I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - I COBESA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - I COBESA"

Transcrição

1

2 Graduada em Licenciatura em Ciêscias Bióloga e Mestra em Engenharia Civil e Ambiental pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) e Professora de rede estadual de ensino da Bahia. Engenheiro Civil pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Administrador de Empresas pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Mestre em Hidráulica e Saneamento pela Escola de Engenharia de São Carlos (EESC/USP). Doutor em Saúde Pública pala Faculdade de Saúde Pública (FSP/USP). Professor Adjunto do Departamento de Tecnologia do curso de Engenharia Civil e do Programa de Mestrado em Engenharia Civil e Ambiental da UEFS. Funcionário da Empresa Bahiana de Águas e Saneamento S. A. (EMBASA). Engenheiro Civil. Doutor em Saúde Pública pela Faculdade de Saúde Pública (FSP/USP). Professor Adjunto do Departamento de Tecnologia e do Programa de Mestrado em Engenharia Civil e Ambiental da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS).

3 O nordeste representa um terço do território brasileiro com o mais baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) -0,792,eumadasregiões com índice elevado de pobreza (PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO, 2006). A região é caracterizada por desigualdades sociais, com alto índices de mortalidade infantil, analfabetismo, subnutrição e baixa expectativa de vida, reflexo das condições da população que vive na região (SACCO, 2005).

4 Dentre as dificuldades da região, o acesso à água é um dos grandes desafios, particularmente para os mais pobres e para as comunidades rurais (ARTICULAÇÃO NO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO, 2002): A água usada para o consumo humano, no semi- árido Nordestino, representa um drama social, especialmente durante as secas.

5 Dos 3,3 milhões de domicílios rurais do Nordeste, indicados pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, é provável que mais de dois terços se encontrem nesta situação. Na maioria dos casos, sem outras alternativas, é utilizada uma água imprópria e contaminada.

6 Após 60 dias do encerramento do período das chuvas, 550 mil dos 2,6 milhões de estabelecimentos rurais da região nordeste passam a viver sem qualquer q tipo de água para o consumo humano ou animal (ARTICULAÇÃO NO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO, 2002).

7 A UNICEF, a partir de dados do Ministério da Saúde, alerta para o fato de que para quatro crianças que morrem na região do semi-árido, uma é por diarréia, A taxa de mortalidade infantil é aumentada devido ao consumo de água imprópria, em consequencia da escassez de água de qualidade (ARTICULAÇÃO NO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO, 2002).

8 A alternativa presentada e executada foi a construção de A alternativa presentada e executada foi a construção de um milhão de cisternas, como forma de remediação do problema.

9 Com a captação de água de chuvas resolve-se, e se, em parte, o problema da quantida.

10 Avaliar as características bacteriológicas e físicoquímicas das amostras de água armazenadas nas cisternas, Associar às práticas relacionadas com a forma de captação, armazenamento, uso e manuseio dessa água.

11 Esta é uma pesquisa: Quantitativa, caracterizada pelo levantamento de dados relacionados à qualidade da água armazenada em 72 cisternas, e Qualitativa e descritiva, decorrente da investigação dos hábitos de uma amostra de 72 famílias da população rural localizadal no município de Serrinha/Ba, relacionados com a captação, armazenamento, manuseio e uso de águas de chuvas de cisternas rurais.

12 Levantamento Bibliográfico: De acervos técnicos, livros e artigos científicos De legislação específica, Da Companhia de Ação Regional (CAR), Do Movimento de Organização Comunitária (MOC) e Da Articulação no Semi-Árido (ASA).

13 A pesquisa foi realizada no município de Serrinha/ Ba, localizado na região do semi-árido baiano, O Município é constituído de uma população p estimada de habitantes e extensão territorial de 568 km 2 (IBGE, 2002). Próximo à Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS, proximo aos laboratórios.

14 Seleção das Comunidades: A seleção das comunidades foi fundamentada em dois critérios: Primeiro - não possuir água encanada de companhia de Saneamento; Segundo - facilidade de acesso às mesmas. Foram realizadas coletas de água em 13 comunidades rurais das 31 existentes com cisternas, de acordo com o Programa de Formação e Mobilização Social para a Convivência i como Semi-árido áid (P1MC) ea Companhia de Ação Regional (CAR).

15 RESULTADOS E DISCURSÃO Características fisico-químicas. ph ph < 6,0 6 ph < 7,5 7,5 ph 9,5 > 9,5 Totais Quantidade % Quantidade % Quantidade % Quantidade % Quantidade % , , , Cor e Turbidez Cor (uc) Turbidez (UT) 1 1 < Cor 5,0 5 < Cor 15 > 15 Totais Quantidade % Quantidade % Quantidade % Quantidade % Quantidade % 6 8, , , , < Turb. 5,0 5 < Turb. 15 > 15 Totais Quantidade % Quantidade % Quantidade % Quantidade % Quantidade % 56 77, ,1 3 4,2 0 0,

16 RESULTADOS E DISCURSÃO Características fisico-químicas. Quanto ao Sulfato, dureza, alcalinidade, cloreto, sólidos dissolvidos, id nitrito e nitrato, t as amostras se encontravam em conformidade com a portaria 518/04

17 Cloretos (mg/l) Nitrito (mg/l) Nitrato (mg/l) Ferro (mg/l) Dureza (mg/l) Alcalinidade (mg/l) Sulfatos (mg/l) Sólidos Dissolvidos (mg/l) < Clore < Clore. 250 > 250 Totais Quantidade % Quantidade % Quantidade % Quantidade % Quantidade % 55 76,4 4 5, ,1 0 0, ,1 0,1 < Nitri. 0,3 0,3 < Nitri. 1,0 > 1,0 Totais Quantidade % Quantidade % Quantidade % Quantidade % Quantidade % ,0 0 0,0 0 0,0 0 0, ,0 2,0 < Nitra. 5,0 5,0 <Nitra. 10,0 > 10,0 Totais Quantidade % Quantidade % Quantidade % Quantidade % Quantidade % 32 44, ,1 9 12,5 0, ,1 0,1 < Ferro 0,2 0,2 < Ferro 0,3 > 0,3 Totais Quantidade % Quantidade % Quantidade % Quantidade % Quantidade % 67 93,1 2 2,8 2 2,8 1 1, <Dureza <Dureza 500 > 500mg/l Totais Quantidade % Quantidade % Quantidade % Quantidade % Quantidade % 27 37, , < Alc < Alc. 250 > 250 Totais Quantidade % Quantidade % Quantidade % Quantidade % Quantidade % <Sulfatos 50 50<Sulfatos 250 > 250 Totais Quantidade % Quantidade % Quantidade % Quantidade % Quantidade % 61 84, , <Sol.Dis <Sol.Dis. 000 > 1000 Totais Quantidade % Quantidade % Quantidade % Quantidade % Quantidade %

18 RESULTADOS E DISCURSÃO Caracteristicas biológicas. Escherichia coli Microorganismo 1,1 1,1 < E.C. 23 > 23 Presença Ausência Escherichia coli Quant. % Quant. % Quant. % Quant. % Quant. % 10 13,9 8 11, ,0 72, ,0 0,0 As águas armazenadas nas cisternas, da região de Serrinha/Ba, se encontravam contaminadas com Escherichia coli.

19 RESULTADOS E DISCURSÃO Manuseio da água e conservação da cisterna. Retirada da água das cisternas Tipo de Prática Retirar a água da cisterna Balde Bomba Outros Total Quantidade % Quantidade % Quantidade % Quantidade % 51 70, , ,

20 RESULTADOS E DISCURSÃO Manuseio da água e conservação da cisterna. Retirada da água das cisternas Em pesquisa realizada no semi-arido Paraibano, 47,1% dos entrevistados utilizam balde e 41,2% bomba manual, condição melhor que a praticada na região de Serrinha / Bahia (TAVARES et al, 2007),. A prática mais recomendada d pelos pesquisadores para retirar a água das cisternas é a utilização de bomba manual ou elética.

21 RESULTADOS E DISCURSÃO Manuseio da água e conservação da cisterna. Criar peixes nas cisternas e alimentar Tipo de Prática Sim Não Total Criar peixes na cisterna Quantidade % Quantidade % Quantidade % 20 27, , Tipo de Prática Sim Não Totais Fornecer alimento Quantidade % Quantidade % Quantidade % ,0

22 RESULTADOS E DISCURSÃO Manuseio da água e conservação da cisterna. Cisterna aberta Tipo de Prática Aberta Fechada Total Cisterna aberta / fechada Acondicionamento do balde Quantidade % Quantidade % Quantidade % 14 19, , Locais onde guardavam o balde Sobre a cisterna Pendurado na cozinha No chão da cozinha Qualquer lugar Total Quantidade % Quantidade % Quantidade % Quantidade % Quantidade % 8 10, , ,0 1 1,

23 RESULTADOS E DISCURSÃO Manuseio da água e conservação da cisterna. Quanto a correlação verificou-se: Baixa concentração de Ec E.c. associada negativamente com retirada de água com balde e Baixa concentração de Ec E.c. associação positivamente com a retirada de água através de bomba manual Tab.1

24 Em todas as amostras de água das cisternas rurais analisadas na região de Serrinha foi confirmada a presença de (), portanto imprópria para consumo sem desinfecção, segundo a Resolução 518/04. Mesmo com a presença de (), impróprias para consumo sem desinfecção segundo a Resolução 518/04, a qualidade da água armazenada nas cisternas rurais é muito melhor qua as coletadas nos açudes ou águadas, logo, seu uso significa avanço.

25 Ferro: apenas uma amostra (1,4%) se encontrava superior ao limite máximo estabelecido pela Portaria Nº 518/04; Turbidez: 3 amostras (4,2%) se encontravam com turbidez pouco superior a 5. Cor: 20 amostras (27,8%) se encontravam com cor superior ao limite estabelecido pela portaria n 514/04.

26 Verifica-se que a água das cisternas atende a Portaria Nº 518/04 do MS, exceto quanto a cor e turbidez. Quanto aos parâmetros físico-químicos avaliados a água armazenada nas cisternas pode ser consumida pelo homem.

27 A bomba manual e a elétrica são equipamentos que favorecem a manutenção da qualidade da água armazenada na cisterna. O uso de bomba manual e elétrica devem ser estimulado em substituição ao balde, por exemplo.

28

29 A captação e armazenamento de água de chuva em cisternas é uma solução adequada para abastecimento humano com água de qualidade, d nas áreas rurais.

30

31 E.c <1/Criar peixe -0,081 1,1<E.c < 23/ Criar peixe -0,130 E.c > 23/Criar peixe 0,014 E.c <1/Retirar água com balde -0,414 E.c <1/Retirar água com bomba manual 0,414 1,1<E.c < 23/Retirar água com balde -0,421 1,1<E.c < 23/Retirar água com bomba manual 0,041

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CHUVA ARMAZENADA EM CISTERNAS E NO PONTO DE CONSUMO EM COMUNIDADES RURAIS DO SEMI-ÁRIDO PARAIBANO.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CHUVA ARMAZENADA EM CISTERNAS E NO PONTO DE CONSUMO EM COMUNIDADES RURAIS DO SEMI-ÁRIDO PARAIBANO. AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CHUVA ARMAZENADA EM CISTERNAS E NO PONTO DE CONSUMO EM COMUNIDADES RURAIS DO SEMI-ÁRIDO PARAIBANO. Priscilla Cordeiro de Miranda; Rogério Pereira Xavier; Albertina Farias

Leia mais

Resultados das análises referentes aos parâmetros básicos de qualidade da água na rede de distribuição N ANÁLISES REALIZADAS N ANÁLISES REALIZADAS

Resultados das análises referentes aos parâmetros básicos de qualidade da água na rede de distribuição N ANÁLISES REALIZADAS N ANÁLISES REALIZADAS Turbidez 51 59 59 Cloro Residual Livre 51 59 59 Cor Aparente 10 59 59 atenderam atenderam atenderam 51 59 01 amostra apresentou presença de CT Escherichia coli 51 59 Ausência As análises realizadas estão

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CISTERNAS RESIDENCIAIS NO MUNICÍPIO DE ARARUNA-PB

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CISTERNAS RESIDENCIAIS NO MUNICÍPIO DE ARARUNA-PB ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CISTERNAS RESIDENCIAIS NO MUNICÍPIO DE ARARUNA-PB Bruno Andrade de Freitas (1); Anderson Oliveira de Sousa (1); Maick Sousa Almeida (2); Felipe Augusto da Silva Santos (3);

Leia mais

INFLUÊNCIA DE FOSSAS NEGRAS NA CONTAMINAÇÃO DE POÇOS SUBTERRÂNEOS NA COMUNIDADE VILA NOVA, ITAIÇABA-CEARÁ 1

INFLUÊNCIA DE FOSSAS NEGRAS NA CONTAMINAÇÃO DE POÇOS SUBTERRÂNEOS NA COMUNIDADE VILA NOVA, ITAIÇABA-CEARÁ 1 1 INFLUÊNCIA DE FOSSAS NEGRAS NA CONTAMINAÇÃO DE POÇOS SUBTERRÂNEOS NA COMUNIDADE VILA NOVA, ITAIÇABA-CEARÁ 1 Yanna Julia Dantas de Souza 2, Jardson Álvaro Freitas Bezerra 3, Hozineide Oliveira Rolim 4,

Leia mais

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DA ÁGUA DESTINADA AO CONSUMO HUMANO

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DA ÁGUA DESTINADA AO CONSUMO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO DA SAÚDE E ASSUNTOS SOCIAIS, IP-RAM PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DA ÁGUA DESTINADA AO

Leia mais

CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO SEMIÁRIDO: CISTERNAS DE PLACA

CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO SEMIÁRIDO: CISTERNAS DE PLACA CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO SEMIÁRIDO: CISTERNAS DE PLACA Ana Cristina de Lima 1, Jógerson Pinto Gomes Pereira 2, Marcia Cristina de Araújo Pereira 3, 1 Universidade Federal de Campina Grande UFCG; E-mail:

Leia mais

Aproveitamento de água de chuva Cristelle Meneghel Nanúbia Barreto Orides Golyjeswski Rafael Bueno

Aproveitamento de água de chuva Cristelle Meneghel Nanúbia Barreto Orides Golyjeswski Rafael Bueno Aproveitamento de água de chuva Cristelle Meneghel Nanúbia Barreto Orides Golyjeswski Rafael Bueno 1 IMPORTÂNCIA Água doce: recurso limitado ONU (2015): escassez de água afetará dois terços da população

Leia mais

Análise da influência de barreiras sanitárias na qualidade da água de chuva armazenada em cisternas rurais

Análise da influência de barreiras sanitárias na qualidade da água de chuva armazenada em cisternas rurais XI SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO NORDESTE Hotel Tambaú 27-3/11/212 João Pessoa -PB Análise da influência de barreiras sanitárias na qualidade da água de chuva armazenada em cisternas rurais Xavier,

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUA: SISTEMA FILTRO LENTO ACOPLADO A UM CANAL DE GARAFFAS PET

TRATAMENTO DE ÁGUA: SISTEMA FILTRO LENTO ACOPLADO A UM CANAL DE GARAFFAS PET TRATAMENTO DE ÁGUA: SISTEMA FILTRO LENTO ACOPLADO A UM CANAL DE GARAFFAS PET Maick Sousa Almeida (1); Anderson Oliveira de Sousa (1); Ana Paula Araújo Almeida (2) (1) Universidade Estadual da Paraíba;

Leia mais

V-070 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA CONSUMIDA NO MUNICÍPIO DE CAIÇARA DO NORTE - RN

V-070 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA CONSUMIDA NO MUNICÍPIO DE CAIÇARA DO NORTE - RN V-7 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA CONSUMIDA NO MUNICÍPIO DE CAIÇARA DO NORTE - RN André Luís Calado de Araújo (1) Engenheiro Civil pela UFPA (199). Mestre em Engenharia Civil pela UFPB (1993). PhD em

Leia mais

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA e MICROBIOLOGICA CERTIFICADO N 0261/2009

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA e MICROBIOLOGICA CERTIFICADO N 0261/2009 CERTIFICADO N 0261/2009 Amostra: 0261 Solicitante: PROGEL Origem: Ponto 01 Coordenadas Georeferenciadas: E = 229059 N = 9282462 PARÂMETROS V.M.P (*) Ponto 01 Oxigênio dissolvido, mg/l de O 2 5,00 9,00

Leia mais

ÍNDICE DE CONDIÇÕES HABITACIONAIS DA REGIÃO DO MATOPIBA

ÍNDICE DE CONDIÇÕES HABITACIONAIS DA REGIÃO DO MATOPIBA ÍNDICE DE CONDIÇÕES HABITACIONAIS DA REGIÃO DO MATOPIBA Discente: Cássia Maria Gama Lemos Orientadora: Ana Paula Dutra de Aguiar Disciplina: SER 457 e CST 310 - População, Espaço e Ambiente Docentes: Silvana

Leia mais

Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional

Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Captação de Água de Chuva: Soluções que unem Governo e Sociedade para a Convivência com o Semi-Árido rido Brasília Agosto de 2008 1.133 municípios

Leia mais

Geografia. As Regiões Geoeconômicas do Brasil. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. As Regiões Geoeconômicas do Brasil. Professor Luciano Teixeira. Geografia As Regiões Geoeconômicas do Brasil Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Geografia Aula XX AS REGIÕES GEOECONÔMICAS DO BRASIL A divisão regional oficial do Brasil é aquela

Leia mais

MAIS UMA VEZ VALE SALIENTAR QUE: Para a obtenção dos resultados foi levado em consideração o construto da legislação vigente no país:

MAIS UMA VEZ VALE SALIENTAR QUE: Para a obtenção dos resultados foi levado em consideração o construto da legislação vigente no país: LAUDO TÉCNICO SEXTA SEMANA Universidade Municipal de São Caetano do Sul USCS Responsável Técnica: Profa. Marta Angela Marcondes Equipe técnica: PROJETO EXPEDIÇÃO BILLINGS: PROBLEMAS E SOLUÇÕES MAIS UMA

Leia mais

Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa

Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa Aspectos Higiênicos da Água Prof. Jean Berg Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa na natureza

Leia mais

Resultados das Análises à Água Primeiro Trimestre de 201

Resultados das Análises à Água Primeiro Trimestre de 201 Resultados das Análises à Água Primeiro Trimestre de 201 2015/04/23 Em cumprimento do disposto no Decreto-Lei 306/07, alterado pelo Decreto-Lei n.º 92/2010 de 26 de Julho, serve o presente edital para

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO NO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO-ACRE.

AVALIAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO NO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO-ACRE. AVALIAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO NO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO-ACRE. Lúcia Monteiro Dias Gomes 1 ; Maura Regina Ribeiro 2 & Vanuza Salgado Moreira 3 RESUMO Este estudo

Leia mais

Estação de tratamento de Água: R.F Unidade Sucupira

Estação de tratamento de Água: R.F Unidade Sucupira Estação de tratamento de Água: R.F Sucupira Resultados de Análises da Água na Saída do Tratamento e Redes de Distribuição Mês: Fevereiro/2013 2914/11 Estabelecidas Valor Médio Encontrado ETA REDE ETA REDE

Leia mais

REFERENCIA NACIONAL.

REFERENCIA NACIONAL. REFERENCIA NACIONAL. LOCALIZAÇÃO Município: Crateús CE. Semiárido Nordestino Bioma Caatinga. Localizado a 380 km de Fortaleza. Área: 2.985,41 km 2. IDH: 0,675 (IBEG 2000). População: 72 386 habitantes

Leia mais

Localização dos poços no Campus

Localização dos poços no Campus UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE SUPERINTENDÊNCIA DE INFRA-ESTRUTURA DIVISÃO DE MEIO AMBIENTE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA NÚCLEO TECNOLÓGICO

Leia mais

CONCESSÃO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO QUADRO I A - Quadro de Tarifas TABELA I - TARIFA DE ÁGUA E ESGOTO

CONCESSÃO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO QUADRO I A - Quadro de Tarifas TABELA I - TARIFA DE ÁGUA E ESGOTO CONCESSÃO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO QUADRO I A - Quadro de Tarifas TABELA I - TARIFA DE ÁGUA E ESGOTO CATEGORIA SUBCATEGORIA FAIXAS (m³) TARIFAS DE ÁGUA ÁGUA R$ Até 10

Leia mais

TRANSPORTE E ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO NO SERTÃO DO NORDESTE EM PERIODO DE SECA. Resumo

TRANSPORTE E ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO NO SERTÃO DO NORDESTE EM PERIODO DE SECA. Resumo CAPTAÇÃO E MANEJO DE ÁGUA DE CHUVA PARA SUSTENTABILIDADE DE ÁREAS RURAIS E URBANAS TECNOLOGIAS E CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA TERESINA, PI, DE 11 A 14 DE JULHO DE 2005 TRANSPORTE E ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PARA

Leia mais

Tecnologias para disposição final de resíduos sólidos urbanos em municípios de pequeno porte. Dr. Cristiano Kenji Iwai

Tecnologias para disposição final de resíduos sólidos urbanos em municípios de pequeno porte. Dr. Cristiano Kenji Iwai Tecnologias para disposição final de resíduos sólidos urbanos em municípios de pequeno porte Dr. Cristiano Kenji Iwai Belo Horizonte Março/2013 Introdução Condições da disposição de resíduos no Brasil

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação da alcalinidade pelo método titulométrico. SMWW, 22ª Edição, Método

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação da alcalinidade pelo método titulométrico. SMWW, 22ª Edição, Método ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 6 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CQLAB - Consultoria e Controle de Qualidade Ltda. Determinação

Leia mais

INDICADORES SOCIOECONÔMICOS SDR BLUMENAU

INDICADORES SOCIOECONÔMICOS SDR BLUMENAU INDICADORES SOCIOECONÔMICOS SDR BLUMENAU Aspectos Econômicos ** Serviço de Apoio à Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina SEBRAE/SC. Santa Catarina em Números. Disponível em ,

Leia mais

Quantidade de água no planeta

Quantidade de água no planeta HIDROGRAFIA Quantidade de água no planeta O Brasil possui: 10% da água superficial disponível para consumo no mundo. No Brasil a distribuição é desigual. - 70% na Amazônia - 27% no Centro-Sul - 3% no

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE REGULAMENTAÇÕES PARA AVALIAÇÃO DE BALNEABILIDADE

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE REGULAMENTAÇÕES PARA AVALIAÇÃO DE BALNEABILIDADE XI Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste 27 a 30 de novembro de 2012 João Pessoa - PB ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE REGULAMENTAÇÕES PARA AVALIAÇÃO DE BALNEABILIDADE Fabio Muller Hirai - Escola Politécnica

Leia mais

QUALIDADE DAS ÁGUAS DO AQÜÍFERO FURNAS NA CIDADE DE RONDONÓPOLIS (MT).

QUALIDADE DAS ÁGUAS DO AQÜÍFERO FURNAS NA CIDADE DE RONDONÓPOLIS (MT). QUALIDADE DAS ÁGUAS DO AQÜÍFERO FURNAS NA CIDADE DE RONDONÓPOLIS (MT). Alterêdo Oliveira Cutrim ; Ana Lícia Fonseca Cutrim ABSTRACT This research was carried out in Rondonopolis city, Mato Grosso state,

Leia mais

II-149 CARACTERIZAÇÃO E CLARIFICAÇÃO DA ÁGUA DE LAVAGEM DO FILTRO DE UMA ETA QUE UTILIZA COMO COAGULANTE O SULFATO DE ALUMÍNIO

II-149 CARACTERIZAÇÃO E CLARIFICAÇÃO DA ÁGUA DE LAVAGEM DO FILTRO DE UMA ETA QUE UTILIZA COMO COAGULANTE O SULFATO DE ALUMÍNIO II-149 CARACTERIZAÇÃO E CLARIFICAÇÃO DA ÁGUA DE LAVAGEM DO FILTRO DE UMA ETA QUE UTILIZA COMO COAGULANTE O SULFATO DE ALUMÍNIO Cristiano Olinger (1) Engenheiro Civil pela Fundação Universidade Regional

Leia mais

AÇÕES MITIGADORAS SOBRE OS EFEITOS DA SECA NO SEMIÁRIDO NORDESTINO

AÇÕES MITIGADORAS SOBRE OS EFEITOS DA SECA NO SEMIÁRIDO NORDESTINO AÇÕES MITIGADORAS SOBRE OS EFEITOS DA SECA NO SEMIÁRIDO NORDESTINO Tatiana Gomes de Pontes(1); Valquiria Cordeiro de Assis(2); Larissa Barreto Barbosa(3); Paula Mikacia Umbelino Silva(4) 1,2,3,4 Universidade

Leia mais

PANORAMA BAIANO DAS ENTIDADES ATUANTES NO ABASTECIMENTO DE ÁGUA NO MEIO RURAL

PANORAMA BAIANO DAS ENTIDADES ATUANTES NO ABASTECIMENTO DE ÁGUA NO MEIO RURAL PANORAMA BAIANO DAS ENTIDADES ATUANTES NO ABASTECIMENTO DE ÁGUA NO MEIO RURAL Maria Valéria G. de Q. Ferreira Renavan Andrade Sobrinho Anésio Miranda Fernandes Neli Bonfim Cerqueira Jefferson Cerqueira

Leia mais

PLANEJAMENTO DA CAPACIDADE DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO MUNICIPIO DE POCINHOS

PLANEJAMENTO DA CAPACIDADE DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO MUNICIPIO DE POCINHOS PLANEJAMENTO DA CAPACIDADE DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO MUNICIPIO DE POCINHOS Márcia Cristina de Araújo Pereira (1); Soahd Arruda Rache Farias (1); Felipe Guedes de Souza (2); Ana Cristina de Lima (3);

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Esperança, PB 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 166,54 km² IDHM 2010 0,623 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 31095 hab. Densidade

Leia mais

Saneamento Ambiental I. Aula 12 Parâmetros de Qualidade de Água - Potabilização

Saneamento Ambiental I. Aula 12 Parâmetros de Qualidade de Água - Potabilização Universidade Federal do Paraná Engenharia Ambiental Saneamento Ambiental I Aula 12 Parâmetros de Qualidade de Água - Potabilização Profª Heloise G. Knapik 1 Primeiro módulo: Dimensionamento de redes de

Leia mais

INCIDÊNCIA DE COLIFORMES TOTAIS E ESCHERICHIA COLI NAS ÁGUAS UTILIZADAS PARA IRRIGAÇÃO PELA COMINIDADE DO MUNICÍPIO DE PAÇO DO LUMIAR- MA

INCIDÊNCIA DE COLIFORMES TOTAIS E ESCHERICHIA COLI NAS ÁGUAS UTILIZADAS PARA IRRIGAÇÃO PELA COMINIDADE DO MUNICÍPIO DE PAÇO DO LUMIAR- MA INCIDÊNCIA DE COLIFORMES TOTAIS E ESCHERICHIA COLI NAS ÁGUAS UTILIZADAS PARA IRRIGAÇÃO PELA COMINIDADE DO MUNICÍPIO DE PAÇO DO LUMIAR- MA SILVA, G.C;¹ BRINGEL, J.M.M² 1 INTRODUÇÃO A disponibilidade de

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Patos, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 515,74 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 100674 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guarabira, PB 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 166,77 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 55326 hab. Densidade

Leia mais

VII-039 AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE CONTAMINAÇÃO DO MANANCIAL SUBTERRÂNEO DE FEIRA DE SANTANA/BA-BRASIL, 2000 A 2004.

VII-039 AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE CONTAMINAÇÃO DO MANANCIAL SUBTERRÂNEO DE FEIRA DE SANTANA/BA-BRASIL, 2000 A 2004. VII-039 AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE CONTAMINAÇÃO DO MANANCIAL SUBTERRÂNEO DE FEIRA DE SANTANA/BA-BRASIL, 2000 A 2004. LEVANTAMENTO GEOGRÁFICO E DA QUALIDADE BACTERIOLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA. Rita de Cassia Assis

Leia mais

I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA

I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA ANÁLISE INTEGRADA DA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS DA BACIA DO RIO IPITANGA, BAHIA, BRASIL Charlene Luz, MSc (SENAI/CETIND) Luiz Roberto

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Mãe D'Água, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 243,65 km² IDHM 2010 0,542 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 4019 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Pirpirituba, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 79,64 km² IDHM 2010 0,595 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 10326 hab. Densidade

Leia mais

CONHEÇA O CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA QUE VOCÊ CONSOME

CONHEÇA O CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA QUE VOCÊ CONSOME CONHEÇA O CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA QUE VOCÊ CONSOME O SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto da cidade de Governador Valadares-MG, é uma Autarquia Municipal, criada pela Lei Municipal Nº276 de 01/09/1952,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Casserengue, PB 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 202,67 km² IDHM 2010 0,514 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 7058 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São Félix do Araguaia, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 16915,81 km² IDHM 2010 0,668 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10625

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vila Rica, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 7468,7 km² IDHM 2010 0,688 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 21382 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Xingu, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 7493,63 km² IDHM 2010 0,657 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5240 hab. Densidade

Leia mais

Indústria Comércio Resíduo Acidentes Desconhecida. Figura Distribuição das áreas contaminadas em relação à atividade (CETESB, 2006).

Indústria Comércio Resíduo Acidentes Desconhecida. Figura Distribuição das áreas contaminadas em relação à atividade (CETESB, 2006). 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 757 Posto de Combustível 800 700 600 500 400 300 200 127 100 38 32 3 2 0 Indústria Comércio Resíduo Acidentes Desconhecida Figura822.10.18. Distribuição das áreas

Leia mais

SOLUÇÕES EM ENGENHARIA, SANEAMENO E MEIO AMBIENTE

SOLUÇÕES EM ENGENHARIA, SANEAMENO E MEIO AMBIENTE SOLUÇÕES EM ENGENHARIA, SANEAMENO E MEIO AMBIENTE A LUSCHI é líder nacional de mercado em dragagem, destaca-se pela sua expertise técnica e equipamentos próprios aplicados ao setor marítimo, portuário

Leia mais

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLOGICA DA ÁGUA CERTIFICADO Nº 966/2013 DADOS DO CLIENTE

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLOGICA DA ÁGUA CERTIFICADO Nº 966/2013 DADOS DO CLIENTE Local: Departamento de Oceanografia e Limnologia ANÁLISE E MICROBIOLOGICA DA ÁGUA CERTIFICADO Nº 966/2013 Origem: C02 Jardim externo Data de entrada: 27/03/2013 PARÂMETROS Limite de Detecção V.M.P ( 1

Leia mais

Karen Vendramini Itabaraci N. Cavalcante Rafael Mota Aline de Vasconcelos Silva

Karen Vendramini Itabaraci N. Cavalcante Rafael Mota Aline de Vasconcelos Silva UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA ASPECTOS HIDROGEOLÓGICOS E HIDROQUÍMICOS DO BAIRRO BENFICA FORTALEZA, CEARÁ Karen Vendramini Itabaraci N. Cavalcante Rafael Mota

Leia mais

ASPECTOS SANITÁRIOS E ARMAZENAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS DE PLACAS EM UMA COMUNIDADE RURAL DO MUNICÍPIO DE CUITÉ, SEMIÁRIDO PARAIBANO

ASPECTOS SANITÁRIOS E ARMAZENAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS DE PLACAS EM UMA COMUNIDADE RURAL DO MUNICÍPIO DE CUITÉ, SEMIÁRIDO PARAIBANO ASPECTOS SANITÁRIOS E ARMAZENAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS DE PLACAS EM UMA COMUNIDADE RURAL DO MUNICÍPIO DE CUITÉ, SEMIÁRIDO PARAIBANO Robson Júnio Pereira de Lima¹; Helena Cabral dos Santos²;

Leia mais

QUEM SOMOS? 1.2. Aproximadamente, quantas pessoas vivem na comunidade?

QUEM SOMOS? 1.2. Aproximadamente, quantas pessoas vivem na comunidade? 1 2 QUEM SOMOS? Parte 1: Perfil da comunidade. Nome da comunidade: Estado onde se localiza: Município onde se localiza: 1.1. A que distância a sua comunidade fica da cidade? 1.2. Aproximadamente, quantas

Leia mais

PANORAMA DO SETOR DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE ÁGUA E ESGOTO NAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DO RECÔNCAVO NORTE E INHAMBUPE

PANORAMA DO SETOR DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE ÁGUA E ESGOTO NAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DO RECÔNCAVO NORTE E INHAMBUPE PANORAMA DO SETOR DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE ÁGUA E ESGOTO NAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DO RECÔNCAVO NORTE E INHAMBUPE Janiara Alves Batista (1) Graduanda em Engenharia Sanitária e Ambiental pela Universidade

Leia mais

SISTEMA SIMPLIFICADO PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DA ÁGUA CONSUMIDA POR COMUNIDADES RURAIS DO SEMI-ÁRIDO DO BRASIL

SISTEMA SIMPLIFICADO PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DA ÁGUA CONSUMIDA POR COMUNIDADES RURAIS DO SEMI-ÁRIDO DO BRASIL CAPTAÇÃO E MANEJO DE ÁGUA DE CHUVA PARA SUSTENTABILIDADE DE ÁREAS RURAIS E URBANAS TECNOLOGIAS E CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA TERESINA, PI, DE A 4 DE JULHO DE 2005 SISTEMA SIMPLIFICADO PARA A MELHORIA DA QUALIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA U.E.F.S DEPARTAMENTO DE SAÚDE PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA U.E.F.S DEPARTAMENTO DE SAÚDE PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA U.E.F.S DEPARTAMENTO DE SAÚDE PROGRAMA DE DISCIPLINA CÓDIGO DISCIPLINA REQUISITOS SAU 228 SANEAMENTO E MEIO AMBIENTE -- CARGA HORÁRIA CRÉDITOS PROFESSOR(A) T 15

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 7 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO GREEN LAB ANÁLISES QUÍMICAS E TOXICOLÓGICAS LTDA /

Leia mais

Plano de Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco. O plano de bacias tem como objetivo a programação de ações no âmbito de cada bacia hidrográfica.

Plano de Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco. O plano de bacias tem como objetivo a programação de ações no âmbito de cada bacia hidrográfica. Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária PHD - 2537 Água em Ambientes Urbanos Plano de Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco Elídio Nunes Vieira, Henrique Leite Agostinho, Lauro Dela Libera

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guarujá, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 143,71 km² IDHM 2010 0,751 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 290752 hab. Densidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS FONTES HÍDRICAS DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA PARAÍBA

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS FONTES HÍDRICAS DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA PARAÍBA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS FONTES HÍDRICAS DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA PARAÍBA Silvia Noelly Ramos de Araújo (1), Jana Yres Barbosa de Sousa (1), Rafaela Felix Basílio da Silva (2), Débora Samara Cruz Rocha

Leia mais

GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO. Pedro Masiero Jr.

GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO. Pedro Masiero Jr. 18 de agosto de 2010, Rio de Janeiro GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO. Pedro Masiero Jr. O Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro Dados

Leia mais

Saneamento Ambiental I TH018

Saneamento Ambiental I TH018 Universidade Federal do Paraná Engenharia Ambiental Saneamento Ambiental I TH018 Aula 01 Apresentação da Disciplina Profª Heloise G. Knapik 1 Apresentação Docente Professor: Heloise Garcia Knapik Formação:

Leia mais

Ângelo Mário Emanuela Coutinho Geraldo Oliveira MANGABEIRA

Ângelo Mário Emanuela Coutinho Geraldo Oliveira MANGABEIRA MANGABEIRA Ângelo Mário Emanuela Coutinho Geraldo Oliveira MANGABEIRA Sumário Introdução 03 Localização geográfica 04 História 06 Depoimento de uma moradora 09 Curiosidades 11 Pontos de encontro da comunidade

Leia mais

V ENCONTRO NACIONAL DA RENAST Vigilância em Saúde do Trabalhador no Setor Canavieiro

V ENCONTRO NACIONAL DA RENAST Vigilância em Saúde do Trabalhador no Setor Canavieiro V ENCONTRO NACIONAL DA RENAST Vigilância em Saúde do Trabalhador no Setor Canavieiro Simone Alves dos Santos Coordenação Estadual de Saúde do Trabalhador DVST / CEREST / SES /SP Brasília, 29 de setembro

Leia mais

Uso Racional da Água

Uso Racional da Água PHD - Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária PHD 2537 - Água em Ambientes Urbanos Uso Racional da Água Prof. Kamel Zahed Filho Afonso Mariutti Chebib Luiz Dal Sochio Junior Luiz Fernando Simone

Leia mais

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas.

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas. Rio de Janeiro, 18/09/2014 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho e rendimento Trabalho infantil Fecundidade Características

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS INDICADORES DE BALNEABILIDADE EM PRAIAS ESTUARINAS

AVALIAÇÃO DOS INDICADORES DE BALNEABILIDADE EM PRAIAS ESTUARINAS AVALIAÇÃO DOS INDICADORES DE BALNEABILIDADE EM ESTUARINAS Bianca Coelho Machado Curso de Engenharia Sanitária, Departamento de Hidráulica e Saneamento, Centro Tecnológico, Universidade Federal do Pará.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sinop, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3204,92 km² IDHM 2010 0,754 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 113099 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Campo Novo do Parecis, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9480,98 km² IDHM 2010 0,734 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 27577

Leia mais

COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS PNAD Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Última atualização: 2014 1 DOMICÍLIOS ACESSO A SERVIÇOS PÚBLICOS 2 Água EVOLUÇÃO DO PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS COM ACESSO

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Rondonópolis, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 4181,58 km² IDHM 2010 0,755 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 195476 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cáceres, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 24478,87 km² IDHM 2010 0,708 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 87942 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Juara, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 21474,36 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 32791 hab. Densidade demográfica

Leia mais

O futuro do saneamento no Brasil 2º Congresso Brasileiro do PVC Gesner Oliveira Presidente

O futuro do saneamento no Brasil 2º Congresso Brasileiro do PVC Gesner Oliveira Presidente O futuro do saneamento no Brasil 2º Congresso Brasileiro do PVC Gesner Oliveira Presidente São Paulo, 19 de junho de 2007 O objeto que representa a civilização e o progresso não é o livro, o telefone,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Taperoá, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 664,9 km² IDHM 2010 0,578 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 14936 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 23 O meio aquático II: Monitoramento e parâmetros de qualidade de água Prof.ª Heloise Knapik 1 Bacia do Alto Iguaçu Ocupação Urbana

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Real do Colégio, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 240,46 km² IDHM 2010 0,551 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Lucas do Rio Verde, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3674,76 km² IDHM 2010 0,768 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 45556 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Matupá, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5172,94 km² IDHM 2010 0,716 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14174 hab. Densidade

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE CONTAGEM

CÂMARA MUNICIPAL DE CONTAGEM P R O M U L G A Ç Ã O D E L E I Faço saber que a Câmara Municipal de Contagem aprovou e eu promulgo e faço publicar, nos termos do 8º do art. 80 da Lei Orgânica do Município de Contagem, de 20 de março

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Palmeira dos Índios, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 462,76 km² IDHM 2010 0,638 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo

Leia mais

Ilana Pinsky Sandro Sendin Mitsuhiro

Ilana Pinsky Sandro Sendin Mitsuhiro Organização: Coordenação: Comissão organizadora: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga Raul Caetano Ilana Pinsky Sandro Sendin Mitsuhiro 1 Por que esse estudo é relevante? A maconha é a substância ilícita

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ)

AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ) AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ) MARCOS LEGAIS CONSÓRCIO PÚBLICO - CONSTITUIÇÃO FEDERAL (Art. 241 - Emenda nº 19/1998) - LEI FEDERAL

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Boca da Mata, AL 13/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 187,11 km² IDHM 2010 0,604 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010)

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Belém, AL 13/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 48,36 km² IDHM 2010 0,593 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 4551 hab.

Leia mais

Ensaios Unidade Resultados V.M.P 2 Coliformes Termotolerantes UFC / 100 ml Ausência Ausência Coliformes Totais UFC / 100 ml Ausência Ausência

Ensaios Unidade Resultados V.M.P 2 Coliformes Termotolerantes UFC / 100 ml Ausência Ausência Coliformes Totais UFC / 100 ml Ausência Ausência Identificação do Ponto: Bebedouro 020 Alojamento C 20 Laboratório: 219/ 2013 Protocolo: 13.0163 / 2013 Pág.(s): 1/1 ph ---- ph-metrowtw 6,57 6,0 9,5 Turbidez UT (4) Turbidimetro Hach 0,38 0,5* Cor uh (3)

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Major Isidoro, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 455,14 km² IDHM 2010 0,566 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010)

Leia mais

DISCIPLINA: ANÁLISE DE INVESTIMENTOS AULA 8 CRITÉRIOS PARA ANÁLISE DE INVESTIMENTOS

DISCIPLINA: ANÁLISE DE INVESTIMENTOS AULA 8 CRITÉRIOS PARA ANÁLISE DE INVESTIMENTOS DISCIPLINA: ANÁLISE DE INVESTIMENTOS AULA 8 CRITÉRIOS PARA ANÁLISE DE INVESTIMENTOS Prof. Mestre Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Olho D'Água das Flores, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 183,96 km² IDHM 2010 0,565 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA 20/05/2015

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA 20/05/2015 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA 20/05/2015 Perfil da Extrema Pobreza Núcleo duro da pobreza 71% de negros e negras 60% na região Nordeste 40% de crianças e adolescentes (0 a 14 anos) Eixos do Plano

Leia mais

Resolução CONAMA Nº 396, de 03 de Abril de Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais para o enquadramento das águas subterrâneas.

Resolução CONAMA Nº 396, de 03 de Abril de Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais para o enquadramento das águas subterrâneas. Resolução CONAMA Nº 396, de 03 de Abril de 2008 Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais para o enquadramento das águas subterrâneas. - Definições Águas subterrâneas: águas que ocorrem naturalmente

Leia mais

ESTIMATIVA DO POTENCIAL DE CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS NO CAMPUS DA UFCG EM POMBAL PB

ESTIMATIVA DO POTENCIAL DE CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS NO CAMPUS DA UFCG EM POMBAL PB ESTIMATIVA DO POTENCIAL DE CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS NO CAMPUS DA UFCG EM POMBAL PB José Ronildo da Silva ¹; Amanda Nogueira Medeiros ¹; Célia Soares de Brito ²; Yasmim Sousa e Lima ³; Raphael Moreira

Leia mais

INSTITUTO LINA GALVANI. Conhecendo a realidade do município CAMPO ALEGRE DE LOURDES ANGICO DOS DIAS BAHIA

INSTITUTO LINA GALVANI. Conhecendo a realidade do município CAMPO ALEGRE DE LOURDES ANGICO DOS DIAS BAHIA INSTITUTO LINA GALVANI Conhecendo a realidade do município CAMPO ALEGRE DE LOURDES ANGICO DOS DIAS BAHIA São Paulo, outubro de 2009 1 1- QUADRO RESUMO Informação e indicadores municipais Nome do município:

Leia mais

DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE NOS LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CLÍNICA DO MUNICÍPIO DE CRUZ DAS ALMAS, BAHIA

DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE NOS LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CLÍNICA DO MUNICÍPIO DE CRUZ DAS ALMAS, BAHIA DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE NOS LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CLÍNICA DO MUNICÍPIO DE CRUZ DAS ALMAS, BAHIA Leidineia da Silva Moraes Graduanda no curso de Engenharia Sanitária e Ambiental da

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO SETOR SANEAMENTO PARA REALIZAÇÃO DE DIAGNÓSTICOS HIDROENERGÉTICOS

CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO SETOR SANEAMENTO PARA REALIZAÇÃO DE DIAGNÓSTICOS HIDROENERGÉTICOS CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO SETOR SANEAMENTO PARA REALIZAÇÃO DE DIAGNÓSTICOS HIDROENERGÉTICOS Buenos Aires, 13 de Novembro de 2013 Sumário 1 - Procel Sanear - Atividades Principais 2 - Procel Sanear

Leia mais

GUIA PARA AMOSTRAGEM DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES EXISTENTES

GUIA PARA AMOSTRAGEM DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES EXISTENTES GUIA PARA AMOSTRAGEM DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES EXISTENTES INTRODUÇÃO Este guia pretende estabelecer um padrão para unificar as informações levantadas/obtidas ou amostradas pelos

Leia mais

O CASO DO RIO GRANDE DO NORTE

O CASO DO RIO GRANDE DO NORTE O CASO DO RIO GRANDE DO NORTE O Estado do Rio Grande do Norte tem uma área territorial de 52,7 mil de km² sendo o 22º estado brasileiro em dimensões territoriais, correspondente a 0,62% do tamanho do Brasil,

Leia mais

Anna Virgínia Machado UFF-CDEN. Valmor Pietsch ABEAG-CDEN. Evandro de Alencar Carvalho (Presidente do Crea-PE)

Anna Virgínia Machado UFF-CDEN. Valmor Pietsch ABEAG-CDEN. Evandro de Alencar Carvalho (Presidente do Crea-PE) Palestrantes: Moderador: Igor Rusch SANEPAR Anna Virgínia Machado UFF-CDEN Valmor Pietsch ABEAG-CDEN Debatedor: Evandro de Alencar Carvalho (Presidente do Crea-PE) De acordo com a Organização Mundial da

Leia mais

CONSÓRCIOS PÚBLICOS E TECNOLOGIAS PARA RESOLUÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL DE RÉSÍDUOS SÓLIDOS

CONSÓRCIOS PÚBLICOS E TECNOLOGIAS PARA RESOLUÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL DE RÉSÍDUOS SÓLIDOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS E TECNOLOGIAS PARA RESOLUÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL DE RÉSÍDUOS SÓLIDOS EDUARDO ROCHA DIAS SANTOS Gerente de Resíduos Sólidos Ministério do Meio Ambiente 25 de maio de 2015 Poços de Caldas

Leia mais

USO DA CINETICA DE ORDEM ZERO E PRIMEIRA ORDEM DO CLORETO FERRICO PARA PURIFICAÇÃO DE ÁGUA

USO DA CINETICA DE ORDEM ZERO E PRIMEIRA ORDEM DO CLORETO FERRICO PARA PURIFICAÇÃO DE ÁGUA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 USO DA CINETICA DE ORDEM ZERO E PRIMEIRA ORDEM DO CLORETO FERRICO PARA PURIFICAÇÃO DE ÁGUA Joseane D. P.Theodoro 1, Grasiele S. Madrona 1, Paulo S. Theodoro

Leia mais