FORMULÁRIO-SÍNTESE DA PROPOSTA - SIGProj EDITAL EDITAL Nº 001/ UNEMAT/PROEC PROJETOS, PROGRAMAS, CENTROS E NÚCLEOS PARTE I - IDENTIFICAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FORMULÁRIO-SÍNTESE DA PROPOSTA - SIGProj EDITAL EDITAL Nº 001/2010 - UNEMAT/PROEC PROJETOS, PROGRAMAS, CENTROS E NÚCLEOS PARTE I - IDENTIFICAÇÃO"

Transcrição

1 GOVERNO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA FORMULÁRIO-SÍNTESE DA PROPOSTA - SIGProj EDITAL EDITAL Nº 001/ UNEMAT/PROEC PROJETOS, PROGRAMAS, CENTROS E NÚCLEOS Uso exclusivo da Pró-Reitoria (Decanato) de Extensão PROCESSO N : SIGProj N : PARTE I - IDENTIFICAÇÃO TÍTULO: Redes de Coputadores de Baixo Custo com LTSP (Linux Terminal Server Project) ( ) Programa ( X ) Projeto ( ) Curso ( ) Evento ( ) Prestação de Serviços ÁREA TEMÁTICA PRINCIPAL: ( ) Comunicação ( ) Cultura ( ) Direitos Humanos e Justiça ( X )Educação ( ) Meio Ambiente ( ) Saúde ( ) Tecnologia e Produção ( ) Trabalho COORDENADOR: Diogenes Antonio Marques José FONE/CONTATO: / /

2 GOVERNO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA FORMULÁRIO DE CADASTRO DE PROJETO DE EXTENSÃO Uso exclusivo da Pró-Reitoria (Decanato) de Extensão PROCESSO N : SIGProj N : Introdução 1.1 Identificação da Ação Título: Coordenador: Tipo da Ação: Edital: Redes de Coputadores de Baixo Custo com LTSP (Linux Terminal Server Project) Diogenes Antonio Marques José / Docente Projeto EDITAL Nº 001/ UNEMAT/PROEC PROJETOS, PROGRAMAS, CENT Faixa de Valor: Vinculada à Programa de Extensão? Não Instituição: UNEMAT - Universidade do Estado de Mato Grosso Unidade Geral: Unidade de Origem: FACIEx - Faculdade de Ciências Exatas DCC - BB - Departamento de Ciências da Computação - Campus de Barra d Início Previsto: 15/05/2010 Término Previsto: 10/12/2011 Possui Recurso Financeiro: Não 1.2 Detalhes da Ação Carga Horária Total da Ação: Justificativa da Carga Horária: 300 horas As 300 horas serão usadas para montagem, instalação e manutenção da rede de computadores de terminais leves LTSP. Isso inclui entre outras coisas: 1- Instalção e configuração dos computadores clientes; 2- Instalação e configuração do Servidor LTSP; 3- Montagem da estrutura de cabeamento (Rack, canaletas,

3 passagens de cabos e configuração de dispositivos de conectividade - Switch); 4- Instalação de softwares; 5- Treinamento em informática básica para o público externo no Sistema Operacional Ubuntu. 6 - Suporte técnico e manutenção da rede enquanto durar a vigência do projeto; Descrição - O laboratório será usado para dar aulas de reforço para alunos do ensino fundamental em matemática e Português. Além disso, os mesmos terão treinamento básico em informática. O laboratório em questão também será usado para ensino no curso de Ciência de Computação nas disciplinas que envolvem redes de computadores (IC-II no segundo semestre, Redes e Sistemas Distribuídos e Sistemas de Computação no 7 semestre e Teleprocessamento do 8 Semestre). Periodicidade: A Ação é Curricular? Abrangência: Permanente/Semanal Não Municipal Município Abrangido: Tem Limite de Vagas? Barra do Bugres - Mato Grosso Sim Número de Vagas: 45 Local de Realização: Período de Realização: Tem Inscrição? A realização será contemplada em Sala Adequada Cedida ao Departamento de Ciência da Computação pela coordenação do Campus com pelo menos 15 Computadores, bancadas, mesas e cadeiras, refrigeração e Iluminação adequada ao atendimento do nosso público alvo. As atividades que envolvem o público externo será aos sábados no período matutino das 08:00 às 12:00 horas. Já a parte que envolve o ensino no curso de Ciência da Computação será Realizada de acordo com os horários das disciplinas envolvidas, conforme determinado pelo Departamento de Ciência da Computação com base no calendário acadêmico. Sim Início das Inscrições: 15/07/2010 Término das Inscrições: 10/08/2010 Contato para Inscrição: Tem Custo de Insc./Mensalidade? Site da Unemat de Barra do Bugres - Departamento de Ciência da Computação. Não 1.3 Público-Alvo Alunos do ensino fundamental (5 a 8 Série) e Alunos Matriculados no Curso de Ciência da Computação.

4 Nº Estimado de Público: 100 Discriminar Público-Alvo: A B C D E Total Público Interno da Universidade/Instituto Instituições Governamentais Federais Instituições Governamentais Estaduais Instituições Governamentais Municipais Organizações de Iniciativa Privada Movimentos Sociais Organizações Não-Governamentais (ONGs/OSCIPs) Organizações Sindicais Grupos Comunitários Outros Total Legenda: (A) Docente (B) Discentes de Graduação (C) Discentes de Pós-Graduação (D) Técnico Administrativo (E) Outro 1.4 Parcerias Não há Instituição Parceira. 1.5 Caracterização da Ação Área de Conhecimento: Área Temática Principal: Área Temática Secundária: Linha de Extensão: Ciência da Computação» Sistemas de Computação» Software Básico» Ciências Exatas e da Terra Educação Trabalho Jovens e adultos 1.6 Descrição da Ação Resumo da Proposta: A proposta consiste em implantar uma Rede de Computadores de baixo custo no Campus da Unemat de Barra do Bugres visando promover treinamento em informática e a inclusão digital dos alunos do ensino fundamental do município de Barra do Bugres. Além de servir como suporte ao curso de Ciência da Computação. Redes de Computadores de baixo custo podem ser criadas usando uma alternativa, eficiente, segura e

5 com gerenciamento centralizado das informações. Esta técnica pode ser empregada por meio de uma solução livre chamada LTSP (Linux Terminal Server Project) que roda na plataforma GNU/Linux disponibilizando aos usuários terminais leves com ótimo desempenho. Assim, não é necessário comprar computadores clientes novos, basta apenas uma máquina atual (com hardware de melhor qualidade) que será usada como servidor possibilitando o uso de computadores legados como clientes, que estes terão um bom desempenho. Assim, a administração do Campus terá que investir apenas em um único computador novo que funcionará como Servidor, e os computadores usados como clientes serão máquinas legadas ou adquiridas por meio de doações. Palavras-Chave: Redes de Computadores, Internet, Inclusão Digital, LTSP Linux. Informações Relevantes para Avaliação da Proposta: Redução de custos, Inclusão Digital e Utilização de Tecnologia Livre e Alternativa. A instalação e configuração da rede será feita pelos professores proponentes do projeto: Diógenes Antonio Marques José, Everton Ricardo do Nascimento e Luciano Zamperetti Wolski. Alem disso, o projeto contará com alunos do Curso de Ciência da Computação para auxiliar na montagem e treinamento dos alunos externos Justificativa Por trabalhar em uma instituição pública, temos presenciado a escassez de recursos financeiros (isso antes da crise financeira mundial), em consequência disso, fica muito difícil para instituições com poucos recursos, investir em equipamentos de TI (Tecnologia da Informação) novos (computadores, periféricos e softwares). Neste contexto, surgiu a ideia de elaborar um projeto que pudesse sanar ou pelo menos amenizar tal realidade. Portanto, verificamos a necessidade da implantação do serviço de terminais leves, que consiste em uma solução muito utilizada em algumas universidades e no mundo do software livre. Este recurso tem obtido aceitação e resultados excelentes por permitir a reutilização de computadores considerados legados (defasados) de maneira eficiente, segura e eficaz. Essa solução possui gerenciamento centralizado sendo baseada em um projeto de software livre chamado LTSP (Linux Terminal Server Project) responsável por armazenar as informações dos usuários e das estações de trabalho centralizando recursos de armazenamento e processamento. Dessa forma, os terminais leves serão utilizados apenas como um dispositivo de entrada e saída, pois tudo será executado e controlado diretamente pelo Servidor LTSP, aproveitando o que há de melhor na plataforma GNU/Linux. Atualmente existem diversas soluções eficazes para solucionar qualquer tipo de problema que envolva Redes de Computadores, desde que, se possua capital para investir em equipamentos e tecnologias disponíveis no mercado. Mas, quem trabalha e conhece o dia-a-dia de instituições públicas e/ou filantrópicas, sabe que os recursos financeiros para tal investimento é escasso ou inexistente, já que ambas dependem de arrecadação ou doações, Pensando nisso, é que pretendemos implantar o Linux Terminal Server Project (LTSP) no Campus da Unemat de Barra do Bugres. O LTSP é a solução ideal para este tipo de instituições de ensino, pois possui um custo reduzido para sua implementação (o software LTSP é livre e gratuito) que condiz com a realidade das mesmas. Dessa forma, este trabalho poderá auxiliar novas pesquisas nesta área, bem como abrir novos parâmetros dentro do meio, tanto acadêmico como profissional. Alem disso, esse projeto beneficia instituições públicas, em especial instituições de ensino, pois possibilitará a criação de laboratórios de informática de baixo custo, (rede de computadores), bastando apenas a compra de um único computador novo, de modo que os demais possam ser computadores legados (ultrapassados para os moldes atuais). Neste contexto, pretende-se além de solucionar os atuais problemas, promover a inclusão digital, dos alunos da escola SOS Criança, não só dos alunos, mais também de funcionários e de professores, contribuindo assim, com crescimento pessoal e profissional, da nossa cidade além de promover a economia de recursos

6 reaproveitando máquinas antigas (computadores legados) que seriam sucateadas Fundamentação Teórica Redes de Computadores O surgimento das Redes de Computadores foi impulsionado pela necessidade de armazenamento e transferência de informações entre computadores, que teve seu início durante a década de 1960 substituindo o então tedioso método dos cartões perfurados, utilizados também pela IBM. Nesta época os equipamentos de informática e os chamados Mainframes, devido ao alto custo, só existiam nos grandes centros de pesquisas, universidades e instituições militares. (MORIMOTO, 2008, p.12). Entre 1969 a 1972 foi criada a ARPANET, que deu origem a atual Internet. A ARPANET unia quatro destes centros, interligando seus servidores, dando origem a uma das primeiras (se não a primeira) rede de computadores conhecida, conectados através de um link de 50 Kbps, usando linhas telefônicas adaptadas como link de dados, a Stanford Research Institute, a Universidade da Califórnia, a Universidade de Santa Bárbara e a Universidade de Utah nos EUA. O sucesso foi tanto que em 1973 já estavam interligando 30 instituições, incluindo algumas grandes empresas. (MORIMOTO, 2008, p.12) Após este período a preocupação destas instituições em melhorar a conectividade, a eficiência na transmissão dos dados e a velocidade de processamento dessas informações, mudou o rumo da humanidade, dando início a uma massiva evolução dos softwares e hardwares. Criou-se então o padrão Ethernet, que foi usado a priori para criar redes locais, e os protocolos de comunicação TCP/IP (Transmission Control Protocol/Internet Protocol), além de muitas outras melhorias que usamos ainda hoje como o , o telnet1 e o FTP (File Transfer Protocol). (MORIMOTO, 2008, p.13). Dada a disseminação dos microcomputadores o padrão Ethernet se popularizou e da necessidade de conectar cada computador a Internet houve então a junção da Arpanet com o Ethernet e em 1990 com a abertura da Internet as redes atingiram proporções assustadoras. (MORIMOTO, 2008 p.16). As redes de computadores atuais desenvolveram-se amplamente dado a popularização da Internet, a qual impulsionou a passos largos a massificação da conectividade entre todos os pontos do planeta, padronizando o protocolo TCP/IP criado ainda em 1974, protocolo de quatro camadas baseadas no modelo OSI, como rede universal, sendo a própria Internet a maior rede de computadores do mundo. (MORIMOTO, 2008, p.13). Os Terminais Burros ou Terminais Leves vem sendo motivo de discussão e estudo desde antes da popularização das redes, há 40 anos atráz foi a tecnologia mais disseminada juntamente com os antigos mainframes da IBM, e vem acompanhando a evolução no decorrer dos anos. Hoje ressurgiu com força total com o nome de Thin Clients, movimentado as indústrias e as grandes corporações, que estão repensando seus conceitos sobre TI. (CARMONA, 2007, p.04) Como o desempenho e a implantação dos Thin Clients estão diretamente relacionados as redes de computadores e esta última aos protocolos de comunicação, faz-se necessário para melhor compreender a estrutura lógica das redes uma breve descrição do modelo de camadas, em especial o modelo TCP/IP. Modelo TCP/IP O protocolo TCP/IP, como é popularmente conhecido, é a junção de dois dos principais protocolos de comunicação em rede, o TCP - Transmission Control Protocol e o IP Intenet Protocol. Sua popularização se deu por dois motivos: era um protocolo leve e possuía um baixo custo de utilização se comparado aos demais protocolos existentes na época. Devido a esses fatores teve seu sucesso garantido com a popularização da Internet e a agregação do protocolo pelos fabricantes de tecnologias de rede. O TCP/IP foi tão difundido que se tornou um padrão mundial e hoje pouco se conhece a respeito de outros protocolos. (RFC1180, 1991, tradução nossa). Para melhor entender o funcionamento do padrão de comunicação TCP/IP deve-se conhecer as camadas nos quais se divide. Camada de Aplicação É a quarta camada do modelo TCP/IP, controla os dados transmitidos na rede em tempo real, tendo um socket2 para comunicação dos aplicativos com uma porta para conexão neste protocolo. Este ponto de acesso chama-se SAP - Service Access Point. Atuam também protocolos mais populares como: HTTP (Hypertext Transfer Protocol), SMTP (Simple Network Management Protocol), POP3 (Post Office Protocol),

7 FTP (File Transfer Protocol), SNMP (Simple Network Management Protocol), DNS (Domain Name System), SSH (Secure Shell Handler), NFS (Network File System) e o TELNET (TELecommunication NETwork). (CARMONA, 2007, p.20). Camada de transporte É a terceira camada do modelo TCP/IP. Nesta camada atuam os protocolos TCP e UDP (User Datagrama Protocol). O TCP é um protocolo orientado a conexão, confiável, com correção de erro, solicitação de reenvio de pacotes perdidos, ordenação correta na entrega dos pacotes. Mas para tanto exige maior tempo na transferência destas informações, mesmo pela partida lenta (tree way hand-shake) que é característico deste protocolo. O UDP é um protocolo não orientado a conexão, com transmissão não confiável, oferecendo o mínimo overhead3 de transporte em redes, sendo muito mais rápido e prático do que o TCP. Pelo fato do protocolo UDP não ordenar de forma correta os pacotes recebidos, não controlar o fluxo e o congestionamento da rede, tem-se trabalhado outros protocolos em parceria ao UDP, como por exemplo, o RTP (Real Time Protocol), que fornece registro de tempo, numeração seqüencial e outros mecanismos para suprir estas necessidades. (CARMONA, 2007, p.21) Camada de Inter - Rede É a terceira camada do modelo TCP/IP, na qual tem como função principal o roteamento IP. No envio do pacote, os dados recebidos da camada de aplicação são encapsulados com um cabeçalho IP, no qual é colocado um endereço IP de destino e origem, entre outras funcionalidades. Estes endereços permitem aos roteadores definirem caminhos nos quais estes pacotes irão seguir. Além do IP esta camada possui outros protocolos importantes como: o ICMP (Internet Control Message Protocol) que efetua o controle de mensagens, o ARP (Address Resolution Protocol) que associa o endereço IP ao endereço MAC (Media Access Control) e o RARP (Reverse Address Resolution Protocol) que em oposição ao ARP associa o endereço MAC ao endereço IP. (CARMONA, 2007, p.22). Camada de Host/Rede Esta é a primeira camada do modelo TCP/IP. Nesta camada o principal abjetivo é a padronização de protocolos para tratar de interfaces elétricas, mecânicas e de sinalização, ou seja, de comunicação e transferência de bits. (CARMONA, 2007, p.23) Administração de Redes Redes de computadores é o termo usado para definir que diversos dispositivos (computadores, impressoras, etc.) estão interligados e mantém algum tipo de comunicação, que pode ser realizada através de um meio físico ou algum meio de propagação de sinal. Com o aumento crescente do número de softwares e dos meios de interligar essas redes foi necessário que se houvesse algum tipo de controle sobre elas, surgiu então a necessidade de administrá-las. (Revista do Linux, 2007). Existem diversas normas técnicas que regulamentam a implementação de redes cabeadas. Essas normas são criadas e administradas, inclusive em suas alterações e correções, pelo IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), órgão localizado nos Estados Unidos. As normas desse padrão costumam ser referenciadas pela sigla IEEE, seguida da numeração da norma - numeração que costuma batizar, por vezes, os protocolos ou interfaces surgidos após as especificações da norma. (Revista do Linux, 2007). Há quem pense que para se construir uma rede de computadores basta simplesmente passar alguns cabos de rede e interligar os computadores a um concentrador (Hub ou Switch), mas não é tão simples quanto parece. Construir uma rede, contudo, demanda planejamento e manutenção. Existem normas específicas para a montagem de uma rede de qualquer porte, incluindo o posicionamento do cabeamento (conhecido no mundo computacional como topologia da rede), manufatura dos cabos de rede e configuração e determinação de regras para distribuição de endereços de rede IP. Estas normas está incorporada no dia a dia de um Administrador de Redes de computadores (também conhecido por sysadmin) e seguí-las passou a ser um dos escopos do bom profissional. (Revista do Linux, 2007). Com o crescimento ininterrupto de tecnologias e serviços de rede CARMONA (2005), afirma que Para esse administrador, o número de disciplinas e de conhecimentos necessários para executar bem seu trabalho cresceu, e cresce, em progressão sucessiva. Aos tradicionais conhecimentos sobre cabeamento, pilha TCP dos sistemas operacionais e servidores esses últimos, divididos em tantos ramos quanto serviços e necessidades dos usuários existirem - juntaram-se conhecimentos sobre acesso remoto, configuração de dispositivos de rede, segurança... Até o modelo de mainframes amparados por redes de terminais burros renasce com força, sob um novo nome - os thin clients - e movimenta o mercado de

8 hardware e as consultorias de TI e de projetos de rede. LTSP O LTSP é um software utilizado para promover um ambiente de trabalho em rede a baixo custo que após um longo período de teste e utilização passou por inúmeras modificações e atualizações. Hoje ele se encontra na 5a (quinta) versão que está mais robusta, estável e eficaz do que nunca. O LTSP 5 (cinco), foi incluído no repositório de algumas distribuições Linux e dentre as inovações inseridas a principal está no que diz respeito a facilidade na instalação e configuração. (PIRES, 2008). LTSP é a sigla para Linux Terminal Server Project, um projeto criado por James McQuillan nos Estados Unidos e hoje é mantido por vários desenvolvedores ao redor do mundo. Atualmente é um grande sucesso no mundo todo, principalmente em países sub-desenvolvidos. (PROPUS, 2008). Segundo Morimoto (2006) o LTSP é, na verdade, uma espécie de distribuição Linux destinada a ser carregada pelos terminais. Os arquivos de configuração e os protocolos necessários para a inicialização destes terminais ficam armazenados em um servidor e são transferidos assim que solicitados através da rede. Por ser um projeto de código aberto mantido pela comunidade Linux, possui a contribuição de inúmeros programadores e grande aceitação pelas instituições públicas de ensino, nas quais já funcionam alguns laboratórios de informática para uso dos alunos, servindo de auxílio ás atividades escolares e extracurriculares. A PROPUS (2008), afirma que Existem vários casos de sucesso de implementação de LTSP no Brasil. Inclusive muitos governos estão profundamente estudando essa alternativa. Podemos destacar aqui as prefeituras de São Paulo e Porto Alegre, que estão fazendo projetos pilotos de LTSP nos seus ele-centros. Funcionamento do LTSP Para inicializar um terminal burro com hardware antigo através de um servidor LTSP era preciso que houvesse um pequeno programa chamado Etherboot gravado em uma mídia local (CD-ROM ou Disquete) ou até mesmo que fosse gravado no chip boot ROM da placa de rede. As placas mães mais recentes já dão suporte a boot via rede, através de um protocolo chamado PXES (Preboot execution Environment System), basta que seja ativada esta opção na BIOS (Boot Input Operating System) da placa (MORIMOTO, 2005). MORIMOTO (2005), afirma ainda que o LTSP [...] utiliza uma combinação de DHCP, TFTP, NFS e XDMCP para permitir que as estações não apenas rodem aplicativos instalados no servidor, mas realmente dêem boot via rede, baixando todos os softwares de que precisam diretamente do servidor. Cada um dos protocolos necessários para o carregamento do Thin Client serão apresentados nas próximas sessões para melhor compreensão do seu funcionamento. DHCP O DHCP é o protocolo para distribuição dinâmica de endereços de rede. É instalado em um computador servidor e configurado para que cada Thin Client receba as configurações de rede automaticamente. Dentro do pacote enviado pelo servidor DHCP estão especificados o endereço IP, máscara, gateway e servidores DNS que o terminal utilizará. Estas configurações poderão ser renovadas ou não em um certo período de tempo ou em cada reinicialização, tudo será determinado pelo administrador da rede. Após a instalação e configuração do DHCP, a conectividade da rede dependerá essencialmente de seu funcionamento. (MORIMOTO, 2008, p.138,139). O servidor DHCP é o primeiro a ser acessado pela estação. Ela 'acorda' sem saber quem é, e o DHCP responde entregando as configurações da rede e dizendo qual Kernel ou cliente PXE a estação deve carregar e em qual compartilhamento de rede (no servidor) onde está o sistema a ser carregado por ela [...] (MORIMOTO, 2005). TFTP O TFTP tende a ser um protocolo de comunicação rápido por utilizar partas UDP que não necessitam fazer verificação de erros na transmissão dos dados. Trivial File Transfer Protocol. No Inglês o 'trivial' indica algo fácil, descomplicado, o que ilustra bem a função do TFTP. Ele é uma espécie de parente do FTP, mas que utiliza portas UDP para transferir arquivos, sem nenhum tipo de verificação de erros e sem muitos recursos de segurança. Os dados são simplesmente transmitidos da forma mais rápida e simples possível. (MORIMOTO, 2006) O TFTP é um protocolo extremamente simples usado principalmente para ambientes com terminais leves,

9 onde o boot das estações é realizado através de um servidor na rede. Necessita que um pequeno software (aproximadamente 50KB) seja armazenado em cada cliente, podendo ser armazenado nos chips das placas de redes ou em alguma mídia externa (CD-ROM ou Disquete) o que proporciona ao terminal carregar uma imagem de boot do servidor LTSP juntamente com o driver da placa de rede. (MORIMOTO, 2005). NFS O NFS é o protocolo padrão do sistema de arquivos em rede do GNU/Linux, usado para compartilhar arquivos. Desenvolvido pela Sun, permite compartilhamento simples de arquivos que serão acessados pelos usuários de maneira comum. Neste protocolo, qualquer operação realizada com arquivos executadas por um programa será enviada pela rede para outro computador (CARMONA, 2005). Com o NFS funcionando, a estação avança mais um pouco no boot. Agora ela consegue montar o diretório raiz e começar o carregamento do sistema, mas para no ponto em que procura pelo arquivo 'lts.conf', que é justamente o principal arquivo de configuração do LTSP, carregado pelas estações no início do boot. (MORIMOTO, 2006) XDMCP Assim como muitos outros recursos usados em sistemas Unix, o XDMCP tem suas raízes nas redes da década de 70 e 80, baseadas no uso de terminais burros. Na época, os computadores com o poder de processamento necessário para rodarem aplicativos gráficos elaborados eram muito caros, de forma que fazia sentido diluir o custo entre vários clientes, usando um servidor central, com um grande poder de processamento e vários terminais burros, assim como hoje em dia os serviços de hospedagem utilizam um único servidor para hospedar vários sites. (MORIMOTO, 2008). O XDMCP é um protocolo nativo do X, que há muito vem sendo usado em ambiente com terminais leves, permite que o X possa ser acessado localmente ou por qualquer computador da rede. O terminal encaminha o que é recebido pelo servidor através da rede, direto para a saída de vídeo. Isso faz com que o servidor receba toda a carga, possibilitando um mínimo de processamento dos clientes. Com um mínimo de configuração de hardware já é possível ter um terminal X funcional. (MORIMOTO, 2008). Vantagens e Desvantagens maiores detalhes através de dados informados pela empresa Smart Union (2008): A vantagem mais visível é o corte de custo, pois vários estudos e comparativos de custo de Thin Client provam que essa tecnologia é ainda uma das mais em conta e costumam ser 60% mais baratas. Acesso de qualquer parte do mundo à seus arquivos de trabalho e aplicações corporativas (obviamente respeitando-se as mesmas regras de segurança aplicadas aos computadores convencionais). Redução da administração e suporte ao usuário final - Têm-se um único ponto de administração e como nada é guardado na máquina, esta está imune a viroses, updates e upgrades de hardware. Adição ou Reposição de equipamento do usuário é mais simples - Devido ao baixo custo e a administração centralizada, um novo usuário/computador pode ser instalado em minutos (não há necessidade de instalar-se Windows/Linux) e no caso de alguma queima (do servidor, onde todos os dados e configurações ficam armazenados), basta-se ter um backup dos dados. Aumento da garantia de uso - Enquanto um PC dura horas (3 anos de uso corrido), um Thin Client dura horas (21 anos teoricamente). Aumento na segurança dos dados - Um Thin Client não tem CD-ROM, Floppy Disk ou HD e portanto não há como haver roubo de informações através destes, sendo que os dados serão concentrados em um servidor que pode ficar em um ambiente isolado e com acesso restrito. O Thin Client apresenta-se ao usuário final da mesma forma que um PC tradicional o faz e pode rodar qualquer software - Windows, Unix, Linux, Java, etc. - permitindo fácil integração com a solução pré-existente. Outros: Baixo consumo de energia (usa 20% da energia de um PC), Ocupa menos espaço (há Thin clients de 13 centímetros) é 100% compatível com Sistemas Operacionais de licença livre. Utilizar um Servidor de Terminais também possui algumas poucas desvantagens. São elas: Deve-se investir na estruturação da rede para que seja rápida e confiável, pois uma falha na comunicação com o Servidor pode deixar os terminais inoperantes. Se o Servidor ou o concentrador (Hub/Switch) apresentar problema, todas as estações param de funcionar simultaneamente.

10 Algumas soluções proprietárias podem ser mais caras que o mesmo número de Desktops. Para se configurar um Servidor baseado em Linux, deve-se possuir um bom conhecimento do Sistema Operacional e de Redes de computadores. Percebe-se nitidamente que as desvantagens são insignificantes se comparadas com as vantagens, ainda porque se a rede for estruturada e bem configurada pelo Administrador, que deve ter um mínimo de experiência, elas deixam de existir. Outro detalhe importante é que podemos generalizar, pois estas desvantagens são características de toda a rede com arquitetura Cliente/Servidor. Portanto estes dados tornam completamente viáveis a implantação do projeto para atingir os objetivos propostos. Sistema Operacional GNmU/Linux O kernel (e.g., Núcleo do Sistema Operacional) do sistema operacional Linux começou a ser escrito em 1991 por um estudante finlandês chamado Linus Torvalds, que teve a idéia de desenvolver um sistema que não houvesse custos e tivesse as mesmas funcionalidades do Minix (e.g., Versão Comercial do UNIX muito utilizada nas Universidades (SMITH, 2005)), portanto, pode-se dizer que o Linux é um descendente próximo do UNIX (e.g., é um sistema operacional proprietário, desenvolvido por Ken Thompson, pertencente ao The Open Group (consórcio formados por empresas de informática). (SMITH, 2005)). Linus disponibilizou o seu código na Usenet (e.g., é o antigo nome dado a atual Internet (CARMONA, 2005)) para downloads e correções, e sem que imaginasse deu início a construção de um software que seria um concorrente á altura dos maiores e melhores sistemas operacionais comerciais existente no mundo, com uma diferença, podia ser copiado, utilizado e alterado livremente. (CARMONA, 2005 p. 16). Como os comandos e ferramentas utilizados no kernel do Linux possuem herança do GNU (e.g., GNU is Not Unix, o que pretende esclarecer sua independência em relação ao sistema UNIX comercial, desenvolvido por Richard Stallman e sua FSF Free Software Fundation. (CARMONA, 2005)) sendo em sua maioria versões ou compilação de aplicativos GNU, passou a ser conhecido pela comunidade do software livre como GNU/Linux. Esta ideologia bem como a filosofia de trabalho que rege o desenvolvimento e manutenção baseada na GPL General Public License e na FSF Free Software Fundation, garantiram ao Linux quatro regras básicas de liberdade: 1. Executar o programa, qualquer que seja o seu propósito; 2. Estudar como o programa funciona para adaptá-lo às suas necessidades. Para tanto, é pré-requisito ter acesso ao código fonte, o esqueleto do programa, desenvolvido por seus criadores; 3. Redistribuir cópias de modo que você possa ajudar o seu próximo; 4. Aperfeiçoar o programa e disponibilizar os resultados, de modo que toda a comunidade se beneficie. O acesso ao código fonte é novamente um pré-requisito. (CARMONA, 2005 p. 17) Objetivos Objetivo geral: Criar uma alternativa, eficiente, segura e econômica, com gerenciamento centralizado das informações dos usuários, promovendo inclusão digital à comunidade externa e aproveitando o que há de melhor na plataforma GNU/Linux para disponibilizar aos acadêmicos terminais leves e de grande desempenho e também mais uma via de acessoa a informação. Objetivos específicos: - Promover a inclusão digital; - Promover a integração entre a UNEMAT - Universidade do Estado de Mato Grosso e a Sociedade; - Contribuir com o desenvolvimento local; - Reduzir custos na criação de laboratórios de informática; - Reaproveitar computadores legados; - Ampliara os recursos tecnológicos e didáticos da Unemat de forma econômica e eficiente Metodologia e Avaliação O desenvolvimento do projeto consiste na implementação de uma Rede de Computadores no Campus da

11 Unemat de Barra do Bugres. A implantação da rede de computadores será composta das seguintes etapas: - Elaboração do projeto de redes (desenho da arquitetura de redes com o uso do software DIA); - Infra estrutura: Armário de telecomunicações (montagem e conectorização); canaletas aparentes, passagens de cabos, conectorização, acompanhamento da implantação da bancada (mesa dos computadores), acompanhamento da instalação elétrica (implantação de tomadas e passagens de fios elétricos); - Montagem e configuração de dispositivos de conectividade (switch e modem ADSL); - Montagem e configuração dos terminais leves; - Montagem e configuração do Servidor; O desenvolvimento do trabalho é baseado na pesquisa bibliográfica e no conhecimento prático baseado na experiência dos docentes envolvidos. Os conhecimentos envolvidos para realização deste projeto abrange: - conceitos intermediários de redes de computadores: protocolos de comunicação, portas de comunicação, endereçamento IP, dispositivos de conectividade (Hubs, Switches, Gateways, Roteadores, modens e afins); - Sistemas Operacionais - Administração e instalação de pacotes; - Projeto de cabeamento estruturado de Telecomunicações; - Treinamento e uso de TI: palestras e aulas didáticas sobre utilização do Sistema Operacional Linux e seus aplicativos (Escritório, comunicação e Softwares Educativos). - Suporte e Manutenção: Manter a rede em funcionamento durante a vigência do projeto, mantendo o mesmo atuante junto a instituição, para a implantação de novas máquinas na rede, instalação de periféricos diversos (impressoras, monitores, teclados, entre outros) sempre zelando e promovendo o ótimo funcionamento da rede. Além dos conhecimentos técnicos em informática há também o emprego de técnicas didáticas para o treinamento de alunos, tanto da comunidade externa como do curso de Ciência da Computação por meio de aulas e palestras, possibilitando a qualificação dos mesmos para o uso eficiente dos recursos oferecidos pelo laboratório de informática. Dessa forma, alcançaremos nossos objetivos por meio da promoção da inclusão digital dos 45 alunos da comunidade local em conjunto com as aulas de reforço de matemática e português para alunos da comunidade. Além disso, estaremos promovendo a economia de recursos, pois as máquinas que serão usadas no projetos são máquinas legadas, não havendo necessidade de compra de computadores novos com exceção do servidor. Além disso, contaremos com a ajuda de alunos voluntários do Campus para auxiliar nos trabalhos, tanto na parte técnica como na parte didática, que contarão como carga horária para os alunos envolvidos como atividades extra curriculares. O projeto em questão possibilitará a produção de conhecimento na forma de treinamento técnico (para alunos do curso de Ciência da Computação), na forma de inclusão digital e reforço didático (para o público extra campus) com a disseminação do conhecimento na comunidade local, em especial, os alunos do ensino fundamental do município. Este projeto contará com a participação de 6 pessoas: dois coordenadores, um instrutor/supervisor, três voluntários que serão alunos do próprio Campus do curso de Ciência da Computação a serem escolhidos pelo colegiado de curso. Os membros da equipe serão encarregados das seguintes tarefas: Capacitação com aulas de reforço de português e matemática para alunos oriundos das escolas municipais, treinamento em informática usando software livre, uso do laboratório para aulas do curso de Ciência da Computação que envolva redes Computacionais ou pesquisa na área computacional, suporte e manutenção da rede de computadores para o correto funcionamento da mesma. Alem disso, o projeto possibilitará a integração Universidade/Sociedade por meio desta ação entre a Unemat e o público externo. Aqui também é evidente a relação entre ensino, pesquisa e extensão. O ensino esta relacionado à aplicação prática do conhecimento adquirido em sala de aula na implementação dos terminais leves no próprio Campus, alem disso, o ensino está sendo realizado a todo o momento que os alunos estiverem em contato com o laboratório, seja no seu uso ou no entendimento do mesmo. Neste contexto, a pesquisa é caracterizada, pela busca de novas técnicas e novos métodos que

12 melhoram a vida das pessoas, que neste caso é conseguida com a experimentação prática da utilização de computadores legados para construção de uma ferramenta de inclusão digital, uma rede de telecomunicação de baixo custo (tanto operacional quanto financeiro), com a utilização de recursos específicos, o LTSP. A extensão é caracterizada pela ação da universidade de expandir suas ações para além de suas fronteiras, aqui evidenciado pela interação da Unemat com os alunos das escolas públicas do município de Barra do Bugres, permitindo o acesso das pessoas a informação e a capacitação para o ingresso no mercado de trabalho Conteúdo Programático A modalidade da ação de Extensão Universitária é "Projeto", não necessitando do preenchimento deste item no formulário do SIGProj Relação Ensino, Pesquisa e Extensão A relação ensino e extensão neste projeto, pode ser evidenciada com a aplicação prática do conhecimento acadêmico, uma vez que a implantação da rede de computadores possibilitará conflitar a teoria com a prática e ao mesmo tempo democratizar o conhecimento acadêmico. Permitindo aos alunos do ensino fundamental uma visão mais articulada do processo educacional através da inserção dos computadores como ferramenta de apoio. Além disso, possibilitará aos alunos do Curso de Ciência da Computação um recurso a mais com auxilio em suas pesquisas. As experiências que serão adquiridas com este projeto, acarretará em um aprimoramento do ensino/aprendizado, tanto por parte da universidade quanto pelo público externo (aqui entendido como os alunos do Ensino Fundamental do município de Barra do Bugres) retornando a universidade uma visão prática da aplicação do conhecimento acadêmico. A relação entre pesquisa e extensão é caracterizada pela produção do conhecimento com a implantação de uma redes de computadores de baixo custo, neste caso o LTSP, que possibilitará a transformação da sociedade local, que se beneficiará com o uso dos recursos de TI desta ação (rede de computadores, treinamento, utilização de softwares livres, educativos, entre outros). A ação em questão é caracterizada pela interação entre universidade e sociedade. Essa interação é capaz de operacionalizar a teoria e prática, uma vez que os conhecimentos aprendidos na universidade são utilizados e postos a prova Programação A modalidade da ação de Extensão Universitária é "Projeto", não necessitando do preenchimento deste item no formulário do SIGProj Avaliação Pelo Público A ação será avaliada pelo público, por meio de formulário específico a cada três meses, onde o avaliador descreverá os benefícios conseguidos com a ação, assim como, possíveis melhoras no processo de desenvolvimento da mesma. Pela Equipe A equipe avaliará a ação por meio de reuniões mensais, onde os membros discutirão os resultados obtidos. Essa discussão será feita com base na observação direta da ação pelos membros do projeto e também com base em conversas dos integrantes da equipe com os professores responsáveis pelos alunos do ensino municipal escolhidos. O principal objetivo da avaliação será a melhora nos serviços prestados aos usuários em cumprimento das metas propostas no projeto Solicitação de Apoio A modalidade da ação de Extensão Universitária é "Projeto", não necessitando do preenchimento deste item no formulário do SIGProj.

13 Referências Bibliográficas CARMONA, Tadeu. Universidade LINUX. São Paulo: Digerati Books, ISBN LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, porjeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. São Paulo: Atlas, ISBN MORIMOTO, Carlos E. REDES: Guia Prático. Porto Alegre: Sul Editores, ISBN MORIMOTO, Carlos E. Redes e Servidores Linux: Guia Prático. Porto Alegre: Sul Editores, ISBN MORIMOTO, Carlos E. DHCP: Dynamic Host Configuration Protocol. Disponível em:<http://www.guiadohardware.net/termos/dhcp>. Acesso em: 20 de junho de 2008.MORIMOTO, Carlos E. TFTP: Trivial File Transfer Protocol. Disponível em: <http://www.guiadohardware.net/termos/tftp>. Acesso em: 20 de junho de MORIMOTO, Carlos E. NFS: Network File System. Disponível em: <http://www.guiadohardware.net/dicas/usando-nfs.html> Acesso em: 20 de junho de MORIMOTO, Carlos E. XDMCP: X Display Manager Control Protocol. Disponível em: <http://www.guiadohardware.net/termos/xdmcp>. Acesso em: 20 de junho de PROPUS. LTSP Linux Terminal Server Project. Disponível em: <http://www.guiadohardware.net/termos/tftp>. Acesso em: 20 de junho de Revista Linux Magazine: Thin Clients e Redes de Terminais. Linux. New Media do Brasil Editora Ltda. São Paulo, julho de Revista Linux Magazine: Administração de Redes. Linux. New Media do Brasil Editora Ltda. São Paulo, Setembro de VELOSO, Waldir de Pinho. Como redigir trabalhos científicos: monografias, dissertações, teses e TCC. São Paulo: IOB Thomson, ISBN SMITH, Tadeu. Linux no mundo Windows. Rio de Janeiro: Editora Alta Books, ISBN Observações 1.7 Divulgação/Certificados Meios de Divulgação: Contato: Internet Departamento de Ciência da Computação ramal 205 Professor Everton: Professor Diógenes: Professor Luciano: Emissão de Certificados: Participantes, Equipe de Execução Qtde Estimada de Certificados para Participantes: 45 Qtde Estimada de Certificados para Equipe de Execução: 5 Total de Certificados: 50 Menção Mínima: Frequência Mínima (%): 0.7 Justificativa de Certificados: Certificado para os alunos do ensino fundamental (comprovante de participação) e Certificado para os membros Participantes (comprovar participação).

14 1.8 Outros Produtos Acadêmicos Gera Produtos: Não 1.9 Anexos Não há nenhum anexo 2. Equipe de Execução 2.1 Membros da Equipe de Execução Docentes da UNEMAT Nome Regime - Contrato Instituição CH Total Funções Cláudia Landin Negreiros Dedicação exclusiva UNEMAT 192 hrs Diego Piasson Dedicação exclusiva UNEMAT 318 hrs Vice-Coordenador, Ministrante, Colaborador Diogenes Antonio Marques José Dedicação exclusiva UNEMAT 598 hrs Coordenador, Vice-Coordenador, Ministrante, Colaborador, Membro da Comissão Organizadora, Instrutor Luciano Zamperetti Wolski Dedicação exclusiva UNEMAT 240 hrs Ministrante, Colaborador, Instrutor Raquel da Silva Vieira Coelho Dedicação exclusiva UNEMAT 192 hrs Colaborador Discentes da UNEMAT Nome Curso Instituição Carga Funções Helenira Oliveira Ferro Ciencia da Computação UNEMAT 308 hrs Colaborador, Instrutor, Bolsista de Extensão Nelson Rafael Vuolho Pereira Colaborador, Bacharelado Ciencias UNEMAT 50 hrs Instrutor, da Computação Bolsista de Extensão Técnico-administrativo da UNEMAT Não existem Técnicos na sua atividade Outros membros externos a UNEMAT

15 Não existem Membros externos na sua atividade Coordenador: Nome: Diogenes Antonio Marques José Nº de Matrícula: CPF: Categoria: Outra Fone/Contato: / / Cronograma de Atividades Atividade: Adição de computadores e Usuários no Sistema LTSP: 1 - Adicionar os computadores do Laboratório 2 ao Laboratório LTSP; 2 - Adicionar usuários no sistema para uso do laboratório. Início: Mar/2011 Duração: 1 Mês Carga Horária: 40 Horas/Mês Responsável: Diogenes Antonio Marques José (C.H. 40 horas/mês) Atividade: Divulgação nas escolas e processo de seleção dos alunos do ensino fundamental. Início: Abr/2011 Duração: 2 Semanas Carga Horária: 32 Horas Total Responsável: Diego Piasson (C.H. 8 horas Total) Membros Vinculados: Diogenes Antonio Marques José (C.H. 8 horas Total) Luciano Zamperetti Wolski (C.H. 8 horas Total) Helenira Oliveira Ferro (C.H. 8 horas Total) Atividade: Divulgação nas escolas e processo de seleção dos alunos do ensino fundamental. Início: Ago/2011 Duração: 2 Semanas Carga Horária: 32 Horas Total Responsável: Diego Piasson (C.H. 8 horas Total) Membros Vinculados: Diogenes Antonio Marques José (C.H. 8 horas Total) Luciano Zamperetti Wolski (C.H. 8 horas Total) Helenira Oliveira Ferro (C.H. 8 horas Total) Atividade: Início da primeira turma do ensino fundamental: palestra inicial sobre como será o curso; aplicação de aulas de reforço de português/matemática e introdução a informática com software livre. Três horas aos sábados, uma hora para cada disciplina. Uso do laboratório pelos alunos do curso de Ciência da Computação para

16 pesquisa com horários a ser definido de acordo com os horários das disciplinas ou conforme determinação do Departamento de Computação. Início: Mai/2011 Duração: 4 Meses Carga Horária: 144 Horas/Mês Responsável: Diego Piasson (C.H. 24 horas/mês) Membros Vinculados: Diogenes Antonio Marques José (C.H. 24 horas/mês) Luciano Zamperetti Wolski (C.H. 24 horas/mês) Helenira Oliveira Ferro (C.H. 24 horas/mês) Raquel da Silva Vieira Coelho (C.H. 24 horas/mês) Cláudia Landin Negreiros (C.H. 24 horas/mês) Atividade: Início da segunda turma do ensino fundamental: palestra inicial sobre como será o curso; aplicação de aulas de reforço de português/matemática e introdução a informática com software livre. Três horas aos sábados, uma hora para cada disciplina. Uso do laboratório pelos alunos do curso de Ciência da Computação para pesquisa com horários a ser definido de acordo com os horários das disciplinas ou conforme determinação do Departamento de Computação. Início: Ago/2011 Duração: 4 Meses Carga Horária: 144 Horas/Mês Responsável: Diego Piasson (C.H. 24 horas/mês) Membros Vinculados: Diogenes Antonio Marques José (C.H. 24 horas/mês) Luciano Zamperetti Wolski (C.H. 24 horas/mês) Helenira Oliveira Ferro (C.H. 24 horas/mês) Raquel da Silva Vieira Coelho (C.H. 24 horas/mês) Cláudia Landin Negreiros (C.H. 24 horas/mês) Atividade: Instalação do Sistema Operacional Linux Ubuntu Server, Planejamento da rede (criação das faixas de endereço IPv4), Instalação e Configuração do LTSP 5.2 (Modulos: DHCP, NFS, TFTP, XDMCP, boot das placas), Instalação do proxy SQUID 3.0 (configuração das regras de acesso e cache), Implementação de Regras de Firewall, integração do Firewall com Squid, Configuração do Access Point com Implemantação do Serviço de RADIUS com Freeradius para acesso wireless, Implementação de servidor de DNS BIND9 (para intranet e Internet), Configuração do Link de Internet - Configuração das Rotas de rede do Sistema Operacional - Implementação do serviço de SSH para Acesso Remoto e transferência de arquivos para professores. Teste das regras e Troubleshooting. Início: Set/2010 Duração: 4 Meses Carga Horária: 104 Horas/Mês Responsável: Diogenes Antonio Marques José (C.H. 50 horas/mês) Membros Vinculados: Luciano Zamperetti Wolski (C.H. 4 horas/mês) Helenira Oliveira Ferro (C.H. 25 horas/mês) Diego Piasson (C.H. 25 horas/mês)

17 Atividade: Institucionalização do Laboratório de LTSP do Departamento de Ciência da Computação: 1 - Criação do Regimento do Laboratório; 2 - Desenvolvimento do Projeto do Laboratório; 3 - Reunião com membros para lapidação do regimento e projeto. Início: Fev/2011 Duração: 1 Mês Carga Horária: 40 Horas/Mês Responsável: Diogenes Antonio Marques José (C.H. 30 horas/mês) Membro Vinculado: Diego Piasson (C.H. 10 horas/mês) Atividade: Orçamento, montagem, instalação e cofiguração da infraestrutura rede de computadores (Montagem de Rack, tomadas de dados, passagem de cabos, conectorização das tomadas do Servidor e clientes, instalações elétricas e instalação e configuração de ativos). Início: Jul/2010 Duração: 2 Meses Carga Horária: 93 Horas/Mês Responsável: Diogenes Antonio Marques José (C.H. 60 horas/mês) Membros Vinculados: Luciano Zamperetti Wolski (C.H. 8 horas/mês) Nelson Rafael Vuolho Pereira (C.H. 25 horas/mês) Local, 19/07/2011 Diogenes Antonio Marques José Coordenador(a)/Tutor(a)

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS COORDENAÇÃO DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS EDITAL CGDP/SRH Nº 04/2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS COORDENAÇÃO DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS EDITAL CGDP/SRH Nº 04/2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS COORDENAÇÃO DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS EDITAL CGDP/SRH Nº 04/2010 ABERTURA E DISPOSIÇÕES GERAIS DO CURSO DE INFORMÁTICA

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

FORMULÁRIO-SÍNTESE DA PROPOSTA - SIGProj EDITAL EDITAL A QUALQUER TEMPO 01/2013 PARTE I - IDENTIFICAÇÃO

FORMULÁRIO-SÍNTESE DA PROPOSTA - SIGProj EDITAL EDITAL A QUALQUER TEMPO 01/2013 PARTE I - IDENTIFICAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E COMUNIDADE FORMULÁRIO-SÍNTESE DA PROPOSTA - SIGProj EDITAL EDITAL A QUALQUER TEMPO 01/2013 Uso exclusivo da Pró-Reitoria (Decanato)

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES. Pilha de Protocolos TCP/IP

TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES. Pilha de Protocolos TCP/IP Camadas do Modelo TCP TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES Pilha de Protocolos TCP/IP 1 A estrutura da Internet foi desenvolvida sobre a arquitetura Camadas do Modelo TCP Pilha de Protocolos TCP/IP TCP/IP

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Criado em 1974 Protocolo mais utilizado em redes locais Protocolo utilizado na Internet Possui arquitetura aberta Qualquer fabricante pode adotar a sua

Leia mais

1 Redes de Computadores - TCP/IP Luiz Arthur

1 Redes de Computadores - TCP/IP Luiz Arthur 1 Redes de Computadores - TCP/IP Luiz Arthur TCP/IP O protocolo TCP/IP atualmente é o protocolo mais usado no mundo. Isso se deve a popularização da Internet, a rede mundial de computadores, já que esse

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

FORMULÁRIO-SÍNTESE DA PROPOSTA - SIGProj EDITAL EDITAL A QUALQUER TEMPO 01/2013 PARTE I - IDENTIFICAÇÃO

FORMULÁRIO-SÍNTESE DA PROPOSTA - SIGProj EDITAL EDITAL A QUALQUER TEMPO 01/2013 PARTE I - IDENTIFICAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E COMUNIDADE FORMULÁRIO-SÍNTESE DA PROPOSTA - SIGProj EDITAL EDITAL A QUALQUER TEMPO 01/2013 Uso exclusivo da Pró-Reitoria (Decanato)

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Tecnologia Revisão 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Comunicação de Dados As redes de computadores surgiram com a necessidade de trocar informações, onde é possível ter acesso

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro

Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Arquiteturas de Redes Organizações de padronização Modelos de referência Modelo OSI Arquitetura IEEE 802 Arquitetura

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06. Prof. Fábio Diniz

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06. Prof. Fábio Diniz FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06 Prof. Fábio Diniz Na aula anterior ERP Enterprise Resource Planning Objetivos e Benefícios ERP Histórico e Integração dos Sistemas

Leia mais

Introdução à redes de computadores

Introdução à redes de computadores 1/8 Introdução à redes de computadores Faz todo o sentido ligar os computadores em rede. Você não precisa ter uma impressora, um HD de grande capacidade, um gravador de DVDs e conexão via ADSL para cada

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores TCP/IP Fabricio Breve Fundamentos Atualmente é o protocolo mais usado em redes locais Principal responsável: Popularização da Internet Mesmo SOs que antigamente só suportavam seu

Leia mais

Camadas da Arquitetura TCP/IP

Camadas da Arquitetura TCP/IP Camadas da Arquitetura TCP/IP A arquitetura TCP/IP divide o processo de comunicação em quatro camadas. Em cada camada atuam determinados protocolos que interagem com os protocolos das outas camadas desta

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

Programação TCP/IP. Protocolos TCP e UDP

Programação TCP/IP. Protocolos TCP e UDP Programação TCP/IP Protocolos TCP e UDP Tecnologia em Redes de Computadores Unicesp Campus I Prof. Roberto Leal Visão Geral da Camada de Transporte 2 1 Protocolo TCP Transmission Control Protocol Protocolo

Leia mais

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback Modelos de Camadas Professor Leonardo Larback Modelo OSI Quando surgiram, as redes de computadores eram, em sua totalidade, proprietárias, isto é, uma determinada tecnologia era suportada apenas por seu

Leia mais

INCLUD: TRABALHANDO A INCLUSÃO DIGITAL PARA ESCOLAS PÚBLICAS E COMUNIDADES CARENTES

INCLUD: TRABALHANDO A INCLUSÃO DIGITAL PARA ESCOLAS PÚBLICAS E COMUNIDADES CARENTES INCLUD: TRABALHANDO A INCLUSÃO DIGITAL PARA ESCOLAS PÚBLICAS E COMUNIDADES CARENTES Jefferson ARANHA (1);(2)Elionildo MENEZES;(3) Aécio PIRES;(4)Marcus PINHO;(5)Pedro PAIVA;. (1) Centro Federal de Educação

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Sistemas de Informação Processamento de Dados

Sistemas de Informação Processamento de Dados Sistemas de Informação Processamento de Dados Ferramentas e serviços de acesso remoto VNC Virtual Network Computing (ou somente VNC) é um protocolo desenhado para possibilitar interfaces gráficas remotas.

Leia mais

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Já estudado... Motivação Breve História Conceitos Básicos Tipos de Redes Componentes

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy - italo@dcc.ufba.br Ponto de Presença da RNP na Bahia Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Administração de Redes,

Leia mais

Conhecer as características e possibilidades do SO GNU Linux como servidor em uma rede; Analisar a viabilidade de implantação do sistema em OM do

Conhecer as características e possibilidades do SO GNU Linux como servidor em uma rede; Analisar a viabilidade de implantação do sistema em OM do OBJETIVOS Conhecer as características e possibilidades do SO GNU Linux como servidor em uma rede; Analisar a viabilidade de implantação do sistema em OM do Exército Brasileiro. SUMÁRIO 1. Introdução 2.

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO COORDENAÇÃO GERAL DE EXTENSÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO COORDENAÇÃO GERAL DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO COORDENAÇÃO GERAL DE EXTENSÃO FORMULÁRIO-SÍNTESE DA PROPOSTA ProEXT EDITAL PROEXT 2017 TÍTULO: PARTE I IDENTIFICAÇÃO TIPO DA PROPOSTA: ( ) Programa ( ) Projeto COORDENADOR:

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro Introdução às Redes de Computadores Por José Luís Carneiro Portes de computadores Grande Porte Super Computadores e Mainframes Médio Porte Super Minicomputadores e Minicomputadores Pequeno Porte Super

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

Confrontada com o gabarito oficial e comentada. 75. A denominada licença GPL (já traduzida pra o português: Licença Pública Geral)

Confrontada com o gabarito oficial e comentada. 75. A denominada licença GPL (já traduzida pra o português: Licença Pública Geral) Prova Preambular Delegado São Paulo 2011 Módulo VI - Informática Confrontada com o gabarito oficial e comentada 75. A denominada licença GPL (já traduzida pra o português: Licença Pública Geral) a) Garante

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Prof.: Roberto Franciscatto TCP/IP, endereçamento e portas TCP/IP? Dois protocolos TCP = Transfer Control Protocol IP = Internet Protocol

Leia mais

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS Aulas : Terças e Quintas Horário: AB Noite [18:30 20:20hs] PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS 1 Conteúdo O que Rede? Conceito; Como Surgiu? Objetivo; Evolução Tipos de

Leia mais

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre 16:21:50 Introdução à Informática com Software Livre 1 16:21:50 Hardware & Software 2 16:21:50 Hardware Hardware é a parte física de um computador, é formado pelos componentes eletrônicos, como por exemplo,

Leia mais

Edital 012/PROAD/SGP/2012

Edital 012/PROAD/SGP/2012 Edital 012/PROAD/SGP/2012 Nome do Candidato Número de Inscrição - Assinatura do Candidato Secretaria de Articulação e Relações Institucionais Gerência de Exames e Concursos I N S T R U Ç Õ E S LEIA COM

Leia mais

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma 6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma empresa. Diferente do senso comum o planejamento não se limita

Leia mais

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Í n d i c e Considerações Iniciais...2 Rede TCP/IP...3 Produtos para conectividade...5 Diagnosticando problemas na Rede...8 Firewall...10 Proxy...12

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL Na internet, cada computador conectado à rede tem um endereço IP. Todos os endereços IPv4 possuem 32 bits. Os endereços IP são atribuídos à interface

Leia mais

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 TCP/IP Brito INDICE 1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 1.1.1.1 Camada de Transporte... 4 1.1.1.2 TCP (Transmission Control Protocol)... 4 1.1.1.3 UDP (User Datagram Protocol)...

Leia mais

Projeto de sistemas O novo projeto do Mercado Internet

Projeto de sistemas O novo projeto do Mercado Internet Projeto de sistemas O novo projeto do Mercado Internet Mercados em potencial de serviços Serviços da Web ftp,http,email,news,icq! Mercados em potencial de serviços FTP IRC Telnet E-mail WWW Videoconferência

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Introdução ao protocolo TCP/IP Camada de aplicação Camada de transporte Camada de rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 É o protocolo mais usado da atualidade 1 :

Leia mais

O B B J E E T T I V V O O S

O B B J E E T T I V V O O S OBJ E T I VOS Conhecer as características e possibilidades do SO Linux, como workstation simples ou elemento componente de uma rede; Analisar a viabilidade de implantação do sistema numa corporação. SU

Leia mais

Arquitetura TCP/IP Prof. Ricardo J. Pinheiro

Arquitetura TCP/IP Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Arquitetura TCP/IP Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Histórico Objetivos Camadas Física Intra-rede Inter-rede Transporte Aplicação Ricardo Pinheiro 2 Histórico Anos

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

Processo Seletivo Instrutor nº 03/2011

Processo Seletivo Instrutor nº 03/2011 l CRONOGRAMAS E TEMAS DAS Verifique o dia, o horário e o local das aulas práticas no quadro-resumo e nas tabelas seguintes de acordo com o seu número de inscrição e o seu cargo. QUADRO-RESUMO CARGO DESCRIÇÃO

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos

Fundamentos de Redes de Computadores. Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos Fundamentos de Redes de Computadores Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos Histórico O TCP/IP é um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PROTOCOLOS DA INTERNET FAMÍLIA TCP/IP INTRODUÇÃO É muito comum confundir o TCP/IP como um único protocolo, uma vez que, TCP e IP são dois protocolos distintos, ao mesmo tempo que, também os mais importantes

Leia mais

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull Informática Aplicada I Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull 1 Conceito de Sistema Operacional Interface: Programas Sistema Operacional Hardware; Definida

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Open Systems Interconnection Modelo OSI No início da utilização das redes de computadores, as tecnologias utilizadas para a comunicação

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

Terminais LTSP com opensuse Um caso prático

Terminais LTSP com opensuse Um caso prático Terminais LTSP com opensuse Um caso prático Bruno Santos (feiticeir0@feiticeir0.no-ip.org) Caldas da Rainha, 1 de Setembro 2007 António Martins (digiplan.pt@gmail.com) Terminais LTSP com opensuse Agenda

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

AULA 03 MODELO OSI/ISO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 03 MODELO OSI/ISO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 03 MODELO OSI/ISO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação INTRODUÇÃO 2 INTRODUÇÃO 3 PROTOCOLOS Protocolo é a regra de comunicação usada pelos dispositivos de uma

Leia mais

Tecnologias Web. Lista de Exercícios AV02. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Tecnologias Web. Lista de Exercícios AV02. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 Um analista de sistemas deseja enviar para seu cliente um arquivo de 300 Mb referente a uma atualização do software. Para transferir esse

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP

Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP Endereços IP Arquitetura TCP/IP DHCP Redes classe A, B e C Protocolos TCP/IP Estudos complementares 3 Estudos complementares Consulte os capítulos 5 e 12 do livro: Capítulo

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP Redes de Computadores Protocolos de comunicação: TCP, UDP Introdução ao TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol (TCP/IP) é um conjunto de protocolos de comunicação utilizados para a troca

Leia mais

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves Conceitos Básicos de Informática Antônio Maurício Medeiros Alves Objetivo do Material Esse material tem como objetivo apresentar alguns conceitos básicos de informática, para que os alunos possam se familiarizar

Leia mais

TCP-IP - Introdução. Aula 02. Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122

TCP-IP - Introdução. Aula 02. Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122 TCP-IP - Introdução Aula 02 Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122 História 1969 - Advanced Research Project Agency (ARPA) financia a pesquisa e o

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES O QUE É PROTOCOLO? Na comunicação de dados e na interligação em rede, protocolo é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas. Sem protocolos, uma rede

Leia mais

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Tabela de endereçamento da rede IP da rede: Mascara Broadcast 192.168.1.0 255.255.255.192 192.168.1.63 Distribuição de IP S na rede Hosts IP Configuração

Leia mais

http://sigproj1.mec.gov.br/projetos/imprimir.php?modalidade=3&projeto_id=127288...

http://sigproj1.mec.gov.br/projetos/imprimir.php?modalidade=3&projeto_id=127288... Página 1 de 7 Imprimir Fechar 1. Introdução 1.1 Identificação da Ação Título: Coordenador: Tipo da Ação: Edital: Vinculada à Programa de Extensão?: Instituição: Unidade Geral: Unidade de Origem: Curso

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf

Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE TECNOLOGIA DA BAIXADA SANTISTA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA GESTÃO DE NEGÓCIOS Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf ALEXANDRE

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 Protocolo de rede... 3 Protocolo TCP/IP... 3 Máscara de sub-rede... 3 Hostname... 3

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Serviços de Rede Prof: Jéferson Mendonça de Limas Ementa Configuração de Serviços de Redes; Servidor Web; Servidor de Arquivos; Domínios; Servidor de Banco de Dados; SSH; SFTP;

Leia mais

Principais protocolos da Internet. Alexandre Gonçalves Xavier

Principais protocolos da Internet. Alexandre Gonçalves Xavier Principais protocolos da Internet Servidor x Serviço O que é um serviço em uma rede? Servidores Cliente x Servidor Rede Serviços Visualização de Páginas É um serviço baseado em hipertextos que permite

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Noções de redes de computadores e Internet

Noções de redes de computadores e Internet Noções de redes de computadores e Internet Evolução Redes de Comunicações de Dados Sistemas Centralizados Características: Grandes Centros de Processamentos de Dados (CPD); Tarefas Científicas; Grandes

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Camada de Aplicação A camada de Aplicação é a que fornece os serviços Reais para os usuários: E-mail, Acesso a Internet, troca de arquivos, etc. Portas

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Informática. 2 o Período 09/03/2012

Informática. 2 o Período 09/03/2012 Informática 2 o Período 09/03/2012 1 Agenda 1ª Parte Perguntas da aula do dia 28/02/2012 2ª Parte Redes: Protocolos e Serviços 1ª Parte Perguntas da aula do dia 28/02/2012 Grupo de 5 pessoas Perguntas

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores 3º Ano Sistemas de Informação 2008 Aula 05A: Hub/Switch/Gateway Servidores e Virtualização Prof. Msc. Ricardo Slavov ricardo.slavov@aes.edu.br Roteiro Pedagógico HUB Switch Bridge

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL TÉCNICO EM INFORMÁTICA

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL TÉCNICO EM INFORMÁTICA SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL TÉCNICO EM INFORMÁTICA Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 2 - PROTOCOLO Conjunto de regras que controla a comunicação nos computadores

Leia mais

Inicialização remota do Thinstation para ambiente Windows Terminal Service

Inicialização remota do Thinstation para ambiente Windows Terminal Service Inicialização remota do Thinstation para ambiente Windows Terminal Service Fábio Fernando Pereira Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba,

Leia mais

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos Arquitetura de Redes Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistemas Operacionais de Rede NOS Network Operating Systems Sistemas operacionais que trazem recursos para a intercomunicação

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES camadas do Modelo de Referência ISO/OSI Pilha de Protocolos TCP Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Camadas

Leia mais