INFLUÊNCIA DO CAMINHO DE AQUECIMENTO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO 1020 TEMPERADO A PARTIR DE TEMPERATURAS INTERCRÍTICAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFLUÊNCIA DO CAMINHO DE AQUECIMENTO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO 1020 TEMPERADO A PARTIR DE TEMPERATURAS INTERCRÍTICAS"

Transcrição

1 INFLUÊNCIA DO CAMINHO DE AQUECIMENTO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO 1020 TEMPERADO A PARTIR DE TEMPERATURAS INTERCRÍTICAS C.G. Guimarães, C.A.Siqueira, A. L. M. Costa* Faculdade de Engenharia de Materiais - FEMAT, Universidade Federal do Pará Folha 17, Quadra 04, Lote especial, Marabá, Pará CEP: , * RESUMO Um dos objetivos da indústria metalúrgica é aumentar a aplicabilidade de aços baixo-carbono comuns a partir da melhoria de suas propriedades mecânicas. Neste trabalho foram realizados tratamentos de têmpera intercrítica em um aço 1020 variando-se a temperatura intercrítica e o caminho de aquecimento até esta temperatura a fim de se avaliar as transformações microestruturais e as propriedades mecânicas. As microestruturas resultantes apresentaram basicamente duas fases: ferrita e martensita, mas as morfologias e distribuição das fases foram completamente diferentes dependendo do caminho do tratamento térmico. As amostras que apresentaram maior resistência mecânica foram aquelas resfriadas desde o campo austenítico. Entretanto, a otimização das propriedades mecânicas foi obtida para temperatura intercrítica depois de aquecimento até 810 o C. Palavras-chave: aço 1020, têmpera intercrítica, propriedades mecânicas. INTRODUÇÃO Na década de 1950, H. Colpaert declarava [1]: Os aços temperados de dentro da zona crítica não apresentam grande interesse prático, porque a dureza atingida é menor e em geral irregular. Trinta anos depois do trabalho seminal de H. Colpaert, o interesse pelos aços obtidos por têmpera intercrítica foi renovado a partir da 8891

2 descoberta que a dispersão da fase martensita em uma matriz ferrítica pode gerar um material de alta resistência mecânica e boa ductilidade [2]. As propriedades mecânicas destes aços bifásicos (dual phase steels = ferrita + martensita) dependem da morfologia e distribuição das fases presentes, que por sua vez são determinadas pela temperatura, tempo e procedimento de homogeneização intercrítica e taxa de resfriamento na têmpera [3]. Apesar de não vislumbrar interesse prático para os aços bifásicos, H. Colpaert observou a necessidade de chamar atenção... (para) a importância do sentido em que a temperatura está variando. Quer dizer... é preciso saber se essa temperatura (intercrítica) foi atingida por aquecimento, ou por esfriamento de temperaturas acima da zona crítica. De fato, esta abordagem tem sido modernamente utilizada para se obter diferentes microestruturas e propriedades de aços bifásicos [3,4]. Neste artigo é apresentado um estudo sobre a influência do caminho do tratamento térmico de têmpera intercrítica na microestrutura e propriedades de um aço 1020 comercial. MATERIAIS E MÉTODOS Uma barra de aço 1020 comercial de seção quadrada 3/8 com microestrutura mostrada na figura 1 (ferrita + 15%perlita) foi cortada em vários pedaços de 12cm de comprimento. Estas amostras foram tratadas termicamente seguindo dois procedimentos como esquematicamente indicados na figura 2: a) Têmpera no Aquecimento (aquecimento até uma temperatura intercrítica T int, homogeneização por 30 minutos e têmpera em água); b) Têmpera no Resfriamento (aquecimento até 950 o C no campo austenítico, homogeneização por 30 minutos, resfriamento lento até T int, homogeneização por 30 min e têmpera em água). Após tratamento térmico as amostras foram cortadas em pedaços menores para análise microestrutural e avaliação de propriedades mecânicas. As microestruturas foram observadas por microscopia ótica após preparação metalográfica e ataque químico com reagente Nital. Foram realizados ensaios de tração em corpos de prova usinados com 4mm de diâmetro e 15mm de comprimento útil em uma máquina universal com célula de carga de 20kN. A energia de fratura no impacto foi medida em ensaio Charpy com corpos de prova de 50mm de 8892

3 comprimento. Foram utilizadas duas amostras de todos os materiais para cada ensaio. Figura 1. Microestrutura do material como recebido. Figura 2. Diagrama esquemático mostrando os caminhos de tratamentos térmicos realizados. RESULTADOS E DISCUSSÃO As microestruturas resultantes dos tratamentos térmicos são mostradas na figura 3. Todas as amostras apresentam duas fases bem distintas: ferrita (fase clara) e martensita (fase escura). Entretanto, a morfologia e o tamanho das fases são bem diferentes em relação ao caminho do tratamento térmico realizado. No caso das amostras obtidas por têmpera no aquecimento, a perlita localizada nos contornos de grãos ferríticos se transformou em austenita que posteriormente se transformou na martensita. Com o aumento da temperatura intercrítica a região austenítica aumentou dando origem a uma rede martensítica que envolveu os grãos ferríticos. No caso das amostras obtidas por têmpera no resfriamento, grãos ferríticos nuclearam e cresceram durante a homogeneização. Quanto menor a temperatura intercrítica, maior a quantidade de ferrita formada e maior o tamanho do grão 8893

4 ferrítico. As microestruturas finais consistem de grãos de ferrita e martensita homogeneamente distribuídos. Figura 3. Imagens de microscopia ótica mostrando as microestruturas dos materiais após tratamentos térmicos. Ataque: Nital. 8894

5 Os teores de martensita para todas as amostras sãos indicados na tabela 1 e relacionados na figura 4. De maneira geral, quanto maior a temperatura de têmpera, maior a quantidade de martensita, no entanto, o teor de martensita é muito maior para as amostras temperadas no resfriamento em alta temperatura. Isto ocorreu porque mesmo numa alta temperatura de 810 o C, nas amostras temperadas no aquecimento não houve tempo para dissociação completa da ferrita, enquanto nas amostras temperadas no resfriamento a ferrita cresceu até o tamanho previsto pelo diagrama de fases. A resistência mecânica das amostras aumentou significativamente (em torno de 90%) com os tratamentos térmicos realizados, enquanto o alongamento caiu quase à metade (ver tabela 1). Os maiores valores de tensão de escoamento foram obtidos para amostras temperadas no resfriamento, provavelmente devido aos maiores teores de martensita (figura 4). Por outro lado, as amostras temperadas no aquecimento apresentaram maior alongamento devido ao maior teor de ferrita. Entretanto, o alongamento aumentou com o teor de martensita para todas as amostras (ver figura 4), um dado que ainda está sob análise. Tabela 1. Porcentagem de martensita e propriedades mecânicas das amostras estudadas. material Quantidade de Martensita (%) Tensão de escoamento (MPa) Alongamento total (%) Energia de impacto (J) como recebido ,4 112,0 AQ-T int , ,0 7,0 AQ-T int , ,8 15,5 AQ-T int , ,3 22,0 RE-T int , ,3 12,8 RE-T int , ,1 18,8 RE-T int , ,9 11,5 8895

6 60 aquecimento 25 Aquecimento quantidade de martensita (%) resfriamento Energia de Impacto (J) Resfriamento temperatura de tempera intercrítica temperatura de têmpera intercrítica 800 Aquecimento 20 Aquecimento tensão de escoamento (MPa) Resfriamento Alongamento total (%) Resfriamento temperatura de têmpera intercrítica temperatura de têmpera intercrítica Figura 4. Gráficos relacionando o teor de martensita e as propriedades mecânicas com a temperatura de têmpera dos tratamentos térmicos realizados. Como pode ser verificado na tabela 1, a tenacidade do material diminuiu bastante com os tratamentos térmicos, atingindo valores de energia de impacto na faixa de 10 a 20J. A figura 4 indica que, para as amostras temperadas no aquecimento, a energia de impacto aumentou com a elevação da temperatura de têmpera. Isto parece indicar que a rede de martensita formada a 810 o C no aquecimento gerou uma martensita com menor teor de carbono e, por isso, menos frágil. Além disso, a amostra aquecida até 760 o C apresenta uma martensita mais rica em carbono e de forma alongada, portanto mais suscetível à propagação de trincas nos contornos de grãos ferríticos. 8896

7 No caso das amostras temperadas no resfriamento, em altas temperaturas tem-se grande volume de martensita e, portanto, baixa tenacidade à fratura. Com a diminuição da temperatura o teor de martensita diminuiu aumentando a energia para fratura. Aqui também, parece que a martensita mais alongada e concentrada nos contornos de grãos pode ser responsável pela menor energia de fratura. A literatura especializada [3,4] tem indicado que a têmpera no aquecimento fornece um aço bifásico menos resistente, mas por outro lado mais dúctil e tenaz quando comparada com a têmpera no resfriamento. Neste trabalho foi verificado que, considerando todos os resultados em conjunto, o aço 1020 bifásico que apresentou as melhores propriedades mecânicas foi aquele obtido por têmpera no aquecimento a partir de 810 o C. Parece ainda que o tempo de homogeneização de 30 minutos foi adequado no sentido que não promoveu um crescimento acentuado da martensita, gerando uma microestrutura de grãos ferríticos envolvidos numa rede martensítica. A próxima etapa deste trabalho consistirá na análise de outras variáveis como os tamanhos de grão e a dureza de cada fase presente no material. CONCLUSÕES Diferentes microestruturas bifásicas foram obtidas variando-se a direção do tratamento térmico de têmpera intercrítica em aço 1020 comercial. Maior resistência mecânica foi obtida quando as amostras foram resfriadas desde o campo austenítico até a temperatura de têmpera. Entretanto, considerando todos os dados de resistência mecânica e energia de impacto, o material que apresentou melhores resultados foi obtido com a têmpera depois de aquecimento até 810 o C. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem ao programa PROINT-UFPA e ao CNPQ pelo financiamento. REFERÊNCIAS 1. Colpaert, H. Metalografia dos produtos siderúrgicos comuns. São Paulo: Edgard Blücher Editora da USP,

8 2. Rocha, R.O.; Melo, T.M.F.; Pereloma, E.V.; Santos, D.B. Microstructural evolution at the initial stages of continuous annealing of cold rolled dual-phase steel, Materials Science and Engineering A, v.391, p , Bayram, A.; Uguz, A.; Ula, M. Effects of microstructure and notches on the mechanical properties of dual-phase steels, Materials Characterization, v.43, p , Park, K.S.; Park, K,-T.;Lee, D.L.; Lee, C.S. Effect of heat treatment path on the cold formability of drawn dual-phase steels, Materials Science and Engineering A, v , p , INFLUENCE OF HEAT TREATMENT PATH ON THE MECHANICAL PROPERTIES OF 1020 DUAL-PHASE STEELS ABSTRACT In this work the effects of heat treatment path and intercritical temperature on the microstructure and properties of a 1020 dual-phase steel were analyzed. The final microstructures presented basically two phases: ferrite and martensite, but the phases morphologies and distributions were completely different as changing the direction of heat treatment from intercritical annealing to step quenching. The highest strength was obtained by step quenched samples. However, the optimized mechanical properties was verified to the sample treated by intercritical annealing in 810 o C. This result was attributed to the microstructure of ferrite grains surrounded by martensite net. Key-words: dual phase steels, heat treatment path, mechanical properties 8898

DESENVOLVIMENTO DE RODA MICROLIGADA COM NIÓBIO PARA TRANSPORTE HEAVY HAUL. Eng. (MSc) Domingos José Minicucci

DESENVOLVIMENTO DE RODA MICROLIGADA COM NIÓBIO PARA TRANSPORTE HEAVY HAUL. Eng. (MSc) Domingos José Minicucci COM NIÓBIO PARA TRANSPORTE HEAVY HAUL Eng. (MSc) Domingos José Minicucci CONTEÚDO: Evolução da carga por eixo na Austrália Contato roda trilho Especificação AAR para rodas classe D microligadas Nióbio

Leia mais

TTT 2012 - VI Conferência Brasileira sobre Temas de Tratamento Térmico 17 a 20 de Junho de 2012, Atibaia, SP, Brasil

TTT 2012 - VI Conferência Brasileira sobre Temas de Tratamento Térmico 17 a 20 de Junho de 2012, Atibaia, SP, Brasil CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL E AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO COM DIFERENTES MICROESTRUTURAS BIFÁSICAS OBTIDAS A PARTIR DO AÇO LNE 500 A. N. O. Dias, (1); M. R. Baldissera, (1); Rossi,

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 FRAGILIZAÇÃO DA MARTENSITA REVENIDA EM PARAFUSOS: ANÁLISE DE DOIS CASOS Marcelo A. L.*, Tokimatso R. C., Júnior P. Z.**,

Leia mais

MÉTODO PARA O CÁLCULO DA FRAÇÃO VOLUMÉTRICA DE AUSTENITA RETIDA ATRAVÉS DO SOFTWARE DE ANÁLISE DIGITAL DE IMAGENS

MÉTODO PARA O CÁLCULO DA FRAÇÃO VOLUMÉTRICA DE AUSTENITA RETIDA ATRAVÉS DO SOFTWARE DE ANÁLISE DIGITAL DE IMAGENS MÉTODO PARA O CÁLCULO DA FRAÇÃO VOLUMÉTRICA DE AUSTENITA RETIDA ATRAVÉS DO SOFTWARE DE ANÁLISE DIGITAL DE IMAGENS S. Lombardo 1 ; F.H. Costa 1 ; T.M. Hashimoto 1 ; M.S. Pereira 1 ; A.J. Abdalla 1,2 Av.

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 02

PROVA ESPECÍFICA Cargo 02 18 PROVA ESPECÍFICA Cargo 02 QUESTÃO 41 As afirmativas a seguir tratam das características de alguns dos tratamentos térmicos aplicados aos aços. Verifique quais são verdadeiras (V) ou falsas (F) e marque

Leia mais

PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS AÇOS FERRAMENTA PARA MATRIZES DE FORJAMENTO

PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS AÇOS FERRAMENTA PARA MATRIZES DE FORJAMENTO PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS AÇOS FERRAMENTA PARA MATRIZES DE FORJAMENTO Rafael Agnelli Mesquita 1) Paulo de Tarso Haddad 2) Os aços ferramenta empregados em forjamento a quente possuem várias propriedades

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DE BARRAS DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO NITROGENADO ASTM 276 - GRAU XM19

DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DE BARRAS DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO NITROGENADO ASTM 276 - GRAU XM19 DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DE BARRAS DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO NITROGENADO ASTM 276 - GRAU XM19 Development of the Production of ASTM 276 Grade XM19 High Nitrogen Austenitic Stainless Steel Bars Alexandre

Leia mais

5 DISCUSSÃO. 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. Capítulo 5 77

5 DISCUSSÃO. 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. Capítulo 5 77 Capítulo 5 77 5 DISCUSSÃO 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. A finalidade do uso dos resfriadores no molde antes da fundição das amostras Y block foi provocar uma maior velocidade de resfriamento

Leia mais

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Tópico 7E Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Introdução Já vimos que a deformação plástica de um metal decorre da movimentação interna de discordâncias, fazendo com que planos cristalinos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SOLDAGEM PELO PROCESSO MIG EM AÇO INOXIDÁVEL MARTENSÍTICO

AVALIAÇÃO DA SOLDAGEM PELO PROCESSO MIG EM AÇO INOXIDÁVEL MARTENSÍTICO AVALIAÇÃO DA SOLDAGEM PELO PROCESSO MIG EM AÇO INOXIDÁVEL MARTENSÍTICO M.A. Fernandes (1); N.A. Mariano (2); D.H.C. Marinho (2) (1) UNICAMP; (2) UNIFAL-MG Universidade Federal de Alfenas, Campus Poços

Leia mais

Eng Mecânico. M.Sc.; D.Sc.; UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá Itajubá MG. Brasil.

Eng Mecânico. M.Sc.; D.Sc.; UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá Itajubá MG. Brasil. Pedro Duarte Antunes, Edmilson Otoni Corrêa et al. Corrosão sob tensão de juntas soldadas INFLUÊNCIA DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA DO METAL DE ADIÇÃO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E NA SUSCEPTIBILIDADE À CORROSÃO

Leia mais

FORJAMENTO A FRIO DE HASTES DE PRÓTESE TOTAL DE QUADRIL COM PROPRIEDADES MECÂNICAS HÍBRIDAS

FORJAMENTO A FRIO DE HASTES DE PRÓTESE TOTAL DE QUADRIL COM PROPRIEDADES MECÂNICAS HÍBRIDAS FORJAMENTO A FRIO DE HASTES DE PRÓTESE TOTAL DE QUADRIL COM PROPRIEDADES MECÂNICAS HÍBRIDAS Lopes, E. S. N.(1); Contieri, R. J.(1); Cardoso, F. F.(1); Cremasco, A.(1); Button, S. T.(1); Caram, R.(1) (1)

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA ENGENHARIA MECÂNICA INDUSTRIAL Análise dos Parâmetros que Influenciaram a Falha dos Parafusos Calibrados Aço1045 A do Acoplamento de Engrenagem da Mesa Giratória ria do Laminador

Leia mais

ENSAIO DE DUREZA EM-641

ENSAIO DE DUREZA EM-641 ENSAIO DE DUREZA DEFINIÇÃO: Dureza é a resistência à deformação permanente Aplicação de uma carga na superfície da peça com um penetrador padronizado Características da marca de impressão (área ou profundidade)

Leia mais

DIAGRAMA Fe-C. DIAGRAMA Fe-Fe 3 C

DIAGRAMA Fe-C. DIAGRAMA Fe-Fe 3 C 1 DIAGRAMA Fe-C DIAGRAMA Fe-Fe 3 C ALOTROPIA DO FERRO PURO Na temperatura ambiente, o ferro puro apresenta estrutura cristalina cúbica de corpo centrado (CCC), denominada ferrita alfa (α). A estrutura

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL AO LONGO DA ESPESSURA DE CHAPA GROSSA DE AÇO MICROLIGADO PARA TUBOS API 5L-X65 1

CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL AO LONGO DA ESPESSURA DE CHAPA GROSSA DE AÇO MICROLIGADO PARA TUBOS API 5L-X65 1 CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL AO LONGO DA ESESSURA DE CHAA GROSSA DE AÇO MICROLIGADO ARA TUBOS AI 5L-X65 1 aulo Henrique Ogata 2 Helio Goldenstein 3 Antonio Augusto Gorni 4 Fernando José Gomes Landgraf

Leia mais

PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS DE CERÂMICAS PARA OBSERVAÇÃO MICROESTRUTURAL

PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS DE CERÂMICAS PARA OBSERVAÇÃO MICROESTRUTURAL 1 PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS DE CERÂMICAS PARA OBSERVAÇÃO MICROESTRUTURAL O. M. M. Silva 1, S. A. Baldacim 1, C. Santos 2, Salgado, E.G.C 1, F. C. L. Melo 1 1 CTA-IAE- Divisão de Materiais - Pça. Mar. do Ar

Leia mais

AVALIAÇÃO MECÂNICA E METALÚRGICA EM TRILHO FERROVIÁRIO UTILIZADO EM VIA CONTÍNUA

AVALIAÇÃO MECÂNICA E METALÚRGICA EM TRILHO FERROVIÁRIO UTILIZADO EM VIA CONTÍNUA Jornadas SAM CONAMET AAS 2001, Septiember de 2001 519-526 AVALIAÇÃO MECÂNICA E METALÚRGICA EM TRILHO FERROVIÁRIO UTILIZADO EM VIA CONTÍNUA Macedo, M.L.K.; Silva, A. A. M.; Barlavento, M. A. e Reguly, A.

Leia mais

VARIÁVEIS DO PROCESSO TERMOMECÂNICO QUE INFLUENCIAM A RELAÇÃO ELÁSTICA DO VERGALHÃO CA-60

VARIÁVEIS DO PROCESSO TERMOMECÂNICO QUE INFLUENCIAM A RELAÇÃO ELÁSTICA DO VERGALHÃO CA-60 VARIÁVEIS DO PROCESSO TERMOMECÂNICO QUE INFLUENCIAM A RELAÇÃO ELÁSTICA DO VERGALHÃO CA-60 Bruna Melina Marques de Sousa Hissanaga a *, Luiz Paulo Mendonça Brandão b a Engenheira de Materiais, M.S. em Ciência

Leia mais

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE FRAÇÃO DE VIDA CONSUMIDA DE AÇOS 1CR-0,5MO ATRAVÉS DE ENSAIOS ACELERADOS DE FLUÊNCIA

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE FRAÇÃO DE VIDA CONSUMIDA DE AÇOS 1CR-0,5MO ATRAVÉS DE ENSAIOS ACELERADOS DE FLUÊNCIA METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE FRAÇÃO DE VIDA CONSUMIDA DE AÇOS 1CR-0,5MO ATRAVÉS DE ENSAIOS ACELERADOS DE FLUÊNCIA Hector Reynaldo Meneses Costa CEFET-RJ/DEPES Ari Sauer Guimarães UFRJ/PEMM/COPPE Ivani

Leia mais

Coletores de Escape em Nodular SiMo

Coletores de Escape em Nodular SiMo Coletores de Escape em Nodular SiMo Eitan Melleras Tupy Fundições Ltda. Joinville/SC Pedro A. N. Bernardini UFSC Florianópolis/SC Wilson L. Guesser Tupy Fundições Ltda. e UDESC Joinville/SC Resumo O presente

Leia mais

SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ESTRUTURAIS

SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ESTRUTURAIS SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ESTRUTURAIS Celso Roberto Ribeiro PPG-CEM/UFSCar DEMa, Via Washington Luís, Km 235, Caixa Postal 676, 13565-905, São Carlos S.P., e-mail: pcrri@iris.ufscar.br Ana Cristina do Carmo

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

EVALUATION OF SENSITIZATION OF FERRITICS STAINLESS STEELS STABILIZED AND NOT STABILIZED USING ELECTROCHEMICAL TECHNIQUES IN SULPHURIC ENVIRONMENT

EVALUATION OF SENSITIZATION OF FERRITICS STAINLESS STEELS STABILIZED AND NOT STABILIZED USING ELECTROCHEMICAL TECHNIQUES IN SULPHURIC ENVIRONMENT doi: 10.4322/tmm.00302008 AVALIAÇÃO DA SENSITIZAÇÃO EM AÇOS INOXIDÁVEIS FERRÍTICOS ESTABILIZADOS E NÃO ESTABILIZADOS USANDO-SE A TÉCNICA REATIVAÇÃO ELETROQUÍMICA POTENCIOCINÉTICA EM MEIO SULFÚRICO Resumo

Leia mais

Apresentação Digimet Plus 5G MIPS Sistemas Ltda.

Apresentação Digimet Plus 5G MIPS Sistemas Ltda. Apresentação Digimet Plus 5G MIPS Sistemas Ltda. Rua Ricardo Landmann, 385 Joinville SC - Brasil A Metalografia Quantitativa Digital é hoje uma das mais importantes ferramentas para a análise das microestruturas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) «21. A grafia incorreta do resultado da medição propicia problemas de legibilidade, informações desnecessárias e sem sentido. Considerando

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DE SOLDAGEM NA MICROESTRUTURA DA ZONA AFETADA TERMICAMENTE - ZAT DA JUNTA SOLDADA DE UM AÇO DE ALTA RESISTÊNCIA

INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DE SOLDAGEM NA MICROESTRUTURA DA ZONA AFETADA TERMICAMENTE - ZAT DA JUNTA SOLDADA DE UM AÇO DE ALTA RESISTÊNCIA INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DE SOLDAGEM NA MICROESTRUTURA DA ZONA AFETADA TERMICAMENTE - ZAT DA JUNTA SOLDADA DE UM AÇO DE ALTA RESISTÊNCIA José Francisco dos REIS SOBRINHO (1); Nelson Guedes de ALCÂNTARA

Leia mais

4.Materiais e métodos

4.Materiais e métodos 4.Materiais e métodos 4.1. Material em estudo O material em estudo, de procedência sueca (Sandvik), foi adquirido como chapa laminada a quente de 3mm de espessura, recebendo posteriormente tratamento térmico

Leia mais

INFLUÊNCIA DA GRANULOMETRIA E TEMPERATURA DE QUEIMA SOBRE O GRAU DE DENSIFICAÇÃO DE ARGILAS DA REGIÃO DE MARTINÓPÓLIS SP

INFLUÊNCIA DA GRANULOMETRIA E TEMPERATURA DE QUEIMA SOBRE O GRAU DE DENSIFICAÇÃO DE ARGILAS DA REGIÃO DE MARTINÓPÓLIS SP 1 INFLUÊNCIA DA GRANULOMETRIA E TEMPERATURA DE QUEIMA SOBRE O GRAU DE DENSIFICAÇÃO DE ARGILAS DA REGIÃO DE MARTINÓPÓLIS SP S. R. Teixeira, F. C. Dias, A. E. Souza, G. T. Almeida Santos, M. A. L. Nobre

Leia mais

Comparação dos efeitos microestruturais entre o aço BH obtido por tratamento térmico e o aço IF de alta resistência quanto ao efeito springback.

Comparação dos efeitos microestruturais entre o aço BH obtido por tratamento térmico e o aço IF de alta resistência quanto ao efeito springback. Comparação dos efeitos microestruturais entre o aço BH obtido por tratamento térmico e o aço IF de alta resistência quanto ao efeito springback. Érika Aparecida da Silva, Marcelo dos Santos Pereira Avenida

Leia mais

ESTUDO DA SENSITIZAÇÃO CAUSADA PELO CICLO TÉRMICO DE SOLDAGEM NO AÇO INOXIDÁVEL SUPERFERRÍTICO AISI 444

ESTUDO DA SENSITIZAÇÃO CAUSADA PELO CICLO TÉRMICO DE SOLDAGEM NO AÇO INOXIDÁVEL SUPERFERRÍTICO AISI 444 ESTUDO DA SENSITIZAÇÃO CAUSADA PELO CICLO TÉRMICO DE SOLDAGEM NO AÇO INOXIDÁVEL SUPERFERRÍTICO AISI 444 Cleiton Carvalho Silva 1, João Paulo Sampaio Eufrásio Machado 1, Hosiberto Batista de Sant Ana 2,

Leia mais

Estudo comparativo da precipitação de fases a 850ºC em aços dúplex UNS S32304 e UNS S31803

Estudo comparativo da precipitação de fases a 850ºC em aços dúplex UNS S32304 e UNS S31803 Estudo comparativo da precipitação de fases a 850ºC em aços dúplex UNS S32304 e UNS S31803 Adir G. Reis 1,2), Cynthia S. B. Castro 1), Tiago E. Gomes 1,2), José M. C. Vilela 1), Margareth S. Andrade 1)

Leia mais

MATERIAIS METÁLICOS AULA 5

MATERIAIS METÁLICOS AULA 5 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO I E (TEC 156) MATERIAIS METÁLICOS AULA 5 Profª. Cintia Maria Ariani Fontes 1 Ensaio

Leia mais

Em aços trabalhados mecanicamente, é usual a presença de uma

Em aços trabalhados mecanicamente, é usual a presença de uma Figura 2.13: Amostra do aço SAF 2205 envelhecida a 850ºC por 30 minutos. Ferrita (escura), austenita (cinza) e sigma (sem ataque). Nota-se morfologia lamelar de sigma e austenita, no centro da micrografia.

Leia mais

Os Tratamentos Termomecânicos Garantem a Competitividade dos Produtos Planos de Aço

Os Tratamentos Termomecânicos Garantem a Competitividade dos Produtos Planos de Aço Siderurgia Os Tratamentos Termomecânicos Garantem a Competitividade dos Produtos Planos de Aço Antonio Augusto Gorni - Usiminas; Cubatão, SP O avanço na ciência metalúrgica e na tecnologia de equipamentos,

Leia mais

ESTUDO DOS FATORES INFLUENTES NAS MÚLTIPLAS RESPOSTAS MECÂNICAS EM ARAMES SAE 9254.

ESTUDO DOS FATORES INFLUENTES NAS MÚLTIPLAS RESPOSTAS MECÂNICAS EM ARAMES SAE 9254. ESTUDO DOS FATORES INFLUENTES NAS MÚLTIPLAS RESPOSTAS MECÂNICAS EM ARAMES SAE 9254. cristie diego pimenta (feg unesp ) pimentadiego@yahoo.com.br Messias Borges Silva (feg unesp ) messias@dequi.eel.usp.br

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DE UM AÇO IF APOS DEFORMAÇÃO PLÁSTICA SEVERA VIA ARB E POSTERIOR RECOZIMENTO

CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DE UM AÇO IF APOS DEFORMAÇÃO PLÁSTICA SEVERA VIA ARB E POSTERIOR RECOZIMENTO CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL DE UM AÇO IF APOS DEFORMAÇÃO PLÁSTICA SEVERA VIA ARB E POSTERIOR RECOZIMENTO F. C. Oliveira, A. L. A. Abrantes, J. F. C. Lins. Avenida dos Trabalhadores, n. 420 Vila Santa

Leia mais

EFEITO DO TRATAMENTO TÉRMICO DE SOLUBILIZAÇÃO E ENVELHECIMENTO NA LIGA AlSi7Mg OBTIDA EM MOLDE DE AREIA E COQUILHA

EFEITO DO TRATAMENTO TÉRMICO DE SOLUBILIZAÇÃO E ENVELHECIMENTO NA LIGA AlSi7Mg OBTIDA EM MOLDE DE AREIA E COQUILHA EFEITO DO TRATAMENTO TÉRMICO DE SOLUBILIZAÇÃO E ENVELHECIMENTO NA LIGA AlSi7Mg OBTIDA EM MOLDE DE AREIA E COQUILHA Iberê Roberto Duarte, MSc(1) Carlos Augusto Silva de Oliveira, DSc(2) (1)Sociedade Educacional

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS SOB TENSÃO. Prof. Rubens Caram

COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS SOB TENSÃO. Prof. Rubens Caram COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS SOB TENSÃO Prof. Rubens Caram 1 TENSÃO X DEFORMAÇÃO O EFEITO DE TENSÕES NA ESTRUTURA DE METAIS PODE SER OBSERVADO NA FORMA DE DEFORMAÇÕES: EM ESTRUTURAS DE ENGENHARIA, ONDE

Leia mais

CAPÍTULO 10 PROPRIEDADES MECÂNICAS DE MATERIAIS

CAPÍTULO 10 PROPRIEDADES MECÂNICAS DE MATERIAIS 231 CAPÍTULO 10 PROPRIEDADES MECÂNICAS DE MATERIAIS Sumário Objetivos deste capítulo...232 10.1 Introdução...232 10.2 Conceitos de tensão e deformação...233 10.3 Discordâncias e sistemas de escorregamento...233

Leia mais

procedimentos O aço baixa liga desenvolvidos três corpos de apenas pré-aquecimento aquecimento; foram macrografias de cordões de experimentos

procedimentos O aço baixa liga desenvolvidos três corpos de apenas pré-aquecimento aquecimento; foram macrografias de cordões de experimentos ANÁLISE METALOGRÁFICA DA SOLDAGEM MAG ENTREE OS AÇOS DISSIMILARESS ASTM A36 E AISI 40 Rafael Luciano Dalcin (FAHOR) rd000522@fahor.com.brr Richard Thomas Lermen (FAHOR) richard@fahor.com.br Resumo O principal

Leia mais

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA 1 Cada candidato receberá: CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA - 01 (um) Caderno de Prova de 10 (dez) páginas, contendo 25 (vinte e cinco) questões de múltipla

Leia mais

QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008

QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008 QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008 Um esforço axial de tração gera os valores máximos de tensão (A) normal na seção transversal e de cisalhamento em um plano a 45 o. (B) normal na seção transversal e de cisalhamento

Leia mais

DETECÇÃO DE PEQUENOS TEORES DE FASE SIGMA E AVALIAÇÃO DOS SEUS EFEITOS NA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S31803

DETECÇÃO DE PEQUENOS TEORES DE FASE SIGMA E AVALIAÇÃO DOS SEUS EFEITOS NA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S31803 DETECÇÃO DE PEQUENOS TEORES DE FASE SIGMA E AVALIAÇÃO DOS SEUS EFEITOS NA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S31803 Sérgio Souto Maior Tavares 1 Jorge Luiz Guerreiro de Castro 1 Raissa

Leia mais

Observação e interpretação de microestruturas de ligas ferrosas

Observação e interpretação de microestruturas de ligas ferrosas Observação e interpretação de microestruturas de ligas ferrosas Mais de 90 wt % dos materiais metálicos empregues em todo o mundo correspondem a ligas ferrosas. Isto representa uma enorme família de materiais

Leia mais

Avaliação microestrutural da liga Ti-6Al-4V após tratamento superficial com laser pulsado Nd:YAG.

Avaliação microestrutural da liga Ti-6Al-4V após tratamento superficial com laser pulsado Nd:YAG. Avaliação microestrutural da liga Ti-6Al-4V após tratamento superficial com laser pulsado Nd:YAG. Fábio Sawada Cutrim Instituto Tecnológico de Aeronáutica fabiosawada@gmail.com Bolsista PIBIC CNPq Danieli

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS DE METAL DE SOLDA DE AÇO DE EXTRA ALTA RESISTÊNCIA PARA REPAROS DE COMPONENTES DE AMARRAÇÃO DE PLATAFORMAS

PROPRIEDADES MECÂNICAS DE METAL DE SOLDA DE AÇO DE EXTRA ALTA RESISTÊNCIA PARA REPAROS DE COMPONENTES DE AMARRAÇÃO DE PLATAFORMAS 7º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 7 th BRAZILIAN CONGRESS ON MANUFACTURING ENGINEERING 20 a 24 de maio de 2013 Penedo, Itatiaia RJ - Brasil May 20 th to 24 th, 2013 Penedo, Itatiaia RJ

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE AUSTENITA RETIDA

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE AUSTENITA RETIDA 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO ALEXANDRE PASCHOALIN ANDERSON LUÍS JACINTHO INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE

Leia mais

Tratamentos térmicos de ferros fundidos

Tratamentos térmicos de ferros fundidos FERROS FUNDIDOS Usados em geral para: Resistência ao desgaste Isolamento de vibrações Componentes de grandes dimensões Peças de geometria complicada Peças onde a deformação plástica é inadmissível FERROS

Leia mais

ESTA PROVA É FORMADA POR 20 QUESTÕES EM 10 PÁGINAS. CONFIRA ANTES DE COMEÇAR E AVISE AO FISCAL SE NOTAR ALGUM ERRO.

ESTA PROVA É FORMADA POR 20 QUESTÕES EM 10 PÁGINAS. CONFIRA ANTES DE COMEÇAR E AVISE AO FISCAL SE NOTAR ALGUM ERRO. Nome: Assinatura: P2 de CTM 2012.2 Matrícula: Turma: ESTA PROVA É FORMADA POR 20 QUESTÕES EM 10 PÁGINAS. CONFIRA ANTES DE COMEÇAR E AVISE AO FISCAL SE NOTAR ALGUM ERRO. NÃO SERÃO ACEITAS RECLAMAÇÕES POSTERIORES..

Leia mais

COF11-0295 INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DA SOLDAGEM OXIACETILÊNICA NOS FERROS FUNDIDOS CINZENTOS E NODULARES

COF11-0295 INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DA SOLDAGEM OXIACETILÊNICA NOS FERROS FUNDIDOS CINZENTOS E NODULARES 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 6 th BRAZILIAN CONFERENCE ON MANUFACTURING ENGINEERING 11 a 15 de abril de 2011 Caxias do Sul RS - Brasil April 11 th to 15 th, 2011 Caxias do Sul RS

Leia mais

Análise Crítica Sobre Efeito Tamanho Em Estruturas de Concreto. Fathi Darwish 3

Análise Crítica Sobre Efeito Tamanho Em Estruturas de Concreto. Fathi Darwish 3 Análise Crítica Sobre Efeito Tamanho Em Estruturas de Concreto Cláudia V. G. Coura 1, Maria Teresa G. Barbosa 2,* Universidade Federal de Juiz de Fora, UFJF Brasil Fathi Darwish 3 Universidade Federal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E CIÊNCIA DE MATERIAIS ALESSANDRA SOUZA MARTINS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E CIÊNCIA DE MATERIAIS ALESSANDRA SOUZA MARTINS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E CIÊNCIA DE MATERIAIS ALESSANDRA SOUZA MARTINS ESTUDO COMPARATIVO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DOS AÇOS INOXIDÁVEIS

Leia mais

ANÁLISE METALOGRÁFICA DE UM AÇO TRIP 800, UTILIZANDO PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS

ANÁLISE METALOGRÁFICA DE UM AÇO TRIP 800, UTILIZANDO PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS ANÁLISE METALOGRÁFICA DE UM AÇO TRIP 800, UTILIZANDO PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS Costa, F. H.; Fukugauchi, C.S.; Pereira, M.S. fernando.henriquecosta@yahoo.com.br Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá

Leia mais

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO EM FLUÊNCIA DA LIGA TI-6AL-4V COM ESTRUTURA MARTENSÍTICA E EQUIAXIAL A 600 C

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO EM FLUÊNCIA DA LIGA TI-6AL-4V COM ESTRUTURA MARTENSÍTICA E EQUIAXIAL A 600 C AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO EM FLUÊNCIA DA LIGA TI-6AL-4V COM ESTRUTURA MARTENSÍTICA E EQUIAXIAL A 600 C Resumo http://dx.doi.org/10.4322/tmm.2013.042 Luciana Aparecida Narciso da Silva Briguente 1 Flávio

Leia mais

TM229 - Introdução aos Materiais

TM229 - Introdução aos Materiais TM229 - Introdução aos Materiais Propriedades mecânicas 2009.1 Ana Sofia C. M. D Oliveira Propriedades mecânicas Resistência - Tração - Escoamento - Compressão - Flexão - Cisalhamento - Fluência - Tensão

Leia mais

MECÂNICA (SUBÁREA: PROCESSOS DE FABRICAÇÃO, MECÂNICA, TRATAMENTO TÉRMICO DE MATERIAIS, ENSAIOS DESTRUTIVOS E NÃO DESTRUTIVOS) GABARITO

MECÂNICA (SUBÁREA: PROCESSOS DE FABRICAÇÃO, MECÂNICA, TRATAMENTO TÉRMICO DE MATERIAIS, ENSAIOS DESTRUTIVOS E NÃO DESTRUTIVOS) GABARITO CONCURSO PÚBLICO DOCENTE IFMS EDITAL Nº 002/2013 CCP IFMS MECÂNICA (SUBÁREA: PROCESSOS DE FABRICAÇÃO, MECÂNICA, TRATAMENTO TÉRMICO DE MATERIAIS, ENSAIOS DESTRUTIVOS E NÃO DESTRUTIVOS) Uso exclusivo do

Leia mais

No.: 64 Data : 07/09/04 Revisão : Substituir :

No.: 64 Data : 07/09/04 Revisão : Substituir : Truck Division Quality Planning & Field Services Boletim de Serviços FSO 2305 Título do boletim Quebra do eixo principal em veículos Troller 4x4. No.: 64 Data : 07/09/04 Revisão : Substituir : Emitido

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DA INFLUENCIA DA GEOMETRIA DO CHANFRO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE JUNTAS SOLDADAS DE UM AÇO ARBL

INVESTIGAÇÃO DA INFLUENCIA DA GEOMETRIA DO CHANFRO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE JUNTAS SOLDADAS DE UM AÇO ARBL INVESTIGAÇÃO DA INFLUENCIA DA GEOMETRIA DO CHANFRO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE JUNTAS SOLDADAS DE UM AÇO ARBL Waldemir dos Passos Martins, waldemir@ifma.edu.br 1 Arleu Jorge Melo, arleu26@hotmail.com

Leia mais

Ensaios dos Materiais

Ensaios dos Materiais MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS JOINVILLE CURSO DE TÉCNICO EM MECÂNICA CONCOMITANTE

Leia mais

A TECNOLOGIA DA TÊMPERA POR ESTAMPAGEM E SUA RELAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO E FABRICAÇÃO DE PRODUTOS

A TECNOLOGIA DA TÊMPERA POR ESTAMPAGEM E SUA RELAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO E FABRICAÇÃO DE PRODUTOS a Artigo Original http://dx.doi.org/10.4322/2176-1523.0876 A TECNOLOGIA DA TÊMPERA POR ESTAMPAGEM E SUA RELAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO E FABRICAÇÃO DE PRODUTOS Claudio Pereira Diogo 1 Ronaldo Aparecido Souza

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo I. Normas e Matérias

Estruturas Metálicas. Módulo I. Normas e Matérias Estruturas Metálicas Módulo I Normas e Matérias NORMAS DE ESTRUTURA ABNT NBR 8800/2008 PROJETO E EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE AÇO EM EDIFICIOS - ABNT NBR 6120/1980 Cargas para o cálculo de estruturas de edificações

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS - GPT

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS - GPT 1 SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPT - 06 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS - GPT

Leia mais

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. PARA FURAR MATERIAIS DE ALTA RESISTÊNCIA OU EM CONDIÇÕES EXTREMAS, UTILIZE NOSSA GAMA DE SOLUÇÕES. ALTA PERFORMANCE COM MÁXIMA

Leia mais

XIV CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica

XIV CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica XIV CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica IMPLICAÇÃO DA ADIÇÃO DE NÚCLEOS HETEROGÊNEOS NAS PROPRIEDADES DA LIGA Al-7%Si

Leia mais

Metalografia não Destrutiva pelo Método de Réplicas.

Metalografia não Destrutiva pelo Método de Réplicas. Metalografia não Destrutiva pelo Método de Réplicas. 1 Conceito: As propriedades das ligas metálicas e suas transformações estão intimamente ligadas ao seu estado metalúrgico ou microestrutural. O exame

Leia mais

Apostila de Metalurgia da Soldagem

Apostila de Metalurgia da Soldagem Apostila de Metalurgia da Soldagem METAIS E LIGAS METÁLICAS... 3 PROPRIEDADES E ENSAIOS DOS METAIS... 18 PRINCÍPIOS DOS CONSUMÍVEIS DE SOLDAGEM... 36 PROPRIEDADES DO METAL DE SOLDA... 38 DEFEITOS DO METAL

Leia mais

Polímeros: Ciência e Tecnologia ISSN: 0104-1428 abpol@abpol.org.br Associação Brasileira de Polímeros Brasil

Polímeros: Ciência e Tecnologia ISSN: 0104-1428 abpol@abpol.org.br Associação Brasileira de Polímeros Brasil Polímeros: Ciência e Tecnologia ISSN: 0104-1428 abpol@abpol.org.br Associação Brasileira de Polímeros Brasil Morita, Augusto T.; Toma, Mário S.; De Paoli, Marco-Aurelio Módulo de reometria capilar e Auto-Reforçamento

Leia mais

CONSIDERAÇÕES PARA UM MELHOR ENTENDIMENTO E DOMÍNIO DAS DISTORÇÕES DIMENSIONAIS CAUSADAS PELOS TRATAMENTOS TÉRMICOS (*)

CONSIDERAÇÕES PARA UM MELHOR ENTENDIMENTO E DOMÍNIO DAS DISTORÇÕES DIMENSIONAIS CAUSADAS PELOS TRATAMENTOS TÉRMICOS (*) CONSIDERAÇÕES PARA UM MELHOR ENTENDIMENTO E DOMÍNIO DAS DISTORÇÕES DIMENSIONAIS CAUSADAS PELOS TRATAMENTOS TÉRMICOS (*) Resumo Luiz Roberto Hirschheimer (**) Empenamentos (peças ou ferramentas que entortam)

Leia mais

Caso de Estudo: Análise Mecânica e Fractográfica de um cabo de aço pré-esforçado

Caso de Estudo: Análise Mecânica e Fractográfica de um cabo de aço pré-esforçado A. Sousa e Brito, T. L. M. Morgado, C. M. Branco Caso de Estudo CIFIE 2010 Caso de Estudo: Análise Mecânica e Fractográfica de um cabo de aço pré-esforçado A. SOUSA E BRITO (1) *, T. L. M. MORGADO (1,2),

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 2 Revisão Bibliográfica Neste capítulo são apresentados trabalhos relacionados ao comprimento de ancoragem e a resistência de aderência do CFC-substrato de concreto. São mostradas de forma resumida as

Leia mais

ESTUDO DA TÉCNICA DE DUPLA CAMADA NA SOLDAGEM DE AÇO AISI 1045

ESTUDO DA TÉCNICA DE DUPLA CAMADA NA SOLDAGEM DE AÇO AISI 1045 Universidade Federal de Sergipe UFS Centro de Ciências Exatas e Tecnologia CCET Núcleo de Engenharia Mecânica NMC ESTUDO DA TÉCNICA DE DUPLA CAMADA NA SOLDAGEM DE AÇO AISI 1045 Por WALLACE SILVA ANDRADE

Leia mais

Análise microestrutural do aço HP modificado ao Nb em diferentes condições de envelhecimento

Análise microestrutural do aço HP modificado ao Nb em diferentes condições de envelhecimento Análise microestrutural do aço HP modificado ao Nb em diferentes condições de envelhecimento Katarina Costa Fernandes Projeto de Graduação apresentado ao Curso de Engenharia Metalúrgica da Escola Politécnica,

Leia mais

estudo SoBRe as necessidades De ensaios MeCÂnICoS e TeCnolÓGICoS na InDÚSTRIa MeTal-MeCÂnICa Da ReGIão De SeRTãozInho-SP

estudo SoBRe as necessidades De ensaios MeCÂnICoS e TeCnolÓGICoS na InDÚSTRIa MeTal-MeCÂnICa Da ReGIão De SeRTãozInho-SP M e c â n i c a estudo SoBRe as necessidades De ensaios MeCÂnICoS e TeCnolÓGICoS na InDÚSTRIa MeTal-MeCÂnICa Da ReGIão De SeRTãozInho-SP Rafael arroyo lavez Graduando no curso Superior de Tecnologia em

Leia mais

RICARDO MÜLLER HUPPES ANÁLISE DE FALHA EM UM VASO DE PRESSÃO

RICARDO MÜLLER HUPPES ANÁLISE DE FALHA EM UM VASO DE PRESSÃO RICARDO MÜLLER HUPPES ANÁLISE DE FALHA EM UM VASO DE PRESSÃO Monografia apresentada ao Departamento de Engenharia Mecânica da Escola de Engenharia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, como parte

Leia mais

Curso de Engenharia Industrial Mecânica ENSAIOS DOS MATERIAIS

Curso de Engenharia Industrial Mecânica ENSAIOS DOS MATERIAIS Curso de Engenharia Industrial Mecânica ENSAIOS DOS MATERIAIS Santo Ângelo, Janeiro de 2007 Ensaios dos Materiais Acadêmica: Gabrieli Bortoli Dalcin Santo Ângelo, Janeiro de 2007 Sumário 1.ENSAIO DE TRAÇÃO...

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS AÇOS INOXIDÁVEIS DUPLEX E OS INOXIDÁVEIS AISI 304L/316L (b) Marcelo Senatore 1, Leandro Finzetto 2,Eduardo Perea 3 (c)

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS AÇOS INOXIDÁVEIS DUPLEX E OS INOXIDÁVEIS AISI 304L/316L (b) Marcelo Senatore 1, Leandro Finzetto 2,Eduardo Perea 3 (c) ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS AÇOS INOXIDÁVEIS DUPLEX E OS INOXIDÁVEIS AISI 304L/316L (b) Marcelo Senatore 1, Leandro Finzetto 2,Eduardo Perea 3 (c) Abstract Ferritic-austenitic duplex stainless steels are

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DOS MÉTODOS DE QUANTIFICAÇÃO DE PORCENTAGEM VOLUMÉTRICA DE FERRITA EM AÇO INOXIDÁVEL DÚPLEX UNS S31803 (SAF 2205)

ESTUDO COMPARATIVO DOS MÉTODOS DE QUANTIFICAÇÃO DE PORCENTAGEM VOLUMÉTRICA DE FERRITA EM AÇO INOXIDÁVEL DÚPLEX UNS S31803 (SAF 2205) ESTUDO COMPARATIVO DOS MÉTODOS DE QUANTIFICAÇÃO DE PORCENTAGEM VOLUMÉTRICA DE FERRITA EM AÇO INOXIDÁVEL DÚPLEX UNS S31803 (SAF 2205) Evelin Barbosa de Mélo Engenheira Química, Dep. Eng. Mecânica, Centro

Leia mais

EFEITO DO MANGANÊS NA MORFOLOGIA E CINÉTICA DA TRANSFORMAÇÃO BAINÍTICA EM AÇOS DE ALTO CARBONO

EFEITO DO MANGANÊS NA MORFOLOGIA E CINÉTICA DA TRANSFORMAÇÃO BAINÍTICA EM AÇOS DE ALTO CARBONO EFEITO DO MANGANÊS NA MORFOLOGIA E CINÉTICA DA TRANSFORMAÇÃO BAINÍTICA EM AÇOS DE ALTO CONO Daniele da Silva Ramos, danielesilvaramos@gmail.com 1 Vitor Ogliari, vitu.ogliari@gmail.com 2 Carlos Augusto

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

C A P Í T U L O 1 5 ENSAIOS DE USINABILIDADE

C A P Í T U L O 1 5 ENSAIOS DE USINABILIDADE C A P Í T U L O 1 5 ENSAIOS DE USINABILIDADE 15.1. INTRODUÇÃO A usinabilidade pode ser considerada uma propriedade do material, mas a medida da usinabilidade depende dos parâmetros considerados. Em outras

Leia mais

COLAGEM APLICADA A INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA.

COLAGEM APLICADA A INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA. COLAGEM APLICADA A INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA. Alunos: Antonio Rodrigues e Vitor Antoniazzi. Orientador: Ivani de S. Bott. Co-Orientador: José Roberto D Almeida. Introdução A ideia de se unir corpos sólidos

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES DE FASE EM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX ANALISADAS POR CALORIMETRIA EXPLORATÓRIA DIFERENCIAL

TRANSFORMAÇÕES DE FASE EM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX ANALISADAS POR CALORIMETRIA EXPLORATÓRIA DIFERENCIAL TRANSFORMAÇÕES DE FASE EM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX ANALISADAS POR CALORIMETRIA EXPLORATÓRIA DIFERENCIAL PHASE TRANSFORMATIONS IN DUPLEX STAINLESS STEEL ANALYZED BY DIFFERENTIAL SCANNING CALORIMETRY José Mario

Leia mais

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIENCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS REITORIA - Diretoria de Gestão de Pessoas Av. Mário Werneck,

Leia mais

Análise utilizando a distribuição de Weibull com dois e com três parâmetros para Determinar a Resistência Mecânica a Flexão de Materiais Cerâmicos

Análise utilizando a distribuição de Weibull com dois e com três parâmetros para Determinar a Resistência Mecânica a Flexão de Materiais Cerâmicos Unisanta Science and Technology, 2014, 16, December Published Online 2014 Vol.3 N o 2 http://periodicos.unisanta.br/index.php/sat) UNISANTA Science and Technology ISSN 2317-1316 Análise utilizando a distribuição

Leia mais

Dissertação de Mestrado Mailson Santos de Queiroz

Dissertação de Mestrado Mailson Santos de Queiroz Dissertação de Mestrado Mailson Santos de Queiroz ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS PROCESSAMENTOS TÉRMICO E MECÂNICO NA FORMAÇÃO DE FASES INTERMETÁLICAS E SEU EFEITO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E NA RESISTÊNCIA

Leia mais

Constituintes estruturais de equilíbrio dos aços

Constituintes estruturais de equilíbrio dos aços Constituintes estruturais de equilíbrio dos aços Austenita: É uma solução sólida de carbono em ferro gama. Somente é estável as temperaturas superiores a 723 ºC, desdobrando-se por reação eutetóide, a

Leia mais

Telecurso 2000 Processos de fabricação Peça; Retalho; Tira.

Telecurso 2000 Processos de fabricação Peça; Retalho; Tira. Conjunto de processos: Corte, Dobramento/curvamento (calandragem), Embutimento (estamp. profunda), Cunhagem, Perfilamento, Repuxamento. Processo a frio, Produto acabado, Matéria prima laminada, Forma volumétrica,

Leia mais

USINABILIDADE DE PERFIS CONTÍNUOS DE FERROS FUNDIDOS NODULARES DAS CLASSES FE-45012 E FE-50007

USINABILIDADE DE PERFIS CONTÍNUOS DE FERROS FUNDIDOS NODULARES DAS CLASSES FE-45012 E FE-50007 USINABILIDADE DE PERFIS CONTÍNUOS DE FERROS FUNDIDOS NODULARES DAS CLASSES FE-4512 E FE-57 Wilson Luiz Guesser; Dilço C. Júnior Fundição Tupy e FEJ/UDESC Rua Albano Schmidt, 34 8926-9 - Joinville - SC

Leia mais

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02 ASSISTÊNCIA TÉCNICA Caderno 02 Julho/2004 CONFORMAÇÃO DOS AÇOS INOXIDÁVEIS Comportamento dos Aços Inoxidáveis em Processos de Estampagem por Embutimento e Estiramento 1 Estampagem Roberto Bamenga Guida

Leia mais

ESTUDO DO EFEITO DE REPARAÇÕES DE VEÍCULOS ACIDENTADOS NAS SUAS PROPRIEDADES MECÂNICAS. F. Jorge Lino e H. Fernandes

ESTUDO DO EFEITO DE REPARAÇÕES DE VEÍCULOS ACIDENTADOS NAS SUAS PROPRIEDADES MECÂNICAS. F. Jorge Lino e H. Fernandes ESTUDO DO EFEITO DE REPARAÇÕES DE VEÍCULOS ACIDENTADOS NAS SUAS PROPRIEDADES MECÂNICAS F. Jorge Lino e H. Fernandes Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Departamento de Engenharia Mecânica

Leia mais

ANÁLISE DE FALHA EM HEAVY-WEIGHT DRILLPIPES DURANTE OPERAÇÃO DE PERFURAÇÃO OFF-SHORE DE POÇO DE PETRÓLEO

ANÁLISE DE FALHA EM HEAVY-WEIGHT DRILLPIPES DURANTE OPERAÇÃO DE PERFURAÇÃO OFF-SHORE DE POÇO DE PETRÓLEO ANÁLISE DE FALHA EM HEAVY-WEIGHT DRILLPIPES DURANTE OPERAÇÃO DE PERFURAÇÃO OFF-SHORE DE POÇO DE PETRÓLEO Abud, I.deC. (1), Souza, S.M.C. (2), Cavalcanti, E.H. de S. (2), Centeno, R.0. (1), Alves,M.R. (3),

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Especificações Técnicas TABELA DE ESCOLHA DO TIPO DE FRESA TIPO DE FRESA MATERIAL A SER CORTADO Com geometria de corte N aço com resistência até 80 kg/mm² aço beneficiado até 100 kg/mm² ferro fundido até

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE NOVO CONTROLE E GERENCIAMENTO PARA O PROCESSO DOS FORNOS DE RECOZIMENTO EM CAIXA N.º 1 DA CSN

DESENVOLVIMENTO DE NOVO CONTROLE E GERENCIAMENTO PARA O PROCESSO DOS FORNOS DE RECOZIMENTO EM CAIXA N.º 1 DA CSN doi: 0.4/tmm.000009 DESENVOLVIMENTO DE NOVO CONTROLE E GERENCIAMENTO PARA O PROCESSO DOS FORNOS DE RECOZIMENTO EM CAIXA N.º DA CSN Vinicius Santos de Deus Eduardo Amorim Eliezer Natal Francisco de Assis

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ENVELHECIMENTO NA TENACIDADE À FRATURA DO AÇO INOXIDÁVEL ISO 5832-9

INFLUÊNCIA DO ENVELHECIMENTO NA TENACIDADE À FRATURA DO AÇO INOXIDÁVEL ISO 5832-9 INFLUÊNCIA DO ENVELHECIMENTO NA TENACIDADE À FRATURA DO AÇO INOXIDÁVEL ISO 5832-9 Celso Riyoitsi Sokei 1, Ruís Camargo Tokimatsu 1, Daniel Ivan Martin Delforge 1, Vicente Afonso Ventrella 1, Itamar Ferreira

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS 1 INDICE CAPÍTULO 1 - AÇOS ESTRUTURAIS...1 1 INTRODUÇÃO - HISTÓRICO... 1 2 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO... 2 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS...

Leia mais

Estudo exploratório do grau de sensitização do aço UNS S311803 envelhecido a 800 C por ensaios de reativação potenciodinâmica de duplo loop (DL EPR).

Estudo exploratório do grau de sensitização do aço UNS S311803 envelhecido a 800 C por ensaios de reativação potenciodinâmica de duplo loop (DL EPR). LUARA DA COSTA MORAIS Estudo exploratório do grau de sensitização do aço UNS S311803 envelhecido a 800 C por ensaios de reativação potenciodinâmica de duplo loop (DL EPR). Relatório apresentado ao Centro

Leia mais

ANÁLISE DAS TENSÕES RESIDUAIS EM UMA JUNTA SOLDADA EM CONDIÇÃO OVERMATCH

ANÁLISE DAS TENSÕES RESIDUAIS EM UMA JUNTA SOLDADA EM CONDIÇÃO OVERMATCH RACHEL CRISTINA COFIÑO ANÁLISE DAS TENSÕES RESIDUAIS EM UMA JUNTA SOLDADA EM CONDIÇÃO OVERMATCH Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado ao Centro Universitário da FEI, orientada pelo Prof. Dr. Rodrigo

Leia mais

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho CONCEITOS Materiais e Processos de Produção ESTRUTURA DA MATÉRIA ÁTOMOS PRÓTONS NÊUTRONS ELÉTRONS MOLÉCULAS ESTADOS DA MATÉRIA TIPO DE LIGAÇÃO ESTRUTURA (ARRANJO) IÔNICA COVALENTE METÁLICA CRISTALINO AMORFO

Leia mais