Direito da Comunicação Social. Alberto Arons de Carvalho António Monteiro Cardoso João Pedro Figueiredo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Direito da Comunicação Social. Alberto Arons de Carvalho António Monteiro Cardoso João Pedro Figueiredo"

Transcrição

1 Direito da Comunicação Social Alberto Arons de Carvalho António Monteiro Cardoso João Pedro Figueiredo

2

3 Índice PREFÁCIO LISTA DE ABREVIATURAS Capítulo I Evolução histórica do Direito da Comunicação Social em Portugal Dos primórdios da imprensa ao alvorecer da liberdade Liberdade de imprensa e contra -revolução ( ) Os jornais políticos na turbulência ( ) Início da fase industrial da imprensa Os anos difíceis do final da monarquia A imprensa na I República A supressão da liberdade de imprensa durante o Estado Novo A continuidade marcelista A liberdade de imprensa ainda ameaçada A consolidação da liberdade de imprensa A abertura da comunicação social ao sector privado Os novos desafios da comunicação social Capítulo II As fontes do Direito da Comunicação Social I As fontes do Direito em geral Fontes de Direito e suas relações

4 2. Conflitos de normas II As fontes do Direito da Comunicação Social Secção I A Constituição da República Portuguesa Os princípios constitucionais fundamentais O princípio do Estado de direito O princípio democrático O princípio do Estado de direito democrático Estado de direito democrático e pluralismo O conceito constitucional de pluralismo Pluralismo e comunicação social Os direitos fundamentais A compreensão constitucional dos direitos fundamentais Dimensão subjectiva e objectiva Direitos fundamentais, pluralismo e Estado de direito democrático O regime constitucional dos direitos fundamentais O artigo 18. o da Constituição Colisão de direitos fundamentais Secção II Direito Internacional Convencional O Conselho da Europa A Convenção Europeia dos Direitos do Homem A Convenção Europeia sobre Televisão Transfronteiras Resoluções da Assembleia Parlamentar e do Conselho de Ministros Secção III Direito Comunitário A União Europeia As normas dos Tratados aplicáveis ao audiovisual A Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia A Directiva «Serviços de Comunicação Social Audiovisual» Âmbito de aplicação: os serviços de comunicação social audiovisual

5 4.2. Uma abordagem diferenciada: os serviços lineares e os serviços não -lineares de comunicação social audiovisual Normas aplicáveis ao conjunto dos serviços de comunicação social audiovisual Normas apenas aplicáveis às emissões televisivas Publicidade televisiva e televenda Promoção da produção e da distribuição de programas televisivos Direitos exclusivos de transmissão de acontecimentos de grande interesse para o público e curtos extractos noticiosos Protecção de menores Direito de resposta Normas exclusivamente aplicáveis aos serviços audiovi suais a pedido Promoção de obras europeias Protecção de menores Curtos extractos informativos Secção IV Direito interno Capítulo III A liberdade de expressão e informação Capítulo IV A liberdade de comunicação social I Os direitos dos jornalistas Secção I Noção de jornalista e acesso à actividade Origem do conceito e a sua evolução em Portugal O regime vigente do acesso à actividade Secção II A liberdade de criação e o direito de autor dos jornalistas Referência histórica Enquadramento jurídico actual

6 3. Regime geral do direito de autor Âmbito da protecção O conteúdo do direito de autor Faculdades patrimoniais Faculdades pessoais A titularidade do direito de autor Regra geral Casos excepcionais a) Obras por encomenda ou por conta de outrem b) Obras colectivas A protecção de obras jornalísticas Exclusão da protecção Utilizações livres A titularidade do direito de autor dos jornalistas Condições de utilização das obras jornalísticas Direitos pessoais do jornalista autor Arbitragem de conflitos em matéria de direito de autor Secção III O direito de acesso às fontes de informação Os direitos à informação administrativa O regime específico dos jornalistas O acesso aos documentos administrativos Objecto do direito de acesso Entidades obrigadas a facultar o acesso As restrições ao direito de acesso Os documentos nominativos Os segredos de empresa O segredo de Estado O segredo de justiça O acesso a locais públicos Direito à informação e direito ao espectáculo O direito à transmissão de extractos informativos Os limites à aquisição de direitos exclusivos televisivos

7 Secção IV O direito ao sigilo profissional Origem e fundamentos O direito ao sigilo profissional na actual legislação Secção V A garantia da independência Origem e fundamentos A garantia da independência na actual legislação Secção VI O direito de participação Origem e fundamentos O direito de participação na actual legislação II A liberdade de empresa O direito à livre fundação de jornais O direito de acesso às actividades de rádio e de televisão A classificação dos serviços de programas Os requisitos dos operadores As restrições no acesso à actividade As regras sobre transparência da propriedade Concorrência, não concentração e pluralismo As modalidades de acesso Renovação dos títulos e modificação do projecto aprovado A liberdade interna e as suas limitações III Garantias de independência e pluralismo na comunicação social Secção I Os princípios fundamentais O princípio da transparência O princípio da especialidade O princípio da não concentração O princípio da independência e o pluralismo Secção II O regime de incentivos à comunicação social O interesse público da comunicação social e a política de incentivos

8 2. O actual regime de incentivos Secção III O serviço público de rádio e de televisão Origem e evolução do modelo europeu de serviço público O serviço público de rádio e televisão em Portugal: regime constitucional e legal O regime constitucional do serviço público As leis e os contratos de concessão dos serviços públicos de rádio e de televisão Os princípios e as obrigações do serviço público Independência Pluralismo Universalidade Diversidade Qualidade Inovação Valorização da cultura e da identidade nacionais Protecção das minorias Indivisibilidade O modelo de financiamento do serviço público de radiodifusão e de televisão O serviço de interesse público prestado pela Lusa Capítulo V Os limites à liberdade de comunicação social I As infracções cometidas através da comunicação social Secção I A responsabilidade criminal Os crimes contra a honra Difamação Injúria Ofensa à memória de pessoa falecida Ofensa a pessoa colectiva, organismo ou serviço Os crimes contra a reserva da vida privada Devassa da vida privada Violação de correspondência ou de telecomunicações

9 2.3. Violação de segredo Gravações e fotografias ilícitas Violação de segredo de Estado Ofensa à honra do presidente da República Violação do segredo de justiça A autoria nos crimes praticados através de meio de comunicação social Secção II A tutela civil dos direitos de personalidade O direito à reserva sobre a intimidade da vida privada O direito à imagem e o direito à palavra O direito ao crédito e ao bom nome Secção III A responsabilidade contra -ordenacional Secção IV A responsabilidade disciplinar dos jornalistas II O direito de resposta e de rectificação Conceito O regime vigente III Os limites à liberdade de programação Secção I As limitações negativas O respeito pela dignidade humana e pelos direitos fundamentais A proibição do incitamento ao ódio A protecção de crianças e adolescentes A proibição de propaganda política Os limites à publicidade A comunicação comercial audiovisual Publicidade televisiva e televenda O patrocínio A colocação de produto A ajuda à produção As comunicações virtuais A publicidade interactiva

10 5.8. A sujeição aos princípios gerais Restrições ao conteúdo Restrições ao objecto Secção II As limitações positivas Subsecção I Os deveres de divulgação Os direitos de antena, de resposta e de réplica política As mensagens de divulgação obrigatória A divulgação das recomendações e decisões da ERC A divulgação de sentenças judiciais Subsecção II As quotas de programação A defesa da língua e da cultura portuguesas A defesa das produções europeia e independente A defesa da música portuguesa Subsecção III As obrigações de programação própria e conteúdos de índole regional ou local Subsecção IV A acessibilidade por pessoas com necessidades especiais Subsecção V Anúncio da programação televisiva Capítulo VI As instâncias de regulação da comunicação social Objectivos da regulação da comunicação social Origem e principais características das instâncias de hetero- -regulação da comunicação social As instâncias de regulação no direito comparado Estados Unidos: a Federal Communications Comission (FCC) Canadá: o Conselho da Radiodifusão e das Telecomunicações (CRTC) França: o Conseil Supérieur de l Audiovisuel (CSA)

11 3.4. Itália: a Autorità per le Garanzie nelle Comunicazioni (AGCOM) Reino Unido: o OFCOM (Office of Communications) e o Trust da British Broadcasting Corporation (BBC) A regulação da comunicação social em Portugal Antecedentes históricos A ERC Entidade Reguladora para a Comunicação Social Enquadramento constitucional Natureza e estrutura Atribuições, competências e âmbito de intervenção Poderes de supervisão e de sanção A Comissão da Carteira Profissional de Jornalista (CCPJ) O ICP Autoridade Nacional das Comunicações (ICP- -ANACOM) BIBLIOGRAFIA

12

13 CAPÍTULO I Evolução Histórica do Direito da Comunicação Social em Portugal 1. Dos primórdios da imprensa ao alvorecer da liberdade A invenção da tipografia por Gutenberg, que em 1456 publica o primeiro livro impresso na Europa, veio operar uma notável revolução na difusão das ideias, determinando a adopção de medidas de controlo, tanto pelas auto ri da des civis como pelas eclesiásticas. Em Portugal, onde se imprimiram os primeiros livros em finais do século XV, instituiu -se logo em 1537 um regime de censura prévia eclesiás tica, a cargo do Santo Ofício e do bispo da diocese. Tam bém a Coroa inter vinha, quer através da concessão de privilégios de impressão, quer da censura exercida pelo Desem bargo do Paço 1. Esta primeira actividade censória, nos anos de Quinhentos, levou a que saíssem truncadas numerosas obras, entre as quais a segunda edição de Os Lusíadas de 1584 e uma compila ção de obras de Gil Vicente de Este controlo preventivo, através da cen sura, era complementado pela proibição dos livros, que figuravam nos «Index», publi cados pelo papa e pela Inquisição, o que impediu a circulação em Portugal de obras fundamentais da cultura euro peia. Não obstante a proliferação de folhas noticiosas impressas, a imprensa perió dica aparece tardiamente na Europa, quase dois séculos 1 Cf. o alvará de 20 de Fevereiro de 1537, pelo qual se concedeu a Baltasar Dias o privilégio de impressão das suas obras, que deviam ser previamente examinadas pelo mestre Pedro Margalho.

14 24 DIREITO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL após a introdução da tipografia, apontando -se a Gazette, uma folha semanal, publicada em Paris por Théophraste Renaudot, a partir de 1631, como o primeiro protótipo dos jornais modernos 2. Em Portugal, a imprensa periódica surge logo a seguir à restauração de 1640, com a publicação das chamadas Gazetas da Restauração e do Mercurio Portuguez, que tinham como prin cipal assunto as notícias da guerra com a Espanha 3. Ao longo da primeira metade do século XVIII, à excepção da Gazeta de Lisboa, o primeiro jornal oficial, criado em 1715 e que durará até 1833, publi cam -se somente cinco periódicos, quase todos de pendor recreativo e de duração efémera. Durante o governo de Pombal, instituiu -se em 1769 a Real Mesa Cen sória, que irá manter -se até 1794, após o que a censura volta a caber ao Desem bargo do Paço, ao Santo Ofício e ao bis po da diocese. A partir de finais do século XVIII 4, sob o influxo das ideias iluministas, a liberdade de imprensa começa a impor -se, o que leva à sua consagração legal em alguns países. O primeiro a fazê -lo foi a Suécia, em 1766, seguindo -se a Declaração de Direitos do Estado da Virgínia de 1776 e a primeira emenda da Constituição dos Estados Unidos, introduzida em 1791 e ainda hoje em vigor 5. A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, apro vada pelos consti tuintes franceses em 1789, que declara a liberdade de opinião e de publicação como um dos direitos mais preciosos do homem, estabelece um princípio basilar, que não tardará a ser seguido em toda a Europa. 2 Cf. BALLE, Francis (1999), pp A Gazette, denominada Gazette de France a partir de 1762, representou um instrumento de propaganda da política absolutista levada a cabo pelo cardeal Richelieu, seu protector. 3 Apesar de defender a causa da restauração, a Gazeta foi suspensa em Outubro de 1642, reaparecendo meses depois limitada às notícias de fora do reino. A Gazeta foi transcrita por Eurico Dias (2006) e estudada, quanto ao discurso, por Jorge Sousa e outros (2011). O Mercurio Portuguez, publicado entre 1663 e 1666, foi transcrito e comentado por Eurico Dias (2010). Ambas as publicações estão acessíveis na biblioteca nacional digital (http://putl.pt/1294 e respectivamente). 4 Um século antes, em 1644, o poeta inglês John Milton defendera num panfleto chamado Areopagitica a liberdade de imprimir sem licença (liberty of unlicensed printing). No entanto, este direito inscrevia -se nos limites da procura da verdade cristã, apanágio dos puritanos, sem o alcance geral que lhe conferiram as revoluções liberais, cf. BALLE, Francis (2009), pp Quanto a esta questão, a primeira emenda dificilmente poderia ser mais sintética: «O Congresso não fará nenhuma lei restritiva da liberdade de palavra ou de imprensa.»

15 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL EM PORTUGAL 25 Contudo, o terror causado em Portu gal pela Revolução Francesa provocou um redobrar da vigilância em relação à imprensa, em que se destacou o inten dente -geral da polícia de D. Maria I, Pina Manique. Somente anos mais tarde, no contexto da resistência contra os franceses, se assistiu, em , a um novo surto de fundação de periódicos, datando desta época os primeiros diários 6. Porém, a partir de 1810, prevaleceu uma política repressiva, que acabou por asfixiar a maior parte dos jornais e conduzir ao exílio muitos dos que neles escreviam 7. Assiste -se então a um fenómeno inédito, que se traduz na publicação de numerosos jornais escritos em português no estrangeiro, que logram difundir -se em Portugal e no Brasil, exercendo uma forte influên cia na opinião pública, sobretudo no plano político, mas também na área da divulgação de conhecimentos científicos. A maior parte desses periódicos publicou -se em Londres, num total de nove, destacando -se o Correio Braziliense ( ), O Investigador Portuguez em Inglaterra ( ), O Portuguez ( ) e o Campeão Portuguez ( ). Introduzidos em Portugal e no Brasil, principalmente através de navios de comércio britânicos que não eram vistoriados pelas autoridades, estes jornais, quase todos mensais, lograram subsistir, graças aos seus assinantes e ao apoio dos negociantes portugueses em Londres 8. Divididas entre dois centros de poder, a corte e o governo do Rio de Janeiro e os governadores de Lisboa, as autoridades assumem, de início, uma atitude relativamente permissiva, a que se sucede uma política de proibições, sempre pouco eficazes, acompanhada de ofertas de dinheiro para moderar estes periódicos ou colocá- -los ao seu serviço 9. Os três periódicos em língua portuguesa publicados 6 A Minerva Lusitana, publicada em Coimbra entre 1808 e 1811, e o Diário Lisbonense, saído em Lisboa, entre 1809 e 1813, foram os primeiros jornais diários portugueses. Estão ambos acessíveis na biblioteca nacional digital (http://purl.pt/1212 e purl.pt/14341, respectivamente). Sobre os periódicos publicados durante as invasões francesas, cf. TENGARRINHA, José (1989), pp Foi o caso de João Bernardo da Rocha Loureiro que, vendo proibido o Correio da Peninsula ou Novo Telegrapho (Lisboa, 3 de Julho de 1809 a 2 de Agosto de 1810), que redigira com Pato Moniz, funda em Londres o Espelho Político e Moral (Maio de 1813 a Fevereiro de 1814), seguindo -se o Portuguez ou Mercurio Político. 8 Cf. TENGARRINHA, José (2003) e (2004). 9 Redigido por Hipólito José da Costa, o Correio Braziliense foi proibido de circular por diversas ordens régias, envidando -se esforços infrutíferos para expulsar o seu

16 26 DIREITO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL em Paris empenharam -se acima de tudo na difusão da cultura científica e tecnológica, salientando -se nesse campo os Annaes das Sciencias, das Artes e das Letras (Julho de 1818 a Abril de 1822) Liberdade de imprensa e contra -revolução ( ) A instauração de um sistema constitucional, na sequência do triunfo do movi mento desencadeado no Porto em 24 de Agosto de 1820, abriu o caminho para a instauração, pela primeira vez, de um regime de liberdade de imprensa em Portugal 11. Deste modo, no n.º 8 das Bases da Constituição estabeleceu -se que «a livre comunicação dos pensamentos é um dos mais preciosos direitos do homem», pelo que todo o cidadão podia, «sem dependência de censura prévia», manifestar as suas opi niões, respondendo pelo abuso dessa liberdade nos termos da lei. Porém, no art.º 10.º das Bases, que depois passou para a Constituição de 1822, com o n.º 8, dispunha -se que, quanto ao abuso que se pudesse fazer da liberdade de imprensa em matérias religiosas, ficava salva aos bispos «a censura dos escritos publicados sobre dogma e moral». Uma deficiente interpretação desta norma tem levado alguns autores a concluir erradamente que existiu censura prévia naquelas matérias, sustentando que este regime era mais restritivo do que o estabelecido na Constituição espanhola de redactor de Inglaterra. O Investigador foi fundado em 1811, contando com um apoio da embaixada portuguesa em Londres, no propósito de neutralizar a influência do Correio. Porém, em Fevereiro de 1819, aquele apoio foi retirado, na sequência de posições críticas veiculadas pelo seu redactor José Liberato Freire de Carvalho, que naquele ano fundou o Campeão Portuguez. Também o Correio recebeu em algumas ocasiões apoios da Corte do Rio, no sentido de o moderar. Porém, a partir da conspiração de Gomes Freire e da rebelião de Pernambuco em 1817, prevaleceu uma política de forte repressão de ambos os jornais, extensiva ao Portuguez. 10 O papel dos periódicos portugueses de emigração ( ) na divulgação científica e na transformação do país foi desenvolvidamente estudado por Fernando Egídio Reis (2007). 11 Até à aprovação da Lei de Imprensa funcionou uma comissão de censura, nomeada pelo governo, cuja actividade não logrou impedir a fundação de numerosos jornais, cf. VARGUES, Isabel (1997), pp , e TENGARRINHA, José (1993), pp A Constituição espanhola de 1812 dispunha no seu art.º 371.º que: «Todos os Espanhóis têm liberdade de escrever, imprimir e publicar as suas ideias políticas sem

17 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL EM PORTUGAL 27 A verdade é que esta censura confiada aos bispos era somente exercida a posteriori, como ficou claro no debate travado na sessão das Cortes de 15 de Fevereiro de 1821, no qual se rejeitou a censura prévia, também em matérias de dogma e de moral, por 46 votos contra 32. Aprovadas as Bases da Constituição, seguiu -se a publicação da lei de 12 de Julho de 1821, a primeira lei sobre a liberdade de imprensa da história portuguesa, que tem como aspecto essen cial a inexistência total de censura prévia. Os abusos de liberdade de imprensa, tipificados na lei, eram apreciados por jurados, chamados juízes de facto, com recurso para um Tribunal Especial de Protecção da Liberdade de Imprensa. A Constituição de 1822, aprovada no ano seguinte, veio reafirmar o disposto nas bases e na Lei de Imprensa. Neste primeiro período de liberdade de imprensa fundaram -se numerosos periódicos, que atingiram os 39, somente em 1821, quase todos publicados em Lisboa, no Porto e em Coimbra, à excepção do Azemel Vimaranense e do Patriota Funchalense. Escritos numa linguagem simples e directa, os jornais desta época desempenham um importante papel político, promovendo a difusão das ideias constitucionais junto da população menos esclarecida 13. Porém, sobretudo a partir de 1822, surgem também em campo periódicos abertamente contra -revolucionários 14, escritos num estilo truculento, que obri gam a medidas repressivas excepcionais 15. Por fim, o triunfo da Vila -Francada, em 3 de Junho de 1823, conduz à queda do necessidade de licença, revisão ou aprovação alguma anterior à publicação, com as restrições e responsabilidades que as leis estabeleçam.» A restrição deste direito às «ideias políticas» permitiu a existência de censura prévia em matérias religiosas, a cargo de juntas diocesanas. Sobre a acção desta censura em Espanha durante o triénio constitucional ( ), cf. GARCIA, Juan (2003) e HIGUERELA, Leandro (1980). 13 O jornal mais lido em Lisboa era o Astro da Lusitânia. No Porto, destacava -se a Borboleta, que se propunha difundir as ideias constitucionais, através de um estilo simples, adequado à compreensão vulgar. 14 Distinguiram -se a Gazeta Universal, o Patriota Sandoval, o Braz Corcunda e um conjunto de periódicos com nomes de instrumentos musicais, como a Trombeta Lusitana, o Rabecão, a Sega -Rega, O Serpentão e a Gaita. 15 O editor ou impressor passou a ser responsável pelos escritos dos autores ausentes, punindo -se também os que divulgassem escritos impressos no estrangeiro em que se atacasse o Estado (Decretos de 29 de Janeiro de 1822 e de 17 de Outubro de 1822), cf. TENGARRINHA, José (1993), pp

18 28 DIREITO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL regime constitucional, o que se traduziu no restabelecimento da censura prévia e na exigência de autorização para a fundação de jornais 16. Deste modo, entre 1823 e 1826, somente se publicam em Portugal periódicos de orientação absolutista 17, enquanto alguns liberais, refugiados em Londres, animam um segundo ciclo de imprensa de emigração, que procuram introduzir clandestinamente em Portugal 18.O segundo período constitucional inicia -se em finais de 1826, com a outorga por D. Pedro da Carta Constitucional, na qual se garante a liberdade de imprensa, «sem dependência de Censura» (art.º 145.º, 3.º). Apesar de a censura se ter mantido em vigor, enquanto não era aprovada a Lei de Imprensa, assistiu -se a uma segunda vaga de fundação de periódicos, quase todos empe nhados na defesa do regime da Carta 19. A partir de meados de 1827, acentua -se a repressão contra os periódicos liberais, que obriga muitos deles a interromperem a publicação 20. A tomada do poder por D. Miguel como rei absoluto, em Maio de 1828, acarretou a aniqui lação total da liberdade de imprensa, levando ao encerramento dos jornais liberais e à prisão dos que neles escreviam, enquanto outros, refugiados em Inglaterra, França e nos Açores, 16 Inicialmente confiada a comissões de censura, a partir de Março de 1824, a censura prévia voltou a competir ao Desembargo do Paço e aos ordinários diocesanos, o que representava o regresso ao regime anterior a 1820, embora sem intervenção do Santo Ofício, extinto pelas Cortes e que não foi restabelecido. 17 Além da oficial Gazeta de Lisboa e do Correio do Porto, que alinhara com o absolutismo, proliferou nesta época uma imprensa atrabiliária de ódio contra os liberais, identificados com os pedreiros -livres, de que constitui exemplo o célebre Punhal dos Corcundas, da autoria de Frei Fortunato de São Boaventura, publicado em 1823 e Publicaram -se então em Londres quatro jornais: O Português, O Popular, O Correio Inter cep tado e o Padre Amaro ou Sovela Política, Histórica ou Literária. 19 No mês de Setembro de 1826, e só na capital, saíram mais de 20 periódicos, enquanto ao longo do ano surgiram 48 novas publicações. Destacaram -se em Lisboa O Português, de Garrett, que teria entre 6000 a 8000 leitores e O Periódico dos Pobres, que atingiria a leitores, graças ao baixo preço de apenas 10 réis. No Porto, destacaram -se O Imparcial e A Borboleta. A censura via -se impossibilitada de examinar um tão grande número de jornais, causando dificuldades, que levaram ao encerramento de alguns periódicos, cf. TENGARRINHA, José (1993), pp Após os tumultos nocturnos ocorridos em fins de Junho de 1827, que ficaram conhecidos como «Archotadas», desencadeou -se uma vaga repressiva, de que resultou o encerramento dos jornais liberais e a prisão de jornalistas, como Almeida Garrett, redactor d O Português, que então cessou a publicação.

19 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL EM PORTUGAL 29 publicavam periódicos, através dos quais procuravam animar a resistência contra o «usurpador» 21. Por decreto de 16 de Agosto de 1828, a censura voltou a ser exercida pela Mesa do Desembargo do Paço, uma medida que não tinha em vista os jornais liberais, que tinham sido suprimidos, mas sim um conjunto de periódicos miguelistas, dominados por uma facção ultra, que incitava à violência e atacava, por vezes, o próprio governo de D. Miguel, que considerava demasiado moderado 22. A derrota de D. Miguel em 1834, ao fim de quase dois anos de guerra civil, abre finalmente a via para a instituição de um regime liberal e do mais longo período sem censura prévia que Portugal conheceu. 3. Os jornais políticos na turbulência ( ) Com o restabelecimento da Carta Constitucional de 1826 e a publicação da Lei de Imprensa de 22 de Dezembro de instaura -se um regime caracterizado pela inexistência de censura prévia, em que os abusos são puni dos por tribunais com jurados, estabelecendo -se um regime de responsabilidade sucessiva em que o editor só poderia ser punido na falta do autor 24. Este regime incentivou a criação de 21 Refira -se, por exemplo, o Chaveco Liberal, dirigido por José Ferreira Borges, Almeida Garrett e Paulo Midosi, publicado em Londres, entre 9 de Setembro e 30 de Dezembro de 1829, acessível na biblioteca nacional digital (http://purl.pt/12092/3/). A regência estabelecida na ilha Terceira criou como órgão oficial a Crónica da Terceira, a que se seguiram, já no continente, durante a guerra civil, a Crónica Constitucional do Porto e a de Lisboa. 22 Em Agosto de 1828, a Trombeta Final teve de suspender a publicação, tal como o Clarim dos Realistas Portugueses Emigrados em Espanha de Alvito Buela. Em Outubro de 1829 foi suspensa a Besta Esfolada, de José Agostinho de Macedo, restando apenas a Gazeta de Lisboa, órgão oficial e o Correio do Porto, que tinha um carácter oficioso. No entanto, a partir de Setembro de 1830, numa conjuntura de maior influência dos ultras, os periódicos «exaltados» reaparecem em força com a publicação, entre outros, do Desengano de José Agostinho de Macedo, da Contramina de Frei Fortunato de S. Boaventura e da Defesa de Portugal de Alvito Buela. 23 Grande parte das leis de imprensa, publicadas nos períodos da Monarquia Constitucional, I República e Estado Novo, estão acessíveis online no sítio -lisboa.pt/. 24 Esta legislação foi alterada pela lei de 30 de Abril de 1835 e pelas leis de 9 e 16 de Junho de 1837, num sentido mais repressivo, que visava sobretudo os periódicos

20 30 DIREITO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL numerosos perió di cos, que se assumem agora como órgãos dos partidos ou facções em disputa pelo poder. A emergência de uma ala liberal mais radical, que triunfa na revo lução de Setembro de 1836, repondo em vigor a Constituição de , conta com o envolvimento propagandístico de periódicos combativos, como A Vedeta da Liberdade ou O Nacional, a que respondem jornais cartistas, não menos aguerridos, como O Artilheiro e O Periódico dos Pobres no Porto. As sublevações militares dos cartistas contra os setembristas no poder, que culminaram na «Revolta dos Marechais» (Saldanha e Terceira), entre Julho e Setembro de 1837, conduziram à suspensão das garantias, acarretando o silenciamento da imprensa, à excepção do Diário do Governo e do jornal O Nacional, afecto ao governo. No rescaldo destes acontecimentos, através da lei de 10 de Novembro de 1837, foram introduzidas alterações restritivas à Lei de Imprensa, de modo a tornar mais efectiva a responsabilidade dos editores e acelerar o julgamento dos processos 26. A afirmação política da corrente denominada «ordeira» que, a partir do governo, combate os radicais setembristas, origina uma forte ofensiva contra os periódicos da oposição, sobretudo após a publicação da Lei de Imprensa de 19 de Outubro de 1840, que vem sujeitar o editor miguelistas, que sofreram numerosos processos judiciais, os quais, somados a intimidações contra os redactores e assinantes, determinaram o carácter efémero da maior parte deles. Distinguiram -se pela maior duração e influência O Eco ( ) e o Portugal Velho ( ), seguidos mais tarde e já noutro contexto pelo jornal A Nação ( ). 25 A Constituição de 1822 vigorou até à Constituição de 1838, em cujo art.º 13.º se garantia a todo o cidadão o direito de «comunicar os seus pensamentos pela imprensa ou por qualquer outro modo, sem dependência de censura prévia». No 2.º dispunha -se que nos «processos de Liberdade de Imprensa» o conhecimento do facto e a qualificação do crime pertenceriam exclusivamente aos jurados. Esta Constituição, em que pela primeira vez se garantiu o direito de associação e de reunião, vigorou até ao restabelecimento da Carta Constitucional em 10 de Fevereiro de 1842, na sequência do movimento militar de 27 de Janeiro daquele ano, liderado por Costa Cabral. 26 Como o editor era muitas vezes um «testa -de -ferro», insusceptível de responsabilidade, passou a exigir -se que fosse português, maior de 25 anos e que possuísse bens capazes de garantir em juízo 1200$00 réis. Se não reunisse estes requisitos, responsabilizava -se o impressor. Os empregados do Ministério Público que fossem negligentes nestes processos ficavam sujeitos a penas de suspensão até seis meses. Previa -se ainda a apreensão da estampa ou impresso objecto de queixa, logo que o júri indiciasse o réu pela prática do crime.

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 14/91 de 11 de Maio

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 14/91 de 11 de Maio ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 14/91 de 11 de Maio A criação das condições materiais e técnicas para a edificação em Angola de um Estado democrático de direito é um dos objectivos a atingir, na actual fase

Leia mais

Constituição da República Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social

Constituição da República Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Constituição da República Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Artigo 25 o (Direito à integridade pessoal) 1. A integridade moral e física das pessoas é inviolável. 2. Ninguém pode ser

Leia mais

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17)

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17) 1984L0450 PT 12.06.2005 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa

Leia mais

ASSEMBLÉIA NACIONAL CAPÍTULO I

ASSEMBLÉIA NACIONAL CAPÍTULO I ASSEMBLÉIA NACIONAL Lei n.º 3/94 de 21 de Janeiro O Regime Jurídico dos Estrangeiros na República de Angola é parcialmente regulado pela Lei n.º 4/93, de 26 de Maio e pelo Decreto n.º 13/78, de 1º de Fevereiro.

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão da Cultura e da Educação 2007/2253(INI) 7.3.2008 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a concentração e o pluralismo dos meios de comunicação social na União Europeia (2007/2253(INI))

Leia mais

Lei n.º 1/2005 de 10 de Janeiro.

Lei n.º 1/2005 de 10 de Janeiro. Lei n.º 1/2005 de 10 de Janeiro. Regula a utilização de câmaras de vídeo pelas forças e serviços de segurança em locais públicos de utilização comum A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

www.ualdireitopl.home.sapo.pt

www.ualdireitopl.home.sapo.pt UNIVERSIDADE AUTÓNOMA DE LISBOA 1º ANO JURÍDICO CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL Regente: Prof. Doutor J.J. Gomes Canotilho Docente aulas teóricas: Prof. Doutor Jonatas Machado Docente aulas práticas:

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL Direito Penal Europeu para Advogados Penalistas ERA/ECBA/ICAB Barcelona 21-22 de Fevereiro de 2014 DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL NA UNIÃO EUROPEIA INDICAÇÕES DE PESQUISA E ELEMENTOS NORMATIVOS Vânia

Leia mais

ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010

ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010 ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010 Por forma a melhor esclarecer os membros da OA quanto à posição e actuação da Ordem, nos últimos dois

Leia mais

DECRETO N.º 37/VIII. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sentido e extensão

DECRETO N.º 37/VIII. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sentido e extensão DECRETO N.º 37/VIII AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR O REGIME JURÍDICO QUE REGULA A ENTRADA, PERMANÊNCIA, SAÍDA E AFASTAMENTO DE ESTRANGEIROS DO TERRITÓRIO NACIONAL A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

REGIME LEGAL DE ENTRADA E PERMANÊNCIA DE ESTRANGEIROS EM ANGOLA

REGIME LEGAL DE ENTRADA E PERMANÊNCIA DE ESTRANGEIROS EM ANGOLA REGIME LEGAL DE ENTRADA E PERMANÊNCIA DE ESTRANGEIROS EM ANGOLA Edição Online e Coordenação Técnica: Icep Portugal/Unidade Conhecimento de Mercado Elaboração: Delegação do Icep Portugal em Luanda Data:

Leia mais

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de Regulamento (CEE) nº 1768/92 do Conselho, de 18 de Junho de 1992, relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os medicamentos Jornal Oficial nº L 182 de 02/07/1992 p. 0001-0005

Leia mais

LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO. Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho

LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO. Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho Lei nº 06/2004 de 17 de Junho Havendo necessidade de introduzir mecanismos complementares de combate à corrupção, nos termos do n.º 1 do artigo

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel. PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.pt Transparência e Segurança: www.jogoremoto.pt A REGULAÇÃO EM PORTUGAL

Leia mais

O PROBLEMA APRECIAÇÃO

O PROBLEMA APRECIAÇÃO Processo: R-727/06 (A2) Entidade visada: EDP Distribuição, S. A. Assunto: Consumo. Electricidade. Facturação. Contribuição para o audio visual. Incidência. Financiamento do serviço público de radiodifusão

Leia mais

Acelerar a resolução de litígios entre empresas e chamar arbitragens internacionais a Portugal são dois propósitos do novo quadro legal

Acelerar a resolução de litígios entre empresas e chamar arbitragens internacionais a Portugal são dois propósitos do novo quadro legal RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE LITÍGIOS Arbitragem voluntária tem nova lei a boleia da troika Acelerar a resolução de litígios entre empresas e chamar arbitragens internacionais a Portugal são dois propósitos

Leia mais

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial 14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial Os Estados signatários da presente Convenção, desejando criar os meios

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA BULGÁRIA SOBRE CONTRATAÇÃO RECÍPROCA DOS RESPECTIVOS NACIONAIS.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA BULGÁRIA SOBRE CONTRATAÇÃO RECÍPROCA DOS RESPECTIVOS NACIONAIS. Decreto n.º 23/2003 Aprova o Acordo entre a República Portuguesa e a República da Bulgária sobre Contratação Recíproca dos Respectivos Nacionais, assinado em Sófia em 26 de Setembro de 2002 Considerando

Leia mais

Colóquio SRS. Como se sabe, a lei teve na sua origem um ante-projecto da APA, embora em certos pontos muito limitados dele se afaste.

Colóquio SRS. Como se sabe, a lei teve na sua origem um ante-projecto da APA, embora em certos pontos muito limitados dele se afaste. Colóquio SRS 1. Pedem-me que na abertura deste Colóquio faça uma breve história da génese da lei de Arbitragem Voluntária que foi publicada em 14 de Dezembro de 2011 e entrará em vigor em 14 de Março de

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ARRUMADOR DE AUTOMÓVEIS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ARRUMADOR DE AUTOMÓVEIS REGULAMENTO MUNICIPAL DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ARRUMADOR DE AUTOMÓVEIS (Aprovado na 24ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 16 de Dezembro de 2003, na 2ª Reunião da 5ª Sessão Ordinária

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA ROMÉNIA SOBRE PROMOÇÃO E PROTECÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS

ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA ROMÉNIA SOBRE PROMOÇÃO E PROTECÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS Decreto n.º 23/94 de 26 de Julho Aprova o Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Roménia sobre Promoção e Protecção Recíproca de Investimentos Nos termos da alínea c) do n.º 1 do

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 315/X DETERMINA A DERROGAÇÃO DO SIGILO BANCÁRIO COMO INSTRUMENTO PARA O COMBATE À FRAUDE FISCAL

PROJECTO DE LEI N.º 315/X DETERMINA A DERROGAÇÃO DO SIGILO BANCÁRIO COMO INSTRUMENTO PARA O COMBATE À FRAUDE FISCAL PROJECTO DE LEI N.º 315/X DETERMINA A DERROGAÇÃO DO SIGILO BANCÁRIO COMO INSTRUMENTO PARA O COMBATE À FRAUDE FISCAL Exposição de motivos No seu Programa de candidatura e depois no Programa de Governo o

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL.

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 309 CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. Artigo 9.º (Tarefas fundamentais do Estado) São tarefas fundamentais do Estado:. a) Garantir a independência

Leia mais

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 1259/2010 DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 2010 que cria uma cooperação reforçada no domínio da lei aplicável em matéria de divórcio

Leia mais

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS E ACORDO DE ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL RELATIVO À COBERTURA DE PROCESSOS JUDICIAIS. 27 de Novembro de 2003

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS E ACORDO DE ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL RELATIVO À COBERTURA DE PROCESSOS JUDICIAIS. 27 de Novembro de 2003 Nota Prévia Este documento foi elaborado pela ex-alta Autoridade para a Comunicação Social (AACS) e apresentado no dia 27 de Novembro de 2003 em cerimónia pública, tendo sido subscrito por diversos órgãos

Leia mais

Artigo 1.º. Objecto e âmbito. Lei nº 69/98. de 28 de Outubro

Artigo 1.º. Objecto e âmbito. Lei nº 69/98. de 28 de Outubro REGULA O TRATAMENTO DOS DADOS PESSOAIS E A PROTECÇÃO DA PRIVACIDADE NO SECTOR DAS TELECOMUNICAÇÕES (TRANSPÕE A DIRECTIVA 97/66/CE, DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1997) Artigo

Leia mais

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS!

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! FINISPORTUGAL! PRIVATIZAÇÕES. (Publicado em 20 Dezembro 2012) 1- Conceito Estratégico de Defesa Naciona

Leia mais

2776 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 75 17 de Abril de 2006 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Artigo 6. o. Lei Orgânica n. o 2/2006

2776 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 75 17 de Abril de 2006 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Artigo 6. o. Lei Orgânica n. o 2/2006 2776 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 75 17 de Abril de 2006 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei Orgânica n. o 2/2006 de 17 de Abril Quarta alteração à Lei n. o 37/81, de 3 de Outubro (Lei da Nacionalidade)

Leia mais

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial Décima Oitava Sessão Agenda item 43 Resoluções aprovadas pela Assembléia Geral 1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial A Assembléia Geral,

Leia mais

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4.1 Legislação aplicável a crimes cibernéticos Classifica-se como Crime Cibernético: Crimes contra a honra (injúria, calúnia e difamação), furtos, extorsão,

Leia mais

Lei Nº 134/99, De 28 De Agosto Proíbe As Discriminações No Exercício De Direitos Por Motivos Baseados Na Raça, Cor, Nacionalidade Ou Origem Étnica

Lei Nº 134/99, De 28 De Agosto Proíbe As Discriminações No Exercício De Direitos Por Motivos Baseados Na Raça, Cor, Nacionalidade Ou Origem Étnica Lei Nº 134/99, De 28 De Agosto Proíbe As Discriminações No Exercício De Direitos Por Motivos Baseados Na Raça, Cor, Nacionalidade Ou Origem Étnica Lei n.º 134/99, de 28 de Agosto Proíbe as discriminações

Leia mais

Código Penal Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social

Código Penal Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Código Penal Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Parte especial Título I Dos crimes contra as pessoas Capítulo VI Dos crimes contra a honra Artigo 180. o (Difamação) 1. Quem, dirigindo-se

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA

REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA Aprovado na 14ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 13 de Julho de 2006 e na 4ª Sessão Ordinária de Assembleia Municipal,

Leia mais

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR.

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR. Decreto do Governo n.º 24/84 Convenção de 31 de Janeiro de 1963 Complementar da Convenção de Paris de 29 de Julho de 1960 sobre Responsabilidade Civil no Domínio da Energia Nuclear O Governo decreta, nos

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA SOBRE PROTECÇÃO MÚTUA DE MATÉRIAS CLASSIFICADAS.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA SOBRE PROTECÇÃO MÚTUA DE MATÉRIAS CLASSIFICADAS. Decreto n.º 13/2005 Acordo entre a República Portuguesa e a República Federal da Alemanha sobre Protecção Mútua de Matérias Classificadas, assinado em Lisboa em 22 de Dezembro de 2004 Atendendo ao desenvolvimento

Leia mais

Artigo 1.º. Entre Melgaço e Arbo, sobre o rio Minho, será construída uma ponte internacional que una Portugal e Espanha.

Artigo 1.º. Entre Melgaço e Arbo, sobre o rio Minho, será construída uma ponte internacional que una Portugal e Espanha. Decreto n.º 19/96 de 1 de Julho Convénio entre a República Portuguesa e o Reino de Espanha para a Construção de Uma Ponte Internacional sobre o Rio Minho entre as Localidades de Melgaço (Portugal) e Arbo

Leia mais

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS DE SEGURANÇA SOCIAL Estatutos da Comissão Administrativa para a Coordenação dos Sistemas de Segurança

Leia mais

Histórico das constituições: direito de sufrágio

Histórico das constituições: direito de sufrágio 89 Histórico das constituições: direito de sufrágio André de Oliveira da Cruz Waldemar de Moura Bueno Neto José Carlos Galvão Goulart de Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Ter, 02 de Junho de 2009 18:38 Administrador REPÚBLICA DE ANGOLA Conselho de Ministros Decreto-lei nº 8 /07 de 4 de

Leia mais

PARECER N.º 26/CITE/2007

PARECER N.º 26/CITE/2007 PARECER N.º 26/CITE/2007 Assunto: Direito ao gozo de férias após licença por maternidade Processo n.º 147 QX/2006 I OBJECTO 1.1. Em 20 de Novembro de 2006, a CITE recebeu da funcionária do, com a categoria

Leia mais

Regime do Canal Parlamento e do Portal da Assembleia da República

Regime do Canal Parlamento e do Portal da Assembleia da República Regime do Canal Parlamento e do Portal da Assembleia da República Resolução da Assembleia da República n.º 37/2007, de 20 de agosto com as alterações introduzidas pela Resolução da Assembleia da República

Leia mais

LEI N.º 10/91 ESTATUTO DOS MAGISTRADOS CAPÍTULO I ESTATUTO. Artigo l.º

LEI N.º 10/91 ESTATUTO DOS MAGISTRADOS CAPÍTULO I ESTATUTO. Artigo l.º LEI N.º 10/91 A Assembleia Nacional no uso das atribuições que lhe são conferidas ao abrigo da alínea d) do artigo 87º. Da Constituição, aprova a seguinte Lei: ESTATUTO DOS MAGISTRADOS CAPÍTULO I ESTATUTO

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E BELIZE SOBRE TROCA DE INFORMAÇÕES EM MATÉRIA FISCAL

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E BELIZE SOBRE TROCA DE INFORMAÇÕES EM MATÉRIA FISCAL ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E BELIZE SOBRE TROCA DE INFORMAÇÕES EM MATÉRIA FISCAL A República Portuguesa e Belize a seguir designadas por as Partes, Desejando facilitar a troca de informações em

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 92/IX INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE/MATERNIDADE - (ALTERAÇÃO DE PRAZOS) Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 92/IX INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE/MATERNIDADE - (ALTERAÇÃO DE PRAZOS) Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 92/IX INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE/MATERNIDADE - (ALTERAÇÃO DE PRAZOS) Exposição de motivos O conhecimento da ascendência verdadeira é um aspecto relevante da personalidade individual,

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território A Lei Da Nacionalidade Lei N.º 01/05 De 01 de Julho Tornando se necessário proceder a alterações das principais regras sobre a atribuição, aquisição e perda da

Leia mais

Colóquio Indicadores de pluralismo no sector dos media Palácio Foz Lisboa 29 de Setembro de 2010

Colóquio Indicadores de pluralismo no sector dos media Palácio Foz Lisboa 29 de Setembro de 2010 Colóquio Indicadores de pluralismo no sector dos media Palácio Foz Lisboa 29 de Setembro de 2010 Indicadores de pluralismo Perspectiva da sociedade civil Ponto de vista da indústria Com os desenvolvimentos

Leia mais

Espanha-Alicante: Prestação de serviços de auditoria de certificação para o IHMI 2015/S 231-418942. Anúncio de concurso. Serviços

Espanha-Alicante: Prestação de serviços de auditoria de certificação para o IHMI 2015/S 231-418942. Anúncio de concurso. Serviços 1 / 6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:418942-2015:text:pt:html Espanha-Alicante: Prestação de serviços de auditoria de certificação para o IHMI 2015/S 231-418942

Leia mais

Economia Digital e Direito. Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas. Carolina Leão Oliveira. 19 Novembro 2013

Economia Digital e Direito. Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas. Carolina Leão Oliveira. 19 Novembro 2013 Economia Digital e Direito Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas Partilhamos a Experiência. Inovamos nas Soluções. Carolina Leão Oliveira 19 Novembro 2013 Matéria em causa: Uso do

Leia mais

Considerando os dados do quadro 1 relativos à indústria algodoeira em Portugal, em 1881:

Considerando os dados do quadro 1 relativos à indústria algodoeira em Portugal, em 1881: PROVA PARA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS 2014/2015 Escola Superior de Educação e Comunicação Licenciaturas em Educação Social e em Educação Básica Componente

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Ponto de situação em 31 de Outubro de 2007 As listas de consumidores com direito à restituição de caução foram

Leia mais

Prova Escrita de História B

Prova Escrita de História B EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de História B.º/2.º anos de Escolaridade Prova 72/2.ª Fase 9 Páginas Duração da Prova: 20 minutos. Tolerância:

Leia mais

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM?

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? A Justiça Militar Estadual por força de expressa vedação contida no art. 125, 4º, da CF/88, não tem competência

Leia mais

Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas. Prefácio

Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas. Prefácio Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas Prefácio Quando a Declaração de Lima, das directivas sobre os princípios do controlo, foi adoptada por unanimidade pelos delegados

Leia mais

Lei nº 52/2003, de 22 de Agosto

Lei nº 52/2003, de 22 de Agosto Lei nº 52/2003, de 22 de Agosto Lei de combate ao terrorismo (em cumprimento da Decisão Quadro nº 2002/475/JAI, do Conselho, de 13 de Junho) - Décima segunda alteração ao Código de Processo Penal e décima

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid INTRODUÇÃO A Convenção Apartheid foi aprovado pela Assembléia Geral da ONU em 1973, mas com um grande número de abstenções por

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

Decreto n.º 48/88 Acordo sobre Segurança Social entre Portugal e os Estados Unidos da América

Decreto n.º 48/88 Acordo sobre Segurança Social entre Portugal e os Estados Unidos da América Decreto n.º 48/88 Acordo sobre Segurança Social entre Portugal e os Estados Unidos da América Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único.

Leia mais

QUESTIONÁRIO. Sobre o Sistema de Patentes na Europa RESPOSTAS

QUESTIONÁRIO. Sobre o Sistema de Patentes na Europa RESPOSTAS QUESTIONÁRIO Sobre o Sistema de Patentes na Europa RESPOSTAS Secção 1 Princípios Gerais e Características do Sistema de Patente 1.1 Um dos princípios fundamentais em que se deve basear um bom sistema de

Leia mais

Publicado: I SÉRIE N.º 2 - «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 22 DE JANEIRO DE 2001

Publicado: I SÉRIE N.º 2 - «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 22 DE JANEIRO DE 2001 ASSEMBLEIA NACIONAL Lei nº134/v/2001 de 22 de Janeiro Actualmente ainda persiste no ordenamento jurídico cabo-verdiano um grande número de direitos praticamente sem garantia ou resposta. O domínio da protecção

Leia mais

Lei n. o 52/2003 22-08-2003...

Lei n. o 52/2003 22-08-2003... Lei n. o 52/2003 22-08-2003 Diploma consolidado Assunto: Lei de combate ao terrorismo (em cumprimento da Decisão Quadro n.º 2002/475/JAI, do Conselho, de 13 de junho) - décima segunda alteração ao Código

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET Minuta I CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta O PRESENTE CONTRATO FOI APROVADO PELO INSTITUTO DAS COMUNICAÇÕES DE PORTUGAL, NOS TERMOS E PARA OS EFEITOS DO ARTIGO 9/2 DO DECRETO

Leia mais

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados O Oitavo Congresso das Nações Unidas para a Prevenção do Crime e o Tratamento dos Delinquentes, Lembrando o Plano de Acção de Milão 139, adoptado pelo

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO I

DIREITO ADMINISTRATIVO I UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE DIREITO DIREITO ADMINISTRATIVO I 2.º Ano Turma B PROGRAMA DA DISCIPLINA Ano lectivo de 2011/2012 LISBOA 2011 Regente: Prof. Doutor Fausto de Quadros ELEMENTOS DE ESTUDO

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL Exposição de motivos O sigilo bancário foi instituído em Portugal, como noutros países, como uma garantia

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 6.11.2007 SEC(2007) 1425 DOCUMENTO DE TRABALHO DA COMISSÃO que acompanha a proposta de Decisão Quadro do Conselho que altera a Decisão Quadro 2002/475/JAI relativa

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos)

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) 1. O povo exerce o poder político através do sufrágio universal,

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461 Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461 Através do Decreto -Lei n.º 212/2006, de 27 de Outubro (Lei Orgânica do Ministério da Saúde), e do Decreto -Lei n.º 221/2007, de 29 de Maio,

Leia mais

Artigo 1.º Imunidade de jurisdição e insusceptibilidade de busca, apreensão, requisição, perda ou qualquer outra forma de ingerência

Artigo 1.º Imunidade de jurisdição e insusceptibilidade de busca, apreensão, requisição, perda ou qualquer outra forma de ingerência Resolução da Assembleia da República n.º 21/2002 Decisão dos Representantes dos Governos dos Estados- Membros da União Europeia, reunidos no Conselho, de 15 de Outubro de 2001, Relativa aos Privilégios

Leia mais

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares 23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns para regulamentar o

Leia mais

Artigo 2 (Proibição do Secretismo) As associações não podem ter carácter secreto.

Artigo 2 (Proibição do Secretismo) As associações não podem ter carácter secreto. EXTRACTO 1: Lei nº 8/91 1, de 18 de Julho, Regula o direito a livre associação Preâmbulo O direito a livre associação constitui uma garantia básica de realização pessoal dos indivíduos na vida em sociedade

Leia mais

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS Objectivo do presente documento O presente documento descreve a actual situação no que se refere ao comércio electrónico e serviços

Leia mais

Lei nº 37/81, de 3 de Outubro

Lei nº 37/81, de 3 de Outubro Lei nº 37/81, de 3 de Outubro TÍTULO I Atribuição, aquisição e perda da nacionalidade CAPÍTULO I Atribuição da nacionalidade Artigo 1.o Nacionalidade originária 1 São portugueses de origem: a) Os filhos

Leia mais

LEI N.º 15/2001, DE 5 DE JUNHO Artigo 1.º ÍNDICE. Lei n.º 15/2001

LEI N.º 15/2001, DE 5 DE JUNHO Artigo 1.º ÍNDICE. Lei n.º 15/2001 LEI N.º 15/2001, DE 5 DE JUNHO Artigo 1.º Lei n.º 15/2001 Artigo 1.º Regime Geral das Infracções Tributárias... 15 Artigo 2.º Norma revogatória... 16 Artigo 5.º Alteração da Lei das Finanças Locais...

Leia mais

74/CNECV/2013 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA

74/CNECV/2013 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA 74/CNECV/2013 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA PARECER SOBRE O PROTOCOLO ADICIONAL À CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM E A BIOMEDICINA, RELATIVO À INVESTIGAÇÃO BIOMÉDICA (Julho de

Leia mais

E-Alicante: Serviços de peritos financeiros relacionados com a gestão da tesouraria 2012/S 153-254863. Anúncio de concurso.

E-Alicante: Serviços de peritos financeiros relacionados com a gestão da tesouraria 2012/S 153-254863. Anúncio de concurso. 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:254863-2012:text:pt:html E-Alicante: Serviços de peritos financeiros relacionados com a gestão da tesouraria 2012/S 153-254863

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE O ESTATUTO DOS APÁTRIDAS

CONVENÇÃO SOBRE O ESTATUTO DOS APÁTRIDAS CONVENÇÃO SOBRE O ESTATUTO DOS APÁTRIDAS Aprovada em Nova Iorque, em 28 de Setembro de 1954 Entrada em vigor: 6 de Junho de 1960, em conformidade com o artigo 39.º As Altas Partes Contratantes, PREÂMBULO

Leia mais

ACORDO SOBRE PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES CELEBRADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES.

ACORDO SOBRE PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES CELEBRADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES. Resolução da Assembleia da República n.º 30/98 Acordo sobre Privilégios e Imunidades Celebrado entre o Governo da República Portuguesa e a Organização Internacional para as Migrações, assinado em Lisboa

Leia mais

REGISTO COMERCIAL. Isabel Quinteiro. Adjunta da Conservadora na Conservatória do Registo Predial e Comercial de Montemor-o-Velho

REGISTO COMERCIAL. Isabel Quinteiro. Adjunta da Conservadora na Conservatória do Registo Predial e Comercial de Montemor-o-Velho REGISTO COMERCIAL Isabel Quinteiro Adjunta da Conservadora na Conservatória do Registo Predial e Comercial de Montemor-o-Velho Outubro de 2010 Introdução IRN, IP É um instituto público integrado na administração

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos REGULAMENTO DO PROGRAMA COMUNICAÇÃO E GESTÃO DE CIÊNCIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito e objeto 1. O presente regulamento define as normas e os procedimentos de concurso para contratação

Leia mais

Declaração de Princípios sobre a Liberdade de Expressão em África

Declaração de Princípios sobre a Liberdade de Expressão em África União Africana Comissão Africana para os Direitos do Homem e dos Povos Declaração de Princípios sobre a Liberdade de Expressão em África Preâmbulo Reafirmando a fundamental importância da liberdade de

Leia mais

Aplicação do Regulamento «Reconhecimento Mútuo» a suplementos alimentares

Aplicação do Regulamento «Reconhecimento Mútuo» a suplementos alimentares COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E DA INDÚSTRIA Bruxelas, 1.2.2010 - Documento de orientação 1 Aplicação do Regulamento «Reconhecimento Mútuo» a suplementos alimentares 1. INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma Ano Lectivo 2010/2011 HISTÓRIA Agrupamento de Escolas de Fronteira Escola Básica Integrada Frei Manuel Cardoso 8º Ano Apresentação nº 10 Renascimento e Reforma Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional n.º 19/2011/A de 16 de Junho de 2011

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional n.º 19/2011/A de 16 de Junho de 2011 ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional n.º 19/2011/A de 16 de Junho de 2011 Regula o exercício da actividade dos profissionais de informação turística na Região

Leia mais

http://www.portugal-tchat.com/forum/histoire-portugal/3975-constituicao-de-1822-a.html CONSTITUIÇÃO DE 1822

http://www.portugal-tchat.com/forum/histoire-portugal/3975-constituicao-de-1822-a.html CONSTITUIÇÃO DE 1822 http://www.portugal-tchat.com/forum/histoire-portugal/3975-constituicao-de-1822-a.html CONSTITUIÇÃO DE 1822 1. ENQUADRAMENTO HISTÓRICO-POLÍTICO: Portugal vivia, por volta de 1820 um regime opressor causado

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DIREITO 12ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2014/2015

PLANIFICAÇÃO ANUAL DIREITO 12ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2014/2015 Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas PLANIFICAÇÃO ANUAL DIREITO 12ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2014/2015 (Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho, alterado pelo Decreto-Lei nº 91/2013,

Leia mais

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa O GOVERNO Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa «O Governo é o órgão de condução da política geral do país e o órgão superior da Administração Pública.» 1 Pela própria ideia que se retira

Leia mais