ESTATUTO SOCIAL SBTUR VIAGENS E TURISMO S.A. CNPJ Nº / CAPÍTULO I

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTATUTO SOCIAL SBTUR VIAGENS E TURISMO S.A. CNPJ Nº 04.495.717/0001-02 CAPÍTULO I"

Transcrição

1 ESTATUTO SOCIAL SBTUR VIAGENS E TURISMO S.A. CNPJ Nº / CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO Artigo 1 - A Sociedade atuará sob a denominação social de SBTUR VIAGENS E TURISMO S.A., sendo uma sociedade por ações de capital fechado, que se regerá por este Estatuto e pela Legislação vigente, tendo: a) a sede e administração na cidade de Florianópolis, na Av. Mauro Ramos, nº , lojas 07 e 08, no bairro Centro, CEP , e foro jurídico na Comarca de Florianópolis, Estado de Santa Catarina, podendo sua administração estabelecer filiais, agências ou sucursais em qualquer ponto do território nacional; b) área de atuação em todo o território nacional; c) o prazo de duração da sociedade é indeterminado e o ano social compreendido no período de 1º de janeiro a 31 de dezembro. CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS SOCIAIS Artigo 2 - A sociedade tem como objeto social o desenvolvimento das atividades de operadora e agência de viagens e turismo, comercialização de Planos de Viagens, intermediação na compra de diárias de hospedagens com recursos de terceiros através de Planos de Viagens, como também a intermediação, representação, consultoria e assessoramento de vendas de Planos de Viagens, nos termos da legislação vigente, e a participação em outras sociedades. Único - Para cumprir o objeto social, o SBTUR poderá efetivar contratos com terceiros, para a aquisição de Planos de Viagem, locação, comodato ou convênio com os meios de hospedagem, transporte aéreo, marítimo ou rodoviário, bem como com todas as organizações do segmento de lazer e turismo, para utilização por seus usuários. CAPÍTULO III DO CAPITAL SOCIAL E DAS AÇÕES Artigo 3 - O capital social é de R$ ,00 (quinhentos mil reais), todo ele realizado e dividido em (dois milhões e quinhentas mil) ações ordinárias e (dois milhões e quinhentas mil) ações preferenciais, com valor nominal de R$ 0,10 (dez centavos) cada uma. Primeiro - As ações representativas do capital social, são indivisíveis, e, em relação à sociedade poderão ser: a) Ordinárias, com direito a voto; b) Preferenciais, sem direito a voto, mas com as seguintes vantagens: 1) Prioridade na distribuição de dividendos; 2) Prioridade no reembolso do capital, com prêmio ou sem ele. 1

2 Segundo - A Sociedade, mediante deliberação do Conselho de Administração, está autorizada a aumentar, independente de reforma estatutária, o valor do Capital Social em R$ ,00 (quinhentos mil reais), com a emissão de ações Ordinárias e/ou Preferenciais, com ou sem valor nominal, a critério do Conselho de Administração, sendo que no ato da aquisição, cada acionista integralizará em moeda corrente nacional, o valor mínimo de 10% (dez por cento) de sua subscrição e o saldo deverá ser integralizado em moeda corrente nacional, nos termos estabelecidos pelo Conselho de Administração. Artigo 4 - Artigo 5 - Artigo 6 - Artigo 7 - Artigo 8 - Cada ação ordinária terá direito a um voto nas deliberações das Assembléias Gerais, em conformidade com o art. 110 da Lei nº 6.404/76. Os acionistas terão preferência na subscrição de novas ações decorrentes do aumento do capital social, obedecendo as classes de ações fixado no parágrafo segundo do artigo 3.º, fixando-se o prazo de 30 (trinta) dias, a contar da publicação da sua deliberação, como limite para o exercício deste direito. A Sociedade, por deliberação da Assembléia Geral, poderá a qualquer tempo transformar as ações Ordinárias em Preferenciais, dentro dos limites permitidos pela legislação e as Preferenciais em Ordinárias, mediante prévia autorização dos titulares daquelas já emitidas. As deliberações sobre cisão, incorporação, fusão, dissolução, alteração nas vantagens das ações preferenciais e aumento de capital, serão tomadas por acionistas que representem no mínimo metade das ações com direito a voto, conforme art. 136 da lei 6.404/76. Os acionistas possuidores ou detentores de Ações Ordinárias ou Preferenciais, que pretenderem transferi-las, no todo ou em parte, deverão comunicar à Diretoria Executiva, por escrito, a quantidade a ser transferida, preço e condições de pagamento, a fim de que, dentro de 30 (trinta) dias, contados da data da entrega da comunicação, os demais acionistas exerçam ou renunciem ao direito de preferência, em igualdade de condições e na proporção das ações que possuírem na sociedade. Decorrido este prazo, sem que haja sido exercido o direito de preferência, as ações poderão ser livremente transferidas inclusive para não-acionistas. CAPÍTULO IV Artigo 9 - DOS DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS USUÁRIOS DE PLANOS DE VIAGEM O quadro de usuários de Planos de Viagens será composto de duas categorias: - PRIME - EXECUTIVO Artigo 10 - O usuário Prime é portador de 01 (um) ou mais Planos de Viagem desta categoria, aos quais é garantida, a cada plano, a utilização de 07 (sete) diárias por período anual em apartamento luxo duplo nos empreendimentos hoteleiros próprios ou conveniados. 2

3 Único - A utilização de diárias de que trata o caput deste artigo será exercida pelo usuário Prime durante o período anual em uma única oportunidade ou parcelada, aproveitando a ociosidade de ocupação dos hotéis, para obter diárias de custo baixo, distribuindo a fruição entre os períodos de alta e baixa ocupação na rede hoteleira própria ou conveniada, nos principais destinos turísticos do país. Para todos os efeitos aqui previstos, fica estabelecido que o período anual de utilização das diárias compreende 12 (doze) parcelas de Taxa de Manutenção mensal efetivamente pagas e que a validade para utilização das mesmas cessará 30 (trinta) dias após o pagamento da 12ª (décima - segunda) parcela de cada período anual. Artigo 11 - O usuário Executivo é portador de 01 (um) ou mais Planos de Viagem desta categoria, aos quais é garantida, a cada plano, a utilização de 07 (sete) diárias por período anual em apartamento standard duplo nos empreendimentos hoteleiros próprios ou conveniados. Único - A utilização de diárias de que trata o caput deste artigo será exercida pelos usuários Executivos durante o período anual em uma única oportunidade ou parcelada em no máximo três vezes (2+2+3), aproveitando a ociosidade de ocupação dos hotéis, para obter diárias de custo baixo, distribuindo a fruição entre os períodos de alta e baixa ocupação na rede hoteleira própria ou conveniada composta por mais de 300 (trezentos) hotéis, nos principais destinos turísticos do país. Para todos os efeitos aqui previstos, fica estabelecido que o período anual de utilização das diárias compreende 12 (doze) parcelas de Taxa de Manutenção mensal efetivamente pagas e que a validade para utilização dos mesmos cessará 30 (trinta) dias após o pagamento da 12ª (décima - segunda) parcela de cada período anual. Artigo 12 - Os direitos de usuários, de qualquer categoria, são nominativos e transferíveis. Único - A transferência de Planos de Viagem prevista neste artigo só será efetivada pela Sociedade após o pagamento integral do seu valor e mediante o ressarcimento das despesas operacionais a serem fixadas pela Diretoria Executiva e prévia aprovação do cessionário pela Sociedade. Artigo 13 - O candidato ao quadro de usuários, de qualquer categoria, deverá ser plenamente capaz para os atos da vida civil, comercial e gozar de bom conceito social e moral. Artigo 14 - A admissão de usuários, de qualquer categoria, se dará mediante a validação da Proposta de Subscrição e do Contrato de Aquisição do Plano de Viagem SBTUR e poderá, a critério da Diretoria Executiva, ser precedida de uma avaliação cadastral, para o que o candidato dará expressa anuência ao validar a Proposta de Subscrição e o Contrato de Aquisição. Primeiro - Caso o candidato não seja aprovado pela Diretoria Executiva, as importâncias que já houver pago serão devolvidas sem juros. Segundo - A rescisão ocorrerá, a critério da Diretoria Executiva, quando o usuário, de qualquer categoria, infringir a regra geral do caput desse artigo, não tendo o mesmo direito à devolução ou ressarcimento de qualquer quantia sob qualquer título. 3

4 Artigo 15 - Para todos os efeitos previstos neste Estatuto, fica definido que a vigência do Contrato de Aquisição do Plano de Viagem SBTUR se dará somente após a quitação do valor total da Proposta de Subscrição e do pagamento da primeira taxa de manutenção mensal, passando a valer como Plano de Viagem SBTUR definitivo. Artigo 16 - O candidato a usuário, de qualquer categoria, ao validar a proposta compromete-se a cumprir fielmente e a fazer seus dependentes observarem todas as disposições deste Estatuto e do Regulamento Interno da Sociedade. Único - A Proposta de Subscrição validada pelo candidato a usuário, de qualquer categoria, conterá a categoria do usuário, o valor do Plano, a forma de pagamento, assim como o resumo dos principais artigos deste Estatuto e do Regimento Interno. Artigo 17 - Após o pagamento integral da Taxa de Subscrição do plano de viagem, os usuários, de qualquer categoria, pagarão uma Taxa de Manutenção mensal, que corresponderá ao pagamento das diárias utilizadas no período anual pelos usuários e despesas administrativas e operacionais da Sociedade, cujo valor será atualizado de acordo com a evolução dos preços médios das diárias dos hotéis conveniados e rateado entre seus usuários. Artigo 18 - O pagamento da taxa de Manutenção mensal após o vencimento sujeita o usuário, de qualquer categoria, à multa de 2% (dois por cento) sobre a importância devida. Decorridos 90 (noventa) dias da data do inadimplemento do usuário, o débito será corrigido conforme legislação em vigor. Único - O não pagamento de três parcelas mensais consecutivas da taxa de Manutenção, poderá implicar no cancelamento do Plano de Viagem, a critério da Diretoria Executiva, independente de notificação judicial ou extrajudicial, revertendo os valores pagos em favor do patrimônio da Sociedade. Artigo 19 - Os usuários, de qualquer categoria, exercerão os direitos previstos nos artigos 10 e 11 deste Estatuto, através de pedido de reserva de hospedagem, que deverá ser solicitada com antecedência mínima de 30 (trinta) dias e após o pagamento da primeira parcela da Taxa de Manutenção mensal. Em caso de desistência da reserva confirmada, o usuário de qualquer categoria deverá comunicar com antecedência mínima de 15 (quinze) dias nos meses de janeiro, fevereiro e julho e 05 (cinco) dias para os demais meses, contados da data de entrada no hotel, sob pena de pagamento pelo usuário de uma diária ao hotel, a título de No Show, que será debitado pelo SBTUR. Único - As reservas solicitadas para a fruição dos benefícios em estabelecimentos hoteleiros conveniados que adotem pacotes turísticos em datas especiais, tais como: Reveillon, Carnaval, Páscoa, Natal e eventos especiais, com preços diferenciados das tarifas-acordo SBTUR, somente serão confirmadas mediante o pagamento das respectivas diferenças pelo usuário, e, em caso de cancelamento da reserva confirmada, o mesmo deverá comunicar com antecedência mínima de 15 (quinze) dias, contados da data de entrada no hotel reservado, sob pena do pagamento da totalidade das diárias ao hotel, a título de No Show. 4

5 Artigo 20 - São direitos dos usuários Prime e Executivo: a) hospedagem em estabelecimentos hoteleiros próprios ou contratados, conforme estabelecem os artigos 10 e 11 deste Estatuto; b) usufruir da tarifa SBTUR, para utilizar diárias excedentes nos hotéis conveniados; c) usufruir somente nas agências credenciadas SBTUR, os créditos das diárias para pagamento de pacotes turísticos, deduzidos os custos operacionais de mercado, podendo ceder também aos seus dependentes, mediante autorização escrita onde deverão ser indicados os beneficiários; d) ceder o direito de utilização de hospedagem nos hotéis conveniados aos seus dependentes ou a terceiros, mediante autorização escrita onde deverão ser indicados os beneficiários, respondendo o usuário, neste caso, por todas as obrigações e deveres para com a Sociedade, estabelecidos no presente Estatuto. Artigo 21 - Os planos de usuários, de qualquer categoria, poderão ser cancelados por qualquer das partes, mediante manifestação escrita, desde que observado o prazo mínimo de 30 (trinta) dias, após a manifestação de vontade, ou por descumprimento de quaisquer dos seus artigos. Se o cancelamento ocorrer por vontade do usuário, antes do pagamento da primeira Taxa de Manutenção mensal, não terá o mesmo direito à devolução de qualquer quantia; caso nenhuma quantia tenha sido paga, ficará o usuário obrigado a pagar, a título de despesas operacionais, o equivalente a uma Taxa de Manutenção mensal. O usuário só poderá cancelar o plano, quando houver utilizado 01 (uma) ou mais diárias, após o pagamento total das 12 (doze) Taxas de Manutenção mensal, equivalente ao período anual das diárias utilizadas. Único - A falta de pagamento de uma ou mais parcelas da Taxa de Manutenção mensal autoriza a SBTUR a sacar Letra(s) de Câmbio correspondentes aos valores em atraso, para promover a cobrança via administrativa ou judicial, na forma da legislação vigente, correndo todas as despesas e custas judiciais por conta do usuário inadimplente, bem como multa de 2% (dois por cento) incidente sobre o total da dívida em atraso. Artigo 22 - Os usuários, de qualquer categoria, que agirem em desacordo com o previsto neste Estatuto ou em qualquer outra norma interna, que direta ou indiretamente afete o conceito e/ou patrimônio da Sociedade, estarão sujeitos às seguintes penalidades: a) advertência por escrito; b) suspensão por período não inferior a dez dias e não superior a noventa dias; c) exclusão do quadro de usuários, aplicável ao reincidente após ter sofrido suspensão. Único - Das penalidades aplicadas caberá recurso, por escrito, ao Conselho de Administração que avaliará e decidirá em última instância. CAPÍTULO V DAS ASSEMBLÉIAS GERAIS Artigo 23 - A Assembléia Geral, ordinária ou extraordinária, é o órgão supremo da Sociedade e, dentro dos limites da lei e deste Estatuto, tomará toda e qualquer decisão de interesse da Sociedade e suas deliberações vinculam a todos, ainda que ausentes ou discordantes, e reunir-se-á: a) ordinariamente, até o dia 30 (trinta) de abril de cada ano para: 5

6 1. tomar as contas dos administradores, examinar, discutir e votar as demonstrações financeiras; 2. deliberar sobre a destinação do lucro líquido do exercício e a distribuição dos dividendos; 3. eleger os administradores e os membros do Conselho Fiscal, quando for o caso; 4. aprovar a correção da expressão monetária do capital social. b) extraordinariamente, sempre que os interesses da sociedade o exigirem, inclusive para deliberar sobre a alteração e reforma dos Estatutos Sociais. Artigo 24 - Compete ao Conselho de Administração convocar a assembléia-geral. Primeiro - A assembléia-geral pode também ser convocada: a) pelo conselho fiscal, no caso de assembléia-geral ordinária, se os órgãos da administração retardarem por mais de 1 (um) mês essa convocação, e no caso de assembléia-geral extraordinária, sempre que ocorrerem motivos graves ou urgentes, incluindo na agenda das assembléias as matérias que considerarem necessárias; b) por qualquer acionista, quando os administradores retardarem, por mais de 60 (sessenta) dias, a convocação nos casos previstos em lei ou no estatuto; c) por acionistas que representem cinco por cento, no mínimo, do capital social, quando os administradores não atenderem, no prazo de 08 (oito) dias, a pedido de convocação que apresentarem, devidamente fundamentado, com indicação das matérias a serem tratadas; d) por acionistas que representem cinco por cento, no mínimo, do capital votante, ou cinco por cento, no mínimo, dos acionistas sem direito a voto, quando os administradores não atenderem, no prazo de 08 (oito) dias, a pedido de convocação de assembléia para instalação do conselho fiscal. Segundo - A convocação far-se-á mediante anúncio publicado por 3 (três) vezes, no mínimo, contendo, além do local, data e hora da assembléia, a ordem do dia, e, no caso de reforma do estatuto, a indicação da matéria. Terceiro - A primeira convocação da assembléia-geral deverá ser feita com 8 (oito) dias de antecedência, no mínimo, contado o prazo da publicação do primeiro anúncio; não se realizando a assembléia, será publicado novo anúncio, de segunda convocação, com antecedência mínima de 5 (cinco) dias. Quarto - Salvo motivo de força maior, a assembléia-geral realizar-se-á no edifício onde a companhia tiver a sede; quando houver de efetuar-se em outro, os anúncios indicarão, com clareza, o lugar da reunião, que em nenhum caso poderá realizar-se fora da localidade da sede. Quinto - Independentemente das formalidades previstas neste artigo, será considerada regular a assembléia-geral a que comparecerem todos os acionistas. 6

7 Sexto - Ressalvadas as exceções previstas em lei, a assembléia-geral instalar-se-á, em primeira convocação, com a presença de acionistas que representem, no mínimo, 2/3 (dois terços) do capital social com direito de voto; em segunda convocação instalar-se-á com qualquer número. Artigo 25 - As Assembléias Gerais serão instaladas e dirigidas pelo Presidente do Conselho de Administração, na sua ausência, pelo vice-presidente do Conselho de Administração ou na ausência de ambos, pela maioria absoluta dos acionistas presentes que indicarão o Presidente da Assembléia, cabendo-lhes indicar o Secretário da Mesa. Artigo 26 - Compete privativamente à Assembléia Geral: a) eleger os administradores; b) destituir os administradores; c) aprovar as contas; d) alterar o estatuto. Artigo 27 - As deliberações das Assembléias Gerais serão tomadas por maioria absoluta das ações com direito a voto. Artigo 28 - O acionista poderá fazer representar-se na Assembléia Geral por procurador, constituído na forma do Art. 126 da Lei nº 6.404/76. Artigo 29 - Será nula a Assembléia que não obedecer os preceitos deste Estatuto e as normas legais vigentes. CAPÍTULO VI DA ADMINISTRAÇÃO DA SOCIEDADE, DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO, DA DIRETORIA EXECUTIVA E SUAS ATRIBUIÇÕES Artigo 30 - A sociedade será administrada por um Conselho de Administração e uma Diretoria Executiva. Primeiro - O Conselho de Administração será composto de no mínimo 07 (sete) e no máximo 09 (nove) membros, pessoas naturais, acionistas ou não, eleitos pela Assembléia Geral, para um mandato de 03 (três) anos, sendo permitida a reeleição; Segundo - O Conselho de Administração é órgão de deliberação colegiada, sendo a representação da Sociedade privativa da Diretoria Executiva. Artigo 31 - A Assembléia Geral designará um dos conselheiros eleitos para as funções de Presidente do Conselho de Administração e outro para as funções de Vice-Presidente do referido órgão. Competirá ao Presidente presidir as respectivas reuniões e ao Vice- Presidente a substituição nos seus impedimentos ou ausências. Artigo 32 - Nos impedimentos ou ausências de Conselheiros, o Conselho de Administração poderá designar substituto até a realização da próxima Assembléia Geral. Artigo 33 - O Conselho de Administração se reunirá, sempre que necessário, com a presença mínima de 50% (cinquenta por cento) do número de Conselheiros eleitos e empossados. Cada Conselheiro terá direito a um voto e suas deliberações serão tomadas pela maioria absoluta, cabendo ao Presidente, em caso de empate, o voto de qualidade. 7

8 Artigo 34 - São competentes para convocar as reuniões do Conselho de Administração o respectivo Presidente, a maioria de seus membros e a Diretoria Executiva. A convocação se fará por escrito, com antecedência mínima de 08 (oito) dias. Artigo 35 - É de competência exclusiva do Conselho de Administração: a) atribuir e fixar políticas, diretrizes e as metas estabelecidas pela sociedade, cumprindo e fazendo cumprir as decisões das Assembléias Gerais e o previsto no presente Estatuto Social; b) estabelecer a estrutura operacional da administração executiva e dos negócios comerciais e sociais; c) eleger e destituir Diretores da sociedade e fixar-lhes as atribuições, observando o que a respeito dispuser o Estatuto; d) fixar a orientação geral dos negócios da sociedade; e) fiscalizar a gestão dos Diretores, examinar, a qualquer tempo, os livros e papéis da sociedade, solicitar informações sobre contratos celebrados ou em vias de celebração e quaisquer outros atos; f) convocar a Assembléia Geral Ordinária e Extraordinária quando julgar conveniente; g) manifestar-se sobre o relatório da administração e as contas da Diretoria Executiva; h) manifestar-se previamente sobre atos e contratos de conteúdo econômico que ultrapassarem o valor de R$ ,00 (duzentos mil reais); i) autorizar a alienação de bens patrimoniais, a constituição de ônus reais e a prestação de garantias a obrigações de terceiros; j) estabelecer outras atribuições individuais dos Diretores, além daquelas já enumeradas neste Estatuto; k) preservar o espírito de harmonia a prevalecer entre os membros do Conselho de Administração e integrantes da Diretoria Executiva, com vistas ao fortalecimento dos objetivos sociais; l) propor à Assembléia Geral alterações do presente estatuto; Artigo 36 - A Diretoria Executiva será composta de 04 (quatro) membros, sendo um Diretor Presidente, um Diretor Adm/Financeiro, um Diretor de Operações e um Diretor de Recursos Humanos e Qualidade, pessoas naturais, acionistas ou não, eleitos na Assembléia Geral, para um mandato de 03 (três) anos, sendo permitida a reeleição. Primeiro - Ocorrendo vaga na Diretoria Executiva, o Conselho de Administração designará o novo Diretor, até a realização da próxima Assembléia Geral. Segundo - A Diretoria Executiva se reunirá sempre que for necessário, mediante convocação por parte do Diretor-Presidente ou por pedido de qualquer dos seus membros. 8

9 Terceiro - As deliberações da Diretoria Executiva e os atos dos respectivos Diretores, no exercício regular dos seus cargos, obrigam a sociedade, na forma da lei e do presente Estatuto Social, mas cada Diretor responderá pessoalmente pelos atos em que tenha participado efetivamente, nos casos de excesso ou desvio de poder de gestão. Artigo 37 - A Diretoria Executiva tem plenos poderes para praticar, ampla e ilimitadamente, todos os atos de gestão ordinária, destinados a assegurar o funcionamento regular da Sociedade e a consecução dos seus fins, sempre no fiel cumprimento dos deveres impostos pela lei e por este Estatuto, respeitadas as atribuições e alçadas privativas do Conselho de Administração e da Assembléia Geral. Artigo 38 - Compete ao Diretor-Presidente: a) representar a sociedade em juízo ou fora dele, podendo constituir procuradores no tempo e nos poderes constantes da respectiva procuração; b) definir a filosofia de trabalho da Diretoria Executiva assim como suas atribuições; c) cumprir e fazer cumprir as decisões do Conselho de Administração; d) assinar cheques bancários conjuntamente com o Diretor-Financeiro; e) adquirir, alienar e gravar bens móveis e imóveis, em conjunto com um dos Diretores, ouvido previamente o Conselho de Administração; f) desenvolver projeto cuidando da imagem corporativa e institucional do SBTUR, viabilizando convênios com os Governos Federal, Estadual e Municipal, Organizações não governamentais e com a iniciativa privada; g) presidir e exercer o voto de qualidade nas reuniões da Diretoria Executiva; h) assinar, conjuntamente com o Diretor da respectiva área, contratos e demais documentos. Artigo 39 - Compete ao Diretor Adm/Financeiro: a) planejar e organizar todas as atribuições envolvendo o controle financeiro, administração de custos, recebimento e pagamento de contas, todas as atividades contábeis, fiscais e controladoria; b) adquirir, alienar e gravar bens móveis e imóveis da Sociedade, em conjunto com o Diretor-Presidente; c) assinar cheques bancários conjuntamente com o Diretor-Presidente; d) assumir as atribuições de pessoal, admitir e demitir funcionários em conjunto com o Diretor-Presidente; e) organizar a realização das Assembléias Gerais, as reuniões do Conselho de Administração e da Diretoria Executiva; f) assinar contratos e demais documentos de sua respectiva Diretoria. Artigo 40 - Compete ao Diretor de Operações: a) planejar, promover e executar todas as atividades visando criar produtos turísticos, desenvolver negócios e parcerias comerciais, elaborar projetos para abertura de mercados e prospectar negócios para a área comercial; b) desenvolver e executar toda a política de distribuição dos produtos SBTUR; 9

10 c) celebrar convênios e/ou contratos com hotéis, locadoras de automóveis, agências e operadoras de Turismo e outras, visando disponibilizar acomodações necessárias em rede de hotéis conveniada para esse fim nos principais destinos turísticos do país, para o atendimento pleno do objeto social; d) organizar e supervisionar o controle de qualidade, gerenciamento de contratos e tarifários da rede hotéis conveniada; e) organizar e supervisionar a Central de Reservas e atendimento dos usuários, cadastro e suporte a todos o franqueados; f) desenvolver e monitorar canais de relacionamento com os usuários e parceiros, objetivando a fidelização dos mesmos; g) desenvolver todo o sistema de tecnologia de informação, de comunicação, de educação corporativa e campanha de marketing; h) assinar contratos e demais documentos de sua respectiva Diretoria. Artigo 41 - Compete ao Diretor de Recursos Humanos e Qualidade: a) planejar, promover e executar o processo de recrutamento e seleção de pessoas. b) realizar treinamento e desenvolvimento de competência dos colaboradores; c) avaliar o desempenho e gerir o plano de cargos, salários e benefícios dos colaboradores; d) monitorar o processo de comunicação interna; e) medir o processo de qualidade de vida dos colaboradores; f) controlar e padronizar os processos de qualidade dos produtos e serviços Sbtur; g) assinar contratos e demais documentos de sua respectiva Diretoria. Artigo 42 - Para abertura, requisição de talonário, movimentação e encerramento de contas bancárias, emissão, endosso e aval de títulos de crédito, celebração de contratos, convênios e compromissos financeiros, assunção de dívidas ou renúncia de direitos, serão necessárias, obrigatoriamente, as assinaturas de 02 (dois) Diretores da Sociedade. Artigo 43 - Fica proibido o uso, por parte dos Diretores, da denominação social em negócios estranhos aos interesses da Sociedade, inclusive avais, fianças ou outras garantias. Artigo 44 - Os administradores apresentarão anualmente o relatório, o balanço patrimonial e as demonstrações financeiras de todas as operações sociais, comunicando por escrito com 1 (um) mês de antecedência da Assembléia, que tais documentos se encontram à disposição dos acionistas na sede, na forma do disposto no Art. 133 da Lei nº 6.404/76. Artigo 45 - A Assembléia Geral fixará o montante global ou individual da remuneração dos administradores, nos termos do Art. 152 da Lei nº 6.404/76. 10

11 CAPÍTULO VII DO CONSELHO FISCAL Artigo 46 - O Conselho Fiscal será composto por 03 (três) membros efetivos e igual número de suplentes, que serão eleitos pela Assembléia Geral, acionistas ou não, para um mandato de 03 (três) anos, sendo permitida a reeleição. Primeiro - O Conselho Fiscal funcionará em caráter não permanente e será instalado em Assembléia Geral, a pedido de qualquer acionista ou por convocação do Conselho de Administração; Segundo - Ao Conselho Fiscal cabe examinar os livros contábeis e documentos relativos às contas da Sociedade, emitindo parecer detalhado de documentos a serem divulgados pela Sociedade; Terceiro - As atribuições do Conselho Fiscal não poderão ser delegadas a outros órgãos da Sociedade. A função de membro do Conselho Fiscal é indelegável. CAPÍTULO VIII DO EXERCÍCIO SOCIAL, DO BALANÇO, DOS LUCROS E DIVIDENDOS Artigo 47 - O Exercício Social encerrar-se-á em 31 de dezembro de cada ano, ocasião em que serão levantados o Balanço Patrimonial, apuradas as Contas de Resultados e as Demonstrações Financeiras, com observância das prescrições legais e estatutárias. Artigo 48 - Do Lucro Líquido apurado no Balanço, destinar-se-á: a) 5% (cinco por cento) para a constituição do Fundo de Reserva Legal, até atingir 20% (vinte por cento) do capital. b) 25% (vinte e cinco por cento) a título de dividendos obrigatórios, observando o que dispõem os artigos 201 e 202 da Lei 6.404/76, a ser pago consoante estabelecido em seu artigo 205, parágrafo 3º, do mesmo diploma. Único - O saldo dos lucros será distribuído a título de dividendos ou como melhor entender a Assembléia Geral, podendo ainda ficar em reserva na Sociedade para futura incorporação ao capital social, ou outra destinação. CAPÍTULO IX DA LIQUIDAÇÃO Artigo 49 - A sociedade entrará em liquidação nos casos previstos em Lei, competindo à Assembléia Geral determinar o modo de liquidação, nomeando o Liquidante e o Conselho Fiscal que deverão assumir o funcionamento no período de liquidação, fixando-lhes as suas remunerações. Artigo 50 - O Liquidante e os Conselheiros Fiscais terão atribuições e poderes a eles outorgados por Lei. 11

12 Artigo 51 - A qualquer tempo, a Assembléia Geral poderá destituir o Liquidante e os membros do Conselho Fiscal. CAPÍTULO X DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 52 - Os casos omissos neste Estatuto serão resolvidos pela Assembléia Geral e regulados de acordo com a Lei nº 6.404/76 e demais leis aplicáveis e seu foro jurídico será o mesmo da sede. Florianópolis/SC, 20 de julho de Assinatura dos Acionistas: Paulo de Brito Freitas CPF: Volnei José Koch CPF: Leandro Lopes Freitas CPF: Luiz Carlos Nunes CPF: Paula Lopes Freitas CPF: Gilberto Antônio Bizinella CPF: Milton Sergio Silveira Zuanazzi CPF:

O quadro social é composto por seis categorias de associados: - FUNDADORES - EXECUTIVOS - EXECUTIVOS REMIDOS - MASTER - BENEMÉRITOS e - HONORÁRIOS

O quadro social é composto por seis categorias de associados: - FUNDADORES - EXECUTIVOS - EXECUTIVOS REMIDOS - MASTER - BENEMÉRITOS e - HONORÁRIOS Estatuto Social Art. 01 - SBTUR SISTEMA BRASILEIRO DE HOTÉIS, LAZER E TURISMO é uma associação, pessoa jurídica de direito privado, sem fins econômicos, regida pelo presente estatuto e pela legislação

Leia mais

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração CEMIG TRADING S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 29-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 12-08-2002, sob o nº 3130001701-0, e pelas Assembléias

Leia mais

EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A.

EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 25-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 01-08-2002,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: Denominação Artigo 1º - Corrêa Ribeiro S/A Comércio e Indústria é uma sociedade

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO DOC IV Art. 1º: SOCIALCRED S/A SOCIEDADE DE CRÉDITO AO MICROEMPREENDEDOR E À EMPRESA DE PEQUENO PORTE rege-se pelo presente estatuto social

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL DOC I CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO Art. 1º: SOCIALCRED S/A SOCIEDADE DE CRÉDITO AO MICROEMPREENDEDOR E À EMPRESA DE PEQUENO PORTE rege-se pelo presente estatuto social

Leia mais

"Estatuto Social da ALFA HOLDINGS S.A. TÍTULO I Da denominação, sede, prazo de duração e objeto social

Estatuto Social da ALFA HOLDINGS S.A. TÍTULO I Da denominação, sede, prazo de duração e objeto social "Estatuto Social da ALFA HOLDINGS S.A. TÍTULO I Da denominação, sede, prazo de duração e objeto social Art. 1º - ALFA HOLDINGS S.A. é uma sociedade anônima, regida pelo presente estatuto e pelas disposições

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA FINANCEIRA ALFA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS. TÍTULO I Da Denominação, Sede, Prazo de Duração e Objeto Social

ESTATUTO SOCIAL DA FINANCEIRA ALFA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS. TÍTULO I Da Denominação, Sede, Prazo de Duração e Objeto Social ESTATUTO SOCIAL DA FINANCEIRA ALFA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS TÍTULO I Da Denominação, Sede, Prazo de Duração e Objeto Social Art. 1º - A FINANCEIRA ALFA S.A. - CRÉDITO, FINANCIAMENTO

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO Artigo 1º Artigo 2º Artigo 3º I II COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO CET, é uma sociedade por ações, de economia mista, que se regerá

Leia mais

ANEXO I ESTATUTO SOCIAL DA EMBRATEL PARTICIPAÇÕES S.A. CAPÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS DA COMPANHIA

ANEXO I ESTATUTO SOCIAL DA EMBRATEL PARTICIPAÇÕES S.A. CAPÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS DA COMPANHIA ANEXO I ESTATUTO SOCIAL DA EMBRATEL PARTICIPAÇÕES S.A. CAPÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS DA COMPANHIA Art. 1º - EMBRATEL PARTICIPAÇÕES S.A. é uma sociedade por ações, controladora da Empresa Brasileira de

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA BAIANA DE ALIMENTOS S/A EBAL

ESTATUTO DA EMPRESA BAIANA DE ALIMENTOS S/A EBAL ESTATUTO DA EMPRESA BAIANA DE ALIMENTOS S/A EBAL CAPITULO I NATUREZA, SEDE, FORO E DURAÇÃO ART. 1º - A EMPRESA BAIANA DE ALIMENTOS S/A - EBAL, sociedade por ações de capital autorizado, com personalidade

Leia mais

Anexo III à Ata da Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária da Plascar Participações Industriais S.A., realizada em 14 de abril de 2011

Anexo III à Ata da Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária da Plascar Participações Industriais S.A., realizada em 14 de abril de 2011 Anexo III à Ata da Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária da Plascar Participações Industriais S.A., realizada em 14 de abril de 2011 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO

Leia mais

EDP ENERGIAS DO BRASIL S.A. ESTATUTO SOCIAL

EDP ENERGIAS DO BRASIL S.A. ESTATUTO SOCIAL EDP ENERGIAS DO BRASIL S.A. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Denominação, Sede, Prazo e Objeto Artigo 1º EDP ENERGIAS DO BRASIL S.A. é uma sociedade por ações regida pelo presente Estatuto Social e pelas disposições

Leia mais

E S T A T U T O S O C I A L B O M T U R H O T É I S E T U R I S M O S O C I A L

E S T A T U T O S O C I A L B O M T U R H O T É I S E T U R I S M O S O C I A L E S T A T U T O S O C I A L B O M T U R H O T É I S E T U R I S M O S O C I A L C A P Í T U L O I D E N O M I N A Ç Ã O S E D E P R A Z O O B J E T I V O Art. 1º BOM TUR HOTÉIS E TURISMO SOCIAL é uma Associação

Leia mais

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e, DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013 Cria a Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S/A RIOSAÚDE e aprova seu Estatuto. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO BANCO ALFA DE INVESTIMENTO S.A. TÍTULO I Da denominação, sede, prazo de duração e objeto social

ESTATUTO SOCIAL DO BANCO ALFA DE INVESTIMENTO S.A. TÍTULO I Da denominação, sede, prazo de duração e objeto social ESTATUTO SOCIAL DO BANCO ALFA DE INVESTIMENTO S.A. TÍTULO I Da denominação, sede, prazo de duração e objeto social Art. 1º - O BANCO ALFA DE INVESTIMENTO S.A. é uma sociedade Anônima regida pelo presente

Leia mais

MARISOL S.A. CNPJ Nº 84.429.752/0001-62 EMPRESA DE CAPITAL ABERTO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO, PRAZO DE DURAÇÃO

MARISOL S.A. CNPJ Nº 84.429.752/0001-62 EMPRESA DE CAPITAL ABERTO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO, PRAZO DE DURAÇÃO MARISOL S.A. CNPJ Nº 84.429.752/0001-62 EMPRESA DE CAPITAL ABERTO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO, PRAZO DE DURAÇÃO Artigo 1º: A MARISOL S.A. é uma Sociedade Anônima de capital aberto,

Leia mais

SÃO PAULO TURISMO S. A.

SÃO PAULO TURISMO S. A. ESTATUTO SOCIAL SÃO PAULO TURISMO S. A. TITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO, PRAZO DE DURAÇÃO E OBJETIVO SOCIAL. Artigo 1º - SÃO PAULO TURISMO S.A. é uma sociedade anônima de capital autorizado, regida

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. Parágrafo 3 Poderão ser emitidas ações preferenciais até 2/3 (dois terços) do total de ações.

ESTATUTO SOCIAL. Parágrafo 3 Poderão ser emitidas ações preferenciais até 2/3 (dois terços) do total de ações. ESTATUTO SOCIAL Pettenati S/A Indústria Têxtil Atualizado até 29/10/2010 ESTATUTO SOCIAL I Denominação, sede, objeto e duração da sociedade Art. 1º - A sociedade terá por denominação social Pettenati S/A

Leia mais

GAS NATURAL SERVIÇOS S.A. ESTATUTO SOCIAL APROVADO NA ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA E EXTRAORDINÁRIA DE 27.04.2012

GAS NATURAL SERVIÇOS S.A. ESTATUTO SOCIAL APROVADO NA ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA E EXTRAORDINÁRIA DE 27.04.2012 GAS NATURAL SERVIÇOS S.A. ESTATUTO SOCIAL APROVADO NA ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA E EXTRAORDINÁRIA DE 27.04.2012 CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO E OBJETO SOCIAL. Artigo 1º - Sob a denominação

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA. TÍTULO I Da denominação, sede, prazo de duração e objeto social

ESTATUTO SOCIAL DA. TÍTULO I Da denominação, sede, prazo de duração e objeto social ESTATUTO SOCIAL DA SUZANO HOLDING S.A. TÍTULO I Da denominação, sede, prazo de duração e objeto social Art. 1º - SUZANO HOLDING S.A. é uma sociedade anônima regida pelo presente estatuto e pelas disposições

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais)

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE, DURAÇÃO Art. 1.º A SOCIEDADE DE AMIGOS DA

Leia mais

FINANSINOS S/A. Crédito, Financiamento e Investimento SOCIEDADE DE CAPITAL ABERTO CNPJ N.º 91.669.747/0001-92

FINANSINOS S/A. Crédito, Financiamento e Investimento SOCIEDADE DE CAPITAL ABERTO CNPJ N.º 91.669.747/0001-92 1 FINANSINOS S/A Crédito, Financiamento e Investimento SOCIEDADE DE CAPITAL ABERTO CNPJ N.º 91.669.747/0001-92 ESTATUTO SOCIAL Consolidando as alterações havidas até a A.G.E. de 29.04.2013 (Inclusive)

Leia mais

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 MANUAL DA ADMINISTRAÇÃO PARA A ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA VULCABRAS AZALEIA S. A. DE 31 DE JANEIRO DE 2011. O

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DA SOCIEDADE LIMITADA EMPRESA 1

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DA SOCIEDADE LIMITADA EMPRESA 1 INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DA SOCIEDADE LIMITADA EMPRESA 1 Pelo presente instrumento particular, atendendo as formalidades legais, SÓCIA 2; SÓCIO 2, resolvem constituir uma sociedade limitada,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO BANCO VOTORANTIM S.A. CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E PRAZO

ESTATUTO SOCIAL DO BANCO VOTORANTIM S.A. CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E PRAZO ESTATUTO SOCIAL DO BANCO VOTORANTIM S.A. CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E PRAZO Artigo 1º O Banco Votorantim S.A. ( Sociedade ) é uma sociedade anônima que se rege por este Estatuto e pelas disposições

Leia mais

ESTATUTO DO IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE

ESTATUTO DO IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE ESTATUTO DO IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Artigo 1º. O IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE, denominado IDBRASIL, é uma associação de direito privado,

Leia mais

Data da publicação: 02/07/03 no DOE e Folha de S Paulo Registro JUCESP: 126.460/03-6 em 27/06/03

Data da publicação: 02/07/03 no DOE e Folha de S Paulo Registro JUCESP: 126.460/03-6 em 27/06/03 Data da publicação: 02/07/03 no DOE e Folha de S Paulo Registro JUCESP: 126.460/03-6 em 27/06/03 BRAZIL REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES Companhia Aberta CNPJ/MF nº 73.178.600/0001-18 NIRE 35.300.137.728

Leia mais

ENERGISA BORBOREMA DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S/A CNPJ/MF: 08.826.596/0001-95 NIRE: 25.3.000.036-18

ENERGISA BORBOREMA DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S/A CNPJ/MF: 08.826.596/0001-95 NIRE: 25.3.000.036-18 ENERGISA BORBOREMA DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S/A CNPJ/MF: 08.826.596/0001-95 NIRE: 25.3.000.036-18 ESTATUTO SOCIAL DA ENERGISA BORBOREMA DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S/A CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO,

Leia mais

SCHULZ S/A CNPJ nº 84.693.183/0001-68 NIRE 42300008486 Joinville SC. Estatuto Social Consolidado

SCHULZ S/A CNPJ nº 84.693.183/0001-68 NIRE 42300008486 Joinville SC. Estatuto Social Consolidado SCHULZ S/A CNPJ nº 84.693.183/0001-68 NIRE 42300008486 Joinville SC Estatuto Social Consolidado CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETIVO E PRAZO DE DURAÇÃO ARTIGO 1º - A Schulz S/A é uma sociedade por ações,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA AUTOPISTA FLUMINENSE S.A.

ESTATUTO SOCIAL DA AUTOPISTA FLUMINENSE S.A. ESTATUTO SOCIAL DA AUTOPISTA FLUMINENSE S.A. CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E PRAZO Artigo 1º AUTOPISTA FLUMINENSE S.A., doravante denominada Concessionária ou Companhia, é uma sociedade por ações,

Leia mais

Modelo de estatuto de Associação

Modelo de estatuto de Associação Modelo de estatuto de Associação CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Associação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com autonomia administrativa

Leia mais

CLARO TELECOM PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ/MF n.º 07.043.628./0001-13 NIRE 35 3 003537 49

CLARO TELECOM PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ/MF n.º 07.043.628./0001-13 NIRE 35 3 003537 49 ESTATUTO SOCIAL DE CLARO TELECOM PARTICIPAÇÕES S.A. CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, OBJETO, SEDE E DURAÇÃO Artigo 1º - Claro Telecom Participações S.A. é uma sociedade anônima que se rege por este Estatuto Social

Leia mais

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Prazo E S T A T U T O Art. 1º - A Mercantil do Brasil

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AGRICULTORES... DA LOCALIDADE DE... CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objetivos

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AGRICULTORES... DA LOCALIDADE DE... CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objetivos ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AGRICULTORES... DA LOCALIDADE DE... CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objetivos Art. 1º - A Associação dos agricultores... é uma sociedade civil, sem fins lucrativos, com

Leia mais

E S T A T U T O S O C I A L

E S T A T U T O S O C I A L Celesc Distribuição S. A. CNPJ: 08.336.783/0001-90 Inscr. Est.: 255266626 NIRE: 42300030759 Avenida Itamarati, 160 Itacorubi Blocos A1, B1 e B2 Florianópolis Santa Catarina Brasil CEP: 88034-900 E-mail:

Leia mais

OI S.A. CNPJ/MF Nº 76.535.764/0001-43 NIRE 33.3.0029520-8 Companhia Aberta. Estatuto Social CAPÍTULO I REGIME JURÍDICO

OI S.A. CNPJ/MF Nº 76.535.764/0001-43 NIRE 33.3.0029520-8 Companhia Aberta. Estatuto Social CAPÍTULO I REGIME JURÍDICO OI S.A. CNPJ/MF Nº 76.535.764/0001-43 NIRE 33.3.0029520-8 Companhia Aberta Estatuto Social CAPÍTULO I REGIME JURÍDICO Art. 1º - A Oi S.A. é uma sociedade por ações, de capital aberto, que se rege pelo

Leia mais

ALPARGATAS S.A. Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO

ALPARGATAS S.A. Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO ALPARGATAS S.A. Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO Artigo 1º - A ALPARGATAS S.A., constituída em 3 de abril de 1907, é uma sociedade anônima que se rege pelo

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ)

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO Art. 1 - A Associação Nacional de Pesquisa

Leia mais

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput).

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput). MODELO DE ESTATUTO DE FUNDAÇÃO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Fundação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos 1, com autonomia administrativa

Leia mais

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres ESTATUTO CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02 CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres pág.03 CAPÍTULO III Dos órgãos da Associação e sua administração pág.06

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO II

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - AMMAR CAPÍTULO II ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃQ, SEDE, OBJETIVOS E DURAÇÃO Art.1 - Sob a denominação de AMMAR - Associação dos Moradores da Marina Porto

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS ARTESAOS E PRODUTORES CASEIROS DE FORTALEZA DE MINAS

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS ARTESAOS E PRODUTORES CASEIROS DE FORTALEZA DE MINAS ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS ARTESAOS E PRODUTORES CASEIROS DE FORTALEZA DE MINAS CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETIVO Art.1º- A Associação dos Artesãos e Produtores Caseiros de Fortaleza

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GRAVATAÍ TAEKWONDO CLUBE CAPÍTULO I

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GRAVATAÍ TAEKWONDO CLUBE CAPÍTULO I CAPÍTULO I SEÇÃO I Denominação e Características Art. 1 ASSOCIAÇÃO GRAVATAÍ TAEKWONDO CLUBE, neste estatuto denominado GTC, é uma sociedade civil, fundada em 25 de Agosto de 2013, com personalidade distinta

Leia mais

MRS LOGÍSTICA S.A. ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 4 DE OUTUBRO DE 2012 ANEXO I ESTATUTO SOCIAL

MRS LOGÍSTICA S.A. ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 4 DE OUTUBRO DE 2012 ANEXO I ESTATUTO SOCIAL MRS LOGÍSTICA S.A. ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 4 DE OUTUBRO DE 2012 ANEXO I ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, OBJETO, SEDE E DURAÇÃO Artigo 1 A MRS Logística S.A. ( Companhia ) reger-se-á

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o - A (o) também designada (o) pela sigla, (se usar sigla), fundada (o) em de de é uma associação, sem

Leia mais

MINASMÁQUINAS S/A CNPJ/MF: 17.161.241/0001-15 NIRE:31300041727 Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO

MINASMÁQUINAS S/A CNPJ/MF: 17.161.241/0001-15 NIRE:31300041727 Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO MINASMÁQUINAS S/A CNPJ/MF: 17.161.241/0001-15 NIRE:31300041727 Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO Art. 1º - Sob a denominação de MINASMÁQUINAS S/A,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DE TRUSTEE INVESTMENTS ASSESSORIA COMERCIAL EM NEGOCIOS S/A.

ESTATUTO SOCIAL DE TRUSTEE INVESTMENTS ASSESSORIA COMERCIAL EM NEGOCIOS S/A. ESTATUTO SOCIAL DE TRUSTEE INVESTMENTS ASSESSORIA COMERCIAL EM NEGOCIOS S/A. Capitulo I - Da Denominação, Sede, Foro, Objeto e Duração. Art. 1º - Sob a denominação de Trustee Investments - Assessoria Comercial

Leia mais

Estatuto da Associação de Pais e Professores do

Estatuto da Associação de Pais e Professores do CNPJ: 82.898.404/0001-09 Estatuto da Associação de Pais e Professores do CENTRO EDUCACIONAL MENINO JESUS Fundada em 1973, Florianópolis/SC C A P Í T U L O I Da Associação e seus fins Art. 1º. - A Associação

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV Estatuto ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, OS FINS E A SEDE DA ASSOCIAÇÃO. Art. 1º - A associação é denominada Sociedade Brasileira de Fisiologia

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I. Da Associação e seus fins

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I. Da Associação e seus fins ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I Da Associação e seus fins Art. 1º - A Associação Brasileira de Arte Fotográfica, ABAF, fundada em 9 de fevereiro de 1951, no Rio de Janeiro

Leia mais

PACTO SOCIAL (Março 2009)

PACTO SOCIAL (Março 2009) NORMA-AÇORES, SOCIEDADE DE ESTUDOS E APOIO AO DESENVOLVIMENTO REGIONAL, S. A. E S T A T U T O S CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E OBJECTO Artigo 1.º (Firma) 1. Nos termos da lei e dos presentes estatutos,

Leia mais

MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS

MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º A FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS -

Leia mais

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E FINS Art. 1 A União Garcense de Aeromodelismo (UGA) é uma pessoa jurídica de direito privado, entidade

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES DE RORAIMA S/A TELAIMA CNPJ/MF N 05.934.567/0001-59 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS DA COMPANHIA

TELECOMUNICAÇÕES DE RORAIMA S/A TELAIMA CNPJ/MF N 05.934.567/0001-59 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS DA COMPANHIA TELECOMUNICAÇÕES DE RORAIMA S/A TELAIMA CNPJ/MF N 05.934.567/0001-59 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS DA COMPANHIA Art. 1 - A Telecomunicações de Roraima S/A é uma sociedade anônima, que

Leia mais

U N I R P A R A F O R T A L E C E R REGIMENTO INTERNO

U N I R P A R A F O R T A L E C E R REGIMENTO INTERNO Artigo 1 - A Associação de Reflorestadores do Estado de Mato Grosso AREFLORESTA-MT, reger-se-á pelo seu ESTATUTO e por este REGIMENTO INTERNO. Finalidade Artigo 2 - O presente Regimento Interno tem por

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração Art. 1º - A Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas,

Leia mais

ITAUTEC S.A. - GRUPO ITAUTEC CNPJ 54.526.082/0001-31 Companhia Aberta NIRE 35300109180

ITAUTEC S.A. - GRUPO ITAUTEC CNPJ 54.526.082/0001-31 Companhia Aberta NIRE 35300109180 ITAUTEC S.A. - GRUPO ITAUTEC CNPJ 54.526.082/0001-31 Companhia Aberta NIRE 35300109180 REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 14 DE ABRIL DE 2009 Em catorze de abril de dois mil e nove, às 16:00 horas,

Leia mais

SÃO PAULO ALPARGATAS S.A. Companhia Aberta. C.N.P.J. nº 61.079.117/0001-05 NIRE 35.300.025.270

SÃO PAULO ALPARGATAS S.A. Companhia Aberta. C.N.P.J. nº 61.079.117/0001-05 NIRE 35.300.025.270 SÃO PAULO ALPARGATAS S.A. Companhia Aberta C.N.P.J. nº 61.079.117/0001-05 NIRE 35.300.025.270 Ata de Assembléia Geral Extraordinária realizada em 24 de fevereiro de 2010 Data, Horário e Local: No dia 24

Leia mais

ASSEITE-MT Associação das Empresas de Informática e Telecomunicações de Mato Grosso

ASSEITE-MT Associação das Empresas de Informática e Telecomunicações de Mato Grosso ESTATUTO SOCIAL DA ASSEITE-MT Data de Fundação: 12 de agosto de 1985. ÍNDICE GERAL Capítulo I - Identidade Social... 03 Capítulo II Objetivos... 03 Capítulo III Associados... 04 Capítulo IV Rendas... 07

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO RODA D ÁGUA

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO RODA D ÁGUA ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO RODA D ÁGUA Capitulo Primeiro Nome e Natureza Jurídica Art. 1 - Sob a denominação de INSTITUTO RODA D ÁGUA, ou pela forma abreviada RODA D ÁGUA fica instituída esta associação

Leia mais

ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO OBASP

ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO OBASP ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO DA ASSOCIAÇÃO E SEUS FINS OBASP Art 1º - A ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO também designado pela sigla OBASP, é uma pessoa jurídica

Leia mais

Estatuto Social. Contribuir para a revitalização do Distrito Industrial, tanto na sua imagem quanto na sua infra-estrutura.

Estatuto Social. Contribuir para a revitalização do Distrito Industrial, tanto na sua imagem quanto na sua infra-estrutura. Estatuto Social Da Denominação, Sede e Fins Artigo 1º - A Associação Distrito Vivo (ADV) é uma associação civil, de pessoas jurídicas instaladas no Distrito Industrial de duração indeterminada, apartidária,

Leia mais

RESUMO DO ESTATUTO SOCIAL

RESUMO DO ESTATUTO SOCIAL RESUMO DO ESTATUTO SOCIAL Artigo 1º - A RDC - FÉRIAS, HOTÉIS E TURISMO, designada neste Estatuto Social também como clube, é uma associação sem fins econômicos e lucrativos, regida pelo presente Estatuto

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ABRATT ABRATT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA NÃO DESTRUTIVA. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração, Fins e Patrimônio.

ESTATUTO SOCIAL DA ABRATT ABRATT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA NÃO DESTRUTIVA. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração, Fins e Patrimônio. ESTATUTO SOCIAL DA ABRATT ABRATT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA NÃO DESTRUTIVA. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração, Fins e Patrimônio. Artigo 1o. A ABRATT Associação Brasileira de Tecnologia

Leia mais

Estatuto Social da CORREIOS PARTICIPAÇÕES S/A - CORREIOSPAR. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Estatuto Social da CORREIOS PARTICIPAÇÕES S/A - CORREIOSPAR. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Estatuto Social da CORREIOS PARTICIPAÇÕES S/A - CORREIOSPAR. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º A CORREIOS PARTICIPAÇÕES S/A CORREIOSPAR, sociedade por ações, é subsidiária integral da Empresa

Leia mais

R E G I M E N T O I N T E R N O

R E G I M E N T O I N T E R N O C L U B E B O M T U R ( A D M I N I S T R A D O P O R B O M T U R V I A G E N S E T U R I S M O L T D A. ) R E G I M E N T O I N T E R N O Sumário I DENOMINAÇÃO, OBJETIVO E DISPOSIÇÕES PRELIMINARES...

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS 01 ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS ÍNDICE CAPÌTULO I PÁG. 2...DAS FINALIDADES II PÁG. 2...DA CONSTITUIÇÃO E SEDE III PÁG. 3...DOS ASSOCIADOS IV

Leia mais

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ)

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Capítulo I Da Associação Art. 1º - A Associação Cecília e João (ACJ), entidade de personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede em

Leia mais

PERDIGÃO S.A. R$286.410.110,73

PERDIGÃO S.A. R$286.410.110,73 PROPOSTA JUSTIFICATIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E DO CONSELHO FISCAL PARA A ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA E EXTRAORDINÁRIA A SER REALIZADA NO DIA 29.04.2005 Senhores Acionistas, O Conselho de Administração

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL MARIA MADALENA Rua Beija-flor, 103 Bombas Bombinhas/SC.

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL MARIA MADALENA Rua Beija-flor, 103 Bombas Bombinhas/SC. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO CONDOMÍNIO CAPÍTULO I Do nome, da Sede, Duração e Objetivo. Art. 1º A Associação de Moradores do Condomínio Residencial Maria Madalena, é uma associação sem fins

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS Regimento Interno da ANPAP Aprovado na Assembleia Geral Extraordinária realizada no dia 19 de outubro de 2013, durante o XXII Encontro Nacional

Leia mais

BONAIRE PARTICIPAÇÕES S.A. ESTATUTO SOCIAL

BONAIRE PARTICIPAÇÕES S.A. ESTATUTO SOCIAL BONAIRE PARTICIPAÇÕES S.A. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração e Objeto Artigo 1º A BONAIRE PARTICIPAÇÕES S.A. é uma sociedade anônima de capital autorizado, que se

Leia mais

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P Legenda: Texto em negrito: cláusulas que devem necessariamente constar do estatuto, por força da Lei nº 9.790/99 Texto em

Leia mais

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º O Clube de Seguros de Pessoas e Benefícios do Estado

Leia mais

Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José

Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José Capítulo 1. Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1º A Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano

Leia mais

BANRISUL ARMAZÉNS GERAIS S.A. CNPJ N.º 92.721.232/0001-57 NIRE 43300003183. CAPÍTULO I - Denominação, Sede, Objeto e Duração -

BANRISUL ARMAZÉNS GERAIS S.A. CNPJ N.º 92.721.232/0001-57 NIRE 43300003183. CAPÍTULO I - Denominação, Sede, Objeto e Duração - BANRISUL ARMAZÉNS GERAIS S.A. CNPJ N.º 92.721.232/0001-57 NIRE 43300003183 - Estatuto Social - CAPÍTULO I - Denominação, Sede, Objeto e Duração - ART. 1º - A BANRISUL ARMAZÉNS GERAIS S.A., é uma sociedade

Leia mais

CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO C.N.P.J. 42.519.785/0001-53 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I

CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO C.N.P.J. 42.519.785/0001-53 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I 1 CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO C.N.P.J. 42.519.785/0001-53 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Denominação, Sede, Natureza Jurídica, Duração e Fins Artigo 1º A CÂMARA PORTUGUESA DE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS Capítulo I Da denominação e sede Art. 1º A Associação dos Amigos do Hospital Materno-Infantil Presidente Vargas,

Leia mais

SER EDUCACIONAL S.A CNPJ 04.986.320/0001-13 NIRE 26.3.0001679-6

SER EDUCACIONAL S.A CNPJ 04.986.320/0001-13 NIRE 26.3.0001679-6 Estatuto Social aprovado na Assembleia Geral Extraordinária da Ser Educacional S.A. de 13 de julho de 2015 ESTATUTO SOCIAL DA SER EDUCACIONAL S.A. CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, OBJETO, SEDE E DURAÇÃO Artigo

Leia mais

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º A Associação Brasileira de Patchwork e Quilt, doravante designada ABPQ, é uma sociedade

Leia mais

PROGRESSO E DESENVOLVIMENTO DE GUARULHOS S/A PROGUARU - ESTATUTO SOCIAL (CONSOLIDADO)

PROGRESSO E DESENVOLVIMENTO DE GUARULHOS S/A PROGUARU - ESTATUTO SOCIAL (CONSOLIDADO) 1 PROGRESSO E DESENVOLVIMENTO DE GUARULHOS S/A PROGUARU - ESTATUTO SOCIAL (CONSOLIDADO) ( Empresa de Economia Mista) - CNPJ/MF Nº: 51.370.575/0001-37 NIRE: 35.300.004.345 Artigo 1º - A Sociedade PROGRESSO

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DO CARSTE CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DO CARSTE CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DO CARSTE CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1 - O Instituto do Carste, também designado pela sigla IC, constituído em 15 de dezembro de 2007, é uma pessoa jurídica

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CONSOLIDADO INSTITUTO DE SOLIDARIEDADE EDUCACIONAL E CULTURAL - ISEC. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL CONSOLIDADO INSTITUTO DE SOLIDARIEDADE EDUCACIONAL E CULTURAL - ISEC. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL CONSOLIDADO INSTITUTO DE SOLIDARIEDADE EDUCACIONAL E CULTURAL - ISEC Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. O Instituto de Solidariedade Educacional e Cultural também

Leia mais

Regulamento do Bradesco - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento - Golden Profit - Conservador Capítulo I - Do Fundo

Regulamento do Bradesco - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento - Golden Profit - Conservador Capítulo I - Do Fundo Regulamento do Bradesco - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento - Golden Profit - Conservador Capítulo I - Do Fundo Artigo 1º) O Bradesco - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento

Leia mais

ESTATUTOS SOCIEDADE COMERCIAL OREY ANTUNES, S.A. (Sociedade Aberta) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO. Artigo 1º

ESTATUTOS SOCIEDADE COMERCIAL OREY ANTUNES, S.A. (Sociedade Aberta) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO. Artigo 1º ESTATUTOS DA SOCIEDADE COMERCIAL OREY ANTUNES, S.A. (Sociedade Aberta) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO Artigo 1º A sociedade adota a denominação de Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A..

Leia mais

Associação dos Administradores de Insolvências. Estatutos. Capítulo I Natureza e Fins. Artigo 1º Natureza

Associação dos Administradores de Insolvências. Estatutos. Capítulo I Natureza e Fins. Artigo 1º Natureza Associação dos Administradores de Insolvências Estatutos Capítulo I Natureza e Fins Artigo 1º Natureza 1. A Associação dos Administradores de Insolvências, adiante designada simplesmente por ASSOCIAÇÃO,

Leia mais

ESTATUTO CÂMARA DE COMÉRCIO AMERICANA 25.03.2011

ESTATUTO CÂMARA DE COMÉRCIO AMERICANA 25.03.2011 ESTATUTO DA CÂMARA DE COMÉRCIO AMERICANA 25.03.2011 1 TÍTULO I Denominação, natureza e objetivos Artigo 1 - A American Chamber of Commerce for Brazil", em português denominada Câmara de Comércio Americana

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO ABAI - Estatuto Social ESTATUTO SOCIAL

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO ABAI - Estatuto Social ESTATUTO SOCIAL ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, NATUREZA, OBJETIVOS E QUADRO SOCIAL Artigo 1º - A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO ABAI, neste Estatuto designada, simplesmente, como Associação

Leia mais

E S T A T U T O S O C I A L

E S T A T U T O S O C I A L Celesc Geração S. A. CNPJ: 08.336.804/0001-78 Inscr. Est.: 255267177 NIRE: 42300030767 Avenida Itamarati, 160 Itacorubi Bloco A2 Florianópolis Santa Catarina Brasil CEP: 88034-900 E-mail: celesc@celesc.com.br

Leia mais

FEDERAÇÃO CAPIXABA DE PEBOLIM

FEDERAÇÃO CAPIXABA DE PEBOLIM ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPIXABA DE PEBOLIM CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS, DURAÇÃO E FÓRUM. Art. 1º A Associação Capixaba de Pebolim também chamada em sua forma abreviada de ACP, sediada à rua Prefeito

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DE BAURU FUNDEB

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DE BAURU FUNDEB REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DE BAURU FUNDEB Considerando que a FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DE BAURU FunDeB - é pessoa jurídica de direito privado sem fins lucrativos; Considerando

Leia mais

INSTITUTO COMPARTILHAR ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO COMPARTILHAR CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FUNDAÇÃO, PRAZO DE DURAÇÃO E REGÊNCIA

INSTITUTO COMPARTILHAR ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO COMPARTILHAR CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FUNDAÇÃO, PRAZO DE DURAÇÃO E REGÊNCIA INSTITUTO COMPARTILHAR ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO COMPARTILHAR CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FUNDAÇÃO, PRAZO DE DURAÇÃO E REGÊNCIA ARTIGO 1 - O INSTITUTO COMPARTILHAR é uma associação, sem fins econômicos,

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR Capitulo I - Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1 - A associação civil tem com a denominação social: FAI JÚNIOR, e como o titulo do estabelecimento a expressão

Leia mais

INSTITUTO DARWIN INSTITUTO DE APOIO À EVOLUÇÃO DA CIDADANIA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO REGIMENTO INTERNO

INSTITUTO DARWIN INSTITUTO DE APOIO À EVOLUÇÃO DA CIDADANIA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO REGIMENTO INTERNO INSTITUTO DARWIN INSTITUTO DE APOIO À EVOLUÇÃO DA CIDADANIA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO REGIMENTO INTERNO Artigo 1º - O presente Regimento Interno visa disciplinar os trabalhos Administrativos,

Leia mais

Estatuto Social da Ação Comunitária da Chácara Santo Antonio e região

Estatuto Social da Ação Comunitária da Chácara Santo Antonio e região Estatuto Social da Ação Comunitária da Chácara Santo Antonio e região Da Denominação, Sede e Fins Artigo 1º - A Ação Comunitária da Chácara Santo Antonio e região é uma associação civil, de direito privado,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto Artigo 1º A UPTICK PARTICIPAÇÕES S.A. é uma sociedade anônima de capital autorizado, que se rege pelas leis e usos do comércio,

Leia mais