ROTEIROS TURÍSTICOS: DEFININDO UMA BASE CONCEITUAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROTEIROS TURÍSTICOS: DEFININDO UMA BASE CONCEITUAL"

Transcrição

1 ROTEIROS TURÍSTICOS: DEFININDO UMA BASE CONCEITUAL WEISSBACH, Paulo Ricardo Machado. 1 Palavras-chave: Turismo. Roteiro/itinerário turístico. Percurso turístico. Introdução O crescimento do turismo no Brasil, assim como em nível global, está vinculado a alguns fatores que favoreceram o seu desenvolvimento. No Brasil o crescimento do turismo doméstico apresentou um aumento 5,8% no período de 2002 a 2006 (CORES DO BRASIL, 2010). O aumento pela procura dos serviços turísticos decorre, entre outros, das conquistas sociais dos trabalhadores, aumento dos rendimentos, motorização familiar, melhoria dos transportes, implementação dos serviços turísticos, interesse do Estado, o 'marketing' e os meios de comunicação, além da valorização das horas de lazer como uma componente necessária à vida humana. A atividade turística gera efeitos benéficos diretos e indiretos na economia. Os diretos resultam da despesa feita pelo turista no pagamento aos equipamentos turísticos e de apoio. Os efeitos indiretos são gerados pelo gasto feito por aquele que recebeu do turista e, ainda, por conta de um efeito induzido, por outrem que tenha recebido daqueles que receberam dos prestadores de serviço ou donos de equipamentos (BARRETO, 1999, p. 72). Com muitas vantagens, a atividade turística pode ser efetivada em melhores termos se for pensada de forma complementar, ou seja, que os destinos turísticos, aqui entendidos como os locais para onde se dirigem os turistas e onde se localizam os atrativos turísticos, sejam articulados entre si. A articulação logra efeitos positivos mais imediatos e com menores riscos de insucesso, isto porque há a ideia de complementaridade. Desta maneira, dentro de um estudo para a formulação de uma tese sobre políticas públicas para o turismo no espaço rural da Rota das Terras, sentiu-se a necessidade de se buscar uma conceituação para roteiro turístico. Embora o termo seja consagrado pelo uso, o mesmo não se encontra consolidado no meio acadêmico e a literatura especializada peca pela falta de caracterização do termo. 1 Professor do Instituto Federal Farroupilha. Doutor em Geografia pela UNESP-SP.

2 Metodologia O presente estudo pautou-se sobre uma pesquisa bibliográfica. Foram utilizados, no referencial que subsidia a discussão, estudiosos e publicações que mencionam o termo roteiro turístico ou termos análogos. A escassez de fontes, a priori, prenuncia uma dificuldade no estudo do tema, motivo pelo qual foram tomados outros termos assemelhados para o estudo, tais como itinerário turístico, roteirização, percurso turístico e rota turística. Discussão Tomando-se a necessidade de articular os esforços em direção ao desenvolvimento de uma dada região, Veiga (1997, p. 103) sugere que este seja considerado numa perspectiva mesorregional nos seguintes termos: A heterogeneidade das dinâmicas de crescimento econômico, distribuição de renda e preservação ambiental tornam inócuas as tentativas de generalização. Mesmo a abordagem por grandes regiões, ou por grandes ecossistemas, contêm sérias limitações. Ou seja, um bom diagnóstico do desenvolvimento rural exige a multiplicação de abordagens mesorregionais. Verificando a necessidade de planejamento turístico 2 em uma determinada área, julga-se que os limites políticos dos municípios não são os melhores determinantes para a elaboração de um plano de trabalho, visto que restringe as possibilidades de se pensar essa área de modo mais abrangente. Pensar o espaço de modo integral, com suas relações, contradições e complementaridades pode ser um trabalho mais árduo, entretanto supera a visão estreita de verificar a parte excluída do todo. Desta forma a atividade turística pode ser organizada sob a forma de roteiros turísticos. Assim a organização de roteiros, visando articular a atividade às realidades locais de modo complementar, surge como uma possibilidade turística. Conforme Souza; Corrêa (2000, p. 130), roteiro turístico é [...] o itinerário escolhido pelo turista. Pode ser organizado por agência (roteiro programado) ou pode ser criado pelo próprio turista (roteiro espontâneo). O autor relaciona roteiro a itinerário, ou caminho organizado. Moletta (2002, p. 40) define roteiro turístico como um pequeno plano de viagem em que o turista tem a descrição de todos os pontos a serem visitados, bem como o tempo de 2 Planejamento turístico conforme Russchmann (1999, p. 83) é [...] uma atividade que envolve a intenção de estabelecer condições favoráveis para alcançar objetivos propostos [...], ou de acordo com Barreto (1999, p. 13) [...] é uma atividade, não é algo estático, é um devir, um acontecer de muitos fatores concomitantes que têm que ser coordenados para se alcançar um objetivo que está em outro tempo.

3 permanência em cada local e a noção dos horários de parada. Já para Tavares (2002, p. 14), os roteiros turísticos [...] são itinerários de visitação organizados. Em ambos os casos, os autores não são totalmente elucidativos. Conforme o Ministério do Turismo, roteiro turístico é [...] caracterizado por um ou mais elementos que lhe conferem identidade, definido e estruturado para fins de planejamento, gestão, promoção e comercialização turística. (CORES DO BRASIL, 2010). Já Montejano (1991, p. 210) conceitua itinerário turístico 3 como: [...] toda ruta que transcurre por un espacio geográfico determinado, donde se describe y especifica los lugares de paso, estableciendo unas etapas y teniendo en cuenta las características turísticas propias naturales, humanas, histórico-monumentales relacionadas con la zona geográfica que se recorre a nivel local, comarcal, regional, nacional e internacional; la duración; los servicios turísticos alojamientos, medio de transporte, etc. y las actividades a desarrollar. Tavares (2002, p ), sobre a relevância dos roteiros turísticos, diz que eles [...] podem ser uma das importantes maneiras de contextualizar atrativos e aumentar o seu potencial de atratividade, o que pode dinamizar o potencial de atração turística da localidade. Desta forma, os roteiros turísticos podem ser organizados dentro de uma área que apresente certas peculiaridades ou afinidades. Em razão disto, formatam-se roteiros ou rotas turísticas, que são regiões que apresentam, além de similaridades na oferta turística, certos objetivos em comum em relação à atividade turística. Convém destacar que não existem formulações conceituais para a expressão rota. Por analogia, entende-se que rota e roteiro sejam sinônimos. No Estado do Rio Grande do Sul há uma tentativa do governo, por meio da Secretaria do Turismo, de definir rotas turísticas dentro da perspectiva da integração de ações para o desenvolvimento do turismo. (ROTAS E ROTEIROS, 2010). Beni (2006, p. 125), diz que a regionalização turística pode conduzir para o processo de clusterização 4 turística, que significa [...] o estabelecimento de parcerias entre destinações já existentes [...] sendo essencial à competitividade de qualquer destinação, pois reflete o estabelecimento de relações de competição e cooperação entre tais destinações [...]. 3 Neste estudo, roteiro turístico está sendo considerado como sinônimo de itinerário turístico, percurso turístico e rota turística, tendo em vista a semelhança de conceituação entre eles. 4 Cluster, de acordo com Beni (2006, p. 152) é [...] uma aglomeração competitiva, um polo consolidado com forte interação entre as empresas, estendendo-se verticalmente a jusante e a montante lateralmente, e comportando entidades de suporte privadas e públicas, com coesão social e política.

4 Conclusão Viu-se que não há uma definição objetiva do que seja roteiro turístico. Até mesmo para os organismos oficiais falta uma orientação clara. No entanto, muitos agrupamentos de municípios organizam-se na forma do que, empiricamente, chama-se de roteiro turístico. Assim, os roteiros surgem como uma possibilidade de conjugar os esforços empreendidos na atividade turística. Vários municípios que dispõem de atrativos turísticos podem planejar a atividade conjuntamente sob uma ideia de cooperação e da complementaridade. No entanto, antes de formatar roteiros de forma aleatória ou desordenada, há necessidade do domínio do conceito, o que pode favorecer, sensivelmente, a tomada de decisões e as ações necessárias para o desenvolvimento turístico. Neste sentido, um referencial seguro que pode ser seguido no entendimento do que vem a ser roteiro turístico, é dado por Montejano. Acrescenta-se, porém, ao conceito do autor, a necessidade da coordenação dos esforços de planejamento, seja pelo poder público, seja pela iniciativa privada, com a intencionalidade de promover a visitação e o ordenamento da atividade. Referências BARRETO, M. Manual de iniciação ao estudo de turismo. Campinas: Papirus, BENI, M. C. Política e planejamento de turismo no Brasil. São Paulo: Aleph, MOLETTA, V. Comercializando um destino turístico. Porto Alegre: Mercado Aberto, MONTEJANO, J. M. Estructura del mercado turístico. Madri: Editorial Síntesis, ROTAS E ROTEIROS. Disponível em <http://www.turismo.rs.gov.br/portal/index.php?q=destino&cod=4&opt=>. Acesso em 02 de agosto de CORES DO BRASIL. Disponível em <www.turismo.gov.br/export/.../modulo_operacional_2_mobilizacao.pdf>. Acesso em 02 de agosto de RUSSCHMANN, D. V. M. Turismo e Planejamento sustentável a proteção do meio ambiente. São Paulo: Papirus, SOUZA, A. M.; CORRÊA, M. V. M. Turismo Conceitos, definições e siglas. Manaus: Editora Valer, TAVARES, A. M. City tour. São Paulo: Aleph, VEIGA, J. E. Perspectivas nacionais do desenvolvimento rural. In: Agricultura, meio ambiente e sustentabilidade no cerrado brasileiro. SHIKI, S., GRAZIANO DA SILVA, J.; ORTEGA, A. C. (orgs.). Uberlândia: 1997.

Autoria: Daniela Aparecida Araújo, Ricardo César Alves, Jorge Sundermann, Ramon Silva Leite

Autoria: Daniela Aparecida Araújo, Ricardo César Alves, Jorge Sundermann, Ramon Silva Leite Organizações Sem Fins Lucrativos e a Gestão Estratégica: Um Estudo da Eficiência Operacional pelo Modelo de Análise da Competitividade do Instituto Alemão de Desenvolvimento - IAD Autoria: Daniela Aparecida

Leia mais

8. ENSINO FUNDAMENTAL

8. ENSINO FUNDAMENTAL 8. ENSINO FUNDAMENTAL 8.1 ORGANIZAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL A legislação educacional brasileira define que o ensino fundamental, com duração de oito anos, é de freqüência obrigatória e oferta gratuita

Leia mais

1. Apresentação. Normalização e Certificação em Turismo. de Aventura

1. Apresentação. Normalização e Certificação em Turismo. de Aventura 1. Apresentação R e g u l a m e n t a ç ã o Normalização e Certificação em Turismo de Aventura R e l a t ó r i o D i a g n ó s t i c o Brasília, a gosto 2005 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Luiz Inácio

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS APRESENTAÇÃO DOS TEMAS TRANSVERSAIS ÉTICA

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS APRESENTAÇÃO DOS TEMAS TRANSVERSAIS ÉTICA PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS APRESENTAÇÃO DOS TEMAS TRANSVERSAIS ÉTICA Secretaria de Educação Fundamental Iara Glória Areias Prado Departamento de Política da Educação Fundamental Virgínia Zélia de

Leia mais

A HOSPITALIDADE NO TURISMO: O BEM RECEBER

A HOSPITALIDADE NO TURISMO: O BEM RECEBER A HOSPITALIDADE NO TURISMO: O BEM RECEBER Roni Carlos Costa Dalpiaz* Aline Dagostini** Deisi Moraes Giacomini*** Maria da Glória de Souza Della Giustina**** RESUMO O presente artigo aborda o assunto hospitalidade

Leia mais

Diálogos sobre a Gestão Municipal Processos na Educação

Diálogos sobre a Gestão Municipal Processos na Educação Diálogos sobre a Gestão Municipal Processos na Educação Diálogos sobre a Gestão Municipal Processos na Educação I. APRESENTAÇÃO II. GESTÃO DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO MUNICIPAL 1. O panorama da Política Municipal

Leia mais

Diretrizes do Programa Ensino Integral

Diretrizes do Programa Ensino Integral 1 Diretrizes do Programa Ensino Integral GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Governador Geraldo Alckmin Vice Governador Guilherme Afif Domingos Secretário da Educação Herman Jacobus Cornelis Voorwald Secretário-Adjunto

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS INTRODUÇÃO AOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS INTRODUÇÃO AOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS INTRODUÇÃO AOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS Secretaria de Educação Fundamental Iara Glória Areias Prado Departamento de Política da Educação Fundamental Virgínia

Leia mais

profissional técnica de nível médio

profissional técnica de nível médio As novas diretrizes curriculares nacionais para a educação básica e suas implicações na educação profissional técnica de nível médio Francisco Aparecido Cordão * Resumo O artigo apresenta o arcabouço legal

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável Cartilha Qualidade Brasília maio de 2005 Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministra do Meio Ambiente

Leia mais

Heloísa Lück Dimensões da gestão escolar e suas competências

Heloísa Lück Dimensões da gestão escolar e suas competências Heloísa Lück Dimensões da gestão escolar e suas competências Editora Positivo Curitiba 2009 Ficha Catalográfica Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP,

Leia mais

Tema III. Orçamentos e Sistemas de Informação sobre a Administração Financeira Pública

Tema III. Orçamentos e Sistemas de Informação sobre a Administração Financeira Pública Tema III Orçamentos e Sistemas de Informação sobre a Administração Financeira Pública Orçamentos e Sistemas de Informação sobre a Administração Financeira Pública Segundo Lugar Francisco Hélio de Sousa*

Leia mais

Pacto Nacional pelo fortalecimento do Ensino Médio

Pacto Nacional pelo fortalecimento do Ensino Médio Pacto Nacional pelo fortalecimento do Ensino Médio I - Apresentação O Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio representa a articulação e coordenação de ações e estratégias entre a União e os

Leia mais

Instrução Operacional e Manual de Orientações nº 01 SNAS MDS / SEB - MEC, 18 de dezembro de 2014.

Instrução Operacional e Manual de Orientações nº 01 SNAS MDS / SEB - MEC, 18 de dezembro de 2014. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Instrução Operacional e Manual de Orientações nº 01

Leia mais

CLUSTERS OU SISTEMAS LOCAIS DE PRODUÇÃO E INOVAÇÃO: IDENTIFICAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E MEDIDAS DE APOIO

CLUSTERS OU SISTEMAS LOCAIS DE PRODUÇÃO E INOVAÇÃO: IDENTIFICAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E MEDIDAS DE APOIO CLUSTERS OU SISTEMAS LOCAIS DE PRODUÇÃO E INOVAÇÃO: IDENTIFICAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E MEDIDAS DE APOIO Introdução...2 O Conceito de Cluster ou Sistema Local de Produção/Inovação...2 Metodologia para Identificação

Leia mais

SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS FAMÍLIAS (DOCUMENTO PRELIMINAR) PARA CRIANÇAS DE ATÉ 06 ANOS E SUAS

SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS FAMÍLIAS (DOCUMENTO PRELIMINAR) PARA CRIANÇAS DE ATÉ 06 ANOS E SUAS SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS PARA CRIANÇAS DE ATÉ 06 ANOS E SUAS FAMÍLIAS (DOCUMENTO PRELIMINAR) DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA BRASÍLIA - FEVEREIRO DE 2010 SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA

Leia mais

REFERENCIAL CURRICULAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA AS ESCOLAS PÚBLICAS DE ALAGOAS

REFERENCIAL CURRICULAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA AS ESCOLAS PÚBLICAS DE ALAGOAS GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE SEE/AL PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MEC-PNUD-SEE/AL REFERENCIAL CURRICULAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA AS ESCOLAS PÚBLICAS DE ALAGOAS

Leia mais

A relação entre crescimento econômico e emprego no Brasil: referencial teórico, evidências empíricas e recomendações de políticas

A relação entre crescimento econômico e emprego no Brasil: referencial teórico, evidências empíricas e recomendações de políticas A relação entre crescimento econômico e emprego no Brasil: referencial teórico, evidências empíricas e recomendações de políticas Leonardo Ferreira Neves Junior Luis Henrique Paiva Introdução O presente

Leia mais

Guia da Gestão da Capacitação por Competências

Guia da Gestão da Capacitação por Competências MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO E DESEMPENHO INSTITUCIONAL COORDENAÇÃO-GERAL DE POLÍTICAS DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Guia da

Leia mais

UM ESTUDO DA COMPETITIVIDADE DOS DIFERENTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO DE HORTALIÇAS

UM ESTUDO DA COMPETITIVIDADE DOS DIFERENTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO DE HORTALIÇAS UM ESTUDO DA COMPETITIVIDADE DOS DIFERENTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO DE HORTALIÇAS Ana Elisa Bressan Smith Lourenzani Andrea Lago da Silva GEPAI Grupo de Estudos e Pesquisas Agroindustriais, Departamento

Leia mais

A gestão escolar: Um campo minado... Análise das propostas de 11 municípios brasileiros*

A gestão escolar: Um campo minado... Análise das propostas de 11 municípios brasileiros* A gestão escolar: Um campo minado... Análise das propostas de 11 municípios brasileiros* Nora Krawczyk** RESUMO: A tendência atual das reformas educacionais, em curso nas últimas décadas, em vários países

Leia mais

guião técnico de apoio ao EMPREENDEDOR EM TURISMO RURAL

guião técnico de apoio ao EMPREENDEDOR EM TURISMO RURAL Projecto 5x5 Redes Temáticas Integradas de Turismo Rural guião técnico de apoio ao EMPREENDEDOR EM TURISMO RURAL CRÉDITOS 5x5 Redes Temáticas Integradas de Turismo Rural é um projeto PRIVETUR Relatório

Leia mais

as América Latina avaliação das bibliotecas escolares no brasil

as América Latina avaliação das bibliotecas escolares no brasil as avaliação das bibliotecas bibliotecas na escolares América Latina no brasil 49.000002588.01 4900000258801 Com o objetivo de trazer informação valiosa que permita aos professores, diretores, autoridades

Leia mais

UM MODELO PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

UM MODELO PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA TRABALHO DE GRADUAÇÃO UM MODELO PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE PEQUENAS EMPRESAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Autor: Rodrigo Queiroz da Costa Lima

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: O PROFESSOR DA EDUCAÇÃO DO CAMPO E SUAS DIFICULDADES QUANTO À FORMAÇÃO INICIAL

FORMAÇÃO DOCENTE: O PROFESSOR DA EDUCAÇÃO DO CAMPO E SUAS DIFICULDADES QUANTO À FORMAÇÃO INICIAL FORMAÇÃO DOCENTE: O PROFESSOR DA EDUCAÇÃO DO CAMPO E SUAS DIFICULDADES QUANTO À FORMAÇÃO INICIAL Jailda Evangelista do Nascimento Carvalho (UFS) Alecrisson da Silva (PIO DÉCIMO) Joaquim Cardoso da Silveira

Leia mais

Directrizes para a Elaboração de Relatórios de Sustentabilidade 2000-2006 GRI. Version 3.0

Directrizes para a Elaboração de Relatórios de Sustentabilidade 2000-2006 GRI. Version 3.0 G Directrizes para a Elaboração de elatórios de Sustentabilidade 2000-2006 GI Version 3.0 DES G3: Directrizes para a Elaboração de elatórios de Sustentabilidade Índice Prefácio O Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

UMA AGENDA PARA A DÉCADA 2015-2024

UMA AGENDA PARA A DÉCADA 2015-2024 UMA AGENDA PARA A DÉCADA 2015-2024 CINCO DIFERENÇAS QUE FAZEM A DIFERENÇA QUATRO PILARES PARA AFIRMAR PORTUGAL 1º PILAR: VALORIZAR OS NOSSOS RECURSOS 2º PILAR: MODERNIZAR A ATIVIDADE ECONÓMICA E O ESTADO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL: ESTUDO DE CASO DO MUNICÍPIO DE URUÇUÍ - PI

DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL: ESTUDO DE CASO DO MUNICÍPIO DE URUÇUÍ - PI FUNDAÇÃO PARA PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DA ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA - FUNDACE MBA GESTÃO PÚBLICA COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO SÃO FRANCISCO E DO PARNAÍBA - CODEVASF DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Acolhimento e Classificação de Risco nos Serviços de Urgência. Ministério da Saúde. Acolhimento e Classificação de Risco nos Serviços de Urgência

Acolhimento e Classificação de Risco nos Serviços de Urgência. Ministério da Saúde. Acolhimento e Classificação de Risco nos Serviços de Urgência Acolhimento e Classificação de Risco nos Serviços de Urgência Ministério da Saúde Acolhimento e Classificação de Risco nos Serviços de Urgência Brasília DF 2009 1 2 Ministério da Saúde Ministério da Saúde

Leia mais

Um roteiro para desenvolver o empreendedorismo. Louis Jacques Filion. Cadeira de empreendedorismo Rogers-J.A.Bombardier HEC Montréal.

Um roteiro para desenvolver o empreendedorismo. Louis Jacques Filion. Cadeira de empreendedorismo Rogers-J.A.Bombardier HEC Montréal. Um roteiro para desenvolver o empreendedorismo Louis Jacques Filion Cadeira de empreendedorismo Rogers-J.A.Bombardier HEC Montréal Resumo A idéia de empreendedorismo, e mais particularmente a idéia de

Leia mais