DECRETO º CARLOS ELSO BUE O, Prefeito do Município de Mogi Mirim, Estado de São Paulo, etc., no uso de suas atribuições legais; D E C R E T A:-

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DECRETO º CARLOS ELSO BUE O, Prefeito do Município de Mogi Mirim, Estado de São Paulo, etc., no uso de suas atribuições legais; D E C R E T A:-"

Transcrição

1 DECRETO º REGULAME TA A LEI COMPLEME TAR MU ICIPAL º 192, DE 14 DE JULHO DE 2005, QUE DISCIPLI A A TRIBUTAÇÃO DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER ATUREZA (ISSQ ), I STITUI O SISTEMA ELETRÔ ICO DE GERE CIAME TO DE DADOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊ CIAS. CARLOS ELSO BUE O, Prefeito do Município de Mogi Mirim, Estado de São Paulo, etc., no uso de suas atribuições legais; D E C R E T A:- Art. 1º Fica regulamentada e disciplinada a aplicação de dispositivos da Lei Complementar Municipal nº 192, de 14 de julho de 2005, e instituído do Sistema Eletrônico de Gerenciamento de Dados, nos termos deste Decreto. CAPÍTULO I DO SISTEMA ELETRÔ ICO DE GERE CIAME TO DE DADOS Art. 2º A partir de 1º de março de 2011, fica instituído no Município de Mogi Mirim o sistema eletrônico de gerenciamento do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN), denominado SIG-ISS Sistema Integrado de Gerenciamento do ISSQN. CAPÍTULO II DA ESCRITURAÇÃO E DOCUME TOS FISCAIS Art. 3º A partir de 1º de março de 2011, fica estabelecido que em substituição aos livros fiscais previstos na Lei Complementar nº. 192/05, todo sujeito passivo, bem como o tomador ou intermediário, emitente de Nota Fiscal de Serviços Prestados, tributadas ou não, deverão obrigatoriamente escriturar, eletronicamente através do programa SIG-ISS, os seguintes livros fiscais de registro das prestações de serviços prestados ou tomados: I - Livro de Registro de Prestação de Serviços; II - Livro de Registro de Serviços Tomados. 1º O Livro de Registro de Prestação de Serviços deverá ser escriturado eletronicamente através do programa SIG-ISS, pelos contribuintes prestadores de serviços estabelecidos no Município; 2º O Livro de Registro de Serviços Tomados de pessoa física ou jurídica, deverá ser escriturado, eletronicamente através do programa SIG-ISS, por todos os Tomadores de Serviços, pessoas jurídicas, estabelecida ou não no Município; 1

2 Art. 4º O Contribuinte sujeito ao recolhimento do ISSQN de forma fixa, de que trata o 1º do artigo 8º, e as sociedades que se enquadram na tributação por meio de alíquotas fixas ou regime de estimativa a que se refere o art. 9º, 3º, do Decreto-Lei nº. 406/68 e art. 24 da Lei Complementar nº 192/2005, ou ainda, que seja optante do MEI (Micro Empreendedor Individual), poderá optar pela não emissão de Recibo de Prestação de Serviços ou Notas Fiscais de Prestação de Serviços, conforme o caso, desde que previamente autorizado pela Divisão em Gestão de Auditoria Fiscal do Departamento Financeiro. CAPÍTULO III DA AUTORIZAÇÃO DE IMPRESSÃO DE DOCUME TOS FISCAIS MU ICIPAIS AIDFM Art. 5º A solicitação de Autorizações de Impressão de Documentos Fiscais Municipais (AIDFM), a partir de 01 de março de 2011, será, obrigatoriamente, solicitada por via eletrônica através do programa SIG-ISS disponível no site da Prefeitura Municipal, com os seguintes procedimentos: I - A solicitação deverá ser efetuada pelo Contribuinte, indicando a Gráfica autorizada, a qual por sua vez estará previamente cadastrada junto ao SIG-ISS nos termos do artigo 6º deste Decreto; II - A repartição fiscal competente poderá fazer a aprovação de impressão com base na média mensal de emissão do Contribuinte para suprir a demanda de um período estabelecido por esta repartição; III - Na hipótese de solicitação rejeitada, o Contribuinte deverá comparecer à Divisão em Gestão de Auditoria Fiscal para as devidas justificativas e posterior autorização; IV - A AIDFM deverá conter os dados mínimos e obrigatórios apontados no programa SIG-ISS. Art. 6º As empresas gráficas sediadas ou não neste Município que tenham interesse em confeccionar Notas Fiscais para Contribuintes estabelecidos no Município de Mogi Mirim deverão providenciar o seu cadastramento nos termos estabelecidos pela Divisão em Gestão de Auditoria Fiscal através do programa SIG-ISS. ser atualizado anualmente. Parágrafo único. O credenciamento mencionado deverá CAPITULO IV DOS FORMULÁRIOS, DOCUME TOS E DECLARAÇÕES. SEÇÃO I DO FORMULÁRIO E DA I SCRIÇÃO CADASTRAL Art. 7º O Formulário de Inscrição e Atualização Cadastral (FIAC) destina-se a promover a inscrição, alterações e cancelamento do contribuinte junto ao cadastro municipal, relativo ao Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN) e as Taxas de Licença, conforme ANEXO II, poderá ser obtido junto ao Setor de Cadastro Fiscal da Divisão em Gestão Tributária do Departamento Financeiro do Município, ou pelo site. 2

3 Art. 8º O contribuinte deverá promover sua inscrição no Cadastro Fiscal de Prestadores de Serviços antes do início de suas atividades, fornecendo à Prefeitura Municipal de Mogi Mirim os elementos e informações necessárias para a correta fiscalização do tributo. 1º A inscrição não faz presumir a aceitação, pela Prefeitura Municipal de Mogi Mirim, dos dados e informações apresentados pelo contribuinte, os quais podem ser verificados para fins de lançamento. haverá uma inscrição distinta. 2º Para cada estabelecimento prestador de serviços 3º Para os prestadores de serviços sob a forma de trabalho estritamente pessoal do próprio contribuinte, constituído em sociedade simples ou não, nos termos do art. 8º, 1º, da Lei Complementar nº 192/2005, haverá uma inscrição distinta para cada atividade exercida. Art. 9º As pessoas naturais, no ato da inscrição, deverão entregar cópia da cédula de identidade (RG), Cadastro de Pessoa Física (CPF), comprovante de endereço e se for o caso, inscrição no conselho de classe correspondente. Art. 10. As Pessoas Jurídicas, no ato da inscrição, deverão entregar cópias dos seguintes documentos: I - do Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ/MF); caso; II - Declaração Cadastral Estadual (DECA), se for o III - comprovante de endereço; IV - Contrato Social de Sociedades Simples (Registro Civil de Pessoas Jurídicas) e inscrição no conselho de classe correspondente se for o caso, ou Sociedades Limitadas (Junta Comercial), conforme Lei Federal nº /02 (NCC), ou Sociedades Anônimas, conforme Lei Federal nº 6404/76 e posteriores alterações. Parágrafo único. Nos casos do serviço previsto no subitem Serviços de registros públicos, cartorários e notariais, serão exigidos os seguintes documentos: Presidência do Tribunal de Justiça; Geral da Justiça. I título de outorga de delegação emitido pela II termo de investidura, emitido pelo Juiz Corregedor Art. 11. O prazo para a atualização dos dados no Cadastro Fiscal de Prestadores de Serviços é de 30 (trinta) dias contínuos de sua ocorrência, salvo nos casos de alteração de endereço cuja atualização deverá ser promovida antes da mudança efetiva, para que a Fazenda Pública Municipal, no exercício do poder de polícia administrativa, autorize a renovação da licença de funcionamento. 3

4 Art. 12. O prazo para o contribuinte comunicar à repartição fiscal a cessação de atividades é de 30 (trinta) dias contínuos, contados da data de sua ocorrência, a fim de obter baixa de sua inscrição, a qual será concedida após a verificação da procedência da comunicação, sem prejuízo da cobrança dos tributos devidos ao Município. Art. 13. O enquadramento da tributação por meio de alíquotas fixas, variáveis, ou estimativa a que se refere o art. 8º, 2º, e art. 24 da Lei Complementar nº 192/2005, será efetuado no ato da inscrição, da alteração do ramo de atividade, ou a qualquer momento, pelo Setor de Cadastro Fiscal, da Divisão em Gestão Tributária, do Departamento Financeiro, após levantamento e análises realizadas pelo fisco municipal e serão da seguinte forma: I - de forma fixa e anual, para os serviços prestados sob a forma de trabalho estritamente pessoal do próprio contribuinte, sem deferi-los a terceiros, assim enquadrados conforme disposto no art. 8º, 1º, da Lei Complementar Municipal nº 192/2005 e os serviços prestados sob trabalho estritamente pessoal do próprio contribuinte sob a forma de sociedade simples com responsabilidade pessoal e sem caráter empresarial; II - por estimativa, nos termos do art. 24, da Lei Complementar Municipal nº 192/2005, para os serviços previstos nos seguintes subitens do art. 1º da Lei Complementar Municipal nº 192/2005: a) 3.02 lan house; manicuros, pedicuros e similares; similares; similares; b) 6.01 salões de beleza, barbearia, cabeleireiros, c) esteticistas, tratamento de pele, depilação e d) banhos, duchas, saunas, massagens e e) 9.01 motéis; f) exibições cinematográficas; não; restaurantes, bares e similares; g) bilhares, boliches e diversões eletrônicas ou h) execução de música em estabelecimentos de i) e nos demais casos de prestação de serviço cuja espécie, modalidade ou volume de negócios ou de atividades necessite de tratamento fiscal específico a critério exclusivo da Divisão em Gestão de Auditoria Fiscal. III - de forma variável, mensal, nos termos do art. 8º da Lei Complementar Municipal nº 192/2005, para as pessoas jurídicas constituídas por Sociedade Empresarial. 4

5 Parágrafo único. Não se aplica o inciso I para contribuintes organizados sob a forma de sociedades na ocorrência de uma ou mais das situações a seguir: pessoal; I - quando a forma de trabalho não for estritamente II - quando a sociedade possuir pelo menos um dos sócios que não seja habilitado na mesma profissão dos demais; for pessoal e configure caráter empresarial; III quando a responsabilidade de cada profissional não IV - quando qualquer um dos sócios participantes da sociedade tenha como objetivo a administração ou aporte de capital, figurando como mero cotista; incidência de ICMS; as filiais; V - quando a sociedade praticar atos sujeitos à VI - quando seus sócios não prestarem serviços em todas VII - quando a sociedade distribuir lucros proporcionais aos valores das cotas e não pelo valor dos serviços prestados por cada um dos sócios; societário Pessoa Jurídica; VIII - quando a sociedade possuir em seu quadro IX - quando não houver comprovação de registro no conselho de classe para os indivíduos, firmas, sociedades, associações, companhias e empresas em geral e suas filiais; trabalho pessoal do profissional; sociedades; X quando a remuneração não for a parcela devida pelo XI quando os sócios participam como sócios em outras XII quando a sociedade prestar serviços distintos daqueles para os quais os sócios não possuam habilitação; atividade profissional; Comercial. XIII quando a sociedade praticar mais de uma XIV Quando a sociedade possuir registro na Junta Art. 14. Os valores fixos, os valores estimados e as alíquotas sobre o preço do serviço, a que se referem os incisos I, II e III, do art. 13 do presente Decreto, serão os seguintes: I - os valores fixos aplicáveis ao art. 13, inciso I, do presente Decreto, serão de conformidade com a tabela anexa à Lei Complementar nº 192/2005; 5

6 II a base de cálculo mensal (preço do serviço) estimado aplicado ao art. 13, inciso II, do presente Decreto para os seguintes serviços será: a) subitem 3.02 lan house - por computador = R$ 219,17 (duzentos e dezenove reais e dezessete centavos); b) subitem 6.01 salões de beleza, barbearia, cabeleireiros, manicuros, pedicuros e similares - por unidade = R$ 3.289,18 (três mil, duzentos e oitenta e nove reais e dezoito centavos); c) subitem esteticistas, tratamento de pele, depilação e similares - por unidade = R$ 2.302,42 (dois mil e trezentos e dois reais e quarenta e dois centavos); d) subitem banhos, duchas, saunas, massagens e similares - por cada profissional habilitado = R$ 2.631,34 (dois mil, seiscentos e trinta e um reais e trinta e quatro centavos); e) subitem 9.01 motéis - por quarto, apartamento, ou suíte = R$ 2.192,78 (dois mil, cento e noventa e dois reais e setenta e oito centavos); f) subitem exibições cinematográficas: quarenta reais e noventa e oito centavos); novecentos e trinta e dois reais); vinte e quatro reais). 1. até 150 lugares - R$ 2.740,98 (dois mil e setecentos e 2. de 150 a 300 lugares - R$ 4.932,00 (quatro mil e 3. acima de 300 lugares - R$ 7.124,00 (sete mil e cento e g) subitem bilhares, boliches e diversões eletrônicas ou não - por unidade = R$ 219,17 (duzentos e dezenove reais e dezessete centavos); h) subitem execução de música em estabelecimentos de restaurantes, bares e similares - por mesa = R$ 210,40 (duzentos e dez reais e quarenta centavos). III - As alíquotas aplicáveis ao art. 13, inciso III, do presente Decreto, são aquelas previstas no art. 10 da Lei Complementar nº 192/2005; IV Os valores referentes ao regime de estimativa, serão anualmente corrigidos pelo IPCA (Índice de Preço ao Consumidor Amplo) ou outro índice oficial que o substitua. Art. 15. A inscrição será aprovada pelo Encarregado da Divisão em Gestão Tributária do Departamento Financeiro do Município, após tramitação legal, podendo: I - ser utilizada inscrição de ofício; 6

7 II - ser utilizada de ofício a baixa da inscrição, ou mudança de endereço ou alteração do código de atividade econômica. SEÇÃO II DAS OTAS FISCAIS E RECIBOS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. SUBSEÇÃO I DAS OTAS FISCAIS E RECIBOS Art. 16. Os modelos, formas e especificações das Notas Fiscais de Prestação de Serviços, que alude o parágrafo 1º, do art. 35, da Lei Complementar nº 192/05, a serem adotados pelos contribuintes municipais, serão os descriminados nesta Subseção. Art. 17. A Nota Fiscal de Serviços Prestados Série A, destina-se ao registro de prestação de Serviços, seja Tributáveis, não Tributáveis, Isentos ou Não Incidentes do ISSQN, e deverão constar no mínimo, as seguintes indicações, conforme Anexo IV: PRESTADOS ; I - denominação: NOTA FISCAL DE SERVIÇOS II - número de ordem e série A ; III - razão social, endereço e Inscrição Municipal; IV - Inscrição Estadual (se for o caso); MF; V - inscrição junto ao Ministério da Fazenda CNPJ/ VI - via da nota; VII - data da emissão; VIII - natureza da operação; do tomador do serviço (se for o caso); IX - nome, endereço, CNPJ/CPF e Inscrição Municipal X - discriminação dos serviços realizados; XI - preço de cada serviço; XII - total do preço do serviço; XIII - total da nota; XIV validade da nota fiscal; XV - canhoto de recebimentos dos serviços; XVI valor do imposto retido; XVII - número das Notas Fiscais de simples remessa de material tratando-se de serviços previstos nos subitens 7.02 e 7.05; 7

8 XVIII destaque dos impostos retidos; de que trata o artigo 28 deste decreto; XIX espaço para apor o selo de autenticidade e frase XX - autorização de Impressão de Documentos Fiscais Municipais (AIDFM) nos termos do art. 5º do presente Decreto; estabelecimento gráfico; XXI - nome, endereço e número da inscrição do 1º As dimensões mínimas da Nota Fiscal de Serviços Prestados Série A serão de 148 mm x 210 mm (A5) e as máximas permitidas serão de 210mm x 297mm (A4). 2º A Nota Fiscal de Serviços Prestados Série A será emitida no mínimo em 2 (duas) vias, sendo a 1ª via destinada ao tomador do Serviço, a 2º via ficará fixa ao bloco e as 3ª, 4ª e 5ª vias serão confeccionadas a critério do prestador do serviço. 3º Serão dispensadas as indicações dos incisos IX e XI, se estas constarem de "Romaneio de Serviços", que passará a constituir parte inseparável da Nota Fiscal de Serviços Prestados. 4º O "Romaneio de Serviços" deverá conter, no mínimo, as indicações dos incisos IX e XII do presente Decreto. Art. 18. A Nota Fiscal de Serviços Prestados Avulsa de Prestação de Serviços Série AV, destina-se ao registro de prestação de serviços eventuais, tributáveis pelo Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza(ISSQN), para contribuintes, cuja atividade preponderante não seja a prestação de serviços, conforme ANEXO V. 1º Será autorizada pelo Encarregado da Divisão em Gestão Tributária e emitida pelo Setor de Cadastro Fiscal, em 3 (três) vias, por meio matricial, carbonada, sendo a 1ª via destinada ao Tomador de Serviços, a 2ª via ao Prestador de Serviços e a 3ª via para arquivo da Prefeitura de Mogi Mirim. 2º A Nota Fiscal de Serviços Prestados Avulsa de Prestação de Serviços Série AV terá prazo de validade de 5 (cinco) dias úteis para emissão e o prazo de 10 (dez) dias úteis após a emissão para entrega da terceira via ao Fisco Municipal. 3º A critério da Divisão em Gestão Tributária poderá ser suspenso o fornecimento de Notas Avulsas, quando o volume e a freqüência dos serviços assim o indicar. Art. 19. O Recibo Fiscal de Serviços de Profissional Autônomo Série F, destina-se aos serviços prestados sob a forma de trabalho estritamente pessoal do próprio contribuinte, inscritos no Município de Mogi Mirim, com tributação fixa anual, nos termos do parágrafo 1º, do art. 8º, da Lei Complementar nº 192/05 e deverão constar no mínimo as seguintes indicações conforme ANEXO VI: PROFISSIONAL AUTÔNOMO ; I - denominação: RECIBO FISCAL DE SERVIÇOS 8

9 II - número de ordem e série F ; III endereço, Inscrição Municipal; IV - NIT - Número de Inscrição do Trabalhador no Ministério da Previdência Social (pis / pasep ou número de inscrição do contribuinte individual / facultativo / empregado doméstico); V - via do recibo; VI validade do recibo fiscal; VII - atividade exercida; VIII - data da emissão; IX - nome do tomador do serviço; X - discriminação dos serviços realizados; XI - preço de cada serviço; XII - total do preço do serviço; XIII - total do recibo; XIV - autorização de Impressão de Documentos Fiscais Municipais AIDFM, nos termos do art. 5º do presente Decreto; XV destaque dos impostos retidos. de que trata o artigo 28 do presente decreto; estabelecimento gráfico; XVI espaço para apor o selo de autenticidade e frase XVII - nome, endereço e número da inscrição do 1º As dimensões do Recibo Fiscal de Serviços Profissional Autônomo Série F serão de 150 mm x 190 mm. 2º O Recibo Fiscal de Serviços Profissional Autônomo Série F será emitido em 2 (duas) vias, sendo a 1ª via destinada ao tomador do serviço e a 2º via ficará fixa no bloco. SUBSEÇÃO II OUTRAS DISPOSIÇÕES E DISPE SA DE EMISSÃO Art. 20. A numeração das Notas Fiscais de Prestação de Serviços Séries A e Recibo Fiscal de Serviços Série F, serão impressas em ordem crescente de 0001 a e enfeixadas em blocos uniformes de 50 (cinqüenta) exemplares, reiniciando-se sempre que atingido o número máximo, com indicação da série seguida da seqüência numérica para cada reinício, e ainda: 9

10 I - serão emitidas em ordem cronológica; II - não será permitida a emissão de notas fora de ordem; III - não será permitida a utilização de bloco de Notas Fiscais de Prestação de Serviços sem que tenham sido utilizados os de número anterior. Art. 21. Será permitida a utilização tão somente de um bloco de cada vez, para cada estabelecimento do mesmo sujeito passivo, em conformidade ao 5º, do art. 16, da Lei Complementar Municipal nº 192/05. Art. 22. É obrigatório o preenchimento de todos os dados das Notas Fiscais de Prestação de Serviços e Recibos, em especial os que identifiquem o tomador dos serviços. Art. 23. As Notas Fiscais de Prestação de Serviços somente poderão ser confeccionadas em gráficas devidamente autorizadas, mediante Autorização de Impressão de Documentos Fiscais Municipais (AIDFM) sendo permitida a emissão por meio informatizado em formulário contínuo e em jogos soltos e carbonados, obedecendo às especificações contidas no art. 17 do presente Decreto. 1º Não será permitido o preenchimento das Notas e Recibos Fiscais de Prestação de Serviços Convencionais pelo modo jato de tinta, a laser, ou outro processo similar, bem como em papel jornal. 2º As Notas Fiscais confeccionadas em formulários contínuos e os jogos soltos, deverão ser emblocadas em até 500 (quinhentas) unidades. 3º As Notas Fiscais e Recibos Fiscais serão considerados inidôneas se confeccionadas e ou preenchidas em desacordo com a legislação, mesmo com autorização de AIDFM. Art. 24. As Notas e Recibos Fiscais poderão conter outros elementos, dados ou informações adicionais, como condições de pagamento, prazo de entrega, local da prestação ou outros elementos que se fizerem necessários, inclusive em formato de nota fiscal fatura. Parágrafo único. No caso da adição de novos elementos, dados e informações, estabelecidas no presente Decreto, poderão ser alteradas, a critério do fisco municipal, desde que o contribuinte antes da solicitação da AIDFM, protocole o modelo, formato e as razões para tais alterações. Art. 25. As Notas Fiscais e Recibos Fiscais de Serviços, séries "A" e "F", com os selos de autenticidades, terão o prazo de validade de 36 (trinta e seis meses), contado da data da expedição da AIDFM. 1º Será permitido a utilização das Notas Fiscais e Recibos Fiscais de Serviços, séries "A" e "F", tanto convencional quanto conjugada, sem o selo de autenticidade, até o dia 31 de agosto de º As Notas Fiscais e Recibos Fiscais de Serviços fora dos prazos de validade acima estipulados, serão consideradas inidôneas. 1

11 3º A Nota Fiscal de Serviços Prestados Conjugada, poderá ser utilizada até o dia 31 de agosto de 2011, quando o contribuinte deverá optar pela Nota Fiscal de Serviços Prestados série "A", convencional ou NF-e. Art. 26. Estão dispensados da emissão das Notas Fiscais de Serviços Prestados, os prestadores de serviços previstos nos itens 15 e 22, do art. 1º, da Lei Complementar nº 192/05. Fiscal de Serviços Prestados: aplicada; Art. 27. É obrigatório o destaque no corpo da Nota I - do valor retido do ISSQN e da respectiva alíquota II - para os contribuintes optantes pelo Simples Nacional, as seguintes informações, conforme o caso: a) "DOCUMENTO EMITIDO POR ME OU EPP OPTANTES PELO SIMPLES NACIONAL"; ICMS, ISS E DE IPI"; b) "NÃO GERA DIREITO A CREDITO FISCAL DE c) DOCUMENTO EMITIDO POR MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL, NÃO HÁ RETENÇÃO DO ISS CONFORME LC 128/2008. Art. 28. A Nota Fiscal de Serviços Prestados, deverá constar espaço suficiente para apor tanto o selo fiscal de autenticidade que trata o artigo 34 e seus parágrafos deste Decreto, como a frase CO SULTE A AUTE TICIDADE DESTE DOCUME TO O SITE Art. 29. É obrigatório no ato do cancelamento da inscrição, juntar os talonários das Notas Fiscais em branco para inutilização. Art. 30. O "Romaneio de Serviços", apenso a Nota Fiscal de Serviços Prestados série A será confeccionado conforme ANEXO VII. Parágrafo único. O "Romaneio de Serviços" é opcional e deverá ser requerido pelo prestador de serviço para utilização. Art. 31. Os descontos cedidos em Notas Fiscais de prestação de serviços somente poderão ser deduzidas da base de cálculo do ISSQN, quando pactuada anteriormente a contratação dos serviços, sendo vedado qualquer desconto incondicional para essa finalidade. SEÇÃO III DA OTA FISCAL ELETRÔ ICA DE SERVIÇOS PRESTADOS F-e 1

12 Art. 32. A partir de 1º de maio de 2011, fica instituída no Município de Mogi Mirim a Nota Fiscal Eletrônica de Serviços Prestados NF-e, documento emitido e armazenado eletronicamente pelo sistema denominado SIG-ISS, com o objetivo de registrar as operações relativas à prestação de serviços, contendo as seguintes informações: I - número seqüencial; II - código de verificação de autenticidade; III - data e hora da emissão; IV - identificação do prestador de serviços, com: a) Nome ou razão social; b) Endereço; c) correio eletrônico ; CNPJ; CCM; d) Inscrição no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica - e) Inscrição no Cadastro de Contribuintes Mobiliários - V - identificação do tomador de serviços, com: a) nome ou razão social; b) endereço; c) correio eletrônico ; d) inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas - CPF ou no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica - CNPJ; VI - discriminação do serviço; VII - valor total da NF-e; VIII - valor da dedução se houver; IX - valor da base de cálculo; X - código do serviço; XI - alíquota e valor do ISSQN; ISSQN, quando for o caso; caso; XII - indicação de isenção ou imunidade relativa ao XIII - indicação de serviço não tributável, quando for o 1

13 for o caso; substituição. XIV - indicação de retenção de ISSQN na fonte, quando XV - número e data do documento emitido, nos casos de 1º A NF-e conterá, no cabeçalho, as expressões: a) Prefeitura do Município de Mogi Mirim ; b) Nota Fiscal Eletrônica de Serviços Prestados - NFe, e o endereço eletrônico Oficial do Município 2º O número da NF-e será gerado pelo sistema, em ordem crescente sequencial, sendo específico para cada contribuinte prestador de serviços. 3º A identificação do tomador de serviços de que trata o inciso V do Caput deste artigo é opcional para: I - as pessoas físicas; mesmo inciso V. II as pessoas jurídicas, somente quanto à alínea c do Art. 33. Os prestadores de serviços inscritos no Cadastro de Contribuintes Mobiliários - CCM, poderão optar pela emissão da NF-e, devendo efetuar a solicitação através do SIG-ISS, mediante a utilização de Senha Pessoal. 1º. A Divisão em Gestão de Auditoria Fiscal comunicará aos contribuintes, por , a deliberação sobre o pedido de autorização. 2º. Os prestadores de serviços que optarem pela NF-e iniciarão sua emissão no dia seguinte ao do deferimento da autorização, devendo encaminhar todas as Notas Fiscais convencionais não emitidas à Divisão em Gestão de Auditoria Fiscal, para sua inutilização. Art. 34. A NF-e deverá ser emitida on-line, por meio da Rede mundial de computadores, através do SIG-ISS, somente pelos prestadores de serviços estabelecidos no Município de Mogi Mirim. 1º O contribuinte que emitir NF-e deverá fazê-lo para todas as prestações de serviços, especificando de forma individualizada cada tipo de serviço. 2º A NF-e emitida deverá ser impressa em via única, a ser entregue ao tomador de serviços, salvo se enviada por correio eletrônico, quando for solicitado. Art. 35. A NF-e poderá ser cancelada pelo emitente, através do SIG-ISS, até o encerramento da escrituração do período de competência. Parágrafo único. Após o encerramento da escrituração, a NF-e somente poderá ser cancelada por meio de processo administrativo. 1

14 Art. 36. No caso de eventual impedimento da emissão on-line da NF-e, o prestador de serviços emitirá Recibo Provisório de Serviços - RPS, que deverá constar os mesmos dados da Nota Fiscal de Serviços Prestados convencional, série A, previsto no artigo 17 deste decreto, constando o selo de autenticidade, em substituição da NF-e, que posteriormente deverá ser convertido em NF-e no prazo de 05 (cinco) dias. Parágrafo único. O Recibo Provisório de Serviços RPS, descritos no caput, deverá ser emitido em 02 (duas) vias. Art. 37 As NF-e emitidas poderão ser consultadas através do SIG-ISS, até que tenha transcorrido o prazo decadencial, na forma da lei. Parágrafo único. Após transcorrido o prazo previsto no caput, a consulta às NF-e emitidas somente poderá ser realizada mediante a solicitação de envio de arquivo em meio magnético. Art. 38. Os prestadores de serviços, bem como os tomadores ou intermediários de serviços, responsáveis ou não pelo recolhimento do ISSQN, ficam dispensados de efetuarem a escrituração eletrônica através do programa SIG-ISS, de que trata o artigo 47 deste Decreto, as NF-e emitidas ou recebidas. 1º O prestador de serviços deverá efetuar, obrigatoriamente, o encerramento da escrituração de NF-e, através do programa SIG-ISS, de forma manual, até o dia 5 (cinco) do mês subseqüente, visto que será escriturada de forma automática no dia 6 (seis) do mês subsequente. 2º O tomador de serviços deverá efetuar obrigatoriamente a confirmação dos lançamentos de NF-e recebidas, através do programa SIG-ISS, até o dia 5 (cinco) do mês subsequente, de forma a confirmar ou não a autenticidade do conteúdo lançado pelo prestador, para posterior encerramento. SEÇÃO IV DOS LIVROS DE REGISTRO SUBSEÇÃO I LIVRO DE REGISTRO DE SERVIÇOS PRESTADOS Art. 39. O Livro de Registro de Notas Fiscais de Serviços Prestados destina-se ao registro dos serviços prestados e apuração do imposto a ser recolhido, e conterá as seguintes indicações: I - dia, mês e ano; II - tipo do serviço prestado; III - nome do contribuinte prestador; IV numeração das Notas Fiscais convencionais ou NFe; V nome do tomador dos serviços, CNPJ ou CPF; VI - município da prestação dos serviços; 1

15 VII - preço do serviço; VIII - base de cálculo; IX - alíquota aplicada; X - imposto apurado; XI - valores não tributáveis, isentos ou não incidentes e abatimento de material, conforme 3º art. 49 do presente Decreto; XII - valor do imposto retido; XIII - soma dos valores; XIV observações. Registro de Serviços Prestados. Parágrafo único. É obrigatória a impressão do Livro de SUBSEÇÃO II LIVRO DE REGISTRO DE SERVIÇOS TOMADOS Art. 40. O Livro de Registro de Serviços Tomados destina-se ao registro dos serviços tomados e sua respectiva retenção e conterá as seguintes indicações: I - mês de competência e ano; II substituto tributário; III data cronológica; IV prestador dos serviços; V - numeração da nota fiscal; VI - serviços tomados; VII - CNPJ do prestador; VIII - município da prestação do serviço; IX - valor da prestação; X - alíquota aplicada; XI - imposto retido; XII soma; XIII observações; 1

16 XIV - valores não tributáveis, isentos ou não incidentes e abatimento de material, conforme 3º, art. 47 do presente Decreto; Registro de Serviços Tomados. Parágrafo único. É obrigatória a impressão do Livro de SUBSEÇÃO III OUTRAS DISPOSIÇÕES Art. 41. Findo o ano calendário civil, o contribuinte poderá encadernar ou emblocar os Livros e os guardar para exibição ao fisco municipal dentro do prazo legal. Art. 42. Os Livros serão processados por meio eletrônico através do programa SIG-ISS disponível no site da Prefeitura Municipal pelo próprio contribuinte de acordo com os artigos 32 e 33. Livros de forma manual. Parágrafo único. Não será permitida a escrituração dos CAPÍTULO V DO SELO FISCAL Art. 43. Fica criado o Selo Fiscal de Autenticidade de Notas Fiscais de Serviços, série A, Recibos, série F e RPS cujas características mínimas de confecção são: flexográfico ; I - impressão em quadricromia pelo método off-set ou II - aplicação de tarja holográfica de 6.4 mm de uso exclusivo no território brasileiro por parte do fabricante; invisíveis; remoção; randômica; III - impressão de duas tintas de segurança gráfica IV - cortes de segurança que impossibilitem a sua V - papel adesivado com numeração seqüencial e VI - outras características de segurança física e lógica. 1º O selo fiscal de autenticidade de Notas Fiscais deverá ser aplicado na 1ª (primeira via) de todas as Notas Fiscais / Recibos / RPS a serem utilizadas pelos Contribuintes do Município. 2º A aplicação ou oposição do mencionado Selo Fiscal de Autenticidade será de total responsabilidade das Gráficas Credenciadas conforme consta no artigo 6º deste Decreto. 1

17 3º Os Selos Fiscais de Autenticidade somente serão disponibilizados às Gráficas Credenciadas de acordo com o disposto neste artigo. 4º Será obrigatória a utilização do selo de autenticidade para as Notas Fiscais / Recibos / RPS, solicitados a partir de 1º de março de 2011, por meio eletrônico, através do SIG-ISS, disponível no site. Art. 44. As Gráficas previamente cadastradas e credenciadas na Prefeitura Municipal, deverão fazer a solicitação de Selos Fiscais de Autenticidade junto à Prefeitura Municipal, cuja quantidade será liberada em função da quantidade confeccionada de Documentos Fiscais para os Contribuintes estabelecidos no Município. Parágrafo único. A distribuição e a entrega dos Selos Fiscais de Autenticidade serão efetuadas pela Divisão em Gestão de Auditoria Fiscal. Art. 45. O uso indevido do selo fiscal de autenticidade, por parte da Gráfica cadastrada e credenciada, acarretará as seguintes penalidades: 1º Descredenciamento por prazo indeterminado da autorização para a confecção de Documentos Fiscais para Contribuintes do Município de Mogi Mirim; Auditores Fiscais do Município. 2º A responsabilidade será apurada e definida pelos Art. 46. Por este Decreto fica instituído o Controle de Autenticidade de Documentos fiscais através de consulta via rede mundial de computadores no endereço eletrônico da Prefeitura. Parágrafo único. A chave para a consulta de autenticidade será o número seqüencial e randômico impresso no respectivo Selo Fiscal de Autenticidade ou a assinatura eletrônica quando se tratar de Nota Fiscal Eletrônica; CAPÍTULO VI DA DECLARAÇÃO ME SAL DE MOVIME TO Art. 47. As Pessoas Jurídicas de direito público e privado, ainda que imunes ou isentas, inclusive da Administração indireta da União, dos Estados e do Município, bem como as Fundações instituídas pelo Poder Público, estabelecidas ou sediadas no Município de Mogi Mirim, ficam obrigadas a adotar a partir de 01 de março de 2011 o Sistema Integrado de Gerenciamento do ISSQN, programa SIG-ISS, Sistema Integrado de Gerenciamento do ISSQN, para processamento eletrônico de dados de suas declarações, apresentando mensalmente, via Rede mundial de computadores, a Declaração Mensal de Movimento, dos serviços prestados e/ou tomados. Parágrafo único. Inclui-se nessa obrigação o estabelecimento equiparado à pessoa jurídica. Art. 48. A Declaração Mensal de Movimento será gerada por programa específico, disponibilizado gratuitamente: 1

18 Parágrafo único. Via Rede mundial de computadores, no endereço eletrônico da Prefeitura do Município de Mogi Mirim. Art. 49. A apuração do imposto será feita através do programa SIG-ISS, até o dia 15 (quinze) do mês seguinte da emissão da Nota Fiscal de Serviços Prestados, sob a responsabilidade individual do contribuinte ou contabilista responsável, mediante lançamentos contábeis de suas operações tributáveis, os quais estarão sujeitas à posterior homologação da autoridade fiscal competente. 1º As Notas Fiscais ou Faturas, tributadas ou não, relativas aos Serviços Prestados deverão ser escrituradas mensalmente por meio do sistema SIG-ISS até o dia 15 do mês subsequente ao do mês da emissão da Nota Fiscal de Serviços Prestados, quando deverá ser efetuado o encerramento do período. 2º O imposto devido deverá ser recolhido até o dia 15 (quinze) do mês subseqüente da emissão da Nota Fiscal de Serviços Prestados, através do boleto bancário gerado pelo Sistema SIG-ISS. 3º O Contribuinte que deixar de escriturar ou escriturar de modo incorreto ou inverídico, ficará sujeito às sanções previstas na alínea h do inciso IV do artigo 42 da Lei Complementar nº 192/ º O sistema só emitirá a guia de ISSQN quando o valor do imposto apurado for superior a R$ 10,00 (dez reais), caso contrário, as escriturações fiscais serão acumuladas até que se atinja valor superior ao estabelecido, quando será emitida a guia correspondente. remissão do imposto. 5º A dispensa da emissão da guia não significa Art. 50. O contribuinte que não prestar ou tomar serviços dentro do mês, deverá informar obrigatoriamente, a ausência de movimentação econômica, através do campo Encerramento de Escrituração sem Movimento" do Sistema SIG-ISS. Art. 51. As instituições financeiras e estabelecimentos bancários, de crédito, financiamento e de investimento, em virtude da dispensa da emissão de Notas Fiscais de serviços, conforme art. 26 deste Decreto, ficam obrigados ao preenchimento da planilha disponível no programa SIG-ISS. 1º O Contribuintes mencionados no "caput" deverão manter arquivados os mapas analíticos das receitas tributáveis e os balancetes analíticos padronizados pelo Banco Central do Brasil. 2º Os mapas analíticos deverão conter o nome do estabelecimento, o número de ordem, o mês e o ano de competência, o número de inscrição municipal, a codificação contábil, a discriminação dos serviços e os valores mensais de receitas correspondentes. 1

19 CAPÍTULO VII DA SE HA DE ACESSO Art. 52. O acesso ao Sistema Integrado de Gerenciamento do ISSQN, SIG-ISS, será efetuado através de Senhas de Acesso que estarão disponibilizadas: I - na Divisão em Gestão de Auditoria Fiscal do Departamento Financeiro da Prefeitura de Mogi Mirim; II - serão enviadas pelo Correio a Senha Provisória que deverá ser substituída pela Senha Definitiva. Art. 53. Todos os Escritórios de Contabilidade, Contabilistas e Técnicos em Contabilidade que prestam ou executam serviços para Contribuintes do Município deverão, obrigatoriamente estar cadastrados no programa SIG-ISS para receber senha de acesso. Art. 54. O uso da Senha de Acesso no sistema SIG- ISS será de total e inteira responsabilidade dos titulares das mesmas. CAPITULO VIII DA RESPO SABILIDADE DO ISSQ RETIDO Art. 55. A retenção e o recolhimento do Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza (ISSQN), que alude o artigo 29, 1º da Lei Complementar nº 192/05, devera ser realizados pelo Tomador dos Serviços, na figura do Substituto Tributário, com relação aos serviços tomados de pessoas jurídicas, estabelecidas no município ou fora deste, mediante Escrituração Eletrônica por meio do Sistema Integrado de Gerenciamento do ISSQN - SIG-ISS. Art. 56. Para a retenção e o recolhimento do ISSQN deverão ser observados os seguintes critérios: I - quando o serviço for prestado, por pessoa jurídica domiciliada neste município, para tomador de fora, o recolhimento será de responsabilidade do prestador de serviço; II - quando o serviço for prestado por pessoa jurídica não estabelecida no município, para tomador de fora, cujo fato gerador ocorreu neste município, deverá ser recolhido pelo tomador do serviço; III - quando o serviço for prestado no município, por pessoa jurídica domiciliada ou não neste município, para tomador pessoa física, o imposto deverá ser recolhido pelo prestador do serviço; de julho de IV - demais casos na forma da lei municipal 192 de 14 1º Para os serviços de construção civil previsto nos itens 7.02 e 7.05, deverá ser retido pelo tomador dos serviços, salvo: I - quando houver o benefício da dedução dos materiais, o recolhimento deverá ser feito pelo prestador dos serviços; 1

20 II - quando o serviço for prestado para pessoa física, o recolhimento deverá ser feito pelo prestador dos serviços; III quando o serviço for prestado pelos contribuintes previstos no subitem Serviços de registros públicos, cartorários e notariais, o recolhimento deverá ser feito pelo prestador do serviço. 2º Para o benefício da dedução dos materiais, o prestador de serviços exibirá a documentação fiscal, perante a Divisão em Gestão de Auditoria Fiscal para análise e fornecimento de Guia Especial de Recolhimento do Imposto. 3º Entende-se por material fornecido aquele produzido pelo prestador dos serviços fora do local da obra, para incorporação a obra, que fica sujeito ao ICMS. 4º Serão desconsideradas para o benefício da dedução dos materiais, as notas que não contiverem o local da obra. 5º Fica dispensada a retenção na fonte dos serviços tomados dos contribuintes enquadrados como MEI Microempreendedor Individual. CAPITULO IX DAS REDUÇÕES DAS PE ALIDADES E DO JULGAME TO Art. 57. As penalidades sobre o descumprimento das obrigações principal e acessória sofrerão as seguintes reduções: I - redução do valor da multa sobre a obrigação principal nos termos do art. 41, da Lei Complementar 192/2005, sendo: a) em 30% (trinta por cento) para pagamento à vista efetuado até o 20. (vigésimo) dia seguinte à notificação do Auto de Infração e Imposição de Multa; b) em 20% (vinte por cento) para pagamento à vista efetuado até o 20. (vigésimo) dia seguinte a notificação da decisão em primeira instancia administrativa; c) em 10% (dez por cento) para pagamento à vista efetuado até o 20. (vigésimo) dia seguinte a notificação da decisão em segunda instância administrativa. II - redução do valor da multa sobre a obrigação acessória nos termos do 4º do art. 42, da Lei Complementara nº 192/2005, sendo: a) em até 50% (cinqüenta por cento) do montante das penalidades sobre o descumprimento das obrigações principal, desde que aplicadas conjuntamente, nos termos do art. 40 da Lei Complementar nº 192/05; 2

21 b) a redução acima do previsto no inciso anterior ou a exoneração das penalidades sobre o descumprimento das obrigações acessórias, aplicadas isoladamente ou em conjunto com as penalidades sobre o descumprimento das obrigações tributárias principal, somente ocorrerá por decisão fundamentada por autoridade competente, para atender a circunstâncias particularidades do caso concreto, levando-se em conta a gravidade da infração cometida e as condições econômicas e sociais do infrator, acompanhada sempre, sendo o caso, do pagamento do imposto devido, nos termos do art. 45 da Lei Complementar nº 192/2005. Art. 58. A autoridade competente que alude o art. 45, da Lei Complementar Municipal nº 192/05, para julgar, em Primeira Instância Administrativa, é o Diretor do Departamento Financeiro. 1º Para composição da decisão será levado em conta a gravidade da infração cometida e as condições econômicas e sociais do infrator, podendo inclusive ser ouvido o Departamento de Promoção Social. 2º A decisão concederá ou não a redução parcial ou total da multa aplicada pelo descumprimento de obrigação acessória. Art. 59. Da decisão que se refere o art. 54 do presente Decreto caberá petição voluntária ao Senhor Prefeito Municipal, dentro do prazo de 20 (vinte) dias contados da notificação, que em Segunda e Derradeira Instância Administrativa, depois de ouvida a Procuradoria Jurídica do Município, manterá ou não a primeira decisão. Art. 60. Somente terá efeito a concessão da redução da multa, fundamentada pela autoridade competente, se dentro do prazo de 20 (vinte) dias da notificação da decisão, for efetuado na íntegra o pagamento do imposto devido. Parágrafo único. Findo o prazo concedido e se não houver liquidado o débito do imposto, o infrator perderá o benefício alcançado, com imediata inscrição dos débitos integrais do descumprimento das obrigações acessórias como principal em Dívida Ativa. Art. 61. A autoridade fiscal competente que alude o 4º, do art. 27, da Lei Complementar Municipal nº 192/2005 é o Auditor Fiscal de Rendas, para composição do preço do serviço por meio de arbitramento. CAPÍTULO X DA LIBERAÇÃO DO HABITE-SE Art. 62. Para fins do contido no art. 8º, 3º da Lei Complementar Municipal nº 192/05, para a liberação do HABITE-SE, o proprietário do bem imóvel deverá juntar ao pedido no ato em que este for protocolado, os seguintes documentos: I - contratos firmados com empresas se houver; participaram da obra; Qualquer Natureza (ISSQN); II - relação dos profissionais autônomos que III - prova de pagamento do Imposto Sobre Serviço de IV - demais documentações fiscais pertinentes à obra. 2

22 1º Tais elementos serão confrontados com os constantes na pauta fiscal elaborada pelo Departamento de Planejamento e Desenvolvimento Urbano, baseado nos preços mínimos de mercado concorrente na praça, nos termos da Tabela I da Lei Municipal nº 1.485/84. 2º Confrontado os valores constantes na pauta fiscal com os valores apresentados no item III do art. 58 do presente Decreto, e havendo diferença do preço do serviço pautado e não tributado, o lançamento será realizado em nome do proprietário do imóvel, na qualidade de solidário responsável, nos termos do art. 33 da Lei Complementar Municipal 192/2005, tomando como mês de competência aquele do término das obras. 3º A guia especial será fornecida pela Setor de Cadastro Fiscal, da Divisão em Gestão Tributária. Complementar nº 192/ º Será aplicada alíquota nos termos do art. 10, da Lei 5º Satisfeito os valores constantes na pauta fiscal com os valores apresentados, será expedido o HABITE-SE. CAPÍTULO XI DO REGIME DE ESTIMATIVA Art. 63. Os valores estimados para os serviços previstos no inciso II, do art. 14 do presente Decreto, serão fixados para um período de 12 (doze) meses, ano calendário e prorrogado por igual período, sucessivamente. 1º Os valores das parcelas mensais serão fixados, no constante do inciso II do art. 14 do presente Decreto, e serão anualmente corrigidos pelo Índice de Preço ao Consumidor Amplo (IPCA) ou outro Índice oficial que o substitua. 2º Aplicando-se ao preço do serviço estimado a alíquota do art. 10 da Lei Complementar nº 192/ º O lançamento procedido por estimativa, não dispensa o contribuinte de emissão de Notas Fiscais, documentos fiscais, e respectiva escrituração em livro próprio de serviços prestados e tomados. 4º A autoridade fiscal poderá rever os valores estimados para determinado exercício ou período e, se for o caso, reajustar as prestações subseqüentes à revisão. 5º O enquadramento ou a suspensão do regime de estimativa, de modo geral, individual, por categoria, por estabelecimento, ou por grupos de atividades, poderá ocorrer a qualquer tempo, a critério da Administração Tributária, mesmo não tendo findado o exercício ou período. 6º Deixando de ser aplicado o regime de apuração do imposto por estimativa, por qualquer motivo ou a qualquer tempo, fica automaticamente enquadrado a tributação de forma variável, mensal, os termos do inciso III, do art. 15 do presente Decreto. 2

23 Art. 64. Feito o enquadramento do contribuinte no regime de estimativa, ou quando da revisão dos valores, o Departamento Financeiro Municipal notificá-lo-á do quantum do tributo fixado, do prazo e da importância das parcelas a serem mensalmente recolhidas. Art. 65. Para os contribuintes enquadrados no regime de estimativa, é assegurado o direito de revisão, no prazo de 30 (trinta) dias corridos, contados do recebimento da notificação. 1º A revisão dos lançamentos por estimativa deverá ser encaminhada ao Diretor Financeiro com a apresentação clara e precisa de todos os dados indispensáveis ao entendimento da situação de fato e deverá conter os seguintes elementos: I Alvará para Funcionamento; II Notas Fiscais de Prestação de Serviços, em uso e as em brancos não alcançados pela decadência; III Livro de Serviços Prestados; IV - Livro de Serviços Tomados; materiais consumidos; V - valor das matérias primas, combustíveis e outros VI total dos salários pago e ou terceirizados; sócios ou gerentes; larga e telefone; utilizados para a prestação dos serviços. VII total da remuneração dos diretores, proprietários, VIII total das despesas de água, energia elétrica, banda IX aluguel do imóvel e das máquinas e equipamentos 2º Quando a revisão que se trata o presente artigo, não contiver os elementos necessários, salvo se a inexatidão ou omissão for escusável pela autoridade julgadora, a revisão será declarada ineficaz e será determinado o arquivamento. 3º O pedido de revisão não terá efeito suspensivo e se houver alteração do valor, a diferença será compensada nos pagamentos seguintes ou, se for o caso, restituída. Art. 66. Findo o período estimado conforme preceitua o art. 57 do presente Decreto, e verificado qualquer diferença entre o montante recolhido e o apurado, será ela: I - se favorável ao fisco, recolhida dentro do prazo de 20 (vinte) dias, contados da data da notificação, pela repartição competente; II - se favorável ao contribuinte, restituída dentro do prazo de 20 (vinte) dias, ou compensada, desde que: 2

24 a) seja satisfeito o quanto exigido pelo art. 61, 1º e seus incisos I, II, III, IV, V, VI, VII, VIII e IX; inexistência de débito referente ao ISSQN. b) apresente provas de quitação, regularidade ou Art. 67. A autoridade competente para o enquadramento, suspensão e revisão dos valores no regime por estimativa é o Auditor Fiscal de Rendas. Art. 68. Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação, surtindo seus efeitos a partir de 1º de março de Art. 69. Revoga-se o Decreto nº 4.616/08. REGISTRE-SE, PUBLIQUE-SE E CUMPRA-SE Prefeitura de Mogi Mirim, 17 de fevereiro de CARLOS ELSO BUE O Prefeito Municipal GERSO LUIZ ROSSI Chefe de Gabinete ROBERTO DE OLIVEIRA JU IOR Diretor Financeiro REGI A CÉLIA SILVA Assessora Técnica em Legislação 2

PREFEITURA DO ALEGRETE-RS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE GOVERNO SEÇÃO DE LEGISLAÇÃO DECRETO Nº. 251, DE 26 DE MAIO DE 2014.

PREFEITURA DO ALEGRETE-RS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE GOVERNO SEÇÃO DE LEGISLAÇÃO DECRETO Nº. 251, DE 26 DE MAIO DE 2014. DECRETO Nº. 251, DE 26 DE MAIO DE 2014. Dá nova regulamentação ao gerenciamento eletrônico do ISSQN - Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza, a Escrituração Econômico-Fiscal e a emissão de Documento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE TREMEMBÉ (Lei Estadual n.º de 27 de dezembro de 1993)

PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE TREMEMBÉ (Lei Estadual n.º de 27 de dezembro de 1993) DECRET0 Nº 4.293, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2012. Regulamenta a Lei Complementar nº 225, de 28 de abril de 2011, de acordo com a LC 161 de 14 de dezembro de 2007, que dispõe sobre a instituição do Sistema Tributário

Leia mais

e) inscrição no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) ou no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF);

e) inscrição no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) ou no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF); DECRETO Nº 605, DE 15 DE JUNHO DE 2011. REGULAMENTA A LEI Nº 5.561, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2010, QUE INSTITUI A NOTA FISCAL DE SERVIÇO ELETRÔNICA E O RECIBO PROVISÓRIO DE SERVIÇOS O E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE PARAGUAÇU PAULISTA Estado de São Paulo DECRETO Nº 5.574, DE 7 DE OUTUBRO DE 2013

PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE PARAGUAÇU PAULISTA Estado de São Paulo DECRETO Nº 5.574, DE 7 DE OUTUBRO DE 2013 DECRETO Nº 5.574, DE 7 DE OUTUBRO DE 2013 Regulamenta a Lei Complementar Municipal nº 057/2005, Código Tributário do Município, e institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e). EDINEY TAVEIRA QUEIROZ,

Leia mais

Quinta-feira, 31 de Março de 2016 Edição N 913 Caderno I

Quinta-feira, 31 de Março de 2016 Edição N 913 Caderno I DECRETO N. 016 DE 16 DE MARÇO DE 2016. Institui e regulamenta o uso da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE PARATINGA, no uso das suas atribuições

Leia mais

DECRETO Nº 3.699, De 09 de Novembro de 2016

DECRETO Nº 3.699, De 09 de Novembro de 2016 DECRETO Nº 3.699, De 09 de Novembro de 2016 REGULAMENTA A LEI Nº 3.870/2014 E INSTITUI A NOTA FISCAL AVULSA DE SERVIÇOS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. CONSIDERANDO a instituição da Nota Fiscal de Serviço Eletrônica

Leia mais

Prefeitura Municipal de Água Fria

Prefeitura Municipal de Água Fria quinta-feira, 16 de julho de 2015 Ano V - Edição nº 00330 Caderno 1 Diário Oficial do Município 003 Decreto DECRETO Nº 0076/2015, DE 15 DE JULHO DE 2015. DISPÕE SOBRE A INSTITUIÇÃO DA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA, Estado do Piauí, no uso das atribuições legais que lhe confere a Lei Orgânica do Município, e

O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA, Estado do Piauí, no uso das atribuições legais que lhe confere a Lei Orgânica do Município, e DECRETO Nº 9.540, DE 17 DE AGOSTO DE 2009. Disciplina a emissão da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e e dá outras providências, nos termos que especifica. O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA, Estado

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e Considera-se Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e), o documento emitido e armazenado eletronicamente em sistema próprio da Prefeitura do Município de São Paulo,

Leia mais

DECRETO Nº , DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015.

DECRETO Nº , DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015. DECRETO Nº 19.269, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece o Calendário Fiscal de Arrecadação dos Tributos Municipais, o valor da Unidade Financeira Municipal (UFM) e os preços do metro quadrado de terrenos

Leia mais

SEMINÁRIO REGIONAL MACEIÓ/AL

SEMINÁRIO REGIONAL MACEIÓ/AL SEMINÁRIO REGIONAL MACEIÓ/AL ISS - OS FATORES QUE ALTERAM A BASE DE CÁLCULO PALESTRANTE: Ricardo Cavalcante Antas Auditor Fiscal SMF Maceió/AL. 07 e 08 de agosto 2012. FATORES QUE ALTERAM A B.C. Imunidade

Leia mais

.Título V Das obrigações comuns..capítulo I Das disposições preliminares

.Título V Das obrigações comuns..capítulo I Das disposições preliminares .Título V Das obrigações comuns.capítulo I Das disposições preliminares Art. 98. É obrigação de todo contribuinte exibir os livros fiscais e comerciais, comprovantes da escrita e documentos instituídos

Leia mais

Prefeitura Municipal de Mairiporã Estado de São Paulo

Prefeitura Municipal de Mairiporã Estado de São Paulo Aprova a regulamentação do Sistema de I.S.S Eletrônico e dá outras providências O PREFEITO MUNICIPAL DE MAIRIPORÃ, Senhor ANTONIO SHIGUEYUKI AIACYDA, usando de suas atribuições legais, e Considerando que

Leia mais

ANO XXV ª SEMANA DE MAIO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 18/2014

ANO XXV ª SEMANA DE MAIO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 18/2014 ANO XXV - 2014-1ª SEMANA DE MAIO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 18/2014 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA DIPJ 2014 - PESSOAS JURÍDICAS E EQUIPARADAS - DISPOSIÇÕES GERAIS... Pág. 276 SIMPLES NACIONAL DASN-SIMEI

Leia mais

Pergunte à CPA Decreto /2015

Pergunte à CPA Decreto /2015 Pergunte à CPA Decreto 61.084/2015 Alterações no artigo 132-A: Artigo 132-A - Ressalvado o disposto no artigo 132, nas demais hipóteses previstas na legislação, tais como não-obrigatoriedade de uso de

Leia mais

I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES DECRETO Nº 1.239 de 17 de junho de 2011 Institui a nota fiscal de serviços eletrônica e o sistema eletrônico de escrituração fiscal. O Prefeito Municipal de Bragança Paulista, Dr. João Afonso Sólis, no

Leia mais

ANO XXVII ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 26/2016

ANO XXVII ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 26/2016 ANO XXVII - 2016-4ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 26/2016 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA DECLARAÇÃO SOBRE A OPÇÃO DE TRIBUTAÇÃO DE PLANOS PREVIDENCIÁRIOS DPREV 2016 INFORMAÇÕES GERAIS...

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI MUNICIPAL N. 1181 DE 25 DE NOVEMBRO DE 2010. Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Microempreendedor Individual. PREFEITO MUNICIPAL DE GRAMADO XAVIER, no uso das

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ENTRE RIOS ESTADO DA BAHIA C.G.C. nº / DECRETO N. 618/2014 De 06 de Novembro de 2014

PREFEITURA MUNICIPAL DE ENTRE RIOS ESTADO DA BAHIA C.G.C. nº / DECRETO N. 618/2014 De 06 de Novembro de 2014 DECRETO N. 618/2014 De 06 de Novembro de 2014 "Dispõe sobre a instituição do Regime Especial de Escrituração Fiscal e Recolhimento relativo ao ISSQN por meio de Sistemas Informatizados via internet no

Leia mais

LEI N Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a. seguinte lei:

LEI N Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a. seguinte lei: LEI N. 6.869 Altera, acrescenta e revoga dispositivos e tabelas que especifica, da Lei Municipal nº 1.389, de 27 de dezembro de 1966, que instituiu o Código Tributário do Município de Poços de Caldas,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Nota Fiscal Conjugada Rio Grande do Sul

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Nota Fiscal Conjugada Rio Grande do Sul Nota Fiscal Conjugada Rio Grande do Sul 02/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1. Definição... 7 3.2. Previsão

Leia mais

DECRETA: CAPÍTULO I DA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-e. Seção I Da Definição e Formalidades

DECRETA: CAPÍTULO I DA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-e. Seção I Da Definição e Formalidades DECRETO Nº 9.353, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011. REGULAMENTA A LEI Nº 784, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2010, QUE INSTITUI A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-E E DISPÕE SOBRE A GERAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE CRÉDITOS

Leia mais

Página 1 de 6 Instrução Normativa RFB nº 1.027, de 22 de abril de 2010 DOU de 23.4.2010 Altera a Instrução Normativa RFB nº 971, de 13 de novembro de 2009, que dispõe sobre normas gerais de tributação

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011

Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011 Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011 DOU de 17.10.2011 Dispõe sobre procedimentos fiscais dispensados aos consórcios constituídos nos termos dos arts. 278 e 279 da Lei nº 6.404, de

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VIAMÃO DECRETO EXECUTIVO Nº 030/2016.

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VIAMÃO DECRETO EXECUTIVO Nº 030/2016. DECRETO EXECUTIVO Nº 030/2016. INSTITUI E REGULAMENTA A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e) COM BASE NA LEI MUNICIPAL Nº 4.472/2016 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE VIAMÃO, Estado

Leia mais

DECRETO Nº 4.042/2016

DECRETO Nº 4.042/2016 DECRETO Nº 4.042/2016 INSTITUI O SISTEMA ELETRÔNICO DE ESCRITURAÇÃO FISCAL SEEF, A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-E - A DECLARAÇÃO MENSAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA DMS-E E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e)

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e) Manual de Acesso ao Sistema Pessoa Física Sistema desenvolvido por Tiplan Tecnologia em Sistema de Informação. Todos os direitos reservados. http://www.tiplan.com.br Página 2 de 23 Índice ÍNDICE... 2 1.

Leia mais

Artigo 1º. Passa a Lei Complementar 118, de 21 de novembro de 2002 (Código Tributário Municipal), a viger com as seguintes alterações:

Artigo 1º. Passa a Lei Complementar 118, de 21 de novembro de 2002 (Código Tributário Municipal), a viger com as seguintes alterações: Lei Complementar N.º 185, de 25 de Julho de 2007 ALTERA A LEI COMPLEMENTAR Nº 118, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2002 CÓDIGO TRIBUTÁRIO MUNICIPAL RUBENS FURLAN, Prefeito do Município de Barueri, usando das atribuições

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e)

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e) Manual de Acesso ao Sistema Pessoa Física Todos os dados e valores apresentados neste manual são ficticios. Qualquer dúvida consulte a legislação vigente. Sistema desenvolvido por Tiplan Tecnologia em

Leia mais

Índice O Que é ISS Digital?

Índice O Que é ISS Digital? Índice O Que é ISS Digital? 1.0 Cadastro de Empresas Contribuintes 1.1 Cadastro On-line de Prestadores 1.2 Consulta ao CEC (ConCEC) 1.3 Empresas de Fora do Município 1.4 Consulta ao CEF (ConCEF) 1.5 Tomadores:

Leia mais

Altera a Lei nº ,de 27 de dezembro de 1999, que dispõe sobre a Agência Goiana de Regulação, Controle e Fiscalização de Serviços Públicos.

Altera a Lei nº ,de 27 de dezembro de 1999, que dispõe sobre a Agência Goiana de Regulação, Controle e Fiscalização de Serviços Públicos. GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação LEI Nº 16.653, DE 23 DE JULHO DE 2009 Altera a Lei nº 13.569,de 27 de dezembro de 1999, que dispõe sobre a Agência

Leia mais

Page 1 of 5 RICMS 2000 - Atualizado até o Decreto 55.438, de 17-02-2010. SEÇÃO II - DAS OPERAÇÕES COM ÁLCOOL CARBURANTE SUBSEÇÃO I - DAS OPERAÇÕES COM ÁLCOOL ETÍLICO HIDRATADO CARBURANTE Artigo 418 - Na

Leia mais

SISTEMA ISS - CURITIBA LIVRO ELETRÔNICO

SISTEMA ISS - CURITIBA LIVRO ELETRÔNICO PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS DEPARTAMENTO DE RENDAS MOBILIÁRIAS SISTEMA ISS - CURITIBA LIVRO ELETRÔNICO EMPRESAS Curitiba 2008 2 1 - CONCEITO O Sistema ISS Curitiba

Leia mais

EXIGÊNCIAS/ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PARA AS CONTRATAÇÕES DE SERVIÇOS DA ALCOA & COLIGADAS

EXIGÊNCIAS/ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PARA AS CONTRATAÇÕES DE SERVIÇOS DA ALCOA & COLIGADAS a EXIGÊNCIAS/ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PARA AS CONTRATAÇÕES DE SERVIÇOS DA ALCOA & COLIGADAS I) Dados cadastrais a) Razão Social: b) CNPJ: c) Inscrição Estadual: d) Inscrição Municipal: e) Endereço: f) Cidade:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO CABO DE SANTO AGOSTINHO Secretaria Executiva de Finanças e Arrecadação

PREFEITURA MUNICIPAL DO CABO DE SANTO AGOSTINHO Secretaria Executiva de Finanças e Arrecadação PREFEITURA MUNICIPAL DO CABO DE SANTO AGOSTINHO Secretaria Executiva de Finanças e Arrecadação DEMS DECLARAÇÃO ELETRÔNICA MENSAL DE SERVIÇOS LAYOUT DO ARQUIVO DE REMESSA Data da atualização: 15/05/2008

Leia mais

Formulário Consulta Pública RFB. Apresentação e orientações

Formulário Consulta Pública RFB. Apresentação e orientações BAPTISTA LUZ ADVOGADOS R. Ramos Batista. 444. Vila Olímpia 04552-020. São Paulo SP baptistaluz.com.br Formulário Consulta Pública RFB Apresentação e orientações Este Formulário tem a finalidade de receber

Leia mais

Caso não consiga visualizar este , acesse o link: 0231/11

Caso não consiga visualizar este  , acesse o link:  0231/11 Página 1 de 5 Caso não consiga visualizar este e-mail, acesse o link: 0231/11 05/12/2011 SIMPLES NACIONAL - CONSOLIDAÇÃO DAS NORMAS E REGULAMENTAÇÃO DA LC 139/2011 Senhor Presidente, No dia 1º de dezembro

Leia mais

Escrituração fiscal das escolas no Simples Nacional

Escrituração fiscal das escolas no Simples Nacional Diogo José Mendes Tenório Auditor Fiscal de Tributos Municipais Escrituração fiscal das escolas no Simples Nacional Conforme: Lei Complementar 123/2006; Resolução do CGSN nº 94/2011 O que será abordado?

Leia mais

ANEXO V. Manual de Preenchimento da Nova Guia de ISS

ANEXO V. Manual de Preenchimento da Nova Guia de ISS ANEXO V Manual de Preenchimento da Nova Guia de ISS A partir de 01/03/2005, a Nova Guia de Recolhimento do ISS passa a ser a única forma de recolhimento espontâneo do Imposto Sobre Serviços devido por

Leia mais

Instrução Normativa nº 19, (DOE de 04/07/03)

Instrução Normativa nº 19, (DOE de 04/07/03) Instrução Normativa nº 19, (DOE de 04/07/03) Estabelece procedimentos relativos a operações de saídas de mercadorias com o fim específico de exportação O Secretário da Fazenda do Estado do Ceará, no uso

Leia mais

SUBSTITUTO TRIBUTÁRIO

SUBSTITUTO TRIBUTÁRIO MANUAL DO SUBSTITUTO TRIBUTÁRIO S I NS OT N VE OM VA S O IE S L T IE S T MR E A MÔ D AN EI DC EO d e N ov a Fr i b u r g o Senhor Contribuinte, A Lei Complementar 025/2006 prevê em seu artigo 28, a responsabilidade,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2003

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2003 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2003 Altera a legislação do Imposto de Renda relativamente à concessão de benefícios fiscais para as doações destinadas à assistência e promoção social. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

CAPÍTULO I Do Sistema Eletrônico de Gestão do ISSQN

CAPÍTULO I Do Sistema Eletrônico de Gestão do ISSQN Decreto nº 4.239, de 21 de outubro de 2014. Regulamenta as disposições do Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza ISSQN, contidas na Lei Complementar nº 3.345, de 18 de dezembro de 2003, institui o

Leia mais

Resolução SEMAC nº 20 DE 23/10/2014

Resolução SEMAC nº 20 DE 23/10/2014 Resolução SEMAC nº 20 DE 23/10/2014 Norma Estadual - Mato Grosso do Sul Publicado no DOE em 24 out 2014 Regulamenta dispositivos da Lei n. 11.959, de 29 de junho de 2009 relativo ao registro dos pescadores

Leia mais

CONSIDERANDO o disposto no art. 14-A e no inciso IV do art. 26 da Lei nº , de 5 de junho de 2001;

CONSIDERANDO o disposto no art. 14-A e no inciso IV do art. 26 da Lei nº , de 5 de junho de 2001; ANTT - AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA RESOLUÇÃO Nº /06 DATA: /10/2006 Estabelece procedimentos de registro e fiscalização, institui infrações e sanções referentes ao Registro Nacional

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 7 DE 22 DE NOVEMBRO DE 2007 Dispõe sobre o registro de empresas de trabalho temporário. O Secretário de Relações do Trabalho

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 7 DE 22 DE NOVEMBRO DE 2007 Dispõe sobre o registro de empresas de trabalho temporário. O Secretário de Relações do Trabalho INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 7 DE 22 DE NOVEMBRO DE 2007 Dispõe sobre o registro de empresas de trabalho temporário. O Secretário de Relações do Trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego, no uso da atribuição

Leia mais

RESOLUÇÃO SMF Nº 2.670, DE 27 DE JUNHO DE [Publicada no D.O. Rio de 28 de junho de 2011]

RESOLUÇÃO SMF Nº 2.670, DE 27 DE JUNHO DE [Publicada no D.O. Rio de 28 de junho de 2011] RESOLUÇÃO SMF Nº 2.670, DE 27 DE JUNHO DE 2011. [Publicada no D.O. Rio de 28 de junho de 2011] Altera a Resolução SMF nº 2.617, de 17 de maio de 2010, estabelecendo novas regras relativas à emissão da

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVO. Facilitar o cumprimento das obrigações fiscais pelo contribuinte do ICMS.

INTRODUÇÃO OBJETIVO. Facilitar o cumprimento das obrigações fiscais pelo contribuinte do ICMS. REGIME ESPECIAL INTRODUÇÃO OBJETIVO Facilitar o cumprimento das obrigações fiscais pelo contribuinte do ICMS. Ex.: emissão de notas fiscais, recolhimento ICMS ST, ICMS Importação; É importante salientar

Leia mais

Lauro de Freitas DECRETO Nº DE 20 DE JANEIRO DE 2015.

Lauro de Freitas DECRETO Nº DE 20 DE JANEIRO DE 2015. 2 - Ano III - Nº 291 Decretos DECRETO Nº 3.824 DE 20 DE JANEIRO DE 2015. Institui a Certidão de Regularidade Fiscal da Construção Civil CRFCC. O PREFEITO MUNICIPAL DE LAURO DE FREITAS, Estado da Bahia,

Leia mais

Tomador Versão 2.3 (06/2016)

Tomador Versão 2.3 (06/2016) Tomador Versão 2.3 (06/2016) Sumário INTRODUÇÃO... 3 APRESENTAÇÃO... 3 O QUE É GISSONLINE?... 3 FILOSOFIA DA GISSONLINE... 3 BENEFÍCIOS QUE A GISSONLINE OFERECE... 3 1º ACESSO DE EMPRESAS ESTABELECIDAS

Leia mais

EDITAL Nº 20/2010 CHAMAMENTO PARA INSCRIÇÃO CURSO DE FISCALIZAÇÃO DO ISS

EDITAL Nº 20/2010 CHAMAMENTO PARA INSCRIÇÃO CURSO DE FISCALIZAÇÃO DO ISS EDITAL Nº 20/2010 CHAMAMENTO PARA INSCRIÇÃO CURSO DE FISCALIZAÇÃO DO ISS 1. OBJETIVO DO CURSO Reunir estudos, jurisprudências, doutrinas e informações sobre a tributação do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

Simples Nacional 1 Hugo Medeiros de Goes

Simples Nacional 1 Hugo Medeiros de Goes Hugo Medeiros de Goes SIMPLES NACIONAL (2ª parte) De acordo com a Lei Complementar nº 123, de 14/12/2006 (arts. 12 e 88), em 1º de julho de 2007, entra em vigor o Regime Especial Unificado de Arrecadação

Leia mais

PORTARIA MPS/MF Nº 333, DE 29 DE JUNHO DE 2010 (DOU )

PORTARIA MPS/MF Nº 333, DE 29 DE JUNHO DE 2010 (DOU ) PORTARIA MPS/MF Nº 333, DE 29 DE JUNHO DE 2010 (DOU 30.06.2010) Dispõe sobre o salário mínimo e o reajuste dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS e dos demais valores constantes

Leia mais

Obrigações Acessórias Hipóteses e limites. Efeitos do descumprimento.

Obrigações Acessórias Hipóteses e limites. Efeitos do descumprimento. Simples Nacional em Debate Obrigações Acessórias Hipóteses e limites. Efeitos do descumprimento. Patrícia Lenz Koinaski Porto Alegre, 1º/10/2007 INSCRIÇÃO, OPÇÃO E CADASTRO Obrigação de inscrição nos entes

Leia mais

RESOLUÇÃO CGSN Nº 60, DE 22 DE JUNHO DE 2009

RESOLUÇÃO CGSN Nº 60, DE 22 DE JUNHO DE 2009 DOU 24.06.2009 RESOLUÇÃO CGSN Nº 60, DE 22 DE JUNHO DE 2009 Altera as Resoluções CGSN n 4, de 30 de maio de 2007, n 10, de 28 de junho de 2007, n 18, de 10 de agosto de 2007, n 51, de 22 de dezembro de

Leia mais

PORTARIA CONJUNTA PGFN/RFB Nº 3, DE 02 DE MAIO DE DOU DE 02/05/2007- EDIÇÃO EXTRA

PORTARIA CONJUNTA PGFN/RFB Nº 3, DE 02 DE MAIO DE DOU DE 02/05/2007- EDIÇÃO EXTRA PORTARIA CONJUNTA PGFN/RFB Nº 3, DE 02 DE MAIO DE 2007 - DOU DE 02/05/2007- EDIÇÃO EXTRA Alterado pela PORTARIA CONJUNTA PGFN/RFB Nº 1, DE 20 DE JANEIRO DE 2010 - DOU DE 22/01/2010 Dispõe sobre a prova

Leia mais

DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012.

DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012. DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012. Regulamenta o uso da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica no ISSQN, a forma e o prazo de recolhimento dos tributos municipais e respectivos acréscimos perante o Código

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE LAURO DE FREITAS, Estado da Bahia, no uso de suas atribuições legais, DECRETA: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

O PREFEITO MUNICIPAL DE LAURO DE FREITAS, Estado da Bahia, no uso de suas atribuições legais, DECRETA: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DECRETO N o 3.594 DE 14 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o art. 5 da Lei Municipal 618, de 16 de maio de 1990, na forma que indica e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE LAURO DE FREITAS, Estado

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 As concessões de empréstimo, financiamento e renegociações devem obedecer as regras estipuladas nesta política. 8.1 - Crédito Pessoal a) Finalidade Empréstimo sem justificativa específica. b) de pagamento

Leia mais

Emitir Notas (NFS-e) - Fly e-nota

Emitir Notas (NFS-e) - Fly e-nota Emitir Notas (NFS-e) - Fly e-nota 1. Como emitir Notas Fiscais no Fly e-nota Para emissão de NFS-e, é necessário que o prestador esteja devidamente autorizado a realizar este processo. Após acessar o módulo

Leia mais

DECRETO Nº 872, DE 11 DE ABRIL DE 2012.

DECRETO Nº 872, DE 11 DE ABRIL DE 2012. DECRETO Nº 872, DE 11 DE ABRIL DE 2012. Institui e regulamenta a nota fiscal de serviços eletrônica (NFS-e) e o sistema eletrônico de escrituração fiscal, e dá outras providências. ROBERTO RAMALHO TAVARES,

Leia mais

Assim, fica revogada a Portaria nº 550, de 12/03/2010 que, até então, Estabelecia as instruções para prorrogação do contrato de Trabalho temporário.

Assim, fica revogada a Portaria nº 550, de 12/03/2010 que, até então, Estabelecia as instruções para prorrogação do contrato de Trabalho temporário. DEPARTAMENTO JURÍDICO ORIENTAÇÃO CONTRATO DE TRABALHO TEMPORÁRIO FOI PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO DE 03/07/14 A PORTARIA Nº 789 DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO que Estabelece Instruções para

Leia mais

Procedimento. Levantamento de Estoque e recolhimento do imposto. Contribuintes sujeitos ao Regime Periódico de Apuração - RPA

Procedimento. Levantamento de Estoque e recolhimento do imposto. Contribuintes sujeitos ao Regime Periódico de Apuração - RPA Procedimento Levantamento de Estoque e recolhimento do imposto Contribuintes sujeitos ao Regime Periódico de Apuração - RPA O contribuinte substituído, sujeito ao Regime Periódico de Apuração - RPA que,

Leia mais

PORTARIA ANP Nº 202, DE DOU REPUBLICADA DOU

PORTARIA ANP Nº 202, DE DOU REPUBLICADA DOU PORTARIA ANP Nº 202, DE 30.12.1999 - DOU 31.12.1999 - REPUBLICADA DOU 3.5.2004 Estabelece os requisitos a serem cumpridos para acesso a atividade de distribuição de combustíveis líquidos derivados de petróleo,

Leia mais

Instruções NFS-e DESENVOLVENDO SOLUÇÕES. Autora: Eliane e Laila Maria Doc. Vrs. 02 Revisão: Laila Maria e Eliane Aprovado em: dezembro de 2015.

Instruções NFS-e DESENVOLVENDO SOLUÇÕES. Autora: Eliane e Laila Maria Doc. Vrs. 02 Revisão: Laila Maria e Eliane Aprovado em: dezembro de 2015. DESENVOLVENDO SOLUÇÕES Autora: Eliane e Laila Maria Doc. Vrs. 02 Revisão: Laila Maria e Eliane Aprovado em: dezembro de 2015. Nota de copyright Copyright 2015 Teorema Informática, Guarapuava. Todos os

Leia mais

PORTARIA N 126, DE 30 DE JULHO DE 1999

PORTARIA N 126, DE 30 DE JULHO DE 1999 PORTARIA N 126, DE 30 DE JULHO DE 1999 Estabelece a regulamentação para a atividade de produção ou importação de óleo lubrificante acabado a ser exercida por pessoa jurídica sediada no País, organizada

Leia mais

ANO XXVII ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 25/2016

ANO XXVII ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 25/2016 ANO XXVII - 2016-3ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 25/2016 IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA IRPF - COMUNICAÇÃO DE SAÍDA DEFINITIVA DO PAÍS - 2016 - NORMAS GERAIS... Pág. 360 IMPOSTO DE RENDA

Leia mais

CIRCULAR Nº 63. 1) o deferimento de empréstimo de soma utilizável de uma só vez, parceladamente ou sob a forma de conta corrente;

CIRCULAR Nº 63. 1) o deferimento de empréstimo de soma utilizável de uma só vez, parceladamente ou sob a forma de conta corrente; Às Instituições Financeiras e Seguradoras CIRCULAR Nº 63 Comunicamos que a Diretoria em sessão de 19-12-1966, com base na Lei nº 5.143, de 20-10-66, e considerando as disposições da Resolução nº 40, de

Leia mais

Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 99 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2008(*) Dispõe sobre controle de importações e exportações de substâncias

Leia mais

CONVÊNIO ICMS 142/02

CONVÊNIO ICMS 142/02 CONVÊNIO ICMS 142/02 Altera o Convênio ICMS 57/95, de 28.06.95, que dispõe sobre a emissão de documentos fiscais e a escrituração de livros fiscais por contribuinte usuário de sistema eletrônico de processamento

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 568, DE 31 DE DEZEMBRO DE DOU DE 03/01/2011

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 568, DE 31 DE DEZEMBRO DE DOU DE 03/01/2011 PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 568, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2010 - DOU DE 03/01/2011 Dispõe sobre o reajuste dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS e dos demais valores

Leia mais

Prefeitura de Júlio de Castilhos

Prefeitura de Júlio de Castilhos DECRETO Nº 6.012 DE 15 DE JANEIRO DE 2016 Regulamenta a Lei 3.112 de 16 de outubro de 2013 que dispõe sobre o exercício das atividades de mototáxi e motofrete no município de Júlio de Castilhos e da outras

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA Consolidado, alterado pelo Decreto: 18829, de 05.05.14 DOE nº 2450, de 05.05.14 GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA DECRETO N. 18426, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2013. PUBLICADO NO DOE Nº 2358, DE 10.12.13 Institui

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.343, de 5 de abril de 2013

Instrução Normativa RFB nº 1.343, de 5 de abril de 2013 Instrução Normativa RFB nº 1.343, de 5 de abril de 2013 DOU de 8.4.2013 Dispõe sobre o tratamento tributário relativo à apuração do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física (IRPF) aplicável aos valores pagos

Leia mais

Estado de Santa Catarina GOVERNO MUNICIPAL DE IPUMIRIM

Estado de Santa Catarina GOVERNO MUNICIPAL DE IPUMIRIM LEI COMPLEMENTAR Nº 84, de 20 de Maio de 2010. Dispõe sobre a Lei Geral do Simples Nacional, em conformidade com a Lei Complementar Federal nº 123, de 14 de dezembro de 2006 e alterações; dá outras providências.

Leia mais

Construção Civil Versão 2.3 (04/2016)

Construção Civil Versão 2.3 (04/2016) Construção Civil Versão 2.3 (04/2016) Sumário INTRODUÇÃO... 3 APRESENTAÇÃO... 3 O QUE É GISSONLINE?... 3 FILOSOFIA DA GISSONLINE... 3 BENEFÍCIOS QUE A GISSONLINE OFERECE... 3 1º ACESSO DE EMPRESAS ESTABELECIDAS

Leia mais

DECRETO Nº 659 DE 26 DE MAIO DE 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE TUPANDI, no uso de suas atribuições legais, D E C R E T A

DECRETO Nº 659 DE 26 DE MAIO DE 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE TUPANDI, no uso de suas atribuições legais, D E C R E T A DECRETO Nº 659 DE 26 DE MAIO DE 2014. REGULAMENTA A LEI MUNICIPAL N.º 1.209, DE 02 DE MAIO DE 2014, QUE INSTITUI A NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS, A DECLARAÇÃO ELETRÔNICA DE SERVIÇOS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 773, DE 8 DE OUTUBRO DE 2015.

LEI COMPLEMENTAR Nº 773, DE 8 DE OUTUBRO DE 2015. LEI COMPLEMENTAR Nº 773, DE 8 DE OUTUBRO DE 2015. Institui o Programa de Recuperação Fiscal Refispoa 2015 e revoga a Lei nº 11.428, de 30 de abril de 2013. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Faço saber

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAMBUÍ Praça Mozart Torres, 68 Bairro Centro Cep.: 38.900-000 BAMBUÍ - MG CNPJ: 20.920.567/0001-93

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAMBUÍ Praça Mozart Torres, 68 Bairro Centro Cep.: 38.900-000 BAMBUÍ - MG CNPJ: 20.920.567/0001-93 . DECRETO Nº 1.763 DE 18 DE MARÇO DE 2014. PREFEITO MUNICIPAL DE BAMBUÍ, em vigor, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais, DECRETA: CAPÍTULO I DO SISTEMA ELETRÔNICO DE GESTÃO DO ISSQN

Leia mais

PORTARIA Nº 129/2016-SEFAZ

PORTARIA Nº 129/2016-SEFAZ PORTARIA Nº 129/2016-SEFAZ Altera a Portaria n 005/2014-SEFAZ, de 30/01/2014 (DOE 31/01/2014), que dispõe sobre o Cadastro de Contribuintes do ICMS do Estado de Mato Grosso e dá outras providências. O

Leia mais

Prestador Versão 2.3 (03/2016)

Prestador Versão 2.3 (03/2016) Prestador Versão 2.3 (03/2016) Sumário INTRODUÇÃO... 4 APRESENTAÇÃO... 4 O QUE É GISSONLINE?... 4 FILOSOFIA DA GISSONLINE... 4 BENEFÍCIOS QUE A GISSONLINE OFERECE... 4 1º ACESSO DE EMPRESAS ESTABELECIDAS

Leia mais

Assunto: Contabilização do pagamento da Contribuição ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIS/PASEP

Assunto: Contabilização do pagamento da Contribuição ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIS/PASEP Nota Técnica n 003/2012/GECON Vitória, 08 de Março de 2012. Assunto: Contabilização do pagamento da Contribuição ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIS/PASEP

Leia mais

Prefeitura Municipal de São José dos Campos - Estado de São Paulo - DECRETO N , DE 2 DE MARÇO DE 2016.

Prefeitura Municipal de São José dos Campos - Estado de São Paulo - DECRETO N , DE 2 DE MARÇO DE 2016. DECRETO N. 16.883, DE 2 DE MARÇO DE 2016. PUBliCAnO (Al NO JORNAL BOLETIM DO MUNICIPIO N ~4.1. de 9!f... f?..ª.j.?.i!(;(j6 ' Consolida e amplia a legislação sobre Nota Fiscal de Serviços Eletrônica, e

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS PREFEITURA MUNICIPAL DE SILVES

ESTADO DO AMAZONAS PREFEITURA MUNICIPAL DE SILVES LEI MUNICIPAL Nº 352 DE 05 DE MAIO DE 2015. INSTITUI A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-E NO MUNICÍPIO DE SILVES E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS, NOS TERMOS QUE ESPECIFICA. O PREFEITO MUNICIPAL DE SILVES,

Leia mais

DECRETO N , DE 31 DE JULHO DE O Prefeito de Ituiutaba, no uso de suas atribuições, e de conformidade com a legislação em vigor,

DECRETO N , DE 31 DE JULHO DE O Prefeito de Ituiutaba, no uso de suas atribuições, e de conformidade com a legislação em vigor, DECRETO N. 7.672, DE 31 DE JULHO DE 2014 Disciplina o sistema de parcelamento de débito fiscal e dá ouras providências. O Prefeito de Ituiutaba, no uso de suas atribuições, e de conformidade com a legislação

Leia mais

O SUBSECRETÁRIO DA RECEITA ESTADUAL, no uso de atribuição que lhe confere o artigo

O SUBSECRETÁRIO DA RECEITA ESTADUAL, no uso de atribuição que lhe confere o artigo INSTRUÇÃO NORMATIVA RE Nº 094/11 (DOE 26/12/2011) Porto Alegre, 21 de dezembro de 2011. Introduz alteração na Instrução Normativa DRP nº 45/98, de 26/10/98. O SUBSECRETÁRIO DA RECEITA ESTADUAL, no uso

Leia mais

Prefeitura Municipal de Guaíba Estado do Rio Grande do Sul Departamento de Tributação Fiscalização e Arrecadação

Prefeitura Municipal de Guaíba Estado do Rio Grande do Sul Departamento de Tributação Fiscalização e Arrecadação INSTRUÇÃO NORMATIVA SMF/DTFA Nº004/13 GUAÍBA 02 DE MAIO DE 2013. Ementa: Estabelece procedimentos para determinação do valor dedutível na apuração do ISSQN devido pelas obras de construção civil e dá outras

Leia mais

ANO XXVII ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 24/2016

ANO XXVII ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 24/2016 ANO XXVII - 2016-2ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 24/2016 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE REMESSAS AO EXTERIOR DESTINADAS A COBERTURA DE GASTOS PESSOAIS, EDUCACIONAIS, CIENTÍFICOS OU CULTURAIS,

Leia mais

MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei,

MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, DECRETO No. 41.724, 26 DE FEVEREIRO DE 2002 Ano 47 - Número 37 - São Paulo, quarta-feira, 27 de fevereiro de 2002 Diário Oficial do Município de São Paulo Regulamenta a Lei no. 13.283, de 9 de janeiro

Leia mais

DECRETO N.º 0123/2012 EM, 16 DE AGOSTO DE 2012.

DECRETO N.º 0123/2012 EM, 16 DE AGOSTO DE 2012. GABINETE DO PREFEITO DECRETO N.º 0123/2012 EM, 16 DE AGOSTO DE 2012. Ementa: Regulamenta a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e, sistema de gerenciamento das notas fiscais e a sua utilização no Município,

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS TÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE

REGULAMENTO DE APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS TÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE REGULAMENTO DE APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS TÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º Este regulamento estabelece critérios e procedimentos referentes à concessão de apoio institucional

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1-Nº 116, segunda-feira, 18 de junho de 2012

Diário Oficial da União Seção 1-Nº 116, segunda-feira, 18 de junho de 2012 Secretaria da Receita Federal do Brasil revoga instrução normativa que tratava a respeito dos procedimentos para ratificação de erros no preenchimento de Guia da Previdência Social (GPS) Para conhecimento,

Leia mais

lei PI - ICMS - LEI BÁSICA - ALTERAÇÃO

lei PI - ICMS - LEI BÁSICA - ALTERAÇÃO lei 5721-2007 - PI - ICMS - LEI BÁSICA - ALTERAÇÃO LEI Nº 5.721, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2007 DO-PI 27.12.2007 Altera dispositivos da Lei nº 4.257, de 06 de janeiro de 1989, que disciplina a cobrança do ICMS;

Leia mais

IRPF 2013 Imposto de Renda Pessoa Física

IRPF 2013 Imposto de Renda Pessoa Física CIRCULAR Nº 10/2013 São Paulo, 21 de Fevereiro de 2013. IRPF 2013 Imposto de Renda Pessoa Física Ano-Base 2012 Prezado cliente, No dia 19 de Fevereiro de 2013 a Receita Federal publicou a Instrução Normativa

Leia mais

D.O.U. de 05/10/1992. INSTRUÇÃO NORMATIVA DpRF Nº 109, DE 2 DE OUTUBRO DE 1992

D.O.U. de 05/10/1992. INSTRUÇÃO NORMATIVA DpRF Nº 109, DE 2 DE OUTUBRO DE 1992 D.O.U. de 05/10/1992 INSTRUÇÃO NORMATIVA DpRF Nº 109, DE 2 DE OUTUBRO DE 1992 O Diretor do Departamento da Receita Federal, no uso de suas atribuições, e tendo em vista a necessidade de uniformizar os

Leia mais

SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA. Portaria CAT 174, de

SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA. Portaria CAT 174, de SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA Portaria CAT 174, de 28-12-2012 Dispõe sobre os procedimentos que devem ser observados na aplicação da alíquota de 4% nas operações interestaduais

Leia mais

BÔNUS DE ADIMPLÊNCIA FISCAL

BÔNUS DE ADIMPLÊNCIA FISCAL BÔNUS DE ADIMPLÊNCIA FISCAL Instituído pela Lei nº 10.637, de 2002 1) CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO LÍQUIDO (CSLL) * Silvério das Neves * Adherbal Corrêa Bernardes 1.1) Alíquotas O art. 6º da Medida

Leia mais

DECRETO Nº 4.252 DE 13 DE MARÇO DE 2014

DECRETO Nº 4.252 DE 13 DE MARÇO DE 2014 DECRETO Nº 4.252 DE 13 DE MARÇO DE 2014 (Dispõe sobre a instituição e obrigatoriedade da nota fiscal eletrônica de serviços, da declaração eletrônica de prestadores e tomadores de serviços, com pertinência

Leia mais