O Carnaval está aí é hora de se prevenir!

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Carnaval está aí é hora de se prevenir!"

Transcrição

1 O Carnaval está aí é hora de se prevenir! O Carnaval está aí! Uma das festas populares mais animadas e representativas do mundo. A festa que chegou ao Brasil tem sua origem no entrudo português, em que, no passado, as pessoas jogavam água, ovos e farinha umas nas outras. O entrudo acontecia num período anterior à quaresma e, portanto, tinha um significado ligado à liberdade o qual permanece até os dias de hoje. Contudo, liberdade não deve ser confundida com promiscuidade. O cuidado consigo, com seu próprio corpo, deve estar presente em nosso dia-a-dia, em qualquer época do ano. Falta de prevenção e excessos de todo tipo constituem riscos sérios à saúde. Temos o costume de achar que essas coisas não acontecem comigo, ou que DST são relacionadas a grupos de risco. Essa ideia é considerada ultrapassada: o comportamento é que é de risco, não havendo grupos populacionais mais propensos a se infectar. Estão sujeitas ao contágio: pessoas que utilizam serviços de estética (manicure, barbeiro ou outros) e arte corporal (tatuagens e piercings) em locais que não usem materiais esterilizados ou descartáveis; usuários de drogas injetáveis que façam consumo em grupo, utilizando a mesma seringa; pessoas que tenham relações (sexo vaginal, oral ou anal) com parceiros infectados, não importando sua opção sexual nem se é parceiro único e fixo, sem o uso do preservativo; pessoas que mantenham relação sexual (sexo vaginal, oral ou anal) com vários parceiros, independentemente da opção sexual, sem o uso do preservativo; pacientes que recebam transfusão de sangue infectado; profissionais da saúde que não sigam as normas de biossegurança; entre outros. Dessa forma, qualquer pessoa, independentemente de classe socioeconômica, sexo, opção sexual ou profissão está sujeita a se contaminar. Fique ligado nas dicas a seguir para evitar comportamentos de risco, prevenindo-se da Aids e de outras doenças sexualmente transmissíveis (DST). Página 01 de 05

2 Você sabe o que é Aids? A AIDS, Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (sigla do inglês: Acquired Immune Deficiency Syndrome), se manifesta após a infecção do organismo humano pelo Vírus da Imunodeficiência Humana, o HIV (sigla do inglês, Human Immunodeficiency Vírus). Detalhando o nome da doença: Síndrome é um grupo de sinais e sintomas que, uma vez considerados em conjunto, caracterizam uma doença. Imunodeficiência: inabilidade do sistema de defesa do organismo humano em se proteger contra microorganismos invasores, tais como: vírus, bactérias, protozoários, etc. Adquirida: não é congênita como no caso de outras imunodeficiências. A Aids não é causada espontaneamente, mas por um fator externo (a infecção pelo HIV). Este vírus tem período de incubação prolongado antes do surgimento dos sintomas da doença, da infecção das células do sangue e do sistema nervoso e da supressão do sistema imune. A Aids é uma doença complexa, que não se caracteriza por um só sintoma. Na realidade, o vírus HIV destrói os linfócitos células responsáveis pela defesa do organismo, tornando a pessoa vulnerável a outras infecções e doenças oportunistas, chamadas assim por surgirem nos momentos em que o sistema imunológico do indivíduo está enfraquecido. Há alguns anos, receber o diagnóstico de Aids era quase uma sentença de morte. Atualmente, porém, a ela pode ser considerada uma doença de perfil crônico. Isto significa que é uma doença que não tem cura, mas tem tratamento e uma pessoa infectada pelo HIV pode viver com o vírus por um longo período, sem apresentar nenhum sintoma ou sinal. Isso tem sido possível graças aos avanços tecnológicos e às pesquisas, que propiciam o desenvolvimento de medicamentos cada vez mais eficazes. Deve-se, também, à experiência obtida ao longo dos anos por profissionais de saúde. Todos estes fatores possibilitam aos portadores do vírus ter uma sobrevida cada vez maior e de melhor qualidade. Você sabe identificar os sintomas? A Aids não se manifesta da mesma forma em todas as pessoas. Entretanto, os sintomas iniciais são geralmente semelhantes e, além disso, comuns a várias outras doenças. São eles: febre persistente, calafrios, dor de cabeça, dor de garganta, dores musculares, manchas na pele, gânglios ou ínguas embaixo do braço, no pescoço ou na virilha e que podem levar muito tempo para desaparecer. Página 02 de 05

3 Com a progressão da doença e com o comprometimento do sistema imunológico do indivíduo, começam a surgir doenças oportunistas, tais como: tuberculose, pneumonia, alguns tipos de câncer, candidíase e infecções do sistema nervoso (toxoplasmose e as meningites, por exemplo). Você sabe quais são as formas de contágio, para ser capaz de evitar se contaminar? Assim Pega: sexo vaginal sem camisinha; sexo anal sem camisinha; uso da mesma seringa ou agulha por mais de uma pessoa; transfusão de sangue contaminado; durante a gravidez, o parto e a amamentação, no caso de mãe infectada; instrumentos que furam ou cortam, não esterilizados. Assim não pega: sexo, desde que se use corretamente a camisinha; masturbação a dois; beijo no rosto ou na boca; aperto de mão ou abraço; suor e lágrima; doação de sangue; picada de inseto; sabonete, toalha ou lençóis; talheres e copos; piscinas, banheiros ou pelo ar; assento de ônibus. Prevenção: Uso da camisinha Diversos estudos confirmam a eficiência do preservativo na prevenção da Aids e de outras DST. Em um estudo realizado recentemente na Universidade de Wisconsin (EUA), demonstrou-se que o correto e sistemático uso de preservativos em todas as relações sexuais apresenta uma eficácia estimada entre 90% e 95% na prevenção da transmissão do HIV. Os autores desse estudo sugerem uma relação linear entre a freqüência do uso de preservativos e a redução do risco de transmissão, ou seja, quanto mais se usa a camisinha menor é o risco de contrair o HIV. O preservativo começou a ser distribuído pelo Ministério da Saúde em A compra da maior parte de preservativos e géis lubrificantes disponíveis é feita pelo Ministério da Saúde. Aos governos estaduais e municipais cabe a compra e distribuição de, no mínimo, 10% do total de preservativos nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste e de 20% nas regiões Sudeste e Sul. Página 03 de 05

4 Os preservativos masculino e feminino, assim como géis lubrificantes, são distribuídos gratuitamente em toda a rede pública de saúde. Caso não saiba onde retirar a camisinha, ligue para o Disque Saúde ( ). Também é possível pegar camisinha em algumas escolas parceiras do projeto Saúde e Prevenção nas Escolas. A camisinha é mesmo impermeável? A impermeabilidade é um dos fatores que mais preocupam as pessoas. Em um estudo feito nos National Institutes of Health, dos Estados Unidos, ampliou-se o látex do preservativo (utilizando-se de microscópio eletrônico), esticando-o em 2 mil vezes, e não foi encontrado nenhum poro. Outro estudo examinou as 40 marcas de preservativos mais utilizadas em todo o mundo, ampliando 30 mil vezes (nível de ampliação que possibilita a visão do HIV), e nenhum exemplar apresentou poros. Em outro estudo mais antigo de 1992, que usou microesferas semelhantes ao HIV em concentração 100 vezes maior que a quantidade encontrada no sêmen, os resultados demonstraram que, mesmo nos casos em que a resistência dos preservativos mostrou-se menor, os vazamentos foram inferiores a 0,01% do volume total. O estudo concluiu que, mesmo nos piores casos, os preservativos oferecem 10 mil vezes mais proteção contra o vírus da Aids do que a sua não utilização. E por que às vezes estoura? Quanto à possibilidade de o preservativo estourar durante o ato sexual, as pesquisas sustentam que os rompimentos se devem muito mais ao uso incorreto do preservativo do que a uma falha estrutural do produto. Nos Estados Unidos, um estudo realizado em 1989 indicou que a taxa de rompimento da camisinha era inferior a 1%. Porém, em 1994, foi conduzido um importante estudo multicêntrico sobre essa possibilidade em oito países (República Dominicana, México, Estados Unidos, Gana, Quênia, Malawi, Nepal e Sri Lanka), encontrando-se, então, uma taxa de rompimento que variou entre 0,6% (no Sri-Lanka) a 13,3% (em Gana). O dado mais convincente sobre a eficiência do preservativo na prevenção contra o HIV foi demonstrado por um estudo realizado entre casais, onde um dos parceiros estava infectado pelo HIV e o outro não. O estudo mostrou que, com o uso consistente dos preservativos, a taxa de infecção pelo HIV nos parceiros não infectados foi menor que 1% ao ano. Página 04 de 05

5 Diante dos resultados desses estudos, realizados por instituições renomadas e de credibilidade, pode-se dizer que o correto e frequente uso do preservativo contribui de forma eficaz, tanto para a prevenção de enfermidades, quanto para evitar a ocorrência de gravidez não planejada. Testes para o diagnóstico da infecção pelo HIV O diagnóstico da infecção pelo HIV é feito por meio de testes, realizados a partir da coleta de uma amostra de sangue. Esses testes podem ser realizados nos laboratórios de saúde pública, por meio do atendimento do usuário nas unidades básicas de saúde, em Centros de Testagem e Aconselhamento (CTA) e em laboratórios particulares. Nos CTA, o teste anti-hiv pode ser feito de forma anônima e gratuita. Nesses Centros, além da coleta e da execução dos testes, há um processo de aconselhamento, antes e depois do teste, feito de forma cuidadosa, a fim de facilitar a correta interpretação do resultado pelo paciente. Todos os testes devem ser realizados de acordo com a norma definida pelo Ministério da Saúde e com produtos registrados na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa/MS) e por ela controlados. * informações do Departamento de DST/Aids Ministério da Saúde. Mais informações podem ser obtidas nos sites: Página 05 de 05

CONVIVENDO COM A HEPATITE C. Manual de convivência. Segunda Edição Revista e Ampliada

CONVIVENDO COM A HEPATITE C. Manual de convivência. Segunda Edição Revista e Ampliada CONVIVENDO COM A HEPATITE C Manual de convivência Segunda Edição Revista e Ampliada Edição de 2003 O avanço do conhecimento nas pesquisas pode ter tornado obsoleta alguma colocação. Página 1 Carlos Varaldo

Leia mais

Tuberculose. Perguntas

Tuberculose. Perguntas Tuberculose Perguntas e Respostas Tuberculose PERGUNTAS E RESPOSTAS Elaboração: Divisão de Tuberculose CVE Av.Dr. Arnaldo 351, 6ºAndar Fone: 3066-8294 3066-8291 Internet : www.cve.saude.sp.gov.br Capa

Leia mais

Grupo Vontade de Viver

Grupo Vontade de Viver Grupo Vontade de Viver 01 - O que é Hepatite? Apoio aos portadores de Hepatite C contato@vontadedeviver.org.br O termo hepatite significa inflamação no fígado. Existem diversos tipos de hepatite, mas as

Leia mais

Rastreio da infeção pelo VIH e riscos de transmissão sexual outubro de 2013

Rastreio da infeção pelo VIH e riscos de transmissão sexual outubro de 2013 Rastreio da infeção pelo VIH e riscos de transmissão sexual outubro de 2013 Revisão Científica: Maria José Campos Coordenação: Rosa Freitas Tradução: Mariela Kumpera Pecorella Revisão: Érica Almeida Postiço

Leia mais

DIREITOS E OBRIGAÇÕES LEGAIS NA HEPATITE C

DIREITOS E OBRIGAÇÕES LEGAIS NA HEPATITE C DIREITOS E OBRIGAÇÕES LEGAIS NA HEPATITE C Nesta cartilha, você vai encontrar respostas para situações encontradas no seu dia-a-dia, com a família e amigos, no local de trabalho, no atendimento médico

Leia mais

Adultos e idosos também precisam se vacinar

Adultos e idosos também precisam se vacinar ANO VII N.º 10 Abril 2013 Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Adultos e idosos também precisam se vacinar Na hora de cuidar da própria saúde, muitos adultos e idosos não dão importância

Leia mais

Cartilha de Vacinas. Para quem quer mesmo saber das coisas

Cartilha de Vacinas. Para quem quer mesmo saber das coisas Cartilha de Vacinas Para quem quer mesmo saber das coisas 1 Organização Pan-Americana da Saúde / Organização Mundial da Saúde, 2003 Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial

Leia mais

Guia para a formação de profisionais de

Guia para a formação de profisionais de Ministério da Saúde Ministério da Educação UNESCO UNICEF UNFPA Guia para a formação de profisionais de saúde e de educação Saúde e Prevenção nas Escolas Série Manuais nº 76 Brasília junho/2007 2006. Ministério

Leia mais

MEDICAMENTO. um direito essencial

MEDICAMENTO. um direito essencial MEDICAMENTO um direito essencial Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo (CRF-SP) Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO DE EXPOSIÇAO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO: HIV E HEPATITES B e C

RECOMENDAÇÕES PARA ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO DE EXPOSIÇAO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO: HIV E HEPATITES B e C RECOMENDAÇÕES PARA ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO DE EXPOSIÇAO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO: HIV E HEPATITES B e C Brasília - 2004 1 Ministério da Saúde Saraiva Felipe Secretaria de Vigilância em Saúde

Leia mais

Hepatites Virais: O BRASIL ESTÁ ATENTO. 3ª edição. Série B. Textos Básicos de Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE BRASÍLIA / DF 2008

Hepatites Virais: O BRASIL ESTÁ ATENTO. 3ª edição. Série B. Textos Básicos de Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE BRASÍLIA / DF 2008 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Hepatites Virais: O BRASIL ESTÁ ATENTO 3ª edição BRASÍLIA / DF 2008 Série B. Textos Básicos de Saúde 2002

Leia mais

SAÚDE DA MULHER Um diálogo aberto e participativo

SAÚDE DA MULHER Um diálogo aberto e participativo MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento de Apoio à Gestão Participativa SAÚDE DA MULHER Um diálogo aberto e participativo Série B. Textos Básicos de Saúde Brasília

Leia mais

A importância do tratamento contra a aids

A importância do tratamento contra a aids dicas POSITHIVAS A importância do tratamento contra a aids Por que tomar os medicamentos (o coquetel) contra o HIV? A aids é uma doença que ainda não tem cura, mas tem tratamento. Tomando os remédios corretamente,

Leia mais

Epidemia de VIH nos países de língua oficial portuguesa

Epidemia de VIH nos países de língua oficial portuguesa Epidemia de VIH nos países de língua oficial portuguesa Situação atual e perspectivas futuras rumo ao acesso universal à prevenção, tratamento e cuidados Portugual Cabo Verde Guiné-Bissau São Tomé e Príncipe

Leia mais

O CADERNO DAS COISAS IMPORTANTES

O CADERNO DAS COISAS IMPORTANTES O CADERNO DAS COISAS IMPORTANTES eita! confidencial... vou abrir! mas, se é confidencial, não pode abrir, né? DADOS MAIS QUE PESSOAIS Nome: Endereço: Cidade: Estado: CEP: - Telefone: Celular: NET(e-mail,

Leia mais

HEMOVIGILÂNCIA: ANÁLISE DAS INFORMAÇÕES DISPONÍVEIS PARA SUA IMPLANTAÇÃO, DE ACORDO COM A (RE)INVESTIGAÇÃO DE CASOS DE AIDS ASSOCIADOS À TRANSFUSÃO.

HEMOVIGILÂNCIA: ANÁLISE DAS INFORMAÇÕES DISPONÍVEIS PARA SUA IMPLANTAÇÃO, DE ACORDO COM A (RE)INVESTIGAÇÃO DE CASOS DE AIDS ASSOCIADOS À TRANSFUSÃO. HEMOVIGILÂNCIA: ANÁLISE DAS INFORMAÇÕES DISPONÍVEIS PARA SUA IMPLANTAÇÃO, DE ACORDO COM A (RE)INVESTIGAÇÃO DE CASOS DE AIDS ASSOCIADOS À TRANSFUSÃO. MARIA DE FÁTIMA ALVES FERNANDES Dissertação de Mestrado,

Leia mais

Dispositivo Intrauterino com Cobre

Dispositivo Intrauterino com Cobre CAPÍTULO 9 Dispositivo Intrauterino com Cobre Este capítulo descreve basicamente o dispositivo intrauterino TCu-380A (com relação ao Dispositivo Intrauterino de Levonorgestrel, ver p. 157). Pontos Básicos

Leia mais

This article aims to identify contexts of vulnerability related to HIV among Brazilian women. From November 2003 to December 2004, a crosssectional

This article aims to identify contexts of vulnerability related to HIV among Brazilian women. From November 2003 to December 2004, a crosssectional ARTIGO ARTICLE S321 Contextos de vulnerabilidade para o HIV entre mulheres brasileiras Contexts of HIV vulnerability among Brazilian women Naila J. S. Santos 1 Regina Maria Barbosa 1,2 Adriana A. Pinho

Leia mais

Análise de riscos nos locais de trabalho:conhecer para transformar

Análise de riscos nos locais de trabalho:conhecer para transformar Análise de riscos nos locais de trabalho:conhecer para transformar Marcelo Firpo de Souza Porto Engenheiro de Produção e Doutor pela COPPE/UFRJ. Pesquisador do Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador

Leia mais

USOS DA VIGILÂNCIA E DA MONITORIZAÇÃO EM

USOS DA VIGILÂNCIA E DA MONITORIZAÇÃO EM USOS DA VIGILÂNCIA E DA MONITORIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Eliseu Alves Waldman 1 Resumo O objetivo deste texto é apresentar a vigilância e a monitorização como distintos instrumentos de saúde pública. A vigilância

Leia mais

Curso de Prevenção de Acidentes do Trabalho para Membros da CIPA

Curso de Prevenção de Acidentes do Trabalho para Membros da CIPA Universidade José do Rosário Vellano - COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES UNIFENAS GESTÃO CIPA - 2006/2007 Curso de Prevenção de Acidentes do Trabalho para Membros da CIPA UNIFENAS Coragem e Compromisso

Leia mais

Objetivos de Desenvolvimento do Milênio ODM

Objetivos de Desenvolvimento do Milênio ODM COLETÂNEA GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL GESTÃO 2009-2012 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio ODM Estratégias da Gestão Municipal para a Redução da Pobreza no Planeta até 2015 1 COLETÂNEA GESTÃO PÚBLICA

Leia mais

SOROPREVALÊNCIA DA HEPATITE C E FATORES ASSOCIADOS EM USUÁRIOS DE CRACK

SOROPREVALÊNCIA DA HEPATITE C E FATORES ASSOCIADOS EM USUÁRIOS DE CRACK 0 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE/DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ENFERMAGEM LAÍS

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hepatites Virais: o Brasil está atento. 2ª edição BRASÍLIA / DF

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hepatites Virais: o Brasil está atento. 2ª edição BRASÍLIA / DF MINISTÉRIO DA SAÚDE Hepatites Virais: o Brasil está atento 2ª edição BRASÍLIA / DF Hepatites Virais: o Brasil está atento MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância

Leia mais

Planeamento familiar ter apenas o número de fi lhos que se deseja

Planeamento familiar ter apenas o número de fi lhos que se deseja CAPÍTULO 32 Planeamento familiar ter apenas o número de fi lhos que se deseja Alguns casais desejam ter muitos filhos, principalmente em famílias pobres dos países em desenvolvimento, onde os filhos são

Leia mais

meu filho TEm artrite um guia para famílias www.acredite.org.br

meu filho TEm artrite um guia para famílias www.acredite.org.br meu filho TEm artrite www.acredite.org.br um guia para famílias ÍNDICE INTRODUÇÃO... TIPOS DE AIJ... DIAGNÓSTICO... TRATAMENTO... DICAS PARA OS PACIENTES... ACOMPANHAMENTO CLÍNICO... O IMPACTO DA DOENÇA...

Leia mais

Recomendações para Terapia Anti retroviral em Adultos Infectados pelo HIV

Recomendações para Terapia Anti retroviral em Adultos Infectados pelo HIV MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE DST E AIDS Recomendações para Terapia Anti retroviral em Adultos Infectados pelo HIV 2008 Recomendações para Terapia Anti-retroviral

Leia mais