principal). Dessa maneira, dois processos podem se comunicar simplesmente lendo ou escrevendo na memória principal. Simplificando o desenvolvimento de software para esse modelo, já que os dados estarão na memória que é compartilhada por todos os processadores. Conforme a Figura 1 apresenta; Figura 1 Sistema multiprocessador. Fonte: Tanenbaum (2001, p. 315). b) sistema multicomputador: cada processador nesse modelo possui sua própria memória principal, acessível somente ao processador proprietário e nunca diretamente por outro processador do sistema. A troca de mensagens entre os processadores é feita através de redes de interconexões. Desse modo, se um processador necessitar de informações que não estejam na sua memória principal, ele tem que descobrir qual processador detém essa informação e, após descoberto, terá que enviar uma mensagem requisitando uma cópia da informação necessária, dificultando o desenvolvimento de software, pois existe uma preocupação muito grande sobre onde e quando os dados devem ser armazenados para diminuir a sobre carga gerada pela troca de mensagem entre os processadores, conforme é possível visualizar na Figura 2;

25 25 Figura 2 - Sistema multicomputador. Fonte: Tanenbaum (2001, p. 315). Machado e Maia (2004) chamam de sistemas fortemente acoplados os sistemas em que diversos processadores compartilham da mesma memória principal, sendo que todos os processadores são controlados por um único sistema operacional. Machado e Maia (2004) ainda classificam de sistemas fracamente acoplados os que possuem dois ou mais sistemas computacionais independentes, conectados por uma rede de comunicação, tendo cada um seu processador, memória principal, dispositivos de entrada e saída de informações e um sistema operacional. De acordo com Machado e Maia (2004), as principais vantagens para se utilizar sistemas com múltiplos processadores são: a) desempenho: sempre que novos processadores são adicionados ao sistema, melhor será o seu desempenho, mesmo que esse não cresça linearmente. O ganho com múltiplos processadores pode ser visto em dois níveis. Em primeiro nível, múltiplos processadores permitem a execução de diversas tarefas independentes simultaneamente. Servidores web e de banco de dados são um bom exemplo de ambientes que obtêm ganhos significativos com a utilização de múltiplos processadores, o aumento do número de processadores permite atender um número maior de requisições simultaneamente;

26 26 b) escalabilidade: é a capacidade de adicionar novos processadores ao hardware do sistema. Em ambientes que suportam apenas um processador, para aumentar a capacidade computacional, é necessário substituir o processador, por outro com maior poder de processamento. Com múltiplos processadores, é possível ampliar a capacidade computacional apenas adicionando mais processadores ao sistema. Com custo de aquisição inferior à aquisição de outro sistema, Com desempenho superior, desde que o sistema possua capacidade de expansão. c) relação custo/desempenho: por mais poderoso que seja um sistema com um único processador, ele apresenta limitações de desempenho inerentes a sua arquitetura, devido a limitações existentes na comunicação do processador com os demais componentes. Além disso, o custo, para se desenvolver um processador com o desempenho de um sistema com múltiplos processadores, é maior. A utilização de múltiplos processadores permite a criação de sistemas com processadores de baixo custo existentes no mercado, interligando-os através de interconexões. Dessa forma, obtém-se alto desempenho com custo aceitável. d) tolerância a falhas: é a capacidade de manter o sistema em operação mesmo em casos de falha de algum componente. Desse modo, se um processador falhar, os demais podem assumir sua função de maneira transparente para o usuário e suas aplicações. e) disponibilidade: é a medida em número de minutos por ano que o sistema permanece em funcionamento de forma ininterrupta. Alta disponibilidade só é possível em sistemas de maior tolerância a falhas. f) balanceamento de carga: é a distribuição do processamento entre os diversos componentes que formam a configuração do sistema, a partir da carga do processador, melhorando assim o desempenho do sistema como um todo. Machado e Maia (2004) destacam que, apesar das inúmeras vantagens dos sistemas com múltiplos processadores, existem desvantagens. Com a utilização de diversos processadores, novos problemas de comunicação e sincronização surgem, pois vários

27 27 processadores podem estar acessando ao mesmo endereço de memória simultaneamente. Além do problema de sincronização das informações, existe o problema de organizar os componentes da melhor forma possível, para estabelecer uma relação custo/beneficio aceitável. Dependendo do tipo de sistema, a tolerância a falhas é dependente do sistema operacional e não somente do hardware, sendo difícil de ser implementada Sistemas Fortemente Acoplados De acordo com Machado e Maia (2004, p ): Os sistemas fortemente acoplados podem ser divididos em sistemas Symmetric Multiprocessors (SMP) e Non Uniform Memory Access (NUMA). SMP é o tipo de sistema que possui dois ou mais processadores, compartilhando um único espaço de endereçamento e gerenciados por apenas um sistema operacional. Uma das principais características dos sistemas SMP é que o acesso à memória principal pelos processadores é uniforme, independente da localização física do processador. Esse tipo de sistema é uma evolução dos sistemas com múltiplos processadores assimétricos. Na organização assimétrica ou mestre/escravo, somente um processador realizava as operações do sistema operacional. Se um processador escravo necessitar de uma operação do sistema operacional, ele requisita essa operação ao processador mestre. Com grande volume de requisições ao processador mestre, o sistema torna-se ineficiente, já que o processador escravo ficará esperando a resposta da requisição enviada ao processador mestre. Outra consequência dos sistemas assimétricos é que, se o processador mestre falhar, o sistema se torna incapaz de continuar o processamento. Nesse caso, o sistema deve eleger um novo processador mestre dentre os processadores escravos. Esse tipo de sistema não é eficaz devido à assimetria dos processadores, que não realizam as mesmas funções. Os sistemas SMP implementam a simetria dos processadores, ou seja, todos os processadores podem desempenhar as mesmas funções. Apenas algumas específicas funções como a inicialização do sistema ficam a cargo de um único processador. Esse tipo de sistema se torna mais eficaz por permitir um melhor balanceamento de carga entre os processadores.

28 28 Em contra ponto na definição de Machado e Maia (2004, p ): Nos sistemas do tipo NUMA, o tempo de acesso à memória principal depende da localização física do processador. Nessa arquitetura, existem vários conjuntos de memória e processadores, sendo que todos os conjuntos são interligados, compartilhando o mesmo sistema operacional e referenciando o mesmo espaço de endereçamento, conforme Figura 3 demonstra. Figura 3 - Arquitetura NUMA. Fonte: Machado e Maia (2004). A diferença de um sistema de arquitetura NUMA para um SMP está no acesso à memória. Quando um processador acessa à memória local, ou seja, à memória pertencente ao seu conjunto, o tempo de acesso é menor do que o tempo de acesso à memória remota de outro conjunto. Para esse sistema manter um nível de desempenho satisfatório, deve-se evitar acessos à memória remota, priorizando os acessos locais. Nos sistemas de arquitetura NUMA, a memória principal é subdividida entre vários processadores, porém, compartilhando o mesmo espaço de endereçamento entre todos os processadores, assim sendo, o acesso a memoria (local ou remota) é transparente aos processadores, diferenciando apenas o tempo de acesso à memória de acordo com a localização física da memoria.

29 Sistemas Fracamente Acoplados Machado e Maia (2004) dividem os sistemas fracamente acoplados em: cluster, sistemas operacionais de rede e sistemas distribuídos. Cluster é o sistema formado por nós conectados através de uma rede de interconexão de alta velocidade dedicada. Cada nó da rede é denominado membro do cluster e possui seus próprios recursos computacionais. Cada membro do cluster possui seu próprio espaço de endereçamento e a comunicação entre os membros se dá por troca de mensagens, utilizando a rede de interconexão. Todos os membros do cluster utilizam um mesmo sistema operacional por questões de incompatibilidade na comunicação de diferentes sistemas. O acesso aos recursos fornecidos pelo cluster é feito atrás de outra rede de conexão. Quando o usuário acessa a um recurso do cluster, ele não tem o conhecimento da quantidade de membros e a identificação de cada um. Para o usuário, é como se ele estivesse acessando a um único sistema fortemente acoplado, característica conhecida como imagem única do sistema, de acordo com ilustração da Figura 4. Ao ocorrer uma falha em um dos membros do cluster, outro membro verifica o problema e assume as suas funções (failover). Após a resolução do problema, o estado inicial pode ser restaurado (failback). Para que tais procedimentos possam ser executados, as aplicações devem ser construídas para utilizar os recursos oferecidos pelo cluster. Assim sendo, se houver uma falha em um dos membros do cluster, outro membro assumirá suas funções de forma transparente, e para o usuário esses procedimentos serão imperceptíveis. Figura 4 Cluster. Fonte: Elaboração do autor, 2011.

30 30 Sistemas operacionais de rede (SOR) são os melhores exemplos de sistemas fracamente acoplados. Cada membro do sistema possui seus próprios recursos computacionais. Os nós são totalmente independentes dos demais que compõem o sistema, são conectados por uma rede de comunicação de dados formando uma rede de computadores. Cada nó é independente dos demais com seu próprio espaço de endereçamento e recursos computacionais. Os sistemas operacionais utilizados por cada nó não necessitam ser heterogêneos, bastando somente que os nós utilizem o mesmo protocolo de comunicação. O usuário tem acesso aos recursos de outros computadores que compõem o sistema especificando o nome ou endereço do nó onde o recurso é disponibilizado. Assim, cada estação pode compartilhar seus recursos com a rede. Se algum nó da rede tiver problemas, os demais componentes podem continuar o seu processamento, apenas não dispondo dos recursos oferecidos pelo nó problemático. Nessa arquitetura, não existe o conceito de imagem única de sistema, bem como a tolerância a falhas e a alta disponibilidade obtida nos sistemas distribuídos. A maioria dos sistemas SOR implementam o modelo cliente/servidor, criando uma rede com um ou mais servidores que fornecem serviços, respondendo às solicitações dos clientes. Exemplo desse modelo são redes locais com servidores de arquivos, servidores de impressão e servidores de correio eletrônico. Ainda segundo Brandt(2001), Sistemas operacionais de redes são um conjunto de módulos que ampliam os sistemas operacionais, complementando-os com funções básicas de uso geral, tornando transparente o uso de recursos compartilhados. Como exemplo, temos os sistemas Peer-To-Peer. São sistemas compostos por diferentes sistemas operacionais, todos provendo recursos à rede através de um protocolo comum. Todos os computadores nesse sistema são clientes e servidores simultaneamente, conforme Figura 5 apresenta. Figura 5 Sistema operacional de rede Peer-To-Peer. Fonte: Elaboração do autor 2011.

31 31 Sistema distribuído é um conjunto de sistemas autônomos, interconectados por uma rede de comunicação de modo que represente um sistema fortemente acoplado. Cada componente do sistema possui seus próprios recursos computacionais, os sistemas operacionais dos membros não necessitam ser homogêneos. A principal diferença entre o sistema distribuído e os outros tipos de sistemas fracamente acoplados é a existência de um relacionamento mais forte entre seus componentes. De modo que é um sistema fracamente acoplado no aspecto de hardware, mas fortemente acoplado no ponto do software. Para o usuário é como se fosse um único sistema sem redes de interconexão, simulando uma imagem única do sistema. Os componentes do sistema podem ser conectados através de uma rede local ou uma rede distribuída. O ponto é que a localização dos componentes não importa, bem como as características físicas da rede. A escalabilidade desse tipo de sistema é teoricamente ilimitada, porque basta acrescentar novos componentes à rede conforme houver necessidade. Os sistemas distribuídos permitem que a aplicação seja dividida em diferentes partes, que se comunicam através de linhas de comunicação, podendo cada parte ser executada em qualquer processador de qualquer sistema operacional. Para isso, o sistema tem que oferecer transparência e tolerância a falhas a fim de criar a ideia de imagem única. Conforme Coulouris et al., (2007), sistema distribuído é aquele em que os componentes de hardware ou software, localizados em computadores interligados por redes, comunicam-se e coordenam-se suas ações trocando mensagens entre si. Tanenbaum et al., (2008) exemplificam a aplicação do conceito de sistema distribuído como a distribuição da mesma aplicação web em diversos servidores. Os servidores web podem utilizar diferentes sistemas operacionais e distintas configurações de hardware, somente necessitando da utilização de um protocolo comum para todas as trocas de mensagens entre os diversos servidores. Todas as requisições dos clientes passam por um servidor chamado de Front-End que é responsável por eleger um dos servidores web existente para atender a requisição, conforme a Figura 6 demonstra. Assim, transparecendo para o cliente que existe uma imagem única de sistema. Se um servidor falhar, ele simplesmente é ignorado, e o serviço que é disponibilizado continua seu funcionamento como se nada tivesse ocorrido, apenas não dispondo mais dos recursos providos pelo servidor afetado.

32 32 Figura 6 Sistema Web Distribuído. Fonte: Tanenbaum et al., (2008). A principal diferença entre os sistemas distribuídos para os sistemas que aplicam o conceito de cluster, é que em sistemas distribuídos a o conceito de imagem única de sistema é implementado pelas aplicações, necessitando de um esforço maior das aplicações para o gerenciamento do sistema como um todo. Enquanto que nos sistemas que aplicam o conceito de cluster as aplicações não necessitam assumir tais funções, que passam a ser responsabilidade do sistema operacional, gerenciando toda a infraestrutura de modo a criar a imagem única de sistema. 2.2 MODELO COMPUTACIONAL DE RECURSOS VIRTUALIZADOS Segundo Golden e Sheffy (2008), virtualização é a abstração dos recursos físicos que são disponibilizados para as aplicações. Golden e Sheffy (2008) definem virtualização de sistema operacional como sendo o modo de simular um sistema operacional com os recursos de software que o sistema operacional base não possui e não necessita. Assim, a aplicação que irá utilizar o sistema operacional virtualizado terá a ilusão de um servidor dedicado, provendo os recursos computacionais do qual ela necessita (software), sem que o sistema operacional base tenha efetivamente esses recursos instalados, conforme Figura 7 ilustra.

33 33 Figura 7 - Virtualização de Sistema Operacional. Fonte: Archer et al., (2010). Utilizando esse modelo, pode-se agregar diferentes configurações do mesmo sistema operacional para atender às necessidades de cada aplicação de forma distinta, sem que uma configuração conflite com a outra, não afetando as configurações do sistema operacional base e racionalizando a utilização do hardware do servidor físico. Através da aplicação desse modelo, o sistema operacional emulado terá as mesmas configurações do sistema operacional base, número de versão e pacotes de atualização que a ele forem aplicados. Conforme Archer et al. (2010), esse modelo de virtualização referencia os arquivos do sistema operacional base na memória principal, otimizando a utilização de memória, pois todos os sistemas simulados estarão referenciando os mesmos arquivos de sistema operacional base. Em contrapartida, a virtualização de hardware é realizada por um software chamado hypervisor, este software emula recursos de hardware. Essa infraestrutura básica criada pelo hypervisor é chamada de Virtual Machine Monitor (VMM). Dessa forma, simulase um ambiente virtual de recursos de hardware que através do hypervisor utiliza os recursos de hardware. Assim, Consegue-se realizar o compartilhamento dos diversos recursos de hardware entre os mais diferentes sistemas operacionais simultaneamente. O VMM forma um tipo de pacote que pode ser movido para outro servidor físico com outro tipo de sistema operacional e quantidade de recursos de hardware diferentes do inicial. Esse modelo de virtualização suporta diferentes tipos de sistemas operacionais, pois ele cria um ambiente de recursos computacionais virtualizados para cada VMM, onde os sistemas operacionais podem ser instalados. O hypervisor é o meio pelo qual o VMM acessa os recursos de hardware, mediando as interações do VMM com o hardware. Deste modo, podem-se consolidar diferentes servidores físicos, com quantidades de recursos computacionais diferentes e sistemas operacionais distintos sobre o mesmo

34 34 servidor, desde que este possua capacidade computacional suficiente para comportar todos os servidores virtuais. O hypervisor pode ser utilizado de duas maneiras distintas conforme Brás (2008) demonstra: a) hosted hypervisor: o hypervisor encontra-se sobre o sistema operacional primário, que é responsável pela gerência dos recursos de hardware, esse modelo é utilizado quando se necessita de integração com o sistema operacional primário, utilizando-o para realizar a divisão de tempo (timesharing) dos recursos disponíveis. Porém, desse modo, ocorre perda de desempenho, porque, para utilizar um recurso de hardware o sistema operacional que está sobre VMM realiza a chamada da função do hardware para o VMM que repassa a chamada para o hypervisor que traduz essa chamada para o sistema operacional corrente, e o sistema operacional fornece o recurso solicitado. A redução de desempenho ocorre por causa das camadas de software a mais que são adicionadas entre as aplicações e o recurso de hardware, conforme Figura 8 apresenta. Figura 8 - Hosted hypervisor. Fonte: Archer et al. (2010). b) bare Metal hypervisor: o hypervisor se encontrado diretamente sobre o hardware, removendo a camada de software do sistema operacional primário. É uma abordagem diferenciada para a virtualização de hardware. Desse modo, são fornecidos recursos de hardware de forma mais eficiente. Assim, o responsável por realizar o timesharing entre todos os VMM é o próprio hypervisor, conforme Figura 9 demonstra.

35 35 Figura 9 Bare metal hypervisor. Fonte: Archer et al. (2010). Travassos (2010) define que, quando se trata de virtualização, temos ainda o conceito de hardware partitioning que é a técnica de virtualização mais antiga utilizada. No qual se dividem os recursos do servidor físico em diversas partições lógicas, de modo que possam ser utilizados de forma independente, com seu próprio sistema operacional e sem que uma partição lógica interfira nos recursos da outra. É como se o servidor fosse dividido em diversos servidores menores cada um com sua própria porção de recursos físicos independentes, conforme ilustração da Figura 10. Nesse modelo, não há uma compartilhamento dos recursos de hardware entre as partições lógicas. Se uma partição lógica está alocada com uma quantidade de recursos, mas não está os utilizando em sua totalidade, não será possível outra partição utilizar os recursos que estão sem uso. Figura 10 Hardware partitioning. Fonte: Milberg (2009).

36 MODELO COMPUTACIONAL DE RECURSOS SOB DEMANDA De acordo com Mell e Grance (2010), Cloud Computing pode ser definido como o fornecimento de recursos computacionais (computadores, recursos de rede, servidores de armazenamento de dados, servidores de banco de dados, aplicações e etc.) sob demanda de forma descentralizada, de modo que os recursos fornecidos podem ser rapidamente disponibilizados, utilizando o mínimo necessário de esforço para manutenção e provisionamento. Esse conceito é composto por cinco características essenciais, três modelos de fornecimento de recursos e quatro modelos de aplicação Características de Cloud Computing Mell e Grance (2010) definem as características essenciais de Cloud Computing como sendo: a) on-demand self-service: o usuário tem a capacidade de alterar as configurações dos recursos computacionais que a ele são disponibilizados ou obter novos recursos, conforme as necessidades surgirem, sem ter de interagir com outras pessoas; b) broad network access: os recursos disponibilizados são acessíveis através de redes de computadores sendo disponibilizados através de diferentes tipos de clientes. Como: thin clients, smartphones, laptops, PDAs; c) resource pooling: os recursos computacionais disponibilizados são agrupados para servir diversos consumidores simultaneamente, criando uma nuvem de recursos computacionais composta por recursos físicos e virtuais. Os recursos são dinamicamente atribuídos ou removidos de acordo com as necessidades do usuário. O consumidor acessa aos recursos que ele necessita de qualquer local a qualquer momento, sem ter conhecimento da localização física dos recursos que estão sendo utilizados; d) rapid elasticity: a capacidade computacional é elástica e de modo ágil pode ser alterada, em alguns casos esse aumento ou diminuição de recursos é feito

37 37 automaticamente, conforme surgirem as necessidades. Para o usuário os recursos disponíveis são aparentemente infinitos, pois ele obtém a quantidade necessária de recursos computacionais a qualquer momento; e) measured service: sistemas que proporcionam a utilização do conceito de Cloud Computing, devem implementar a otimização e controle dos recursos computacionais que os compõem. Desse modo, é possível monitorar a utilização dos recursos, controlar os recursos servidos ao usuário e disponibilizar recursos de forma transparente Modelos de fornecimento recursos na nuvem De acordo com Mell e Grance (2010), os modelos de fornecimento de recursos que aplicam os conceitos de Cloud Computing são: a) software As A Service (SAAS): é o fornecimento de um software como serviço, o software nesse modelo está sobre uma plataforma de Cloud Computing. A aplicação é acessível através de diversos dispositivos diferentes, fazendo uso de uma aplicação cliente, como por exemplo, um browser. O usuário do software não despende de tempo e de recursos com a infraestrutura necessária para o software funcionar, que são servidores, sistemas operacionais, recursos de rede para disponibilizar o software, servidores de armazenamento e pessoal necessário para gerenciar toda essa estrutura, assim, ficando responsável unicamente pela configuração de usuário e utilização do software; b) platform As A Service (PAAS): modelo no qual é fornecido uma plataforma ao cliente, o usuário utiliza ferramentas de desenvolvimento para linguagem de programação, banco de dados ou containers para as aplicações. Essas ferramentas são disponibilizadas sobre uma plataforma de Cloud Computing, sendo disponíveis de diferentes modos e locais. Nesse modelo, o cliente não despende tempo e recursos com a infraestrutura para as plataformas, como servidores, sistemas operacionais, recursos de redes para disponibilizar as plataformas e servidores de armazenamento, mas é responsável pelo desenvolvimento e manutenção de suas aplicações;

38 38 c) infrastructure As A Service (IAAS): é o modelo no qual se disponibiliza ao usuário recursos computacionais, como processamento, armazenamento, recursos de rede e outros recursos de infraestrutura computacional. Esses recursos estão disponíveis para a utilização de qualquer sistema operacional e qualquer aplicação desejada pelo usuário. O usuário nesse modelo não tem a responsabilidade de gerenciar os recursos físicos de infraestrutura, mas será encarregado da gerência do sistema operacional, gerência das aplicações que ele utiliza sobre o sistema, gerência dos dados armazenados no sistema e possivelmente controle de alguns recursos de rede como firewalls Modelos de aplicação do conceito de Cloud Computing Segundo Mell e Grance (2010), os modelos de aplicação de Cloud Computing podem ser divididos em private cloud, community cloud, public e por fim hybrid cloud. a) private cloud: toda a infraestrutura que compõem a nuvem de recursos computacionais bem como os custos com manutenção e gerenciamento desses recursos é suportado pela empresa detentora da nuvem. A utilização dos recursos da nuvem se dá somente para interesses da empresa, sem qualquer interação com outras nuvens externas, conforme Figura 11 ilustra. Os recursos da nuvem não são compartilhados com entidades externas a empresa. Figura 11 Private Cloud. Fonte: Ahronovitz et al. (2010).

39 39 b) community cloud: é aplicado com a união dos recursos de algumas organizações para atender as necessidades das mesmas. As despesas com hardware, gerência de infraestrutura, energia e resfriamento é compartilhado entre as entidades envolvidas no desenvolvimento e utilização desse tipo de nuvem, Conforme Figura 12 exemplifica. Figura 12 Community Cloud. Fonte: Ahronovitz et al. (2010). c) public cloud: a nuvem de recursos computacionais é criada e mantida por uma empresa ou conjunto de empresas para atender ao usuário final, empresas, organizações e qualquer outra entidade externa que necessite de recursos computacionais. Esse tipo de aplicação abrange o fornecimento de recursos computacionais, seguindo um ou mais modelos de serviço de Cloud Computing, SAAS, PAAS ou IAAS, exemplificado com a Figura 13. As entidades que fazem uso desse tipo de nuvem computacional somente pagam pelos recursos computacionais efetivamente utilizados, reduzindo assim os custos operacionais da área de tecnologia da informação.

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS COM MÚLTIPLOS PROCESSADORES LIVRO TEXTO: CAPÍTULO 13, PÁGINA 243 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional INTRODUÇÃO Arquiteturas que possuem duas ou mais CPUs interligadas

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO Virtualização A virtualização está presente tanto no desktop de um entusiasta pelo assunto quanto no ambiente de TI de uma infinidade de empresas das mais variadas áreas. Não se trata de "moda" ou mero

Leia mais

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro Introdução Sistemas Operacionais 1 Sistema Operacional: Um conjunto de programas, executado pelo computador como os outros programas. Função: Controlar o funcionamento do computador, disponibilizando seus

Leia mais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais Introdução Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Hardware Provê os recursos básicos de computação (CPU, memória, E/S,etc.) Programas (aplicações) Definem as maneiras

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Comparação SDs X Scs

Comparação SDs X Scs Prof. Alexandre Lima Sistemas Distribuídos Cap 9 1/7 Comparação SDs X Scs Distribuição inerente Economia Velocidade Confiabilidade Crescimento incremental Descrição Algumas aplicações envolvem máquinas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Evolução Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Introdução Componentes de um sistema computacional Conceituação Características desejáveis Organização

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Computação em Nuvem Introdução Centralização do processamento Surgimento da Teleinformática Década de 60 Execução de programas localmente Computadores

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM. Michele Marques Costa 1,2, Julio César2 ¹Universidade paranaense (Unipar)

COMPUTAÇÃO EM NUVEM. Michele Marques Costa 1,2, Julio César2 ¹Universidade paranaense (Unipar) COMPUTAÇÃO EM NUVEM Michele Marques Costa 1,2, Julio César2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil Mih_nai@hotmail.com juliocesar@unipar.br Resumo. Este artigo contém a definição e citação

Leia mais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais 1.2 Tipos de Operacionais Tipos de Operacionais Monoprogramáveis/ Monotarefa Multiprogramáveis/ Multitarefa Com Múltiplos Processadores 1.2.1 Monoprogramáveis/Monotarefa Os primeiros sistemas operacionais

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery Sistemas Operacionais Introdução Professora: Michelle Nery Área de Atuação do Sistema Operacional Composto de dois ou mais níveis: Tipo de Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Monotarefas Sistemas

Leia mais

Naomi - GT8 HARDWARE & SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

Naomi - GT8 HARDWARE & SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Naomi - GT8 HARDWARE & SISTEMAS DISTRIBUÍDOS INTEGRANTES Aniel Cruz Claudio Sant Anna José Eurique Ribeiro Roberto Nou HARDWARE & SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Clusters Conceito; Desempenho, Disponibilidade, Balanceamento

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Questões Em uma rede de sobreposição (overlay), mensagens são roteadas de acordo com a topologia da sobreposição. Qual uma importante desvantagem

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 4 Tipos de SO Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br SO - Prof. Edilberto Silva Os Sistemas Operacionais podem ser assim classificados: SO - Prof. Edilberto Silva

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Arquitetura de Sistemas Distribuídos Conceito de Arquitetura de Software Principais elementos arquiteturais

Leia mais

Profs. Deja e Andrei

Profs. Deja e Andrei Disciplina Sistemas Distribuídos e de Tempo Real Profs. Deja e Andrei Sistemas Distribuídos 1 Conceitos e Projetos de Sistemas Distribuídos Objetivos: Apresentar uma visão geral de processamento distribuído,

Leia mais

Computação em Nuvem & OpenStack

Computação em Nuvem & OpenStack Computação em Nuvem & OpenStack Grupo de Pesquisa em Software e Hardware Livre Ação Computação em Nuvem: Charles Christian Miers André Rover de Campos Glauber Cassiano Batista Joinville Roteiro Definições

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3) Layout da MP em Sistemas de Lotes. Minimizar o tempo de resposta

Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3) Layout da MP em Sistemas de Lotes. Minimizar o tempo de resposta 1 Mono e multiprogramação Introdução Classificação (Aula 2) Recap Sistemas Máquina Profa. Patrícia Gerenciador D. CostaLPRM/DI/UFES Provê Fornece Compartilhamento programador máquina justa recursos Operacionais

Leia mais

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS Existem hoje diversas tecnologias e produtos para virtualização de computadores e ambientes de execução, o que pode gerar uma certa confusão de conceitos. Apesar disso, cada

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 6 - ALGORÍTIMOS PARALELOS MPI - Parallel Virtual Machine e PVM - Parallel Virtual Machine 1. INTRODUÇÃO Inicialmente é necessário conceber alguns conceitos para entendimento dos algoritmos paralelos:

Leia mais

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com Cloud Computing Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing O

Leia mais

O que é Cloud Computing?

O que é Cloud Computing? O que é Cloud Computing? Referência The Economics Of The Cloud, Microsoft, Nov. 2010 Virtualização, Brasport, Manoel Veras, Fev. 2011. 2 Arquitetura de TI A arquitetura de TI é um mapa ou plano de alto

Leia mais

Relatório de Pesquisa

Relatório de Pesquisa Relatório de Pesquisa A Vantagem da Virtualização de Mainframe: Como Economizar Milhões de Dólares Utilizando um IBM System z como um Servidor em Nuvem Linux Sumário Executivo Os executivos de TI (Tecnologia

Leia mais

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos Capítulo 8 Sistemas com Múltiplos Processadores 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos 1 Sistemas Multiprocessadores Necessidade contínua de computadores mais rápidos modelo

Leia mais

Monitoramento de Rede de Nuvens Privadas

Monitoramento de Rede de Nuvens Privadas Monitoramento de Rede de Nuvens Privadas White Paper Autores: Dirk Paessler, CEO da Paessler AG Dorte Winkler, Redatora Técnica na Paessler AG Primeira Publicação: Maio de 2011 Edição: Fevereiro de 2013

Leia mais

Arquitetura e Sistema de Monitoramento para

Arquitetura e Sistema de Monitoramento para Arquitetura e Sistema de Monitoramento para 1 Computação em Nuvem Privada Mestranda: Shirlei A. de Chaves Orientador: Prof. Dr. Carlos Becker Westphall Colaborador: Rafael B. Uriarte Introdução Computação

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE Capítulo 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações

Leia mais

Virtualização de Sistemas Operacionais

Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização de Sistemas Operacionais Felipe Antonio de Sousa 1, Júlio César Pereira 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipeantoniodesousa@gmail.com, juliocesarp@unipar.br Resumo.

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING http://www.uniriotec.br/~tanaka/tin0036 tanaka@uniriotec.br Bancos de Dados Distribuídos Conceitos e Arquitetura Vantagens das Arquiteturas C/S (em relação

Leia mais

Sistemas Operacionais. Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br

Sistemas Operacionais. Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br Sistemas Operacionais Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br Ementa Apresentação do curso Cap1 - Visão Geral Cap2 - Conceitos de Hardware e Software Cap3 - Concorrência Cap4 - Estrutura do Sistema Operacional

Leia mais

Disciplina: Introdução à Informática Profª Érica Barcelos

Disciplina: Introdução à Informática Profª Érica Barcelos Disciplina: Introdução à Informática Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 4 1. ARQUITETURA DO COMPUTADOR- HARDWARE Todos os componentes físicos constituídos de circuitos eletrônicos interligados são chamados

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS SIST. DE COMPUTAÇÃO DÉC. DE 50 E 60

EVOLUÇÃO DOS SIST. DE COMPUTAÇÃO DÉC. DE 50 E 60 INTRODUÇÃO REDES EVOLUÇÃO DOS SIST. DE COMPUTAÇÃO DÉC. DE 50 E 60 Computadores eram máquinas grandes e complexas, operadas por pessoas altamente especializadas; Não havia interação direta entre usuários

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 5 PROCESSOS 1. INTRODUÇÃO Em sistemas distribuídos é importante examinar os diferentes tipos de processos e como eles desempenham seu papel. O conceito de um processo é originário do campo de sistemas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br CLOUD COMPUTING Andrêza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing

Leia mais

Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br. Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado

Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br. Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado de TI. Apresentar alguns conceitos e técnicas sobre a tecnologia

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 6 OBJETIVOS OBJETIVOS ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall Qual é a capacidade de processamento e armazenagem

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina - Sistemas Distribuídos Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 12 Computação em Nuvem Sumário Introdução Arquitetura Provedores

Leia mais

Monitoramento de Rede de Nuvens Privadas

Monitoramento de Rede de Nuvens Privadas Monitoramento de Rede de Nuvens Privadas White Paper Autores: Dirk Paessler, CEO da Paessler AG Gerald Schoch, Redator Técnico na Paessler AG Primeira Publicação: Maio de 2011 Edição: Fevereiro de 2015

Leia mais

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB Calculando a capacidade de disco: Capacidade = (# bytes/setor) x (méd. # setores/trilha) x (# trilhas/superfície) x (# superfícies/prato) x (# pratos/disco) Exemplo 01: 512 bytes/setor 300 setores/trilha

Leia mais

ARQUITETURA TRADICIONAL

ARQUITETURA TRADICIONAL INTRODUÇÃO Atualmente no universo corporativo, a necessidade constante de gestores de tomar decisões cruciais para os bons negócios das empresas, faz da informação seu bem mais precioso. Nos dias de hoje,

Leia mais

Virtualização - VMWare e Xen

Virtualização - VMWare e Xen Virtualização - VMWare e Xen A virtualização consiste na emulação de ambientes isolados, capazes de rodar diferentes sistemas operacionais dentro de uma mesma máquina, aproveitando ao máximo a capacidade

Leia mais

1. CAPÍTULO COMPUTADORES

1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1.1. Computadores Denomina-se computador uma máquina capaz de executar variados tipos de tratamento automático de informações ou processamento de dados. Os primeiros eram capazes

Leia mais

CLOUD COMPUTING. Gustavo Matos Rodrigues 1 Leandro Panatta Vissentini 1 Sandy Júnior Sagiorato 1 Victor Daniel Scandolara 1 Eva Lourdes Pires 2

CLOUD COMPUTING. Gustavo Matos Rodrigues 1 Leandro Panatta Vissentini 1 Sandy Júnior Sagiorato 1 Victor Daniel Scandolara 1 Eva Lourdes Pires 2 CLOUD COMPUTING Gustavo Matos Rodrigues 1 Leandro Panatta Vissentini 1 Sandy Júnior Sagiorato 1 Victor Daniel Scandolara 1 Eva Lourdes Pires 2 Resumo: Este artigo tem como objetivo falar da computação

Leia mais

1. INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS. 1.1 Introdução

1. INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS. 1.1 Introdução 1. INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS 1.1 Introdução Programas de Aplicação: desenvolvidos pelo usuário. Programas Utilitários: ferramentas de auxílio às aplicações. Programa: conjunto de comandos com

Leia mais

Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn

Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn OBJETIVO: definir computação paralela; o modelo de computação paralela desempenhada por computadores paralelos; e exemplos de uso da arquitetura

Leia mais

hvbacellar@gmail.com Palavras-chave Cluster; Beowulf; OpenMosix; MPI; PVM.

hvbacellar@gmail.com Palavras-chave Cluster; Beowulf; OpenMosix; MPI; PVM. Cluster: Computação de Alto Desempenho Hilário Viana Bacellar Instituto de Computação, Universidade Estadual de Campinas Av. Albert Einstein 1251, Cidade Universitária, CEP 13083-970 Campinas, SP, Brasil

Leia mais

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II *Créditos: baseado no material do Prof. Eduardo Zagari Virtualização - Introdução Introduzido nos anos 60 em Mainframes Em 1980 os microcomputadores

Leia mais

Introdução aos Computadores

Introdução aos Computadores Os Computadores revolucionaram as formas de processamento de Informação pela sua capacidade de tratar grandes quantidades de dados em curto espaço de tempo. Nos anos 60-80 os computadores eram máquinas

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF.

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF. ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I Máquina Virtual Instalação de S.O. em dual boot 1º Semestre 2010 PROF. AMARAL Na ciência da computação, máquina virtual é o nome dado a uma máquina,

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores SISTEMAS OPERACIONAIS Maquinas Virtuais e Emuladores Plano de Aula Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente

Leia mais

Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos. Introdução. Um Serviço Provido por Múltiplos Servidores

Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos. Introdução. Um Serviço Provido por Múltiplos Servidores Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos Arquiteutra de Sistemas Distribuídos Introdução Applications, services Adaptação do conjunto de slides do livro Distributed Systems, Tanembaum,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 1)

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 1) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 1) Administração A palavra administração vem do latim

Leia mais

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Necessidade de máquinas com alta capacidade de computação Aumento do clock => alta dissipação de calor Velocidade limitada dos circuitos => velocidade da

Leia mais

Classificação de SO (Sistemas Operacionais) Técnico de Informática 2º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu.

Classificação de SO (Sistemas Operacionais) Técnico de Informática 2º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu. Classificação de SO (Sistemas Operacionais) Técnico de Informática 2º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu.br Agenda Classificação de SO quanto a: Interface Processamento Tarefas

Leia mais

Capítulo 1 Os Computadores e a Sua Arquitetura

Capítulo 1 Os Computadores e a Sua Arquitetura Capítulo 1 Os Computadores e a Sua Arquitetura Neste capítulo nós trataremos de alguns conceitos básicos sobre o modelo de arquitetura dos computadores modernos, seus componentes e suas principais funções.

Leia mais

Sistemas Operacionais 1/66

Sistemas Operacionais 1/66 Sistemas Operacionais 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware

Leia mais

Arquitetura de SGBD. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Arquitetura de SGBD. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Arquitetura de SGBD Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Agenda Caracterização de SGBDs SGBDs Centralizados SGBDs Cliente-Servidor SGBDs Distribuídos Homogêneos Multi-SGBDs Heterogêneos SGBDs Paralelos

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 5 INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos

Leia mais

Fernando Seabra Chirigati. Universidade Federal do Rio de Janeiro EEL879 - Redes de Computadores II Professores Luís Henrique Costa e Otto Duarte

Fernando Seabra Chirigati. Universidade Federal do Rio de Janeiro EEL879 - Redes de Computadores II Professores Luís Henrique Costa e Otto Duarte Fernando Seabra Chirigati Universidade Federal do Rio de Janeiro EEL879 - Redes de Computadores II Professores Luís Henrique Costa e Otto Duarte Introdução Grid x Nuvem Componentes Arquitetura Vantagens

Leia mais

Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2

Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Tecnologias WEB Virtualização de Sistemas Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Conceitos Virtualização pode ser definida como técnica que combina ou divide recursos computacionais para prover

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DISTRIBUÍDOS 1. INTRODUÇÃO Nos primeiros momentos os computadores eram máquinas grandes e caras. Ao longo do tempo dois avanços tecnológicos mudaram os sistemas informatizados:

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3

Leia mais

Single-Chip Cloud Computer

Single-Chip Cloud Computer IME-USP Departamento de Ciência da Computação Single-Chip Cloud Computer Diogo de Jesus Pina 6798294 (diogojpina@gmail.com) Everton Topan da Silva 6514219 (everton.topan.silva@usp.br) Disciplina: Organização

Leia mais

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 1 2 Revisão de Hardware 2.1 Hardware O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 2.1.1 Processador O Processador

Leia mais

CLOUD COMPUTING PEDRO MORHY BORGES LEAL. MAC0412 - Organização de Computadores Prof. Alfredo Goldman 7 de dezembro de 2010

CLOUD COMPUTING PEDRO MORHY BORGES LEAL. MAC0412 - Organização de Computadores Prof. Alfredo Goldman 7 de dezembro de 2010 CLOUD COMPUTING PEDRO MORHY BORGES LEAL MAC0412 - Organização de Computadores Prof. Alfredo Goldman 7 de dezembro de 2010 0 CLOUD COMPUTING 1 1. Introdução Com o grande avanço da tecnologia de processadores,

Leia mais

Resumo. Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução

Resumo. Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução Cluster Resumo Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução Introdução Sua empresa esta precisando fazer um grande processamento; As Nuvens existentes não são suficientes para sua empresa;

Leia mais

Visão Geral da Arquitetura de Computadores. Prof. Elthon Scariel Dias

Visão Geral da Arquitetura de Computadores. Prof. Elthon Scariel Dias Visão Geral da Arquitetura de Computadores Prof. Elthon Scariel Dias O que é Arquitetura de Computadores? Há várias definições para o termo arquitetura de computadores : É a estrutura e comportamento de

Leia mais

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA Através dos elementos que fazem parte do projeto do sistema é que podemos determinar quais as partes do sistema que serão atribuídas às quais tipos

Leia mais

Universidade Agostinho Neto Faculdade de Ciências Departamento de Ciências da Computação

Universidade Agostinho Neto Faculdade de Ciências Departamento de Ciências da Computação Universidade Agostinho Neto Faculdade de Ciências Departamento de Ciências da Computação Nº 96080 - Adário de Assunção Fonseca Muatelembe Nº 96118 - Castelo Pedro dos Santos Nº 96170 - Feliciano José Pascoal

Leia mais

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico

Leia mais

Nível do Sistema Operacional

Nível do Sistema Operacional Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/1 Introdução Hardware Provê os recursos básicos

Leia mais

PROCESSAMENTO DE DADOS 15/08

PROCESSAMENTO DE DADOS 15/08 PROCESSAMENTO DE DADOS 15/08 Coletar Informática Armazenar Disseminar Dados DADOS Elementos conhecidos de um problema INFORMAÇÃO Um conjunto estruturado de dados transmitindo conhecimento. Novas Tecnologias

Leia mais

Material 5 Administração de Recursos de HW e SW. Prof. Edson Ceroni

Material 5 Administração de Recursos de HW e SW. Prof. Edson Ceroni Material 5 Administração de Recursos de HW e SW Prof. Edson Ceroni Desafios para a Administração Centralização X Descentralização Operação interna x Outsourcing Hardware Hardware de um Computador Armazenamento

Leia mais

Cloud Computing. Edy Hayashida E-mail: edy.hayashida@uol.com.br

Cloud Computing. Edy Hayashida E-mail: edy.hayashida@uol.com.br Cloud Computing Edy Hayashida E-mail: edy.hayashida@uol.com.br Facebook 750 milhões de usuários 42% de todos os usuários do Facebook estão localizado na América, 27% na Ásia e 25% na Europa 4% na África

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware Professor: Renato B. dos Santos 1 O computador é composto, basicamente, por duas partes:» Hardware» Parte física do computador» Elementos concretos» Ex.: memória, teclado,

Leia mais

Virtualização de Software

Virtualização de Software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE BACHARELADO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Virtualização de Software Luana Sandrini Saft Trabalho de conclusão de curso

Leia mais

Virtualização: VMWare e Xen

Virtualização: VMWare e Xen Virtualização: VMWare e Xen Diogo Menezes Ferrazani Mattos Professor: Otto Carlos Disciplina: Redes I Universidade Federal do Rio de Janeiro POLI/COPPE 1 Introdução Virtualização Divisão da máquina física

Leia mais

Apresentação resumida

Apresentação resumida New Generation Data Protection Powered by AnyData Technology Apresentação resumida Para obter apresentação completa ou mais informações ligue (11) 3441 0989 ou encaminhe e-mail para vendas@dealerse.com.br

Leia mais

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2)

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2) Definição de um Sistema Distribuído (1) Introdução Um sistema distribuído é: Uma coleção de computadores independentes que aparecem para o usuário como um único sistema coerente. Definição de um Sistema

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Eriko Carlo Maia Porto UNESA Universidade Estácio de Sá eriko_porto@uol.com.br Última revisão Julho/2003 REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO Década de 50 introdução dos

Leia mais

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com Análise de Desempenho e Viabilidade do Raspberry Pi como um Thin Client utilizando o Protocolo SPICE Luiz Alberto Alves Baltazar 1, João Paulo de Lima Barbosa 1, Jorge Aikes Junior 1 1 Curso de Ciência

Leia mais

VI - Introdução aos Sistemas Operacionais

VI - Introdução aos Sistemas Operacionais VI - Introdução aos Sistemas Operacionais Consiste de um ou um conjunto de programas que compõem o software básico do computador e cuja finalidade é a de executar os programas aplicativos e de servir de

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais