MÓDULO BASILAR ASSEMBLEIAS PROVINCIAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MÓDULO BASILAR ASSEMBLEIAS PROVINCIAIS"

Transcrição

1 INOCÊNCIO IMPISSA Licenciado em Direito Mestrando em Administração Pública e Desenvolvimento Chefe do Departamento Central de Governação e Desenvolvimento Local MAE, Capacitando cidadãos para melhor participação na governação. MÓDULO BASILAR ASSEMBLEIAS PROVINCIAIS Lei 5/2007 de 9 de Fevereiro Lei que estabelece o quadro jurídico-legal para a implantação das Assembleias Provinciais e define a sua composição, organização, funcionamento e competências. IMPISSA, Inocêncio Capacitanto cidadãos para melhor participação na Governação. Page 1

2 ASSEMBLEIAS PROVINCIAIS I RAZÕES DE ORDEM ESTADO Na Ciência Política a palavra Estado não tem uma definição única e acabada, ela obedece muitas vezes, o entendimento do autor, portanto, poderão ser encontradas várias e diversas definições sobre tal, contudo, todos os autores são unânimes em relação aos seus elementos componentes. No modelo evoluído, o Estado é uma sociedade politicamente organizada. Os elementos básicos do Estado são: Povo, Território e o Poder Político (soberano). Povo Refere-se a uma comunidade de pessoas ligadas por laço de nacionalidade, pertença, naturalidade e gozam da qualidade de cidadãos e permanecem unidos na obediência às mesmas leis; Território Não se refere apenas à superfície terrestre como tal, mas refere-se também a zona marítima e o espaço aéreo delimitados pelas fronteiras nacionais; Poder político A faculdade de por si, através de seus cidadãos, tomar decisões (soberano) com o reconhecimento igual a de qualquer outro estado sem a intervenção de ninguém. DEMOCRACIA Implica o poder partilhado. Estado democrático é aquele cujo poder político é exercido pela comunidade, através da delegação do seu exercício a um conjunto de órgãos, com a participação efectiva ou a representação da pluralidade dos governados. O ESTADO MOÇAMBICANO; O Estado moçambicano é um estado democrático, contudo, nem sempre foi assim. Já em tempos e conduzido pela própria história, Moçambique, como vários países do mundo, foi um estado ditatorial, cujo poder era detido e exercido por um conjunto de pessoas que IMPISSA, Inocêncio Capacitanto cidadãos para melhor participação na Governação. Page 2

3 exerciam o poder próprio, sem que houvesse participação ou representação da pluralidade dos governados. Nessa altura, em resposta ao sistema então governativo, as leis existentes eram de restrição e proibição do poder por forma a que o poder de Estado se tornasse sólido. Esta realidade conheceu-se com o acto simultâneo de retirar e o içar das bandeiras do colonialismo português e de Moçambique, respectivamente, acto que se seguiu á proclamação da independência total e completa de Moçambique, a elevação do Estado moçambicano e elevação da primeira constituição da república. Com a evolução dos tempos e a solidificação do poder do Estado moçambicano, é introduzida a constituição de 1990 que impôs reformas profundas, sobretudo no sistema de governação e introduz em Moçambique o Estado democrático, plasmando o multipartidarismo, como uma forma livre de participar no processo governação do país. As reformas constitucionais daí emergidas deram azo a reforma de todo o sistema jurídico, o que fez com que fossem aprovadas diversas leis por forma a corresponder ao novo sistema vigente e, em virtude destas, foi criada a primeira lei eleitoral que ofereceu uma oportunidade nobre aos cidadãos moçambicanos a, por livre e espontânea vontade, eleger os seus representantes e se candidatar para se fazer eleger. Outro grande avanço no processo da democratização do Estado moçambicano foi o facto de ter sido prevista, criada e operacionalizada a Lei 2/97 de 18 de Fevereiro, Lei que cria o Quadro Jurídico-Legal para a implantação das Autarquias Locais, a maior das pessoas colectivas públicas criadas pelo Estado. Este foi, sem dúvida, o grande marco no processo da descentralização do poder, dando-se a oportunidade de outros moçambicanos poderem participar no processo de governação por via da delegação de poderes pelos cidadãos localmente residentes. Com a aprovação da constituição de 2004, consolida-se o conceito, processo e alarga-se o domínio da participação com a criação das Lei 5/2007 de 9 de Fevereiro, Lei que estabelece o quadro jurídico-legal para a implantação das Assembleias Provinciais e define a sua composição, organização, funcionamento e competências. Todos estes e outros avanços ligados à participação nos moldes actuais assentam sobre os meandros da democratização do Estado Moçambicano e na sua consolidação. IMPISSA, Inocêncio Capacitanto cidadãos para melhor participação na Governação. Page 3

4 II DEFINIÇÃO E ENQUADRAMENTO LEGAL DEFINIÇÃO ASSEMBLEIAS PROVINCIAIS (sentido comum) são instituições formais de participação e consulta democráticas. Representa um elemento importante de participação através do qual o povo participa através de seus representantes, na vida política do Governo; Representa um suporte ao governo para aconselhar, recomendar, validar e/ou aprovar e apropriar-se das acções a serem levadas a cabo pelo governo; Representa um compromisso firmado com o povo moçambicano para, em sua representação, contribuir e assegurar o desenvolvimento do país. ASSEMBLEIAS PROVINCIAIS (sentido legal) São órgãos de representação democrática, eleitas por sufrágio universal, directo, igual, secreto e periódico de harmonia com o princípio de representação proporcional, cujo mandato tem duração de cinco anos. Representa a segurança jurídica dos cidadãos e consolidação da participação do povo no processo de governação; Representa crescimento e maturidade da consciência do dever de contribuir para o desenvolvimento do país; Representa um largo avanço no processo de produção e materialização de leis; ENQUADRAMENTO LEGAL CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE ART. 1 República de Moçambique Estado independente, soberano, democrático e de justiça social. ART. 2, nº 1 A soberania reside no povo. IMPISSA, Inocêncio Capacitanto cidadãos para melhor participação na Governação. Page 4

5 ART. 2, nº 2 O povo moçambicano exerce a soberania segundo as formas fixadas na constituição. ART. 73 SUFRÁGIO UNIVERSAL O povo moçambicano exerce o poder político através do sufrágio universal directo, igual, secreto e periódico para a escolha dos seus representantes, por referendo sobre as grandes questões nacionais e pela permanente participação democrática dos cidadãos na vida da nação. ART 74 PARTIDOS POLÍTICOS E PLURALISMO nº 1 Os partidos expressam o pluralismos político, concorrem para formação e manifestação da vontade popular... participação democrática dos cidadãos na governação do país; ART. 142 ASSEMBLEIAS PROVINCIAIS 1- São órgãos de representação democrática, eleitas por sufrágio universal, directo, igual, secreto e periódico de harmonia com o princípio de representação proporcional, cujo mandato tem duração de cinco anos. 2- Às assembleias provinciais compete, nomeadamente: a) Fiscalizar e controlar a observância dos princípios e normas estabelecidos na Constituição e nas demais leis, bem como das decisões do Conselho de Ministros referentes à respectiva província; b) Aprovar o programa do Governo Provincial e controlar o seu cumprimento. 3- A composição, organização, funcionamento e demais competências são fixadas por lei. (5/2007 de 9 de Fevereiro). ART. 304 ASSEMBLEIAS PROVINCIAIS Fixado prazo até 3 anos da entrada em vigor, da CRM. III GEOGRAFIA DA LEI 5/2007 DE 9 DE FEVEREIRO ESCOPO DA LEI: ESTABELECIMENTO DAS FORMAS DE COMPOSIÇÃO ORGANIZAÇÃO IMPISSA, Inocêncio Capacitanto cidadãos para melhor participação na Governação. Page 5

6 FUNCIONAMENTO E COMPETÊNCIAS CONSTITUIÇÃO: 10 CAPÍTULOS (COM ALGUMAS SECÇÕES) 123 ARTIGOS CONTEÚDO CAPITULAR CAPÍTULO I 4 ARTIGOS - DISPOSIÇÕES GERAIS; CAPÍTULO II 28 ARTIGOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA PROVINCIAL; CAPÍTULO III 9 ARTIGOS COMPOSIÇÃO DISSOLUÇÃO E COMPETÊNCIAS DA ASSEMBLEIA; CAPÍTULO IV 4 ARTIGOS BANCADAS; CAPÍTULO V 43 ARTIGOS FUNCIONAMENTO; CAPÍTULO VI 13 ARTIGOS MESA DA ASSEMBLEIA; CAPÍTULO VII 10 ARTIGOS COMISSÕES DE TRABALHO; CAPÍTULO VIII 4 ARTIGOS PRESTAÇÃO DE CONTAS; CAPÍTULO IX 4 ARTIGOS SECRETARIADO TÉCNICO. CAPÍTULO X 4 ARTIGOS DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS IV COMPOSIÇÃO DAS ASSEMBLEIAS PROVINCIAIS A Assembleia Provincial, como sendo uma órgão de representação do povo, é composto por cidadãos em gozo dos seus plenos direitos (não interditos) e plenas faculdades (habilitados) que através do sufrágio universal, directo, igual, secreto e periódoco, efectuado pelo povo são escolhidos de um grande grupo de qual devem representar. São elegíveis para o efeito, cidadãos em gozo dos seus plenos direitos e faculdades físicas, mentais e ou psicológicas, inscritos em partidos políticos formais e legalmente formados, IMPISSA, Inocêncio Capacitanto cidadãos para melhor participação na Governação. Page 6

7 nos termos da Constiruição da República de Moçambique (artigos 74 e seguintes) e Legislação específica, respondendo todos os requisitos impostos. A composião das assembleias provinciais é, em grande medida, abrangente, na medida em que não impõe como condições: (subentendendo) nem a instrução académica dos seus membros, nem o domínio da língua oficial da República de Moçambique, embora seja esta a lingua de trabalho (artigo 4 da Lei 5/2007 de 9 de Fevereiro). Com efeito, a missão de fazer eleger membros das diversas esferas da sociedade, cabe em grande medida aos partidos políticos que fazem eleger seus representantes (desde: camponeses, académicos, trabalhadores, operários, desempregados, representantes da sociedade civil, entre outros), sem a descriminação, sub pena de serem violados princípios gerais sobre os direitos, deveres e liberdades fundamentais plasmados na Constituição da República de Moçambique (Título III; Capítulo I, artigos 35 e 36). Incompatibilidades Nos termos da Lei Lei 5/2007 de 9 de Fevereiro, artigo 8, não podem exercer a função de membro da Assembleia Provincial: O Presidente da República; Membros da Assembleia da República; membro de conselho ou comissão prevista na Constituição da República; membro do governo central ou local; Provedor de Justiça; Magistrado Judicial ou do Ministério Público em efectividade de funções; diplomata em efectividade de funções; reitores das universidades públicas e outros estabelecimentos do ensino superior; militar, paramilitar ou polícia no activo; titular ou membro de um órgão autárquico. Objectivamente Numericamente, a quantidade dos membros das assembleias provinciais depende do número total de eleitores de cada província, assim, nos termos do artigo 33 da Lei 5/2007 de 9 de Fevereiro, elas constituídas do seguinte modo: 50 membros, quando o número de eleitores for iguali ou inferior a ; 60 membros, quando o número de eleitores for superior a e inferior a ; IMPISSA, Inocêncio Capacitanto cidadãos para melhor participação na Governação. Page 7

8 70 membros, quando o número de eleitores for superior a e inferior a ; 80 membros, quando o número de eleitores for superior a e inferior a Para as províncias que contam com mais de eleitores, o número de membros será de 80 acrescido de mais 1 membro por cada eleitores adicionais. Todos os distritos têm representação da Assembleia Provincial proporcioanlmente ao número de eleitores recenseados. Anível dos seus trabalhos, as assembleiaas provinciais organizam-se em: Plenário a assembleia reunida; Mesa da Assembleia O Presidente, os Vice Presidentes, os Chefes da Bancadas e os membros eleitos pela assembleia nos termos do artigo 89 da Lei 5/2007 de 9 de Fevereiro; e Comissões de trabalhos membros componentes das várias comissões criadas por via de eleição sob o princípio da representação proporcional das bancadas, nos termos da alínea a) do nº1 e nº 2 do artigo 35, conjugado com o artigo 102 ambos da Lei 5/2007 de 9 de Fevereiro. CONTEÚDO CAPITULAR CAPÍTULO I 4 ARTIGOS - DISPOSIÇÕES GERAIS; CAPÍTULO II 28 ARTIGOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA PROVINCIAL; ARTs. 5, 6, 7/2, 8 ARTs. 11, 14, 14 e 18. CAPÍTULO III 9 ARTIGOS COMPOSIÇÃO DISSOLUÇÃO E COMPETÊNCIAS DA ASSEMBLEIA; CAPÍTULO IV 4 ARTIGOS BANCADAS; IMPISSA, Inocêncio Capacitanto cidadãos para melhor participação na Governação. Page 8

9 CAPÍTULO V 43 ARTIGOS - FUNCIONAMENTO Fundamentalmente conteúdo do Regimento. CAPÍTULO VI 13 ARTIGOS MESA DA ASSEMBLEIA; ART. 89 conj 33 ART 99 Teor do juramento do PAP s e VPA s CAPÍTULO VII 10 ARTIGOS COMISSÕES DE TRABALHO; CAPÍTULO VIII 4 ARTIGOS PRESTAÇÃO DE CONTAS; CAPÍTULO X SECRETARIADO TÉCNICO. ART. 116; 118; 119 V FUNCIONAMENTO VI RELACIONAMENTO COM O GOVERNO ArtIGO 5, da le 5/2007 de 9 de Fevereiro... nº 2 O membro da Assembleia Provincial representa, simultaneamente, a província e o seu círculo eleitoral. nº3 O c rculo eleitoral do membo da Assembleia Provincial é o distrito. A actividade do membro da Assembleia Provincial repercute-se em toda a Província, porquanto as suas decisões são implementadas para o governo provincial, na generalidade, com efeito, na qualidade de cidadão pertencente a um círculo, do qual é digno representante, é principalmente lá, no distrito, onde este deve prestar a sua principal actividade de exercendo, como tal, as competências que lhe são atribuídas por Lei. A actividade do membro da assembleia provincial não se confina no funcionamento do plenário que de forma ordinária reúne-se duas vezes por ano, podendo-se reunir, eventualmente, mais vezes. Este, porém, tem um conjunto de acções a desenvolver durante quase todo o ano, no sentido de assegurar o respeito e o cumprimento da Constituição e IMPISSA, Inocêncio Capacitanto cidadãos para melhor participação na Governação. Page 9

10 demais leis, das decisões do Conselho de Ministros e o cumprimento do programa do Governo. Na sua actuação, o membro da Assembleias Provinciais relaciona-se, por um lado, com as instituições públicas e privadas localmente sediadas, e por outro, com os cidadãos ou entidades colectivas legais, auscultando-os tanto em grupo (trabalhadores, associações, camponeses, empresários, artesãos, e outros grupos de interesse), como individualmente (um sujeito legal ou uma sujeito físico). Um dos mecanismos importantes avançados para a auscultação de cidadãos, é por via das petições emitidas pelos cidadãos. Para além de gozar de imunidades, artigo 9; poderes, artigo 10; irresponsabilidade, artigo 12; renúncia do mandato, artigo 14; suspensão de mandato, artigo 15; e direitos e regalias, artigo 20, todos da Lei 5/2007 de 9 de Fevereiro, este é circundado de impedimentos artigo 11; e resposabilidade civil e criminal, artigo 13, ambos artigos da lei supra, e incorre também situações de perda de mandato como se descrevem no atigo 17 da lei em apreço. Mais do que os aspectos acima indicados, o membro da Assembleia Provincial cumpre deveres em geral, artigo 23 da Lei 5/2007 de 9 de Fevereiro, como é o caso de: Defender a legalidade e os direitos dos cidadãos; Prosseguir o interesse público; Respeitar os titulares ou membros dos outro órgãos ou intituições do Estado E deveres em especial como:... I. Em matéria de legalidade e direitos dos cidadãos artigo 24; II. De prossecussão do interesse público artigo 25; III. Em matéria do funcionamento dos órgãos de que sejam membros artigo 26; IMPISSA, Inocêncio Capacitanto cidadãos para melhor participação na Governação. Page 10

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos)

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) 1. O povo exerce o poder político através do sufrágio universal,

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTUDANTES SOCIAIS-DEMOCRATAS

REGULAMENTO DOS ESTUDANTES SOCIAIS-DEMOCRATAS REGULAMENTO DOS ESTUDANTES SOCIAIS-DEMOCRATAS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Estudantes Sociais-Democratas) Os Estudantes Sociais-Democratas (adiante designados por ESD) são a estrutura sectorial

Leia mais

TÍTULO VIII PODER LOCAL

TÍTULO VIII PODER LOCAL TÍTULO VIII PODER LOCAL CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 235.º Autarquias locais 1. A organização democrática do Estado compreende a existência de autarquias locais. 2. As autarquias locais são pessoas

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território Lei nº 23/92 de 16 de Setembro LEI DE REVISÃO CONSTITUCIONAL As alterações à Lei Constitucional introduzidas em Março de 1991, através da Lei nº. 12/91 destinaram

Leia mais

SISTEMA SEMI-PRESIDENCIALISTA

SISTEMA SEMI-PRESIDENCIALISTA REPÚBLICA DE ANGOLA COMISSÃO CONSTITUCIONAL PROJECTO DE CONSTITUIÇÃO B SISTEMA SEMI-PRESIDENCIALISTA (Texto de Apresentação Pública) O Projecto B comporta 195 artigos e os seus principais aspectos são

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 8/2007 REGIME DAS PRECEDÊNCIAS PROTOCOLARES E DO LUTO REGIONAL NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 8/2007 REGIME DAS PRECEDÊNCIAS PROTOCOLARES E DO LUTO REGIONAL NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 8/2007 REGIME DAS PRECEDÊNCIAS PROTOCOLARES E DO LUTO REGIONAL NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES A particular configuração que as regras das precedências protocolares assumem

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 254/X

PROJECTO DE LEI N.º 254/X Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 254/X ALTERA A LEI N.º64/93, DE 26 DE AGOSTO (ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS DOS TITULARES DE CARGOS POLÍTICOS E ALTOS CARGOS PÚBLICOS)

Leia mais

Direito Constitucional Português

Direito Constitucional Português Direito Constitucional Português Legislação Fundamental I CONSTITUIÇÃO E LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR 1. Constituição da República Portuguesa (depois da VII revisão constitucional Lei Constitucional nº 1/2005,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA PORTUGUESA

CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA PORTUGUESA A MARCELO REBELO DE SOUSA Professor Catedrático da Faculdade de Direito de Lisboa JOSÉ DE MELO ALEXANDRINO Assistente da Faculdade de Direito de Lisboa CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA PORTUGUESA ^ COMENTADA

Leia mais

Estatutos da Associação de Estudantes da ETPZP

Estatutos da Associação de Estudantes da ETPZP CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação, âmbito e sede 1. A Associação de Estudantes adiante designada por Associação, é a organização representativa dos alunos da (ETPZP). 2. A presente Associação,

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS REGIME JURÍDICO DAS ASSOCIAÇÕES JUVENIS E ESTUDANTIS Decreto nº 15/03 de 22 de Abril (Diário da República I Série nº 31, de 22 de Abril de 2003) A juventude angolana

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO CAPITULO I ARTIGO 1.º (Denominação, natureza, sede e âmbito) 1. A Associação adopta a designação de Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos dos Louros. 2. É uma

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE LAGOA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE LAGOA REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE LAGOA Preâmbulo Considerando que os órgãos de poder local constituem a fonte mais próxima da soberania estatal junto dos cidadãos, reconhecidos como os

Leia mais

Princípios do sistema eleitoral autárquico da Baixa Saxónia

Princípios do sistema eleitoral autárquico da Baixa Saxónia Portugiesisch Niedersächsischer Landeswahlleiter Informações do Presidente da Comissão Eleitoral da Baixa Saxónia Princípios do sistema eleitoral autárquico da Baixa Saxónia Princípios do sistema eleitoral

Leia mais

ESTATUTO POLÍTICO-ADMINISTRATIVO DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES. Lei 39/80-5 Agosto

ESTATUTO POLÍTICO-ADMINISTRATIVO DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES. Lei 39/80-5 Agosto ESTATUTO POLÍTICO-ADMINISTRATIVO DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Lei 39/80-5 Agosto ( excertos ) Alterações: - Lei 9/87, 26 Março - Lei 61/98, 27 Agosto A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal da Juventude do Concelho de Lagoa - Açores

Regulamento do Conselho Municipal da Juventude do Concelho de Lagoa - Açores Regulamento do Conselho Municipal da Juventude do Concelho de Lagoa - Açores PREÂMBULO As políticas públicas dirigidas à juventude assumem nos dias de hoje uma transversalidade indiscutível. O estabelecimento

Leia mais

Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa ESTATUTOS

Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa ESTATUTOS Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa ESTATUTOS Artigo 1.º Denominação A Associação denominar-se-á A.F.P.L.P., Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa, adiante

Leia mais

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS Artigo 1º Denominação, Sede e Duração 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de Alentejo de Excelência - Associação para a Competitividade,

Leia mais

Assembleia Nacional Popular

Assembleia Nacional Popular REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU Assembleia Nacional Popular LEI N. º /20 A Assembleia Nacional Popular decreta, nos termos da alínea l) do artigo 86.º da Constituição o seguinte: LEI DA COMISSÃO NACIONAL DE

Leia mais

CONSTITUIÇÂO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. (texto integral) Tribunais SECÇÃO V CAPÍTULO I. Princípios gerais. Artigo 202. (Função jurisdicional)

CONSTITUIÇÂO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. (texto integral) Tribunais SECÇÃO V CAPÍTULO I. Princípios gerais. Artigo 202. (Função jurisdicional) CONSTITUIÇÂO DA REPÚBLICA PORTUGUESA (texto integral) Tribunais SECÇÃO V CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 202. (Função jurisdicional) 1. Os tribunais são os órgãos de soberania com competência para

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO

CONSTITUIÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO CONSTITUIÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º (Natureza e Sede) 1 - A Associação X, adiante designada por Associação, é constituída por jovens 18 aos 30 anos

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO

PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO Proposta de Lei nº 310/XII/4ª (Aprova o Estatuto da Ordem dos Notários e altera o Estatuto do Notariado aprovado pelo Decreto-Lei 26/2004, de 4 de Fevereiro) A Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos,

Leia mais

Estatutos da Musikarisma Associaça o

Estatutos da Musikarisma Associaça o Estatutos da Musikarisma Associaça o SECÇÃO I DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1º A Musikarisma é uma Associação Cultural, Sem Fins Lucrativos, tendo a sua sede na Rua José Estêvão, com o número cento e treze, na

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PALMELA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E INTERVENÇÃO SOCIAL

CÂMARA MUNICIPAL DE PALMELA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E INTERVENÇÃO SOCIAL Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Palmela Nota Justificativa Reconhecendo: 1. A juventude como força motriz do desenvolvimento de uma comunidade, região, país, através das suas múltiplas

Leia mais

Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos

Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos Estatutos Capítulo I (Princípios Gerais) Art.º1 (Denominação, Natureza e Duração) É constituída por tempo indeterminado,

Leia mais

A competência legal da Assembleia de Freguesia desdobra-se nas seguintes vertentes: a) Competência de organização interna

A competência legal da Assembleia de Freguesia desdobra-se nas seguintes vertentes: a) Competência de organização interna Competências da Assembleia A competência legal da Assembleia de Freguesia desdobra-se nas seguintes vertentes: a) Competência de organização interna ex.: elaboração do regimento; comissões ou grupos de

Leia mais

O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA

O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA ESTADO Conjunto de regras, pessoas e organizações que se separam da sociedade para organizá-la. - Só passa a existir quando o comando da comunidade

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFESA DO CONSUMIDOR DECO

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFESA DO CONSUMIDOR DECO ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFESA DO CONSUMIDOR DECO 9 de outubro de 2014 ESTATUTOS CAPITULO I Nome, sede, âmbito e objeto Artigo 1º. A Associação, denominada Associação Portuguesa para

Leia mais

O JOGO DAS ELEIÇÕES A C T I V I D A D E S M A T E M Á T I C A S

O JOGO DAS ELEIÇÕES A C T I V I D A D E S M A T E M Á T I C A S O JOGO DAS ELEIÇÕES A C T I V I D A D E S M A T E M Á T I C A S ÍNDICE Tabelas de Preferência Transitividade e Eliminação de Candidatos Movimentação das preferências individuais Transitividade Eliminação

Leia mais

Encontros Temáticos Autonomia das Escolas e Avaliação do Desempenho Docente Parte II Autonomia das Escolas

Encontros Temáticos Autonomia das Escolas e Avaliação do Desempenho Docente Parte II Autonomia das Escolas REGIME JURÍDICO DE AUTONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO Decreto-lei nº 75/2008 de 22 de Abril Maio de 2008 Disposições transitórias e finais (Cap. VIII) [artigos 60º-72º] Disposições transitórias Conselho

Leia mais

Direito Constitucional -Poder Legislativo- Profº. Cleiton Coutinho

Direito Constitucional -Poder Legislativo- Profº. Cleiton Coutinho Direito Constitucional -Poder Legislativo- Profº. Cleiton Coutinho 01. Quanto ao Congresso Nacional, considere: I. O número total de Deputados, bem como a representação por Estado e pelo Distrito Federal,

Leia mais

Ministério da Educação Decreto-Lei nº 344/93 De 1 de Outubro

Ministério da Educação Decreto-Lei nº 344/93 De 1 de Outubro Ministério da Educação Decreto-Lei nº 344/93 De 1 de Outubro Criado em 1979, pelo Decreto-Lei nº 513-L1/79, de 27 de Dezembro, então como Conselho Coordenador da Instalação dos Estabelecimentos de Ensino

Leia mais

OS PARTIDOS POLÍTICOS NA CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA

OS PARTIDOS POLÍTICOS NA CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA RESUMO Este texto expõe a relevância dos partidos políticos no contexto constitucional português. Para este efeito, analisam-se as linhas que institucionalizam as organizações político-partidárias; os

Leia mais

REGULAMENTO DISTRIBUIÇÃO DOS TEMPOS DE ANTENA

REGULAMENTO DISTRIBUIÇÃO DOS TEMPOS DE ANTENA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES REGULAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO DOS TEMPOS DE ANTENA Maputo, Julho de 2014 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES Deliberação n.º 60/CNE/2014

Leia mais

SISTEMA PRESIDENCIALISTA-PARLAMENTAR

SISTEMA PRESIDENCIALISTA-PARLAMENTAR REPÚBLICA DE ANGOLA COMISSÃO CONSTITUCIONAL PROJECTO DE CONSTITUIÇÃO C SISTEMA PRESIDENCIALISTA-PARLAMENTAR (Texto de Apresentação Pública) O Projecto C comporta 221artigos e os seus principais aspectos

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS

ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA REDE DE MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS REGULAMENTO INTERNO DA REDE DE MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1 (Âmbito)

Leia mais

REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA

REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Escola de Engenharia REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA (Fevereiro de 2010) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1 (Definição) O Departamento de Engenharia Mecânica, a seguir designado por

Leia mais

São instrumentos por meio dos quais a CF garante o exercício da soberania popular (poder de cada membro da sociedade estatal de escolher os seus

São instrumentos por meio dos quais a CF garante o exercício da soberania popular (poder de cada membro da sociedade estatal de escolher os seus São instrumentos por meio dos quais a CF garante o exercício da soberania popular (poder de cada membro da sociedade estatal de escolher os seus representantes no governo por meio do sufrágio universal

Leia mais

Exmo. Senhor (Nome e morada)

Exmo. Senhor (Nome e morada) Exmo. Senhor (Nome e morada) Na sequência da reclamação apresentada em (data de apresentação da reclamação), do acto de processamento do seu vencimento, relativo ao mês de Janeiro de 2011, e em resposta

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA MUSIKARISMA ASSOCIAÇA O

REGULAMENTO INTERNO DA MUSIKARISMA ASSOCIAÇA O REGULAMENTO INTERNO DA MUSIKARISMA ASSOCIAÇA O O presente regulamento tem como objectivo complementar e regular as situações omissas dos Estatutos. CAPÍTULO I Do regulamento interno ARTIGO 1.º (Vigência)

Leia mais

Da Atividade da Associação. Dos Sócios

Da Atividade da Associação. Dos Sócios REGULAMENTO GERAL INTERNO Associação Trilhos da Boa Viagem (ATBV) Artigo 1º Da Atividade da Associação Objetivos e Atividades 1 A ATBV é uma associação de carácter desportivo, recreativo, cultural e educativo,

Leia mais

LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL

LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL A VIDA ASSOCIATIVA É UM INSTRUMENTO DE EXERCÍCIO DA SOCIABILIDADE. POR MEIO DELA CONQUISTA SE NOVOS AMIGOS, EXPANDE SE CONHECIMENTOS,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 530/XII/3 (PSD, CDS-PP) - «LEI QUE DEFINE OS PRINCÍPIOS QUE REGEM A COBERTURA JORNALÍSTICA DAS ELEIÇÕES E DOS REFERENDOS NACIONAIS»

PROJETO DE LEI N.º 530/XII/3 (PSD, CDS-PP) - «LEI QUE DEFINE OS PRINCÍPIOS QUE REGEM A COBERTURA JORNALÍSTICA DAS ELEIÇÕES E DOS REFERENDOS NACIONAIS» PROJETO DE LEI N.º 530/XII/3 (PSD, CDS-PP) - «LEI QUE DEFINE OS PRINCÍPIOS QUE REGEM A COBERTURA JORNALÍSTICA DAS ELEIÇÕES E DOS REFERENDOS NACIONAIS» PROPOSTA DE SUBSTITUIÇÃO REGIME JURÍDICO DA COBERTURA

Leia mais

Lei Orgânica n.º 2/2003 de 22 de Agosto Lei dos Partidos Políticos

Lei Orgânica n.º 2/2003 de 22 de Agosto Lei dos Partidos Políticos Lei Orgânica n.º 2/2003 de 22 de Agosto Lei dos Partidos Políticos A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, para valer como lei geral da República, a

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL

ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO JESUS MAIATO Director Nacional de Segurança Social do MAPTSS Benguela. 22. Maio 2014 INSTALAÇÃO DOS NOVOS DEPARTAMENTOS

Leia mais

REGULAMENTO DA REDE DE PARLAMENTARES PARA O AMBIENTE E LUTA CONTRA A DESERTIFIÇÃO E A POBREZA. Proposta

REGULAMENTO DA REDE DE PARLAMENTARES PARA O AMBIENTE E LUTA CONTRA A DESERTIFIÇÃO E A POBREZA. Proposta ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO DA REDE DE PARLAMENTARES PARA O AMBIENTE E LUTA CONTRA A DESERTIFIÇÃO E A POBREZA Proposta ****** Art. 1 Denominação e natureza 1. É constituída A Rede de Parlamentares

Leia mais

PROPOSTA DE Regulamento do Conselho Municipal de Juventude da Figueira da Foz PREÂMBULO

PROPOSTA DE Regulamento do Conselho Municipal de Juventude da Figueira da Foz PREÂMBULO PROPOSTA DE Regulamento do Conselho Municipal de Juventude da Figueira da Foz PREÂMBULO O Conselho Municipal da Juventude da Figueira da Foz, criado em 7/05/2007, surgiu por iniciativa da Câmara Municipal

Leia mais

CRIAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE ADMINISTRADORES DE INSOLVÊNCIA FUNDAMENTAÇÃO

CRIAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE ADMINISTRADORES DE INSOLVÊNCIA FUNDAMENTAÇÃO CRIAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE ADMINISTRADORES DE INSOLVÊNCIA FUNDAMENTAÇÃO 1. Introdução O Estado Moçambicano encetou um processo de reformas legislativas e administrativas, visando dotar o País de leis

Leia mais

ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE

ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1º Constituição e denominação É constituída uma associação civil sem fins lucrativos denominada Academia

Leia mais

DIREITOS POLITICOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS

DIREITOS POLITICOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS CONCEITO: O direito democrático de participação do povo no governo, por seus representantes, acabou exigindo a formação de um conjunto de normas legais permanentes, que recebe a denominação de direitos

Leia mais

---------------------------------------------------------------------------------------------- O ESTADO DE DIREITO DEMOCRÁTICO E OS ADVOGADOS

---------------------------------------------------------------------------------------------- O ESTADO DE DIREITO DEMOCRÁTICO E OS ADVOGADOS ORDEM DOS ADVOGADOS DELEGAÇÃO DE BARCELOS DIA DO ADVOGADO 19 DE MAIO DE 2010 ---------------------------------------------------------------------------------------------- O ESTADO DE DIREITO DEMOCRÁTICO

Leia mais

PROGRAMA DE CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL

PROGRAMA DE CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL João Albuquerque PROGRAMA DE CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL (Ano Lectivo de 2010/2011) Faculdade de Direito da Universidade de Macau 2 CAPÍTULO I O POLÍTICO I A noção de Política em sentido

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL REGIMENTO

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL REGIMENTO CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL PASTORAL CARCERÁRIA NACIONAL REGIMENTO SEÇÃO I DA ORGANIZAÇÃO Art.1º. A Pastoral Carcerária está organizada nos seguintes âmbitos: I Diocesano; II Regional ou

Leia mais

Regimento do Conselho de Ilha da Terceira

Regimento do Conselho de Ilha da Terceira Regimento do Conselho de Ilha da Terceira ARTIGO 1º COMPOSIÇÃO O conselho de Ilha da Terceira é composto por: a) Os Presidentes das Assembleias Municipais de Angra do Heroísmo e Praia da Vitória: b) Os

Leia mais

ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS DOS TITULARES DE CARGOS POLÍTICOS E ALTOS CARGOS PÚBLICOS

ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS DOS TITULARES DE CARGOS POLÍTICOS E ALTOS CARGOS PÚBLICOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS DOS TITULARES DE CARGOS POLÍTICOS E ALTOS CARGOS PÚBLICOS Com as alterações introduzidas pelas Leis n. os 39-B/94, de 27 de Dezembro; 28/95,

Leia mais

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue:

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue: CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 265/2009 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 17/7/2009, tendo em vista o constante no processo nº 23078.004276/99-63, de acordo com o Parecer nº 213/2009 da

Leia mais

O programa Parlamento dos Jovens é uma iniciativa da Assembleia da República (AR) dirigida aos jovens do 2.º e do 3.ºciclos do ensino básico e do

O programa Parlamento dos Jovens é uma iniciativa da Assembleia da República (AR) dirigida aos jovens do 2.º e do 3.ºciclos do ensino básico e do O programa Parlamento dos Jovens é uma iniciativa da Assembleia da República (AR) dirigida aos jovens do 2.º e do 3.ºciclos do ensino básico e do ensino secundário Quem orienta este programa na Escola?

Leia mais

ESTATUTOS DO CÍRCULO TEIXEIRA GOMES ASSOCIAÇÃO PELO ALGARVE TÍTULO I. Denominação, Natureza, Sede e Fins da Associação. Artigo Primeiro.

ESTATUTOS DO CÍRCULO TEIXEIRA GOMES ASSOCIAÇÃO PELO ALGARVE TÍTULO I. Denominação, Natureza, Sede e Fins da Associação. Artigo Primeiro. ESTATUTOS DO CÍRCULO TEIXEIRA GOMES ASSOCIAÇÃO PELO ALGARVE TÍTULO I Denominação, Natureza, Sede e Fins da Associação Artigo Primeiro Denominação A Associação terá a denominação de CÍRCULO TEIXEIRA GOMES

Leia mais

Decreto-Lei n. 279/97 de 11 de Outubro

Decreto-Lei n. 279/97 de 11 de Outubro Decreto-Lei n. 279/97 de 11 de Outubro Definição... 2 Natureza... 2 Sede... 2 Denominação... 2 Objecto... 2 Constituição... 3 Estatutos... 3 Inscrição no Registo Nacional de Clubes e Federações Desportivas...

Leia mais

ARSENAL DO ALFEITE, S. A. ESTATUTOS

ARSENAL DO ALFEITE, S. A. ESTATUTOS ARSENAL DO ALFEITE, S. A. (Constituída pelo Decreto-Lei n.º33/2009, de 5 de Fevereiro) ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação, sede, objecto e duração Artigo 1º Forma e denominação A sociedade adopta a forma

Leia mais

Regulamento Conselho Municipal de Juventude Santa Maria da Feira

Regulamento Conselho Municipal de Juventude Santa Maria da Feira Regulamento Conselho Municipal de Juventude Santa Maria da Feira Preâmbulo No âmbito da aplicação da sua política de juventude, a Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, sempre reconheceu aos jovens

Leia mais

DIREITOS DE CIDADANIA. Sumário

DIREITOS DE CIDADANIA. Sumário Direitos Humanos PC-SP 2017 Investigador de Polícia Aula 01 - Prof. Ricardo Torques AULA 01 DIREITOS DE CIDADANIA Sumário 1 - Considerações Iniciais... 2 2 Direitos Humanos e Cidadania... 2 3 - Constituição

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO JURISDICIONAL

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO JURISDICIONAL PROPOSTA DE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO JURISDICIONAL Proposta de adequação ao novo EOE (Lei n.º 123/2015, de 2 de Setembro) PROPOSTA DE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO JURISDICIONAL

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO

O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO LEI Nº 11.200 DE 30/01/1995 (DOPE 31/01/1995) ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DO ESTADO NOTA 1: Os cargos em comissão fixados nesta Lei, foram extintos pelo Art. 16 da Lei nº 11.629, de 28 de janeiro de 1999.

Leia mais

Assembleia da República. Lei n. 20/2002 de 10 de Outubro de CAPÍTULO I Disposições gerais

Assembleia da República. Lei n. 20/2002 de 10 de Outubro de CAPÍTULO I Disposições gerais Anexo 3 Assembleia da República Lei n. 20/2002 de 10 de Outubro de 2002 Publicado no Boletim da República Quinta-feira, 10 de Outubro de 2002, I SÉRIE Número 41 Havendo necessidade de introduzir alterações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO N o 14/2013, DE 02 DE JULHO DE 2013 Reedita, com alterações, a Resolução n o 03/2006, de 29 de junho de 2006, que aprovou o Regimento do Centro de Microscopia da UFMG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Garantias legais de equilíbrio do exercício do direito de antena durante o processo eleitoral

Garantias legais de equilíbrio do exercício do direito de antena durante o processo eleitoral Garantias legais de equilíbrio do exercício do direito de antena durante o processo eleitoral Por: Cremildo Paca Falar sobre as garantias legais de equilíbrio do direito de antena é um exercício desafiante.

Leia mais

Regimento do Conselho Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa

Regimento do Conselho Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa Regimento do Conselho Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza O Conselho Geral é o órgão deliberativo intermédio do Fórum Académico

Leia mais

SUBVENÇÃO MENSAL VITALÍCIA DOS EX-TITULARES DE DIVERSOS CARGOS POLÍTICOS (LEI N.º 4/85, DE 9 DE ABRIL)

SUBVENÇÃO MENSAL VITALÍCIA DOS EX-TITULARES DE DIVERSOS CARGOS POLÍTICOS (LEI N.º 4/85, DE 9 DE ABRIL) SUBVENÇÃO MENSAL VITALÍCIA DOS EX-TITULARES DE DIVERSOS CARGOS POLÍTICOS (LEI N.º 4/85, DE 9 DE ABRIL) Atualizado pela última vez em 10 de outubro de 2005 Lei n.º 4/85, de 9 de abril * A Assembleia da

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE DO MINHO

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE DO MINHO Escola Superior de Enfermagem REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE DO MINHO ESE, JANEIRO 2010 REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DA ESCOLA SUPERIOR

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS. Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015.

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS. Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015. ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015 Página 1 de 15 CAPÍTULO I Princípios Gerais ARTIGO 1.º (Denominação, âmbito, sede, sigla

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS ARTº. 1 (NATUREZA, OBJECTIVOS E ORGANIZAÇÃO) 1. O Departamento de Engenharia

Leia mais

Responsabilidades. Governo da Provincia de Sofala Actualização Direcção do Regulamento da LFFB ZONA NORTE. Conselho de Ministros. Beira, Maio de 2013

Responsabilidades. Governo da Provincia de Sofala Actualização Direcção do Regulamento da LFFB ZONA NORTE. Conselho de Ministros. Beira, Maio de 2013 Republica de Moçambique REPÚBBLICA DE MOÇAMBIQUE Governo da Provincia de Sofala Actualização Direcção do Regulamento da Proposta Provincial LFFB de Revisão de Agricultura do Regulamento Base Legal da da

Leia mais

PROPOSTAS DE ALTERAÇÕES ESTATUTÁRIAS

PROPOSTAS DE ALTERAÇÕES ESTATUTÁRIAS PROPOSTAS DE ALTERAÇÕES ESTATUTÁRIAS Obs : as diferenças entre o Estatuto atual e as alterações propostas estão destacadas em negrito e grifadas Esta primeira parte das alterações têm como justificativa

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 128/VIII ESTABELECE A IGUALDADE DE CONDIÇÕES DE FINANCIAMENTO A TODAS AS FREGUESIAS ABRANGIDAS PELO REGIME DE PERMANÊNCIA

PROJECTO DE LEI N.º 128/VIII ESTABELECE A IGUALDADE DE CONDIÇÕES DE FINANCIAMENTO A TODAS AS FREGUESIAS ABRANGIDAS PELO REGIME DE PERMANÊNCIA PROJECTO DE LEI N.º 128/VIII ESTABELECE A IGUALDADE DE CONDIÇÕES DE FINANCIAMENTO A TODAS AS FREGUESIAS ABRANGIDAS PELO REGIME DE PERMANÊNCIA Exposição de motivos O regime de permanência dos eleitos de

Leia mais

1. DIREITOS POLÍTICOS (art. 1o, II; artigos 14 a 17, da CF) ESPÉCIES: DIREITOS POLÍTICOS POSITIVOS DIREITOS POLÍTICOS NEGATIVOS

1. DIREITOS POLÍTICOS (art. 1o, II; artigos 14 a 17, da CF) ESPÉCIES: DIREITOS POLÍTICOS POSITIVOS DIREITOS POLÍTICOS NEGATIVOS 1. DIREITOS POLÍTICOS (art. 1o, II; artigos 14 a 17, da CF) ESPÉCIES: DIREITOS POLÍTICOS POSITIVOS DIREITOS POLÍTICOS NEGATIVOS DIREITOS POLÍTICOS e REGIME DEMOCRÁTICO O REGIME DEMOCRÁTICO como princípio:

Leia mais

ESTATUTO POLÍTICO-ADMINISTRATIVO DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Lei nº 13/91 5 Junho

ESTATUTO POLÍTICO-ADMINISTRATIVO DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Lei nº 13/91 5 Junho ESTATUTO POLÍTICO-ADMINISTRATIVO DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Lei nº 13/91 5 Junho Alterado pelas Leis 130/99, de 21 Agosto e 12/2000, 21 Junho ( excertos ) TÍTULO I PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS Artigo 1º

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL COMISSÃO PERMANENTE DE ASSUNTOS SOCIAIS

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL COMISSÃO PERMANENTE DE ASSUNTOS SOCIAIS COMISSÃO PERMANENTE DE ASSUNTOS SOCIAIS RELATÓRIO E PARECER AO PROJECTO DE DECRETO-LEI QUE REGULAMENTA OS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO E APROVA O PROCESSO DE ELABORAÇÃO DA CARTA EDUCATIVA, TRANSFERINDO

Leia mais

DECLARAÇÃO CONSTITUTIVA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

DECLARAÇÃO CONSTITUTIVA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA DECLARAÇÃO CONSTITUTIVA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Os Chefes de Estado e de Governo de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe, reunidos

Leia mais

Lei n.º 29/87, de 30 de Junho. Estatuto dos Eleitos Locais. Artigo 1.º Âmbito

Lei n.º 29/87, de 30 de Junho. Estatuto dos Eleitos Locais. Artigo 1.º Âmbito Lei n.º 29/87, de 30 de Junho Estatuto dos Eleitos Locais Artigo 1.º Âmbito 1 - A presente lei define o Estatuto dos Eleitos Locais. 2 - Consideram-se eleitos locais, para efeitos da presente lei, os membros

Leia mais

Sua Excelência Presidente da República de Angola, Engenheiro José Eduardo dos Santos,

Sua Excelência Presidente da República de Angola, Engenheiro José Eduardo dos Santos, Sua Excelência Presidente da República de Angola, Engenheiro José Eduardo dos Santos, Excelentíssima Primeira-Dama da República de Angola, Drª Ana Paula dos Santos, Excelentíssimo Senhor Vice-Presidente

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO E S C O L A D E E N G E N H A R I A K E N N E D Y, F A C U L D A D E S K E N N E D Y E F A C U L D A D E S D E C I Ê N C I A S J U R Í D I C A S P R O F E S S

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o n.º 4 do artigo 190.º;

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o n.º 4 do artigo 190.º; Resolução da Assembleia da República n.º 17/2004 Aprova, para ratificação, a Decisão do Conselho de 25 de Junho e de 23 de Setembro de 2002, que altera o acto relativo à eleição dos representantes ao Parlamento

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Formadora - Magda Sousa MÓDULO 1 NORMATIVOS LEGAIS OBJECTIVO Interpretar e aplicar a legislação, regulamentos

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 422/IX PROMOÇÃO E VALORIZAÇÃO DOS BORDADOS DE CASTELO BRANCO. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 422/IX PROMOÇÃO E VALORIZAÇÃO DOS BORDADOS DE CASTELO BRANCO. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 422/IX PROMOÇÃO E VALORIZAÇÃO DOS BORDADOS DE CASTELO BRANCO Exposição de motivos Castelo Branco distingue-se em matéria de artesanato pelas belas colchas bordadas à mão com o famoso

Leia mais

Projecto de Regulamento para a Eleição dos Estudantes das Comissões de Curso da Universidade de Aveiro

Projecto de Regulamento para a Eleição dos Estudantes das Comissões de Curso da Universidade de Aveiro Projecto de Regulamento para a Eleição dos Estudantes das Comissões de Curso da Universidade de Aveiro O Regulamento Geral de Estudos da Universidade de Aveiro, aprovado em, publicado no Diário da República

Leia mais

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 23 de setembro de Série. Número 166

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 23 de setembro de Série. Número 166 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 23 de setembro de 2016 Série 2.º Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ES- COLA DA AJUDA

Leia mais

Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores COMISSÃO DE ASSUNTOS PARLAMENTARES, AMBIENTE E TRABALHO RELATÓRIO E PARECER

Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores COMISSÃO DE ASSUNTOS PARLAMENTARES, AMBIENTE E TRABALHO RELATÓRIO E PARECER RELATÓRIO E PARECER NO ÂMBITO DA AUDIÇÃO DOS ÓRGÃOS DE GOVERNO PRÓPRIO DAS REGIÕES AUTÓNOMAS, SOBRE O PROJECTO DE DECRETO-LEI REG. DL 380/2005 TRANSPÕE PARA A ORDEM JURÍDICA NACIONAL A DIRECTIVA N.º 2001/86/CE,

Leia mais

Estatutos da Associação de Estudantes

Estatutos da Associação de Estudantes Estatutos da Associação de Estudantes Escola Básica e Secundária de Melgaço A.E.E.B.S.M. CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Designação 1 A associação denomina-se A.E.E.B.S.M. e é uma coletividade

Leia mais

Lei n.º 4/85 de 9 de abril. Estatuto remuneratório dos titulares de cargos políticos. TÍTULO I Remunerações dos titulares de cargos políticos

Lei n.º 4/85 de 9 de abril. Estatuto remuneratório dos titulares de cargos políticos. TÍTULO I Remunerações dos titulares de cargos políticos Lei n.º 4/85 de 9 de abril Estatuto remuneratório dos titulares de cargos políticos TÍTULO I Remunerações dos titulares de cargos políticos CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Titulares de cargos

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE VENCIMENTOS

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE VENCIMENTOS Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE VENCIMENTOS Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE VENCIMENTOS ÍNDICE Instituição da Comissão de Vencimentos...

Leia mais

PARECER Nº 68/PP/2013-P CONCLUSÕES:

PARECER Nº 68/PP/2013-P CONCLUSÕES: 1 PARECER Nº 68/PP/2013-P CONCLUSÕES: 1. Um Advogado que tenha sido nomeado patrono oficioso de um menor num processo judicial de promoção e protecção de crianças e jovens em perigo, requerido pelo Ministério

Leia mais

REGULAMENTO DO PREÂMBULO

REGULAMENTO DO PREÂMBULO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DA PÓVOA DE VARZIM PREÂMBULO A Lei n.º 33/98 de 18 de Julho institui os Conselhos Municipais de Segurança, os quais deverão ser criados no âmbito dos Municípios

Leia mais

ESTATUTO DA AAPCEU. ART. 2º - A ASSOCIAÇÃO tem sede e foro na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais.

ESTATUTO DA AAPCEU. ART. 2º - A ASSOCIAÇÃO tem sede e foro na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais. ESTATUTO DA AAPCEU TÍTULO I - DA ENTIDADE Capítulo Único - Da Denominação, Sede e Objeto ART. 1º - A Associação dos Aposentados e Pensionistas da Caixa dos Empregados da Usiminas, doravante denominada

Leia mais

1. A associação tem os seguintes associados fundadores:

1. A associação tem os seguintes associados fundadores: ASSOCIAÇÃO Artigo 1.º Denominação e sede 1. A associação adopta a denominação. 2. A associação tem a sua sede na, freguesia de, concelho de. 3. A associação tem o número de pessoa colectiva e o número

Leia mais

Estatuto Social consolidado de acordo com as deliberações da 18ª Reunião do Conselho de Administração da Associação Instituto Nacional de Matemática

Estatuto Social consolidado de acordo com as deliberações da 18ª Reunião do Conselho de Administração da Associação Instituto Nacional de Matemática ASSOCIAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE MATEMÁTICA PURA E APLICADA - IMPA - OS Regimento Interno Estatuto Social consolidado de acordo com as deliberações da 18ª Reunião do Conselho de Administração da Associação

Leia mais

Autoriza o Governo a alterar o Estatuto do Notariado e o Estatuto da Ordem dos Notários

Autoriza o Governo a alterar o Estatuto do Notariado e o Estatuto da Ordem dos Notários DECRETO N.º 53/XI Autoriza o Governo a alterar o Estatuto do Notariado e o Estatuto da Ordem dos Notários A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea d) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

Leia mais

Estatutos da Associação Portuguesa de Avaliação 2009

Estatutos da Associação Portuguesa de Avaliação 2009 ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE AVALIAÇÃO ARTIGO 1º Denominação É constituída, por tempo indeterminado, uma associação de direito privado sem fins lucrativos denominada, Associação Portuguesa de

Leia mais

Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.

Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n. Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º /2010, de de Na sequência da aprovação e entrada em vigor da Lei

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 2013

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 2013 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 2013, DE Altera a redação do 1º do art. 128 da Constituição Federal, para dispor sobre a nomeação do Procurador-Geral da República a partir de lista tríplice encaminhada

Leia mais