Trabalho 2. Tema: Questionário de comparações entre IPv6 e IPv4. Matéria: Redes 2. Professores: Bruno César Vani e Kleber Manrique Trevisani

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trabalho 2. Tema: Questionário de comparações entre IPv6 e IPv4. Matéria: Redes 2. Professores: Bruno César Vani e Kleber Manrique Trevisani"

Transcrição

1 Trabalho 2 Tema: Questionário de comparações entre IPv6 e IPv4. Matéria: Redes 2 Professores: Bruno César Vani e Kleber Manrique Trevisani Aluno: Nathison Gomes Chaves Lopes Módulo: 3 Curso: Análise e Desenvolvimento de Sistemas

2 1) Quais as diferenças entre o ENDEREÇO IPv6 e o IPv4? Explique e exemplifique. Existe alguma notação alternativa para abreviar a escrita de endereços IPv6? Embora o protocolo IPv6 traga diversas mudanças significativas em toda a sua estrutura, as principais alterações estão relacionadas ao modo de endereçamento do novo protocolo, motivadas pelo esgotamento dos endereçamentos IPv4 disponíveis podemos destacar as maiores alterações. O aumento no espaço para endereçamento no cabeçalho IPv6 e a sintaxe utilizada para a representação dos novos endereços. No IPv4 o campo do cabeçalho reservado para o endereçamento possui um espaço de 32 bits, o que possibilita a identificação de um pouco mais de 4 bilhões de dispositivos conectados na internet. Já o IPv6 possui um cabeçalho de endereçamento com o tamanho de 128 bits, permitindo a criação distinta de aproximadamente 56 octilhões de endereços IP. A representação dos endereços IPv6 divide o endereço em oito grupos de 16 bits, separando-os por : escritos com dígitos hexadecimais. Exemplo: Endereçamento sem abreviação IPv6 2001:0db8:0000:130F:0000:0000:087C:140b No entanto a nova forma de endereçamento IPv6 permite que o endereço seja abreviado omitindo os zeros a esquerda, e representando zeros contínuos como ::. Exemplo: Endereçamento Abreviado IPv6 2001:0db8:0:130F::087C:140b Porém devemos salientar que a representação dos prefixos de rede continuam sendo as mesmas que no modo IPv4, utilizando a notação CIDR. Exemplos: Endereçamento sem abreviação IPv6 com notação de rede CIDR. 2001:0db8:0000:130F:0000:0000:087C:140b/64 Endereçamento Abreviado IPv6 com notação de rede CIDR. 2001:0db8:0:130F::087C:140b/48 Assim como no IPv4, o IPv6 associa um endereço a uma conexão de rede específica, e não a um computador específico. Assim, as atribuições de endereço são semelhantes ao IPv4, um roteador IPv6 também retém e estende a hierarquia de endereços do IPv4 em que uma rede física recebe um prefixo.

3 Porém, para tornar a atribuição e a modificação mais fáceis, o IPv6 permite que vários prefixos sejam atribuídos a determinada rede e que um computador tenha vários endereços simultâneos atribuídos a determinada interface. Além de permitir vários endereços simultâneos por conexão de rede, o IPv5 expande e, em alguns casos, unifica os endereços especiais do IPv4. Em geral, um endereço de destino em um datagrama cai em uma das três categorias: Unicast os endereços Unicast identificam apenas uma interface. Desse modo um pacote enviado a um endereço unicast é entrega apenas a uma interface. Tipos de endereços Unicast: Global Unicast Equivalente aos endereços públicos IPv4, este endereço é globalmente roteável e acessível na internet IPv6 Link-local Atribuídos automaticamente são válidos apenas dentro do mesmo enlace, utilizando o prefixo FE80::/64 com espaço de 64 bits reservado para a identificação da interface. Unique-local Endereços globalmente únicos utilizados apenas para comunicações locais, geralmente dentro de um mesmo enlace ou conjunto de enlaces, não devendo ser roteáveis na Internet global. São identificados pelo prefixo FC00::/7 seguidos de um ID global único de 40 bits gerados randomicamente. IPv4 mapeando em IPv6 possui o formato 0:0:0:0:0:FFFF:wxyz ou ::FFFF:wxyz, onde wxyz é um endereço IPv4 convertido para hexadecimal, é usado para representar um endereço IPv4 como um endereço IPv6 de 128 bits. São utilizados em técnicas de transição. Loopback O endereço especial 0:0:0:0:0:0:0:1 ou ::1 (equivalente ao endereço IPv ) é utilizado para identificar a própria interface. Unspecified O endereço especial 0:0:0:0:0:0:0:0 ou ::0 (equivalente ao endereço IPv ) utilizado apenas para identificar a ausência de endereço. Multicast Semelhante ao endereço anycast, o multicast identifica um grupo de interfaces pertencente a diferentes nós, mais um pacote destinado a um endereço multicast é enviado para todas as interfaces do grupo. O endereço multicast deriva do bloco F800::/8, onde o octeto que segue o prefixo FF contem quatro flags, que determinam o tempo de vida do pacote, e um valor

4 de 4 bits que define o escopo do grupo multicast. Os 112 bits restantes são utilizados para identificar o grupo multicast. Diferente do IPv4, onde o suporte multicast é opcional já que foi introduzido apenas com uma extensão ao protocolo, no IPv6 todos os nós devem ter suporte ao multicast. Isso ocorre, porque os endereços multicast são utilizados por várias funcionalidades do IPv6, além de substituir o endereço broadcast, responsável por direcionar um pacote a todos os nós de um mesmo domínio, que não é definido no novo protocolo, para isso utiliza-se o endereço multicast all nodes on link FF02::1. Anycast Utilizado para identificar um grupo de interfaces pertencentes a nós diferentes. Um pacote destinado a um endereço anycast é enviada apenas para interfaces deste grupos mais próximas da origem. Este tipo de endereçamento é útil para detectar rapidamente determinados servidores ou serviços, por exemplo, servidores DNS, ou ainda para identificar um grupo de roteadores pertencentes a um ISP, identificar um conjunto de roteadores conectados a uma mesma subrede, ou identificar os roteadores que provêm a entrada para um domínio especifico. Do mesmo modo que no IPv4, os endereços IPv6 são atribuídos às interfaces físicas e não aos nós. É possível atribuir a uma única interface múltiplos endereços independentemente do seu tipo. 2) Em relação ao formato, quais as principais diferenças entre o DATAGRAMA IPv4 e o datagrama IPv6? Embora deva acomodar endereços maiores, um cabeçalho básico IPv6 contém menos informações do que um cabeçalho de datagrama IPv4. As opções e alguns dos campos fixos que aparecem em um cabeçalho de datagrama IPv4 foram movidas para o cabeçalho de extensão do IPv6. Em geral, as mudanças no cabeçalho do datagrama refletem as mudanças no protocolo.

5 O cabeçalho do IPv6 não tem mais o equivalente ao checksum do IPv4. Como cada roteador precisa decrementar o TTL (Time to Live), o HEADER CHECKSUM do cabeçalho IPv4 precisa ser recalculado. Nesse ponto encontrase um dos motivos da alta taxa de utilização da CPU dos roteadores. O objetivo de não utilizar o checksum com o IPv6 é processar mais rapidamente os datagramas no roteador. O cabeçalho é formado pelo trecho inicial de 64 bits mais dois campos com endereço origem e destino, com 128 bits cada um. Assim o tamanho total (constante) é 320 bits ou 40 bytes. O cabeçalho IPv6 apresenta assim uma estrutura mais simplificada, conforme figura mostrada anteriormente. Assim como no IPv4, o campo VERSION de 4 bits inicial especifica a versão do protocolo: VERSION sempre contém 6 em datagrama IPv6. Assim como no IPv4, os campos ENDEREÇO DE ORIGEM (Source Address) e ENDEREÇO DE DESTINO (Destination Address) especificam os endereços de emissor e destinatário desejados. Porém, no IPv6 cada endereço requer 16 octetos. O campo LIMITE DE SALTO (Hop Limit) corresponde ao campo TEMPO DE VIDA do IPv4. Diferente do IPv4, que interpreta um tempo de vida como uma combinação de contagem de saltos e tempo máximo, o IPv6 interpreta o valor como dado um limite escrito sobre o número máximo de saltos que um datagrama pode fazer antes de ser descartado. Dois campos no cabeçalho básico são usados na tomada de decisões de encaminhamento. O campo CLASSE DE SERVIÇO do IPv4 foi renomeado para CLASSE DE TRÁFEGO (TRAFFIC CLASS). Além disso, um novo mecanismo no IPv5 admite reserva reserva de recurso e permite que um roteador associe cada datagrama a determinada alocação de recurso. A abstração básica, um fluxo, consiste em umc aminho por uma internet junto à qual roteadores intermediários garantem uma qualidade de serviço específica. O campo RÓTULO DE FLUXO

6 (FLOW LABEL) no cabeçalho básico contém informações que os roteadores utilizam para associar um datagrama a um fluxo específico de prioridade. Por exemplo, duas aplicações que precisam enviar vídeo podem exigir que um assinante especifique a qualidade de serviço desejada e depois use um fluxo para limitar o tráfego que um computador específico ou aplicação específica envia. Outro aspecto do encaminhamento de pacotes em que o IPv6 difere do IPv4, é em relação ao envio de pacotes conhecidos como jumbograms. No IPv4 o limite para o tamanho dos pacotes é de 64KB. No entanto o IPv6 apresenta a opção do cabeçalho de extensão Hop-By-Hop chamada Jumbo Payload. Esta opção permite o envio de pacotes IPv6 com cargas úteis entre e Bytes de comprimento, os jumbograms. Ao enviar estes pacotes, o cabeçalho IPv6 trará os campos Tamanho dos Dados e Próximo Cabeçalho com o valor zero. Este último indicara que as opções do Cabeçalho de Extensão Hop-By-Hop devem ser processados pelos nós, o que permitirá o cálculo do tamanho dos jumbograms. Cabeçalhos de extensão: O IPv6 precisa incluir mecanismos de modo a dar suporte a funções como fragmentação, roteamento de origem e autenticação. Porém, a escolha de alocar campos fixos no cabeçalho do datagrama para todos os mecanismos é ineficaz, pois a maioria dos datagramas não usa todos os mecanismos, o grande tamanho de endereços do IPv6 aumenta a ineficiência. Por exemplo, ao enviar um datagrama por uma única rede local, um cabeçalho que contem campos de endereços vazios pode ocupar uma fração substancial de cada frame. Mais importante, os projetistas observam que ninguém pode prever quais facilidades serão necessárias. O Paradigma do cabeçalho de extensão do IPv6 funciona de modo semelhante às opções do IPv4 um emissor pode escolher quais cabeçalhos de extensão incluir em determinado datagrama e quais omitir. Assim, os cabeçalhos de extensão oferecem o máximo de flexibilidade. 3) Quais as principais modificações do PROTOCOLO IPv6 em relação ao IPv4? Múltiplos Cabeçalhos: Uma das novidades do IPv6 é a possibilidade de utilização de múltiplos cabeçalhos encadeados. Estes cabeçalhos extras permitem uma maior eficiência, pois o tamanho do cabeçalho pode ser ajustado segundo as necessidades, e uma maior flexibilidade, porque podem ser sempre adicionados novos cabeçalhos para satisfazer novas especificações.

7 Endereçamento: O endereçamento no IPv6 é de 128 bits, e inclui prefixo de rede e sufixo de host. No entanto, não existem classes de endereços, como acontece no IPv4. Assim, a fronteira do prefixo e do sufixo pode ser em qualquer posição do endereço. Embora esta versão possua as mesmas funcionalidades que a sua predecessora, como reportar erros no processamento de pacotes, realizar diagnósticos e enviar mensagens sobre as características da rede, ambas não são compatíveis e possuem diferenças significativas. Protocolo ICMPv6: O ICMPv6 assume funções de outros protocolos, que existem isoladamente no IPv4. Tal mudança foi projetada com o simples intuito de reduzir a multiplicidade de protocolos, que é prejudicial por piorar a coerência e aumentar o tamanho das implementações. Os protocolos usados no IPv4, que não existem mais no IPv6, cujas funcionalidades foram agregadas pelo ICMPv6, são: ARP (Address Resolution Protocol), cujo o objetivo é mapear os endereços fisicos através do endereços lógicos. RARP (Reverse Address Resolution Protocol), que realiza o inverso do ARP, mapeando os endereços lógicos para endereços físicos. IGMP (Internet Group Management Protocol), que atua com o gerenciamento de membros de grupos multicast. É importante notar, em especial, que o ARP e RARP, no IPv4, são protocolos que podem ser descritos como operando entre as camadas 2 e 3 do modelo ISO/OSI. Em especial, eles não dependem de pacotes IP. O ICMPv6 é um protocolo de camada 3, mas é encapsulado em um pacote IP. Isso implica que firewalls operando na camada de rede, com o IPv6, podem bloquear funções extremamente básicas como a descoberta dos vizinhos e a autoconfiguração. Uma outra diferença que se convém ressaltar é a utilização do ICMPv6 pelos subsequentes protocolos e funcionalidades: MLD (Multicast Listener Discovery) - Opera com o gerenciamento dos grupos multicast. NDP (Neighbor Discovery Protocol) - Responsável por identificar e conhecer caracteristicas da vizinhança.

8 Path MTU Discovery - Trabalha no processo de descoberta do menor MTU em comunicação entre dois nós. Mobility support - Cuida do gerenciamento de endereços de origem do host dinamicamente. Autoconfiguração Stateless - Permite a aquisição de endereços globais sem o uso de DHCP. Mensagens: O protocolo NDP (Neighbor Discovery Protocol) foi construído com base nas mensagens do protocolo ICMPv6 para a realização de suas tarefas. Para isso foram reservados 5 tipos de mensagens: Router Solicitation - A mensagem Router Solicitation é enviada por um dispositivo para requisitar aos roteadores o envio de mensagens Router Advertisement. Router Advertisement - A mensagem Router Advertisement é enviada periodicamente ou em resposta à mensagem Router Solicitation por um roteador para anunciar sua presença no enlace. Neighbor Solicitation Message - A mensagem Neighbor Solicitation é enviada por um dispositivo para requisitar a um determinado vizinho o envio de mensagens. Por causa dessa funcionalidade, ela é utilizada para suprir três necessidades básicas de comunicação em redes IPV6. Neighbor Advertisement - A mensagem Neighbor Advertisement é enviada em resposta a uma mensagem Neighbor Solicitation ou espontaneamente para anunciar a mudança de alguma característica do dispositivo na rede de maneira rápida. Redirect - A mensagem Redirect é enviada por roteadores para informar ao nó solicitante de uma comunicação, uma melhor opção de caminho para ser utilizada. Em outras palavras, ele envia o endereço do próximo salto que deve ser usado para encaminhar pacotes quando se comunicar com aquele determinado destino. Fragmentação:

9 O processo de fragmentação de um pacote de dados permite o envio de pacotes maiores que o limite de trafego estabelecido de um enlace. O modo como esse processo é tratado pelo IPv6 difere sensivelmente do modo como este é tratado no IPv4. Com o IPv4, cada roteador pode fragmentar os pacotes durante o percurso, caso estes sejam maiores que a MTU (Maximum Transmit Unit) do próximo enlace. Dependendo do formato da rede, um pacote IPv4 pode ser fragmentado mais de uma vez durante o seu trajeto, sendo reagrupado no destino final. No IPv6 o processo de fragmentação dos pacotes se inicia utilizando o protocolo Path MTU Discovery, que descobre de forma dinâmica qual o tamanho máximo permitido ao pacote, identificando previamente os MTUs de cada enlace no caminho até o destino. O Patch MTU Discovery assumo que o MTU de todo o caminho é igual ao MTU do primeiro salto. Se o tamanho de qualquer um dos pacotes enviados for maior do que o suportado por algum roteador ao longo do caminho, este irá descarta-lo e retornar a mensagem ICMPv6 packet to big. Após o recebimento desta mensagem o nó de origem reduzira o tamanho dos pacotes de acordo com o MTU do caminho indicado na mensagem packet to big. Este procedimento termina quando o tamanho do pacote for igual ou inferior ao menor MTU do caminho, sendo que estas interações, de troca de mensagens e redução do tamanho dos pacotes, podem ocorrer diversas vezes até encontrar o menos MTU. Deste modo, os nós IPv6 realizam a fragmentação dos pacotes apenas na origem, reduzindo o overhead do cálculo dos cabeçalhos alterados nos roteadores intermediários. Segurança: Um dos novos mecanismos do IPv6 é a utilização do framework de segurança IPSec (IP Security). Um protocolo que implementa criptografia e autenticação de pacotes na camada de rede, fornecendo a solução de segurança fim-a-fim, garantindo a integridade confidencialidade e autenticidade de dados. O IPSec foi criado originalmente para ser usado em conjunto com o IPv4, entretanto, seu mecanismo de autenticação não pode ser utilizado em conexões que estejam atrás de NAT, que esconde o IP original do emissor dos pacotes impedindo a sua identificação. 4) Houve mudanças na camada de TRANSPORTE em relação aos protocolos TCP e UDP? Em caso positivo, apresente as principais. Não, os protocolos TCP e UDP mantiveram suas funcionalidades sem alterações.

10 Bibliografia: TANENBAUM. Andrew S. WETHERRAL. David. Redes de Computadores. São Paulo. Pearson Prentice Hall, Bíbliografia: COMER, Douglas E, INTERLIGAÇÃO DE REDES COM TCP/IP, VOL 1, RIO DE JANEIRO, Elsevier,

Endereçamento. Um endereço IPv4 é formado por 32 bits = Um endereço IPv6 é formado por 128 bits.

Endereçamento. Um endereço IPv4 é formado por 32 bits = Um endereço IPv6 é formado por 128 bits. IPv6 Um endereço IPv4 é formado por 32 bits. 2 32 = 4.294.967.296 Um endereço IPv6 é formado por 128 bits. 2 128 = 340.282.366.920.938.463.463.374.607.431.768.211.456 ~ 56 octilhões (5,6x10 28 ) de endereços

Leia mais

Diferenças entre o endereçamento IPv6 e o IPv4

Diferenças entre o endereçamento IPv6 e o IPv4 Curso Superior em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Redes de Computadores II RC2A3 IPv6 Érika Henrique Gamas 1580153 Flávia Gomes Pereira 1580108 Abril de 2016 Sumário Diferenças entre o endereçamento

Leia mais

Curso de Pós-Graduação Lato-Sensu em Redes de Computadores. Arquitetura TCP/IP. Hermes Senger DC/UFSCar 2012

Curso de Pós-Graduação Lato-Sensu em Redes de Computadores. Arquitetura TCP/IP. Hermes Senger DC/UFSCar 2012 Curso de Pós-Graduação Lato-Sensu em Redes de Computadores Arquitetura TCP/IP Hermes Senger DC/UFSCar 2012 Agradecimento: Ao Prof. Hélio Crestana Guardia pela elaboração do material. IPv6 O aumento da

Leia mais

Pesquisa: IPv4 e IPv6

Pesquisa: IPv4 e IPv6 IFSP PRESIDENTE EPITÁCIO/SP ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS 3º. Termo Redes de Computadores 2 Prof. Kleber Manrique Trevisani Pesquisa: IPv4 e IPv6 BRUNO VICENTE CORREIA MARQUES pront. 1380061 PRESIDENTE

Leia mais

Protocolo e Endereços Internet

Protocolo e Endereços Internet Protocolo e Endereços Internet Licença de uso do material Esta apresentação está disponível sob a licença Creative Commons Atribuição Não a Obras Derivadas (by-nd) http://creativecommons.org/licenses/by-nd/3.0/br/legalcode

Leia mais

Camada de Rede. Redes de Computadores. Motivação para interconexão. Motivação para interconexão (DCC023) Antonio Alfredo Ferreira Loureiro

Camada de Rede. Redes de Computadores. Motivação para interconexão. Motivação para interconexão (DCC023) Antonio Alfredo Ferreira Loureiro Redes de Computadores (DCC023) Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Motivação para interconexão Diferentes tecnologias

Leia mais

Conceito de Serviço Universal. Conceito de Serviço Universal. Arquitetura de uma internet. Hardware básico de uma internet. Serviço universal:

Conceito de Serviço Universal. Conceito de Serviço Universal. Arquitetura de uma internet. Hardware básico de uma internet. Serviço universal: Redes de Computadores Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br Camada de Rede Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Motivação para interconexão Motivação

Leia mais

Camada de Rede. Endereçamento de Rede Protocolo IP

Camada de Rede. Endereçamento de Rede Protocolo IP Camada de Rede Endereçamento de Rede Protocolo IP Camada de Rede Protocolo mais importante: IP IPv4 (mais utilizada) IPv6 (atender ao crescimento das redes e a necessidade de novos endereços). PDU: Pacote

Leia mais

Qualidade de serviço. Protocolo IPv6

Qualidade de serviço. Protocolo IPv6 Qualidade de serviço. Protocolo IPv6 Apresentar a nova forma de endereçamento lógico, o endereço IP versão 6 (IPv6). No começo da década de 1990, a IETF começou o estudo para desenvolver o sucessor do

Leia mais

Redes de Computadores Nível de Rede

Redes de Computadores Nível de Rede Comunicação de Dados por Fernando Luís Dotti fldotti@inf.pucrs.br Redes de Computadores Nível de Rede Fontes Fontes principais: principais: Redes Redes de de Computadores Computadores -- das das LANs,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Internet Protocol version 6 (IPv6) Aula 19 Problema de esgotamento dos endereços IPv4 Em 1996 : 100% dos endereços classe A, 62%

Leia mais

Protocolo ICMP Internet Control Message Protocol. Introdução ao Protocolo ICMP. Introdução ao Protocolo ICMP. Introdução ao Protocolo ICMP

Protocolo ICMP Internet Control Message Protocol. Introdução ao Protocolo ICMP. Introdução ao Protocolo ICMP. Introdução ao Protocolo ICMP Internet Control Message Protocol Introdução ao Volnys Borges Bernal Matteo Nava ilnava;volnys@lsi.usp.br Introdução ao Introdução ao O que é o protocolo? = Internet Control Message Protocol Protocolo

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Redes de Computadores I Nível de Rede (IP) Prof. Helcio Wagner da Silva. p.1/36 Introdução

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 2

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 2 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 2 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo 2 3 O cabeçalho O CABEÇALHO Os campos 4 Conceitos Gerais Clássico Classe A Classe B Classe C Classe

Leia mais

Protocolos de Rede. Protocolos em camadas

Protocolos de Rede. Protocolos em camadas Protocolos de Rede Prof. Alexandre Beletti Protocolos em camadas Existem protocolos em diferentes camadas dos modelos de estudo (OSI e TCP/IP) Lembre-se de diferencias tipos de programas de tipos de protocolos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Introdução ao roteamento Aula 20 Inter-rede TCP/IP (Internet) é composta por um conjunto de redes interligadas por roteadores Roteador

Leia mais

Capítulo 4 - Sumário

Capítulo 4 - Sumário 1 Capítulo 4 - Sumário Características do O Datagrama IP (Campos do Cabeçalho) Tamanho do Datagrama, MTU da Rede e Fragmentação 2 Aplicação Telnet HTTP FTP POP3 SMTP DNS DHCP Transporte TCP (Transmission

Leia mais

IPv6. César Loureiro. V Workshop do PoP-RS/RNP e Reunião da Rede Tchê

IPv6. César Loureiro. V Workshop do PoP-RS/RNP e Reunião da Rede Tchê IPv6 César Loureiro V Workshop do PoP-RS/RNP e Reunião da Rede Tchê Outubro de 2014 Agenda Esgotamento IPv4 Endereçamento e Funcionalidades do IPv6 Implantação IPv6 IPv6 na Rede Tchê Dicas de Implantação

Leia mais

Camadas do TCP/IP. Camada de Rede Protocolo IP. Encapsulamento dos Dados. O Protocolo IP. IP visto da camada de Transporte.

Camadas do TCP/IP. Camada de Rede Protocolo IP. Encapsulamento dos Dados. O Protocolo IP. IP visto da camada de Transporte. Camadas do TCP/IP Camada de Protocolo IP TE090 s de Computadores UFPR Prof. Eduardo Parente Ribeiro Aplicação Transporte ou Serviço Roteamento ou Inter-rede Enlace ou Interface de FTP, TELNET, SMTP, BOOTP,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Nível de rede Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Nível de rede Aula 6 Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Enlace Físico Protocolo nível de aplicação Protocolo nível

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores fldotti@inf.pucrs.br Nível de Rede IP versão 6 www.inf.pucrs.br/~fldotti Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação PUC-RS 1 1995 - RFC 1752 - The Recommendation for the IP

Leia mais

VI Semana de Infraestrutura da Internet no Brasil São Paulo, SP 07/12/16

VI Semana de Infraestrutura da Internet no Brasil São Paulo, SP 07/12/16 VI Semana de Infraestrutura da Internet no Brasil São Paulo, SP 07/12/16 Serviços IPv6 Eduardo Barasal Morales Tiago Jun Nakamura Agenda Autoconfiguração de Endereços Stateless DHCPv6 Prefix Delegation

Leia mais

Capítulo 2 - Sumário. Endereçamento em Sub-redes, Super-Redes (CIDR) e VLSM

Capítulo 2 - Sumário. Endereçamento em Sub-redes, Super-Redes (CIDR) e VLSM 1 Endereço IP Classe de Endereços IP Endereços IP Especiais Endereços IP Privativos Capítulo 2 - Sumário Endereçamento em Sub-redes, Super-Redes (CIDR) e VLSM Endereçamento Dinâmico (DHCP) Mapeamento IP

Leia mais

Paulo César de Oliveira Barroso de Carvalho GTS 17 São Paulo SP 14 de Maio de 2011

Paulo César de Oliveira Barroso de Carvalho GTS 17 São Paulo SP 14 de Maio de 2011 Paulo César de Oliveira Barroso de Carvalho GTS 17 São Paulo SP 14 de Maio de 2011 Fonte: Es duro ser administrador de Red http://www.terra.es/tecnologia/articulo/ht ml/tec18312.htm

Leia mais

A Internet e o TCP/IP

A Internet e o TCP/IP A Internet e o TCP/IP 1969 Início da ARPANET 1981 Definição do IPv4 na RFC 791 1983 ARPANET adota o TCP/IP 1990 Primeiros estudos sobre o esgotamento dos endereços 1993 Internet passa a ser explorada comercialmente

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Slide 1 Endereçamento IPv4 Tem comprimento de 32bits (4 bytes); São escritos em notação decimal separados por ponto; Cada interface de um sistema conectado a internet

Leia mais

Nome: Nº de aluno: 3ª Ficha de Avaliação 20/5/2014

Nome: Nº de aluno: 3ª Ficha de Avaliação 20/5/2014 Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Redes de Computadores (LEIC/LEETC/LERCM) Nome: Nº de aluno: 3ª Ficha de Avaliação

Leia mais

Resumo P2. Internet e Arquitetura TCP/IP

Resumo P2. Internet e Arquitetura TCP/IP Resumo P2 Internet e Arquitetura TCP/IP Internet: Rede pública de comunicação de dados Controle descentralizado; Utiliza conjunto de protocolos TCP/IP como base para estrutura de comunicação e seus serviços

Leia mais

Caracterização Remota de Comportamento de Roteadores IPv6

Caracterização Remota de Comportamento de Roteadores IPv6 Caracterização Remota de Comportamento de Roteadores IPv6 Rafael Almeida, Elverton Fazzion, Osvaldo Fonseca Dorgival Guedes, Wagner Meira Jr., Ítalo Cunha 1 Como funcionam os padrões na Internet 2 Como

Leia mais

RIP OSPF. Características do OSPF. Características do OSPF. Funcionamento do OSPF. Funcionamento do OSPF

RIP OSPF. Características do OSPF. Características do OSPF. Funcionamento do OSPF. Funcionamento do OSPF OSPF & mospf Visão Geral do Protocolo Escopo da Apresentação Introdução - Protocolos de roteamento - Tipos de protocolos - Histórico do protocolos de roteamento (RIP e suas características) OSPF MOSPF

Leia mais

IPv6. Clécio Oliveira Pinto. cleciooliveira at gmail com

IPv6. Clécio Oliveira Pinto. cleciooliveira at gmail com IPv6 Clécio Oliveira Pinto Segurança e Integração em Redes de Computadores para Ambientes Corporativos Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás cleciooliveira at gmail com Abstract. The Internet Protocol version

Leia mais

PROTOCOLO ICMP. Março de Curso Superior em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Redes decomputadores II RC2A3

PROTOCOLO ICMP. Março de Curso Superior em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Redes decomputadores II RC2A3 Curso Superior em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Redes decomputadores II RC2A3 PROTOCOLO ICMP Março de 2016 Lourival da Silva Souza Sergio Dusilekz ICMP (INTERNET CONTROL MESSAGE PROTOCOL) O protocolo

Leia mais

NÃO AUTORIZO O USO DE QUALQUER EQUIPAMENTO DE ÁUDIO E VÍDEO!

NÃO AUTORIZO O USO DE QUALQUER EQUIPAMENTO DE ÁUDIO E VÍDEO! Endereçamento IP Endereçamento IP O crescimento explosivo da Internet tem ameaçado esgotar o estoque de endereços IP (Previsão inicial 2008). São usados para expandir o endereçamento IP sem que esse estoque

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Internet Protocol version 6 (IPv6) Aula 19 Com crescimento da Internet IPv4 apresenta alguns problemas Esgotamento de endereços

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Universidade Santa Cecícila Prof. Hugo Santana Introdução requisitos mínimos de largura de banda, engenharia de tráfego e QoS. convergência das tecnologias (voz e vídeo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Internet Protocol version 6 (IPv6) Aula 21 Com crescimento da Internet IPv4 apresenta alguns problemas Esgotamento de endereços

Leia mais

Instalação e Configuração de Servidores Linux Server Configuração de Rede. Prof. Alex Furtunato

Instalação e Configuração de Servidores Linux Server Configuração de Rede. Prof. Alex Furtunato Instalação e Configuração de Servidores Linux Server Configuração de Rede Prof. Alex Furtunato alex.furtunato@academico.ifrn.edu.br Roteiro Introdução Números IPs Interfaces de rede Interface de loopback

Leia mais

Camada de Rede. Endereçamento IPv4. Endereçamento IP. Endereçamento IP. Endereçamento IP 08/05/2010. Profa. Delfa Huatuco Zuasnábar

Camada de Rede. Endereçamento IPv4. Endereçamento IP. Endereçamento IP. Endereçamento IP 08/05/2010. Profa. Delfa Huatuco Zuasnábar Camada de Rede v Profa. Delfa Huatuco Zuasnábar Um endereço de IP não identifica um computador específico. Pelo contrário, cada endereço de IP identifica uma conexão entre um computador e uma rede. Um

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte VII Mensagens de controle e erro (ICMP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte VII Mensagens de controle e erro (ICMP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte VII Mensagens de controle e erro (ICMP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Erros em redes de pacotes ICMP (Internet Control Message Protocol) Características Encapsulação

Leia mais

IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6

IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6 Leonardo Jalkauskas IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6 Agosto 2010 Redes de Computadores e Telecomunicações 2 IPv6 Internet Protocol versão 6 Características e Limitações do IPv4 Objetivos e

Leia mais

4.1 Introdução. A Figura 4.1 ilustra a verificação da interface de rede do host que hospeda o site da UFPI.

4.1 Introdução. A Figura 4.1 ilustra a verificação da interface de rede do host que hospeda o site da UFPI. 74 4.1 Introdução A unidade de transporte da camada de rede é o pacote. O protocolo da camada de rede é o Internet Protocol (IP). O pacote IP tem como obrigação transportar segmentos da camada de transporte

Leia mais

Cap. 4 Roteamento e Mobilidade

Cap. 4 Roteamento e Mobilidade Redes sem Fio e Slide 1 Sistemas Móveis de Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Cap. 4 Roteamento e Mobilidade Prof. Marcelo Moreno moreno@ice.ufjf.br Slide 2 Redes sem Fio e Sistemas Móveis de IETF RFC

Leia mais

IPv6 - Características do IP Next Generation

IPv6 - Características do IP Next Generation IPv6 - Características do IP Next Generation 1 - Introdução As três das principais motivações que conduziram à necessidade de superar as limitações de crescimento da versão atual do protocolo IP (Internet

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações. Aula 37 Roteamento IP Unicast Dinâmico RIP

Redes de Computadores e Aplicações. Aula 37 Roteamento IP Unicast Dinâmico RIP Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do N Campus Currais Novos Redes de Computadores e Aplicações Aula 37 Roteamento IP Unicast Dinâmico RIP Prof. Diego Pereira

Leia mais

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico Com a explosão da Internet e com o surgimento constante de mais e mais serviços e aplicações, os atuais endereços IP (IPv4) estão se tornando um recurso escasso. Estima-se que, em aproximadamente dois

Leia mais

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico Com a explosão da Internet e com o surgimento constante de mais e mais serviços e aplicações, os atuais endereços IP (IPv4) estão se tornando um recurso escasso. Estima-se que, em aproximadamente dois

Leia mais

Experiência 04: Comandos para testes e identificação do computador na rede.

Experiência 04: Comandos para testes e identificação do computador na rede. ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

Tecnologia de Redes. Arquitetura de Rede de Computadores

Tecnologia de Redes. Arquitetura de Rede de Computadores Volnys B. Bernal (c) 1 Tecnologia de Redes Arquitetura de Rede de Computadores Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Volnys B. Bernal (c) 2 Agenda Modelo de Referênica OSI

Leia mais

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet)

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet) Protocolos da Camada de Inter- (Internet) IP Protocolo da Internet. Não Confiável; Não Orientado à conexão; Trabalha com Datagramas; Roteável; IPv 4 32 bits; IPv 6 128 bits; Divisão por Classes (A,B,C,D,E);

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Camada de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 1 / 68 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte Cab

Leia mais

IPv6: Um novo, não tão novo, protocolo de Internet

IPv6: Um novo, não tão novo, protocolo de Internet IPv6: Um novo, não tão novo, protocolo de Internet V WTR do PoP-BA/RNP Thiago Bomfim Jundaí Adbon PoP-BA/RNP: Ponto de Presença da RNP na Bahia 1 Todo

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Protocolos ARP e ICMP Aula 18 A camada de rede fornece um endereço lógico Uniforme, independente da tecnologia empregada pelo enlace

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Software IP nos hosts finais O software IP nos hosts finais consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain name system)

Leia mais

IPv6! Por que? Quando? Como?

IPv6! Por que? Quando? Como? IPv6! Por que? Quando? Como? Introdução Nome: Francisco Neto Localidade: Goiânia,Goiás - Técnico em telecomunicações desde 2005 - Ex-administrador de redes OI - Consultor e trainer oficial Mikrotik Francisco

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Camada de Rede (Endereçamento IP) Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.1T Conteúdo Programático 3.3. Camada de Rede 3.3.1. Endereçamento IP 3.3.2. Roteamento 3.3.3. IPv4

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes IP 1 Interligação de Redes Protocolos TCP/IP FEUP/DEEC/RCD 22/3 MPR/JAR IP 2 Pilha Protocolar TCP/IP Acesso à rede (subrede)» Interface ao meio físico» Carta de rede, device driver Rede (internetworking)»

Leia mais

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1.1 IP - Internet Protocol RFC 791 Esse protocolo foi introduzido na ARPANET no início dos anos 80, e tem sido utilizado juntamente com o TCP desde então. A principal característica

Leia mais

Arquitetura da Internet TCP/IP

Arquitetura da Internet TCP/IP Arquitetura da Internet TCP/IP A Internet Internet é a rede mundial de computadores, à qual estão conectados milhões de computadores do mundo todo; A idéia de concepção de uma rede mundial surgiu nos Estados

Leia mais

IPv6. A Necessidade de um Novo IP. IPv4. IETF desenvolve nova versão do IP: IPv6. O IPv6 pode vir a ser relevante para as Comunicações FEUP MPR

IPv6. A Necessidade de um Novo IP. IPv4. IETF desenvolve nova versão do IP: IPv6. O IPv6 pode vir a ser relevante para as Comunicações FEUP MPR IPv6 1 IPv6 FEUP MPR IPv6 2 A Necessidade de um Novo IP IPv4 Espaço de endereçamento pequeno Usado de forma descontínua Algumas soluções para resolver estes problemas redes privadas (NAT), agregação de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Elmano R. Cavalcanti Redes de Computadores Camada de Rede elmano@gmail.com facisa-redes@googlegroups.com http://sites.google.com/site/elmano Esta apresentação contém slides fornecidos pela Editora Pearson

Leia mais

Endereçamento IP. Departamento Engª Electrotécnica ISEC

Endereçamento IP. Departamento Engª Electrotécnica ISEC Endereçamento IP Departamento Engª Electrotécnica ISEC Objectivos Visão geral sobre o endereçamento IPv4 e IPv6 Administração do espaço de endereçamento Obtenção de endereços Atribuição de endereços (manual

Leia mais

Canais de Comunicação

Canais de Comunicação Canais de Comunicação February 24, 2010 Sumário Comunicação via Mensagens Propriedades dum Canal de Comunicação Protocolos da Internet UDP TCP Aplicação Distribuída O que é? É uma aplicação que consiste

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Transporte Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais UFMG/DCC Redes de Computadores

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Comunicação de Dados. Arquitecturas

Comunicação de Dados. Arquitecturas Comunicação de Dados Arquitecturas Arquitecturas de Comunicação Definem interacções entre equipamentos e/ou módulos de programas. Podem ser: Arquitecturas abertas Arquitecturas proprietárias Os principais

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 6

Prof. Marcelo Cunha Parte 6 Prof. Marcelo Cunha Parte 6 www.marcelomachado.com ARP (Address Resolution Protocol) Protocolo responsável por fazer a conversão entre os endereços IPs e os endereços MAC da rede; Exemplo: Em uma rede

Leia mais

PROTOCOLO IP O esgotamento dos endereços IP.

PROTOCOLO IP O esgotamento dos endereços IP. 1 PROTOCOLO IP O IP é o protocolo mais importante na Internet. Ele é quem define as regras através das quais as informações fluem na rede mundial. Uma das principais regras diz que: Cada computador deve

Leia mais

DISCIPLINA: TELEPROCESSAMENTO E REDES CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 6. SEMESTRE PROFESSOR: ANTONIO P. NASCIMENTO FILHO

DISCIPLINA: TELEPROCESSAMENTO E REDES CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 6. SEMESTRE PROFESSOR: ANTONIO P. NASCIMENTO FILHO DISCIPLINA: TELEPROCESSAMENTO E REDES CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 6. SEMESTRE PROFESSOR: ANTONIO P. NASCIMENTO FILHO Nome: LISTA 3 Máscara de sub-rede 1 Objetivos: Este exercício se concentra nas máscaras

Leia mais

Fundamentos de Rede. Aula 2 - Modelo OSI

Fundamentos de Rede. Aula 2 - Modelo OSI Fundamentos de Rede Aula 2 - Modelo OSI Protocolo e Arquitetura de Protocolos Problema Permitir a comunicação entre entidades de diferentes sistemas Solução Criar convenções de quando e como se comunicar

Leia mais

O protocolo IP. Protocolos em Redes de Dados- Aula 02 -Os protocolos IP p.4. Endereço rede e endereço "físico" Classes de endereços

O protocolo IP. Protocolos em Redes de Dados- Aula 02 -Os protocolos IP p.4. Endereço rede e endereço físico Classes de endereços O protocolo IP Protocolos em Redes de Dados - Aula 02 - Os protocolos IP Corresponde ao nível rede do modelo OSI. Executa-se sobre os mais diversos protocolos do nível de comunicação de dados. Em cada

Leia mais

Arquitetura de Redes. Redes TCP-IP. Agenda. Introdução à Arquitetura TCP/IP. Tipos de Serviços. Modelo de Referênca ISO/OSI

Arquitetura de Redes. Redes TCP-IP. Agenda. Introdução à Arquitetura TCP/IP. Tipos de Serviços. Modelo de Referênca ISO/OSI Arquitetura de s Volnys 1999-2001 1 Volnys 1999-2001 2 Agenda Introdução à Modelo de Referênica OSI Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Volnys 1999-2001 3 Volnys 1999-2001

Leia mais

Interconexão de Redes de Comutadores

Interconexão de Redes de Comutadores IPv6 - Introdução Interconexão de Redes de Comutadores Parte 3.5: TCP / IPv6 Em 1992 uma Internet Engineering Task Force (IETF) cria o grupo IPng (IP next generation) para a criação de um novo protocolo

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar - Aula 1-1. A CAMADA DE ENLACE DE DADOS (Parte 1) Relembrando as aulas do semestre passado quando estudamos os modelos de referência, lembramos que a Camada de Enlace de Dados é a camada responsável pela

Leia mais

Prof. Mizael Cortez Modelo em camadas Arquitetura TCP/IP Modelo ISO/OSI

Prof. Mizael Cortez Modelo em camadas Arquitetura TCP/IP Modelo ISO/OSI Prof. Mizael Cortez everson.cortez@ifrn.edu.br Modelo em camadas Arquitetura TCP/IP Modelo ISO/OSI A Internet é um sistema extremamente complicado e que possui muitos componentes: inúmeras aplicações e

Leia mais

Entendendo o IPv6 (I)

Entendendo o IPv6 (I) Entendendo o IPv6 (I) SNNAngola IPv6 Series http://www.snnangola.wordpress.com Nataniel Baião. IPv4 - Limitações Esgotamento do protocolo finito IPv4. IPv4: 32 bits, 4 Octetos. Ex: 1.1.1.1, 10.11.12.13

Leia mais

Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol

Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol Resumo Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática othonb@yahoo.com Mesmo sendo um protocolo que nada garante, o UDP tem um campo no datagrama

Leia mais

Protocolo PPP. Principais Componentes: Método para encapsular datagramas em enlaces seriais (Substitui o SLIP). Link Control Protocol (LCP)

Protocolo PPP. Principais Componentes: Método para encapsular datagramas em enlaces seriais (Substitui o SLIP). Link Control Protocol (LCP) Protocolo PPP 1 Protocolo PPP Substitui o protocolo SLIP Em Enlaces Seriais Conexões Síncronas e Assíncronas Controle da configuração de enlace Permite endereços IP dinâmicos Multiplexação de protocolos

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ERINALDO SANCHES NASCIMENTO O MODELO TCP/IP

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ERINALDO SANCHES NASCIMENTO O MODELO TCP/IP UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ERINALDO SANCHES NASCIMENTO O MODELO TCP/IP MARINGÁ 2014 SUMÁRIO 2 O MODELO TCP/IP...2 2.1 A CAMADA DE ENLACE...2

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Tiago Alves de Oliveira 1

Camada de Rede. Prof. Tiago Alves de Oliveira 1 Camada de Rede 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation Sumário ICMP Internet Control

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Arquiteturas de Redes Prof. Thiago Dutra Agenda n Introdução n Organização em Camadas n Arquiteturas de Redes n Arquitetura RM-OSI n Arquitetura TCP/IP

Leia mais

CCNA 1 Roteamento e Sub-redes. Kraemer

CCNA 1 Roteamento e Sub-redes. Kraemer CCNA 1 Roteamento e Sub-redes Roteamento e Sub-redes Introdução Protocolo roteado Visão geral de roteamento Endereçamento de sub-redes Introdução IP é o principal protocolo roteado da Internet IP permite

Leia mais

Protocolo IP (Internet Protocol) Características do

Protocolo IP (Internet Protocol) Características do Protocolo IP (Internet Protocol) Características do Protocolo IP Serviço de datagrama não confiável Endereçamento Hierárquico Facilidade de Fragmentação e Remontagem de pacotes Identificação da importância

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores CAMADA DE REDE DHCP NAT IPv6 Slide 1 Protocolo DHCP Protocolo de Configuração Dinâmica de Hospedeiros (Dynamic Host Configuration Protocol DHCP), RFC 2131; Obtenção de endereço de

Leia mais

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes IP Os endereços IP são números com 32 bits, normalmente escritos como quatro octetos (em decimal), por exemplo 128.6.4.7. A primeira parte do endereço identifica uma rede especifica na interrede, a segunda

Leia mais

Endereços IP. Endereços são usados para encaminhar pacotes pela rede. Endereço IP é hierárquico com 2 partes:

Endereços IP. Endereços são usados para encaminhar pacotes pela rede. Endereço IP é hierárquico com 2 partes: Endereços IP Endereços são usados para encaminhar pacotes pela rede Na Internet, endereços são únicos e atribuídos pela Internet Assigned Numbers Authority (IANA) Endereço IP é hierárquico com 2 partes:

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações. Aula 30 Endereçamento IP Endereços Especiais

Redes de Computadores e Aplicações. Aula 30 Endereçamento IP Endereços Especiais Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Redes de Computadores e Aplicações Aula 30 Endereçamento IP Endereços Especiais Prof. Diego Pereira

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II

REDES DE COMPUTADORES II REDES DE COMPUTADORES II REDES IP: IP, MÁSCARA E GATEWAY TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES www.tassiogoncalves.com.br tassiogoncalvesg@gmail.com CONTEÚDO INTRODUÇÃO CLASSES DE REDES E IPS REDES IP E SUB REDES

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Infraestrutura de Redes de Computadores

REDES DE COMPUTADORES. Infraestrutura de Redes de Computadores MPLS Multiprotocol Label Switching (MPLS) ou Comutação de etiquetas de múltiplos protocolos Quem usa Praticamente todas as operadoras de Telecom e provedores tem em operação o protocolo MPLS em sua rede.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 4.4 IP (Internet Protocol) Prof. Jó Ueyama Abril/2011 SSC0641-2011 1 A camada de rede da Internet SSC0641-2011 2 Protocolo Internet (IP) IP v4 RFC 791 em uso na Internet.

Leia mais

Modelo OSI. Marcelo Assunção 10º13. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Disciplina: Redes de Comunicação

Modelo OSI. Marcelo Assunção 10º13. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Disciplina: Redes de Comunicação Modelo OSI Marcelo Assunção 10º13 Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Disciplina: Redes de Comunicação 2013/2014 Índice Modelo OSI Open System Interconnection (OSI)

Leia mais

Fundamentos à Redes de Computadores. Prof. Victor Guimarães Pinheiro/victor.tecnologo@gmail.com

Fundamentos à Redes de Computadores. Prof. Victor Guimarães Pinheiro/victor.tecnologo@gmail.com Fundamentos à Redes de Computadores Prof. Victor Guimarães Pinheiro/victor.tecnologo@gmail.com www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com CAMADA DE REDE Responsável por: Dividir os pacotes

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

Endereçamento. Um endereço IPv4 é formado por 32 bits. 2 32 = 4.294.967.296. Um endereço IPv6 é formado por 128 bits.

Endereçamento. Um endereço IPv4 é formado por 32 bits. 2 32 = 4.294.967.296. Um endereço IPv6 é formado por 128 bits. Um endereço IPv4 é formado por 32 bits. 2 32 = 4.294.967.296 Um endereço IPv6 é formado por 128 bits. 2 128 = 340.282.366.920.938.463.463.374.607.431.768.211.456 ~ 48 octilhões (5,6x10 28 ) de endereços

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo 4 A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho) Escalabilidade

Leia mais

Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Software de IP nos hosts finais O software de IP consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain

Leia mais

Redes. DIEGO BARCELOS RODRIGUES Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes. DIEGO BARCELOS RODRIGUES Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes DIEGO BARCELOS RODRIGUES dbarcelos@ifes.edu.br 1 Agenda Correção do Trabalho de Casa Exercício Ponto Extra Roteamento o Estático o Dinâmico 2 Exercício Valendo Ponto Extra Utilize VLSM para distribuir

Leia mais

Aula 13 Roteamento Dinâmico com Protocolos Link-State (Protocolo OSPF)

Aula 13 Roteamento Dinâmico com Protocolos Link-State (Protocolo OSPF) Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre Aula 13 Roteamento Dinâmico com Protocolos Link-State (Protocolo OSPF) 2014/1 Roteiro de Aula Introdução Funcionamento

Leia mais

O protocolo IP. classe do endereço. Aula 02. Corresponde ao nível rede do modelo OSI. Executa-se sobre os mais diversos protocolos do nível de

O protocolo IP. classe do endereço. Aula 02. Corresponde ao nível rede do modelo OSI. Executa-se sobre os mais diversos protocolos do nível de Aula 02 Os protocolos FCUL Corresponde ao nível rede do modelo OSI. Executa-se sobre os mais diversos protocolos do nível de comunicação de dados. Em cada passo, é necessário fazer uma tradução entre o

Leia mais

Geralmente, o firewall também é configurado para não bloquear o tráfego de saída. Por exemplo, um banco pode querer isolar a rede da tesouraria do res

Geralmente, o firewall também é configurado para não bloquear o tráfego de saída. Por exemplo, um banco pode querer isolar a rede da tesouraria do res FIREWALL A conexão com a Internet traz às corporações os seguintes riscos: Relacionados a dados: confidencialidade, integridade e disponibilidade; Relacionados aos recursos e ativos da empresa; Relacionados

Leia mais