TURISMO NA TERCEIRA IDADE: DEMANDA ENTRE OS USUÁRIOS DO PARQUE MUNICIPAL DO IDOSO EM MANAUS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TURISMO NA TERCEIRA IDADE: DEMANDA ENTRE OS USUÁRIOS DO PARQUE MUNICIPAL DO IDOSO EM MANAUS"

Transcrição

1 118 TURISMO NA TERCEIRA IDADE: DEMANDA ENTRE OS USUÁRIOS DO PARQUE MUNICIPAL DO IDOSO EM MANAUS Resumo Jullio Martins Cordeiro Filho 1 Selma Paula Maciel Batista, MSc. 2 O objetivo deste estudo foi identificar a demanda pelo turismo e lazer na terceira idade entre os freqüentadores do Parque Municipal do Idoso no município de Manaus. Atualmente, há uma tendência para o uso difundido de termos como terceira idade. O turismo na terceira idade surge como uma nova economia de mercado que cresce gradualmente e torna-se o novo filão dedicado a este segmento ainda pouco explorado. Desse modo, tendo em vista que o número de pessoas na faixa etária acima de 60 anos cresce significativamente em todos os países e também no Brasil, faz-se necessário maiores estudos e pesquisas que possibilitem a viabilização de recursos que proporcione a esta população, turismo e lazer. Em Manaus, os órgãos públicos que atuam na área de turismo são a Fundação Municipal de Turismo (MANAUSTUR) e a Empresa Estadual de Turismo (AMAZONASTUR). Na elaboração deste estudo utilizou-se a técnica do questionário, bem como a pesquisa bibliográfica com a utilização de dados secundários. Ao final concluindo ser necessário um bom planejamento a fim de satisfazer a crescente demanda neste segmento altamente experiente, informado e exigente. Palavras-chave: Amazonastur. Manaustur. Terceira Idade. Turismo. Abstract The objective of this I study was identify the demand by the tourism and leisure in the third age between the regulars of the Municipal Park of the Elder in the town of Manaus. At present, there is a tendency for the use diffused of we will have as third age. The tourism in the third age arises like a new economy of market that grows gradually and becomes-itself the new gold-mine dedicated to this segment still little explored. Of that way, having in mind that the number of persons in the age group more than 60 years grows significantly in all of the countries and also in Brazil, does itself necessary bigger studies and researches that enable to viabilização of resources that provides to this population, tourism and leisure. In Manaus, the promoting public organs of the tourism are the Municipal Foundation of Tourism (MANAUSTUR) and the State Company the Tourism (AMAZONASTUR). In the elaboration of this I study utilized itself to technical of the questionnaire, as well like to bibliographical research with the utilization of secondary facts. It is necessary a good planning in order to satisfy to growing demand in this highly experienced segment, informed and demanding. Keywords: Amazonastur. Manaustur. Third age. Tourism 1 Pós-Graduando em Turismo e Desenvolvimento Sustentável na Universidade do Estado do Amazonas. 2 Doutoranda em Geografia Humana pelo Programa Dinter/Minter USP/UEA. Mestre em Geografia pela Universidade Federal da Bahia - UFBA..

2 119 1 Introdução A população mundial e, particularmente a brasileira, está gradual e progressivamente, envelhecendo. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), até 2025, o Brasil será o sexto país do mundo com o maior número de pessoas idosas. Percebe-se que nos últimos 40 anos, a população brasileira com idade acima de 60 anos quintuplicou, passando de três milhões em 1960 para 14 milhões em E, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2020 este número poderá chegar a 32 milhões. Existem também muitos conceitos para envelhecimento. Todos apresentam, no entanto, o caráter inevitável da velhice. O termo está intrinsecamente associado à pobreza, à dependência e à incapacidade. Já o termo terceira idade indica os velhos aposentados porém, dinâmicos. Incontestavelmente, hoje as pessoas da terceira idade têm uma formação melhor que as gerações anteriores e possuem um maior grau de exigência pela qualidade dos serviços. As pesquisas e análises feitas nesta área, pelo menos no Brasil, ainda são escassas e, na sua maioria, restritas aos dogmas da geriatria. Em alguns casos, a velhice tem sido tratada como um mero problema social, e, o que é pior, definido entre os menos importantes. No Brasil, e Manaus não poderia ficar de fora, debate-se a urgência de políticas sociais voltadas para esse segmento da população, especialmente em um país que sempre se percebeu como jovem. Esse é um tema, a velhice, que ganhou importância nos últimos anos, principalmente a partir da década de 80. Para Gadelha (2007), muitos dos estereótipos criados em torno da velhice, indubitavelmente, precisam ser dissipados. Ser socialmente aceito e compreendido só soma a favor de uma qualidade de vida melhor. Ser idoso no Brasil é vencer a barreira do tempo dos 60 anos e estar amparado pela Lei 8.842/94, pelo Decreto 1.948/96 e a Lei /03, conhecida como Estatuto do Idoso. No Art. 10 da Lei 8.842/94 de 4 de janeiro de 1994, que trata da Política Nacional do Idoso, está claro que esta lei tem por objetivo assegurar os direitos sociais do idoso, criando condições para promover sua autonomia, integração e participação efetiva na sociedade (BRASIL, 1994). E nesse contexto, surge através do Governo Federal, o programa Viaja Mais Melhor Idade. Segundo dados disponibilizados na página do Ministério do Turismo na internet, este programa tem como principal objetivo estimular e tornar possível que pessoas com mais de 60

3 120 anos possam viajar e fazer turismo pelo Brasil durante os meses de baixa ocupação ou baixa estação. Em Manaus, os órgãos públicos que atuam na área de turismo são a Fundação Municipal de Turismo (MANAUSTUR) e a Empresa Estadual de Turismo (AMAZONASTUR). A MANAUSTUR é responsável pelas ações de divulgação da cidade como destino turístico e a AMAZONASTUR tem como princípio fundamental promover a Marca Amazonas e dar apoio ao desenvolvimento sustentável de novos produtos turísticos (BRAGA, 2008). A partir do exposto, viu-se a necessidade de um estudo que avaliasse a demanda pelo turismo e lazer entre as pessoas da terceira idade que freqüentam o Parque do Idoso, no município de Manaus, bem como verificar o nível de formação e o perfil socioeconômico desse idoso e assim demonstrar que as pessoas da terceira idade tem capacidade de migrar sazonalmente para uma outra região do país ou mesmo para outro país às suas próprias expensas. Na elaboração deste estudo foi utilizada a pesquisa qualitativa, através da técnica do questionário, aplicada às pessoas da terceira idade, escolhidas aleatoriamente, dentre os freqüentadores do Parque Municipal do Idoso na cidade de Manaus. Os dados foram coletados no período de setembro de 2009 a março de Utilizou-se ainda a pesquisa bibliográfica com revisão da literatura existente para elaboração conceitual e definição de marcos teóricos, bem como o uso de dados secundários para interpretação dos fatos aqui propostos e analisados. 2 Turismo na Terceira Idade breve histórico A velhice é o destino de todas as pessoas. A certeza da finitude de todos os indivíduos sempre foi tema de filósofos, religiosos, pensadores, homens e mulheres de todos os tempos. Ser velho no mundo ocidental remete sempre a configurações de valores distintos de outros momentos históricos da vida em sociedade e de outras culturas. A relação que se faz entre a velhice e a morte nada tem de novo, nem é próprio da atualidade, embora se saiba que ela realiza-se diferentemente em épocas e culturas distintas. A palavra velhice evoca, quase sempre, significados depreciativos do tipo: isolamento, estorvo, medo, solidão, piedade, benesse, irritação, conflito, morte, etc. Gadelha (2007, p. 29), afirma que quando as pessoas mudam radicalmente seu modo de viver, como é o caso dos

4 121 aposentados, e passam a viver dias ociosos, geralmente caem num marasmo intelectual e físico, tornando-se decrépitos, egoístas, irascíveis e intolerantes. As pesquisas e análises feitas nesta área, pelo menos no Brasil, ainda são escassas e, na sua maioria, restritas aos dogmas da geriatria. Em alguns casos, a velhice tem sido tratada como um mero problema social, e, o que é pior, definido entre os menos importantes. Assim, a maior tentativa hoje e, portanto, a mais discutida, é como prolongar a vida biologicamente. Para Gadelha (2007), muitos dos estereótipos criados em torno da velhice, indubitavelmente, precisam ser dissipados. Ser socialmente aceito e compreendido só soma a favor de uma qualidade de vida melhor, uma vez que as diferenças de gênero, de classe, de credos religiosos, de etnia também estão presentes nas construções das representações e das experiências do envelhecer. No Brasil, ser idoso é vencer a barreira do tempo em 60 anos e estar amparado pela Lei 8.842/94, pelo Decreto 1.948/96 e a Lei /03, conhecido como Estatuto do Idoso. Portanto, é interessante lembrar o que diz o Art. 10 da Lei n , de 4 de janeiro de 1994, que trata da Política Nacional do Idoso e tem por objetivo assegurar os direitos sociais do idoso, criando condições para promover sua autonomia, integração e participação efetiva na sociedade (BRASIL, 1994). Segundo Fromer e Vieira (2003), sob essa perspectiva histórica, a dimensão psicoantropológica do turismo o situa como um dos mais representativos fenômenos culturais do mundo moderno porque à medida que o indivíduo se desloca em viagens e se relaciona com uma realidade distinta da sua, ele não apenas adquire conhecimento ou vive uma experiência inusitada, mas esta atividade constitui um exercício de percepção e uma forma de expressão que compreende conhecimento, alteridade e realização pessoal. Percebeu-se então a necessidade de utilizar a conceituação de Fromer e Vieira (2003 p. 59), para turismo como sendo o conjunto de atividades e relações existentes nos deslocamentos temporais voluntários, realizado pelo afastamento da morada permanente por diferentes motivos com a intenção de retorno Mas, era necessário buscar um conceito para o turismo na terceira idade pois segundo o IBGE (2000), a expectativa de vida dos brasileiros está aumentando gradativamente, refletindo um envelhecimento com maior qualidade de vida. E foi assim que Moletta (2000), definiu o turismo hoje direcionado à terceira idade como sendo um tipo de turismo planejado para as necessidades e possibilidades de pessoas com mais de 60 anos, que dispões de tempo livre e condições financeiras favoráveis para aproveitar o turismo.

5 122 Com o aumento da expectativa de vida com maior qualidade, este segmento se torna mais independente e com um alto grau de mobilidade em termos de migração sazonal ou permanente, para novas localidades, que vale a pena direcionar para a oferta de serviços e produtos para a terceira idade com ênfase em viagens. Inquestionavelmente, o turismo de terceira idade deverá constituir um expressivo fator de desenvolvimento do tráfego turístico e das destinações de viagens tanto nacionais quanto internacionais. Este segmento de pessoas com mais de 60 anos corresponde a um grande componente gerador de lucros. Com tempo disponível e, supostamente, uma maior renda discricionária - parcela da renda pessoal total, não comprometida com despesas ou poupanças fixas essenciais, sobre a qual o indivíduo pode exercer algum grau de discrição quanto ao seu destino - estas pessoas têm viajado mais e empregado no turismo grande parte de suas reservas financeiras (GADELHA, 2007, p. 12). No Brasil, a mudança demográfica vem acontecendo desde meados da década de 60 com a queda da taxa de natalidade e o aumento da longevidade. No bojo dessa tendência tornar visível socialmente a velhice foi criada a idéia da terceira idade, designação para uma nova etapa na vida, interposta entre a idade adulta e a velhice. De posse desses dados, não é exagerado afirmar que o turismo enquanto atividade inserida na economia de mercado ou como fenômeno sociocultural será inevitavelmente afetado pelos reflexos dessa nova composição etária, tendo em vista que no Brasil e, extensivamente em Manaus, este segmento ainda é carente de turismo e lazer (MOLLETA, 2000). Atualmente, os indivíduos que chegam aos 60 anos de idade, o fazem em condições bastante distintas daquelas de algumas décadas atrás, no que diz respeito à qualidade de vida. Para Fromer e Vieira (2003), os avanços da medicina, as inovações tecnológicas, a melhoria e ampliação dos sistemas de infraestrutura básica e a melhoria das condições de trabalho ao longo da vida ativa, dentre outros fatores, propiciam aos indivíduos, hoje, chegarem à aposentadoria em uma situação pessoal e material mais satisfatória que a de seus pais. Nesse contexto, surge através do Governo Federal, o programa Viaja Mais Melhor Idade. Segundo dados disponibilizados na página do Ministério do Turismo na internet, este programa tem como principal objetivo estimular e tornar possível que pessoas com mais de 60 anos possam viajar e fazer turismo pelo Brasil durante os meses de baixa ocupação ou baixa estação. Nessas viagens são oferecidos pacotes com serviços diferenciados para grupos com origens e destinos específicos, e meios de hospedagem. A diferença entre o programa Viaja Mais Melhor Idade e um pacote turístico comum está no fato de o Ministério do Turismo haver definido um conjunto de medidas para incentivar o consumo do turismo pela terceira

6 123 idade. São disponibilizados pacotes turísticos com preços diferenciados, transporte aéreo ou rodoviário adaptados para a Melhor Idade (BRASIL, 2007). 3 Turismo para a melhor idade No Amazonas, o programa conta com a parceria da AMAZONASTUR que participou do lançamento do Viaja Mais Melhor Idade ocorrido na sede do SEBRAE em Manaus, no dia 20 de fevereiro de 2008 e enfocou a comercialização dos produtos do Viaja Mais Melhor Idade, no atendimento e características do público alvo, como também a utilização do crédito consignado. Nesta ocasião, foram apresentadas as operadoras participantes em todo o Brasil. (BRAGA, 2008). Ainda segundo Braga (2008), em Manaus a Fundação Municipal de Turismo (MANAUSTUR) e a Empresa Estadual de Turismo (AMAZONASTUR), são os principais órgãos de desenvolvimento turístico da cidade. A MANAUSTUR é responsável pelas ações de divulgação da cidade como destino turístico e de melhoria das condições de atendimento aos visitantes e à própria população, como também atua na promoção de eventos culturais e na reurbanização e revitalização de patrimônios históricos. A Empresa Estadual de Turismo (AMAZONASTUR), tem como principio básico promover a Marca Amazonas nos mercados turísticos nacional e internacional. E ainda tem como responsabilidade, por ser o órgão oficial do setor no Estado, dar apoio ao desenvolvimento sustentável de novos produtos turísticos, oferecer condições de aperfeiçoamento aos já existentes e promover o planejamento e execução da política estadual de turismo (BRAGA, 2008). No âmbito do município de Manaus, desde 2001 a Prefeitura Municipal tem tentado garantir os direitos sociais dos idosos e assegurar a promoção de sua autonomia, integração e participação na sociedade. Com esse objetivo, foi criado em 2002 o Parque Municipal do Idoso, local que oferece atividades sociais, culturais e esportivas desenvolvidas especificamente para as pessoas com idade acima de 60 anos. Ali os idosos podem praticar diversas atividades, dentre elas, a hidroginástica, tai chi chuan, teatro, dança do ventre, vôlei, ioga e artesanato (BRAGA, 2008). Na busca de embasamento para esta pesquisa, percebeu-se que existem muitos conceitos para envelhecimento. Todos apresentam, no entanto, o caráter inevitável da velhice. O termo está intrinsecamente associado à pobreza, à dependência e à incapacidade. Já o termo terceira idade indica os velhos aposentados porém, dinâmicos. Incontestavelmente,

7 124 hoje as pessoas da terceira idade têm uma formação melhor que as gerações anteriores e possuem um maior grau de exigência pela qualidade dos serviços. Surge então a necessidade de buscar dados sobre a demanda pelo turismo da terceira idade no contexto brasileiro. Segundo Sena, González e Ávila (2010), aparece como uma demanda emergente, despertando atenção da sociedade. A infraestrutura necessária para responder à essa demanda é relativamente incipiente, com programas sociais e serviços precários. A maior parte das atividades do turismo atual serão dirigidas à satisfação desta nova demanda turística, que exigirá novas formas de fazer turismo. No Brasil, e Manaus não poderia ficar de fora, debate-se a urgência de políticas sociais voltadas para esse segmento da população, especialmente em um pais que sempre se percebeu como jovem. Esse é um tema, a velhice, que ganhou importância nos últimos anos, principalmente a partir da década de 80. Os meios de comunicação veiculam discussões sobre as possibilidades de um envelhecimento adequado e a simpatia da população em relação à questão do idoso, com a expressão melhor idade proposta pelo francês Huet e publicada pela primeira vez em 1962 na revista Informations Sociales referindo-se à pessoa idosa com apreço singular. Incontestavelmente, hoje as pessoas da terceira idade têm uma formação melhor que as gerações anteriores e possuem um maior grau de exigência pela qualidade dos serviços. E, finalmente, adequar a oferta à demanda não é um processo automático. Passar das potencialidades para a realidade requer condições compatíveis das instituições e requer uma estratégia que implique recursos, coordenação, estímulos, inovação e informação. É importante saber que a expectativa de vida ativa está aumentando na maioria dos países e, em decorrência, mais idosos são capazes de aderir ao lazer ativo e às oportunidades de turismo por um período maior na terceira idade. Assim, este segmento turístico também está crescendo no Brasil, principalmente pela maior conscientização da importância da atividade física e do lazer para se ter uma vida melhor, o que induz a refletir sobre o conceito de turismo da terceira idade como um tipo de turismo planejado para as necessidade e possibilidades de pessoas com mais de 60 anos, que dispõem de tempo livre e condições financeiras favoráveis para aproveitar o turismo (MOLETTA, 2000, p.8) 4 Metodologia

8 125 Na elaboração deste estudo a metodologia utilizada foi da pesquisa qualitativa, pois buscou, através da observação direta participativa, realizada de forma sistemática e intensiva, visando obter dados fazendo uso da técnica do questionário e onde o pesquisador manteve um comportamento informal com os sujeitos procurando explicitar os objetivos da pesquisa sempre que solicitado. Esta pesquisa foi realizada no Parque Municipal do Idoso localizado no bairro Nossa Senhora das Graças, Zona Centro-Sul da cidade de Manaus no período de setembro de 2009 a março de Este estudo teve como sujeitos da pesquisa pessoas adultas, escolhidas aleatoriamente. Foram entrevistados 30 sujeitos, entre homens e mulheres com idade entre 60 e 75 anos que sistematicamente freqüentam o Parque Municipal do Idoso e aceitaram participar da pesquisa. Deixou-se claros os objetivos do estudo e foi respeitada a voluntariedade e a disponibilidade de participação, assim como a garantia do anonimato e a obediência aos princípios éticos. Para coleta desses dados foram utilizados questionários com perguntas fechadas pois, levando-se em conta os sujeitos pesquisados, Ludke e André (2003 p. 26) afirmam que este instrumento tem como vantagens a assistência direta aos sujeitos; permite esclarecimentos verbais adicionais às questões; garante a uniformidade na interpretação dos dados e permite sua aplicação a grupos heterogêneos. É importante ressaltar que, à medida que o pesquisador faz uso da entrevista, observa in loco as experiências diárias do sujeito, e tenta apreender sua visão de mundo e o real significado que este atribui à realidade que o cerca em suas próprias ações. Esse contato estreito entre o pesquisador e seu objeto, faz com que essa experiência seja sem dúvida, o melhor teste de verificação da ocorrência de um determinado fenômeno (LUDKE e ANDRÉ, 2003 p.26). Utilizou-se ainda a pesquisa bibliográfica com revisão da literatura existente para elaboração conceitual e definição de marcos teóricos, bem como o uso de dados secundários para interpretação dos fatos aqui propostos e analisados. E, como um dos trabalhos de pesquisa secundária, recorreu-se aos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que afirma: a proporção de idosos no pais esta crescendo de forma mais rápida que a de crianças. Em 1980 existiam cerca de dezesseis idosos para cada cem crianças, em 2000 essa relação praticamente dobrou e passou para quase trinta idosos por cem crianças (FROMER e VIEIRA, 2003 p. 44). 5 Resultados e Discussões

9 126 Inicialmente, considerou-se as características sóciodemográficas do grupo, buscando identificar concepções e aspirações de lazer para que se pudesse perceber se havia demanda para realização de viagens de turismo por pessoas da terceira idade que frequentam o Parque Municipal do Idoso. Quanto à idade dos sujeitos, a pesquisa demonstrou que havia na amostra 10% com idade até 60 anos; 30% com idade de 61 a 70 anos e 60% era composta por pessoas acima de 70 anos de idade, conforme Tabela 1. IDADE PERCENTUAL % TOTAL Até 60 anos 10% 3 De 61 a 70 anos 30% 9 Acima de 70 anos 60% 18 Total 100% 30 TABELA 1: Idade dos idosos entrevistados Quanto ao gênero, identificou-se conforme tabela 2 que 30% deste universo era feminino e a maioria, 70%, masculino. IDADE MASCULINO FEMININO TOTAL Até 60 anos De 61 a 70 anos Acima de 70 anos Total TABELA 2: Idade X Gênero Portanto, dentre os frequentadores do Parque Municipal do Idoso, levando-se em conta o resultado da pesquisa, há cerca de 70% de pessoas que já ultrapassaram a barreira dos 60 anos. Em relação ao grau de escolaridade dos entrevistados, 70% respondeu possuir apenas o nível fundamental, 20% disse possuir apenas o ensino médio e somente 10% da amostra disse haver concluído o ensino superior, conforme demonstrado na Tabela 3. IDADE ESCOLARIZAÇÃO FUNDAMENTAL MÉDIO SUPERIOR TOTAL Até 60 anos De 61 a 70 anos Acima de 70 anos Total TABELA 3: Idade x Grau de escolarização

10 127 Quanto à renda mensal, de todas as pessoas abordadas, 70% delas disse receber na faixa de 1 a 3 salários mínimos (de R$ 510,00 reais a R$ 1.530,00 reais) e 30% está na faixa de 3 a 5 salários mínimos (de R$ 1.530,00 reais a R$ 2.550,00), o que os torna um importante nicho de mercado para o turismo segmentado. Nenhum dos entrevistados afirmou estar na faixa acima de 5 salários mínimos 3 como demonstra a Tabela 4. RENDA DE 1 A 3 SM DE 3 A 5 SM ACIMA DE 5 TOTAL IDADE SM Até 60 anos De 61 a 70 anos Acima de 70 anos Total TABELA 4: Idade x Renda mensal Em relação à estrutura de lazer e turismo que a cidade de Manaus oferece às pessoas da terceira idade (espaços dedicados especialmente aos idosos, programação cultural destinada a esse segmento, órgãos públicos fomentadores do turismo através do Programa Viaja Mais Melhor Idade, etc), percebeu-se que a maioria absoluta, 90% dos entrevistados, se disse com um alto grau de satisfação, como aponta a Tabela 5 desta pesquisa. IDADE GRAU DE SATISFAÇÃO COM A ESTRUTURA TURÍSTICA DESTINADA ÀS PESSOAS DA TERCEIRA IDADE EM MANAUS ALTO BAIXO TOTAL Até 60 anos 3-3 De 61 a 70 anos Acima de 70 anos Total TABELA 5: Idade x Estrutura para turistas da terceira idade Portanto, dentro da proposta de identificar o nível de demanda pelo turismo e lazer entre as pessoas da terceira idade que freqüentam o Parque do Idoso no município de Manaus, bem como verificar o nível de formação e o perfil socioeconômico desse idoso, considera-se que o objetivo foi atingido. No próximo segmento, serão apresentadas as considerações e recomendações a respeito do resultado. 3 Para esses valores, considerar o salário mínimo nacional em março de 2010 (R$ 510,00 reais).

11 128 Considerações Finais e Recomendações A velhice deve ser considerada como a idade da vivência e da experiência e jamais deve ser desperdiçada. O futuro será formado por uma legião de indivíduos mais velhos e, se não estivermos conscientes sobre as transformações e preparados para enfrentar essa nova realidade, estaremos fadados a viver em uma civilização solitária e totalmente deficiente de direitos e garantias na terceira idade. É notório o crescimento mundial da população com idade acima dos 60 anos. Isso revela apenas um lado da conjuntura sociodemográfica que vem se delineando já há alguns anos. E sabendo-se que a expectativa de vida ativa está aumentando na maioria dos países, e também no Brasil, é mister mencionar que mais idosos serão capazes de aderir às oportunidades de turismo, por um período maior na terceira idade. Embora o programa do Governo Federal Viaja Mais Melhor Idade enfatize o turismo na terceira idade apenas em época de baixa temporada, pelo nível salarial dos idosos pesquisados, sua disponibilidade de tempo e renda, isso torna este segmento alvo de demanda permanente ao longo de todo o ano. Quanto ao objetivo da pesquisa, observou-se: a) há demanda, no Parque Municipal do Idoso, para o turismo no segmento da terceira idade; b) o nível de formação das pessoas com mais de 60 anos que frequentam o Parque Municipal do Idoso em Manaus no momento, é principalmente de pessoas que possuem o nível Médio, mas está aumentando e c) o perfil socioeconômico dessa população está na faixa de 1 a 3 salários mínimos (R$ 510,00 reais a R$ 1.530,00 reais), o que os transforma em público-alvo em potencial para as políticas públicas dos governos Federal, Estadual e Municipal direcionadas ao turismo. As recomendações são para que sejam formuladas e colocadas em prática mais políticas e programas sociais para uma população de idosos, cada vez mais numerosa e cada vez mais diferente, o que faria o potencial turístico da terceira idade ser alcançado por completo. Durante este estudo, o pesquisador observou ainda que a curiosidade pelo conhecimento de paisagens e culturas novas e diferentes faz com que esse segmento queira, na velhice, desfrutar de todas as possibilidades que oferece este novo tempo da aposentadoria. Portanto, esse segmento de mercado com sua formação, suas condições socioeconômicas, seus interesses e até sua própria experiência como consumidores de turismo, deve ser considerado e, cada vez mais, merecedor de novos estudos e pesquisas que resultem em melhoria na qualidade de vida dessa população uma vez que os idosos deverão

12 129 estar cada vez mais envolvidos na vida política, econômica e social da comunidade e da nação. Referências BRAGA. Suzy Caroline Maciel. Iniciativas e propostas para o fomento do turismo da terceira idade na cidade de Manaus. Monografia apresentada ao Curso de Turismo da Universidade do Estado do Amazonas. Manaus: UEA, BRASIL. LEI Nº DE 4 DE JANEIRO DE Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências. Disponível em Acesso em 20 abr BRASIL. (2007) Ministério do Turismo. Programa Viaja Mais Melhor Idade. Disponível em Acesso em 05 jun FROMER, Betty. VIEIRA, Débora Dutra. Turismo e terceira idade. São Paulo: Aleph, 2003 (Coleção ABC do Turismo). GADELHA. Denise Pinto. Terceira idade Marketing, lazer e turismo. Manaus: Editora Valer, IBGE INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTÁTÍSTICA. Perfil dos idosos responsáveis por domicílios no Brasil. Rio de Janeiros: IBGE, LUDKE, Menga; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, MOLETTA, Vânia Florentino. Turismo para a terceira idade. Porto Alegre: SEBRAE/RS, 2000 SENA, Maria de Fátima de; GONZÁLEZ, Jahumara Gloria Téllez e ÁVILA, Marco Aurélio. Turismo da terceira idade: análises e perspectivas. Disponível em Acesso em 15 mai 2010.

SEGMENTAÇÃO DE MERCADO: CONSUMO NA MELHOR IDADE

SEGMENTAÇÃO DE MERCADO: CONSUMO NA MELHOR IDADE SEGMENTAÇÃO DE MERCADO: CONSUMO NA MELHOR IDADE Tacila Santana de Paula 1 Lídia Chagas de Santana 2 RESUMO Este trabalho procura dar ênfase a um novo consumidor, que está descrito nos parâmetros da futura

Leia mais

Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos para Pessoas Idosas

Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos para Pessoas Idosas Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos para Pessoas Idosas

Leia mais

Cartilha para ONGs: Como Elaborar um Programa de Aprendizagem a partir da Lei 10.097. Um Projeto a partir de uma Lei

Cartilha para ONGs: Como Elaborar um Programa de Aprendizagem a partir da Lei 10.097. Um Projeto a partir de uma Lei : Como Elaborar um Programa de Aprendizagem a partir da Lei 10.097 Um Projeto a partir de uma Lei A proposta de construir a Cartilha para ONGs: Como Elaborar um Programa de Aprendizagem a partir da Lei

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS INTRODUÇÃO AOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS INTRODUÇÃO AOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS INTRODUÇÃO AOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS Secretaria de Educação Fundamental Iara Glória Areias Prado Departamento de Política da Educação Fundamental Virgínia

Leia mais

8. ENSINO FUNDAMENTAL

8. ENSINO FUNDAMENTAL 8. ENSINO FUNDAMENTAL 8.1 ORGANIZAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL A legislação educacional brasileira define que o ensino fundamental, com duração de oito anos, é de freqüência obrigatória e oferta gratuita

Leia mais

Fundação Carlos Chagas

Fundação Carlos Chagas Fundação Carlos Chagas ATRATIVIDADE DA CARREIRA DOCENTE NO BRASIL RELATÓRIO PRELIMINAR São Paulo, SP Outubro de 2009 EQUIPE ASSESSORIA GERAL COORDENAÇÃO Bernardete A. Gatti Gisela Lobo B. P. Tartuce Marina

Leia mais

Trabalho infantil no campo: do problema social ao objeto sociológico

Trabalho infantil no campo: do problema social ao objeto sociológico Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17, nº 27, 2012, 249-286 Trabalho infantil no campo: do problema social ao objeto sociológico Valmir Luiz Stropasolas Introdução à problemática de investigação

Leia mais

COLEÇÃO FEBRABAN DE INCLUSÃO SOCIAL

COLEÇÃO FEBRABAN DE INCLUSÃO SOCIAL população com def iciência no Brasil fatos e percepções COLEÇÃO FEBRABAN DE INCLUSÃO SOCIAL Créditos população com deficiência no Brasil fatos e percepções agosto/2006 Publicação: Febraban - Federação

Leia mais

Fatores organizacionais que geram insatisfação no servidor público e comprometem a qualidade dos serviços prestados

Fatores organizacionais que geram insatisfação no servidor público e comprometem a qualidade dos serviços prestados Fatores organizacionais que geram insatisfação no servidor público e comprometem a qualidade dos serviços prestados Ligia Maria Fonseca Affonso (AEDB) ligia.affonso@yahoo.com.br Henrique Martins Rocha

Leia mais

Demandas de Aprendizagem de Inglês no Brasil Elaborado com exclusividade para o British Council pelo Instituto de Pesquisa Data Popular

Demandas de Aprendizagem de Inglês no Brasil Elaborado com exclusividade para o British Council pelo Instituto de Pesquisa Data Popular Demandas de Aprendizagem de Inglês no Brasil Elaborado com exclusividade para o British Council pelo Instituto de Pesquisa Data Popular TeachingEnglish Demandas de Aprendizagem de Inglês no Brasil Elaborado

Leia mais

PARECER DE INICIATIVA

PARECER DE INICIATIVA PARECER DE INICIATIVA SOBRE AS CONSEQUÊNCIAS ECONÓMICAS, SOCIAIS E ORGANIZACIONAIS DECORRENTES DO ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO (aprovado em Plenário a 13/03/2013) Relator: Conselheiro Manuel Lemos Março

Leia mais

Valor Patrimonial da Marca (brand equity): Um Estudo com Base nos Quatro Fatores-Chave de David Aaker numa Instituição do Terceiro Setor

Valor Patrimonial da Marca (brand equity): Um Estudo com Base nos Quatro Fatores-Chave de David Aaker numa Instituição do Terceiro Setor Valor Patrimonial da Marca (brand equity): Um Estudo com Base nos Quatro Fatores-Chave de David Aaker numa Instituição do Terceiro Setor 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1.1 Introdução Acompanhar algumas tendências

Leia mais

A INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO CONTRIBUINDO PARA O PROCESSO DE REVITALIZAÇÃO ESCOLAR

A INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO CONTRIBUINDO PARA O PROCESSO DE REVITALIZAÇÃO ESCOLAR A INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO CONTRIBUINDO PARA O PROCESSO DE REVITALIZAÇÃO ESCOLAR Jairo Campos dos Santos i (Mestre UFRRJ) Resumo O presente trabalho analisou, de forma bibliográfica, o processo de revitalização

Leia mais

Programação oficial. Apoio cultural. Apoio institucional

Programação oficial. Apoio cultural. Apoio institucional Patrocínio Programação oficial Apoio cultural Apoio institucional ABRAM SZAJMAN - AGUINALDO NERI ALDA B. DA MOTA - ANA AMÉLIA CAMARANO ANA P. FRAIMAN - ANTONIO CARLOS B. DOS SANTOS & ANDRÉ LORENZETTI CARLOS

Leia mais

A HOSPITALIDADE NO TURISMO: O BEM RECEBER

A HOSPITALIDADE NO TURISMO: O BEM RECEBER A HOSPITALIDADE NO TURISMO: O BEM RECEBER Roni Carlos Costa Dalpiaz* Aline Dagostini** Deisi Moraes Giacomini*** Maria da Glória de Souza Della Giustina**** RESUMO O presente artigo aborda o assunto hospitalidade

Leia mais

ESTUDO DOS FATORES CONDICIONANTES DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARANÁ: INSTRUMENTO DE

ESTUDO DOS FATORES CONDICIONANTES DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARANÁ: INSTRUMENTO DE ESTUDO DOS FATORES CONDICIONANTES DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARANÁ: INSTRUMENTO DE CONTROLADORIA PARA A TOMADA DE DECISÕES NA GESTÃO GOVERNAMENTAL Tema 3: Tributação,

Leia mais

ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA: UMA CONTRIBUIÇÃO DEMOGRÁFICA*

ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA: UMA CONTRIBUIÇÃO DEMOGRÁFICA* ISSN 1415-4765 TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 858 ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA: UMA CONTRIBUIÇÃO DEMOGRÁFICA* Ana Amélia Camarano** Rio de Janeiro, janeiro de 2002 * A autora agradece a Ana Roberta

Leia mais

COMO AS EMPRESAS PODEM (E DEVEM) VALORIZAR A DIVERSIDADE

COMO AS EMPRESAS PODEM (E DEVEM) VALORIZAR A DIVERSIDADE COMO AS EMPRESAS PODEM (E DEVEM) VALORIZAR A DIVERSIDADE 1 Como as Empresas podem (e devem) valorizar a Diversidade é uma publicação do Instituto Ethos, distribuída gratuitamente aos seus associados Realização

Leia mais

MOTIVAÇÃO NO TRABALHO: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DOS DOIS FATORES DE HERZBERG

MOTIVAÇÃO NO TRABALHO: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DOS DOIS FATORES DE HERZBERG MOTIVAÇÃO NO TRABALHO: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DOS DOIS FATORES DE HERZBERG Prof. MSc. Saulo Emmanuel Vieira Maciel UFPB Campus IV. Prof a Dr a Maria Auxiliadora Diniz de Sá UFPB Campus I. Resumo No intuito

Leia mais

Coleção Uma nova EJA para São Paulo

Coleção Uma nova EJA para São Paulo Coleção Uma nova EJA para São Paulo CADERNO 3: TRAÇANDO O PERFIL DE ALUNOS E PROFESSORES DA EJA. Este caderno foi elaborado pela Secretaria Municipal de Educação, Divisão de Orientação Técnica da Educação

Leia mais

Retrato das Desigualdades

Retrato das Desigualdades 2ª edição Luana Pinheiro 1 Natália Fontoura 2 Ana Carolina Prata 3 Vera Soares 4 Brasília, setembro de 2006 1 Técnica de Planejamento e Pesquisa do Ipea. 2 Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental,

Leia mais

o u c o n t i n u i d a d e n a s políticas d e

o u c o n t i n u i d a d e n a s políticas d e Pr o j o v e m t r a b a l h a d o r: a v a n ç o o u c o n t i n u i d a d e n a s políticas d e qualificação profissional? Neise Deluiz * Resumo Este artigo analisa a implementação do Projovem Trabalhador

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E OS DOMÍNIOS DA QUALIDADE DE VIDA E DO AUTOCONCEITO NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO

ATIVIDADE FÍSICA E OS DOMÍNIOS DA QUALIDADE DE VIDA E DO AUTOCONCEITO NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNICAMP ATIVIDADE FÍSICA E OS DOMÍNIOS DA QUALIDADE DE VIDA E DO AUTOCONCEITO NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO Flávia Sattolo Rolim Profª. Drª.

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado o Plano Nacional de Educação, constante do documento anexo, com duração de dez anos.

Art. 1º Fica aprovado o Plano Nacional de Educação, constante do documento anexo, com duração de dez anos. Plano Nacional de Educação. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica aprovado o Plano Nacional de Educação, constante do documento anexo, com duração de dez anos. Art. 2º A partir da vigência desta Lei,

Leia mais

O papel da organização cooperativa no desenvolvimento de uma região: um estudo de caso de uma cooperativa de pequenos produtores de São Paulo

O papel da organização cooperativa no desenvolvimento de uma região: um estudo de caso de uma cooperativa de pequenos produtores de São Paulo O PAPEL DA ORGANIZAÇÃO COOPERATIVA NO DESENVOLVIMENTO DE UMA REGIÃO: UM ESTUDO DE CASO DE UMA COOPERATIVA DE PEQUENOS PRODUTORES DE SÃO PAULO cspassador@usp.br Apresentação Oral-Instituições e Desenvolvimento

Leia mais

OS FORMATOS FAMILIARES CONTEMPORÂNEOS: transformações demográficas

OS FORMATOS FAMILIARES CONTEMPORÂNEOS: transformações demográficas OS FORMATOS FAMILIARES CONTEMPORÂNEOS: transformações demográficas Professor Adjunto da Faculdade de Arquitetura Urbanismo e Design (FAUeD) Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Brasil. simonevilla@yahoo.com.br

Leia mais

A ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE SECRETARIADO EXECUTIVO GRADUADO PELA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ

A ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE SECRETARIADO EXECUTIVO GRADUADO PELA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ 1 A ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE SECRETARIADO EXECUTIVO GRADUADO PELA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ Maria Fabiana Silva Santos ¹ Samara Silva Cruz ² ¹ UEPA Tv. Djalma Dutra, s/n Telégrafo Belém PA Brasil.

Leia mais

Envelhecimento com dependência: responsabilidades e demandas da família. Aging with dependence: family needs and responsibilities

Envelhecimento com dependência: responsabilidades e demandas da família. Aging with dependence: family needs and responsibilities ARTIGO ARTICLE 773 Envelhecimento com dependência: responsabilidades e demandas da família Aging with dependence: family needs and responsibilities Célia Pereira Caldas 1,2 1 Universidade Aberta da Terceira

Leia mais

O ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NA AGENDA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS

O ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NA AGENDA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS CAPÍTULO 8 O ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NA AGENDA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS Ana Amélia Camarano Da Diretoria de Estudos Macroeconômicos do IPEA Maria Tereza Pasinato Da Diretoria de Estudos Macroeconômicos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UFBA ELTON SILVA OLIVEIRA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UFBA ELTON SILVA OLIVEIRA 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UFBA ELTON SILVA OLIVEIRA IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS E ECONÔMICOS DO TURISMO E SUAS REPERCUSSÕES NO DESENVOLVIMENTO LOCAL: o caso

Leia mais