UNICAMP FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS INTRODUÇÃO À METALOGRAFIA DOS AÇOS CARBONO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNICAMP FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS INTRODUÇÃO À METALOGRAFIA DOS AÇOS CARBONO"

Transcrição

1 UNICAMP FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS INTRODUÇÃO À METALOGRAFIA DOS AÇOS CARBONO Este texto é parte do material didático utilizado na disciplina ES333 Laboratório de Ensaios dos Materiais. Carmo Roberto Pelliciari de Lima ( Campinas, Março de 2005

2 Introdução à metalografia dos aços carbono 1. Introdução aços carbono Aços carbono basicamente são ligas contendo ferro e carbono, com teor de carbono até 2,1%. Acima desse teor de carbono a liga passa a ser denominada ferro fundido. Apesar dessa definição, outros quatro elementos normalmente estão presentes nos aços carbono: fósforo, enxofre, manganês e silício. Fósforo e enxofre são impurezas prejudiciais ao material, portanto se deseja que o seu teor seja o mais baixo possível. São elementos fragilizantes, que podem ocasionar problemas durante a fabricação ou a utilização do aço. As especificações de composição química para aços carbono normalmente indicam teores máximos para esses elementos em torno de 0,04-0,05%. O manganês em quantidades pequenas e controladas confere propriedades aprimoradas aos aços carbono, tais como maior temperabilidade, maior soldabilidade e resistência à tração mais elevada. Os teores especificados normalmente estão em torno de 0,6-0,9%. O silício é usado como desoxidante no processo de produção do aço. Aumenta a resistência da ferrita, mas em teores acima de 1% diminui muito a ductilidade e a tenacidade do aço. O seu teor máximo é normalmente de 0,35% Aços carbono de usinagem fácil Alguns aços carbono de usinagem fácil, ou corte fácil (free-machining, ou free-cutting carbon steels) apresentam teores mais elevados de enxofre e/ou fósforo do que os anteriormente apresentados. O objetivo, nesses casos, é aumentar a usinabilidade ao facilitar a quebra dos cavacos. Nos aços ressulfurados o teor de manganês é relativamente elevado, para que se formem inclusões de MnS ao invés de FeS. O FeS é fragilizante, enquanto o MnS torna o material mais usinável. 2. Classificação dos aços carbono Os aços carbono e aços ligados são classificados, segundo os padrões AISI- SAE, por um sistema de quatro dígitos. Os dois primeiros dígitos indicam a série do aço; os aços carbono são os das séries 10XX, 11XX e 12XX. O teor de carbono é dado pelos dois últimos dígitos, que indicam os décimos de pontos percentuais de carbono, em peso. Um aço 1020, por exemplo, tem 0,20 % de carbono. A Tabela 1

3 Março de CRPL mostra a composição de alguns aços carbono. Os aços 11XX são ressulfurados e os 12XX são ressulfurados e refosforados; esses dois tipos de aço são chamados de aços carbono de corte livre, ou de usinagem fácil. Tabela 1. Composição química dos aços carbono, segundo a classificação AISI/SAE ASM, Elemento químicos, % em peso AISI/SAE C Mn P, máximo ou faixa S, máximo ou faixa Outros Aços carbono comuns ,08-0,13 0,30-0,60 0,04 0, ,13-0,18 0,30-0,60 0,04 0, ,18-0,23 0,30-0,60 0,04 0, ,28-0,34 0,60-0,90 0,04 0, ,43-0,50 0,60-0,90 0,04 0, ,55-0,65 0,60-0,90 0,04 0, ,65-0,75 0,60-0,90 0,04 0, ,90-1,03 0,30-0,50 0,04 0,05 Aços carbono ressulfurados ,13 máx. 0,60-0,90 0,07-0,12 0,08-0, ,13 máx. 0,70-1,00 0,07-0,12 0,16-0, ,13 máx. 0,70-1,00 0,07-0,12 0,24-0,33 Aços carbono ressulfurados e refosforados ,13 máx. 0,60-0,90 0,07-0,12 0,10-0,15 12L14 0,15 máx. 0,85-1,15 0,04-0,09 0,26-0,35 Pb 0,15-0,35 Obs: os teores de silício normalmente se situam na faixa de 0,1 a 0,35 % 3. Diagrama de fases ferrita-cementita O diagrama ferrita-cementita mostra as fases presentes no aço para um determinado par composição/temperatura Figura 1. O eixo horizontal mostra a porcentagem de carbono. No eixo vertical estão as temperaturas. Para acompanhar as transformações pelas quais o material passa, deve-se primeiramente localizar no eixo horizontal a composição do material que se está analisando. Em seguida faz-se um deslocamento vertical no diagrama, verificando quais campos de fases se cruza.

4 Introdução à metalografia dos aços carbono Figura 1. Diagrama ferrita-cementita O diagrama ferrita-cementita mostra as fases presentes em um resfriamento lento, quando as transformações nele indicadas têm tempo de ocorrer. As fases sólidas que aparecem na Figura 1 são ferrita alfa, austenita, ferrita delta e cementita. A ferrita alfa (α) está na região à esquerda do diagrama. É formada por ferro CCC com uma porcentagem pequena de carbono em solução sólida. Existe até a temperatura de 912 o C. A solubilidade do carbono na ferrita é bastante baixa; à temperatura ambiente essa solubilidade é de apenas 0,008%, com um máximo de 0,0218% a 727 o C. É comum chamar a ferrita alfa simplesmente de ferrita, o que será adotado neste trabalho. A austenita (γ) também é uma solução sólida de carbono em ferro, com a diferença fundamental de que o ferro está em sua forma CFC. A solubilidade do

5 Março de CRPL carbono no ferro CFC é maior que no ferro CCC, atingindo um limite de 2,11% a 1148 o C. A ferrita delta (δ), a exemplo da ferrita alfa, é uma solução sólida de carbono em ferro CCC. Existe de 1394 a 1538 o C. Por ocorrer numa temperatura mais elevada, a solubilidade do carbono é um pouco mais elevada do que na ferrita alfa, chegando a 0,09% a 1495 o C. A cementita é um carboneto de ferro de fórmula Fe 3 C, com estrutura ortorrômbica. Possui elevada dureza e baixa tenacidade Reação austenita (ferrita +cementita) O diagrama ferrita-cementita apresenta um reação eutetóide a 0,77% de C. Numa reação eutetóide tem-se uma fase sólida se transformando em duas fases sólidas; no caso do diagrama da ferrita-cementita a austenita se transforma em ferrita e cementita, as duas fases estáveis à temperatura ambiente. A presença dessa reação dá origem a três diferentes tipos de aço, de acordo com o teor de carbono: - hipoeutetóides, com teor de carbono menor que 0,77%; - eutetóides, com teor de carbono de 0,77%, e - hipereutetóides, com teor de carbono acima de 0,77%. Existe no sistema ferro-carbono uma estrutura chamada de perlita, formada por lamelas alternadas de ferrita e cementita, como mostrado na Figura 2. Sempre é bom frisar que a perlita não é uma fase, mas sim uma mistura de duas fases.

6 Introdução à metalografia dos aços carbono Figura 2. Perlita, formada por camadas alternadas de ferrita e cementita. Aumento de 2000 X, ataque com nital. Os aços acima, quando resfriados lentamente a partir do campo austenítico, apresentam microestruturas diferentes. Esses aços são então formados por: - hipoeutetóides formados por ferrita e perlita - eutetóides formados por perlita - hipereutetóides formados por perlita e cementita 3.2. Martensita e bainita A transformação da austenita em ferrita e cementita exige um certo tempo para ocorrer, pois é necessário que haja difusão dos átomos de carbono. Em resfriamentos bruscos, quando não há tempo suficiente para a formação das fases estáveis, formam-se constituintes não previstos pelo diagrama de fases ferritacementita; esses constituintes são a martensita e a bainita. A martensita é uma fase formada pelo resfriamento brusco da austenita. Não há tempo para difusão do carbono para fora da estrutura do ferro, havendo então cisalhamento da estrutura. Esse cisalhamento dá origem a tensões internas, que tornam a martensita uma fase dura, resistente e de baixa tenacidade. A martensita é obtida pelo tratamento térmico de têmpera, que confere elevada dureza ao aço. Quanto maior o teor de carbono, maior a dureza obtida. A bainita é formada pela precipitação de carbonetos muito finos na ferrita. Existem dois tipos de bainita: superior e inferior. A bainita superior é composta por ripas de ferrita com precipitação de cementita no contorno das ripas. A bainita inferior é formada por agulhas de ferrita com precipitação de cementita no seu interior, na forma de fileiras que formam ângulos de 60 o com o eixo da agulha de bainita. A formação da bainita inferior exige resfriamento mais brusco que o necessário para a formação da bainita superior. A bainita é muito mais dura que a ferrita e a perlita e menos dura que a martensita. Apresenta no entanto tenacidade bem mais elevada que a da martensita, não exigindo revenimento Influência do teor de carbono A ferrita é uma fase mais mole, mais dúctil e com menor resistência mecânica que a cementita. Quanto maior o teor de carbono, maior a quantidade de cementita, portanto maiores a resistência mecânica e a dureza do aço. No entanto, com teores

7 Março de CRPL de carbonos mais elevados, perde-se em ductilidade e tenacidade. O maior teor de carbono também propicia a obtenção de martensita de maior dureza. 4. Tratamentos térmicos dos aços carbono Os tratamentos térmicos são operações controladas de aquecimento e resfriamento, realizadas para alterar as propriedades dos aços. Os objetivos dos tratamentos térmicos são basicamente dois: - tornar mais fácil ou mesmo possível determinadas etapas do processo produtivo, ou - melhorar as propriedades do produto final. Serão apresentados aqui, de forma sucinta, os principais tratamentos térmicos dos aços. Essa apresentação será feita por se considerar que isso será útil para a compreensão das microestruturas apresentadas mais adiante neste trabalho; informações mais detalhadas podem ser encontradas nas referências bibliográficas apresentadas Recozimento Existem três tipos principais de recozimento: - recozimento pleno - recozimento subcrítico e alívio de tensões - esferoidização Recozimento pleno O aço é austenitizado e resfriado lentamente. A austenitização ocorre pelo aquecimento até uma temperatura dentro da faixa de formação de austenita ver diagrama ferrita-cementita. O recozimento pleno recristaliza o material, apagando o efeito de tratamentos térmicos e mecânicos anteriores. Através do recozimento pleno se obtêm dureza menor e ductilidade maior que as obtidas no recozimento subcrítico Recozimento subcrítico e alívio de tensões O aquecimento é feito até uma temperatura abaixo da temperatura de austenitização, normalmente com resfriamento ao ar. É realizado para diminuir a dureza e aumentar a ductilidade de materiais encruados. Pode também ser usado

8 Introdução à metalografia dos aços carbono para alívio de tensões após soldas. O recozimento pleno é um processo relativamente demorado, fazendo-se sempre que possível o recozimento subcrítico por ser este mais rápido Esferoidização A esferoidização é realizada para se obter cementita esferoidal em uma matriz ferrítica. Há várias formas de se obter uma microestrutura esferoidizada, envolvendo aquecimentos acima e/ou abaixo da temperatura de austenitização. A esferoidização é realizada principalmente em aços de teor elevado de carbono, com dois objetivos básicos: - conferir maior ductilidade e menor dureza ao material, permitindo assim operações de usinagem e conformação. Se a estrutura não estivesse esferoidizada poderia haver uma rede de cementita, diminuindo muito a ductilidade do material. - formar carbonetos que vão ser responsáveis pela retenção do corte e resistência ao desgaste em gumes cortantes e ferramentas Normalização Na normalização o aço é completamente austenitizado e em seguida resfriado ao ar. É utilizada para homogeneização e refino da estrutura, sendo realizada após trabalho mecânico, antes da têmpera, ou em estruturas brutas de fusão. O resfriamento mais rápido do que no recozimento pleno dá origem a uma estrutura mais refinada, com perlita mais fina e menor quantidade de ferrita em aços hipoeutetóides ou cementita em aços hipereutetóides livres Têmpera Na têmpera o aço é completamente austenitizado, sofrendo em seguida resfriamento brusco. O resfriamento deve ser brusco o suficiente para se obter a estrutura metaestável martensita, anteriormente apresentada neste texto. Aços carbono apresentam baixa temperabilidade, portanto precisam ser esfriados muito rapidamente para se obter martensita. Aços ligados apresentam maior temperabilidade, podendo ser resfriados em meios de taxas mais baixas de remoção de calor, tais como óleo e ar.

9 Março de CRPL Após a têmpera pode haver no material certa quantidade de austenita que não se transformou, chamada de austenita retida. A austenita retida é bem menos dura que a martensita, causando menor dureza no aço. Sua presença também pode levar a alterações dimensionais com o uso da peça, devido à possibilidade da austenita retida se transformar em outras estruturas. A retenção de austenita após a têmpera ocorre especialmente em aços ligados com elementos estabilizadores de austenita Revenimento Por causa da baixa tenacidade da martensita o material quase nunca é usado como temperado, devendo passar antes pelo processo de revenimento, que diminui a dureza e aumenta a tenacidade do aço. Para se fazer o revenimento o aço é aquecido a uma determinada temperatura e nela mantido por certo tempo, o que causa a precipitação de carbonetos extremamente finos na martensita. Além de diminuir a dureza da martensita, o revenimento pode ser usado para transformar a austenita retida. Há alguns aços ferramenta que exigem dois ou mais revenimentos, devido à grande quantidade de austenita retida após a têmpera. 5. Microestruturas dos aços carbono Serão apresentadas aqui algumas microestruturas típicas de aços carbono. A idéia básica é mostrar algumas das variações microestruturais causadas por dois fatores: 1 diferença no teor de carbono e 2 tratamentos térmicos (recozimento, normalização, têmpera e revenimento). Cabe aqui uma observação sobre o ataque químico utilizado para revelar as microestruturas. O ataque químico mais utilizado para aços carbono é o Nital, que foi o único ataque usado neste trabalho. Outro ataque que pode ser usado é o Picral, apontado em alguns casos como uma alternativa que pode apresentar melhores resultados que o Nital para determinadas estruturas. Uma discussão mais detalhada sobre tipos de ataque foge ao objetivo deste trabalho, sendo recomendada a leitura do clássico livro de Van der Voort Voort, Estruturas de materiais recozidos Como apresentado anteriormente, os aços hipoeutetóides esfriados lentamente apresentam ferrita e perlita, os aços eutetóides somente perlita e os aços

10 Introdução à metalografia dos aços carbono hipereutetóides perlita e cementita. As Figuras de 3 a 8 mostram micrografias de aços com diferentes teores de carbono, recozidos. Todas as fotos foram tiradas com aumento de 125 vezes e se usou Nital para revelar a microestrutura. Nas Figuras 3, 4, 5 e 6 os aços são hipoeutetóides; as áreas claras são ferrita e as escuras perlita. Pode-se ver claramente nesses aços que à medida que o teor de carbono aumenta, as áreas de perlita aumentam. A Figura 7 mostra um aço eutetóide, composto somente por perlita. No aço hipereutetóide mostrado na Figura 8, as áreas claras são cementita livre e as escuras são perlita. As diversas áreas de perlita apresentam coloração diferente devido ao ataque químico; para que não se faça confusão entre áreas claras de perlita e áreas de ferrita ou cementita livres, deve-se fazer observações com aumentos elevados, da ordem de vezes. O aumento utilizado (125X) não foi suficiente para mostrar a estrutura lamelar da perlita; para isso é necessário usar aumentos maiores, às vezes até da ordem de 2000 vezes. É sempre recomendado, principalmente em aços de teor elevado de carbono, a observação com um aumento elevado, para evitar interpretações incorretas. Por exemplo, a micrografia de um aço 1070 tirada com baixo aumento pode ter a aparência de uma estrutura temperada (Figura 6), mas se a observação for feita com grande aumento a estrutura perlítica se torna visível (Figura 9). As micrografias de aços de elevado teor de carbono normalmente apresentam áreas de perlita com diferentes tonalidades; essa ocorrência pode fazer com que se confundam áreas de perlita com áreas de ferrita. O aço 1080, eutetóide, é composto apenas por perlita, mas a Figura 7 apresenta algumas áreas claras que podem ser confundidas com ferrita. Na Figura 10 pode-se ver que as áreas claras não são ferrita, mas sim áreas de perlita mais grossa que a perlita das áreas escuras. Uma observação com maior aumento do material apresentado na Figura 8 mostra a rede de cementita envolvendo as áreas de perlita Figura 11. As Figuras 12 e 13 mostram um aço 1095 esferoidizado. Mais uma vez se faz necessário usar grandes aumentos para observar a estrutura do material, pois a 125 X de aumento (na Figura 12) não se enxergam grandes detalhes. A Figura 13 mostra de forma bastante clara a cementita esferoidal em matriz ferrítica.

11 Março de CRPL Figura 3. Aço Aum.: 125X, Ataque: Nital. Figura 4. Aço Aum.: 125X, Ataque: Nital. Figura 5. Aço Aum.: 125X, Ataque: Nital. Figura 6. Aço Aum.: 125X, Ataque: Nital. Figura 7. Aço Aum.: 125X, Ataque: Nital. Figura 8. Aço com 1,2%C. Aum.: 125X, Ataque: Nital.

12 Introdução à metalografia dos aços carbono Figura 9. Aço 1070, recozido. A estrutura lamelar da perlita fica visível a aumentos elevados. Aumento de 2000 X, ataque com Nital. Figura 10. Aço As áreas de perlita mais grossa à direita da foto apresentam cor mais clara. Aumento de 1000 vezes, ataque com nital. Figura 11. Rede contínua de cementita envolvendo áreas de perlita. Aumento de 1000 vezes, ataque com nital.

13 Março de CRPL Figura 12. Aço 1095, esferoidizado. Aumento de 125 X, ataque com Nital. Figura 13. Mesmo material da Figura 10, observado com aumento de 1000 X. Cementita esferoidal em matriz ferrítica Variações microestruturais com os tratamentos térmicos Como apresentado anteriormente, os tratamentos térmicos alteram as propriedades dos aços. Essas alterações vêm das mudanças que ocorrem na microestrutura do material. Este item apresenta algumas alterações microestruturais causadas por diferentes tratamentos térmicos. Para representar o efeito de diferentes teores de carbono foram escolhidos três aços, com baixo, médio e alto teor de carbono: 1020, 1045 e 1095, respectivamente. Algumas estruturas podem ser facilmente analisadas. Ferrita, perlita, cementita esferoidal e cementita em rede podem ser corretamente observadas através de microscopia óptica, usando-se os ataques e aumentos apropriados. Estruturas obtidas através de têmpera, tais como martensita, martensita revenida, bainita inferior e bainita superior, exigem maior cuidado em sua análise. A martensita, por exemplo, apresenta estruturas diferentes de acordo com o teor de carbono: aços de baixo carbono formam martensita em forma de ripas (lath martensite), enquanto aços de alto carbono apresentam martensita na forma de lâminas finas ou agulhas (plate martensite). A observação das estruturas de têmpera normalmente deve ser realizada a aumentos elevados, muitas vezes acima do limite da Microscopia Óptica. Recomenda-se uma consulta ao Metals Handbook (na edição mais nova, ASM Handbook), onde se pode ver que algumas estruturas só são observáveis através de microscopia eletrônica, utilizando-se aumentos da ordem de dez mil vezes ASM,

14 Introdução à metalografia dos aços carbono Muitas vezes, portanto, análises conclusivas só podem ser feitas com a utilização de microscopia eletrônica. Quando se tem padrões de um determinado material, que foram submetidos a diferentes e bem conhecidos ciclos de tratamento térmico, a análise fica mais fácil porque se pode fazer comparações. É sempre recomendável a preparação e utilização de um bom banco de amostras, algo particularmente útil na análise de amostras temperadas Aço 1020 As Figuras mostram variações entre o aço 1020 recozido e normalizado. Basicamente pode-se ver que as áreas de ferrita são mais alongadas no material normalizado que no material recozido. Figura 14. Aço 1020 recozido. Aumento de 125 X Figura 15. Aço 1020 normalizado. Aumento de 125 X

15 Março de CRPL Figura 16. Aço 1020 recozido. Aumento de 1000 X Figura 17. Aço 1020 normalizado. Aumento de 1000 X A Figura 18 mostra o aço 1020 temperado. Pode-se ver a presença de martensita em forma de ripas e algumas áreas de ferrita. A presença de ferrita se dá devido à baixíssima temperabilidade desse tipo de aço. Não se percebe grande variação nas microestruturas das amostras temperada Figura 18 e revenida Figura 19. Figura 18. Aço 1020 temperado. Aumento de 1000 X Figura 19. Aço 1020 temperado e revenido. Aumento de 1000 X Aço 1045 Nesse tipo de aço é bastante visível a diferença entre o material recozido e o material normalizado. No aço 1045 recozido Figura 20 as áreas de perlita são

16 Introdução à metalografia dos aços carbono mais arredondadas, enquanto no aço normalizado Figura 21 a perlita está em forma alongada, formando uma rede contínua em diversas regiões. Figura 20. Aço 1045 recozido. Aumento de 125 X. Figura 21. Aço 1045 normalizado. Aumento de 125 X. Nas Figuras 22 e 23, com aumento de 1000 X, pode-se ver que a perlita do material normalizado é mais fina que a do recozido. Figura 22. Aço 1045 recozido. Aumento de 1000 X. Figura 23. Aço 1045 normalizado. Aumento de 1000 X. A estrutura martensítica mostrada na Figura 24 é intermediária entre a martensita em forma de ripas da Figura 18 e a martensita em forma de agulhas da Figura 28 apresentada mais adiante. Neste aço, diferentemente do que ocorre com o aço 1020, há grande diferença microestrutural quando o material está revenido Figura 25.

17 Março de CRPL Figura 24. Aço 1045 temperado. Aumento de 1000 X. Figura 25. Aço 1045 temperado e revenido. Aumento de 1000 X Aço 1095 Quando se adquire o aço 1095, ele normalmente está na forma esferoidizada apresentada anteriormente na Figura 13. Esse aço, quando recozido de forma convencional, apresenta uma rede de cementita que o torna muito pouco dúctil Figura 26. A estrutura do material normalizado apresenta perlita muito fina Figura 27. Figura 26. Aço 1095 recozido. Aumento de 1000 X. Figura 27. Aço 1095 normalizado. Aumento de 1000 X. O aço 1095 temperado apresenta martensita em forma de agulhas, estrutura típica de aços de alto carbono áreas cinzas da Figura 28. As áreas claras nessa

18 Introdução à metalografia dos aços carbono figura são austenita retida. A Figura 29 mostra o material revenido, composto por martensita revenida. Figura 28. Aço 1095 temperado. Aumento de 1000 X Figura 29. Aço 1095 temperado e revenido. Aumento de 1000 X. A Figura 30 mostra um aço que foi austenitizado, antes da têmpera, a uma temperatura insuficiente para dissolver os carbonetos esferoidais existentes no material inicial. Além da martensita e da austenita retida, nota-se a presença de cementita esferoidal. Figura 30. Aço 1095 temperado. Martensita não revenida, cementita esferoidal e austenita retida.

19 Março de CRPL 6. Bibliografia ASM AMERICAN SOCIETY FOR METALS. Metals Handbook. 8. ed. Metals Park, Ohio, Vol. 1. ASM AMERICAN SOCIETY FOR METALS. Metals Handbook. 8. ed. Metals Park, Ohio, Vol. 7. COLPAERT, H. Metalografia dos produtos siderúrgicos comuns. 2. ed. São Paulo: Editora Edgard Blücher, p. VOORT, G. F. V. Metallography, principles and practice. New York: McGraw-Hill Book Company, 1984, 752p. ZAKHAROV, B. Heat-treatment of metals. Tradução de N. Ivlev. 1 ed. Moscow: Peace Publishers, p.

Tratamentos Térmicos. Recozimento. Objetivos:

Tratamentos Térmicos. Recozimento. Objetivos: Recozimento Objetivos: Reduzir a dureza; Aumentar a usinabilidade; Facilitar o trabalho a frio; Atingir microestrutura e propriedades desejadas Recozimento pleno Conceitos: Tratamentos Térmicos - TEMPERATURAS

Leia mais

Microestrutura dos aços [5] Ferro δ (CCC) Ferro γ (CFC) Ferro α (CCC)

Microestrutura dos aços [5] Ferro δ (CCC) Ferro γ (CFC) Ferro α (CCC) [5] Alotropia do ferro puro: Líquido 1538 C 1394 C Ferro δ (CCC) Cúbico de corpo centrado 912 C 770 C Ferro γ (CFC) Ferro α (CCC) a o = 2,93 Å (δ) a o = 2,86 Å (α) Cúbico de face centrada Temperatura ambiente

Leia mais

AÇO-CARBONO AÇO-LIGA ALOTROPIA DO FERRO

AÇO-CARBONO AÇO-LIGA ALOTROPIA DO FERRO AÇO-CARBONO Aço é a liga ferro-carbono contendo geralmente 0,008% ate aproximadamente 2,11% de carbono. AÇO-LIGA Aço que contem outros elementos de liga ou apresenta os teores residuais acima dos que são

Leia mais

Sistema Ferro - Carbono

Sistema Ferro - Carbono Sistema Fe-C Sistema Ferro - Carbono Diagrama de equilíbrio Fe-C Ferro comercialmente puro - < 0,008% Ligas de aços 0 a 2,11 % de C Ligas de Ferros Fundidos acima de 2,11% a 6,7% de C Ferro alfa dissolve

Leia mais

Figura 49 Dispositivo utilizado no ensaio Jominy e detalhe do corpo-de-prova (adaptado de Reed-Hill, 1991).

Figura 49 Dispositivo utilizado no ensaio Jominy e detalhe do corpo-de-prova (adaptado de Reed-Hill, 1991). INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS AÇOS SILVIO FRANCISCO BRUNATTO 81 2.3.3 TEMPERABILIDADE A temperabilidade de um aço pode ser entendida como a capacidade de endurecimento ou a capacidade que o aço possui de obter

Leia mais

Tratamentos térmicos de Recozimento e Normalização para os aços

Tratamentos térmicos de Recozimento e Normalização para os aços Tratamentos térmicos de Recozimento e Normalização para os aços Figura 10.1. Indicação das temperaturas recomendadas em aços carbonos, para austenitização e efetivação dos tratamentos térmicos de Normalização

Leia mais

Transformações de fase em aços [15]

Transformações de fase em aços [15] [15] Diagrama de equilíbrio transformações muito lentas divergências devido ao processamento industrial Reações / transformações em condições realísticas: resfriamento isotérmico (T-T-T) diagramas resfriamento

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS E MICROESTRUTURAS. Engenharia e Ciência dos Materiais I Profa.Dra. Lauralice Canale

TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS E MICROESTRUTURAS. Engenharia e Ciência dos Materiais I Profa.Dra. Lauralice Canale TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS E MICROESTRUTURAS Engenharia e Ciência dos Materiais I Profa.Dra. Lauralice Canale Transformação de fase em metais Tratamento térmico (tempo/temperatura) Microestrutura

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

EXERCÍCIOS SOBRE TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS EXERCÍCIOS SOBRE TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS 1. Em que consiste, de uma maneira geral, o tratamento térmico? R: Alterar as microestruturas das ligas metálicas e como conseqüência as propriedades

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS

TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS CMA CIÊNCIA DOS MATERIAIS 2º Semestre de 2014 Prof. Júlio

Leia mais

Tratamentos de Recozimento [20] Finalidade dos tratamentos de recozimento:

Tratamentos de Recozimento [20] Finalidade dos tratamentos de recozimento: [20] Finalidade dos tratamentos de recozimento: eliminar i os efeitos da deformação plástica a frio eliminar os efeitos de tratamentos térmicos preliminares homogeneização da composição química alívio

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS: AÇOS E SUAS LIGAS. Os tratamentos térmicos em metais ou ligas metálicas, são definidos como:

TRATAMENTOS TÉRMICOS: AÇOS E SUAS LIGAS. Os tratamentos térmicos em metais ou ligas metálicas, são definidos como: TRATAMENTOS TÉRMICOS: AÇOS E SUAS LIGAS Os tratamentos térmicos em metais ou ligas metálicas, são definidos como: - Conjunto de operações de aquecimento e resfriamento; - Condições controladas de temperatura,

Leia mais

Microestrutura (fases) Parte 5

Microestrutura (fases) Parte 5 Microestrutura (fases) Parte 5 DIGRM DE FSES DO SISTEM Fe - DIGRM DE FSES DO SISTEM Fe Ferros Família dos aços Família dos ferros fundidos Soluções sólidas: Ferro δ ustenita Ferrita omposto estequiométrico:

Leia mais

DIAGRAMAS DE FASES DIAGRAMAS DE FASES

DIAGRAMAS DE FASES DIAGRAMAS DE FASES DIAGRAMAS DE FASES Prof. Dr. Anael Krelling 1 São mapas que permitem prever a microestrutura de um material em função da temperatura e composição de cada componente; Informações sobre fenômenos de fusão,

Leia mais

DIAGRAMAS DE FASE II TRANSFORMAÇÕES DE FASE

DIAGRAMAS DE FASE II TRANSFORMAÇÕES DE FASE ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais DIAGRAMAS DE FASE II TRANSFORMAÇÕES DE FASE PMT 2100 - Introdução à Ciência dos Materiais para Engenharia

Leia mais

[8] Temperabilidade dos aços

[8] Temperabilidade dos aços [8] Temperabilidade dos aços Finalidade dos tratamentos térmicos: ajuste das propriedades mecânicas através de alterações da microestrutura do material. Tratamento Procedimento Microconstituintes Recozimento

Leia mais

Beneficiamento de Aços [21]

Beneficiamento de Aços [21] [21] Tratamentos para beneficiamento de aços: Têmpera: aumento de resistência i mecânica e dureza dos aços causado pela formação da martensita, um microconstituinte que usualmente apresenta um comportamento

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina MEC211 Materiais de Construção Mecânica

Programa Analítico de Disciplina MEC211 Materiais de Construção Mecânica 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga

Leia mais

Material conforme recebido (CR) e/ou metal base (MB)

Material conforme recebido (CR) e/ou metal base (MB) 85 5.5 ANÁLISES MICROESTRUTURAIS As micrografias obtidas na seção transversal do material nas condições: como recebido e pós-soldagem com tratamentos de revenido e niretação estão apresentadas nas Figuras

Leia mais

Tecnologia dos Materiais IV DIAGRAMA DE EQUILÍBRIO FERRO- CARBONO

Tecnologia dos Materiais IV DIAGRAMA DE EQUILÍBRIO FERRO- CARBONO Tecnologia dos Materiais IV DIAGRAMA UNIDADE DE EQUILÍBRIO FERRO- CARBONO 1 CONTEÚDO DESTA UNIDADE Introdução. Definições: Aços Carbono. Aços Liga. Ferro Fundido Diagrama de Equilíbrio Fe-C: Reações na

Leia mais

Cinética das transformações de fase Curvas TTT e TRC

Cinética das transformações de fase Curvas TTT e TRC Cinética das transformações de fase Curvas TTT e TRC Diagramas de fase não incluem o fator tempo mas as transformações de fase são dependentes do tempo (Fenômenos de difusão estão envolvidos) O tempo necessário

Leia mais

Palavras chave: Aço-carbono, Tratamento Térmico, Propriedade Mecânica.

Palavras chave: Aço-carbono, Tratamento Térmico, Propriedade Mecânica. Caracterização Mecânica e Microestrutural de um Aço AISI 1060 submetido a diferentes Meios de Resfriamentos Angela de Jesus Vasconcelos 1, Daniele Cristina de Brito Lima Soares 1, Adriano Matos Mendes

Leia mais

Ferro Fundido. A.S.D Oliveira

Ferro Fundido. A.S.D Oliveira Ferro Fundido Ferros fundidos Ligas ferrosas contendo 2.1%-4% C e 1%-3% Si - composição torna-os excelentes para fundição - a fabricação de ferros fundidos é várias vezes superior a de qualquer outro metal

Leia mais

PGMEC EME774 Tratamentos Térmicos dos Aços. Prof. Scheid

PGMEC EME774 Tratamentos Térmicos dos Aços. Prof. Scheid PGMEC EME774 Tratamentos Térmicos dos Aços Prof. Scheid 1- Revisão Aços: Ligas contendo ferro e carbono entre 0 e 2.11% em peso, podendo conter elementos de ligas adicionados intencionalmente e ainda impurezas.

Leia mais

FERROS FUNDIDOS (PROPRIEDADES E TRATAMENTOS TÉRMICOS) C Si Mn S P. Cinzento 2,5-4,0 1,0-3,0 0,25-1,0 0,02-0,25 0,05-1,0

FERROS FUNDIDOS (PROPRIEDADES E TRATAMENTOS TÉRMICOS) C Si Mn S P. Cinzento 2,5-4,0 1,0-3,0 0,25-1,0 0,02-0,25 0,05-1,0 FERROS FUNDIDOS (PROPRIEDADES E TRATAMENTOS TÉRMICOS) C Si Mn S P Cinzento 2,5-4,0 1,0-3,0 0,25-1,0 0,02-0,25 0,05-1,0 Branco 1,8-3,6 0,5-1,9 0,25-0,80 0,06-0,20 0,06-0,18 Maleável 2,0-2,6 1,1-1,6 0,20-1,0

Leia mais

Aços Ferramenta. A.S.D Oliveira

Aços Ferramenta. A.S.D Oliveira Aços Ferramenta Classificação das ligas ferrosas Aços Ferros Fundidos Inoxidáveis Aços Ferramenta Aços ao C Aços Ferramenta Classe de aços de alta liga projetado para serem utilizados em ferramentas de

Leia mais

TERMINOLOGIA UTILIZADA NOS TRATAMENTOS TÉRMICOS

TERMINOLOGIA UTILIZADA NOS TRATAMENTOS TÉRMICOS TERMINOLOGIA UTILIZADA NOS TRATAMENTOS TÉRMICOS Austêmpera Austenitização Beneficiamento Boretação Carbonitretação Tratamento isotérmico composto de aquecimento até a temperatura de austenitização, permanência

Leia mais

AÇOS E FERROS FUNDIDOS AÇOS E FERROS FUNDIDOS

AÇOS E FERROS FUNDIDOS AÇOS E FERROS FUNDIDOS AÇOS E FERROS FUNDIDOS Prof. Dr. Anael Krelling 1 2 AÇOS Aços são ligas Fe-C que podem conter outros elementos Propriedades mecânicas dependem da % C. % C < 0,25% - baixo carbono. 0,25% < % C < 0,60% -

Leia mais

Processos de tratamentos térmicos dos metais ferrosos e não ferrosos - parte 1/2

Processos de tratamentos térmicos dos metais ferrosos e não ferrosos - parte 1/2 Processos de tratamentos térmicos dos metais ferrosos e não ferrosos - parte 1/2 - Recozimento, normalização, têmpera, revenido - cementação e nitretação - solubilização e envelhecimento Gilmar Ferreira

Leia mais

Ciência e Engenharia de Materiais I Introdução aos Materiais

Ciência e Engenharia de Materiais I Introdução aos Materiais Ciência e Engenharia de Materiais I Introdução aos Materiais 3 aula Aços ligados e ferros fundidos Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Para que servem

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO SEGUNDO A NORMA ABNT (ou AISI)

CLASSIFICAÇÃO SEGUNDO A NORMA ABNT (ou AISI) INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS AÇOS SILVIO FRANCISCO BRUNATTO 60 2.2.4.1 - CLASSIFICAÇÃO SEGUNDO A NORMA ABNT (ou AISI) Esta norma classifica os aços em dois grandes grupos de forma distinta: Aços-ao-carbono

Leia mais

MATERIAIS METÁLICOS AULA 4

MATERIAIS METÁLICOS AULA 4 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO I E (TEC 156) MATERIAIS METÁLICOS AULA 4 Profª. Cintia Maria Ariani Fontes 1 METAIS

Leia mais

METAIS FERROSOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA. Prof.(a) : Graziele Braga ENGENHARIA MECÂNICA.

METAIS FERROSOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA. Prof.(a) : Graziele Braga ENGENHARIA MECÂNICA. METAIS FERROSOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA ENGENHARIA MECÂNICA Prof.(a) : Graziele Braga Email: grazi_gbraga@hotmail.com Betim 2016 DIAGRAMAS DE EQUILÍBRIO Fases presentes Composição dessas fases

Leia mais

Ciência de Materiais. LEGI. Ano lectivo CINÉTICA DAS TRANSFORMAÇÕES DE FASES E TRATAMENTOS TÉRMICOS

Ciência de Materiais. LEGI. Ano lectivo CINÉTICA DAS TRANSFORMAÇÕES DE FASES E TRATAMENTOS TÉRMICOS 1. Esboce as curvas TTT (TI) de um aço hipereutectóide. Trace 3 curvas de arrefecimento que conduzam às seguintes microestruturas: a) cementite + perlite b) martensite c) cementite + perlite + martensite

Leia mais

Tratamento Térmico. Profa. Dra. Daniela Becker

Tratamento Térmico. Profa. Dra. Daniela Becker Tratamento Térmico Profa. Dra. Daniela Becker Bibliografia Callister Jr., W. D. Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução. LTC, 5ed., cap 11, 2002. Shackelford, J.F. Ciências dos Materiais, Pearson

Leia mais

Frederico A.P. Fernandes

Frederico A.P. Fernandes Universidade Estadual Paulista UNESP Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira FEIS Departamento de Eng. Mecânica Programa de Pós-Graduação em Eng. Mecânica Disciplina: Ciência dos Materiais de Engenharia

Leia mais

Materiais de Construção Aços

Materiais de Construção Aços Materiais de Construção José Carlos G. Mocito email:jmocito@ipcb.pt O que é o aço? O aço é uma liga Ferro Carbono (liga FE C), cujo teor em carbono varia entre 0.03 e 2,06%. Uma propriedade característica

Leia mais

EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR

EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR Seleção do processo de fundição Metal a ser fundido [C. Q.]; Qualidade requerida da superfície do fundido; Tolerância dimensional requerida

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS TRATAMENTOS TÉRMICOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS TRATAMENTOS TÉRMICOS TRATAMENTOS TÉRMICOS Prof. M.Sc.: Anael Krelling 1 RECOZIMENTO Visa reduzir a dureza do aço, aumentar a usinabilidade, facilitar o trabalho a frio ou atingir a microestrutura ou as propriedades desejadas.

Leia mais

5 INFLUÊNCIA DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS

5 INFLUÊNCIA DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS 59 5 INFLUÊNCIA DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS O processo de austenitização dentro da zona crítica produz microestruturas com ilhas de ferrita proeutetóide e uma matriz de austenita,

Leia mais

Ferro Fundido. A.S.D Oliveira

Ferro Fundido. A.S.D Oliveira Ferro Fundido Ferros fundidos Ligas ferrosas contendo comumente de 2.1%-4% C e 1%-3% Si Ferros fundidos com mais de 4%-4.5%C não são interessantes comercialmente devido à alta fragilidade; São considerados

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA AO REVENIDO E DA TENACIDADE DO AÇO FERRAMENTA H13

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA AO REVENIDO E DA TENACIDADE DO AÇO FERRAMENTA H13 AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA AO REVENIDO E DA TENACIDADE DO AÇO FERRAMENTA H13 Laura Rodrigues de Novaes 1 ; Susana M. Giampietri Lebrão 2 1 Aluna de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT);

Leia mais

Tratamentos térmicos de aços inoxidáveis

Tratamentos térmicos de aços inoxidáveis Tratamentos térmicos de aços inoxidáveis Aços inoxidáveis Aços de alta liga contendo ao menos 10% Cr Originados no início do século XX Stainless Steel Aço sem mancha Principal característica: resistência

Leia mais

PRODUÇÃO DE FERRO E AÇO FERROS FUNDIDOS. Ciência e Engenharia dos Materiais I Profa. Dra. Lauralice Canale

PRODUÇÃO DE FERRO E AÇO FERROS FUNDIDOS. Ciência e Engenharia dos Materiais I Profa. Dra. Lauralice Canale PRODUÇÃO DE FERRO E AÇO FERROS FUNDIDOS Ciência e Engenharia dos Materiais I Profa. Dra. Lauralice Canale Recursos - Minerais Recursos - Minerais Recursos - Minerais Recursos - Minerais Recursos - Minerais

Leia mais

DIAGRAMA Fe-C. DIAGRAMA Fe-Fe 3 C

DIAGRAMA Fe-C. DIAGRAMA Fe-Fe 3 C 1 DIAGRAMA Fe-C DIAGRAMA Fe-Fe 3 C ALOTROPIA DO FERRO PURO Na temperatura ambiente, o ferro puro apresenta estrutura cristalina cúbica de corpo centrado (CCC), denominada ferrita alfa (α). A estrutura

Leia mais

TM343 Materiais de Engenharia

TM343 Materiais de Engenharia Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica TM343 Materiais de Engenharia Capítulo 9 Revisão - Diagramas de Fase e Sistema Fe-C Prof. Rodrigo Perito Cardoso Onde

Leia mais

LIGAS FERR0-CARBONO. Prof. Valtair Antonio Ferraresi Universidade Federal de Uberlândia INTRODUÇÃO

LIGAS FERR0-CARBONO. Prof. Valtair Antonio Ferraresi Universidade Federal de Uberlândia INTRODUÇÃO LIGAS FERR0-CARBONO Prof. Valtair Antonio Ferraresi Universidade Federal de Uberlândia 1 INTRODUÇÃO Aços são definidos como ligas de ferro e carbono, contendo até 2,0% deste elemento. Existem diferentes

Leia mais

Centro Universitário Padre Anchieta Controle de Processos Químicos Ciência dos Materiais Prof Ailton. Metais Ferrosos

Centro Universitário Padre Anchieta Controle de Processos Químicos Ciência dos Materiais Prof Ailton. Metais Ferrosos Metais Ferrosos 7.1 - Equilíbrio Ferro-Carbono Alguns elementos químicos apresentam variedades alotrópicas, isto é, estruturas cristalinas diferentes que passam de uma para outra em determinadas temperaturas,

Leia mais

Capítulo 10 Ferro e aço

Capítulo 10 Ferro e aço Capítulo 10 Ferro e aço 1. Considere o diagrama de equilíbrio (metaestável) de fases Fe-Fe 3 C. (a) Qual a composição do aço que apresenta na sua microestrutura de equilíbrio, à temperatura ambiente, uma

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS TT-001 TRATAMENTOS TÉRMICOS EM AÇOS ESPECIAIS

TRATAMENTOS TÉRMICOS TT-001 TRATAMENTOS TÉRMICOS EM AÇOS ESPECIAIS TRATAMENTOS TÉRMICOS TT-001 TRATAMENTOS TÉRMICOS EM AÇOS ESPECIAIS TRATAMENTOS TÉRMICOS EM AÇOS ESPECIAIS SILVIO MACHADO DE SOUZA TRATAMENTOS TÉRMICOS TT-001 TRATAMENTOS TÉRMICOS EM AÇOS ESPECIAIS SILVIO

Leia mais

Capítulo 10 Ferro e aço

Capítulo 10 Ferro e aço Capítulo 10 Ferro e aço 1. Considere o diagrama de equilíbrio (metaestável) de fases Fe-Fe 3 C. (a) Qual a composição do aço que apresenta na sua microestrutura de equilíbrio, à temperatura ambiente, uma

Leia mais

Tratamentos Termoquímicos [23]

Tratamentos Termoquímicos [23] [23] Projeto mecânico resistência ao desgaste + tenacidade Visualização das tensões no contato mecânico entre engrenagens cilíndricas i de dentes retos (efeito fotoelástico). formação de uma superfície

Leia mais

FERROS FUNDIDOS. Peças de geometria complexa. Peças onde a deformação plástica é inadmissível.

FERROS FUNDIDOS. Peças de geometria complexa. Peças onde a deformação plástica é inadmissível. FERROS FUNDIDOS FERROS FUNDIDOS Peças de geometria complexa. Peças onde a deformação plástica é inadmissível. FERROS FUNDIDOS FF CINZENTO (Gray iron) FF DÚCTIL ou Nodular (Spheroidal iron) FF BRANCO

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa Curso: Engenharia de Materiais Disciplina: Ciência dos Materiais 1 Lista de Exercícios 6

Universidade Estadual de Ponta Grossa Curso: Engenharia de Materiais Disciplina: Ciência dos Materiais 1 Lista de Exercícios 6 Universidade Estadual de Ponta Grossa Curso: Engenharia de Materiais Disciplina: Ciência dos Materiais 1 Lista de Exercícios 6 1) Cite três variáveis que determinam a microestrutura de uma liga. 2) Qual

Leia mais

Ciência dos Materiais Lista de Exercícios Diagrama de fases

Ciência dos Materiais Lista de Exercícios Diagrama de fases 1. Qual é a diferença entre os estados de equilíbrio de fases e de metaestabilidade? 2. Uma liga cobre-níquel com composição de 70 %p Ni-30 %p Cu é aquecida lentamente a partir de uma temperatura de 1300

Leia mais

Seleção de Aços pela Temperabilidade

Seleção de Aços pela Temperabilidade Seleção de AçosA pela Temperabilidade As informações básicas necessárias para especificar um aço pela sua temperabilidade incluem: a) a dureza no estado bruto de têmpera; b) a profundidade a partir da

Leia mais

Efeito da temperatura de tratamento térmico sobre a dureza de um ferro fundido branco multicomponente com alto teor de molibdênio

Efeito da temperatura de tratamento térmico sobre a dureza de um ferro fundido branco multicomponente com alto teor de molibdênio Efeito da temperatura de tratamento térmico sobre a dureza de um ferro fundido branco multicomponente com alto teor de molibdênio T. R. Paula 1, C. R. Serantoni 2, A. V. Correa 1 1 Laboratório de Fundição,

Leia mais

Cesar Edil da Costa e Eleani Maria da Costa TRATAMENTOS TÉRMICOS T CONTROLE DA MICROESTRUTURA. Finalidade:

Cesar Edil da Costa e Eleani Maria da Costa TRATAMENTOS TÉRMICOS T CONTROLE DA MICROESTRUTURA. Finalidade: TRATAMENTOS TÉRMICOS T E CONTROLE DA MICROESTRUTURA Finalidade: Alterar as microestruturas e como consequência as propriedades mecânicas das ligas metálicas 1 OBJETIVOS DOS TRATAMENTOS TÉRMICOST - Remoção

Leia mais

ESTUDO AVALIATIVO DA TENACIDADE AO IMPACTO DE UM AÇO SAE 1644 SUBMETIDO A TRATAMENTO TERMOQUÍMICO DE CEMENTAÇÃO.

ESTUDO AVALIATIVO DA TENACIDADE AO IMPACTO DE UM AÇO SAE 1644 SUBMETIDO A TRATAMENTO TERMOQUÍMICO DE CEMENTAÇÃO. ESTUDO AVALIATIVO DA TENACIDADE AO IMPACTO DE UM AÇO SAE 1644 SUBMETIDO A TRATAMENTO TERMOQUÍMICO DE CEMENTAÇÃO. S. A. Lopes¹, D. A. Coimbra 1, M. R. de Almeida 1, W. C. Oliveira 1, H. M. Santos 1, P.

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CAMINHO DE AQUECIMENTO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO 1020 TEMPERADO A PARTIR DE TEMPERATURAS INTERCRÍTICAS

INFLUÊNCIA DO CAMINHO DE AQUECIMENTO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO 1020 TEMPERADO A PARTIR DE TEMPERATURAS INTERCRÍTICAS INFLUÊNCIA DO CAMINHO DE AQUECIMENTO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO 1020 TEMPERADO A PARTIR DE TEMPERATURAS INTERCRÍTICAS C.G. Guimarães, C.A.Siqueira, A. L. M. Costa* Faculdade de Engenharia de

Leia mais

SOLDAGEM TIG. Prof. Dr. Hugo Z. Sandim. Marcus Vinicius da Silva Salgado Natália Maia Sesma William Santos Magalhães

SOLDAGEM TIG. Prof. Dr. Hugo Z. Sandim. Marcus Vinicius da Silva Salgado Natália Maia Sesma William Santos Magalhães SOLDAGEM TIG Prof. Dr. Hugo Z. Sandim Marcus Vinicius da Silva Salgado Natália Maia Sesma William Santos Magalhães Soldagem TIG Processo de soldagem TIG Fonte: www.infosolda.com.br e Welding Metallurgy

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA Disciplina: Materiais de Construção Mecânica Assunto: Diagrama de equilíbrio de fases Professor: Jorge Teófilo de Barros Lopes 1) Determine a composição e a quantidade relativa de cada fase presente em

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA DEPES/DEPMC

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA DEPES/DEPMC CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA DEPES/DEPMC GMEC7301 - MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA Prof.: Luís Felipe 7 a Lista de Exercícios. (Ciência e Tecnologia de Materiais) 1)

Leia mais

Análise Microestrutural em Aços

Análise Microestrutural em Aços Universidade Estadual Paulista UNESP Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira Departamento de Engenharia Mecânica Área de Materiais e Processos de Fabricação Ilha Solteira, 22 a 26 de agosto de 2005 Análise

Leia mais

Análise Microestrutural em Aços

Análise Microestrutural em Aços Universidade Estadual Paulista UNESP Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira Departamento de Engenharia Mecânica Área de Materiais e Processos de Fabricação Ilha Solteira, 22 a 26 de agosto de 2005 Análise

Leia mais

Tratamentos Termoquímicos [9]

Tratamentos Termoquímicos [9] [9] Projeto mecânico resistência ao desgaste + tenacidade Visualização das tensões no contato mecânico entre engrenagens cilíndricas de dentes retos (efeito fotoelástico). formação de uma superfície dura

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa Departamento de Engenharia de Materiais Disciplina: Ciência dos Materiais 1. Transformações de fases

Universidade Estadual de Ponta Grossa Departamento de Engenharia de Materiais Disciplina: Ciência dos Materiais 1. Transformações de fases Universidade Estadual de Ponta Grossa Departamento de Engenharia de Materiais Disciplina: Ciência dos Materiais 1 Transformações de fases 1º semestre / 2016 Transformações de fases Questões a abordar Transformação

Leia mais

Diagramas de Fase. Os diagramas de equilíbrio relacionam temperaturas, composições químicas e as quantidades das fases em equilíbrio.

Diagramas de Fase. Os diagramas de equilíbrio relacionam temperaturas, composições químicas e as quantidades das fases em equilíbrio. Diagramas de Fase Os diagramas de equilíbrio relacionam temperaturas, composições químicas e as quantidades das fases em equilíbrio. Diagramas de Fase Definições: Componentes: São elementos químicos e/ou

Leia mais

Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono

Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono A partir do estudo deste texto você conhecerá as particularidades inerentes a diferentes tipos de aços: aços de médio carbono (para temperaturas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA Disciplina: Materiais de Construção Mecânica Assunto: Diagrama de equilíbrio de fases Professor: Jorge Teófilo de Barros Lopes 1) Determine a composição e a quantidade relativa (proporção) de cada fase

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. (Agosto/2004 Julho/2005)

RELATÓRIO FINAL. (Agosto/2004 Julho/2005) 1 RELATÓRIO FINAL (Agosto/2004 Julho/2005) TÍTULO: ESTUDO DOS PARÂMETROS DE TÊMPERA E SUA INFLUÊNCIA NA MICROESTRUTURA E NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS EM AÇOS-FERRAMENTA. PESQUISADOR: LEANDRO CORRÊA DOS SANTOS

Leia mais

TRATAMENTOS EMPREGADOS EM MATERIAIS METÁLICOS

TRATAMENTOS EMPREGADOS EM MATERIAIS METÁLICOS Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS I AT-096 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br TRATAMENTOS EMPREGADOS EM 1 INTRODUÇÃO: Existem

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Engenharia de Materiais/Ponta Grossa, PR. Engenharias, Engenharia de Materiais e Metalúrgica

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Engenharia de Materiais/Ponta Grossa, PR. Engenharias, Engenharia de Materiais e Metalúrgica ESTUDO DA CARACTERÍSTICA MORFOLÓGICA DO AÇO API 5L X-70 PROCESSADO POR LAMINAÇÃO CONTROLADA Igor Fabian de Goes Lopes (outros/uepg), André Luís Moreira de Carvalho (Orientador), e-mail: andrelmc@uepg.br.

Leia mais

PMT3100 LISTA DE EXERCÍCIOS DIAGRAMAS DE EQUILÍBRIO

PMT3100 LISTA DE EXERCÍCIOS DIAGRAMAS DE EQUILÍBRIO PMT3100 LISTA DE EXERCÍCIOS DIAGRAMAS DE EQUILÍBRIO 1. Considere o diagrama de equilíbrio de fases alumínio-níquel (Al-Ni). a. Enuncie três transformações isotérmicas (de tipos diferentes) dentre as que

Leia mais

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE Curso: Disciplina: Aula 5 Tratamento Térmico Tratamento Térmico O tratamento térmico pode ser definido de forma simples como um processo de aquecimento e/ou

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DIAGRAMAS DE FASES

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DIAGRAMAS DE FASES UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DIAGRAMAS DE FASES CMA CIÊNCIA DOS MATERIAIS 1º Semestre de 2014 Prof. Júlio César Giubilei

Leia mais

Metalografia e tratamento térmico do cobre e suas ligas

Metalografia e tratamento térmico do cobre e suas ligas PMT-2402 Metalografia e Tratamentos Térmicos dos Metais Metalografia e tratamento térmico do cobre e suas ligas André Paulo Tschiptschin Histórico Primeiro metal a ser utilizado pelo homem Facas de cobre

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DAS TEMPERATURAS DE AUSTENITIZAÇÃO NA DUREZA DOS AÇOS AISI D6 E SAE 1045

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DAS TEMPERATURAS DE AUSTENITIZAÇÃO NA DUREZA DOS AÇOS AISI D6 E SAE 1045 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS CURSO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS BRENDA JULIET MARTINS FREITAS ESTUDO DA INFLUÊNCIA DAS TEMPERATURAS DE AUSTENITIZAÇÃO

Leia mais

LEVANTAMENTO DA CURVA DE TEMPERABILIDADE E CARACTERIZAÇÃO METALOGRÁFICA DO AÇO SAE-1140-D

LEVANTAMENTO DA CURVA DE TEMPERABILIDADE E CARACTERIZAÇÃO METALOGRÁFICA DO AÇO SAE-1140-D LEVANTAMENTO DA CURVA DE TEMPERABILIDADE E CARACTERIZAÇÃO METALOGRÁFICA DO AÇO SAE-1140-D J. C. M. Oliveira (1), T. U. S. Carvalho (1), P. A. Souza (1), W. S. Silva (1), M. P. A. Mafra (1) (1) Faculdade

Leia mais

Palavras chave: tratamento térmico, óleo de palma, caracterização microestrutural

Palavras chave: tratamento térmico, óleo de palma, caracterização microestrutural ESTUDO COMPARATIVO DA VANTAGEM DE UMA TÊMPERA EM ÓLEO DE PALMA SOBRE A TÊMPERA TRADICIONAL EM AÇO AISI 5160. Tatianne Cristine de Oliveira Nunes 1, Vanessa de Nazaré Barroso Amorim 1, Elielson Alves dos

Leia mais

AÇOS INOXIDÁVEIS (Fe-Cr-(Ni))

AÇOS INOXIDÁVEIS (Fe-Cr-(Ni)) AÇOS INOXIDÁVEIS (Fe-Cr-(Ni)) Ligas à base de Fe, com um mínimo de 11%Cr em solução para prevenir a corrosão Podem apresentar estrutura ferrítica, austenítica, martensítica, ou mista, consoante às % de

Leia mais

Tratamentos Térmicos

Tratamentos Térmicos Tratamentos Térmicos Têmpera superficial Modifica a superfície: alta dureza superficial e núcleo mole. Aplicação: engrenagens Pode ser «indutivo» ou «por chama» Tratamentos Térmicos Têmpera superficial

Leia mais

Meios de Têmpera: Têmpera em água

Meios de Têmpera: Têmpera em água Meios de Têmpera: Têmpera em água A água é o meio de têmpera mais antigo, mais barato e o mais empregado. O processo de têmpera em água é conduzido de diversas maneiras: por meio de imersão, jatos, imersão

Leia mais

Cesar Edil da Costa e Eleani Maria da Costa TRATAMENTO TÉRMICO POR SOLUÇÃO PRECIPITAÇÃO

Cesar Edil da Costa e Eleani Maria da Costa TRATAMENTO TÉRMICO POR SOLUÇÃO PRECIPITAÇÃO O tratamento térmico de solubilização consiste em aquecer a liga até uma temperatura dentro do campo monofásico a e aguardar nessa temperatura até que toda a fase que possa ter estado presente seja completamente

Leia mais

Universidade de São Paulo

Universidade de São Paulo Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Departamento de Engenharia de Materiais, Aeronáutica e Automobilística Diagrama de equilíbrio Fe C Engenharia e Ciência dos Materiais I Prof.

Leia mais

Página 1 de 7 CRITÉRIOS PARA CLASSIFICAÇÃO DOS AÇOS

Página 1 de 7 CRITÉRIOS PARA CLASSIFICAÇÃO DOS AÇOS Página 1 de 7 CRITÉRIOS PARA CLASSIFICAÇÃO DOS AÇOS A classificação dos aços não obedece a um único critério, existindo classificações quanto à composição química, processamento, microestrutura, propriedades

Leia mais

INFLUÊNCIA DE ASPECTOS MICROESTRUTURAIS NA RESISTÊNCIA À FRATURA DE AÇO ESTRUTURAL COM APLICAÇÕES OFFSHORE

INFLUÊNCIA DE ASPECTOS MICROESTRUTURAIS NA RESISTÊNCIA À FRATURA DE AÇO ESTRUTURAL COM APLICAÇÕES OFFSHORE INFLUÊNCIA DE ASPECTOS MICROESTRUTURAIS NA RESISTÊNCIA À FRATURA DE AÇO ESTRUTURAL COM APLICAÇÕES OFFSHORE Bernardo Soares Engelke 1 Marcos Venicius Soares Pereira 2 1 Aluno de Graduação do curso de Engenharia

Leia mais

Diagramas de Fases. Universidade de São Paulo. Escola de Engenharia de São Carlos. Departamento de Engenharia de Materiais

Diagramas de Fases. Universidade de São Paulo. Escola de Engenharia de São Carlos. Departamento de Engenharia de Materiais Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Departamento de Engenharia de Materiais Diagramas de Fases Engenharia e Ciência dos Materiais I Prof. Dr. Cassius O.F.T. Ruchert Revisão: Prof.

Leia mais

ESTAMPAGEM ESTAMPAGEM

ESTAMPAGEM ESTAMPAGEM ESTAMPAGEM Prof. M.Sc.: Anael Krelling 1 INTRODUÇÃO Estampagem consiste em todas as operações de corte e conformação de materiais metálicos planos, a fim de lhe conferir a forma e a precisão desejada,

Leia mais

Tratamentos Térmicos

Tratamentos Térmicos Tratamentos Térmicos 03290-5 Notas de aula: http://www.dema.ufscar.br/wjbotta/ γ Instável Transformação Normal α + Fe 3 C TÊMPERA Μ Transição REVENIDO Programa 1) Fornos e atmosferas, medidas e controle

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS Prof. Dr. Anael Krelling 1 Temperatura CICLO DE TRATAMENTO TÉRMICO TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS Manutenção Resfriamento Aquecimento Tempo 2 AQUECIMENTO As variáveis

Leia mais

TÊMPERA EM ÓLEO DE PALMA: UM ESTUDO APLICADO EM AÇO DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA UTILIZADO COMO INSTRUMENTO DE CORTE

TÊMPERA EM ÓLEO DE PALMA: UM ESTUDO APLICADO EM AÇO DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA UTILIZADO COMO INSTRUMENTO DE CORTE TÊMPERA EM ÓLEO DE PALMA: UM ESTUDO APLICADO EM AÇO DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA UTILIZADO COMO INSTRUMENTO DE CORTE Elielson Alves dos Santos 1, Evaldo Júlio Ferreira Soares 1, João Luís Pereira 2, Tatianne

Leia mais

Ciência de Materiais. LEGI. CINÉTICA DAS TRANSFORMAÇÕES DE FASES

Ciência de Materiais. LEGI. CINÉTICA DAS TRANSFORMAÇÕES DE FASES 1. Esboce as curvas TTT (TI) de um aço hipereutectóide. Trace 3 curvas de arrefecimento que conduzam às seguintes microestruturas: a) cementite + perlite b) martensite c) cementite + perlite + martensite

Leia mais

INFLUÊNCIA DO PROCESSO DE ELETROEROSÃO A FIO NAS PROPRIEDADES DO AÇO AISI D6.

INFLUÊNCIA DO PROCESSO DE ELETROEROSÃO A FIO NAS PROPRIEDADES DO AÇO AISI D6. INFLUÊNCIA DO PROCESSO DE ELETROEROSÃO A FIO NAS PROPRIEDADES DO AÇO AISI D6. Piter Alves Sousa 1 RESUMO Atualmente, a elevada competitividade dentro do setor metal-mecânico exige, além da qualidade do

Leia mais

Deformação e Mecanismos de Endurecimento Metais DEMEC TM242-B Prof Adriano Scheid

Deformação e Mecanismos de Endurecimento Metais DEMEC TM242-B Prof Adriano Scheid Deformação e Mecanismos de Endurecimento Metais DEMEC TM242-B Prof Adriano Scheid Tensão Propriedades Mecânicas: Tensão e Deformação Deformação Elástica Comportamento tensão-deformação O grau com o qual

Leia mais

Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos. CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Hemerson Dutra

Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos. CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Hemerson Dutra Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Aços e Ferros Fundidos O Ferro é o metal mais utilizado pelo homem. A abundância dos

Leia mais

12, foram calculados a partir das equações mostradas seguir, com base nas análises químicas apresentadas na Tabela 8.

12, foram calculados a partir das equações mostradas seguir, com base nas análises químicas apresentadas na Tabela 8. 5 Discussão O estudo da fragilização ao revenido com base nos fenômenos de segregação tem como ponto de partida os resultados obtidos de experiências com pares de elementos liga e/ou impurezas, correspondendo

Leia mais

INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA INICIAL PARA A CINÉTICA DE REAÇÃO DE ESFEROIDIZAÇÃO EM UM AÇO SAE1080.

INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA INICIAL PARA A CINÉTICA DE REAÇÃO DE ESFEROIDIZAÇÃO EM UM AÇO SAE1080. INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA INICIAL PARA A CINÉTICA DE REAÇÃO DE ESFEROIDIZAÇÃO EM UM AÇO SAE1080. Arthur Araújo Almeida (A. A. Almeida) Jackson Gurgel Martins (J. G. Martins) Marcelo José Gomes da Silva

Leia mais

- Composição Química. - Tamanho de Grão Austenítico. - Homogeneidade da Austenita. TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS.

- Composição Química. - Tamanho de Grão Austenítico. - Homogeneidade da Austenita. TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS. TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS. 1.CURVAS DE TRANSFORMAÇÃO CONTÍNUA PARA OS AÇOS. As curvas TTT (tempo-temperaturatransformação) dos aços eram obtidas antigamente pelo método metalográfico. Hoje em dia elas

Leia mais

Resumo 1 INTRODUÇÃO. Sérgio Luís Marquezi * João Henrique Bagetti ** Monica Prior ***

Resumo 1 INTRODUÇÃO. Sérgio Luís Marquezi * João Henrique Bagetti ** Monica Prior *** ANÁLISE DO GRAU DE CONTAMINAÇÃO COM CARBONO DO AÇO INOXIDÁVEL ASTM A743 CA6MN EM RAZÃO DO TRATAMENTO TÉRMICO DE ALÍVIO DE TENSÕES EM CONJUNTO COM AÇO CARBONO Sérgio Luís Marquezi * João Henrique Bagetti

Leia mais