OUTROS. Sérgio Alves de Carvalho 1 RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OUTROS. Sérgio Alves de Carvalho 1 RESUMO"

Transcrição

1 OUTROS REGULAMENTAÇÃO ATUAL DA AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PARA PRODUÇÃO, ESTOCAGEM, COMÉRCIO, TRANSPORTE E PLANTIO DE MUDAS CÍTRICAS NO ESTADO DE SÃO PAULO Sérgio Alves de Carvalho 1 RESUMO Desde a instituição das normas para produção de mudas certificadas de citros, em 1994, que exigiu, posteriormente, a reestruturação do Programa de Matrizes, o Estado de São Paulo tem experimentado grande aumento no número de viveiros em ambientes telados, estratégia que garante a sanidade das mudas em relação à clorose variegada dos citros e outras doenças. Cumprindo um calendário progressivo em relação às exigências, a partir de janeiro de 2003, conforme portaria específica, as normas estabelecidas para a produção de mudas certificadas passaram também a valer para a produção de mudas fiscalizadas. São apresentadas, neste artigo, as novas regulamentações para a produção, armazenamento e comercialização de mudas certificadas e fiscalizadas de citros no Estado de São Paulo. Sob a coordenação da Agência de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo (ADAESP), as portarias foram publicadas no Diário Oficial do Estado de São Paulo, Poder Executivo, Seção I, volume 113, número 29, terça-feira, 11 de fevereiro de Termos de indexação: citros, muda certificada e fiscalizada. 1 Centro Avançado de Pesquisa Tecnológica do Agronegócio de Citros Sylvio Moreira IAC. Editor Assistente da Revista Laranja. Caixa Postal 4, Cordeirópolis (SP).

2 200 SÉRGIO ALVES DE CARVALHO SUMMARY CURRENT REGULATION OF THE AGENCY OF AGRICULTURAL DEFENSE FOR PRODUCTION, STORAGE, TRADE, TRANSPORT AND PLANTATION OF NURSERY TREES IN SÃO PAULO STATE, BRAZIL Since the establishment of regulations to certify the production of citrus nursery trees in 1994, which also demanded the restructuring of the Program of Mother-trees, the State of São Paulo has been experiencing a great increase in the number of screen-protected nurseries. This strategy guarantees the health of nursery trees in relation to citrus variegated chlorosis (CVC) and other citrus diseases. Complying with a progressive schedule related to the requirements, starting from January 2003 and according to a specific rule, the norms established for the certification of production of nursery trees also started to be valid for the production of fiscalized nursery trees. In this article, the new regulations for the production of certified and fiscalized nursery trees, storage, trade, transport and plantation in the State of São Paulo are presented. Under the coordination of the Agency of Agricultural Defense of the State of São Paulo ADAESP, the regulations were published in the São Paulo State Official Newspaper, Session I, Volume 113, number 29, Tuesday, February 11, Index terms: citrus, nursery trees, certified, fiscalization. 1. INTRODUÇÃO As mudanças implementadas no sistema de produção de mudas de citros no Estado de São Paulo, nos últimos nove anos podem ser consideradas uma das maiores revoluções em todos os tempos de exploração comercial dos citros no Brasil. O desafio de enfrentar graves problemas fitossanitários, como a clorose variegada, a gomose, nematóides e o cancro cítrico, exige, além da adoção de tecnologias e práticas modernas na condução dos pomares, do emprego de mudas sadias, produzidas, armazenadas e transportadas com rigoroso controle de vetores e outras formas de contaminação com patógenos causadores de doenças.

3 REGULAMENTAÇÃO ATUAL DA AGÊNCIA DE DEFESA Desde a instituição de normas para produção de mudas certificadas, em 1994, levando, também à necessidade da reestruturação do Programa de Matrizes, o Estado tem experimentado grande aumento no número de viveiros e de mudas produzidas em ambientes telados. Esses telados foram gradativamente sendo utilizados mesmo para a produção de mudas fiscalizadas, em resposta a uma demanda por maior garantia na qualidade sanitária das mudas, mesmo não sendo essa uma exigência do programa, que, paralelamente ao sistema de certificação, permitia o uso tradicional das sementeiras e viveiros de campo mantidos a céu aberto. Cumprindo um calendário progressivo em relação às exigências, a partir de janeiro de 2003, conforme portaria específica, as normas estabelecidas para a produção de mudas certificadas passaram também a valer para a produção daquelas fiscalizadas. Ficou, então, proibida, a partir daquela data, a produção e comercialização de mudas produzidas em viveiros a céu aberto, necessitando portanto, estabelecer e regulamentar novas normas para a produção de mudas fiscalizadas no Estado. Fiel a sua vocação de informar, atualizar e registrar o histórico da nossa citricultura, a Revista Laranja apresenta, a seguir, as novas regulamentações para produção, armazenamento e comercialização de mudas certificadas e fiscalizadas de citros no Estado de São Paulo. Atualmente, sob a coordenação da Agência de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo (ADAESP), as portarias foram publicadas no Diário Oficial do Estado de São Paulo, Poder Executivo, Seção I, volume 113, número 29, terça-feira, 11 de fevereiro de Principais aspectos da nova regulamentação Entre outros aspectos, conforme a Portaria ADAESP 1, que estabelece Medidas de Defesa Sanitária Vegetal, no Estado de São Paulo, para Mudas Cítricas, os viveiros de produção de mudas certificadas, fiscalizadas, as plantas matrizes, as borbulheiras e os comerciantes de mudas, registrados pelo Decreto Federal no , de 7 de junho de 1978, serão cadastrados automaticamente. Os demais devem solicitar o cadastro, conforme as novas normas em vigor. A Portaria ADAESP 2, que estabelece Normas para Produção de Mudas Certificadas, indica que os lotes de tais mudas, iniciados anterior-

4 202 SÉRGIO ALVES DE CARVALHO mente à portaria, continuarão, no que couber, a seguir a Portaria CATI-7, de 10 de fevereiro de 1998 e demais disposições em vigor, até 30 de junho de A não ser por maiores detalhes e especificações sobre normas e documentação exigida para registro de produtor de mudas e de viveiros, a nova portaria é bastante semelhante à anterior (CARVALHO, ). Ressalte-se que neste sistema o CERTIFICADO é expedido por engenheiro agrônomo da Agência de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo (ADAESP) e comprova que as mudas foram produzidas segundo as normas e demais exigências estabelecidas; a responsabilidade técnica pela produção e preparo de mudas certificadas é exclusiva de engenheiro agrônomo registrado no CREA/SP. Quanto às novas Normas para a Produção de Mudas Cítricas Fiscalizadas, conforme a Portaria ADAESP 3, os lotes de mudas fiscalizadas, iniciados anteriormente à portaria, continuarão, no que couber, a seguir a Portaria CDSV-3, de 7 de junho de 1999 e demais disposições em vigor, até 30 de junho de O ATESTADO DE GARANTIA é expedido pelo responsável técnico, comprovando que as mudas foram produzidas segundo as normas. Assim, como para a muda certificada, a responsabilidade técnica pela produção e preparo das fiscalizadas é exclusiva de engenheiro agrônomo registrado no CREA/SP. Visando à prevenção contra pulgões, que têm sido considerados possíveis vetores da morte súbita dos citros, doença ainda de causa não determinada, passa a ser exigida nos dois sistemas o uso de tela antiafídica, cujas medidas mínimas da malha foram determinadas em 0,64 mm (sessenta e quatro centésimos de milímetro) por 0,20 mm (vinte centésimos de milímetro). A proteção com essa tela é obrigatória também durante o transporte da muda. Alterando as normas anteriores para mudas certificadas, não há exigência de código de cores na identificação das variedades copa e porta-enxertos e todas as solicitações deverão ser dirigidas à Unidade Regional de Defesa Agropecuária. 2 CARVALHO, S.A. Reestruturação do Programa de Registro de Matrizes e revisão das Normas para Produção de Mudas Certificadas de Citros no Estado de São Paulo. Laranja, Cordeirópolis, v.19, n.2, p , 1998.

5 REGULAMENTAÇÃO ATUAL DA AGÊNCIA DE DEFESA Tanto para mudas certificadas, quanto para as fiscalizadas, as sementes e borbulhas utilizadas devem ter sido produzidas valendo-se de planta matriz ou de borbulheira registrada, atendendo às normas, instruções e padrões específicos. Para ambas, o cultivar deve estar registrado no Registro Nacional de Cultivares, do Serviço Nacional de Proteção de Cultivares (SNPC), mas, diferindo da muda certificada, na produção de mudas fiscalizadas pode ser obtida autorização na Agência de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo para a utilização de sementes ou borbulhas sem origem genética, baseada em declaração do responsável técnico de que existe indisponibilidade, que atenda às exigências, assumindo este a responsabilidade pela identidade, qualidade e sanidade do material utilizado. Independentemente do sistema de produção (certificada ou fiscalizada), o local de depósito provisório das mudas segue as mesmas normas do viveiro e o trânsito interestadual deverá obedecer a todas as exigências estabelecidas pela Unidade Federativa destinatária.

6 204 SÉRGIO ALVES DE CARVALHO MEDIDAS DE DEFESA SANITÁRIA VEGETAL, NO ESTADO DE SÃO PAULO, PARA MUDAS CÍTRICAS PORTARIA ADAESP - 1, DE ESTABELECE MEDIDAS DE DEFESA SANITÁRIA VEGETAL, NO ESTADO DE SÃO PAULO, PARA MUDAS CÍTRICAS O Diretor Superintendente da Agência de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo - ADAESP, considerando: a) a Lei Estadual n , de 22 de dezembro de 1999; b) o Decreto Estadual n , de 19 de setembro de 2000; c) o Decreto Estadual n , de 16 de novembro de 2000; d) a Instrução Normativa n. 6, da Secretaria de Defesa Agropecuária, do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, de 13 de março de 2000; e) o Decreto Estadual n , de 2 de outubro de 1998; f) a Lei Complementar Estadual no 919, de 23 de maio de 2002; DECIDE: Artigo 1. - Estabelecer medidas de defesa sanitária vegetal aplicáveis à produção, estocagem, comércio, transporte e plantio de mudas cítricas no Estado de São Paulo. SEÇÃO I - DAS CONCEITUAÇÕES: Artigo 2. - Para efeito desta portaria, entende-se por: a) CARTÃO DE CADASTRAMENTO - documento expedido pela Agência de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo - ADAESP, que comprova o cadastramento do estabelecimento; b) CERTIFICADO FITOSSANITÁRIO DE ORIGEM - documento expedido por Engenheiro Agrônomo, credenciado pela Agência de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo - ADAESP, que certifica a sanidade e a origem de mudas; 3 Diário Oficial do Estado de São Paulo, Poder Executivo, Seção I, volume 113, número 29, terça-feira, 11 de fevereiro de 2003.

7 REGULAMENTAÇÃO ATUAL DA AGÊNCIA DE DEFESA c) COMERCIANTE DE MUDAS - toda pessoa física ou jurídica que exponha à venda, oferte, venda, permute ou consigne mudas; d) ETIQUETA - material de identificação de mudas; e) DEPÓSITO DE MUDAS - área convenientemente demarcada e protegida, onde mudas cítricas são estocadas, expostas para comercialização ou não, até sua destinação final; f) FISCALIZAÇÃO - ato de inspeção realizado por Engenheiro Agrônomo da Agência de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo - ADAESP, no viveiro, transporte, comercialização e plantio de mudas; g) IDENTIFICAÇÃO DA MUDA - método pelo qual a origem e as características da muda são fornecidos; h) MUDA CÍTRICA - estrutura vegetal de planta cítrica, proveniente de reprodução sexuada ou assexuada, que tenha finalidade específica de plantio; i) PERMISSÃO DE TRÂNSITO VEGETAL - documento expedido por Engenheiro Agrônomo da Agência de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo - ADAESP, que permite o transporte de vegetais; j) PLANTA CÍTRICA - aquela pertencente às espécies dos gêneros Citrus, Fortunella ou Poncirus, ou de híbrido; l) PRODUTOR DE MUDAS - toda pessoa física ou jurídica que produza mudas com a finalidade específica de plantio; m) RESPONSÁVEL TÉCNICO - Engenheiro Agrônomo, registrado pelo CREA/SP, que se responsabiliza pela produção, qualidade, sanidade e identidade das mudas; n) VARIEDADE OU CULTIVAR - subdivisão de uma espécie botânica devidamente descrita e registrada no Serviço Nacional de Proteção de Cultivares - SNPC; o TRÂNSITO DE MUDAS - passagem de mudas de um viveiro ou depósito para outros, ou para a propriedade agrícola onde será plantada; p) TRANSPORTADOR DE MUDAS - pessoa física ou jurídica que realiza o trânsito de mudas; q) VIVEIRO DE MUDAS - área convenientemente demarcada e protegida, conforme estabelece esta portaria, onde as mudas cítricas serão produzidas e conduzidas até sua destinação;

8 206 SÉRGIO ALVES DE CARVALHO r) VIVEIRISTA - toda pessoa física ou jurídica que produza mudas, com a finalidade especifica de comercializar. SEÇÃO II - DO CADASTAMENTO DE VIVEIROS E DEPÓSITOS DE MUDAS CÍTRICAS Artigo 3. - Todos os viveiros e depósitos de mudas cítricas, independentemente de sua finalidade, deverão ser cadastrados, a cada ano agrícola, na Agência de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo - ADAESP Os viveiros de produção de mudas certificadas, fiscalizadas, as plantas matrizes, as borbulheiras e os comerciantes de mudas, registrados nos termos do Decreto Federal no , de 7 de junho de 1978, serão cadastrados automaticamente As exigências para o cadastramento dos viveiros de produção e dos depósitos de mudas, não registrados na forma do parágrafo anterior, são as seguintes: a) requerimento de cadastramento junto à Agência de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo - ADAESP; b) plano de produção de mudas, por espécie e ano agrícola, no caso de viveiros; c) mapa de entrada e saída de mudas, por espécie, no ano agrícola anterior, no caso de depósitos de mudas cítricas; d) documento hábil comprovando o depósito ou registro de marca no Instituto Nacional de Propriedade Industrial, quando for o caso; e) documento de habilitação para o signatário requerer e assumir responsabilidades por empresa, quando for o caso Quando o requerente é mais de uma pessoa física, cada um dos participantes deve estar perfeitamente identificado no requerimento, sendo de responsabilidade desses participantes o atendimento da legislação pertinente Para cada cadastramento efetuado será emitido um Cartão de Cadastramento pela Agência de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo - ADAESP. SEÇÃO III - DAS EXIGÊNCIAS PARA VIVEIROS E DEPÓSITOS DE MUDAS CÍTRICAS Artigo 4. - Os viveiros e os depósitos de mudas cítricas devem atender às seguintes exigências:

9 REGULAMENTAÇÃO ATUAL DA AGÊNCIA DE DEFESA a) ambiente protegido com tela de malha de, no máximo, 0,64 mm (sessenta e quatro centésimos de milímetro) por 0,20 mm (vinte centésimos de milímetro); b) acesso através de antecâmara, com piso de 1m (um metro) por 1m (um metro), no mínimo; c) pedilúvio na entrada do ambiente (interior da antecâmara), para desinfetação de calçados; d) bancada, no mínimo, a 30 cm (trinta centímetros) do solo; e) corredores entre as bancadas com piso, com camada de pedra britada ou material similar, com um mínimo de 5 cm (cinco centímetros) de espessura; f) manutenção da área interna livre de plantas daninhas; g) viveiro ou depósito a, no mínimo, 20 m (vinte metros) de qualquer planta cítrica e em área de boa drenagem; h) viveiro ou depósito livre de cigarrinhas vetores de Clorose Variegada dos Citros; i) local acessível para realização de inspeções; j) instalação onde a legislação fitossanitária permita; k) impedimentos à entrada de águas invasoras no ambiente; l) acesso vetado a pessoas estranhas ao serviço; m) viveiro ou depósito limpo de detritos vegetais; n) atendimento de outras exigências fitossanitárias em vigor. SEÇÃO IV - DAS EXIGÊNCIAS PARA PRODUÇÃO DE MUDAS CÍTRICAS Artigo 5. - A produção de mudas cítricas deve atender às seguintes exigências: a) desinfestação e desinfeção dos materiais e equipamentos utilizados com formalina a 2,5% (dois e meio por cento); b) desinfestação e desinfetação de pisos, paredes e bancadas com hipoclorito de sódio a 1% (um por cento), após a retirada de cada partida de mudas produzidas; c) o substrato, ou mistura utilizada, deve ter boa porosidade e ser isento de nematóides nocivos aos Citros, fungos do gênero Phytophtora e outros patógenos comprovadamente nocivos aos Citros;

10 208 SÉRGIO ALVES DE CARVALHO d) as embalagens e substrato das mudas devem estar isentas de plantas daninhas; e) a água de irrigação, deve ser tratada quando necessário, ficando isenta de nematóides nocivos aos Citros, fungos do gênero Phytophtora e outros patógenos comprovadamente nocivos aos Citros; f) as sementesutilizadas deverão sofrer tratamento térmico a 52 C durante 10 (dez) minutos; g) as mudas devem estar livres de doenças e pragas; h) atendimento de todas as outras exigências em vigor. SEÇÃO V - DA COMERCIALIZAÇÃO E TRÂNSITO DE MUDAS CÍTRICAS Artigo 6. - Para o trânsito e o comércio, as mudas cítricas devem: a) ser transportadas, com proteção, contra insetos vetores, com tela de malha de, no máximo, 0,64 mm (sessenta e quatro centésimos de milímetro) por 0,20 mm (vinte centésimos de milímetro), quando destinadas a depósitos, ou para utilização como porta enxertos, mesmo aquelas para uso próprio; b) ser acompanhadas de Nota Fiscal ou de Produtor, indicando sua origem e destino; c) ser acompanhadas de Permissão de Trânsito emitida pela Agência de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo - ADAESP; d) obedecer todas as exigências da Unidade Federativa destinatária. Artigo 7. - As mudas cítricas, produzidas em outros Estados, e destinadas ao plantio no Estado de São Paulo, além das exigências das alíneas a e b do artigo anterior, deverão contar, obrigatoriamente, com Permissão de Trânsito, emitida pela entidade de Defesa Sanitária Vegetal do Estado de origem e Autorização de Entrada e Trânsito, emitida pela Agência de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo - ADAESP. Parágrafo único - A Autorização de Entrada e Trânsito será emitida somente para mudas cítricas que atendam à legislação em vigor no Estado de São Paulo. SEÇÃO VI - DA FISCALIZAÇÃO FITOSSANITÁRIA PELA ADAESP Artigo 8. - A fiscalização fitossanitária pela Agência de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo - ADAESP será comprovada pela expedição de Certificado Fitossanitário.

11 REGULAMENTAÇÃO ATUAL DA AGÊNCIA DE DEFESA SEÇÃO VII - DAS PROIBIÇÕES Artigo 9. - É proibido na produção, armazenamento, transporte, exposição ou comercialização de muda cítrica que desatender as presentes normas e as demais exigências estabelecidas em legislação específica. Artigo É proibido às pessoas físicas e jurídicas, de direito público ou privado: a) dificultar, embaraçar ou impedir, por qualquer meio, a ação de fiscalização; b) deixar de comunicar imediatamente à Unidade Regional de Defesa Agropecuária a ocorrência de pragas ou doenças quarentenárias ou não quarentenárias regulamentadas; c) recusar-se a cumprir as presentes normas e demais determinações legais; d) comercializar ou transitar muda cuja comercialização ou trânsito esteja suspenso ou proibido; e) alterar a situação de muda objeto de autuação pela fiscalização; f) utilizar artifício, ardil ou fraude para obter vantagem pessoal ou para outrem; g) comercializar ou transitar muda desacompanhada de nota fiscal e outros documentos exigidos pela legislação. h) prestar informação falsa ou enganosa, ou deixar de prestá-la quando solicitado; i) praticar ato de infidelidade quando depositário; j) produzir, transitar, expor à venda, ofertar, vender, permutar ou consignar mudas cítricas sem estar devidamente cadastrado na Agência de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo - ADAESP; l) deixar de comunicar alterações cadastrais no prazo de 30 dias a contar da ocorrência; m) deixar de fazer desvitalização ou destruição de muda, quando determinada; n) promover atividades que possam contribuir para o desenvolvimento ou disseminação de praga ou doença de citros; o) deixar de manter em local visível no viveiro ou depósito de mudas, ou na propriedade, os respectivos registros.

12 210 SÉRGIO ALVES DE CARVALHO SEÇÃO VIII - DAS PENALIDADES Artigo Em conformidade com o que estabelece o Decreto Estadual no , de 19 de setembro de 2000, e sem prejuízo da responsabilidade penal cabível, o não cumprimento ou não observância destas Normas sujeita o infrator às seguintes sanções administrativas, isolada ou cumulativamente em função da gravidade: I. PROIBIÇÃO DA COMERCIALIZAÇÃO de produto. II. INTERDIÇÃO do viveiro e do depósito. III. APREENSÃO de produto. IV. DESTRUIÇÃO de produto V. MULTA. SEÇÃO IX - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo As mudas que não atenderem às exigências estabelecidas pela legislação em vigor deverão ser condenadas e eliminadas. Artigo O detentor de mudas compromete-se a cumprir a legislação em vigor e propiciar à Unidade Regional de Defesa Agropecuária as condições necessárias para o exercício de suas funções, comunicando qualquer alteração ou irregularidade ocorrida nas condições iniciais que permitiram o cadastramento. Artigo Cumpre ao detentor de mudas cítricas levar ao conhecimento da Unidade Regional de Defesa Agropecuária, por escrito, as ocorrências que possam vir a comprometer os objetivos visados nesta portaria. Artigo Será dada publicidade, pela Agência de Defesa Agropecuária do Estado desão Paulo - ADAESP, dos viveiros de produção, depósitos e comerciantes de mudas cítricas cadastrados. Artigo A formação de pomares cítricos e a reposição de mudas nos pomares implantados deverá ocorrer exclusivamente com mudas produzidas de acordo com a legislação em vigor. Artigo As solicitações e comunicações, necessárias em função da presente portaria, deverão ser feitas através de correspondência à Unidade Regional de Defesa Agropecuária.

13 REGULAMENTAÇÃO ATUAL DA AGÊNCIA DE DEFESA Artigo Os casos não previstos nestas Normas serão resolvidas pela Agência de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo - ADAESP. Artigo Esta portaria entra em vigor na data de sua publicação. DISPOSIÇÃO TRANSITÓRIA Artigo único - Os lotes de mudas iniciados anteriormente à presente portaria, continuarão, no que couber, a seguir a Portaria CDSV-3, de 7 de junho de 1999 e demais disposições em vigor, até 30 de junho de 2004.

14 212 SÉRGIO ALVES DE CARVALHO NORMAS PARA PRODUÇÃO DE MUDA CERTIFICADAS DE CITROS PORTARIA ADAESP - 2, DE ESTABELECE NORMAS PARA A PRODUÇÃO DE MUDAS CÍTRI- CAS CERTIFICADAS NO ESTADO DE SÃO PAULO O Superintendente da Agência de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo - ADAESP, considerando: a) o artigo 19., inciso I do Decreto Federal no , de 7 de junho de 1978, que regulamenta a Lei de 19 de dezembro de 1977; b) a Portaria do Ministério da Agricultura de no 22, de 17 de janeiro de 1982; c) os artigos 10., inciso V e 12, inciso I, item f do Decreto Estadual no de 2 de outubro de 1998; d) a Lei Complementar Estadual no 919, de 23 de maio de 2002; Decide: Artigo 1. - Aprovar as NORMAS PARA PRODUÇÃO DE MUDAS CÍ- TRICAS CERTIFICADAS NO ESTADO DE SÃO PAULO, anexas a esta Portaria. Artigo 2. - Esta portaria entra em vigor na data de sua publicação, revogando as disposições em contrário. DISPOSIÇÃO TRANSITÓRIA Artigo único - Os lotes de mudas certificadas iniciados anteriormente à presente portaria, continuarão, no que couber, a seguir a Portaria CATI-7, de 10 de fevereiro de 1998 e demais disposições em vigor, até 30 de junho de NORMAS PARA PRODUÇÃO DE MUDAS CÍTRICAS CERTIFICADAS NO ESTADO DE SÃO PAULO I - DOS OBJETIVOS: Estas normas tem por objetivo estabelecer as condições e exigências para a produção e certificação de mudas cítricas no Estado de São Paulo. 4 Diário Oficial do Estado de São Paulo, Poder Executivo, Seção I, volume 113, número 29, terça feira, 11 de fevereiro de 2003.

15 REGULAMENTAÇÃO ATUAL DA AGÊNCIA DE DEFESA II - DAS CONCEITUAÇÕES: 1. Para efeito desta portaria entende-se por: a) BORBULHA - porção de casca de planta matriz, ou de borbulheira, com ou sem lenho, que contenha uma gema passível de produzir a planta cítrica original; b) BORBULHEIRA - conjunto de plantas formadas com borbulhas retiradas de plantas matrizes, destinado à produção de borbulhas; c) CERTIFICADO - documento expedido por Engenheiro Agrônomo da Agência de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo - ADAESP, comprovador de que as mudas foram produzidas segundo as presentes normas e demais exigências estabelecidas; d) CLONE - planta oriunda de multiplicação vegetativa de uma mesma planta matriz; e) CLONE NOVO OU NUCELAR - planta oriunda de propagação sexuada, através de processo de embrionia nucelar; f) COPA - parte da planta enxertada em porta-enxerto; g) ENTIDADE CERTIFICADORA - entidade reconhecida pela legislação específica responsável pelo sistema de produção de mudas certificadas, em sua respectiva área de jurisdição, através da utilização de técnicas, normas e regulamentos próprios; h) ENXERTIA - implantação ou união de uma porção de planta matriz ou de borbulheira na haste de um porta-enxerto, proporcionando, através da conexão dos tecidos, a multiplicação da planta matriz original; i) ESTACA - ramo ou parte da planta matriz, ou de borbulheira, utilizada para sua multiplicação por meio de enraizamento; j) ETIQUETA DE CERTIFICAÇÃO - material para identificação de mudas certificadas, numerado e de corazul, emitido sob controle da Agência de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo - ADAESP; l) GARFO - parte do ramo de planta matriz, ou de borbulheira, que contém uma ou mais gemas passíveis de reproduzir a planta matriz original através da enxertia; m) LACRE - dispositivo utilizado pelo produtor para garantir a inviolabilidade da embalagem e da etiqueta de certificação; n) LAUDO DE VISTORIA DA INFRA-ESTRUTURA: laudo, emitido pelo responsável técnico, referente às características de cada viveiro de produção de mudas de um determinado produtor;

16 214 SÉRGIO ALVES DE CARVALHO o) MUDA CERTIFICADA - aquela produzida de acordo com as presentes normas e responsabilidade conjunta da Agência de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo - ADAESP, por meio de Engenheiro Agrônomo designado, e do próprio produtor, por meio do Responsável Técnico; p) MUDA CÍTRICA - estrutura vegetal de planta cítrica, proveniente de reprodução sexuada ou assexuada, que tenha finalidade específica de plantio; q) PADRÃO - conjunto de atributos estabelecidos por ato oficial da entidade certificadora, que permite avaliar a qualidade da muda certificada; r) PÉ FRANCO - planta obtida de semente, estaca ou raiz, sem o uso de método de enxertia; s) PLANTA BÁSICA - é a planta cujas características genéticas e de sanidade sejam mantidas sob responsabilidade da entidade produtora, e registrada no Registro Nacional de Cultivares; t) PLANTA CÍTRICA - aquela pertencente a espécie dos gêneros Citrus, Fortunella ou Poncirus, ou de híbrido; u) PLANTA MATRIZ - planta formada com muda produzida com material oriundo de planta básica, sob permanente supervisão da entidade certificadora, tendo por finalidade o fornecimento de material para multiplicação; v) PORTA-ENXERTO - planta proveniente de sementes, estaca ou raiz, destinada a receber a borbulha ou garfo; z) PRODUTOR DE MUDAS - toda pessoa física ou jurídica que produza mudas com a finalidade específica de plantio; aa)responsável TÉCNICO - Engenheiro Agrônomo que se responsabiliza por todasas fases de produção, pela qualidade, sanidade e identidade das mudas; bb)variedade OU CULTIVAR - subdivisão de uma espécie botânica devidamente descrita e registrada no Serviço Nacional de Proteção de Cultivares - SNPC; cc)vistoria - inspeção da produção de mudas realizada pelo Responsável Técnico; dd)viveiro - área convenientemente demarcada, onde as mudas serão produzidas e conduzidas até sua destinação final;

17 REGULAMENTAÇÃO ATUAL DA AGÊNCIA DE DEFESA ee)viveirista - toda pessoa física ou jurídica que produza mudas, com a finalidade específica de comercializar. III - DO REGISTRO DE PRODUTOR E DE VIVEIRO DE MUDAS 1. O requerimento de registro de produtor é feito pelo interessado mediante apresentação, à Unidade Regional de Defesa Agropecuária, dos seguintes documentos: a) requerimento de registro de produtor e viveiro; b) termo de compromisso do Responsável Técnico, com visto do produtor; c) documento hábil comprovando o depósito ou registro de marca no Instituto Nacional de Propriedade Industrial, quando for o caso; d) laudo de vistoria da infra-estrutura existente na data da solicitação, comprovando o atendimento das exigências estabelecidas para os viveiros; e) documento de habilitação para o signatário requerer e assumir responsabilidades pela empresa produtora, quando for o caso. 2. Quando o requerente é mais de uma pessoa física, cada um dos participantes deve estar perfeitamente identificado no requerimento, sendo de responsabilidade desses participantes o atendimento da legislação pertinente. 3. Para cada registro de produtor e de viveiro concedido serão emitidos Certificados de Registro específicos pela Agência de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo - ADAESP. 4. O requerimento de registro de novo viveiro de produção de mudas é feito pelo interessado mediante apresentação, à Unidade Regional de Defesa Agropecuária, dos seguintes documentos: a) requerimento de registro do viveiro; b laudo de vistoria da infra-estrutura; c) cópia do certificado de registro de produtor. IV - DA SUSPENSÃO DE REGISTROS 1. O registro será suspenso, quando o produtor: a) deixar de contar, por um tempo limitado e definido, com as condições técnicas necessárias à produção e manutenção de mudas cítricas, definidas pelas normas e padrões em vigor; b) praticar infração passível de suspensão de registro. 2. O registro suspenso será reativado, após o término do prazo de suspensão.

18 216 SÉRGIO ALVES DE CARVALHO V - DO CANCELAMENTO E DA CASSAÇÃO DE REGISTROS 1. O registro será cancelado, quando o produtor: a) solicitar o cancelamento; b) deixar de contar com Responsável Técnico; c) deixar de contar com viveiro registrado para produção de mudas cítricas; d) deixar de contar com as condições técnicas necessárias à produção e manutenção de mudas cítricas. 2. O registro será cassado, quando o Produtor: a) reincidir na infração punível com pena de suspensão de registro; b) quando proposta pela Entidade Certificadora em razão de inidoneidade do produtor, face à prática de atos fraudulentos. VI - DA RESPONSABILIDADE TÉCNICA 1. A responsabilidade técnica pela produção e preparo de mudas cítricas certificadas é exclusiva de Engenheiro Agrônomo registrado no CREA/SP. 2. São obrigações do Responsável Técnico: a) emitir Termo de Compromisso referente à responsabilidade assumida; b) acompanhar e orientar tecnicamente todas as fases da produção de mudas cítricas realizadas pelo produtor, respondendo pela sua qualidade; c) orientar o produtor no preenchimento de documentos necessários ao processo de produção; d) realizar vistorias aos viveiros e à produção de mudas, emitindo e remetendo à Unidade Regional de Defesa Agropecuária os Laudos de Vistorias, em número e nos prazos estabelecidos; e) providenciar a destruição dos porta-enxertos e das mudas que não atendam aos padrões de qualidade exigidos para a comercialização e à legislação fitossanitária, verificados em qualquer vistoria ou inspeção; f) prescrever as medidas profiláticas com a finalidade de impedir o desenvolvimento e a disseminação de qualquer praga ou doença de planta cítrica, que possa ocorrer na produção; g) orientar o produtor na embalagem e identificação de mudas; h) participar da coleta de amostras para realização de testes de sanidade, em laboratório credenciado e conforme metodologia de coleta adotada pela Agência de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo - ADAESP;

19 REGULAMENTAÇÃO ATUAL DA AGÊNCIA DE DEFESA i) atender a qualquer solicitação da Agência de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo - ADAESP, inclusive para comparecer a palestras, reuniões e cursos de atualização; j) comunicar à Unidade Regional de Defesa Agropecuária qualquer ocorrência, alteração na produção ou avaria nas instalações do viveiro, no prazo de 3 (três) dias; l) cumprir e fazer cumprir as normas e padrões em vigor; m) comunicar a Unidade Regional de Defesa Agropecuária, no caso de desistência da responsabilidade técnica. VII - DA INSCRIÇÃO DA PRODUÇÃO DE MUDAS CÍTRICAS 1. Toda produção de mudas cítricas, nos viveiros localizados no Estado de São Paulo, independentemente da destinação das mesmas, deverá ser inscrita na Agência de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo - ADAESP. 2. A inscrição da produção de mudas cítricas deverá ser solicitada 30 (trinta) dias antes do início de cada nova produção, mediante apresentação, à Unidade Regional de Defesa Agropecuária, de: a) projeto técnico de produção de mudas, elaborado pelo Responsável Técnico; b) requerimento do Produtor; c) comprovante de recolhimento da taxa correspondente, quando for o caso. 3. Considera-se nova produção de mudas aquela não prevista em nenhum projeto técnico já inscrito, exceto no caso de alteração de quantidade ou de cultivar. 4. As alterações no projeto apresentado poderão ser feitas até 10 (dez) dias antes do início previsto para a enxertia, mediante solicitação. VIII - DAS EXIGÊNCIAS PARA OS VIVEIROS DE MUDAS CÍTRICAS 1. Os viveiros de mudas cítricas deverão ser instalados com o atendimento das seguintes exigências: a) ambiente protegido com tela de malha com abertura de, no máximo, 0,64 mm (sessenta e quatro centésimos de milímetro) por 0,20 mm (vinte centésimos de milímetro); b) acesso através de antecâmara, com piso de, no mínimo, 1m x 1m (um metro por um metro);

20 218 SÉRGIO ALVES DE CARVALHO c) pedilúvio na antecâmara para desinfetação de calçados; d) bancada, no mínimo, a 30 cm (trinta centímetros) do solo; e) corredores entre as bancadas com piso, com camada de pedra britada ou material similar, com um mínimo de 5 cm (cinco centímetros) de espessura; f) manutenção da área interna livre de plantas daninhas; g) viveiro distante, no mínimo, a 20 m (vinte metros) de qualquer planta cítrica e em área de boa drenagem; h) viveiro livre de cigarrinhas vetores de clorose variegada dos citros; i) local acessível para realização de inspeções; j) instalação onde a legislação fitossanitária permita; l) impedimentos à entrada de águas invasoras no ambiente; m) acesso vetado a pessoas estranhas ao serviço; n) viveiro livre de detritos vegetais; o) todas as solicitações deverão ser dirigidas à Unidade Regional de Defesa Agropecuária; p) outras exigências estabelecidas. IX - DAS EXIGÊNCIAS PARA PRODUÇÃO DE MUDAS CÍTRICAS CERTIFICADAS 1. A cultivar deve estar registrada no Registro Nacional de Cultivares, do Serviço Nacional de Proteção de Cultivares - SNPC. 2. As sementes e borbulhas utilizadas na produção de mudas devem ter sido produzidas a partir de planta matriz ou de borbulheira registrada, atendendo às normas, instruções e padrões específicos. A comprovação dessa origem é feita através da anexação ao Laudo de Segunda Vistoria dos seguintes documentos: 2.1) de aquisição: Nota Fiscal, Nota Fiscal de Produtor, Fatura ou documento equivalente, contendo a caracterização do fornecedor, a cultivar e a quantidade. No caso de utilização de material próprio, este documento de comprovação é substituído por declaração do Responsável Técnico; 2.2) de origem genética: para cada cultivar, podendo ser: a) atestado de origem genética e garantia de material básico, emitido pelo detentor do cultivar, quando originado de planta básica; b) atestado de garantia, emitido pelo Responsável Técnico, quando originado de planta matriz ou borbulheira registrada.

ASPECTOS LEGAIS DA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS

ASPECTOS LEGAIS DA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS ASPECTOS LEGAIS DA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS CURSO SOBRE PROTEÇÃO E REGISTRO DE CULTIVARES 27 A 28 DE MAIO 2010 LONDRINA-PR SAMIRA OMAR MOHAMAD EL TASSA COLODEL FISCAL

Leia mais

REESTRUTURA o Sistema de Defesa Sanitária Vegetal no Estado do Amazonas e dá outras providências.

REESTRUTURA o Sistema de Defesa Sanitária Vegetal no Estado do Amazonas e dá outras providências. LEI N.º 3.097, de 27 de Novembro de 2006. REESTRUTURA o Sistema de Defesa Sanitária Vegetal no Estado do Amazonas e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS FAÇO SABER a todos os habitantes

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.963, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre a Defesa Sanitária Vegetal no Estado do Acre. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado do Acre

Leia mais

LEGISLAÇÃO. Produção de Mudas de Espécies Nativas Florestais

LEGISLAÇÃO. Produção de Mudas de Espécies Nativas Florestais Produção de Mudas de Espécies Nativas Florestais LEGISLAÇÃO Jaeder Lopes Vieira M. Sc. Engenheiro Agrônomo Licenciado em Biologia Analista Ambiental Sênior Instituto Terra Professor da UNIPAC Aimorés/MG

Leia mais

Anexo I - Relatório Anual de Produção e Comercialização de Sementes de Espécies Florestais;

Anexo I - Relatório Anual de Produção e Comercialização de Sementes de Espécies Florestais; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 56, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ- RIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE

SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE V SEMINÁRIO BRASILEIRO DA BATATA 21 DE OUTUBRO 2010 UBERLÂNDIA - MG SAMIRA OMAR MOHAMAD EL TASSA FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO SERVIÇO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS

Leia mais

DECRETO N 4154. Regulamento anexo ao Decreto n 4154/94

DECRETO N 4154. Regulamento anexo ao Decreto n 4154/94 DECRETO N 4154 O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 87,V, da Constituição Estadual. D E C R E T A : Art. 1 - Fica aprovado, na forma do Anexo que integra

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS Legislação Brasileira Sobre Sementes e Mudas: o que o Engenheiro Florestal precisa saber para ser um

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 143/2008 Poder Executivo

PROJETO DE LEI Nº 143/2008 Poder Executivo DIÁRIO OFICIAL DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Porto Alegre, sexta-feira, 20 de junho de 2008. 1 PROJETO DE LEI Nº 143/2008 Poder Executivo Dispõe sobre a adoção de medidas de defesa sanitária vegetal no âmbito

Leia mais

Atos do Poder Executivo

Atos do Poder Executivo ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS TEMÁRIO: 1 Decreto n 45.211, de 19 de setembro de 2000. Atos do Poder Executivo DECRETO N o 45.211, DE 19 DE SETEMBRO DE 2000 Regulamenta a Lei nº

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEMENTES SILVIO MOURE CICERO. 1. Introdução

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEMENTES SILVIO MOURE CICERO. 1. Introdução 1 SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEMENTES SILVIO MOURE CICERO 1. Introdução A Lei n 10.711, sancionada em 05/08/2003 e regulamentada pelo Decreto n 5.153 de 23 de julho de 2004, instituiu o Sistema Nacional de

Leia mais

Instrução Normativa MAPA 32/2012 (D.O.U. 21/11/2012)

Instrução Normativa MAPA 32/2012 (D.O.U. 21/11/2012) Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento BINAGRI - SISLEGIS Instrução Normativa MAPA 32/2012 (D.O.U. 21/11/2012) MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO

Leia mais

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, o

Leia mais

LEI Nº 10.711, DE 5 DE AGOSTO DE 2003

LEI Nº 10.711, DE 5 DE AGOSTO DE 2003 LEI Nº 10.711, DE 5 DE AGOSTO DE 2003 Dispõe sobre o Sistema Nacional de Sementes e Mudas e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a

Leia mais

IV - somente tiverem registro de importação em data anterior a 12 de agosto de 1997.

IV - somente tiverem registro de importação em data anterior a 12 de agosto de 1997. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 16 DE MAIO DE 2005 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Art. 4º Após o término do prazo da presente consulta pública, serão conjuntamente apresentadas as

Art. 4º Após o término do prazo da presente consulta pública, serão conjuntamente apresentadas as MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 482, DE 28 DE SETEMBRO DE 2010 Nota: Portaria em Consulta Pública O SECRETÁRIO SUBSTITUTO DE DEFESA AGROPECUÁRIA

Leia mais

CAPÍTULO I Seção I Da Exigência e do Uso da PTV

CAPÍTULO I Seção I Da Exigência e do Uso da PTV INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 37, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2006 (Revogada pela IN 54, de 04/Dez/2007) O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.828-B, DE 1998. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.828-B, DE 1998. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.828-B, DE 1998 Dispõe sobre o Sistema Nacional de Sementes e Mudas e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

LEI N 10.711, DE 5 DE AGOSTO DE 2003

LEI N 10.711, DE 5 DE AGOSTO DE 2003 TEMÁRIO: 1 Lei n. 10.711, de 05 de agosto de 2003. Seção 1. LEI N 10.711, DE 5 DE AGOSTO DE 2003 Dispõe sobre o Sistema Nacional de Sementes e Mudas e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

Leia mais

ANEXO NORMAS PARA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE MUDAS

ANEXO NORMAS PARA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE MUDAS ANEXO NORMAS PARA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE MUDAS 1. OBJETIVO Fixar diretrizes básicas a serem obedecidas na produção, comercialização e utilização de mudas, em todo o território nacional,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 54, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 54, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO I NORMA TÉCNICA PARA A UTILIZAÇÃO DA PERMISSÃO DE TRÂNSITO DE VEGETAIS - PTV CAPÍTULO I DA UTILIZAÇÃO DA PTV Seção I Da Exigência e do Uso da PTV Art. 1 o A Permissão de Trânsito de Vegetais - PTV

Leia mais

Assembléia Legislativa do Estado do Paraná Centro Legislativo Presidente Aníbal Khury Comissão de Constituição e Justiça

Assembléia Legislativa do Estado do Paraná Centro Legislativo Presidente Aníbal Khury Comissão de Constituição e Justiça SUBSTITUTIVO GERAL AO PROJETO DE LEI 307/2003. SÚMULA: Veda o cultivo, a manipulação, a importação, a industrialização e a comercialização de Organismos Geneticamente Modificados (OGMs) no Estado do Paraná,

Leia mais

5º A emissão de CFOC se dará quando da certificação em unidade centralizadora.

5º A emissão de CFOC se dará quando da certificação em unidade centralizadora. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 13 DE MARÇO DE 2000 Revogado(a) pelo(a) Instrução Normativa nº 38/2006/MAPA O SECRETÁRIO DE DEFESA

Leia mais

RENASEM. Lei 10.711 de 5 de agosto de 2003. Decreto 5.153 de 23 de julho de 2004. Instrução Normativa nº 24 de 20 de dezembro de 2005 Mudas

RENASEM. Lei 10.711 de 5 de agosto de 2003. Decreto 5.153 de 23 de julho de 2004. Instrução Normativa nº 24 de 20 de dezembro de 2005 Mudas RENASEM Lei 10.711 de 5 de agosto de 2003 Decreto 5.153 de 23 de julho de 2004 Instrução Normativa nº 24 de 20 de dezembro de 2005 Mudas Instrução Normativa nº 9 de 02 de junho de 2005 De acordo com a

Leia mais

Campo Consultoria, Serviços e Treinamento Agrícola. sjscampo.consultoria@hotmail.com (14) 3769-1153

Campo Consultoria, Serviços e Treinamento Agrícola. sjscampo.consultoria@hotmail.com (14) 3769-1153 Campo Consultoria, Serviços e Treinamento Agrícola sjscampo.consultoria@hotmail.com (14) 3769-1153 Engº Agrº M.Sc. Roberto Salva MsC, Universidade Estadual Julio Mesquita Fº - Jaboticabal, 2004; Especialização

Leia mais

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos.

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos. ANEXO CRITÉRIOS PARA CREDENCIAMENTO, RECONHECIMENTO, EXTENSÃO DE ESCOPO E MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS NO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA Art. 1º Os critérios constantes deste

Leia mais

Ministério da Agricultura

Ministério da Agricultura Ministério da Agricultura CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Objecto) A presente lei estabelece o controlo e fiscalização da produção, do comércio e da importação e exportação de sementes e mudas

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE DEZEMBRO DE 2005.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE DEZEMBRO DE 2005. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE DEZEMBRO DE 2005. > O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

ANEXO I MODELO DE REQUERIMENTO DE INSCRIÇÃO DE PLANTAS FORNECEDORAS DE MATERIAL DE PROPAGAÇÃO

ANEXO I MODELO DE REQUERIMENTO DE INSCRIÇÃO DE PLANTAS FORNECEDORAS DE MATERIAL DE PROPAGAÇÃO ANEXO I MODELO DE REQUERIMENTO DE INSCRIÇÃO DE PLANTAS FORNECEDORAS DE MATERIAL DE PROPAGAÇÃO O Produtor de Mudas, abaixo identificado, requer a inscrição de: PLANTA BÁSICA PLANTA MATRIZ JARDIM CLONAL

Leia mais

ANEXO XVI NORMAS E PADRÕES ESPECÍFICOS PARA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE MUDAS DE VIDEIRA (Vitis spp.)

ANEXO XVI NORMAS E PADRÕES ESPECÍFICOS PARA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE MUDAS DE VIDEIRA (Vitis spp.) ANEXO XVI NORMAS E PADRÕES ESPECÍFICOS PARA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE MUDAS DE VIDEIRA (Vitis spp.) 1. ABRANGÊNCIA. 1.1. As presentes normas estabelecem exigências para produção, comercialização

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. TEMÁRIO: 1 Portaria nº. 322, de 2 de setembro de 2014 Publicação: D.O.U. do dia 03/09/14 - Seção 1. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 322,

Leia mais

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997.

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. CAPÍTULOXV DAS INFRAÇÕES Art. 161. Constitui infração de trânsito a inobservância de qualquer preceito deste Código, da legislação complementar ou das resoluções

Leia mais

Ministério da Justiça

Ministério da Justiça Ministério da Justiça Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 47, de 13 de março de 1992 O Presidente do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização

Leia mais

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor em 1º de janeiro de 2011.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor em 1º de janeiro de 2011. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

SEÇÃO VII PRODUTOS VEGETAIS, SEUS SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DE VALOR ECONÔMICO, PADRONIZADOS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

SEÇÃO VII PRODUTOS VEGETAIS, SEUS SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DE VALOR ECONÔMICO, PADRONIZADOS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEÇÃO VII PRODUTOS VEGETAIS, SEUS SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DE VALOR ECONÔMICO, PADRONIZADOS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS Os produtos vegetais, seus subprodutos

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 136, DE 2 DE JUNHO DE 2006.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 136, DE 2 DE JUNHO DE 2006. Portaria Nº 136, DE 02 DE JUNHO DE 2006 Situação: Vigente Publicado no Diário Oficial da União de 05/06/2006, Seção 1, Página 4 Ementa: Submete à consulta pública, por um prazo de 60 (sessenta) dias, a

Leia mais

Anexo V- Modelo de Requerimento de Inscrição da Produção da Unidade de Propagação in vitro;

Anexo V- Modelo de Requerimento de Inscrição da Produção da Unidade de Propagação in vitro; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 22, DE 27 DE AGOSTO DE 2012 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

DECRETO Nº 318, DE 31 DE OUTUBRO DE 1991. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o artigo 84, inciso VIII, da Constituição e

DECRETO Nº 318, DE 31 DE OUTUBRO DE 1991. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o artigo 84, inciso VIII, da Constituição e DECRETO Nº 318, DE 31 DE OUTUBRO DE 1991. Promulga o novo texto da Convenção Internacional para a Proteção dos Vegetais. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o artigo 84, inciso

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.467, DE 15 DE JUNHO DE 2010. (publicada no DOE nº 112, de 16 de junho de 2010) Dispõe sobre a adoção de

Leia mais

DECRETO Nº 6.268, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2007

DECRETO Nº 6.268, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2007 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO Nº 6.268, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2007 Regulamenta a Lei nº 9.972, de 25 de maio de 2000, que institui a classificação de produtos vegetais,

Leia mais

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013.

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. Disciplina a liberação, o cancelamento e a baixa de Alvará de Localização e Funcionamento no município de Erechim. O Prefeito Municipal de Erechim, Estado do

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA Considerando, a importância da avicultura catarinense para a economia do estado; Considerando a necessidade de controle sanitário para evitar a reintrodução da

Leia mais

ANEXO I CAPÍTULO I DO CONTROLE, USO E EXIGÊNCIAS DO CFO E DO CFOC

ANEXO I CAPÍTULO I DO CONTROLE, USO E EXIGÊNCIAS DO CFO E DO CFOC ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA DISCIPLINAR A UTILIZAÇÃO DO CERTIFICADO FITOSSANITÁRIO DE ORIGEM - CFO E O CERTIFICADO FITOSSANITÁRIO DE ORIGEM CONSOLIDADO - CFOC CAPÍTULO I DO CONTROLE, USO E EXIGÊNCIAS

Leia mais

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 487, DE 1º DE OUTUBRO DE 2010 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

CRITÉRIOS E DIRETRIZES PARA A AVALIAÇÃO E RECONHECIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO

CRITÉRIOS E DIRETRIZES PARA A AVALIAÇÃO E RECONHECIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO MERCOSUL/GMC/RES. N 27/03 CRITÉRIOS E DIRETRIZES PARA A AVALIAÇÃO E RECONHECIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as

Leia mais

CONSIDERANDO o disposto no art. 14-A e no inciso IV do art. 26 da Lei nº 10.233, de 05 de junho de 2001;

CONSIDERANDO o disposto no art. 14-A e no inciso IV do art. 26 da Lei nº 10.233, de 05 de junho de 2001; RESOLUÇÃO ANTT Nº 1.737, de 21/11/2006 Estabelece procedimentos de registro e fiscalização, institui infrações e sanções referentes ao Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Carga - RNTRC,

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/2015 - DIVIS/DESEG APLICAÇÃO DE PENALIDADES

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS PROCESSO Nº 1544/04 - PROJETO DE LEI Nº 187 INTERESSADO: Vereador Edson Antonio Fermiano ASSUNTO: Dispõe sobre os serviços de transporte coletivo escolar e dá outras providências. -0- Senhor Presidente

Leia mais

SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL

SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL Edital de Credenciamento de examinadores de trânsito, conforme arts. 148 e 152 do CTB, art. 12 da Resolução nº 168/2004 do CONTRAN, e art. 24 da Resolução nº 358/2010 do CONTRAN para prestação de serviços

Leia mais

CADASTRO E PLANO DE TRABALHO SIMPLIFICADO ANTECIPAÇÃO DO VAZIO SANITÁRIO DA SOJA - SAFRA 2015/16

CADASTRO E PLANO DE TRABALHO SIMPLIFICADO ANTECIPAÇÃO DO VAZIO SANITÁRIO DA SOJA - SAFRA 2015/16 CADASTRO E PLANO DE TRABALHO SIMPLIFICADO ANTECIPAÇÃO DO VAZIO SANITÁRIO DA SOJA - SAFRA 2015/16 IDENTIFICAÇÃO DO IRRIGANTE Nome do Produtor: Nome da Propriedade: Endereço da Lavoura: CEP: Município: Estado:

Leia mais

AULA 04. UPOV União Internacional para a Proteção das Obtenções Vegetais

AULA 04. UPOV União Internacional para a Proteção das Obtenções Vegetais AULA 04 UPOV União Internacional para a Proteção das Obtenções Vegetais Profª. Marcela Carlota Nery PRODUÇÃO E TECNOLOGIA DE SEMENTES Propriedade Intelectual em Plantas (UPOV) Conceito: É o direito de

Leia mais

SEÇÃO IV BEBIDAS EM GERAL, VINHOS E DERIVADOS DA UVA E DO VINHO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS a) Para a importação de bebida, fermentado acético, vinho e

SEÇÃO IV BEBIDAS EM GERAL, VINHOS E DERIVADOS DA UVA E DO VINHO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS a) Para a importação de bebida, fermentado acético, vinho e SEÇÃO IV BEBIDAS EM GERAL, VINHOS E DERIVADOS DA UVA E DO VINHO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS a) Para a importação de bebida, fermentado acético, vinho e derivados da uva e do vinho, o estabelecimento deve possuir

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011 ALTERADA PELA IN MPA Nº 16/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011 Dispõe sobre o Registro e a Licença de Aquicultor, para o Registro Geral da Atividade Pesqueira - RGP. A MINISTRA DE

Leia mais

DECRETO Nº 18.403, DE 12 DE SETEMBRO DE 2013.

DECRETO Nº 18.403, DE 12 DE SETEMBRO DE 2013. DECRETO Nº 18.403, DE 12 DE SETEMBRO DE 2013. Estabelece normas para utilização de Parques e Praças Municipais para Feiras de Adoção de Animais e de Eventos Relacionados à causa animal. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

I - Apresentar Carteira Nacional de Habilitação, categoria A, em validade, expedida há pelo menos dois anos;

I - Apresentar Carteira Nacional de Habilitação, categoria A, em validade, expedida há pelo menos dois anos; CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 10 - O presente regulamento dispõe sobre o serviço de transporte de carga, na modalidade denominada motoentrega, consiste no serviço de entrega e coleta de

Leia mais

* 1º com redação determinada pela Lei 11.097/2005.

* 1º com redação determinada pela Lei 11.097/2005. LEI 9.847, DE 26 DE OUTUBRO DE 1999 Dispõe sobre a fiscalização das atividades relativas ao abastecimento nacional de combustíveis, de que trata a Lei 9.478, de 6 de agosto de 1997, estabelece sanções

Leia mais

MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS Gabinete do Prefeito Av. Cuia Mangabeira, 211 - Montes Claros - MG - CEP: 39.401-002

MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS Gabinete do Prefeito Av. Cuia Mangabeira, 211 - Montes Claros - MG - CEP: 39.401-002 MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS Gabinete do Prefeito Av. Cuia Mangabeira, 211 - Montes Claros - MG - CEP: 39.401-002 LEI N 4.158, DE 07 DE OUTUBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE FEIRAS ITINERANTES E CONTÉM OUTRAS DISPOSIÇÕES.

Leia mais

Portaria nº 319 de 29 de julho de 2011. Considerando o disposto no artigo 8º da Lei nº 9.933, de 20 de dezembro de 1999;

Portaria nº 319 de 29 de julho de 2011. Considerando o disposto no artigo 8º da Lei nº 9.933, de 20 de dezembro de 1999; Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Portaria nº 319 de 29 de julho de 2011

Leia mais

LEI Nº 10.409, DE 11 DE JANEIRO DE 2002

LEI Nº 10.409, DE 11 DE JANEIRO DE 2002 LEI Nº 10.409, DE 11 DE JANEIRO DE 2002 Dispõe sobre a prevenção, o tratamento, a fiscalização, o controle e a repressão à produção, ao uso e ao tráfico ilícitos de produtos, substâncias ou drogas ilícitas

Leia mais

1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO, PREPARAÇÃO, MANIPULAÇÃO, BENEFICIAMENTO, ACONDICIONAMENTO E EXPORTAÇÃO DE BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO.

1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO, PREPARAÇÃO, MANIPULAÇÃO, BENEFICIAMENTO, ACONDICIONAMENTO E EXPORTAÇÃO DE BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO. ANEXO NORMAS SOBRE REQUISITOS, CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS PARA O REGISTRO DE ESTABELECIMENTO, BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO E EXPEDIÇÃO DOS RESPECTIVOS CERTIFICADOS. 1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO,

Leia mais

PORTARIA Nº 116, DE 5 DE JULHO DE 2000. Das Disposições Gerais

PORTARIA Nº 116, DE 5 DE JULHO DE 2000. Das Disposições Gerais AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO PORTARIA Nº 116, DE 5 DE JULHO DE 2000 Regulamenta o exercício da atividade de revenda varejista de combustível automotivo. O DIRETOR-GERAL da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

Leia mais

LEI Nº 9.847, DE 26.10.1999 - DOU 27.10.1999

LEI Nº 9.847, DE 26.10.1999 - DOU 27.10.1999 LEI Nº 9.847, DE 26.10.1999 - DOU 27.10.1999 Dispõe sobre a fiscalização das atividades relativas ao abastecimento nacional de combustíveis, de que trata a Lei nº 9.478, de 6 de agosto de 1997, estabelece

Leia mais

Lei nº 14.592, de 19 de outubro de 2011. Faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei:

Lei nº 14.592, de 19 de outubro de 2011. Faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei: Lei nº 14.592, de 19 de outubro de 2011 Proíbe vender, ofertar, fornecer, entregar e permitir o consumo de bebida alcoólica, ainda que gratuitamente, aos menores de 18 (dezoito) anos de idade, e dá providências

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 9.847, DE 26 DE OUTUBRO DE 1999. Conversão da MPv nº 1.883-17, de 1999 Dispõe sobre a fiscalização das atividades relativas

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA,

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA, LEI Nº 12.128, de 15 de janeiro de 2002 Procedência - Governamental Natureza PL 509/01 DO- 16.826 DE 16/01/02 * Revoga Leis: 11.403/00; 11.463/00; e 11.700/01 * Ver Lei Federal 8.974/95 Fonte ALESC/Div.Documentação

Leia mais

Tropa de Elite Escrivão Para Polícia Federal Arquivologia Microfilmagem Alexandre Américo

Tropa de Elite Escrivão Para Polícia Federal Arquivologia Microfilmagem Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tropa de Elite Escrivão Para Polícia Federal Arquivologia Microfilmagem Alexandre Américo LEI Nº 5.433, DE 8 DE MAIO DE 1968.

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 51/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 51/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 51/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 006/2000-CBMDF, sobre a Emissão do Certificado

Leia mais

LEI Nº 1.726 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2008

LEI Nº 1.726 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2008 LEI Nº 1.726 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2008 Dispõe sobre a acessibilidade no transporte público coletivo no Município de Rio Branco e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO - ACRE, usando

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 333 DISPOSIÇÕES GERAIS

LEI COMPLEMENTAR Nº 333 DISPOSIÇÕES GERAIS DISPÕE SOBRE A INSTALAÇÃO, CONSERVAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE ELEVADORES E APARELHOS DE TRANSPORTE AFINS, REGULAMENTA A HABITAÇÃO DAS EMPRESAS PRESTADORAS DESSES SERVIÇOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI COMPLEMENTAR

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015.

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015. Dispõe sobre o registro de corretor de seguros, de capitalização e de previdência, pessoa física e pessoa jurídica,

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS TEMÁRIO: 1 Instrução Normativa n 11 de 16 de maio de 2006. Publicação: D.O.U. do dia 17/05/2006, Seção 1. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO PORTARIA ANP Nº 29, DE 9 DE FEVEREIRO DE 1999 Estabelece a regulamentação da atividade de distribuição de combustíveis líquidos derivados de petróleo, álcool combustível, mistura

Leia mais

ANEXO NORMAS GERAIS PARA CERTIFICAÇÃO DE BATATA-SEMENTE

ANEXO NORMAS GERAIS PARA CERTIFICAÇÃO DE BATATA-SEMENTE ANEXO NORMAS GERAIS PARA CERTIFICAÇÃO DE BATATA-SEMENTE I. Dos objetivos da Certificação 1. A certificação de semente é o processo de produção pelo qual se garante que as sementes foram produzidas com

Leia mais

Ética na Pesquisa Animal. Dra. Arlene Pessoa

Ética na Pesquisa Animal. Dra. Arlene Pessoa Ética na Pesquisa Animal Dra. Arlene Pessoa A questão dos direitos dos animais e a sua utilização em pesquisas vem sendo discutida desde o século XVII. Em 1789 o filósofo Jeremy Bentham, já questionava:

Leia mais

CAPÍTULO : Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO : Proagro Mais - A partir de 1º/1/2015-10

CAPÍTULO : Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO : Proagro Mais - A partir de 1º/1/2015-10 TÍTULO : CRÉDITO RURAL TÍTULO : CRÉDITO RURAL 1 CAPÍTULO: Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO: Proagro Mais - Safras a partir de 1º/7/2011-10 CAPÍTULO : Programa de Garantia

Leia mais

ANEXO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº XX, DE XX DE XXXX DE 2012 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe

ANEXO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº XX, DE XX DE XXXX DE 2012 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe ANEXO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº XX, DE XX DE XXXX DE 2012 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o Art. 87. parágrafo único, inciso II, da Constituição,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO N 25, DE 25 DE ABRIL DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO N 25, DE 25 DE ABRIL DE 2008. -0> AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO N 25, DE 25 DE ABRIL DE 2008. Dispõe sobre o processo administrativo para a apuração de infrações e aplicação de penalidades, no âmbito da competência da

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.977, DE 20 MAIO DE 2014. Vigência Regula e disciplina a atividade de desmontagem de veículos automotores terrestres; altera

Leia mais

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 55, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2007 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 301, DE 7 DE AGOSTO DE 2012

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 301, DE 7 DE AGOSTO DE 2012 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 301, DE 7 DE AGOSTO DE 2012 Altera a Resolução Normativa - RN nº 48, de 19 de setembro de 2003, que dispõe sobre o

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 42, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2008

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 42, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2008 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 42, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2008 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único SeÄÅo IX Das InstalaÄÉes ElÑtricas Art. 179 - O Ministério do Trabalho disporá sobre as condições de segurança e as medidas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DO PREFEITO 1 LEI Nº. 949/2010 INSTITUI A NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS E DISPÕE SOBRE A DECLARAÇÃO MENSAL DO IMPOSTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA - ISSQN. O Prefeito Municipal de São Mateus,

Leia mais

Art. 1º Acrescentar os parágrafos únicos aos arts. 1º e 4º ; o art. 10-A com seus incisos de I, II, III e IV; o

Art. 1º Acrescentar os parágrafos únicos aos arts. 1º e 4º ; o art. 10-A com seus incisos de I, II, III e IV; o MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 36, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2012 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ- RIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA No- 2, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2015

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA No- 2, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2015 SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA No- 2, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2015 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento D.O.U. Nº 225, sexta-feira, 24 de novembro de 2006. Pág. 10 SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 65, DE 21 DE NOVEMBRO

Leia mais

REPUBLICA-SE POR TER VEICULA DA INCORRETA A LEI Nº 1.238 DE 18 DE DEZEMBRO DE 1991, PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 3201, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1991

REPUBLICA-SE POR TER VEICULA DA INCORRETA A LEI Nº 1.238 DE 18 DE DEZEMBRO DE 1991, PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 3201, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1991 REPUBLICA-SE POR TER VEICULA DA INCORRETA A LEI Nº 1.238 DE 18 DE DEZEMBRO DE 1991, PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 3201, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1991 LEI Nº 1.238, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1991 Dispõe sobre o

Leia mais

DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009.

DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009. DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009. Regulamenta o Capítulo VII da Lei nº 4.257, de 02 de dezembro de 2008 e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições que

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA CADASTRO DE PAF-ECF - PROGRAMA APLICATIVO FISCAL EMISSOR DE CUPOM FISCAL

ORIENTAÇÕES PARA CADASTRO DE PAF-ECF - PROGRAMA APLICATIVO FISCAL EMISSOR DE CUPOM FISCAL ORIENTAÇÕES PARA CADASTRO DE PAF-ECF - PROGRAMA APLICATIVO FISCAL EMISSOR DE CUPOM FISCAL BASE LEGAL Portaria nº 83, de 18 de março de 2010 (atualizada até a Portaria nº 310, de 26 de setembro de 2013)

Leia mais

CRIA OS FISCAIS VOLUNTÁRIOS DO MEIO AMBIENTE NO MUNICÍPIO DE VIAMÃO.

CRIA OS FISCAIS VOLUNTÁRIOS DO MEIO AMBIENTE NO MUNICÍPIO DE VIAMÃO. LEI MUNICIPAL Nº 2305/93 CRIA OS FISCAIS VOLUNTÁRIOS DO MEIO AMBIENTE NO MUNICÍPIO DE VIAMÃO. PEDRO ANTÔNIO PEREIRA DE GODOY, Prefeito Municipal de Viamão, no uso de suas atribuições legais, Faço saber

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº. 3, DE 10 DE MARÇO DE 2006

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº. 3, DE 10 DE MARÇO DE 2006 INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº. 3, DE 10 DE MARÇO DE 2006 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA, O DIRETOR PRESIDENTE DA AGÊNCIA NACIONAL DE

Leia mais

No Sistema Participativo de Garantia as avaliações da conformidade visam:

No Sistema Participativo de Garantia as avaliações da conformidade visam: MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO SISTEMA PARTICIPATIVO DE GARANTIA DA QUALIDADE ORGÂNICA E BIODINÂMICA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGRICULTURA BIODINÂMICA - VERSÃO 5 No Sistema Participativo de Garantia as avaliações

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004 Estabelece procedimentos para o transporte de amostra de componente do patrimônio genético existente

Leia mais