A PRÁTICA LIBERTADORA DE JESUS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PRÁTICA LIBERTADORA DE JESUS"

Transcrição

1 Através janela histórica aberta na Idade Média, a Família Carmelita testemunha pela reflexão e ação de seus membros o seu compromisso com a Justiça e Paz e Salvaguarda da Criação. Esta coleção Zelo Zelatus Sum, em cada número, apresenta algum destes testemunhos ou reflexões de algum membro, ou membros da Família Carmelita. A ilustração da capa de cada libreto tem este simbolismo: pela janela da história a Família Carmelita de muitos modos (simbolizados nos tipos de letra) e em todos tempos (simbolizados na crescente aproximação das frases) segue demonstrando o seu compromisso com a Justiça, a Paz e a Salvaguarda da Criação. A PRÁTICA LIBERTADORA DE JESUS CARLOS MESTERS, O.Carm. Número 1 Fevereiro Comissão Internacional de Justiça e Paz da Ordem do Carmo.

2 Prática Libertadora de Jesus 1 Publicação da Comissão Internacional de Justiça e Paz da Ordem do Carmo. Secretaria Executiva CIJPOC. Cúria Generalícia da Ordem do Carmo. Via Giovanni Lanza, Roma (RM) Itália Tel: (+39) Fax: (+39) A PRÁTICA LIBERTADORA DE JESUS INTRODUÇÃO O que nos une como Carmelitas não é a idade, nem a raça, nem a língua, nem a política, nem a cultura, mas é a vontade comum de viver o Evangelho de Jesus Cristo, de realizar a doação das nossas vidas, de prestar serviço aos irmãos, sobretudo aos pobres, e de realizar a vontade de Deus, dentro da Família Carmelitana, de acordo com o ideal que ela nos propõe na sua Regra, na sua Tradição, na sua Prática, nos seus Santos e Santas. Uma Família Religiosa nasce a partir de uma necessidade do povo de Deus. Alguém, um grupo, sente o apelo e responde: São Bento, São Francisco, São Domingos, o grupo de romeiros no Monte Carmelo, Santa

3 Prática Libertadora de Jesus 2 Teresa de Avila, Madre Maria das Neves, tantos outros, homens e mulheres. Cria-se um grupo, do qual vai nascendo a Ordem, a Congregação, a Família. Assim nasceu e continua nascendo a Ordem do Carmo, a Família Carmelitana, até hoje, nos vários cantos do mundo e da Igreja. Somos desafiados a fazer renascer o carisma. Chamados a recriar, não a repetir! Estamos sempre entre dois pólos: de um lado, a realidade presente, as necessidades do povo de Deus, os pobres; do outro lado, o nosso passado, a tradição mística do Carmelo. Os dois, em nome de Deus, fazem apelo à nossa consciência, cada um a seu modo. A tradição mística nos oferece a forma concreta de como nós, carmelitas, devemos viver o evangelho. Os pobres do mundo denunciam qualquer forma de riqueza acumulada que é causa de privação para os outros, inclusive a riqueza acumulada da tradição religiosa. Por isso, a tradição deve ser sempre relida a partir do anúncio da Boa Nova aos pobres (cf Lc 4,18). Mas há um terceiro polo. Somos nós mesmos, isto é, a realidade da nossa família carmelitana. Quem somos de fato? Somos muitos! Milhares, no mundo inteiro: irmãos e irmãs das várias Ordens e Congregações, das Ordens Terceiras, dos muitos movimentos e associações carmelitanas, espalhadas por todo canto. Somos aquilo que fazemos: paróquias, colégios, orfanatos, família, trabalho profissional, pastorais, administração. A rotina dos nossos trabalhos absorve 90% dos nosso esforços. Este é o nosso presente, nossa realidade concreta, o peso de cada dia, cheio de ambivalência. Não é só dos pobres, nem só da tradição, mas também desta realidade da família que chegam até nós os apelos de Deus. É o terceiro polo! É a fidelidade que devemos às nossas famílias e comunidades, aos nossos confrades, às nossas irmãs e ao povo que nos foi confiado. É esta realidade ambivalente que mais pesa na tomada das decisões e no encaminhamento concreto das coisas. Muitas vezes, ela nos faz entrar em conflito, pois nem sempre nossa vida está de acordo com as exigências do Evangelho, da tradição mística e das opção pelos pobres. É com este desejo de fidelidade ao que Deus pede de nós hoje, que vamos a refletir sobre a Prática Libertadora de Jesus, descrita nos quatro evangelhos. Não se pode pedir ao Evangelho aquilo que ele não pode dar. Por exemplo, no tempo de Jesus não havia fábricas de automóveis, nem organização de sindicatos. Não havia ônibus nem avião, não havia internet nem tantas outras coisas que hoje existem. O Evangelho não tem receita pronta para resolver estes nossos problemas. Mas, como veremos, no tempo de Jesus havia:

4 Prática Libertadora de Jesus 3 1. gente explorada por um sistema injusto (Mt 25,26); 2. desemprego crescente (Mt 20,1-6); 3. empobrecimento e endividamento crescentes (Mt 18,23-26); 4. poderosos ricos que não se importavam com a pobreza dos outros (Lc 16,19-21); 5. tensões e conflitos sociais (Barrabas); 6. repressão sangrenta que matava sem piedade (Lc 13,1-3); 7. classes altas comprometidas com os romanos na exploração do povo (Jo ); 8. grupos de oposição aos romanos que lutavam pela libertação (Zelotes e atos); 9. a religião oficial, ambígua e opressora; 10.a piedade confusa e resistente dos pobres. I. OLHAR NO ESPELHO DO PASSADO PARA VER A SITUAÇÃO DO POVO 1. A Época de Jesus Quando Jesus tinha mais ou menos quatro anos, morreu Herodes, o rei da Palestina, aquele que matou as crianças de Belém (Mt 2,16). Naquela ocasião, o reino dele foi dividido entre os filhos. Arquelau, um dos filhos, recebeu o governo sobre a Judéia, no Sul. Ele era menos inteligente que o pai, mas mais violento (cf Mt 2,22). Só na tomada de posse dele, foram massacradas em torno de 3000 pessoas na praça do Templo! Governou dez anos e foi deposto pelos romanos por incompetência. A Galiléia, no Norte, a terra de Jesus, ficou para outro filho de Herodes, chamado Herodes Antipas (Lc 3, 1), aquele que matou João Batista (Mc 6,14-29). Este Antipas permaneceu mais de quarenta anos no governo. Durante todos os trinta e três anos que Jesus viveu, nunca houve mudança de governo na Galiléia! Foi sempre o mesmo Herodes Antipas. Que governo era esse? 2. O Governo de Herodes Antipas na Galiléia Quem mandava mesmo na Palestina, desde 63 antes de Cristo, era Roma, o Império. Por isso, Herodes Antipas, para não ser deposto como o

5 Prática Libertadora de Jesus 4 irmão Arquelau, procurava agradar a Roma em tudo. Insistia sobretudo numa administração eficiente que desse lucro ao Império e reprimisse qualquer tipo de subversão. A preocupação dele não era o bem do povo, mas sim a própria promoção. Gostava de ser chamado benfeitor do povo. Na realidade era um explorador (Lc 22,25). Três coisas marcavam a política de Herodes e tiveram consequências profundas na vida do povo da Galiléia do tempo de Jesus: 1. A Nova Capital. A Bíblia não fala, mas a história informa que Herodes Antipas construiu uma nova capital, chamada Tiberíades, para ser o novo centro econômico da Galiléia. Chamou assim em honra Tibério, o imperador de Roma. Seria o mesmo que chamar Brasília de Bushlândia, ou Manila de Clintoncity. Ele atraía para lá judeus não praticantes e gente que não era judeu. Para atraí-los oferecia facilidades, privilégios e terra, em parte tirada do povo através de altos impostos. Tiberíades era um quisto estranho no meio da Galiléia. Era lá que vivia Herodes com os magnatas, os generais e os grandes da Galiléia (Mc 6,21). Era lá que moravam os donos das terras, os juizes muitas vezes insensíveis (Lc 18,1-4). Era para lá que iam o produto do povo e os impostos, e que Herodes fazia suas festas e orgias de morte, como foi o banquete em que mandou matar João Batista (Mc 6,21-29). Jesus andou em todas as aldêias e cidades da Galiléia. Chegou a morar em Cafarnaum (Mc 2,1). Mas não consta nos evangelhos que ele tenha entrado em Tiberíades. Jesus se distanciava dos palácios dos reis, onde morava o pessoal de roupa fina (Mt 11,8). Ele preferia a vida mais austera, igual à de João Batista (Mc 11,8-11). 2. A Classe dos funcionários. Ao longo daqueles quarenta anos de governo de Herodes Antipas, criou-se na Galiléia toda uma classe de funcionários fieis ao projeto do rei: escribas, comerciantes, fiscais do mercado, publicanos ou coletores de impostos, militares, policiais, juizes, promotores, magistrados, chefes locais, e outros. A maioria deste pessoal morava na capital, gozando dos privilégios que Antipas lhes oferecia. Mas também havia funcionários espalhados pelos povoados e aldêias. Em cada povoado, aldêia ou cidade havia um grupo de simpatizantes que dependiam do governo. Vários escribas e fariseus estavam ligados ao sistema e à política do governo. Nos evangelhos, os fariseus aparecem junto com os herodianos (Mc 3,6; 8,15; 12,13). 3. O Latifúndio. Durante o governo de Antipas cresce o latifúndio em prejuízo das pequenas propriedades comunitárias que eram a característica do sistema tradicional dos judeus. A produção agrícola da Galiléia começa a orientar-se não mais a partir das necessidades das famílias como antes, mas

6 Prática Libertadora de Jesus 5 sim a partir das exigências do mercado. A arqueologia provou a existência de grandes propriedades que visavam um maior excedente de produção para poder exportar. Os muitos impostos faziam diminuir a rentabilidade das pequenas propriedades. O Livro de Henoque, escrito nesta época, denuncia os poderosos donos das terras e exprime a esperança dos pequenos: Então, os poderosos e os grandes já não serão mais os donos da terra! (Hen 38,4). O ideal dos tempos antigos era este: Cada um debaixo da sua vinha e da sua figueira, sem que haja quem lhes cause medo (Miq 4,4; Zac 3,10; 1 Mac 14,12). Aos poucos, porém, a política do governo de Herodes tornava impossível a realização deste ideal. É como hoje. A situação está ficando tão ruim que já não é possível realizar o ideal dos tempos antigos: Cada um no seu lote com casa própria e bom salário, sem medo de ser assaltado! Que saudade! 3. Povo ameaçado, sem defesa Neste novo sistema não havia defesa nem previdência para o povo. Em caso de doença, má colheita, pragas ou outros desastres, o povo ficava sem ajuda. No sistema anterior havia o clã, a comunidade, que era a proteção das pessoas e das famílias. No novo sistema que começava a ser implantado pelo governo de Herodes Antipas, isto já não existia mais, ou cada vez menos. Agora, a primeira preocupação do agricultor era esta: juntar o necessário para pagar os impostos ao governo e os dízimos ao Templo, e separar da colheita a parte que devia servir como semente para a próxima colheita. Ao todo, mais da metade da produção! O pouco que sobrava tinha que ser o suficiente para manter a família. Consequência: empobrecimento progressivo! Esta situação transparece nas parábolas de Jesus. Por exemplo, o dono de terra que exige mais do que pode e deve(mt 25,26). Os trabalhadores desempregados à espera de um biscate(mt 20,1-6). O patrão que mora longe e deixa tudo entregue ao caseiro(mt 21,33). O povo que vive cheio de dívida, ameaçado de ser escravizado(mt 18,23-26). O desespero e a exploração que corrompem e levam o pobre a assaltar(mt 21,34-39) e a explorar o próprio companheiro(mt 18,27-30; Mt 24,48-50). A insegurança das estradas por causa dos assaltos(lc 10,30). Funcionários corruptos que se enriquecem com os bens dos outros(lc 16,1-7). Riqueza que ofende os pobres(lc 16,19-21). Jesus sabia o que se passava no país! Estas mudanças desintegravam a vida do povo e só faziam aumentar a saudade dos bons tempos antigos, quando todos ainda se preocupavam com o bem-estar de todos. Agora era o contrário. O clã, isto é, a comunidade, tinha

7 Prática Libertadora de Jesus 6 cada vez menos resistencia, menos força para reagir. Era como hoje! Dona Cícera que veio do interior da Paraíba para morar na periferia de João Pessoa, dizia: No interior, a gente era pobre, mas tinha sempre uma coisinha para dividir com o pobre na porta. Agora que estou na cidade, quando vejo um pobre bater na porta, eu me escondo de vergonha, porque não tenho nada em casa para dividir com ele! 4. A Religião Oficial: Escribas, Fariseus e Sumos Sacerdotes Uma grande contradição marcava a vida do povo. O projeto do governo vinha de fora. Não levava em conta a cultura nem a religião do povo. Era contrário à Tradição. Mas os que deviam defender a Tradição, estes, pela sua vida e pelos seus interesses, estavam de mãos dadas com a política do governo. Os fariseus insistiam na pureza(mc 7,1-12; 2,16). Diziam ser contra os romanos, mas alguns deles andavam com os herodianos(mc 3,6; 8,15; 12,13). Os escribas insisistiam na Lei de Moisés, mas aprovavam o assassinato de João Batista por Herodes(Mc 11,31-32) e se reuniam com os sacerdotes e anciãos contra Jesus que os incomodava(mc 11,18). Alguns deles chegavam a arrancar o dinheiro do povo(mc 3,6; 8,15; 12,13.40). Os Sumos Sacerdotes estavam preocupados com o culto no templo, mas permitiam que o próprio templo se transformasse num antro de exploração(mc 11,17). A política romana favorecia os interesses desta elite e encontrava nela um apôio no controle e na repressão ao povo(jo 11,45-49). Os fariseus, escribas e sacerdotes diziam defender a Tradição, a Lei, a Pureza, a Escritura, o Sábado, o Templo. Mas o que eles defendiam já não era o que Deus queria quando, no passado, fêz surgir estes valores. Na mão deles, a Tradição anulava a Lei(Mc 7,13), a Lei anulava a vida(mc 2,27; 3,4), as normas da pureza pesavam sobre o povo(mt 11,28), o Templo era usado para ganhar dinheiro(mc 11,17), a Escritura estava coberta por um véu(2 Cor 3,12-15). Defendiam uma religião alienada! E o povo de Deus? O povo estava ameaçado de perder tudo. Diante do avanço do projeto do Governo ninguém lhe revelava o verdadeiro Projeto de Deus! Diante das normas e leis ensinadas pelos escribas e fariseus, ninguém lhe revelava a gratuidade do amor de Deus!(Mt 9,13) As autoridades religiosas não percebiam, ou melhor, não queriam perceber a gravidade do momento nem a necessidade de uma mudança radical do rumo da caminhada.

8 Prática Libertadora de Jesus 7 Pelo contrário, impediam qualquer tentativa honesta de mudança(jo 11,47-50). Por isso, sem se darem conta, conduziam o povo para o desastre (Lc 13, ; 19,41-44). O povo era realmente como um rebanho sem pastor(mt 9,36). Sem líderes para orientá-lo, sem rumo e sem horizonte, cansado de tanta opressão e exploração(mt 11,28), vivia à espera da chegada do Reino. É nesta realidade dura e sofrida que Jesus convive com o seu povo!. É nesta escola que ele cresce em sabedoria, graça e tamanho, diante de Deus e dos homens (Lc 2,52). É tudo isto que ele vê e ouve, vive e sente, experimenta e sofre, durante 30 anos, lá em Nazaré. É a partir desta situação que ele vai discernir a ação de Deus, descobrir sua própria missão e anunciar a Boa Nova do Reino. II. OLHANDO A RESPOSTA DE JESUS AOS APELOS DO SEU TEMPO I Jesus se apresenta com a sua mensagem ao povo Após trinta anos (Lc 3,23) de vida escondida em Nazaré, Jesus se apresenta ao povo com a sua mensagem (Lc 4,18). Em Nazaré, ele tinha convivido longos anos (Lc 2,51) com os agricultores da Galiléia, explorados pelo sistema dos impostos herdado dos persas e dos gregos e pelo latifúndio criado pelos romanos. Ele mesmo era carpinteiro (Mc 6,3). Enquanto crescia (Lc 2,40) em sabedoria, idade e tamanho diante de Deus e dos seres humanos (Lc 2,52), assistia às explosões de violência tão comuns na Galiléia, à progressiva organização dos Zelotes(as), à transferência da capital do seu país para Tiberíades, às tentativas infrutíferas dos romanos para reduzir à obediência o povo rebelde da Galiléia (Luc 13,1-3; Atos 5, ). Via como os escribas e os fariseus reuniam e organizavam o povo em torno das sinagogas, ensinando-lhes a tradição dos antigos (Mc 7,1-5), dando-lhes força para resistir, preparando-os para a próxima vinda do Messias, aguardado por todos como iminente. Via também como eles, em vez de ensinar a lei de Deus e revelar a face do Pai, a escondiam atrás de uma cortina espessa de normas e obrigações que tornavam impossível a observância da lei para os pobres (Mc 7,6-13). Estes se viam condenados por seus líderes como ignorantes (Jo 7, 49) e pecadores (Jo 10,34).

9 Prática Libertadora de Jesus 8 Via ainda a piedade confusa e resistente dos pobres, tão bem expressa no cântico de Maria (Lc 1, 46-55), na esperança difusa de um novo êxodo. Os pobres esperavam que chegasse o tempo da libertação prometida desde os tempos antigos (Lc 1, 71-73). Crescendo no meio desta realidade conflitante de exploração econômica, de convulsões sociais, de desintegração crescente das instituições, de explosões messiânicas, Jesus, unido ao Pai, torna-se aluno dos fatos, descobre dentro deles a chegada da hora de Deus e anuncia ao povo: Esgotou-se o prazo! O Reino de Deus está aí! Mudem de vida! Acreditem nesta Boa Notícia! (Mc 1, 15). O programa da pregação que fazia do Reino, Jesus o apresenta na sinagoga de Nazaré: O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me ungiu para anunciar a Boa Notícia aos pobres, enviou-me para proclamar a remissão aos presos e aos cegos a recuperação da vista, para restituir a liberdade aos oprimidos, e para proclamar um ano de graça por parte do Senhor (Lc 4, 18 19). Jesus se apresenta como quem vem realizar as esperanças do povo, suscitadas e alimentadas, ao longo dos séculos, pelos profetas. Ele se apresenta como o Messias-Servo anunciado por Isaías (Is 42, 1-9; 61, 1-2). Propõe a realização de um ano jubilar, um ano de graça por parte do Senhor (Lc 4,19). O ano jubilar já fora tentado por Nehemias, sem muito resultado (cf. Neh 5). O ano jubilar é a tentativa de reorganizar todas as coisas, para que o povo pudesse recomeçar tudo de novo e realizar a aliança com Deus que tinha sido quebrada pela infidelidade. II Jesus encontra no AT o caminho de retorno ao Pai Foram sobretudo três as primeiras imagens ou nomes que eles aí encontraram para verbalizar a novidade antiga de Deus que estavam vivendo. O próprio Jesus usou as três numa única frase quando disse: O Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate para muitos (Mc 10,45). As três são: Filho do Homem, Servo de Javé e Redentor (resgatador). Elas são, por assim dizer, as três fotografias mais antigas que os primeiros cristãos nos conservaram para nos dizer o que Jesus significava para eles e qual o caminho que ele abriu para nós chegarmos até Deus. Vejamos de perto o significado destes três títulos de Jesus: 1. Filho do homem

10 Prática Libertadora de Jesus 9 É o nome que Jesus mais gostava de usar. Este nome aparece com grande freqüência nos evangelhos. Quinze vezes só no evangelho de Marcos (Mc 2,10.28; 8,31.38; 9, ; 10,33.45; 13,26; 14, ). O título Filho do Homem vem do AT. No livro de Ezequiel, ele indica a condição bem humana do profeta (Ez 3, ; 4,1 etc.). No livro de Daniel, o mesmo título aparece numa visão apocalíptica (Dn 7,1-28), na qual Daniel descreve os impérios dos Babilônios, dos Medos, dos Persas e dos Gregos. Na visão do profeta, estes quatro impérios têm a aparência de animais monstruosos (cf. Dn 7,3-8). São impérios animalescos, brutais, desumanos, que perseguem, desumanizam e matam (Dn 7,21.25). Na visão do profeta, depois dos reinos anti-humanos, aparece o Reino de Deus que tem a aparência, não de um animal, mas sim de uma figura humana, Filho de homem. Ou seja, é um reino com aparência de gente, reino humano, que promove a vida. Humaniza. (Dn 7,13-14). Na profecia de Daniel a figura do Filho do Homem representa, não um indivíduo, mas sim, como ele mesmo diz, o povo dos Santos do Altíssimo (Dn 7,27; cf Dn 7,18). É o povo de Deus que não se deixa desumanizar nem enganar ou manipular pela ideologia dominante dos impérios animalescos. A missão do Filho do Homem, isto é, do povo de Deus, consiste em realizar o Reino de Deus como um reino humano. Reino que não persegue a vida, mas sim a promove! Humaniza as pessoas. Apresentando-se aos discípulos como Filho do Homem, Jesus assume como sua esta missão que é a missão de todo o Povo de Deus. É como se dissesse a eles e a todos nós: Venham comigo! Esta missão não é só minha, mas é de todos nós! Vamos juntos realizar a missão que Deus nos entregou, e realizar o Reino humano e humanizador que ele sonhou! E foi o que ele fez e viveu durante toda a sua vida, sobretudo, nos últimos três anos. Dizia o Papa Leão Magno: Jesus foi tão humano, mas tão humano, como só Deus pode ser humano. Quanto mais humano, tanto mais divino. Quanto mais filho do homem e tanto filho de Deus! Tudo que desumaniza as pessoas afasta de Deus, também a vida religiosa, mesmo carmelitana. Foi o que Jesus condenou, colocando o bem da pessoa humana como prioridade acima das leis, acima do sábado (Mc 2,27). Na hora de ser condenado pelo tribunal religioso do sinédrio, Jesus assumiu este título. Perguntado se era o filho do Deus (Mc 14,61), ele responde que é o filho do Homem: Eu sou. E vocês verão o Filho do Homem sentado à direita do Todo-poderoso (Mc 14,62). Por causa desta afirmação foi declarado réu de morte pelas autoridades. Ele mesmo sabia

11 Prática Libertadora de Jesus 10 disso pois tinha dito: O Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate para muitos (Mc 10,45). 2. Servo de Javé Para Jesus, o Filho do Homem é aquele que realiza a missão de Servo de Javé. Nas três vezes em que ele prediz a sua paixão e morte, Jesus se orienta pela profecia do Servo de Deus, tal como está descrita no livro de Isaías, e os aplica ao Filho do Homem (Mc 8,31; 9,31; 10,33). Naquele tempo, havia entre os judeus uma grande variedade de expectativas messiânicas. De acordo com as diferentes interpretações das profecias, havia gente que esperava um Messias Rei (Mc 15,9.32). Outros, um Messias Santo ou Sumo Sacerdote (Mc 1,24). Outros, um Messias Guerrilheiro subversivo (Lc 23,5; Mc 15,6; 13,6-8). Outros, um Messias Doutor (Jo 4,25; Mc 1,22.27). Outros, um Messias Juiz (Lc 3,5-9; Mc 1,8). Outros, um Messias Profeta (Mc 6,4; 14,65). Cada um, conforme os seus próprios interesses ou classe social, aguardava o Messias, encaixando-o nos seus próprios desejos e expectativas. Ao que parece, ninguém, a não ser os anawim, os pobres de Javé, esperavam o Messias Servidor, anunciado pelo profeta Isaías (Is 42,1; 49,3; 52,13). Somente os pobres se lembravam de valorizar a esperança messiânica como serviço ecumênico do povo de Deus à humanidade. Maria, a pobre de Javé, disse ao anjo: Eis aqui a serva do Senhor! Foi dela que Jesus aprendeu o caminho do serviço. A origem dos quatro cânticos do Servo de Deus (Is 42,1-9; 49,1-6; 50,4-9; 52,13 a 53,12) remonta a um grupo de discípulos e discípulas de Isaías que viviam no cativeiro da Babilônia em torno de 550 antes de Cristo. Como o Filho do Homem, também o Servo de Deus era uma figura coletiva que indicava o povo do cativeiro (Is 41,8-9; 42,18-20; 43,10; 44,1-2; 44,21; 45,4; 48,20; 54,17), descrito por Isaías como um povo oprimido, sofredor, desfigurado, sem aparência de gente e sem um mínimo de condição humana, povo explorado, maltratado e silenciado, sem graça nem beleza, cheio de sofrimento, evitado pelos outros como se fosse um leproso, condenado como um criminoso, sem julgamento nem defesa (cf. Is 53,2-8). Retrato perfeito de uma terça parte da humanidade de hoje! Este povo-servo é descrito como aquele que não grita, nem levanta a voz, não solta berros pelas ruas, não quebra a planta machucada, nem apaga o pavio de vela que ainda solta fumaça (Is 42,2). Ou seja, perseguido, não persegue; oprimido, não oprime; machucado, não machuca. Nele o vírus da violência opressora do império não consegue penetrar. Esta atitude resistente

12 Prática Libertadora de Jesus 11 do Servo de Javé é a raiz da justiça que Deus quer ver implantada no mundo todo. Por isso, ele chama o povo para ser o seu Servo com a missão de irradiar esta justiça no mundo inteiro (Is 42,2.6; 49,6). Os quatro cânticos do Servo são uma espécie de cartilha para ajudar o povo oprimido, tanto de ontem como de hoje, a descobrir e a assumir a sua missão. Jesus conhecia estes cânticos e por eles se orientou. Na hora do batismo no rio Jordão, o Pai indicou para ele a missão do Servo (Mc 1,11). Quando, na sinagoga de Nazaré, expôs o seu programa ao povo da sua terra (Lc 4,16-21), Jesus assumiu esta missão publicamente. A partir daquele momento, Jesus percorre a Galiléia para ajudar o povo a descobrir e assumir, junto com ele, esta missão de Servo de Deus. Jesus foi o Servo de Deus que percorreu o caminho dos quatro cânticos até o fim. A sua vida e o seu testemunho são o seu melhor comentário. É nesta sua atitude de serviço que ele nos revela a face de Deus que nos atrais, e nos indica o caminho de volta Deus. 3. Redentor Uma das expressões mais antigas, usadas pelos primeiros cristãos para expressar o significado de Jesus para as suas vidas, é aquela do resgate (goêl). No Antigo Testamento, caso alguém, por motivo de pobreza ou de dívidas, perdesse sua terra ou fosse vendido como escravo, o parente mais próximo (goêl) devia entregar tudo de si para resgatá-lo (Lev 25 e Dt 15) e, assim, restaurar a convivência fraterna no clã. Era o que se esperava do retorno do profeta Elias: reconduzir o coração dos pais para os filhos e o coração dos filhos para os pais (Ml 3,23-24). Para os primeiros cristãos, Jesus era o parente próximo (goêl), o irmão mais velho, que entregou tudo de si, esvaziou-se, para resgatar seus irmãos e suas irmãs, vítimas da escravidão da lei, do racismo, da ideologia do império e da religião opressora, para que, novamente, pudessem viver em fraternidade. No tempo de Jesus, em nome da Lei de Deus, muita gente era excluída e marginalizada. Jesus, a partir da sua experiência de Deus como Pai, denuncia esta situação que esconde o rosto de Deus para os pequenos (Mt 23,13-36). Como parente próximo (goêl), oferece um lugar aos que não tinham lugar na convivência humana. Acolhe os que não eram acolhidos e, na sua nova família (Mc 3,34), recebe como irmão e irmã aos que a religião e o governo desprezavam e excluiam: os imorais: prostitutas e pecadores (Mt 21,31-32; Mc 2,15; Lc 7,37-50; Jo 8,2-11); os hereges: pagãos e samaritanos (Lc 7,2-10; 17,16; Mc 7,24-30; Jo 4,7-42); os impuros: leprosos e possessos (Mt 8,2-4; Lc 11,14-22; 17,12-14; Mc 1,25-26); os marginalizados:

13 Prática Libertadora de Jesus 12 mulheres,crianças e doentes(mc 1,32; Mt 8,17;19,13-15; Lc 8,2s); os colaboradores: publicanos e soldados(lc 18,9-14;19,1-10); os pobres: o povo da terra e os pobres sem poder (Mt 5,3; Lc 6,20.24; Mt 11,25-26). Todas estas pessoas, inclusive Paulo, o perseguidor, tiveram a experiência de terem sido resgatados para Deus por Jesus, o irmão mais velho, o primogênito (Col 1,15; Apc 1,5), que para com elas cumpriu o seu dever de goêl: Ele me amou e se entregou por mim (Gl 2,20). Ele se fez escravo, esvaziou-se, para nos enriquecer com a sua pobreza (2Cor 8,9), para que nós pudéssemos recuperar a liberdade e retomar a vida em fraternidade. O termo hebraico goêl é tão rico que não tem tradução unívoca. No Novo Testamento ocorrem os termos libertador, redentor, salvador, consolador, advogado, paráclito, defensor, parente próximo, irmão mais velho, primogênito. Todos estes termos, usados para designar Jesus, referemse, de uma ou de outra maneira, a este costume antigo de Goêl, aplicado a Jesus, nosso irmão mais velho. Apresentando-se como goêl, redentor, dos irmãos e irmãs excluídas da convivência comunitária, Jesus revela a face de Deus como Pai, como Mãe, que acolhe a todos e vai atrás dos abandonados. Resumindo. Foi através da janela destes destes três nomes Filho do Homem, Servo de Deus e Redentor, os três tirados do Antigo Testamento, que os primeiros cristãos olhavam para Jesus e transmitiam para os outros o significado de Jesus para as suas vidas: O Filho do Homem se caracteriza pela humanidade; o Servo de Deus, pelo serviço; o Redentor, pela acolhida aos excluídos. Humanizar, Servir, Acolher. São os três traços principais por onde Deus nos revela o seu rosto em Jesus e nos atrai para si. Eles indicam o caminho mais antigo e mais tradicional para nós voltarmos para a nossa origem e vivermos o essencial da Boa Nova de Deus que Jesus nos trouxe. Eles nos ajudam a entender como Jesus é Filho de Deus. III Jesus Se Coloca Do Lado Dos Excluídos Do Sistema Fiel ao seu programa e à sua vocação, Jesus convive, a maior parte do seu tempo, com aqueles que não tinham lugar dentro do sistema social existente: 1. prostitutas que são preferidas aos fariseus (Mt 21, 31 32; Lc 7, 37-50); 2. publicanos tem precedência sobre os escribas (Lc 18, 9-14; 19, 1-10);

14 Prática Libertadora de Jesus leprosos são acolhidos e limpos (Mt 8, 2-3; 11,5; Lc 17,12) e os sacerdotes são obrigados a dar-lhes prova de sua purificação (Lc 17, 14; Mc 1,44; Mt 8, 2-4); 4. doentes (Mt 8, 17) são curados em dia de sábado (Mc 3, 1-5; Lc 14, 1-6; 13, 10-13); 5. mulheres fazem parte do grupo que acompanha Jesus (Lc 8, 1-3; 23, 49-55); 6. crianças são apresentadas como professores de adultos (Mt 18, 1-4; 19,13-15; Lc 9,47-48); 7. povo humilde entende o mistério do reino melhor que os sábios e entendidos (Mt 11,25-26); 8. samaritanos são apresentados como modelo aos judeus (Lc 10, 33; 17, 16); 9. famintos acolhe-os como rebanho sem pastor (Mc 6, 34; Mt 9, 36; 15,32) dá-lhes de comer (Jo 6, 5-11) e provoca neles a partilha (Jo 6,9); 10. cegos recebem a visão (Mc 8, 22-26; Mc 10, 46-52; Jo 9, 6-7) e os fariseus são declarados cegos (Mt 23, 16); 11. coxos sua cura é sinal de que Jesus pode perdoar pecados sem ser blasfemo (Mc 2, 1-12; Mt 11,15); 12. possessos a expulsão dos demônios é sinal de que chegou o Reino de Deus (Lc 11, 14-20); 13. adúltera é acolhida e defendida contra a lei e contra a tradição (Jo 8, 2-11); 14. anciã é defendida dentro da sinagoga contra o coordenador da sinagoga (Lc 13, 10-17); 15. estrangeiros são acolhidos e atendidos (Lc 7, 2-10) e a cananéia consegue mudar os planos de Jesus (Mc 7, 24-30; Mt 15,22); 16. pobres o Reino de Deus é deles (Mt 5,3; Lc 6,20) e não é dos ricos (Lc 6,24); 17. mendigos na parábola, eles recebem a vida eterna e o rico epulão vai para o inferno (Lc 16, 19-31); 18. ladrão é condenado pelo sistema e é recebido por Jesus no Reino (Lc 23, 40-43); 19. pescadores são chamados para ser discípulos de Jesus (Mc 1, 16-20), enquanto não há nenhum doutor nem escriba no grupo dos doze; 20. zelotes(as) alguns deles estão no grupo de Jesus (Mt 10,4; Mc 3,18) junto com Levi, o publicano (Mc 2,14). Estas atitudes bem concretas de Jesus representam um perigo muito grande para o sistema dos judeus, pois Jesus escolhe os imorais

15 Prática Libertadora de Jesus 14 (prostitutas e pecadores), os marginalizados (leprosos e doentes), os herejes (samaritanos e pagãos), os colaboradores (publicanos e soldados), os fracos e os pobres (que não tem poder nem saber). Os que não tem lugar recebem um lugar! E os que tem um lugar na convivência social não recebem um lugar na convivência com Jesus! A opção de Jesus é muito clara. Também o convite é claro: não é possível ser amigo de Jesus e continuar a apoiar o sistema que marginaliza tanta gente. Alguns o entenderam e responderam afirmativamente: Nicodemos (Jo 3, 1-2), que defendeu Jesus no tribunal (Jo 7, 50-52), foi vaiado e correu o risco de ser expulso (Jo 19,39); José de Arimatéia, que teve a coragem de pedir o corpo de Jesus para enterrá-lo (Mt 27, 57-60), correndo o risco de ser acusado de ser contra os romanos e contra os chefes judeus; Zaqueu que deu a metade de seus bens aos pobres e devolveu quatro vezes o que tinha roubado (Lc 19, 1-10). O povo dos pobres logo percebeu a novidade, acolheu Jesus e disse: Um novo ensinamento com autoridade! (Mc 1, 27), diferente dos escribas e dos fariseus (Mc 1, 22). E indo atrás de Jesus, (Mt 14, 13-14), esqueceu tudo: casa, comida, filhos, a ponto de parar no deserto (Mc 6, 35-36), junto com Jesus, sem comida, quase desfalecendo (Mc 8,1-3). Para o povo faminto e pobre, Jesus deve ter sido uma simpatia ambulante! IV Jesus nega e combate as divisões criadas pelos homens As divisões e oposições existentes naquele tempo vinham das relações de produção, da raça e da religião. Tudo misturado. Todas elas contradiziam a vontade do Pai, pois por meio delas muita gente era marginalizada, colocada de lado, sem esperança de poder obter uma vida melhor. E muitas vezes, tudo isto era sacralizado e legitimado em nome de Deus, através de uma interpretação errada da Bíblia. Jesus denuncia todas estas divisões e as combate através de atitudes bem concretas: 1. a divisão entre o próximo e o não-próximo já não depende mais da raça nem de observância exteriores, mas depende da disposição de cada um se aproximar do outro, quem quer que ele seja (Lc 10, 29-37); 2. a divisão entre pagão e judeu Jesus estava disposto a entrar na casa do centurião (Lc 7, 6), e atende ao pedido da cananéia (Mt 15, 28);

16 Prática Libertadora de Jesus a divisão entre obras santas e profanas (oração: Mt 6, 5-8; jejum: Mt 6, e esmola: Mt 6, 1-4) são redimensionadas; 4. a divisão entre puro e impuro Jesus questionou toda a legislação da pureza legal (Mt 23, 23; Mc 7, 13-23) e chegou a ridicularizá-la (Mt 23, 24); 5. a divisão entre tempo sagrado e profano colocou o Sábado a serviço do homem (Mt 12, 1-12; Mc 2,27; Jo 7, 23-24); 6. a divisão entre lugar sagrado e profano disse que Deus pode ser adorado em qualquer lugar, contanto que seja em espírito e verdade (Jo 4, 21-24; Mc 11, 15-17; 13,2; Jo 2,19) e não só no templo; 7. a divisão entre pobres e exploradores denuncia os exploradores que se dizem benfeitores do povo (Lc 20, 46 47; 22,25) e derruba as mesas dos cambistas que são chamados ladrões (Mc 11, 15-17; Mt 21, 12-17). Agindo assim, Jesus sacode e relativiza as pilastras do sistema judaico: observância do sábado, o templo, as obras santas como jejum, oração e esmola, a lei da pureza legal (Mt 23, 25-28), a prática da justiça feita pelos fariseus (Mt 5,20), a própria lei de Moisés (Mt 5, ). Jesus denuncia a tentativa de chegar a Deus através do próprio esforço e do próprio mérito: Somos servos inúteis! (Lc 17,10). Deste modo, ele liberta o povo da tirania da lei, da tirania dos intérpretes da lei, da tirania dos que, em nome do seu saber maior, impunham fardos pesados ao povo dito ignorante (Mt 23,4). V Jesus combate os males que estragam a vida humana Eu vim para que todos tenham vida e a tenham em abundância! (Jo 10,10). Agindo contra o sistema dos judeus, o objetivo de Jesus não é só intervir na situação. O seu objetivo é libertar a vida reprimida e oprimida, vida criada por Deus à sua imagem e semelhança. Por isso, Jesus luta contra todos os males que estragam a vida e contra todas as formas de opressão que impedem a abundância da vida (Jo 10,10): contra a fome, pois alimenta os famintos (Mc 6, 30-44; 8,1-10); contra a doença e a tristeza, pois cura os enfermos (Mt 4, 24; 8, 16-17) e dá poder de curá-los (Lc 10,9; Mc 6,13; 16 18; Mt 10, 1-8); contra os males da natureza, pois acalma os ventos e as tempestades (Mt 14,32; 8, 23-27); contra os demônios e maus espíritos, pois os expulsa (Mc 1, 23-27; Lc 4, 13) os proíbe falar (Mc 1, 34) e os enfrenta na hora das trevas (Lc 22, 53); contra a ignorância, pois ensina o povo (Mt 9, 35) e faz com que crie consciência

17 Prática Libertadora de Jesus 16 crítica frente à realidade e frente às suas lideranças (Mc 1,22); contra o abandono e a solidão, pois acolhe as pessoas e não as marginaliza (Mt 9,36; 11, 28-30); contra o literalismo opressor, pois denuncia os fariseus e escribas legalistas que pervertem o objetivo da tradição (Mt 23, 13-15); contra as leis que oprimem o ser humano e impedem o seu crescimento, pois coloca o ser humano como objetivo e fim de todas as leis (Mt 12, 1-5; Mc 2, 23-28); contra a opressão, pois acolhe o povo oprimido (Mt 11, 28-30) e denuncia os opressores que se fazem passar por benfeitores da nação (Lc 22,25); contra o medo, pois se apresenta com a sua mensagem: Não tenham medo! (Mt 28, 10; Mc 6,50). Jesus retoma o projeto do Criador: No começo não era assim! (Mt 19, 8). Deus criou a vida para ser bendita (Gn 1,28) e não maldita. Onde a vida não tem condições de ser bendita e abundante, lá Jesus se compadece e age. Assim, ele se compadece do povo abandonado e marginalizado, sem lideranças que o conduzissem e orientassem (Mt 9, 36-38). Uma das preocupações principais deve se pedir a Deus para que mande operários para a sua messe (Mt 9, 38), isto é, líderes que possam dirigir e conduzir o povo para o seu verdadeiro destino! Por isso entre os males combatidos por Jesus estão também as falsas lideranças do seu tempo que desviavam o povo do caminho. Entre elas se encontram representantes do poder econômico, do poder político e do poder religioso. VI Jesus desmascara a falsidade dos grandes Atitudes que Jesus tomou com relação aos representantes do poder econômico, ou seja, com relação aos ricos e à riqueza: 1. é mais fácil um camelo passar pelo fundo de uma agulha, do que um rico entrar no céu (Mc 10, 25; Lc 18, 24-27); 2. na parábola do homem que constrói grandes armazéns, ele denuncia a acumulação de bens (Lc 12, 13-21; Mt 6, 19): Bobo, esta noite, você vai morrer! (Lc 12, 20); 3. não acredita muito na conversão dos ricos, pois diz: Se não acreditarem Moisés e nos profetas, também não vai acreditar se alguém ressuscitar dos mortos! (Lc 16,31) ;

18 Prática Libertadora de Jesus denuncia a hipocrisia dos fariseus que se apresentam como observantes, enquanto são amigos do dinheiro (Lc 16, 14) e roubam a casa das viúvas (Lc 20, 47); 5. derruba a mesa dos cambistas no templo e os chama de ladrões (Lc 19, 46); 6. Ai dos ricos! Pois já receberam a sua recompensa! (Lc 6,24); 7. prefere o óbulo da viúva às grandes esmolas dos ricos (Lc 21, 1-4); 8. ele mesmo não tem nada (Lc 9,58) e pede o mesmo dos seus discípulos (Lc 12,33): tem que deixar tudo para poder seguir a ele (Mc 10, 21-22; Lc 14, 33); 9. no grupo de Jesus, a posse dos bens é comunitária, Judas é o responsável pela caixa comum (Jo 13, 29; 12,6); 10. diz claramente que não é possível servir a dois senhores, a Deus e ao dinheiro! (Mt 6,24). Atitudes que Jesus tomou com relação aos representantes do poder político, ou seja, com relação ao poder e aos poderosos daquele tempo: 1. ele não freqüenta a casa dos poderosos, pois gente, pois gente de roupa fina é só nos palácios (Mt 11, 8); 2. contesta e critica o exercício do poder na sociedade e pede que o poder seja exercido como um serviço (Jo 13, 14-15; Mt 23,11; 18, 1-4); 3. chama Herodes de raposa (Lc 13,32) e, conduzido diante dele na hora do julgamento, não lhe diz uma só palavra (Lc 23,9); 4. a Pilatos contesta a arrogância: Você não teria esse poder se não lhe tivesse sido dado! (Jo 19,11); 5. enfrenta o soldado que bate nele: Se falei errado, prove! Se falei certo por que me bate? (Jo 18, 23); 6. ele mesmo sendo Senhor e Mestre, se faz servo dos seus discípulos e pede que eles façam o mesmo (Jo 13, 13-16); 7. na hora de sua condenação ele é considerado mau pagador de impostos (Lc 23,2); 8. no mesmo julgamento, é considerado subversivo, que andou subvertendo o povo desde a Galiléia (Lc 23,5);

19 Prática Libertadora de Jesus quando perseguido pela polícia em Jerusalém, ele foge e se esconde (Jo 8,59; 11, ); 10. previne os discípulos: Atenção! Vão perseguir vocês (Mt 10,17-22) e vão pensar que estão fazendo uma obra agradável a Deus! (Jo 16,2). Atitudes que Jesus tomou com relação aos representantes do poder religioso, ou seja, com relação aos sacerdotes, fariseus e escribas: 1. acusa-os de hipocrisia: Dizem, mas não fazem! (Mt 23, 3.13); 2. reconhece a autoridade deles: façam o que dizem, mas não imitem o que fazem! (Mt 23, 2-3); 3. percebe o veneno da ideologia dominante dos fariseus e avisa os apóstolos: Cuidado com o fermento dos fariseus! (Lc 12, 1); 4. relativiza os ensinamentos dos escribas, a tradição dos antigos e a própria lei de Moisés, dizendo que o sábado é para o ser humano e não vice-versa (Mc 2, 27); 5. denuncia a falsidade dos fariseus e escribas (Mt 23, 1-36; Lc 11, 37-54); 6. diante do orgulho dos judeus frente ao templo, ele diz: Podem destruir este templo, e em três dias, eu coloco outro! (Jo 2,19); 7. denuncia o sistema de comércio existente em torno ao templo (Mc 11, 15-18). Em todas estas e outras atitudes de Jesus, o objetivo não é simplesmente por contestar, mas contestar as lideranças falsas que usavam o seu poder para manter a vida presa e oprimida (Mt 23, 13). Jesus queria libertar a vida reprimida e oprimida (Mt 11, 28). VII Jesus propõe uma nova ordem Tudo isto que Jesus faz, as suas atitudes, seus gestos e suas palavras, revelam uma nova visão das coisas, um novo ponto de partida, uma nova ordem. Não é uma nova ordem no sentido de Jesus oferecer um programa concreto de ação política ou social, mas ele oferece e propõe alguns pontos

20 Prática Libertadora de Jesus 19 básicos que devem inspirar e renovar pela raiz todo o relacionamento entre os seres humanos, em qualquer tipo de organização que estiverem. Conforme São Marcos, a Boa Notícia do Reino anunciada por Jesus tem como efeito: 1. congregar as pessoas em torno a Jesus e entre si, isto é, formar comunidade (Mc 1, 16-20); 2. fazer surgir consciência crítica no povo oprimido frente aos seus líderes (Mc 1, 21-22); 3. combater o poder do mal, expulsá-lo e, assim, libertar o ser humano (Mc 1, 23-28); 4. restaurar e salvar a vida do povo para o serviço (Mc 1, 29-34); 5. permanecer unido à raiz que é o Pai, através da oração (Mc 1, 35); 6. manter a consciência da missão e não se fechar nos resultados obtidos (Mc 1, 36-39); 7. libertar e reintegrar os marginalizados (Mc 1, 40-45). Diante desta situação, Jesus não se manteve neutro. Em Nome de Deus tomou posição em defesa da vida e definiu sua missão da seguinte maneira: O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me ungiu para anunciar a Boa Nova aos pobres, enviou-me para proclamar a libertação aos presos, a recuperação da vista aos cegos, restituir a liberdade aos oprimidos e proclamar um ano de graça da parte do Senhor (Lc 4,18-19). E a missão que a comunidade recebe de Jesus é a mesma que Jesus recebeu do Pai: "Como o Pai me enviou assim eu envio vocês"(jo 20,21). O que significa isto no concreto? O Evangelho de Marcos nos dá uma ajuda para encontrar a resposta. Descrevendo o início da missão de Jesus, ele enumera os pontos principais que devem caracterizar a missão de uma comunidade cristã(mc 1,16-45): 1. Mc 1,16-20: Criar comunidade. A primeira coisa que Jesus faz, é chamar pessoas para seguì-lo. O primeiro objetivo da missão é congregar as pessoas em torno de Jesus. É criar comunidade. 2. Mc 1,21-22: Despertar consciência crítica. A primeira coisa que o povo percebe é a diferença entre o ensino de Jesus e o dos escribas. Faz parte da missão contribuir para que o povo crie consciência crítica frente à religião oficial. 3. Mc 1,23-28: Combater o poder do mal. O primeiro milagre de Jesus é a expulsão de um espírito impuro. Faz parte da missão combater o poder do mal que estraga a vida e aliena as pessoas de si mesmas.

O Movimento de Jesus

O Movimento de Jesus O Movimento de Jesus Tudo começou na Galiléia Quando Jesus começou a percorrer a Palestina, indo das aldeias às cidades, anunciando a Boa Nova do Evangelho, o povo trabalhador ia atrás dele. A fama de

Leia mais

Testemunha fiel Defender a vida até a morte

Testemunha fiel Defender a vida até a morte Bíblia:- A Sociedade no tempo de Jesus e sua Proposta Como funcionava a sociedade no tempo de Jesus e sua Proposta Testemunha fiel Defender a vida até a morte Nona Parte Por que querem matar Jesus? 1 Porque

Leia mais

Bem - Aventuranças. Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007

Bem - Aventuranças. Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007 Bem - Aventuranças Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007 Eu estou à tua porta a bater, Eu estou à tua porta a bater, Se me abrires a porta entrarei para enviar. Eu preciso

Leia mais

O Evangelho de Lucas Bruno Glaab. O evangelho de Lc vem da memória popular das comunidades e se divide em 4 blocos:

O Evangelho de Lucas Bruno Glaab. O evangelho de Lc vem da memória popular das comunidades e se divide em 4 blocos: 1 O Evangelho de Lucas Bruno Glaab 0 - Introdução O evangelho de Lc vem da memória popular das comunidades e se divide em 4 blocos: 1) Ministério de Jesus em Jerusalém, paixão, morte e ressurreição (19,29-24,57).

Leia mais

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...!

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! Quem procura acha. Módulo 2 Etapa 3 Nem sempre acha o

Leia mais

segunda-feira, 20 de agosto de 12

segunda-feira, 20 de agosto de 12 o perigo: abordagens contemporâneas (remakes) Sempre e sempre, de novo, a figura de Jesus tem sido terrivelmente amputada a fim de adaptar-se ao gosto de cada geração. Durante toda a história da igreja

Leia mais

Considerações sobre o Evangelho de João

Considerações sobre o Evangelho de João 1 Considerações sobre o Evangelho de João. O Evangelho de João nasceu do anúncio vivo, da memória de homens e mulheres que guardavam e transmitiam os ensinamentos transmitidos por Jesus.. O chão = vida

Leia mais

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros.

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. A Torá é o texto mais importante para o Judaísmo. Nele se encontram os Mandamentos, dados diretamente

Leia mais

BATISMO HISTÓRIA E SIGNIFICADO

BATISMO HISTÓRIA E SIGNIFICADO BATISMO HISTÓRIA E SIGNIFICADO 1 INTRODUÇÃO Jesus mandou seus discípulos: Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a

Leia mais

A palavra APOCALIPSE vem do grego e significa REVELAÇÃO. O livro não revela o fim do mundo, mas trata-se de um livro sobre as revelações de Jesus

A palavra APOCALIPSE vem do grego e significa REVELAÇÃO. O livro não revela o fim do mundo, mas trata-se de um livro sobre as revelações de Jesus - Oi, dona Jurema, como vai? - Tudo bem, e o senhor? - Dona Jurema, a senhora que lê a Bíblia, do que mais gosta? - Ah! Gosto do Apocalipse. O meu entendimento é fraco, mas, esse livro me traz conforto

Leia mais

QUEM É JESUS. Paschoal Piragine Jr 1 31/08/2015

QUEM É JESUS. Paschoal Piragine Jr 1 31/08/2015 1 QUEM É JESUS Jo 1 26 Respondeu João: Eu batizo com água, mas entre vocês está alguém que vocês não conhecem. 27 Ele é aquele que vem depois de mim, e não sou digno de desamarrar as correias de suas sandálias

Leia mais

Como funcionava a sociedade no tempo de Jesus

Como funcionava a sociedade no tempo de Jesus Bíblia: Sociedade no tempo de Jesus e sua proposta Como funcionava a sociedade no tempo de Jesus A LEI: Instrumento de dominação Sexta parte A Lei do sábado era muito rigorosa. Não se podia fazer nada,

Leia mais

Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia.

Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia. Jesus e sua vida Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia. Seu nascimento foi no meio de muitas

Leia mais

Discípulos missionários no Evangelho de Lucas e Magistério do Papa Francisco. 2º Encontro: Jesus, vida do discípulo: o caminho do discípulo

Discípulos missionários no Evangelho de Lucas e Magistério do Papa Francisco. 2º Encontro: Jesus, vida do discípulo: o caminho do discípulo Discípulos missionários no Evangelho de Lucas e Magistério do Papa Francisco 2º Encontro: Jesus, vida do discípulo: o caminho do discípulo Recordando: Que tipo de Messias é Jesus? Lc4, 16-19 Na Sinagoga

Leia mais

Maria, mãe de Deus, no mistério de Cristo e da Igreja Fundamentos bíblicos na Lumen Gentium VIII

Maria, mãe de Deus, no mistério de Cristo e da Igreja Fundamentos bíblicos na Lumen Gentium VIII Maria, mãe de Deus, no mistério de Cristo e da Igreja Fundamentos bíblicos na Lumen Gentium VIII Quando, porém, chegou a plenitude do tempo, enviou Deus o seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a Lei,

Leia mais

ESBOÇO DO EVANGELHO DE MATEUS

ESBOÇO DO EVANGELHO DE MATEUS Esboço do Evangelho de Mateus 1 ESBOÇO DO EVANGELHO DE MATEUS FILIPE DUNAWAY I. Prólogo (Mt 1.1 2.23). A. A genealogia messiânica de Jesus (1.1-17). B. O nascimento de Jesus Cristo, o filho de Davi e Deus

Leia mais

Ciclo de estudos Paróquia Divino Salvador ARQUIDIOCESE DE CAMPINAS. Discípulos-missionários no Evangelho de Lucas e no Magistério do Papa Francisco

Ciclo de estudos Paróquia Divino Salvador ARQUIDIOCESE DE CAMPINAS. Discípulos-missionários no Evangelho de Lucas e no Magistério do Papa Francisco Ciclo de estudos Paróquia Divino Salvador ARQUIDIOCESE DE CAMPINAS Discípulos-missionários no Evangelho de Lucas e no Magistério do Papa Francisco Discípulos-missionários no Evangelho de Lucas e no Magistério

Leia mais

TEMPOS DE SOLIDÃO. Jó 23:8-11

TEMPOS DE SOLIDÃO. Jó 23:8-11 TEMPOS DE SOLIDÃO Jó 23:8-11 Na semana passada, eu falei muito sobre maldições, punições e castigos que Deus envia aos desobedientes e rebeldes. Falei sobre a disciplina Divina, cuja finalidade é o verdadeiro

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT)

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT) JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT) 11-02-2012 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze Em que sentido toda a vida de Cristo é Mistério? Toda a vida

Leia mais

EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3. Evangelho de João Cap. 3. 1 Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus.

EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3. Evangelho de João Cap. 3. 1 Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus. EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3 LEMBRETE IMPORTANTE: As palavras da bíblia, são somente as frases em preto Alguns comentários explicativos são colocados entre os versículos, em vermelho. Mas é apenas com o intuito

Leia mais

Lucas 7,36 8,3. O amor cura qualquer pecado!

Lucas 7,36 8,3. O amor cura qualquer pecado! Lucas 7,36 8,3 O amor cura qualquer pecado! Certo fariseu convidou Jesus para uma refeição em casa. Jesus entrou na casa do fariseu, e se pôs à mesa. Apareceu então certa mulher, conhecida na cidade como

Leia mais

Porque Deus mandou construir o tabernáculo?

Porque Deus mandou construir o tabernáculo? Aula 39 Área da Adoração Êxodo 19:5~6 Qual o significado de: vós me sereis reino sacerdotal? Significa que toda a nação, não parte, me sereis reino sacerdotal, povo santo, nação santa. Israel era uma nação

Leia mais

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação)

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação) O batismo do Espírito Santo (continuação) #62 Estamos falando sobre alguns dons do Espírito Santo; falamos de suas obras, dos seus atributos, como opera o novo nascimento e, por último, estamos falando

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

Ev. Jacson Austragésilo 10/05/2015

Ev. Jacson Austragésilo 10/05/2015 1 2 3 4 OBJETIVO GERAL Mostrar a importância das mulheres no ministério do Senhor Jesus Cristo e na expansão do Reino de Deus. 5 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Analisar a participação das mulheres no judaísmo e

Leia mais

JESUS CRISTO PADECEU SOB PÔNCIO PILATOS, FOI CRUCIFICADO, MORTO E SEPULTADO

JESUS CRISTO PADECEU SOB PÔNCIO PILATOS, FOI CRUCIFICADO, MORTO E SEPULTADO JESUS CRISTO PADECEU SOB PÔNCIO PILATOS, FOI CRUCIFICADO, MORTO E SEPULTADO 25-02-2012 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze Como se deu a entrada messiânica em Jerusalém? No tempo estabelecido,

Leia mais

Capítulo Vinte e Três (Chapter Twenty-Three) Os Sacramentos (The Sacraments)

Capítulo Vinte e Três (Chapter Twenty-Three) Os Sacramentos (The Sacraments) Capítulo Vinte e Três (Chapter Twenty-Three) Os Sacramentos (The Sacraments) Jesus só deu à Igreja dois sacramentos: batismo nas águas (veja Mt. 28:19) e a Santa Ceia (veja 1 Co. 11:23-26). Estudaremos

Leia mais

"Maria!"! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist!

Maria!! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist! CartadePentecostes2015 AbadeGeralOCist "Maria" Carissimos, vos escrevo repensando na Semana Santa que passei em Jerusalém, na Basílica do Santo Sepulcro, hóspede dos Franciscanos. Colhi esta ocasião para

Leia mais

Consolidação para o Discipulado - 1

Consolidação para o Discipulado - 1 Consolidação para o Discipulado - 1 Fortalecendo o novo convertido na Palavra de Deus Rev. Edson Cortasio Sardinha Consolidador/a: Vida consolidada: 1ª Lição: O Amor de Deus O amor de Deus está presente

Leia mais

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica A unidade na fé a caminho da missão Nossa Visão Manifestar a unidade da igreja por meio do testemunho visível

Leia mais

A BENDITA ESPERANÇA DA IGREJA

A BENDITA ESPERANÇA DA IGREJA A BENDITA ESPERANÇA DA IGREJA Ap 21.9-11 - E veio um dos sete anjos que tinham as sete taças cheias das sete últimas pragas, e falou comigo, dizendo: Vem, mostrar-te-ei a noiva, a esposa do Cordeiro.10

Leia mais

24. Creio no Filho único de Deus. O Senhor 441-455. Texto 441-455 PRIMEIRA PARTE SEGUNDA SEÇÃO CAPÍTULO II: CREIO EM JESUS CRISTO, FILHO ÚNICO DE DEUS

24. Creio no Filho único de Deus. O Senhor 441-455. Texto 441-455 PRIMEIRA PARTE SEGUNDA SEÇÃO CAPÍTULO II: CREIO EM JESUS CRISTO, FILHO ÚNICO DE DEUS 24. Creio no Filho único de Deus. O Senhor 441-455 INTRODUÇÃO O comportamento, a mensagem, a pessoa de Jesus e toda a sua história, especialmente a o mistério pascal não podem ser explicados nem corretamente

Leia mais

SEGUIMENTO DE JESUS. FREI JOÃO CARLOS KARLING, ofm jckarling@gmail.com 51 9833 8421. jckarling@gmail.com "Vem e segue-me..." 1

SEGUIMENTO DE JESUS. FREI JOÃO CARLOS KARLING, ofm jckarling@gmail.com 51 9833 8421. jckarling@gmail.com Vem e segue-me... 1 FREI JOÃO CARLOS KARLING, ofm jckarling@gmail.com 51 9833 8421 jckarling@gmail.com "Vem e segue-me..." 1 Quem foi Jesus? Onde e como viveu? O que viu? Ouviu? Falou? Testemunhou? Como era seu mundo? Quais

Leia mais

Lucas 9.51-50. Aproximando-se o tempo em que seria elevado aos céus, Jesus partiu resolutamente em direção a Jerusalém.

Lucas 9.51-50. Aproximando-se o tempo em que seria elevado aos céus, Jesus partiu resolutamente em direção a Jerusalém. Lucas 9.51-50 51 Aproximando-se o tempo em que seria elevado aos céus, Jesus partiu resolutamente em direção a Jerusalém. 52 E enviou mensageiros à sua frente. Indo estes, entraram num povoado samaritano

Leia mais

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você!

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você! MANUAL Esperança Casa de I G R E J A Esperança Uma benção pra você! I G R E J A Esperança Uma benção pra você! 1O que é pecado Sem entender o que é pecado, será impossível compreender a salvação através

Leia mais

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13 A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO Romanos 15:13 - Ora o Deus de esperança vos encha de toda a alegria e paz em crença, para que abundeis em esperança pela virtude do Espírito Santo. Só Deus pode nos dar uma

Leia mais

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus A Identidade da Igreja do Senhor Jesus Atos 20:19-27 (Ap. Paulo) Fiz o meu trabalho como Servo do Senhor, com toda a humildade e com lágrimas. E isso apesar dos tempos difíceis que tive, por causa dos

Leia mais

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS 1 LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS Lc 19 1 Jesus entrou em Jericó e estava atravessando a cidade. 2 Morava ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores

Leia mais

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM 1) Oração Terça-feira da 1ª Semana da Quaresma Ó Deus, força

Leia mais

O QUE E A IGREJA ESQUECEU

O QUE E A IGREJA ESQUECEU 51. Aproximando-se o tempo em que seria elevado aos céus, Jesus partiu resolutamente em direção a Jerusalém. 52. E enviou mensageiros à sua frente. Indo estes, entraram num povoado samaritano para lhe

Leia mais

LIVRO INFANTIL PARA COLORIR

LIVRO INFANTIL PARA COLORIR LIVRO INFANTIL PARA COLORIR Este livro foi formulado de tal maneira que os pais podem interagir e ensinar seus filhos a Palavra de Deus. Colorindo uma página por dia, e preenchendo as frases que acompanham

Leia mais

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia.

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia. EUCARISTIA GESTO DO AMOR DE DEUS Fazer memória é recordar fatos passados que animam o tempo presente em rumo a um futuro melhor. O povo de Deus sempre procurou recordar os grandes fatos do passado para

Leia mais

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus (Mt 1, 18-24)

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus (Mt 1, 18-24) 4º DOMINGO DO ADVENTO (ANO A) 22 de Dezembro de 2013 Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus (Mt 1, 18-24) 18 Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: Maria, sua mãe, estava desposada

Leia mais

O cristianismo que vivemos

O cristianismo que vivemos O cristianismo que vivemos TEXTO BÍBLICO BÁSICO Lucas 12.16-21,0-2 16 - E propôs-lhe uma parábola, dizendo: A herdade de um homem rico tinha produzido com abundância; 17 - E arrazoava ele entre si, dizendo:

Leia mais

Portanto, sempre existiu aqueles que eram de Deus, e aqueles que não eram de Deus, ou seja, os santos, e os pecadores.

Portanto, sempre existiu aqueles que eram de Deus, e aqueles que não eram de Deus, ou seja, os santos, e os pecadores. Santidade ao Senhor Antigo Testamento Ex 28:36 "Também farás uma lâmina de ouro puro e nela gravarás à maneira de gravuras de selos: Santidade ao Senhor." Novo testamento 1 Pe 1:15 "mas, como é santo aquele

Leia mais

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESTUDO 4 Palavra Viva RELEMBRANDO SANTIFICAÇÃO Nossos três grandes inimigos: O MUNDO A CARNE O D IABO 'Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque

Leia mais

BASES DA CONVERSÃO CRISTÃ E DO DISCIPULADO

BASES DA CONVERSÃO CRISTÃ E DO DISCIPULADO BASES DA CONVERSÃO CRISTÃ E DO DISCIPULADO O que é uma pessoa cristã? É a pessoa que acredita que o Deus vivo é revelado em e por meio de Jesus Cristo, que aceita Jesus Cristo como Senhor e Salvador, que

Leia mais

Vivendo a Liturgia Ano A

Vivendo a Liturgia Ano A Vivendo a Liturgia Junho/2011 Vivendo a Liturgia Ano A SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR (05/06/11) A cor litúrgica continua sendo a branca. Pode-se preparar um mural com uma das frases: Ide a anunciai

Leia mais

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado LIÇÃO 1 - EXISTE UM SÓ DEUS 18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado A Bíblia diz que existe um único Deus. Tiago 2:19, Ef. 4 1- O Deus que Criou Todas as coisas, e que conduz a sua criação e

Leia mais

O PLANO CONTRA LÁZARO

O PLANO CONTRA LÁZARO João 12 Nesta Lição Estudará... Jesus em Betânia O Plano Contra Lázaro Jesus Entra em Jerusalém Alguns Gregos Vão Ver Jesus Anuncia a Sua Morte Os Judeus Não Crêem As Palavras de Jesus Como Juiz JESUS

Leia mais

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados...

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... Apostila de Fundamentos Arrependimento Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... (Atos 3:19) A r r e p e n d i m e n t o P á g i n a 2 Arrependimento É muito importante

Leia mais

1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo.

1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo. 1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo. Ao contribuir com o dízimo, saímos de nós mesmos e reconhecemos que pertencemos tanto à comunidade divina quanto à humana. Um deles, vendo-se

Leia mais

A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46

A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46 A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46 1 1. Objetivos: Mostrar que o Senhor Jesus morreu na cruz e foi sepultado. Ensinar que o Senhor Jesus era perfeito; não havia nada que o condenasse. Ensinar que depois

Leia mais

LIÇÃO 2 Jesus, o Messias Prometido

LIÇÃO 2 Jesus, o Messias Prometido Nesta Lição Estudará... A Natureza da Profecia Bíblica A Importância das Profecias O Desenvolvimento da Profecia Messiânica O Ritual Profético As Profecias Sobre o Messias Humano e Divino Sacrifício e

Leia mais

Jesus viu e se encheu de compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor!

Jesus viu e se encheu de compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor! 16º DOMINGO DO TEMPO COMUM - 19 de julho de 2015 Jesus viu e se encheu de compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor! Leituras: Jeremias 23, 1-6; Salmo 22 (23), 1-3a.3b-4.5.6 (R/1.6a); Efésios 2, 13-18;

Leia mais

CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014

CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014 CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014 NO CAMINHO DO DISCIPULADO MISSIONÁRIO, A EXPERIÊNCIA DO ENCONCONTRO: TU ÉS O MESSIAS, O FILHO DO DEUS VIVO INTRODUÇÃO Queridos/as Catequistas! Com nossos cumprimentos

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Poderá interromper e dialogar com o grupo; montar perguntas durante a exibição; montar grupos de reflexão após a exibição, e assim por diante.

Poderá interromper e dialogar com o grupo; montar perguntas durante a exibição; montar grupos de reflexão após a exibição, e assim por diante. O Catequista, coordenador, responsável pela reunião ou encontro, quando usar esse material, tem toda liberdade de organizar sua exposição e uso do mesmo. Poderá interromper e dialogar com o grupo; montar

Leia mais

Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas

Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas Uma breve meditação sobre Mudança de Estruturas O objetivo desta meditação é redescobrir a dimensão espiritual contida na metodologia de mudança

Leia mais

Jesus revela-nos que Deus é. Pai. Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008

Jesus revela-nos que Deus é. Pai. Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008 Jesus revela-nos que Deus é Pai Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008 Quem inventou Deus? Desde sempre que os homens acreditaram na existência de forças muito poderosas

Leia mais

EBD ADU 2011. Aulas sobre o Espírito Santo e você. Prefácio

EBD ADU 2011. Aulas sobre o Espírito Santo e você. Prefácio Aulas sobre o Espírito Santo e você. EBD ADU 2011 Prefácio 1. Quem é o Espírito Santo? 2. Os símbolos do Espírito Santo 3. O Espírito Santo e as Escrituras 4. Da criação até o nascimento de Jesus 5. Do

Leia mais

JESUS CRISTO: o seu tempo e a sua mensagem

JESUS CRISTO: o seu tempo e a sua mensagem Jesus Cristo: JESUS CRISTO: o seu tempo e a sua mensagem 1 1. O país de Jesus. No tempo de Jesus a Palestina estava dividida em 5 regiões: Galileia; Samaria; Decápolis; Judeia; Pereia. Politicamente estava

Leia mais

João Batista: Preparando o caminho para Jesus

João Batista: Preparando o caminho para Jesus Lição 3 12 a 19 de julho João Batista: Preparando o caminho para Jesus Sábado à tarde Ano Bíblico: Pv 8 11 VERSO PARA MEMORIZAR: Em verdade vos digo: entre os nascidos de mulher, ninguém apareceu maior

Leia mais

Estudo 17 Testemunhar a Cristo: um desafio diário. Em Marcha, 2015.1 IGREJA METODISTA ASA NORTE 406

Estudo 17 Testemunhar a Cristo: um desafio diário. Em Marcha, 2015.1 IGREJA METODISTA ASA NORTE 406 Estudo 17 Testemunhar a Cristo: um desafio diário Em Marcha, 2015.1 IGREJA METODISTA ASA NORTE 406 Roteiro 1- Introdução 2- Fundamento Bíblico 3- Conclusão 1. Introdução Voce entende por que é importante

Leia mais

2.3. A MISSÃO NOS SINÓTICOS

2.3. A MISSÃO NOS SINÓTICOS 2.3. A MISSÃO NOS SINÓTICOS Sergio Bensur 1. RESUMO E OBJETIVO Resumo Os Evangelhos Sinóticos não apresentam uma visão unitária da missão. Embora tendo um pano de fundo comum cada um deles tem seu próprio

Leia mais

O povo judeu e sua religião

O povo judeu e sua religião A Vida de JESUS O povo judeu e sua religião O POVO JUDEU Religião Deus e o relacionamento com o homem O Tabernáculo A Arca da Aliança O Templo As Escrituras As Sinagogas Grupos religiosos O POVO JUDEU

Leia mais

Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL

Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL 1 Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL 04/03/2001 N Jo 9 1 Jesus ia caminhando quando viu um homem que tinha nascido cego. 2 Os seus discípulos perguntaram:

Leia mais

CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo. CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo

CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo. CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo Tens uma tarefa importante para realizar: 1- Dirige-te a alguém da tua confiança. 2- Faz a pergunta: O que admiras mais em Jesus? 3- Regista a resposta nas linhas.

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

BÍBLIA PASSO A PASSO NOVO TESTAMENTO

BÍBLIA PASSO A PASSO NOVO TESTAMENTO PAGINA 1 BÍBLIA PASSO A PASSO NOVO TESTAMENTO 10. O ENSINAMENTO SOBRE JESUS Pouco tempo depois, ajuntou-se outra vez uma grande multidão. Como eles não tinham nada para comer, Jesus chamou os discípulos

Leia mais

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO.

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. TEXTO: 1 Entrando em Jericó, atravessava Jesus a cidade. 2 Eis que um homem, chamado Zaqueu, maioral dos publicanos e rico, 3 procurava ver

Leia mais

P á g i n a 1 7 PAROQUIA N. SRA. RAINHA DOS APOSTOLOS CANTOS DA QUARESMA - 2015. Cantos de Entrada: 1) Entrada/Senhor Eis Aqui o Teu Povo

P á g i n a 1 7 PAROQUIA N. SRA. RAINHA DOS APOSTOLOS CANTOS DA QUARESMA - 2015. Cantos de Entrada: 1) Entrada/Senhor Eis Aqui o Teu Povo Cantos de Entrada: 1) Entrada/Senhor Eis Aqui o Teu Povo Refrão: Senhor, eis aqui o teu povo que vem implorar teu perdão; É grande o nosso pecado, porém é maior o teu coração. 1. Sabendo que acolheste

Leia mais

O líder influenciador

O líder influenciador A lei da influência O líder influenciador "Inflenciar é exercer ação psicológica, domínio ou ascendências sobre alguém ou alguma coisa, tem como resultado transformações físicas ou intelectuais". Liderança

Leia mais

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas (Lc 16, 19-31)

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas (Lc 16, 19-31) 26º DOMINGO DO TEMPO COMUM (ANO C) 29 de Setembro de 2013 Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas (Lc 16, 19-31) 19 «Havia um homem rico que se vestia de púrpura e linho fino e fazia todos

Leia mais

1- INTRODUÇÃO. A história da vida de Jesus Cristo encontra-se em toda Bíblia. VT Jesus em profecia NT Jesus histórico

1- INTRODUÇÃO. A história da vida de Jesus Cristo encontra-se em toda Bíblia. VT Jesus em profecia NT Jesus histórico Vida de Cristo 1- INTRODUÇÃO A história da vida de Jesus Cristo encontra-se em toda Bíblia. VT Jesus em profecia NT Jesus histórico Entre o VT e o NT 400 anos de silêncio. No tempo de Jesus a Judéia estava

Leia mais

Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015

Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015 Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015 Introdução: Educar na fé, para a paz, a justiça e a caridade Este ano a Igreja no Brasil está envolvida em dois projetos interligados: a lembrança

Leia mais

DESAFIOS PARA NOSSA MISSÃO HOJE ENVIADOS ÀS FRONTEIRAS

DESAFIOS PARA NOSSA MISSÃO HOJE ENVIADOS ÀS FRONTEIRAS DESAFIOS PARA NOSSA MISSÃO HOJE ENVIADOS ÀS FRONTEIRAS Introdução Iniciamos nossa oração comunitária acolhendo as palavras que o Santo Padre dirigiu aos membros da Congregação Geral 35: Hoje desejo animar-vos

Leia mais

Poderá interromper e dialogar com o grupo; montar perguntas durante a exibição; montar grupos de reflexão após a exibição, e assim por diante.

Poderá interromper e dialogar com o grupo; montar perguntas durante a exibição; montar grupos de reflexão após a exibição, e assim por diante. O Catequista, coordenador, responsável pela reunião ou encontro, quando usar esse material, tem toda liberdade de organizar sua exposição e uso do mesmo. Poderá interromper e dialogar com o grupo; montar

Leia mais

CRISTOLOGIA. Disciplina da teologia que sistematiza a reflexão crítica sobre a pessoa de Jesus Cristo, a partir da Revelação

CRISTOLOGIA. Disciplina da teologia que sistematiza a reflexão crítica sobre a pessoa de Jesus Cristo, a partir da Revelação CRISTOLOGIA Disciplina da teologia que sistematiza a reflexão crítica sobre a pessoa de Jesus Cristo, a partir da Revelação cristã. Resposta à questão: Quem é Jesus? (Mt 16,16) Jesus é o Cristo! Jesus:

Leia mais

Perguntas para Testar a Compreensão de Gálatas

Perguntas para Testar a Compreensão de Gálatas 1:1-5 Perguntas para Testar a Compreensão de Gálatas 1:6-10 1:11-24 P1: Qual é a coisa principal que Paulo diz aqui? R: Ele saúda os cristãos de Galácia. P2: O que Paulo diz sobre a sua obra como apóstolo?

Leia mais

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus 1ª Carta de João A Palavra da Vida 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e o que as nossas mãos apalparam da Palavra da Vida 2 vida esta que

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO

CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO SOBRE NÓS FAZEI BRILHAR O ESPLENDOR DE VOSSA FACE! 3 º DOMINGO DA PÁSCOA- ANO B 22 DE ABRIL DE 2012 ANIM: (Saudações espontâneas)

Leia mais

Permita o Milagre de Jesus em sua vida Mc 7: 31-37

Permita o Milagre de Jesus em sua vida Mc 7: 31-37 Permita o Milagre de Jesus em sua vida Mc 7: 31-37 IBR 18/11/15 Mc 7:31-37 31 De novo, se retirou das terras de Tiro e foi por Sidom até ao mar da Galiléia, através do território de Decápolis. 32 Então,

Leia mais

Nasce uma nova Igreja

Nasce uma nova Igreja Nasce uma nova Igreja O Livro dos Atos dos Apóstolos é a segunda parte do Evangelho de São Lucas. No Evangelho, Lucas apresenta a vida e a atividade terrena de Jesus como a grande viagem que vai da Galiléia

Leia mais

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas (Lc 4, 21-30)

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas (Lc 4, 21-30) 4º DOMINGO DO TEMPO COMUM (ANO C) 3 de Fevereiro de 2013 Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas (Lc 4, 21-30) 16 Veio a Nazaré, onde tinha sido criado. Segundo o seu costume, entrou em

Leia mais

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO Disponível em: www.seminariomaiordebrasilia.com.br Acesso em 13/03/2014 A palavra Quaresma surge no século IV e tem um significado profundo e simbólico para os cristãos

Leia mais

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015 1 2 COM MARIA, EM JESUS, CHEGAMOS À GLÓRIA! 5º Dia (Dia 07/10 Quarta-feira) CRIANÇA: BELEZA DA TERNURA DIVINA! Na festa de Maria, unidos neste Santuário, damos graças a Deus, por meio de Maria, pela vida

Leia mais

MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 04 RESSURREIÇÃO DE DORCAS / CORNÉLIO E PEDRO Nome: Professor: Sala

MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 04 RESSURREIÇÃO DE DORCAS / CORNÉLIO E PEDRO Nome: Professor: Sala MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 04 RESSURREIÇÃO DE DORCAS / CORNÉLIO E PEDRO Nome: Professor: Sala VERSÍCULOS PARA DECORAR ESTA SEMANA VERSÍCULOS PARA DECORAR ESTA SEMANA Usamos a Bíblia na Nova Versão Internacional

Leia mais

ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO

ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO 1 ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO LIÇÃO Nº 01 DIA 16/06/2014 INTRODUÇÃO: Vamos começar uma nova série de estudos em nossas células. Esta será uma série muito interessante

Leia mais

Naquele mesmo dia, dois deles estavam indo para um povoado chamado Emaús, a onze quilômetros de Jerusalém.

Naquele mesmo dia, dois deles estavam indo para um povoado chamado Emaús, a onze quilômetros de Jerusalém. 13 Naquele mesmo dia, dois deles estavam indo para um povoado chamado Emaús, a onze quilômetros de Jerusalém. O episódio relatado por Lucas aconteceu no dia da ressurreição, durante e após uma caminhada

Leia mais

No princípio era aquele que é a Palavra... João 1.1 UMA IGREJA COM PROPÓSITOS. Pr. Cristiano Nickel Junior

No princípio era aquele que é a Palavra... João 1.1 UMA IGREJA COM PROPÓSITOS. Pr. Cristiano Nickel Junior No princípio era aquele que é a Palavra... João 1.1 UMA IGREJA COM PROPÓSITOS Pr. Cristiano Nickel Junior O propósito é que a Igreja seja um exército com bandeiras Martyn Lloyd-Jones No princípio era aquele

Leia mais

Dia 24 - DOAR. Você consegue ver mudanças internas?

Dia 24 - DOAR. Você consegue ver mudanças internas? Jesus deu a resposta aos fariseus naquele dia. Portanto, deem aos pobres o que está dentro dos seus copos e dos seus pratos, e assim tudo ficará limpo para vocês. (Lc 11.41). Com aquela Palavra, Ele tocou

Leia mais

Manual de Respostas do Álbum Líturgico- catequético No Caminho de Jesus [Ano B 2015]

Manual de Respostas do Álbum Líturgico- catequético No Caminho de Jesus [Ano B 2015] 1 Manual de Respostas do Álbum Líturgico- catequético No Caminho de Jesus [Ano B 2015] Página 9 Na ilustração, Jesus está sob a árvore. Página 10 Rezar/orar. Página 11 Amizade, humildade, fé, solidariedade,

Leia mais

Mateus 10: Jesus e Seus Discípulos

Mateus 10: Jesus e Seus Discípulos Lição 5 26 de julho a 2 de agosto Mateus 10: Jesus e Seus Discípulos Sábado à tarde Ano Bíblico: Is 11 14 VERSO PARA MEMORIZAR: Não temais, pois! Bem mais valeis vós do que muitos pardais (Mt 10:31). LEITURAS

Leia mais

9.9 Jesus Cristo é homem perfeito

9.9 Jesus Cristo é homem perfeito 9.9 Jesus Cristo é homem perfeito Aula 48 Assim como é importante verificarmos na Palavra de Deus e crermos que Jesus Cristo é Deus, também é importante verificarmos e crermos na humanidade de Jesus após

Leia mais

Carta de Paulo aos romanos:

Carta de Paulo aos romanos: Carta de Paulo aos romanos: Paulo está se preparando para fazer uma visita à comunidade dos cristãos de Roma. Ele ainda não conhece essa comunidade, mas sabe que dentro dela existe uma grande tensão. A

Leia mais

Assunto: Estudo das várias leis que estavam em operação no tempo de Cristo. 1) Lei Romana = Lei que os cidadãos obedeciam

Assunto: Estudo das várias leis que estavam em operação no tempo de Cristo. 1) Lei Romana = Lei que os cidadãos obedeciam Lição 1 Leis no tempo de Cristo Assunto: Estudo das várias leis que estavam em operação no tempo de Cristo 1) Lei Romana = Lei que os cidadãos obedeciam 2) Lei Civil do A.T. = Tinha a ver com os costumes

Leia mais