Administração de Sistemas Operacionais. Prof.: Marlon Marcon

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Administração de Sistemas Operacionais. Prof.: Marlon Marcon"

Transcrição

1 Administração de Sistemas Operacionais Prof.: Marlon Marcon

2 PPP

3 PPP (Point-to-Point Protocol) Padronizado através da RFC 1548 (1993) Objetivo de transportar todo o tráfego entre dois dispositivos de rede através de uma conexão física serial cabo serial; linha telefônica; telefone celular via conexão GPRS; ligações de rádio especializadas ou ligações de fibras óticas) única e full-duplex.

4 PPP Suporta linhas síncronas e assíncronas. Na prática, a interface PPP é implementada através de conexões físicas do tipo RS-232 ou modens. Atualmente é possível esse tipo de conexões até sobre Ethernet (PPPoE). O PPP é composto basicamente de três partes, sendo que a interação entre elas obedece a um diagrama de fases, encapsulamento de datagramas, link control protocol (LCP), e Network Control Protocols( NCPs ).

5 Encapsulamento de datagramas do PPP O encapsulamento de datagramas provê multiplexação de diferentes protocolos da camada de rede simultaneamente através do mesmo link. Projetado para manter compatibilidade com os suportes de hardware mais comumente utilizados.

6 Link control protocol (LCP) O protocolo de controlo de ligação (LCP, Link Control Protocol) estabelece e configura os pacotes PPP Automaticamente concorda sobre opções de formato de encapsulamento, lida com variações nos limites de tamanho dos pacotes, detecta repetições infinitas, erros de configuração, inicia e termina a conexão. Identifica e determina quando o link está funcionando apropriadamente ou quando está falhando

7 Network control protocols (NCPS) Estabelecem e configuram os diferentes protocolos na camada de rede que serão utilizados pelo PPP pois os links usados tendem a agravar alguns problemas comuns aos protocolos de rede IPCP (Internet Protocol Control Protocol) IPXCP (Internetwork Packet Exchange Control Protocol) Protocolo de controlo AppleTalk (ATCP)

8 Os protocolos PPPOE Utilizando o PPPoE (Point-to-Point Protocol over Ethernet) e um modem de banda larga, os clientes de rede local podem obter acesso individual autenticado a redes de dados de alta velocidade.

9 DNS

10 DNS DNS é o Servidor de Nomes do Domínio. O DNS converte os nomes das máquinas para números IP, que são os endereços das máquinas, mapeando de nome para endereço e de endereço para nome.

11 DNS Existem 13 servidores DNS raiz no mundo todo e sem eles a Internet não funcionaria. Dez nos Estados Unidos da América Um na Ásia; Dois na Europa. O Brasil possui uma réplica, desde 2003.

12 Um mapeamento é simplesmente uma associação entre duas informações um nome de máquina, como ftp.linux.org um número IP da máquina, como por exemplo

13 Hierarquia Devido ao tamanho da internet, armazenar todos os pares domínio - endereço IP em um único servidor DNS seria inviável, por diversos fatores: Confiablidade: se servidor de DNS falhasse, o mundo inteiro ficaria sem o serviço. Volume de tráfego: o servidor se tornaria um gargalo devido ao grande número de pedidos DNS.

14 Hierarquia Distância: Não importa aonde estivesse o servidor, a distância seria muito grande, e o tempo de resposta aumentaria. Manutenção do banco de dados: O Banco de dados teria de ser atualizado com muita frequência, toda vez que um domínio fosse associado a um endereço IP.

15 Hierarquia Os servidores DNS se dividem nas seguintes categorias: Servidores raiz Servidores de domínio de topo Servidores autoritativos

16 Servidores raiz Um Servidor Raiz (Root Name Server) é um servidor de nome para a zona raiz do DNS. A sua função é responder diretamente às requisições de registros da zona raiz e responder a outras requisições retornando uma lista dos servidores de nome designados para o domínio de topo apropriado. Os servidores raiz são parte crucial da internet por que eles são o primeiro passo em traduzir nomes para endereços IP e são usados para comunicação entre hosts. São os 13 servidores citados anteriormente.

17 Servidores de domínio de topo (Top-Level Domain) Cada domínio é formado por nomes separados por pontos. O nome mais à direita é chamado de domínio de topo. Exemplos de domínios de topo são.com,.org,.net,.edu e.gov. Cada servidor de domínio de topo conhece os endereços dos servidores autoritativos que pertencem àquele domínio de topo, ou o endereço de algum servidor DNS intermediário que conhece um servidor autoritativo.

18 Servidores autoritativos O servidor autoritativo de um domínio possui os registros originais que associam aquele domínio a seu endereço de IP. Toda vez que um domínio adquire um novo endereço, essa informação deve ser adicionada a pelo menos dois servidores autoritativos. Um deles será o servidor autoritativo principal e o outro, o secundário.

19 Servidores autoritativos São utilizados dois servidores para minimizar o risco de, em caso de erros em um servidor DNS, perder todas as informações originais do endereço daquele domínio.

20 Como funciona então Faz-se uma requisição a um servidor raiz, que retornará o endereço do servidor de topo responsável. Repete-se a requisição para o servidor de topo, que retornará o endereço do servidor autoritativo ou algum intermediário. Repete-se a requisição aos servidores intermediários (se houver) até obter o endereço do servidor autoritativo, que finalmente retornará o endereço IP do domínio desejado.

21 Como funciona então Tal procedimento vai contra a idéia de escalabilidades, na qual não deveríamos acessar sempre o servidor raiz. Para isso existes: Cache: Armazenam-se as últimas requisições para agilizar o processo, porém o servidor pode mudar. Servidor Local: Servidor geralmente muito perto do cliente que gerencia as requisições, armazenando e atualizando seu cache constantemente.

22 Acesso remoto

23 SSH - Secure Shell O SSH é um programa e um protocolo de rede que permite administrar máquinas remotamente, executando inclusive aplicativos gráficos permite transferir arquivos de várias formas diferentes e permite também encapsular outros protocolos, possibilitando, por exemplo, acessar uma seção VNC através de um meio seguro.

24 SSH O SSH possibilita o acesso remoto via linha de comando por usuários que tenham o login e senha de uma das contas do sistema. Este é um acesso completo via terminal (rede ou internet), limitado aos privilégios do login do usuário. Sua principal vantagem sobre outros protocolos é a segurança, o SSH utiliza criptografia e protocolo de autenticação mais seguros.

25 SSH - Arquitetura Utiliza a arquitetura de chave pública e privada para autenticação.

26 VNC VNC - Virtual Network Computing. A idéia dos criadores do VNC era levar o conceito além de disponibilizar ao usuário somente dados e aplicativos, mas um ambiente desktop completo que poderia ser acessado de qualquer computador conectado à Internet. Em contraste à onda de aplicações web, onde o foco é acesso a recursos localizados em qualquer lugar do mundno através de um omputador pessoal, o VNC permite que se acesse o computador pessoal de qualquer lugar do mundo.

27 VNC O VNC é considerado um meio de computação móvel, onde não é necessário carregar nenhum dispositivo. Isto se dá devido a simplicidade do protocolo, que torna o lado cliente do sistema um thin client, aplicação pequena e simples que consome poucos recursos de processamento e memória.

28 VNC Tal simplicidade abre possibilidades para implementação em plataformas desktop, dispositivos móveis e applets Java, disponibilizando acesso praticamente em qualquer lugar.

29 Arquitetura

30 Outras alternativas

31 Interfaces de Rede As interfaces de rede permitem que os servidores que executam o Roteamento e acesso remoto se comuniquem com outros computadores por meio de redes públicas ou privadas. As interfaces de rede têm dois aspectos relacionados ao Roteamento e acesso remoto: hardware físico, como o adaptador de rede, configuração de interface de rede.

32 Interfaces de rede As interfaces de rede no GNU/Linux estão localizadas no diretório /dev e a maioria é criada dinamicamente pelos softwares quando são requisitadas. Exemplos: ethx - Placa de rede Ethernet e WaveLan. pppx - Interface de rede PPP (protocolo ponto a ponto). slipx - Interface de rede serial

33 A interface loopback A interface loopback é um tipo especial de interface que permite fazer conexões com você mesmo. Todos os computadores que usam o protocolo TCP/IP utilizam esta interface e existem várias razões porque precisa fazer isto, por exemplo, você pode testar vários programas de rede sem interferir com ninguém em sua rede. Por convenção, o endereço IP foi escolhido especificamente para a loopback, assim se abrir uma conexão telnet para , abrirá uma conexão para o próprio computador local.

34 A interface loopback A configuração da interface loopback é simples: ifconfig lo Caso a interface loopback não esteja configurada, você poderá ter problemas quando tentar qualquer tipo de conexão comas interfaces locais, tendo problemas atémesmo como comando ping.

35 Atribuindo um endereço de rede a uma interface (ifconfig) Após configurada fisicamente, a interface precisa receber um endereço IP para ser identificada na rede e se comunicar comoutros computadores, além de outros parâmetros como o endereço de broadcast e a máscara de rede.

36 Atribuindo um endereço de rede a uma interface (ifconfig) Para configurar a interface de rede Ethernet (eth0) com o endereço , máscara de rede , podemos usar o comando: ifconfig eth netmask up O comando acima ativa a interface de rede. A palavra up pode ser omitida, pois a ativação da interface de rede é o padrão. Para desativar a mesma interface de rede, basta usar usar o comando: ifconfig eth0 down

37 ifconfig Digitando ifconfig são mostradas todas as interfaces ativas no momento, pacotes enviados, recebidos e colisões de datagramas. Para mostrar a configuração somente da interface eth0, usa-se o comando: ifconfig eth0

38 Roteamento Roteamento é quando uma máquina com múltiplas conexões de rede decide onde entregar os pacotes IP que recebeu, para que cheguem ao seu destino. Todos os computadores em uma rede possuem duas interfaces de rede, uma delas é a loopback e a outra poder ser a placa de rede usando ethernet por exemplo.

39 Roteamento Para visualizarmos a tabela de roteamento: cat /proc/net/route route -n netstat -r

40 Processo de roteamento O processo de roteamento é muito simples: um datagrama (pacote IP) é recebido o endereço de destino é examinado e comparado com cada item da tabela de roteamento. O item que mais corresponder com o endereço é selecionado e o datagrama é direcionado a interface especificada. Se o campo gateway estiver preenchido, então o datagrama é direcionado para aquele computador pela interface especificada, caso contrário o endereço de destino é assumido sendo uma rede suportada pela interface.

41 Configurando uma rota no Linux A configuração da rota é feita através da ferramenta route. Para adicionar uma rota para a rede acessível através da interface eth0 basta digitar o comando: route add -net eth0 Para apagar a rota acima da tabela de roteamento, basta substituir a palavra add por del.

42 Configurando uma rota no Linux A palavra net quer dizer que é um endereço de rede; Para adicionar uma rota padrão para um endereço que não se encontre na tabela de roteamento, utiliza-se o gateway padrão da rede. Para definí-lo: route add default gw eth0

Gerenciamento de Redes Linux. Linux configuração de rede

Gerenciamento de Redes Linux. Linux configuração de rede Gerenciamento de Redes Linux Linux configuração de rede As interfaces de rede no GNU/Linux estão localizadas no diretório /dev e a maioria é criada dinamicamente pelos softwares quando são requisitadas.

Leia mais

Interfaces de Redes, IP e NAT

Interfaces de Redes, IP e NAT Interfaces de Redes, IP e NAT IFSC UNIDADE DE SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE DE TELECOMUNICAÇÕES! Prof. Tomás Grimm Interface de Rede As interfaces de rede no GNU/Linux estão localizadas no diretório

Leia mais

Classes de endereços IP - Os bits de endereços IP são reservados um para a classe de rede e os outros para computador (host).

Classes de endereços IP - Os bits de endereços IP são reservados um para a classe de rede e os outros para computador (host). Administração de redes Endereço IP Endereço IP - O endereço IP, na versão 4 (IPv4), é um número de 32 bits (IPV4), contendo 4 bytes (vale lembrar que 1 byte contém 8 bits), portanto 4 bytes contém 32 bits,

Leia mais

Instalação e Configuração de Servidores Linux Server Configuração de Rede. Prof. Alex Furtunato

Instalação e Configuração de Servidores Linux Server Configuração de Rede. Prof. Alex Furtunato Instalação e Configuração de Servidores Linux Server Configuração de Rede Prof. Alex Furtunato alex.furtunato@academico.ifrn.edu.br Roteiro Introdução Números IPs Interfaces de rede Interface de loopback

Leia mais

FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES Unidade 5 Camada de Transporte e Aplicação. Luiz Leão

FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES Unidade 5 Camada de Transporte e Aplicação. Luiz Leão Unidade 5 Camada de Transporte e Aplicação Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático 5.1 Protocolo UDP 5.2 Protocolo TCP 5.3 Principias Protocolos de Aplicação 5.3.1 SMTP

Leia mais

Sistemas Operacionais de Rede. Configuração de Rede

Sistemas Operacionais de Rede. Configuração de Rede Sistemas Operacionais de Rede Configuração de Rede Conteúdo Programático! Interfaces de rede! Ethernet! Loopback! Outras! Configuração dos parâmetros de rede! Dinâmico (DHCP)! Manual! Configuração de DNS

Leia mais

rsf.a06 Resolução de Nomes PROFº RICARDO JOSÉ BATALHONE FILHO

rsf.a06 Resolução de Nomes PROFº RICARDO JOSÉ BATALHONE FILHO rsf.a06 Resolução de Nomes PROFº RICARDO JOSÉ BATALHONE FILHO Endereçamento e Nomes Dispositivos de rede possuem ambos um Nome e um Endereço atribuídos a eles; Nomes são independentes de localidade e se

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 9 - Princípios Básicos de Solução de ProblemasP com Roteadores 1 Objetivos do Capítulo Aplicar e compreender os comandos: ping, telnet, show

Leia mais

Este documento requer uma compreensão do ARP e de ambientes Ethernet.

Este documento requer uma compreensão do ARP e de ambientes Ethernet. Proxy ARP Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Como o Proxy ARP Funciona? Diagrama de Rede Vantagens do Proxy ARP Desvantagens do Proxy ARP Introdução Este documento

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR I

PROJETO INTERDISCIPLINAR I PROJETO INTERDISCIPLINAR I Linux e LPI www.lpi.org João Bosco Teixeira Junior boscojr@gmail.com Certificação LPIC-1 Prova 102 105 Shell, Scripting, e Gerenciamento de Dados 106 Interface com usuário e

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Introdução à Computação Jordana Sarmenghi Salamon jssalamon@inf.ufes.br jordanasalamon@gmail.com http://inf.ufes.br/~jssalamon Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi fabianotaguchi@gmail.com http://fabianotaguchi.wordpress.com BENEFÍCIOS MODELO OSI Menor complexidade; Interfaces padronizadas; Interoperabilidade entre

Leia mais

Redes de Computadores. Segurança e Auditoria de. Redes de Computadores. Sistemas

Redes de Computadores. Segurança e Auditoria de. Redes de Computadores. Sistemas Redes de Computadores Segurança e Auditoria de Redes de Computadores Sistemas Jéfer Benedett Dörr prof.jefer@gmail.com Conteúdo Camada enlace PPP Point-to-Point Protocol Ethernet ARP Kurose Capítulo 5

Leia mais

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia,

Leia mais

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia,

Leia mais

Capítulo 6: Roteamento Estático. Protocolos de roteamento

Capítulo 6: Roteamento Estático. Protocolos de roteamento Capítulo 6: Roteamento Estático Protocolos de roteamento 1 Capítulo 6 6.1 Implementação de roteamento estático 6.2 Configurar rotas estáticas e padrão 6.3 Revisão de CIDR e de VLSM 6.4 Configurar rotas

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi fabianotaguchi@gmail.com http://fabianotaguchi.wordpress.com SUÍTE TCP 1 Camada de aplicação Protocolo Hypertext Transfer Protocol 2 HTTP Uma página WWW

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS DE REDE

SISTEMAS OPERACIONAIS DE REDE SISTEMAS OPERACIONAIS DE REDE Questão 01 O sistema operacional gerencia o sistema de arquivos, que irá armazenar as informações/arquivos. Para esta tarefa, durante a formatação do disco rígido, são criados

Leia mais

Roteador de Banda Larga Guia de Instalação rápida

Roteador de Banda Larga Guia de Instalação rápida Roteador de Banda Larga Guia de Instalação rápida 1 Conectando o Roteador de Banda Larga Antes de conectar o hardware, assegure-se de desligar seu aparelho Ethernet, modem Cable / DSL e o Roteador de Banda

Leia mais

Redes de comunicação. Mod 2 Redes de computadores. Professor: Rafael Henriques

Redes de comunicação. Mod 2 Redes de computadores. Professor: Rafael Henriques Redes de comunicação Mod 2 Redes de computadores 1 Professor: Rafael Henriques Apresentação 2 Professor: Rafael Henriques Introdução às redes de computadores; Tipos de rede; Diagramas de encaminhamento;

Leia mais

FIC Linux Introdução a Redes de Computadores no Linux

FIC Linux Introdução a Redes de Computadores no Linux FIC Linux Introdução a Redes de Computadores no Linux Prof. Francisco de Assis S. Santos, Dr. São José, 2015. Agenda 1. Noções Básicas de Redes 1.1 O que é uma Rede 1.2 Endereçamento IP 1.3 Máscaras de

Leia mais

IMEI MONTAGEM E MANIPULAÇÃO DE REDES DE DADOS - REDES DE COMPUTADORES. Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos

IMEI MONTAGEM E MANIPULAÇÃO DE REDES DE DADOS - REDES DE COMPUTADORES. Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos IMEI MONTAGEM E MANIPULAÇÃO DE REDES DE DADOS - REDES DE COMPUTADORES Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Arquitetura da Internet A Internet é constituída por uma enorme quantidade

Leia mais

DHCP: Dynamic Host Configuration Protocol

DHCP: Dynamic Host Configuration Protocol DHCP: Dynamic Host Configuration Protocol O objetivo desta unidade é apresentar o funcionamento de dois importantes serviços de rede: o DNS e o DHCP. O DNS (Domain Name System) é o serviço de nomes usado

Leia mais

Aula 13 Roteamento Dinâmico com Protocolos Link-State (Protocolo OSPF)

Aula 13 Roteamento Dinâmico com Protocolos Link-State (Protocolo OSPF) Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre Aula 13 Roteamento Dinâmico com Protocolos Link-State (Protocolo OSPF) 2014/1 Roteiro de Aula Introdução Funcionamento

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Prof. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul brivaldo@facom.ufms.br 17 de abril de 2017 Sumário 1 Introdução 2 Componentes de Rede Serviços de Rede Protocolo 3 Acesso Residencial O que é uma Rede?

Leia mais

Administração de Redes Linux

Administração de Redes Linux Administração de Redes Linux Alberto Felipe Friderichs Barros alberto.barros@ifsc.edu.br Users As contas de usuário são projetados para fornecer segurança no sistema operacional Linux. Cada pessoa no sistema

Leia mais

cio Roteamento Linux

cio Roteamento Linux Exercício cio Roteamento Linux Edgard Jamhour Exercícios práticos para configuração de roteamento usando Linux Esses exercícios devem ser executados através do servidor de máquinas virtuais: espec.ppgia.pucpr.br

Leia mais

PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO

PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO 3º ANO / 2º SEMESTRE 2014 INFORMÁTICA avumo@up.ac.mz Ambrósio Patricio Vumo Computer Networks & Distribution System Group PPP - Point to Point Protocol Os acessos à Internet têm

Leia mais

Administração de Redes 2015/16. Virtual Local Area Networks (VLAN)

Administração de Redes 2015/16. Virtual Local Area Networks (VLAN) Administração de Redes 2015/16 Virtual Local Area Networks (VLAN) 1 Introdução Frequentemente é necessário dividir uma rede em ilhas sem ligação directa entre si (domínios de difusão) Organização da rede,

Leia mais

PROJETO LÓGICO DE REDE

PROJETO LÓGICO DE REDE Instituto Federal de Santa Catarina Campus Lages Curso de Ciência da Computação Redes de Computadores Alberto Felipe Friderichs Barros Robson Costa Leonardo André de Oliveira Correa Lucas dos Anjos Varela

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO http:// www.cefetrn.br/datinf ARQUITETURA TCP/IP Nome: Curso: Turma: LISTA DE EXERCÍCIO

Leia mais

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação.

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação. Protocolo TCP/IP PROTOCOLO é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas para uma comunicação a língua comum a ser utilizada na comunicação. TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO,

Leia mais

Redes de Computadores e Internet

Redes de Computadores e Internet Redes de Computadores e Internet CEA145 Teoria e Fundamentos de Sistemas de Informação Universidade Prof. MSc. Federal George de H. G. Ouro Fonseca Preto DECEA / João Monlevade Universidade

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática Packet Tracer Configuração de switches e roteadores

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática Packet Tracer Configuração de switches e roteadores Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática Packet Tracer Configuração de switches e roteadores 1 Configuração de um switch No Packet Tracer, insira um switch e

Leia mais

Protocolo PPP. Principais Componentes: Método para encapsular datagramas em enlaces seriais (Substitui o SLIP). Link Control Protocol (LCP)

Protocolo PPP. Principais Componentes: Método para encapsular datagramas em enlaces seriais (Substitui o SLIP). Link Control Protocol (LCP) Protocolo PPP 1 Protocolo PPP Substitui o protocolo SLIP Em Enlaces Seriais Conexões Síncronas e Assíncronas Controle da configuração de enlace Permite endereços IP dinâmicos Multiplexação de protocolos

Leia mais

Modelo de Camadas. Redes de Computadores

Modelo de Camadas. Redes de Computadores Modelo de Camadas Redes de Computadores Sumário Visão Geral de uma Rede de Computadores Protocolos Modelo de Camadas Porque utilizar Tipos de Modelos de Referência Modelo de Referência ISO/OSI Histórico

Leia mais

Aula pratica 2 Configurações de Rede Ethernet com Protocolo TCP/IP

Aula pratica 2 Configurações de Rede Ethernet com Protocolo TCP/IP 1 Aula pratica 2 Configurações de Rede Ethernet com Protocolo TCP/IP Objetivo: Esta aula tem como objetivo apresentar aos alunos como configurar equipamentos em redes Ethernet com os protocolos TCP/IP.

Leia mais

BIT. Boletim de Informação Técnica

BIT. Boletim de Informação Técnica Produto Modem ADSL W-M2100g Nº. 002/2010 Referência Configuração do modem C3Tech Responsável Leandro Martins Data 18. Janeiro. 2010 Este documento descreve os passos básicos para a configuração do modem

Leia mais

Administração de Redes

Administração de Redes Administração de Redes Rui Prior 2012 Introdução às VLAN Este documento pretende dar uma breve introdução às Virtual LAN (VLAN), um conceito fundamental nas redes locais da actualidade. Conceito Por razões

Leia mais

Informática Básica. Aula 03 Internet e conectividade

Informática Básica. Aula 03 Internet e conectividade Informática Básica Aula 03 Internet e conectividade O Protocolo de comunicação O TCP (Transmission Control Protocol) e o IP (Internet Protocol) são dois protocolos que inspiraram o nome da rede. Eles englobam

Leia mais

Meios de Comunicação de Dados.

Meios de Comunicação de Dados. Meios de Comunicação de Dados www.profjvidal.com Acesso Remoto Meios de Comunicação de Dados Introdução A necessidade da troca de informações sigilosas de forma segura e com baixos custos tornou-se um

Leia mais

Redes. DIEGO BARCELOS RODRIGUES Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes. DIEGO BARCELOS RODRIGUES Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes DIEGO BARCELOS RODRIGUES dbarcelos@ifes.edu.br 1 Agenda Correção do Trabalho de Casa Exercício Ponto Extra Roteamento o Estático o Dinâmico 2 Exercício Valendo Ponto Extra Utilize VLSM para distribuir

Leia mais

Alfamídia Linux: Administração de Redes em ambiente Linux I

Alfamídia Linux: Administração de Redes em ambiente Linux I Alfamídia Linux: Administração de Redes em ambiente Linux I UNIDADE 1 - CONCEITOS BÁSICOS DE REDES... 3 1.1 TCP/IP - O INÍCIO... 3 1.2 ENTENDENDO O IP... 3 1.3 ENTENDENDO O GATEWAY DE REDE... 5 1.4 O SERVIDOR

Leia mais

Roteamento Prof. Pedro Filho

Roteamento Prof. Pedro Filho Roteamento Prof. Pedro Filho Definição Dispositivo intermediário de rede projetado para realizar switching e roteamento de pacotes O roteador atua apenas na camada 3 (rede) Dentre as tecnologias que podem

Leia mais

Resumo P2. Internet e Arquitetura TCP/IP

Resumo P2. Internet e Arquitetura TCP/IP Resumo P2 Internet e Arquitetura TCP/IP Internet: Rede pública de comunicação de dados Controle descentralizado; Utiliza conjunto de protocolos TCP/IP como base para estrutura de comunicação e seus serviços

Leia mais

CST Redes de Computadores. Comunicação de Dados 2. Aula 13 Planejamento de Redes. Prof. Jéferson Mendonça de Limas

CST Redes de Computadores. Comunicação de Dados 2. Aula 13 Planejamento de Redes. Prof. Jéferson Mendonça de Limas CST Redes de Computadores Comunicação de Dados 2 Aula 13 Planejamento de Redes Prof. Jéferson Mendonça de Limas LANs Realizando a Conexão Física Planejamento e Cabeamento de uma Rede LANs Realizando a

Leia mais

Redes de Comunicação de Dados

Redes de Comunicação de Dados Redes de Comunicação de Dados 1 - Objetivo O grande objetivo é a formação geral de um especialista capaz de projetar redes de computadores, tanto sob o aspecto de software quanto de hardware, a partir

Leia mais

Endereço de Rede. Comumente conhecido como endereço IP Composto de 32 bits comumente divididos em 4 bytes e exibidos em formato decimal

Endereço de Rede. Comumente conhecido como endereço IP Composto de 32 bits comumente divididos em 4 bytes e exibidos em formato decimal IP e DNS O protocolo IP Definir um endereço de rede e um formato de pacote Transferir dados entre a camada de rede e a camada de enlace Identificar a rota entre hosts remotos Não garante entrega confiável

Leia mais

Funcionalidade e Protocolos da Camada de Aplicação

Funcionalidade e Protocolos da Camada de Aplicação Funcionalidade e Protocolos da Camada de Aplicação Network Fundamentals Capítulo 3 1 Aplicações A Interface entre usuário e Rede de Dados A Camada de aplicação provê recursos para enviar e receber dados

Leia mais

Capítulo 2. Camada de aplicação

Capítulo 2. Camada de aplicação INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIADO RIO GRANDE DO NORTE IFRN Disciplina: Arquitetura de redes de computadores e Tecnologia de Implementação de Redes Professor: M. Sc. Rodrigo Ronner T.

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Comunicação de Dados II Aula 10 Camada de Enlace de Dados Prof: Jéferson Mendonça de Limas Introdução Função das Camadas Anteriores: Aplicação: fornece a interface com o usuário;

Leia mais

FIC Linux Introdução a Redes de Computadores no Linux

FIC Linux Introdução a Redes de Computadores no Linux FIC Linux Introdução a Redes de Computadores no Linux Prof. Francisco de Assis S. Santos, Dr. São José, 2015. Agenda 1. Noções Básicas de Redes 1.1 O que é uma Rede 1.2 Endereçamento IP 1.3 Máscaras de

Leia mais

Italo Valcy - Administração de sistemas GNU/Linux

Italo Valcy - Administração de sistemas GNU/Linux Curso Cursode deextensão extensãoem emadministração Administraçãode deserviços serviçosgnu/linux GNU/Linux - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação

Leia mais

4. Rede de Computador. Redes de computadores e suas infraestruturas

4. Rede de Computador. Redes de computadores e suas infraestruturas Redes de computadores e suas infraestruturas Definição Uma rede de computadores é formada por um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos, interligados por

Leia mais

Introdução ao Roteamento

Introdução ao Roteamento Carlos Gustavo Araújo da Rocha Imagine o seguinte cenário IP= 10.0.0.15 Mask = End. Rede = 10.0.0.0 IP= 10.0.1.231 Mask = End. Rede = 10.0.1.0 Ethernet Roteamento Neste caso as duas estações estão em redes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Jonas Willian R Aureliano Resumo prático Professor: Jonas Willian ROTEIRO Arquivo sources.list; Comando apt-get; Arquivo hostname; Arquivo interfaces; ARQUIVO SOURCES.LIST Este é

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações

Redes de Computadores e Aplicações Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Redes de Computadores e Aplicações Aula 13 - Camada de Aplicação Visão Geral Prof. Diego Pereira

Leia mais

Estabelecendo o MacIP

Estabelecendo o MacIP Estabelecendo o MacIP Índice Introdução Antes de Começar Convenções Pré-requisitos Componentes Utilizados Configurando o MacIP sob Cisco IOS Definindo o servidor Atribuindo recursos ao servidor MacIP Verificando

Leia mais

Roteamento IPv4 básico com OSPF. Por Patrick Brandão TMSoft

Roteamento IPv4 básico com OSPF. Por Patrick Brandão TMSoft Roteamento IPv4 básico com OSPF Por Patrick Brandão TMSoft www.tmsoft.com.br Pré-requisitos Conhecimento técnico de IPv4 Laboratório com roteadores OSPF Cisco MyAuth3 Mikrotik RouterOs Conceitos básicos

Leia mais

AULA EXPOSITIVA SOBRE: CONCEITOS E IMPLEMENTAÇÃO DE FIREWALL, VPN E SSH (REDES PRIVADAS E SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO)

AULA EXPOSITIVA SOBRE: CONCEITOS E IMPLEMENTAÇÃO DE FIREWALL, VPN E SSH (REDES PRIVADAS E SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO) AULA EXPOSITIVA SOBRE: CONCEITOS E IMPLEMENTAÇÃO DE FIREWALL, VPN E SSH (REDES PRIVADAS E SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO) Wanderléa Teixeira Gnoato Lodi gnoatow@yahoo.com.br 10 de Outubro de 2011 Roteiro de

Leia mais

Consultor de TI Instrutor Cisco CCNA Analista de Sistemas Especialista de TI Pai do Miguel

Consultor de TI Instrutor Cisco CCNA Analista de Sistemas Especialista de TI Pai do Miguel Paulo Adriano Bruno Consultor de TI Instrutor Cisco CCNA Analista de Sistemas Especialista de TI Pai do Miguel Windows Server 2016 Windows Server 2012 Windows Server 2008 HPC Server 2008 Home Server Home

Leia mais

Trabalhando com Redes de Computadores - 2ª Edição Plano de Aula - 24 Aulas (Aulas de 1 Hora)

Trabalhando com Redes de Computadores - 2ª Edição Plano de Aula - 24 Aulas (Aulas de 1 Hora) 6557 - Trabalhando com Redes de Computadores - 2ª Edição Plano de Aula - 24 Aulas (Aulas de 1 Hora) Aula 1 Capítulo 1 - Introdução 1.1. Como Surgiram as Redes...25 1.2. Tipos de Redes...25 1.2.1. Classificação

Leia mais

Auditoria e Segurança de Sistemas -VPN (Virtual Private Network)

Auditoria e Segurança de Sistemas -VPN (Virtual Private Network) Auditoria e Segurança de Sistemas -VPN (Virtual Private Network) Adriano J. Holanda 2/9/2016 VPN (Virtual Private Network) É a extensão de uma rede privativa que passa por compartilhamentos ou rede pública

Leia mais

Manual de Configuração.

Manual de Configuração. O NX WiFi é um conversor de Serial e Ethernet para WiFi, com isso eliminando o cabeamento em suas instalações e deixando-os equipamentos com mais mobilidade. NX WiFi Modo STA Modo STA Neste modo o NXWiFi

Leia mais

LUIS GUILHERME MACHADO CAMARGO PEDRO ALBERTO DE BORBA RICARDO FARAH STEFAN CAMPANA FUCHS TELMO FRIESEN MAPEAMENTO DE AMBIENTES COM O ROBÔ BELLATOR

LUIS GUILHERME MACHADO CAMARGO PEDRO ALBERTO DE BORBA RICARDO FARAH STEFAN CAMPANA FUCHS TELMO FRIESEN MAPEAMENTO DE AMBIENTES COM O ROBÔ BELLATOR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO LUIS GUILHERME MACHADO CAMARGO PEDRO ALBERTO DE BORBA

Leia mais

LABORATÓRIO IPV6.1. INTRODUÇÃO AO IPV6 Documento versão 0.1. Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #

LABORATÓRIO IPV6.1. INTRODUÇÃO AO IPV6 Documento versão 0.1. Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel # LABORATÓRIO IPV6.1 INTRODUÇÃO AO IPV6 Documento versão 0.1 Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135 Orientado pela Professora Kalinka Regina Lucas Jaquie Castelo Branco Maio / 2011 Laboratório 6.1

Leia mais

6. Explique a camada de aplicação. A camada de Aplicação é a que fornece os serviços Reais para os usuários:

6. Explique a camada de aplicação. A camada de Aplicação é a que fornece os serviços Reais para os usuários: 1. O que são e quais as principais funções (vantagens) dos Patch Panels? Patch Panels são painéis de conexão utilizados para a manobra de interligação entre os pontos da rede e os equipamentos concentradores

Leia mais

Administração de Sistemas Operacionais. Prof.: Marlon Marcon

Administração de Sistemas Operacionais. Prof.: Marlon Marcon Administração de Sistemas Operacionais Prof.: Marlon Marcon Introdução O DNS é um dos principais serviços de redes TCP/IP Converte nomes (domínios) em endereços IP, e também realiza o mesmo processo reversamente,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS PARACATU TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA JOÊNIA OLIVEIRA LOPES SERVIDORES

INSTITUTO FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS PARACATU TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA JOÊNIA OLIVEIRA LOPES SERVIDORES INSTITUTO FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS PARACATU TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA JOÊNIA OLIVEIRA LOPES SERVIDORES PARACATU MG JUNHO 2016 1 INTRODUÇÃO... 4 2 CENÁRIO... 4 2.1 EQUIPAMENTOS...

Leia mais

Objetivos: i) Criar enlace ponto-a-ponto entre roteadores com protocolo HDLC ii) Criar uma infraestrutura de acesso baseada em PPPoE

Objetivos: i) Criar enlace ponto-a-ponto entre roteadores com protocolo HDLC ii) Criar uma infraestrutura de acesso baseada em PPPoE Instalação de Equipamentos de Rede Laboratório 2 Estabelecimento de enlaces ponto-a-ponto Objetivos: i) Criar enlace ponto-a-ponto entre roteadores com protocolo HDLC ii) Criar uma infraestrutura de acesso

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 11

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 11 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. ROTEAMENTO...3 1.1 Introdução... 3 1.2 O roteamento e seus componentes... 3 1.3 Tabelas de roteamento... 3 1.4 Protocolos de roteamento... 3

Leia mais

Rede Local - Administração Endereçamento IPv4

Rede Local - Administração Endereçamento IPv4 Rede Local - Administração Endereçamento IPv4 Formador: Miguel Neto (migasn@gmail.com) Covilhã - Novembro 05, 2015 Endereçamento IPv4 Na Internet e, em geral, em todas as redes que utilizam os protocolos

Leia mais

Curso Técnico em Informática. Informática Aplicada Instrutor Rafael Barros Sales

Curso Técnico em Informática. Informática Aplicada Instrutor Rafael Barros Sales Curso Técnico em Informática Informática Aplicada Instrutor Rafael Barros Sales Serviços de Rede Windows Apesar do prompt de comando ser muitas vezes marginalizado e relegado a segundo plano, o Windows

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 Protocolo de rede... 3 Protocolo TCP/IP... 3 Máscara de sub-rede... 3 Hostname... 3

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES I LINUX. Configuração de Rede

ADMINISTRAÇÃO DE REDES I LINUX. Configuração de Rede ADMINISTRAÇÃO DE REDES I LINUX Configuração de Rede Network Conceitos - Endereço IP Padrão de endereçamento utilizado nas redes baseadas em TCP/IP - Máscara de sub-rede Define o range da rede a qual o

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA 1. A arquitetura TCP/IP possui diferentes protocolos organizados em uma estrutura hierárquica. Nessa arquitetura, exemplos de protocolos das camadas de Rede, Transporte e Aplicação, são, respectivamente,

Leia mais

Configuração do Router

Configuração do Router Configuração do Router Através de uma ligação TCP/IP é possível configurar o Router utilizando um navegador web. São suportados os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 ou superior, Netscape Navigator,

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo IFSP Câmpus Presidente Epitácio SP Melissa Bonfim Alcantud

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo IFSP Câmpus Presidente Epitácio SP Melissa Bonfim Alcantud Melissa Bonfim Alcantud Projeto de Cabeamento Estruturado para Imobiliária Presidente Epitácio SP Setembro/2015 Sumário 1. Introdução... 1 2. Objetivo... 1 3. Definições... 1 4. Materiais utilizados...

Leia mais

Redes de Computadores. A arquitectura protocolar TCP/IP

Redes de Computadores. A arquitectura protocolar TCP/IP A arquitectura protocolar TCP/IP A arquitectura TCP/IP! Possui apenas 4 camadas ou níveis Aplicação FTP Telnet HTTP Transporte TCP UDP Rede IP Acesso à Rede Ethernet Pacotes por rádio ponto a ponto 2 Nível

Leia mais

Programação para Web

Programação para Web Colégio Estadual João Manoel Mondrone Ensino Fundamental, Médio, Profissional e Norm Técnico em Informática Programação para Web Profª Ana Paula Mandelli anapaula_mandelli@hotmail.com O que é a COMUNICAÇÃO?

Leia mais

Como Permitir a Navegação Usando o NetBIOS Over IP

Como Permitir a Navegação Usando o NetBIOS Over IP Como Permitir a Navegação Usando o NetBIOS Over IP Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Informações de Apoio Ajuste o nome do grupo de trabalho para ser o Domain

Leia mais

INTERNET. A figura mostra os inúmeros backbones existentes. São cabos de conexão de altíssima largura de banda que unem o planeta em uma rede mundial.

INTERNET. A figura mostra os inúmeros backbones existentes. São cabos de conexão de altíssima largura de banda que unem o planeta em uma rede mundial. INTERNET A figura mostra os inúmeros backbones existentes. São cabos de conexão de altíssima largura de banda que unem o planeta em uma rede mundial. DNS (Domain Name System) Sistema de Nome de Domínio

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações Camada de aplicação IGOR ALVES

Redes de Computadores e Aplicações Camada de aplicação IGOR ALVES Redes de Computadores e Aplicações Camada de aplicação IGOR ALVES Camada de aplicação Um protocolo da camada de aplicação define como processos de uma aplicação, que funcionam em sistemas finais diferentes,

Leia mais

COLOCANDO A REDE PARA FUNCIONAR

COLOCANDO A REDE PARA FUNCIONAR COLOCANDO A REDE PARA FUNCIONAR INTRODUÇÃO Para que uma rede de computadores exista precisamos preencher alguns requisitos tais como: 1 Devem existir 2 ou mais computadores ou então não seria necessária

Leia mais

Compreendendo e configurando o comando ip unnumbered

Compreendendo e configurando o comando ip unnumbered Compreendendo e configurando o comando ip unnumbered Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções O que é uma interface sem número? IP e IP sem número Exemplos de configuração

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas. Serviços de rede. Acesso Remoto SSH / TENET / VNC / RDP (TS)

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas. Serviços de rede. Acesso Remoto SSH / TENET / VNC / RDP (TS) Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Serviços de rede Acesso Remoto SSH / TENET / VNC / RDP (TS) 1 André Luiz andreluizsp@gmail.com Acesso Remoto Terminal virtual da rede: fornecedor

Leia mais

Trabalhando com redes no Linux Debian Instalando aplicativos

Trabalhando com redes no Linux Debian Instalando aplicativos Trabalhando com redes no Linux Debian Instalando aplicativos O comando lspci exibe uma listagem de todos os dispositivos pci encontrados e que estejam com módulos ativos no sistema. É importante frisar

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Endereçamento e Ethernet Prof. Jó Ueyama Junho/2013 1 slide 1 Redes Locais LAN: Local Area Network concentrada em uma área geográfica, como um prédio ou um campus. 2 slide 2 Tecnologias

Leia mais

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 PROTOCOLO PPP Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 RESUMO Neste trabalho é apresentado o Protocolo PPP, Suas principais características e seu funcionamento. Suas variações também são enfocadas

Leia mais

Roteiro de Práticas de Roteamento EGP usando Quagga

Roteiro de Práticas de Roteamento EGP usando Quagga Roteiro de Práticas de Roteamento EGP usando Quagga BGP O objetivo desse roteiro é mostrar como o pacote Quagga pode ser utilizado para construir roteadores com suporte a protocolos de roteamento utilizando

Leia mais

Este documento não se restringe a versões de software e hardware específicas.

Este documento não se restringe a versões de software e hardware específicas. Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Glossário Visão geral do processo de VPDN Protocolos de túneis Configurando o VPDN Informações Relacionadas Introdução Uma

Leia mais

Modem ADSL. Resumo de Configurações

Modem ADSL. Resumo de Configurações Modem ADSL Resumo de Configurações Introdução ADSL: Linha digital assimétrica. Assimetria: velocidade de download diferente da velocidade de upload. Exemplo: Ao contratar um plano ADSL Velox apelidado

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO DESCRIÇÃO DO PRODUTO... 3 CARACTERÍSTICAS... 3 CONFIGURAÇÃO USB... 4 CONFIGURAÇÃO... 5 PÁGINA

Leia mais

Usando VNC para instalar o CallManager da Cisco em um servidor remoto

Usando VNC para instalar o CallManager da Cisco em um servidor remoto Usando VNC 3.3.7 para instalar o CallManager da Cisco em um servidor remoto Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Use o VNC com CallManager da Cisco Preparação do

Leia mais

Procedimentos para configuração do DVG-2001S para operadora Vono

Procedimentos para configuração do DVG-2001S para operadora Vono 1 Procedimentos para configuração do DVG-2001S para operadora Vono Neste Manual vamos apresentar a seguinte topologia: Para que possamos realizar a topologia acima devemos seguir as etapas abaixo: Obs.:

Leia mais

PRÁTICA. Múltiplas rotas até o mesmo destino com custos definidos em função da velocidade

PRÁTICA. Múltiplas rotas até o mesmo destino com custos definidos em função da velocidade PRÁTICA Múltiplas rotas até o mesmo destino com custos definidos em função da velocidade Cenário 10Mbps Qual o melhor caminho? Observando o desenho veja que o caminho entre o computador PC0 e o Servidor

Leia mais

Introdução a Redes e a Internet. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola

Introdução a Redes e a Internet. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola Introdução a Redes e a Internet Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola Modelo OSI Criado pela ISO (International Organization for Standarization) Lançado em 1984 Criado baseado nos padrões da época

Leia mais