Direito Internacional Público. Introdução ao Estudo do Direito Internacional Público Aula 01/04

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Direito Internacional Público. Introdução ao Estudo do Direito Internacional Público Aula 01/04"

Transcrição

1 Aula 01/04 por Ahyrton Lourenço Neto 1. Surgimento do O DIP surge na Idade Média, fruto de inúmeros fatores sociais, políticos e econômicos, sendo que na Antiguidade não existia um DIP propriamente dito e sim apenas um Direito que se aplicava às relações entre cidades vizinhas, de língua comum, de mesma raça e religião, pois não existia um direito comum nem igualdade ente as partes. O marco do surgimento do DIP, como ciência autônoma e sistematizada, foi no século XVII, a partir do Tratado de Westfália de 1648, qual colocou fim à Guerra dos Trinta Anos. A Guerra dos Trinta Anos foi um conflito sangrento entre católicos e protestantes entre 1618 a A Paz de Westfália é considerada o divisor de águas do, bem como marcou o surgimento do Estado Moderno, que passa a ser o ator mais importante do DIP. 2. Direito Internacional e Direito Interno O Direito Interno subordina os sujeitos de direito a um poder central que estabelece a lei e os faz respeitá-la, graças a um aparelho institucional que pode recorrer a força, por sua vez o Direito Internacional pressupõe a promulgação em comum, por meio de acordo, de uma regulamentação, cabendo cada Estado avaliar a dimensão do dever que lhe incumbe e as condições de sua execução. Enquanto o Direito Interno está voltado para o indivíduo o Direito Internacional é um conjunto de normas que visam reger as relações entre os Estados Soberanos e estes com o homem. 3. X Direito Internacional Privado Enquanto o preocupa-se com as relações entre os sujeitos de Direito Internacional (Estados, organismos internacionais e outras coletividades) aplicando regras, princípios e costumes internacionais. O Direito Internacional Privado, que é uma subdivisão do Direito Interno, busca a solução de conflitos de leis no espaço, isto é, numa relação jurídica em que se observa um elemento estranho ao país, são aplicáveis as normas desse ramo de Direito, que indica, através dos chamados elementos de conexão, qual o Direito substantivo que resolve o problema: o nacional ou o estrangeiro. O direito internacional privado está regulado pela Lei de Introdução ao Código Civil. 1

2 4. Fontes do As fontes do estão localizadas no artigo 38 do Estatuto da Corte Internacional de Justiça: a) Convenções internacionais b) Costume internacional c) Princípios gerais de direito d) Doutrina internacional e) Jurisprudência internacional Novas Fontes a) Atos Unilaterais b) Decisões das Organizações Internacionais c) Analogia Fontes Primárias Convenções internacionais Costume internacional Princípios gerais de direito Meios Auxiliares d) Doutrina internacional e) Jurisprudência internacional f) Eqüidade art. 38 2º do ECIJ 5. Sujeitos de Sujeito de direito internacional, ou pessoa de direito internacional, é toda aquela a quem se reconhece a capacidade de possuir direitos e contrair obrigações em âmbito internacional na esfera internacional. Podem ser classificados em: a) sujeitos primários: Estados (concebido na Antigüidade clássica); b) sujeitos secundários: Organizações internacionais Apesar de não serem inseridos na classificação acima, não podemos esquecer da Santa Sé (equiparada por RESEK a um estado soberano), das ONG S, do próprio homem (principalmente, como sendo beneficiário das normas internacionais protetivas), das sociedades transnacionais e multinacionais (em relação às quais se buscam normais internacionais fiscalizadoras de suas atividades), por vezes, superiores aos próprios Estados, quando estes são subdesenvolvidos ou em desenvolvimento. 5. Sujeitos de Charles de Rousseau, por sua vez, tem uma classificação quadripartite para os sujeitos de direito internacional: -Estados; -Coletividades interestatais (Organizações Internacionais); -Coletividades não Estatais; -Indivíduo. Estados ou Entes Beligerantes X Estado de Insurgência Para se reconhecer um estado de beligerância é necessário que no Estado beligerante tenha as seguintes características: 1) Respeitar a lei internacional; 2) Possua governo organizado; 3) Dominem efetivamente um território impondo sua própria lei; 4) Mantenha um exército organizado sob o molde da hierarquia militar. Diante da necessidade dessas obrigatoriedades, é mais comum o reconhecimento do Estado de Insurgência, pois para o reconhecimento desse da Insurgência o Estado não necessita de todas as características dos estados beligerantes. Por sua vez a declaração de insurgência não iguala os estados, na realidade se reconhece que existe um problema, mas os Estados não se posicionam. 2

3 Santa Sé Já a Santa Sé é ente sui generis, emergindo como sujeito de direito internacional a partir da separação entre Estado e Igreja Católica, após a unificação italiana. Nenhum Estado deixou de reconhecer personalidade jurídica à Santa Sé, e a Itália o fez através dos Acordos de Latrão, criando a cidade-estado do Vaticano, base territorial da Santa Sé. 5.1 Estado Soberano O Estado, para ser considerado como tal, nos termos da Convenção Interamericana sobre Direitos e Deveres dos Estados, firmada em Montevidéu, em 1933, necessita possuir, teoricamente, um agrupamento humano estabelecido permanentemente em um território determinado e sob um governo independente, ou seja, nas palavras de Hildebrando Accioly, o Estado, para ser reconhecido como tal, necessita de quatro requisitos: a) População permanente; b) Território determinado; c) Governo; d) Capacidade de entrar em relação com os demais Estados População A população é um agrupamento de pessoas divididas em nacionais e estrangeiros onde os primeiros possuem os direitos e deveres políticos que, via de regra, não são dados aos estrangeiros. O art. 12 da Constituição da República estabelece a regra geral para reconhecimentos dos brasileiros natos e naturalizados e, conseqüentemente, os estrangeiros: Território delimitado O território é o espaço delimitado onde se encontram a população e o governo e no qual o Estado exerce, válida e de maneira permanente sua soberania e domínio exclusivo. A expressão território delimitado não deve ser entendida em sentido absoluto, pois muitos países, principalmente da América Latina e atualmente da África foram internacionalmente reconhecidos, muito embora suas fronteiras ainda não fossem definitivas. Diante do princípio da igualdade jurídica dos Estados a extensão territorial não mais influi sobre a personalidade jurídica internacional do Estado, como acontecia antes da II GM, onde a personalidade jurídica dos microestados como Andorra, Mônaco, Liechtenstein e San Marino era discutida. Porém a ONU, no relatório do Secretário-geral U Thant já prescreveu que esses microestados, possivelmente, constituirão um dos mais graves problemas da ONU, vez que é quase impossível a sobrevivência desses sem o auxílio das antigas metrópoles ou das Organizações internacionais. O território de um país não se limita ao domínio terrestre de determinada área, mas se estende ao espaço aéreo e espaços marítimos Domínio Terrestre O território terrestre compreende solo e subsolo existente dentro de suas fronteiras e também as ilhas que lhe pertencem. Praticamente se não se faz distinção entre fronteira e limite, mas doutrinariamente existe diferença. Os limites são a linha divisória dos Estados, possuindo em regra marcos, as fronteiras são zonas, faixas, que acompanham os limites. O 2º do art. 20 da CR determina que a faixa de fronteira brasileira compreende a área de 150 km, sendo considerada fundamental para defesa do território nacional, e sua ocupação e utilização serão reguladas em lei. Os limites são divididos em linhas secas, geralmente possuem marcos, ou acidentes geográficos (montanhas, rios e lagos). a) Limites em montanhas b) Limites em rios c) Limites em lagos Cumeadas Divisor de Águas Margem do rio Médio Fluvial Condomínio Linha de Talvegue Margem do lago Prolongamento das Margens 3

4 Domínio Fluvial O domínio fluvial do Estado é constituído pelos rios e demais cursos de água que cortam seu território. Os rios são classificados em nacionais, por correrem inteiramente dentro do território de um Estado, e internacionais, quando atravessam ou separam os territórios de dois ou mais Estados. Os rios nacionais, em regram, estariam fora dos limites de competência do Direito Internacional, porém aos poucos o DIP vem abarcando esses rios no que tange algumas obrigações em matéria de navegação, uso das suas águas, pesca e defesa do meio ambiente, sendo que a Convenção sobre o Direito do Mar, especificamente em seus art. 66 e 67, quais regulam da pesca de espécies que vivem no mar e usam os rios para se reproduzirem, e o art. 207, qual versa sobre a poluição de origem terrestre. Os rios internacionais são classificados em contíguos, quando correm entre os territórios de dois Estados, sendo que a soberania será exercida até o limite da linha divisória, ou sucessivos quando atravessam os territórios de dois ou mais Estados, quando a soberania é exercida sobre a parte do rio dentro do seu território Domínio Marítimo O domínio marítimo compreende as águas interiores, o mar territorial, a zona contígua, a zona econômica exclusiva e a plataforma continental. Em 1982 foi estabelecida a Convenção sobre Direito do Mar, assinada em Montego Bay, tomando-se por base a Conferências das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, realizadas em Genebra em 1958 e 1960, sendo que entrou em vigor na legislação pátria em decorrência da Lei 8.617/93, qual substituiu o Decreto 1.099/70. Análise da Lei 8.617/93: Mar Territorial Águas e Mares Internos Zona Contígua Zona Econômica Exclusiva Plataforma Continental Domínio Marítimo Plataforma Continental brasileira - Plano de Levantamento da Plataforma Continental Brasileira (Leplac) 4

5 Domínio Aéreo O território aéreo é espaço aéreo correspondente ao território até a altura determinada pelas necessidades de segurança do país, neste incluindo as águas territoriais adjacentes, o que nos leva a entender uma linha vertical estendida até o infinito. O documento básico que regulamenta a aviação civil é a Convenção Internacional sobre Aviação Civil de 1944, assinada em Chicago, não sendo aplicável a aeronaves pertencentes a Estado, ou seja, aeronave militar, política ou alfandegária, salvo na proibição da travessia inofensiva, dessa forma, disciplina que o sobrevôo do território de outro Estado, sem prévia autorização, somente é permitido a aeronaves civis. A Convenção de Chicago também criou a Organização de Aviação Civil Internacional ou OACI, também conhecida por sua sigla em inglês, ICAO (International Civil Aviation Organization), é uma agência especializada das Nações Unidas criada em 1944 com 189 países-membros. Sua sede permanente fica na cidade de Montreal, Canadá Governo e Soberania O terceiro e o quarto elementos constitutivos do Estado se completam. Em outras palavras, é necessária a existência de um governo soberano, isto é, de um governo não subordinado a qualquer autoridade exterior e cujos únicos compromissos sejam pautados pelo próprio Direito Internacional. O governo é a organização política do Estado; o poder como uma necessidade de se manter a própria organização social. Ou seja, o Estado deve possuir soberania ou independência, entendendo-se como tal a autonomia e a plenitude de competências. A soberania, por sua vez, alguns a vêem como um quarto elemento constitutivo (admitindo que certos entes não têm soberania, são os quase-estados, ou Estados compostos por Subordinação, adiante elencados). Para outros autores, a soberania é característica que deflui logicamente das outras três. Hoje, há uma maior graduação do conceito de soberania, mesmo relativizada. A interdependência entre os entes de direito internacional é cada vez maior; avança-se na idéia de integração, abrindo-se mão de competências consideradas intransferíveis tempos atrás. O Direito Internacional seria impossível se não se relativizasse a soberania, mantendo-se, porém, uma parcela desta, porque a total submissão dos Estados significaria a autofagia de direito internacional, que passaria, assim, a ser supranacional. O Governo de um Estado será sempre dividido em Forma de Governo (Monarquia ou República) e Sistema de Governo (Presidencialista ou Parlamentarista). 6. Classificação dos Estados Os Estados podem ser classificados conforme a sua estrutura em simples ou compostos, para melhor explicação da matéria preliminarmente apresento-lhes um esquema prático para depois trabalhar cada definição. Estados Simples Compostos Coordenação Estado Federal Confederação de Estados União de Estados Commonwealth Subordinação Estada Vassalos Protetorados Estados Clientes Estados Satélites Estados Exíguos. 5

6 6.1 Estados Simples Nos estados simples têm-se um poder único e centralizado. Nesses estados unitários ou de poder único os poderes (executivo, legislativo e judiciário) fazem parte de estrutura unificada, embora seja possível a descentralização de cada uma dessas funções administrativamente. Ex: França. São considerados simples aqueles que apresentam um único poder centralizado, sendo, por conseguinte, a sua personalidade internacional uma e única (ex: França). Para o Direito Internacional, portanto, estes Estados não apresentam maiores problemas. 6.2 Estados Compostos Estados Compostos por Coordenação Estado Federal ou Federação de Estados É formado pela união de vários Estados, que perdem a soberania em favor da União Federal ou governo federal. A personalidade internacional é da União, possuindo esta o direito de convenção fazer tratados e o direito de legação receber e enviar diplomatas. São exemplo de Estados Federais: Os Estados Unidos da América (pós Constituição de 1789); Suíça (pós Constituição de 1848); República Federativa da Alemanha (desde 1949); México (desde 1875); Argentina (1860); Venezuela (1893). O Brasil surgiu como Estado Simples (imperador delegava o presidente da província), mas desde a constituição de 24 de fevereiro de 1891 o Brasil é um Estado Federal Confederação de Estados É um agrupamento de Estados com a finalidade de assegurar a defesa comum. Os estados membros mantêm sua soberania, com direito de legação e convenção, cedendo parte dela para fins especiais, principalmente a manutenção da paz entre os estados confederados, a defesa mútua e a proteção dos interesses comuns. O órgão central da Confederação, em regra, é chamado de Dieta e suas deliberações são tomadas por unanimidade ou maioria qualificada e somente podem ser executadas por intermédio do governo diretamente interessado. A dieta é uma conferência de agentes diplomáticos, também denominados de agentes plenipotenciários. Uma de suas características é o direito de secessão dos Estados que a formam, ou seja, a possibilidade de se separar do resto dos membros da Confederação. A Confederação não é um novo Estado e atualmente não existe nenhuma confederação de estados. Foram exemplos: A Confederação Helvética (1291 a 1848); A República das Províncias Unidas dos Países Baixos (1579 a 1795); A Confederação Americana - EUA (1781 a 1789); Confederação Germânica (1815 a 1866); a União Centro-americana (1895 a 1898); Confederação Argentina (1810); Confederação dos Estados da Alemanha do Norte (1866 a 1871). 6

7 União de Estados União Pessoal A união pessoal resulta de um acaso, acidental e temporária, nas leis de sucessão. Praticamente só pode existir na monarquia, quando o monarca de um Estado torna-se soberano de outro em virtude de um fato acidental, sem alterar a lei de sucessão. Foram exemplos de União Pessoal: Carlos I da Espanha foi coroado imperador da Alemanha ( ); Lituânia e Polônia (1386 a 1569); Grã-bretanha e Hanôver (1714 a 1837); Holanda e Luxemburgo (1815 a 1890); Rei da Bélgica assume o Congo da Bélgica (1885 a 1908) Carlos I da Espanha Leopoldo II da Bélgica União de Estados União Real Na união real, a identidade do chefe de Estado é desejada, e não resulta de uma fato acidental e sim de um ato jurídico interno ou internacional, nesse tipo de união as coroas e as leis de sucessão se fundem. Alguns exemplos existem de união real na história: Polônia e Lituânia (1569 até p séc XVIII); Suécia e Noruega ( ); Áustria e Hungria ( ); Dinamarca e Grã-bretanha (1918 a 1944); Brasil Portugal (1815); União das Coroas Ibéricas (Portugal e Espanha); Reino da Grã-bretanha (Inglaterra, País de Gales e Escócia). União Incorporada Quando dois ou mais Estados soberanos se unem para formar um terceiro Estado soberano. Como exemplo o Sultanato de Zanzibar e a República de Tangatica, em 1964, uniram-se para formar a República da Tanzânia, e o Iêmen do Norte e Iêmen do Sul uniram-se para formar a República do Iêmen Commonwealth (Comunidade Britânica de Nações) É uma formação sui generis, que abrange os domínios, colônias autônomas, colônias da Coroa e territórios sob tutela. Não possui personalidade internacional e o símbolo dessa união é a Coroa Britânica. Seus Estados-membros são plenamente soberanos e se acham associados em pé de perfeita igualdade, especialmente para fins de natureza política. A Commonwealth possui uma Conferência de Primeiros Ministros, que se reúne em Londres sem prazo marcado, com objetivo consultivo. A Commonwealth tem historicamente por objetivo promover a integração entre as ex-colônias do Reino Unido, concedendo benefícios e facilidades comerciais, mas agora os seus objetivos incluem a assistência educacional aos seus países-membros e a harmonização das suas políticas. Atualmente os países da Comunidade Britânica representam cerca de 30% de todo o comércio mundial. São membros atualmente: África do Sul, Antigua e Barbuda, Austrália, Bahamas, Bangladesh, Barbados, Belize, Botswana, Brunei, Camarões, Canadá, Chipre, Fiji, Granada, Guiana, Índia, Jamaica, Quênia, Kiribati, Lesoto, Malawi, Maldivas, Malta, Maurícia, Moçambique, Namíbia, Nauru, Nova Zelândia, Nigéria, Paquistão, Papua Nova Guiné, Saint Kitts e Nevis, Salomão, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas, Samoa, Seicheles, Serra Leoa, Singapura, Sri Lanka, Suazilândia, Reino Unido, Tonga, Trindade e Tobago, Tuvalu, Uganda, Vanuatu e Zâmbia. 7

8 6.2.2 Estados compostos por subordinação São aqueles que se subordinam ao outro, de modo a influir na soberania; Estados, vassalos, Protetorado, Estado-Cliente, Estado-Satélite, estado Exíguo. Nos Estados Compostos por Subordinação há uma mitigação na soberania, vez que nesses estados há uma relação de poder entre forças. Portanto há hierarquia, na qual a capacidade internacional do subordinado é limitada pelo estado subordinante. Estado Vassalo Estados que, apesar de dominados, mantinham alguma autonomia, no entanto pagavam tributos e forneciam tropas, sendo que o Estado suserano fornecia proteção. A vassalagem era uma situação transitória, ou os Estados tornavam-se independentes ou eram completamente anexados. Foram Estados Vassalos do Império Otomano e ficaram independentes depois os Principados da Valáquia e da Moldávia. A Borgonha foi vassalo do Reino da França, sendo completamente anexada. Borgonha Moldávia ou Moldova Estado Protetorado Caracteriza-se pela subordinação de um Estado a outro, mantendo uma parcela de independência, em virtude de um tratado, mas delegavam ao Estado Protetor para que este o proteja e o represente externamente, não sendo obrigado a pagar tributos nem fornecer tropas. Exemplos: Porto Rico foi protetorado dos EUA; Marrocos e Tunísia foram protetorados da França; Abissínia da Itália; Egito e Transvaal da Inglaterra. Estados Clientes Eram Estados da América Central, que entregavam a administração de sua alfândega, do exército e/ou de parcela do serviço público para os EUA, fruto da política do big-stick, implementada por Theodore Roosevelt. Ex. Cuba (1901 e 1934); Panamá (1903); República Dominicana (1907); Haití (1915); Filipinas ( ). Estados-Satélites Tinham situação semelhante a dos Estados-clientes, todavia estavam vinculados à União das Repúblicas Socialistas Soviéticas URSS na área militar, econômica e comercial. Desapareceram com o esfacelamento da URSS. Foram exemplos: Tcheco-eslováquia, Polônia, Hungria, Romênia e a Bulgária. Estados exíguos Por possuírem território minúsculo, não podem exercer, plenamente a soberania, subordinando-se, em regra, ao estado contíguo. São providos de água, segurança, e outros serviços essenciais através de outros Estados. Não possuem moeda própria e até a década de 90 não podiam participar plenamente da ONU. São exemplos San Marino e Vaticano (Itália), Andorra (França/Espanha), Mônaco (França), Lesoto (África do Sul). 7. Reconhecimento de um Estado No momento em que surge um Estado na sociedade internacional, os já existentes podem reconhecer a sua existência, como integrante da ordem internacional, de duas maneiras: a) Expressa (através de um ato formal); b) Tácita (celebração de acordo). Apesar de não existir um momento específico em que se considere reconhecido um estado, a teoria do Direito Internacional apregoa que só há a consubstanciação de uma coletividade em Estado quando esta preencher três requisitos: a) Possuir governo independente, com autonomia na conduta dos seus negócios exteriores; b) Quando esse governo possuir autoridade efetiva sobre os eu território e população, cumprindo, também, com as suas obrigações internacionais; c) quando possuir um território delimitado. 8

9 7.1 Natureza Jurídica do Reconhecimento de um Estado Dentre as teorias existentes sobre a natureza jurídica do reconhecimento de Estão, vamos estudar três: a constitutiva, a declaratória e a mista. I Para a Teoria Constitutiva (Openheim, Jellinmek), a personalidade do Estado seria constituída a partir do reconhecimento do Estado, ou seja o estado não existe antes de ser reconhecido. Para Jellinek e Openheim, o ente deve ser reconhecido primeiramente pela Metrópole, refletindo um pensamento eurocêntrico (de fora para dentro). Objeções: 1) Qual o número de reconhecimentos necessários para que o ente se torne Estado? 2) E os atos praticados pelo Estado antes do seu reconhecimento pelos outros?são inexistentes?nulos?anuláveis?(insegurança jurídica perigo de transformação em instrumento de manipulação política). II A Teoria Declaratória (Scelle e Aciolly) por sua vez, entende que o reconhecimento é simples ato de constatação de um Estado preexistente. O estado já existia, o reconhecimento apenas declarou sua existência. Uma vez reunidos os elementos essenciais (povo, território, governo), o ente já poderia ser considerado Estado. O Estado não perde sua natureza por estar isolado, ainda que na prática é difícil conceber um Estado que consiga sobreviver em isolamento absoluto. III Finalmente, a Teoria Mista (Lauterpach) é eclética e congrega as duas anteriores (constitutiva e declaratória), pois no reconhecimento, a constatação de um fato se dá ao mesmo tempo em que se estabelece uma relação de direitos e deveres desse novo Estado com aquele que o reconhece. 7.2 Reconhecimento de Estado X Reconhecimento de Governo Não se pode confundir reconhecimento de Estado com reconhecimento de Governo. O primeiro pressupõe o segundo, isto é para reconhecer o Estado é necessária a existência de um governo, mas pode haver o reconhecimento de governo não originário (derivado governo de fato), em um Estado que já existe há tempo (no qual havia um governo de direito) quando há mudanças políticas (Ex.revoluções). A doutrina brasileira assevera que para o reconhecimento de um governo são necessários os seguintes requisitos: 1) a existência de um governo aceito e obedecido pelo povo; 2) a estabilidade desse governo; 3) a aceitação, por este, da responsabilidade pelas obrigações internacionais do respectivo Estado. Acrescentam, ainda, alguns doutrinadores que o novo governo deve respeitar as Quatro Liberdades: 1) Liberdade de todo homem adorar a Deus; 2) Liberdade de Locomoção; 3) Libertação do Medo; 4) Libertação da Miséria. 8. Extinção e Sucessão dos Estados O Direito internacional prevê, ainda, a extinção dos Estados e a sucessão de responsabilidades internacionais. A Extinção de um Estado dá-se quando desaparece um dos elementos constitutivos do Estado, ele se extingue, ou melhor, deixa de existir como pessoa internacional. A extinção poderá ser parcial ou total, quando o Estado cessa inteiramente de existir ou perde apenas uma parte de sua personalidade internacional. A sucessão dá-se, nos termos das Convenções de Viena de 1978 e 1983, quando um Estado predecessor é substituído pelo Estado sucessor na responsabilidade pelas relações internacionais de determinado território. As principais responsabilidades abordas pelo DIP são quanto aos Tratados, ao Domínio do Estado (bem público), à Nacionalidade, às Obrigações Financeiras e Legislação Interna. Dessa forma, podemos concluir que a extinção de um estado está vinculada com os aspectos materiais de formação desse estado (elementos constitutivos) e a sucessão quanto à responsabilidade no âmbito internacional desse Estado, sendo que via de regra, sempre que houver extinção de um estado acarretará em conseqüente sucessão de direitos internacionais. 9

10 Emancipação ou Desmembramento Nesse caso o novo Estado se desvincula do antigo, podendo formar um ou mais novos estados mediante revolução ou desaparecimento de tratados internacionais. A sucessão se dá: a) Desaparecimento dos Tratados; b) Os novos estados dominam os bens que estão em seu território; c) Nova nacionalidade conforme o território habitado; d) As dívidas locais são de responsabilidade local e as gerais são divididas na proporção do número de habitantes de cada novo estado; e) Lentamente há uma modificação na legislação. São exemplos de emancipação ou desmembramento: 1) independência do Brasil em 1822; 2) Grã Colômbia em 1930 (foi desmembrada em Colômbia, Venezuela e Equador); 3) Polônia em 1795 (teve ser território dividido entre a Áustria, Prúcia e Rússia); 4) Império Austro-Húngaro, pós I GM (desmembrou em Hungria, Áustria e Tcheco-Eslováquia, sendo alguns territórios cedidos à Polônia e Iugoslávia); 5) URSS os antigos estados desapareceram para dar lugar a novos sujeitos de direito internacional. Fusão Quando dois ou mais Estados soberanos se reúnem, perdendo sua personalidade internacional, formando um terceiro estado soberano, com uma nova personalidade internacional. Quanto à sucessão: a) Desaparecimento dos Tratados e formulação de novos tratados; b) Os bens passam a ser os que estiverem no novo território; c) Nova nacionalidade para todos os habitantes do novo estado; d) As dívidas passam ao Estado resultado da fusão; e) Depende da fusão há também uma fusão legislativa, mas muitas vezes há aplicação da legislação do antigo estado mais potente, havendo lentamente há uma adaptação de normas. São exemplos de fusão a já mencionada República da Tanzânia (em 1964, fundiu-se o Sultanato de Zanzibar com a República de Tanganica); a Itália (em 1860, fundiu-se o Piemonte do Reino de Nápoles e dos Ducados de Modena, Parma e Toscana). Anexação total Consiste na absorção de um Estado por outro, extinguindo-se a personalidade do Estado absorvido; Quanto à sucessão: a) Desaparecem os Tratados, exceto os tratados reais sobre limites; b) Os bens são dominados integralmente pelo Estado que anexou; c) Os habitantes do Estado anexado passam a adotar a nacionalidade do Estado que anexou; d) Todos os créditos e débitos passam para o Estado que anexou; e) É aplicada na área anexada a legislação do Estado que anexou; É exemplo de anexação total a incorporação da Alemanha Oriental à Ocidental, a Áustria foi anexada pela Alemanha em 1938 e a Coréia foi anexada ao Japão em Anexação parcial Um estado perde parte de seu território em proveito do outro. Quanto à sucessão: a) Desaparecem todos os tratados, inclusive os Reais; b) Os bens são dominados em razão do território; c) Na teoria os habitantes podem optar manter a nacionalidade original ou adotar a nova nacionalidade, o que traz um problema grave, pois manter a nacionalidade e permanecer na terra faz dos habitantes estrangeiros na própria terra (Alemanha pós-guerra); d) Dívidas locais passam ao Estado anexante e dívidas gerais o Estado anexante herda na proporção do numero de habitantes na área anexada; e) É aplicada na área anexada a legislação do Estado que anexou. Como exemplo temos a anexação do Estado brasileiro do Acre. Até o início do século XX o Acre pertencia à Bolívia. Porém, desde o princípio do século XIX, grande parte de sua população era de brasileiros que exploravam seringais e que, na prática, acabaram criando um território independente. 10

11 Obrigado pela atenção! Ahyrton Lourenço Neto 11

Necessidade de visto para. Não

Necessidade de visto para. Não País Necessidade de visto para Turismo Negócios Afeganistão África do Sul Albânia, Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia. Argentina Ingresso permitido com Cédula de Identidade

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil País Afeganistão África do Sul Albânia Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Austrália

Leia mais

Argentina Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias. Entrada permitida com Cédula de Identidade Civil

Argentina Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias. Entrada permitida com Cédula de Identidade Civil PAÍS Visto de Turismo Visto de Negócios Observação Afeganistão Visto exigido Visto exigido África do Sul Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias Albânia Dispensa de visto,

Leia mais

L A E R T E J. S I L V A

L A E R T E J. S I L V A MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Entrance Visas in Brazil ( Updating on 01/11/2013 )

Entrance Visas in Brazil ( Updating on 01/11/2013 ) Entrance Visas in Brazil ( Updating on 01/11/2013 ) Legend # Entrance allowed by presenting Civil Identity Card * - Maximum stay of 90 days every 180 days For more informations: Phone: +55 11 2090-0970

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/02/2013) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/02/2013) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Argentina Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias. Entrada permitida com Cédula de Identidade Civil

Argentina Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias. Entrada permitida com Cédula de Identidade Civil PAÍS Visto de Turismo Visto de Negócios Observação Afeganistão Visto exigido Visto exigido África do Sul Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias Albânia Dispensa de visto,

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM

PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM 1 PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM 2 17. TABELA DE VISTOS Apresentamos a seguir uma tabela

Leia mais

Brasil 2012 SERVIÇOS E TARIFAS

Brasil 2012 SERVIÇOS E TARIFAS SERVIÇOS E TARIFAS Soluções FedEx para o seu negócio Caso você tenha necessidade de enviar documentos urgentes, economizar em remessas regulares ou enviar cargas pesadas, a FedEx tem uma solução de transporte

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 14/05/2014) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 14/05/2014) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial ONU A ONU (Organização das Nações Unidas) foi fundada no dia 24 de outubro de 1945, em São Francisco, Estados Unidos. O encontro

Leia mais

ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS)

ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS) ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS) NACIONALIDADES Cód. Afeganistão 101 África do Sul 102 Albânia 103 Alemanha 104 Ando ra 105 Angola 106 Angui la 107 Antigua e Barbuda 108 Antilhas Holandesas

Leia mais

Tributação Internacional Junho 2014

Tributação Internacional Junho 2014 www.pwc.pt/tax Tributação Internacional Junho 2014 Perante a aldeia global em que vivemos, atuar apenas no mercado doméstico não é suficiente. De facto, a internacionalização é um requisito obrigatório

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 24/11/2015) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 24/11/2015) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Brasil 2015. FedEx International Priority. FedEx International Economy 3

Brasil 2015. FedEx International Priority. FedEx International Economy 3 SERVIÇOS E TARIFAS Soluções FedEx para o seu negócio Caso você tenha necessidade de enviar documentos urgentes, economizar em remessas regulares ou enviar cargas pesadas, a FedEx tem uma solução de transporte

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

Tratados Internacionais

Tratados Internacionais Tratados Internacionais 1. Definição e elementos art. 2º da Convenção de Viena sobre Direito dos Tratados (acordo, celebrado entre pessoas do DIP, por escrito, regido pelo DIP, previsto em único ou múltiplos

Leia mais

Como não organizar todos os países do mundo?

Como não organizar todos os países do mundo? Como não organizar todos os países do mundo? A FIFA tem federações de 186 países independentes, de 19 regiões não independentes e das 4 regiões do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte (abreviado

Leia mais

Introdução... 14. 1. Brasões de Armas da África... 16 1.1. África do Sul... 16

Introdução... 14. 1. Brasões de Armas da África... 16 1.1. África do Sul... 16 Sumário Introdução... 14 1. Brasões de Armas da África... 16 1.1. África do Sul... 16 1.1.1. Brasões de Armas da África do Sul... 18 1.1.2. Brasão de armas e Botswana... 23 1.1.3. Brasão de armas do Lesoto...

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. Amanda Vasconcelos de Araújo 2º ANO 4 Tarde - Sala 402 Prof. Fernandes

BLOCOS ECONÔMICOS. Amanda Vasconcelos de Araújo 2º ANO 4 Tarde - Sala 402 Prof. Fernandes BLOCOS ECONÔMICOS Amanda Vasconcelos de Araújo 2º ANO 4 Tarde - Sala 402 Prof. Fernandes Blocos Econômicos Introdução Os blocos econômicos surgiram da necessidade de desenvolver a economia de determinados

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/ PPGD/2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/ PPGD/2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/ PPGD/2012 Disciplina a concessão de Recursos do PROEX/CAPES para a participação

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes.

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes. 3. Geografia Turística 3.1 Geografia Turística: Brasil de Ponta a Ponta Proporcionar ao participante melhor compreensão geográfica do país; Apresentar as principais especificidades existentes nos continentes

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 2.070. Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas.

CARTA-CIRCULAR N 2.070. Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas. CARTA-CIRCULAR N 2.070 Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas. Divulga relação das missões diplomáticas, repartições consulares de carreira e representações

Leia mais

SWAZILÂNDIA E TANZÂNIA. Across Mundovip Quadrante Soltrópico TUNÍSIA. Club Med Grantur Mundovip Soltrópico. Travelers Travelplan U GANDA.

SWAZILÂNDIA E TANZÂNIA. Across Mundovip Quadrante Soltrópico TUNÍSIA. Club Med Grantur Mundovip Soltrópico. Travelers Travelplan U GANDA. Quem programa o quê? ÁFRICA ÁFRICA DO SUL ANGOLA BOTSWANA CABO VERDE EGIPTO GUINÉ-BISSAU LÍBIA MARROCOS MAURÍCIAS MOÇAMBIQUE NAMÍBIA QUÉNIA SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE SENEGAL SEYCHELLES SWAZILÂNDIA E TANZÂNIA

Leia mais

A lista que se segue mostra o sistema de definição de televisão standard utilizado na maioria dos Países do Mundo. American Forces Radio.

A lista que se segue mostra o sistema de definição de televisão standard utilizado na maioria dos Países do Mundo. American Forces Radio. SISTEMAS DE TV MUNDIAIS Países diferentes usam sistemas de TV diferentes. A diferença entre estes sistemas reside em parte na forma como a informação do sinal de cor é modulada com a informação de luminosidade

Leia mais

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006 PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006 Versão: 1.0 Pág.: 1/7 1. ACESSO DIRECTO Chamadas DENTRO DO PAÍS Não Corp Corp Local 0,0201 0,0079 Local Alargado 0,0287 0,0105 Nacional 0,0287 0,0105 FIXO MÓVEL

Leia mais

DDI VIA EMBRATEL Relação de países e seus respectivos códigos de acesso

DDI VIA EMBRATEL Relação de países e seus respectivos códigos de acesso PAIS CODIGO ACESSO DDI AFEGANISTAO 93 N AFRICA DO SUL 27 S ALASCA 1 S ALBANIA 355 S ALEMANHA 49 S ANDORRA 376 S ANGOLA 244 S ANGUILLA 1 S ANT.HOLANDESAS 599 S ANTIGUA 1 S ARABIA SAUDITA 966 S ARGELIA 213

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Portugal Acordos Bilaterais Celebrados

Mercados. informação regulamentar. Portugal Acordos Bilaterais Celebrados Mercados informação regulamentar Portugal Acordos Bilaterais Celebrados Janeiro 2013 Índice 5 NOTA DE PRÉVIA 6 ENQUADRAMENTO GERAL A 7 ÁFRICA DO SUL 7 ALBÂNIA 7 ALEMANHA 8 ANDORRA 8 ANGOLA 9 ANGUILLA 10

Leia mais

Plano específico para a modalidade LDI (Longa Distância Internacional) utilizando o CSP (Código de Seleção da Prestadora) 17 da Transit.

Plano específico para a modalidade LDI (Longa Distância Internacional) utilizando o CSP (Código de Seleção da Prestadora) 17 da Transit. A. NOME DA EMPRESA Transit do Brasil S.A. B. NOME DO PLANO Plano Básico de Serviço LDI (Longa Distância Internacional). C. IDENTIFICAÇÃO PARA A ANATEL Plano Básico de Serviço LDI (Longa Distância Internacional).

Leia mais

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC Categorias / Products:, INDUSTRIALIZADA / PROCESSED,,, 1 de 16 2000 1999 %(2000x1999) Janeiro / January US$ (000) US$/Ton 25.537 9.793 2.608 15.392 4.375 3.518 66% 124% -26% INDUSTRIALIZADA / PROCESSED

Leia mais

IX. Dispensa de Visto de Entrada para Portadores de Passaporte e de Título de Viagem da RAEM

IX. Dispensa de Visto de Entrada para Portadores de Passaporte e de Título de Viagem da RAEM IX. Dispensa de Visto de Entrada para Portadores de Passaporte e de (países ordenados por continente) Ásia Brunei 14 dias --- Camboja 30 dias c) --- Coreia do Sul 90 dias --- Filipinas 14 dias --- Indonésia

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA (UNILAB)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA (UNILAB) RESOLUÇÃO N 13/2013, DE 06 DE AGOSTO DE 2013. Dispõe sobre a criação do Programa de Apoio à participação de discentes de graduação e pós-graduação em Eventos Cientificos, Tecnológicos, Esportivos, Culturais

Leia mais

TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR

TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR Revogada pela RN 020/06 Resolução Normativa RN-007/2006 Revoga a RN 001/05 TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR O Presidente do CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO - CNPq,

Leia mais

o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais,

o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais, Deliberação 01 de 23 de fevereiro de 2015. o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais, CONSIDERANDO o que dispõe a Lei n." 8.958, de

Leia mais

LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA PAÍSES MEMBROS

LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA PAÍSES MEMBROS 1 LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA ÁFRICA DO SUL ARÁBIA SAUDITA BRASIL CANADÁ COREIA DO SUL EGITO EQUADOR HOLANDA ITÁLIA JORDÂNIA NÍGER SUÉCIA ALEMANHA ARGENTINA

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro

INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro ASSUNTO: CLASSIFICAÇÃO DE PAÍSES, BANCOS MULTILATERAIS DE DESENVOLVIMENTO E ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS Havendo necessidade de se estabelecerem critérios de classificação

Leia mais

Central de Atos TJMG. Manual Técnico de Informática Versão 1.1

Central de Atos TJMG. Manual Técnico de Informática Versão 1.1 Central de Atos TJMG Manual Técnico de Informática Versão 1.1 Sumário 1 Introdução... 3 2 O modelo de arquivo... 3 3 Tabelas... 5 3.1 PAPEIS DA PARTE... 5 3.2 TIPO DE ATO... 5 3.3 PAÍSES... 6 1 Introdução

Leia mais

Campus Prof. José Rodrigues Seabra - Av. BPS, 1303 - Bairro Pinheirinho - CEP 37500-903 - Itajubá -MG - Brasil Fone (35) 3629 1771

Campus Prof. José Rodrigues Seabra - Av. BPS, 1303 - Bairro Pinheirinho - CEP 37500-903 - Itajubá -MG - Brasil Fone (35) 3629 1771 RESOLUÇÃO Nº 001/2015 Dispõe sobre os critérios e valores de concessão e pagamento de auxílio financeiro a alunos para participação em eventos, cursos e trabalhos de campo. O Pró-Reitor de Extensão, da

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO 2012 (JANEIRO)

COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO 2012 (JANEIRO) Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO 2012 (JANEIRO) MRE-DPR JANEIRO/2012

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

DIRETRIZES PARA PAGAMENTO (POR PAÍS)

DIRETRIZES PARA PAGAMENTO (POR PAÍS) PT (115) DIRETRIZES PARA PAGAMENTO (POR PAÍS) Este documento tem o propósito de informar rotarianos sobre opções de pagamento e dados necessários para recebimento de fundos do Rotary. Consulte a lista

Leia mais

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE A FORMAÇÃO DOS ESTADOS LATINO- AMERICANOS OS PAÍSES DA AMÉRICA LATINA FORMARAM-SE A PARTIR DA INDEPENDÊNCIA DA ESPANHA E PORTUGAL. AMÉRICA

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012 Ação Cultural Externa Relatório Anual 0 Indicadores DSPDCE 0 .Iniciativas apoiadas pelo IC a) Número (total): 0 b) Montante global:.0,0,* Áreas Geográficas África América Ásia Europa Médio Oriente e Magrebe

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

Campus Prof. José Rodrigues Seabra - Av. BPS, 1303 - Bairro Pinheirinho - CEP 37500-903 - Itajubá -MG - Brasil Fone (35) 3629 1771

Campus Prof. José Rodrigues Seabra - Av. BPS, 1303 - Bairro Pinheirinho - CEP 37500-903 - Itajubá -MG - Brasil Fone (35) 3629 1771 EDITAL N 01/2015/Unifei/Proex, de 14 de janeiro de 2015. CHAMADA PÚBLICA PARA CONCESSÃO DE AUXÍLIO-EXTENSÃO PARA PARTICIPAÇÃO EM ATIVIDADES QUE ENVOLVEM COMPETIÇÕES TECNOLÓGICAS, EVENTOS ESPORTIVOS E CULTURAIS.

Leia mais

Geografia 03 Tabata Sato

Geografia 03 Tabata Sato Geografia 03 Tabata Sato IDH Varia de 0 a 1, quanto mais se aproxima de 1 maior o IDH de um país. Blocos Econômicos Economia Globalizada Processo de Regionalização Tendência à formação de blocos econômicos

Leia mais

Inscrição de. Peregrinos. Jornada Mundial da Juventude

Inscrição de. Peregrinos. Jornada Mundial da Juventude Inscrição de Peregrinos Jornada Mundial da Juventude Bem-vindos à JMJ Rio2013 Em breve serão abertas as inscrições para a JMJ Rio2013. Organize seu grupo! A pouco menos de um ano para o início da JMJ Rio2013

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos Geografia Econômica Mundial Aula 4 Prof. Me. Diogo Labiak Neves Organização da Aula Tipologias de blocos econômicos Exemplos de blocos econômicos Algumas características básicas Blocos Econômicos Contextualização

Leia mais

PAÍSES AIEA AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA

PAÍSES AIEA AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA PAÍSES AIEA AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA 1. Canadá 2. Comunidade da Austrália 3. Estado da Líbia 4. Estados Unidos da América 5. Federação Russa 6. Japão 7. Reino da Arábia Saudita 8. Reino

Leia mais

Desses países, Portugal, Angola e Filipinas estabeleceram consulados-gerais na RAEM.

Desses países, Portugal, Angola e Filipinas estabeleceram consulados-gerais na RAEM. Relações Externas Como entidade não soberana, a Região Administrativa Especial de Macau (RAEM) mantém contactos e relações estreitas com os países e regiões de todo o mundo. Desde sempre mantém relações

Leia mais

CATEGORIA: POPULAÇÃO PRISIONAL CATEGORIA: PERFIL DO PRESO

CATEGORIA: POPULAÇÃO PRISIONAL CATEGORIA: PERFIL DO PRESO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL DIRETORIA DE POLÍTICAS PENITENCIÁRIAS SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES PENITENCIÁRIAS ESTÁTÍSTICA SUSEPE - SUPERINTENDÊNCIA DOS SERVIÇOS PENITENCIÁRIOS

Leia mais

Aos PAIS LEVANDO os FILHOS para o EXTERIOR, TRAZENDO os FILHOS para o JAPÃO

Aos PAIS LEVANDO os FILHOS para o EXTERIOR, TRAZENDO os FILHOS para o JAPÃO Aos PAIS LEVANDO os FILHOS para o EXTERIOR, TRAZENDO os FILHOS para o JAPÃO Problemas relacionados ao sequestro de crianças (Sistema jurídico de cada país e a Convenção de Haia) Ministério dos Negócios

Leia mais

Notas: Este tarifário é taxado de 30 em 30 segundos após o primeiro minuto. Após os 1500 SMS's tmn-tmn grátis ou após os 250 SMS s para outras redes,

Notas: Este tarifário é taxado de 30 em 30 segundos após o primeiro minuto. Após os 1500 SMS's tmn-tmn grátis ou após os 250 SMS s para outras redes, Notas: Este tarifário é taxado de 30 em 30 segundos após o primeiro minuto. Após os 1500 SMS's tmn-tmn grátis ou após os 250 SMS s para outras redes, passa a pagar 0,080. Notas: Este tarifário é taxado

Leia mais

Consulta pública - Melhoria dos procedimentos para obtenção de um visto Schengen de curta duração

Consulta pública - Melhoria dos procedimentos para obtenção de um visto Schengen de curta duração Consulta pública - Melhoria dos procedimentos para obtenção de um visto Schengen de curta duração Nos últimos três anos obteve algum visto Schengen de curta duração? A Comissão está a rever os procedimentos

Leia mais

Tarifário 2015 Em vigor a partir de 1/1/2015

Tarifário 2015 Em vigor a partir de 1/1/2015 Uzo Sempre 8 Destino Preço por Minuto/SMS/MMS Voz Todas as redes nacionais 0,085 SMS Todas as redes nacionais 0,085 MMS Todas as redes nacionais 0,590 Todas as redes nacionais - Video 0,790 Dados Internet

Leia mais

Tarifário 2014 em vigor a partir de 1/1/2014

Tarifário 2014 em vigor a partir de 1/1/2014 Uzo Original Destino Preço por Minuto/SMS/MMS/Internet Voz Todas as redes nacionais 0,186 Voz (tarifa reduzida) Todas as redes nacionais 0,140 SMS Todas as redes nacionais 0,095 SMS (tarifa reduzida) Todas

Leia mais

Introdução 1 As tabelas a seguir mostram os cartuchos de jato de tinta HP compatíveis com as impressoras HP Photosmart.

Introdução 1 As tabelas a seguir mostram os cartuchos de jato de tinta HP compatíveis com as impressoras HP Photosmart. Introdução 1 As tabelas a seguir mostram os cartuchos de jato de HP compatíveis com as impressoras HP Photosmart. Impressoras série 100 2 Impressora HP Photosmart 130 HP 57 HP Photosmart 100 HP 57 Impressoras

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

Sumário DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO. Capítulo 2 Fontes do Direito Internacional Público... 23

Sumário DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO. Capítulo 2 Fontes do Direito Internacional Público... 23 Sumário DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Capítulo 1 Fundamentos do Direito Internacional Público... 13 1. Introdução... 13 2. A sociedade internacional... 14 3. Conceito... 16 4. Objeto... 16 5. Fundamentos

Leia mais

Index de Brochuras e Operadores. Index de Brochuras e Operadores

Index de Brochuras e Operadores. Index de Brochuras e Operadores ÁFRICA DO SUL BOTSWANA CABO VERDE Club 1840 Cabo Verde 30/04/05 Mundo Vip Cabo Verde Inverno 30/04/05 TerraÁfrica Ilhas de Cabo Verde 15/01/05 EGIPTO MALAUI MALDIVAS Quadrante Maldivas 21/12/04 MARROCOS

Leia mais

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP)

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) 1ª Conferência Anual de Alto-Nível da Parceria para Governo Aberto - OGP Roberta Solis Ribeiro Assessoria Internacional - CGU Conselho da

Leia mais

Geografia 03 Blocos Economicos 02 - Por Tabata Sato

Geografia 03 Blocos Economicos 02 - Por Tabata Sato Geografia 03 Blocos Economicos 02 - Por Tabata Sato União Europeia A Turquia apresentou o pedido de adesão em 1987 É candidata oficialmente desde 1999 Mas as negociações começaram apenas em 2005 União

Leia mais

A) Lista dos países terceiros cujos nacionais devem possuir um visto para transporem as fronteiras externas. 1. Estados:

A) Lista dos países terceiros cujos nacionais devem possuir um visto para transporem as fronteiras externas. 1. Estados: Lista dos países terceiros cujos nacionais estão sujeitos à obrigação de visto para transporem as fronteiras externas e lista dos países terceiros cujos nacionais estão isentos dessa obrigação A) Lista

Leia mais

Índice de desenvolvimento humano

Índice de desenvolvimento humano 1Monitorizar o desenvolvimento humano: aumentar as escolhas das pessoas... Índice de desenvolvimento humano a DESENVOLVIMENTO HUMANO ELEVADO Valor do índice de desenvolvimento humano (IDH) Esperança de

Leia mais

Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro

Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro SERVIÇOS DE INTELIGÊNCIA ECONÓMICA Documento de Inteligência Económica TEMA: Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro 1. Importância para as empresas em processo de internacionalização A ação

Leia mais

VERSÕES CONSOLIDADAS

VERSÕES CONSOLIDADAS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/1 VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA (2008/C 115/01) 9.5.2008 PT Jornal Oficial da

Leia mais

Fundo Monetário Internacional

Fundo Monetário Internacional Fundo Monetário Internacional É uma organização internacional que pretende assegurar o bom funcionamento do sistema financeiro mundial pelo monitoramento das taxas de câmbio e da balança de pagamentos,

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO DA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas

Leia mais

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE 9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas. 2

Leia mais

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015 Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS O Preçário completo da Agência de Câmbios Central, Lda., contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa

www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa Agenda 1. A metodologia do Paying Taxes 2. Resultados de Portugal 3. Resultados da CPLP 4. Reforma

Leia mais

Serviços Adicionais. 12400 - Portal de Voz

Serviços Adicionais. 12400 - Portal de Voz Serviços Adicionais 12400 - Portal de Voz Descrição Totoloto, Totobola, Lotarias e Euro Milhões Pode conhecer os números do Euro Milhões meia hora antes do sorteio na TV. Saiba os resultados e o valor

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista Disciplina: DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Código: Série: 4º Obrigatória (X) Optativa ( ) CH Teórica:68 CH Prática: CH Total: 68 Obs: Objetivos GERAL - Enfocar o conjunto de normas jurídicas que regulam

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima

Leia mais

América: a formação dos estados

América: a formação dos estados América: a formação dos estados O Tratado do Rio de Janeiro foi o último acordo importante sobre os limites territoriais brasileiros que foi assinado em 1909, resolvendo a disputa pela posse do vale do

Leia mais

A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais

A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais O Conselho Superior da Magistratura é membro de duas organizações internacionais que promovem a cooperação e concertação

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

1.a. Atividades principais processamento de alimentos. São cinco as suas divisões, com seus respectivos produtos:

1.a. Atividades principais processamento de alimentos. São cinco as suas divisões, com seus respectivos produtos: Nestlé S.A. 1. Principais Características Matriz: Nestlé S.A. Localização: Vevey, Suíça Ano de fundação: 1866 Internet: www.nestle.com Faturamento (2000): US$ 47.092 mi Empregados (1999): 230.929 1.a.

Leia mais

ConJur - Acordo entre Brasil e EUA fere Constituição, afirmam advogados

ConJur - Acordo entre Brasil e EUA fere Constituição, afirmam advogados Página 1 de 5 CONTAS NO EXTERIOR Acordo entre Brasil e EUA fere Constituição, afirmam advogados 3 de setembro de 2015, 15h54 Por Brenno Grillo As trocas automáticas de informações financeiras entre os

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO

ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO Documento atualizado em 20/12/2013. O Programa de Fomento à Pesquisa 2014 oferece aos estudantes regularmente matriculados nos cursos de pós-graduação da UFRGS (mestrado acadêmico,

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Concurso Delegado de Polícia Federal 2012 Prof. Leopoldo Canal Leopoldo Canal, advogado, assessor e procurador do consulado da República da Guiné no Rio de Janeiro, diretor

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO JULHO DE 2013 (DADOS ATÉ JUNHO DE 2013)

COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO JULHO DE 2013 (DADOS ATÉ JUNHO DE 2013) Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO JULHO DE 2013 (DADOS ATÉ JUNHO DE

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DA BAHIA

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DA BAHIA R E S O L U Ç Ã O N.º 007, DE 08 DE JUNHO DE 2009 Normatiza critérios e define procedimentos relativos a autorização de viagem, ao adiantamento de numerário e à prestação de contas com deslocamento à serviço

Leia mais

Cap.12 Questões políticas e populacionais na Europa Desenvolvida

Cap.12 Questões políticas e populacionais na Europa Desenvolvida Cap.12 Questões políticas e populacionais na Europa Desenvolvida EDUCADORA: BIANCA CORREA AGOSTO DE 2015 ASPECTOS GERAIS 1 - Europa desenvolvida países com renda per capita superior a US$ 15 MIL, altamente

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL A MUDANÇA DA POLÍTICA COLONIAL ESPANHOLA SE DEU EM FUNÇÃO: DO ENVOLVIMENTO DA ESPANHA NAS GUERRAS EUROPEIAS; DA DECADÊNCIA DA MINERAÇÃO; DAS DIFICULDADES QUE

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

Federação Nacional dos Portuários. Boletim Econômico. (Agosto 2015)

Federação Nacional dos Portuários. Boletim Econômico. (Agosto 2015) Boletim Econômico (Agosto 2015) I. Movimentação Portuária As estatísticas de movimentação portuária, publicada pela ANTAQ, referente ao primeiro trimestre de 2015 mostram que os portos organizados e os

Leia mais

O Brasil no Relatório Mundial sobre Drogas 2008

O Brasil no Relatório Mundial sobre Drogas 2008 O Brasil no Relatório Mundial sobre Drogas 2008 I. Ópio - Consumo De acordo com pesquisas domiciliares [CEBRID 2005], o maior mercado de opiáceos na América do Sul é o Brasil, com cerca de 600 mil usuários,

Leia mais