DIÁRIO DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL ELETRÔNICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIÁRIO DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL ELETRÔNICO"

Transcrição

1 DIÁRIO DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL ELETRÔNICO CADERNO EXTRAJUDICIAL DMPF-e Nº 65/2015 Divulgação: quinta-feira, 9 de abril de 2015 Publicação: sexta-feira, 10 de abril de 2015 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RODRIGO JANOT MONTEIRO DE BARROS Procurador-Geral da República ELA WIECKO VOLKMER DE CASTILHO Vice-Procuradora-Geral da República LAURO PINTO CARDOSO NETO Secretário-Geral DIÁRIO DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL ELETRÔNICO SAF/SUL QUADRA 04 LOTE 03 CEP: Brasília/DF Telefone: (61) SUMÁRIO Página Conselho Superior... 1 Procuradoria da República no Estado de Alagoas... 4 Procuradoria da República no Estado da Bahia... 4 Procuradoria da República no Estado do Ceará Procuradoria da República no Estado de Goiás Procuradoria da República no Estado do Mato Grosso Procuradoria da República no Estado do Mato Grosso do Sul Procuradoria da República no Estado de Minas Gerais Procuradoria da República no Estado do Pará Procuradoria da República no Estado do Paraíba Procuradoria da República no Estado do Paraná Procuradoria da República no Estado de Pernambuco Procuradoria da República no Estado do Piauí Procuradoria da República no Estado do Rio de Janeiro Procuradoria da República no Estado do Rio Grande do Norte Procuradoria da República no Estado do Rio Grande do Sul Procuradoria da República no Estado de Rondônia Procuradoria da República no Estado de Santa Catarina Procuradoria da República no Estado de São Paulo Procuradoria da República no Estado de Sergipe Procuradoria da República no Estado do Tocantins Expediente ##ÚNICO: EXTRA-CSMPF CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 157, DE 7 DE ABRIL DE 2015 Estabelece regras para as eleições anuais destinadas à renovação parcial da composição do Conselho Superior do Ministério Público Federal. O CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, no exercício da competência prevista no artigo 57, inciso I, e para dar cumprimento ao artigo 53, inciso III, ambos da Lei Complementar nº 75, de 20 de maio de 1993, resolve baixar a seguinte Resolução: DA ELEIÇÃO PELO COLÉGIO DE PROCURADORES DA REPÚBLICA Art. 1ºA eleição de dois Membros do Conselho Superior do Ministério Público Federal, pelo Colégio de Procuradores da República (art. 53, III, LC 75/93), realizar-se-á por designação do Procurador-Geral da República, na Procuradoria Geral da República, nas Procuradorias Regionais da República, nas Procuradorias da República nos Estados e no Distrito Federal e nas Procuradorias da República nos Municípios, observadas as regras estabelecidas neste Regimento. Parágrafo único A data da eleição será designada, anualmente, por ato do Procurador-Geral da República, como Presidente do Colégio de Procuradores da República. Art. 2º O voto é plurinominal, facultativo e secreto (art. 53, III, LC 75/93). Permitido o voto em trânsito e proibido o voto por procuração. Art. 3ºPossuem capacidade eleitoral ativa todos os membros da carreira em atividade no Ministério Público Federal. Art. 4ºPara a eleição prescindir-se-á de reunião do Colégio de Procuradores da República, exigindo-se o voto da maioria absoluta dos eleitores (art. 53, 1º, LC 75/93). Art. 5ºConcorrerão à eleição os Subprocuradores-Gerais da República em exercício no Ministério Público Federal que se inscreverem perante a Comissão Eleitoral e Apuradora, excluídos os membros natos e os titulares do segundo mandato consecutivo. Parágrafo único O período para a inscrição será fixado no ato do Procurador-Geral da República que designar a data da eleição. Art. 6ºA direção geral do pleito será delegada a uma Comissão Eleitoral e Apuradora formada por três membros do Ministério Público Federal, indicados pelo Conselho Superior e nomeados pelo Procurador-Geral da República. 1ºNas Procuradorias Regionais da República, nas Procuradorias da República nos Estados e no Distrito Federal haverá Subcomissões Eleitorais Mesas Receptoras formadas por três membros do Ministério Público Federal lotados nas respectivas unidades, encarregadas da direção local do pleito, constituídas por ato do Procurador-Geral da República. 2ºA substituição de membros das Subcomissões Eleitorais ocorrerá mediante pedido destas com a indicação de substituto. Art. 7ºO sistema de votação é on-line mediante a utilização da rede de computadores do Ministério Público Federal (INTRANET), sendo os dados armazenados em banco de dados específico, exclusivamente na Procuradoria Geral da República.

2 DMPF-e Nº 65/2015- EXTRAJUDICIAL Divulgação: quinta-feira, 9 de abril de 2015 Publicação: sexta-feira, 10 de abril de ºNa Procuradoria Geral da República, a votação se dará em um único microcomputador, perante a Comissão Eleitoral e Apuradora mencionada no caput do art. 6º; 2ºNas Procuradorias Regionais da República, nas Procuradorias da República nos Estados e no Distrito Federal, a votação dar-se-á perante as Subcomissões Eleitorais em um único microcomputador; 3ºNas Procuradorias da República nos Municípios a votação ocorrerá diretamente nos microcomputadores utilizados pelo(s) membro(s) em exercício, que deverão também ser designados e credenciados com antecedência; 4ºA Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação STIC do Ministério Público Federal fica encarregada de desenvolver e manter o sistema que dará suporte ao processo de votação, sendo vedada a utilização de quaisquer outros softwares ou equipamentos em substituição ou complementação àqueles mencionados nesta Resolução; 5ºA STIC/MPF orientará os membros das Subcomissões Eleitorais e os membros em exercício nas Procuradorias da República nos Municípios quanto à adequação dos equipamentos para instalação e utilização do sistema. Art. 8ºO sistema de informática utilizado para dar suporte à votação contém mecanismos de segurança para registrar todas as operações realizadas nos microcomputadores credenciados, sendo resguardado o sigilo dos votos. Art. 9ºA STIC/MPF disponibilizará às Subcomissões Eleitorais, por meio da rede de computadores do Ministério Público Federal (INTRANET), com antecedência mínima de 5 (cinco) dias do pleito, o seguinte material: a) lista de votantes relacionando todos os membros com lotação na unidade, a ser assinada por todos que comparecerem ao ato; b) formulário para lavratura da ata; c) formulário para votos em trânsito; d) formulário para requerimento de nova senha. Art. 10As Subcomissões Eleitorais estão incumbidas de supervisionar a eleição em nível local, e acompanhar a votação, observados os procedimentos previstos para o pleito. I - Durante a votação, a Comissão Eleitoral e Apuradora e as Subcomissões Eleitorais, funcionarão em salas previamente indicadas, onde serão disponibilizados microcomputadores (um por sala), também previamente indicados, que serão habilitados pela STIC/MPF para utilização no processo de votação. II - Cada Subcomissão Eleitoral e cada membro em exercício em Procuradorias da República em Município deverá cadastrar no sistema disponibilizado pela STIC/MPF com antecedência mínima de 5 (cinco) dias do pleito, o número do IP Internet Protocol do microcomputador a ser utilizado no processo de votação. Art. 11Para acesso ao processo eleitoral exigir-se-á chave de identificação do usuário, composta pelo número da matrícula no Ministério Público Federal e pelo número da senha única, pessoal e intransferível que será gerada aleatoriamente pelo sistema, de modo específico para cada eleição, protegida por criptografia, sendo vedada a sua divulgação e/ou cessão a terceiros. Esta senha será desativada automaticamente após o voto, de modo a impossibilitar posterior utilização. Parágrafo único Cada eleitor receberá, pelo INSTITUCIONAL, a senha específica para cada votação a ser utilizada no processo, com antecedência mínima de 2 (dois) dias úteis. Art. 12O membro que não receber a senha até o dia da votação, ou que a houver extraviado, deverá adotar uma das condutas abaixo descritas, a depender da unidade de lotação: a) na Procuradoria Geral da República, nas Procuradorias Regionais da República, nas Procuradorias da República nos Estados e no Distrito Federal comunicar imediatamente o fato à Comissão Eleitoral e Apuradora ou à respectiva Subcomissão Eleitoral, encaminhando o formulário de solicitação de nova senha, devidamente preenchido e assinado; b) nas Procuradorias da República nos Municípios preencher e assinar o formulário de solicitação de nova senha e encaminhar diretamente à Comissão Eleitoral e Apuradora, na PGR; Parágrafo único Em ambas as hipóteses, durante a votação, a Comissão Eleitoral e Apuradora autorizará a emissão de nova senha para INSTITUCIONAL, anulando-se automaticamente a anterior. Art. 13Compete à Comissão Eleitoral e Apuradora dar início ao processo eleitoral utilizando senha específica, compartilhada entre seus membros, e registrar no sistema informatizado todos os dados relativos ao processo eleitoral. Parágrafo único São atribuições da Comissão Eleitoral e Apuradora: a) determinar o horário de início e término da votação, que deverá obedecer ao horário de Brasília; b) verificar o funcionamento do site da votação; c) autorizar os eleitores a votar no horário previamente estabelecido; d) estar presente na PGR durante todo o período da votação, resolvendo imediatamente todas as dificuldades ou dúvidas que ocorrerem; e) autorizar a emissão de novas senhas, em atendimento aos requerimentos remetidos pelas Subcomissões Eleitorais e pelos membros lotados nas Procuradorias da República nos Municípios; f) supervisionar o pleito em todo o território nacional, inclusive o trabalho das Subcomissões Eleitorais; g) resolver os assuntos ligados a vícios ou a defeitos de votação; h) resolver os casos omissos, recorrendo subsidiariamente à legislação eleitoral; i) receber, totalizar e proclamar o resultado do pleito, lavrando a respectiva ata; Art. 14São atribuições das Subcomissões Eleitorais: a) determinar o local e o microcomputador onde será realizada a votação, dando preferência a auditórios e salas de reuniões da unidade, vedada a utilização de gabinetes ou sala da chefia; b) verificar o funcionamento do site da votação; c) processar o requerimento de novas senhas, que deve ser remetido à Comissão Eleitoral e Apuradora; d) estar presente no local, durante todo o período da votação, resolvendo imediatamente todas as dificuldades ou dúvidas que ocorrerem; e) findo o período de votação, lavrar a respectiva ata, onde deverão constar expressamente os casos de requerimento de novas senhas; f) encaminhar os documentos rubricados por todos os membros da Subcomissão Eleitoral à Comissão Eleitoral e Apuradora na PGR, digitalizados, pelo sistema ÚNICO, com grau de sigilo RESERVADO : lista de presença, lista de votação em trânsito, requerimentos de novas senhas e ata da votação.

3 DMPF-e Nº 65/2015- EXTRAJUDICIAL Divulgação: quinta-feira, 9 de abril de 2015 Publicação: sexta-feira, 10 de abril de DA VOTAÇÃO Art. 15Excetuando-se as Procuradorias da República nos Municípios, onde a votação será realizada diretamente nos microcomputadores dos membros em exercício, previamente credenciados pela STIC/MPF, a votação obedecerá aos seguintes procedimentos: I - será realizada perante a Subcomissão Eleitoral em salas previamente designadas e em microcomputadores credenciados pela STIC/MPF; II - antes da votação, o eleitor deverá assinar a lista de presença que será enviada à Comissão Eleitoral e Apuradora, após o encerramento do período de votação; III - a lista de presença de votação em trânsito deverá ser colhida em separado, conforme formulário padronizado; IV - o eleitor deverá dirigir-se à cabina indevassável, onde executará os seguintes procedimentos: a) informar o seu número da matrícula; b) proceder à escolha dos nomes dos candidatos, informando a senha e confirmando o voto ou, alternativamente, informando a senha e indicando a opção por voto nulo; V - concluída a votação, as Subcomissões Eleitorais adotarão as seguintes providências: a) encerrar a lista de presença, inutilizando os espaços em branco; b) preencher, de forma circunstanciada, o modelo de ata, o qual deverá ser assinado por todos os membros da Subcomissão Eleitoral, mencionando os fatos ocorridos, especialmente os requerimentos de novas senhas. APURAÇÃO DOS VOTOS E DIVULGAÇÃO DO RESULTADO Art. 16A apuração dos votos e a divulgação dos resultados ocorrerão após o encerramento do período de votação. 1ºA Comissão Eleitoral e Apuradora encaminhará o resultado da eleição ao Procurador Geral da República, Presidente do Conselho Superior do Ministério Público Federal. 2ºNão verificada a maioria absoluta dos eleitores, a Comissão Eleitoral e Apuradora comunicará imediatamente o fato ao Procurador-Geral da República, para convocação de nova eleição, que deverá ser realizada no prazo de 10 (dez) dias. 3ºEm caso de empate entre os concorrentes, o desempate será determinado, sucessivamente, pelo tempo de serviço na carreira do Ministério Público Federal, pelo tempo de serviço público federal, pelo tempo de serviço público em geral e pela idade dos candidatos, em favor do mais idoso (art. 202, 3º da LC 75/93). Art. 17Proclamados os nomes dos 2 (dois) membros eleitos e dos demais votados, em ordem decrescente, para os fins do art. 54, 1º da LC 75/93, poderão os concorrentes apresentar recursos, em sessão pública, dirigidos ao Procurador-Geral da República, como Presidente do Colégio de Procuradores da República, reputando-se inadmissíveis aqueles que não alterem o resultado da eleição, ainda que providos. DA ELEIÇÃO PELOS SUBPROCURADORES-GERAIS DA REPÚBLICA Art. 18A eleição de dois Membros do Conselho Superior do Ministério Público Federal, pelos Subprocuradores-Gerais da República, realizar-se-á na Procuradoria Geral da República, perante Comissão Eleitoral e Apuradora, obedecendo, no que couber, às disposições anteriores e, em especial, às seguintes: I - possuem capacidade eleitoral ativa todos os Subprocuradores-Gerais da República em atividade no Ministério Público Federal; II - concorrerão à eleição os Subprocuradores-Gerais da República em exercício no Ministério Público Federal que se inscreverem, no período fixado no ato do Procurador-Geral da República que designar a data da eleição, perante a Comissão Eleitoral e Apuradora, excluídos os mencionados na parte final do art. 5º e os recém-eleitos pelo Colégio de Procuradores da República; III - O voto é plurinominal, facultativo e secreto (art. 53, III, LC 75/93). Permitido o voto em trânsito e proibido o voto por procuração. 1º A data da eleição será designada, anualmente, por ato do Procurador-Geral da República, como Presidente do Colégio de Procuradores da República. 2º O voto em trânsito deverá ser requerido à Comissão Eleitoral e Apuradora, com indicação da unidade onde se pretende votar, com antecedência mínima de 5 (cinco) dias da realização do pleito. Art. 19A apuração dos votos e a divulgação dos resultados ocorrerão após o encerramento do período de votação. Art. 20A Comissão Eleitoral e Apuradora encaminhará o resultado da eleição ao Procurador Geral da República, Presidente do Conselho Superior do Ministério Público Federal. Art. 21Os eleitos tomarão posse em sessão do Conselho Superior do Ministério Público Federal em data a ser fixada por ato do Procurador-Geral da República. Art. 22Fica expressamente vedada a realização de reuniões e encontros nacionais ou regionais, no período de 30 (trinta) dias que anteceder às inscrições e as eleições, salvo se ocorrerem em Brasília. Art. 23Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. RODRIGO JANOT MONTEIRO DE BARROS Presidente ELA WIECKO VOLKMER DE CASTILHO EITEL SANTIAGO DE BRITO PEREIRA DEBORAH MACEDO DUPRAT DE BRITTO PEREIRA JOSÉ FLAUBERT MACHADO ARAÚJO RAQUEL ELIAS FERREIRA DODGE JOSÉ BONIFÁCIO BORGES DE ANDRADA ANTONIO AUGUSTO BRANDAO DE ARAS OSWALDO JOSE BARBOSA SILVA MARIO LUIZ BONSAGLIA

4 DMPF-e Nº 65/2015- EXTRAJUDICIAL Divulgação: quinta-feira, 9 de abril de 2015 Publicação: sexta-feira, 10 de abril de ##ÚNICO: EXTRA-AL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE ALAGOAS PORTARIA Nº 9, DE 31 DE MARÇO DE 2015 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por meio da Procuradora da República signatária, com base no que preceitua o art. 129, II, da Constituição Federal, o art. 6º, VII, alíneas a a d, da Lei Complementar nº 75/93, o art. 5º da Resolução CSMPF nº 87/2006, de 03 de agosto de 2006, alterada pela Resolução nº 106/2010, do Conselho Superior do Ministério Público Federal, bem como o art. 4º da Resolução CNPM nº 23, de 17 de setembro de 2007, do Conselho Nacional do Ministério Público. Considerando que compete ao Ministério Público instaurar inquérito civil para a proteção dos interesses difusos e coletivos, nos termos da legislação acima apontada. Considerando que foi instaurado o presente Procedimento Preparatório no âmbito desta Procuradoria da República em razão de representação que noticia supostas irregularidades no que tange à administração de condomínio integrante do Programa de Arrendamento Residencial PAR, qual seja Condomínio Residencial Morada das Artes, localizado neste cidade de Maceió/AL. Considerando que a defesa dos direitos e interesses coletivos insere-se entre as funções institucionais do Ministério Público Federal, estando prevista no art. 6.º, VII, a, c e d, da Lei Complementar 75/93 (Lompu). Considerando que os elementos de prova até então colhidos apontam a necessidade de realização de novas diligências para melhor apreciação dos fatos investigados, visando a resolução da questão em exame nos autos. RESOLVE converter em INQUÉRITO CIVIL o presente Procedimento Preparatório / , determinando: 1 - Autue-se como IC, inserindo a presente portaria na primeira folha dos autos; 2 - Dê-se conhecimento da instauração deste IC à 3ª CCR (art. 6º da Resolução n.º 87/2006, alterada pela Resolução nº 106/2010, do CSMPF), mediante remessa desta portaria; 3 Outrossim, adote-se a providência constante no despacho nº 153/GNK/PRAL/2015. NIEDJA GORETE DE ALMEIDA ROCHA KASPARY Procuradora da República ##ÚNICO: EXTRA-BA PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DA BAHIA PORTARIA Nº 1, DE 7 DE ABRIL DE 2015 Procedimento Preparatório nº / Assunto: Representação formulada pela Comunidade Tupinambá, a qual relata que na Serra dos Trempes, Acuípe de Baixo, Área do Santana e no Conjunto Igalha, região Tupinambá de Olivença, os índios têm sofrido graves ameaças, bem como a destruição e invasão das moradias. Há relatos que também foi ateado fogo em algumas construções. Além disso, nas ditas áreas, no dia , ocorreu a morte de um indígena, denominado José Francisco Filho. O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, presentado pelo signatário, no exercício das atribuições constitucionais conferidas pelo art. 129 da Constituição da República, e: CONSIDERANDO o rol de atribuições elencadas nos arts. 127 e 129 da Constituição Federal; CONSIDERANDO a incumbência prevista no art. 6º, VII, b, e art. 7º, inciso I, da mesma Lei Complementar; CONSIDERANDO o disposto na Resolução nº 23, de 17 de setembro de 2007, do Conselho Nacional do Ministério Público; CONSIDERANDO que as presentes peças de informação foram instauradas há mais de 180 (cento e oitenta) dias (art. 2º, 6º, da Resolução nº 23/2007 CNMP), sem que tenham sido finalizadas as apurações, as quais, todavia, devem ser complementadas; RESOLVE CONVERTER, nos termos do art. 2º, 6º, da Resolução nº 23/2007 CNMP, o presente procedimento preparatório em INQUÉRITO CIVIL. A fim de observar o art. 9º da Resolução nº 23 do CNMP e o art. 15 da Resolução nº 87 do CSMPF, deve o cartório desta Procuradoria realizar o acompanhamento de prazo inicial de 01 (um) ano para conclusão do presente inquérito civil, mediante certidão nos autos após o seu transcurso. ##ÚNICO: EXTRA-BA TIAGO MODESTO RABELO PORTARIA Nº 10, DE 31 DE MARÇO DE 2015 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo órgão de execução infrassignatário, titular do 14.º ofício da Tutela Coletiva, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, com base nos artigos 127 e segs. da Carta Magna e na Lei Orgânica do Ministério Público da União lei complementar n.º 75/93, de 20 de maio de 1993, e ainda: CONSIDERANDO a incumbência prevista no art. 6º, VII, c, e art. 7º, I, da Lei Complementar n. 75/93 bem como o disposto na Resolução nº 23, de 17 de setembro de 2007, do Conselho Nacional do Ministério Público. CONSIDERANDO que o Texto Maior confere especial proteção às pessoas com deficiência e com mobilidade reduzida, a exemplo do que dispõem os artigos 7º, XXXI; 24, XIV; 37, VIII; 40, 4º, I; 201, 1º; 203, IV e V; 208, III; 244. CONSIDERANDO que o art º, II, determina que o Estado promoverá criação de programas de prevenção e atendimento especializado para as pessoas portadoras de deficiência física, sensorial ou mental, bem como de integração social do adolescente e do jovem portador de deficiência, mediante o treinamento para o trabalho e a convivência, e a facilitação do acesso aos bens e serviços coletivos, com a eliminação de obstáculos arquitetônicos e de todas as formas de discriminação. CONSIDERANDO o Convênio n /2008 celebrado entre o FNDE e o Estado da Bahia, objetivando a readequação e construção de prédios escolares, fundadas em parâmetros de acessibilidade.

5 DMPF-e Nº 65/2015- EXTRAJUDICIAL Divulgação: quinta-feira, 9 de abril de 2015 Publicação: sexta-feira, 10 de abril de CONSIDERANDO a notícia na qual se consigna a possível existência de irregularidades na aplicação dos recursos federais repassados através do retrocitado convênio. CONSIDERANDO a necessidade de se garantir a lisura na alocação das verbas federais, assegurando com que elas possuam a efetiva destinação para a qual foram planejadas. CONSIDERANDO a pendência de algumas diligências fiscalizatórias, visando a ratificação do cumprimento da finalidade inerente aos recursos repassados, qual seja: o propiciamento de condições de acesso e utilização de todos os ambientes dos prédios escolares - financiados pelas verbas conveniadas - às pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. CONSIDERANDO que é atribuição específica do Ministério Público Federal promover o Inquérito Civil e a Ação Civil Publica para proteção dos interesses coletivos e difusos das pessoas portadoras de deficiência, conforme a Lei nº 7.853/89; CONSIDERANDO o disposto na Resolução nº 87, de 03 de agosto de 2006, do Conselho Superior do Ministério Público Federal, que disciplina e regulamenta a instauração e tramitação do Inquérito Civil combinado com o art. 2.º, 7.º da Resolução n.º 23, de 17 de setembro de 2007, do CNMP; RESOLVE CONVERTER o presente PROCEDIMENTO PREPARATÓRIO N.º / em INQUÉRITO CIVIL PÚBLICO, nos termos do art. 2.º, inciso I, parágrafo único da Resolução n.º 87/2006, para apurar notícia de irregularidades na aplicação de dinheiro destinado a assegurar os direitos das pessoas portadoras de deficiência e com mobilidade reduzida, determinando: 1) o registro do procedimento como INQUÉRITO CIVIL PÚBLICO no sistema de controle desta PRBA com o seguinte assunto: ASSUNTO: Apuração das condições de acessibilidade nos ambientes escolares financiados pelos recursos federais advindos do Convênio n /2008, celebrado entre o FNDE e o Estado da Bahia. 2) Requisite-se ao presidente da empresa BEIRUT, nos termos do art. 8º, inciso II e 3º da Lei Federal n 75/93, no prazo de 15 (quinze) dias, que informe o atual estágio das obras do Colégio Estadual Luiz Tarquínio, bem como indique a previsão do seu término. 3) Comunicação imediata da instauração do ICP à 1ª Câmara de Coordenação e Revisão do Ministério Público Federal 1ª CCR, em menos de 10 (dez) dias (art. 6º, da Resolução nº 87/2006), mediante ofício e correspondência eletrônica, inclusive para fins de publicação desta Portaria no Diário Oficial e no Portal do Ministério Público Federal, nos termos do art. 16, 1º, I, da Resolução nº 87/06. 4) Transcorrendo o prazo in albis, reitere-se, desde logo, o(s) ofício(s) não respondido(s), consignando expressamente as advertências legais. 5) Após, remetam-se os autos do procedimento administrativo em epígrafe à Divisão da Tutela Coletiva para que seja acautelado pelo prazo de 20 (vinte) dias, salvo ocorrência de fato superveniente. Cumpra-se. ##ÚNICO: EXTRA-BA EDSON ABDON PEIXOTO FILHO PORTARIA Nº 12, DE 9 DE ABRIL DE 2015 Procedimento Preparatório: / Órgão Revisor: PFDC. O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por meio do signatário, no uso de suas atribuições constitucionais e legais; CONSIDERANDO o art. 127 da Constituição Federal, segundo o qual o Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis ; CONSIDERANDO, ainda, o art. 129, inciso III da Constituição Federal, que afirma serem funções institucionais do Ministério Público promover o inquérito civil e a ação civil pública, para a proteção do patrimônio público e social, do meio ambiente e de outros interesses difusos e coletivos, assim como as atribuições conferidas ao Parquet Federal no art. 5º, inciso III, alínea d e 6º, inciso XIV, alínea g da Lei Complementar nº 75/93; CONSIDERANDO o teor do Procedimento Preparatório em epígrafe que trata da dificuldade do Sr. OSVALDO PEDRO DOS SANTOS em agendar pelo SUS procedimento de "microscopia", através da Secretaria Municipal de Saúde de Jequié. CONSIDERANDO a necessidade da continuidade das investigações a respeito dos fatos noticiados; CONSIDERANDO a brevidade no exaurimento do prazo de finalização do presente procedimento preparatório; RESOLVE, com fundamento no artigo 129, III da Constituição Federal, bem como artigos 6º, inciso VII, alínea b e 7º, inciso I, ambos da Lei Complementar nº 75/93, converter o Procedimento Preparatório nº / em INQUÉRITO CIVIL, colimando investigar adequadamente os fatos acima descritos, bem assim subsidiar futuras e eventuais medidas judiciais ou extrajudiciais, determinando desde já: a) registre-se o presente como Inquérito Civil, com o seguinte assunto: ASSUNTO: Município de Milagres/BA. 39ª Etapa do Programa de Fiscalização a partir de Sorteios Públicos da Controladoria Geral da União, empreendida em Irregularidades na contratação do transporte escolar (Pregões Presenciais 01/2012, 012/2013 e 026/2013). TEMÁTICA: Saúde CÂMARA: PFDC b) Cientifique-se a egrégia Câmara, remetendo-lhe, em dez dias, nos termos do art. 6º, da Resolução nº 87/2006 CSMPF, cópia da presente Portaria, para que seja dada a devida publicidade; Nomeio a Técnica Administrativa Ana Paula de Araújo Gonçalves, matrícula nº , lotada nesta Procuradoria, para exercer função de Secretária no presente Inquérito Civil. ANDRÉ SAMPAIO VIANA

6 DMPF-e Nº 65/2015- EXTRAJUDICIAL Divulgação: quinta-feira, 9 de abril de 2015 Publicação: sexta-feira, 10 de abril de ##ÚNICO: EXTRA-BA PORTARIA Nº 14, DE 8 DE ABRIL DE 2015 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo signatário, no exercício das atribuições constitucionais conferidas pelo art. 129 da Constituição da República, e: a) Considerando o rol de atribuições elencadas nos arts. 127 e 129 da Constituição Federal; b) Considerando a incumbência prevista no art. 6º, VII, b, e art. 7º, inciso I, da mesma Lei Complementar; c) Considerando que o objeto do presente procedimento se insere no rol de atribuições do Ministério Público Federal; d) Considerando o disposto na Resolução nº 23, de 17 de setembro de 2007, do Conselho Nacional do Ministério Público; e) Considerando, outrossim, que o Ministério Público Federal é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe defender a ordem jurídica, o regime democrático e os interesses sociais e individuais indisponíveis, bem como promover o inquérito civil e a ação civil pública para a proteção dos interesses coletivos e difusos, notadamente o direito à saúde; f) Considerando os fatos noticiados no Procedimento Preparatório n.º / , no qual se apuram a existência e a regularidade do funcionamento do conselho municipal de saúde de Ribeirão do Largo/BA. Determina a instauração de Inquérito Civil Público, tendo por objeto, em atendimento ao contido no art. 4º, da Resolução CNMP nº 23/2007, Apurar a regularidade de funcionamento do Conselho Municipal de Saúde de Ribeirão do Largo. Determina, ainda: a) A publicação desta Portaria no mural de avisos da Procuradoria da República, nos termos do que prevê o art. 7º, IV, da Resolução CNMP nº 23/2007. b) Que seja comunicada a PFDC a respeito do presente ato, para conhecimento e publicação, nos termos dos arts. 4º, VI, e 7º, 2º, I e II, da Resolução CNMP n.º 23/2007. c) A reiteração do ofício de fl. 44, desta vez requisitando-se a informação com a concessão do prazo de 15 (quinze) dias para apresentação da resposta. ##ÚNICO: EXTRA-BA ANDRÉ SAMPAIO VIANA PORTARIA Nº 15, DE 8 DE ABRIL DE 2015 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo signatário, no exercício das atribuições constitucionais conferidas pelo art. 129 da Constituição da República, e: a) Considerando o rol de atribuições elencadas nos arts. 127 e 129 da Constituição Federal; b) Considerando a incumbência prevista no art. 6º, VII, b, e art. 7º, inciso I, da mesma Lei Complementar; c) Considerando que o objeto do presente procedimento se insere no rol de atribuições do Ministério Público Federal; d) Considerando o disposto na Resolução nº 23, de 17 de setembro de 2007, do Conselho Nacional do Ministério Público; e) Considerando, outrossim, que o Ministério Público Federal é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe defender a ordem jurídica, o regime democrático e os interesses sociais e individuais indisponíveis, bem como promover o inquérito civil e a ação civil pública para a proteção dos interesses coletivos e difusos, notadamente o direito à saúde; f) Considerando os fatos noticiados no Procedimento Preparatório n.º / , no qual se apuram a existência e a regularidade do funcionamento do conselho municipal de saúde de Encruzilhada/BA. Determina a instauração de Inquérito Civil Público, tendo por objeto, em atendimento ao contido no art. 4º, da Resolução CNMP nº 23/2007, Apurar a regularidade de funcionamento do Conselho Municipal de Saúde de Encruzilhada. Determina, ainda: a) A publicação desta Portaria no mural de avisos da Procuradoria da República, nos termos do que prevê o art. 7º, IV, da Resolução CNMP nº 23/2007. b) Que seja comunicada a PFDC a respeito do presente ato, para conhecimento e publicação, nos termos dos arts. 4º, VI, e 7º, 2º, I e II, da Resolução CNMP n.º 23/2007. c) A reiteração do ofício de fl. 101, desta vez requisitando-se a informação com a concessão do prazo de 15 (quinze) dias para apresentação da resposta. ##ÚNICO: EXTRA-BA ANDRÉ SAMPAIO VIANA MEMÓRIA DE REUNIÃO Aos 30 (trinta) dias do mês de agosto do ano de 2015 (dois mil e quinze), às 9:00h, reuniram-se na Câmara Municipal de Carinhanha- BA as seguintes pessoas: 1) PAULO MARQUES (); 2) VITOR SOUZA CUNHA (); 3) KÁTIA BEATRIZ BASTOS COSTA (Representante da Prefeitura Municipal de Carinhanha); 4) LINDOMAR ANTÔNIO DE SOUZA (Secretário Municipal de Educação); 5) JOSÉ MESSIAS (Presidente do CACS-FUNDEB); 6) ODELINA MARIA (Presidente do CAE); 7) EMANUELA GUSMÃO COSTA (Representante da Comissão de Apoio ao MPEDUC); 8) AGNELO DAS MERCÊS CORDEIRO (Representante do TCM/BA); 9) LÚCIO BARRETO NASCIMENTO (Capitão da PM/BA), bem como as pessoas mencionadas nas listas de presença anexas, totalizando aproximadamente 400 pessoas. Primeiramente, foram apresentados ao público vídeos informativos sobre o Ministério Público Federal e sobre o Projeto MPEDUC. Em seguida, o servidor do MPF RAFAEL COSME DE CARVALHO LEAL agradeceu a presença de todos e procedeu a abertura do evento para o início dos debates sobre a EDUCAÇÃO BÁSICA NO MUNICÍPIO DE CARINHANHA. Após os agradecimentos, passou a chamar os componentes da mesa. O início do evento ocorreu com a contextualização do tema por parte do VITOR SOUZA CUNHA, agradecendo a presença de todos e expondo considerações sobre da importância da Audiência Pública para a Educação Básica no Município de Carinhanha. Aduziu sobre a importância da atuação conjunta do MPF, gestores e população para a melhoria da educação municipal.

7 DMPF-e Nº 65/2015- EXTRAJUDICIAL Divulgação: quinta-feira, 9 de abril de 2015 Publicação: sexta-feira, 10 de abril de O VITOR SOUZA CUNHA passou a esclarecer os objetivos do Projeto MPEDUC como medida de atuação principalmente preventiva, com a análise da situação da educação no Município, a fim de identificar demandas e construir soluções concretas. Pontuou acerca da importância da participação ativa de todos os presentes na audiência pública para trazer dúvidas e sugestões para debate em conjunto e criação de alternativas de melhorias para a educação municipal. Enalteceu o magistério e parabenizou aos professores municipais pela belíssima tarefa desempenhada, mesmo com todas as dificuldades encontradas. Enfatizou a importância da população em trazer ao MPF as informações de irregularidades de um modo geral, principalmente no que diz respeito à merenda escolar e ao transporte escolar. Enfatizou, como exemplo, que o MPF não irá jamais tolerar o transporte escolar de crianças em carros abertos. Explicou, por fim, que o Projeto tem como único objetivo a melhoria na educação municipal de Carinhanha. Em seguida, foi franqueada a palavra ao PAULO MARQUES, que agradeceu a presença de todos e fez breves considerações acerca do Projeto MPEDUC. Aduziu acerca da importância da educação na formação dos indivíduos e da sociedade. Esclareceu, ainda, acerca dos motivos da escolha do Município de Carinhanha para a implantação do Projeto MPEDUC no município, tecendo considerações sobre os baixos índices do IDEB nacional no município. Fez questão de destacar o ambiente informal da audiência pública, de modo a incentivar a todo o momento a participação dos presentes, com vistas a debater alternativas para a melhora da educação municipal de Carinhanha. O PAULO MARQUES passou a apresentar ao público slides informativos acerca do Projeto MPEDUC. Primeiramente, explicou ao público o conceito do Projeto MPEDUC; informou à população a existência do site do Projeto MPEDUC onde o passo a passo de todo o projeto pode ser acompanhado; Pontuou o termo PARCERIA como palavra-chave do Projeto MPEDUC, explicando que pode o MPF ajuizar ações judiciais visando a solução de irregularidades na educação municipal, aduzindo, porém, que o objetivo primordial do Projeto MPEDUC é uma atuação preventiva; Mais uma vez explicou acerca dos motivos da escolha do município de Carinhanha para a implantação do Projeto MPEDUC, como sendo o motivo principal os baixos índices do IDEB. Apresentou aos presentes, para conhecimento, os principais recursos e os índices que o município recebe do MEC/FNDE. Passou aos presentes os índices de repasse do PNAE, PNAT, PDDE ao município, de acordo com o portal da transparência. Explicou sobre o FUNDEB, o seu conceito, sobre como ocorre a complementação da União e, portanto, a justificativa para a atuação do MPF e sobre os índices de recebimento anual pelo Estado da Bahia e pelo município. Diante de tais dados e argumentos, o justificou a presença do MPF no município e a realçou a importância da audiência pública para a mudança da educação municipal. Seguiu com a apresentação do CAE e do CACS-FUNDEB e sobre a sua importância e participação na educação municipal, inclusive sobre a sua independência em relação à gestão municipal, e importância na fiscalização da destinação dos recursos da educação no município e aprovação das contas municipais. Enfatizou que a melhoria da educação básica depende do trabalho de todos nós. Em sequência, o VITOR SOUZA CUNHA franqueou a palavra aos integrantes da mesa, da forma abaixo descrita: KÁTIA BEATRIZ BASTOS COSTA (Representante da Prefeitura Municipal de Carinhanha): Agradeceu a presença de todos e justificou a ausência do Prefeito Municipal na audiência pública, como sendo viagem a trabalho. LINDOMAR ANTÔNIO DE SOUZA (Secretário Municipal de Educação): afirmou que o Projeto MPEDUC só veio para ajudar a educação do Município. Agradeceu a presença de todos e solicitou a participação popular na audiência pública trazendo demandas novas, sugestões e alternativas ao MPF. JOSÉ MESSIAS (Presidente do CACS-FUNDEB): Agradeceu a presença de todos e asseverou acerca da importância dos Conselhos Municipais na gestão da educação do município. ODELINA MARIA (Presidente do CAE): relatou e justificou as dificuldades em realizar as reuniões do CAE. EMANUELA GUSMÃO COSTA (Representante da Comissão de Apoio ao MPEDUC): agradeceu a presença de todos, se apresentou como professora e agradeceu sobre a contemplação do município com a implantação do Projeto. Asseverou a importância grandiosa do Projeto e da Comissão de Auxílio do MPEDUC na educação municipal. Assegurou que a comissão vem buscando ajudar o MPF e dar apoio em todas as informações necessárias à sua atuação no Projeto. Parabenizou a atuação do MPF. AGNELO DAS MERCÊS CORDEIRO (Representante do TCM/BA): Agradeceu a presença de todos, agradeceu pelo convite e explicou brevemente acerca de como se dá o exercício do TCM quanto a fiscalização das contas públicas. Pontuou os meios de se proceder denúncias pelos cidadãos no âmbito do TCM. LÚCIO BARRETO NASCIMENTO (Capitão da PM/BA): agradeceu e parabenizou a presença de todos. Pontuou acerca da importância dos professores e da família como instituição base na formação do cidadão. Disse que a educação não se faz apenas na escola, mas principalmente em casa. Com a palavra o procurador da República VITOR SOUZA CUNHA asseverou a importância da população em apoiar e participar das reuniões dos conselhos de acompanhamento social. Após, houve a inscrição dos presentes para manifestar-se, desde que fosse observado o tempo máximo de 5 (cinco) minutos, o que foi devidamente obedecido pelos inscritos: CARLOS FONSECA (conselheiro de saúde): Parabenizou o MPF pelo trabalho no município. Falou acerca da importância da saúde tão quanto da educação; denunciou a falta de material para os odontólogos no município. Solicitou a destinação de recursos para a APAE e professores com a devida formação para o ensino às crianças especiais. ROSILENE DE OLIVEIRA PEREIRA (Mãe de aluno e participante de planejamento escolar): asseverou a importância do Projeto MPEDUC. Solicitou a presença de todos os pais na participação do planejamento escolar. JOSÉ ROBERTO SANTANA (Escola do Povoado Marrequeiro): denunciou a prática de vandalismo por parte de alunos durante as visitas nas escolas. Diz que falta atendimento especial às crianças com necessidades especiais nas escolas. Asseverou a importância do esporte nas escolas e que este está a desejar. PAULO MARQUES () quanto à questão do vandalismo informou sobre a parceria MPF e PM/BA, e asseverou que o MPF tem planos de identificar as escolas, bem como promover palestras da Polícia Militar nessas escolas, além da entrega de cartilhas educativas. Informou que o MPF tem o objetivo de, juntamente com a PM/BA, implantar uma comissão para trabalhar a questão do vandalismo nas escolas, embora essa não seja uma questão exclusiva de Carinhanha. LUIZ CARLOS RODRIGUES DA SILVA (Escola Ozias Cassiano da Silva): Ressalvou algumas questões acerca da atuação dos Conselhos municipais. Reclamou dos Conselhos municipais, no sentido da sociedade ao menos saber o papel, a função, a composição, e não terem voz ativa ou participação popular nos conselhos. Asseverou que nem os conselheiros sabem a sua função. Questionou como o MPEDUC vai alinhar a atuação destes conselhos no município de Carinhanha?

8 DMPF-e Nº 65/2015- EXTRAJUDICIAL Divulgação: quinta-feira, 9 de abril de 2015 Publicação: sexta-feira, 10 de abril de VITOR SOUZA CUNHA () asseverou que o objetivo do MPEDUC é justamente que a atuação dos conselhos se torne de conhecimento de todos. Disse que uma das frentes do projeto MPEDUC é exatamente permitir que os interessados saibam da existência dos conselhos municipais e sua atuação e colaborem com suas atividades, com a participação ativa dos populares nas reuniões, inclusive na formação da composição dos conselhos. Asseverou acerca da existência de uma articulação do MPF com a CGU para a realização de um curso da CGU aos conselheiros municipais. Informou sobre o exercício não remunerado pelos conselheiros municipais. Disse que o conselho deve ser atuante, mas que devemos levar em consideração as dificuldades dos conselheiros municipais. Que o MPEDUC visa que os gestores também disponibilizem os meios materiais aos conselhos municipais para exercício de sua atuação. Com a palavra ODELINA MARIA (Presidente do CAE) pontuou sobre as dificuldades de reunir o conselho. Que os diretores de escola receberam ofícios informando sobre a presidente do conselho. Que o conselho fez visitas nas escolas, não todas, porém o sr. Luiz Carlos Rodrigues da Silva talvez não teve conhecimento. Que os conselhos tem encontrado dificuldades devido a atuação não remunerada dos conselheiros. Com a palavra JOSÉ MESSIAS (Presidente do CACS-FUNDEB) disse que, no caso do CACS-FUNDEB, também possui as mesmas dificuldades na sua atuação. Solicitou a presença dos conselheiros e da população nas reuniões do conselho e a liberação dos integrantes do conselho municipal para a participação nas reuniões. LINDOMAR ANTÔNIO DE SOUZA (Secretário Municipal de Educação) - informou que os conselhos municipais hoje tem sede própria e que a dificuldade maior é a falta de remuneração e, por conta disso, os conselheiros terminam não participando. ROSILENE PEREIRA DA SILVA (Conselho Tutelar e mãe de aluno): que é mãe de aluno da Escola Lindaura Brito e questiona acerca das salas de aula superlotadas. LINDOMAR ANTÔNIO DE SOUZA (Secretário Municipal de Educação) Que, no caso concreto, a turma já está sendo dividida e está fazendo uma obra para a ampliação da sala. SOLANGE SILVA DE OLIVEIRA (aluna e mãe): questiona se é possível um carro gol carregar 10 alunos no município de Carinhanha? Que é representante da Comunidade de Curral Velho. Que já procurou o prefeito e autoridades, postou fotos em site. Que devido a presença do MPF a prefeitura colocou 2 carros de passeio. Que quando vai fazer denuncias nos órgãos competentes a população é maltratada. VITOR SOUZA CUNHA () informou que o transporte escolar é prestado indiretamente por meio de cooperativas de transporte. Que os valores repassados pelas cooperativas são significativos, que as cooperativas ganham muito dinheiro para prestar esse serviço. Que não se pode tolerar falhas no transporte escolar. Mas que é possível a participação popular no combate a esses fatos. Que quando os populares forem às secretarias e prefeitura que redijam suas denuncias formalmente em papel, juntando todas as informações possíveis. Que existe um servidor responsável no município a fiscalizar o transporte escolar. Que o objetivo é apontar soluções e construir alternativas. PAULO MARQUES () - abordou sobre o TAC e sobre as obrigações assumidas pelo prefeito municipal quanto ao transporte escolar. Apresentou à população o sr. GUTEMBERG SANTOS MOTA, servidor responsável pela fiscalização do transporte escolar no município. Com a palavra GUTEMBERG SANTOS MOTA (fiscal do transporte escolar em Carinhanha) disse que discorda da informação da mãe e aluna. Que essa situação não mais existe no município de Carinhanha. Que os moradores não querem ceder espaço para a prefeitura colocar carros maiores na linha. LINDOMAR ANTÔNIO DE SOUZA (Secretário Municipal de Educação) - que não tem conhecimento dos fatos que a srª Solange Silva de Oliveira relatou sobre o mau tratamento na hora do atendimento. Que o objetivo da Secretaria é adequar o transporte escolar às exigências. Que precisa da ajuda dos moradores para aumentar o tamanho das pistas. Novamente com a palavra SOLANGE SILVA DE OLIVEIRA (aluna e mãe) disse que não são todos os moradores que não cedem, são apenas dois moradores. Que o fiscal e o secretário estiveram lá. Que o cidadão fica sendo jogado de lugar a lugar nos órgãos, sem solução dos problemas. Mostrou o celular com as fotos e disse que está a disposição do MPF caso queira ver as fotos registradas de irregularidades no transporte escolar. EDILMA COTRIM DA SILVA (professora): que é irmã do prefeito de Carinhanha Paulo Elísio Cotrim. Que Carinhanha pertence a cada um dos presentes. Questionou se tem tantos professores, porque Carinhanha tem tantos analfabetos? Que o compromisso da melhoria da educação deve ser assumido por todos. Teceu breves considerações. ADINALVA RODRIGUES DA SILVA (professora) - Que sente falta do conselho municipal de educação e do Sindicato dos Servidores Públicos na audiência pública. Abordou a situação salarial, más condições de trabalho, etc. Disse que precisou o MPF vir ao município para a população ser ouvida. Questionou qual a proposta do MPF para auxiliar os professores efetivamente em seu espaço de sala de aula, em sua valorização como professor, se ela, como professora, é violada em seus direitos básicos? VITOR SOUZA CUNHA () Disse que o Projeto MPEDUC não é do MPF e sim da população de Carinhanha. Que esse é o passo inicial para a melhoria da educação municipal. Que o Projeto contempla não só as questões estruturais, mas também as questões de valorização do professor e que essas questões devem vir ao MPF, que servirá de interlocutor com os gestores públicos. Nesse momento, foi dado um intervalo na audiência pública, para um coffee break. Em continuidade aos trabalhos, o VITOR SOUZA CUNHA, oportunizou a palavra a novos inscritos. EVERALDO GONÇALVES DOS SANTOS (pai de aluno Várzea das Caraíbas): Que sente falta do segmento de representante da Câmara de Vereadores. Que tem um questionamento a respeito do transporte escolar. Se é legal o carro do Programa Caminho da Escola transportar o agente ENDEMIAS, enquanto alunos estão sendo transportados em carros em situação precária? Que a comunidade já fez inúmeras cobranças às autoridades locais e nunca foram atendidos. Que está havendo um carro amarelo transportando alunos da Faculdade de Guanambi, enquanto deveria ser usado para o transporte escolar de crianças. Que na comunidade tem um carro irregular transportando crianças. Que o carro do Caminho da Escola já tombou, que está danificado, mas ainda assim fazendo transporte de alunos. Que já foi enviado abaixo assinado à prefeitura e não teve qualquer providência. Nesse momento apresentou uma senhora na plateia com sequela em membro inferior que alega ter sido causada por acidente com o mencionado veículo. Quer saber qual solução o MPF pode dar para a situação. VITOR SOUZA CUNHA () que em relação ao transporte escolar, nota-se que são situações recorrentes. Que o Projeto visa solucionar os problemas a partir da presente data, mudar o quadro da educação a partir da implantação do MPEDUC no município. Que qualquer situação dessa natureza deve ser imediatamente comunicada por escrito a GUTEMBERG SANTOS MOTA (fiscal do transporte escolar em Carinhanha). JUAREZ ROSA PRIMO (Povoado de Agrovila 23 / pai de aluno): Questiona se é legal uma criança de 13 anos estudar a noite? Que a diretora da escola de sua filha colocou-a para estudar a noite por falta de vaga na escola. Questiona acerca dos professores não qualificados que são designados para lecionar nas escolas.

9 DMPF-e Nº 65/2015- EXTRAJUDICIAL Divulgação: quinta-feira, 9 de abril de 2015 Publicação: sexta-feira, 10 de abril de LINDOMAR ANTÔNIO DE SOUZA (Secretário Municipal de Educação) - Que a empresa especializada do DETRAN fez uma fiscalização e deu o prazo de 40 dias para adequação. MARIA APARECIDA ALVES (Escola Municipal Santa Luzia): solicita apoio às crianças com dificuldades de aprendizado. LINDOMAR ANTÔNIO DE SOUZA (Secretário Municipal de Educação) - que por essa razão o prefeito está em Salvador para buscar apoio. RAFAEL DOS SANTOS BRITO (Presidente do Quilombo Barra do Parateca) - solicita uma atenção à segurança para as escolas de Barra do Parateca. Que a Comunidade está sem segurança nas escolas, sem vigia. Que as escolas tem sido arrombadas constantemente. Que aconteceu o caso de um senhor ingressar na escola da comunidade com uma faca em punho em sala de aula. Que o Secretário prometeu que faria o muro da escola e que tem mais de 2 anos e não foi feito. Que recentemente foi feito um arrastão na escola Francisco Pinto, levando todo o material, por falta de segurança. Solicita melhora na merenda escolar quilombola. LINDOMAR ANTÔNIO DE SOUZA (Secretário Municipal de Educação) - que a questão do muro envolve questão orçamentária. Que são questões burocráticas que não resolvem tão rápido. Que em relação à merenda, essa já é diferenciada. GILCINEIDE ALVES BRITO (professora): Não escutou nada falando sobre o Programa Mais Educação. Que o Programa não vem funcionando no município. Que trabalha na escola Santa Luzia, no povoado de Santa Luzia. Que a estrutura é bonita, mas o resto deixa tudo a desejar. Que falta sala na escola. Que a sala de mídia tem 8 anos que chegaram os computadores e nunca foram usados. Que não há internet. Que não há ar condicionado. Que a biblioteca está desatualizada. Que tem 3 anos que a escola não tem livros para os alunos do 9º ano. Que a escola tem uma estrutura muito bonita, mas não tem o básico. Que tem alunos com necessidades especiais e com dificuldades de aprendizado sem o devido apoio. PAULO MARQUES () Passou a ler algumas cláusulas do TAC assinado com a Prefeitura Municipal de Carinhanha, para conhecimento de todos. Que oportunamente solicitará que o Secretário de Educação se manifeste a respeito. EMANUELA GUSMÃO COSTA (Representante da Comissão de Apoio ao MPEDUC) disse que a Comissão de Apoio esteve presente em todas as escolas do município e que todo o material dos relatórios de visitas foram entregues ao secretário de educação e ao prefeito, para conhecimento e providências. LINDOMAR ANTÔNIO DE SOUZA (Secretário Municipal de Educação) - Disse que o programa Mais Educação foi implantado e necessita de ajustes. Pede a parceria dos professores para o trabalho junto com os monitores. Quanto aos ar condicionados as providências já estão sendo tomadas com a empresa de instalação e acredita que ainda nesta semana será realizado. ADELAIDE DOS SANTOS FARIA (Escola João Pereira Pinto): que trabalha em escola João Pereira Pinto com alunos com necessidades especiais e a sua escola não tem banheiro adequado. Pede ao Secretário de Educação a devida solução do problema. LUCAS LOPES DO NASCIMENTO: que lhe foi negado pelos conselheiros o direito de participar do Projeto do MPEDUC. Que lhe foi negado transporte para visita às comunidades. Gostaria do MPF uma orientação do porquê que lhe foi negado o direito de ingressar no Projeto MPEDUC? Que se interessou em participar da comissão, mas não lhe oportunizaram essa participação. VITOR SOUZA CUNHA () explicou que no TAC firmado com a Prefeitura Municipal houve uma sugestão por parte do MPF na formação da Comissão de Auxílio ao MPEDUC. Que o MPF sugeriu uma composição heterogênea. Por isso, é possível que pessoas atuantes fiquem de fora da composição. Mas, embora não componha a Comissão, sua participação é necessária, assim como a de todos. Sr. ALMIR (membro da Comunidade Quilombola Barra do Parateca): que é membro da comissão de apoio ao MPEDUC. Que esteve presente em todas as visitas. Que tem duas comunidades quilombolas em Carinhanha, mas em nenhuma comunidade tem quadra poliesportiva. Que a merenda escolar da comunidade quilombola não é diferenciada conforme deveria. Que a escola na comunidade quilombola não tem nem placa de identificação da escola. EVERALDO RIBEIRO DE SOUZA (Escola Municipal Dindinha Jovem): aborda o não cumprimento de cláusulas do plano de carreiras dos professores municipais. Questiona o porquê dos diretores de escolas receberem pelo plano de cargos e professores não. GIVALDO PEREIRA (professor e presidente do Sindicato dos Servidores Públicos de Carinhanha) - Abordou a importância de todos perderem o medo de falar sobre os problemas. Abordou a necessidade de valorização e capacitação do professor. A partir deste momento, a palavra voltou para os integrantes da mesa, o VITOR SOUZA CUNHA, que franqueou a palavra aos demais componentes: AGNELO DAS MERCÊS CORDEIRO (Representante do TCM/BA): Agradeceu a oportunidade de participar da audiência e destacou a importância do projeto; EMANUELA GUSMÃO COSTA (Representante da Comissão de Apoio ao MPEDUC): apresentou os componentes da comissão e ressaltou a importância do trabalho da comissão no Projeto MPEDUC. LINDOMAR ANTÔNIO DE SOUZA (Secretário Municipal de Educação): agradeceu e diz que a gestão está aberta ao diálogo. Que a gestão se adequará a todas as demandas geradas pela audiência pública ODELINA MARIA (Presidente do CAE) disse que as pessoas não vão participar das reuniões do conselho, por isso a surpresa das pessoas quanto à sua pessoa como presidente do CAE. Lembra novamente que muitos conselheiros não participam pelo fato de não haver remuneração. Apresentou o nome de alguns conselheiros, para conhecimento popular e informou que há duas semanas está havendo reuniões do conselho. Solicita aos interessados a presença nas reuniões. Que no caso das merendas dos quilombolas os cardápios são enviados para as escolas pelo nutricionistas e está à disposição. JOSÉ MESSIAS (Presidente do CACS-FUNDEB) - convida os interessados a presenciarem das reuniões do conselho municipal. O procurador da República PAULO MARQUES agradeceu a presença de todos e asseverou que cada um é agente multiplicador na solução dos problemas ligados à educação municipal. Que o MPF vai embora, mas que todas as tratativas em relação ao Projeto MPEDUC continuarão, por meio dos conselhos municipais, comissão de apoio e a participação popular dos pais, alunos e de todos. Que cada caso será avaliado, e que a comissão fez a visitação em todas as escolas e elaborou relatório e em tempo serão as medidas adotadas com as devidas recomendações. Finalizando o evento, o VÍTOR CUNHA asseverou que o objetivo da audiência pública foi alcançado, com o contato direto com as pessoas envolvidas. Agradeceu ao Secretário de Educação e demais servidores, pelo tratamento e aos servidores do MPF pela dedicação aos trabalhos. PROVIDÊNCIAS CONCRETAS A SEREM ADOTADAS: 1. Palestras nas Escolas; 2. Reuniões dos Conselhos, com distribuição de material e publicização do calendário de reuniões para assegurar a participação de todos ; 3. Diálogo interlocução (Emanuela Comissão de Apoio ao MPEDUC);

10 DMPF-e Nº 65/2015- EXTRAJUDICIAL Divulgação: quinta-feira, 9 de abril de 2015 Publicação: sexta-feira, 10 de abril de Análise dos relatórios, questionários e demais demandas apresentadas ao MPF. 5. Visitas em algumas escolas, a partir de análise do material. Em nada mais havendo a ser declarado, deu-se por encerrada a reunião. PAULO RUBENS CARVALHO MARQUES ##ÚNICO: EXTRA-BA VITOR SOUZA CUNHA MEMÓRIA DE REUNIÃO Aos 31 (trinta e um) dias do mês de março do ano de 2015 (dois mil e quinze), às 9:15h, reuniram-se na Escola Alice Maria em Malhada-BA as seguintes pessoas: 1) PAULO MARQUES (); 2) VITOR SOUZA CUNHA (); 3) GIMMY EVERTON MOURARIA RAMOS (Prefeito Municipal de Malhada); 4) MÍRIA MARISTELA (Secretária Municipal de Educação); 5) MARINA BOA SORTE (Presidente da Câmara Municipal); 6) JUVENAL JUNIOR ALVES FERREIRA (Presidente do CACS-FUNDEB); 7) BELARMINA DA CONCEIÇÃO NOGUEIRA (Presidente do CAE); 8) FERNANDO MAGALHÃES MIRANDA (Representante da Comissão de Apoio ao MPEDUC); 9) LÚCIO BARRETO NASCIMENTO (Capitão PM/BA); 10) AGNELO DAS MERCÊS CORDEIRO (Representante do TCM/BA), registrando a presença do vice-presidente do Conselho Municipal de Educação ANDERSON FABRÍCIO, e da Srª IZABEL DIVA RIBEIRO SOUZA representante da Secretaria Estadual de Educação do Estado da Bahia, bem como as pessoas mencionadas nas listas de presença anexas, totalizando aproximadamente 317 pessoas. Primeiramente, foram apresentados ao público vídeos informativos sobre o Ministério Público Federal e sobre o Projeto MPEDUC. Em seguida, o servidor do MPF RAFAEL COSME DE CARVALHO LEAL agradeceu a presença de todos e procedeu à abertura do evento para o início dos debates sobre a EDUCAÇÃO BÁSICA NO MUNICÍPIO DE MALHADA. Após os agradecimentos, passou a chamar os componentes da mesa. O início do evento ocorreu com a contextualização do tema por parte do PAULO MARQUES, que agradeceu a presença de todos e expôs acerca da importância da Audiência Pública para a Educação Básica no Município de Malhada. Relatou sobre os motivos da escolha do município de Malhada para a implantação do Projeto MPEDUC, tendo como parâmetros os baixos índices do IDEB nacional. Aduziu sobre a importância da atuação conjunta do MPF, gestores e população para a melhoria da educação municipal. Fez uma apresentação rápida dos representantes da mesa. Pontuou a importância da população em conhecer os membros dos conselhos municipais e comissão de apoio. Aduziu sobre a importância da participação popular nas reuniões dos conselhos municipais. Frisou como tema importantíssimo da audiência pública o transporte escolar municipal. Informou ao público que foi nomeado um fiscal da Prefeitura municipal, o sr. MAURO BRAGA, para fiscalizar a prestação do serviço de transporte escolar municipal. Foi incisivo de que o MPF não irá tolerar no município de Malhada o transporte escolar em carros abertos. Que a ideia do Projeto MPEDUC não é repressiva, mas de caráter preventivo, embora possa o MPF atuar repressivamente caso necessário. Que o MPF busca uma atuação em conjunto, em parceria, com os conselhos municipais, comissão de apoio, gestores e população. Que o objetivo do Projeto MPEDUC consiste em identificar as principais demandas da rede municipal e proceder à cobrança dos gestores para a solução das situações identificadas. Que o MPF visa proceder um mapeamento das demandas municipais através dos questionários do MPEDUC respondidos pelos diretores de escola e dos relatórios de visitas dos conselhos municipais e da comissão de apoio. A partir da identificação das demandas serão expedidas recomendações por parte do MPF à Prefeitura Municipal para a adequação e solução dos casos em concreto. A palavra foi passada ao VITOR SOUZA CUNHA que assegurou que a educação e segurança são os meios essenciais a se chegar a um Estado democrático. Passou a esclarecer os objetivos do Projeto MPEDUC como medida de atuação preventiva, com a análise da situação da educação no Município, a fim de construir soluções concretas. Pontuou também acerca da importância da participação ativa de todos os presentes na audiência pública trazendo dúvidas e sugestões para debate em conjunto e criação de alternativas de melhorias para a educação municipal. Relatou como sendo o baixo índice do IDEB em Malhada o objetivo de sua implantação pelo MPF no município. Enumerou alguns resultados concretos do MPEDUC em poucos meses de implantação no município de Malhada, falando da nomeação de um servidor do município como fiscal para gerir a prestação do transporte escolar; falou ainda sobre a mudança de nomes das escolas no município que continham nomes de pessoas vivas. Por fim, assegurou a importância de um conselho municipal forte. Em sequencia o procurador da República VITOR SOUZA CUNHA passou a apresentar slides informativos acerca do Projeto MPEDUC. Primeiramente, explicou o conceito do mencionado Projeto MPEDUC como meio principalmente preventivo na melhoria da educação básica municipal; apresentou à população a existência do site do Projeto MPEDUC e sobre a existência dos questionários preenchidos no site pelos diretores de escola, com o fim de que o MPF possa conhecer a realidade do ensino de cada escola, identificando demandas e necessidades concretas; Pontuou o termo PARCERIA como sendo a palavra-chave do Projeto MPEDUC, parceria principalmente com a população do município, visando a solução de irregularidades na educação municipal; Mais uma vez explicou acerca dos motivos da escolha do município de Malhada para a implantação do Projeto MPEDUC, como sendo o motivo principal os baixos índices do IDEB do ano 2013; Apresentou aos presentes, para conhecimento, os principais programas FUNDEB e MEC/FNDE, recursos e os índices que os municípios recebem do MEC/FNDE; Passou aos presentes os índices de repasse do PNAE, PROINFÂNCIA, PROINFO, PNAT, PDDE ao município, de acordo com o portal da transparência; Passou a explicar acerca do FUNDEB, sobre os índices de recebimento anual pelo Estado da Bahia e pelo município; Diante de tais dados e argumentos, o asseverou a presença do MPF e a importância da audiência pública para a mudança da educação municipal. Seguiu com a apresentação dos conselhos municipais, CAE e CACS-FUNDEB, e sobre a sua importância e participação na educação municipal, inclusive sobre a sua independência em relação à gestão municipal, e importância na fiscalização da destinação dos recursos da educação no município e aprovação das contas municipais. Explicou aos presentes como se dá a atuação dos conselheiros municipais e informou sobre sua atuação de caráter não remunerado; explicou sobre a composição heterogênea dos conselhos municipais. Abordou sobre o que significa licitação, deu alguns conceitos e tirou dúvidas. Enfatizou o caráter público das licitações e a possibilidade de qualquer pessoa se fazer presente em um certame licitatório. Asseverou, novamente, a importância da participação popular junto aos conselhos municipais na fiscalização da aplicação dos recursos da educação municipal. Na sequência, o procurador da República PAULO MARQUES franqueou a palavra aos integrantes da mesa, da forma abaixo descrita: GIMMY EVERTON MOURARIA RAMOS (Prefeito Municipal de Malhada): agradeceu a presença de todos e se reservou a proferir suas palavras oportunamente no decorrer da audiência pública.

11 DMPF-e Nº 65/2015- EXTRAJUDICIAL Divulgação: quinta-feira, 9 de abril de 2015 Publicação: sexta-feira, 10 de abril de MÍRIA MARISTELA (Secretária Municipal de Educação): agradeceu a presença de todos e que oportunamente fará breves considerações. MARINA BOA SORTE (Presidente da Câmara Municipal): apresentou-se, cumprimentou a todos e agradeceu a presença. AGNELO DAS MERCÊS CORDEIRO (Representante do TCM/BA): apresentou-se, agradeceu a presença de todos, e, em breves palavras, teceu algumas considerações iniciais sobre a função de controle social do TCM. LÚCIO BARRETO NASCIMENTO (Capitão da PM/BA): cumprimentou a todos e asseverou a importância da audiência pública para a educação no município e sobretudo a importância da educação primordialmente em casa, na família como base. FERNANDO MAGALHÃES MIRANDA (Representante da Comissão de Apoio ao MPEDUC): Cumprimentou o público e convidou todos a participarem do projeto para a melhoria da educação municipal. Disse que há tempos muitas crianças eram transportadas em carros abertos e que com a implantação do projeto MPEDUC no município a situação vem melhorando cada vez mais. JUVENAL JUNIOR ALVES FERREIRA (Presidente do CACS-FUNDEB): Apresentou-se e agradeceu. BELARMINA DA CONCEIÇÃO NOGUEIRA (Presidente do CAE): saudou a todos e agradeceu aos integrantes da comissão pelo trabalho voltado para a melhoria da educação municipal. Se comprometeu em fazer um calendário de reuniões do conselho e disponibilizar a todos. Por sua vez, o procurador da República PAULO MARQUES informou que a CGU se comprometeu em fazer um curso com os conselheiros municipais voltado à capacitação destes para a fiscalização das contas municipais. Que posteriormente o curso será agendado, em parceria com o MPF. Fez um agradecimento à PM/BA pela parceria com o MPF para a realização de palestras educativas aos alunos de algumas escolas posteriormente eleitas. Serão também distribuídas cartilhas educativas. Passou-se a palavra ao prefeito municipal GIMMY EVERTON MOURARIA RAMOS que considerou a importância do projeto MPEDUC e a disponibilidade da prefeitura municipal em atender as demandas, visando a buscar melhorias na educação municipal. Que a prefeitura está à disposição em parceria com o MPF para o fortalecimento do projeto. Que em apenas dois anos da gestão atual vem buscando continuamente as melhorias educacionais, com reformas nas escolas municipais (enumerou algumas escolas reformadas) e construções de 12 salas de aulas, aquisição de lap tops; que trouxe para o município o aquisições materiais, com sobra de cadeiras. Que houve a compra de ar condicionados. Que o pagamento dos professores está sendo feito em dia. Que efetivou a disponibilização de 2 ônibus para o transporte escolar. Informou em que foi gasto os 12 milhões do FUNDEB no município, com remuneração de professores e melhorias estruturais. Que em relação ao transporte escolar foi uma grande vitória. Que no município de Malhada não admite mais nenhum carro aberto transportando crianças. Que todas as determinações do TAC firmado com o MPF vem sendo cumpridas. Foi dada a palavra passou a palavra MÍRIA MARISTELA (Secretária Municipal de Educação) que cumprimentou a todos e enalteceu a parceria Malhada e MPF. Falou da importância do projeto para o município de Malhada e do desafio que é a oferta qualitativa do ensino básico, de modo a garantir o aprendizado dos alunos. A secretária apresentou alguns slides informativos, contendo estatísticas, números e valores da educação municipal. Passou os valores recebidos pelo município de recursos de repasse. Passou valores recebidos individualmente por escolas em Afirmou se tratar de valores consideráveis e que é dever uma otimização da aplicação desses recursos. Dentre as sugestões, a Secretária evidenciou a necessidade de qualificação dos professores-diretores para administrar o PDDE. Apresentou os números do IDEB dos anos anteriores e fez comparativos. Asseverou a necessidade de avançar na educação municipal, mas que conta com o apoio de todos. O procurador da República PAULO MARQUES explicou sobre a complementação de recursos pela União. Após, houve a inscrição dos presentes para manifestar-se, desde que fosse observado o tempo máximo de 5 (cinco) minutos, o que foi devidamente obedecido pelos inscritos e passada a palavra a cada um: VALDINÊ DA CONCEIÇÃO BARBOSA (Escola Inácio Souza): questiona sobre a quadra poliesportiva da comunidade e sobre como está definida a carga horária dos professores do ensino fundamental. MÍRIA MARISTELA (Secretária Municipal de Educação) disse que o gestor tem liberdade para tal sobre a quadra poliesportiva. Que realmente há diferenças de carga horária, porém se faz necessário um estudo de viabilidade levando-se em consideração a realidade municipal. Que já está sendo estudado um modelo a ser aplicado ao município, de modo que não se perca a qualidade na prestação da educação. Que o plano já está na terceira fase, quase concluído. PAULO MARQUES () - registrou a presença da Srª IZABEL DIVA RIBEIRO SOUZA representante da Secretaria Estadual de Educação do Estado da Bahia. CREMILDA DE CAIRES (Escola Filinto Gonçalves de Oliveira Cardoso) - que tem 31 anos de serviço prestado como docente. Não é aposentada e gostaria de saber quais as vantagens que ela tem com isso, no que diz respeito a tempo de serviço e aposentadoria. VITOR SOUZA CUNHA () esclareceu que as perguntas da audiência pública não devem ser de cunho pessoal, e sim questões coletivas. JOSÉ MARIA SOUZA (professor da Escola José de Alencar e representante do Sindicato dos Servidores Públicos de Malhada) - Agradeceu ao MPF a presença no município e questionou acerca da valorização do professor como profissional, salário, planos de cargos e condições de trabalho. Que espera que o MPF seja um porto seguro ao professor de Malhada. Aduziu sobre a necessidade de avaliação de reajustes salariais dos professores e profissionais do município. Aduziu que o IDEB municipal é baixo, por conta da pouca valorização do professor no município. Ao final, como representante do sindicato, se colocou como parceiro. PAULO MARQUES () - aduziu que não compete ao MPF a pauta salarial. Que a pauta do MPF é a pauta da melhoria da educação. MÁRIO FERNANDES RIBEIRO (Vereador e professor): que um dos problemas do IDEB municipal é gerado pela constante mudança dos professores a cada gestão, o rodízio de professores. Que outro problema é a questão da falta da merenda escolar, o atraso. Que o transporte escolar melhorou, mas que ainda tem problemas. Que é prestado com carros pequenos para a quantidade de alunos. Sugere que o município adira ao programa caminho para escola. Que dificilmente se cumpre os 200 dias letivos. Que as turmas multisseriadas é um grande problema para o baixo IDEB. Sugestões: criação de direção nuclear; Que em relação à questão pedagógica é preciso criar os núcleos de coordenação em zonas rurais. TOMAZ AMÉRICO CARDOSO (professor) - Aduziu sobre a valorização ao magistério. Em relação à alimentação escolar disse que a escola Anísio Teixeira ficou 6 dias em 2015 sem merenda escolar. E questionou o que seria feito em relação ao preenchimento inverídico dos questionários por parte dos diretores. PAULO MARQUES () - disse que as informações inverídicas serão constatadas nas visitas às escolas. MÍRIA MARISTELA (Secretária Municipal de Educação) sobre a falta de merenda na Anísio Teixeira disse que realmente houve uma dificuldade de fornecimento dos gêneros alimentícios e dificuldades com o transporte da merenda escolar. Essas são algumas dificuldades que geram o atraso na merenda escolar.

12 DMPF-e Nº 65/2015- EXTRAJUDICIAL Divulgação: quinta-feira, 9 de abril de 2015 Publicação: sexta-feira, 10 de abril de PAULO MARQUES () - disse que o MPF não tolerará o atraso na merenda escolar e que isso pode decorrer de falta de planejamento. SUZANA MARTINS (Mãe de aluno) - tem uma filha com dificuldade de aprendizado, e necessita saber como a filha dela terá o tratamento especial diferenciado? PAULO MARQUES () - que tem informações de que no município não há ainda um ensino diferenciado às pessoas com necessidades especiais e dificuldade de aprendizado. Informou acerca da existência de uma representante dos pais de alunos com deficiência na comissão de apoio ao MPEDUC. Que o passo principal será o levantamento de um quantitativo de pessoas com essas necessidades para se traçar diretrizes para a aprendizagem de forma mais concretas, com identificação das escolas. JOANA NOGUEIRA MAROTINHO (auxiliar de serviços gerais) - se é possível um carro carregar mais de 10 alunos de uma só vez, sendo que é movido a gás. MAURO BRAGA (fiscal do transporte escolar municipal) que estão se adequando e que o problema será resolvido ainda essa semana. ILZETE DE OLIVEIRA NEVER: quer saber do prefeito quando será prestado o serviço de transporte escolar na localidade onde vive, Riacho Seco. A palavra foi franqueada ao MOTORISTA da linha que realmente a estrada é ruim e o ônibus não tem como passar. Que o ônibus não consegue fazer a manobra. Que o percurso que faz é muito grande e que se for entregar todos os alunos de porta em porta terminará de madrugada. LELIENE GUEDES DA SILVA (professora) questiona sobre transporte de alunos sentados em colo uns dos outros e motoristas deixando alunos na escola muito antes do horário da aula. VITOR SOUZA CUNHA () disse que para satisfazer as demandas pessoais há a necessidade de se buscar com o diálogo a melhor forma de prestação do serviço de transporte escolar, como hora, local, etc, buscando o prestador de serviço CARDOSO LACERDA para ajustar essas questões e os gestores municipais para o diálogo. Quanto às questões decorrentes da má prestação do serviço, o fiscal do transporte escolar deve ser imediatamente cientificado, tendo o dever de comunicar o fato à empresa e à prefeitura municipal a fim de que sejam adotadas as providências; JOSELINA PEREIRA DE SOUZA (professora) - parabenizou a equipe do projeto MPEDUC e que achou muito gratificante a parceria da PM/BA nas escolas. Que os alunos não querem obedecer aos professores por conta do uso do aparelho celular em sala de aula, especialmente na escola Paulo Freire. PAULO MARQUES () - questionou aos presentes se o problema do uso do celular em sala de aula é um problema geral e foi informado que sim. INÊS DIAS DE BRITO (representante quilombola) que a localidade Tomé Nunes recebe um cardápio que não corresponde com a merenda escolar que a escola recebe. Gostaria de esclarecimentos. BELARMINA DA CONCEIÇÃO NOGUEIRA (Presidente do CAE) que não tem conhecimento. Com a palavra a Srª FERNANDA (Nutricionista do município) disse que o cardápio da merenda escolar é único para todo o município. Que tem dificuldades em servir o cardápio por questões de planejamento, problemas com fornecedores. Que realmente o cardápio escolar não corresponde com a merenda escolar ofertada, mas tem envidado esforços para seguir exatamente o previsto no cardápio. CARLINDA CONCEIÇAÕ NOGUEIRA (diretora da escola Anísio Teixeira) - Que a dificuldade do professor da zona rural não pode ser comparado com o dos professores que atuam na sede. Que tem dificuldades com material didático, sendo esse um motivo do baixo IDEB nacional. Que a alimentação no município é um problema que interfere no aprendizado. Que não concorda com o método de ter que aprovar alunos que mal sabem ler e escrever. Que a escola ANÍSIO TEIXEIRA possui alunos com deficiências especiais, mas que não possui condições adequadas e especiais para lidar com esses alunos. Que a escola e os professores não estão preparados para atender esse tipo de aluno. Como agir nesse caso? Que a merenda da escola é de boa qualidade. Que o uso do celular em sala de aula pelos alunos foi proibido e vem sendo cumprido na escola ANISIO TEIXEIRA, sem problemas. PAULO MARQUES () - reafirmou a posição do MPF quanto à qualificação do magistério. Que a valorização dos professores é temática que faz parte do projeto MPEDUC. Afirma o papel de apoio ao pleito da valorização dos professores. Questiona se há alguma iniciativa da Secretaria Estadual de Educação. Com a palavra IZABEL DIVA RIBEIRO SOUZA (representante da Secretaria Estadual de Educação do Estado da Bahia) - que há ações articuladas entre secretaria estadual de educação e município e que deve ser feito através do programa de ação articulada. MIRIA MARISTELA (Secretária Municipal de Educação) disse que já existe a implantação de salas multifuncionais, ainda em pouco número, e que tem dificuldade em se achar profissionais com a capacitação exigida. Que se faz necessária a identificação dos alunos PNES e a capacitação dos professores. KÁTIA SILENE (Professora da Escola Rui Barbosa) - se há previsão para a construção de quadra poliesportiva na escola? Que a escola também possui crianças especiais. Questiona a instalação de uma sala multifuncional na escola? Questiona quando a escola terá uma televisão para trabalho? Questiona quando será a reforma da escola? MIRIA MARISTELA (Secretária Municipal de Educação) apresentou ao público presente o registro de protocolo do PAR Plano de Metas encaminhado ao MEC. Prestou esclarecimentos acerca da quadra poliesportiva. Disse que estão avançados em relação ao plano de metas. GIMMY EVERTON MOURARIA RAMOS (Prefeito Municipal de Malhada) que a gestão anterior não enviou o PAR Plano de Metas. Prestou esclarecimentos gerais acerca da quadra poliesportiva. JORGE ARAGÃO (Professor e Vereador) - enalteceu o trabalho dos apoiadores do projeto MPEDUC e teceu breves considerações. RAIMUNDA FRANCISCA (diretora da escola Helder James) - enalteceu o trabalho do MPEDUC e os trabalhos até então realizados. Parabenizou pela mudança do nome da escola antiga escola César Borges. Que o problema da escola é estrutural, com o espaço físico inadequado e a superlotação. Propôs o término da nucleação das escolas, em virtude dos problemas que causa, inclusive quanto à administração do PDDE. MIRIA MARISTELA (Secretária Municipal de Educação) Que só a partir de jun/2013 as ações passaram a ser tomadas. Reafirmou os compromissos firmados. PAULO MARQUES () - Explicou acerca do TAC firmado com o município de Malhada e leu a cláusula 3ª do TAC, que trata de melhoria nas escolas. IZABEL DE SOUZA (Escola Almerinda Silveira) - Que em sua escola tem um aluno com deficiência e que não pode consumir todo tipo de merenda. Se há como comprar merenda diferenciada para ele? Se tem como fazer a cobertura de um local da escola por conta de alagamento da sala de aula quando chove?

13 DMPF-e Nº 65/2015- EXTRAJUDICIAL Divulgação: quinta-feira, 9 de abril de 2015 Publicação: sexta-feira, 10 de abril de VITOR SOUZA CUNHA () quanto à questão da merenda escolar a questão será avaliada conjuntamente. A sugestão é que a situação seja levada à nutricionista, para uma possível solução. Com a palavra a Srª FERNANDA (Nutricionista do município) disse que surgidos alguns casos desse tipo, foi solicitado alguns alimentos diferenciados, mas que é complicado ainda atender a esse tipo de demanda, embora esteja tentando se adequar. Se compromete a ir à escola para verificar como tem sido feita a distribuição das frutas que estão sendo passadas para o aluno com deficiência. GIMMY EVERTON MOURARIA RAMOS (Prefeito Municipal de Malhada) o prefeito teceu breves considerações. SÉRGIO CARDOSO (Escola Alice Maria) - Teceu algumas considerações sobre o caráter propositivo da audiência. Sugere um laboratório de informática na escola. Questionou alternativas de maior transparência na atuação dos conselhos municipais. VITOR SOUZA CUNHA () que serão publicados calendários das reuniões dos conselhos municipais; sugeriu a destinação de um local apropriado para a realização das reuniões dos conselhos. Sugeriu que as reuniões não fosse feitas mais na Prefeitura, mas sim em outro local neutro, isento de possíveis interferências externas. CÉLIO FERNANDES (Pai de aluno) - Parabenizou o MPF e teceu breves comentários acerca da existência do PAR Plano de Metas na gestão anterior. Disse que as salas da escola Rui Barbosa estão inadequadas para os alunos. VALÉRIA PORTO (representante da comissão de apoio e representante da comunidade Parateca e Pau D'Arco) - falou sobre educação quilombola associada à territorialidade. Sugere maior apoio e engajamento dos gestores municipais às comunidades quilombolas. VITOR SOUZA CUNHA () comungou com as considerações feitas pela representante da Comissão de Apoio ao MPEDUC e da Comunidade quilombola. VILSON DE OLIVEIRA (Vereador) - reivindica a reforma da escola localizada na Comunidade Pau D'Arco e Parateca e questionou a demora na construção e implantação da escola de ensino médio na comunidade. GIMMY EVERTON MOURARIA RAMOS (Prefeito Municipal de Malhada) que já providenciou a reforma da escola, a qual terá início nas próximas semanas. Que vem enfrentando problemas de ordem ambiental com a EMBASA e a COELBA. CLEANDERSOM AMILCAR (Professor) - questiona acerca do processo da composição dos conselhos municipais. VITOR SOUZA CUNHA () Teceu breves considerações acerca da composição e formação dos conselhos municipais, defendendo a preocupação do MPF com a composição heterogênea. Informou sobre o papel importante da comissão de apoio com as visitas in loco das unidades de ensino; O procurador da República PAULO MARQUES, finalizando a audiência pública, passou a palavra aos integrantes da mesa: GIMMY EVERTON MOURARIA RAMOS (Prefeito Municipal de Malhada): agradeceu a parceira com o MPF para melhorar a qualidade do ensino municipal. Colocou-se à disposição para ajudar em qualquer demanda. MIRIA MARISTELA (Secretária Municipal de Educação): agradeceu e asseverou que a audiência pública é um marco na história do Município de Malhada. LÚCIO BARRETO NASCIMENTO (Capitão da PM/BA): Agradeceu a todos e garantiu a parceria do Projeto MPEDUC com a PM/BA; JUVENAL JUNIOR ALVES FERREIRA (Presidente do CACS-FUNDEB): agradeceu e se coloca à disposição para a luta da defesa da valorização dos professores. BELARMINA DA CONCEIÇÃO NOGUEIRA (Presidente do CAE): agradeceu e disse que tem conhecimento dos problemas correntes da merenda escolar e que vai paulatinamente e com parceria buscar a solução das demandas. Colocou-se à disposição. FERNANDO MAGALHÃES MIRANDA (Representante da Comissão de Apoio ao MPEDUC): Agradeceu e teceu algumas considerações breves. Colocou-se à disposição. O VITOR SOUZA CUNHA agradeceu a presença de todos os presentes e disse que a audiência pública alcançou o seu objetivo. Colocou o MPF à disposição de todos para qualquer denúncia ou demanda. Informou os canais de comunicação da sociedade com o MPF. Informou aos presentes que o professor FERNANDO MAGALHÃES MIRANDA (Representante da Comissão de Apoio ao MPEDUC) será o interlocutor da comunidade de Malhada com o MPF. Finalizando o evento, o procurador da República PAULO MARQUES agradeceu a presença de todos que de uma maneira ou outra certamente contribuíram e contribuirão com a implantação e execução do Projeto MPEDUC. Enfatizou sobre a importância do estreitamento dos laços da população e MPF por meio dos conselhos municipais e da comissão de apoio. Enfatizou o caráter apartidário ao Projeto MPEDUC. Informou que oportunamente será realizada uma nova audiência pública para visualizar os resultados do Projeto. Com a mensagem de caminhar todos juntos para a melhora da qualidade do ensino no município de Malhada encerrou-se a audiência pública. PROVIDÊNCIAS CONCRETAS A SEREM ADOTADAS: 1. BELARMINA DA CONCEIÇÃO NOGUEIRA (Presidente do CAE) se comprometeu em fazer um calendário de reuniões do conselho municipal e disponibilizar a todos; 2. MIRIA MARISTELA (Secretária Municipal de Educação) evidenciou a necessidade de qualificação dos professores-diretores para administrar o PDDE; 3. FERNANDA (Nutricionista do município) Se comprometeu a ir à Escola Almerinda Silveira para verificar como tem sido feita a distribuição das frutas que estão sendo passadas para o aluno com deficiência; Em nada mais havendo a ser declarado, deu-se por encerrada a reunião. ##ÚNICO: EXTRA-BA NF nº / PAULO RUBENS CARVALHO MARQUES VITOR SOUZA CUNHA DESPACHO Nº 72, DE 8 DE ABRIL DE 2015 Trata-se de expediente encaminhado pelo Ministério Público do Estado da Bahia, referente a cópias do procedimento de investigação criminal nº /13, instaurado a partir de representação formulada pelo Sr. Carleon Oliveira Souza, Vereador do Município de Sítio do

14 DMPF-e Nº 65/2015- EXTRAJUDICIAL Divulgação: quinta-feira, 9 de abril de 2015 Publicação: sexta-feira, 10 de abril de Quinto/BA, em face do prefeito municipal, o Sr. Cleigivaldo Carvalho Santa Rosa, noticiando supostos pagamentos ilícitos à empresa FERREIRA CONSTRUÇÕES LTDA ME sem a correspondente prestação dos serviços à municipalidade, relativos à construção de unidades sanitárias domiciliares. Aponta a Deliberação nº 055/ (fls. 04/07) que os pagamentos realizados para a citada empresa, vencedora da Tomada de Preços nº 002/2012, envolveram recursos provenientes de termo de compromisso com a FUNASA, que integram o Anexo I, Volumes I, II, IV, V e VI, evidenciando suposta malversação de verbas federais, razão pela qual recai a atribuição do MPF, diante do interesse da União no feito. Ainda no bojo do citado procedimento, o MPE oportunizou a manifestação do investigado, a qual se encontra colacionada às fls. 16/21. No tocante à construção das unidades sanitárias domiciliares, o investigado afirmou que as obras foram realizadas em conformidade com o plano de trabalho determinado pela FUNASA, tendo sido entregues aos beneficiários, bem como apresentada a prestação de contas ao órgão convenente. Dentre os documentos encaminhados pelo prefeito da municipalidade, constam cópias do procedimento licitatório, da prestação de contas à FUNASA, notas fiscais emitidas pela empresa FERREIRA CONSTRUÇÕES LTDA ME, destacando-se, inclusive, a juntada da cópia do Relatório de Visita Técnica FINAL elaborado por técnico da FUNASA, em que afirma ter visitado 102 famílias beneficiadas com as melhorias sanitárias domiciliares, e que a obra foi recebida com qualidade em boas condições de uso e sem nenhuma restrição. Diante de tais informações, observa-se que, de fato, houve a construção das unidades sanitárias no município de Sítio do Quinto. Ainda, em consulta ao sítio Portal da Transparência, o Termo de Compromisso nº TC/PAC 0337/11 encontra-se como situação Adimplente. Entretanto, os elementos colhidos nos autos não são suficientes para concluir pela existência ou não de irregularidades na execução do serviço e na prestação de contas do citado Termo, motivo pelo qual determino: 1. Oficie-se à FUNASA, cópia dos documentos de fls. 26/85, requisitando que, no prazo de 15 dias, preste informações a respeito da prestação de contas do Termo de Compromisso nº TC/PAC 0337/2011, celebrado entre a FUNASA e o município de Sítio do Quinto, para execução da ação de Sistema de Esgotamento Sanitário MDS, SIAFI nº ; 2. Em caso de descumprimento, reitere-se o ofício com as advertências de praxe; 3. Diante da necessidade de concluir a diligência prevista no item 1, instauro Procedimento Preparatório de IC, fixando o prazo de 90 (noventa) dias para sua conclusão; 4. Acautelem-se os autos por 30 dias, retornando conclusos com o cumprimento ou o escoamento do prazo; 5. Autue-se, publique-se e comunique-se à 5ªCCR. ##ÚNICO: EXTRA-BA PAULO ROBERTO SAMPAIO SANTIAGO DESPACHO Nº 73, DE 8 DE ABRIL DE 2015 NF / Trata-se de notícia de fato instaurada a partir de representação formulada pela Sra. Lúcia Lima Barros, noticiando que trabalha na prefeitura de Macururé/BA como agente administrativa desde o ano de 2008, concursada, e que, no ano de 2013, ao tentar receber o PASEP, verificou que não constava o dinheiro referente ao abono. Aduz, ainda, que, ao chegar na Agência do Banco do Brasil, em Paulo Afonso, o servidor lhe informou que não estava inscrita e não tinha direito ao citado abono salarial. Na ocasião, salienta que procurou a Prefeitura de Macururé e que recebeu um novo número do PASEP, Nesse ínterim, não conseguiu realizar o saque referente ao abono em 2014 e, em janeiro desse ano, foi informada que somente terá direito ao benefício no ano de Considerando que o art. 10 da Lei 9.715/98 estabelece que a administração e fiscalização da contribuição para o PIS/PASEP compete à Secretaria da Receita Federal, determina-se: 1. Oficie-se à Receita Federal do Brasil, com cópia do termo de declarações de fls. 03/04, requisitando que, no prazo de 15 dias, informe se há algum procedimento administrativo instaurado naquele órgão em face do município de Macururé/BA e relativo à ausência do recolhimento das contribuições para o PASEP, encaminhando cópia integral; 2. Em caso de descumprimento, reitere-se o ofício com as advertências de praxe; 3. Diante da necessidade de concluir a diligência prevista no item 1, instauro Procedimento Preparatório de IC, fixando o prazo de 90 (noventa) dias para sua conclusão; 4. Retifique-se a distribuição para vincular o presente procedimento à 2ª CCR; 5. Acautelem-se os autos por 30 dias, retornando conclusos com o cumprimento ou o escoamento do prazo; 6. Autue-se, publique-se e comunique-se à 2ªCCR. ##ÚNICO: EXTRA-BA PAULO ROBERTO SAMPAIO SANTIAGO DESPACHO DE 8 DE ABRIL DE 2015 IC n.º / Prorrogue-se o feito por mais um ano. Aguarde-se resposta ao ofício expedido. ANDRÉ SAMPAIO VIANA

15 DMPF-e Nº 65/2015- EXTRAJUDICIAL Divulgação: quinta-feira, 9 de abril de 2015 Publicação: sexta-feira, 10 de abril de ##ÚNICO: EXTRA-BA DESPACHO DE 7 DE ABRIL DE 2015 IC n.º / IC n.º / IC n.º / IC n.º / IC n.º / IC n.º / IC n.º / IC n.º / IC n.º / Considerando o teor da informação prestada pelo INCRA, informando que foram instaurados procedimentos administrativos relativos às comunidades quilombolas objeto dos ICs acima listados, determino o acautelamento pelo prazo de 180 dias. Prorrogue-se o feito por mais um ano. Com relação ao IC n. 276/ , percebe-se que as cópias anexadas não contem a integralidade dos documentos originais, vez que esses foram impressos frente e verso. Certifique-se se as cópias que instruem os demais estão completas. ##ÚNICO: EXTRA-BA ANDRÉ SAMPAIO VIANA DESPACHO DE 8 DE ABRIL DE 2015 IC 275/ Considerando o teor do ofício do INCRA, informando que o processo administrativo da comunidade quilombola Rancho da Casca não foi aberto porque não havia no sistema cópia da certidão de autorreconhecimento da comunidade emitida pela Fundação Cultural Palmares, sendo que, ao mesmo tempo, o INCRA se comprometeu a informar ao MPF tão logo obtivesse essa informação da Fundação Palmares, acautele-se o feito por 90 (noventa) dias. Por fim, prorrogue-se o feito por mais um ano. ##ÚNICO: EXTRA-BA ANDRÉ SAMPAIO VIANA DESPACHO DE 8 DE ABRIL DE 2015 IC n.º / Prorrogue-se o feito por mais um ano. Aguarde-se resposta ao ofício. ANDRÉ SAMPAIO VIANA ##ÚNICO: EXTRA-CE PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DA CEARÁ PORTARIA Nº 17, DE 23 DE MARÇO DE 2015 Ref.: Procedimento Preparatório nº / O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Procuradora da República signatária, em exercício na Procuradoria da República no Município de Crateús/Tauá/CE, com fulcro na Constituição Federal, arts. 127 e 129; Lei Complementar n.º 75/93, art. 6.º, inc. VII; Resolução CNMP n 23/2007, art. 2 ; Resolução CSMPF nº 87/2006, art. 5º, e: CONSIDERANDO a existência do procedimento em epígrafe, noticiando a possível existência de irregularidades na aplicação de verbas públicas federais repassadas ao Município de Ararendá/CE, por meio de convênios e do FUNDEB; CONSIDERANDO que, de acordo com o Ofício 5091/2015/CGU, o Município de Ararendá/CE foi sorteado para ser fiscalizado, nos dias 23 a 27 de março, e que, em atenção ao expediente supra, foi solicitada à CGU a análise dos procedimentos licitatórios constantes à fl. 100 (Ofício /2015-MPF/PRM/CRATEÚS/TAUÁ); CONSIDERANDO a necessidade de verificar a regularidade da aplicação das verbas federais, bem como que eventuais malversações poderão ensejar, em tese, atos de improbidade administrativa tipificados nos arts. 10 e 11 da Lei nº 8.429/92; CONSIDERANDO ser função institucional do Ministério Público promover o inquérito civil e a ação civil pública para a proteção de direitos difusos e coletivos, em especial o patrimônio público e social e a moralidade administrativa; RESOLVE converter os presentes autos em INQUÉRITO CIVIL, com fulcro no art. 4º, II, da Resolução CSMPF nº 87/2006, a fim de continuar a apuração dos fatos mencionados. Após os devidos registros, publique-se a presente portaria, cientificando a 5ª CCR, nos termos do art. 6º da Resolução CSMPF nº 87/2006. Designo o coordenador jurídico para secretariar o feito. Em seguida, aguarde-se o relatório de fiscalização da CGU. Cumpra-se. SARA MOREIRA DE SOUZA LEITE Procuradora da República

16 DMPF-e Nº 65/2015- EXTRAJUDICIAL Divulgação: quinta-feira, 9 de abril de 2015 Publicação: sexta-feira, 10 de abril de ##ÚNICO: EXTRA-CE PORTARIA Nº 49, DE 8 DE ABRIL DE 2015 Procedimento Preparatório nº / Interessado: MPF. Assunto: Suposta utilização de recursos públicos para beneficiar entidades privadas. Pedido de providências para sustar o repasse de recursos objeto do Contrato de Gestão nº 02/2014-SMS/ISGH, celebrado entre a Prefeitura Municipal de Fortaleza, através da Secretaria Municipal de Saúde - SMS e o Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar - ISGH. Gerência dos macroprocessos de Logística e Sistema de Apoio da Rede de Unidades de Atenção Primária à Saúde - UAPS e Centros de Atenção Psicossocial - CAPS O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por intermédio do signatário, oficiante junto ao 6º Ofício da Tutela Coletiva da Procuradoria da República no Estado do Ceará, com fundamento no art. 129, III, da Constituição Federal, no art. 5º, II d, da Lei Complementar nº 75/93, no art. 25, IV, a, da Lei 8.625/93, no art. 8º, 1º da Lei 7.345/85, e nos termos do artigo 2º, inciso I, da Resolução nº 87 do Conselho Superior do Ministério Público Federal, de 03 de agosto de 2006; e do artigo 2º, inciso I, e art. 4º, da Resolução nº 23, do Conselho Nacional do Ministério Público, de 17 de dezembro de 2007, e ainda CONSIDERANDO o vencimento definitivo do prazo para a conclusão do presente Procedimento Preparatório, e que a sua conclusão depende da efetivação de providências ainda pendentes; RESOLVE CONVERTER, nos termos do art. 2º, 6º, da Resolução nº 23/2007 CNMP, o presente procedimento preparatório em INQUÉRITO CIVIL PÚBLICO, determinando-se: 1. Registro e autuação da presente Portaria, juntamente com as peças informativas do Procedimento Preparatório nº / , pelo Núcleo da Tutela Coletiva (NTC), nos sistemas de informação adotados pelo Ministério Público Federal, como Inquérito Civil, vinculado à 1ª CCR, registrando-se como seu objeto: Suposta utilização de recursos públicos para beneficiar entidades privadas. Pedido de providências para sustar o repasse de recursos objeto do Contrato de Gestão nº 02/2014-SMS/ISGH, celebrado entre a Prefeitura Municipal de Fortaleza, através da Secretaria Municipal de Saúde - SMS e o Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar - ISGH. Gerência dos macroprocessos de Logística e Sistema de Apoio da Rede de Unidades de Atenção Primária à Saúde - UAPS e Centros de Atenção Psicossocial - CAPS 2. Remessa de cópia da presente portaria ao NTC, para publicação, nos termos do art. 4º, VI, Resolução nº 23 CNMP e art. 16, 1º, I, Resolução nº 87 CSMPF; 3. Tendo em vista a necessidade de obtenção de maiores informações, oficie-se o Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar (ISGH) e a Secretaria Municipal de Saúde de Fortaleza. Cumpra-se. ALEXANDRE MEIRELES MARQUES ##ÚNICO: EXTRA-CE PORTARIA Nº 54, DE 9 DE ABRIL DE 2015 Procedimento Preparatório nº / Interessado: MPF. Assunto: Representação em face da construtora MRV Engenharia e Participações S.A. Demora na entrega do empreendimento Reserva Jardim Incorporações SPE Ltda. Obra embargada. O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por intermédio do signatário, oficiante junto ao 6º Ofício da Tutela Coletiva da Procuradoria da República no Estado do Ceará, com fundamento no art. 129, III, da Constituição Federal, no art. 5º, II d, da Lei Complementar nº 75/93, no art. 25, IV, a, da Lei 8.625/93, no art. 8º, 1º da Lei 7.345/85, e nos termos do artigo 2º, inciso I, da Resolução nº 87 do Conselho Superior do Ministério Público Federal, de 03 de agosto de 2006; e do artigo 2º, inciso I, e art. 4º, da Resolução nº 23, do Conselho Nacional do Ministério Público, de 17 de dezembro de 2007, e ainda CONSIDERANDO o vencimento definitivo do prazo para a conclusão do presente Procedimento Preparatório, e que a sua conclusão depende da efetivação de providências ainda pendentes; RESOLVE CONVERTER, nos termos do art. 2º, 6º, da Resolução nº 23/2007 CNMP, o presente procedimento preparatório em INQUÉRITO CIVIL PÚBLICO, determinando-se: 1. Registro e autuação da presente Portaria, juntamente com as peças informativas do Procedimento Preparatório nº / , pelo Núcleo da Tutela Coletiva (NTC), nos sistemas de informação adotados pelo Ministério Público Federal, como Inquérito Civil, vinculado à 1ª CCR, registrando-se como seu objeto: Representação em face da construtora MRV Engenharia e Participações S.A. Demora na entrega do empreendimento Reserva Jardim Incorporações SPE Ltda. Obra embargada. 2. Remessa de cópia da presente portaria ao NTC, para publicação, nos termos do art. 4º, VI, Resolução nº 23 CNMP e art. 16, 1º, I, Resolução nº 87 CSMPF; 3. Tendo em vista a necessidade de obtenção de maiores informações, oficie-se o Banco do Brasil S/A. Cumpra-se. ALEXANDRE MEIRELES MARQUES ##ÚNICO: EXTRA-CE RECOMENDAÇÃO Nº 9, DE 8 DE ABRIL DE 2015 PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO / (Art. 6º, XX, da Lei Complementar 75/931) O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por intermédio do ao final firmado, no exercício de suas funções constitucionais e legais, com supedâneo nos arts. 127 e 129, II, da Constituição da República, bem como no art. 7º, I, da Lei Complementar n.º 75/93,

17 DMPF-e Nº 65/2015- EXTRAJUDICIAL Divulgação: quinta-feira, 9 de abril de 2015 Publicação: sexta-feira, 10 de abril de que autoriza a propositura das ações necessárias ao exercício de suas funções institucionais e expedir recomendações visando a melhoria dos serviços públicos e de relevância pública, bem como ao respeito aos interesses, direitos e bens cuja defesa lhe cabe promover, fixando prazo razoável para a adoção das providências cabíveis e, CONSIDERANDO a instauração do procedimento administrativo nº / , cujo objeto consiste em acompanhar as ações relacionadas com a organização e execução da Copa da Mundo da FIFA, realizada no Brasil no ano em curso, visando reparar possíveis irregularidades na execução dos projetos implementados com verbas públicas; CONSIDERANDO que, no desenrolar do referido procedimento, foi juntado anexo IV - relatório de fiscalização de obras 33/2013, realizado pelo Tribunal de Contas da União, noticiando uma série de irregularidades constatadas na execução das obras do Terminal de Passageiros 2 do Aeroporto Internacional Pinto Martins, nesta capital; CONSIDERANDO que o contrato firmado entre a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária e o consórcio CPM Novo Fortaleza foi rescindido após a constatação de atrasos injustificados na execução da obra; CONSIDERANDO que as obras de reforma e ampliação do Aeroporto de Fortaleza, em razão de seu atraso, obrigaram a INFRAERO a implementar uma solução temporária de atendimento da demanda durante o período da Copa do Mundo FIFA 2014, mediante a construção de um terminal provisório, gerando custo desnecessário ao erário; CONSIDERANDO que a paralisação, por tempo excessivo, das obras do Aeroporto Pinto Martins eleva ainda mais os custos desnecessários, gerando dano ao erário; CONSIDERANDO que os atrasos para a conclusão da obra do Aeroporto Internacional Pinto Martins implicam danos inaceitáveis ao Poder Público, o que é combatido pela lei, ensejando, uma vez não obstada a conduta irregular, a interposição de ação civil pública com o intuito de preservar os bens públicos violados; CONSIDERANDO que, em tese, constitui improbidade administrativa, cabível sanção em razão de conduta culposa, ato que cause lesão ao erário, como agir negligentemente na conservação do patrimônio público (art. 10, X, Lei nº 8.429/1992); CONSIDERANDO que compete ao Ministério Público Federal zelar pela incolumidade das verbas públicas, promovendo as medidas necessárias à sua utilização em atendimento ao interesse público; CONSIDERANDO que, através do Ofício nº 3113/CNRE/2015, a INFRAERO informou que, pela segunda vez, foi adiada a data da abertura do RDC Eletrônica nº 002/DFLC/SBFZ/2015 para a contratação da complementação do projeto executivo e da execução das obras e serviços de engenharia referentes ao Aeroporto Internacional Pinto Martins, sendo fixada a data de 22 de abril do corrente, conforme aviso publicado no DOU de 27/03/2015. RESOLVE: Recomendar à INFRAERO, na pessoa de seu Superintendente no Estado do Ceará, a adoção imediata de todas as providências administrativas necessárias para que impreterivelmente, no dia 22 de abril de 2015, seja realizada a abertura do procedimento licitatório, ainda que o Tribunal de Contas da União não apresente o relatório aguardado pela INFRAERO. Recomenda-se ainda a INFRAERO que não conceda novos prazos para a iniciativa privada, a fim de que o procedimento licitatório seja aberto na data acima fixada e siga o seu trâmite regular. Destaca-se, por seu turno, que, a presente Recomendação configura instrumento legal de atuação do Ministério Público Federal, no entanto, embora não haja obrigatoriedade no seu atendimento, pode o comportamento indevido implicar uma correção de natureza jurisdicional, com as repercussões civis (inclusive ressarcitórias), administrativas e/ou criminais cabíveis. ##ÚNICO: EXTRA-CE ALESSANDER WILCKSON CABRAL SALES DESPACHO Nº 4.156, DE 6 DE ABRIL DE 2015 Ref. PP nº / PRORROGAÇÃO DE PP R. H. Trata-se de Procedimento Preparatório instaurado a partir da Manifestação nº que relata a suposta ocorrência de danos ambientais na Lagoa de Parangaba. Vez que não foi possível concluir a instrução, prorrogo por mais 90 (noventa) dias o prazo de instrução do feito, em cumprimento à determinação contida no art. 15 da Resolução CSMPF nº 87/2006. Determino, ainda, que seja expedido ofício à SEMACE, reiterando a requisição de realização de vistoria no local objeto da presente representação. Expedientes necessários. NILCE CUNHA RODRIGUES Procuradora da República ##ÚNICO: EXTRA-CE DESPACHO Nº 4.325, DE 8 DE ABRIL DE 2015 PROCEDIMENTO PREPARATÓRIO N / Tendo em vista a vigência da Resolução 87/2006 do Conselho Superior do Ministério Público Federal, a Resolução nº. 23/07 do Conselho Nacional do Ministério Público, e também a circunstância de que os elementos até o momento existentes e constantes nos autos são insuficientes para a adoção de qualquer das medidas previstas nos incisos I a VI do art. 4º, também da Resolução 87/2006, do Conselho Superior do Ministério Público Federal, determino a prorrogação da presente apuração pelo prazo de 90 (noventa) dias, com esteio no art. 4º. 1º da Res. 87/2006, para a colheita de maiores elementos para a adoção de qualquer das medidas noticiadas nos incisos do art. 4º da Resolução 87/2006, do CSMPF, encaminhando-se os autos à PRDC para as devidas providências e anotações. 2. Oficie-se a SETUR-CE para a requisição de informações circunstanciadas acerca do procedimento em epígrafe. ALEXANDRE MEIRELES MARQUES

18 DMPF-e Nº 65/2015- EXTRAJUDICIAL Divulgação: quinta-feira, 9 de abril de 2015 Publicação: sexta-feira, 10 de abril de ##ÚNICO: EXTRA-CE DESPACHO Nº 4.369, DE 9 DE ABRIL DE 2015 PROCEDIMENTO PREPARATÓRIO N / Tendo em vista a vigência da Resolução 87/2006 do Conselho Superior do Ministério Público Federal, a Resolução nº. 23/07 do Conselho Nacional do Ministério Público, e também a circunstância de que os elementos até o momento existentes e constantes nos autos são insuficientes para a adoção de qualquer das medidas previstas nos incisos I a VI do art. 4º, também da Resolução 87/2006, do Conselho Superior do Ministério Público Federal, determino a prorrogação da presente apuração pelo prazo de 60 (sessenta) dias, com esteio no art. 4º. 1º da Res. 87/2006, para a colheita de maiores elementos para a adoção de qualquer das medidas noticiadas nos incisos do art. 4º da Resolução 87/2006, do CSMPF, encaminhando-se os autos à PRDC para as devidas providências e anotações. 2. Oficie-se a Caixa Econômica Federal e a Construtora MRV para a requisição de informações circunstanciadas acerca do procedimento. ALEXANDRE MEIRELES MARQUES ##ÚNICO: EXTRA-GO PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE GOIÁS PORTARIA Nº 19, DE 8 DE ABRIL DE 2015 A PROCURADORA DA REPÚBLICA abaixo identificada, com fundamento nos incisos II e III do artigo 129 da Constituição Federal, na alínea e do inciso III do artigo 5 da Lei Complementar nº 75/93 e inciso II do artigo 2º da Resolução nº 13/06 do Conselho Nacional do Ministério Público, 1. CONSIDERANDO que o Procedimento Preparatório nº / foi embasado no conteúdo noticiado no Acordão n /12 do Tribunal de Contas dos Municípios do Estado de Goiás, de que o valor retido dos servidores, a título de contribuição previdenciária e imposto de renda e também a contribuição previdenciária patronal, no Município de Alexânia, não foi totalmente repassados à Previdência Social/Receita Federal (fls. 05, IRRREGULARIDADE 3, ITEM 2.3.3). 2. CONSIDERANDO a necessidade de se adotarem outras diligências, além das já dotadas no curso do Procedimento Preparatório. 3. RESOLVE converter O presente Procedimento Preparatório em Inquérito Civil Público, vinculado à 5CCR. 4. Determino: a) publique-se cópia da presente portaria no quadro de avisos desta Procuradoria, bem como por meio do sistema Único; b) após, volvam-me conclusos para análise de possível desmembramento. ##ÚNICO: EXTRA-GO ANA PAULA FONSECA DE GÓES ARAÚJO Procuradora da República PORTARIA Nº 20, DE 8 DE ABRIL DE 2015 A PROCURADORA DA REPÚBLICA abaixo identificada, com fundamento nos incisos II e III do artigo 129 da Constituição Federal, na alínea e do inciso III do artigo 5 da Lei Complementar nº 75/93 e inciso II do artigo 2º da Resolução nº 13/06 do Conselho Nacional do Ministério Público, 1. CONSIDERANDO que o Procedimento Preparatório nº / tem por finalidade apurar irregularidades noticiadas no Acordão n /13 do Tribunal de Contas dos Municípios do Estado de Goiás, de que o percentual de desconto da Contribuição Previdenciária dos segurados da Previdência Geral, no município de Alexânia, foi inferior ao percentual de estabelecido em lei. 2. CONSIDERANDO a necessidade de se adotarem outras diligências, além das já dotadas no curso do Procedimento Preparatório. 3. RESOLVE converter a presente Notícia de Fato em Inquérito Civil Público, vinculado à 5CCR. 4. Determino: a) publique-se cópia da presente portaria no quadro de avisos desta Procuradoria, bem como por meio do sistema Único; b) após, volvam-me conclusos para análise de possível desmembramento. ##ÚNICO: EXTRA-GO ANA PAULA FONSECA DE GÓES ARAÚJO Procuradora da República PORTARIA Nº 21, DE 8 DE ABRIL DE 2015 A PROCURADORA DA REPÚBLICA abaixo identificada, com fundamento nos incisos II e III do artigo 129 da Constituição Federal, na alínea e do inciso III do artigo 5 da Lei Complementar nº 75/93 e inciso II do artigo 2º da Resolução nº 13/06 do Conselho Nacional do Ministério Público, 1. CONSIDERANDO que o Procedimento Preparatório nº / tem por finalidade apurar irregularidades noticiadas no Acordão n /13 do Tribunal de Contas dos Municípios do Estado de Goiás, de que o percentual de desconto da Contribuição Previdenciária dos segurados da Previdência Geral foi inferior ao percentual de estabelecido em lei. 2. CONSIDERANDO a necessidade de se adotarem outras diligências, além das já dotadas no curso do Procedimento Preparatório. 3. RESOLVE converter a presente Notícia de Fato em Inquérito Civil Público, vinculado à 5CCR. 4. Determino: a) publique-se cópia da presente portaria no quadro de avisos desta Procuradoria, bem como por meio do sistema Único; b) após, volvam-me conclusos para análise de possível desmembramento. ANA PAULA FONSECA DE GÓES ARAÚJO Procuradora da República

19 DMPF-e Nº 65/2015- EXTRAJUDICIAL Divulgação: quinta-feira, 9 de abril de 2015 Publicação: sexta-feira, 10 de abril de ##ÚNICO: EXTRA-GO PORTARIA Nº 22, DE 8 DE ABRIL DE 2015 A PROCURADORA DA REPÚBLICA abaixo identificada, com fundamento nos incisos II e III do artigo 129 da Constituição Federal, na alínea e do inciso III do artigo 5 da Lei Complementar nº 75/93 e inciso II do artigo 2º da Resolução nº 13/06 do Conselho Nacional do Ministério Público, 1. CONSIDERANDO que o Procedimento Preparatório nº / tem por finalidade apurar irregularidades noticiadas no Inquérito Policial instaurado a partir da Ação de Enriquecimento Ilícito n proposta por FRANCISCO DOS SANTOS ARAÚJO em face de ROGÉRIO FERREIRA DA SILVA, na qual se pleiteia a devolução de bens aos entes públicos, por terem sidos supostamente adquiridos com dinheiro público federal. Tais cópias foram extraídas para se apurar os possíveis atos de improbidade relacionados aos mesmos fatos. 2. CONSIDERANDO a necessidade de se adotarem outras diligências. 3. RESOLVE converter o presente Procedimento Preparatório em Inquérito Civil Público, vinculado à 5CCR. 4. Determino: a) publique-se cópia da presente portaria no quadro de avisos desta Procuradoria, bem como por meio do sistema Único; b) após, volvam-me conclusos. ##ÚNICO: EXTRA-GO ANA PAULA FONSECA DE GÓES ARAÚJO Procuradora da República PORTARIA Nº 30, DE 9 DE ABRIL DE 2015 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo que esta subscreve, no exercício das atribuições conferidas pelo art. 129 da Constituição da República e: Considerando o recebimento de relatório da Controladoria-Geral da União, do qual se extrai, em caráter perfunctório, que houve aquisição de produtos alimentícios pelo Fundo Municipal de Saúde de Orizona sem que a aquisição fosse antecedida de procedimento licitatório; Considerando que o custeio do FMS se dá através de transferências fundo a fundo, a caracterizar competência federeal para a apuração de eventuais ilícitos; Considerando, ainda, que houve aquisição de itens custeados por recursos destinados exclusivamente à Atenção Básica em Saúde em patente desvio de finalidade Considerando que a comprovação de tal conduta faz incorrer seu autor na tipologia inserida no 10 da lei 8429/92; Considerando fazer-se necessário o aprofundamento da atividade investigatória, de modo a obter provas da materialidade e autoria dos atos de improbidade administrativa; Considerando que o Ministério Público é instituição constitucionalmente vocacionada à defesa dos interesses sociais, consoante o art. 127 da Constituição da República, bem como as funções institucionais positivadas no art. 129, III, da Grundnorm, e ainda o que preconiza o art. 5º, I, h e III, b, da Lei Complementar 75/93, e a disposição contida no art. 4º, 2º, da Resolução 87/2006 do Conselho Superior do Ministério Público Federal Determino a instauração de inquérito civil público, tendo por objeto a apuração das aquisições realizadas pelo fundo municipal de saúde de Orizona, com recursos destinados à Atenção Básica em Saúde nos anos de 2013 e Determino, outrossim, a adoção das seguintes providências: 1. autue-se a presente portaria como ato inaugural do ICP, adotando-se as correspondentes medidas de publicidade; 2. oficie-se ao município de Orizona, requisitando a apresentação de cópia das notas fiscais do ano de 2013 nº 2002, 2013, 2027, 2036, 2043, 2048, 2056, 2064, 2074, 2079, 275, 278, 288, 292, 304, 310, 319, 323, 338, 351, 358, 368, 7376, 7377, 7371, 7372, 7373, 7374, 7375, 7361, 7360, 7433, 7434, 7483, 7484, 7485, 7488, 7489, 7480, 7481, 7482, 7567, 7571, 7572, 7573, 7569, 7574, 7575, 7568, 7626, 7625, 7628, 7629, 7630, 7631, 7627, 7941, 7942, 7943, 7946, 7944, 7945, 2697, 2715, 2729, 2740, 2747, 2758, 2764,2773, 2787, 2798, 2803, , , , , , , , , , , , , , , e as do ano de 2014 nº 380, 386, 412, 391, 422, 039, 042, 406, 431, 2086, 2092, 8, 44, 168, 75, 195, 114, 234, 143, 270, 310, , , , 8292, 8293, 8294, 8063, 8068, 8049, 8050, 8071, 8067, 8066, 8065, 8076, 8077, 8078, 8072, 8070, 8075, 8074, 8069, 8064, 8055, 8057, 8060, 8061, 8101, 8059, 8058, 8051, 8052, 8053, 8054, 8038, 8039, 8037, 8036, 8079, 8100, 8129, 8130, 8131, 8160, 8300, 8298, 8297, 8249, 8299, 8221, 8413, 8222, 8538, 8535, 8537, 8540, 8536, 8632, 8635, 8639, 8568, 8633, 8634, 8567, 8569, 8416 e comunique-se à 5ª CCR a instauração do presente ICP, com cópia desta portaria, conforme determina o art. 6º, da Resolução 87/06 do CSMPF. RAPHAEL PERISSÉ RODRIGUES BARBOSA ##ÚNICO: EXTRA-MT PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO MATO GROSSO PORTARIA Nº 5, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo signatário, com fundamento nos incisos II, III e V, do artigo 129, da Constituição Federal e na alínea b, do inciso III, do artigo 5º, da Lei Complementar nº75/93; Considerando incumbir ao Ministério Público a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis, conforme preceitua o artigo 127 da Constituição da República; Considerando ser função institucional do Ministério Público zelar pelo efetivo respeito dos Poderes Públicos aos direitos constitucionalmente assegurados, assim como promover inquérito civil e ação civil pública para a proteção dos direitos difusos e coletivos, especialmente das comunidades indígenas, tal como determina o artigo 129 da Constituição Federal; Considerando, ademais, que a Constituição Federal e a LC nº 75/93 incumbem ao Ministério Público a função institucional de promover a proteção dos interesses individuais indisponíveis, difusos e coletivos, relativos às comunidades indígenas;

20 DMPF-e Nº 65/2015- EXTRAJUDICIAL Divulgação: quinta-feira, 9 de abril de 2015 Publicação: sexta-feira, 10 de abril de Considerando informação sobre a deterioração das pontes que dão acesso às aldeias Parabubu, Pedra Preta, Santo do Léu e Espírito Santo, bem como a ausência de providências por parte daquela municipalidade. DETERMINO: a) Instauração de Inquérito Civil cujo objeto é 6ª CCR Apurar possível omissão do município de Campinápolis/MT na realização de reparos em pontes de acesso às aldeias Parabubu, Pedra Preta, Santo do Léu e Espírito Santo. b) Após os registros de praxe, publique-se e comunique-se esta instauração à 6ª CCR, para os fins previstos no art. 4º, 1º e 2º, art. 5º, art. 6º e art. 16, 1º, I, da Resolução CSMPF nº 87/2010. c) Designo para secretariar os trabalhos, enquanto lotada neste Gabinete, a servidora Cínthia S. Bento. ##ÚNICO: EXTRA-MT WILSON ROCHA ASSIS PORTARIA Nº 6, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2015 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo signatário, com fundamento nos incisos II, III e V, do artigo 129, da Constituição Federal e na alínea b, do inciso III, do artigo 5º, da Lei Complementar nº75/93; Considerando incumbir ao Ministério Público a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis, conforme preceitua o artigo 127 da Constituição da República; Considerando ser função institucional do Ministério Público zelar pela observância dos direitos constitucionalmente assegurados, assim como promover inquérito civil e ação civil pública para a proteção meio ambiente, como preceitua o artigo 129 da Constituição Federal; Considerando documentação encaminhada pela Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso, em que noticia possível supressão de praias localizadas nos municípios de Barra do Garças, Pontal e Aragarças, em razão da construção do anel viário, bem como a informação sobre descumprimento de condicionante prevista no licenciamento ambiental referente a obra. DETERMINO: a) Registre-se e autue-se esta Portaria como Inquérito Civil cujo objeto é: 4ª CCR Acompanhar o cumprimento de condicionantes previstas no licenciamento ambiental referente à construção do Anel Viário da BR 070, na altura dos municípios de Barra do Garças/MT e Pontal do Araguaia/MT ; b) Após os registros de praxe, publique-se e comunique-se esta instauração à 4ª CCR, para os fins previstos no art. 4º, 1º e 2º, art. 5º, art. 6º e art. 16, 1º, I, da Resolução CSMPF nº 87/2010. c) Designo para secretariar os trabalhos, enquanto lotada neste Gabinete, o servidor Cínthia S. Bento. ##ÚNICO: EXTRA-MT WILSON ROCHA ASSIS PORTARIA Nº 7, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2015 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo signatário, com fundamento nos incisos II, III e V, do artigo 129, da Constituição Federal e na alínea b, do inciso III, do artigo 5º, da Lei Complementar nº75/93; Considerando incumbir ao Ministério Público a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis, conforme preceitua o artigo 127 da Constituição da República; Considerando ser função institucional do Ministério Público zelar pelo efetivo respeito dos Poderes Públicos aos direitos constitucionalmente assegurados, assim como promover inquérito civil e ação civil pública para a proteção dos direitos difusos e coletivos, especialmente das comunidades indígenas, tal como determina o artigo 129 da Constituição Federal; Considerando, ademais, que a Constituição Federal e a LC nº 75/93 incumbem ao Ministério Público a função institucional de promover a proteção dos interesses individuais indisponíveis, difusos e coletivos, relativos às comunidades tradicionais; Considerando o Relatório Final de Auditoria n encaminhado pela chefe do serviço de auditoria/ms/mt, Eliane Maria Figueiredo Leite de Campos, realizada na Secretaria municipal de saúde de General Carneiro/MT, referente ao Invetivo de Atenção Básica aos Povos Indígenas; DETERMINO: a) Registre-se e autue-se esta Portaria como Inquérito Civil cujo objeto é: 6ªCCR averiguar as irregularidades constatadas pelo Relatório de Auditoria n , realizadas no Secretaria Municipal de Saúde de General Carneiro/MT. b) Após os registros de praxe, publique-se e comunique-se esta instauração à 6ª CCR, para os fins previstos no art. 4º, 1º e 2º, art. 5º, art. 6º e art. 16, 1º, I, da Resolução CSMPF nº 87/2010. c) Designo para secretariar os trabalhos, enquanto lotada neste Gabinete, a servidora Cínthia S. Bento. ##ÚNICO: EXTRA-MT WILSON ROCHA ASSIS PORTARIA Nº 23, DE 7 DE ABRIL DE 2015 Procedimento preparatório n / O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo signatário, com fulcro nas atribuições conferidas pelos arts. 127 e 129 da Constituição Federal; art. 6º, VII, b, e art. 7º, I, da LC n. 75/93; o disposto na Res. n. 23/2007, do CNMP e Res. n. 87/2006, do CSMPF; CONSIDERANDO que os elementos constantes do presente procedimento preparatório estão no âmbito de atuação do Ministério Público Federal e demandam investigação;

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014 EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014 O CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CONANDA, faz publicar o Edital de Convocação para a eleição das entidades da sociedade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I 1 Conselho Municipal do Idoso de São Caetano do Sul Lei n 4.179 de 23/10/2003. R. Heloísa Pamplona, 304 B. Fundação CEP 09520-310 São Caetano do Sul/SP. cmi@saocaetanodosul.sp.gov.br REGIMENTO INTERNO

Leia mais

TÍTULO I DA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO

TÍTULO I DA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO QUARTA VERSÃO 07/07/06. Dispõe sobre a gestão democrática e normatiza o processo de escolha de Diretor e Assessor(es) de Direção que integram a equipe gestora das unidades escolares da Rede Pública Estadual

Leia mais

Lei de Criação do Conselho Tutelar da Criança e do Adolescente. Lei n. 574/00

Lei de Criação do Conselho Tutelar da Criança e do Adolescente. Lei n. 574/00 Lei de Criação do Conselho Tutelar da Criança e do Adolescente Lei n. 574/00 CAPÍTULO II DO CONSELHO TUTELAR DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DAS DISPOSIÇÕES GERAIS ART. 15 Fica criado o Conselho

Leia mais

Conselho Municipal do Direito da Criança e do Adolescente

Conselho Municipal do Direito da Criança e do Adolescente Conselho Municipal do Direito da Criança e do Adolescente EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 001/2014 SELEÇÃO DE ENTIDADE DA SOCIEDADE CIVIL PARA INTEGRAR O CONSELHO MUNICIPAL DO DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Leia mais

Professor Rodrigo Marques de Oliveira Presidente do Conselho Acadêmico do IFMG - Campus Governador Valadares

Professor Rodrigo Marques de Oliveira Presidente do Conselho Acadêmico do IFMG - Campus Governador Valadares SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS GOVERNADOR VALADARES - CONSELHO ACADÊMICO Av. Minas Gerais, 5.189 - Bairro Ouro

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República em Pernambuco 3º Ofício da Tutela Coletiva

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República em Pernambuco 3º Ofício da Tutela Coletiva Inquérito Civil n.º 1.26.000.001064/2012-16 Manifestação n.º 194/2014-MPF/PRM-CG/PB MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República em Pernambuco 3º Ofício da Tutela Coletiva O MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE JANEIRO DE 2008 REGULAMENTO DE CONSELHO DE USUÁRIOS DO STFC CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Este Regulamento estabelece as regras básicas para implantação,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 708, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 R E S O L U Ç Ã O:

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 708, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 R E S O L U Ç Ã O: SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 708, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 Institui o Regimento Eleitoral que estabelece normas para a eleição on line (SIGEleição)

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA 03/2015/SMEC

INSTRUÇÃO NORMATIVA 03/2015/SMEC INSTRUÇÃO NORMATIVA 03/2015/SMEC Dispõe sobre o processo anual de atribuição de classes e ou aulas ao pessoal docente pertencentes ao quadro efetivo e com contrato temporário nas Unidades Escolares da

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições,

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições, CONSELHOS COMUNITÁRIOS Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHOS COMUNITÁRIOS ORGAO COLEGIADO GABINETE DO PREFEITO Tornar os cidadãos parte ativa no exercício do governo, mediante

Leia mais

EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY

EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY São convocados os senhores Usuários dos serviços de Telecomunicações e as associações ou entidades que possuam em seu objeto social características

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6/2013 (ELEIÇÕES-IBDFAM) ADITIVO

RESOLUÇÃO Nº 6/2013 (ELEIÇÕES-IBDFAM) ADITIVO RESOLUÇÃO Nº 6/2013 (ELEIÇÕES-IBDFAM) ADITIVO Dispõe sobre os procedimentos, critérios, condições de elegibilidade, normas de campanha eleitoral e pressupostos de proclamação dos eleitos nas eleições do

Leia mais

RECOMENDAÇÃO Nº 001/2015/4OFCIVEL/PR/AM

RECOMENDAÇÃO Nº 001/2015/4OFCIVEL/PR/AM RECOMENDAÇÃO Nº 001/2015/4OFCIVEL/PR/AM O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo Procurador da República subscrito, no uso de suas atribuições legais, em especial o disposto no art. 6º, XX, da Lei Complementar

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 Aprova o Regimento Interno da Comissão Interna de Supervisão da Carreira dos Cargos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS EDITAL N o 01/2014, DO CONSELHO DA FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS Regulamenta a eleição

Leia mais

DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012

DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012 DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012 Dispõe sobre a criação de Comissão de Ética de Enfermagem Institucional. CONSIDERANDO o disposto no artigo 8º, I, da Lei 5.905/73, que possibilita ao COFEN aprovar seu regimento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ GABINETE DA PREFEITA

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ GABINETE DA PREFEITA PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ GABINETE DA PREFEITA LEI Nº 2.255/2007 Dá nova redação a Lei nº 1.453/200 que cria o Conselho de Alimentação Escolar e dá outras providências. A PREFEITA MUNICIPAL DE MOSSORÓ,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE APRESENTADO PARA SER DISCUTIDO E APROVADO na reunião do Conselho CAPÍTULO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ELEITORAL (Aprovado na AGE de 10.08.2011)

REGIMENTO INTERNO ELEITORAL (Aprovado na AGE de 10.08.2011) REGIMENTO INTERNO ELEITORAL (Aprovado na AGE de 10.08.2011) I - Das disposições gerais II - Do processo eleitoral A) Da eleição para a Diretoria e o Conselho Fiscal B) Da eleição para o Conselho de Ética

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N. 029/2015

RECOMENDAÇÃO N. 029/2015 IC 1.14.006.000151/2015-51 RECOMENDAÇÃO N. 029/2015 Ementa: Necessidade de condições mínimas para funcionamento do CAE; necessidade de publicidade quanto às verbas recebidas pelo PNAE; necessidade de fornecimento

Leia mais

FACULDADE VALE DO SALGADO ICÓ CEARÁ

FACULDADE VALE DO SALGADO ICÓ CEARÁ EDITAL Nº01/PROUNI, DE 20 DE SETEMBRO DE 2014 EDITAL DE INSCRIÇÃO PARA ELEIÇÕES DAS COMISSÕES LOCAIS DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO PROGRAMA UNIVERSIDADE PARA TODOS - PROUNI DA FACULDADE VALE DO

Leia mais

MODELO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDEB NO MUNICÍPIO DE DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO

MODELO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDEB NO MUNICÍPIO DE DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO MODELO O conteúdo desse Modelo de Regimento Interno representa a contribuição do MEC, colocada à disposição dos Governos Municipais, a título de apoio técnico, previsto no art. 30, I, da Lei nº 11.494,

Leia mais

MENSAGEM Nº, de 2008.

MENSAGEM Nº, de 2008. MENSAGEM Nº, de 2008. = Tenho a honra de submeter à elevada consideração de Vossas Excelências o projeto de Lei anexo, que objetiva criar o Conselho Municipal Antidrogas COMAD. Um dos mais graves problemas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO Estado do Rio Grande do Sul DECRETO Nº 5.541, DE 10 DE MARÇO DE 2008.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO Estado do Rio Grande do Sul DECRETO Nº 5.541, DE 10 DE MARÇO DE 2008. DECRETO Nº 5.541, DE 10 DE MARÇO DE 2008. Regulamenta o artigo 66, do Estatuto dos Servidores Públicos de São Leopoldo, Lei nº 6.055 de 14 de Setembro de 2006, Da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes-

Leia mais

EDITAL DE ELEIÇÃO Nº 001/2015-CACS/FUNDEB/PMJP/RO

EDITAL DE ELEIÇÃO Nº 001/2015-CACS/FUNDEB/PMJP/RO EDITAL DE ELEIÇÃO Nº 001/2015-CACS/FUNDEB/PMJP/RO Ji-Paraná, 07 de outubro de 2015. A Comissão Eleitoral para eleição de membros para o Conselho Municipal de Acompanhamento e Controle Social do Fundo de

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS Mensagem nº 62, de 2011 Canoas, 29 de agosto de 2011. A Sua Excelência o Senhor Vereador César Augusto Ribas Moreira Presidente da Câmara Municipal de Canoas Canoas - RS Senhor Presidente, Na forma da

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM

REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM Sete Lagoas, 2010 2 REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

EDITAL Nº001, DE 13 DE JANEIRO DE 2015.

EDITAL Nº001, DE 13 DE JANEIRO DE 2015. EDITAL Nº001, DE 13 DE JANEIRO DE 2015. A Presidente do no uso de suas atribuições legais e regulamentadas pela Lei Nº 2.750 de 31 de Dezembro publica as normas para o processo eleitoral das entidades

Leia mais

Processo Eleitoral para Eleições Diretas de Diretores nas Escolas da Rede Municipal de Ensino de Linhares

Processo Eleitoral para Eleições Diretas de Diretores nas Escolas da Rede Municipal de Ensino de Linhares EDITAL Nº. 02/2010 Processo Eleitoral para Eleições Diretas de Diretores nas Escolas da Rede Municipal de Ensino de Linhares A PREFEITURA MUNICIPAL DE LINHARES, por meio da SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

EDITAL Nº 69/2013/IFRO

EDITAL Nº 69/2013/IFRO EDITAL Nº 69/2013/IFRO O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA, no uso de suas atribuições legais conferidas pela Lei nº 11.892, de 29/12/2008 e considerando a Lei nº

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 78, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2008. RESOLVE: REGIMENTO INTERNO DO COLÉGIO DE PROCURADORES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO DA COMPOSIÇÃO

RESOLUÇÃO Nº 78, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2008. RESOLVE: REGIMENTO INTERNO DO COLÉGIO DE PROCURADORES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO DA COMPOSIÇÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA GERAL DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR (Publicada no DJ, de 28/11/2008, págs. 11/12) (Alterada pela Resolução nº 80, de 24/03/2009) (Alterada pela Resolução nº

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO ELEIÇÕES PARA O CONSELHO DELIBERATIVO ABHH QUADRIÊNIO 2016/ 2019

EDITAL DE CONVOCAÇÃO ELEIÇÕES PARA O CONSELHO DELIBERATIVO ABHH QUADRIÊNIO 2016/ 2019 EDITAL DE CONVOCAÇÃO ELEIÇÕES PARA O CONSELHO DELIBERATIVO ABHH QUADRIÊNIO 2016/ 2019 A Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia e Terapia Celular ABHH em cumprimento ao disposto em seu Estatuto

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SUBFINANCIAMENTO DA SAÚDE PÚBLICA PR-SP-00049657 /2014

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SUBFINANCIAMENTO DA SAÚDE PÚBLICA PR-SP-00049657 /2014 PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO Rua Frei Caneca, 1.360 - Consolação - São Paulo - SP - CEP O 1307-002- Fone: (11) 3269-5000 EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SUBFINANCIAMENTO DA SAÚDE PÚBLICA

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Pedra dos Ferros

Prefeitura Municipal de São Pedra dos Ferros CNPJ/MF. nº 19.243.500/0001-82 Código do Município: 847-8 Praça Prefeito Armando Rios, 186-Centro - 35360-000 São Pedra dos Ferros-MG lei no 101, de 08 de maio de 2014. DISPÕE SOBRE A CONSTITUiÇÃO DA COMISSÃO

Leia mais

EDITAL DE ELEIÇÃO DE DIRETORES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE MIRANORTE TOCANTINS

EDITAL DE ELEIÇÃO DE DIRETORES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE MIRANORTE TOCANTINS EDITAL DE ELEIÇÃO DE DIRETORES DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE MIRANORTE TOCANTINS Processo Eleitoral para Eleições de Diretores nas Escolas da Rede Municipal de Ensino de Miranorte Tocantins. A PREFEITURA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001/2010

RESOLUÇÃO Nº 001/2010 RESOLUÇÃO Nº 001/2010 ALTERA O REGIMENTO INTERNO DA OUVIDORIA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS. O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA, no uso das atribuições conferidas pelo artigo 18, inciso XVII,

Leia mais

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 Dispõe sobre a regulamentação e a metodologia da inteligência de sinais a ser utilizada no âmbito do Ministério Público do Estado de Goiás. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA

Leia mais

PORTARIA PGR/MPF Nº 918 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013 CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E DIRETRIZES

PORTARIA PGR/MPF Nº 918 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013 CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E DIRETRIZES PORTARIA PGR/MPF Nº 918 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013 Institui a Política Nacional de Comunicação Social do Ministério Público Federal. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

Lei 18590-13 de Outubro de 2015

Lei 18590-13 de Outubro de 2015 Lei 18590-13 de Outubro de 2015 Publicado no Diário Oficial nº. 9556 de 15 de Outubro de 2015 Súmula: Definição de critérios de escolha mediante a consulta à Comunidade Escolar para designação de Diretores

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO DE JANEIRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO DE JANEIRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ACADÊMICO DE ENSINO TÉCNICO

Leia mais

b - O sócio Institucional terá anuidade correspondente a dez vezes a dos sócios efetivos e colaboradores.

b - O sócio Institucional terá anuidade correspondente a dez vezes a dos sócios efetivos e colaboradores. Regimento Interno da Sociedade dos Zoológicos do Brasil - SZB Da Sociedade Artigo 1º - A sociedade dos Zoológicos do Brasil SZB, fundada em 23 de setembro de 1977, funciona conforme o disposto nos seus

Leia mais

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06)

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06) Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006 (pt. nº. 3.556/06) Constitui, na comarca da Capital, o Grupo de Atuação Especial de Inclusão Social, e dá providências correlatas. O Colégio de Procuradores

Leia mais

Edital nº 068/2013 IF Catarinense Câmpus Araquari

Edital nº 068/2013 IF Catarinense Câmpus Araquari Edital nº 068/2013 IF Catarinense Câmpus Araquari EDITAL DO PROCESSO ELEITORAL PARA ESCOLHA DOS MEMBROS DO CONSELHO DO CAMPUS (CONCAMPUS) DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS ARAQUARI. O Presidente

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO ELEITORAL PARA DIRETORIA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FISIOTERAPIA TRAUMATO- ORTOPÉDICA ELEIÇÃO 2015 GESTÃO 2016/2017

EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO ELEITORAL PARA DIRETORIA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FISIOTERAPIA TRAUMATO- ORTOPÉDICA ELEIÇÃO 2015 GESTÃO 2016/2017 EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO ELEITORAL PARA DIRETORIA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FISIOTERAPIA TRAUMATO- ORTOPÉDICA ELEIÇÃO 2015 GESTÃO 2016/2017 A Associação Brasileira de Fisioterapia Traumato-Ortopédica

Leia mais

O Prefeito da Cidade do Recife, no uso das atribuições conferidas pelo Art. 54, item IV, da Lei Orgânica do Município.

O Prefeito da Cidade do Recife, no uso das atribuições conferidas pelo Art. 54, item IV, da Lei Orgânica do Município. DECRETO Nº 17.596/97 Ementa: Regulamenta o funcionamento das Comissões de Urbanização e Legalização das Zonas Especiais de Interesse Social, nos termos prescritos pela Lei Municipal nº 16.113/95. O Prefeito

Leia mais

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 Dispõe sobre a organização do ensino superior, a avaliação de cursos e instituições, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1580/2010 Dá nova nomenclatura a Conferência, ao Conselho e ao Fundo Municipal de Assistência ao Idoso criado pela Lei nº 1269/2004 e dá outras providencias. Faço saber que a Câmara Municipal de

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jacobina publica:

Prefeitura Municipal de Jacobina publica: Prefeitura Municipal de Jacobina 1 Terça-feira Ano IX Nº 798 Prefeitura Municipal de Jacobina publica: Decreto Nº 089 de 10 de Fevereiro de 2014 - Prorroga a situação de emergência no Município de Jacobina

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE REGULAMENTO DO -CAEx CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art.1º O Conselho Acadêmico de Atividades de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, IFRJ, é um órgão

Leia mais

ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO CAPÍTULO I DA FINALIDADE

ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO CAPÍTULO I DA FINALIDADE ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO LEI DE N 142/2013 de 18 de abril de 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA

FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA RESOLUÇÃO CNE Nº 01/2008, REPUBLICADA (*), DE 07/07/2008 Artigo 1º Este Regimento Interno contém as normas que regulam o funcionamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PRESIDÊNCIA PORTARIA FNDE Nº 344 DE 10 DE OUTUBRO DE 2008.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PRESIDÊNCIA PORTARIA FNDE Nº 344 DE 10 DE OUTUBRO DE 2008. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PRESIDÊNCIA PORTARIA FNDE Nº 344 DE 10 DE OUTUBRO DE 2008. Estabelece procedimentos e orientações sobre a criação, composição, funcionamento

Leia mais

7ª Promotoria de Tutela Coletiva de Defesa da Cidadania da Capital

7ª Promotoria de Tutela Coletiva de Defesa da Cidadania da Capital PROGRAMA DE AUDIÊNCIAS PÚBLICAS DA SAÚDE EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA Pauta: CRACK / 11 Dez 2012 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, através da 3ª Promotoria de Tutela Coletiva

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SG/MPF N.º 3, DE 6 DE JANEIRO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA SG/MPF N.º 3, DE 6 DE JANEIRO DE 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA SG/MPF N.º 3, DE 6 DE JANEIRO DE 2014 Dispõe sobre os processos de emissão de Certificados Digitais aos membros, servidores, equipamentos e aplicações do Ministério Público Federal.

Leia mais

Constituição da CIPA: 5.2. Devem constituir CIPA, por estabelecimento...

Constituição da CIPA: 5.2. Devem constituir CIPA, por estabelecimento... 1 Modelos de Documentos para a constituição da CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - Data: 02/01/2006. Realização: Gerência de Políticas de Prevenção e Saúde Ocupacional Objetivos da CIPA:

Leia mais

FUNDAÇÃO FRANCISCO MASCARENHAS FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS

FUNDAÇÃO FRANCISCO MASCARENHAS FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS 1 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS O presente Regimento (versão aprovada em reunião plenária de 24 de maio de 2011) disciplina os critérios de composição, eleição

Leia mais

PORANGATU PREV. Regime Próprio de Previdência Social PORANGATU/GO. Edital nº 001/2014

PORANGATU PREV. Regime Próprio de Previdência Social PORANGATU/GO. Edital nº 001/2014 Edital nº 001/2014 ESTABELECE DATAS, PRAZOS, NORMAS E PROCEDIMENTOS SOBRE O PROCESSO DE ELEIÇÃO DIRETA PARA ESCOLHA DE SERVIDOR PARA COMPOR O CONSELHO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE PORANGATU-GO.

Leia mais

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011 Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011 LEI Nº 810 DE 6 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre a reorganização dos Conselhos Escolares do Sistema Estadual de Ensino e dá

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A. EMBRATEL. CNPJ/MF n.º 33.530.486/0001-29 NIRE 3330000340-1

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A. EMBRATEL. CNPJ/MF n.º 33.530.486/0001-29 NIRE 3330000340-1 Regimento Interno do Conselho de Usuários da Região I do PGO da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. - Embratel CAPÍTULO I OBJETIVO E FINALIDADE Art. 1º - O presente Regimento Interno tem por objetivo

Leia mais

DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007

DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007 SENADO FEDERAL SUBSECRETARIA DE INFORMAÇÕES DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007 Institui Sistema de Gestão da Ética do Poder Executivo Federal, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO ANEEL Nº 138, DE 10 DE MAIO DE 2000

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO ANEEL Nº 138, DE 10 DE MAIO DE 2000 Acesso ao Texto Original AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO ANEEL Nº 138, DE 10 DE MAIO DE 2000 Estabelece as condições gerais para a formação, funcionamento e operacionalização dos

Leia mais

Prefeitura Municipal de Porto Alegre

Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeitura Municipal de Porto Alegre DECRETO Nº 17.301, DE 14 DE SETEMBRO DE 2011. Aprova o Regimento Interno do Fórum Municipal dos Conselhos da Cidade (FMCC). O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no

Leia mais

RECOMENDAÇÃO n.º 05/2014

RECOMENDAÇÃO n.º 05/2014 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA BAHIA Inquérito Civil Público Autos n.º 1.14.000.001665/2012-31 RECOMENDAÇÃO n.º 05/2014 NO ESTADO DE DIREITO GOVERNAM AS LEIS E NÃO OS HOMENS. VIGE

Leia mais

NR5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (205.000-5) DO OBJETIVO 5.1 A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE VENDA NOVA DO IMIGRANTE ES

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE VENDA NOVA DO IMIGRANTE ES CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE VENDA NOVA DO IMIGRANTE ES RESOLUÇÃO CMDCA/VNI-ES Nº 02/2015 DE 28 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre o Edital CMDCA/VNI-ES nº 01/2015 do processo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE CASTANHAL FACULDADE DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE CASTANHAL FACULDADE DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CHAMADA PARA ESCOLHA DA REPRESENTA DISCENTE DA FACULDADE DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (FACSI) A coordenação da Faculdade de Sistemas de Informação Campus Castanhal da Universidade Federal do Pará no uso de

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL EDITAL Nº 02/2014

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL EDITAL Nº 02/2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL EDITAL Nº 02/2014 EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE COORDENADORES DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, QUE ATENDERÃO

Leia mais

MUNICÍPIO DE ITAPEMIRIM CNPJ 27.174.168/0001-70

MUNICÍPIO DE ITAPEMIRIM CNPJ 27.174.168/0001-70 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Informativo Oficial do Municipio de Itapemirim - Criado pela Lei Municipal nº 1.928/05 e Regulamentado pelo Decreto nº 2.671/05 - Ano IX - 1618 DECRETOS DECRETO Nº. 8.552 /2015

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES DECRETO Nº 6.106/2013 REGULAMENTA AS LICENÇAS PARA TRATAMENTO DE SAÚDE, DE QUE TRATAM OS ARTS. 80, I; 82 A 100, DA LEI MUNICIPAL Nº 1.132, DE 02 DE JULHO DE 1990 (ESTATUTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RESOLUÇÃO N O 20 (Alterada pelas Resoluções CSMPF Nº 23, de 23/4/1996; Nº 26, de 4/6/1996; Nº 31, de 27/6/1997; Nº 40, de 31/3/1998 e Nº 119, de 4/10/2011

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Fundação Universidade Federal do ABC Comissão Eleitoral para a eleição de membros da Comissão de Graduação Av. dos Estados, 5001 Bairro Bangu Santo André - SP CEP 09210-580 Fone:

Leia mais

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO LEI Nº 2.998/2007 REGULAMENTA O CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO - COPLAN, CRIADO NO ARTIGO 2º, DA LEI COMPLEMENTAR N.º 037/2006, DE 15 DE DEZEMBRO, QUE DISPOE SOBRE NORMAS DE

Leia mais

Prof Dr. Antonio Guedes Rangel Junior

Prof Dr. Antonio Guedes Rangel Junior RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/065/2014 Regulamenta o processo de afastamento para capacitação de Docentes da UEPB. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE, da UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB,

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO NOME DA UNIDADE DE ENSINO COMISSÃO ELEITORAL ESCOLAR MINUTA

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO NOME DA UNIDADE DE ENSINO COMISSÃO ELEITORAL ESCOLAR MINUTA 1 GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO NOME DA UNIDADE DE ENSINO COMISSÃO ELEITORAL ESCOLAR MINUTA REGIMENTO DO PROCESSO ELEITORAL PARA COMPOSIÇÃO DO CONSELHO ESCOLAR

Leia mais

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente convida os Órgãos Públicos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS PRODUTORES DE SOJA E MILHO DO ESTADO DE MATO GROSSO

ASSOCIAÇÃO DOS PRODUTORES DE SOJA E MILHO DO ESTADO DE MATO GROSSO REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO DOS PRODUTORES DE SOJA E MILHO DO ESTADO DE MATO GROSSO CAPÍTULO VI Do Procedimento Eleitoral Da Eleição da Diretoria Art. 21 O processo eleitoral inicia-se no mês de julho

Leia mais

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC 1 Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC Capítulo I Da Natureza, Finalidade e Composição Art. 1 - O Conselho Fiscal é o

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 28/2008 Regulamenta a Pesquisa Eleitoral junto à Comunidade Universitária visando subsidiar a elaboração da lista

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA CAP I - Da Natureza Art. 1 - O Conselho Consultivo do Parque Nacional da Tijuca CCPNT é órgão consultivo integrante da estrutura administrativa

Leia mais

RECOMENDAÇÃO 002/2011

RECOMENDAÇÃO 002/2011 RECOMENDAÇÃO 002/2011 OFÍCIO DO PATRIMÔNIO PÚBLICO E SOCIAL O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por intermédio do Procurador da República signatário, no uso de suas atribuições legais e constitucionais, com

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO.

CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO. Estado do Rio Grande do Norte Município de Mossoró CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO. REGIMENTO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 1 9 6 3 1 9 6 3 PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 Lei nº 299/ 2008. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal do Idoso, do Fundo Municipal do Idoso e dá outras

Leia mais

REGIMENTO XII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO. Capítulo I DAS CONVOCAÇÕES

REGIMENTO XII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO. Capítulo I DAS CONVOCAÇÕES REGIMENTO XII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO Art. 1º - O presente Regimento, previsto pelo art. 24, 2º, da Lei nº 5.104/2009, se destina a regulamentar à XII Conferência Municipal de

Leia mais

1. DAS VAGAS, REMUNERAÇÃO, ATRIBUIÇÃO E MANDATO

1. DAS VAGAS, REMUNERAÇÃO, ATRIBUIÇÃO E MANDATO EDITAL N.º 02/2015 O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente COMDICA, na forma da Resolução Nº 20/2015, por sua Comissão de Eleição, torna público que se encontra aberto o processo

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA nº 02/2012

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA nº 02/2012 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA nº 02/2012 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL (MPF), representado pelo procurador da República DARLAN AIRTON DIAS, titular do 1º Ofício da Procuradoria da República

Leia mais

Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela

Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela Capítulo I Da denominação, da sede, fins e duração ART. 1º - O Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 A PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA (CNRM), no uso de sua atribuições previstas no art. 5.º do Decreto n.º 80.281, de 05 de setembro de 1977, e considerando o

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

SICOOB NOSSACOOP Cooperativa de Economia de Crédito dos Empregados das Instituições de Ensino e Pesquisa e de Servidores Públicos Federais de Minas

SICOOB NOSSACOOP Cooperativa de Economia de Crédito dos Empregados das Instituições de Ensino e Pesquisa e de Servidores Públicos Federais de Minas SICOOB NOSSACOOP Cooperativa de Economia de Crédito dos Empregados das Instituições de Ensino e Pesquisa e de Servidores Públicos Federais de Minas Gerais Ltda. REGULAMENTO DO VOTO ELETRÔNICO PELA INTERNET

Leia mais

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso:

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso: PROJETO DE LEI Nº 2.093/09, de 30 de junho de 2.009 Dispõe sobre criação do Conselho Municipal de Direitos do Idoso e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE GOIATUBA, Estado de Goiás, faz saber

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS E DA SAÚDE DE JUIZ DE FORA. SUPREMA. Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais CEUA CAPÍTULO I

FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS E DA SAÚDE DE JUIZ DE FORA. SUPREMA. Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais CEUA CAPÍTULO I FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS E DA SAÚDE DE JUIZ DE FORA. SUPREMA Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais CEUA CAPÍTULO I Da Natureza e Finalidade Art.1º A Comissão de Ética no Uso de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Conselho Municipal de Planejamento Urbano, criado pela Lei Complementar nº 510,

Leia mais

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno, cria a Controladoria Municipal e dá outras providências., Prefeito Municipal de FAÇO saber a todos os habitantes deste Município

Leia mais

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente.

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente. REGIMENTO INTERNO DO COMDICA Título I DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Capítulo I - DA NATUREZA Art.1º - O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente COMDICA,

Leia mais

Art. 2.º - Compete ao Conselho Municipal de Saúde:

Art. 2.º - Compete ao Conselho Municipal de Saúde: CAPÍTULO I DO ÓRGÃO E DAS COMPETÊNCIAS Art. 1.º - O presente Regimento Interno regula as atividades e atribuições do Conselho Municipal de Saúde de Osasco - C.M.S., conforme Lei nº 3.969 de 10 de novembro

Leia mais

Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006

Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006 Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006 Alterado por Ato Normativo nº 905/2015, de 11/06/2015 (PT nº. 20.243/06) Aprova o Plano de Classificação de Documentos e a Tabela de Temporalidade

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS FENILCETONÚRICOS E HOMOCISTINÚRICOS DO PARANÁ E ASSOCIAÇÃO DOS PAIS E PROFISSIONAIS DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL ECUMÊNICA

ASSOCIAÇÃO DOS FENILCETONÚRICOS E HOMOCISTINÚRICOS DO PARANÁ E ASSOCIAÇÃO DOS PAIS E PROFISSIONAIS DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL ECUMÊNICA ASSOCIAÇÃO DOS FENILCETONÚRICOS E HOMOCISTINÚRICOS DO PARANÁ E ASSOCIAÇÃO DOS PAIS E PROFISSIONAIS DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL ECUMÊNICA REGIMENTO INTERNO DAS ELEIÇÕES PARA INDICAÇÃO DE MEMBROS PARA

Leia mais